Arquivo da tag: Capricórnio

A Semana Astrológica – Plantando para o futuro

Rob Gonçalves – Reprodução

Semana de 28 de agosto a 03 de setembro – Semana de Lua Crescente, tempo bom para fermentar os negócios e os projetos, de podar os excessos e depois avançar de forma focada.

O Sol ingressou em Virgem e fica vários dias sem fazer muitos contatos, preparando-se para enfrentar Netuno e Saturno daqui a pouco. Mercúrio, ainda retrógrado, regressa ao signo de Leão, onde vai estacionar no dia cinco no grau 28. Ao voltar a Leão, Mercúrio ensaia outro trígono a Urano, mas o aspecto não chega a se concretizar, pois Mercúrio estaciona antes para voltar ao movimento direto.

Reprodução

Vênus está toda poderosa, na sua versão realeza, em Leão. Também fica muitos dias sem fazer aspectos maiores a outros planetas, apenas recebendo os contatos lunares. A ação maior fica mesmo por conta de Marte, no terceiro decanato de Leão, que nesta semana faz quincôncio a Quíron e trígono a Urano e passa a semana em formação de Grande Trígono de Fogo, já que ainda está também em trígono a Saturno em Sagitário. Esse Grande Trígono traz uma renovação de esperanças no futuro, uma percepção de que mesmo que o presente e o passado sejam tortuosos, a vida é impermanência, é surpresa, é inconstância e se, em muitos momentos a ideia da impermanência assusta, em períodos como os que vivemos atualmente, ela vem como um verdadeiro bálsamo, porque sabemos que os tempos sombrios podem até durar, mas não são permanentes.

Contudo, o fim de semana requer cuidados porque Marte e Mercúrio se encontram e trocam informações exatamente no grau do último eclipse total do Sol, no dia 21 de agosto. O fim de semana pode trazer tensões, conflitos e acontecimentos inesperados.

Lua Corcunda na Chapada dos Guimarães – Creuza Medeiros – reprodução

A Lua abre a semana ainda na fase Semi-Crescente, em Escorpião. Entra no Quarto Crescente a partir de Sagitário, na terça-feira. Torna-se Corcunda no sábado, já em Capricórnio e fecha o domingo em aquário. Faz contatos tranquilos ou estressantes com todos os demais corpos celestes, simbolizando, no céu, os “perrengues” ou delícias que vivemos aqui na Terra.

Catrin Welz-Stein- Reprodução

SEGUNDA-FEIRA, 28 de agosto – A Lua abre o dia em Escorpião, e quadratura a seu dispositor tradicional, Marte, atualmente em Leão. Fica vazia depois deste contato, às 06h39min. Faz ainda trígono a Quíron, quincôncio a Urano e ingressa em Sagitário às 16h48min, de onde faz quadratura a Mercúrio, que hoje está em sesqui-quadratura a Plutão. A Lua faz ainda trígono a Vênus em Leão. O dia está favorável a reflexões profundas acerca de assuntos ocultos e dos mistérios da vida. O que quer que façamos hoje, precisamos fazer com paixão e compromtimento, estando profundamente envolvidos e engajados, sem meio-termos, sem “mas” ou “se”… É um bom dia para refletir sobre a natureza das nossas raivas, mágoas e rancores; sobre as frustrações mais doídas e difíceis e fazer um esforço para dissolvê-las e deixá-las ir, porque estão a comprometer muito do nosso desenvolvimento, liberdade e entrega aos novos projetos ou novos relacionamentos. Também vale a pena investigar as origens mais obscuras de tais sentimentos e as razões para nos agarrarmos a eles. É, de fato, um ótimo dia para análises e sessões terapêuticas, porque podemos alcançar profundezas que em outros dias seriam inalcansáveis. Contudo, a ação objetiva está comprometida, portanto, se possível, o ideal é adiar decisões e ações importantes para mais tarde e refletir melhor sobre seus impactos no futuro. Em termos práticos é dia de observar quais eliminações serão necessárias, onde precisaremos podar as ideias e projetos nascidos ou iniciados recentemente, para que frutifiquem em todo o seu potencial.

Reprodução

TERÇA-FEIRA, 29 de agosto – A Lua entrou em Sagitário ontem e fez quadratura ao Sol ainda na madrugada, oficializando o Quarto Crescente. No fim  do dia a Lua também faz quadratura a Netuno e sesqui-quadratura a Urano. É dia de olharmos além, muito além dos fatos e detalhes menores, para podermos acrescentar visão e perspectiva aos nossos projetos e propósitos. Nossa plantação brotou e segue vicejante, mas junto vicejam também as ervas daninhas, que precisam ser eliminadas, para que o plantio cresça forte e livre das pragas. É tempo também de poda, de eliminar os excessos desnecessários e reconhecer que por mais otimistas que sejamos, não damos conta de tudo – é humanamente impossível! Assim, precisamos escolher, precisamos deixar algumas coisas de lado, para conseguirmos focar no que realmente interessa. Se a árvore ou a planta é podada, desbastada dos galhos ou ramas “inúteis”, concentrará sua seiva e crescerá mais rápido e talvez mais forte. Assim também somos nós, muitas vezes precisamos proceder com podas providenciais na vida, no trabalho, nos projetos… Assim cresceremos mais rápido e mais fortes, porque a seiva e a energia estarão concentradas. É dia também de observar onde nossa percepção excessivamente detalhista nos impede de captar a visão maior do futuro; onde só vemos a árvore diante de nós, sem perceber a floresta na qual a árvore está inserida e assim, deixamos de ver o todo do qual tudo é parte. É preciso equilibrar, conseguir perceber o micro e o macro e entender que se integram, em nós e fora de nós.

Reprodução

QUARTA-FEIRA, 30 de agosto – De sagitário a Lua se harmoniza com seu dispositor, Júpiter, que está em Libra. A Lua faz sesqui-quadratura a Vênus, conjunção a Saturno, trígono a Marte e a Urano (não exato), formando um Grande Trígono de Fogo. É dia de nos animarmos um pouco, apesar de todas as dificuldades e más notícias. É dia de ter otimismo e esperança, afinal, tudo passa, nada é permanente. Não estamos falando de um otimismo bobo e ingênuo, mas daquele que olha mais longe, que sabe que a vida é uma Roda da Fortuna, que gira, e gira e gira… Uma hora estamos embaixo e daqui a pouco estamos em cima… E vice-versa. E se nos perguntamos por que insistir em fazer o correto, em ser íntegros e decentes enquanto o mundo desmorona debaixo dos escombros de valores esfacelados, lembremos do provérvio árabe (creio que seja árabe) que diz: “quem planta tamareiras não colhe tâmaras”. Diz a estória que um homem plantava tâmaras quando foi abordado por um jovem que lhe perguntou por que plantava algo que nunca iria colher – isso porque antigamente uma tamareira levava de 80 a 100 anos para dar frutos. E o homem respondeu: “se todos pensassem como você, ninguém jamais comeria tâmaras”. Assim, não importa se o que fazemos agora talvez pareça não dar frutos imediatos; plantamos para a longevidade, as ações de hoje se refletirão no futuro, boas ou más, então, não é melhor que sejam boas as nossas ações? Aquilo que fazemos ou deixamos de fazer, repercutirão lá na frente, positiva ou negativamente. Se fazemos e vivemos com integridade, com correção, mesmo que não colhamos “as tâmaras” plantadas, ainda teremos a satisfação que nossos filhos ou netos o farão. Do contrário, se vivemos de forma inconsequente, irresponsável, sem ligar muito para o resultado de nossas atitudes e ações, talvez não só nós mesmos arcaremos com seu peso (o castigo vem a cavalo, diz o ditado antigo), como ainda deixaremos uma herança maldita para os que vierem depois. Portanto, é dia de pensar no futuro, com responsabilidade, integridade e correção. Agir corretamente, mesmo que não sejamos nós a colher os resultados. E vale sempre lembrar: as “tâmaras” que comemos hoje, foram plantadas por alguém, muito tempo atrás! Da mesma forma, muitos dos benefícios que facilitam nossa vida hoje, foram conquistados por outros indivíduos, outras gerações, que talvez nem tenham chegado a usufruir de seus feitos e nem por isso deixaram de brigar por tais conquistas.

Reprodução

QUINTA-FEIRA, 31 de agosto – Mercúrio retrógrado regressa a Leão e Vênus está em sesqui-quadratura a Saturno. Enquanto isso a Lua Sagitariana completa o trígono a Urano e fica fora de curso depois deste aspecto, à 01h43min. Ingressa em Capricórnio às 05h19min, de onde se desalinha com Vênus, mas se afina com o Sol Virginiano. Nosso brilho e alegria ficam um pouco sombreados hoje, embaçados por alguma insegurança não muito nítida, alguma sensação de algo fora do lugar, que incomoda, embora não consigamos confrontar. Consequentemente, nosso humor fica mais sombrio também, podemos nos fechar um pouco e nossas interações e relações podem sofrer com isso. Bom ficar atentos sobre os sinais inconscientes e involuntários que enviamos aos outros, que podem contradizer nossos desejos e discurso consciente e depois não sabemos porque criamos um conflito… O dia traz também uma atmosfera favorável ao trabalho e à execução de tarefas práticas que exijam presteza, comprometimento, persistência, disciplina e empenho. Não é dia de se voejar por aí sem rumo – é dia de ter foco, responsabilidade. De se levar a sério o que quer que esteja acontecendo conosco e de ter uma abordagem prática e objetiva de tais assuntos. Nada de romantismos ou sentimentalismos. É pé no chão e mão na massa!

Brooke Shaden Photography – Reprodução

SEXTA-FEIRA, 1° de setembro – Marte está em quincôncio a Quíron. De Capricórnio a Lua tem um desentendimento com Marte, mas se afina com Netuno e se funde a Plutão. Fecha a noite em quadratura não exata a Júpiter. A energia de realização está oscilante, vai e vem, vem e vai e isso nos deixa um tanto inquietos e frustrados, porque não conseguimos terminar as tarefas como gostaríamos e pior, isso compromete o resultado final do trabalho e pode nos deixar predispostos a pisar nos calos alheios como consequência de nossa irritação e oscilação. É possível também que estejamos no módulo “rolo compressor” e tentemos apressar a outros ou passar por cima deles de forma consciente e bem direta, sem nem nos desculparmos, coisa que também não vai acabar bem, afinal, cadê a civilidade? Ou ainda, talvez farejemos crítica, ofensa, competitividade onde não existem e isso também contribui para o clima tenso, mas indireto que fica na atmosfera. Mas da mesma forma que as oscilações e irritação nos atrapalham, elas oferecem a oportunidade de as confrontarmos em nós, se estivermos dispostos a empreender a descida até as profundezas da nossa alma. Uma vez lá embaixo, podemos encarar inseguranças, dúvidas, ambiguidades, medos, constrangimentos e embaraços que podem ter se emaranhado nos nossos pés ao longo do caminho e que agora atrapalham nossa livre movimentação, deixando-nos irritadiços e propensos a descontar em outros problemas que são apenas nossos. Assim, ao invés de entrincheirar-se contra tudo e contra todos, vale a pena um olhar honesto sobre as próprias feridas e tratar de sua limpeza e saneamento, talvez não fiquem completamente sanadas, mas podem propiciar um novo entendimento sobre nossas dinâmicas de raiva e defensividade gratuitas. E a raiva, a irritação, se persistirem, podemos utilizá-las como combustível para o trabalho árduo que nos espera!

Reprodução

SÁBADO, 2 de setembro – Marte está em trígono pleno a Urano. A Lua Capricorniana quadra Júpiter e faz sesqui-quadratura ao Sol, entrando na fase Corcunda. A Lua também faz sextil a Quíron e quincôncios a Marte e a Mercúrio, tornando estes dois focos de um Yod – Mercúrio e Marte formam uma parelha perigosa como foco desse Yod, porque estão no grau do Eclipse do Sol do dia 21 e mercúrio ainda está retrógrado, prestes a voltar ao movimento direto. Dona Lua ainda quadra Urano, aspecto depois do qual fica vazia, às 13h31min. Ingressa em Aquário às 17h07min. Marte e Mercúrio estão próximos à conjunção exata a poucos minutos do ponto exato do eclipse do Sol do dia 21. O dia traz uma mistura interessante de entusiasmo, energia dinâmica e empolgação com o futuro, com um certo receio e hesitação sobre se estamos no caminho certo, porque olhamos para trás e temos medo de abandonar algumas estruturas, ou mesmo as trilhas antigas. A mente briga com as emoções e lhes diz que não são válidas; o corpo briga com a mente porque se sente pressionado a fazer coisas para as quais não está disposto ou com as quais não concorda; a subjetividade pode nublar a objetividade e dessa forma nos perdemos em nós mesmos e nossos dilemas. Assim, ficamos meio que presos entre ir ou ficar, entre aceitar ou nos rebelar e o resultado de tais incongruências pode ser algumas atitudes impulsivas, precipitadas que podem não só se revelar infrutíferas, mas nos expor a acidentes, eventos infortunados e desastrados, para os quais talvez não haja muito conserto no futuro. Portanto, por mais que estejamos inspirados e animados, é preciso um pouco de cautela com as contradições, irritações e ambiguidades; cautela, especialmente com comportamentos e ações impulsivas no trânsito, nas relações, nas atividades esportivas e nas ações em geral. O período mais crítico vai das 11 da manhã até as 4 da tarde. A noite traz uma atmosfera um pouco mais leve e sociável e talvez nos ajude a espairecer um pouco da tensão.

Brooke Shaden Photography – Reprodução

DOMINGO, 3 de setembro – Mercúrio faz conjunção a Marte, uma conjunção às avessas, já que Mercúrio está em marcha à ré – ambos estão em trígono a Urano. A Lua Aquariana faz oposição a Vênus e quincôncio ao Sol. Fecha a noite e a semana em trígono não exato a Júpiter. O dia está cheio de um entusiasmo incontido, que pulula dentro de nós e que anseia por ganhar espaços amplos e abertos, longe das clausuras, das regras, das contenções, pequenezas e mediocridades do dia a dia. Mas tal entusiasmo, mesmo que nos chame para as alturas, precisa ser absorvido e vivenciado com alguma cautela, por mais paradoxal que pareça. Isso porque estamos conectados com pontos e impulsos obscuros em nós, que foram momentaneamente eclipsados, permanecendo sensíveis e ocultos, misteriosos para o nosso entendimento diurno e básico. Então, quanto mais insólito e compulsivo o impulso, mais cautela precisamos ter – que gatilhos acionará em nós? Que forças moverá? Serão positivas ou destrutivas? O que nossa intuição nos diz? A intuição hoje será o farol na escuridão. Se conseguirmos nos conectar a ela, verdadeiramente, poderemos acessar as mensagens mais elevadas que a alma e o espírito tentam nos enviar. Podemos sim, nos permitir a exuberância da novidade e da aventura, desde que esta intuição seja a autoridade a dar o aval. Em termos práticos, mesmo que estejamos muito animados e dinâmicos, o dia requer cautela no trânsito, nas interações, nas discussões, nas ações. Atitudes impulsivas não são muito recomendadas.

Desejo a você uma ótima semana, de confiança e esperança. Plantemos tâmaras, mesmo que sejamos nós a colhê-las!

Reprodução

Lua Cheia em Capricórnio – Cresça e Apareça!

Estamos no ápice do ciclo de Câncer, e este ápice se dá na Lua Cheia de Capricórnio, ocorrendo neste domingo, dia nove de julho, à 00h06min no horário de Brasília e às 04h06min no horário de Lisboa.

Câncer-Capricórnio é o eixo parental, o eixo dos arquétipos da mãe e do pai, da família e da sociedade. Fala de dependência e autossuficiência, das nossas origens e passado e das nossas metas de futuro; da necessidade de criarmos vínculos que nos sustentam, sem deixar que eles impeçam nosso crescimento.

Reprodução

E crescimento é a palavra-chave dessa Lua Cheia! A Lua está em Capricórnio, fazendo contraponto ao Sol Canceriano e sinalizando que, apesar de ser vital valorizar nossa família, origens e nossos vínculos afetivos, isso não pode ser desculpa para não realizarmos nossas ambições e projetos pessoais e não darmos nossa contribuição à sociedade na qual estamos inseridos – afinal de contas, Capricórnio é regido por Saturno! Cresça e apareça – é o mote dessa Lua! Cresça e se emancipe das dependências e apareça usando adequada e criativamente seu próprio poder! Aliás, crescer nem é uma escolha aqui, é mandatório! Ou fluímos ou vamos na marra mesmo. A vantagem é que quando crescemos, ninguém pode tirar isso de nós!

Lua Cheia em Capricórnio: Brasília, 9 de julho de 2017, 00h06min.

Além de Capricórnio ser o signo que nos obriga a crescer e amadurecer – nem que seja na marra, como já disse –  a Lua Cheia de hoje eleva isso à máxima potência, porque ocorre em conjunção a Plutão e oposição a Marte – além, é claro, da oposição ao Sol. Quer dizer, ou crescemos, ou somos estraçalhados no processo. É um momento em que a matéria de que somos feitos é posta à prova – o quanto conseguimos aguentar na luta insana da sobrevivência? Por que essa luta precisa ser insana? Porque estamos apegados demais às nossas expectativas pueris. apegados, o que é muito diferente de apaixonados ou de amar! Ter uma postura mais adulta e menos dependente – seja de pessoas, coisas ou posses – ajuda muito nesse processo.

Reprodução

A Lua está conjunta a Plutão e oposta à conjunção Sol-Marte em Câncer e os quatro fazem quadraturas a Júpiter em Libra – no caso de Lua, Sol e Marte, são quadraturas separativas. Quer dizer nossos ideais civilizados de crescimento e evolução (Júpiter em Libra, que estes planetas encontraram antes), precisam enfrentar muitos desafios e nós precisamos confrontar nossa sombra e nossos medos, se for para atingirmos nossas metas mais caras! Também precisamos encarar nossas infantilidades, dependências, birras e desejos regressivos de permanecer protegidos e submersos no útero sustentador (Câncer), se for para sermos “alguém”, se for para sermos donos de nós mesmos e do nosso destino e futuro (Capricórnio). Somos da turma da reclamação? Da vitimação? Do mimimi? Então seremos esmagados pela realidade dura e crua!

Steve de la Mare – reprodução

Vivemos tempos de transformação aguda, que acontece no dia a dia, seja numa iluminação e transformação individuais, seja numa medida sócio-econômico-política que nos afeta, queiramos ou não, direta ou indiretamente. E já estamos cansados de saber: quanto mais dispostos estamos a mudar e transformar em nós, aquilo que é necessário, tanto mais fácil será navegar os tempos turbulentos que vivemos. A Lua Cheia vem descascar mais uma camadinha dessa cebola ardida de lacrimar os olhos!

Reprodução

Esta é uma lunação muito potente, porque Sol e Marte estão sob a égide da Lua. Contudo, a Lua, por sua vez, está desprotegida, pois está em detrimento, num signo que não lhe é favorável e ainda em conjunção a Plutão. Aqui nós fazemos da fraqueza a força, como é típico de Capricórnio! Por mais frágeis que nos sintamos, colocamos nossa máscara mais fria e dura, arreganhamos os dentes e vamos à luta, com um sorriso glacial e sofisticado nos lábios! E provamos competência, talento, habilidade, disciplina, perseverança, maestria! À custa, muitas vezes, do nosso próprio coração – mas Capricórnio aprendeu a lição: ou endurece ou morre. Como se diz no ditado: a vida é dura para quem é mole! Nesse caso, Capricórnio escolhe desenvolver a casca dura, para proteger suas vulnerabilidades, que em Câncer, estão mais à vista. Portanto, ou encaramos nosso próprio poder e o assumimos e junto encaramos nosso desejo de controlar o ambiente e de transformar a vida; ou nos tornamos impotentes e ficamos à mercê do poder de outros, que não hesitarão em nos esmagar feitos pequenos insetos insignificantes. Mas não, não precisamos esmagar nem petrificar nosso coração no processo. Depois que aprendemos as lições – que já sabemos de cor, como diz na canção – compreendemos que autopreservação não significa isolar-se de tudo e negar-se tudo. É apenas aprender a medida exata das coisas.

Reprodução

A Lua está em conjunção a Plutão nesta lunação e isso nos traz presente os mitos associados a Plutão: Perséfone, Medusa, Inanna e Erishkigal. Todos são mitos que, entre outros temas, falam de assumir nosso próprio poder, nosso próprio desejo de poder, mas Plutão nunca dá colher de chá. Erishkigal, ao receber a irmã Inanna no Mundo Inferior – que não tinha sido convidada e que se apresenta completamente nua e desprovida de qualquer adereço mundano que a identifica como Rainha dos Céus, Deusa do amor e da Fertilidade – sapeca-lhe na cara, direta e cortante: “você acha que irei lhe poupar, só por ser minha irmã? Enganou-se! Aqui no Mundo Inferior, só entra quem já morreu”. E assim, Erishkigal mata a irmã e a pendura num gancho de açougue para apodrecer. E Inanna é obrigada a confrontar seus piores medos: desvestir-se de tudo o que a identificava como rainha poderosa, o anonimato e esquecimento e, em última instância a morte e a total impotência, ficar à mercê da vontade de outrem. Mas ela tinha um plano B, pois não era tão ingênua. E quando a ajuda chega e ela finalmente é trazida de volta à vida e liberada, já não é a mesma. Foi completamente transformada no confronto consigo mesma – Erishkigal é parte dela mesma, sua Sombra – e agora se conhece mais profundamente e já não teme a escuridão, nem a própria fraqueza, menos ainda, o próprio poder!

Catrin Welz-Stein – reprodução

O poder de que falamos aqui pode ser mundano, mas ele é, essencialmente, o poder espiritual do conhecimento de si mesmo e aquele, não se sustentará sem este! Este poder é exercido e executado de forma prática por Marte, o guerreiro que está a serviço da consciência solar. Ocorre que, nesta lunação ambos, Sol e Marte, como já pontuado, respondem à Lua, pois estão em Câncer, assim, Marte está a serviço da Lua, dos instintos, da emotividade. Negativamente, ficamos à mercê de nossas reações infantis belicosas, dos caprichos e criancices de quem não teve sua vontade forjada no fogo das frustrações e limitações da vida – aqueles que foram excessivamente protegidos, já entram perdendo! Contudo, positivamente, temos a chance de imbuir nossa ação de imaginação, criatividade, espírito, alma, amor! É quando a ação é movida pela própria alma, pelos sentimentos mais puros, lapidados na navalha das frustrações, das negações e limitações que enfrentamos vida afora e que, a despeito de tudo o que nos fizeram sofrer, brindaram-nos com a maturidade precoce, com resiliência e a capacidade de dar o próximo passo, de andar a próxima milha, com amor e perseverança. Porque é necessário!

Reprodução

Saturno, regente da Lua Cheia, está em retrógrado em Sagitário, fazendo trígono a Urano e quadratura a Quíron. Talvez nos sintamos incapazes de fazer as coisas que precisamos fazer para melhorar a vida, para dar alento aos que estão à nossa volta, mas ainda assim, precisamos insistir, acreditar que é possível transformar o enredo e o cenário, mesmo que vagarosamente. Saturno está retrógrado sugerindo que as mudanças e metas nas quais trabalhamos talvez demorem a ser concretizadas. Entretanto, precisamos continuar firmes. A espera também é parte do processo de aprendizado e talvez faça o sucesso ser mais saboroso.

No mapa levantado para Brasília, além de Lua-Plutão e Sol-Marte estarem no eixo das casas 3 e 9, implicando mudanças na comunicação, pensamento, sistemas de crenças e leis e justiça, Urano está “sentado” no Ascendente do mapa, sugerindo que muitas mudanças são bruscas, radicais e irreversíveis. Temos pela frente algumas semanas de ansiedade, inquietude e eventos inusitados – o que mais pode acontecer nesse Brasil?

Mia Araujo – reprodução

Algo que não podemos esquecer é que essa lunação precede a próxima a temporada de eclipses, que começa no dia 07 de agosto, com a Lua Cheia e Eclipse Lunar em Aquário. Então, temos pela frente algumas semanas de transformações intensas, de forjarmos nossa vontade e determinação no fogo das dificuldades e frustrações, para estarmos aptos e enfrentar quaisquer demônios que porventura cruzem nosso caminho.  Assim, é preciso deixar os cueiros, fraldas, chupetas e mamadeiras para trás, para sermos adultos em nosso próprio direito, capazes de assumir nossas responsabilidades, no que elas têm de mais terrível e de mais belo. Junto, deixar as imagens e identificações que não correspondem àquilo que somos verdadeiramente.  Enxugar o rosto, recuperar a compostura, preservar a dignidade; proteger nossos limites, conquistados a duras penas. Indivíduos que porventura insistam em se manter na inconsciência e na imaturidade, sendo irresponsáveis e inconsequentes com sentimentos alheios ou com sua alma mais profunda, para privilegiar apenas seu próprio ego narcisista infantil, poderão se deparar com tempos muito difíceis, em que seu egoísmo imaturo, disfarçado de indecisão será desmascarado duramente.

Reprodução

Outro ponto importante, é que Capricórnio é um signo relacionado com o poder social e governamental, com o status quo. A Lua Cheia se dá em conjunção a Plutão e indica que tudo aquilo que não é autêntico deverá ser destruído. Cada vez que a Lua passa por Capricórnio, todo mês, e faz conjunção a Plutão, somos lembrados disso de novo. A mesma coisa ocorre com os trânsitos dos outros planetas. De 2008 a fevereiro de 2024 (quando Plutão sai de Capricórnio definitivamente) vivenciamos isso todos os meses, de forma mais ou menos intensa, e o fazemos individual e coletivamente. Então, além de nos desafiar a crescer individualmente, a Lua Cheia nos desafia a crescer como cidadãos, a ser mais realistas, abandonar as esperanças tolas e vãs e fazer o checklist objetivo do que podemos mudar na nossa atitude social – afinal, não estamos numa bolha e não podemos fingir que não é conosco (veja o vídeo ao final do texto).

Reprodução

Alguém já disse que nossa mãe nos pariu uma vez, quando nascemos e que, ao longo da vida, somos obrigados, muitas e muitas vezes, a parir a nós mesmos, no eterno processo de crescimento e aprendizagem que viemos empreender aqui. A Lua Cheia de Capricórnio de hoje sinaliza mais um parto. Que não seja a fórceps, porque se a trilha e o caminho são abertos por nós mesmos, a jornada será sempre mais prazerosa! que tenhamos a coragem de demolir o que precisa ser demolido e arregaçar as mangas para construir o novo edifício da nossa vida!

Em termos práticos, essa lunação deixa os ânimos bastante alterados e explosivos, portanto, é bom pegar leve, consigo e com os outros. Pessoas com planetas ou ângulos entre os graus 12 e 22 dos signos cardinais (Áries, Câncer, Libra e Capricórnio) sentem de forma mais intensa essa lunação.

Feliz Lua Cheia para você!

O vídeo a que me refiro acima (desculpem, estava na correria ontem e acabei não postando o link do vídeo!) é este de um discurso de  J. K. Rowling na abertura de uma formatura em Harvard, em 2008. Vale muito a pena ver, porque traz reflexões profundas pertinentes a essa Lua Cheia e à nossa vida em geral!

 

 

A Semana Astrológica – Do que você tem medo?

Semana estendida de 30 de junho a 09 de julho

Não consegui publicar a semana corrente na data certa, então, aproveito e já publico o período estendido até a semana que vem – estou em viagem, no interior do Maranhão, com acesso limitado à internet – por isso também o post sai com imagens limitadas.

Este período está bastante catártico, com crises atuais ressuscitando dores e mágoas antigas e que podem tanto nos endurecer e amargar um pouco mais, ou nos libertar dos ranços e bolores emocionais para uma vida mais doce e serena. Nossos medos também ficam aflorados e nos fazem questionar o que é realmente essencial para nós.  Estou falando dos trânsitos correntes do Sol, Marte e Mercúrio por Câncer, todos em confronto com Plutão em Capricórnio crises que atingem seu apogeu na Lua Cheia de Capricórnio que ocorre no dia 09 de julho, domingo da semana que vem.

Marte, já neste fim de semana, enfrenta o poder de Plutão e como Plutão é a oitava mais elevada de Marte, é sempre formidável um embate entre os dois, representando momentos de grave tensão, propensão à violência, tanto nas relações pessoais, quanto nas interações impessoais e sociais. Há conflitos de poder, tentativas de controle e as consequentes insurreições, que tendem a derrocar em agressividade explícita e física, caso não se consiga contornar as beligerâncias. Se não estamos cientes de nossa própria agressividade não expressa e preferimos nos identificar com a ovelha mansa e dócil, podemos cair direto nas garras de lobos famintos, que ficarão felizes em nos dar uma lição de sobrevivência e de até onde está disposto a ir quando isto está em jogo. Marte-Plutão sempre nos questionam como temos usado nosso poder, se o usamos sabiamente, sem desculpas, ou se o delegamos a outros, por medo de suas implicações, por medo de nos rendermos a ele; também nos incita a olhar se não abusamos desse mesmo poder, intimidando, agredindo, violando a outros ou a seus recursos, por não entendermos que devamos respeitar os limites alheios. Tudo isso, dependendo do quanto temos trabalhado nossa sombra e essas questões dentro de nós. Marte também faz quincôncio a Saturno, sugerindo inseguranças recalcitrantes que voltam a nos afligir e que vão demandar autocompaixão e tolerância conosco mesmos.

Antes de Marte, Mercúrio fez o mesmo percurso, digladiando nos mesmo desafios, fazendo primeiro quadratura a Júpiter e depois oposição a Plutão, de modo que de quinta a domingo desta semana, as coisas ficam deveras tensas e carregadas. Estouros podem ocorrer e os canos que jaziam entupidos de muitos detritos antigos, sangram agora, alagando os arredores com nossa raiva antes represada, que agora jorra aos borbotões, espantando a muitos, inclusive a nós mesmos. Tais inundações da raiva não ocorreriam, se mantivéssemos nossos canos limpos de tais resíduos. Como fazer isso? É um exercício permanente, diário, de se vigiar, de gerenciar a própria raiva, irritação e frustrações, de saber colocar e respeitar os próprios limites, de saber dizer não quando se quer e se precisa dizer não, de saber ser honesto consigo e com o outro, ao invés de engolir os impropérios e mariná-los para depois. Não, não é o caso de explodir todos os dias e proferir os impropérios, mas pelos menos de reconhecer quando se sente invadido, quando não se está satisfeito e pontuar isso, de forma firme e adequada – assim, não será necessário explodir ou implodir mais à frente, quando o copo encher ou quando os canos entupirem. A nosso favor temos o fato de Marte já ter voltado aos limites do Sol, estando menos selvagem e descontrolado. Mercúrio, por outro lado ainda está nessa condição até dia 01/07, requerendo cautela, porque as línguas ficam mais do que ferinas, potencialmente letais.

Na semana que vem o Sol fará os mesmos movimentos. Faz quadratura a Júpiter (05/07) e depois oposição a Plutão (09/07) e é a vez de a consciência ser inundada pelos conteúdos sombrios do inconsciente, nossas dependências infantis, desejos de onipotência e controle através de artimanhas sutis, mas muito efetivas. Precisamos mesmo recorrer a tais artimanhas? É mais um momento de confronto com nosso senso de (im)potência. No mundo exterior isso se manifesta como conflitos intensos de  busca de domínio sobre terceiros, já que talvez não conseguimos dominar nossas próprias inseguranças internas. O desejo de controle geralmente nasce da insegurança profunda, do medo de ser controlado e de ficar à mercê do que quer que seja: pessoas, situações, eventos, então, predomina a máxima: antes ele do que eu, e para não me sentir dominado e controlado, eu controlo e domino. Estes são dias ótimos para perscrutarmos nossa alma e verificarmos quando controlamos e quando nos sentimos controlados e como agimos ou reagimos diante disso. O Sol também fará trígono a Netuno, o que provavelmente nos ajuda a lidar com todos esses dilemas com mais serenidade e auto compreensão – se não temos compaixão por nós mesmos, quem terá?

Depois de ter feito a Conjunção Superior ao Sol e de lidar com todos esses desafios, Mercúrio deixa as águas de Câncer e ingressa em Leão e começa a se afastar do Sol, preparando-se para seu próximo ciclo de retrogradação, que começa em 12 de agosto, em Virgem. Em Leão Mercúrio se comunica de forma magnânima, mas também dramática! Há um grande interesse nas artes em geral e o auto interesse também é acentuado. Caso não esteja aflito, há o entusiasmo e a alegria de um coração jovem, coisa que é reconhecida pelas crianças, com quem costuma de relacionar bem. Mercúrio fica em Leão de 5 a 25 de julho, quando então ingressa em Virgem.

Quem também muda de cenário é Vênus, que sai dos campos bucólicos de Touro e torna-se mais urbana e sofisticada em Gêmeos. Nesta semana que termina Vênus fez quincôncio a Saturno, movimento que pode ter significado alguns estremecimentos nas relações em geral, motivados por inseguranças ou incompatibilidades de valores e interesses. Talvez o posterior sextil a Quíron nos ajude a ter mais compreensão das dificuldades alheias, assim como das nossas próprias, o que pode nos ajudar a encontrar algum caminho de conciliação. Vênus entra em Gêmeos no dia quatro de julho, onde fica até o dia 31, quando ingressa em Câncer.

Quíron estaciona na sexta, dia 30, para entrar em retrogradação no sábado. Esse movimento de Quíron nos convida a reavaliarmos como temos lidado com o tema das feridas incuráveis na nossa vida, da bisca ou oferta de ajuda e a cura proveniente de tal atitude. Quíron fica retrógrado de 1° de julho até 06 de dezembro e como Saturno volta ao movimento direto em agosto, os dois ainda se batem uma vez mais na quadratura atualmente em curso. Este é um aspecto bastante difícil e quem sente de forma mais contundente e pesada são os signos mutáveis, particularmente Gêmeos e Sagitário, mas também Virgem e Peixes. Nos próximos meses estaremos refletindo sobre nossas fragilidades sem conserto, nossa tendência ao vitimismo ou à amargura, nossa abnegação e a busca do bálsamo da cura, através da ajuda ao outro.

E, finalmente, nos próximos dias também vemos ocorrer o terceiro e último quincôncio de Júpiter a Netuno, precisamente na virada de terça (dia 04) para quarta. Expectativas exageradas, seguidas de experiências de desencanto são sugeridas por este aspecto, particularmente no que tange a figuras eclesiásticas e religiosas em geral, como também em relação a juízes e e a leis. Engodos podem se dar, sob o disfarce da benevolência aos oprimidos e desvalidos; há dificuldade em ater-se aos limites, sejam os pessoais ou sociais; há propensão aos exageros no otimismo, nos planos de crescimento, na busca por melhoria. Se conseguimos controlar tais rasgos doudivanas, podemos tirar proveito de um aumento da criatividade, mas é preciso ter muito pé no chão para não nos deixarmos levar por planos mirabolantes que talvez deem em nada! Cautela, mais uma vez, como promessas feitas ou ouvidas – elas podem nos levar à nau dos insensatos, que está fada a naufragar. Esse último quincôncio entre Júpiter e Netuno ocorre com a Lua vazia, em Escorpião, sugerindo que é ainda mais difícil ter clareza de nossas expectativas fantasiosas, e que não devemos mesmo nos apegar a elas, pois nada está determinado ou preciso e os resultados tendem a nos surpreender, a sair muito diferentes da nossa esperança – provavelmente de forma negativa.

A Lua fecha esta semana em Escorpião, na fase Crescente. Fica Corcunda ainda em Escorpião na terça-feira, dia quatro. Engorda e arredonda-se mais um pouco em Sagitário e, plenamente prenhe, dá à luz em Capricórnio, no apogeu do ciclo, no domingo, dia nove de julho. Nesta jornada cheia de altos e baixos, a Lua conversa, sussurra, briga e interage de formas diversas com todos os demais planetas, sinalizando as mudanças de humores aqui na Terra.

SEXTA-FEIRA, 30 de junho – Vazia em Virgem, a Lua faz oposição a Quíron. Ingressa em Libra às 03h02min, de onde entra na fase Crescente, às 20h52min. Quíron estaciona às 03h10min. Dia de focar no equilíbrio, na harmonia e na civilidade, sem deixar de ser assertivos quando se fizer necessário. A Lua fica Crescente em Libra, em quadratura ao Sol em Câncer e sinaliza que para avançarmos na direção da maturidade, é preciso deixar muita coisa para trás. Para se formar uma nova família, ser parte de um casal (Libra), é preciso deixar para trás a família de origem e o passado (Câncer) para poder olhar para o futuro e fundar o novo núcleo. Libra também convida a viver as relações de forma equilibrada, como é o caso das relações laterais. Já não nos relacionamos nas bases da hierarquia e da dependência das relações parentais, mas de igual para igual, em que as pessoas envolvidas da relação têm obrigações e direitos iguais dentro do arranjo, precisam dar e receber igualmente, para que a parceria se sustente e tenha futuro.

SÁBADO, 1° de julho – Quíron entra em movimento retrógrado na madrugada. A Lua Libriana, já na fase Crescente, faz conjunção a Júpiter, quincôncio a Netuno em Peixes, quadratura a Plutão em Capricórnio e a Marte e Mercúrio em Câncer, formando uma poderosa T-Square, da qual ela mesma é o foco, junto com Júpiter. A Lua faz ainda sextil a Saturno. A princípio o dia começa com otimismo e nos sentimos magnânimos, expansivos e generosos, querendo a companhia de outras pessoas para socializar e interagir. Mas conforme as horas passam, a propensão à indecisão aumenta grandemente, porque sentimentos, pensamentos, atitudes e necessidades estão todos em contradição e assim nos sentimos extremamente irritadiços e intolerantes, com o estopim curto, devido à frustração conosco mesmos, por não conseguirmos nos alinhar internamente. As explosões trazem o alívio catártico, mas por outro lado, deixam-nos sentindo vexados e constrangidos por não conseguirmos conter nosso mau humor e insatisfação. Antes de mais nada precisamos reconhecer essas contradições interiores e admitir que precisamos fazer algumas escolhas chatas, abrindo mão de algo que gostaríamos, em favor de algo mais importante, do qual precisamos – precisar sempre é mais forte que querer! Delegar a escolha e a decisão para outros é o pior que podemos fazer hoje, porque o resultado final pode ser desastroso, tanto porque não nos agradará, quando porque poderá piorar os atritos já existentes. Sejamos honestos e banquemos nossas decisões, porque somente nós podemos ser responsáveis se elas se revelarem acertadas ou equivocadas. Entregar nosso poder ao outro, pode não só diminuir nosso respeito próprio, como nos colocar em situações arriscadas de vulnerabilidade diante de pessoas que talvez não devêssemos confiar tanto assim. Para ter a paz e o equilíbrio que tanto buscamos, precisamos abrir mão da imagem de imparcialidade que gostamos de cultivar. É preciso tomar partido, é preciso escolher, é preciso assumir os próprios desejos e necessidades, é preciso assumir o próprio poder. A não ser que queiramos ser apenas uma sombra de nós mesmos!

DOMINGO, 2 de julho – Marte está em oposição exata a Plutão e Mercúrio está em quincôncio pleno a Saturno! Por seu turno, a Lua faz quincôncio à sua senhoria, Vênus em Touro, e também a Quíron, virando foco de um Yod-Dedo de Deus, já que Vênus está em sextil a Quíron. A Lua Libriana ainda se opõe a Urano em Áries, ficando vazia depois desta briga, às 09h18min. Ingressa em Escorpião às 13h em ponto, onde se retrai para se recuperar de todos esses embates. O domingo está cáustico, violento, propenso a chuvas, trovoadas, tempestades e furacões, acionados por energias que foram represadas e reprimidas e que agora borbulham, fazendo ferver o sangue, levando as pessoas a agirem no calor do momento e na impulsividade. Marte é o instinto de sobrevivência individual, é o impulso da agressividade que, em si mesmo, é neutro e pode e deve ser usado de forma positiva, ajudando-nos a ser assertivos e a brigar por nossos objetivos. Mas Marte em Câncer não direciona bem essa agressividade – já tentaram mover uma faca na água? E a agressividade tende a ser expressa de forma indireta, isso quando não fica fervendo por dentro, engarrafada. Plutão é o instinto de sobrevivência da espécie, o poder e o controle, o princípio da destruição de tudo que vai contra a essência da psique, a demolição de tudo o que é falso, errado, fajuto, disfarçado, para que o conteúdo possa ser transformado. Assim, um confronto entre Marte e Plutão, neste eixo Câncer-Capricórnio, obrigando o individuo a lidar com suas queixas pueris, com aquilo do que vem fugindo, esgueirando-se pelas esquinas de si mesmo. Mas chega uma hora que não esquinas suficientes para nos escondermos de nós mesmos, nossa raiva, nossa birra, expectativas frustradas, fugas da própria sede de poder. É encarar a sombra que se projeta da outra rua e preparar-nos para o confronto necessário. Se insistimos em fugir, vamos encontrar o bicho-papão em formas menos prosaicas e mais violentas e sujas. O palco principal dessas tempestades são as relações afetivas e a família, principalmente, mas podem ocorrer também em outros cenários. Portanto, fiquemos de sobreaviso e vigiemos nossa própria reatividade, nossa raiva encalacrada – e todos nós temos algum resquício dela dentro de nós – porque ela pode explodir hoje, atiçada por alguma coisa boba, alguma ameaça – talvez até infundada – ao nosso ego e à sobrevivência! Até onde somos capazes de ir quando estamos acuados, verdadeiramente? E o que tem o poder de nos acuar? O que nos faz borrar as calças? Será que nos conhecemos tão bem? O problema é que muitas vezes, confundimos as coisas e nos sentimos tão inseguros que nos sentimos acuados por coisas menores e então explodimos na hora errada, com as pessoas erradas. Para evitar que tais energias se expressem através de nós de forma destrutiva, o ideal é nos confrontarmos de uma vez, encontrarmos formas de extravasar nossa raiva, nossa frustração, de maneira construtiva e positiva, assim, não precisaremos despejá-la sobre aqueles que nada têm a ver com nossas dificuldades.

SEGUNDA-FEIRA, 3 de julho – De Escorpião a Lua faz trígono ao Sol e a Netuno, formando um Grande Trígono em Água por todo o dia, que à noite vira uma Pipa, com Plutão de foco. Vênus está em sextil a Quíron, aspecto exato, enquanto Marte começa a se afastar da oposição a Plutão. Lua e Marte estão em recepção mútua. O dia traz um manancial imenso de sensibilidade e emotividade, que nos puxa para as profundezas de nós mesmos e de nossos sentimentos mais viscerais e misteriosos. Tal profundidade propicia a elaboração e depuração das explosões e conflitos recentes, favorecendo também que nos conheçamos um pouco mais. No mundo exterior, também nos sentimos mais conectados com os outros e mesmo inclinados a ser um pouquinho – só um pouquinho – mais tolerantes em relação àquilo que parece desajustado e fora de ordem – Netuno propicia essa compreensão, essa inclusão do todo, mesmo daquilo que parece trôpego e estranho e então, julgamos menos. Em termos práticos, o dia pede mais introspecção, um voltar-se para si mesmo. As investigações densas, sejam internas ou externas, também ficam favorecidas pela energia penetrante de Escorpião e as situações têm mais chances de serem transformadas positivamente.

TERÇA-FEIRA, 4 de julho – Mercúrio está em quadratura exata a Urano. De Escorpião a Lua se harmoniza, de formas diferentes, com seus dois dispositores, Marte e Plutão – aliás, Lua e Marte estão em recepção mútua. A Lua faz ainda quincôncio a Urano e trígono a seu regido Mercúrio e a Quíron em Peixes, formando outro Grande Trígono em Água. Fica vazia depois da conversa com Mercúrio, às 21h36min. A Lua ainda faz sesqui-quadratura ao Sol, entrando na fase Corcunda. Vênus ingressa em Gêmeos às 20h12min e Júpiter vira a noite em quincôncio exato a Netuno. A despeito de termos hoje pensamentos e sentimentos alinhados e de conseguirmos ser suficientemente assertivos e motivados a lutar por nossos interesses, há dentro de nós um alvoroço, um desejo intenso de mudanças e novidade, que nos empurra na direção de coisas e situações extravagantes, que nos permitam sair do lugar comum, do previsível. A intensidade emocional fica maior e mais pujante e nos vemos agindo impulsivamente, na busca por emoção e estímulo. É essencial perceber que os estímulos não estão necessariamente lá fora. Antes, precisamos analisar as alterações que devem ser feitas nos nossos pensamentos, visões, planos, formas de pensar e, consequentemente, no nosso cotidiano, onde tudo isso tem efeito e é vivenciado. Felizmente, temos suficiente sustentação emocional e estamina interior para perceber todas essas nuances e adotar as atitudes cabíveis, se realmente quisermos. Do contrário, se insistirmos em modificar apenas o ambiente imediato, achando que o problema reside aí, podemos nos deparar com situações conturbadas que perturbam nossa rotina de forma irritante e contraproducente. De todo modo, é sempre bom permanecer flexíveis e abertos aos imprevistos, porque hoje eles são o recheio do dia – e têm muito a nos ensinar!

QUARTA-FEIRA, 5 de julho – Júpiter está em quincôncio pleno a Netuno nas primeiras horas da madrugada de terça para quarta – o aspecto partil dura cinco horas e meia. O Sol estimula e potencializa este atrito, pois está em aspecto a esses dois planetas, fazendo quadratura a Júpiter e trígono a Netuno. A Lua entra o dia vazia em Escorpião e ingressa em Sagitário à 01h08min, de onde logo se opõe à Vênus Geminiana. Mercúrio hoje faz trígono a Quíron e ingressa em Leão às 20h20min. Achar o equilíbrio necessário entre nossos anseios e a realidade é um dos desafios do período; outro desafio é perceber quando podemos e devemos ajudar e quando devemos respeitar os limites nossos e do outro – nem sempre podemos fazer tudo, por mais que queiramos! O dia pede cautela com as expectativas não racionais acerca do futuro e de figuras que admiramos e em quem projetamos nossas esperanças. Talvez estejamos excessivamente otimistas e idealistas, de modo que não enxergamos direito até onde podemos ir, podendo nos exceder nos nossos cuidados ou cobranças e expectativas em relação a outros. Para isso, precisaremos exercer uma grande dose de autodisciplina e autocontrole, para não perdermos as estribeiras e o prumo do que que quer que estejamos realizando. Há o risco de nos sentirmos super-poderosos e tentar dar o passo maior que a perna, para perceber o erro apenas quando é tarde demais. Portanto, usemos o otimismo para nos animar e motivar, mas mantenhamos em cheque a disciplina e o bom senso!

QUINTA-FEIRA, 6 de julho – O Sol está em trígono a Netuno e quadratura a Júpiter, ambos os aspectos exatos hoje! Por sua vez, a Lua Sagitariana faz quadratura a Netuno, sextil a Júpiter e quincôncio ao Sol e potencializa este corrente aspecto entre Sol-Júpiter-Netuno, ao conversar com todos eles. A Lua faz também conjunção a Lilith, quincôncio a seu regido, Marte e conjunção a Saturno. Embora isso não seja uma configuração astrológica formal, temos hoje uma imagem bem interessante formada nos céus, mostrando um trapézio que tem o sextil por base e o trígono no topo – ou vice-versa; as quadraturas são as laterais e os quincôncios se cruzam ao meio, destes dois aspectos criando tensão e o trígono e o sextil conciliando. O que tudo isso quer dizer? É dia de nos conscientizarmos de nossos idealismos ingênuos, de nossas crendices tolas e otimismos vazios, que não vão nos levar a nada, a não ser a decepções. Falta-nos terra para exercer nossa compaixão adequadamente, realisticamente, assim como nos falta terra e bom senso para olhar para o futuro com fé, mas também com pragmatismo. O dia fica como uma faca de dois gumes: podemos nos perder num oba-oba de esperanças vãs e auspícios infundados; ou podemos agarrar a oportunidade de nos observar mais de perto e perceber por que precisamos tanto “acreditar” em certas “verdades” fantasiosas, por que nos deixamos seduzir pelas palavras doces que escondem intenções amargas. Assim, essa oportunidade pode ser também de nos abrirmos para novas visões, para o entusiasmo bem fundamentado e sem os vícios do imediatismo e das soluções fáceis, apelativas e mágicas que são tão comuns ao nosso tempo. Saturno hoje vem sem a âncora que nos faz assentar devidamente o coração, a intuição, a alma, e nos faz ponderar com vagar, sabedoria e quem sabe até, com graça, sobre nossas reais possibilidades, julgando-as com a justa medida, nem pessimista nem otimista, apenas vendo-as pelo que realmente são: possibilidades, que podem ser concretizadas, dependendo do nosso esforço, empenho e comprometimento e não apenas de truques fantásticos para iludir aqueles que não querem pagar o preço da conquista real e verdadeira. Todos esses aspectos também estimulam a criatividade e os dons artísticos, favorecendo a todas as atividades nessa área. Também ficam potencializados nosso altruísmo e empatia, mas aqui há que se ter cautela para se ter certeza de que o outro realmente quer – e precisa – da nossa ajuda, do contrário, podemos ser invasivos e desrespeitosos ou simplesmente ser vítimas da má fé alheia.

SEXTA-FEIRA, 7 de julho – Vênus está em sesqui-quadratura a Plutão. De Sagitário, a Lua se harmoniza com Urano e fica vazia logo depois, às 10h14min. Faz ainda quadratura a Quíron e ingressa em Capricórnio às 13h45min, de onde faz quincôncio a Vênus em Gêmeos e a Mercúrio em Leão, que estão em sextil pleno hoje – assim, a Lua vira foco de um Yod. A manhã tem um tom agridoce, de busca de liberdade e uma aguda consciência das nossas restrições e impedimentos. Mas isso não deve nos baquear, mas sim ser motivo de reflexão que nos serena e acalma, por nos entendermos humanos, de alma infinita num invólucro limitado – se não entendemos e aceitamos isso, o tom pode ser de amargor e ressentimento, contra a própria vida ou, para os muito inconscientes, contra os incautos que porventura cruzarem seu caminho hoje. A tarde traz dilemas diferentes, mas que ressoam e aprofundam os conflitos da manhã: há apelos lá fora, que nos instigam a brincar, nos soltar, divertir, como se não houvesse amanhã, como se não houvesse problemas ou mesmo a pilha de trabalho à nossa frente. Mas o velho ranzinza dentro de nós se recusa a atender aos convites da leveza – ou talvez seja o “velhos ranzinza” fora de nós, na pessoa do chefe ou quem quer que seja – e prefere pregar contra eles, ressentidamente, julgando imorais àqueles que não seguem a cartilha da dureza e da contenção. Tudo bem se queremos nos negar certos prazeres para provar algo a nós mesmos – problema nosso! – mas, querer interferir nas escolhas de outros ou ser seu exemplo, é outra história, bem diferente! Assim, a tarde e anoite pedem contenção, autossuficiência, trabalho, disciplina, mas não precisamos levar tudo a ferro e fogo, ou podemos nos tornar doentes! Também deixemos que cada um faça o que for adequado para si, afinal não precisamos carregar o peso – mais esse! – de ser os juízes do mundo!

SÁBADO, 8 de julho – A Lua Capricorniana, Corcunda, faz sextil a Netuno e quadratura a Júpiter e prepara-se para ser Cheia, nos primeiros minutos da madrugada de domingo. Temos a sensação de expectativa, de algo grande, prestes a acontecer – ou explodir! – e isso nos deixa um tanto inquietos e, para nos precaver, recorremos ao bom e velho controle, mecanismo de defesa por excelência! E assim, nos armamos de argumentos para nos defender das pequenas alegrias ao nosso redor e quando vemos, deixamos de aproveitar boas oportunidades de convivência e de festejar com outros, pelo medo de relaxarmos em demasia e pela preocupação com “obrigações e deveres”, com a ordem com o que é “adequado”. Talvez tenhamos mesmo que escolher com qual “culpa” ficamos: a culpa de “gazear” obrigações e perambular por aí; ou a culpa de não nos permitir gozar os prazeres que nos cabem e que se nos apresentam – por amor a algo que julgamos mais importante: trabalho, carreira, deveres, etc. De qualquer forma, podemos nos render às alegrias simples e buscar o equilíbrio entre a estrita disciplina e as pequenas indulgências que tornam um dia mais prazeroso e agradável. O fim da tarde e à noite trazem desconfortos e contradições entre as emoções – que vão escalando e se intensificando proporcionalmente à tentativa que fazemos de controlá-las – e os desejos e intenções do ego. Essas discordâncias ficam mais evidentes nas relações entre o masculino e o feminino, que são as forças em desacordo e se acumulam, atingindo o ápice na madrugada, possivelmente com algumas crises e conflitos que demandam resolução imediata! Mas por mais imediatas que sejam as soluções, seus efeitos são duradouros e as decisões não devem ser tomadas de forma impulsiva ou precipitada, por mais instigados que nos sintamos. A tentação de detonar o estopim e implodir tudo é grande, mas é preciso pensar, sentir e agir com calma, com alma, com brandura, com amor, qualquer que seja a decisão difícil que se tenha que tomar!

DOMINGO, 9 de julho – De Capricórnio, Lua atinge o apogeu do ciclo à 00h07min da madrugada de domingo (04h007min no horário de Lisboa), ao opor-se ao Sol Canceriano. A Lua Cheia se dá numa configuração bastante tensa, conjunta a Plutão – que recebe também a oposição do Sol – e em oposição a Marte e quadratura a Júpiter. À noite a Lua ainda faz quadratura a Urano em Áries e fica vazia às 22h14min. Também faz sextil a Quíron em Peixes. Marte está em quincôncio exato a Saturno. O ciclo de Câncer vem nos lembrar que somos seres dependentes uns dos outros, já que nascemos completamente vulneráveis e indefesos, totalmente dependentes de uma mãe – e de um pai e família – para o sucesso da grande empreitada que e nossa vida. Assim, o arquétipo da mãe está fortemente presente neste signo, assim como a presença da família e a ideia de um passado e uma ancestralidade. Câncer também é a nutrição, física e emocional e os laços que construímos ao longo da nossa jornada vida afora. Contudo, muitas vezes delongamos a dependência dos pais – e dos pais postiços, vistos na figura de parceiros, chefes, amigos, e até filhos – por mais tempo do que o necessário e do que deveríamos, desenvolvendo dependências e comportamentos que atrapalham nosso pleno desenvolvimento como adultos autônomos no mundo exterior e também na nossa subjetividade. Para nos darmos conta de tais anomalias, vivenciamos a Lua Cheia em Capricórnio, que nos lembra que, a despeito das interdependências necessárias à nutrição emocional de todos nós, não devemos delegar a outros aquilo que é atribuição nossa no processo de nossa sobrevivência e ocupação de nosso lugar no mundo, o mundo de Saturno, que não afaga nem alisa, mas que nos obriga a ser adultos e responsáveis.

Se Câncer é o signo da Mãe, que protege, cuida e mantém infantil, Capricórnio é a esfera do Pai, que nos obriga a amadurecer, a encarar o mundo com suas obrigações e responsabilidades, individuais e sociais e a fazer de nós alguém mais, além do “filhinho da mamãe”. Essa Lua Cheia torna esse confronto mais do que agudo, porque traz presente a necessidade de nos libertarmos dos emaranhamentos familiares e até ancestrais, que nos conduzem nesses enredos de relacionamentos destrutivos, cheios de cobranças, culpas, lealdades negativas e manipulações. É tempo de crescer, de assumir nosso próprio poder, e não relegá-lo a outros, pode receio de perdermos seu amor e proteção. Já passamos da fase de equiparar o amor da mamãe com sobrevivência e agora, se nos indispusermos com alguém, se perdermos o afeto do outro, mesmo que soframos, não corremos mais o risco do aniquilamento e é esse medo que precisamos enfrentar se queremos nos livrar das dependências mórbidas que nos paralisam e nos impedem de sermos nós mesmos e assumirmos nossos próprios desejos sem medo de ferir os brios de quem quer que seja. Esta é uma lunação bastante desafiadora, que nos obriga a lidar com nossas carências e inseguranças de cara limpa, sem disfarces, sem desculpas. Tanto mais que é a lunação que precede a próxima temporada de eclipses e que nos pede crescimento e enfrentamento da realidade.

Uma ótima semana para você, onde você estiver! 

Reprodução

A Semana Astrológica – Mudanças Estruturais

Reprodução

Semana de 15 a 21 de maio – Semana intensa, que traz grandes possibilidades de mudanças estruturais bem orquestradas, mas que também nos obriga a lidar com inseguranças, intercaladas com arroubos de arrogância e excessos de entusiasmo. O Minguante ocorrendo na quadratura Aquário-Touro indica um momento essencial de desapego!

Nota: pessoal, precisei mudar o ponto do wi-fi na minha casa e estou sem internet desde a terça passada. Já marquei várias visitas técnicas e a Net me deixou na mão, alegando “problemas de sistema”. Pedi emprestado a internet da vizinha e é assim que estou postando hoje. Não quero abusar fazendo upload de imagens pesadas, portanto, o post hoje vai sem imagens! Agradeço a compreensão!

Reprodução

Esta semana está intensa, cheia de acontecimentos e eventos, que nos deixam meio sem fôlego: temos movimentações importantes ocorrendo nos céus, movimentos lentos, de ciclos longos, ativados por outros movimentos mais rápidos. Temos Júpiter em quincúncio a Netuno, o segundo de uma série de três – o primeiro aspecto ocorreu em outubro de 2016. Este aspecto demanda bastante atenção, porque nossas avaliações e julgamentos ficam comprometidos por otimismos falsos, sem lastro nenhum. Os idealismos ficam exacerbados e inconstantes, coloridos por sentimentos contraditórios e muita incerteza. Buscamos crescer, mas não temos uma noção clara de como fazer isso, nem das demandas práticas para realizar tal expansão, de modo que podemos nos iludir e nos deixar enganar por auspícios suspeitosos, talvez completamente irreais – quimeras, apenas quimeras. Num tom mais positivo, se conseguimos ser minimamente realistas, há boas possibilidades de expandir nossa criatividade nos campos das artes, da música e mesmo no campo da espiritualidade.

Reprodução

O trígono Saturno-Urano, por outro lado, indica um período em que conseguirmos fazer mudanças importantes, dentro das estruturas já existentes, e ainda permanecer inventivos, originais, preservando nossa liberdade. Esse aspecto também é o segundo de uma série de três – o primeiro aconteceu em dezembro/16 – e fala da capacidade de conseguirmos mediar a necessidade de preservar parte das estruturas que criamos no passado e que ainda nos dão sustentação, com a inevitabilidade da mudança. Como resultado, temos um senso de renovação de tais estruturas, melhoramos a satisfação com nossas realizações, sem comprometer nossa segurança. Mas o aspecto pode ser enganoso se ficarmos esperando que as coisas se resolvam por si só. É um aspecto dito “preguiçoso” e demanda que o usemos de forma consciente, se for para tirar proveito de sua influência positiva. Portanto, nada de ficar esperando que as coisas venham bater na nossa porta! É preciso se mexer!

Reprodução

Marte faz quincúncio a Plutão. Nossa determinação fica sujeita a arroubos de suprema energia que, se mal direcionada, pode manifestar-se como intimidação, ação coercitiva, que obviamente pode nos criar problemas, caso estejamos inconscientes do quanto tentamos impor nossa vontade aos outros, ferozmente. Portanto, é necessário prudência e auto-observação atentiva quanto às nossas ações e impulsos, para que não nos tornemos provocativos e quem sabe até, violentos. Isso é particularmente explosivo, dado que Marte está Fora de Limites desde o domingo, dia 14, uma condição que aumenta sua impulsividade, tornando-o mais primitivo, indisciplinado, indomável. Se bem canalizada, essa influência pode representar exatamente a força e a estamina de que precisávamos para avançar na realização ou finalização de muitos dos projetos nos quais estamos envolvidos. Também é necessário estarmos cientes e enfrentarmos o fato de que alguns de nossos planos talvez sejam abstratos demais e difíceis de ser aplicados no mundo concreto e talvez parte da nossa irritação também venha daí.

Catrin Welz-Stein – Reprodução

Vênus finalmente sai da zona de retrogradação na quinta-feira, fazendo oposição a Júpiter no dia seguinte, trazendo entusiasmo, jovialidade, mas também a tendência a exagerar no fervor, na busca de prazeres e na busca por socializar, talvez descambando para um certo histrionismo. Isso também pode trazer inquietude, ansiedade e impaciência. Enquanto achamos que somos ardentes na nossa demonstração de afeto, o outro pode nos perceber como agressivos, quem sabe até, caçadores e o resultado é que a “caça” pode fugir assustada! Sem contar que Vênus fecha a semana já em quadratura próxima a Plutão! Portanto, quem não quiser que o tiro saia pela culatra, melhor manter todo esse “ardor” em cheque.

Mercúrio deixa a forja Ariana para ingressar novamente nos campos plácidos de Touro e sai da zona de retrogradação já no sábado, dia 20! A despeito da cautela e da ruminação necessária quando Mercúrio está em Touro, certamente isso é uma boa notícia!

Reprodução

Finalmente, o Sol Taurino faz quincúncio a Saturno em Sagitário e sextil a Quíron por estes dias, sugerindo uma circunspecção e tendência a uma certa melancolia, inseguranças que vêm e vão, frustrações difíceis de determinar, o que pode abater um pouco o nosso ânimo, porque há sensação vaga de inferioridade, embora tenhamos dificuldade de admitir até para nós mesmos. Se formos muito desavisados, isso pode causar problemas nas relações, porque nos sentimos inferiorizados, sem perceber que nós mesmos nos inferiorizamos voluntariamente. No sentido oposto, essa influência pode nos colocar em contato com nossas reservas de disciplina e, se conseguimos entender as origens de nossas inseguranças, podemos focar nossos esforços conscientemente para superá-las, ao invés de nos deixar esmagar por elas. No mesmo período o Sol faz sesqui-quadratura a Júpiter, e essas inseguranças podem ser mascaradas por uma falsa confiança, que pode mesmo resvalar em arrogância. Mas um olhar mais atento poderá nos deixar a descoberto, logo, é melhor fazer um check-up interno para não passarmos vexames desnecessários. O Sol termina a semana já no signo de Gêmeos, ingressando neste signo às 17h31min do sábado, inaugurando um período de mais leveza, movimento, racionalizações e aumento nas conexões. Parabéns a todos os Geminianos de Sol, Lua e Ascendente!

A Lua abre a semana na fase Disseminadora, em Capricórnio. Torna-se Minguante em Aquário, na quinta-feira. Dissolve-se em Peixes e termina a semana incinerando os restolhos do ciclo nas fornalhas de Áries. A Lua será Nova a 04°46 de Gêmeos, no dia 25 de maio.

Reprodução

SEGUNDA-FEIRA, 15 de maio – De Capricórnio, a Lua se harmoniza com Netuno, enquanto briga com Júpiter e se une a Plutão, se desentendo ainda com Marte. A semana começa com muito dinamismo e energia forte de trabalho e produtividade! Mas há influências contraditórias que nos fazem divididos entre deveres e prazeres, ou entre o que queremos e o que de fato conseguimos. Não, nem sempre as coisas saem como imaginamos! Mesmo assim, dá para botar a mão na massa sem, fazendo o que é possível. Talvez tenhamos dificuldades em dosar a ênfase que colocamos nas atividades, exagerando nas ordens ou obrigando a nós mesmos a ir além da próxima milha. Por um lado, avançamos, mas por outro, podemos nos exaurir sem necessidade ou nos frustrar quando nos deparamos com o descompromisso alheio. De qualquer forma, há também energia de restauração à nossa disposição, que ajuda a equilibrar os destemperos. Fechamos a noite irritados e há propensão a discussões e desentendimentos domésticos! Atenção com a impaciência e a intolerância!

Reprodução

TERÇA-FEIRA, 16 de maio – Mercúrio ingressa em Touro à 01h07min. De Capricórnio a Lua faz trígono ao Sol e quadratura a Urano, ficando vazia depois deste contato, às 07h23min. Faz ainda sextil a Quíron. Ingressa em Aquário às 14h50min, já quadrando Mercúrio em Touro e fazendo sesqui-quadratura a Marte. O Sol está em quincúncio a Saturno, exato na madrugada de quarta. A manhã está ansiosa e irritadiça porque temos uma sensação de urgência, com milhões de coisas por fazer, mas nos sentimos atravancados por outros ou por situações alheias à nossa vontade. Há tendência a imprevistos, aborrecimentos diversos e abruptos e o melhor é relaxar, porque se estressar só vai piorar tudo e azedar ainda mais o humor. De fato, não há energia suficiente para resolução ou para a tomada de decisões e é aconselhável apenas finalizar o que já está começado. À tarde, apesar de mais desapegados, ainda estamos inquietos e irritadiços e há tendência a altercações e discussões devido a teimosia e inflexibilidade de opinião. Mas brigar com o mundo exterior é infrutífero quando o problema começa no próprio desacordo interno. As tensões e ansiedades precisam ser enfrentadas por aquilo que são: problemas reais ou apenas irritações passageiras, que não valem a perda do humor e da saúde emocional. Assim, vale mais buscar a sincronia interna através de atividades físcias ou relaxantes, meditação ou o bom e velho exercício de traduzir no papel aquilo que desassossega a alma – pode até não resolver, mas pelo menos se clarifica e se acha o caminho para as possíveis soluções.

Reprodução

QUARTA-FEIRA, 17 de maio – Júpiter está em quincúcnio pleno a Netuno. O Sol Taurino faz quincúncio exato a Saturno, que também está em trígono a Urano. Enquanto isso, a Lua Aquariana se harmoniza com Vênus, fazendo ainda trígono a Júpiter e a Marte, formando um Grande Trígono de Ar. Os problemas e frustrações imediatos são apenas a camada superficial de insatisfações mais profundas, que ficam nos incomodando, como agulhadas desconfortáveis, que nos fazem sentir as circunstâncias como muito pesadas e muito aquém de nossos sonhos e aspirações. É como sonhar com Paris e ter que se contentar com breve uma estadia num sítio nas vizinhanças – nada contra o sítio, mas são sonhos muito diferentes entre si. A insatisfação não irá embora enquanto não enfrentarmos sua origem: a discrepância entre aspirações e realidade. Se tais aspirações são importantes e válidas, precisamos nos comprometer com sua realização; do contrário, é melhor entrar em acordo com a realidade diante de nós e aceita-la como ela é, porque brigar com as circunstancias é inútil, se não nos movemos para muda-las! O dia também traz uma forte energia de planejamento e projeções, elucubrações mentais, comunicação e busca de novas conexões que promovam expansão e realizações intelectuais. Contudo, devido às influências dissonantes, podemos recorrer a essa energia mental como escape e nos perder em planos que não têm intenção nenhuma de sair do papel e são idealizados apenas para nos dar a ilusão de que pretendemos fazer alguma coisa, quando já sabemos, de antemão, que talvez sejam engavetados. Entretanto, também podemos usar todas essas influências para nos conscientizar das discordâncias internas e ter clareza sobre tais dilemas, traçando planos realistas de superação das atuais limitações, mantendo os pés no chão, sem permitir que os obstáculos aparentes apaguem nossa motivação!

QUINTA-FEIRA, 18 de maio – Saturno está em trígono exato a Urano na virada das horas entre a quinta e a sexta. A Lua Aquariana completa o trígono a Marte enquanto se afina também com Urano e Saturno, oficializando o quarto Minguante ao fazer quadratura ao Sol e ficando vazia logo depois, às 21h35min. Lua e Sol fazem sesqui-quadratura a Júpiter, tornando-o foco de um Martelo. O Sol também está em sextil a Quíron. A Lua potencializa a ponte de harmonia atualmente ativa entre Saturno e Urano, de maneira que sentimos mais concretamente e mais nitidamente a possibilidade de concretizar nossos planos e projetos de mudanças e inovações. Contudo, ainda temos que lidar com a sensação de estarmos “desconjuntados”, de haver muitas disparidades entre nossos quereres e as circunstãncias ou mesmo nossas possibilidades – daí temos uma sensação de confusão, de desencontro, como pano de fundo de tudo o mais que ocorre; mas também temos bastante disposição para fazer o que estiver ao nosso alcance para mudar esse contexto. A Lua fica minguante na quadratura Aquário-Touro e um recado óbvio que enfatiza a energia de términos representada pelo minguante é a necessidade do desapego. A Lua Aquariana convida a identificar todos os apegos que nos amarram e causam estagnação, seja literal ou energética e a abrirmos mão de todos eles. Como Touro trata da posse material, o principal recado é nesta esfera: olhar para o apego a coisas, à matéria, incluindo o apego distorcido que possamos ter ao nosso próprio corpo e os sentidos. Abrir mão do materialismo, o se deixar dominar pelo desejo de possuir, o que quer que seja. Abrir mão do entulho físico, dos restos que não servem mais e levar uma vida mais minimalista, achando tempo e espaço para as coisas que realmente valem a pena e empregando os recursos com aquilo que traga satisfação verdadeira e segurança genuína e não pseudo-estabilidade. Sol e Lua estão hoje formando um Martelo que pressiona Júpiter, sugerindo uma oscilação na fé que temos em nós mesmos, ou dúvidas filosóficas sobre nossos propósitos ou mesmo necessidades; há ainda dificuldade de auto-controle, o que leva possivelmente a criticismos que alimentam a insegurança, virando um círculo vicioso. Também precisamos ficar atentos quanto á tendência de postergar a resolução de problemas, deixando uma montanha de entulho para o futuro, que poderá bloquear o avanço, quando menos esperarmos. A chave é exatamente voltar aos princípios básicos nos quais acreditamos, nossa ética, os códigos válidos para nós, que guiam nossa conduta e atitudes. E buscar moderação, auto-controle e disciplina. É isso ou nos gastamos em coisas fúteis e imediatistas, que colocarão em risco realizações mais importantes no longo prazo.

SEXTA-FEIRA, 19 de maio – O trígono Saturno-Urano se completa na primeira hora do dia. Vênus está em oposição exata a Júpiter, enquanto Marte está em quincúncio pleno a Plutão. A Lua ingressa em Peixes à 00h52min, de onde se afina com Mercúrio em Touro e fecha a noite em quincúncio a Júpiter e conjunção a Netuno. Novamente um dia de muitas contradições. Temos desejos e impulsos de avançar e de nos fazer notar com veemência, mas talvez tal veemência seja enérgica e vigorosa em demasia, gerando atritos severos com outras pessoas, que se ressentem de nossos métodos muito diretos, porque não dizer, agressivos. A impulsividade de hoje pode comprometer os resultados do amanhã, é bom que fique claro; assim como a ansiedade em obter um resultado pode se manifestar como arrogância e afastar parcerias que poderiam ser frutíferas e bem-sucedidas, não fosse nossa intimidação disfarçada de entusiasmo. E nem adianta bancar a vítima desavisada que caiu de paraquedas, porque as pessoas não são trouxas e percebem a manipulação por trás das palavras suaves e “fofas”. Em vez disso, prieiro precisamos nos lembrar que não estamos sozinhos no mundo e que precisamos nos empenhar para que as melhorias que buscamos favoreçam a todos e não apenas ao nosso umbigo; segundo, podemos ser mais honestos e deixar claro para o outro quais são nossas motivações e porque estamos tão ansiosos e então, em lugar de confrontos, podemos seduzir nosso interlocutor com nossa honestidade e limpidez, ganhando-o também com nosso entusiasmo genuíno e comprometimento em fazer o que for melhor para todos.

SÁBADO, 20 de maio – A Lua Pisciana completa o quincúncio a Júpiter em Libra e a conjunção a Netuno, fazendo depois quadratura a Marte em Gêmeos e sextil a Plutão em Capricórnio. Fecha a noite em quadratura a Saturno em Sagitário. O Sol ingressa em Gêmeos às 17h31min. O sábado traz muitas dúvidas e incertezas, que nos deixam vacilantes sobre a melhor coisa a fazer, o rumo certo a tomar. Na dúvida, tentamos fazer tudo e nos embolamos no meio de campo, não fazendo muita coisa e nos irritando muito no processo, com o desperdício de tempo e recursos – tendência a criar situações caóticas. O resultado é que ficamos mais inseguros e sorumbáticos, amuados e melindrosos, mordendo até a mão que tenta nos acariciar. Vale um olhar honesto para si mesmo, sem chicotes ou castigos, mas com compreensão, aceitação e o auto-perdão, redentor e amoroso. Afinal, quem disse que temos que saber tudo, que acertar sempre e nunca ter inseguranças? Moralismos vazios e cobranças duras não vão resolver, somente piorar, e isso vale tanto para nós mesmos quanto para aqueles que porventura tenham falhado conosco no dia de hoje. Peneirar os aprendizados de tais situações duras ou caóticas é o melhor que podemos fazer, para quem sabe, agir de forma mais madura e centrada na próxima vez que nos depararmos com situações parecidas.

DOMINGO, 21 de maio – De Peixes a Lua faz quadratura a Saturno e fica vazia logo depois, à 00h41min. Ingressa em Áries às 07h11min e logo faz sextil ao Sol Geminiano. Fecha a semana em oposição a Júpiter. O domingo amanhece cheio de energia, ânimo e desejo de aventura. Queremos sair de casa, fazer coisas que comprovem nossa liberdade e que nos ajudem a nos afirmar de maneira positiva. Também estamos mais otimistas e bem-dispostos, de modo que ficar presos dentro de casa pode ser receita para confusão, porque a energia precisa de um canal positivo de liberação! Atividades físicas, esportes, exploração de novos ambientes e possibilidades estão mais que favorecidas! Mesmo que não tenhamos companhia, isso não é problema, porque não temos medo e até nos empolgamos com uma certa dose de risco, nos regozijando um pouco com o desconhecido e com a possibilidade de descobrir novos caminhos e deixar nossa marca individual de alguma forma. Assim, o domingo traz um ânimo também para terminar coisas inacabadas e começar a nova semana com disposição e energia!

Desejo a todos uma ótima semana, de alegria e serenidade!

Reprodução

A Semana Astrológica – Perdoar e liberar-se

Reprodução

Semana de 17 a 23 de abril – Semana de encarar realidades, não para lamentar, mas para crescer. Revisões, reciclagens encerramentos de pendências e eliminações também estão no menu. 

Esta semana é marcada pelo quarto Minguante, que ocorre novamente na quadratura Capricórnio-Áries, a exemplo do mês passado (20 de março, grau Zero de Áries). Isso sugere que precisamos aprender algo muito profundo acerca dos temas dessa quadratura, mudar as fórmulas, abrir mão da rigidez, perceber a beleza do novo e o que ele pode nos acrescentar, ao invés de ter medo da novidade.

Também temos várias movimentações ocorrendo nos céus, algumas delas tensas, mas outras bastante positivas. De modo geral, o princípio da realidade, Saturno, está bastante enfatizado, já que ele recebe vários aspectos, de planetas diferentes. Para começar, o Sol faz trígono a este Saturno, já na segunda-feira, sinalizando a oportunidade de integrarmos um senso de responsabilidade e paciência ao intrépido e impulsivo sol Ariano. Alguns dias depois o Sol ingressa em Touro, inaugurando um período de buscar mais estabilidade e de desfrutar sem culpa dos prazeres sensoriais, os prazeres do corpo.

Reprodução

Outro que conversa com Saturno é Marte, mas desta vez a conversa é mais tensa e sugere algumas discrepâncias entre nossos desejos de realização e a realização de fato. Talvez algumas de nossas crenças arraigadas interfiram na nossa prosperidade, na efetivação e manifestação de nossos desejos e até de nossa individuação. Então, é necessário parar e avaliar onde começa essa incongruência e, se necessário, desconstruir essas crenças paralisantes, conciliando planos com realidade, mas sem nos deixar alquebrar por ela. Marte também muda de signo nesta semana. Ingressa em Gêmeos na sexta-feira e logo ganhamos mais versatilidade, desenvoltura e engenhosidade na forma como lutamos para conquistar nossos objetivos. A competitividade é vivenciada na comunicação verbal e nos vemos usando palavras como armas, quando é necessário. A atividade mental também fica mais estimulada, particularmente porque com Mercúrio volta a Áries na quinta-feira, e os dois, Mercúrio e Marte ficam em recepção mútua, algo que pode minimizar os efeitos mais pesados da retrogradação mercurial, mas pode também criar alguns problemas devido à impulsividade, que talvez fique mais aflorada.

Reprodução

Antes de voltar a Áries, porém, Mercúrio faz a Conjunção Inferior ao Sol, ainda em Touro, ficando Cazimi por algumas horas, voltando a Áries ao final do mesmo dia. Ao retroceder a Áries, Mercúrio nos convida a rever se nossa comunicação é assertiva e direta o bastante e, a exemplo da retrogradação de Vênus, sugere que reavaliemos como nos colocamos diante dos outros, se temos nos afirmado corretamente ou se há desequilíbrios, seja porque somos bruscos/diretos/dominadores demais ou porque temos receio de dizer o que realmente pensamos e queremos. O processo mental é mais rápido com Mercúrio em Áries, mas há que se ter cautela, porque podemos tomar decisões erradas, levados por impulsos e poderemos nos arrepender mais tarde, particularmente porque Marte estará em Gêmeos, signo regido por Mercúrio, como já dito acima.

Reprodução

Mas o peso maior da semana fica mesmo por conta da última quadratura de Vênus a Saturno. Vênus já está direta, ainda em Peixes e cumpre a última parte do aprendizado compreendido pela retrogradação, que foi mais densa devido a Saturno e a Quíron. Agora ela começa seu retorno do Mundo Inferior e faz os mesmos aspectos novamente, o que torna tudo menos difícil, porque já enfrentou isso antes, já sabe do que se trata. A dor já não é tão intensa e agora há mais sabedoria. Estamos aptos a olhar para trás e ver as situações com outros olhos, mais descansados, talvez mais serenos. Agora é a hora da liberação: liberação da dor, do ressentimento, das mágoas, do passado e do nosso apego a tudo isso, inclusive às pessoas com quem dividimos tais experiências.

A Lua abre a semana na fase Disseminadora e fica Minguante em Capricórnio. Passeia por Aquário e torna-se Balsâmica em Peixes, fechando o domingo já em Áries. A Lua será nova no dia 26 de abril, às 09h16min de Brasília (13h16min no horário de Lisboa), a 06°27′ de Touro.

Reprodução

SEGUNDA-FEIRA, 17 de abril – O Sol Ariano está em trígono pleno a Saturno em Sagitário e em semi-sextil a seu dispositor, Marte em Touro, que por sua vez, está hoje hoje está em quincúncio pleno a Saturno – que recebe a quadratura de Vênus novamente, exata na sexta-feira. Marte entrou o dia ainda em sextil exato (por minutos) a Vênus. A Lua abre a semana ainda na fase Disseminadora, em Capricórnio, onde fica Minguante amanhã. Hoje ela fez trígono a Mercúrio retrógrado em Touro e faz também sextil a Netuno em Peixes, sesqui-quadratura a Marte e fecha a noite já próxima da quadratura a Júpiter em Libra. A despeito das muitas tarefas e obrigações que temos para o dia e semana e das quais estamos perfeitamente cientes, temos certa dificuldade em “engrenar” o dia porque há uma tendência a postergar assuntos, como se precisássemos estar muito certos a respeito deles, ou como se precisássemos terminar outras coisas antes, que estavam pendentes e inacabadas. Ao mesmo tempo em que não conseguimos acelerar e fazer “diferente”, sentimo-nos cobrados, seja por nós mesmos ou por outros, o que traz uma sensação de insegurança, que nos faz duvidar de nós mesmos e nossas capacidades. Se temos dificuldade em lidar com tais conflitos abertamente, podemos simplesmente resvalar na preguiça, no sono, como forma de fugir do conflito ou talvez como maneira de responder à cobrança: com autossabotagem. O fato é que há uma sensação de peso, de excesso de obrigações, de vida arrastada, o que vai demandar muita energia e tempo até para começar a organizar e estruturar tudo o que temos que fazer e providenciar. E dá-lhe cobrança! E dá-lhe preguiça e desânimo. Mas é fato que há obrigações e não dá para discutir contra elas – o jeito mesmo é arregaçar as mangas o quanto antes e buscar recuperar o tempo “perdido”, porque tempo aqui, é ouro. Subjacente a tudo isso, jaz um grande manancial de força e resiliência, a grande experiência de quem já passou por coisas piores e superou e de quem pode agora usar tal experiência para avaliar qual o melhor caminho, a melhor solução, a melhor tática para lidar não só com nossos próprios conflitos, mas também com as dissonâncias que vemos ao nosso redor. Para acender o nosso fogo e essa força interiores, precisamos re-lembrar de nossos propósitos maiores, que estão acima de quaisquer dúvidas ou inseguranças, receios ou preguiças, e mesmo acima de qualquer desânimo, se assim quisermos, se assim RE-lembrarmos.

Reprodução

TERÇA-FEIRA, 18 de abril – De Capricórnio a Lua faz quadratura a Júpiter em Libra, depois conjunção a Plutão e quadratura a Urano em Áries, formando uma T-Square Cardinal. O Sol segue se afastando do trígono a Saturno enquanto se despede de Áries e se prepara para entrar em Touro. Vênus, ainda muito lenta, segue em direção à última quadratura a Saturno. O dia tem muita inspiração, desejo de mudar o que não está funcionando, percepções de que as crises trazem muitas oportunidades e não apenas desassossego. Mas tudo isso tem efeito positivo apenas se nos responsabilizamos pela nossa própria mudança, se nos comprometemos com aquilo que nós podemos fazer, ainda que seja pouca coisa – já é um passo. A outra opção é olhar para o mundo e lamentar que tudo está de mal a pior, que não entendemos porque tudo está degringolando, porque “os outros” são tão fundamentalistas e violentos, tão rebeldes e iconoclastas, tão irresponsáveis e inconsequentes, tão subversivos e desordeiros, tão… o que quer que seja nossa reclamação acerca do mundo e dos outros. Precisamos abrir nossa mente, nosso coração e consciência e pelo menos cogitar que cada um tem suas razões para estar onde estar, qualquer que seja o lugar de aprendizado que cada um ocupa no momento, luminoso ou sombrio, leve ou pesado. Não cabe a nós julgar ao outro, mas apenas especular o que nós mesmos faríamos se estivéssemos no lugar dele? Será que faríamos escolhas muito melhores? Será que nosso desempenho não seria ainda pior? Apontar o dedo para quem quer seja ainda nos deixa presos à ilusão e ainda perpetua o jogo da vítima, que aponta “culpados”, mas não lida com responsabilidades. Apenas no responsabilizar pela nossa parte e buscar transformá-la, vai resolver alguma coisa. Só transformamos a nós mesmos, e isso já é muito – o resto vem como reverberação do efeito que temos no mundo. Em termos práticos o dia traz muita energia de realização, estamina física e emocional para atacar diversos problemas e crises, se tivermos espírito de cooperação e de solução. Do contrário, podemos piorar os problemas ao ficar simplesmente buscando “culpados”. Todos somos responsáveis. Todos!

Reprodução

QUARTA-FEIRA, 19 de abril – Ainda em Capricórnio, a Lua se harmoniza com Quíron e com Vênus em Peixes e também faz trígono com Marte. Formaliza o quarto Minguante ao fazer quadratura ao Sol em Áries, a segunda Lua Minguante consecutiva a ocorrer nesta quadratura. A Lua fica vazia depois deste contato, às 06h57min e ingressa em Aquário às 07h52, de onde logo quadra Mercúrio. O Sol ingressa em Touro às 18h27min e Plutão estaciona às 08h48min – fica retrógrado amanhã. A Lua fica minguante novamente na quadratura Capricórnio-Áries, indicando uma ênfase extra sobre o tema do velho (Capricórnio) e do novo (Áries), da tradição, da convenção e da cautela do Velho Rei versus o pioneirismo e a audácia do Filho, o jovem, que vem implantar novas formas de governar e de manifestar a vida no mundo. Começamos o período de limpezas, finalizações, encerramentos do ciclo. É hora de avaliar nossas ações, o que realizamos e o que ficou para trás; é hora também de reciclar ou de descartar de vez aquilo que não está funcionando; sobretudo, é necessário uma limpeza profunda nas atitudes sociais, no papel que desempenhamos no mundo lá fora; como vivemos nosso papel mundano, como assumimos – ou não – nossas responsabilidades. Abrir mão da tradição árida, da convenção sem sentido, das regras vazias, do utilitarismo do homem e dar lugar a formas mais livres e menos engessadas de fazer as coisas. O questionamento sobre as convenções sociais fica realmente salientado com esse Minguante ocorrendo novamente no signo da Cabra. Capricónio rege os joelhos, um simbolismo da humildade, que nos lembra que precisamos ceder e nos render, soltar o controle e a rédea curta das situações; render-nos diante da nossa impotência, do desconhecido, desistir de saber tudo, resolver tudo, controlar tudo. Permitirmo-nos errar e aprender com esses erros, feito o bebê que se diverte a cada nova queda na tentativa de aprender a andar, ao invés de chorar, humilhado. Abrir mão do ego e do orgulho, porque é somente o ego que se sente humilhado quando falha ou quando tem que se dobrar – a alma se diverte com o aprendizado, a alma não tem investimentos no orgulho. Então, precisamos nos perguntar qual a faxina que precisamos fazer no nosso ego hoje; a quem ou ao quê precisamos nos dobrar e nos render; o que precisamos deixar ir para abrir espaço para novas esperanças, novas atitudes e possibilidades… A casa onde temos Capricórnio pode nos dar muitas pistas sobre isso. Abrir mão da rigidez e das opiniões formadas e inflexíveis, aliás, é o grande desafio do dia. Há muita teimosia no ar, a ponto de em certas situações agirmos – ou vermos outros agindo – feito mulas empacadas, que não se dão conta do ridículo da situações, de tão apegados que estamos às nossas opiniões e conceitos mentais, que novamente, não passam de ilusão. Desapegar-se dos preconceitos e das ideias estreitas também está mais que favorecido!

O Sol ingressa em Touro, inaugurando um período de buscar mais estabilidade e segurança material, de nos perguntarmos que obra estamos construindo de nós mesmos: está sólida o bastante? Tem sustentação? Qual o valor dessa obra? De onde derivamos nosso senso de valor? É tempo também de desfrutar sem culpa dos prazeres sensoriais, os prazeres do corpo, de relaxarmos e de buscarmos uma vida mais confortável e tranquila, de buscarmos uma vida mais simples e natural.

Reprodução

QUINTA-FEIRA, 20 de abril – Mercúrio faz a Conjunção Inferior ao Sol ainda em Touro e ingressa em Áries às 14h37min. A Lua Aquariana faz trígono a Júpiter e fecha o dia em harmonia com Urano, seu regente moderno. Vênus está muito perto da quadratura plena a Saturno. Plutão entra em retrogradação às 08h48min. O dia traz rasgos de leveza que ajudam a equilibrar o peso que andamos carregando ultimamente. Apesar dos pesares, conseguimos perceber a justa razão para estarmos onde estamos, envolvidos nos dilemas que nos afligem. Talvez até consigamos olhar para nós mesmos, para o outro e toda a situação com alguma benevolência e esperança e nos sintonizar com novas e mais elevadas aspirações e se assim nos predispomos, nos abrimos à cura. A conjunção Mercúrio-Sol começa uma nova fase no que tange a comunicação, as ideias, os conceitos… A mente sincroniza-se com os propósitos mais profundos e maiores da consciência. Mercúrio retorna a Áries, convidando-nos a revisar nossa brusquidão, a fala impulsiva que atropela o outro, a escuta impaciente, os pensamentos atrapalhados e imponderados. Plutão entra em retrogradação também convidando a revisões, acerca do uso – ou abuso – de poder, dos conteúdos secretos revelados nos últimos meses e também dos nossos processos pessoais e coletivos de transformação.

 

Homem e Mulher, esculturas de Tamara Kvesitadze. Localizadas na cidade costeira de Batumi, na Geórgia, as duas figuras representam um menino muçulmano, Ali, e uma princesa georgiana, Nino, separados tragicamente pela invasão da Rússia Soviética. Personagens retiradas de um romance de 1937 do autor Azerbaijão Kurban Said. se quiserem saber mais da escultura, vale a pena pesquisar! – Desconheço o autor da filmagem – Reprodução.

SEXTA-FEIRA – 21 de abril – Marte ingressa em Gêmeos às 07h32min e agora temos Mercúrio e Marte em recepção mútua. Vênus completa a última – de uma série de três – quadratura a Saturno hoje. A Lua se harmoniza com Urano e com Mercúrio, ficando vazia depois deste contato, às 15h24min. Ingressa em Peixes às 16h43min de onde logo se afina com o Sol Taurino, mas faz quadratura a Marte, já em Gêmeos. Amadurecer leva tempo. Desarmar-se e confiar leva tempo. Amar leva tempo. Perdoar leva tempo. Tudo o que é importante e vale a pena costuma levar tempo – salvo raras exceções. Por esses dias isso parece estar mais nítido para nós e, a despeito do peso e do receio, talvez até aceitemos, porque estamos cansados de discutir, de discordar, de ir contra a maré, ou simplesmente começa a fazer sentido.

Num tempo de “amores líquidos”, em que tudo é “consumido” feito Fast-food, inclusive pessoas e relações, realmente se sente deslocada a alma que ama com vagar, que vai se desarmando aos poucos, que vai se abrindo e desabrochando lentamente. Porque tirar a roupa é fácil, já desnudar a alma e o coração para se deixar ver e conhecer pelo outro, isso demanda muito tempo e coragem. É para os valentes, que sabem que podem se machucar muito no processo, mas ainda assim resolvem correr o risco. Mas a vivência e a maturidade nos ensinam e quem tiver um mínimo de sabedoria, saberá que mesmo a pior das mágoas, a mais amarga das dores nos ensinou alguma coisa. Hoje estamos mais cientes desse aprendizado, acerca do outro, mas principalmente, acerca de nós mesmos. Boa parte do dia temos um distanciamento que ajuda a nos abstrair um pouco da dor e desapegar-os do sofrimento. Mas, pelo fim da tarde, a alma se sensibiliza e sente tudo em cheio, como um tsunami que nos engolfa e que mistura memórias do passado com acontecimentos presentes, tornando a noite pesada e melindrosa, na melhor das hipóteses, nostálgica. Contudo, a oportunidade nos é dada de reviver tudo, para perdoar, porque se insistimos em res-sentir, ficamos fadados à repetição atroz do sofrimento desnecessário e sem sentido. Assim, podemos ter compaixão por nós mesmos – diferente de autopiedade – e finalmente deixar ir todas essas mágoas, esse passado de ressentimentos, rejeições e medos e nos comprometer conosco mesmos pela mudança e por um futuro diferente. Como? Procurando terapia, se for o caso; desenvolvendo mais amor e carinho por si mesmo; perdoando ao outro e a nós mesmos. Porque somente liberando as culpas, mágoas e o próprio passado, ficamos disponíveis para viver coisas novas, belas e saudáveis.

Reprodução

SÁBADO, 22 de abril – A Lua Minguante Pisciana faz conjunção a Netuno e quincúncio a Júpiter em Libra. Vênus começa a se afastar da quadratura a Saturno. O dia traz reminiscências doces e saudosistas, algumas talvez mais pesadas e tristes, mas tudo isso colore o sábado de nostalgia e talvez até uma sensação de irrealidade, como se estivéssemos em outra esfera, outra dimensão. Há muita sensibilidade, que pede paciência conosco mesmos e com outros. Uma tendência forte aos devaneios e a perder-se em fantasias, realizáveis ou não, mas nem estamos preocupados com isso, pois queremos mesmo é escapar da rotina insossa e meio árida, no mundo da imaginação, que está particularmente fecunda, favorecendo a artistas e criativos em geral. Podemos traduzir nosso estado de alma, seja ele sublime ou carregado, nos veículos criativos que estiverem à mão. A Lua está minguante, em Peixes, último signo do Zodíaco, que enfatiza o fim do ciclo, sugerindo que realmente finalizemos os processos, que nos lavemos e purifiquemos, seja com água, seja com lágrimas, o importante é deixarmos ir no líquido translúcido as horas agoniadas, os momentos de desamparo, os minutos de desespero e dar boas vindas ao silêncio, curando-nos a nós mesmos e ao mundo ao nosso redor.

Bruno Bruni – 1935 – Reprodução

DOMINGO, 23 de abril – A Lua Pisciana se alinha com Plutão e faz semi-quadratura ao Sol, entrando na fase Balsâmica. Depois faz conjunção a Quíron e a Vênus, brigando em seguida com Saturno e ficando vazia depois da união a Vênus, às 18h36min. A Lua ingressa em Áries às 21h33min e fecha a noite em harmonia ao seu dispositor, Marte, que está em Gêmeos. Novamente um dia delicado, de tom e sabor agridoce, que pede gentileza e delicadeza nos gestos, interações e trocas, visto estarmos todos sensíveis, emotivos e demasiadamente receptivos às influências exteriores e aos humores instáveis. Digerimos e elaboramos as últimas semanas, no que nos ensinaram, no que deixamos para trás, no que nos dispusemos a aprender. Agora talvez vejamos com mais nitidez o mar interno e revoltoso, embora lá fora tudo pareça plácido e sereno. Mais um dia, mais uma chance de soltar os restolhos do ciclo, os resíduos e detritos que porventura tenham ficado de todas as finalizações que procedemos recentemente. Em termos práticos, o dia está favorável à solitude ou a programas calmos e serenos, com companhias nas quais confiemos e que estejam na mesma sintonia, já que atritos podem surgir devido à diferença de vibração e interesses. Atividades em que exerçamos nosso altruísmo e empatia pelos problemas e sofrimento alheios estão favorecidas e trazem a chance de fazermos algo de efetivo e concreto, ao invés de simplesmente ficarmos assolados por emoções densas que não sabemos como canalizar.

Ótimos dias para você! Que sejam de luz e serenidade!

Reprodução
Reprodução

Lua Cheia em Libra – Da desordem e do caos

Birth Chart Painting – Libra Full Moon – Reprodução

O ciclo Ariano iniciado no dia 27 de março tem seu apogeu na Lua Cheia de Libra, que ocorre na madrugada desta terça-feira, dia 11, às 03h08min no horário de Brasília – 07h08min no horário de Lisboa. O eixo Áries-Libra tem como temas básicos os relacionamentos, como o EU se encontra e se relaciona com o OUTRO. Enquanto Áries concentra-se em si mesmo e na sua vontade pessoal, Libra trata da alteridade e propõe equilíbrio, que o EU encontre maneiras de incluir o outro e, talvez até de tornar-se um NÓS.

Lua Cheia em Libra – Brasília, 11 de abril de 2017, 03h08min

A Lua atinge seu apogeu no grau 21°32’, em conjunção a Júpiter, quadratura próxima a Plutão e oposição, também próxima e aplicativa, a Urano, formando uma T-Square Cardinal explosiva, da qual Plutão, planeta das transformações profundas, é o foco. A Lua ainda faz quincúncio a Marte em Touro. Só por essas configurações, já poderíamos antever que é uma lunação explosiva, catártica, de liberação de muitas energias densas e liberação de entraves. A Lua em Libra vem fazer o contraponto à forte energia individualista do Sol em Áries, que ganha o reforço de Urano, que tem um destaque especial nessa lunação, porque logo receberá a conjunção do Sol.

Reprodução

Essa ênfase que Urano recebe, sugere que prestemos atenção à nossa intuição, que busquemos fazer diferente e inovar nas relações. Libra é um signo que busca e prima pelo que é socialmente aceitável, assim como Capricórnio, por razões diferentes – Capricórnio quer poder, Libra quer ser aceito e não é à toa que Saturno, regente de Capricórnio, está exaltado em Libra! Mas a oposição Lua-Urano lembra que precisamos agregar o novo, o diferente, quebrar as regras de vez em quando, infringir um pouco a tradição e sair dos convencionalismos. Porque se não escutamos Urano e insistimos no excesso de convencionalismo e no que é esperado de nós, podemos ser atingidos por um raio, levar um choque ou ter que lidar com situações muito estressantes e que fogem totalmente do nosso controle.

Sempre que nos excedemos num princípio, invocamos o princípio oposto, para trazer o equilíbrio, mas se estamos inconscientes, esse princípio se manifestará de maneira estressante e talvez destrutiva. Excesso de Saturno (regras, estrutura, tradição, convenções, realismo, responsabilidade) invoca a ação de Urano (rebeldia, inovação, liberdade, progresso) ou de Netuno (sonho, fantasia, escapismo, dissolução, caos) ou ainda de Júpiter (falta de limites, irresponsabilidade, crescimento desenfreado, exagero). Plutão tem algumas similaridades com Saturno, porque ambos gostam de poder e controle, mas Plutão também pode funcionar no sentido de nos tirar o poder e o controle e assim, pode esmagar Saturno. E o reverso também é verdadeiro… Excessos desses planetas mencionados, podem invocar a ira e o relho de Saturno, que é o oposto psicológico de qualquer outro planeta ou luminar.

Reprodução

Então, Libra, sendo a exaltação de Saturno, vai sempre primar pela ordem, pela convenção, pela civilidade. Mas nesta Lua Cheia, Libra precisa integrar um pouco de rebeldia e, principalmente, ser capaz de se afirmar e ser um pouco mais independente, de não esperar sempre pela opinião do outro, nem estar tão disposto a corresponder às expectativas alheias. Urano urge que sejamos mais originais, mais livres e menos dependentes; que sejamos mais nós mesmos e vivamos menos em função do outro; que quebremos um pouco a regra do “aceitável” e atrevamo-nos a ser diferentes, a fugir um pouco da norma. Dentro das relações, isso implica preservar a própria individualidade e não se anular ou se perder no outro, agir com verdade e honestidade consigo próprio e também com o outro. É isso ou Urano será invocado de forma destrutiva e poderá trazer surpresas desagradáveis, rupturas abruptas, desconcertantes e possivelmente, definitivas.

Tracy Allen – Reprodução

Júpiter, com quem a Lua está conjunta, já coloca fortemente o tema da liberdade, a necessidade de crescermos juntos, dentro das relações, mas de preservarmos nossa liberdade e independência de crenças e valores. Júpiter também é líder de uma formação chamada Locomotiva neste mapa, o que faz com que tenhamos uma coloração fortemente Jupiteriana aqui. Júpiter era Zeus na mitologia grega e ele era um deus que primava pela liberdade, assim como legislava sobre o Olimpo e sobre os humanos. Zeus era casado com Hera, com quem vivia às turras, exatamente porque ela significava o princípio do compromisso. E ainda temos Plutão nessa configuração, que adiciona intensidade e profundidade a esses temas, além de exigir que transformemos a maneira como vivemos nossas relações, que sejamos mais autênticos e honestos em todos os nossos “negócios”. Plutão é um planeta impessoal, assim como Urano e esses planetas não “se importam” muito com o indivíduo, simbolizam princípios implacáveis da psique, forças que irão se manifestar e agir dentro ou fora de nós, de um jeito ou de outro. Se estamos abertos e promovemos as alterações voluntariamente, ótimo! Do contrário, vai à revelia mesmo. Queiramos ou não.

Reprodução

Então, a exemplo da Lua Nova de Áries, a Lua Cheia de Libra também traz para a linha de frente a necessidade de discutirmos as relações, como se já não estivéssemos fazendo isso há um bom tempo. A Lua Nova ocorreu exatamente em conjunção a Vênus retrógrada, que ainda estava no início de Áries, destacando esse tema das relações e da retrogradação de Vênus, além dos temas de autoestima e dos nossos valores. Agora, novamente a ênfase recai sobre esses temas, porque, além de Libra ser o signo do relacionamento, Vênus é a regente da Lua em Libra. Como sabemos, Vênus continua retrógrada. Nesta semana, está particularmente sensibilizada, porque está em Peixes, conjunta a Quíron e em quadratura quase exata a Saturno em Sagitário. Em três dias Vênus estacionará, para voltar ao movimento direto no dia seguinte. Ou seja, Vênus também está ultra destacada nesta lunação. E sugere que além de vivermos as relações de forma menos dependente e mais assertiva, como sugeria na Lua Nova de Áries, que também nos responsabilizemos pela realidade relacional que criamos na nossa vida. Vênus está conjunta a Quíron, indicando um aumento da vulnerabilidade da já etérea Vênus Pisciana; mas essa conjunção também indica a propensão a associarmos relações com sofrimento, a nos atrairmos por pessoas complicadas, que precisam ser “resgatadas” e nós lá vamos, tentar salvar o outro, sem nem perguntar se ele quer ser salvo. E depois reclamamos que somos infelizes e que fomos enganados – na verdade, nós nos enganamos a nós mesmos. Mas Vênus também está em quadratura a Saturno, que demanda que nos responsabilizemos por esses padrões nos quais nos emaranhamos; que sejamos realistas quanto ao idealismo excessivo com que olhamos os outros e também a dificuldade de enxergar a nós mesmos, como realmente somos; Saturno também sugere que precisamos encarar o quanto talvez sejamos emocionalmente exigentes e famintos de afeto, sempre cobrando ou criando expectativas altas demais, esperando ser preenchidos pelo outro e quando isso não acontece, nos sentindo rejeitados e incompreendidos.

Roberto Ferri – Reprodução

Vênus, nessa configuração com Quíron e Saturno, pede que tenhamos empatia e compaixão por nós mesmos, antes de termos pelos outros; que nos responsabilizemos pela nossa história, mas que nos des-identifiquemos dos padrões repetitivos de sofrimento; que lidemos com nossas feridas e abandono infantis, para não implodir futuras relações, ao ficar sempre defensivos, fechados, frios, acabando por provocar as reações que tanto temíamos: rejeição e abandono. E quando compreendemos tudo isso e aceitamos, podemos talvez modificar nossos parâmetros e referências e então, não precisaremos mais rimar amor com dor – existem rimas mais ricas e belas às quais podemos recorrer e até aceitar que há poemas em que as rimas não precisam ser exatas ou perfeitas – alô Urano! E Vênus conjunta a Quíron também indica que devemos incluir e aceitar o lado mais melindroso, defeituoso, trôpego, incompleto, tanto em nós mesmos quanto no outro. Vênus em Peixes busca a perfeição, mas Quíron vem lembrar que isso não existe, que somos todos limitados e capengas de alguma forma. E Saturno diz a mesma coisa, de outro jeito: aqui é a dimensão do real, aqui, nada é perfeito. E lide com isso!

Reprodução

Outra coisa interessante é que a Lua também se opõe a Éris neste mapa e Eris é o Ponto Médio entre Urano e o Sol e faz quadratura ao Ponto Médio entre a Lua e Urano – Urano está em conjunção a Eris já há bastante tempo, visto que o ciclo de Eris é muito longo e este asteroide demora décadas num mesmo signo. Éris é a Deusa da Discórdia e do Caos. Isso me lembra um dos mitos mais associados a Libra: o mito de Paris e Helena, que causaram a Guerra de Troia. Mas na verdade, a história começou bem antes. A história começa exatamente com Éris. Os deuses resolveram dar um banquete no Olimpo e todos os deuses e deusas foram convidados, menos Éris, por razões óbvias, porque ninguém queria trazer a discórdia para a festa. Mas ela ficou sabendo e, discordante como era, não se fez de rogada e foi mesmo assim – ela não se importava muito com civilidades e em ser aceita, queria mesmo era “causar”. Entrou de supetão – tem um quê de Urano – e atirou no meio da mesa uma maçã de ouro, com os dizeres: “Para a mais bela de todas as deusas”. E foi embora, algo que também me lembra a Malévola, de a Bela Adormecida. Claro que todas as deusas queriam ganhar a maçã, e a briga ficou entre Hera, Athena e Afrodite, mas nenhum deus era idiota para fazer essa escolha. Então Zeus foi buscar um pastor simples, que tranquilamente pastoreava suas ovelhas no Monte Ida. Quem era esse pastor? Paris, que havia sido desterrado pelo seu pai, o rei Príamo, de Troia, por causa de uma profecia feita antes de Paris nascer, que dizia que ele causaria a destruição do reino. Paris foi convocado por Zeus para fazer a escolha entre as deusas. Ele, como bom Libriano, deu como sugestão dividir a maçã em partes iguais, assim todas ficariam satisfeitas. Apesar do seu charme, a sugestão não foi aceita e ele teve que escolher. Resumindo, ele escolheu Afrodite, porque ela lhe ofereceu Helena, a mulher mais bela do mundo – o fato de Helena já ser casada, era um mero detalhe para Afrodite. Ao escolhê-la, Paris incorreu na ira das outras duas que disputavam o prêmio: Hera e Athena. Resumindo muito: Paris e Helena se apaixonaram e Paris roubou Helena de Menelau, e por causa disso, os gregos entraram em guerra com Troia, que de fato foi destruída, depois de uma guerra de dez anos. E como tudo isso começou? Começou com os deuses excluindo Eris, a discórdia – comportamento típico de Libra, que odeia desagradar e causar discórdias, estando mais interessado sempre em conciliar, sendo expert na arte do “deixa disso”. Então, o que isso vem nos dizer? Que precisamos incluir também, o caos e a discórdia, pelo menos cogitar na possibilidade de que nem sempre conseguiremos ter o controle de tudo ou que nem sempre conseguiremos manter tudo civilizado, plástico, refinado e harmonizado. Tem horas que é preciso discordar, tem horas que é preciso desequilibrar – aliás, Libra é o signo do equilíbrio e em certos momentos vai “bagunçar” tudo, quando sentir que está tudo certinho demais, exatamente para equilibrar – é, às vezes, para equilibrar, precisamos bagunçar! Tem horas em que precisamos bancar nossa dissonância, nossa divergência, nossa discordância. Precisamos incluir Eris, porque se a excluirmos, ela vai dar um jeito de entrar na festa de qualquer forma, então, melhor estar “de boa” com ela e reconhecer dentro de nós esses aspectos dissonantes e caóticos, que querem “causar” e que não se importam tanto em agradar. Se não incluímos Eris, ela vai ficar muito zangada e ninguém vai querer incorrer na sua ira! Já imaginou, estar de mal com a Deusa da Discórdia?

Reprodução

O dispositor final deste mapa é Netuno, único planeta a estar “em casa” atualmente, visto que é o regente moderno de Peixes. Netuno agrega criatividade, imaginação, compaixão e também gentileza e altruísmo a essa lunação. Negativamente, reforça a sugestão do caos, porque confunde e dissolve os limites que norteiam nossa leitura da realidade. Então, temos um tom de Júpiter-Netuno também forte aqui e, que assinala um exagero, e expande a qualidade extravagante, embora adicione uma certa benevolência. Somando à influência de Urano, temos a indicação de uma lunação que carrega uma forte qualidade de radicalismos, extremismo, caos, situações e crises inesperadas, assim como liberação, desprendimento e iluminação. Precisamos estar conscientes e presentes em nós mesmos, para tirar proveito das qualidades positivas da lunação e não “sofrermos” seus efeitos mais caóticos.

Fabera – Reprodução

Em termos mundanos, essas configurações todas inspiram cuidados, pois sugerem radicalismos ideológicos, fanatismos religiosos e conflitos diplomáticos, visto que Vênus, planeta da diplomacia está retrógrada e em quadratura a Saturno e Mercúrio, planeta das comunicações e também negociador, está retrógrado em Touro, signo inflexível.

Reprodução

Pelo menos o Símbolo Sabiano para o grau 22 de Libra (21°32’) traz uma imagem de gentileza e harmonia: “Uma criança dando de beber a pássaros numa fonte”. O tom principal, segundo Rudhyar, “é a preocupação das almas simples com o bem estar e a felicidade de seres menos evoluídos que têm sede de renovação da vida”. O símbolo fala da necessidade da gentileza, do cuidado e de nos preocuparmos com outros, especialmente aqueles que mais precisam. O símbolo vem fazer o contraponto à forte energia Uraniana e ao extremismo presente nessa lunação. Fala de calma, doçura, cuidado, pureza e de fazermos as coisas sem expectativa de retorno – algo que também costuma ser difícil para Libra – e que, se pudermos, não devemos nos furtar de ajudar àqueles que precisam, algo que está em consonância com a conjunção Vênus-Quíron, que já fala da grande empatia, sensibilidade e compaixão por outros que necessitam de atenção e cuidados. Assim, a despeito do caos e dos radicalismos, de precisarmos e devermos nos posicionar, isso não pode nos endurecer excessivamente a ponto de não podermos mais ser gentis e carinhosos com outros. Aqui novamente vem a necessidade do equilíbrio, que é tão caro para Libra.

Reprodução

Portanto, a Lua Cheia de Libra convida a encarar a verdade e a realidade das nossas relações; convida a nos posicionarmos com honestidade e a assumirmos nossa dissidência e dissonância, quando for o caso; demanda que integremos nosso desejo de liberdade e independência e que nos responsabilizemos pelas relações nas quais nos envolvemos e os paradigmas relacionais que criamos, assim como pela transformação de tais paradigmas; que nos liberemos das relações doentias e sobretudo, dos nossos padrões viciados e que busquemos relações mais honestas, com pessoas reais e não com ideais de perfeição. E depois de tudo isso, ainda sermos capazes de ser gentis e amorosos, com os outros e conosco mesmos! Paradoxal? Com certeza! Mas a vida não é um grande paradoxo?

Feliz Lua Cheia para você!

Birth Chart Painting – Libra Full Moon – Reprodução