As 12 Noites Sagradas – GÊMEOS

gemeosHoje é o dia de Gêmeos. Olha que interessante, atendi uma cliente de Gêmeos pela manhã e à tarde precisei ir ao centro da cidade (viagem curta) resolver coisas, que acabaram não sendo como eu esperava – coisas de Mercúrio, o Grande Trickster e regente do signo! E o seu dia, alguma coisa interessante e estimulante aconteceu? (Se você não sabe o que são As 12 Noites Sagradas, clique aqui)

Aliás, sendo hoje o último dia do ano, é muito adequado termos Gêmos como signo do dia, já que Gêmeos é um signo de portais e portões. Estamos num momento de transição e o Deus Hermes nos guiará até 2015!

Penso, logo existo! Falou GÊMEOS, o pensador do Zodíaco!

Falou de Gêmeos falou de leveza e bom humor.

Primeiro signo de AR e primeiro signo MUTÁVEL, Gêmeos é a versatilidade, flexibilidade e mobilidade encarnadas. É Masculino, Ativo, Positivo.

gemini
Gêmeos – Ilustração Medieval

Este signo mental e super networking  veio ao mundo para CONECTAR pessoas, IDEIAS, conceitos,  universos, tribos, etc, quer os elementos em questão tenham ou não algo em comum. Extremamente habilidoso, CURIOSO, inquieto e interessante, está sempre aprendendo e descobrindo coisas novas, e espalhando as novidades por aí na mesma velocidade com que as descobre. Sua função e diversão maior é juntar informações e redistribuí-las. Não à toa, há montes de geminianos no jornalismo e nas mídias em geral. COMUNICAÇÃO é o seu elemento por excelência. Ele precisa estar exatamente onde as coisas estão acontecendo. Aqui e Agora! Outra palavra chave é MOBILIDADE, precisa se sentir livre e solto para ir e vir conforme lhe aprouver – nada de amarras, please!

gemini11
Gêmeos – De um livro Medieval de Astrologia – Wikimedia Commons

De mente extremamente aberta, adora EXPERIMENTAR e é mesmo um tanto amoral, não julga e detesta ser julgado, aliás, ele está se lixando para o que você pensa dele porque no próximo minuto ele já é outra pessoa, então o que você pensa já ficou pra trás. Tudo aqui é muito rápido e ÁGIL! Mesmo!

De acordo com o roteiro de Steiner, “uma estrela brilha no céu emanando seu brilho da Constelação de Gêmeos, o portal através do qual emanam as forças espirituais dos Serafins os Seres do Amor. Amor que não está mais assentado nos laços físicos, nos laços da paixão mas em laços espirituais. O amor fraterno.

No Evangelho temos a sentença desta forma de amor: ‘onde dois estiverem reunidos em meu nome eu estarei no meio deles’ – ou seja abre-se mão do próprio Eu e ganha-se outro Eu que é eterno.

A fraternidade é o mais poderoso impulso para a vida social porque ela pode quebrar as barreiras de status, de etnia e de crenças.

Nesta Noite Santa através do portal de Gêmeos os impulsos espirituais dos Serafins ajudam a vencer a barreira do individualismo e da solidão” (1)

images (8)
Gêmeos – Imagem Alquímica – Reprodução

O mito dos Gêmeos Divinos é um temam recorrente em várias culturas, indicando que é um temam importante e que precisa ser integrado na psique. Havia Zeto e Anfion, filhos de Zeus e Antíope. Zeto era corajoso, um guerreiro valoroso; já Anfion era sensível e gostava de tocar a lira, presente que ele ganhou do próprio Hermes. Zeto desprezava seu irmão e zombava de suas qualidades, que ele considerava efeminadas. Eram opostos. Mas o mito mais conhecido é mesmo o de Castor e Polux. Zeus cortejou Leda, a rainha do Rei Tindareus, na forma de um cisne. Como resultado dessa união ela botou dois ovos: de um nasceu um par imortal, Polux e Helena, aquela que causou a Guerra de Tróia; do outro novo nasceram Castor e Klytamnestra, que eram mortais. Um dia, Castor e Polux se envolveram numa briga com outoa par de gêmeos, chamados Idas e Linceu. Castor morreu e Polux ficou inconsolável. Ele ficou tão triste que apelou para Zeus, que compadecido dos irmãos concedeu que or irmãos se alternassem entre a vida e a morte: um dia um passava no Hades, a Terra dos Mortos e o outro ficava sobre a terra, entre os vivos, trocando de posição no dia seguinte. Assim eles se alternavam. Isso já nos remete a uma das facetas da personalidade Geminiana, que é tida como de humor muito instável, oscilando entre euforia e depressão.

gemeos2
Gêmeos – Prato 18 em Espelho de Urania, um conjunto de cartões celestiais by Jehoshaphat Aspin – London – Wikimedia Commons

Há outros pares de Gêmeos e irmãos famosos nos mitos: Rômulo e Remo, os filhos de Marte que teriam fundado Roma; Da Suméria, Inanna e Ereshkigal não eram gêmeas, mas eram irmãs opostas; na Bíblia temos Cain e Abel, que embora não fossem gêmeos, também representam o arquétipo; Esaú e Jacó e até mesmo Jesus e Satã; e na mitologia nórdica, há também Baldur e Lodge, Alberico e Wotan. O tema é recorrente: um irmão é claro, luminosos, extrovertido, cheio de talentos e beleza, enquanto o outro é sombrio, reservado, introspectivo; às vezes um feio e o outro é belo; às vezes um bom o outro é mau. O que todos esses mitos falam é sobre o tema do duplo, da ambivalência que há em todos nós, mas que aparece mais marcadamente em Gêmeos. Porque este signo mostra-se, por vezes, como se de fato, fossem duas pessoas vivendo no mesmo corpo, em que um não sabe das ações do outro. A mão esquerda não sabe o que a direita faz. Gêmeos já foi acusado de ser “duas caras”. Independente das implicações de falsidade, isso é uma verdade, porque reflete um das formas como Hermes, regente de Gêmeso era retratado: uma estátua de duas caras, em que uma olhava numa direção e a outra no outro rumo. O próprio Exu, o correspondente de Hermes na mitologia Yourubá, é retratado como duas caras, assim como essa figura aparece em várias outras mitologias primitivas. O próprio Judas, que foi objeto de escárnio por seu “trabalho sujo” de trair Jesus teve papel fundamental na Redenção, pois sem ele, Jesus não teriam sido entregue para o sacrifício – Judas então teria vivenciado um sacrifício tão grande quanto o do Cristo, sendo que foi execrado para sempre.

dalizodiac_gemini
Gêmeos – Salvador Dali -Reprodução

Sombra e Luz é um tema primordial para Gêmeos e o que ele precisa entender que a sombra não está lá fora no irmão, na “outra mulher”, no rival personificado no colega de trabalho… A sombra é parte dele mesmo, mas isso é algo que ele vai levar a vida toda para perceber, que esse outro contrário, o oposto, é na verdade, ele mesmo.

640px-Hermes_alquimico
Hermes Alquímico – Reprodução

Hermes-Mercúrio, o regente de Gêmeos tem uma mitologia também bastante peculiar: mal nasceu, ainda nas fraldas, já roubou o gado de seu irmão Apolo, com a cara mais lavada do mundo. Ao sair da caverna onde morava, avistou uma tartaruga, matou-as e transformou seu casco numa lira, que usou na negociação posterior com o gado de Apolo, que se encantou pelo instrumento. Hermes era, pois, um deus extremamente peralta e travesso, estava sempre aprontando alguma, fosse com deuses ou mortais. Era extremamente amoral e ambivalente e os mortais, quando viajavam e pediam sua proteção, estavam sempre cientes de que poderiam ser bem sucedidos, mas poderiam também ser vítimas de alguma peça pregada pelo trickster. A figura do Tríckster é de fato, fascinante. Ela representa aquele lado da anarquia, do humor e da brincadeira, de não se levar a sério demais, de cortejar tanto o bem como o mal, de estar ciente das diversas nuances da vida, da luz e da sombra e aceitá-las como parte natural da experiência, sem julgamentos. “o Trickster representa o momentum misterioso do inconsciente, às vezes destrutivo, às vezes bem humorado, às vezes terrificante; mas sempre ambíguo e sempre fértil”, diz Liz Greene citando Jung em A Astrologia do Destino – para ler mais sobre Hermes-Mercúrio e sua mitologia, clique aqui e aqui

hermes
Hermes Trismegisto – Reprodução

Hermes-Mercúrio é ainda o patrono da Alquimia, e transmutar matéria é uma das tarefas de Gêmeos. O alquimista sabia que corria muitos riscos e que não havia garantia nenhuma do sucesso da obra, que em ultima instancia, era Deo Concedente, ou seja, dependia da vontade do deus. Ele podia enlouquecer, porque os vapores químicos eram terríveis; ele poderia morrer, as cozinhas explodiam, ia tudo pelos ares; mas o pior de tudo era o risco da corrupção moral a que estava submetido.

trc
O Trickester – Reprodução

Gêmeos também é um dos signos associados com o arquétipo do Puer Aeternus, a Criança Divina que nunca cresce. Irresponsável e cheia de potenciais, num eterno estado do vir a ser, que se recusa a ser tornado em forma concreta, porque então não é mais potencial. Isso é algo que parece praguear Gêmeos: essa dificuldade de se compometer, porque há um receio de renunciar a outras possibilidades. Dizer sim para uma coisa é dizer não para outras e isso é algo complicado pra Gêmeos conciliar. Se ele consegue se comprometer minimamente com a vida, certamente deixa uma contribuição sui generis para a humanidade. Há exemplos abundantes no mundo das artes, da escrita, da literatura, da música. Mas ele precisa, em algum momento, decidir se quer crescer, se vai abrir mão de viver na Terra do Nunca para virar um adulto, talvez nem tão sério ou tão responsável assim, mas ainda assim, comprometido com sua própria criatividade e com a conciliação do irmão sombrio interior.

pweterpan
Peter Pan, relacionado ao arquétipo do Puer Aeternus, a Criança Divina que nunca cresce – Reprodução

Meditação para Gêmeos:

Esta é uma meditação que deve ser feita sentado. Se em algum momento você sentir qualquer desconforto ou mal estar, interrompa o exercício e abra os olhos imediatamente.

Essa meditação chama-se “Cadeira Vazia”. Coloque duas cadeiras, uma de frente para a outra. Sente-se numa delas e feche os olhos. Relaxe através da respiração profunda. Quando estiver pronto, visualize que na cadeira à sua frente está aquela pessoa com quem você tem atritos sérios, quem quer que seja. Olhe para ela e reconheça todos os sentimentos difíceis que ela lhe causa. Sustente o olhar. Ela tem algo a lhe dizer? Escute-a sem argumentar. Continue olhando. Haveria a possibilidade de essa pessoa ser muito parecida com você? Agora, imagine-se trocando de lugar, sente-se na cadeira desta pessoa e sinta como é ser ela, como é sentir como ela, como é ver o mundo do ponto de vista dela. O que você sente? É muito difícil? Desconfortável? Volte para o seu lugar, olhe-a diretamente nos olhos. Se sentir necessidade de dizer alguma coisa, diga, respeitosamente. Quando estiver ponto, agradeça e se despeça. Gradativamente retorne ao momento presente e abra os olhos. ESCREVA sobre sua experiência.

Música para Gêmeos

Amanhã é o dia de CÂNCER!

(1)http://www.festascristas.com.br/12-noites-santas/12-noites-santas-textos-diversos/483-as-doze-noites-santas-edna-andrade

(2) A Astrologia do Destino – Liz Greene

As 12 Noites Sagradas – TOURO

tourooBom. Chegamos a Touro. Certo.

Meu dia foi às voltas com uma ninhada de gatos bebês que estavam sendo amamentados na mamadeira – a mãe os abandonou, depois fez cirurgia, etc, longa história. Hoje eles se recusavam a mamar e mordiam ferozmente o bico da mamadeira, rasgando três bicos em questão de minutos. Fui ficando desesperada porque os bichos estavam famintos e não conseguiam comer, eles se irritavam e eu também. Comecei a tentar de tudo: leite no pires, papinha especial para gatos bebês, nada funcionava. Como última tentativa resolvi amassar aquela ração molhada e pus num pires. Milagre! Devoraram dois pacotes inteiros! Que alívio, como fiquei feliz! Os gatos estavam saindo da fase do leite e querendo algo mais sólido, queriam mastigar algo com textura e eu não tinha percebido. Emblemático isso para Touro, um signo extremamente sensorial, movido, em grande parte, pelo sentidos, especialmente pelo paladar! E você, teve um dia mais sensorial ou mais prático?

mae e bebe
Reprodução

Em Touro descobrimos que temos um corpo, descobrimos a textura das coisas. Touro é o bebê brincando com a comida, descobrindo novos sabores, novas texturas. É o bebê brincando com os pés, chupando as mãozinhas, perdido nesse mundo de prazeres sensoriais. Descobrindo que o seio da mamãe não alimenta somente sua barriguinha, mas também lhe dá sensação de conforto, segurança, prazer.

Sidney_Hall_-_Urania's_Mirror_-_Taurus
A constelação de Touro – Do Espelho de Urania, um conjunto de cartões celestiais by Jehoshaphat Aspin – Wikimedia Commons

No corpo rege a garganta, a laringe, o pescoço. Edna Andrade, na sua programação das 12 Noites, inspirada por Steiner diz sobre esta noite: “Foram as forças do Touro que configuraram a laringe, o órgão da fala que, segundo o Steiner, está em transformação e que nos estágios evolutivos futuros do ser humano a palavra terá de novo a força plasmadora referida nas Gênesis de todas as religiões. No princípio era o verbo e o verbo estava em Deus.

A palavra será como uma lança sagrada de expressão do amor divino.

Nesta Noite Santa através do portal do Touro o Espírito Santo emana a plenitude do amor divino inspirada como persistência em relação ao que se pretende alcançar.”

67904_506987696004621_1700760124_n
Reprodução

Touro é o primeiro signo de TERRA. É Terra Fixa, Feminina, Passiva, Negativa. Ao contrário de Áries que age de forma rápida, impaciente e decidida, TOURO age de modo totalmente deliberado. Leva muito tempo analisando uma situação antes de tomar decisões. Ele nunca se precipita.  E nem adianta tentar apressá-lo, isso só vai fazer com que ele demore mais ainda. De propósito. Touro é prático, cauteloso, paciente. Aliás, ele não está interessado em “fazer” nada, a ele interessa apenas SER. E TER, claro! Quase nada o tira do sério. Quase nada. Mas quando algo de fato o tira do sério, saia da frente porque é o próprio estouro da boiada. Lembra de Ferdinando, o Touro? Pois é.

touro_feat-672x372
Reprodução

Regido por Vênus-Afrodite, a deusa do Amor, da Beleza e do Sexo,  ele é extremamente charmoso e envolvente. Sensual, sensorial e táctil, vive e interpreta o mundo através dos sentidos. Amante da boa vida, dos prazeres e da segurança material, um Taurino de bolso vazio, sem mesa farta e sem sexo torna-se frustrado e terrivelmente mal humorado. Mas não se preocupe, ambicioso como ele é, esse estado de coisas não dura para sempre e ele logo dá um jeito de reverter a situação. Conservador, não é muito afeito a mudanças bruscas. Gosta da tradição e daquilo que já foi exaustivamente testado. Ser original não é uma de suas preocupações – isso é para Aquário, signo com o qual está em desarmonia. Tudo com ele tem que ser mastigado e digerido lentamente, e principalmente, absorvido, tranquilamente. Seu lema é “devagar e sempre”.

dalizodiac_taurus
Touro – Salvador Dali – Reprodução

O mundo de Touro é o mundo tangível, palpável, a realidade do aqui e agora. Por isso é o grande construtor. Seu objetivo é construir algo sólido, de preferência que dure pra sempre e que resista aos mais terríveis terremotos. é perseverante, determinado e realista, às vezes vendo o mundo com um excesso de literalismo, exigindo “ver para crer”, o que o faz parecer de pouca poesia e, às vezes, de visão estreita.

photobox2 (1)
Photobox – Reprodução

Touro é simples e descomplicado e gosta da vida simples, especialmente da vida no campo, por isso também á associado à imagem do fazendeiro e do jardineiro. Não que Taurinos não saibam apreciar também o luxo. É que eles gostam de qualidade mas não gostam de ostentar. Também não quer dizer que não gostem das cidades, mas é que seu amor pela natureza e seus ciclos é tão grande que ele prefere a placidez das paisagens mais bucólicas – idealmente ele vai manter uma mansão na cidade e uma casa de campo. Touro não  gosta de drama. Como já disse, tudo para ele é muito simples e claro, como as águas do riacho daquela fazenda maravilhosa (ou sítio) que ele trabalhou tanto para conseguir. Sim, seu reino é o material, o reino dos sentidos, que também pode ser sua principal armadilha quando se deixa levar somente pelo lado instintivo e indulge excessivamente nos prazeres da carne, seja a da mesa ou a da cama, quando torna-se indolente e preguiçoso, ou ainda quando tudo é medido apenas pelo valor material e sua preocupação primeira é apenas adquirir mais e mais.

Ferdinand_the_Bull_5
Reprodução

Mencionamos a bucólica estória de Ferdinando acima, mas o mito mais conhecido e associado a Touro é o mito do Minotauro. A estória começa quando o Rei Minos, de Creta, numa contenda com seus irmãos pelo trono de Creta, argumentava que o trono era seu por direito divino. Para comprovar isso, orou ao deus Poseidon que fizesse sair do mar um belo touro branco, que seria prontamente sacrificado como agradecimento e oferenda ao deus, após sua conquista do trono. Poseidon concordou e logo fez aparecer o touro mais belo que já se tinha visto e toda a população aquiesceu, assim como os irmãos de Minos, a que ele tomasse posse do trono. Acontece que ao ver tão belo animal, o rei Minos mudou de ideia e resolveu juntá-lo ao seu rebanho ao invés de sacrificá-lo ao deus conforme havia prometido. Ele achou que seria um desperdício sacrificar uma tão admirável e majestosa besta e que beleza que seria conservá-la para si. Assim, ele a substituiu pelo melhor touro de seu rebanho, achando que Poseidon não se importaria e nem mesmo notaria a troca. Porém Poseidon não só não gostou da troca como resolveu retaliar. Convocou Afrodite, a Vênus grega, deusa do amor e da luxúria, (não por acaso, regente de Touro) a infligir em Parsifae, a mulher do rei Minos, uma paixão compulsiva e ingovernável pelo touro saído do mar. Em sua paixão tresloucada, Parsifae recorreu a Dédalus, o melhor artesão do reino, para que construísse uma vaca de madeira, oca, que permitisse que ela se escondesse em seu interior recebesse o tão desejado touro em intercurso sexual. E assim se deu. Dessa união nasceu então o Minotauro, uma besta horrenda que tinha corpo de homem e cabeça de touro e que se alimentava de carne humana. A população de Creta obviamente condenou a rainha, mas o rei Minos sabia que não podia julgá-la pois tinha sido ele quem havia causado todo aquele imbróglio. Em seu medo e vergonha profunda Minos convocou Dédalos, o mesmo artesão, para que construísse um labirinto no qual a odiosa criatura pudesse ser escondida. Nesse labirinto eram deixados grupos de jovens, rapazes e moças, que tornavam-se alimento para o monstro. A culminação do mito se dá quando Theseu, herói ateniense, se oferece para entrar no labirinto e matar o minotauro. Theseu efetivamente mata a besta e consegue sair do labirinto com ajuda de Ariadne, também filha do rei Minos, que tinha lhe dado um novelo, cuja ponta do fio ele amarrou na entrada do labirinto, para que não se perdesse dentro dele.

800px-Theseus_victor_of_the_Minotaur_mg_0114
Teseus vence o Minotauro – Charles-Édouard Chaise, óleo sobre tela, cerca de 1791 – Wikimedia Commons

De quem é a falta principal dessa estória tão fabulosa? Da rainha Parsifae que atua seu desejo bestial de forma tão crua? Claro que não. Parsifae apenas sofre as consequências da ambição cega de seu marido Minos. Liz Greene (1), ao analisar esse mito, cita o mitólogo Joseph Campbell para explicar porque o pecado de Minos foi tão grave: “a falha primária não foi a da rainha Parsifae, mas a do rei; e ele realmente não a poderia condenar, pois sabia o que ele próprio havia feito: convertera um evento público em proveito próprio quando todo o sentido de sua investidura como rei implicava que ele deixasse de ser pessoa privada. O retorno do touro deveria ter simbolizado sua submissão absoluta e impessoal às funções do cargo. O fato de ele ter mantido o touro em seu poder representava então um impulso de auto engrandecimento egocêntrico. E assim o rei, ‘pela graça de Deus’ tornou-se o perigoso tirano Gancho, aquele que reivindica tudo para si. Assim como os rituais de passagem tradicionais costumavam ensinar ao indivíduo que morresse para o passado e renascesse para o futuro, as grandes cerimônias de posse o privavam de seu caráter de pessoa comum e o vestiam com o manto da sua vocação. Esse era o ideal, fosse o homem um artesão ou um rei. Cometendo o sacrilégio de recusar o ritual, todavia, o indivíduo deixava de fazer parte, como unidade, da unidade mais amplas formada pela comunidade como um todo; e, assim, o Uno tornou-se muitos, passando esses últimos a lutar entre si – cada um por si – tornando-se governáveis, tão somente, pela força.” (2)

mino
Theseu lutando com o Minotauro – Escultura em mármore de Étienne-Jules Ramey (1796–1852). 1826. Nos Jardins Tuileries Paris. Wikimedia Commons

A figura desse monstro-tirano aparece em muitas fábulas, mitos e contos de fadas, simbolizando aquele que se apossa de algo que deveria ser usado para o bem comum. O monstro que só consegue pensar em “meu e para mim”. Esse geralmente é o grande dilema do Touro, a posse, seja de riqueza material, de propriedades, de poder, ou mesmo de pessoas. O esquecer que o Poder e a riqueza, em última instância, têm que estar a serviço de um Bem Maior, e não apenas de seu usufruto pessoal.

O_Minotauro_no_labirinto_Conimbriga
O labirinto do Minotauro – Conimbriga, Portugal 3° Século – Mosaico Romano – Reprodução

Liz Greene analisa que o dilema mais pertinente colocado por essa estória, e com o qual os taurinos têm que lidar, vida afora, é A QUE DEUS VOCÊ SERVE, aos seus instintos ou a um Bem Maior? Você é um escravo dos seus instintos ou coloca-os a serviço de uma vida íntegra e abundante?
E ela conclui dizendo que o touro, como símbolo dos instintos primitivos humanos, em si mesmo não é mau, mas se nos permitirmos ser regidos por ele, seremos levados à destruição, pois estaremos à mercê unicamente de nossos desejos. O ego, como parte consciente da psique, deve então aprender a dançar com esse touro, cada um respeitando o outro, pois simplesmente reprimir esses instintos, como fez o rei Minos ao trancafiar o Minotauro no labirinto também não é uma boa solução, pois ele se alimentará de nossa energia vital, tornando-se cada vez mais poderoso e ameaçador, até o ponto em que poderá irromper de forma descontrolada e destrutiva.

Edward_Burne-Jones_-_Tile_Design_-_Theseus_and_the_Minotaur_in_the_Labyrinth_-_Google_Art_Project
Edward Burne-Jones – Design em Cerâmica- Teseus e o Minotauro no Labirinto – Wikimedia Commons

Nesse mito, cada uma das personagens é uma faceta diferente do signo de Touro: o deus Poseidon, em sua face magnânima e também vingativa; o ganancioso Rei Minos; a Rainha Parsifae cheia de luxúria; o brilhante artesão Dédalus; o próprio Minotauro como face mais sombria do nosso lado instintivo; o herói Theseu, que vem redimir o reino; e até mesmo Ariadne, que nos dá o fio providencial para sairmos do labirinto.

E você, quem é você nessa estória? O Rei Minos? a Rainha Parsifae? O Herói Theseu? E como você vem lidando com o seu Minotauro interior?

240px-Taurus2
Touro – De um livro Medieval de Astrologia – Wikimedia Commons

Touro é o signo da simplicidade, como disse acima. Tem a missão de descobrir como ser feliz com pouco e de descobrir o que é essencial, o que é de valor vital. Assim, tirada do oráculo do Osho, nossa meditação de hoje vai buscar exatamente isso. Para esta meditação você deverá estar sentado/a, pés firmemente apoiados no chão, mãos sobre as pernas com as palmas viradas para dentro e com os olhos fechados.Respire calmamente três vezes, lembrando-se que a intenção deste exercício é devolver a agradável sensação da Simplicidade.

E veja, sinta, perceba-se sentado num banco que está sobre uma relva macia e verdejante. Respire profundamente e quando soltar o ar imagine que sai pelo topo de sua cabeça uma camada fina de toda a sua pele. Ela se esvai e desaparece no ar. É a sua pele do orgulho que se foi. Respire mais uma vez e ao expirar sinta que uma outra pele fininha sai pelo topo da sua cabeça e se dilui no Universo: é a sua pele da vaidade. Respire mais uma vez e ao expirar imagine saindo pelo topo de sua cabeça uma outra pele fininha de todo o seu corpo. É a pele da prepotência que se desmancha ao vento.

Agora que está livre daquilo que embaça seu verdadeiro ser, entre em contato com o que há de mais verdadeiro e simples dentro de você. E sentindo que ao fazer este exercício lava sua alma e traz de volta sua verdadeira essência, respire e abra os olhos.

Johfra-Bosschart-Taurus-3x4.1
Johfra Bosschart – Touro – Reprodução

Música para Touro

E Amanhã é o dia de Gêmoes!

Programação das 12 Noites Sagradas:

26/12 – Capricórnio

27/12 – Aquário

28/12 – Peixes

29/12 – Áries

30/12 – Touro

31/12 – Gêmeos

01/01 – Câncer

02/01 – Leão

03/01 – Virgem

04/01 – Libra

05/01 – Escorpião

06/01 – Sagitário

1 – Liz Greene – A Astrologia do Destino
2 – Joseph Campbell – O Heróri de Mil Faces

A Semana Astrológica: cresça e apareça!

christian sch
Christian Schloe Digital Art – Reprodução

Semana de 29 de dezembro a 04 de janeiro 

Adeus ano velho, feliz ano novo! Chegamos ao fim de mais um capítulo da novela das nossas vidas… Quais serão as cenas dos próximos capítulos? O que faremos para viver melhor? Ser mais felizes? Já preparou sua lista de resoluções? Precisamos lembrar que mais importante do que fazer a lista, é executá-la, vivenciá-la com comprometimento. E às vezes, é melhor mesmo nem ter lista nenhuma, e deixar a vida nos surpreender!

Nesta semana, as movimentações principais são protagonizadas por Vênus e Mercúrio, que ingressam em Aquário no fim de semana e pelo Sol, que faz conjunção a Plutão e quadra Urano, também no fim de semana. A primeira semana do ano, e especialmente o primeiro fim de semana prometem ser quentes, bombásticos.

Com Vênus e Mercúrio em Aquário somos mais sociáveis e libertários, porém menos intimistas e apegados. Mercúrio, a exemplo de Vênus, se indispõe com Júpiter por um quincunce e continua Fora dos Limites do Sol.

encurralado2
Reprodução de Google Imagens

Marte é outro que traz um clima revolucionário contra o imperialismo: opõe-se a Júpiter na quinta-feira, dia primeiro – na verdade, Marte está isolado em Aquário e só faz esse aspecto com Júpiter. Júpiter, por outro lado, é o porta-voz de muita gente, já que todos os demais planetas ocupam cerca de um terço do zodíaco, enquanto ele fica sozinho, meio encurralado, meio puxando todo mundo. Apesar disso, os aspectos que faz são menores na sua maioria, tirando um trígono muito amplo, de nove graus de orbe, a Urano como aspecto maior. E claro, recebe os aspectos feitos pela Lua de vez em quando. Um dueto é quando dois planetas estão isolados do resto do mapa e só conversam um com outro, seja por que aspecto for. Isso torna a ação desses planetas concatenada, necessariamente eles só se expressam juntos e podem, às vezes, se expressar de forma extrema e na contracorrente do resto do mapa. Juntando com a influência do Sol envolvido com Urano-Plutão, podemos esperar uma semana puxada e que vai demandar muita paciência e cabeça fria. Só para variar!

raiva
Reprodução

A Lua viaja na fase Crescente, está rápida e segue nesta semana pelos signos de Áries, Touro, Gêmeos e Câncer. Será Cheia na madrugada do dia cinco de janeiro, segunda-feira. A Lua faz aspectos com todos os demais planetas, além do próprio Sol.

A semana se inicia com uma SEGUNDA-FEIRA acalorada, que começa sob as influências da Lua Crescente em Áries conjunta a Urano e em quadratura a Plutão. A Lua ainda briga com Mercúrio e Vênus à noite, que por sua vez estão irritados e amuados com Júpiter, que também recebe reclamações do Sol. A Lua se harmoniza com Júpiter no fim do dia para compensar, mas Júpiter enfrenta Marte por toda a semana. Diazinho complicadinho, que demanda muita paciência para não perdermos as estribeiras. Parece que ninguém se entende e todo mundo resolve brigar com todo mundo. A Lua Crescente quer avançar, resolver, adiantar… Mas tem que lidar com vontades contrárias diversas e poderosas. E assim estamos nós, precisando fazer ajustes quando gostaríamos de passar por cima do indivíduo à nossa frente de uma vez. Patrolar os outros não é a melhor política mesmo, porque talvez sejam mais fortes do que nós. Em vez de briga, procuremos o que fazer, porque a energia é ativa, dinâmica e pode nos catapultar para muito longe em direção aos nossos objetivos.

A TERÇA-FEIRA começa com a Lua vazia em Áries depois do bate-boca esquentado com a Vênus Capricorniana, o que pode nos prover sono e sonhos agitados durante a noite. Uma fala de objetivos pessoais, a outra de deveres e obrigações pessoais ou familiares… Um embate parecido com o travado por Marte e Júpiter. A Lua entra em Touro somente às 08h56min da manhã. De Touro ela faz quincunce a Saturno em Sagitário e sextil a Netuno em Peixes. Dia em que conseguimos ter os pés mais firmes no chão, embora sintamos algumas agulhadas de insegurança de vez em quando e ainda estejamos com o pavio meio curto. À noite há uma satisfação maior com o que realizamos e um senso de força interior, de que podemos encarar os problemas com resistência e robustez.

cruz t

A Lua abre a QUARTA-FEIRA harmonizada com o Sol e Plutão em Capricórnio, que estão cada vez mais próximos.  Mais tarde ela se harmoniza também com Quíron em Peixes, enquanto se enreda numa disputa complicada com Júpiter em Leão e Marte em Aquário, tornando-se foco de uma T-Square Fixa. Irritação à toda prova. O que nos sustenta e alimenta está em dissonância com a vontade dos outros, ou até mesmo com outras intenções e objetivos nossos. Recebemos uma grande pressão e nos sentimos encurralados, sem saber direito como viemos parar nessa situação exasperante que parece não ter solução simples, como gostamos normalmente. Por nos sentir acuados, nos tornamos ainda mais rígidos em nossas posturas, reduzindo ainda mais as possibilidades de solução. Paciência, a qualidade do Touro, é algo terrivelmente em demanda hoje, exatamente porque não a temos. Estamos tão fixados que não percebemos que os antigos modelos não funcionam mais, e continuamos insistindo, burramente, dando murro em ponta de faca, ao invés de progredir para a próxima etapa. Se apenas ousarmos olhar de lado e buscar outras alternativas, talvez percebamos que, de fato, as coisas podem ser mais simples e óbvias do que supúnhamos. O Réveillon pode trazer algumas saias justas por causa de comida e suprimentos, ou podemos simplesmente descontar tudo à mesa para compensar irritação, frustração e raiva. Lembremo-nos, às vezes, as coisas são mais simples do que parecem.

1237073_787431687974388_6642306013903309517_n
Reprodução

O Ano novo começa com a Lua ainda em Touro e às voltas com Marte e Júpiter na QUINTA-FEIRA, também fazendo um belo trígono terroso com Mercúrio e Vênus em Capricórnio, sugerindo que depois de tantos embates e caras emburradas, conseguimos fazer do limão uma limonada e encarar as coisas como um aprendizado que vem aumentar nossa resiliência. Fica vazia às 10h18min e entra em Gêmeos às 15h09min. De Gêmeos ela já se opõe a Saturno em Sagitário enquanto quadra Netuno em Peixes, formando uma nova T-Square. Marte tem sua oposição a Júpiter exata. Hoje temos outro tipo de imbróglio: ao invés de fixados, estamos dispersos e largados, espalhados por aí. E pior, a despeito da energia parecer leve, não conseguimos curtir nem relaxar, porque há uma culpa incômoda que nos dá aguilhoadas mentais, nos deixando inseguros e meio desajeitados. É a realidade que é dura demais ou nossos sonhos que são excessivamente ilusórios? Por outro lado, sentimos uma intuição que nos impele a fazer coisas grandiosas, porque achamos que a sorte está do nosso lado, mas ao mesmo tempo duvidamos e hesitamos. Como resultado podemos atuar de forma estúpida e conflituosa. O dia pede que estejamos extremamente conscientes de nós mesmos e de nossos atos para evitarmos precipitação, impulsividade e arrogância. Superestimando a nós mesmos e às nossas capacidades, expomo-nos a riscos tolos, que podem levar a acidentes ou mesmo a tragédias, que são perfeitamente evitáveis, se apenas nos dermos conta de que não temos que provar nada a ninguém, nem precisamos impressionar ninguém para nos sentirmos melhores e mais valorosos. Os realmente valentes não têm nada de gabolice. Os que precisam propagar demais aquilo que sabem e podem, na verdade são os verdadeiros inseguros.

gaveta
Reprodução

Na SEXTA-FEIRA a Lua Geminiana está às voltas com Quíron em Peixes, numa quadratura dolorosa e sofrida. Para piorar, ela ainda se irrita terrivelmente com o Sol e com Plutão em Capricórnio, além de se indispor com seu senhorio, Mercúrio. A única ajuda vem de Urano em Áries. A despeito da verborragia, estamos inseguros e na verdade, tanta falação e superficialidade podem ter exatamente o intuito de mascarar o sentimento gritante de fome e desajuste emocional. Dissociação é um ótimo mecanismo de defesa contra a dor e as feridas profundas da alma. Encastelamo-nos na mente e tentamos racionalizar aquilo que não conseguimos sentir ou digerir. Mas uma hora a onça precisa beber água e quando menos esperamos, levamos uma rasteira  ou tropeçamos nos próprios pés ou nas próprias palavras. Pior é quando estamos tão confusos com nossas próprias mazelas que acabamos por ferir a outros, tirando sarro do problema alheio, para disfarçar que sofremos do mesmo mal. Se é para falar, então que falemos com quem pode nos ouvir verdadeiramente ou emprestemos nosso ouvido a quem dele precisar, com cuidado, respeito e serenidade.

break-down-488005-sw
Reprodução

O SÁBADO traz a Lua numa conversa mais animada e alegre com Marte em Aquário, e Júpiter em Leão, a Lua tentando achar uma conciliação para essa disputa entre os dois.  A conversa flui por um tempo e muitos planos mirabolantes podem ser engendrados, mas apesar disso o dia não tem nada de leve. A quadratura entre Sol e Urano fica perfeita e plena fica também a conjunção Sol-Plutão. Vênus ingressa em Aquário às 12h49min. Sábado intenso, que traz ao ponto de culminação toda a tensão da semana. Apesar de Vênus em Aquário, as interações são profundas e queremos ir à raiz das coisas e dos problemas. Situações que estiveram no limbo e cheias de véus, sem clareza, agora precipitam-se e vem à luz da consciência de forma catártica e dramática, causando colapsos que exigirão decisão e ação imediata e categórica. Lutas de poder estão implicadas, mas não necessariamente estamos conscientes das motivações. Podemos nos sentir à mercê de alguém que tem poder imenso sobre nós, ou nós podemos exercer essa influência sobre outra pessoa. Não é um dia para se aventurar por ruas desconhecidas ou se expor a situações de risco. Por outro lado, a energia é excelente para reparos diversos, por exemplo, para levar o carro à oficina ou para consertar coisas quebradas.

mood swing - Cópia

A Lua, que entrou em Câncer ainda no sábado à noite, fica numa situação chatíssima logo nas primeiras horas do DOMINGO. Ao fazer quincunces a Vênus em Aquário e a Saturno em Sagitário ela vira foco de um Yod. Pior, ao longo do dia ela se aproxima da T-Square com Urano-Plutão, tornando o domingo um tanto explosivo – influência complicada para reuniões familiares, especialmente porque Câncer e Capricórnio estão implicados. A energia é de alta voltagem e emocionalmente muito carregada. Dramas domésticos podem estourar porque estamos com humor super instável e melindroso, emburrados e birrentos, e não percebemos que os outros não estão dispostos a corresponder à nossa chantagem emocional. O mundo nos diz “cresça e apareça”, quando na verdade gostaríamos do colinho da mamãe, que por sinal, também não está disponível, ou se coloca claramente contra nossas demandas. De fato, talvez seja hora de crescer e se responsabilizar pela própria sustentação, tanto física quanto emocional. Bancar o carente e seguir reclamando do mundo só vai nos angariar antipatias, porque ninguém tem paciência para carentes cujo buraco parece ser sem fundo, emocionalmente exigentes, demandando sempre mais e mais. Essa crise entre dependência e autonomia é tema principal da Lua Cheia em Câncer, que ocorre às 02h52min da madrugada da segunda, 05 de janeiro. Antes, porém, Mercúrio ingressa em Aquário também no DOMINGO, ÀS 23h08min.

Uma ótima semana para você!

meninaa

As 12 Noites Sagradas – ÁRIES

ariesss
Reprodução

Hoje dedicamos o dia e a noite a ÁRIES

(Aproveito, já que estamos falando do signo da impaciência, para alertar aos leitores do blog, acostumados a uma ou duas publicações semanais, que as publicações diárias seguirão somente até o dia 06/01, período em que acaba a jornada das 12 Noites Sagradas. Agradeço a compreensão. Amanhã publico A Semana).

“Por que o Ariano atravessou a rua? Para bater boca com alguém lá do outro lado” – Acho que todo mundo já ouviu essa piada, não? Mas será que é justa à personalidade de Áries? Digam vocês, Arianos!

Brincadeiras à parte, hoje é o dia de ÁRIES e eu já comecei com uma provocação. O dia foi corrido, cheio de atividades, também favorecido pelo trânsito atual da Lua por Áries e ativando a quadratura Urano-Plutão. E no seu dia, algo especial aconteceu?

carneiro1
Carneiro montanhês – Reprodução

Para Áries, Rudolf Steiner visualiza: “Este é o portal por onde o filho de Deus, o Eu cósmico adentrou da esfera macrocósmica, da esfera do Brama, Javé, de Alá, da esfera do divino para a nossa existência. Através deste portal ressoa no nosso cosmos vindo das regiões macrocósmicas além do zodíaco a voz do Pai”

“Este é o meu filho muito amado, hoje eu o engendrei.”

Áries é o arquétipo da iniciação, porque representa o arquétipo do parto, uma luta de vida e morte. O bebê está em êxtase na simbiose perfeita com a mãe no útero (PEIXES) e lá ele seria feliz para sempre, mas o tempo acabou e é hora de nascer, se não nascer morre. E ainda mata a mãe. É hora de deixar o paraíso e encarnar na experiência terrena da vida. Áries é esse bebê e a hora do parto. Da mesma forma, regido por Marte, o mais masculino dos planetas, ele é o poder fálico e inseminador por excelência, estejamos nós falando de homem ou mulher.

IMG_0492
Marte, regente de Áries – Maria Eunice Sousa

Áries é o FOGO CARDINAL, ATIVO, POSITIVO e MASCULINO, o fogo mais primitivo e mais puro. Tem energia de impulso, de ação, de ir para a frente. Vai “com a cabeça”, assim como o bebê tem que forçar a cabeça pelo canal do parto para nascer. O CARNEIRO é seu animal e símbolo, um animal que dá “cabeçadas” competindo com outros machos pela fêmea na época do acasalamento. Obviamente Áries rege a cabeça. O símbolo do signo lembra exatamente os chifres do carneiro, ou ainda as sombrancelhas carregadas do Ariano.

butting heads
Carneiros em época de acasalamento – Reprodução

Para irmos direto ao ponto, já que ninguém aqui tem paciência para muita conversa nem para perder tempo, relaciono algumas palavras chaves que traduzem a alma do carneiro: Enérgico, direto, honesto, imediato, rápido, ágil, impulsivo, instintivo, imaturo, ativo, decidido, heróico, corajoso, impaciente, precipitado, imprudente, brusco, rude, agressivo… A lista é enorme e muitas vezes almas mais delicadas saem com sérios arranhões das interações com este moço ou moça esquentados. “Parece que ele patrola os sentimentos alheios sem nem mesmo notar, mas não há nada de desonesto ou malicioso neste signo, que é primal e espontâneo demais para isso”, diz Clare Martin (2). Tanto que se lhe contarem que machucou alguém ele ficará mortificado, sem nem saber quando se deu isso, e explode zangado muitas vezes, mas é mesmo o “arroto” de um dragão, explode e logo passa, sem ficar nem mágoa nem rancor. O que sobra de honestidade e franqueza, falta em sutileza, mas seu coração é bom, inocente e altaneiro. Ocorre que Áries, como impulso primitivo de vida, nasce para ser o primeiro, para buscar o que quer sem se desculpar por isso.

aries-constellation
Constelação de Áries – Reprodução

Aliás, ele tem o coração dos grandes heróis e heróica é sua jornada. Áries tem necessidade de defender e lutar por uma causa, se for uma donzela em perigo que precisa ser salva de um dragão mau, melhor ainda. Há a necessidade, como todos os signos de fogo, de se sentir vivendo um mito, uma estória épica e grandiosa, porque o fogo é dramático.

Os mitos e heróis relacionados a Áries são muitos, podemos citar, só para começar, Aquiles, o herói grego, Joana D’Arc, Robin Hood ou qualquer outro herói intrépido que se coloca em defesa dos oprimidos. Áries também está associado ao Deus javé da Bíblia, o Deus criador de todas as coisas, um Deus enérgico e por vezes cruel quando desobedecido. Podemos relacioná-lo ainda a Hércules, Heracles para os Gregos, outro herói grego, embora Hercules tenha desempenhado 12 tarefas, cada uma delas associada a um signo. A tarefa relacionada a Áries foi capturar os cavalos de Diomedes, animais que se alimentavam de carne humana e que semeavam o terror na região. O próprio Diomedes, rei da raça guerreira chamada Bistones, os alimentava assim. Hércules foi encarregado de capturar os quatro cavalos e levá-los para Micenas. E mais uma vez Hércules provou sua força, coragem e valentia.

Tosão de ouro121
O Velo de Ouro carregando Prixus e Helle – Reprodução

Mas o mito mais conhecido é o de Jasão e o Velocino de Ouro. Havia um carneiro sobrenatural que foi enviado por Zeus para salvar Prixus e Helle de sua madrasta malvada e que os carregou nas costas até Colchis. Helle caiu e se afogou no mar, mas Phrixus chegou são e salvo e tornou-se protegido do Rei Aetes, um mago que era filho do Deus. Helio Phrixus sacrificou o carneiro e pendurou sua pele numa caverna sagrada guardada por um dragão, onde virou ouro. Foi a mesma pele, chamada de velocino, que Jasão foi atrás sob grandes perigos. Jasão era o herdeiro do trono de Iolkos, na Tessália, mas seu tio Pelias usurpou o poder colocando a criança em risco. Ele foi enviado então para ser criado e educado por Quíron, o Centauro sábio. Quando Jasão cresceu e chegou à idade de lutar, ele voltou à terra natal disposto a retomar seu lugar de direito. Na viagem ele perdeu uma sandália enquanto ajudava uma velha senhora (Hera disfarçada). Seu tio malvado havia sido avisado para tomar cuidado com um estranho que aparecesse calçado com uma única sandália. Quando confrontado pelo sobrinho, Pelias se fez de desentendido e reconheceu o sobrinho como herdeiro legítimo, mas o enviou numa missão para recuperar o velocino de ouro, para que o espírito de Phrixus pudesse descansar em paz. Claro que ele sabia dos perigos e enviava o sobrinho de propósito. Jasão arregimentou famosa tripulação de Argonautas e seguiu viagem, ajudados por Atena, Poseidon e Hera ruma para a corte do Rei Aetes. Lá, ajudado por sua filha Medeia, uma sacerdotisa e feiticeira,  ele matou o dragão, roubou o velocino e voltou para casa, livrou-se de seu tio Pelias e finalmente tornou-se rei.

Girolamo_Macchietti_002
Jasão e Medeia – Girolamo Macchietti – Reprodução

A estória de Jasão é emblemática do herói, pois há todos os elementos: a criança em perigo que é criada em segredo e se torna um guerreiro e luta para reaver seu trono e poder, no processo superando a si mesmo e suas limitações; e o tio maldoso, que encarna o arquétipo do Pai Terrível. O tio o envia na jornada perigosa certo de que o herói não volta. Esse tio/pai terrível representa o velho sistema que precisa morrer para que o novo surja, o novo sendo representado por Jasão. Liz Greene fala desse mito: “O impulso de se lançar contra perigos terríveis para provar a própria potência e coragem é outro tema de Áries, tanto do homem quanto da mulher. O velocino é um emblema desse conjunto interior de valores espirituais, que em ultima instancia é o deus ‘escondido’ em si mesmo”. E parece “destino” de Áries lutar contra esse Pai Terrível vida afora, seja na figura do pai biológico, tios, de professores, de chefes ou outras figuras de autoridade – no caso das mulheres, também contra o marido. Esse padrão de desenvolvimento implica a luta, a competição, e não é necessariamente patológico, é apenas o padrão de Áries.

dalizodiac_aries
Áries – Salvador Dali – Reprodução

Tudo acabaria bem, não fosse Jasão ter sido ingrato com Medeia, que foi instrumental na sua conquista, utilizando seus poderes de feiticeira pra ajudá-lo. Ele tinha se casado com ela e tiveram dois filhos. Mas quando voltou pra Iolkos, anos depois, ele tinha se entediado com ela, o casamento tinha perdido a graça e ele cortejou a filha do Rei de Corinto, Glaucia. E ele desiste de Medeia, que personificava, na verdade a relação com sua anima, com o feminino interior – que aliás o ajuda a estória inteira, na forma de muitas mulheres. Agora, além de uma boa mulher, ele queria poder e fama. Problema básico de Áries, que quer sempre MAIS, a hubris, o desejo de poder. Assim, Medeia ficou muito zangada e ela não era uma mulher qualquer. Para se vingar, Medeia matou Glaucia e os próprios filhos que tinha tido com Jasão, fugindo numa carruagem puxada por dragões alados e amaldiçoando Jasão. Jasão desceu ladeira abaixo depois disso, envelheceu e ficou impotente e morreu com uma paulada na cabeça causada por um pedaço de seu navio podre. No fim, Jasão se tornou, ele mesmo, uma versão do Pai Terrível – e é assim que normalmente se dá, depois que chega ao poder, o herói não quer mais abrir mão dele, nem mesmo quando é evidente que seu tempo já passou e que ele deveria ceder lugar ao novo.

aries
Vitrais da Catedral de Chartes – Reprodução

Outro mito concernente a Áries é o mito de Édipo. Não vamos contá-lo aqui, Áries não teria paciência para isso – até porque é um dos mitos gregos mais conhecidos. O tema básico fala da polaridade Áries – Libra e dos triângulos amorosos que em que Áries parece viver embrulhado. Mas se para Libra o triângulo tem uma motivação, para Áries é basicamente uma questão de competição, de se provar melhor ou mais potente que o outro lado.

Para finalizar, Áries precisa dessa perspectiva de ter uma donzela em perigo para ser salva, uma causa para defender. Pois ele tem um grande senso de justiça e sempre se coloca ao lados do mais fraco.

Figuras e temas arquetípicos de Áries:

O Pioneiro, O Guerreiro, O Caçador, O Empreendedor, O bebê, O Parto, A Iniciação, Novos Começos,

vamos_dancar
Reprodução

Meditação para Áries:

Áries não tem muita paciência para ficar meditando da forma tradicional. precisa de ação e dinamismo. Então pensei em uma meditação diferente, ativa. Marte, regente de Áries era o deus da dança. “Dançar é lutar com seu anjo”, alguém já disse. Então sugiro que você coloque uma música de sua preferência, se for dinâmica, melhor. Afaste as cadeiras da sala, feche os olhos e comece a se balançar, sem sair do lugar. Sinta que alguém entrou na sala, sinta a presença forte. Visualize uma figura alta e forte, decidida e vigorosa. Este é o seu anjo. Olhe direto nos olhos dele, perceba, sinta o que eles transmitem. Ele lhe convida para dançar. Aceite, sem desviar o olhos dos olhos dele. Engaje-se nessa dança e esqueça o mundo ao redor. Concentre-se na vivência e dance apaixonadamente, vigorosamente. Escute se ele lhe diz alguma coisa enquanto vocês dançam. Que rítmo é a música? Que sentimentos ela lhe passa? Dance, dance, dance. Seu anjo tem uma lição a lhe ensinar através destes movimentos. Qual é a lição? Aos poucos sinta a música ir diminuindo o ritmo e o volume. Olhe nos olhos do seu anjo. Perceba se ele quer lhe dizer algo, agradeça e deixe-o ir. Abra os olhos e escreva sobre sua experiência.

Johfra-Bosschart-Aries40q3x4.7@150
Johfra Bosschart – Áries – Reprodução

MÚSICA PARA ÁRIES

Amanhã é o dia de Touro, energia completamente diferente. Observe como seu dia se desenrola.

26/12 – Capricórnio

27/12 – Aquário

28/12 – Peixes

29/12 – Áries

30/12 – Touro

31/12 – Gêmeos

01/01 – Câncer

02/01 – Leão

03/01 – Virgem

04/01 – Libra

05/01 – Escorpião

06/01 – Sagitário

images (9)
Reprodução

Fontes:

(1) http://www.festascristas.com.br/12-noites-santas/12-noites-santas-textos-diversos/483-as-doze-noites-santas-edna-andrade

(2) Clare Martin – Mapping the Psyche

(3) Liz Greene – A AStrologia do DEstino

As 12 Noites Sagradas – PEIXES

PEIXESHoje dedicamos o dia e a noite a PEIXES.

Acordei tarde, sem despertador. Atualizei a escrita dos meus sonhos, algo que há alguns dias não fazia. Esta noite, aliás, acho que sonhei com uma pescaria, com peixes. Não tenho certeza porque as lembranças são borradas e fragmentadas – típico da influência de Peixes. Depois de atualizar os posts do dia no blog, vou tentar voltar às minhas pinturas. E o seu dia, como está sendo?

A jornada idealizada e proposta por Rudolf Steiner é aberta exatamente por Peixes e segue de trás para frente. Edna Andrade, no site Festas Cristãs fala sobre isso: “A sabedoria antiga nos conta que foram as forças espirituais de Peixes que configuraram os pés humanos – regidos por Peixes. Quando observamos os pés verificamos que eles são formados em forma de uma abobada que vai propiciar, simultaneamente com a verticalização da coluna, o andar ereto, primeiro grande aprendizado da vida. Quando criança nos arrastamos, engatinhamos e finalmente nos erguemos e nos apoiamos nos nossos próprios pés superando as forças da gravidade, significando isto uma grande conquista e a condição para o desenvolvimento do pensamento, sendo o pensar o que diferencia o Humano dos outros reinos da natureza.

dalizodiac_pisces
Salvador Dali – Peixes – Reprodução

Ao longo da vida seguidamente fazemos uma analogia íntima com este fato: ‘andar nos meus próprios pés, saber por onde ando, seguir os meus próprios passos, não vou andar nos passos de ninguém’. São expressões que exprimem uma correta relação com a terra e com o destino em termos de liberdade pessoal.” (1)

De Peixes recebemos “os impulsos para nos firmarmos próprios pés e nos erguermos, condições básicas para alcançar a liberdade individual, meta à qual nos destinamos como seres individualizados”.

pisces (2)
Peixes – Vitrais da Catedral de Chartres – França

Em PEIXES chega-se ao fim do ciclo zodiacal e encerra-se o escopo arquetípico da experiência humana. Por isso se diz que Peixes, de certa forma, é a síntese de todos os outros signos. Por ser tão inclusivo e abarcar tanto dos outros, é muito difícil defini-lo. É um signo extremamente impessoal, em que o Ego, que levou os outros 11 signos para se definir, agora busca sua dissolução completa. Mas por ser o último, também é o primeiro, é o material e a promessa de onde nasce o novo ciclo.

240px-Pisces2
Peixes – coleção antiga – Reprodução

Signo de ÁGUA MUTÁVEL, Peixes absorve as influências do ambiente com facilidade, assim como a água, que se mistura a tudo o que toca e está sempre mudando de forma conforme o recipiente que a contém. Pessoas com grande ênfase em Peixes são como “esponjas psíquicas”, diz Clare Martin; “Se alguém deprimido ou zangado entra na sala, o Pisciano pode facilmente começar a se sentir deprimido, zangado ou infeliz, sem saber porquê. Se essa capacidade para a fusão simbiótica é conscientemente reconhecida e aproveitada, pode ser um dom extremamente útil nas profissões de ajuda e de cura.” (2) Peixes não julga e sua compaixão e altruísmo imensos podem ser dirigidas a qualquer coisa ou pessoa que precise.

Pisces-Larger_600
Atlas Coelestis – Reprodução

Porém, quando não vivenciadas conscientemente, essas qualidades podem causar problemas, porque a pessoa tem dificuldade em estabelecer limites saudáveis entre seus conteúdos e os dos outros, ou até mesmo em separar realidade do que percebe de outras dimensões e esferas – Peixes é famoso por sua sensitividade e mediunidade, e muitos, ao não entender, ou não conseguir lidar, bloqueiam esse dom cedo na vida, tornando-se céticos depois.

Peixes é outro signo que tem regência dupla: Júpiter e Netuno. Isso porque na antiguidade não se conheciam os planetas exteriores, Urano, Netuno e Plutão.

MERMAID
Reprodução

E quais os mitos de Peixes?

babytammuz1
O Infante Tammuz – Reprodução

Como ocorre com os demais signos, há muitos mitos, antigos e variados, relacionados a Peixes, alguns deles bem mais antigos do que os mitos gregos. Invariavelmente esses mitos nos levam ao arquétipo da Grande Mãe, de onde tudo nasce e para onde tudo retorna. Há muitas versões, em culturas diferentes, da estória de dois peixes celestiais, associados com o culto da deusa Atargatis, que também está conectada ao signo de Virgem, oposto complementar de Peixes. Seus templos tinham piscinas onde nadavam peixes sagrados, que só podiam ser tocados ou comidos ritualisticamente. Atagartis tinha um filho chamado Ichtis, que era, ele mesmo, um peixe e que depois evoluiu para Ea, a cabra-peixe que encontramos em Capricórnio. Outras versões desse par são Ishtar e Tamuz, Cibele e Átis, Afrodite e Adônis. O mito babilônico conta que um ovo gigante foi encontrado no Eufrates por dois peixes, que o empurraram para a terra, onde uma pomba pousou sobre ele. Deste ovo surgiu Atagartis, que honrou os peixes colocando-os nos céus. Na versão grega do mito, Afrodite e seu filho Eros fugiam do monstro Tifão disfarçados como peixes, ou teriam sido salvos por eles e foram também honrados pela gentileza sendo colocados nos céus como constelação. Os peixes geralmente aparecem amarrados juntos e jamais se separam, embora aparentemente pareçam nadar em direções opostas. Um dos peixes é a Grande Mãe, a deusa da fertilidade que representa a origem de toda a vida. “ela é devoradora, lasciva e destrutiva, o mundo primordial dos instintos. Ele é o Redentor, ichtis, o Cristo. Estão unidos pra sempre e não podem fugir um do outro. Ele é tanto o filho como o amante, e deve ser sacrificado ritualisticamente, ano a ano. O filho é desmembrado e morto pela própria mãe ou por um dos seus animais totens: um lobo, uma serpente monstro, um javali. Depois ressuscita. As sereias são associações consequentes dessas deusas-peixe, e assim como a Grande Mãe-Amante, seu apelo e canto são irresistíveis, porque não são desse mundo, falam de imagens etéreas e oníricas. No capítulo sobre Peixes Liz Greene cita Jung:

AdonisAwakeningWaterhouse
The awakenig of Adonis – John William Waterhouse Reprodução

“As Grandes Mães mitológicas são geralmente um grande perigo para seus filhos. Jeremias menciona a representação de um peixe numa lâmpada cristã, que traz um peixe devorando outro. O nome da maior estrela da constelação conhecida como Peixes do Sul, Formalhaut, que é ‘a boca do peixe’ – pode ser interpretada neste sentido, justamente como no simbolismo, toda forma de concupiscência devoradora é atribuída aos peixes, que são tidos como ‘ambiciosos, libidinosos, vorazes, lascivos, avaros – em suma, um emblema da vaidade do mundo e dos prazeres terrenos (voluptas terrena). Eles devem essas más qualidades ao relacionamento com a mãe e deusa do amor, Ishtar, Atagartis e Afrodite. Não por acaso, Vênus tem sua exaltação em Peixes.” (3)

Desenho-símbolo-peixe-cristão
O Peixe como Símbolo Cristão

A associação chega à era Cristã e temos a Virgem Mãe e o Cristo, que tem o peixe como um de seus símbolos principais e que disse aos discípulos que os faria “pescadores de homens”, enquanto os Evangelhos estão cheios de referências a peixes e pescadores. O próprio Cristo é desmembrado e ritualisticamente comido na Eucaristia, seu sangue bebido pelos fiéis. O tema da vítima e do redentor é muito caro a Peixes, que pode vivenciá-lo num extremo ou outro da polaridade, já que são duas face da mesma moeda. Nenhum outro signo se presta tanto ao papel de vítima sofredora e perdida, como também nenhum outro é tão genuinamente altruísta e compassivo pelo sofrimento alheio.

signo_de_peixes
Reprodução

Outra figura mítica associada com Peixes é Dionísio, o deus da dissolução, do vinho e dos cultos orgiásticos. Dionísio aparece como filho de Demeter, outras vezes como filho de de Perséfone. Mas a versão mais comum é que era filho de Zeus com Semele, filha do Rei Cadmos de Tebas. Hera, ciumenta ao extremo, aparece para jovem ingênua disfarçada de velha e a convence a exigir que Zeus aparecesse para ela em toda a sua força e glória. Sem perceber que isso a destruiria, Semele faz Zeus prometer que atenderia a qualquer um de seus pedidos e preso pela promessa, é obrigada a aparecer para ela tal qual era, como Raio e Trovão, no que a jovem é instantaneamente fulminada. Semele estava grávida de Dionísio e Hermes conseguiu salvá-lo e costurou-o na coxa de Zeus, por isso ele era chamado “nascido duas vezes”.

dionisio
Dionísio – Reprodução

Ele era um macho nascido de outro macho, mas era um deus extremamente feminino, um deus das mulheres, geralmente retratado com feições femininas e jovens. Hera o odiava, como fazia com todos os filhos bastardos de seu marido. Hera o perseguia constantemente e ordenou que os Titãs o pegassem e rasgassem em pedaços, que foram cozidos num caldeirão. Uma árvore de romã nasceu no lugar onde seu sangue caiu. Porém sua avó, Rhea, o salvou e o trouxe de volta à vida. Ele cresceu escondido, mas de novo Hera o encontrou e o tornou louco. Louco, ele saiu pelo mundo acompanhado pelo seu tutor Silenos (um sátiro) e pelo séquito de selvagens mênades. Era um deus dissoluto e onde ele passava as mulheres enlouqueciam e o seguiam. Um dia ele chegou a Tebas, a terra de sua mãe. O então Rei de Tebas, Penteus, não gostou nada da idéia de ter aquele deus dissoluto em suas terras e mandou prendê-lo e a seus acompanhantes. Dionísio fez o rei ficar louco e achou que tinha prendido um boi ao invés do deus. As mênades escaparam e desapareceram nas montanhas, onde rasgavam animais e destruíam tudo o que viam pela frente. A própria mãe do Rei Penteus liderava o grupo de mênades, completamente enlouquecida, e, quando o rei tentou Pará-las, elas o desmembraram totalmente, empalando sua cabeça e fixando-a nas montanhas. A grande ironia é que o rei teve o mesmo fim trágico do deus que ele se recusou a receber.

Supplizio_di_Penteo
O suplício de Penteo – Reprodução

Esse é um mundo muito próximo para os piscianos: o êxtase orgiástico, a loucura mística que pode ser encontrada tanto no mosteiro, quando através das drogas ou da própria insanidade. O impulso que faz o artista compor verdadeiras obras-primas, seja na música ou nas belas artes é o mesmo que torna outros terrivelmente autodestrutivos se afundarem na dissolução das drogas ou do álcool; outros podem, de fato, sucumbir ao poderio imenso do inconsciente e resvalar na loucura, enquanto outros ainda vão vivenciar isso numa religiosidade profunda e mística, como foi a vida de muitos santos, uma entrega completa ao divino e à Grande Mãe. Não é à toa que vemos tantos Piscianos se refugiarem num intelectualismo estéril, porém seguro, encastelando-se na mente o no mundo racional, uma tentativa de fugir desse impulso primitivo de vida, mas que pode ser muito destrutivo. Nos mitos, cada figura representa uma faceta do mesmo tema, assim, Peixes é, a um só tempo, Dionísio, as mênades, Zeus, hera, e até o próprio rei Penteus, que o rejeita.

IMG_0006
Símbolo de Netuno – Regente de Peixes Maria Eunice Sousa

Acontece que Peixes não é desse mundo. Ele está ainda muito próximo à fonte divina, onde tudo é uno, onde tudo é Unidade. Para lá ele almeja voltar e por isso essa destrutividade e o impulso de morte. Há uma saudade indefinida e um desgosto pela realidade da carne e das contas a pagar no dia a dia, porque ele preferia estar em outra dimensão menos densa e menos pesada. Por isso é constantemente acusado de ser aéreo e distraído. “A carne pode ser uma prisão e uma devoradora do espírito, mas o espírito, da mesma forma, é não só o redentor, mas um devorador da carne”. Em Peixes é onde essa dicotomia corpo-espírito é mais desconfortável e a adicção a drogas e substancias é nada mais que uma tentativa de desmembrar esse corpo-prisão e voltar para os braços da Grande-Mãe-Amante. Mas o destino de Peixes é mediar esse mundo, sem sucumbir a ele de forma destrutiva e sem repudiá-lo, o que é igualmente perigoso. Muitos grandes artistas – e cientistas, como Einstein! – conseguiram e no processo premiaram a humanidade com obras-primas magistrais – o que não quer dizer que tenha sido fácil para eles, ou simples – que o diga Bach, que tinha quatro planetas em Peixes, incluindo a Lua conjunta a Netuno. A proximidade com este mundo aquático é perigosa, mas muito frutífera, já que dá acesso a conteúdos universais e a uma infinita criatividade só igualável com a própria fecundidade da vida. Mas para isso é preciso ter um ego forte e bem estruturado que possa ser capaz de mediar imagens e conteúdos tão poderosos sem se destruir no processo. Isso pode ser feito por diversos canais: música, artes, profissões de cura e ajuda, religiosidade, serviço… Também há que se permanecer atento à tentação da identificação messiânica, de ser redentor ou vítima; de oferecer-se em libação ou de recusar a vivência dos sentimentos e a intermediação desses conteúdos de uma vez. Achar o caminho do meio nunca é fácil, mas é o que precisa ser feito.

As figuras arquetípicas ligadas a Peixes são:

O Salvador, O Redentor, A Vítima, O Curador, O Sonhador, O Artista, O Místico, O Religioso, O Santo, O Dissoluto, O Alcolátra, O Louco

menades2
As Mênades – Gustav Doré – Reprodução

Peixes, como já foi dito, tem grande sensitividade e habilidade psíquica. Mas às vezes é difícil lidar com estes dons, especialmente na primeira parte da vida, quando os conteúdos podem ser assombrosos. Para mediar e nos ajudar a lidar com tal dom, podemos invocar nosso Guia Interior, e a ele que vamos encontrar na meditação de hoje, que pego emprestada de Elizabeth Broke, do livro A Woman’s Book of Shadows (4):

MEDITAÇÃO PARA PEIXES

Deite-se no chão; faça-se confortável e solte qualquer peça de roup que esteja apertada ou incomodando. Deixe que o chão segure seu peso e respire fundo algumas vezes para liberar tensões no corpo… Imagine que está num prado verdejante, num dia quente de verão, Olhe as plantas crescendo ao seu redor, sinta a brisa suave na sua pele. Ali perto há um portão. Caminhe para o portão e passe pra o outro lado… Do outro lado há um caminho. Olhe para o caminho e decida se você quer seguí-lo. Se você decidir seguir o caminho, comece a caminhar. Ele vai subindo gentilmente, contornando uma montanha. Enquanto caminha observe o que há ao seu redor: plantas, árvores, animais, como é o ar e a atmosfera… Conforme você sobre o sol ainda brilha, caminhe no seu próprio ritmo. Conforme avança, você percebe que o ar fica mais claro, mais refinado e que há, ao longe, um eco de música… Quanto mais avança, mais alta a música se torna, é como o gotejar de água numa fonte… finalmente você chega ao cume. Você passa sob um arco e chega ao pátio de um templo, que tem uma fonte ao centro. Você pára para descansar na fonte… Quando faz isso, você se torna consciente de uma figura que vem em sua direção… Este é o seu guia. Saúde-o e escute o que ele tem a lhe dizer. Você pode perguntar a ele/ela qualquer pergunta que queira… Leve o tempo que for necessário para conhecê-lo/a… (permita que a imagem evolua e se desenvolva sem esforço mental da sua parte). Então perceba que é hora de ir embora… Seu guia lhe dará um presente de despedida e confirmará que você pode voltar quando quiser… Devagar, faça o caminho de volta descendo a montanha, trazendo seu presente, volte ao prado inicial. Então abra os olhos e volte pra onde estava inicialmente. Escreva sua experiência. Você pode optar por ouvir música, tocar um instrumento (se for o caso), escrever poesia… Guarde o presente com você, ele será um talismã que lhe dará conforto quando você se sentir desenraizado/a na vida. Este guia é um Mestre Interior que poderá ser consultado sempre que você precisar de ajuda ou clareza sobre qualquer assunto ou questão. Quanto mais você o/a visitar, mais profunda será a relação com ele/ela, Ele/ela poderá lhe ajudar com questões práticas ou com assuntos espirituais profundos e esotéricos.

Música para Peixes:

Faça suas sugestões! que músicas você acha que traduzem Peixes?

Johfra-Bosschart-Pisces-3x4.1@150
Peixes – Johfra Bosschart – Reprodução

Amanhã será o dia/noite de Áries. Conecte-se com essa energia desde cedo e observe como o seu dia se desdobra.

Programação das 12 Noites Sagradas:

 

26/12 – Capricórnio

27/12 – Aquário

28/12 – Peixes

29/12 – Áries

30/12 – Touro

31/12 – Gêmeos

01/01 – Câncer

02/01 – Leão

03/01 – Virgem

04/01 – Libra

05/01 – Escorpião

06/01 – Sagitário

(1) http://www.festascristas.com.br/12-noites-santas/12-noites-santas-textos-diversos/483-as-doze-noites-santas-edna-andrade

(2) Clare Martin – Mapping the Psyche

(3) Liz Greene – A Astrologia do Destino

(4) Elizabeth Broke – A woman’s Book of Shadows

As 12 Noites Sagradas – AQUÁRIO

aquario simAQUÁRIO

Hoje o dia foi dedicado a AQUÁRIO – aliás, aproveito para colocar no final deste texto a seqüência dos signos. Como foi seu dia? Algo inusitado aconteceu? Socializou, encontrou amigos? Sim, porque a proposta é observar tudo o que ocorre no dia e na noite de cada signo e perceber se há algo relacionado.

A despeito da Lua Crescente, meu dia foi às voltas com uma grande faxina como há muito não fazia. Joguei muitas coisas foras, me desapeguei de muitas bobagens – impressionante como guardamos bobagens! E sim, coisas diferentes aconteceram!

Rudolf Steiner associa Aquário com a hierarquia dos ANJOS e que através do Portal de Aquário recebemos os impulsos angelicais para permanecermos fieis aos nossos ideais.

aquario1
Reprodução

Ideal é palavra chave quando se trata de Aquário, também chamado de Aguadeiro, já que é retratado como uma figura humana com uma ânfora. Pessoas com muitos planetas ou ângulos em Aquário e ainda com forte ocupação da Casa 11, a casa natural deste signo, são naturalmente voltadas para as causas sociais e humanitárias. Elas desejam transformar o mundo e o ser humano na sua melhor versão. Elas têm um ideal e se guiam por ele, pela visão da melhor versão daquela pssoa, situação, mundo. Assim como Prometeus, cujo mito exploramos abaixo, elas conseguem enxergar potenciais onde outros só percebem problemas e limitações – às vezes estão tão sintonizadas com este ideal que esquecem de perceber a pessoa real a seu lado. O folclore astrológico diz que é o mais sociável dos signos, o signo dos amigos. Progressista, inovador, inventivo e amante da liberdade, é extremamente mental, já que é o signo que traz o elemento AR na sua forma mais refinada, mais burilada. Civilizado e desapegado, Aquário tem uma grande facilidade de ver as coisas de fora, de longe, como se não fizesse parte do quadro, daí sua capacidade de prever as tendências. Tanto desapego e amor à liberdade pode implicar em alguma dificuldade com a intimidade e a vivência dos sentimentos, que podem ser sentidos, às vezes, como ameaçadores, já que, ao contrário da mente e da razão, sentimentos são coisas incontroláveis e incompreensíveis. Pode ser o melhor dos amigos e a mais animada das companhias, desde que os temas sejam leves ou abstratos, porque se vier com choros e dramas, esqueça, pernas para que te quero! De modalidade Fixa, muitas vezes pode ser extremamente conservador e avesso a mudanças. Isso reflete uma ambivalência que nasce da dupla regência do signo: Aquário é regido tanto por Saturno quanto por Urano, dois arquiinimigos. A regência de Urano lhe dá o amor pela liberdade, igualdade, fraternidade, além da inventividade, excentricidade e aquele ar meio elétrico e diferente que lhe é bem característico. O outro regente, Cronos para os gregos e Saturno para os romanos, nós já encontramos em Capricórnio. Urano era seu pai, o deus dos céus estrelados, aquele que deu origem às gerações de deuses olímpicos ao se deitar com Gaia, a Mãe Terra.

IMG_0548
Urano – Símbolo – Maria Eunice Sousa

Urano teve muitos filhos, dentre eles, Saturno e outros titãs, além dos Gigantes, criaturas ctônicas e grotescas de 100 mãos, cuja mera visão causava profundo desgosto ao seu pai, que era altamente idealista e de gosto muito estético. Tão repulsiva era a visão de seus filhos que Urano os aprisionou no Tártaro, as entranhas do Mundo Inferior. Esse costuma ser um padrão comum em Aquário, esse gosto estético refinado e idealista, que detesta ter que lidar com o lado mais animalesco da natureza humana, incluído aí os ritmos orgânicos do próprio corpo, que pode, às vezes, ser sentido como alien. Cronos, com a ajuda de sua mãe Gaia, resolveu tomar providências para libertar o irmãos e numa noite, quando Urano veio se deitar com Gaia ele segurou seus genitais com a mão esquerda e com a mão direita empunhando uma foice, cortou-os fora, atirando-os ao mar. Da espuma do sêmen nasceu Afrodite, e não é à toa que ela é a deusa da beleza e do senso estético, tendo nascido de UM pai tão idealista. Do sangue derramado na terra nasceram as Erinias, também conhecidas como Fúrias, personificações da vingança que puniam os mortais. Urano desaparece e não se sabe dele depois disso na mitologia. Cronos assumiu o seu lugar como regente dos deuses.

The_Mutiliation_of_Uranus_by_Saturn
A castração de Urano por Ssturno – Afresco de Giorgio Vasari e Cristofano Gherardi, c. 1560 (Sala di Cosimo I, Palazzo Vecchio). Reprodução

Esse mito de Urano já nos diz muito sobre a natureza de Aquário. Mas há outro mito ainda mais emblemático relacionado ao signo, o mito de Prometeus. É uma estória longa, mas vale a pena. Liz Greene (1) diz que Prometeus é o grande assistente social cósmico. Prometeus era um titã da mesma geração de Cronos e sua origem é um tanto controversa. Seu nome significa “aquele que prevê”. Ele tinha um irmão chamado Epimeteus, que era o seu oposto nesse sentido, pois seu nome significava “aquele que aprende apenas com o acontecimento”. Na briga entre Cronos e Zeus, porque ele sabia como a encrenca findaria, Prometeus ficou do lado de Zeus. Diz-se que ele o ajudou no parto de Atena, que nasceu da cabeça de Zeus e que era a deusa da estratégia e do pensamento racional. Por causa disso ela o ensinou várias artes, entre elas a agricultura, arquitetura, matemática, astronomia, artesanato, carpintaria, medicina, astronomia, astrologia, navegação e muitas outras habilidades. Prometeus ensinou todas essas artes ao homem. Uma das versões de sua origem é a de que ele próprio, Prometeus, teria criado o homem de barro e água, com a permissão de Atena. Liz Greene, em seu livro A Astrologia do Destino, diz que o fato de ter ensinado todas essas artes ao homem torna Prometeus o Daimon do impulso cultural. Antes de Prometeus, o homem não podia ver nada com clareza, não percebia os ciclos da natureza, portanto, não conseguia tirar proveito deles com a agricultura, por exemplo; ele também não sabia como criar animais e não enxergava um palmo diante do nariz no sentido de se projetar no futuro. “Então, aqui está a verdade em uma palavra: toda habilidade e ciência humana é um dom de Prometeus”, Greene cita Asclépios, e diz que “esse impulso de boa fé em relação à humanidade é um dos temas dominantes de Aquário”.

Heinrich_fueger_1817_prometheus_brings_fire_to_mankind
Prometeus traz o Fogo à Humanidade Heirich Fueger – 1817 – Reprodução

O mito continua. Zeus foi ficando muito zangado com todas essas artes ensinadas ao homem por Prometeus e temia que logo o homem se acharia um deus. Zeus também foi se irritando com Prometeus por outras coisas. Um dia, por exemplo, Prometeus foi convidado a decidir sobre quem deveria ficar com que porções de um boi sacrificado, quais deveriam ser dadas aos homens e quais seriam oferecidas aos deuses. O Titã, que sempre privilegiava os homens, escondeu a carne maciça debaixo do bucho do boi e todos os ossos limpos debaixo de uma rica gordura e disse a Zeus para escolher. Zeus escolheu a sacola de ossos e ficou zangadíssimo ao perceber a trapaça e por isso negou o fogo aos homens, que comessem a carne crua, disse ele. Prometeus não acatou a decisão e roubou o fogo sagrado dos deuses e o deu ao homem. Como punição, Zeus acorrentou Prometeus a uma montanha no Cáucaso e todos os dias uma águia, a ave símbolo de Zeus, vinha comer-lhe o fígado. À noite o fígado se regenerava e no dia seguinte o sofrimento se repetia.

peter_paul_rubens_-_prometheus_bound_1611
Prometeus acorrentado – Peter Paul Rubens – 1611 Reprodução

Além de punir Pometeus, Zeus ordenou a Hefestos, o deus da forja, que fabricasse uma mulher de barro e nela inspirou vida através dos Quatro Ventos. Essa era Pandora, que foi enviada a Epimeteus, que, orientado por seu irmão para não receber nenhum presente de Zeus, recusou-a a princípio. Mas, por causa do sofrimento infindável de Prometeus, ele acabou se casando com ela. Pandora abriu aquela famosa caixa, de onde saíram todas as pragas que poderiam perturbar a humanidade: Trabalho, Doença, Velhice, Insanidade, Vício e Paixão. A humanidade teria cometido suicídio coletivo, não fosse Esperança, a enganadora, que também estava na caixa e que mantinha o homem em expectativas de melhorias. Alguns dizem que Esperança é o pior de todos os males, pois nos mantém iludidos. O sofrimento de Prometeus tem fim quando ele é trocado por Quíron, que enfrentava um destino igualmente cruel na forma de uma ferida sem cura que doía de forma excruciante. Zeus concordou com a troca, mas exigiu que Prometeus usasse um anel que o identificasse como um eterno prisioneiro.

prometeus e a aguia
Prometeus no Cáucaso – Reprodução

O mito de Prometeus o coloca como o grande benfeitor da humanidade, porque sem o Fogo Sagrado dos Deuses, o homem não teria visão, não intuiria o futuro, não teria a centelha divina que o eleva acima da natureza meramente animal e ctônica. Porém, do ponto de vista dos deuses este roubo foi um grande pecado, um crime, porque a natureza é muito ciumenta de seus segredos. Pesquisadores e cientistas em geral sabem bem o que é isso, e muitas vezes, ao propiciar avanços à humanidade, abrem uma verdadeira Caixa de Pandora, basta lembrar a desilusão de Einstein com uso que deram à sua Teoria da Relatividade. O roubo também o faz sentir-se isolado de seus pares, assim como Prometeus ficou isolado no Caucaso, porque ele se diferencia, ele vai além do óbvio, do comum, daquilo que já é conhecido.

AQUÁRIO
Aquário – Reprodução

Aquário é o signo oposto complementar de Leão, e como oposto tem horror a se sentir egoísta e egoísmo é parte da sua sombra. A estória de George Orwell “A Fazenda dos animais”, ilustra bem essa questão e a frase “todos os animais são iguais, mas alguns são mais iguais do que outros” é geralmente utilizada para trazer à tona a questão da igualdade como vista por Aquário quando negativo. Outro pecado de aquário é a hubris, o sentimento de estar acima do bem e do mal, exatamente por ter conquistado a Natureza e seus segredos. A hubris é o que nos faz ir além da ética e de valores morais porque achamos que nossos motivos são “justos”, algo na linha do jargão maquiavélico “os fins justificam os meios”. Ocorre que na luta pela evolução, na ânsia de ajudar a humanidade e de melhorá-la, Aquário deixa de ver o individuo humano, a pessoa que está ao seu lado – se for para salvar a humanidade, qual o problema se alguns humanos forem perdidos no processo? Outra frase famosa associada a este signo é “Eu adoro a humanidade, o problema são os humanos”.

dalizodiac_aquarius
Aquarius – Salvador Dali

Entretanto, sem Aquário, o homem ainda estaria naquele nível ctônico, morando em cavernas e sujeito ao destino imposto pela sua biologia. Feliz da humanidade que teve Prometeus (Aquário) como seu benfeitor e hoje evoluiu até onde chegamos. Resta-nos esperar (a enganadora Esperança de novo) que na sua hubris, não nos leve também à destruição.

As figuras arquetípicas de Aquário são:

O Visionário, O Assistente Social, O Cientista, O Revolucionário, O Anarquista, O Futurista, O Viajante do Tempo, O Forasteiro, O Abominável Homem das Neves

Aquariuss
Reprodução

MEDITAÇÃO PRA AQUÁRIO

Primeiro, olhe as imagens associadas a Aquário: o Aguadeiro, o próprio símbolo que parece duas ondas sobrepostas, Urano…

Olhe e fixe essas imagens e deixe que elas conversem com você.

Quando estiver pronto, faça esta meditação. OBS: A qualquer momento, se sentir qualquer desconforto, receio, mal estar, abra os olhos imediatamente e interrompa o processo!!!

Feche os olhos e faça um exercício respiratório de relaxamento. Gradativamente, solte os pés, pernas, coxas, quadris, tronco, ombros, braços, pescoço, cabeça… Até que você esteja completamente relaxada/o. Então

Visualize que está em seu lugar favorito de natureza. Sinta-se relaxado, tranqüilo. Qual é o clima? Faz sol, chove, venta? Observe o ambiente: tem mais alguém? Caminhe ao redor e se houver outras pessoas cumprimente-as amigavelmente, mas sem se demorar. Então perceba que se aproxima seu melhor amigo/a. Sinta a alegria de encontrar essa pessoa. Se sentir vontade, abrace-a. Observe sua expressão: está triste, alegre, zangado…? Por que? Olhe com atenção e veja se ele/ela quer lhe dizer alguma coisa. Escute. Ele lhe pede alguma coisa? O que você pode fazer pelo seu/sua amigo/a? Agora seu amigo/a lhe mostra uma grande tela à sua frente: o que você vê? Que ideais essa imagem reflete? São os seus ideais? São imagens desconfortáveis ou tranqüilas? Como você se sente com a experiência toda? Agradeça a seu amigo/a e deixe-o/a ir embora. Aos poucos perceba-se de volta ao seu corpo e abra os olhos. Se sentir vontade, escreva ou ilustre o que vivenciou. Se quiser, partilhe sua experiência conosco.

Johfra-Bosschart-Aquarius3x4.1
Johfra Bosschart – Aquarius – Reprodução

Amanhã trabalharemos o signo de Peixes, portanto fique atento, durante o dia, a como o signo vai se manifestar para você. Aproveito para me desculpar pela demora na publicação de hoje. Amanhã eu o farei durante o dia. Até lá!

Programação das 12 Noites Sagradas: 

26/12 – Capricórnio

27/12 – Aquário

28/12 – Peixes

29/12 – Áries

30/12 – Touro

31/12 – Gêmeos

01/01 – Câncer

02/01 – Leão

03/01 – Virgem

04/01 – Libra

05/01 – Escorpião

06/01 – Sagitário

(1) A Astrologia do Destino – Liz Greene

As 12 Noites Sagradas – CAPRICÓRNIO

capricComeçamos nossa jornada com o signo de Capricórnio, porque seus temas são os temas do Cristo, a encarnação na matéria, numa experiência terrena e a posterior crucificação, obedecendo à vontade do Pai. Também porque é o signo vigente nos meses de dezembro e janeiro e um signo cardinal, que tem a energia do início. (Para entender o que são as 12 Noites Sagradas, clique aqui)

Para começar, exploramos um pouco os mitos e associações deste signo, além das imagens, e depois fazemos uma meditação. Conforme disse no primeiro post, não montei um roteiro fixo e a experiência vai se fazendo conforme formos caminhando juntos.

Capricórnio, signo de TERRA CARDINAL, é o signo da Cabra ou Cabrito, o animal que sobrevive em regiões inóspitas, pedregosas, montanhosas – é a Terra mais densa, na forma cristalizada da rocha e da pedra. A montanha, aliás, é um de seus símbolos, pois representa exatamente o topo do mundo, o lugar aonde a cabra deve chegar, devagar e sempre. A montanha é também uma analogia que usamos para falar da Casa 10, a casa natural de Capricórnio no mapa astrológico e representa o ponto mais alto deste mapa, a culminação da experiência mundana, daí suas associações com a carreira, status, papel social e imagem no mundo.

Orientado para a hierarquia, a missão principal de Capricórnio é desenvolver autoridade, até que se torne uma ele próprio. Nesse processo do desenvolvimento da autoridade ele vai se definindo e descobrindo seu papel na sociedade, estabelecendo fundações e estruturas que durem e resistam ao tempo. Regido por Saturno, tem temperamento estóico e tem poucas ilusões a respeito da vida, sabendo desde cedo que o trabalho é sua jornada básica.

marte cap
Reprodução

Liz Greene (1) associa Capricórnio com o tema do Sacrifício do Rei, que deve ser morto para que a terra volte a ser fértil. Ele aparece em várias mitologias, como o deus Sabazius, uma variante de Saturno, como Osíris no Egito e como o próprio Cristo, Filho de Deus, que deve encarnar como homem e ser crucificado para redimir a humanidade. O Cristo, como outros redentores, nasce por volta do Solstício de inverno (Hemisfério Norte), assim como Mitras, Tamuz, Adônis e até mesmo o Rei Artur. No inverno a terra descansa, pois está devastada. Capricórnio é o Rei doente da lenda do Graal. É pregado numa cruz, a árvore da matéria, a cruz que representa a experiência humana da encarnação e da vida material. Assim, Capricórnio cresce estranhamente consciente de que sua liberdade é restrita, mas internamente dividido entre as imagens do Puer (o arquétipo da Criança Divina que nunca cresce) e do Senex (o arquétipo do Velho). Abraça a responsabilidade cedo, numa vida que parece não lhe permitir ser criança plenamente. “Freqüentemente Capricórnio caminha disposto para esse cativeiro, embora outras alternativas possam estar abertas para ele. É como se ele buscasse e acolhesse esse destino, por motivos obscuros e geralmente inconscientes”, diz Liz Greene.

saturno devorando seu filho 1
Saturno devorando seus filhos – Rubens

O Pai é o ogro, é o Pai Terrível, representado por Saturno, cujo abraço só será dado se o filho tiver cumprido seus difíceis deveres. Mas o filho, embora magoado, parece ter uma estranha sintonia com este pai impiedoso. E ela cita Joseph Campbell em o Herói de Mil Faces: “o ogro aspecto do pai é um reflexo do próprio ego da vítima, derivado da cena de berçário que foi deixada para trás, mas projetada depois; e a idolatria fixa dessa coisa não pedagógica é em si mesma a falha que mantém a pessoa imersa no senso de pecado, prevenindo o espírito adulto de uma visão mais realista e equilibrada do pai, e conseqüentemente, do mundo. Expiação consiste em não mais do que o abandono desse auto gerado monstro duplo – o dragão que se imagina ser Deus (o superego) e o dragão que se imagina ser o Pecado (o Id reprimido)… Deve-se ter fé de que o Pai é misericordioso e confiança nessa misericórdia”.

Para Capricórnio, aceitar os limites da realidade e as responsabilidades de uma vida mundana é como um rito de passagem. E por incrível que possa parecer, essa aceitação do próprio “destino” pode ser também profundamente libertadora, porque se para de brigar com a vida, e os ideais, como representados pelo espírito do Puer, podem ser manifestados, mesmo que de forma imperfeita. Sintomaticamente, Capricórnio rege os joelhos, que simbolizam nossa capacidade de nos humilharmos, de ceder e de nos render diante de algo maior que nós. Ajoelhar-nos é o que fazemos nos templos, ou nas nossas orações, como sinal de humildade diante da divindade.

cruz
Reprodução

O tema da Crucificação é, pois, extremamente relevante para Capricórnio, seja homem ou mulher. A crucificação é basicamente aceitar a vontade do Pai, encarnar e viver a experiência da carne, do homem, e depois ser sacrificado para redimir este mesmo homem. Não é isso que se ouve com freqüência de muitos Capricórnios? O sacrifício, o martírio?

O conflito Puer-Senex é básico e comum também aos signos de Sagitário e Gêmeos, que neste caso vivenciarão o lado do Puer, enquanto o Capricórnio experimenta o Senex.

James Hillman, no seu livro sobre o Puer cita esta oração extremamente contraditória a Saturno, que data do século dez:

“Ó Mestre de sublime nome e grande poder, supremo Mestre; Ó Mestre Saturno: Tu, o Frio, o Estéril, o Enlutado; Tu, cuja vida é sincera e cuja palavra é certeira; Tu, o Sábio e o Solitário, o Impenetrável; Tu, cujas promessas são mantidas; Tu, cujo oficio te fragiliza e extenua; Tu, que tens as maiores responsabilidades, que não conheces nem alegria nem prazer; Tu, o velho e astuto, Mestre de todo artifício, enganador, sábio e prudente; Tu, que trazes prosperidade ou ruína e fazes os homens felizes ou infelizes! Eu te suplico, ó! Pai Supremo, pela Tua grande benevolência e Tua generosidade, a fazer-me o que peço…” (2)

saturnalia
Saturnália – Reprodução

E então o pedinte apresentava seus pedidos. Nesta oração está contida a grande contradição que é o próprio Saturno, o Grande Mestre, que presidiu a Era de Ouro, uma era de grande abundância e a Saturnália, um festival de grande licenciosidade que durava cerca de três dias, onde todos os limites eram deixados de lado e se podia dar vazão a instintos e vontades. Um festival que coincide com o período do Natal Cristão.

IMG_0034
Saturno – Maria Eunice Sousa

A cornucópia é um dos símbolos associados a Saturno, exatamente por causa desse período. A idéia da cornucópia, que era, na verdade, um chifre, vem de outro símbolo associado a Capricórnio, a cabra-peixe, um das imagens mais antigas associadas a este signo. A Cabra-Peixe é associada com Almatéia, uma ninfa-cabra que amamentou o infante Zeus no Monte Dicte, quando sua mãe Rhea o escondeu de seu pai Cronos-Saturno, para que ele não o devorasse. O próprio Cronos era chamado a Cabra Velha, e um deus da fertilidade. Por sua grande generosidade e cuidados, Zeus colocou a imagem de Almateia entre as estrelas e pegou um de seus chifres e transformou na Cornucópia da Abundancia, que está sempre cheia do alimento ou bebida que o dono desejar. A cabra-peixe também aparece nos mitos sumérios, onde era chamada de Deus Ea, que depois se tornou Oannes em grego e finalmente João.

dalizodiac_capricorn
Capricórnio – Salvador Dali

Essa contradição da figura do Mestre Saturno permeia a vida de Capricórnio, e o pai que é terrível, que escraviza e destrói o filho, é o mesmo pai que oferece a salvação. Não é essa a história de Jesus? Ele nasce e morre para atender a vontade do Pai e em dado momento chega mesmo a pedir, “Pai, afasta de mim esse cálice!”

Assim, Capricórnio reclama, reclama, mas abraça seu destino com disposição e compromisso. Assim como o Cristo, em Capricórnio encarnamos para a experiência da vivência na carne, na realidade terrena. Meditemos sobre isso, sobre a experiência do espírito encarnado na matéria limitada. A casa no mapa natal em que temos Capricórnio é onde vivemos com essa disposição.

Steiner relaciona os Arcanjos com o signo de Capricórnio, e na noite dedicada a este signo, “os impulsos dos Arcanjos para o fortalecimento da nossa personalidade através da expansão da luz e autonomia da nossa inteligência.” (3)

As figuras arquetípicas relacionadas a Capricórnio são:

A Autoridade, O Velho, O Trabalhador, O Magnata

capricornio
Capricórnio – DEsconheço o autor – Reprodução

Agora, gostaria que você me acompanhasse numa meditação que o fará entrar em contato com Capricórnio dentro de você, de acordo como aparece no seu mapa.

Primeiro, olhe as imagens associadas a Capricórnio: a cabra-peixe, o próprio símbolo que parece um “V” com um rabinho, a montanha, a imagem de Saturno…

Olhe e fixe essas imagens e deixe que elas conversem com você.

Quando estiver pronto, faça esta meditação, inspirada numa meditação orientada por Howard Sasportas (3)

OBS: A qualquer momento, se sentir qualquer desconforto, receio, mal estar, abra os olhos imediatamente e interrompa o processo!!!

Saturn
Saturno – Maria Eunice Sousa

Feche os olhos e faça um exercício respiratório de relaxamento. Gradativamente, solte os pés, pernas, coxas, quadris, tronco, ombros, braços, pescoço, cabeça… Até que você esteja completamente relaxada/o. Então, visualize uma montanha à sua frente; perceba seus detalhes, o que ela lhe inspira, perceba se é grande ou pequena, se tem vegetação ou não, etc. Aos poucos comece a subir essa montanha. Não precisa ter pressa, nem forçar nada. Vá devagar e sempre, conforme seu ritmo. Observe o caminho, aspire e inspire o ar puro da montanha. Até que você finalmente chega lá no topo. Sinta a sensação de chegar ao topo em cheio, curta e se congratule por isso. Explore os arredores e veja, ao longe, uma construção. Aproxime-se. Observe como é a construção: é uma casa? Um prédio? Um castelo? Do que é feito? Qual o aspecto geral da construção? Bonita, feia, aconchegante, fria, sólida… Chegue mais perto e veja que há uma inscrição acima da porta que diz: “Casa de Capricórnio”. Bata palmas ou bata na porta e aguarde. Veja se sai alguém. Quem é? Qual a impressão lhe passa? Está feliz, triste, zangada… Não a julgue. Perceba a sensação geral que a figura lhe passa, se ela quiser falar, deixe que faça isso. Faça a ela três perguntas: “o que você quer? Do que você está precisando? O que você me oferece?” Escute o que ela tem a lhe dizer atentamente. Se sentir vontade de dizer algo mais a ela, faça-o, com respeito. Quando estiver pronto, agradeça, despeça-se e deixe que ela volte para dentro da casa. Diga adeus à casa, à montanha, e lentamente comece a descer a montanha, até chegar ao ponto inicial. Abra os olhos e se tiver vontade, escreva, desenhe, ou fale para alguém sobre a vivência. Se quiser, ouça estas músicas e se você lembrar de alguma que se encaixa nos temas Capricornianos, comente aqui.

Músicas para Capricórnio:

Osavaldo Montenegro: https://www.youtube.com/watch?v=2NzU8J3Xx50

Cazuza: https://www.youtube.com/watch?v=OWvC87D8VHU

Johfra-Bosschart-Capricorn3x4.3@150
Capricórnio Johfra Bosschart – Reprodução

(1) Este texto é baseado principalmente no livro A Astrologia do Destino, capítulo Mito e Zodíaco.

(2) O Livro do Puer – James Hillman – Ed. Paulus

(3) http://www.festascristas.com.br/12-noites-santas/12-noites-santas-textos-diversos/483-as-doze-noites-santas-edna-andrade

(4) Howard Sasportas – As subpersonalidades e os conflitos psicológicos