Archive | dezembro 2016

A Semana Astrológica – Apertem os cintos…

Reprodução

Reprodução

Semana de 26 de dezembro a 1° de janeiro de 2017 – Apertem os cintos… Estamos atravessando uma área de turbulência! Semana de muita imprevisibilidade, tensões e conflitos… Consciência aguda de nossa impotência e de nossa falibilidade humana… Mas os propósitos se renovam, com mais realismo!

Última semana do ano, que chega trazendo eventos inesperados, sustos e comoção. Sim, estamos falando de Urano, que recebe esta semana a primeira oposição de Júpiter em Libra, a primeira de uma série de três. Nesta semana que termina já vimos muitas coisas chocantes acontecendo, desde atentados terroristas, clipes que chocaram os costumes moralistas dos brasileiros e até mesmo neve no deserto! Sim, nevou no Saara pela primeira vez em quase 40 anos! Veja a matéria, em inglês.

The Independent - Reprodução

The Independent – Reprodução

Como se não bastasse, Urano volta ao movimento direto também nesta semana, mais precisamente no dia 29, dia da Lua Nova de Capricórnio! Urano fica, assim, bastante enfatizado nesta semana, o que indica que são dias cheios de imprevisibilidades, de surpresas, de alterações bruscas nos acontecimentos e de notícias bombásticas. Num cenário como o que temos atualmente, isso é realmente preocupante, dado os conflitos que estão em andamento.

Reprodução - Desconheço o Autor

Reprodução – Desconheço o Autor

Quíron está bastante ativado também, há a sensação muito aguda de impotência e derrota; uma sensação de vergonha de pertencermos à raça humana, de lutarmos tanto e não conseguirmos superar diferenças simples; de causarmos tanto sofrimento uns aos outros, mesmo que indiretamente, ou de forma cabal, como é o caso de tantos conflitos e corrupção… Onde foi que erramos? E por que erramos tão feio, tão contundetemente? Teremos conserto ainda? Qual a fundura do abismo para o qual estamos caminhando? Com Quíron-Saturno, quadratura que fica exata na quarta, somos ao mesmo tempo julgado e juiz e o julgamento é por demais severo, porque não percebemos abolvição possível para essa humanidade tosca e primitiva… Mas não, realmente não podemos tomar este caminho tão penoso… Há que se ter perspectiva, empatia e uma abordagem mais filosófica… Há que se contabilizar a beleza, o altruísmo de muitos, o esforço e entrega de outros tantos… Estamos numa jornada difícil e longa, em que só vemos com clareza o que ficou para trás, o caminho já trilhado… E só porque não conseguimos ver com limmpidez, não podemos sucumbir à insegurança, nem nos dobrar ao medo, ou nos render ao desespero. A força está dentro de nós e o acesso a ela se dá pela calma e humilde aceitação da paisagem em que nos encontramos, das pedras do caminho… A serenidade resultante nos animará a retomar a caminhada e a olhar o futuro com mais tranquilidade e confiança.

Cam de Leon - Fall - Reprodução

Cam de Leon – Fall – Reprodução

Além da quadratura de Saturno, Júpiter também faz um quincúncio a Quíron, indicando incongruências na vivência da nossa espiritualidade, uma dificuldade em conciliar a fé com a realidade que precisamos encarar na nossa experiência terrena cheia de deficiências e insuficiências. Júpiter quer se expandir para além de todas as fronteiras do conhecido, inspira e aspira a grandes alturas, dando de ombros para aqueles que dizem que não é possível, porque para ele sempre há outras possibilidades. Mas Quíron vem lembrar que sim, podemos e devemos aspirar a toda essa expansão, mas ainda precisamos lidar com os ditames e regras da experiência da encarnação, do corpo, dos limites, das fragilidades que nunca vão embora eque jamais serão superadas. Sentimo-nos então, como anjos caídos, envergonhados de nossa falta de fé, da falta de esperança, da incapacidade de superar nossos medos. A busca de sentido pode ajudar a serenar a vida e essas dores incompreensíveis; encontrar um significado pode nos ajudar também a combater a amargura e a estreiteza de sentimentos, além de nos dar uma perspectiva mais filosófica da vida e suas ironias.

Catrin Welz Stein - Reprodução

Catrin Welz Stein – Reprodução

O Sol Capricorniano vai escalando a montanha do status social e por estes dias ele busca a cooperação de Marte e Netuno em Peixes, agregando criatividade e sonho aos projetos grandiosos de projeção social e de realização mundana. De seco e frio, esse Sol fica levemente doce e menos taciturno. Quem sabe até capaz de alguma gentileza para consigo e com os outros. Sim, a Cabra costuma ser taciturna, até para não demonstrar fraqueza e não parecer mole demais… Com os contatos de Peixes, essa Cabra precisa se irmanar, ter alguma compreensão das falhas alheias e das próprias, ter compaixão pelo outro e por si mesmo. Mercúrio em Capricórnio também faz contato com Netuno e Marte, mas na ordem inversa, já que Mercúrio está em marcha à ré. Pode ser que a introspecção fique mais acentuada em função disso, mas também recordações podem emergir das profundezas do inconsciente, trazendo nostalgia e a necessidade de rever o que fazer com tais conteúdos, se os descartamos de vez ou se os arquivamos num lugar especial da mente. Mercúrio também faz uma conjunção Inferior, simbolizando o início de um novo ciclo mental e novas ideias brotando, em sintonia com os novos propósitos, já que essa conjunção se dá um dia antes da Lua Nova.

Soldado russo toca um piano abandonada na Chechênia em 1994 - Reprodução

Soldado russo toca um piano abandonada na Chechênia em 1994 – Reprodução

Marte está em conjunção a Netuno, o que nos deixa um tanto dispersos, talvez um pouco letárgicos, querendo um oceano inteiro de desejos e coisas intangíveis, que nem nós conseguimos dar nome, daí a dificuldade em ir atrás de tais desejos, porque são muitos e vastos, coloridos e caleidoscópicos, indefiníveis e vagos… Queremos tantas coisas e tão diversas que não sabemos na verdade o que realmente queremos. Também é possível nos sentirmos desautorizados a ir atrás de tais desejos, quando o mundo parece estar se desintegrando à nossa volta e crianças têm seus sonhos esmagados pelas bombas da intolerância, do ódio e do amor ao poder – o coração se parte em muitos pedaços. De um idealismo incurável, Marte-Netuno está sempre em busca de sonhos impossíveis e devido a esse idealismo, pode também ser presa fácil da má fé alheia – isso quando ele mesmo não se torna um fraudador: por se sentir lesado e vítima do mundo, pode trapacear, como uma forma distorcida de “equilibrar” o jogo, já que pode se julgar injustiçado. Obviamente isso é uma auto-ilusão. Para lidar com a dispersão, é essencial saber o que preenche o coração, o que faz dançar a alma, o que nos faz querer pular da cama, acima de qualquer outra coisa. A assertividade é meio frouxa, porque ficamos incertos de nós mesmos e de nossos direitos – como também dos deveres, o que pode nos fazer esperar que outros resolvam o que é responsabilidade nossa. Tal insegurança e dúvidas a respeito da própria força e coragem podem levar a demonstrações exageradas de força, como os esportes arriscados, as competições ousadas e outras formas de se provar a própria determinação. E sim, algo terá que ser sacrificado, porque não é possível ter, fazer e realizar tudo… com Marte em Peixes e junto a Netuno, também colocamos nossa vontade a serviço de algo maior do que o ego ou realizações pessoais. Em termos práticos, com Marte em Peixes e conjunto a Netuno, fazemos bem se evitamos o álcool e drogas em geral, porque a sensibilidade está aumentada e os limites muito frouxos, de modo que não sabemos quando parar – particularmente nos dias em que a Lua estiver em Sagitário, fazendo quadratura a esses dois, porque Sagitário é o signo dos exageros e também tem dificuldade com limites.

Reprodução

Reprodução

A Lua abre a semana na fase Balsâmica, vazia em Escorpião. Ingressa em Sagitário ainda nas primeiras horas da segunda-feira. Renova-se em Capricórnio na quinta e finda a semana em Aquário, prestes a entrar na fase Semi-Crescente.

Anne Wipf - Reprodução

Anne Wipf – Reprodução

SEGUNDA-FEIRA, 26 de dezembro – Júpiter está em oposição exata a Urano e Saturno também em trígono muito próximo ao mesmo Urano. A Lua abre o dia vazia em Escorpião, já na fase Balsâmica. Ingressa em Sagitário à 01h19min e logo faz quadratura a Marte e ao Nodo Sul em Peixes, quadrando também a Netuno mais tarde. Saturno está em quadratura a Quíron, exata daqui a dois dias. Este é um dia inusitado, extravagante até, onde coisas extraordinárias podem acontecer – acontecimentos auspiciosos, mas também violentos e dramáticos. É preciso estarmos preparados para qualquer coisa, qualquer eventualidade e estar dispostos a mudar de planos e improvisar, conforme as horas vão se desdobrando. Enrijecer-se e resistir ao vendaval pode criar toda a sorte de problemas e nos quebrar ao meio. Ainda é melhor encontrar-se perdido num lugar desconhecido, mas inteiros, do que ter que contabilizar inúmeros estragos depois. Com a devida sabedoria e flexibilidade, podemos fluir com esse vendaval e crescer com ele, acessando informações, conhecimentos e revelações que antes eram invisíveis para nós. Os caminhos estão abertos para mudar: mudar de opinião, de postura e atitude, de crença, de filosofia de vida… Expandir-se. Se insistirmos em permanecer igual a sempre, quando a vida convidar para uma aventura, estamos convidando a encrenca a bater na porta – é a chance que temos de nos liberar daquilo de que mais reclamamos. Em termos mundanos, as energias estão bastante voláteis, imprevisíveis e violentas, portanto, coisas estranhas e inesperadas podem ocorrer, especialmente considerando-se o cenário tenso que se descortina na Europa e Oriente Médio. Conflitos religiosos ficam mais agudos, potencializados pelo fanatismo e rigidez de posturas e crenças. Cataclismas naturais também não estão descartados. Respiração, meditação ativa e exercícios de ancoragem podem ajudar a manter o centramento e a serenar a inquietude. Apesar, ou melhor, exatamente por causa de todas essas influências, precisamos vibrar coisas positivas e emanar amor em todas as direções.

Reprodução

Reprodução

TERÇA-FEIRA, 27 de dezembro – O Sol Capricorniano está em sextil pleno a Marte em Peixes hoje, enquanto Mercúrio retrógrado se afina com Netuno, também em Peixes. A Lua Sagitariana faz conjunção a Saturno, sextil a Júpiter, trígono a Urano, quadratura a Quíron e finalmente, sextil a Vênus, ficando vazia depois deste contato, às 23h46min. Júpiter segue em oposição a Urano e quincúncio a Netuno. Nossos propósitos mais conscientes e objetivos de desenvolvimento, que talvez estivessem muito austeros e cinzentos, ganham pinceladas de cor, imaginação e criatividade. Se nos empenhamos, conseguimos divisar maneiras de realizar tais intentos de forma criativa, buscando alternativas imaginativas quando nos depararmos com bloqueios, assim como a água contorna a pedra para fluir no seu curso. Às vezes, ao invés de bater de frente com os obstáculos, fazemos melhor se buscamos alternativas, inclusive, de perspectiva: quando nos sentirmos por demais cabisbaixos e depressivos, podemos recorrer às lembranças de outras situações em que conseguimos superar dificuldades parecidas. O dia traz uma sobriedade bastante útil, que nos ajuda na concentração e na resolução de problemas, sem perder a serenidade, além de nos aventurarmos nessa busca das alternativas. Embora possamos ter dificuldades com sensações de derrota e de impotência, a resiliência também está à nossa disposição, se procurarmos nos afinar com ela.

Reprodução - Desconheço o Autor

Reprodução – Desconheço o Autor

QUARTA-FEIRA, 28 de dezembro – Saturno está em quadratura partil (exata) a Quíron, Júpiter faz quincunce ao mesmo Quíron, aspecto já quase exato também. Enquanto isso, Mercúrio faz conjunção Inferior ao Sol, ficando Cazimi (conjunção de até 17 minutos de distância, aplicativa e depois separativa) por algumas horas e ainda dialoga com Marte em Peixes. A Lua abre o dia vazia em Sagitário e ingressa em Capricórnio às 13h12min. Urano estaciona às 07h29min, a 20°33’ de Áries, para voltar ao movimento direto amanhã. Um dia em que Quíron e seus temas ficam bastante realçados, assim como Urano, o que traz um peso e uma ansiedade bastante peculiares. Um peso que nos faz sentir soterrados, porque nos damos conta das nossas impossibilidades, das coisas que não conseguimos mudar, por mais otimistas e resilientes que tentemos ser. O peso de se perceber vivendo uma experiência humana, numa realidade bastante difícil, com situações que estão muito além do nosso controle e poder de resolução e isso, além de nos deixar deprimidos, nos envergonha, porque olhamos o mundo ao redor, vemos as notícias e sentimos vergonha de ser humanos, diante de tantas tragédias e dramas, causados pelo próprio ser humano, em sua ganãnica por poder; pessoalmente, nos sentimos cobrados duramente por todas essas mazelas, por tudo o que não conseguimos mudar. Olhamos para nosos modelos buscando orientação e guiança, e percebemos que são tão frágeis quanto nós, seja moralmente, seja fisicamente e nos decepcionamos e desapontamos, percebendo-nos num beco sem saída. Ao mesmo tempo, sentimos uma inquietação, uma ansiedade, que nos dão o impulso de correr para lugares mais seguros, feito bicho selvagem antecipando o terremoto. Embora pareçamos não ter saída, ainda temos escolha. Podemos nos colocar como vítima, podemos sucumbir diante das cobranças e da nossa própria vergonha e falta de esperança, podemos disistir e achar que nada vale a pena… Mas podemos também olhar as mesmas situações sob diversas perspectivas; podemos aceitar a realidade conforme se apresenta, cientes de que só estamos vendo uma parte do todo e de que mesmo essa pequena parte que vemos, está colorida pela nossa subjetividade; podemos nos olhar no espelho e, ao invés de nos julgar e nos envergonhar do que vemos, podemos oferecer amor, bondade, compaixão, empatia e dar colo e aceitação para esse lado quebrado, trincado, desconjuntado, aleijado, torto, imperfeito, sombrio que carregamos em nós e, da mesma maneira, dar um lugar no nosso coração para a imperfeição do mundo e da vida, entendendo que estamos aqui para lidar com com essas mesmas imperfeições, as nossas e as do mundo. Ao invés de fechar as mãos e apontar dedos em riste, podemos abrir os braços e acolher à nossa própria dor, vergonha, sofrimento. Nesses momentos, precisamos nos lembrar: “mesmo quando tudo parece desabar, cabe a mim decidir entre rir ou chorar, ir ou ficar, desistir ou lutar; porque descobri, no caminho incerto da vida, que o mais importante é o decidir” (parte de um poema atribuído a Cora Coralina, mas cuja autoria é incerta). E podemos simplesmente decidir parar um pouco, lamber as feridas, dar uma trégua ao nosso coração alquebrado, antes de nos reerguer e seguir em frente. E sim, há energias poderosas sendo liberadas hoje, que podem alterar o curso de muitas situações, da vida, num piscar de olhos. Precisamos estar atentos e disponíveis às mensagens dos deuses, aos lampejos luminosos da mente inconsciente, que pode nos premiar com visões inusitadas que trazem soluções impensadas e, por isso mesmo, preciosas. Quem tiver ouvidos para ouvir, que ouça!

Reprodução

Reprodução

QUINTA-FEIRA, 29 de dezembro – Urano retorna ao movimento direto às 07h29min, dando uma ênfase especial à Lua Nova de Capricórnio (04h53min, horário de Brasília e 06h53min no horário de Lisboa), que traz Urano estacionário. Antes de se encontrar com o Sol, a Lua faz conjunção a Mercúrio, sextil a Marte e, já renovada, conversa também com Netuno. À noite faz conjunção a Plutão. A Lua Nova inaugura um tempo de sermos mais conscienciosos com nossos objetivos mundanos, especialmente aqueles que se referem ao trabalho, profissão/carreira e nossa posição na sociedade. É um tempo de renovar nossa disciplina, perseverança, comprometimento e de nos responsabilizar pelos nossos sonhos, por esses objetivos que tanto almejamos realizar. Urano está estacionário neste mapa e recebendo trígono do regente da Lua Nova, Saturno e avisa que precisamos agregar inovação, flexibilidade e um olhar novo e inventivo a todos esses objetivos, porque se insistirmos em manter tudo como era ontem, se mantivermos uma abordagem escessivamente conservadora, poderemos ter surpresas desagradáveis, que nos obrigarão a refazer todo o caminho, a rever esses objetivos e talvez até voltar ao começo de tudo. Mercúrio também está retrógrado em Capricórnio, salientando que este período é não só favorável, mas recomendável para se reavaliar nossas metas e propósitos nestas áreas de vida. Enquanto Urano esteve retrógrado, todas as revoluções e mudanças representadas por ele e ocorridas entre dezembro de 2015 e julho de 2016 passaram por revisões, algumas para serem descartadas, outras para serem confirmadas. Agora, com Urano voltando ao movimento direto, as mudanças que estavam travadas e em standby voltam a fluir, especialmente questões relacionadas com a tecnologia e com avanços científicos. E olha que coisa interessante: Urano também estava estacionário-direto na Lua Nova da Cabra em 2014 e eu dizia assim, no artigo daquela Lua Nova: “Com Urano voltando ao movimento direto justamente hoje, um aviso nos é dado: há que se buscar estabilidade, mas sem se tornar estagnado, sem esquecer que a única constante na vida é a impermanência. Lembrar que nossa tarefa é desenvolver solidez e buscar longevidade, mas cientes de que tudo pode mudar num átimo, como o cair de um raio”. Isso está valendo mais do que nunca, com Urano sendo cutucado por todos os lados! Impermanência! Tudo pode mudar num átimo!

Reprodução

Reprodução

SEXTA-FEIRA, 30 de dezembro –  Júpiter está a minutos do quincúncio a Quíron. A Lua Capricorniana se afasta da conjunção a Plutão, faz quadratura a Urano e a Júpiter, virando foco de uma T-Square Cardinal, já que ambos estão em oposição. A Lua fica vazia depois da quadratura a Júpiter, às 06h09min e fica fora de curso o resto do dia. Ingressa em Aquário às 23h29min. A tendência da semana a imprevisibilidades e mudanças abruptas de humor ou de curso das situações fica mais acentuada hoje. A influência favorece um exame cuidadoso e das nossas insatisfações mais íntimas e das frustrações mais gritantes, com as quais devemos lidar honesta e diretamente, para não termos que lidar com pequenas bombas que caem nas nossas mãos desavisadamente. As alterações das nossas crenças e visão de mundo precisam de um receptáculo concreto e palpável, precisam ser aplicadas de maneira prática e objetiva, para serem críveis e efetivas. É possível que o dia traga situações em que nos sentimos muito pressionados por obrigações e deveres que nós mesmos assumimos ou situações de dramas e crises em que nós mesmos nos metemos, o que nos leva a ansiar por liberdade e por estar desobrigados e soltos… Mas não tem jeito, ajoelhou, cabrito, tem que rezar! Já que estamos no inferno, vamos beijar o Diabo, certo, Hades-Plutão? Não tem muita escapatória, o negócio agora é lidar com a crise de maneira madura, pragmática e, principalmente, digna, porque ninguém tá a fim de perder a compostura e estragar o humor nos feriados… Assim, atenhamo-nos ao que é possível, façamos o que tem que ser feito. É preciso expulsar? Expulsemos! É preciso dizer verdades? Digamos! É preciso quebrar os ovos para fazer a omelete? Procedamos com isso… De sorte que não adianta reclamar, o negócio é crescer e aprender com a confusão e tentar sair ileso do bombardeio!

Reprodução

Reprodução

SÁBADO, 31 de dezembro – O quincúncio Júpiter-Quíron fica exato hoje e Marte faz conjunção a Netuno, que também recebe sextil do Sol. A Lua está bastante isolada e sem aspectos no início de Aquário. Um dia que está mais do que sensível, nostálgico e melancólico, tão sensível que possivelmente muitos de nós escolham, inconscientemente dissociar-se das emoções e sentimentos e desapegar-se do sofrimento e do desconforto tão crus que temos sentido recentemente… Quando uma pessoa é exposta a situações críticas de trauma por um tempo demasiado longo, ocorre uma dissociação, uma cisão na psique, que é a única maneira de sobrevivermos… Muitos têm vivido situações críticas e dramáticas mundo afora e é possivel que isso esteja acontecendo de verdade, com muita gente. É um mecanismo de defesa, uma maneira de nos protegermos do sofrimento atroz e aniquilador. A dificuldade de conciliar a fé e o otimismo com os cenários lúgubres e pesados que nos cercam, com as notícias tristes e preocupantes que recebemos minuto a minuto, cria uma outra cisão em nós, como se desse uma pane na mente, um bug no hard drive em que as contas não fecham, os números não batem… Isso pode realçar a sensação de impotência e fragilidade e os mais sensíveis podem ser tragados pelo sofrimento do mundo, ficando paralisados, sofrendo junto. Mas não podemos sucumbir a tal pessimismo e terror, em vez disso, podemos continuar emanando amor e compaixão por todos os que sofrem, de perto ou de longe; podemos enviar orações, vibrações e podemos nos sintonizar com as energias de cura do mundo e do planeta. Ter noção da fragilidade da vida e também da sua efemeridade nos ajuda a valorizá-la um pouco mais. E em lugar de lastimar, precisamos nos lembrar que, se somos humanos e estamos aqui, todas essas experiências têm algo a nos ensinar. A ingestão de álcool e drogas em geral, por mais tentadora que seja, por nos oferecer anestesia e escape, está mais que desaconselhada neste período. Isso pode parecer careta e chato considerando-se que é revéillon, mas, acredite, a ressaca do dia seguinte pode trazer mais dissabores do que uma mera dor de cabeça! Ressca moral das brabas, para dizer o mínimo! De qualquer forma, desejo uma passagem de ano feliz e abençoada para você, onde quer que esteja!

Reprodução

Reprodução

DOMINGO, 1° de janeiro- Virada do Ano – Marte completa a conjunção a Netuno na virada do dia e do ano. Júpiter segue em quincúncio a Quíron, que também recebe quadratura de Saturno, exata dias atrás. A Lua em Aquário faz trígono a Júpiter e sextil a seus dois dispositores, Saturno e Urano. Júpiter está em oposição a Urano e sextil a Saturno e Saturno em trígono a Urano – este é o clima da virada do ano, um clima de apreensão, mesclado com empolgação, inquietude, uma leveza dissociada e um desejo enorme de escapar e desaparecer em algum lugar desconhecido onde a vida seja mais leve e mais bonita… É um tom bastante agridoce: ao mesmo tempo em que queremos nos animar e ter esperança no novo ano que se desvela, em que nos empolgamos com amigos e celebrações, uma incerteza incômoda não nos deixa acreditar nisso completamente. Como, se estamos perfeitamente cientes de que o mundo está de cabeça para baixo? Se sentimos que andamos sobre um campo minado e que a qualquer momento tudo pode ir pelos ares? O clima está bastante tenso pelo mundo afora e a isso não conseguimos ignorar. Contudo, também não podemos nos deixar levar pela ansiedade e pelo pessimismo que nada nos acrescentam. Sim, a despeito de toda a incerteza, a escolha ainda é nossa: sobre que tipo de vibração queremos emanar e que tipo de vida queremos levar, se uma vida baseada no medo ou uma vida baseada no amor. A Lua Aquariana traz uma perspectiva objetiva e desapegada, de quem observa de longe e de quem busca unir o melhor do mundo velho com o melhor do mundo novo: como conseguimos essa façanha? Confiando em nós mesmos e em nossa experiência e simultaneamente nos abrindo a novas vivências, que possam alargar nossos horizontes e visão. Não podemos nos apegar demasiadamente ao que já vivemos e nos fechar para o novo, nem podemos desprezar e demolir tais experiência achando que somente a novidade tem valor. É um novo ano! Que possamos nós, também, ser novas pessoas, mais amáveis e verdadeiras; menos conectadas às máquinas e mais próximas das pessoas, menos duvidosas de nós mesmos e mais confiantes no fluxo eterno da vida…

Feliz Ano Novo para você! Que seja de luz, amor e muitas bênçãos! E, sobretudo, que seja de PAZ!

feliz-ano-novo1

A Semana Astrológica – De cair o queixo!

Reprodução

Reprodução

Semana de 19 a 25 de dezembro – Semana de soltar e liberar o velho que não serve mais e abrir-se para o novo, de maneira harmoniosa, sem sofrimentos desnecessários. Revisões e reavaliações estão duplamente na agenda do período!

Reprodução

Reprodução

A Penúltima semana do ano vem marcada por muitos acontecimentos astrológicos importantes, que a tornam forte e intensa, além de ser uma semana especial no calendário convencional. Uma semana que, apesar de todo esse dinamismo, traz um tom melancólico de desamparo como pano de fundo, devido a todos os acontecimentos recentes, no Brasil e no mundo. Todas essas “reformas” aprovadas por um congresso que só legisla em causa própria, descaramente – queria ver eles reformarem e enxugarem mesmo era os números de deputados e senadores, isso sim! Os conflitos e manifestações nas ruas, o clima de incerteza e desolação… Mas, principalmente o conflito na Síria, com destaque para as notícias sobre Aleppo – que coisa trágica e terrível, o que seres humanos são capazes de fazer com outros seres humanos, por poder, controle, dinheiro, intolerância… Eu tinha falado que a semana passada tinha um pouco mais de leveza, devido à Lua Cheia de Gêmeos, à culminação do ciclo, sem me atentar para o mundo. Sinto muito, pessoal. A gente quer trazer um tom otimista, elevado, mas tem horas que é bem difícil. Oremos, vigiemos e cuidemos da nossa vibração, para não nos deixarmos levar pela desesperança. E oremos muito pela Síria e por todas as pessoas que estão em áreas de conflito. Edição: há rumores de que algumas das notícias e vídeos sobre Aleppo seriam forjados e falsos. No mundo de hoje, nem sempre conseguimos verificar a veracidade de tudo, mas é inegável que há um grave conflito em andamento já há dois anos, independentemente dessas notícias supostamente falsas. Eu assisti a vídeos de canais sérios, que não deixam dúvidas quanto à gravidade da situação. Não se trata de discutir aqui as razões e os porquês, o terrorismo ou a legitimidade do governos ou as razões dos rebeldes, apenas de enviarmos nossas orações àquelas pessoas que estão expostas a toda a violência, vivida em inúmeras formas.

Reprodução

Reprodução

Falando em poder, Mercúrio abre a semana ficando retrógrado, na segunda-feira, inaugurando o tempo das revisões, reflexões e reanálises, que neste caso ganham ares de reflexões anuais, pois todos estão reflexivos acerca do ano que finda e das expectativas para o outro ano que vai começar. Mercúrio fica retrógrado em conjunção a Plutão e Fora dos Limites do Sol e isso nos diz que nesta retrogradação Mercúrio cavará muito fundo para descobrir os segredos e assuntos escondidos e os podres dos podres poderes estabelecidos – perdão pelo trocadilho irresistível – trazendo à superfície muitos esqueletos petrificados, que poderão causar muito espanto e indignação. Mas sempre é tempo de se falar a verdade e de se escancarar informações que interessam a muitos mas que foram suprimidas e obstruídas por poucos – obviamente, devido a interesses escusos. Mercúrio também é foco de uma T-Square, já que faz quadraturas a Júpiter e a Urano, que estão em oposição: é preciso identificar quais são as ideias e conceitos ultrapassados que funcionam como prisões mentais e que inibem ou impedem nosso crescimento – neste caso, não precisamos que ninguém de fora nos limite em nada, porque nós mesmos já fazemos isso, ao nos fechar ao novo, às novas ideias, ao nos recusar a ver o mundo de perspectivas diferentes daquelas a que estamos acostumados – Mercúrio retrógrado nessa T-Square nos dá de presente a oportunidade de rever todas essas ideias retrógradas. Em termos pessoais, Mercúrio retrógrado em Capricórnio sugere que revisemos nossas metas e objetivos profissionais e de carreira, assim como nosso papel social e nosso lugar na comunidade. E, claro, revisão da nossa comunicação e dos conceitos mentais que temos a respeito dessas áreas! De forma mais prática, não é um bom período para se comprar aparelhos eletrônicos, especialmente telefones celulares e computadores; também não é um bom momento para se assinar contratos e documentos importantes – quem puder, faz bem em esperar. Mercúrio volta ao movimento direto no dia 08 de janeiro de 2017.

Reprodução

Reprodução

O Sol ingressa em Capricórnio, marcando o Solstício de Verão no Hemisfério Sul e de Inverno no Hemisfério Norte. Um novo ciclo trimestral começa e uma mudança sutil na energia toma lugar. Lá no Norte a Terra descansa e dorme, cá no Sul é tempo de abrir-se à força da vida e de cuidar das plantações para que a colheita seja boa e plena. No Solstício temos o dia mais longo do ano no Hemisfério Sul, porque o Sol está na declinação mais meridional, a 23°27’, atingindo o Trópico de Capricórnio. Como é a posição em que o Sol está mais distante do Hemisfério Norte, naquela região dá-se, o contrário, o dia mais curto e a noite mais longa do ano. De Capricórnio o Sol faz sextil a Netuno, mas este aspecto só se completa na semana que vem. O trânsito do Sol por Capricórnio ressalta a necessidade de cuidarmos das nossas obrigações mundanas, de investirmos na profissão e na carreira, verificando o comprometimento e disciplina necessários para atingirmos nossos objetivos materiais e sociais. Prestígio é o reconhecimento público por aquilo que fazemos bem feito, com maestria; pela autoridade desenvolvida no longo e incansável aprendizado, sem queimar nenhuma etapa. Em Capricórnio somos convidados a refinar nossa autoridade e ocupar com maestria nosso lugar no mundo.

Group Of Friends Making Toast Around Table At Dinner Party

Group Of Friends Making Toast Around Table At Dinner Party

Vênus em Aquário faz aspectos de harmonia com Júpiter, Saturno e Urano, aumentando a aproximação e sendo uma ponte entre Saturno e Urano, que atualmente estão numa conversa amistosa, uma conversa que dura quase todo o ano de 2017, como já ressaltamos no texto da semana passada. Em contato com esses planetas, Vênus convida a expandir nossas relações para além do escopo meramente pessoal; as relações precisam ter um impacto de mudança, benéfico e transformador, no mundo em que vivemos. Em termos mais pessoais, esses contatos nos falam de um tempo de maior entendimento e estabilidade nas relações, propiciando aos parceiros crescerem e se ajudarem mutuamente, a relação ajudando-os a superar dificuldades individuais ou vice-versa. Favorece também a convivência e a camaradagem entre amigos.

Reprodução

Reprodução

Marte ingressa em Peixes, abrindo uma temporada desconfortável para a assertividade, visto que Marte neste signo avança de maneira incerta em direção aos objetivos. Com Marte em Peixes precisamos empenhar o coração e engajar a imaginação e a sensibilidade para realizar nossos projetos. É um posicionamento poético, sutil e gentil quando positivo – a força da gentileza é uma boa tradução para este posicionamento. Quando negativo pode recorrer à agressividade passiva, pode ser manipulador e agir na surdina. Tem receio de confrontações diretas e dificuldade em se defender ou em perceber a própria vontade como legítima, porque geralmente há uma sensação de sacrifício acompanhando este posicionamento. Tem dificuldade também em perceber quem são seus inimigos e assim pode ser meio paranoico e explodir em horas inapropriadas, por não saber dosar a liberação do impulso agressivo e nem a quem dirigi-lo assertivamente. É ótimo para as artes e profissões criativas em geral. Surpreendemente, também é excelente para os esportes competitivos, porque nos esportes a pessoa aprende a descobrir sua vontade, seu desejo pessoal, assim como sua força e seu instinto agressivo e aprende a canalizá-los adequadamente. As atividades físicas, especialmente as artes marciais são ótimas ferramentas para se lidar com problemas de gestão da raiva, que às vezes aparece quando Marte está neste signo, principalmente fazendo aspectos tensos.

Reprodução

Reprodução

Saturno em Sagitário faz o primeiro trígono exato a Urano em Áries, exatamente no domingo, dia de Natal, faz quadratura a Quíron na semana que vem e Júpiter fecha a semana também em oposição quase exata a Urano, de maneira que este fim de ano provavelmente trará muitas surpresas, muitos eventos abruptos e estranhos, especialmente no campo das leis e da justiça, das religiões, do conhecimento e das riquezas. Notícias de última hora podem nos deixar de boca aberta e queixo caído, literalmente, especialmente considerando-se que Mercúrio estará retrógrado. Conflitos já em andamento podem ser piorados e outros podem surgir, muitos deles motivados por questões religiosas. Fiquemos todos muito atentos e tomemos cuidado para não nos deixarmos levar pela empolgação de outros  ou mesmo nossa, empolgação que não tenha razão de ser, que não tenha fundamento. A primeira oposição Júpiter-Urano fica exata na segunda-feira, dia 26.

waning-backdrop-drop

Reprodução

A Lua abre a semana na fase Disseminadora, em Virgem, onde também fica Minguante, na terça-feira. Reequilibra-se em Libra, mergulha fundo na intensidade de Escorpião, onde se torna Balsâmica e onde encerra o domingo e a semana. A Lua será Nova a 07°59’ de Capricórnio na quinta-feira, dia 29.

Reprodução

Reprodução

SEGUNDA-FEIRA, 19 de dezembro – Marte ingressa em Peixes às 06h23min e Mercúrio está oficialmente retrógrado a partir das 07h55min. A Lua Virginiana faz conjunção ao Nodo Norte, sesqui-quadratura a Urano e oposição a Netuno. A Lua ainda faz quincúncio a Vênus e trígonos a Mercúrio e Plutão, fechando a noite em quadratura não exata a Saturno. O dia traz influências contraditórias: ao mesmo tempo em que amanhecemos cheios de uma energia industriosa, dispostos a resolver problemas, trabalhar e seguir em frente com os compromissos, por outro lado, uma certa letargia também nos acomete, causando confusão, dúvidas e dispersão. Talvez esta influência se manifeste na forma de situações diversas que ocorrem ao nosso redor, tirando a concentração ou exigindo nossa atenção e causando preocupações, pois despertam nosso desejo de ajudar e ser úteis àqueles que precisam de nós. Para lidar com tais dilemas, precisamos fazer o que Virgem faz de melhor: organizar as tarefas e o dia e priorizar o que é mais importante, estando muito conscientes de que não é possível fazer tudo, muito menos salvar o mundo de todas as suas mazelas, mesmo que estejamos agudamente cientes desse sofrimento e dessa dor. Pequenos gestos e atitudes podem fazer a diferença para quem está perto de nós e podem reverberar para locais e situações que nem imaginamos. Para o sofrimento lá de longe, mandamos uma prece sincera e nossas melhores vibrações. E focamos no trabalho, focamos em fazer a nossa parte bem feita, o melhor que podemos dar.

Brooke Shaden Photography - Reprodução

Brooke Shaden Photography – Reprodução

TERÇA-FEIRA, 20 de dezembro – De Virgem a Lua quadra Saturno e se opõe a Quíron, formando uma T-Square Mutável e ativando muito a quadratura Saturno-Quíron. Dona Lua ainda se irrita muito com Urano e faz quadratura ao Sol, entrando na fase Minguante, às 22h55min, ficando vazia logo depois deste aspecto, às 22h57min. Ingressa em Libra às 23h40min. A sensação de frieza e solidão está forte hoje e acordamos desassossegados, meio deprimidos, muito cientes de tudo que não vai bem, seja conosco, seja no mundo. Um peso enorme se abate sobre nós e talvez nos julguemos muito duramente por causa de todos os nossos pequenos (ou grandes) defeitos, problemas e dores. Se não nos damos conta disso a tempo, podemos azedar as interações, criticando e julgando com a mesma dureza aos outros que topamos pelo caminho, ou nos sentimos criticados e julgados injustamente, o que nos deixa mais cabisbaixos. Mas podemos aproveitar essas influências para verificar o que podemos fazer, de fato, sobre tais questões ou problemas. Ao invés de ficar remoendo internamente, podemos tomar medidas práticas que nos façam sentir melhor, algo realista e factível, que, se não resolve tudo, pelo menos nos permite sentir menos passivos e vitimizados. Ainda assim, precisamos observar que há coisas que não são passíveis de modificação e a essas, só podemos abraçar e aceitar, sem sucumbir à desesperança nem à anestesia que torna a vida mais fácil, mas também mais cinzenta e insossa. Somos quem podemos ser e só conseguimos mudar e aspirar a um futuro diferente, quando fazemos as pazes com aquilo que somos no presente. Ademais, cada dia traz a oportunidade de alargarmos nossa percepção, se apenas nos abrirmos a isso.

Reprodução

Reprodução

QUARTA-FEIRA, 21 de dezembro – O Sol ingressa em Capricornio às 08h45min (10h45min para Lisboa), marcando o Solstício de Verão no Hemisfério Sul (Inverno no Hemisfério Norte). A Lua, Minguante e Libriana, faz quincúncio a Marte, recém ingresso em Peixes e depois a Netuno. Chegamos ao último trimestre do ano astrológico. A ingressão do Sol dá o tom de como vai ser esse trimestre, até o Equinócio de Outono, em março de 2017. O mapa da Ingressão avisa que muitas coisas estão ocultadas das nossas vistas e da nossa consciência. Embora o que aparece no alto pareça positivo e promissor, é preciso cautela, porque coisas essenciais não estão sendo consideradas, especialmente na política e no que tange ao Poder Executivo e à autoridade máxima do país. Muita coisa pode mudar num piscar de olhos, quando menos se espera. Em termos mais práticos, temos uma mudança sutil, que nos torna mais pragmáticos e realistas, dispostos a lidar com os problemas conforme de apresentam. Por sua vez, o dia traz discordâncias entre nossa predisposição interna e os encontros que temos no mundo. O desejo forte por harmonia e tranquilidade é quebrado por uma percepção de que as situações são menos do que ideais e uma sensação de desapontamento quebra o sossego interior. Isso pode se dar a partir de discussões bobas ou divergências na forma de de sentir o mundo ou de fazer as coisas, como se estivéssemos andando contra o vento. Achar pontos em comum com o outro faz-se muito difícil, mas isso não tem que ser impedimento para a convivência civilizada, desde que se respeite as diferenças e até se perceba valor nelas. Para que consigamos ir adiante com as tarefas e obrigações é necessário chegar ao entendimento tácito de que não é possível agradar a todos, nem mesmo àquelas vozes internas que teimam em nos cutucar irritantemente, demandando atenção. Qual criança que não vai se aquietar enquanto não lhe dermos ouvidos, podemos escutar as tais vozes e, mesmo que não consigamos atendê-las, elas se aquietarão se forem reconhecidas e adequadamente endereçadas. E poderemos andar a favor do vento e ver onde ele nos leva.

the Marazmo - Reprodução

the Marazmo – Reprodução

QUINTA-FEIRA, 22 de dezembro – A Lua Libriana se desequilibra na contenda com Mercúrio e Plutão. Porém a Lua também se harmoniza com sua dispositora, Vênus, faz conjunção a Júpiter e dialoga, tranquila, com Saturno. Mas ela ainda se opõe a Urano e fica vazia depois, às 17h33min, tendo problemas ainda com Quíron e outros mais inconscientes com Netuno. As discussões podem ser inflamadas e duras hoje, de modo que é preciso muita cautela na comunicação – indubitavelmente, a palavra pode ferir ou curar dependendo de como a proferimos e da nossa intenção primeira, portanto, é preciso estar muito atentos às nossas motivações mais profundas, para não sermos destrutivos e sarcásticos na comunicação e nas interações em geral e sem recorrermos à agressividade passiva também. Transformar as relações e ter uma comunicação mais honesta e verdadeira, sem que isso signifique uma comunicação civilizada e contida na expressão, mas cheia de veneno no conteúdo, tudo sob o disfarce da “sinceridade”. É preciso ser honestos conosco mesmos e não ceder somente para agradar, do contrário, incorreremos no pior tipo de deslealdade: a deslealdade consigo mesmo. Dizer não e eliminar da vida as insiceridades que fazem mal e que empesteiam as relações. Identificar as práticas espúrias e insidiosas, disfarçadas sob o verniz da civilidade e do bom tom e eliminá-las de uma vez por todas. Chega de tolerar o intolerável, em nome da civilidade e da boa convivência. Não somos obrigados a aceitar e conviver com aquilo que não concordamos, com aquilo que vai contra nossos valores, com aquilo que é visivelmente injusto e desonesto. E isso pode ser feito ser feito com firmeza, de forma decidida e até enérgica, mas ainda assim, gentil, enxergando que o outro é meu espelho e carrega muito de mim e, mesmo que não respeite suas práticas, preciso respeitar o humano por trás delas. Não temos que ser rudes desnecessariamente. É possível ser íntegro e firme e ainda assim ser respeitoso e gentil.

Reprodução

Reprodução

SEXTA-FEIRA, 23 de dezembro – A Lua abre o dia fora de curso em Libra e ingressa em Escorpião somente às 12h33min, de onde faz trígono a Marte e sextil ao Sol. Saturno marcha para completar o trígono a Urano e Júpiter também caminha para a oposição a ele. A manhã traz horas propícias à reflexão calma de todas as coisas que precisamos eliminar de nossa vida que vão contra nossos valores, mas que viemos tolerando pela política da boa vizinhança. Jogos de interesses; a postura excessivamente diplomática que esconde o medo de perder regalias ou posição social;  a atitude morna de quem vive permanentemente em cima do muro, por medo de se posicionar e manchar a própria figura sob o olhar da sociedade… Identifique nas suas relações o que precisa ser eliminado de forma categórica e cirúrgica, para tornar as relações mais íntegras e plenas. A manhã também fica sujeita a muitos imprevistos que perturbam a harmonia e o desejo por paz. Contudo, é debalde indispor-se contra isso e o melhor é fluir com os acontecimentos. À tarde as energias ficam mais densas e nos sintonizamos mais intensamente com os sentimentos, sensações e com nossa vontade mais profunda. Assim, podemos ganhar nosos insights sobre as eliminações que ainda precisamos fazer e trabalhar apaixonadamente naquilo que faz mais sentido para o nosso coração. Ainda assim, imprevistos continuam a ocorrer e precisamos estar preparados para lidar com eles, conforme acontecerem.

Reprodução

Reprodução

SÁBADO, 24 de dezembro – A Lua está minguante em Escorpião e faz trígono a Netuno em Peixes e sextil a Mercúrio retrógrado e a Plutão, ambos em Capricórnio. Saturno está em trígono a Urano. Energias bastante densas colorem o dia, convidando-nos a uma reflexão aprofundada das sensações e pensamentos que nos ocorram, buscando maneiras de vivenciá-los de forma prática, agregando sensibilidade e imaginação às tarefas diárias e prosaicas, colocando o coração e a alma naquilo em que estamos envolvidos. Podemos identificar muitas situações que demandam resolução, que exigem ser transformadas. Talvez não consigamos alterar tudo, mas podemos ter uma percepção mais clara das possibilidades, o que podemos mudar e o que tem valor do jeito que está. Sabemos que a mudança pela mudança pode ser tão destrutiva quanto não mudar de jeito nenhum, assim, analisamos quais modificações são, de fato, necessárias e traçamos planos concretos para realizá-las. As dificuldades, ao invés de nos desanimar, devem nos dar impulso e funcionar como combustível para fazer o que tem que ser feito. O clima da ceia de Natal está intimista e sensível, de modo que não queremos reuniões que acontecem somente pela obrigação ou pelas convenções. Queremos estar com pessoas que nos são caras, verdadeiramente, sem falsos laços, sem vínculos de mentirinha… E se temos tudo isso, precisamos agradecer. Caso isso não seja possível e nos vejamos forçados estar onde não queremos, com quem não gostamos realmente, talvez nos deparemos com situações melindrosas e constrangedoras nas reuniões familiares, onde verdades são cuspidas com intenção de ferir e chocar. Tendo isso em mente, podemos nos preparar para uma ceia cujo prato principal seja a compaixão e o amor verdadeiro, tanto os sentimentos pessoais por aqueles que nos cercam, quanto no plano impessoal, humanitário, vibrando amor, compaixão e cura a todos os seres vivos da Terra. Os presentes? Nesse mundo consumista e hiperconectado, o mais importante é estar presente, verdadeiramente, quando estamos com as pessoas.

Candido Portinari - Reprodução

Candido Portinari – Reprodução

DOMINGO, 25 de dezembro – Saturno em Sagitário está em trígono pleno a Urano em Áries. Vênus faz trígono a Júpiter, sextil a Saturno e a Urano. A Lua míngua em Escorpião e faz quadratura a Vênus em Aquário, ficando vazia depois, às 05h24min. A Lua ainda se desentende com Urano, se afina com Quíron e faz semi-quadratura ao Sol, entrando na fase Balsâmica. O dia traz influências e emoções agridoces. Por um lado, há uma sensação de contentamento simples, um calor de quem se percebe estar no lugar certo, fazendo as coisas certas, com as pessoas com quem se queria estar. Há uma aceitação serena da vida como ela é e a percepção das coisas que podem ser melhores e do que fazer para melhorá-las, sem que isso implique numa destruição completa daquilo que nos dá suporte. Contudo, há também percepções de que certas crenças e visões estão ultrapassadas e estas precisam ser endereçadas sem demora, do contrário nos acharemos lutando batalhas inglórias, vazias de sentido, como um Dom Quixote que precisa combater inimigos fantasiosos, porque é incapaz de lidar com os inimigos e desafios reais da vida que se apresenta. A batalha mais dura e mais difícil, é sempre conosco mesmos, com nossa preguiça e acomodação, com o desejo de ter as coisas facilitadas e abrandadas, quando deveríamos ir de peito aberto em busca de uma vida mais íntegra e com mais significado. Da mesma maneira, a mais doce e saborosa das vitórias é essa vitória sobre as nossas desculpas e retrocessos. A fase Balsâmica nos convida a deixar para trás, de vez, essas desculpas e olhar para o futuro com mais confiança em nós mesmos, revendo essas crenças e abrindo-se ao novo e às mudanças necessárias.

Desejo a todos uma ótima semana e um Natal de paz, harmonia e bênçãos, junto àqueles que lhes são caros!

Image result for feliz natal presépio

Reprodução

Reprodução

A Semana Astrológica – Respirar o amor, aspirando liberdade

Reprodução

Reprodução

Semana de 12 a 18 de dezembro – Semana de expansão, colheita, frutificação e resultados… De aspirar à liberdade, de amar com leveza…

…tudo isso simbolizado pela fase cheia da Lua, que se consuma na terça-feira à noite, em Gêmeos. Mas outras influências sugerem um tempo de avançarmos e progredirmos, a despeito da contundente consciência de nossas fraquezas e receios; conciliar, com sabedoria, o peso que o reconhecimento de tais fraquezas e falhas nos traz, com a perspectiva de transformar algumas – ou muitas – delas, a partir, primeiramente, de sua respeitosa aceitação. Estou falando dos aspectos que o Sol faz nesta semana a Quíron e a Urano. Enquanto um nos confronta com nossas mazelas, o outro nos aponta maneiras de superá-las, se estivermos dispostos a nos desapegar do sofrimento e da posição de vítimas.

Reprodução

Reprodução

Mercúrio está Fora dos Limites do Sol, selvagem e rebelde – o que é uma contradição com o disciplinado signo de Capricórnio – e se aproxima lentamente da conjunção a Plutão, conjunção que não chega a se completar porque Mercúrio fica retrógrado antes que isso aconteça, no dia 19, segunda-feira da semana que vem. Assim, ele passa a semana toda (e a próxima também) juntinho de Plutão, confabulando, cavando, sondando os segredos do poder, para revelá-los na hora certa, porque, para Capricórnio, informação é ouro e não deve ser usada levianamente. Tudo tem seu tempo e lugar e nada é dito ou feito com afoiteza, tudo é calculado estrategicamente, para ter o máximo impacto e o melhor dos resultados. Como diz Racine, “não há segredo que o tempo não revele” e é disso que Mercúrio está se inteirando com Plutão em Capricórnio. Esse Mercúrio vai dar o que falar nas próximas semanas!

Reprodução

Reprodução

Vênus ingressou em Aquário e está isolada, sem conversar com ninguém, a não ser quando dona Lua passa para bater papo ou bater boca. Vênus em Aquário pede que olhemos as relações de maneira mais desprendida, mais solta e livre dos preconceitos e dependências; pede que vivamos as relações com mais honestidade e liberdade, sem ranços ou expectativas de que o outro vá tomar conta de nós e resolver nossos pequenos problemas. Como diz aquela canção, respirar o amor, aspirando liberdade! Estando isolada dessa maneira, Vênus sugere algumas dificuldades em termos clareza de nossos gostos e preferências; não temos muita certeza de nossos afetos ou de como expressá-los adequadamente, dando a impressão de sermos frios e inabordáveis, uma impressão que atrapalha a troca afetiva; outra possibilidade é que oscilemos nessa expressão dos afetos, estando extremamente afáveis e amorosos num momento e indiferentes e secos no momento seguinte, algo que confunde o outro e até a nós mesmos. Assim, é preciso estar atentos as essas oscilações antes de achar que existem problemas reais na relação. Marte segue pelo terceiro decanato de Aquário, preparando-se para entrar em Peixes – segunda, dia 19 – e também não faz aspectos neste período, apenas sugerindo experimentação e idealismo nas relações e na forma de nos afirmarmos no mundo.

Shutterstock - Reprodução

Shutterstock – Reprodução

Saturno vai ganhando terreno e chegando cada vez mais perto do trígono a Urano e da quadratura a Quíron. O trígono a Urano, já falamos antes, pode ser bastante positivo e fala da possibilidade de casarmos o velho e o novo, tirando o melhor dos dois mundos, numa combinação que nos permite mudar sem precisar passar por graves crises ou grandes ansiedades . Estamos falando de mudanças planejadas e mudanças graduais; planos estratégicos de mudança; progredir de forma estruturada; avançar com cautela e responsabilidade, e assim por diante. É um tempo deveras favorável para as ciências, as áreas de pesquisa e do conhecimento em geral. Novas ideias (Urano) ganham forma (Saturno), harmoniosamente. Assuntos antigos (Saturno) ressurgem com novas roupagens ou abordagens (Urano). E quando a vida nos apresenta com mudanças imprevisíveis, nós conseguimos assimilá-las e digeri-las sem grandes traumas ou dificuldades, investindo no nosso desenvolvimento pessoal, sem que isso precise ir contra tudo e todos. Esses aspectos ocorrem três vezes, entre dezembro de 2016 e de 2017. O primeiro trígono Saturno-Urano se dá no dia 24 de dezembro de 2016; o segundo, no dia 19 de maio, com Saturno retrógrado; e o terceiro e último, em 11 de novembro de 2017, com Saturno direto e Urano retrógrado.

Daunhaus.Deviantart - Reprodução

Daunhaus.Deviantart – Reprodução

Já a quadratura a Quíron é um espinho venenoso enfiado na carne, que infecciona e doi excruciantemente! Um aspecto bastante difícil de se lidar, porque estamos falando de dois princípios pesados, significadores de inseguranças, bloqueios, medos, incertezas, feridas, dificuldades… Numa conversa tensa e deveras conflituosa… Extremamente espinhoso. Defensivo. Desagradável. Doloroso. É preciso ter muita coragem e serenidade para olhar as profundezas da própria alma dispostos a enfrentar nossos piores pesadelos e fragilidades de cabeça erguida, com dignidade, para poder usar isso como mola de crescimento. O mais provável é que sintamos de maneira muito crua que todo esse sofrimento é inútil e sem sentido e nos sintamos amargos e cínicos, com uma sensação de futilidade a nos assombrar dia após dia. Olhamos para o nosso abismo pessoal, social e coletivo e ele olha de volta para nós, mais fundo e obscuro do que ousaríamos pensar. Uma reação possível dos mecanismos de defesa é recorrer a verdades prontas, frases feitas, crenças bonitas mas inócuas ou rígidas e excessivamente severas, para nos dar algum senso de segurança ou de sentido. Nosso alter-ego, aquele severo guardião moral que diz o que é certo e errado, aponta o dedo para o nosso lado mais frouxo e desmazelado, aquela parte de nós mais desamparada e vulnerável, que então se encolhe e se amiúda, querendo desaparecer. Desnecessário dizer o quanto isso é difícil e paralizante, além de possibilitar reações instintivas de animal ferido mortalmente que, para se defender vai revidar da pior maneira… É claro que isso é um extremo. Sempre podemos tirar proveito desses momentos de fragilidade para nos conhecer melhor, recorrer a alguma prática terapêutica, a alguém em quem se confia para propiciar um olhar externo e apaziguador de tal sofrimento. Não precisamos resvalar nos extremos!

Magritte - Reprodução

Magritte – Reprodução

A manifestação desse aspecto é muito provável de se dar nas relações mais próximas, particularmente relações que envolvam figuras paternas ou de poder, como a relação com o próprio pai, chefes, professores, ou outros tipos de autoridades, inclusive religiosas, acadêmicas etc. É preciso compreensão, sensibilidade, compaixão e doçura para consigo mesmo e para com o outro que porventura percebamos estar lidando com esse tipo de dilema. Em termos mundanos, podemos bem associar essa quadratura com todas essas reformas em andamento no Brasil. Novas leis (Saturno em Sagitário) que versam sobre a saúde coletiva, aposentadoria, etc (Quíron em Peixes). E como vimos, a aprovação das tais leis não favorece nem um pouco ao povo e à maioria. É possível também vermos figuras eclesiásticas e religiosas em geral – de todas as religiões – tendo suas fraquezas e vulnerabilidades expostas, sendo julgadas socialmente, seus pés de barro esfacelando-se debaixo do seu peso de ferro e ouro… A mesma coisa se aplica a autoridades acadêmicas e altos postos universitários. A exposição dessa vulnerabilidade pode ser no sentido moral, mas também físico, ou seja, pode implicar questões de saúde ou mesmo de morte nesses meios mencionados. Se Saturno-Netuno simboliza a morte e o desaparecimento de figuras importantes nas artes em geral, Saturno-Quíron sugere a mesma coisa para os meios acadêmicos ou da saúde. A implicação dos meios eclesiásticos e religiosos tem a ver com o trânsito de Saturno por Sagitário.

A exemplo do aspecto Saturno-Urano, a quadratura Saturno-Quíron se dá por três vezes entre 2016 e 2017. O primeiro evento ocorre já no dia 28 de dezembro de 2016; Saturno fica retrógrado e quadra Quíron de novo em 30 de abril; e, finalmente, já direto, Saturno quadra Quíron pela última vez em 2 de novembro de 2017.

Lua Disseminadora - Reprodução

Lua Disseminadora – Reprodução

A Lua abre a semana na fase Corcunda, em Touro. Torna-se Cheia na terça-feira, em Gêmeos. Dignifica-se em Câncer e entra na fase Disseminadora em Leão, no sábado. Fecha a semana ingressando em Virgem, no domingo. Nessa caminhada cíclica ela conversa com todos os demais corpos celestes, ora delicada, ora tempestuosamente, simbolizando as mudanças diárias de humores na Terra.

Reprodução - Desconheço o autor

Reprodução – Desconheço o autor

SEGUNDA-FEIRA, 12 de dezembro – O Sol está em trígono a Urano e quadratura a Quíron, ambos os apsectos exatos hoje, enquanto se afasta da conjução a Saturno. A Lua abriu o dia e a semana em Touro, em quadratura a Marte em Aquário, ficando vazia depois, às 02h06min. Ainda se indispôs com Mercúrio em Capricórnio. Ingressou em Gêmeos às 10h42min, de onde tem contendas inconscientes com Plutão e Júpiter, que estão em quadratura. À tarde a Lua se harmoniza com Vênus e fecha a noite em quadratura a Netuno, exata amanhã. O dia traz influências que parecem contraditórias a princípio, mas que podem funcionar como compesação mútua. Lidamos com a sensação de desapontamento conosco mesmos, com aquilo que somos ou pensamos saber a respeito de nós. Talvez tenhamos tido revezes recentes que nos obrigaram a recuar nas expectativas ou projetos nos quais estamos engajados. A Luz solar da consciência é eclipsada temporariamente por influências insuspeitas vindas da obscuridade do inconsciente, aquela parte de nós com a qual não queremos ter nada a ver nem lidar, porque nos lembra do nosso lado manco, trôpego, inadequado. Aquela parte de nós que tem dificuldade de se enraizar na realidade, de lidar com esse mundo dito “real” de forma direta, por ser ele, doloroso por demais, imperfeito em demasia… E se admitimos que tal mundo e realidade são imperfeitos, nós, como parte disso tudo, imperfeitos somos – uma verdade difícil de engolir e conciliar com os sonhos dourados narcisistas que temos a respeito de nossa própria importância, talentos especiais e senso de grandeza. É como uma nuvem pesada e sombria a obscurecer a luz desse sol tão brilhante: falhas, medos, inseguranças, fraquezas e todas as questões mal resolvidas que ameaçam o brilho do nosso ego tão lustroso… Entretanto, não somos mais criacinhas indefesas para ficar paralizados pelas revelações do inconsciente sobre nossas incapacidades e lástimas. Temos alguma maturidade e resiliência que nos permitem acolher tais revelações com serenidade e humildade, sabendo que não somos nem piores nem melhores do que outros andantes humanoides desta terra, somos apenas diferentes em nossas idiossincrasias, que são muitas sim, mas humanas. Assim, tal serenidade pode nos trazer alento e a capacidade de diferenciar, a exemplo daquela oração de mesmo nome, quais são as falhas e problemas que podemos mudar e quais precisamos aceitar, porque não têm conserto possível. A mudança desses problemas que identificamos que temos o poder de alterar está favorecida por estes dias. Uma mudança criativa e benéfica, que nasce a partir de novos insights e ideias a respeito da maneira de nos conduzir, de nos movimentar e agir no mundo. Se estamos atentos, podemos visualizar com mais clareza o que podemos fazer para avançar e progredir nessas frentes passíveis de transformação e melhoria. A questão depende de estar dispostos a agarrar a oportunidade. Estamos? Em termos práticos, a segundona começou pesada e arrastada, demandando guindastes para arrancar pessoas de suas camas… Pelo meio da manhã a máquina finalmente engrenou – provavelmente lubrificada por muita cafeína – de modo que a tarde segue mais agilmente, com as ideias fluindo, os contatos e tarefas avançando e o dia transcorrendo muito ativo e bem humorado, caso consigamos lidar com aquelas influências inconscientes a contento. O perigo maior é de nos perdermos em socializações e conversas sem fim, elucubrações vazias, como meio de evitar pegar no pesado ou de fugir daquelas sensações incômodas e sombrias das quais falávamos no começo deste texto. Se administramos isso, o dia torna-se bastante produtivo.

Reprodução

Reprodução

TERÇA-FEIRA, 13 de dezembro – De Gêmeos a Lua quadra Netuno em Peixes nas primeiras horas do dia. Faz quincunces a Mercúrio e a Plutão em Capricórnio, oposição a Saturno, quadratura a Quíron, sesqui-quaadratura a Vênus, sextil a Urano – Ufaaa!!! – tudo isso antes de se opor ao Sol Sagitariano e entrar na fase Cheia, às 22h05min no horário de Brasília (00h05min do dia 14/12 no horário de Lisboa). Essa é uma Lua Cheia super ocupada, falante e movimentada, o que sugere um dia igualmente agitado, cheio de atividades frenéticas, de vai-e-vem, conversas, ebulição mental, tráfego pesado nas cidades, mudanças repentinas de planos, bloqueios previstos ou imprevistos… Sim, a Lua Cheia precipita crises nas situações que vinham se arrastando. Só respirando muito e profundamente para organizar as emoções desencontradas no meio de tanta atividade. Não podemos correr o risco de, no meio de todo esse dinamismo e correria, nos perder de nós mesmos, de nossos propósitos e do nosso centro. Na encruzilhada, em caso de dúvida, estacione, respire fundo, acalme o coração e escute o que a alma precisa e busca! Assim teremos mais clareza de em qual esquina virar, qual caminho seguir, qual bifurcação tomar, quais palavras dizer, quais calar ou que mensagem comunicar. Se a cabeça e a mente souberem escutar a alma, não haverá espaço para confusão e saberemos como administrar, tanto a falta quanto o excesso, saberemos usar as palavras e o silêncio com maestria, recorrendo ao seu poder de elevar ou derrubar, de prender ou liberar… Como usamos o poder da palavra? Há que se ter sabedoria com as palavras hoje… É dia de celebrar a comunicação das ideias e dos sentimentos; de celebrar a vida e, mesmo que não haja grandes vitórias ou conquistas, podemos agradecer e celebrar as pequenas alegrias e a companhia daqueles que fazem parte da nossa vida diária; podemos celebrar pequenas mudanças no nosso ambiente imediato, que facilitam o fluir da vida; podemos agradecer o ar que respiramos! E se os desafios parecerem árduos por demais, respiremos o amor, a leveza e a beleza para dentro da alma e do espírito e expiremos para fora de nós, o peso e a desesperança. “Respirar o amor, aspirando liberdade”. A vida é desenhada e sonhada nas grandes visões, mas é nos detalhes pequenos do aqui e agora que ela se faz e se concretiza, em como exercemos a criatividade no dia a dia. Não temos certezas nem garantias acerca do futuro, mas temos a escolha e a responsabilidade de fazer do presente, do aqui e agora, o melhor que pudermos! E para isso precisamos estar plenamente conscientes, atentos e inteiros! Esse é o nosso desafio! Consciência e inteireza! Feliz Lua Cheia para você! Leia o artigo sobre a Lua Cheia de Gêmeos.

Ernesto Arrisueno - Reprodução

Ernesto Arrisueno – Reprodução

QUARTA-FEIRA, 14 de dezembro – A Lua Geminiana se afina, toda harmoniosa e faceira, com o Marte Aquariano e fica fora de curso depois, às 03h59min, ingressando em Câncer às 10h09min, de onde instiga a frieza de Vênus em Aquário. Fecha a noite em contato favorável com Netuno. O dia começa com uma revisão tranquila e mental das nossas tarefas e o que elas vão requerer de nós. Repassamos nossos recursos, nossa vontade – ou falta de – de avançar e executar com determinação essas tarefas. Talvez tenhamos alguma nova ideia que facilite o desenvolvimento de tais atividades, mas o começo da manhã propicia muito mais a análise calma e desapegada do que a ação propriamente dita. Pelo fim da manhã a energia muda radicalmente. A inquietude mental dá lugar à necessidade de sossego e, ao invés de nos espalhar por aí, queremos segurança e conforto, um ambiente adequado para entrar em contato com necessidades emocionais que andaram sendo negligenciadas nos últimos dias. Os sentimentos ficam mais densos e profundos e a sensibilidade mais acurada, favorecendo a proximidade e a intimidade nos contatos, em contraponto à frivolidade e leveza recentes. A dificuldade fica por conta da inconstância e irregularidade das respostas emocionais, visto que ora nos sentimos afetuosos e doces, ora queremos distancia e a preservação de nosso espaço. Precisamos ter mais nítidas quais são as nossas motivações no dia, para não nos comprometermos com coisas que mais tarde poderão ser um peso ou uma chateação, tanto para nós quanto para os outros.

Reprodução - Desconheço o autor

Reprodução – Desconheço o autor

QUINTA-FEIRA, 15 de dezembro – A Lua está poderosa em sua casa Canceriana, sensibilidade ainda mais aguçada pelo contato harmonioso com Netuno em Peixes. Mais tarde ela trava embates com Mercúrio e Plutão em Capricórnio, com Júpiter em Libra e com Urano em Áries, formando uma Grande Cruz Cardinal, tendo ainda que lidar com as inseguranças de um contato irritante com Saturno. A Lua ainda faz trígono a Quíron e fica vazia depois da quadratura a Urano, às 19h38min. O dia está tempestuoso, carregado de sentimentos e emoções viscerais, que vão demandar equilíbrio e contenção extras para não afundarmos em dramas, sejam eles mesquinhos ou grandiosos. Situações que talvez comecem pequenas podem escalar e tornar-se desproporconais e quando vemos, já não há volta. Sentimo-nos pressionados e encurralados, com nossas necessidades ignoradas ou diminuídas pelo que percebemos como atitudes paternalistas e condescendentes, que nos fazem sentir incompreendidos, injustiçados, humilhados e infantis. Quanto mais tentamos consertar, maior fica o estrago, seja da situação ou do nosso estado emocional. As situações que ocorrem hoje parecem apertar “todos os nossos botões”, especialmente aqueles mais sensíveis, de modo que temos dificuldade de controlar nossas reações e em dado momento parece que somos meras marionetes sendo manipulados pela vontade ou poder de outros. Mas quem manipula quem? Quem detém o poder e o controle? Será que nossa frustração não vem exatamente de percebermos que nós mesmos falhamos na nossa tentativa de manipulação? E que talvez seja por isso mesmo que nos sentimos ridicularizados? Há várias maneiras de se exercer poder sobre outros. Algumas delas são diretas, honestas e limpas; outras são indiretas, subreptícias, desonestas e minam a confiança nas relações, assim como os afetos ou o respeito, sejam essas relações pessoais ou impessoais. Assim, ao invés de darmos chiliques e apelarmos para o drama, fazemos melhor se tentarmos entender a ebulição de sentimentos e conter as reações infantis, de quem se sente no direito de cobrar o que quer que seja de outros. O impulso natural seria nos amuar num canto para chamar a atenção ou fazer outros se sentirem culpados, mas o tiro sai pela culatra e tal atitude vem em nosso detrimento. Em vez disso, podemos nos responsabilizar por nossas reações, carências, oscilações e lidar com as crises com maturidade, dignidade e compostura. Podemos acolher e cuidar, oferecer compreensão, afago e consolo, dar a outros aquilo que gostaríamos de receber ou que achamos que estamos precisando. Nutrir as relações, ao invés de azedá-las. Como naquela oração, é dando que se recebe. Lembrar que todo mundo tem problema e todo mundo está travando suas próprias lutas, portanto, nossos problemas não nos dão o direito de ser grosseiros e mal educados ou de dar chiliques, no máximo podemos pedir ajuda, com respeito, honestidade e dignidade. Jogar o jogo com objetivo final de ganha-ganha e não de vencer o outro a qualquer custo. Em termos práticos, o dia traz vários dilemas que demandam algumas escolhas difíceis, que requerem conciliação ou renúncia. Ter noção clara dos próprios valores e prioridades ajuda a fazer as melhores escolhas. Como diz o Dalai Lama: “Abra seus braços para as mudanças, mas não abra mão dos próprios valores”.

Martin Stranka - Reprodução

Martin Stranka – Reprodução

SEXTA-FEIRA, 16 de dezembro – Júpiter está a apenas 20 minutos (menos de um grau) do sextil a Saturno, um aspecto que não vai ficar exato antes de agosto de 2017, mas cuja influência sentimos sutilmente. A Lua inaugura o dia fora de curso em Câncer. Torna-se foco de um Yod ao fazer quincúncios ao Sol e a Marte. Ingressa em Leão às 11h15min, de onde se indispõe com Saturno. Depois do dia tempestuoso de ontem ainda estamos tentando restaurar nosso equilíbrio, mas a manhã traz novos conflitos e desafios, que podem comprometer essa restauração. As irritações se dão entre nossa sensibilidade e a alma mais feminina versus o lado mais objetivo, a vontade, o consciente – um antagonismo que pode mesmo se manifestar com pessoas, entre esses princípios feminino e masculino. Alguém tem que ceder, uma negociação é necessária, interna e externamente, se é para conseguirmos avançar com nossos projetos e atividades. Em função dessas incompatibilidades, os humores oscilam e variamos entre a irritação, o mutismo, a fragilidade e o mau humor escancarado. Contudo, é importante não levarmos demasiado a sério tais conflitos e oscilações e tentarmos encontrar um mínimo de estabilidade emocional para não estragarmos de vez o dia e as nossas relações – tudo é aprendizado e experiência! Ter compaixão por si mesmo e rir dos próprios dramas ajuda a colocar as coisas em perspectiva. Nem tudo precisa ser levado a ferro e fogo, não é o fim do mundo! Lembremos disso!

Reprodução

Reprodução

SÁBADO, 17 de dezembro – A Lua entra na fase Disseminadora ao fazer sesqui-quadratura ao Sol Sagitariano. Antes porém, ela se opõe a Vênus e faz quincúncio a Netuno. A Lua ainda faz outros quincúncios a Mercúrio e a Plutão, trígono a Saturno e a Urano, formando um Grande Trígono de Fogo, que vira Pipa, devido ao sextil a Júpiter. Por fim a Lua se irrita com Quíron através de um quincúncio. O dia traz uma sensação de estarmos um tanto desconjuntados. Contudo, a despeito da sensação de cisão interna, o dia também traz boas oportunidades de diversão, de alegria e camaradagem. Se conseguimos aceitar nossas idionsicrasias e contradições internas, conseguimos aceitar também as “esquisitices” e excentricidades dos outros ao nosso redor e, aquilo que antes parecia estranho, torna-se na verdade, uma qualidade singular que torna meu amigo/a (e eu mesmo) único e especial para mim e para o mundo e o olhar de estranheza vira de encantamento. Os contatos hoje são intensos e cheios de vitalidade e energia. As pessoas com quem escolhemos estar são, de fato, caras e preciosas ao nosso coração e isso deve ser expresso com honestidade e simplicidade. Celebrar a amizade, a alegria, a vida! Com verdade, criatividade e generosidade e desprendimento. Deixar os rancores, rusgas e dissabores para lá, focar no que temos de melhor, focar no que o outro tem de melhor. Assim nos damos a chance de estreitar laços e ainda permitir ao outro ser o que ele é, sem expectativas ou cobranças, achando o ponto de equilíbrio para nós mesmos e para as relações. E com equilíbrio, podemos nos expandir e viver melhor!

Steven Hanks - Reprodução

Steven Hanks – Reprodução

DOMINGO, 18 de dezembro – Mercúrio estaciona a 15°02’ de Capricórnio, às 08h56min para ficar retrógrado de 19/12/2016 até 08/01/2017. A Lua Leonina se harmoniza com o Sol Sagitariano e, junto com Urano em Áries, formam um Grande Trígono de Fogo. Pelo meio da tarde a Lua briga com Marte em Aquário e fica vazia depois dessa briga, às 14h56min. Ingressa em Virgem às 15h52min e logo se desanima a partir de contatos com Mercúrio e Plutão. O dia traz energias livres, alegres e animadas na parte da manhã, que nos convidam a nos aventurar, a sair da casca e dos limits do previsível, a ousar manifestar nossa alegria e espontaneidade, rir até estourar, contar piadas bobas, tentar brincadeiras ou atividades inusitadas. Deixar nossa criança interior vir à tona e assumir o posto, espontânea, leve e feliz! Nesses momentos de distração e alegria, podemos nos surpreender com insights acerca de formas inovadoras de unir nossas necessidades com os desejos conscientes. À tarde o clima fica tenso e requer cautela nas mesma atividades arriscadas em que nos lançávamos pela manhã. Algo ou alguém nos irrita e tira do sério e nossa alegria e espontaneidade ficam sombreadas por discussões e altercações que azedam a brincadeira e a leveza de outrora. A criança tem uma ótima oportunidade de se observar e aprender a se conhecer a partir das próprias reações. Talvez as coisas que nos animavam antes agora nos irritam, mas é preciso perceber que talvez isso não tenha a ver com outros e sim, conosco mesmos e nossas alterações de humor e de interesses. Só porque nos cansamos, nos irritamos ou perdemos no jogo, não precisamos bancar  o dono da bola que acaba com o jogo levando a bola embora porque não gostou de alguma coisa que alguém fez ou disse. Se algo nos incomoda de verdade, devemos manifestar de forma direta e honesta e não através de jogos ou birras. Assim temos chances de crescer. Em termos práticos essas energias requerem cautelas porque ficamos mais impulsivos e propensos a acidentes. À noite preferimos algum resguardo e solitude, para meditar nos desgastes ou simplesmente nos refazer. A solitude pode sim, fazer bem, desde que não fiquemos remoendo os dissabores, julgando a outros ou a nós mesmos.

Uma ótima e positiva semana para você!

Tirado de Playbuzz - Reprodução

Tirado de Playbuzz – Reprodução

 

Steven Hanks - Reprodução

Steven Hanks – Reprodução

Lua Cheia em Gêmeos – Aceita que dói menos!

Reprodução

Reprodução

O ano chega ao fim e o fechamos com chave de ouro, com uma Lua Cheia super ativa e cheia de estímulos, bem ao gosto de Gêmeos! A Lua será cheia nesta terça-feira, dia 13 de dezembro, às 22h05min no horário de Brasília e à 00h05min no horário de Lisboa, a 22°25’ do signo de Gêmeos, o primeiro signo de Ar. A Lua Cheia é sempre um momento de colheita e de celebrar essa colheita. Mas essa é uma celebração bastante sóbria e contida, austera e realista, em contradição à energia elusiva da Lua Nova. Mas vamos por partes, ao gosto de Gêmeos!

Reprodução

Reprodução

Gêmeos, detalhista e imediatista, vem fazer o providencial contraponto às grandes visões futuristas de Sagitário, lembrando-nos que, se não nos atentarmos para os detalhes e o aqui e agora na feitura dos projetos, nenhuma visão jamais se realizará. Queremos nos expandir, ir além dos fatos prosaicos do dia a dia, queremos conhecer mais, saber mais, ultrapassar as fronteiras do conhecido, mas para isso precisamos dar um primeiro passo, sair das nossas vizinhanças, começar a ler aquele livro, nos matricular naquele curso, pegar o telefone e ligar para a agência de viagens para comprar a passagem para aquela viagem ao exterior… Sem Gêmeos, Sagitário fica perdido eternamente no futuro que nunca vai virar presente porque nunca se atentará para os detalhes imediatos necessários à sua execução. É uma polaridade que fala da dicotomia do Puer e do Senex que aqui está duplamente enfatizado na figura de Saturno; a Criança e o Velho; a brincadeira e a seriedade; a juventude e a maturidade/velhice; a inconsequência x a responsabilidade. Temas que ficam realçados para nós nestes dias.

Reprodução

Reprodução

O mapa da Lua Cheia levantado para Brasília traz uma mistura proeminente de Ar e Fogo e muita mutabilidade, o que nos sugere muita atividade mental, uma busca enorme por estímulos, propensão à dispersão e uma avidez por estar no centro de tudo o que acontece, avidez por mudança, assim como ansiedade e diversidade de interesses. O Ar é o elemento da mente, das elaborações conceituais, da razão e do logos. Misturado ao Fogo, temos uma imagem de elevação, de inspiração e aspiração às grandes alturas. De ideias e conceitos abstratos muito elaborados e intelectualmente sofisticados. Isso dá a tônica das próximas duas semanas. A água e os sentimentos ficam meio embotados e damos prioridade ao pensamento.

Lua Cheia em Gêmeos - Brasília, 13 de dezembro de 2016, 22h05min

Lua Cheia em Gêmeos – Brasília, 13 de dezembro de 2016, 22h05min

Porém, mais do que isso, se a Lua Nova de Sagitário só fazia contato com Netuno, a Lua Cheia em Gêmeos está ocupadíssima, falando e se conectando com todo mundo, como um dínamo que ativa e movimenta todos os cantos do mapa, exceto Mercúrio-Plutão em Capricórnio, mas ainda assim, ela está ligada a Mercúrio por ser regida por ele. A Lua faz oposição à conjunção Sol-Saturno, faz quadratura a Quíron em Peixes, sextil a Urano em Áries e forma um Grande Trígono em Ar, com Júpiter em Libra e Marte em Aquário, Grande Trígono que dá origem a uma Pipa, da qual o foco é a conjunção Sol-Saturno em Sagitário. Isso indica que temos uma colheita de oportunidades sociais, de interagirmos amplamente tanto local, quanto num sentido mais amplo e global. A superficialidade do Grande Trígono é compensada pela oposição da Lua a Saturno, como foco da Pipa: não há espaço para coisas rasas aqui, os fatos precisam ser analisados, digeridos e aprofundados de maneira a embasar e ampliar um conhecimento mais consistente, interações mais coerentes, corretas e éticas. Saturno sugere ainda que tenhamos cautela nessas interações, que estejamos muito cientes de nossas conexões e que não sejamos levianos no que dizemos e com quem nos relacionamos.

Alfredo Araujo Santoyo - Reprodução

Alfredo Araujo Santoyo – Reprodução

A Lua participa de outras configurações e forma uma T-Square Mutável da qual Quíron é o foco. Talvez tenhamos que lidar com uma colheita que é menos do que perfeita, que nos lembra que algo foi avariado, estragado, irremediavelmente nas nossas aspirações da Lua Nova. Talvez sejamos – e certamente já estamos – confrontados com muitos dissabores e decepções nas nossas expectativas, tanto aquelas lá do início do ciclo, quanto algumas mais antigas, relativas ao ano que se fecha. Mas sempre que falamos de Quíron, falamos também da empatia, falamos de humildade e aceitação do nosso lado mais humano e falível. E falamos também de cura, que só vem depois dessa aceitação humilde. Assim, a Lua Cheia nos aponta para a necessidade da aceitação humilde dessas coisas que estão além do nosso controle pessoal; de reconhecer e assimilar nossas feridas, porque elas apenas nos lembram de nossa humanidade. Falando em bom português: aceita, que dói menos!

Lua Nova em Sagitário - Brasília, 29 de novembro de 2016, 10h18min

Lua Nova em Sagitário – Brasília, 29 de novembro de 2016, 10h18min

É interessante notar que este ciclo, iniciado com a Lua Nova de Sagitário, trazia a influência difusa mas perturbadora de Netuno, como já disse acima, como único aspecto feito pela Lua de então. Eu dizia no texto da Lua Nova dos riscos de nos iludirmos, da propensão à desilusão, além de outras coisas. Agora, a Lua Cheia acontece em oposição a Saturno e quadratura a Quíron, dois “caras” que sempre nos lembram de nossas inseguranças, limites, problemas, mazelas e falibilidade… É como se essa lunação viesse mesmo fechar com chave de ouro este ano tão triste, pesado e sombrio, um ano de grandes perdas, de muitos desmantelos, que foi marcado e colorido pela quadratura Saturno-Netuno, configuração que mesmo já estando distante, ainda tem seus temas relembrados pelas ilusões da Lua Nova (Netuno), desmontadas pelo realismo da Lua Cheia (Saturno). Esse foi um ano de muitos aprendizados e o maior deles foi acordar das ilusões, cair na real, ver sonhos e esperanças desfeitos diante dos nossos olhos. E este tema se repete no último ciclo do ano, com essa ênfase de Netuno na Lua Nova e o destaque de Saturno na Lua Cheia.

Reprodução

Reprodução

Entretanto, esta ênfase em Ar e Fogo e na conjunção Sol-Saturno nos lembra, mais do que nunca que, a despeito de tudo o que vimos, ouvimos e vivemos de pesado e difícil neste ano, a vida continua. E que não podemos ficar soterrados sob os escombros de 2016. Precisamos usar tais escombros na reconstrução do futuro ali adiante, imbuídos de uma esperança realista, como já enfatizei em outros textos, de um otimismo muito pé-no-chão. Afinal, tudo o que passamos, tanto em nível pessoal quanto social e coletivo pode ter sido devastador, mas também nos trouxe maturidade. Falando especificamente do Brasil, estamos todos insatisfeitos, desolados, indignados e revoltados com a forma de se fazer política, com esse mar de lama em que temos visto os poderes da república chafurdando nos últimos meses e anos… Mas eu ainda acho que é melhor estarmos cientes de tudo isso do que vivermos naquela bolha ingênua de antes – pelo menos alguns viviam – quando não sabíamos de tudo o que se passava. Por mais desolador que seja, esse confronto com a verdade era necessário e inevitável. E isso não pode nos fazer perder a esperança de dias melhores, uma melhoria pela qual precisamos nos responsabilizar, em todos os níveis da nossa vivência, desde o nosso comportamento no dia a dia, nossas práticas profissionais e de cidadãos, nossa ética nessas práticas e relações e por aí afora.

Douglas Smith - Reprodução

Douglas Smith – Reprodução

Mercúrio, regente e dispositor da Lua Cheia, está em Capricórnio, conjunto a Plutão, prestes a entrar em retrogradação – dia 19 de dezembro – e atualmente Fora dos Limites do Sol nas declinações. Mercúrio e Plutão são os únicos pontos em Terra, o que lhes dá realce especial. É, este Mercúrio faz pensar! Todas as últimas retrogradações de Mercúrio se deram em contato próximo a Plutão, ou quando ele estava ficando retrógrado ou quando estava voltando ao movimento direto. Particularmente, na retrogradação de janeiro deste ano, Mercúrio voltou ao movimento direto a 14°55’ de Capricórnio em conjunção a Plutão. Agora, Mercúrio fica retrógrado a 15°07’ de Capricórnio, apenas a 12 minutos de distância do mesmo ponto e, mais uma vez, em conjunção a Plutão. Isso sugere que além da regular revisão mental simbolizada pelo movimento retrógrado de Mercúrio, estamos sendo chamados, de novo e de novo, repetidamente, a transformar nossa forma de pensar o mundo, a quebrar paradigmas conceituais, a modificar a maneira como absorvemos informações, a ter, mais do que nunca, senso crítico e honestidade na comunicação e processamento de ideias, fatos, informações. E nessa Lua Cheia estamos assoberbados de ideias e sentimentos difusos, ansiedades e inquietações.  Contudo, precisamos voltar ao básico, conter pré-ocupações e conjecturas irreais e ater-nos ao real. Mercúrio está Fora dos Limites do Sol Sagitariano; está em Capricórnio e conjunto a Plutão, virando a esquina da retrogradação… Uma retrogradação que vai causar rebuliço e trazer à tona revelações que continuam a detonar o poder estabelecido. Mercúrio Fora de Limites está se lixando para regras e controles, em Capricórnio, ele vai buscar deturpar ou questionar exatamente essas regras que se provarem vazias, hipócritas e sem sentido. Apesar da ênfase em Fogo e Ar, o espírito precisa se atentar aos limites da matéria, representada por Saturno e por Mercúrio-Plutão em Capricórnio.

Reprodução

Reprodução

“Três bruguelos num ninho no alto de uma árvore” é o Símbolo Sabiano para o grau 23 de Gêmeos (22°25’). Um símbolo que nos reporta às qualidade do Ar. Dane Rudhyar nos diz que a nota chave deste símbolo é o “crescimento dos processos espiritualmente criativos, numa mente que finalmente está relativamente integrada”. Ele vai em frente e nos lembra que no simbolismo tradicional, as aves geralmente representam o mundo e as forças espirituais ou os aspectos mais elevados da mente humana. Os bruguelos, que são filhotes ainda sem plumas, referem-se a algo incipiente, “o início de um processo no que também poderíamos chamar de ‘câmara superior’ da consciência, onde o poder criador do espírito pode ser recebido e assimilado. Fecundado pelo espírito e apoiado por uma tradição cultural e vitalista profundamente enraizada, o homem pode gradualmente desenvolver uma personalidade integral”. É curioso notar ainda que os filhotes são três, o número da Trindade Divina, que se origina do Um. O Pai, o Filho e o Espírito, que na Doutrina cristã são três expressões diferentes da mesma pessoa, a Unidade.

Brooke Shaden Photography - Reprodução

Brooke Shaden Photography – Reprodução

Colocando a imagem deste símbolo com a análise que fazíamos da Lua Cheia, uma Lua Cheia de Ar-Fogo, a última Lua Cheia do ano e que, portanto, conclui as lunações de 2016, podemos dizer que todos os aprendizados que vivenciamos ao longo deste ano difícil foram etapas importantes na integração da nossa consciência incipiente de humanos em busca de evolução; um processo que está apenas no começo do despertamento, como filhotes que acabaram de nascer e carecem de plumas e de cuidados. Como diz Rudhyar, este é o início de uma integração relativa da consciência. Eu diria que tal integração tem a ver, principalmente, com o confronto dos reinos do espírito e da matéria, das esferas do real e do irreal, como simbolizados por Saturno-Netuno. Assim, longe de nos abater, tal desencanto e despertar para o real devem sim, ser motivo de celebração. Por mais dolorosas que tenham sido as lições, elas fazem parte de um processo de integração, despertamento e humanização – talvez estivéssemos por demais anestesiados no nosso egocentrismo narcisista, consumidores histéricos a olhar somente as próprias “necessidades”, ditadas por um mercado perverso, fabricante inveterado da ilusão da felicidade comprada. Sim, precisávamos de doses cavalares de realidade e cá estamos nós, sorvendo desse elixir amargo, mas necessário. Novamente: quando a gente aceita, encontra forças para lidar com o problema e mudar. Aceita, que dói menos!

Catrin Welz-Stein - Reprodução

Catrin Welz-Stein – Reprodução

Concluindo, a Lua Cheia de Gêmeos fecha a contento a temática mais importante do ano: o confronto do real, o despertar das ilusões, auto-criadas ou não, e a consequente integração desses conteúdos difíceis de assimilar. E lembrando o mote básico de Saturno em Sagitário: “A verdade te libertará, mas primeiro vai te desestabilizar”. O Sol em Sagitário nos fala para olhar o futuro com esperança e fé, mas a presença de Saturno tão enfatizada nessa Lua Cheia nos lembra que essa esperança não pode ser ingênua e tola. Vimos, ouvimos e vivenciamos demais e não podemos esquecer porque tudo isso está entranhado em nós; aliás, não devemos esquecer, para não cometer os mesmos erros lá na frente – eu digo sempre, se é para cometer erros, pelo menos que sejam erros novos! A Terra continua a girar – pelo menos por enquanto – e o mundo segue em frente! Enquanto há vida, há esperança! O Espírito continua a dar vida à matéria e, aos trancos e barrancos, a vida viceja em todo lugar! Celebremos isso!

Um ótima e realista Lua Cheia para você!

Reprodução

Reprodução

A Semana Astrológica – O deserto que somos nós

Reprodução - Desconheço o autor

Reprodução – Desconheço o autor

Semana de 5 a 11 de dezembro – Semana de prosperar, de alavancar nossos propósitos com consistência, disciplina e perseverança! Sem perder a esperança, sintonizando-nos com um otimismo realista!

Semana de Quarto Crescente, que sinaliza um momento no ciclo em que encontramos uma crise na realização dos nossos propósitos, momento que requer ajustes e negociação. Precisamos ajustar esses planos e propósitos à realidade, trabalhar por eles com perseverança e disciplina; passar nossa visão de futuro e nossas crenças pelo crivo do realismo e do pragmatismo; perseverar na esperança, mesmo que ela pareça duvidosa no momento; sobretudo, assumir a responsabilidade e o trabalho requerido por aquilo que queremos realizar, pelo destino onde queremos chegar e aquilo que queremos ser. Tudo isso é representado pela conjunção Sol-Saturno ocorrendo nesta semana, um contraponto bastante significativo em relação à sensibilidade e incerteza da semana passada, que foi grandemente colorida por Netuno. A visão de futuro e a fé Sagitarianas são buriladas pelo bom senso e realismo do Mestre do Tempo e isso nos traz de volta à terra e às nossas possibilidades reais. É hora de nos sintonizar com a disciplina, a paciência, a firmeza e a dedicação que existem em nós: resiliência sim, reclamação, não! Mas o Sol também conversa harmoniosamente com Júpiter, que também está em aspecto favorável ao mesmo Saturno, claro! Isso nos sugere a possibilidade de lidar com a realidade de maneira tranquila, com alegre aceitação e o firme compromisso de modificar as facetas dessa realidade que não nos favoreçam. Aceitamos e cooperamos com ela, buscando as oportunidades de melhorá-la. O Sol fecha a semana já em aspecto favorável a Urano, aspecto que se completa na semana que vem. Pondo tudo junto, Sol, Júpiter, Saturno e Urano, a semana oferece chances de nos empenharmos e comprometermos com o futuro auspicioso que queremos para nós, percebendo que ele não se fará sozinho, nós é que teremos que construí-lo e assim, angariamos toda a nossa disposição e nos colocamos a caminho!

Norman Duenas, artista americano - Reprodução

Norman Duenas, artista americano – Reprodução

Mercúrio, que já está na zona de retrogradação desde o dia 1° de dezembro, aos poucos vai desacelerando e nesta semana sensibiliza-se e torna-se ligeiramente mais empático no contato com Netuno. A brusquidão e secura da comunicação Capricorniana é suavizada, de modo que conseguimos perceber que existem outras coisas para além da apresentação dos resultados numéricos e frios. A concentração mental pode também ser enriquecida por outros tons além do cinza escuro do concreto que buscamos erigir do chão dos nossos objetivos. E então percebemos que os planos a obra não serão menos sérios se forem finalizados com beleza e sensibilidade. Mercúrio entra em movimento retrógrado no dia 19 de dezembro, a 15°07’ de Capricórnio e volta ao movimento direto em 08 de janeiro, a 28°51’ de Sagitário. A zona de retrogradação vai, então, de 1° de dezembro (quando Mercúrio passou direto, pela primeira vez, pelo grau 28°51’ de Sagitário) a 27 de janeiro (quando Mercúrio ultrapassa o grau 15°07’ de Capricórnio, onde havia ficado retrógrado). O período mais crítico, obviamente, é o período em si da retrogradação. Em Capricórnio implica fazermos revisões acerca de nossos conceitos, atitudes e posturas no que tange a nossos objetivos mundanos de longo prazo, à nossa posição e papeis na sociedade – quaisquer que sejam eles – à nossa relação com o que chamamos de realidade; nossa relação com o tempo objetivo; nossa relação com o mundo dos negócios e das grandes corporações, grandes estruturas e hierarquias; revisão sobre como vemos nossa carreira, profissão, status social, contribuição que damos à sociedade. E, claro, tem a ver também com a casa do mapa natal em que a retrogradação de Mercúrio se dará.

Reprodução

Reprodução

Vênus ingressa em Aquário e nossos valores e amores ganham um tom progressista, libertário e mais desprendido. Estamos menos apegados e mais compreensivos quanto ao direito de ir ou de ficar, de querer ou “desquerer”, porque nos damos conta de que afinal, ninguém é de ninguém; os contratos sociais servem apenas de formalidade e de nada valem se o sentimento verdadeiro não estiver por trás de tais arranjos – aliás, quem quer tais arranjos se eles não são baseados na verdade do que se é? A Vênus Aquariana é, definitivamente, mais desapegada e desprendida e colore as relações de maior leveza e liberdade, primando pela compreensão mútua e pelas afinidades de ideais. Às vezes pode ser adepta do poliamor ou simplesmente gostar de experimentar, porque, na verdade, ela detesta rótulos, detesta ser enquadrada nesta ou naquela classificação, porque entende que todos somos livres para ser o que quisermos, quando quisermos, com quem quisermos, SE quisermos!

sol-marte-saturno-jupiter-uranoMarte, o Senhor da Vontade, está atualmente em recepção mútua com Urano, visto que Marte rege Áries, onde Urano trafega atualmente e Urano é co-regente de Aquário, a casa correntemente ocupada por Marte. Ambos estão em mútua cooperação e camaradagem, influência que se cristaliza um pouco mais nestes dias, porque eles resolvem bater um papo sobre seus ideais revolucionários. Marte ainda se separa de aspecto também positivo ao outro co-dispositor, Saturno, com quem também teve uma conversa harmoniosa dias atrás, além de também conversar com Júpiter. Assim, novamente, temos outra equação bastante auspiciosa nos céus destes dias: Marte, misturado com Júpiter, Saturno e Urano, os mesmos camaradas com quem o Sol está em diálogo – o Sol, aliás, fará sextil a Marte daqui a algumas semanas, no fim de dezembro. Os contatos feitos por estes planetas formam a imagem de um Trapézio, uma forma geométrica em que dois lados são de igual tamanho, tendo uma base menor e outra maior. É interessante notar que os dois planetas pessoais masculinos o Sol e Marte, estão ambos envolvidos com os dois planetas sociais, um que representa os limites e responsabilidades (Saturno) e outro que representa a necessidade de crescimento e expansão (Júpiter) e ainda adicionamos o transpessoal, Urano, que implica em mudanças para além do escopo indivíduo-sociedade, atingindo o coletivo de forma ampla, na esfera física, mental, espiritual e transgeracional. Júpiter e Urano estão atualmente em oposição, um aspecto que simboliza a capacidade de nos liberarmos de muitas restrições que antes impediam nosso crescimento, restrições impostas por leis ou costumes, modos de visão ou percepções e crenças ultrapassadas e estagnadas.

Laser Bread - Reprodução

Laser Bread – Reprodução

Sol e Marte em contato benéfico com ambos indicam que podemos trazer tais mudanças para o âmbito da vontade pessoal e, ao invés de nos sentirmos vítimas das mudanças coletivas, podemos fluir com elas e incorporá-las em nossa vida, adaptando-nos e utilizando-as a nosso favor. A presença de Saturno, que está em trígono a Urano por várias  semanas, nos garante que isso seja feito de forma estruturada, coesa, sem necessidade de rupturas destrutivas com o que já foi construído e que ainda é útil e adequado. Visto no sentido contrário, podemos dizer que nossos propósitos e vontade pessoais podem nos impulsionar a romper com paradigmas limitantes e estagnados, de forma que avancemos para um novo mundo e uma nova realidade. O que sugere que temos a promessa e a capacidade de permitir que o velho e o novo dialoguem dentro de nós, assim como, no mundo lá fora; podemos efetivar esta novidade harmoniosamente e ela então coexistirá com a solidez daquilo que já é. O que será, nasce daquilo que é, num processo de progressão em espiral contínua e não circular. Se tais promessas se concretizarão, de fato, depende de nosso esforço e empenho pessoais – sextis e trígonos são aspectos ditos “benéficos”, mas são passivos, ou seja, se não nos mexermos, os potenciais não se manifestarão. Essa configuração traz a promessa de nossas ideias saírem da formulação e alçarem voos mais altos, até pousarem em terremos onde possam ser concretizadas.

Reprodução

Reprodução

A Lua abre a semana na fase Semi-Crescente, em Aquário. Formaliza a fase do Primeiro Quarto em Peixes, enche-se ímpeto em Áries e fecha o período já em Touro, confortável e preguiçosa no domingo. Nesta caminhada ela conversa com todos os demais corpos celestes. A Lua será Cheia na terça-feira, dia 13 de dezembro, às 22h05min (dia 14/12, à 00h05min para Lisboa), a 22°25’ de Gêmeos.

Reprodução

Reprodução

SEGUNDA-FEIRA, 05 de dezembro – A Lua está em Aquário, conjunta a Marte e também dialogando, harmoniosamente, com seus co-dispositores, Saturno e Urano e ainda em aliança com Júpiter em Libra. Fica vazia depois da conversa com Urano, às 09h24min. Ingressa em Peixes somente na madrugada de terça, portanto, tempo praticamente o dia todo de Lua Fora de Curso.  A madrugada de segunda traz sonhos auspiciosos, imagens bem elaboradas de planos venturosos, visões de um outro mundo, melhor e mais evoluído. Imbuídos e estimulados por tais imagens e auspícios, começamos a semana com energia positiva e cheios de ânimo. Entretanto, o dia pede paciência com nossa impaciência e ansiedade. É como se, logo após iniciarmos as atividades, precisássemos parar e rever os planos, colocar tudo no lugar, burilar os insights e intuições, certificar-nos de que temos todas as ferramentas e recursos necessários para por em prática tais ideias luminosas . Embora o dia não esteja favorável à ação direta e imediata, está sim, propício à observação dos pensamentos, emoções e sentimentos, das ideias e clarões que surgem em nós ou mesmo à nossa frente, como acontecimentos fortuitos e aparentemente sem importancia. A observação e identificação dos padrões pode nos ajudar a construir novas estratégias na execução dos objetivos. A ação mesmo fica para depois – o dia é adequado à observação da subjetividade, da elucubração das ideias e intuições. Em termos práticos as influência pedem flexibilidade e abertura a imprevistos e ao inusitado. Coisas inesperadas podem acontecer, mas, ao invés de nos irritarmos, procuremos aprender com elas e delas tirar proveito.

Reprodução

Reprodução

TERÇA-FEIRA, 06 de dezembro – A Lua abre o dia fora de curso em Aquário e ingressa em Peixes às 02h31min, de onde logo se indispõe com Júpiter em Libra. Mais tarde a Lua conversa com Mercúrio em Capricórnio e à noite está fundida a Netuno. Marte segue em direção ao sextil a Urano, aspecto exato amanhã, enquanto o Sol se aproxima da conjunção a Saturno. A sensibilidade está favorecida no dia de hoje e a melhor parte é que nossa mente está afiada, concentrada e pragmática, mas está também em boa sintonia com os ritmos orgânicos e com o coração, de modo que sentimos que o dia flui e se desdobra de maneira hamônica e tranquila. Há bons palpites sobre os melhores e mais inovadores métodos de realizar nossso desejos e intentos. A intuição acurada é somada à sensibilidade refinada, o que nos traz uma sensação de bons presságios, de expectativa positiva, de coisas boas por acontecer. À noite a percepção e receptividade aumentam, ampliando os sentidos e impressões, de modo que captamos com maior facilidade as influências que boiam na atmosfera. Apesar da sensação de vulnerabilidade, temos os pés no chão e uma adequada ancoragem, sendo capazes de ser corentes, sem nos deixar levar por fantasias nebulosas, ao contrário, integrando o realismo com as percepções, o que enriquece nossa experiência e capacidade de leitura e interpretação do mundo e dos eventos. Quem souber respeitar tais percepções e intuições poderá se beneficiar bastantes delas, achando as respostas que buscava de formas inusitadas e inesperadas, no mínimo vivenciando um dia com mais cor, mais doçura, mais delicadeza, sem perder-se de si mesmo e sem perder o senso da realidade.

Reprodução

Reprodução

QUARTA-FEIRA, 07 de dezembro – A Lua Pisciana faz quadratura ao Sol Sagitariano, formalizando o Quarto Crescente. Ela também se harmoniza com Plutão, se irrita com Júpiter e leva bronca de Saturno, ficando vazia depois deste aspecto, às 12h06min. Mais tarde a Lua ainda faz conjunção a Quíron. Vênus ingressa em Aquário às 12h52min e Marte está em sextil partil a Urano, com quem está, também, em recepção mútua. Chegamos ao Quarto Crescente, quando nossos projetos encontram desafios que nos fazem parar e rever nossas estratégias. Encontramos bifurcações na estrada que podem nos deixar confusos e incertos, ponderando sobre pistas eventuais que tenhamos interpretado erradamente… Agora nossas certezas são entremeadas por algumas dúvidas e talvez precisemos de uma ação mais drástica e decisiva. Contudo, antes das decisões drásticas: precisamos rever nossos anseios e grandes ideais, controlar a enorme inquietude e as possíveis insatisfações que tais ideais e anseios geram no confronto com a realidade do dia a dia. A Lua ficando Crescente em Peixes pede que refinemos as grandes visões germinadas em Sagitário; que burilemos cuidadosamente a vivacidade e os ímpetos do fogo mutável e que entremeemos esse grande propósito com sensibilidade, compaixão e empatia, sem permitir que tais qualidades nos amoleçam ou nos fragilizem, antes, que sejam combustível para nos tornar mais fortes, lembrando que só os verdadeiramente fortes são capazes de ser gentis. Há gmuita força transformadora, necessidade de ser responsáveis por nossos desejos e de enfrentar a realidade das nossas limitações. Ainda assim, nada disso precisa ser impedimento para a realização e efetivação da nossa busca. A tarde está favorável à meditação do grande significado dessas mesmas limitações: o que elas têm a nos ensinar?

Reprodução

Reprodução

QUINTA-FEIRA, 08 de dezembro – A Lua está fora de curso em Peixes e ingressa em Áries às 08h16min, de onde tem uma conversa direta e desapegada com Vênus em Aquário. Mais tarde ela tem uma discussão dura e belicosa com Mercúrio em Capricórnio. Marte vai se distanciando de Urano, Júpiter, e Saturno. O dia começa meio confuso e paradão, como se tivéssemos caído do caminhão da mudança, no meio de lugar nenhum… Mas logo recobramos nossos sentidos e damos ignição ao dia e às atividades, encontrando nova energia, disposição, combatividade e coragem. Temos pressa em avançar, mas achamos tempo de socializar com aqueles que nos importam, encontrando prazer em interações que dão alegria ao dia. À noite o clima fica tenso e propenso a discussões duras e inflamadas. A cabeça quer uma coisa e o coração quer outra, instintos e razão fora de sintonia, o que nos leva a possíveis conflitos com o mundo que nos cerca, por não dirimir o dilema interno. As emoções estão em ebulição e diante de discordâncias, reagimos de forma irracional e desproporcional, provavelmente imaturamente, para choque e surpresa daqueles próximos a nós. Talvez precisemos mesmo dar um passo atrás e admitir que podemos estar errados e que mudar de opinião não precisa ser um problema. As emoções e opiniões talvez oscilem, portanto, antes de nos comprometer rigidamente com qualquer coisa, é preciso observar se aquilo realmente está alinhado com nossos valores mais profundos, para não corrermos o risco de decidirmos baseados somente em emoções e reações passageiras.

Tory Island, Ireland, 1995 - tirado de the New Yorker - Reprodução

Tory Island, Ireland, 1995 – tirado de the New Yorker – Reprodução

SEXTA-FEIRA, 09 de dezembro – O Sol está em sextil pleno a Júpiter, seu dispositor, que recebe a oposição da Lua Ariana, que também briga com Plutão, mas se entusiasma com Sol e Saturno e ainda se une a Urano. A Lua ainda dialoga com seu dispositor Marte e fica vazia depois deste contato, às 23h08min. Energias bastante combustíveis, é o que temos no menu do dia. Deparamo-nos com algumas crises que exigem de nós presença de espírito e decisões rápidas, além de atitude honesta e autêntica. Mas não tem problema, porque disposição é o que não nos falta hoje. Há uma gradiosidade de atitude, amplitude de movimentos e confiança na vida e no futuro, que nos fazem abraçar os desafios com entusiasmo e coragem – talvez até de maneira exagerada, meio gabola, o que pede alguma contenção para não nos precipitarmos e metermos os pés pelas mãos. Se conseguirmos esse mínimo de contenção, estamos aptos a identificar muitos dos entraves que nos prendem ao passado, às velhas artimanhas e desculpas pobres e caquéticas, a ponto de dar o salto de fé que precisamos, apostando alto que conseguiremos chegar do outro lado, transpondo muros, limites e barreiras que já não fazem mais tanto sentido, que só existiam na nossa mente e percepção – a percepção se aviva e vê além da ilusão repetida dos espelhos do labirinto das nossas falíveis crenças, estilhaçando-se diantes de nossos próprios olhos, abrindo portas e janelas que descortinam novos cenários, caminhos invulgares e insólitos para nós, se apenas ousarmos dar o primeiro passo na direção da ruptura do espelho viciado para repetir o mesmo cenário “adequado” e aceitável… Os muros e limites, o adequado e o aceitável, nos servirão de trampolim a nos dar o impulso e a força de que precisamos para ir além do improvável, adotar caminhos e soluções não trilhados e ainda não experimentados, até que a transformação ocorra de fatom – é unir o útil e necessário ao agradável; é pisar no solo firme para alçar vovos mais altos.  O dia está propício a este movimento e a estas identificações, cabe a nós encarar o desafio!

Avery Palmer - Reprodução

Avery Palmer – Reprodução

SÁBADO, 10 de dezembro – É dia de Saturno que recebe a conjunção do Sol Sagitariano. Mercúrio está em conversa sensível com Netuno, representado por um sextil, exato hoje. Enquanto isso, a Lua Ariana segue vazia na madrugada e ingressa em Touro somente às 10h41min, de onde logo fecha o tempo com sua senhoria, Vênus em Aquário. A Lua encontra distúrbios inconscientes no contato com Saturno e Sol e, devido a este aspecto ao Sol, entra na fase Corcunda. Este é um dia para voltar a atenção para nossos propósitos de longo prazo, verificando, com vagar e muito apreço, o esforço e comprometimento que eles vão requerer de nós e percebendo que os resultados serão duradouros, quaisquer que sejam esses resultados, bons ou ruins. É um ótimo dia para nos olhar no espelho com realismo, congratulando-nos por tudo aquilo que já realizamos, por tudo o que já crescemos e amadurecemos e percebendo com clareza e simplicidade onde ainda precisamos melhorar, quais inseguranças ainda precisamos superar. Diferenciar entre o que é real e o que não faz sentido nenhum para nós. Perceber quais medos e crenças, limitantes ou não, continuam a nortear nossas vidas e buscar modificá-las (quando for o caso) de acordo com os novos rumos que queremos dar aos nossos passos. Perscrutar o vazio interno, esvaziar-nos das visões enganosas que porventura tenhamos sobre nós mesmos.

Reprodução

Reprodução

Pode ser que haja um sentimento desconfortável de solidão e isolamento, mas isso é um lembrete de que de fato, nascemos e morremos sós, e de que precisamos conviver conosco mesmos, sem fugir de tal sensação, antes, abraçando a integralidade do ser que somos nós – porque em nós há uma multitude de seres e de dons. É perceber-se na vastidão e solidão do deserto interior e entender que, paradoxalmente, no fundo, não estamos sós, estamos em nossa própria companhia e a vida, essa vida infinita, também nos faz companhia e nos presenteia com o que precisamos. A solidão da qual reclamamos, pode trazer, na verdade, a paz de que tanto precisamos. Dar-nos conta de que o que precisamos já temos dentro de nós, todos os recursos estão aí, sempre estiveram, só precisamos acessá-los e desenvolver consistência e autossuficiência, algo difícil, mas possível. Achar o oásis dentro de nós, porque é inútil ir procurar lá fora! A Lua ajuda a dar corpo e base para as resoluções tomadas pela consciência, de modo que podemos realmente aproveitar essas influências para planejar o ano à frente, para buscar aplicar nossa visão de futuro de forma bem concreta e efetiva e para nos dedicar ao trabalho e aos objetivos, seriamente, comprometidamente!

Ilustração do poema de Cecília Meireles "Ou isto ou aquilo" - Desconheço o autor - Reprodução

Ilustração do poema de Cecília Meireles “Ou isto ou aquilo” Desconheço o autor – Reprodução

DOMINGO, 11 de dezembro – De Touro a Lua se harmoniza com Netuno e depois, mais visceralmente, com Plutão. Depois ela tem interações irritantes com Sol-Saturno e Júpiter, que estão os três, em harmonia entre si, tornando a Lua foco de um Yod-Dedo de Deus. A Lua se afina também com Quíron e como este recebe quincunce de Júpiter, Júpiter vira também foco de outro Yod por algumas horas. A Lua fecha a noite em quadratura não exata a Marte enquanto o Sol está bem próximo do trígono a Urano. O dia está preguiçoso e lento e queremos apenas sombra e água fresca… Entretanto, parte de nós gostaria de viver algumas aventuras, de encontrar pessoas novas e ampliar o escopo de atuação e das atividades… Um dilema que traz desconforto para a alma e o espírito, porque então ficamos inquietos, sem saber se descansamos e nos refestelamos no sossego da indolência ou se atendemos ao apelo de uma aventura não planejada; “ou guardo o dinheiro e não compro o doce ou ou compro o doce e gasto o dinheiro”… Esse desconforto fica mais agudo à tarde e pode se refletir na siesta domingueira sendo perturbado pela música alta do vizinho, pela balbúrdia dos parentes ao redor de um jogo qualquer, pela turma querendo experimentar algo novo… Quando tudo o que queríamos era ser deixados em paz… Ou talvez seja o contrário – nós estamos mais aventureiros enquanto os outros estão mais acomodados… O certo é que pode haver desencontros e inseguranças nas interações, a ponto de nos sentirmos deslocados em alguns momentos, talvez nos arrependendo de estar ali, com aquela sensação chata de desencaixe. Mas nada precisa ser levado tão a sério… Se formos flexíveis, mesmo o programa que parecia ter desandado de vez pode, de fato, se revelar uma surpresa ou, no mínimo, um aprendizado na arte da convivência e da mediação de vontades e desejos. Nem tudo precisa ser levado a ferro e fogo! A rigidez de opinião e de posturas não levará a lugar nenhum e talvez nos faça parecer mais imaturos do que realmente somos.

Uma excelente semana para você!

Sempre gratidão por sua companhia neste blogue! Deixo-vos com o poema de Cecília Meireles, que traduz bem o clima do domingo:

Ou isto ou aquilo

Cecília Meireles

Ou se tem chuva e não se tem sol,
ou se tem sol e não se tem chuva!

Ou se calça a luva e não se põe o anel,
ou se põe o anel e não se calça a luva!

Quem sobe nos ares não fica no chão,
quem fica no chão não sobe nos ares.

É uma grande pena que não se possa
estar ao mesmo tempo nos dois lugares!

Ou guardo o dinheiro e não compro o doce,
ou compro o doce e gasto o dinheiro.

Ou isto ou aquilo: ou isto ou aquilo…
e vivo escolhendo o dia inteiro!

Não sei se brinco, não sei se estudo,
se saio correndo ou fico tranqüilo.

Mas não consegui entender ainda
qual é melhor: se é isto ou aquilo.

Becca-Standler - Reprodução

Becca-Standler – Reprodução

Reprodução

Reprodução

%d blogueiros gostam disto: