Arquivo da tag: Astrologia Semanal

A Semana Astrológica – Amar dá trabalho

Ziegfeld – Reprodução

SEMANA de 24 a 30 de julho – Recomeços, novas ideias e projetos, que são colocados em ação com muita garra e determinação. Re-ignição do nosso Fogo Sagrado. 

O Sol ingressou em Leão, trazendo mais calor, generosidade e magnanimidade aos corações, além, é claro da necessidade de lustrar as jubas para brilharmos sob os holofotes do palco da vida!

Reprodução

Nesta semana o Sol faz conjunção a Marte e nosso propósitos ficam mais nítidos, a determinação e garra para realizá-los, mas aguçadas. Sol e Marte em Leão se aliam pelos mesmos propósitos – Como numa alcateia de leões, presidida por dois machos poderosos, responsáveis por proteger toda a família e assegurar o território – juntos são mais fortes! Mais do que nunca Marte está serviço do Sol, seu Rei! Esse par realmente colore os dias de entusiasmo, fé, nobreza, coragem e… drama, muito drama! Tudo é um caso de vida ou morte e nos empenhamos de corpo, alma e coração em tudo o que fazemos e empreendemos! Mas é preciso ter bom senso, para não cairmos na armadilha do orgulho e da arrogância, além, é claro, do autoritarismo. E lembrar também que cada um sabe o que é melhor para si e nós não precisamos perder tempo e sair “lecionando” pérolas sobre como o outro deve viver sua vida. Outro ponto importante é que Marte faz sesqui-quadratura a Saturno – junto com o Sol – colocando à prova todo o nosso entusiasmo, que pode passar por alguns testes, sem que nem nos demos conta. O quanto confiamos em nós mesmos, nossa força e nossa vontade para realizar nossos projetos? Vale ficar atentos para não abrirmos a guarda para movimentos de autossabotagem. Tirando isso, é aproveitar a vibração de otimismo e determinação!

Brooke Shaden Photography – Reprodução

Mercúrio em Leão faz trígono a Urano já na segunda e ingressa em Virgem na terça, signo regido por ele e onde ficará retrógrado a partir de 12 de agosto. Aliás, Mercúrio entra na zona sombria da retrogradação também na segunda, 24. Iniciando este ciclo de retrogradação, Mercúrio estaciona no dia 11/08 em oposição a Netuno em Peixes, pedindo bastante cuidado na comunicação, nas análises e negociações, além de assinatura de documentos durante o período. Nas próximas semanas estaremos nos preparando e já verificando o que será revisado nesta retrogradação.

Debra Heylen – Reprodução

Vênus faz oposição exata a Saturno na segunda-feira, um aspecto que nos lembra que relacionamentos, se for para darem certo, darão muito trabalho – não, não confunda com o “trabalho” que as relações doentias e de dependência dão. Relações sérias e felizes dão trabalho porque demandam maturidade, comprometimento, negociação. Exigem esforço, se for para durarem. Vênus em Gêmeos não gosta muito do compromisso, porque prefere estar livre, caso algo “melhor” apareça. A oposição a Saturno é um chamado à reflexão sobre se essa liberdade é assim tão “livre”, já que muitas vezes reclamamos de solidão; se nunca nos comprometemos, continuamos soltos, mas também não construímos nada de sólido. E às vezes, permanecer “livre” é, na verdade, uma fuga de si mesmo, fuga do confronto com as próprias inseguranças, um jeito de evitar o medo da rejeição e do abandono… Quer dizer, pode ser apenas um discurso vazio, usado para camuflar medo do abandono. E evitar, podemos evitar a vida toda, mas, seremos plenos? Depois do confronto com Saturno, Vênus conversa muito desprendidamente com Urano, mas cai no lodo de desolação de Quíron e aqui nossos medos vêm mais à tona, mesmo que tentemos camuflá-los, eles estarão muito nítidos para nós. Esses aspectos ficam exatos no fim de semana, e sugerem dias delicados nas relações, que ficam sujeitas a desencontros, incompreensão e exposição de feridas antigas. Contudo, como sempre, quando estamos dispostos a enfrentar o problema, ao invés de fugir dele, acionamos nosso potencial de curar a nós mesmos e às nossas relações. Vênus permanece em Gêmeos até 31 de julho, quando entra em Câncer.

Reprodução

Vênus estimula e dá ênfase ao semi-sextil que Quíron faz a Urano no fim de semana (um, de uma série de muitos) e eu me lembro que os dois têm algumas coisas em comum. Cada um tem seus significados e simbologias próprias, mas, de formas diferentes, ambos têm a ver com o arquétipo do outsider, o forasteiro, o esquisito, e especialmente Quíron, com a dificuldade em pertencer, portanto, uma reflexão é pertinente sobre a relação entre os dois. No que tange a isso, a esse tema do outsider, a diferença entre Urano e Quíron é que Urano representa aquelas excentricidades e esquisitices das quais temos orgulho e que até ostentamos como emblema, porque nos distinguem e nos tornam “diferentes” de um modo que nos parece positivo, porque não queremos ser iguais a “todo mundo”. É “cool”! É legal!

Reprodução

Quíron representa as esquisitices dolorosas, das quais nos envergonhamos e que, se pudéssemos, esconderíamos, mas elas ficam ali, sempre muito presentes. Quíron também pode representar um problema maior: a possibilidade de nos tornarmos “bode expiatório” em situações delicadas, especialmente quando está em aspecto próximo a planetas pessoais ou aos ângulos. Ambas as formas de “excentricidades” precisam ser integradas, igualmente. As “esquisitices” das quais nos orgulhamos, se não temos cuidado, podem nos alienar de outros, pois nos isolamos e nos diferenciamos em excesso a partir delas, afastando pessoas que poderiam ser significativas na nossa vida. No fundo, ostentamos tais esquisitices para lidar – mais uma vez – com alguma insegurança, do tipo, “não faço mesmo questão de pertencer a esse grupo careta”, quando talvez tenhamos nos sentido criticados e rejeitados por tal grupo lá atrás. Já no caso de Quíron, essas características que julgamos vergonhosas ou dolorosas também precisam ser integradas e aceitas, porque, além de também nos alienar de relações realmente significativas, se não integradas, nunca seremos inteiros, e conviveremos com a sensação permanente de buraco na alma, buraco que representa, exatamente, as qualidades que negamos e rejeitamos.

A órbita excêntrica de Quíron, mostrada no diagrama.

É interessante porque Quíron, que na verdade é um asteroide, tem um ciclo de 51 anos, enquanto Urano tem um ciclo de 84 anos. Ambos também são parecidos nisso, suas órbitas são excêntricas; Urano tem a atmosfera mais fria de todos os planetas e gira em um eixo tão inclinado, paralelo ao plano do sistema solar, que parece uma bola rolando numa superfície, é o único planeta que gira assim; Já Quíron, de quem se diz que não pertence realmente ao sistema solar e que pode desaparecer em algum momento, tem uma órbita excêntrica, atingindo o periélio numa área interior à de Saturno e afélio no limite interior à de Úrano, daí se diz que ele media os conteúdos e limites humanos conscientes (Saturno) com os conteúdos coletivos e inconscientes e a necessidade de mudar (Urano). Então, eles têm coisas em comum e devido ao fato de a órbita de Quíron ser tão excêntrica, os contatos entre eles podem levar anos. Este semi-sextil é o último aspecto de um ciclo que se iniciou entre 1898 e 1900, entre Escorpião e Sagitário. Entre 1952 e 1991 os dois ficaram numa dança de oposição, que ficou exata muitas e muitas vezes (entre as polaridades Câncer-Capricórnio, Leão-Aquário, Virgem-Peixes, Áries-Libra e Touro-Escorpião), marcando várias gerações, por quatro décadas, com uma assinatura peculiar: a visão da “sociedade perfeita” (Urano) é maculada pelo sofrimento e pela amargura da limitação humana (Quíron); a revolução conseguida à custa do sofrimento; os limites da natureza versus a visão do futuro. Este ciclo de Quíron-Urano finda somente em 2043, quando os dois fazem nova conjunção, em Leão. Até lá, esse semi-sextil se repetirá ainda algumas vezes, mas ainda assim, vale a reflexão sobre ele.

Johnny Depp como Edward Mãos de Tesoura, filme de Tim Burton, um filme, aliás, extremamente Quirôniano! Reprodução

As duas Luas Novas que ocorrem em Leão (23/07 e 21/08) trazem fortemente este tema, porque ambas ocorrem em aspectos com estes dois planetas – Quíron, na verdade, é um asteroide. E Vênus – que faz aspecto aos dois, ao mesmo tempo – nesta semana nos convida a refletir como isso repercute nas relações amorosas. Lidar com tudo isso não é fácil, não é fácil, não! Nunca é! Mas pode ser bonito e compensador! Teremos coragem? E você, como lida com suas “esquisitices”?

All Posters – Reprodução

A semana traz o colorido e a força da Lua Nova, que ocorreu em leão, no domingo, 23. A Lua entra na fase Semi-Crescente em Virgem, na quarta-feira. Ganha mais impulso relacional em Libra e oficializa o Quarto Crescente em Escorpião, no domingo. Na sua jornada de coleta de informações e impressões para o Sol, ela faz aspectos com todos os demais corpos celestes, ora harmônica, ora agressivamente. Estes movimentos simbolizam as alterações cotidianas na vida instintiva e nos humores na Terra. A Lua será Cheia no dia sete de agosto, a 15° de Aquário, lunação que será também um Eclipse Parcial da Lua.

Daria Werbowy, para Vogue Itália – Reprodução

SEGUNDA-FEIRA, 24 de julho – A Lua está nova, ainda em Leão e na madrugada fez quncôncio a Netuno e sextil a Júpiter. Durante o dia também encrenca com Plutão e se harmoniza com Saturno e Vênus, de formas diferentes, mediando o diálogo entre eles, que está bastante tenso, já que Vênus torna exata, hoje, a oposição a Saturno. A Lua finda o dia conjunta ao Nodo Norte e a Mercúrio, já formando um Grande Trígono de Fogo com Saturno e Urano. Mercúrio também está em trígono a Urano, exato hoje. O dia está tenso para as relações, particularmente as amorosas, que parecem dar mais trabalho do que valem a pena. É como se nos dessemos conta de que a relação demanda um esforço demasiado, sacrifícios demais e parece que só nós nos empenhamos e o outro apenas cobra, critica, julga, expecta… A ponto de nos sentirmos sozinhos dentro da relação – “solidão a dois, de dia, faz calor, depois faz frio”. E nos questionamos até que ponto estamos dispostos a ir, ou por que foi mesmo que começamos isso tudo… Realmente, relacionar-se dá muito trabalho, especialmente se estamos comprometidos em crescer, em ser melhores pessoas e melhores parceiros, em construir e viver relações mais felizes e saudáveis. Não é para os fracos e imaturos. Demanda trabalho, esforço contínuo e sim, haverá dias muito difíceis. Mas, nos dias difíceis é preciso lembrar o que nos uniu, o que me encantou nessa pessoa, em primeiro lugar; vale checar se a admiração continua, se as afinidades permanecem, se os projetos em comum ainda são válidos, a despeito dos problemas cotidianos. É o caso, também, de confrontar as projeções, as fantasias que tínhamos acerca do outro – e de nós mesmos enquanto parceiros – e da própria relação e perceber que a realidade pode ser um pouco diferente. E então, temos maturidade para lidar com essa realidade, minha, do outro e da relação? Ou será que agora, que o “brinquedo” já não está reluzente de tão “novo” perdemos o tesão, qual criança que perde o interesse tão logo se acostuma? Será que o príncipe virou um chato? Será que a princesa é uma megera? Amar é fácil, difícil mesmo é se relacionar, por isso a manutenção do amor dá trabalho. Ah! Sim! amar dá muito trabalho! Mas hoje, a despeito dessas tensões, conseguimos ser otimistas e nos animar a trabalhar essa relação, a estender a mão ao outro e dar o voto de confiança de que ele vá melhorar – ou dar crédito à nossa própria confiança, de que NÓS também vamos melhorar. Podemos ser honestos quanto aos problemas e desafios e, ao mesmo tempo, visionar as saídas possíveis, se estivermos dispostos ao esforço, ao trabalho – diga-se de passagem, bastante árduo – que consiste em criar uma relação de verdade, real, bonita, com erros e acertos. De modo geral o dia nos convida a lidar com sentimentos de menos-valia, criticismos, falas infelizes, julgamentos, cobranças, solidão e sensação de isolamento… Tudo para nos desafiar a a assumir o compromisso de cuidar melhor de nós mesmos e da nossa autoestima, para sermos capazes de nos defender e de ser justos, assumindo os buracos que precisam ser consertados, mas lembrando das áreas que estão funcionando bem, para não nos desmotivarmos inteiramente. Motivação, aliás, temos bastante para lidar com tudo isso, porque acreditamos que podemos mudar! E vamos em frente!

Reprodução

TERÇA-FEIRA, 25 de julho – De Leão a Lua faz trígono a Urano e, como ainda se afasta do trígono a Saturno, temos um Grande Trígono de fogo na madrugada. A Lua ainda faz quincôncio a Quíron e conjunção a Mercúrio, ficando vazia depois deste aspecto, às 06h22min. Ingressa em Virgem às 07h33min. Durante o dia faz sesqui-quadratura a Plutão e fecha a noite em orbe de oposição a Netuno. Mercúrio ingressa em Virgem às 20h41min. A noite pode ser povoada de sonhos mágicos que mensagens importantes para a vigília! Já o dia começa bem industrioso, com uma forte energia de organização e trabalho, que pode nos ajudar muito a recuperar o tempo perdido, especialmente se nos demoramos a mais no lazer recentemente. Há bastante clareza quanto às nossa prioridades e isso pode fazer o dia render mais ainda, porque traz foco e produtividade. Mercúrio ingressa em Virgem, indicando um período em que a mente tem sua capacidade analítica aumentada. Análises, estudos, pesquisas, revisões de métodos e de materiais… tudo isso fica favorecido enquanto Mercúrio estiver em Virgem (de 25 de julho a 31 de agosto e de nove a 29 de setembro), particularmente no período de retrogradação (11 de agosto a 5 de setembro).

Brooke Shaden Photography – Reprodução

QUARTA-FEIRA, 26 de julho – O Sol está em conjunção a Marte, seu guerreiro e embaixador, aspecto perfeito hoje! Mais do que nunca, Marte está atualmente a serviço do Rei, trafegando Leão. A Lua Virginiana faz sesqui-quadratura a Urano, se opõe a Netuno, faz trígono a Plutão e à noite quadra Saturno e Vênus – aspecto exato na quinta – e, vira a noite formando uma Grande Cruz Mutável pra lá de melindrosa, já que envolve Saturno e Quíron! Os dois significadores do feminino e também de relacionamentos emaranhados com esses caras espinhosos… Noite complicada! Entusiasmo, ânimo, coragem, ambição e muita energia são o pano de fundo do dia. Esse entusiasmo faz com que encaremos a maior parte das atividades com alegria e vigor, e mesmo, prazer! Contudo, há tendência a uma certa arrogância e é preciso ficarmos atentos para dosarmos o entusiasmo e não o impormos a outros. Nesse contexto, a Lua virginiana vem equilibrar e trazer alguma modéstia e “pé no chão” ao cenário. Mas há também incongruências, porque se o espírito está resoluto e decidido, o corpo e os sentimentos estão divididos, em “dú-vida – duas vidas”.  Sim, a industriosidade de ontem hoje está permeada de dúvidas e macula a determinação do propósito: qual o melhor método? Qual a hora mais adequada? Deveríamos mesmo estar fazendo isso? Nada pior que a auto-duvida para confundir aquilo que já havíamos decidido! Mas a dúvida às vezes pode ser amiga, se soubermos lidar com ela – ela nos obriga a checar as questões práticas, por exemplo, por exemplo – do contrário, podemos realmente nos perder nos emaranhados detalhistas da coisa “certa” a fazer, do politicamente correto, do recipiente certo, da cor exata… e quando vemos, não fizemos nada, porque estávamos discutindo detalhes! O dia pede que finquemos o pé no chão para discernirmos entre os detalhes que são cruciais e aqueles que são insignificantes, porque se misturarmos os dois, pomos em risco a realização do projeto. Já a noite traz dilemas mais densos e complicados, que envolvem nossas relações mais próximas. O ser masculino – Sol-Marte – está forte e poderoso; já o ser feminino sente-se desvalorizado, seja pelo masculino, seja pelo outro feminino, que é visto como concorrente, rival, inimigo – já vemos que essa é uma receita de confusão! Chafurdando na areia movediça das próprias inseguranças, vemos como ameaça qualquer vislumbre de algo diferente, que não conhecemos nem compreendemos e rotulamos de nomes menos nobres, uma depreciação que é, na verdade, como uma defesa do brio combalido. Mal sabemos que “a outra” – ou outro, não importa – está tão aflita quanto nós e, se tivéssemos a chance de chorar juntas, veríamos que partilhamos das mesmas pragas: autoestima baixa, medo de rejeição, medo de abandono, insegurança. No fundo, essa “outra” pessoa é parte de mim, é uma outra face da minha humanidade e vê-la como rival é apenas cair na armadilha que separa humanos que vivem os mesmos dilemas. Portanto, vale olhar para todos os “outros” das nossas relações como pedacinhos soltos de nós mesmos, para desenvolver nossa compaixão e senso de humanidade – e quando fazemos isso, até rimos muito do ridículo que é certas competições… De modo mais direto, a noite está melindrosa, porque os humores estão suscetíveis e as inseguranças, afloradas. Portanto, vale pegar leve antes de levar para o pessoal a brincadeira “sem noção” do outro; vale pensar duas vezes antes de fazer a brincadeira “sem noção”, que pode ofender ou pegar o outro num momento delicado. Nada como primar pela educação, a gentileza, a nobreza de caráter, levando em conta o credo cristão: não faça a outro o que não gostaria que fizessem a você! Gentileza e generosidade de espírito são essenciais para navegar essa noite melindrosa!

Reprodução

QUINTA-FEIRA, 27 de julho – A Lua está em virgem e entra a madrugada envolvida numa Grande Cruz Mutável ao se afastar da quadratura a Saturno, fazer quadratura a Vênus e oposição a Quíron. A madrugada fica bem complicada, particularmente para as relações afetivas. A Lua fica fora de curso depois da quadratura a Vênus, às 03h33min. Ingressa em Libra às 12h37min. À noite a Lua se harmoniza com Marte e com o Sol. Se a madrugada esteve sujeita a desencontros e confusões amorosas, a amanhã traz um sabor desconcertante, de ideias confusas e sentimentos contraditórios. Ficamos inseguros se é melhor abrir o livro e o verbo e escancarar as coisas ou manter-nos discretos e contidos, para não chamar a atenção sobre nossa “desgraça” e infortúnio. A manhã traz essa sensação de divisão até nas coisas menores: prendemo-nos demais aos detalhes e isso nos faz perder o foco e a visão maior, de modo que a produtividade fica comprometida. De qualquer forma, não há energia suficiente para realizar mundos e fundos e o ideal é ater-se ao básico e à rotina. A tarde realça dúvidas de outo tipo, mas acentua a necessidade de ação, de resolução. A noite permite um alinhamento da vontade e dos propósitos com os sentimentos e necessidades de conforto e segurança, de modo que há maior clareza sobre os caminhos e atitudes a se tomar.

Reprodução

SEXTA-FEIRA, 28 de julho – A Lua Libriana faz quincôncio a Netuno,  conjunção a Júpiter – preste atenção no céu noturno, a conjunção estará belíssima! – e quadratura a Plutão. Vênus está muito próxima à quadratura a Quíron e ao sextil a Urano. O dia começa confuso, possivelmente com alguma indisposição indefinida, que pode ser física ou mesmo emocional. Conforme as horas passam, a indisposição fica mais distinta. Por um lado estamos animados e entusiasmados com nossos projetos, mas por outro, há tensões que precisam ser endereçadas e das quais não podemos fugir, por mais que queiramos. Muito do nosso otimismo é gasto em lidar com algumas cobranças e pressões externas, e muita energia também é dispendida em averiguar nossas motivações mais obscuras para fazer o que fazemos e para nos envolver nos imbróglios e e crises que criamos ao nosso redor, ou no mínimo, que atraem a nossa atenção. A noite está mais sujeita a erupções e explosões do humor e a tentativas de manipulação e jogos de poder nas relações. Quem sabe ir lá fora apreciar a noite e as estrelas possam nos ajudar a espairecer e colocar as coisas em melhor perspectiva. Ao olhar a escuridão da noite – se você conseguir fugir da iluminação artificial – podemos simbolizar a escuridão da nossa própria alma, aquelas regiões do nosso coração e do inconsciente a que normalmente não temos acesso, mas das quais podemos ter vislumbres iluminadores quando nos aproximamos com a devida reverência, honestidade e cuidado. O céu noturno também oferece o belo espetáculo da conjunção Lua-Júpiter – e Júpiter também está em quadratura a Plutão, exata em 05/08. Podemos nos sintonizar com esse poder de expansão e de auto-melhoria, trazendo para mais perto de nós essa possibilidade de iluminar, com benevolência, aspectos sombrios de nós mesmos, com vistas a reconhecê-los e transformá-los. Ao olhar o céu noturno e vermos a Lua e Júpiter, podemos dirigir uma oração, um rezo ao deus agradecendo por ser quem somos e estar onde estamos (esse é um agradecimento frequente para mim), porque só assim podemos experienciar tudo o que vivemos nas nossas vidas, no que ela tem de mais belo – como este céu iluminado – e no que ela tem de mais complexo, como os paradoxos da nossa condição humana! E que Júpiter nos abençoe com a sua benevolência!

Reprodução

SÁBADO, 29 de julho – Vênus quadra Quíron e faz sextil a Urano, ambos os aspectos exatos hoje. Quíron faz semi-sextil a Urano, exato também na virada de hoje para amanhã. A Lua Libriana se afina com Saturno, enquanto também ativa Quíron-Urano, ao fazer quincôncio àquele e se opor a este. A Lua fica vazia depois da oposição a Urano, às 18h32min. Ingressa em Escorpião às 21h23min. A madrugada está permeada de algumas angústias e aflições que podem atrapalhar relações íntimas; ou podem se manifestar como sonhos estranhos, que podem nos fazer relembrar algumas dores e rejeições antigas. O fato é que a atmosfera está meio carregada e isso é sentido na vigília, pois estamos inseguros e suscetíveis e, autoestima meio capenga e, por mais que haja também resiliência e afirmação de autonomia, ainda temos que lidar com a desconfortável sensação de desamparo e a dificuldade de expressar o que sentimos de forma segura e tranquila, de modo que ou nos reservamos e isolamos ou ficamos defensivos nas tentativas de interação, para nos preservar de dores e sofrimentos, que podem reverberar de experiências passadas ainda não completamente curadas. As lembranças vêm e vão e nessas idas e vindas podem causar amargor ou propiciar maior entendimento dos nossos processos relacionais, caso estejamos dispostos a sair da posição de vítima inocente – coisa que, obviamente, ninguém é. Tais lembranças podem ser iluminadas por um olhar mais arguto e maduro, com mais desprendimento e maturidade e podemos escolher deixá-las ir, dar outros significados para as vivências difíceis e aprender com elas; liberar o outro das nossas queixas e mágoas e com isso, liberar-nos do peso da cobrança e do fardo sofrido que estivemos acalentando e carregando por tanto tempo. Sim, a ferida reaberta pede para ser revista, pede por assepsia e purificação, pede por uma medicina nova: compreensão e perdão, de si para com o outro e para consigo mesmo. É isso ou então continuaremos na lenga-lenga do “ninguém-me-ama-ninguém-me-quer”, quando na verdade, nem nós talvez queríamos a nós mesmos. Precisamos ser capazes de olhar para nós mesmos com respeito, compaixão, aceitação e amor, só assim seremos capazes de oferecer isso ao outro e de reconhecer quando isso também nos for dado.

Reprodução

DOMINGO, 30 de julho – Quíron está em semi-sextil pleno a Urano. De Escorpião a Lua se harmoniza com Mercúrio em Virgem, quadra Marte e oficializa o Quarto Minguante ao fazer quadratura ao Sol. Faz sesqui-quadraturas a Quíron e a Vênus e vira foco de um Martelo. Fecha a semana em trígono a Netuno em Peixes. O domingo traz uma profundidade que nos convida a interações nada banais, nada leves. Pelo contrário, as trocas hoje precisam de engajamento apaixonado, evitar as superfícies seguras e embrenharmo-nos nas trocas mais densas e significativas. Pelo meio da manhã o clima pode ficar mais tenso e, se não tivermos escolhido bem as companhias, as trocas podem descambar para intrigas e disputas por território ou por domínio de assuntos e mesmo do outro. O que nos leva ao questionamento sobre o quê nos faz sentir ameaçados, o que isso diz sobre nós e nossa história e como podemos lidar com isso para que não atrapalhe as relações – porque às vezes a sensação de ameaça pode ser infundada e queimar pontes que estávamos construindo. A Lua entra no quarto Crescente, a Partir de Escorpião e nos convida a assumir nossa ambição e nosso poder, a não ter medo de apropriar-nos dos nossos talentos e reais habilidades e colocá-los a serviço da busca pela liderança; o Crescente também convida a conter um pouco nosso orgulho, vaidade, desejo de “aparecer”, se for para nossos projetos frutificarem realmente – muitas coisas, para serem bem sucedidas, precisam ser ocultados de olhos curiosos, até para escapar na vulgaridade e da banalidade das coisas que “todo mundo viu, todo mundo sabe”. Assim, por mais que nosso ego e vaidade clamem por divulgar sobre aquele projeto “mara” no qual estamos envolvidos, enquanto a coisa não estiver de fato sólida e sacramentada, é melhor deixar que germine no escuro, longe d olhos críticos e inclementes, de torcidas contrárias – chame de paranoia de Escorpião, que seja! – e, no mínimo, salve o projeto, os desejos e intenções da dispersão desnecessária de energia. Resguardemo-nos! Quem tem confiança não precisa do aplauso do outro, por coisas que ainda nem foram de fato realizadas! Isso pode nos poupar energia e dores de cabeça!

Uma ótima semana para você!

Reprodução
Barbed Wire Art – Reprodução

Lua Nova em Leão – Fogo Solar, Fogo da Consciência

Desconheço o autor – reprodução

Você anda se sentindo meio para baixo, desanimado? Anda duvidoso da vida e de si mesmo? Sente que só trabalha e lida com problemas sem ter tempo para brincar? Seus problemas acabaram! Vem aí a Lua Nova de Leão, que vem incendiar sua vida de entusiasmo, coragem, confiança, otimismo e paixão! E de quebra, ainda a/o convida a abraçar sua natureza única, seja ela aceita pelas tribos “in” ou totalmente outsider! Brincadeiras à parte, a Lua Nova que acontece em Leão neste domingo realmente vem dar uma sacudida no pessimismo e na falta de ânimo que tem nos acometido nos últimos tempos. A Lua se renova no grau 00°44’ (tecnicamente, grau 1) de Leão, conjunta a Marte, separando-se da quadratura a Urano e do trígono a Quíron, ambos os aspectos fora de signo. A lunação ocorre às 06h46min no horário de Brasília e às 09h46min no horário de Lisboa.

Reprodução

Marte esteve muitas semanas em Câncer, signo que é muito desconfortável para ele e agora, em Leão, Marte se sente à vontade, na casa de um amigo, da mesma forma que o Sol, dono da casa Leonina, se sente à vontade na casa de Marte, Áries. E onde Marte chega ele aviva, atiça, anima, põe fogo e sendo Leão um signo de fogo, já vimos que os ânimos se incendeiam e, neste caso, positivamente! Portanto, uma vez que a Lua Nova ocorre em conjunção a Marte, este é um ciclo em que nossa vontade está mais firme, em que temos mais ânimo e gosto de lutar.

Reprodução

Leão é o signo de Fogo Fixo, o fogo constante, da fogueira que aquece a noite toda. Ao falar sobre o Símbolo Sabiano para o grau 1 de Leão, Dane Rudhyar, um dos mais importantes astrólogos do século XX, diz que a nota-chave deste símbolo é “uma irrupção de energia bio-psíquica no campo da consciência controlada pelo ego”. Bom, vamos olhar isso com calma. O Símbolo Sabiano traz a seguinte imagem: “O sangue se precipita à cabeça de um homem enquanto energias são imobilizadas sob o estímulo da ambição”. Rudhyar nos lembra que na tradição oculta três tipos de fogo são mencionados: o elétrico, o fogo solar e o fogo por fricção e cada um deles corresponde a um dos signos de fogo do Zodíaco.  Áries corresponderia à eletricidade, o fogo que desce do espírito, pela Palavra Criativa, o Verbo. Sagitário representa o fogo por fricção porque representa processos sociais, que são baseados em relações interpessoais, em polarização, em conflito. Já Leão representa o Fogo Solar – até porque é regido pelo Sol – e Rudhyar diz que isso representa a energia de uma pessoa integrada, “seja através de radiações espontâneas de formas de energias aparentemente nucleares, ou, no nível verdadeiramente humano e consciente (e também sobre-humano em domínios transcendentes), através de emanações  conscientes (e-manações, de manas, que significa ‘mente’ em sânscrito).

Reprodução

Rudhyar prossegue dizendo que o símbolo de Leão mostra uma elevação de energia do coração para a cabeça, uma mentalização, um processo que pode ser perigoso, dependendo de como é conduzido e ele se refere ao clarividente que “viu” todas as cenas simbólicas dos Símbolos Sabianos, dizendo que ele teria visto uma cena de ‘apoplexia’, ou insolação, excesso de sol na cabeça e na pele. O Sol dá a vida ou pode destruí-la, depende da relação que estabelecemos com ele. Da mesma maneira é o fogo. Rudhyar vai adiante e diz que a realização do eu espiritual depende de o ego se tornar um cristal puro, capaz de focalizar a luz cósmica, sem ser maculado pelo orgulho, vaidade e possessividade. “A transmutação da vida na mente é um processo difícil”, diz Rudhyar. Podemos ser iluminados ou incinerados – depende do quanto estamos preparados e do equilíbrio entre a confiança e a humildade. O fogo que aquece e dá vida pode facilmente se tornar destrutivo e virar um incêndio descontrolado. Uma combustão. Os processos de combustão geralmente têm subprodutos, que dependem dos elementos geradores da combustão original. Mas a combustão é geradora de energia e de onde vem essa energia e como a utilizamos, define se somos transformados ou destruídos por ela.

Um vídeo que mostra um homem fazendo experimentos com uma “lente” gigante (uma tela de TV descartada) sobre a qual é projetada a luz do Sol.

Essa imagem do fogo solar nos lembra o processo em que o fogo é gerado quando a luz do sol é projetada sobre algum tipo de lente. Esse é literalmente o Fogo Solar – pode salvar ou destruir vidas, dependendo de como é utilizado. Essa lente, como diz Rudhyar, é o ego. Se o ego é forte e saudável, ciente de suas limitações e de que está a serviço do espírito e da alma, ele será um transmissor, um transmutador da luz solar num fogo criativo que transforma e liberta; ao contrário, se o ego é fraco, logo se infla e se enche de auto importância, levando a situações desastrosas, porque é frágil, inseguro e vai usar símbolos exteriores de poder para camuflar essa insegurança. Essa é uma diferença básica entre o Leão positivo e o negativo e esse é um tema básico do Leão – um tema que está bastante realçado na Lua Nova e, por conseguinte, no ciclo todo. É essencial, pois sabermos, qual é o fogo que nos move, se é o fogo que cria ou o fogo que destrói; se é o fogo da criatividade e da alegria ou o fogo do orgulho e da vaidade vazios. Se este fogo está a serviço do espírito e da vida ou apenas a serviço de um ego oco e inflado.

Reprodução

Vigiar o ego e suas escorregadelas é essencial neste ciclo, iniciado por Lua e Sol conjuntos a Marte, planeta do “eu primeiro, segundo eu, terceiro, eu de novo!”. Sim, é importante darmos prioridade a nós mesmos, porque, afinal, somos a pessoa mais importante de nossas vidas, como diz a canção popular, “sem mim, eu não sou ninguém”. Mas quando isso sai de proporção, perdemos a noção da convivência e da civilidade, porque esquecemos que há outros ao nosso redor e o fogo que deveria trazer um calro agradável torna-se asfixiante e destrutivo.

Reprodução

Rudhyar diz que essa é a nona cena da primeira etapa da vigésima-quinta sequencia de símbolos, cujo tema e discurso é a ‘combustão’ e cujo nível é o da ação. Combustão dispensa interpretações, mas tomando-a por base, a palavra-chave para este grau de Leão é CONFLAGRAÇÃO. Ou seja, fala das “energias dos impulsos biológicos à medida que irrompem, de forma mais ou menos agressiva, no campo da consciência”. Então, a combustão pode levar a uma conflagração, que é uma tomada de consciência, a posição e consequente ação do eu (fogo) sobre a matéria para transformá-la positivamente. Ou pode, simplesmente, destruir, no seu ímpeto desvairado, como quando o conflito-conflagração desconhece os limites e o sujeito fica possuído, tomado pelo ego, identificado demais com os poderes do espírito, acreditando que são seus, sem perceber que ele é apenas um vaso, um receptáculo de tais forças. O fogo pode, ainda, simplesmente extinguir-se, ser desperdiçado, sem criar ou transformar nada. O que nos leva à pergunta: que tipo de lente nós somos sob este Fogo Solar? Como estamos utilizando o fogo sagrado em nós? Ele é faísca criadora de vida? É labareda da pira sagrada que calcina e purifica nossa matéria mais bruta e inferior? É chama transmutadora de processos e de consciência? Ou é apenas fogo de oba-oba de quem solta fogos de artifícios para “se mostrar” e fazer ruído? Pois então, o fogo ganha vigor e força neste ciclo e depende de nós utilizá-lo criativa e positivamente. E não é qualquer fogo, é o Fogo Solar, trazedor de consciência, para aqueles que estiverem atentos e disponíveis.

Voltando ao mapa da Lua Nova, lembramos que a conjunção a Marte vem ressaltar esse fogo da paixão, do entusiasmo, do fervor. O que nos leva a outras perguntas: pelo quê ou por quem estamos apaixonados? Essa paixão nos transforma positivamente? Marte também traz ímpeto, dinamismo, coragem, garra e vigor, tudo isso temperado com nobreza, portanto, podemos esperar um ciclo mais dramático, mais vivo, mas possivelmente, também mais justo.

Reprodução

Leão, como já disse em outros artigos, é o signo da criança – assim como é um dos signos do Pai – da espontaneidade, da alegria de viver, de viver pelas verdades do coração. E o que isso diz do ciclo? Que é hora, justamente, de recuperar ou reviver esses valores. De viver com mais autenticidade, com mais honra e também mais alegria. Como? Dando-se conta do que nos alegra no dia a dia, desde as coisas mais simples, às coisas mais significativas e, percebendo isso, dar um jeito de trazer isso para nossa vida. Leão também é signo generoso e leal e vem nos conclamar a viver esses valores também.

Outro ponto digno de nota é que Mercúrio faz um Grande Trígono de Fogo, ao fazer trígono a Saturno em Sagitário e a Urano em Áries, ou seja, constrói uma ponte de imaginação e inspiração entre duas forças opostas, atualmente dispostas a dialogar: o velho e o novo, a tradição e a inovação, a estabilidade e o progresso. E a mente (Mercúrio) é a ponte para tal diálogo. Temos, pois, oportunidade de costurar e conciliar esses conceitos e princípios que parecem tão díspares e a partir de tal conciliação, alterar a vida sem grandes e terríveis turbulências. As oportunidades estão aí, depende de nós agarrá-las ou não.

Reprodução

Vemos também que a Lua se afasta da quadratura a Urano e do trígono a Quíron. Ambos, Urano e Quíron, de formas diferentes, representam o “outsider”, o forasteiro, o esquisito, o estranho. Urano faz questão e se compraz em ser estranho, porque adora chocar; já Quíron, resigna-se nesse papel, afinal, ele não o escolheu. De qualquer forma, ambos representam a originalidade, os caminhos diferentes, muitas vezes dolorosos, porque podem ser ou parecer “inaceitáveis” para as correntes convencionais. Para Leão, que precisa tanto da admiração de seus pares, é necessário algum trabalho para aceitar as peculiaridades que o coloquem como muito diferente do seu meio, especialmente quando essa diferença o faz vítima de algum preconceito ou segregação. Por fora ele pode esbanjar confiança, mas internamente pode ser afligido pela insegurança. Assim, a Lua Nova sinaliza um tempo de grande potencial de integração das nossas diferenças e inseguranças; um tempo, de abraçar nossas esquisitices, reconhecê-las e integrá-las à nossa identidade, aceitá-las e, consequentemente, aceitar-nos mais integralmente. E quando estamos inteiros, temos mais chances de realizar nossos potenciais e ao realiza-los, transformar e iluminar o mundo à nossa volta. Portanto, a Lua vem sinalizar um tempo de nos darmos conta e tomarmos posse do nosso Fogo Interior, do Fogo Solar que nos sustenta e sustenta nosso espírito, dando ignição para a consciência realizar-se no mundo. É tempo de ficar atentos ao que move nosso coração, figurativa e literalmente: o que faz seu coração bater mais rápido? Isso pode nos dar muitas pistas sobre aquilo que nos incendeia e motiva e também sobre os potenciais latentes e ainda não expressos, esperando a “lente” certa, através da qual serão despertos ou acesos. Aproveite o ciclo de Leão e se observe, observe o que traz alegria o que faz o coração parar ou acelerar! É tempo, pois, de viver a alegria e a espontaneidade da nossa criança, segura, confiante, alegre e feliz!

Reprodução

É importante lembrar que vamos viver dois ciclos seguidos de Leão. Sim! Temos esta Lua Nova ocorrendo domingo, a zero de Leão, culminando no eclipse e Lua Cheia de Aquário no dia sete de agosto; depois teremos outras Lua Nova em Leão, a 28°52’ deste signo, lunação que é um Eclipse Total do Sol – que aliás, cai em conjunção exata ao ASC e marte do presidente americano Donald Trump e que passa sobre os EUA, dividindo-o ao meio, de Leste a Oeste, prometendo muitas reviravoltas na política americana! Este segundo ciclo Leonino culmina na Lua Cheia de Peixes, no dia seis de setembro. Quer dizer, é uma baita ênfase na energia de Leão, certo? Quer recado mais potente do que esse? Portanto, é hora de nos apossarmos desse Fogo e permitir que ele queime o que precisa ser queimado e que gere nova vida, que incendeie nosso espírito de vigor, coragem e confiança. Além de alegria!

Dreamstime – Reprodução

Leão é o signo que rege o coração, figurativa e literalmente. Tendo dois ciclos seguidos regidos por esse signo, e ainda, considerando-se que teremos um eclipse bastante tenso ocorrendo aqui, as pessoas que têm qualquer problema ou propensão a problemas de coração precisam ficar muito atentas e ter cuidados dobrados com a saúde – é um tempo de emoções intensas e o coração fica mais “excitado” e pode ser exigido demais, portanto, vamos cuidar do nosso coração, também no plano físico!

Para este ciclo, vale se perguntar: com qual fogo você está alinhado? Quais “esquisitices” você carrega que ainda precisam ser integradas? Que paixões positivas podem trazer mais vigor e gozo ao seu dia a dia? Que tipo de lente o seu ego propicia ao fogo sagrado do espírito? Esse fogo que você carrega, vai aquecer ou vai destruir?

Crystal Hazelton – Reprodução

Eu desejo a você um maravilhoso ciclo de Leão! Que possamos ter coragem para expressar o fogo dos nossos potenciais criativos e a audácia de viver a alegria, pelos valores do nosso coração!

Reprodução

Feliz Lua Nova para você!

Desconheço o autor – reprodução

A Semana Astrológica – Do que você tem medo?

Semana estendida de 30 de junho a 09 de julho

Não consegui publicar a semana corrente na data certa, então, aproveito e já publico o período estendido até a semana que vem – estou em viagem, no interior do Maranhão, com acesso limitado à internet – por isso também o post sai com imagens limitadas.

Este período está bastante catártico, com crises atuais ressuscitando dores e mágoas antigas e que podem tanto nos endurecer e amargar um pouco mais, ou nos libertar dos ranços e bolores emocionais para uma vida mais doce e serena. Nossos medos também ficam aflorados e nos fazem questionar o que é realmente essencial para nós.  Estou falando dos trânsitos correntes do Sol, Marte e Mercúrio por Câncer, todos em confronto com Plutão em Capricórnio crises que atingem seu apogeu na Lua Cheia de Capricórnio que ocorre no dia 09 de julho, domingo da semana que vem.

Marte, já neste fim de semana, enfrenta o poder de Plutão e como Plutão é a oitava mais elevada de Marte, é sempre formidável um embate entre os dois, representando momentos de grave tensão, propensão à violência, tanto nas relações pessoais, quanto nas interações impessoais e sociais. Há conflitos de poder, tentativas de controle e as consequentes insurreições, que tendem a derrocar em agressividade explícita e física, caso não se consiga contornar as beligerâncias. Se não estamos cientes de nossa própria agressividade não expressa e preferimos nos identificar com a ovelha mansa e dócil, podemos cair direto nas garras de lobos famintos, que ficarão felizes em nos dar uma lição de sobrevivência e de até onde está disposto a ir quando isto está em jogo. Marte-Plutão sempre nos questionam como temos usado nosso poder, se o usamos sabiamente, sem desculpas, ou se o delegamos a outros, por medo de suas implicações, por medo de nos rendermos a ele; também nos incita a olhar se não abusamos desse mesmo poder, intimidando, agredindo, violando a outros ou a seus recursos, por não entendermos que devamos respeitar os limites alheios. Tudo isso, dependendo do quanto temos trabalhado nossa sombra e essas questões dentro de nós. Marte também faz quincôncio a Saturno, sugerindo inseguranças recalcitrantes que voltam a nos afligir e que vão demandar autocompaixão e tolerância conosco mesmos.

Antes de Marte, Mercúrio fez o mesmo percurso, digladiando nos mesmo desafios, fazendo primeiro quadratura a Júpiter e depois oposição a Plutão, de modo que de quinta a domingo desta semana, as coisas ficam deveras tensas e carregadas. Estouros podem ocorrer e os canos que jaziam entupidos de muitos detritos antigos, sangram agora, alagando os arredores com nossa raiva antes represada, que agora jorra aos borbotões, espantando a muitos, inclusive a nós mesmos. Tais inundações da raiva não ocorreriam, se mantivéssemos nossos canos limpos de tais resíduos. Como fazer isso? É um exercício permanente, diário, de se vigiar, de gerenciar a própria raiva, irritação e frustrações, de saber colocar e respeitar os próprios limites, de saber dizer não quando se quer e se precisa dizer não, de saber ser honesto consigo e com o outro, ao invés de engolir os impropérios e mariná-los para depois. Não, não é o caso de explodir todos os dias e proferir os impropérios, mas pelos menos de reconhecer quando se sente invadido, quando não se está satisfeito e pontuar isso, de forma firme e adequada – assim, não será necessário explodir ou implodir mais à frente, quando o copo encher ou quando os canos entupirem. A nosso favor temos o fato de Marte já ter voltado aos limites do Sol, estando menos selvagem e descontrolado. Mercúrio, por outro lado ainda está nessa condição até dia 01/07, requerendo cautela, porque as línguas ficam mais do que ferinas, potencialmente letais.

Na semana que vem o Sol fará os mesmos movimentos. Faz quadratura a Júpiter (05/07) e depois oposição a Plutão (09/07) e é a vez de a consciência ser inundada pelos conteúdos sombrios do inconsciente, nossas dependências infantis, desejos de onipotência e controle através de artimanhas sutis, mas muito efetivas. Precisamos mesmo recorrer a tais artimanhas? É mais um momento de confronto com nosso senso de (im)potência. No mundo exterior isso se manifesta como conflitos intensos de  busca de domínio sobre terceiros, já que talvez não conseguimos dominar nossas próprias inseguranças internas. O desejo de controle geralmente nasce da insegurança profunda, do medo de ser controlado e de ficar à mercê do que quer que seja: pessoas, situações, eventos, então, predomina a máxima: antes ele do que eu, e para não me sentir dominado e controlado, eu controlo e domino. Estes são dias ótimos para perscrutarmos nossa alma e verificarmos quando controlamos e quando nos sentimos controlados e como agimos ou reagimos diante disso. O Sol também fará trígono a Netuno, o que provavelmente nos ajuda a lidar com todos esses dilemas com mais serenidade e auto compreensão – se não temos compaixão por nós mesmos, quem terá?

Depois de ter feito a Conjunção Superior ao Sol e de lidar com todos esses desafios, Mercúrio deixa as águas de Câncer e ingressa em Leão e começa a se afastar do Sol, preparando-se para seu próximo ciclo de retrogradação, que começa em 12 de agosto, em Virgem. Em Leão Mercúrio se comunica de forma magnânima, mas também dramática! Há um grande interesse nas artes em geral e o auto interesse também é acentuado. Caso não esteja aflito, há o entusiasmo e a alegria de um coração jovem, coisa que é reconhecida pelas crianças, com quem costuma de relacionar bem. Mercúrio fica em Leão de 5 a 25 de julho, quando então ingressa em Virgem.

Quem também muda de cenário é Vênus, que sai dos campos bucólicos de Touro e torna-se mais urbana e sofisticada em Gêmeos. Nesta semana que termina Vênus fez quincôncio a Saturno, movimento que pode ter significado alguns estremecimentos nas relações em geral, motivados por inseguranças ou incompatibilidades de valores e interesses. Talvez o posterior sextil a Quíron nos ajude a ter mais compreensão das dificuldades alheias, assim como das nossas próprias, o que pode nos ajudar a encontrar algum caminho de conciliação. Vênus entra em Gêmeos no dia quatro de julho, onde fica até o dia 31, quando ingressa em Câncer.

Quíron estaciona na sexta, dia 30, para entrar em retrogradação no sábado. Esse movimento de Quíron nos convida a reavaliarmos como temos lidado com o tema das feridas incuráveis na nossa vida, da bisca ou oferta de ajuda e a cura proveniente de tal atitude. Quíron fica retrógrado de 1° de julho até 06 de dezembro e como Saturno volta ao movimento direto em agosto, os dois ainda se batem uma vez mais na quadratura atualmente em curso. Este é um aspecto bastante difícil e quem sente de forma mais contundente e pesada são os signos mutáveis, particularmente Gêmeos e Sagitário, mas também Virgem e Peixes. Nos próximos meses estaremos refletindo sobre nossas fragilidades sem conserto, nossa tendência ao vitimismo ou à amargura, nossa abnegação e a busca do bálsamo da cura, através da ajuda ao outro.

E, finalmente, nos próximos dias também vemos ocorrer o terceiro e último quincôncio de Júpiter a Netuno, precisamente na virada de terça (dia 04) para quarta. Expectativas exageradas, seguidas de experiências de desencanto são sugeridas por este aspecto, particularmente no que tange a figuras eclesiásticas e religiosas em geral, como também em relação a juízes e e a leis. Engodos podem se dar, sob o disfarce da benevolência aos oprimidos e desvalidos; há dificuldade em ater-se aos limites, sejam os pessoais ou sociais; há propensão aos exageros no otimismo, nos planos de crescimento, na busca por melhoria. Se conseguimos controlar tais rasgos doudivanas, podemos tirar proveito de um aumento da criatividade, mas é preciso ter muito pé no chão para não nos deixarmos levar por planos mirabolantes que talvez deem em nada! Cautela, mais uma vez, como promessas feitas ou ouvidas – elas podem nos levar à nau dos insensatos, que está fada a naufragar. Esse último quincôncio entre Júpiter e Netuno ocorre com a Lua vazia, em Escorpião, sugerindo que é ainda mais difícil ter clareza de nossas expectativas fantasiosas, e que não devemos mesmo nos apegar a elas, pois nada está determinado ou preciso e os resultados tendem a nos surpreender, a sair muito diferentes da nossa esperança – provavelmente de forma negativa.

A Lua fecha esta semana em Escorpião, na fase Crescente. Fica Corcunda ainda em Escorpião na terça-feira, dia quatro. Engorda e arredonda-se mais um pouco em Sagitário e, plenamente prenhe, dá à luz em Capricórnio, no apogeu do ciclo, no domingo, dia nove de julho. Nesta jornada cheia de altos e baixos, a Lua conversa, sussurra, briga e interage de formas diversas com todos os demais planetas, sinalizando as mudanças de humores aqui na Terra.

SEXTA-FEIRA, 30 de junho – Vazia em Virgem, a Lua faz oposição a Quíron. Ingressa em Libra às 03h02min, de onde entra na fase Crescente, às 20h52min. Quíron estaciona às 03h10min. Dia de focar no equilíbrio, na harmonia e na civilidade, sem deixar de ser assertivos quando se fizer necessário. A Lua fica Crescente em Libra, em quadratura ao Sol em Câncer e sinaliza que para avançarmos na direção da maturidade, é preciso deixar muita coisa para trás. Para se formar uma nova família, ser parte de um casal (Libra), é preciso deixar para trás a família de origem e o passado (Câncer) para poder olhar para o futuro e fundar o novo núcleo. Libra também convida a viver as relações de forma equilibrada, como é o caso das relações laterais. Já não nos relacionamos nas bases da hierarquia e da dependência das relações parentais, mas de igual para igual, em que as pessoas envolvidas da relação têm obrigações e direitos iguais dentro do arranjo, precisam dar e receber igualmente, para que a parceria se sustente e tenha futuro.

SÁBADO, 1° de julho – Quíron entra em movimento retrógrado na madrugada. A Lua Libriana, já na fase Crescente, faz conjunção a Júpiter, quincôncio a Netuno em Peixes, quadratura a Plutão em Capricórnio e a Marte e Mercúrio em Câncer, formando uma poderosa T-Square, da qual ela mesma é o foco, junto com Júpiter. A Lua faz ainda sextil a Saturno. A princípio o dia começa com otimismo e nos sentimos magnânimos, expansivos e generosos, querendo a companhia de outras pessoas para socializar e interagir. Mas conforme as horas passam, a propensão à indecisão aumenta grandemente, porque sentimentos, pensamentos, atitudes e necessidades estão todos em contradição e assim nos sentimos extremamente irritadiços e intolerantes, com o estopim curto, devido à frustração conosco mesmos, por não conseguirmos nos alinhar internamente. As explosões trazem o alívio catártico, mas por outro lado, deixam-nos sentindo vexados e constrangidos por não conseguirmos conter nosso mau humor e insatisfação. Antes de mais nada precisamos reconhecer essas contradições interiores e admitir que precisamos fazer algumas escolhas chatas, abrindo mão de algo que gostaríamos, em favor de algo mais importante, do qual precisamos – precisar sempre é mais forte que querer! Delegar a escolha e a decisão para outros é o pior que podemos fazer hoje, porque o resultado final pode ser desastroso, tanto porque não nos agradará, quando porque poderá piorar os atritos já existentes. Sejamos honestos e banquemos nossas decisões, porque somente nós podemos ser responsáveis se elas se revelarem acertadas ou equivocadas. Entregar nosso poder ao outro, pode não só diminuir nosso respeito próprio, como nos colocar em situações arriscadas de vulnerabilidade diante de pessoas que talvez não devêssemos confiar tanto assim. Para ter a paz e o equilíbrio que tanto buscamos, precisamos abrir mão da imagem de imparcialidade que gostamos de cultivar. É preciso tomar partido, é preciso escolher, é preciso assumir os próprios desejos e necessidades, é preciso assumir o próprio poder. A não ser que queiramos ser apenas uma sombra de nós mesmos!

DOMINGO, 2 de julho – Marte está em oposição exata a Plutão e Mercúrio está em quincôncio pleno a Saturno! Por seu turno, a Lua faz quincôncio à sua senhoria, Vênus em Touro, e também a Quíron, virando foco de um Yod-Dedo de Deus, já que Vênus está em sextil a Quíron. A Lua Libriana ainda se opõe a Urano em Áries, ficando vazia depois desta briga, às 09h18min. Ingressa em Escorpião às 13h em ponto, onde se retrai para se recuperar de todos esses embates. O domingo está cáustico, violento, propenso a chuvas, trovoadas, tempestades e furacões, acionados por energias que foram represadas e reprimidas e que agora borbulham, fazendo ferver o sangue, levando as pessoas a agirem no calor do momento e na impulsividade. Marte é o instinto de sobrevivência individual, é o impulso da agressividade que, em si mesmo, é neutro e pode e deve ser usado de forma positiva, ajudando-nos a ser assertivos e a brigar por nossos objetivos. Mas Marte em Câncer não direciona bem essa agressividade – já tentaram mover uma faca na água? E a agressividade tende a ser expressa de forma indireta, isso quando não fica fervendo por dentro, engarrafada. Plutão é o instinto de sobrevivência da espécie, o poder e o controle, o princípio da destruição de tudo que vai contra a essência da psique, a demolição de tudo o que é falso, errado, fajuto, disfarçado, para que o conteúdo possa ser transformado. Assim, um confronto entre Marte e Plutão, neste eixo Câncer-Capricórnio, obrigando o individuo a lidar com suas queixas pueris, com aquilo do que vem fugindo, esgueirando-se pelas esquinas de si mesmo. Mas chega uma hora que não esquinas suficientes para nos escondermos de nós mesmos, nossa raiva, nossa birra, expectativas frustradas, fugas da própria sede de poder. É encarar a sombra que se projeta da outra rua e preparar-nos para o confronto necessário. Se insistimos em fugir, vamos encontrar o bicho-papão em formas menos prosaicas e mais violentas e sujas. O palco principal dessas tempestades são as relações afetivas e a família, principalmente, mas podem ocorrer também em outros cenários. Portanto, fiquemos de sobreaviso e vigiemos nossa própria reatividade, nossa raiva encalacrada – e todos nós temos algum resquício dela dentro de nós – porque ela pode explodir hoje, atiçada por alguma coisa boba, alguma ameaça – talvez até infundada – ao nosso ego e à sobrevivência! Até onde somos capazes de ir quando estamos acuados, verdadeiramente? E o que tem o poder de nos acuar? O que nos faz borrar as calças? Será que nos conhecemos tão bem? O problema é que muitas vezes, confundimos as coisas e nos sentimos tão inseguros que nos sentimos acuados por coisas menores e então explodimos na hora errada, com as pessoas erradas. Para evitar que tais energias se expressem através de nós de forma destrutiva, o ideal é nos confrontarmos de uma vez, encontrarmos formas de extravasar nossa raiva, nossa frustração, de maneira construtiva e positiva, assim, não precisaremos despejá-la sobre aqueles que nada têm a ver com nossas dificuldades.

SEGUNDA-FEIRA, 3 de julho – De Escorpião a Lua faz trígono ao Sol e a Netuno, formando um Grande Trígono em Água por todo o dia, que à noite vira uma Pipa, com Plutão de foco. Vênus está em sextil a Quíron, aspecto exato, enquanto Marte começa a se afastar da oposição a Plutão. Lua e Marte estão em recepção mútua. O dia traz um manancial imenso de sensibilidade e emotividade, que nos puxa para as profundezas de nós mesmos e de nossos sentimentos mais viscerais e misteriosos. Tal profundidade propicia a elaboração e depuração das explosões e conflitos recentes, favorecendo também que nos conheçamos um pouco mais. No mundo exterior, também nos sentimos mais conectados com os outros e mesmo inclinados a ser um pouquinho – só um pouquinho – mais tolerantes em relação àquilo que parece desajustado e fora de ordem – Netuno propicia essa compreensão, essa inclusão do todo, mesmo daquilo que parece trôpego e estranho e então, julgamos menos. Em termos práticos, o dia pede mais introspecção, um voltar-se para si mesmo. As investigações densas, sejam internas ou externas, também ficam favorecidas pela energia penetrante de Escorpião e as situações têm mais chances de serem transformadas positivamente.

TERÇA-FEIRA, 4 de julho – Mercúrio está em quadratura exata a Urano. De Escorpião a Lua se harmoniza, de formas diferentes, com seus dois dispositores, Marte e Plutão – aliás, Lua e Marte estão em recepção mútua. A Lua faz ainda quincôncio a Urano e trígono a seu regido Mercúrio e a Quíron em Peixes, formando outro Grande Trígono em Água. Fica vazia depois da conversa com Mercúrio, às 21h36min. A Lua ainda faz sesqui-quadratura ao Sol, entrando na fase Corcunda. Vênus ingressa em Gêmeos às 20h12min e Júpiter vira a noite em quincôncio exato a Netuno. A despeito de termos hoje pensamentos e sentimentos alinhados e de conseguirmos ser suficientemente assertivos e motivados a lutar por nossos interesses, há dentro de nós um alvoroço, um desejo intenso de mudanças e novidade, que nos empurra na direção de coisas e situações extravagantes, que nos permitam sair do lugar comum, do previsível. A intensidade emocional fica maior e mais pujante e nos vemos agindo impulsivamente, na busca por emoção e estímulo. É essencial perceber que os estímulos não estão necessariamente lá fora. Antes, precisamos analisar as alterações que devem ser feitas nos nossos pensamentos, visões, planos, formas de pensar e, consequentemente, no nosso cotidiano, onde tudo isso tem efeito e é vivenciado. Felizmente, temos suficiente sustentação emocional e estamina interior para perceber todas essas nuances e adotar as atitudes cabíveis, se realmente quisermos. Do contrário, se insistirmos em modificar apenas o ambiente imediato, achando que o problema reside aí, podemos nos deparar com situações conturbadas que perturbam nossa rotina de forma irritante e contraproducente. De todo modo, é sempre bom permanecer flexíveis e abertos aos imprevistos, porque hoje eles são o recheio do dia – e têm muito a nos ensinar!

QUARTA-FEIRA, 5 de julho – Júpiter está em quincôncio pleno a Netuno nas primeiras horas da madrugada de terça para quarta – o aspecto partil dura cinco horas e meia. O Sol estimula e potencializa este atrito, pois está em aspecto a esses dois planetas, fazendo quadratura a Júpiter e trígono a Netuno. A Lua entra o dia vazia em Escorpião e ingressa em Sagitário à 01h08min, de onde logo se opõe à Vênus Geminiana. Mercúrio hoje faz trígono a Quíron e ingressa em Leão às 20h20min. Achar o equilíbrio necessário entre nossos anseios e a realidade é um dos desafios do período; outro desafio é perceber quando podemos e devemos ajudar e quando devemos respeitar os limites nossos e do outro – nem sempre podemos fazer tudo, por mais que queiramos! O dia pede cautela com as expectativas não racionais acerca do futuro e de figuras que admiramos e em quem projetamos nossas esperanças. Talvez estejamos excessivamente otimistas e idealistas, de modo que não enxergamos direito até onde podemos ir, podendo nos exceder nos nossos cuidados ou cobranças e expectativas em relação a outros. Para isso, precisaremos exercer uma grande dose de autodisciplina e autocontrole, para não perdermos as estribeiras e o prumo do que que quer que estejamos realizando. Há o risco de nos sentirmos super-poderosos e tentar dar o passo maior que a perna, para perceber o erro apenas quando é tarde demais. Portanto, usemos o otimismo para nos animar e motivar, mas mantenhamos em cheque a disciplina e o bom senso!

QUINTA-FEIRA, 6 de julho – O Sol está em trígono a Netuno e quadratura a Júpiter, ambos os aspectos exatos hoje! Por sua vez, a Lua Sagitariana faz quadratura a Netuno, sextil a Júpiter e quincôncio ao Sol e potencializa este corrente aspecto entre Sol-Júpiter-Netuno, ao conversar com todos eles. A Lua faz também conjunção a Lilith, quincôncio a seu regido, Marte e conjunção a Saturno. Embora isso não seja uma configuração astrológica formal, temos hoje uma imagem bem interessante formada nos céus, mostrando um trapézio que tem o sextil por base e o trígono no topo – ou vice-versa; as quadraturas são as laterais e os quincôncios se cruzam ao meio, destes dois aspectos criando tensão e o trígono e o sextil conciliando. O que tudo isso quer dizer? É dia de nos conscientizarmos de nossos idealismos ingênuos, de nossas crendices tolas e otimismos vazios, que não vão nos levar a nada, a não ser a decepções. Falta-nos terra para exercer nossa compaixão adequadamente, realisticamente, assim como nos falta terra e bom senso para olhar para o futuro com fé, mas também com pragmatismo. O dia fica como uma faca de dois gumes: podemos nos perder num oba-oba de esperanças vãs e auspícios infundados; ou podemos agarrar a oportunidade de nos observar mais de perto e perceber por que precisamos tanto “acreditar” em certas “verdades” fantasiosas, por que nos deixamos seduzir pelas palavras doces que escondem intenções amargas. Assim, essa oportunidade pode ser também de nos abrirmos para novas visões, para o entusiasmo bem fundamentado e sem os vícios do imediatismo e das soluções fáceis, apelativas e mágicas que são tão comuns ao nosso tempo. Saturno hoje vem sem a âncora que nos faz assentar devidamente o coração, a intuição, a alma, e nos faz ponderar com vagar, sabedoria e quem sabe até, com graça, sobre nossas reais possibilidades, julgando-as com a justa medida, nem pessimista nem otimista, apenas vendo-as pelo que realmente são: possibilidades, que podem ser concretizadas, dependendo do nosso esforço, empenho e comprometimento e não apenas de truques fantásticos para iludir aqueles que não querem pagar o preço da conquista real e verdadeira. Todos esses aspectos também estimulam a criatividade e os dons artísticos, favorecendo a todas as atividades nessa área. Também ficam potencializados nosso altruísmo e empatia, mas aqui há que se ter cautela para se ter certeza de que o outro realmente quer – e precisa – da nossa ajuda, do contrário, podemos ser invasivos e desrespeitosos ou simplesmente ser vítimas da má fé alheia.

SEXTA-FEIRA, 7 de julho – Vênus está em sesqui-quadratura a Plutão. De Sagitário, a Lua se harmoniza com Urano e fica vazia logo depois, às 10h14min. Faz ainda quadratura a Quíron e ingressa em Capricórnio às 13h45min, de onde faz quincôncio a Vênus em Gêmeos e a Mercúrio em Leão, que estão em sextil pleno hoje – assim, a Lua vira foco de um Yod. A manhã tem um tom agridoce, de busca de liberdade e uma aguda consciência das nossas restrições e impedimentos. Mas isso não deve nos baquear, mas sim ser motivo de reflexão que nos serena e acalma, por nos entendermos humanos, de alma infinita num invólucro limitado – se não entendemos e aceitamos isso, o tom pode ser de amargor e ressentimento, contra a própria vida ou, para os muito inconscientes, contra os incautos que porventura cruzarem seu caminho hoje. A tarde traz dilemas diferentes, mas que ressoam e aprofundam os conflitos da manhã: há apelos lá fora, que nos instigam a brincar, nos soltar, divertir, como se não houvesse amanhã, como se não houvesse problemas ou mesmo a pilha de trabalho à nossa frente. Mas o velho ranzinza dentro de nós se recusa a atender aos convites da leveza – ou talvez seja o “velhos ranzinza” fora de nós, na pessoa do chefe ou quem quer que seja – e prefere pregar contra eles, ressentidamente, julgando imorais àqueles que não seguem a cartilha da dureza e da contenção. Tudo bem se queremos nos negar certos prazeres para provar algo a nós mesmos – problema nosso! – mas, querer interferir nas escolhas de outros ou ser seu exemplo, é outra história, bem diferente! Assim, a tarde e anoite pedem contenção, autossuficiência, trabalho, disciplina, mas não precisamos levar tudo a ferro e fogo, ou podemos nos tornar doentes! Também deixemos que cada um faça o que for adequado para si, afinal não precisamos carregar o peso – mais esse! – de ser os juízes do mundo!

SÁBADO, 8 de julho – A Lua Capricorniana, Corcunda, faz sextil a Netuno e quadratura a Júpiter e prepara-se para ser Cheia, nos primeiros minutos da madrugada de domingo. Temos a sensação de expectativa, de algo grande, prestes a acontecer – ou explodir! – e isso nos deixa um tanto inquietos e, para nos precaver, recorremos ao bom e velho controle, mecanismo de defesa por excelência! E assim, nos armamos de argumentos para nos defender das pequenas alegrias ao nosso redor e quando vemos, deixamos de aproveitar boas oportunidades de convivência e de festejar com outros, pelo medo de relaxarmos em demasia e pela preocupação com “obrigações e deveres”, com a ordem com o que é “adequado”. Talvez tenhamos mesmo que escolher com qual “culpa” ficamos: a culpa de “gazear” obrigações e perambular por aí; ou a culpa de não nos permitir gozar os prazeres que nos cabem e que se nos apresentam – por amor a algo que julgamos mais importante: trabalho, carreira, deveres, etc. De qualquer forma, podemos nos render às alegrias simples e buscar o equilíbrio entre a estrita disciplina e as pequenas indulgências que tornam um dia mais prazeroso e agradável. O fim da tarde e à noite trazem desconfortos e contradições entre as emoções – que vão escalando e se intensificando proporcionalmente à tentativa que fazemos de controlá-las – e os desejos e intenções do ego. Essas discordâncias ficam mais evidentes nas relações entre o masculino e o feminino, que são as forças em desacordo e se acumulam, atingindo o ápice na madrugada, possivelmente com algumas crises e conflitos que demandam resolução imediata! Mas por mais imediatas que sejam as soluções, seus efeitos são duradouros e as decisões não devem ser tomadas de forma impulsiva ou precipitada, por mais instigados que nos sintamos. A tentação de detonar o estopim e implodir tudo é grande, mas é preciso pensar, sentir e agir com calma, com alma, com brandura, com amor, qualquer que seja a decisão difícil que se tenha que tomar!

DOMINGO, 9 de julho – De Capricórnio, Lua atinge o apogeu do ciclo à 00h07min da madrugada de domingo (04h007min no horário de Lisboa), ao opor-se ao Sol Canceriano. A Lua Cheia se dá numa configuração bastante tensa, conjunta a Plutão – que recebe também a oposição do Sol – e em oposição a Marte e quadratura a Júpiter. À noite a Lua ainda faz quadratura a Urano em Áries e fica vazia às 22h14min. Também faz sextil a Quíron em Peixes. Marte está em quincôncio exato a Saturno. O ciclo de Câncer vem nos lembrar que somos seres dependentes uns dos outros, já que nascemos completamente vulneráveis e indefesos, totalmente dependentes de uma mãe – e de um pai e família – para o sucesso da grande empreitada que e nossa vida. Assim, o arquétipo da mãe está fortemente presente neste signo, assim como a presença da família e a ideia de um passado e uma ancestralidade. Câncer também é a nutrição, física e emocional e os laços que construímos ao longo da nossa jornada vida afora. Contudo, muitas vezes delongamos a dependência dos pais – e dos pais postiços, vistos na figura de parceiros, chefes, amigos, e até filhos – por mais tempo do que o necessário e do que deveríamos, desenvolvendo dependências e comportamentos que atrapalham nosso pleno desenvolvimento como adultos autônomos no mundo exterior e também na nossa subjetividade. Para nos darmos conta de tais anomalias, vivenciamos a Lua Cheia em Capricórnio, que nos lembra que, a despeito das interdependências necessárias à nutrição emocional de todos nós, não devemos delegar a outros aquilo que é atribuição nossa no processo de nossa sobrevivência e ocupação de nosso lugar no mundo, o mundo de Saturno, que não afaga nem alisa, mas que nos obriga a ser adultos e responsáveis.

Se Câncer é o signo da Mãe, que protege, cuida e mantém infantil, Capricórnio é a esfera do Pai, que nos obriga a amadurecer, a encarar o mundo com suas obrigações e responsabilidades, individuais e sociais e a fazer de nós alguém mais, além do “filhinho da mamãe”. Essa Lua Cheia torna esse confronto mais do que agudo, porque traz presente a necessidade de nos libertarmos dos emaranhamentos familiares e até ancestrais, que nos conduzem nesses enredos de relacionamentos destrutivos, cheios de cobranças, culpas, lealdades negativas e manipulações. É tempo de crescer, de assumir nosso próprio poder, e não relegá-lo a outros, pode receio de perdermos seu amor e proteção. Já passamos da fase de equiparar o amor da mamãe com sobrevivência e agora, se nos indispusermos com alguém, se perdermos o afeto do outro, mesmo que soframos, não corremos mais o risco do aniquilamento e é esse medo que precisamos enfrentar se queremos nos livrar das dependências mórbidas que nos paralisam e nos impedem de sermos nós mesmos e assumirmos nossos próprios desejos sem medo de ferir os brios de quem quer que seja. Esta é uma lunação bastante desafiadora, que nos obriga a lidar com nossas carências e inseguranças de cara limpa, sem disfarces, sem desculpas. Tanto mais que é a lunação que precede a próxima temporada de eclipses e que nos pede crescimento e enfrentamento da realidade.

Uma ótima semana para você, onde você estiver! 

Reprodução

A Semana Astrológica – Redirecionando a vida

Reprodução

Semana de 19 a 25 de junho – Semana de recomeços e redirecionamentos, sinalizados pela ingressão do Sol em Câncer na quarta-feira – Solstício de Inverno – e pela Lua Nova de Câncer na sexta-feira. 

Esta é uma semana de recomeços, dois quartos do ano se passaram e agora nós temos a oportunidade de redirecionar nossa energia no Solstício de Inverno (de Verão no Hemisfério Norte), ocorrendo já na quarta-feira, com a entrada do Sol no signo de Câncer. A maior parte da semana traz um tom de finalizações, com a Lua minguando balsâmica pelos signos de Áries, Touro e Gêmeos. Na sexta-feira a Lua se renova em Câncer sinalizando o início do ciclo de nutrir melhor o corpo e alma; de voltar às nossas raízes, de honrar nossa origem e passado, honrar nossos ancestrais, retomar contato com os familiares e, claro, honrar nossos sentimentos e nossa sensibilidade.

Brooke Shaden Photography – Reprodução

Mercúrio também sai de sua casa Geminiana e vai ali mergulhar no lago profundo Canceriano, ingressando em Câncer no mesmo dia em que o Sol, logo fazendo conjunção a ele e ficando Cazimi por algumas horas na quarta-feira. Com Mercúrio em Câncer nossos pensamentos voltam-se muito para a família e os entes queridos; pensamos mais sobre o lar, nossa casa, e os pensamentos têm uma conexão direta com os sentimentos, a ponto de em muitas situações misturarmos um pouco as coisas, e os sentimentos podem distorcer a interpretação dos fatos e das informações. A memória é “de elefante” e gostamos de voltar ao passado de vez em quando, além de gostar de História por si mesma. Durante o trânsito por Câncer, tanto o Sol, quanto Mercúrio e Marte enfrentarão os exageros Jupiterianos, as forças ocultas e sinistras de Plutão e as forças revolucionárias de Urano.

Por falar em Marte, que já está em Câncer há alguns dias, nesta semana ele já troca injúrias com Júpiter em Libra – que, em Libra, vai buscar ser justo e negociar. Marte em tensão com Júpiter traz uma propensão aos exageros, aos dramas e ao fervor religioso em tudo quanto pomos a mão ou as intenções. É necessário buscar alguma contenção para não exagerarmos na dose e não criarmos conflitos onde poderia haver harmonia e alegria. Marte também faz contato positivo com Netuno em Peixes, simbolizando que nossa ação no mundo fica ainda mais motivada pela sensibilidade e pela compaixão.

Amaud Paulette – reprodução

Aliás, esse tom fica ressaltado porque Vênus, que atualmente trafega Touro, também faz contatos com esses dois planetas: indispõe-se com Júpiter e harmoniza-se com Netuno. Embora os contatos tensos entre Vênus e Júpiter não sejam grandes problemas no sentido de conflitos, por outro lado, dão propensão à preguiça, desleixo, à busca exagerada de satisfação dos sentidos e então não temos limites e queremos sempre mais, seja o que for que nos dá prazer. O contato com Netuno favorece as artes e a expressão criativa, além de nos aproximar ainda mais daqueles que precisam de nós, devido à empatia, que fica mais estimulada.

Rene Magritte – Reprodução

A Lua abre a semana na fase Minguante em Áries. Torna-se Balsâmica em Touro, estimula-se internamente em Gêmeos e finalmente renova-se a 02°47’ de Câncer às 22h31min da sexta-feira no horário de Brasília e às 02h31min do sábado no horário de Lisboa.

Reprodução

SEGUNDA-FEIRA, 19 de junho – A Lua abriu o dia em Áries, separando-se da quadratura a Plutão em Capricórnio. Durante o dia ela se afina com Saturno em Sagitário e também conversa harmoniosamente com o Mercúrio Geminiano e com o Sol, mediando a oposição que os dois ainda fazem a Saturno. Faz conjunção a Urano e fica vazia depois disso, às 15h44min. Ingressa em Touro às 17h53min. Vênus está hoje em quincôncio a Júpiter. A noite está ultra preguiçosa e favorável a ficar em casa digerindo o fim do ciclo. O dia está cheio de dinamismo e muitas atividades mobilizam nossa atenção e energia. Aliás, precisamos mesmo ter cuidado para fazer tudo direito e não pela metade, nem de qualquer jeito, do contrário, teremos que voltar e sair consertando coisas mal-feitas e ou deixadas por fazer – e isso p ode comprometer os objetivos e atividades do próximo ciclo. Ninguém quer começar o ciclo novo arrastando um cordão de pendências atrás de si, certo? Portanto, para evitar tal imbróglio, melhor fazer certo da primeira vez! Energia nós temos! Só precisamos domar a impaciência e a impulsividade, usando a energia Uraniana para encontrar soluções novas e diferentes para as situações e, como temos o apoio de Saturno, temos a possibilidade de fazer isso organizada e estruturadamente – está em potencial, se usamos ou não, é responsabilidade nossa – e nós que arquemos com os resultados, bons ou ruins! A pressa é inimiga da perfeição, diz o ditado antigo. E hoje, de fato, o desafio maior é a pressa e a precipitação – cuidado, não vá ser multada/o por excesso de velocidade, tentando recuperar o tempo que você acha que perdeu na semana passada – que ficam eivados de momentos de desânimo, preguiça, descompromisso – e isso pode por tudo a perder! A noite está propícia mesmo a fica rem casa, fazendo a digestão lenta dos restolhos do ciclo, finalizando as coisas vagarosamente, sem pressa e sem movimentos descuidados. Tudo é aprendizado e quando percebemos isso, nossas cargas e dificuldades ficam mais leves e simples de carregar. O mote do dia pode ser aquele: “que não se tenha pressa, mas que não se perca tempo” (José Saramago).

TERÇA-FEIRA, 20 de junho – Mercúrio em Gêmeos está hoje em sextil exato a Urano em Áries. A Lua está em Touro, praticamente sem aspectos na madrugada, mas pelo fim da manhã ela se anima ao trocar figurinhas com o inquilino Marte. A Lua se desentende com Júpiter, mas faz conjunção a Vênus e sextil a Netuno. Dona Lua ainda faz semi-quadratura ao Sol e entra na fase Balsâmica. O dia está bom para fazer coisas inusitadas: falar com pessoas que não se vê há tempos ou mesmo com completos desconhecidos. A comunicação flui espontaneamente, mas de forma inesperada – tanto que em algum momento, talvez até a gente se anime a falar com alguém que acha que conhece, por equívoco. É dia também de finalizações, fechamentos. De concluir pendências e soltar o que não serve mais. Também há sensibilidade no ar e muita benevolência, que nos faz olhar com tranquilidade até mesmo quando algo sai diferente do inesperado. Tolerância, algo raro por esses dias, faz com qu nos sintamos mais próximos uns dos outros, a despeito das diferenças. E assim, podemos nos regozijar com os prazeres simples da vida: uma boa companhia, um café ou uma sopa quentinhos, um sofá aconchegante, um cafuné, um ombro amigo… Por hoje, apenas aproveitemos!

QUARTA-FEIRA, 21 de junho – O Sol ingressa em Câncer à 01h25min no horário de Brasília (05h25min no horário de Lisboa), marcando o Solstício de Inverno no Hemisfério Sul e de Verão no Hemisfério Norte. Mercúrio segue o Sol e também ingressa em Câncer às 05h58min e pela manhã faz conjunção ao Sol. A Lua Taurina faz trígono a Plutão e fica fora de curso depois deste contato, às 00h28min. A Lua ainda faz sesqui-quadratura a Júpiter e sextil a Quíron. Ingressa em Gêmeos às 18h45min. Uma mudança importante ocorre na forma como direcionamos nossa energia e onde colocamos nossa atenção no mundo! Temos a oportunidade de parar um pouco e avaliar o que temos feito no ciclo anual – meio ano oficial se passou e um quarto do ano astrológico. É hora de dar mais atenção à nossa vida pessoal e privada, de cuidar dos amados do nosso coração, nutrir melhor nosso corpo e nossa alma, honrar nossos sentimentos, nossos vínculos familiares, nosso passado e nossas origens. Mercúrio fica Cazimi por algumas horas pela manhã e sinaliza um período de estarmos atentos aos nossos pensamentos e ideias. Mercúrio entra na fase Epimeteus e sugere um tempo de fazermos uma retrospectiva pelas próximas semanas, análises ponderadas de tudo o que pensamos, dissemos, comunicamos até aqui, especialmente no que tange às sociedades e aos acontecimentos públicos. O porta-voz do rei está reunido com ele para avaliar o que foi idealizado e o que foi realizado desde o último encontro (20 de abril), quando a última “agenda” foi lançada. E então, como estamos nós com relação a isso? A Lua Taurina e Balsâmica fica vazia por todo o dia, depois de aspecto harmonioso a Plutão, sugerindo muitas horas de reflexão calma e tranquila, sem correrias, sem investimentos maiores no que quer que seja. É hora de aguardar, não é hora de avançar. À noite, a Lua já está em Gêmeos e sentimos necessidade de nos comunicar mais, mas mesmo assim, é bom sermos econômicos na fala, porque a fase Balsâmica é tempo de análises e não de discursos.

Fatima Gultekin – Reprodução

QUINTA-FEIRA, 22 de junho – De Gêmeos a Lua Balsâmica faz sesqui-quadratura a Plutão na madrugada e bem mais tarde, trígono a Júpiter e quadratura a Netuno, fecha a noite fazendo aspecto a Plutão novamente, desta vez, um quincôncio. Amanhecemos falantes, mas algo, um censor interno nos faz morder a lpingua como a nos lembrar que o silêncio também tem valor. Mesmo assim, um desejo de comunicar ao mundo a visão, a expectativa promissora de um novo tempo. Contudo, nos perdemos em nossas contradições e já não temos certezas se tais expectativas são mesmo promissoras ou apenas fantasias e anseios pueris, nascidos do cansaço e das frustrações recentes. De fato, depois de um dia confuso, oscilamos entre otimismo e dpuvida, preferimos calar, por temer revelar algo precioso, ainda não maduro o suficiente, não pronto para nascer. Realmente, os augúrios mais preciosos devem aguardar o tempo certo para vir à luz. Por ora, falemos de amenidades e deixemos a semente do novo repousar, guardada na solidão e na escuridão da alma.

Reprodução

SEXTA-FEIRA, 23 de junho – A Lua completa o quincôncio a Plutão e depois se opõe a Saturno, animando-se depois com Urano em Áries. Fica vazia depois deste aspecto, às 14h47min. Faz ainda quadratura a Quíron. Ingressa em Câncer às 18h07min e se renova na conjunção ao Sol na Lua Nova de Câncer, às 22h31min, no grau 02°47’ deste signo. Se ontem tínhamos dúvidas, hoje temos certeza: da culpa. Sentimo-nos meio pesados, a leveza de ontem parece frivolidade tola e ficamos a remoê-la e a nos corroer, oscilando entre a autoconcenação atroz – de coisas graves às coisas bobas – e a inconsequência. É bom colocar as coisas em perspectiva e lembrar que tudo é aprendizado. O que é algo pesado hoje, amanhã será visto como o que realmente é: lições, experiências, passos para a sabedoria. Se criticamos e julgamos, abrimos o espaço para sermos criticados e julgados e no fim, se temos sorte, acabamos por entender que críticas e julgamentos nascem da arrogância, de nos acharmos melhores e mais sábios, que por sua vez, revela apenas uma insegurança profunda. Feliz daquele que não se apega às aparências efêmeras das coisas e deixa vir e deixa ir, sem criticar, sem julgar ou condenar e sem se apegar a tais juízos de valor. A Lua se renova em Câncer e indica o início de um novo ciclo, no qual vamos prestar mais atenção e honrar mais nosso passado, nossos sentimentos, nossa família. Memórias e recordações dão o ar da graça, para nos dar a dádiva de não repetir erros e nos autorizarmos também a sentir uma saudade feliz, pelas coisas boas que já vivemos e que nos trouxeram até aqui – as más lembranças, como já foi dito, devem servir de aprendizado e não de lástima. Entretanto, cuidar e nutrir a si mesmo e à família não quer dizer estimular dependências e fugir da responsabilidade por si mesmo e pelo próprio desenvolvimento. Interdependência é uma coisa, abrir mão da própria individualidade e ansiar por ser levado nos braços pelo caminho, quando se deveria – e poderia – caminhar com as próprias pernas, é outra bem diferente. Cuidar, nutrir, sentir, amar… Verbos que supõem a ação pessoal e consciente e não cessão de autonomia.

Reprodução

SÁBADO, 24 de junho – Vênus está em trígono perfeito a Plutão, enquanto a Lua em Câncer a faz conjunção a Mercúrio e depois a Marte. A Lua também faz quadratura a Júpiter, trígono a Netuno e oposição a Plutão. Marte fecha a noite em quadratura a Júpiter. Os sentimentos e cuidado que temos para com outros e com nossa família hoje estão mais alinhados com o pensamento e a ação, de modo que ficamos muito motivados a melhorar e a nutrir mais a vida daqueles com quem nos importamos, de formas inequívocas. Se nos sentimos seguros e confortáveis em nosso papel e também do sentimento do outro – além de nos sentirmos seguros em nós mesmos, claro – damos mil passos a mais na nossa generosidade e doação, para demonstrar nosso afeto e amor. Contudo, ainda precisamos ficar atentos para que tal doação e tais demonstrações de afeto não sufoquem  o outro e não sejam também uma forma de prendê-lo a nós, como correntes invisíveis. Quando cuidamos em excesso, quando doamos demais, desequilibramos a balança das relações e comprometemos a salubridade da nossa vida afetiva, estabelecendo vpinculos baseados em dependências e cobranças, ao invpes de trocas equilibradas, saudáveis e honestas. Estando cientes disso, podemos sim, abrir nosso coração e nos permitir uma entrega profunda e verdadeira, que nos aproxime do outro ser humano e consequentemente, de nossa alma mais profunda tambpem.

Reprodução

DOMINGO, 25 de junho – Marte está em quadratura partil a Júpiter na madrugada. Enquanto isso, a Lua Canceriana faz quincôncio a Saturno e quadratura a Urano – fica vazia depois deste embate, às 14h46min. A Lua ainda faz trígono a Quíron e ingressa em Leão às 17h07min. Marte fecha a semana em trígono a Netuno. Há um limite tênue entre a devoção genuina e o sentimento de posse, entre a fé fervorosa e o fanatismo cego, entre o entusiasmo ardoroso e e a imposição das próprias crenças e atitudes sobre outros. Por esses dias e especialmente hoje precisamos ter cautela e observar essas nuances sutis, para não incorrer na chatice de achar que só o nosso jeito de fazer é válido ou no dogmatismo que querer seguidores cegos como ovelhinhas mansas, incapazes de pensar por si mesmas. Apelar para chantagens e dramas, para conseguir a atenção que não conquistamos de forma direta e limpa, também não vai ajudar muito em nossas campanhas para conseguir o que almejamos – pelo contrário, talvez até o afaste de nós. Assim, o dia pede algum distanciamento emocional para não criarmos dramas e tempestades em copos d’água, desnecessariamente. Se percebemos que estamos prontos a entrar em ebulição, talvez valha a pena abrandar o fogo, pois água fervente, queima o café e o amarga. O senso de proporção está um pouco prejudicado hoje e isso atrapalha acha ra temperatura certa das coisas, a dosagem certa do dar, do receber e do tomar e nós, ou damos demais e sufocamos o outro, ou exigimos demais e o sorecarregamos com nossas cobranças. De um jeito ou de outro, as interações podem ficar um pouco carregadas e propensas e pequenas explosões, se nãi tivermos jogo de cintura e um mínimo de leveza e bom humor, inclusive para rirmos de nós mesmos e nossas criancices tolas. Portanto, antes de fazer caras e bocas e criar o climão no ambiente, vale mais olhar para si mesmo e checar as carências e anseios, providenciando aquilo que cabe a nós mesmos providenciarmos, sem jogar expectativas sobre terceiros. Se conseguirmos lidar com empatia com nossa criança interna carente – ou mesmo com a do outro – e lhe dar colo ou o alimento de que ela precisa, à noite somos premiados com o bom humor dessa criança, que nos lembra que também sabe brincar, dançar e se divertir com alegria.

Uma ótima semana para você. 

 

A Semana Astrológica – Nosso pior inimigo

Reprodução

Semana de 12 a 18 de junho – Semana de Lua Minguante, que sinaliza tempo de limpeza, encerramentos e avaliações. Há também uma sensação de peso , insegurança e decepção conosco mesmos e nossa ingenuidade. 

Reprodução

Começamos uma semana de Lua Disseminadora e posteriormente, Minguante, que traz também o Sol Geminiano em oposição a Saturno – ai, ai, ai, lá vamos nós de novo para o confronto com o Mestre do Tempo! Mas depois de encarar o Velho, sacudimos a poeira e nos deparamos com o novo e oportunidades de usar os revezes como escada para nossa melhoria. O Sol fecha a semana em quadratura não exata a Quíron, então, esta semana traz alguns desafios à nossa autoconfiança, vitalidade, resiliência e força de vontade. Bater de frente e espernear não vai resolver. Se o Senhor do Tempo diz que é melhor esperar, não ganhamos nada em tentar burlar suas leis. Esperemos e contenhamos nossa frustração – ela tem muito a nos ensinar! E uma lição que precisamos relembrar é que, muitas vezes, nós somos nosso pior inimigo, quando nos deixamos abater pelo negativismo e pela auto-dúvida. O fim de semana está especialmente sensível, porque a Lua ao trafegar por Peixes, potencializa a retrogradação de Netuno e a oposição Sol-Saturno, condição em que fica minguante no sábado. Já o domingo traz propensão a conflitos e embates.

Reprodução a partir do Flickr

Mercúrio vem atrás do Sol, transformando em conceitos todas as experiências vivenciadas por este Sol e por ele mesmo. Nesta semana Mercúrio faz trígono a Júpiter, quadratura a Netuno, quincôncio a Plutão e também se opõe a Saturno, de modo que nossa mente oscila bastante entre o entusiasmo desmesurado e irrealista e as dúvidas subsequentes; posterior aos exageros vem a consciência de que talvez tenhamos metido os pés pelas mãos e agora temos que arcar com as consequências do que dissemos sem pensar. Saturno demanda que definamos mais claramente nossa forma de pensar e nos comunicar, que sejamos mais responsáveis e menos relapsos na comunicação e nos aprendizados, estudos e também ao lidar com leituras, escritos, papeis em geral. Talvez tenhamos alguns dias de muito pessimismo, em que tememos que nada vai dar certo e isso pode nos deixar um tanto deprimidos. Contudo, se conseguirmos controlar essa negatividade, podemos usar esse momento para averiguar com realismo as situações diversas em que nos encontramos, de modo a perceber o que está ou não funcionando, para fazer as devidas correções. Positivamente, são dias favoráveis para pesquisas e atividades mentais que requeiram disciplina, concentração e seriedade.

Reprodução

Vênus anda se refazendo no conforto de Touro. Está ultra sensual e muito conectada com os prazeres e deleites simples da vida, algo que favorece bem o Dia dos Namorados na segunda-feira. Mas pelo meio da semana ela lida com alguma insegurança, bem inconsciente, um tipo de dúvida latente sobre se não seria melhor pegar a estrada numa nova aventura, ao invés de focar tanto na segurança e confortos de uma vida “estável”. Vênus faz sesqui-quadratura a Saturno e fecha a semana em quincôncio bem próximo a Júpiter.

Reprodução

Netuno estaciona a 14°15’ de Peixes na quinta-feira, para entrar em movimento retrógrado na sexta. Erin Sullivan diz que Netuno, quando retrógrado, “nos convida a retornar ao útero, ao estado de incubação e no fim, renascer”. Como sabemos, a retrogradação de qualquer planeta sinaliza um tempo de revisão dos seus assuntos e temas. Netuno rege nossos sonhos e fantasias, os anseios de fusão com o Divino, através do outro ou de experiências transcendentais; os estados de encantamento em que desejamos nos perder e diluir no outro, aniquilando o senso de separatividade. Netuno representa a busca pela experiência da unidade, da comunhão com a vida como um todo, daí sua associação com a espiritualidade e o misticismo. Mas ele também simboliza os engôdos, os anseios enganosos, a diluição do ego através de decisões equivocadas, que pareciam perfeitas no momento em questão; está ligado aos medos irreais, às epidemias, aos estados de caos, dissolução e subversão.

Reprodução

Este ciclo de retrogradação ganha ênfase porque a Lua estará em conjunção exata a Netuno dia em que ele entrar em retrogradação, de modo que seus temas saem da esfera do meramente coletivo, para o pessoal – sentimos essa movimentação de maneira indiscutível, como uma vulnerabilidade mais acentuada, um anseio mais pungente por salvação e redenção. Assim, até 22 de novembro estaremos fazendo uma profunda revisão dos nossos sonhos e fantasias, dessa busca por unidade. É um momento de “cair na real” a respeito de ilusões que viemos alimentando nos últimos meses e perceber por que nos deixamos enganar. Talvez nos sintamos nus e vulneráveis, mas isso é necessário para nos livrarmos do senso de onipotência com que o ego possa ter se identificado na busca desenfreada e cega por tais ilusões, seja de poder, de sucesso, fama, engrandecimento pessoal, apaixonamento e encantamento por um outro ou por qualquer outra ideia ou projeto com o qual tenhamos nos envolvido sem enxergar sua realidade. Qualquer desapontamento não deve ser visto como um fracasso pessoal ou punição dos deuses, mas apenas um desnudar das ilusões, essencial ao nosso processo de crescimento. Os planetas exteriores, de maneiras diferentes, vão tirar de nós tudo aquilo que esteja atrapalhando nosso desenvolvimento, a evolução da alma. No caso de Netuno, isso ocorre de forma sutil, lenta, quase imperceptível e geralmente estamos tão encantados com o processo todo, que só nos damos conta da “esparrela” em que caímos, quando já é tarde demais para voltar atrás. E não adianta chorar e se lamentar, porque no fundo, a alma e o inconsciente, de certa maneira, conspiraram contra o ego, ou seja, inconscientemente, nós mesmos criamos o cenário e o enredo de perdas, fracassos, desilusão pelo qual navegamos presentemente – compactuamos, fomos ao encontro e nos tornamos “cúmplices” daquele/s que nos enganou/enganaram. Por mais doloroso que seja para o ego soltar e se desapegar de tais coisas com as quais estávamos identificados – posses, propriedades, opiniões, imagem, emprego, relacionamentos, etc – eles serão levados para que percebamos que nossa existência não depende disso, que somos muito mais do que tais identificações ilusórias, por mais penoso que seja a experiência toda. Com Netuno retrógrado as ilusões talvez se tornem mais claras, especialmente se Netuno está fazendo contatos a planetas no mapa natal e se o aspecto já ficou exato com Netuno direto. Soltar e se desapegar, ao invés de resistir – é o melhor que podemos fazer.

Reprodução

A Lua abre a semana na fase Cheia em Capricórnio. Torna-se Disseminadora em Aquário na terça-feira e entra na fase Minguante a partir de Peixes, no sábado. Fecha a semana já em Áries, digladiando-se com Marte, Júpiter e Plutão.

Reprodução

SEGUNDA-FEIRA, 12 de junho – A Lua está na fase cheia, em Capricórnio. Hoje faz conjunção a Plutão, quincôncio ao Sol, sesqui-quadratura a Mercúrio, sextil a Quíron e quadratura a Urano, ficando vazia depois da briga com Urano, às 14h47min. Ingressa em Aquário às 19h45min e fecha a noite em quadratura a Vênus em Touro. O dia dos Namorados está um tanto tempestuoso, com uma Lua nada romântica. Pelo contrário, o clima está meio pesado e sisudo e, mais do que isso, com a conjunção a Plutão – aspecto que a Lua faz todo mês e que sinaliza um momento denso de entrar em contato com nossa sombra, desejos de poder, de controle e, em última instância, necessidade de transformação – precisamos lidar com emoções sombrias e intensas que emergem do inconsciente. O dia fica então colorido por fortes contradições: desejos de nos comprometer seriamente, versus o impulso de preservar a autonomia, o movimento e a liberdade pessoal. Talvez não nos sintamos particularmente românticos no dia de hoje, porque nos deparamos com algumas verdades dolorosas a respeito de nós mesmos, nossas necessidades e algumas discrepâncias na relação com o outro; talvez não percebamos, mas é possível que estejamos muito exigentes e coloquemos sobre o outro altas cobranças, ciúmes, tentativas de controle e, claro, tudo isso pode gerar muitas tensões e até azedume nas relações. Por outro lado, se formos capazes de ser honestos e confrontarmos nossas carências infantis, percebendo que elas são exatamente isso, carências infantis, e que o outro não é responsável por resolvê-las, temos chance de crescer mais um pouco e, ao invés de crise, podemos aprofundar essa relação, aumentar a cumplicidade com o outro, respeitando sua individualidade e independência sem nos sentir ameaçados por isso. Vale a pena fazer um exame cuidadoso se há uma crise real em curso, ou se são apenas nossas inseguranças que estão exacerbadas hoje. À noite a Lua está em Aquário e sinaliza que as celebrações românticas sejam inovadoras, diferentes; que se busque surpreender o outro com uma nova faceta de nós mesmos e que também nos deixemos surpreender, pondo de lado preconceitos, rótulos e abrindo-nos à experimentação. Repetir o enredo dos anos anteriores é receita de confusão! Ouse, faça algo diferente, saia da mesmice, fuja dos estereótipos e dos scripts ensaiados! Não existe um único modelo ou formato de amor e de relação, cada pessoa tem um jeito único e especial de amar. Portanto, não almeje ser ou ter uma relação “perfeita” ou igual à do Fulano ou do Beltrano! Respeite a sua natureza e a natureza do outro e assim, a relação também será única e as diferenças, ao invés de serem um problema, enriquecerão as trocas afetivas.

reprodução – desconheço o autor

TERÇA-FEIRA, 13 de junho – Mercúrio está em trígono pleno a Júpiter. De Aquário a Lua faz quadratura à Vênus Taurina, quincôncio a Marte em Câncer e entra na fase Disseminadora ao fazer sesqui-quadratura ao Sol Geminiano. A Lua ainda faz trígono a Júpiter em Libra e, como Mercúrio também está em trígono a Júpiter, temos formado um Grande Trígono em Ar. Saturno vai se aproximando da oposição ao Sol. A despeito do peso que andamos sentindo, o dia traz um pouco de leveza, que nos ajuda a espairecer e a nos motivar um pouco para enfrentar os desafios que já vislumbramos ali à frente. É como se tivéssemos a chance de um descanso, uma pequena trégua em que podemos relaxar, antes de voltar às armas. Os pensamentos ganham asas e temos a coragem de expressá-los mais abertamente; também vamos em busca de novos contatos e relações, aspirando encontrar, talvez, respostas para nossas dúvidas e indagações filosóficas, ou simplesmente oportunidades de ampliar um pouco nossas possibilidades e alternativas. É um bom dia para ler sobre novos assuntos ou autores, comunicar-se, escrever sobre nossos questionamentos, sair um pouco da rotina, inspirar novos ares ou, simplesmente, relaxar um pouco, sem culpas ou cobranças, como uma maneira de aliviar a pressão, mesmo sabendo que logo devemos retomar a caminhada. Assim, aproveitemos porque “o segredo do êxito está em preparar-se para aproveitar a ocasião, quando ela se apresenta”.

Nicoletta Ceccoli – Reprodução

QUARTA-FEIRA, 14 de junho – A Lua, Disseminadora em Aquário, abre o dia ainda em formação de Grande Trígono com Mercúrio e Júpiter, durante a madrugada. Durante o dia faz trígono ao Sol e sextil a Saturno. O Sol está em oposição próxima a Saturno e a Lua hoje media esse embate. Saturno e Urano estão em trígono entre si e Júpiter em quincôncio a Netuno. Muitos dos desafios que aparecem no caminho tornam-se em oportunidades se forem vistos com olhos inovadores e com a dose adequada de criatividade – esta é uma maneira de vermos nossas dificuldades, que hoje já se mostram bastante duras. Mas não devemos deixar que nos soterrem debaixo de seu peso. O dia oferece possibilidades de olharmos nossos problemas e limitações com muita lucidez e distanciamento, sem nos identificarmos demais com eles, de modo a conseguirmos soluções inusitadas e diferentes daquelas já tentadas no passado. E mesmo que nos sintamos “castrados”, sabemos que precisamos, de alguma forma, “castrar” realmente os excessos, para podermos focar naquilo que realmente vale a pena. É necessário filtrarmos nossas aspirações de futuro, priorizando e disseminando aquelas que são de fato, realizáveis, mesmo que tenhamos que esperar um pouco para executá-las. Nesse meio tempo, podemos fortalecer nossa rede de contatos, podemos nos preparar melhor e ganhar consistência quanto à informação e conhecimento necessários à realização dos objetivos!

Alfredo Araujo Santoyo – Reprodução

QUINTA-FEIRA, 15 de junho – O Sol Geminiano está em oposição plena a Saturno em Sagitário. A Lua Aquariana se harmoniza com seu dispositor moderno, Urano e fica fora de curso logo depois, à 01h40min. Ingressa em Peixes às 06h18min, de onde se afina com Vênus em Touro, harmonizando-se também com Marte em Câncer, regido por ela. Netuno estaciona às 07h09min para dar marcha à ré, amanhã. As enganações e ilusões a que nos expomos recentemente nos são atiradas na cara, pois agora enxergamos a realidade mais limpidamente e possivelmente nos damos conta de que andamos ignorando alguns dos nossos limites, por estarmos demasiados fascinados com expectativas que agora se revelam vazias. Além disso, também precisamos lidar com os limites impostos por outros – chefias, autoridades, figuras acima de nós – ou mesmo por nossas circunstâncias, num momento em que nos sentimos particularmente vulneráveis e sensíveis, espremidos entre obrigações, deveres e aquilo que realmente gostaríamos de estar fazendo e vivendo. Entretanto, por mais que nos sintamos pressionados, desmotivados e isolados, não é o caso de entregarmos os pontos e desistirmos da luta. Mais uma vez, trata-se de um teste à firmeza e consistência da nossa vontade e dos nossos propósitos; uma prova sobre se já conseguimos o equilíbrio adequado entre as obrigações sociais e profissionais e o compromisso conosco mesmos e nossa consciência; de sermos leais a nós mesmos, a despeito das negativas e recusas que ouvimos mundo afora. Fisicamente, talvez nos sintamos muito cansados, exaustos, até, com uma desconfortável sensação de sermos mais mais velhos e “gastos” do que realmente somos. Tal sentimento aumenta a impressão de peso, derrota e isolamento. Contudo, não precisamos nos sentir vitimizados ou alienados, ao contrário, podemos aproveitar esse período para trabalhar a nós mesmos e às nossas inseguranças e inadequações que, diferentemente do que pensamos, não estão assim tão visíveis e evidentes para o mundo como estão para nós. E se de fato, são evidentes para nós, aproveitemos a chance de burilarmos e refinarmos esse diamante bruto que somos nós.

Reprodução

SEXTA-FEIRA, 16 de junho – Netuno entra em retrogradação hoje e só volta ao movimento direto em 22 de novembro. A condição estacionário-retrógrado de Netuno é potencializada pela conjunção da Lua, que também faz quincôncio a Júpiter em Libra, sextil a Plutão e quadratura a Mercúrio em Gêmeos, que hoje também está em quincôncio pleno a Plutão. O Sol segue em oposição a Saturno, começando a se afastar. O dia traz o tom da vulnerabilidade. Uma sensibilidade extremada, que nos permite descerrar as cortinas que separam mundos, dimensões e as diferentes “realidades”. Nostalgia, anseios profundos, contradizem a consciência que quer permanecer fincada na racionalidade. Mas ao insistir nisso, perdemos a possibilidade de dialogar em diferentes linguagens e ampliar a percepção, para que possamos ir além daquilo que os olhos físicos podem alcançar. Sentimo-nos presos por um torpor, um cansaço físico que reverbera do langor que começa na alma, como uma pré-embriaguez, em que ainda estamos parcialmente conscientes, mas oscilantes, misturando estações, tentando fugir da realidade com seus tons de cinza escuro, buscando as cores caleidoscópicas das esferas mágicas e sobrenaturais. Mais do que sensíveis, estamos sensitivos e captamos influências extra-sensoriais. Contudo, embora a intuição esteja especialmente aguçada hoje, vale a pena deixá-la assentar antes de tomar atitudes práticas, porque as percepções entre realidade e fantasia estão por demais borradas e misturadas e podemos confundir intuição com desejo ou anseios impossíveis. Se não está propício para lidar com coisas e situações práticas e que demandem lucidez, por outro lado, o dia favorece as atividades artísticas e criativas em geral, exatamente por causa da sensibilidade e imaginação super afloradas e na arte, sim, tudo é possível e podemos, de fato, soltar as rédeas da nossa imaginação, da percepção mágica e extra-sensorial e expressar a beleza e o sublime que se derrama de nossa alma.

Igor Morski – Reprodução

SÁBADO, 17 de junho – De Peixes a Lua faz quadratura a Saturno em Sagitário e depois ao Sol em Gêmeos, entrando na fase Minguante – a Lua vira foco de uma T-Square Mutável, que tem por base a difícil oposição Sol-Saturno. A Lua fica vazia depois da quadratura ao Sol, às 07h33min e ingressa em Áries somente às 13h55min. O dia está melindroso e modorrento. Há um forte conflito entre a razão e o sentimento; entre o sonho e a realidade. Dores e indisposição física nos fazem sentir pesadões, como se o corpo fosse mais uma prisão e não um invólucro sagrado da alma. A indisposição física tem origens mais profundas: nasce da indisposição emocional, por sua vez advinda dos muitos embates recentes com nossas inseguranças, temores, desesperança e vacilações. Nesse estado de prostração, nem queremos sair da cama, imagine então, de casa! Quem puder, faz bem, se de fato tirar algumas horas para refletir mais profundamente sobre tal prostração, sobre as inseguranças e desejos de evasão do mundo. O Minguante nos pede que abramos mão do desejo de que outros cuidem e se responsabilizem por nós ou por nosso bem-estar; deixar ir os escapismos, as fugas da realidade, a busca inconsequente e autodestrutiva por auto-dissolvição; abrir mão dos delírios e vontade de que tudo se resolva magicamente, sem que precisemos nos esforçar pelas melhorias; e aceitar a realidade tal como se apresenta, para poder transformá-la ali na frente. Eliminar os vícios e propor-se a uma limpeza real na alma e no coração, para que possamos deixar o terreno limpo e fertilizado para a plantação de novos sonhos e projetos, passíveis de serem realizados concretamente e não apenas falácias aventadas para ganharmos tempo diante de nós mesmos. Em termos práticos a manhã pede que peguemos leve, porque há tendência a contratempos, imprevistos e desperdícios. À tarde ficamos mais animados porque sentimos nossa energia medianamente revigorada e estamos aptos a realizar as atividades que porventura tenham ficado em standby pela manhã!

Nicoletta Ceccoli – Reprodução

DOMINGO, 18 de junho – O Sol Geminiano está em sextil exato a Urano em Áries. A Lua está em Áries e faz quadratura a Marte em Câncer – ambos estão em recepção mútua, um morando na casa do outro. A Lua ainda faz oposição a Júpiter em Libra e quadratura a Plutão em Capricórnio e temos então formado uma ampla Grande Cruz Cardinal. Depois de alguns dias de modorra, inseguranças, melindres e choradeiras, o domingo traz uma disposição completamente diferente: tem muito dinamismo, atividades, movimentação e também belicosidade no ar. Queremos e tentamos fazer várias coisas ao mesmo tempo e acabamos criando algumas confusões, devido à inabilidade de ouvir o outro e de negociar. Queremos o que queremos e queremos AGORA! Não importa se não depende do outro, porque, feito criança birrenta, estamos surdos e alheios à razão e aos argumentos do bom senso. Meu nome é umbigo e eu esqueço até que o umbigo tá grudado num corpo. O outro problema é que no nosso entusiasmo e impaciência, não percebemos que aquilo que é bom para nós não necessariamente agrada ao outro e vamos em frente, impondo nossa vontade alegremente, como se soubéssemos o que é melhor para todos, criando antipatias, algumas confusões e conflitos de vontades. Se pararmos um pouco e conseguirmos olhar para os lados, perceberemos que podemos conciliar as várias atividades e vontades, desde que cada lado esteja disposto a ceder um pouco, do contrário, azedaremos o domingo, as brincadeiras e a possibilidade de descanso e da boa convivência. Viva e deixe viver pode ser um bom lema para o dia, respeitando a diversidade de opinião e de desejos uns dos outros. Em termos práticos, o dia pede cautela, porque estamos muito impacientes e impulsivos e imprudentes e nesse estamos podemos nos expor a acidentes e conflitos perfeitamente evitáveis e dispensáveis!

Desejo a você uma ótima e serena semana!

Nota: pessoal, fiquei duas semanas sem publicar o texto da Semana Astrológica. Desculpem, mas estava impraticável! Precisei fazer uma reforma em casa, que era para durar duas semanas e virou um mês – e eu morando junto com a reforma! As duas últimas semanas foram as mais difíceis, porque estava acabando e eu fiquei quase que completamente em função da obra, indo a todo momento comprar algo que faltou. Cheguei a ir na loja para comprar 4 parafusos – literalmente! – quem já passou por reforma sabe como é! Você pergunta para o pedreiro a cada vez que vai na loja de material de construção: “falta mais alguma coisa?” – “Não, agora é só isso mesmo!”- Daí, você mal entra em casa e tem que sair de novo (rsrsrsrs). Depois vem a faxina e colocar tudo no lugar – outra parte exaustiva – até hoje tem um canto da sala com montes de coisas empilhadas! No meio de tudo isso, ainda estava fazendo um curso de Florais… Enfim, a reforma ficou ótima. Reformei minha cozinha, que era algo que eu queria fazer há muitos anos e ficava hesitando. Mas a reforma do exterior só ocorre como consequência da reforma e renovação interior! Estou bem feliz com o resultado! Agradecida pela compreensão!

Reprodução
Alfredo Araujo Santoyo – Reprodução

 

Lua Cheia em Sagitário – Além do Arco-íris

Reprodução

O ciclo de Gêmeos culmina na Lua Cheia de Sagitário, que acontece nesta sexta-feira, dia 09 de junho, às 09h10min no horário de Brasília e às 13h10min no horário de Lisboa. A Lua atinge seu apogeu de reflexão da luz do Sol no grau 18°53’ de Sagitário – tecnicamente, grau 19. Essa lunação se dá em quadratura separativa a Netuno em Peixes – que é foco de uma T-Square Mutável, já que recebe as quadraturas de Sol e Lua – conjunção ampla a Saturno e trígono mais amplo ainda – quase dez graus – a Urano em Áries.

É uma Lua que traz um tom agridoce. Explico: uma Lua Cheia em Sagitário sinaliza um tempo de celebração, de revigorar nossa fé, alegria, entusiasmo e confiança na vida e no futuro! O espírito está elevado e a inspiração, mais elevada ainda! É uma lunação marcada pelo bom humor e tem nuances de festa, diversão, aventura! Sagitário é também um signo d expansão seja em termos materiais, quanto intelectuais ou espirituais. Gêmeos-Sagitário formam o eixo do conhecimento, em que um é o conhecimento prático e funcional – a mente – e o outro é o conhecimento do espírito – a intuição.

Reprodução

Além disso, temos Vênus em Touro – majestosa em sua casa luxuosamente simples e confortável – em harmonia com Marte em Câncer, nem tão majestoso assim, já que está num signo desconfortável para ele, mas mesmo assim, muito romântico e protetor! Esse aspecto entre os dois traz, além da possibilidade de harmonia entre os sexos e nos relacionamentos, a capacidade de desfrutarmos dos prazeres e deleites da vida e algum enraizamento, já que Vênus está em Touro. aumenta a capacidade para o prazer, o gozo e alegria!

Arcano XX do Tarô – O Julgamento

Outro ponto que realça a qualidade otimista e exagerada dessa Lua Cheia, é o fato de Júpiter estar estacionário, preparando-se para voltar ao movimento direto em Libra. Isso faz com que os assuntos e temas da lunação de Sagitário sejam catapultados a outras alturas! Os temas da justiça, das leis e dos juízes se tornam muito salientados e sensíveis – tudo parece ocorrer em câmera lenta e todo acontecimento ganha proporções gigantescas – para o melhor ou para o pior! Pessoalmente precisamos cuidar com os exageros. Já em termos coletivos, o Julgamento está em curso e nada escapa aos olhos da justiça – quem se safar da justiça humana, confrontará a divina – em dobro!

Reprodução

Entretanto, além dos aspectos que a Lua faz a Netuno e a Saturno, o Sol Geminiano está em quincôncio pleno a Plutão em Capricórnio – e a Lua faz um semi-sextil a ele. Portanto, essa é uma Lua que precisa conciliar sonhos, ideais, fantasias com a realidade; harmonizar sombra e luz, consciente e inconsciente. Como se exaltar e se regozijar, sem perder a noção, sem nos deixarmos levar pelo exagero, por delírios ou devaneios sem fundamento?

Reprodução

O desafio é como que nos motivamos e nos animamos a buscar nossos sonhos, como miramos no alvo, certificando-nos que estes sonhos são mais do que ilusões ou quimeras; como vivemos a realidade, com toda a sua dureza, sem nos endurecer, sem perder nossa capacidade de esperançar, de acreditar, tanto em nós mesmos como na boa fé do outro ser humano; como, a despeito de todas as decepções e fracassos passados, não perdemos a fé no elemento humano e na sua evolução. Como mantemos a inocência das crianças, depois de termos visto tantas atrocidades e vilanias; como insistimos em nos melhorar, quando ao nosso redor tudo parece se deteriorar; como insistimos em ser bons, em viver na bondade e na generosidade de espírito, se tantas vezes sofremos os efeitos do mal e da mesquinharia – dentro e fora de nós. É a vitória da fé, da confiança, da esperança de que tudo tem um sentido maior, mesmo que nossa pequena compreensão humana não consiga abarcar ou alcançar. Nós geralmente medimos a vida e o mundo dentro da nossa própria perspectiva limitada e esquecemos que a vida, o mundo, o universo, vão muito além de uma mera vida humana e, dentro dessa perspectiva, tudo está certo, tudo está como deveria estar. Nisso precisamos confiar.

Charles Paul Landon – Icarus and Dedalus – reprodução

Essa Lua Cheia me lembra o mito de Ícaro, para que não conhece ou não lembra, vou contar resumidamente esse mito (1). Ícaro era filho de Dédalos, que construiu o labirinto do Minotauro, com a ajuda de seu filho, a pedido do Rei Minos – você pode ler um pouco dessa história o texto sobre o signo de Touro. Quando Minos soube que Teseu matou o Minotauro e conseguiu sair do labirinto, prendeu Dédalos e Ícaro no labirinto, em Creta. Sabendo que Minos controlava tanto o mar quanto a terra, Dédalos, que era um grande e habilidoso artesão, fez para si e para Ícaro asas que juntavam penas de várias aves, fixadas com cera, para que assim, pudessem fugir do labirinto e de Creta. Antes de alçar voo, Dédalus alertou a Ícaro que não voasse alto demais, pois o calor do sol poderia derreter a cera e descolar as asas; também não deveriam voar muito baixo, pois a umidade do mar poderia também desmanchar o artefato. Assim, alçaram voo em direção à liberdade. Porem, Ícaro ficou encantando com o fulgor do Sol e seguiu em sua direção, sentindo-se como um deus. Esqueceu-se dos conselhos de seu pai e voou alto, alto demais, deslumbrado que estava com o Sol. Logo a cera de suas asas começou a derreter e ele caiu e morreu no mar que posteriormente foi nomeado em sua homenagem: Mar Icário. Dédalos, ao não ver mais o filho, preocupou-se e chamou-o muitas vezes, mas já era tarde. Viu apenas as penas flutuando sobre as ondas. Mesmo assim, Dédalos conseguiu chegar à Sicília e lá enterrou o corpo do filho.

Reprodução

Como sabemos, Sagitário é um signo das alturas, das infinitas possibilidades. É o signo do Puer Aeternus, o arquétipo da Criança Divina, modernamente conhecida como Peter Pan. Ícaro é mais uma faceta desse arquétipo. As asas simbolizam a criatividade, a liberdade e a capacidade de voar acima dos nossos limites terrenos, representado pelo labirinto e pela ilha – lembra da expressão asas da liberdade, asas da imaginação? Mas os problemas começam quando nos empolgamos demais e esquecemos que tais limites continuam valendo, que não podemos ser arrogantes e achar que somos deuses, voar alto demais. Esse é um tema básico para quem tem Sagitário forte no mapa: as grandes aspirações, o alçar grandes alturas e depois se ver em queda livre, vertiginosamente, porque esquece-se os limites básicos, as regras do voo – mesmo os pássaros obedecem regras de voo, porque sem elas, o voo é sempre desastroso! E esse é o desafio de Sagitário e de todos nós nas próximas semanas: alçar o voo sem esquecer das regras básicas, sem incorrer na arrogância de achar que viramos deuses e agora podemos tudo, inclusive chegar ao sol, chegar a ser Deus, em carne e osso.

Reprodução

O outro desafio é celebrar, apesar das decepções e desapontamentos. Celebrar – não como no ditado “como se não houvesse amanhã”, ao contrário, exatamente pensando no amanhã, que pode ser melhor, porque vamos nos esforçar para crescer e melhorar; perceber as pequenas vitórias ao longo da caminhada e se regozijar por elas; encarar a realidade, crescer com ela, sem perder o espírito-criança, genuíno e inocente, mas nunca ingênuo!

Reprodução

Como Saturno está forte neste mapa, a Lua Cheia joga luz e realça, mais uma vez seu trânsito por Sagitário. E aqui precisamos ter um cuidado: o de não incorrermos nas cobranças excessivamente duras conosco mesmos ou com outros – Saturno -e o Senex, o outro lado do Puer, o Velho. Também precisamos cuidar para não nos prostrarmos diante de algumas decepções, perdas, dificuldades… Já falei em outros textos que signos Mutáveis – especialmente Gêmeos e Sagitário andam enfrentando a maior barra nos últimos dois anos, devido aos desafios de Saturno e isso representa um momento de crescimento e não de derrota. E vai passar – lembre-se disso!

Reprodução

Por outro lado, como a Lua está aplicando a Saturno, precisamos nos preparar para lidar com cobranças de promessas que andamos fazendo sem pensar e agora precisamos entregar o prometido – nos próximos dias ou meses! Quem quer que tenha se comprometido demais, sem planejar adequadamente, seja em termos financeiros, energéticos, de tarefas ou de tempo, agora terá que fazer malabarismos para cumprir o que prometeu, ou simplesmente deixar de cumprir e arcar com as consequências – mesmo assim, isso ainda é parte do aprendizado e não convém autoflagelar-se.

Reprodução

Pelicanos, perturbados pelo comportamento e resíduos dos humanos, procuram áreas mais seguras para criar seus filhotes”. Este é o Símbolo Sabiano para o grau 19 de Sagitário, que nos remete a questões muito maiores que os pessoais ou locais – remete-nos aos problemas universais que o humano contemporâneo enfrenta, problemas criados por ele mesmo. Não precisamos elucubrar muito a respeito dessa imagem, porque ela fala por si só: questões ambientais e como estamos cavando nossa própria cova, além de enterrarmos junto centenas, talvez milhares de espécies que sofrem as consequências da atuação danosa do ser humano sobre o planeta.

Reprodução

Além de apontar para a questão real do excesso de lixo e descartes produzidos pelos indivíduos e sociedades modernas, consequências do consumo exagerado e vazio, também alude ao lixo cultural, aos excessos produzidos na indústria do entretenimento que, ao invés de alimentar nossa alma e fomentar nossos sonhos, apenas os pulveriza e os barateia, pois tudo se torna comercializável, rentável, mesmo o mais íntimo e precioso dos sonhos. Pelicanos são conhecidos pelo extremo cuidado que têm com suas crias e famílias. Diz-se que em situações radicais eles chegam a alimentar os filhotes com a própria carne e sangue. Não se sabe se isso é lenda ou verdade, mesmo assim, de acordo com Dane Rudhyar (2), remonta à ideia de urgência: “nossa sociedade tecnológica polui não apenas o ambiente global, mas também a mente e as respostas emocionais das novas gerações. A busca por novos modos de vida é vista por muitas pessoas como um imperativo”, diz ele.

Reprodução

Então, este é mais um desafio: como continuamos a crescer e a nos desenvolver como indivíduos, sociedades e, em última instância, como espécie, sem ser uma ameaça às outras espécies e ao próprio planeta e ainda sem comprometer o conhecimento, a formação e o futuro cultural das novas gerações, por causa do lixo imediatista produzido aos borbotões pela indústria da “felicidade fácil e comprável” no shopping center – ou em qualquer outro lugar que acreditemos que podemos comprar satisfação verdadeira.

Reprodução

Diante de tudo isso, eu insisto: temos muito a celebrar e a aspirar! É incontestável que temos dificuldades, mas elas estão aí para nos testar. Elas nos testam a amadurecer e continuar a crescer; elas nos desafiam a dar nosso melhor e não perder a confiança em nós mesmos, no elemento humano, na vida; elas nos desafiam a aspirar às grandes alturas, a sair dos labirintos criados pelo medo, pelos abusos de poder, pela estreiteza de pensamento e de espírito; e, ainda assim, lembrar de nossa mortalidade, para não queimarmos feito mariposas na chama da luz fulgurante e nem derretermos a cera que nos permite voar. Sim, muito temos a celebrar! E a confiar! Fincamos os pés na terra para alçar nosso voo, lembrando que precisamos ter clareza que em algum momento precisaremos pousar.

Para terminar, essa Lua Cheia me lembra aquela canção tradicional, imortalizada na voz de Judy Garland – e que me foi lembrada hoje por uma amiga: “Over the Rainbow” – Além do Arco-íris. A canção é trilha do filme o Mágico de Oz, de 1939. Foi escrita por Harold Arlen and Yip Harburg e aparece no momento em que Dorothy sonha e anseia por escapar da melancolia e das dificuldades que vive em sua realidade, no Kansas. Além do sentido que tem no filme, a canção tinha o intuito de elevar o espírito dos americanos, que ainda lutavam para se recuperar da Grande Depressão de 1929. De fato, Dorothy, conversando com seu cão, Toto, fala que “não se pode chegar a este lugar por trem ou barco, é um lugar muito, muito além… Atrás da Lua, além da chuva… Um lugar onde não há nenhum problema”. Eu diria que este lugar só existe no nosso refúgio particular, na nossa própria alma, quando estamos em paz. E, embora sejam raros tais momentos de paz, eles são possíveis e muitas vezes independem de circunstâncias exteriores. Trago esta canção aqui para elevar nosso espírito e lembrar que além do arco-íris existe um lugar mágico e este lugar não está lá fora. O arco-íris está dentro de nós e o que encontramos além dele, é peculiar e singular para cada um, porque é a nossa Terra do Nunca particular, nosso paraíso pessoal, para onde podemos ir sempre, para nos refazer, para celebrar. Não necessariamente para fugir, mas para buscar uma trégua, um momento de refazimento da luz e da esperança, o revigorar do entusiasmo e da fé!

Abaixo, a letra da canção, em tradução livre:

Além do arco-íris

Em algum lugar, além do arco-íris, bem no alto
Há uma terra sobre a qual eu ouvi uma vez em uma canção de ninar.
Em algum lugar, além do arco-íris, os céus são azuis
E os sonhos que você se atreve a sonhar,
realmente tornam-se realidade

Algum dia eu pedirei a uma estrela
E acordarei onde as nuvens estarão muito atrás de mim
Onde os problemas derretem-se como balas de limão
Muito acima dos topos das chaminés
É onde você me encontrará

Em algum lugar além do arco-íris, pássaros azuis voam
Pássaros voam além do arco-íris
Porque então, por que não posso eu?
Se pequenos pássaros felizes voam
Além do arco-íris
Porque, oh porque não posso eu?

Feliz Lua cheia para você! Que haja motivos para celebrar – e sempre há! Brindemos a isso!

Reprodução

(1) APOLLODORUS – The Library of Greek Mythology

(2) RUDHYAR, Dane – An Astrological Mandala