Archive | setembro 2014

A Semana Astrológica: Hora da Revisão!

christian schloe the wandering forest

Christian Schloe – The wandering Forest

Semana de 29 de Setembro a 5 de outubro 

Semana importante começando devido às eleições que ocorrem no domingo, 5. Astrologicamente também há eventos muito importantes acontecendo no céu. Vênus deixa a clausura e a discrição de Virgem e ingressa em Libra, signo regido por ela, que se torna mais poderosa e elegante e prepara-se para a Conjunção Superior com o Sol, no dia 25 de outubro. De Libra Vênus faz quincunce a Netuno em Peixes. O Sol, também trafegando Libra, faz sextil a Marte em Sagitário, quadra Plutão e forma uma Cruz T Cardinal, pois ainda se opõe a Urano, embora esta oposição só fique exata na semana que vem. É bem oportuno que o Sol se envolva nessa Cruz T exatamente na semana das eleições, para que nos lembremos dos temas mais cruciais que temos vivido e da necessidade de transformação social que tem nos pressionado tanto. Seria interessante decidirmos nosso voto até a sexta-feira, porque no fim de semana tendemos a nos confundir e perder a clareza, com a Lua em Peixes ficando conjunta a Netuno exatamente no domingo, anunciando a possibilidade de nos deixarmos apanhar por promessas messiânicas e demagogas, que se revelarão depois engodos bem arquitetados.

rebenke.deviantart

Marte – Rebenke.Deviantart – Reprodução

Recebemos ajuda extra nesse processo decisório dos trígonos Marte-Júpiter e Marte-Urano, que vêm elevar nossas esperanças, otimismo e autoconfiança, qualidades das quais Marte estava muito necessitado, pois andaram escassas nos últimos tempos. Estes trígonos vêm ainda enfatizar nosso desejo por ações e decisões inovadoras e transformadoras. Porém, é preciso ficar atento ao fanatismo e à tendência à catequização, à identificação excessiva com as crenças e a achar que somos os donos da verdade, que “sabemos tudo”. Isso porque Marte começa a empreender um vôo solo ficando Fora de Limites nas declinações ao Sul. Marte Fora de Limites não atende a ninguém, nem às orientações do seu Rei Sol, tornando sua ação perigosa e temerária.

Mercúrio em Escorpião estaciona no sábado e entra em retrogradação no domingo – apesar de aparentemente não muito alvissareira, essa situação de Mercúrio pode favorecer a ponderação e a revisão do que precisa ser transformado.

A Lua está Crescente e viaja nesta semana pelos signos de Sagitário, Capricórnio, Aquário e Peixes, fazendo aspectos diversos com os demais planetas. Ao quadrar o Sol na quarta-feira, a Lua fecha o Primeiro Quarto do ciclo e inicia o Segundo.

Dia a dia

A semana se abre com a Lua Crescente em Sagitário na segunda-feira, fazendo quadratura a Netuno em Peixes, sextil ao Sol em Libra, conjunção a Marte e quadratura a Quíron já à noite. Entusiasmo que vem e vai dá o tom do dia. A manhã tende a ser mais confusa e é preciso cuidar porque há tendência a fofocas e maledicências, além de aproveitadores da excessiva e ingênua generosidade alheia. À tarde a conjunção com Marte e o posterior Grande Trígono Fogoso com Júpiter e Urano ampliam nossa autoconfiança e vigor. Ainda temos que lidar com influências fragilizadoras e somos lembrados por Quíron que mesmo a mais otimista das criaturas têm que lidar com revezes e com aquilo que não funciona nem tem solução. De modo geral um dia para equilibrar entusiasmo e fé com a percepção das impossibilidades geradas pelas fraquezas humanas. Vênus entra em Libra às 17h53min, signo de sua regência. Com Vênus em Libra, focamos na beleza, na igualdade nas relações, nos ideais mais civilizados da justiça e do equilíbrio. Vênus em libra certamente favorece os Librianos e os Taurinos, já que está numa situação mais confortável do que em Virgem, simbolizando um período de mais harmonia e beleza na vida – pelo menos até que Vênus entre em confronto com Urano-Plutão, mas isso é outra estóriaVênus fica em Libra até o dia 23 de outubro, quando entra em Escorpião.

venus

Detalhe principal da obra “O nascimento de Vênus” de Boticelli – Reprodução

A terça-feira é marcada pelo trânsito Fora de Curso da Lua, que fica vazia da 00h30min do dia 30 (depois do trígono com Júpiter), até a 01h41min do dia primeiro de outubro, ou seja, mais de 24 horas. Durante este período teremos favorecida a reflexão do que nos move realmente, de a quantas andam a nossa fé e motivação interior; o que nos incendeia? De que filosofias e crenças temos nos alimentado? Serão elas realmente nutritivas? Fazem sentido para nós, ou apenas pegamos emprestado de outros, repetindo-as feito papagaio? Professamo-las e vivemo-las com o coração ou são fórmulas hipócritas de “faça o que eu digo, mas não faça o que eu faço”?

elegancia

Desconheço o autor – Reprodução

Já em Capricórnio, a Lua fecha o Primeiro quarto e inicia o Segundo na quarta-feira. Desaparece no abraço intenso e infernal de Plutão e de lá desafia os ideais civilizados do Sol Libriano, além das propostas revolucionárias de Urano em Áries. A Lua faz ainda sextil a Mercúrio em Escorpião e a Netuno em Peixes. Dia especialmente tenso que promete ser decisivo na corrida eleitoral, com denúncias de ultima hora pipocando na mídia, no afã desembestado de candidatos que recorrem a todos os recursos para ganhar uma eleição ou simplesmente denegrir a imagem do oponente – e aqui vale tudo, inclusive o mote mesquinho do “eu posso não ganhar, mas farei o impossível para que você também não chegue lá”. Não basta tentar ganhar, tem que destruir o outro no processo. Limpeza e decência passam longe. Por outro lado, conjunta a Plutão, a Lua vai ao submundo dos processos sociais e do poder estabelecido, trazendo a podridão e esfregando-a na nossa cara, numa lavação de roupa suja gigantesca, obrigando-nos a rever nossas idéias a respeito da democracia e do “homem civilizado” (Sol Libra).

eric johanssen - big laundry day

Eric Johanssen – Big Laundry Day – Reprodução

A Lua abre a quinta-feira quadrando Urano em Áries. Também faz sextil a Quíron em Peixes e quincunce a Júpiter em Leão, tornando-o foco de um Yod. Fica vazia às 13h19min depois do sextil a Saturno em Escorpião (entra em Aquário somente na sexta, às 05h00min da manhã). Vênus vai se aproximando do quincunce a Netuno e o Sol do sextil a Marte. Ao contrário da terça-feira, hoje a Lua se esvazia depois de se harmonizar com Saturno. Somos levados a perscrutar nosso comprometimento e nossa responsabilidade pela realidade que vivemos, pela nossa posição social e situação no mundo e o que podemos fazer a partir disso se estamos insatisfeitos. Não é dia para aventuras, pelo contrário, é para trabalhar duro, com foco e cronograma!

Na sexta-feira a Lua, os sonhos da madrugada refletem as responsabilidades e nossos receios sociais, além de ansiedades ligadas ao trabalho. Às cinco da manhã a Lua entra em Aquário e logo quadra Mercúrio emperrado a 2° de Escorpião. Felizmente a Lua também tem encontros bacanas com Vênus e com o Sol em Libra. Vênus faz quincunce a Netuno em Peixes. Dia complicadinho a princípio: a Lua quer racionalizar e analisar o que sente, enquanto Mercúrio quer sentir o que pensa e concluir a partir disso… Conflitos à vista! Cabeça e coração ficam confusos tendemos a embaralhar as estações. O trígono com Vênus e com o Sol mais tarde diminui a tensão, desfazendo mal entendidos que porventura tenham sido criados pela manhã. De qualquer modo, continuamos muito cerebrais e distanciados, recorrendo mais a abordagens conceituais do que práticas ou vivenciais. Analisamos mais, sentimos menos porque sentimentos são coisas complicadas nas quais não se pode confiar. O quincunce Vênus-Netuno desafia nossos anseios por relacionamentos perfeitos, sinalizando que tendemos a ver o outro com um olhar pouco realista, o que nos deixa predispostos a desapontamentos, e o pior é que não nos damos conta disso, ficando incertos com uma sensação de “pulga atrás da orelha”. Melhor prestar atenção a essa pulga!

gan

Reprodução

No sábado a Lua se envolve numa Cruz T Fixa com Júpiter em Leão e Saturno em Escorpião. O Sol quadra Plutão e começa a se tornar foco de uma Pipa ao fazer sextil a Marte e a Júpiter, que estão ambos em trígono com Urano em Áries, que recebe a oposição do Sol. Marte quadra Quíron em Peixes e Mercúrio estaciona a 2° de Escorpião. O sábado fica explosivo e propenso a revelações várias, atmosfera mais do que interessante para uma véspera de eleição. Estamos super instáveis e sujeitos a gangorras emocionais, ora sendo muito otimistas e racionais, ora reagindo de forma primitiva, errática e pessimista. Nossa vontade positivista é desafiada pelas idiossincrasias humanas, inclusive as nossas próprias. Nesse contexto, acabamos por chegar à conclusão que é hora de mais uma revisão dos nossos processos mentais. Com Mercúrio estacionando e engatando marcha à ré, agendamos um vasculhar do teto, limpando as teias de aranha da mente, das idéias, das formas de comunicação e de tudo o que aprendemos recentemente. O prefixo RE entra em pauta: Revisar, Rever, Revisitar, Reaver, Replanejar…

O domingo chega com a Lua vazia em Aquário, que entra em Peixes às 06h25min, já fazendo trígono a Mercúrio estacionário em Escorpião e conjunção a Netuno, o que promete perturbar nossas sensações ao longo do dia. Tendência a ficarmos sonhadores, confusos, idealistas, compassivos e ultra-sensíveis, estados de alma não muito recomendáveis para quem precisa ir votar e votar com lucidez e clareza. Mercúrio estacionário também faz trígono a Netuno, outra influencia que pode nos confundir ainda mais. Possibilidade de candidatos messiânicos saírem às ruas com “soluções redentoras” que engabelam os mais incautos – compra de votos fica favorecida! Marte, Fora de Limites em Sagitário, faz trígono a Urano, o que pode se manifestar em atitudes e ações extremistas dos fundamentalistas e “donos da verdade” política. Por tudo isso, é bom ponderar bem e muito antes de sair para votar!

Boa semana e muita clareza para você!

rasgando os véus e máscaras

Reprodução

Fim de Semana Astrológico

FIM DE SEMANA ASTROLÓGICO
‪#‎Astrologia‬
27 e 28 de setembro

alexandra manukian1

Alexandra Manukian – Reprodução

A Lua Crescente viaja por Escorpião e hoje quadra Júpiter em Leão, faz quincunce a Urano em Áries e une-se a Saturno na madrugada de domingo. No domingo ela também faz sextil a Vênus pelo fim da tarde e entra em Sagitário às 19h51min. Mercúrio entra em Escorpião às 18h40min do sábado e fica em movimento retrógrado de 4 a 24 de outubro. O Grande Trígono em Fogo formando por Marte-Júpiter-Urano vai ganhando força e o Sol Libriano vai preparando seus melhores argumentos e habilidades negociadoras para o embate com Plutão.

Temos tido poucas tréguas neste ano que tem como tom principal as transformações intensas, típicas de tempos extremos, catapultadas pela quadratura Urano-Plutão, que vêm simbolizar o enfado em que nos encontramos diante do estado de coisas a que chegamos, das armadilhas que criamos para nós mesmos na ânsia por progresso e poder. Mais e mais somos chamados a perceber que estes modelos estão falidos e precisam ser revistos, reinventados, se necessário, destruindo tudo no processo para que o novo de fato surja.

Neste contexto, os trânsitos mais rápidos funcionam como lembretes diários e mais específicos de onde tais transformações precisam acontecer; lembram-nos de que a mudança maior acontece na feitura dos dias e das horas. A Lua e os planetas rápidos fazem a sintonia fina dos temas maiores que são trabalhados na nossa vida. E ela vai enfatizando estes temas de forma curiosa. Nos últimos meses nem mesmo os fins de semana nos foram dados como “descanso”, com Dona Lua passeando pelas configurações mais tensas do período nos dias tradicionais do ócio, como a querer aproveitar a chance, ou melhor dizendo, criar para nós a oportunidade de nos brindar com a erupção dos temas nos momentos em que estaríamos mais relaxados e “desavisados”, propiciando encontros conosco mesmos dos quais não temos como escapar.

Foi assim com a Grande Cruz Cardinal que esteve ativa de março a junho. Durante este período dona Lua passava todo santo fim de semana num signo cardinal, ativando a bendita da Grande Cruz, de um ângulo diferente, como a nos exigir que olhasse para a coisa toda, também de ângulos diferentes. No fim de junho esse padrão mudou e desde então ela tem viajado pelos signos fixos durante os fins de semana. Não por acaso, depois que a Grande Cruz Cardinal se desfez, Saturno em Escorpião torna-se o Grande Protagonista, chamando a atenção pela conjunção com Marte e agora pela quadratura com Júpiter. E novamente a Lua destaca estes temas, transitando signos fixos todo fim de semana, aspectando Saturno no processo. Até a segunda semana de outubro, quando este padrão muda para os signos Mutáveis, e então Netuno e Quíron vêm à linha de frente nos momentos do ócio. O fim de semana nos últimos tempos virou “a hora da onça beber água” nos relacionamentos íntimos e familiares.

E assim é que mais uma vez temos um fim de semana de Lua-Saturno, sugerindo contenção e seriedade no vivenciar dos sentimentos; indicando um olhar de exame para o que fazemos na vida privada e íntima, quando não estamos atuando a partir da persona profissional e mundana. Tal encontro da Lua com Saturno sugere ainda uma tensão inescapável dentro dos relacionamentos familiares e mais íntimos, um momento em que temos que encarar os receios, as insatisfações, as falsidades, as indolências das quais fugimos nas nossas “horas comerciais” e laborais, através do trabalho e das obrigações sociais dos “dias úteis”. Sem o trabalho como desculpa, resta-nos suportar a tensão e olhar o diabo no olho, que nos olha de volta do outro lado da mesa do café da manhã, ou do almoço do domingo – isso se as redes sociais permitirem!

Lua e Saturno em Escorpião demandam um perscrutar honesto sobre nossa intimidade. Um purgar as tripas das toxicidades e venenos que vão se acumulando nas dobras e reentrâncias da alma, pondo para fora o azedume, a amargura, as suspeitas, os medos, as coisas podres e rôtas que fermentam e comprometem nosso vir a ser. E qual Pitonisa que remexe as vísceras do animal morto para elucidar as mensagens dos deuses, convém a nós também remexermos as vísceras da alma e do coração para decifrar a origem da amargura, da insatisfação crônica, da tensão íntima, e, na esteira disso, encontrar também o antídoto e a cura para tais males. No caso dos relacionamentos, é preciso coragem e confiança mútua para empreender essa purgação, suportando os odores fétidos do processo, sem saber do resultado final, confiando apenas na orientação dos deuses e da própria alma. O resultado final da jornada é sempre imprevisível, não há garantias, a não ser da integridade e da paixão pela completude. Para quem não atende ao chamado, o resultado é mais que previsível, é enfado, é o nada.

Imagem: Alexandra Manukian – Reprodução

Lua Nova em Libra: a semente de uma nova vida criativa

Alquimia (1)

Imagem alquímica – Reprodução

“A Astrologia é uma técnica para o estudo dos ciclos da vida” (1), dizia Dane Rudhyar. Dentre estes ciclos estudados pela Astrologia, estão os ciclos específicos dos planetas e Luminares, além dos ciclos representados por seus relacionamentos entre si – o ciclo Júpiter-Saturno, por exemplo, é um dos mais importantes em termos sociais e políticos. Tanto no mapa natal de um individuo ou entidade quanto no tempo real, há sempre vários ciclos se desdobrando simultaneamente, em diferentes fases de desenvolvimento, alguns se iniciando, outros se consolidando e outros ainda terminando, numa espiral que nunca tem fim, e que representa a evolução eterna do universo e provavelmente do elemento humano na Terra.

converted PNM file

Reprodução

Alguns ciclos são muito extensos e seu impacto de longo prazo é difícil de se perceber numa vida humana, como é o caso de Plutão, que leva 248 anos para dar uma volta completa ao redor do Sol e cujos efeitos são mais perceptíveis quando se analisa a História. Outros são mais visivelmente sentidos e percebidos na vida das pessoas, como o ciclo de Saturno, que tem em média, 29 anos. Outros ainda têm periodicidade mais curta e servem para nos situar no tempo, como o ciclo do Sol, que determina, entre outras coisas, as estações do ano e muitas atividades ligadas a elas, como plantação e colheita na agricultura, por exemplo; servem também para nos ajudar a estipular metas de curto, médio e longo prazo, propiciando mensuração, através da convenção dos calendários, e uma relação mais “palpável” com o tempo. E temos também os ciclos menores e mais imediatos, como o ciclo Lunar ou as Lunações, que tratam do relacionamento específico entre a Lua e o Sol. Como o ciclo Lunar tem em média 28 dias, o ano gregoriano teria em torno de 13 ciclos lunares completos. Os ciclos menores, em geral, devem ser vistos sobre o pano de fundo dos ciclos maiores, para que possam ser melhor entendidos e assimilados na vida mundana, e para que se tenha um senso de perspectiva no tempo e espaço.

Atanasius Kirtcher

Atanasius Kirtcher – Reprodução

Embora os ciclos maiores sejam sentidos de forma mais contundente na vida humana, os ciclos menores não são menos importantes e na sobreposição destes diversos intervalos de tempo, uma simples Lunação pode iniciar, finalizar ou precipitar os efeitos dos ciclos maiores que estejam se desenrolando na vida humana ou mesmo no coletivo. Isso se aplica especialmente aos eclipses, que são Lunações particularmente poderosas. Assim, supondo que o indivíduo tenha Plutão em trânsito fazendo um aspecto tenso ao seu Sol natal, aspecto que pode durar até dois anos: durante todo este tempo ele sente a tensão se acumular e muitas coisas se desintegrarem à sua volta, porém o efeito mais agudo deste trânsito poderá ser sentido quando uma Lunação (Lua Nova ou cheia) ocorrer em órbita próxima ao grau do Sol e de Plutão (conjunção, quadratura ou oposição), o que precipitará a crise e a eclosão da tensão que se acumulou por tanto tempo, levando à liberação da energia e à conseqüente resolução da questão, para o melhor ou pior, dependendo do contexto e da percepção do indivíduo. Assim, as lunações devem sempre ser entendidas como parte dos ciclos maiores e, a Lua Nova em particular, como oportunidade de reavaliação e reiteração dos objetivos e propósitos do ciclo Solar anual.

Tendo dito tudo isso – desculpem pela introdução longa – A Lua Nova de Libra que ocorre hoje no grau 1°07’ (24 de setembro de 2014, 03h13min, horário de Brasília, ou 07h13min para Lisboa WEST) vem novamente trazer a oportunidade de uma parada estratégica para revermos planos e objetivos, de curto e médio prazo – e em alguns casos, também de longo prazo – reavaliando, reiterando, reafirmando e implementando ações que vão se fazendo necessárias tanto para o funcionamento imediato das coisas, quanto para a execução dos planos de vida nos seus ciclos maiores. Astrologicamente, meio ano se passou, período que simbolicamente é relacionado ao individuo e à sua consolidação no mundo; agora iniciamos a fase em que nos voltamos para o exterior, para o outro e sua inclusão na nossa vida.

Christian Schloe stardust

Christian Schloe – Stardust – Reprodução

Libra é o signo da escolha, da decisão. Signo de Ar, Cardinal, “tem fortes pontos de vista sobre justiça, harmonia e comportamento civilizado. É um signo altamente refinado. Rege todas as artes civilizadas – o teatro, salas de concerto, galerias de arte, assim como as leis com as quais qualquer sociedade civilizada é conduzida” (2). O símbolo de Libra é a balança, que traduz sua função primeira, que é equilibrar o sistema, começando por equilibrar a relação entre o eu e o outro. Libra rege os relacionamentos, não do ponto de vista do sentimento, mas de um ponto de vista racional, da necessidade de se criar parcerias, de se interagir e viver em sociedade, tendo em vista o bem comum e a harmonia entre as partes envolvidas.

Esta Lua Nova enfatiza de forma particular os ideais de Libra por várias razões. Primeiro, está muito próxima do Grau Zero, considerado um grau crítico para todo signo, um grau-semente que carrega a concentração máxima do potencial do signo; segundo porque Sol e Lua estão praticamente isolados dos demais planetas, fazendo aspectos super amplos, se se considerar orbes muito generosas. Lua e Sol fazem um sextil de quase seis graus a Marte, que está a 7°00’ de Sagitário; fazem conjunção separativa (que já aconteceu) com oito graus de orbe, fora de signo, a Vênus, que é muito importante por ser regente de Libra, mas que está também isolada a 23° de Virgem, fazendo apenas um sextil, também separativo a Saturno; e fazem ainda quadratura aplicativa (ainda vai acontecer) a Plutão em Capricórnio, com quase 10 graus de orbe – muitos astrólogos nem consideram orbes tão amplas.  É, pois uma Lua Nova ultra idealista, como idealista é o signo de Libra, que tem como estandarte os ideais da Justiça, da Beleza e do Equilíbrio.

balance

Desconheço o autor – Reprodução

O problema é que se Lua e Sol não fazem contatos próximos com o resto do mapa, estes ideais ficam difíceis de serem executados, porque não ressonam com elementos fundamentais para sua manifestação no mundo; há propósito consciente (Sol) e há envolvimento da alma (Lua), mas não há integração suficiente das outras partes da psique, indicando que, pelo menos a princípio, podemos nos tornar apaixonados e “possuídos” por objetivos elevados, mas tais objetivos podem se tornar obtusos porque são excessivamente perfeccionistas e talvez não realizáveis no plano real imediato. Tornamo-nos cegos e surdos para sinais evidentes de limitações, focados demais que estamos no belo quadro à nossa frente.

ideais

Desconheõ o autor – Reprodução

Parte da dificuldade vem da pouca Água do mapa da Lua Nova, que mostra apenas Saturno em Escorpião, como planeta mais próximo da consciência, no elemento Água – também temos Quíron e Netuno em Peixes, mas como são planetas exteriores, têm menos peso. Podemos focar nos ideais de parcerias e relacionamentos e esquecer da dimensão humana, buscando ideais inalcansáveis de perfeição. Então não enxergamos o outro na sua humanidade, e tornamo-nos frios e inatingíveis, relacionando-nos bem com conceitos e idéias, mas muito mal com as pessoas.

fioreee

Fanpage Luciano Fiore – Reprodução

Aplicando tudo isso ao inicio de um novo ciclo e tendo em visto os ciclos maiores, precisamos então ficar atentos para os perigos da super idealização de projetos, pessoas, relacionamentos e esperanças, para que não corramos o risco de nos fecharmos em tais conceitos rígidos, impossibilitando os relacionamentos em nível real e verdadeiro. É hora de rever estes ideais, portanto. É hora de olhar mais de perto o papel dos relacionamentos na nossa vida; como me relaciono com as pessoas; como vejo os relacionamentos e quais ideais tenho a respeito deles; como equilibro e incluo o outro na minha vida; como integro os ideais de justiça e harmonia na minha vida diária, como manifestação dos valores e princípios que professo. E, considerando um dos ciclos maiores atualmente em desdobramento, os ciclos Júpiter-Saturno (mudanças nas leis,  economia, políticas e governos) e Urano-Plutão (transformações profundas e radicais), precisamos ver também quais destes ideais estão ultrapassados e precisam ser transformados, tanto em nível individual quanto coletivo.

gena teresa pg face

Fanpage Gena Teresa – Reprodução

Para fechar, o Símbolo Sabiano como sempre, traz imagem que ilustra e aprofunda o significado do grau da Lua Nova. Neste caso específico, para o grau 2 de Libra (1°07’) temos: “A transmutação dos frutos de experiências passadas em realizações-semente do Espírito Eternamente Criador”. Em Libra, estamos já no Segundo Hemiciclo (metade de um ciclo), que comporta o processo de Coletivização, depois de ter o individuo passado pelo Processo de Individualização, que é definido pelo Primeiro Hemiciclo (3). Como eu dizia no inicio, em Libra encontramos “o outro”, não só em nível de relações um-a-um, mas também nas interações sociais diversas; e Libra inicia a abertura do individuo para as esferas outras além do escopo individual, daí o nome Processo de Coletivização. Pois bem, recuperando o que falávamos sobre os elevados ideais Librianos e trazendo a imagética do Símbolo, eu diria que é crucial que percebamos que este é um momento único de fazermos uma avaliação acurada de tudo o que vivemos até aqui, especialmente as revoluções e realizações dos últimos anos, para transmutarmos todas estas experiências, boas, ruins, fluidas ou difíceis, em sementes de um recomeço, sementes de realizações que ultrapassam nosso limitado alcance mental; que vão além do efeito e impacto da minha história individual, mas que ressoam talvez na história humana como um todo. É crucial percebemos, como apontado por Libra, que não estamos sós no mundo e que nossa ação impacta na vida do outro, da espécie e do planeta, em maior ou menor escala, como a pedra jogada no lago, cujas ondas criadas reverberam até atingir a mais longínqua margem, até que o lago inteiro seja movimentado.

pedra na agua

Desconheço o autor – Reprodução

Caminhamos num ritmo e vivemos tempos cada vez mais vertiginosos e às vezes nos esquecemos das implicações da vida para além do nosso umbigo, das contas a pagar, dos objetivos pessoais ou familiares. Mas de vez em quando é preciso lembrar do nosso lugar no mundo, no Grande tabuleiro da vida, que pode ser apenas o papel do peão, do grão de areia ou da gota d’água, mas que impacta no destino da espécie e do planeta como um todo. Chegamos a um ponto em que temos que olhar a qualidade das experiências passadas, que determinará a qualidade da semente-futuro, semente que será utilizada pelo Espírito Eternamente Criador para gerar e realizar a vida a partir daqui.

Assim, esta é uma Lua Nova de suma importância, que pontua o fim de um ciclo e o início de outro, mais do que uma Lua Nova apresenta comumente, que nos convida a uma análise cuidadosa de ideais, objetivos, realizações, atitudes e modos de vida. E que nos propicia um momento poderoso de transformação de destinos e de transmutação de experiências, como o próprio símbolo diz. Cabe a cada um utilizar esta oportunidade, fazendo as alterações e movimentos necessários, ou afundar no lago da inconsciência cada vez mais, alheio ao destino maior que nos convida à superação e transmutação e que nos põe disponíveis à ação do espírito eternamente criador. O que vai ser para você?

a alma se eleva

Desconheço o autor – Reprodução

(1) Dane Rudhyar – O Ciclo de Lunação

(2) Clare Martin – Mapping the Psyche

(3) Dane Rudhyar – An Astrological Mandala

A Semana Astrológica – Escolher, equilibrar, relacionar.

sol e lua

Reprodução

Semana de 22 a 28 de setembro

Semana de novos começos, de novos ciclos, que se inicia com o Equinócio da primavera*, com o Sol ingressando em Libra na segunda-feira, às 23h29min. Teremos dias intensos que nos trazem novas perspectivas de expansão e inspiração, algo mais que necessário depois das ultimas semanas de reserva de Virgem. Marte em Sagitário quadra Netuno e Plutão volta ao movimento direto depois de ficar mais de cinco meses retrógrado. Marte também começa a formação de um Grande Trígono em Fogo com Júpiter em Leão e Urano em Áries. O quincunce entre Júpiter e Quíron que vem se armando há muitos dias fica exato.  Mercúrio entra em Escorpião às e já começa a desacelerar, pois entra em movimento retrógrado no dia quatro de outubro às 14h02min, aos 02°18’ de Escorpião. A Lua começa a semana na fase Balsâmica no signo de Virgem. É então nova em Libra e viaja ainda por Escorpião e Sagitário.

Domenique Heidy

Domenique Heidy – Reprodução

A segunda-feira começa sem foco, sob a influência da quadratura Marte-Netuno, que vira depois umaCruz T com a Lua em Virgem se opondo a Netuno. Há grande desmotivação e é preciso combatê-la a todo custo, mesmo que ainda estejamos sangrando por dentro. É preciso também lembrar que embora tenhamos ideais de perfeição, a vida e os seres humanos são imperfeitos e é esta imperfeição que evoca o nosso amor, como diria Campbell. Às 23h29min (02h29min do dia 23 para Portugal) o Sol entra em Libra, marcando o Equinócio da Primavera. Ao adentrar Libra, os objetivos passam de exclusivamente pessoais para sociais e incluímos o outro na nossa visão. Em Libra alcançamos a civilidade máxima, abstraindo-nos e expressando-nos através das artes, da diplomacia, das negociações e dos ideais estéticos. Em Libra aprendemos a escolher, a equilibrar e anos relacionar.

Plutão volta ao movimento direto na terça-feira. Enquanto esteve retrógrado tivemos a chance de revisar em que áreas da vida há a necessidade de transformação profunda, agora estes assuntos que foram revistos voltam à linha de frente para serem elucidados e lidarmos com eles. Na terça a Lua também se opõe a Quíron, faz sextil a Saturno e conjunção a Venus. O dia fica denso e lembramos de novo de nossas imperfeições e incapacidade resolver tudo e curar tudo. Mas isso pode aumentar nossa compaixão e resiliência, se nos dispusermos a olhar para o lado e sair um pouco do eixo do nosso umbigo, percebendo que o mundo e a vida são maiores do que nossas pequenas mediocridades.

A Lua Nova acontece na quarta-feira, no grau um de Libra, inaugurando um novo ciclo que pede negociação, capacidade de decisão e equilíbrio na vida, um ciclo para focarmos em nossos relacionamentos e no balanceamento entre minha vontade e a vontade do outro.

Christian Schloe stardust

Christian Schloe – Stardust – Reprodução

Na quinta-feira a Lua se opõe a Urano em Áries e quadra Plutão em Capricórnio, enquanto Júpiter faz trígono a Urano. As amarras parecerão mais apertadas que nunca e o desejo é dar um basta a tudo o que nos tolhe e controla. O amor à liberdade e a originalidade se expressam de forma irrefreada e é bom ficar atento às novas idéias e insights, porque eles jorrarão por toda a semana!

Sexta-feira é dia de Vênus, que trafega pelo fim de Virgem, ainda em recepção mútua com Mercúrio em Libra (Vênus rege Libra, Mercúrio rege Virgem), porém está sem aspectos a não ser os formados pela Lua, simbolizando um certo isolamento e dificuldade de expressar nossos afetos. A Lua em Escorpião fazendo trígono a Netuno torna tudo mais denso e profundamente sentido, e ainda assim, talvez nos escape o jeito certo de demonstrar o quanto valorizamos aqueles com quem nos importamos.

corpo

Kate Lacour – Reprodução

No sábado a Lua Escorpiana quadra Júpiter em Leão, sinalizando de novo o conflito básico entre buscar a companhia divertida e o afago e a aprovação dos nossos pares ou preservar a necessidade de reserva e a auto-suficiência. Expansão ou contração. Mercúrio entra em Escorpião às 19h40min, já desacelerando em freio motor. A mente fica mais arguta, focada e sagaz, capaz de destrinchar os maiores mistérios e quebra-cabeças intricados.

O domingo fica soturno com a conjunção da Lua e Saturno em Escorpião, propício a investigações incansáveis, conversas metafísicas, atividades que requeiram disciplina, controle e o teste dos próprios limites. Nada muito sociável, porém. Ninguém tem paciência para firulas ou blá-blá-blá inútil, então, melhor fazer valer a pena os compromissos!

Linda semana para você!

* Na semana passada eu me confundi com as datas e movimentos celestes e publiquei que o Equinócio da primavera era no domingo, 21. Eu errei. O correto é 22 de setembro no Brasil e 23 no Hemisfério Norte.

A Semana Astrológica

lua mingSemana de 15 a 21 de setembro

Semana de Lua Minguante e Balsâmica. A Lua Minguante sinaliza um período de maior recolhimento e de avaliação da ação executada durante o ciclo. É um período favorável para términos de negócios e situações que se deseja exterminar de forma definitiva. Boa também para iniciar dietas de emagrecimento ou de desintoxicação e ainda para fazer cirurgias, pois o risco de hemorragias é diminuído.

Os eventos mais importantes da semana envolvem Vênus, Marte e Mercúrio, três planetas relacionais. Mercúrio faz conjunção ao Nodo Norte da Lua; temos também a oposição Vênus-Quíron, o sextil Vênus-Saturno e o quincunce Vênus-Urano; Marte faz quadratura a Netuno, aspecto que fica exato de domingo para segunda, 22; Júpiter continua como foco de um Yod até o sábado, fazendo quincunces a Plutão em Capricórnio e a Quíron em Peixes, além de continuar avançando na quadratura a Saturno em Escorpião; Plutão estaciona a 10°59’ de Capricórnio no domingo e volta ao movimento direto no dia 23 de setembro; a Lua fica minguante na noite de segunda e viaja pelos signos de Gêmeos, Câncer, Leão e Virgem, fazendo aspectos diversos aos demais planetas. A Lua será Nova no dia 24 de setembro às 03h13min (Brasília).

A segunda-feira abre a semana de forma super ocupada e inquieta com a Lua em Gêmeos sendo foco de duas Cruzes T Mutáveis, já que quadra Vênus em Virgem de um Lado e Quíron em Peixes de outro, que por sua vez estão em oposição; Vênus ainda está em trígono a Plutão; a Lua também trígono a Mercúrio e em quadratura ao Sol, tornando-se oficialmente minguante. Dia em que é necessário grande esforço para se manter o foco e se conseguir utilizar p tempo e a energia de forma produtiva. O trígono com Mercúrio pode ser de grande valia e ajudar a alinhar instinto, sentimento e razão.

Na terça-feira, a Lua, já em Câncer, harmoniza-se com Netuno em Peixes. Mercúrio faz conjunção exata ao Nodo Norte da Lua. Dia propício a encontros do tipo “fatídicos” em nossas viagens curtas, a encontrar pessoas que de alguma forma, mesmo que por tempo curto, tornam-se importantes e nos ensinam algo precioso. Talvez estes encontros, que podem inclusive ser “virtuais” influenciem no relacionamento com nossos irmãos e parentes, fortalecendo-os de algum modo; podemos ainda nos dar conta da necessidade de melhorar nossas habilidades de comunicação e da importância de preservarmos os elos com pessoas mais jovens da família ou mesmo de outros grupos.

A oposição Vênus-Quíron fica exata na quarta-feira, assim como o quincunce entre ela e Urano; como há também uma Cruz T formada pela Lua em Câncer, Plutão em Capricórnio e Urano em Áries, este é um dia que tende a ser bastante tenso e melindroso. Desgostos antigos e velhas chagas mal cicatrizadas na área dos relacionamentos tendem a reabrir só para percebermos que ainda doem e inflamam. Porém, em vez de nos debruçarmos sobre tais lamentações, podemos aproveitar a oportunidade para revisitar no passado as situações causadoras de tanto sofrimento e nos liberarmos das lembranças amargas, re-significando a questão toda, utilizando-a para nos tornarmos mais sábios e serenos. A Lua Canceriana oferece conforto e alento maternos a esta Vênus meio alquebrada, permitindo que ela perceba que nem tudo está perdido afinal.

A Lua começa o dia dando um belo puxão de orelha em Mercúrio na quinta-feira, formando outra Cruz T Cardinal ampla, já que Mercúrio ainda está em oposição a Urano em Áries. A Lua faz ainda um Grande Trígono em Água com Saturno em Escorpião e Quíron em Peixes e conjunção ao asteróide Juno, a Deusa do casamento e dos assuntos domésticos. Mercúrio também faz quadratura a Juno. O dia fica propenso a conflitos entre a vida doméstica e privada e nosso anseio por liberdade ou mesmo por realizações profissionais e mundanas. Alheios ao dilema, podemos nos indispor de forma severa com pessoas queridas que pareçam nos prender ou querer nos controlar ou tolher. O comportamento pode ficar impulsivo, errático e inquieto e o ideal é que busquemos cumprir nossos compromissos rotineiros de forma diferente, fora do comum, tentando sair da rotina e do previsível.

Na sexta-feira a Lua desfila por Leão alinhando-se com Marte em Sagitário e quincunce a Netuno em Peixes, aproximando-se da conjunção a Júpiter à noite, fazendo deste um dia mais animado. Poderia ser especialmente otimista e feliz, não fosse a quadratura de Marte a Netuno, que nos deixa inseguros e cheios de dúvidas quanto ao melhor rumo a seguir. Somando-se à oposição Vênus-Quíron, e ao quincunce Lua-Netuno, temos um dia em que ainda estamos muito suscetíveis a melindres e a nos sentirmos magoados ou ofendidos com certa facilidade. Marte-Netuno tem grande dificuldade em se afirmar, podendo guardar ressentimentos e mágoas. Com essa influência ativa é bom pisar no freio e evitar álcool ou comidas exóticas, pois a sensibilidade a substancias fica exacerbada.

O fim de semana chega novamente com a Lua metida num conflito difícil ao se unir a Júpiter e quadrar Saturno no sábado. A Lua ainda faz sextil a Mercúrio em Libra e semi-quadratura ao Sol, ficando então Balsâmica. Vênus faz outro sextil a Saturno. A Lua fica vazia depois do sextil a Mercúrio, das 01h35min às 12h54min do domingo, quando entra em Virgem. No domingo a Lua Virginiana envolve-se no imbróglio de uma Cruz T Mutável, opondo-se a netuno e quadrando Marte em Sagitário.

Fim de semana atípico, em que, apesar do instinto da diversão, preferimos nos recolher e já nos orientamos para o futuro e as novas metas. A diversão é aproveitada de forma mais contida, menos “afoita” e menos pública. O perigo é, depois da calmaria e quietude da manhã de domingo, vermo-nos com um buraco no peito, como se estivesse nos faltando algo que não sabemos o que é. Divididos entre a necessidade de reclusão e descanso e o anseio por este algo indefinível, podemos acabar suprindo as carências e ansiedades com comida, remédios, álcool ou mesmo companhias inadequadas, que ao invés de ajudar, acabam piorando o estado de confusão e de falta. Ir ao templo, meditar, trabalhar com os materiais oníricos da noite ou até mesmo folhear álbuns antigos de fotografias podem ser boas pedidas para dar vazão a essa energia tão difusa e confusa.

Uma linda semana para você!

Ana Pardo

Lua Cheia em Peixes – Neste Vale de Lágrimas chamado Vida

casa peixe!

Desconheço o autor – Reprodução

Chegamos à culminação de mais um ciclo com a Lua Cheia em Peixes de hoje (08 de setembro de 2014, 22h38min, Brasília). O Sol está em Virgem e a Lua em Peixes, a 16°19’ dos respectivos signos. Uma Lua Cheia que se dá com sensibilidade extrema, trazendo uma consciência aguda da dor de nossas feridas mais profundas, para as quais não encontramos alívio. Uma Lua Cheia que mais parece uma Via Dolorosa de muito choro, tristeza e desamparo.

A Lua Cheia abre uma semana um pouco complicada de administrar, com vários aspectos tensos acontecendo e os aspectos harmoniosos se mostrando de menos peso. Para começar, a Lua passou o dia imersa nos braços de Netuno, seu senhorio, os dois em oposição a Vênus em Virgem e ela chega à fase cheia pelo abraço doloroso de Quíron, com quem faz conjunção, estando também em trígono com Saturno em Escorpião. O Sol, aliado a Saturno, faz um Yod que tem Urano em Áries de foco. Júpiter, o outro regente da Lua Pisciana está em conflito aberto com Saturno em Escorpião, além de também estar em quincunce com Plutão – ou seja, uma situação bem desagradável. Júpiter está ainda em trígono com Urano em Áries e recebe um sextil de Mercúrio em Libra. Por falar em Mercúrio, é ele o regente do Sol Virginiano, e enfrenta grandes batalhas nesta semana. Está em oposição a Urano em Áries e em quadratura a Plutão, formando uma Cruz T Cardinal. Vale ainda mencionar que Lua e Quíron fazem um Grande Trígono em Água com as Deusas (asteróides) Juno e Vesta – configuração que talvez ofereça algum suporte e conforto neste Vale de Lágrimas que a Lua atravessa. Mercúrio é o único planeta em Ar, o que lhe traz grande responsabilidade e peso para lidar com toda essa Água sem se afogar.

Lua Cheia em Peixes 2014

Passamos o dia como em estado de sonho, preferiríamos nos demorar na cama, fugir da rotina diária e massacrante, porque o corpo pesa, o sentimento pesa mais ainda, denso feito chumbo e gostaríamos de permanecer ilhados em nossa introspecção – algo contraditório para uma Lua Cheia. Sonhamos e devaneamos, querendo perder-nos em mundos e visões outros que nada têm de palpável ou inteligível. Seja no sono ou na vigília, tais sonhos são ricos, imaginativos, de cores e imagens caleidoscópicas, como se estivéssemos sob efeito de alguma droga, e acabam por nos deixar à deriva no meio do Grande Mar de nossas fantasias.

Eric Johanssen - a deriva

Eric Johanssen – À Deriva – Reprodução

Entretanto, a conjunção com Quíron vem nos arrancar de forma dura e cruel de nosso idílio particular, porque percebemos que não só a realidade não é como no sonho, é ainda muito pior. Somos obrigados a entrar em contato de forma potente e inequívoca, com dores longínquas, antigas e esquecidas, que ressuscitam nossas vulnerabilidades mais resguardadas e defendidas. A dor maior de todas é a grande solidão existencial, como diz Clare Martin: “Quíron em Peixes descreve um tipo de ‘solidão existencial’, uma sensação de se estar alienado da fonte de suporte, um tipo de exílio emocional, do qual as pessoas passam muitos anos tentando se curar, através de relacionamentos. É como se Peixes mantivesse uma memória de unidade com o tudo que possa ser a memória da conexão mística ou a memória da vida no útero.” (1). Com a Lua sendo cheia conjunta a Quíron, essa solidão existencial vem nos assombrar e nos ferir feito navalha na carne. E a ironia é que em Peixes gostaríamos de escapar, mas Quíron vem dizer que não há escape, porque a ferida remete exatamente a isso: não há escape eficiente e duradouro o bastante que nos livre da desilusão, da alienação, da saudade da uroboros uterina, nem da raiva da mãe (e do pai/parceiro/irmão/amigo) que nos abandonou, da sensação de exílio que nos persegue aonde formos, e, em última instância do medo da dissolvição total no nada e no caos; o medo de que não haja nada do outro lado e de que a idéia do Todo e da Fonte Eterna de Vida seja somente uma falácia para nos fazer atravessar as agruras da vida conformados.

peoxessss

Reprodução – Desconheço o autor

Quando não percebemos a origem de tal dor e alienação, buscamos a eliminação do isolamento entrando e saindo de relacionamentos, só para sair ainda mais vazios e magoados, porque o outro é apenas humano como nós, incapaz de aplacar a fome que nos acomete, de nos dar o que buscamos e de nos redimir completamente da ferida da separação humana.  A oposição de Vênus a Netuno enfatiza essa tendência de buscarmos redenção no outro, sem nos preocuparmos em ver a pessoa real, jogando sobre ela nossas expectativas, nossas projeções e tornando-nos, nós mesmos um gancho perfeito no qual segurar as fantasias dele, já que com Vênus-Netuno e com a Lua em Peixes, temos a incrível capacidade de perceber, por osmose, o que outro quer que sejamos, e automaticamente nos tornamos exatamente essa imagem sedutora, que engana não só a ele, mas principalmente a nós mesmos.

no fundo

“Sem Volta” – MUSA Collection, Punta Nizuc, Mexico, Escultura submersa de Jason deCaires Taylor.

Todavia, embora seja tentador afundar no desespero ou na auto-comiseração ou mesmo nos mecanismos escapistas, todo o resto do mapa demanda que nos movamos em outra direção: que sejamos minimamente racionais e encaremos a Verdade, de forma honesta, de cara limpa, lúcidos, (Mercúrio-Urano-Plutão) porque “a Verdade nos libertará”; que assumamos a responsabilidade por nossas dores individuais e percebamos que muitas delas são sociais e coletivas, ao invés de culpar o mundo e reclamar da nossa sorte achando-nos no direito de pisotear outros na nossa intransigência, insensibilidade e grosseria, achando que nosso sofrimento é maior que o do outro (Lua-Quíron/Júpiter-Saturno-Urano); que “superemos a noção de que temos que ser ‘normais’, porque ela nos rouba a chance de sermos extraordinários” (2) e, ao invés de tentarmos ser ‘normais, “apossemo-nos de nossa singularidade porque não há nada mais aprisionanante do que ser falso” (3) (Sol-Saturno-Urano).

Eric johanssen - fishy island Eric Johanssen – Fishy island – Reprodução[/
caption]

O Grande Trígono em Água formado por Lua-Quíron, Juno em Câncer e Vesta e Saturno em Escorpião aparece em nosso socorro. Em Saturno encontramos uma certa ancoragem que impede que afundemos de vez; ancoragem que é ajudada por Vesta e os rituais diários, que nos colocam em contato com o centro; em Juno encontramos sustentação emocional daqueles que nos amam de verdade e que podem oferecer a necessária nutrição afetiva; e o Quíron que significa dor e feridas hediondas é o mesmo que nos permite ter sabedoria, a compaixão e a empatia que pode nos aproximar dos outros, ao invés de nos afastar. Um grande Trígono que pode propiciar o conforto e o lugar seguro para lambermos as feridas causadas pela já referida solidão existencial. E, se não nos rendermos à amargura e ao cinismo, “podemos finalmente vir a aceitar que, dado que estamos em corpos separados, esse tipo de solidão é uma parte intrínseca da condição humana, e, portanto, algo que todos nós sentimos em algum nível. Uma vez que tenhamos aceitado que o cordão umbilical foi cortado, nós podemos desenvolver compaixão por nós mesmos e pelos outros, já que, até certo ponto, todos sentimos essa ferida existencial.” (1)

Finalmente, trago a imagem dos Símbolos Sabianos da Lua Nova, que ocorreu no grau 2°18 de Virgem e o grau da Lua Cheia, que ocorre a 16°19 de Peixes. O Símbolo da Lua Nova tem a seguinte ilustração: “Dois anjos trazendo proteção”; o da Lua Cheia traz também uma imagem religiosa: “Uma procissão de páscoa”. Dois símbolos que trazem uma esperança e a admoestação de que por mais que temamos o vazio e o nada, é preciso confiar nos poderes superiores, que sabem mais, que falam de esferas e de coisas que não conseguimos alcançar com nossa limitada percepção humana. Mais, ao trazer a imagem de uma “procissão de páscoa”, evoca a Passagem da morte para a Ressurreição, e lembra que mesmo o Cristo, o Filho de Deus, submeteu-se aos sofrimentos humanos, vivendo a experiência humana, neste mesmo “vale de lágrimas” que habitamos, sentindo o mesmo peso do abandono, da solidão e da alienação, tanto no Getsemani, quanto na Via Dolorosa e na Cruz, tendo porém ressuscitado, redimindo assim toda separatividade, que é, em última análise, a separação do homem da sua fonte divina.

cruz

Qualquer que seja nosso credo, é preciso confiar que do desmembramento do sofrimento humano chegaremos um dia à ressurreição onde voltaremos a ser Um com o Todo Divino. E mesmo que não creiamos em nada, é preciso pelo menos buscar a aceitação de nós mesmos e nossas feiuras e feridas, tendo compaixão não só pelo outro, mas também por nós em nossa condição humana, porque “a coisa mais feia que há, é um ser humano sem compaixão” (4).

Que sua Lua Cheia seja de luz, compaixão e muita empatia!

luacheiaa

(1) Clare Martin – Mapping the Psyche

(2) Uta Hagen

(3) Uta Hagen

(4) H.Milne

A Semana Astrológica – Cuidado! Nem tudo o que reluz é ouro!

glitter1

Reprodução

Semana de 8 a 14 de setembro

Semana especial, que começa com a Lua Cheia em Peixes, uma Lua Cheia dolorosa e hiper-sensível, pois está conjunta a Quíron. A Lua, na fase cheia, transita os signos de Peixes, Áries, Touro e Gêmeos. Mercúrio viajando por Libra, signo aéreo e que nos ajuda a ter um pouco de objetividade, forma uma Cruz T com Urano em Áries e Plutão em Capricórnio, tornando as comunicações conflituosas e uma sensação de exaustão mental que permeia toda a semana. Somado a isso temos a oposição de Vênus em Virgem e Netuno em Peixes, aumentando a influência da Lua Cheia no sentido da sensibilidade, confusão, dificuldade de ver claramente a nós mesmos e aos outros. Há oportunidades de ajuda, se soubermos utilizá-las: Mercúrio faz sextil a Júpiter em Leão, solicitando que ampliemos nossa visão e estudemos melhor os assuntos com os quais temos que lidar, até para nos calçarmos e nos prepararmos melhor para os embates com Urano e Plutão. O Sol também faz sextil com Saturno, propiciando uma dose necessária de contenção e austeridade num período que está infiltrado de desejos regressivos, ilusórios e fantasiosos. No fim de semana Marte entra em Sagitário simbolizando a necessidade de insuflarmos nossas ações com ideais maiores, com visões mais amplas e de acreditarmos nestes ideais. De modo geral, é uma semana que requer cautela nas interações porque nossa ferramenta de valoração das coisas está comprometida e nos movemos num mar de areia movediça que pode ser muito traiçoeiro, cujos efeitos desastrosos só serão percebidos com acuidade daqui a algum tempo.

lua cheia Fernando

Lua Cheia – Prai de Tambaba – João Pessoa/PB Fernando Tavares

A segunda-feira abre a semana com a Lua Cheia em Peixes. A Lua, antes de ser cheia, se derrete completamente nos braços de Netuno, faz sextil a Plutão e ainda se opõe a Vênus em Virgem, fazendo o primeiro dia da semana nebuloso e complicado, onde temos dificuldade de separar o real do imaginário, e tudo parece querer sair do nosso controle. Se possível, evitar tomar grandes decisões neste dia porque não objetividade nem clareza e até mesmo nossa intuição pode nos pregar peças, ou nós, em nossos desejos fantasiosos forjamos tais intuições para legitimá-los.

Na terça-feira, a Lua, ainda em Peixes, faz trígono com Saturno e Marte em Escorpião e talvez tenhamos uma ajuda, achando uma pequena ilha no mar revoltoso em que nos encontramos. De qualquer maneira, se não usarmos isso de forma efetiva, podemos continuar vagando à deriva, sem chegar a lugar nenhum. Mercúrio quadra Plutão neste dia, e podemos ser acometidos de pensamentos obsessivos e torturantes e manias de perseguição. A comunicação pode ficar pesada porque todos querem fazer valer seu ponto de vista, forçando-o sobre os outros. É importante manter a cabeça aberta e lembrar-se que nossa própria opinião é apenas uma das muitas possíveis e válidas. Do lado positivo, este trânsito pode trazer à luz insights poderosos a respeito de nossos padrões mentais e dos nossos vícios na comunicação, além de um novo conhecimento a respeito de como funcionam nossos processos mentais.

victor nizovtsev

Victor Nizovtsev – Reprodução

Vênus se opõe a Netuno na quarta-feira, tornando este um dia especialmente complicado no que tange aos relacionamentos e ao nosso senso de valor. Somos inundados por ideais nada realistas e tendemos a ver o mundo sob lentes cor de rosa. Não temos acuidade nenhuma quando olhamos para nós mesmos, percebendo-nos como amáveis, altruístas e desinteressados, quando na verdade escondemos de nós próprios e dos outros nossos interesses escusos, e nosso egoísmo e desejo de manipulação. Por outro lado, talvez sejamos nós os manipulados em jogos e esquemas fraudulentos, seja nos negócios ou nas relações pessoais. Cuidado com o canto enganador das sereias, pois podemos receber propostas maravilhosas, inclusive de investimentos, que devem ser analisadas com cautela, se possível deixando para decidir sobre elas depois. Nossa capacidade de julgar e valorar oportunidades está comprometida e se parecer bom demais para ser verdade, melhor desconfiar. A Lua em Áries se opondo a Mercúrio em Libra e adicionando mais peso à Cruz T Cardinal piora um pouco as coisas.

 

engañoso

Reprodução

Um pouco da contenção e austeridade de Saturno é colocada à nossa disposição, se soubermos tirar proveito dela na quinta-feira. O Sol em sextil com Saturno e aliado ao fato de a Lua ficar vazia e sem aspectos em Áries o dia todo, torna esse um dia para avançar nas atividades rotineiras das quais tenhamos nos dispersado por causa das influências anteriores. Não é dia para aventuras, mas para focar no trabalho e na ação imediata. Mas urge cuidar da impaciência e da tendência a se sentir preso e excessivamente cobrado, o que pode causar rompantes de fúria e altercações nada educadas, especialmente na vida doméstica, pois logo cedo a Lua vira foco de um Yod, fazendo quincunces ao Sol e a Saturno. Há mais dois Yods sendo formados neste dia: Júpiter vira foco de um, fazendo quincunces a Quíron e Plutão – este Yod fica ativo até o dia 20 de setembro – e Quíron é foco de outro, recebendo quincunces de Mercúrio em Libra e Júpiter em Leão – este Yod fica ativo até o dia 14. Energias erráticas, inconscientes e de efeitos imprevisíveis.

 

inflexi

Reprodução

A sexta-feira é um dia especialmente tenso, dado a situações que evocam o lado mais inflexível das pessoas. A Lua em Touro faz uma Cruz T Fixa com Júpiter em Leão e Saturno em Escorpião. Batemos o pé naquilo que acreditamos e não queremos nem ouvir outras opiniões. Dia propensão ainda a altos e baixos no humor e nas emoções. A Lua faz ainda um Grande Trígono em Terra com Plutão em Capricórnio e Vênus em Virgem, o que pode nos dar a chance de uma bem vinda ancoragem para nossas emoções e sentimentos tumultuados, além da oportunidade de nos olharmos com uma honestidade gentil, que reconhece nossas limitações humanas, sem nos deixar abater por elas.

O sábado começa ainda com a influencia da Cruz T Fixa e neste dia a Lua faz oposição a Saturno, ficando vazia depois de um trígono com o Sol em Virgem às 10:33. Além disso, Mercúrio em Libra faz oposição exata a Urano em Áries. Um dia em que parece que o mundo está contra nós, em que a energia da oposição é a grande catalisadora de insights e descobertas, que a princípio são bastante inquietantes e ansiosas. Dia que exige grande cautela para não nos expormos a acidentes, especialmente no trânsito, porque estamos instáveis, impacientes, irrequietos. À noite, Marte entra em Sagitário, tornando sua ação mais aberta e expansiva, depois da concentração fabulosa de energia que empreendeu durante seu trânsito por Escorpião.

oposição1

Reprodução

 

No domingo, este mesmo Marte expansivo, que já está em quadratura a Netuno em Peixes, recebe a oposição da Lua Geminiana e os três formam uma Cruz T Mutável, indicando um dia em que as conversas ficam acaloradas, há discussões, talvez acusações levianas, exageradas. Somado à oposição, ainda ativa de Mercúrio a Urano, há a tendência a utilizar conceitos racionais e intelectuais para corroborar o fanatismo e o fundamentalismo. A mente fica assoberbada de idéias, mas tem dificuldade de processá-las de forma eficiente, tornando-se errática – como resultado, nossa ação é inquieta, incerta, dispersa e sem foco e tendemos a desejar muito e a fazer pouco. O domingo fica festivo e animado, até de forma excessiva e sujeito a gangorras emocionais – por isso convém fazer uma boa meditação ou exercícios de aterramento antes de ir para o mundo. Com Marte em quadratura a Netuno convém evitar álcool e outras drogas pelas próximas semanas.

illuminated_2_by_jialu-d374z6i

Illuminated, by Jilau – Reprodução

 

Uma linda semana para você!

 

%d blogueiros gostam disto: