Arquivo da tag: Corpo

Lua Cheia em Touro – O Essencial Permanece

Desconheço o autor – reprodução

O ciclo iniciado em Libra no dia 19 de outubro atinge seu ápice na Lua Cheia de Touro, neste sábado, às 03h23min no horário de Brasília (Horário Brasileiro de Verão) e às 05h23min no horário de Lisboa. O ciclo de Libra trata, basicamente, de relacionamentos, a Lua Cheia, também e, embora o eixo Touro-Escorpião não tenha a ver com isso de forma direta (Touro-Escorpião trata de relacionamentos no que tange à intimidade e sexualidade), o tema está implicado devido ao ciclo e à posição da regente de Touro, Vênus.

Em Touro queremos e buscamos estabilidade, segurança, firmeza, substância. A Lua Cheia em Touro sinaliza um momento em que a intensidade, a destruição e eliminação simbolizadas por Escorpião precisam ser contrabalançadas pelo vagar, ponderação, solidez e preservação de Touro. É aquele momento em que você desmontou tudo para jogar fora, porque se sente bloqueado, “preso” por tudo o que “possui”, como se tudo fosse um peso morto a lhe arrastar para trás, mas se dá conta que não pode, afinal, jogar tudo fora, porque tem coisas que ainda são necessárias, úteis, coisas que são essenciais para a sua sustentação e sobrevivência. Então precisa proceder com o ritual difícil de separar o que traz segurança real, daquilo que é peso morto, estagnação.

Portanto, além de ser um momento crítico de ponderar sobre o que precisa e deve ser preservado de modo geral na vida – e na área de vida simbolizada pela casa do mapa onde a Lua Cheia ocorre – essa Lua Cheia vem propiciar que a mesma ponderação seja utilizada nas nossas relações.

O ciclo se iniciou com um grande estrondo, com Lua e Sol ficando conjuntos em Libra em oposição próxima a Urano em Áries, indicando um momento crucial de despertar para a qualidade das relações, de deixar de ser tão conciliador, de buscar maior independência, transparência e verdade dentro das relações “certinhas” simbolizadas por Libra. Agora esse estrondo ecoa mais longe, repercutindo na intimidade, na sexualidade, naquilo que nos sustenta e nutre.

A Lua fica Cheia em oposição à conjunção Sol-Júpiter em Escorpião, sextil próximo a Netuno em Peixes e trígono a Plutão em Capricórnio. A oposição a Júpiter sugere a possibilidade de nos conectarmos com a abundância da vida e de nos sentirmos merecedores dela, repercutindo beneficamente na nossa vida. Por outro lado, esse aspecto tenso a Júpiter também indica a amplificação dos temas da lunação, assim como excessos nos desejos e um exagero ainda maior na busca da satisfação de tais desejos e impulsos sensoriais e sensuais. Comida, bebida, sono, sexo… Nunca é o bastante! Sempre queremos mais, e melhor! Satisfação dos instintos e dos sentidos que, dependendo da orientação individual pode se manifestar como satisfação do estômago, da libido ou da segurança material – o impulso é o mesmo e é voraz! A propósito, qual é a nossa fome/necessidade primordial neste momento da nossa vida? Aquilo de que mais se carece pode ser a fonte da voracidade manifestada em outras áreas… Temos fome de sexo/afeto/contato? Podemos nos pegar comendo em demasia para compensar esta carência; temos necessidade de amor/atenção? Podemos nos tornar possessivos em relação a pessoas importantes em nossa vida; temos anseio por segurança? Podemos nos tornar avaros, acumulando dinheiro e posses para nos sentir mais tranquilos… E assim vai!

Touro é o signo das coisas essenciais e o que é essencial para nós? Se nos percebemos compulsivos em relação a alguma coisa, é válido nos perguntar que carências essenciais estamos tentando sanar com tais compulsões. Talvez nem nos demos conta de tais carências e, neste caso, a compulsão/compensação vem funcionar como mascaramento da carência. O ponto chave nos próximos dias é a moderação na satisfação desses prazeres e impulsos sensoriais, para que não tenhamos que lidar com consequências desagradáveis mais à frente.

Reprodução

Como no Símbolo Sabiano do grau 12 de Touro (11°59’) que coloca a imagem de “um casal jovem andando na rua principal olhando vitrines”. Por que um casal jovem estaria olhando vitrines? O que procuram? Será que pensam já em casar-se e olham o futuro através das vitrines? Será que um pensa em dar um presente ao outro? Será que pensam em presentear uma terceira pessoa? Qualquer que seja o motivo, o fato é que, ao invés de olharem um para o outro, ao invés de conversarem entre si, olham para fora, para uma vitrine de uma loja qualquer. Pode significar que têm objetivos em comum, como naquela frase de Michel Quoist: “Amar não é olhar um para o outro, mas olharem ambos na mesma direção”... Apenas me incomoda o fato de essa direção ser uma vitrine de loja – é, pode ser um preconceito meu, mas talvez isso aponte para o consumismo, a posse material de algo; ou pode apontar a busca por coisas de que se precisa realmente… O que nos leva a outras questões: será que olham para vitrines para evitarem olharem-se nos olhos, olharem um para o outro? Será que olham vitrines para evitar o momento de tensão entre eles mesmos? Será que evitam o vazio que se tornou o relacionamento? Será que cumprem o ritual social do passeio do casal pseudo-apaixonado, para quem até uma vitrine banal é mais interessante do que o parceiro que está ao lado?

Banksy – Reprodução

É interessante tratar-se de um casal jovem… O que me lembra também os casais – e relações de todo tipo – que submergem nos próprios telefones celulares e geringonças eletrônicas ignorando o outro de carne e osso que se encontra à frente ou ao lado, uma versão moderna do “solidão a dois” de que falava Cazuza… Qualquer que seja a interpretação que demos a este Símbolo, é patente que o casal não olha para si, mas para fora, para o mundo exterior. O olhar para fora pode ser salutar, uma forma de sair da identificação excessiva da imagem de casal, um renovar-se ao absorver informações novas e exteriores à realidade relacional. Mas pode também ser um movimento negativo, como dito acima, um evitar enfrentar o outro e os problemas da união, da convivência. Essa imagem dá margem a inúmeras conjecturas, sendo muitas delas possíveis e plausíveis, e talvez mais de uma se aplique ao nosso caso em particular…

Contudo, considerando-se as configurações desta Lua Cheia, talvez este casal esteja evitando olhar para os próprios problemas e se distrai de tais problemas olhando vitrines, um falso otimismo que tentar consertar o que está errado, por exemplo, comprando uma TV nova, um carro novo, tendo um filho, etc… Por que isso? Porque a Lua Taurina se opõe a Júpiter – vamos focar no prazer, no positivo – e Vênus, regente da Lua Cheia está em oposição exata a Urano – que recebia a oposição, também exata, da Lua Nova lá no dia 19 de outubro – sugerindo que os problemas continuam a pipocar, estrondar, mas talvez tentemos fazer ouvidos moucos a eles, focando no aspecto reluzente do mundo exterior.

O quanto este casal está realmente satisfeito com a relação? O quanto confiam um no outro, o quanto confiam no modelo relacional que escolheram – consciente ou inconsciente? E aqui ouso colocar até o tema fidelidade/monogamia, inspirada pelo post de uma amiga/cliente no Facebook e que também tem tudo a ver com esta lunação: fidelidade, monogamia são temas bem Taurinos, porque nascem exatamente do desejo/necessidade da estabilidade e da previsibilidade que dá tanto a sensação de segurança, quanto leva à armadilha do tédio massacrante do cotidiano banal acachapante e fechado a pequenas ousadias que desafiem nosso conceito de “correto”, “seguro”, “confiável”.

É, de fato, uma lunação de contradições: queremos estabilidade, segurança, mas encontramos questionamentos, dúvidas, rebeldia aos modelos tidos como certos, aceitáveis, constantes, estáveis, seja na gestão da vida concreta, seja na vivência dos afetos. Positivamente pode ser um período de empolgação, de novidades, de dinamismo nas relações, mas isso só vale para aquelas relações que são muitos transparentes, cheias de frescor e vitalidade, onde os parceiros são honestos e não têm medo de encarar suas fraquezas e inseguranças, onde não há apegos, nem ao outro, nem aos modelos “certos” de relacionamento – mas, convenhamos, tais relações são a exceção da regra! Para a maioria das relações, pautadas nos modelos ditos “aceitáveis” e seguros, essa lunação traz muitos desafios à estabilidade, à durabilidade e manutenção do status quo.

Vênus em Libra, dona da casa, está em oposição exata a Urano em Áries – depois de ter feito quadratura a Plutão na terça-feira – um aspecto que inclina a rupturas, a eventos inesperados nas parcerias, a situações erráticas influenciando a forma como vemos a nós mesmos e como gerimos nossos valores, etc. Sugere ainda a necessidade de reinventar completamente as relações. Como se não bastasse, Plutão faz quadratura ao Ponto Médio (17’ de distância) entre Vênus e Marte, ou seja, há muita destrutividade ou, no mínimo, desafios, associados ao impulso de amar, à paixão, ao desejo, ao enamoramento, à vida sexual e à união sexual/afetiva. Pode-se dizer, com certeza, que há forças poderosas em movimento e que, embora turbulento e descontrolado, o desejo é intenso e visceral.

Marte, regente tradicional de Escorpião, começa a fazer quadratura a Plutão, o regente moderno deste signo. Marte-Plutão intensificam a questão do desejo, mas também acentuam a agressividade, a necessidade de controle e a possessividade, além de simbolizar uma vontade de ferro e determinação inquebrantável.

Reprodução

Por isso e por tudo o mais que já foi dito é que podemos afirmar que, por mais que queiramos sombra e água fresca, paz e sossego, ainda não é agora que vamos conseguir, pelo menos não enquanto não enfrentarmos estes questionamentos e incertezas. Positivamente, temos a nosso favor a oportunidade de aplicar nossa imaginação e sensibilidade de forma concreta, de modo a perceber outras necessidades mais sutis, para além daquelas sensoriais, como indicado pelo sextil a Netuno – podemos sim, encontrar soluções criativas para nossos dilemas. O aspecto a Plutão traz resistência à já robusta e obstinada Lua Taurina, sugerindo potencial e capacidade de transformação na gestão dos sentimentos e carências físicas ou emocionais e força e coragem para lidar com os desafios.

Urano destacado, tanto na Lua Nova de Libra quanto agora nesta Lua Cheia sugere um ciclo deveras errático e turbulento, mas também traz possibilidades de despertar, de iluminações fundamentais acerca do nosso valor e do que tem valor para nós. Se vamos agir ou não a partir de tais insights e iluminações, é outra história!

A Lua Cheia assinala períodos em que questões maturam e se tornam conscientes, de nós nos tornarmos aptos a lidar com tais questões… Se lá na Lua Nova Urano simbolizava revelações e iluminações desconfortáveis, que precipitaram caos e turbulência, agora, talvez, com a firmeza de Touro, possamos assentar a cabeça e o coração para, a partir de tais insights, tomar as atitudes essenciais ao nosso desenvolvimento e sustentação, incluindo nas questões relacionais.

No que tange às questões concretas e materiais, é um período que requer cautela nas decisões, nos investimentos e no gerenciamento de bens e dinheiro – há propensão a se gastar por impulso, impensadamente e a se arrepender depois. É hora de avaliar o que é essencial, o que tem valor real e deve ser preservado e o que só dá uma sensação ilusória de segurança, sem nos sustentar realmente, sem nos agregar nada efetivamente. O essencial, aquilo que é realmente sólido, permanece, as muletas devem ser descartadas.

Onde você estiver, Feliz Lua Cheia para você!

OBS: Indivíduos com ângulos e planetas entre os graus 07 e 17 dos signos fixos (Touro, Leão, Escorpião e Aquário) sentem mais intensamente essa lunação. A Lua Cheia em Touro pode ainda trazer presentes assuntos que eram importantes no final de abril deste ano (Lua Nova a 06° de Touro – 26 de abril) e ainda reverberar na próxima Lua Nova em Touro, em maio de 2018. É uma lunação para se dar atenção às questões relacionadas a dinheiro, seguranças e ao aspecto material da vida, incluindo a relação com o corpo. Rituais de prosperidade estão favorecidos, assim como a conexão com a abundância da vida e com a própria sensualidade.

Desconheço o autor – reprodução

A Semana Astrológica – Materializando Intenções

Reprodução

Semana de 24 a 30 de abril

Semana de recomeço, de inaugurar novos sonhos e plantar sementes que frutificarão substância, solidez e estabilidade.

O Sol ingressou em Touro e fica vários dias sem fazer maiores aspectos a outros planetas, sinalizando talvez alguma dificuldade em nos sintonizarmos com nossos propósitos e oscilações no entusiasmo com que nos empenhamos em realizar tais propósitos, ora muito certos e determinados, ao ponto do extremismo, ora duvidosos, sem saber direito para onde estamos indo. É nesse clima que ocorre a Lua Nova em Touro, já na quarta-feira, sinalizando o começo de um novo ciclo e o tempo ideal para cuidarmos da segurança material, do conforto físico e da nossa relação com o mundo sensorial, o mundo da matéria. É tempo de renovar intenções e, mais do que isso, de trabalhar para materializar tais intenções!

Reprodução – Desconheço autor

Mercúrio, retrógrado em Áries, telefona novamente para Saturno em Sagitário, para falarem de assuntos já tratados anteriormente e que agora precisam ser revistos e repensados. Mercúrio se junta novamente a Urano e revisa a necessidade e factibilidade dos planos e ideias incitados pelo desejo de mudança. Quando Mercúrio voltar ao movimento direto, no inicio de maio, realizar esses dois aspectos mais uma vez e é quando essas ideias se mostrarão mais consistentes, a mente estando aberta a apta a integrar as novidades às regras necessárias para manifestá-las no mundo.

Delaware Art – reprodução

Vênus ingressa novamente em Áries e lentamente vai retomando sua velocidade, recuperando inspirações, iluminações e lampejos fugazes captados desde fevereiro último acerca das relações, parcerias, amor próprio e nossa relação com a materialidade da vida. Essa ascensão completa durará muitos meses – até que ela faça a Conjunção Superior ao Sol, em janeiro de 2018. Agora Vênus vai assentando todos os insights tidos e recebidos na retrogradação e começando a implantar as mudanças elaboradas durante essa fase.

Reprodução

Marte segue em Gêmeos, sinalizando semanas de muita agilidade, presença de espírito e prontidão na ação, mas também dispersão de energia, por querer e tentar fazer coisas demais ao mesmo tempo, talvez até distraindo-se com coisas menores pelo caminho, ao invés de focar no que é importante. Esta semana ele faz sesqui-quadratura a Plutão, e isso simboliza uma possível dificuldade de assumir nosso poder e de nos comprometermos com as mudanças que desejamos fazer em nós e nossa vida. Como resultado, talvez nos sabotamos e nos entregamos ao inimigo, ao invés de assumir nossa força e nossos desejos de forma limpa e direta. Só não vale culpar os outros pelos equívocos que nós mesmos cometemos por desleixo e preguiça de irmos mais fundo na nossa busca! Auto-vigilância propicia consciência e ao invés de darmos rasteira em nós mesmos, aprendemos mais um pouco.

Adam Martinakis – Reprodução

Saturno faz quadratura a Quíron, a segunda de uma série de três, sendo a última em novembro deste ano. Dois planetas pesadões, que representam limitações, dissabores, mazelas e inadequações, travando essa “conversa” para lá de difícil, para não dizer briga mesmo, indicam que está é uma semana que traz para a linha de frente a necessidade de lidar com nossas limitações, pessoais e coletivas, cada um com as suas. Este peso é sentido mais agudamente no fim de semana, já que a quadratura fica exata no domingo e pede que tenhamos paciência e compaixão, uns com os outros, assim como conosco mesmos. Talvez sejamos confrontados com decepções, notícias negativas delicadas sobre a saúde física ou moral dos nossos modelos espirituais ou intelectuais. Ou, num âmbito mais pessoal, lidamos com impossibilidades e impedimentos difíceis de sanar, que exigirão serenidade para aceitarmos a nós mesmos e aos outros, em nossas grandes limitações. Leia mais sobre Saturno—Quíron no texto sobre 2017.

Reprodução

A semana começa com a Lua inda Balsâmica, em Áries. A Lua se renova em Touro, na quarta-feira e entra na fase Semi-Crescente já em Gêmeos. Fecha o domingo em Câncer, colorindo o dia de sentimentos densos e profundos. Nas sua trajetória ela conversa com todos os demais astros celestes, serena ou intempestivamente.

Reprodução

SEGUNDA-FEIRA, 24 de abril – Mercúrio retrógrado em Áries está novamente em trígono a Saturno em Sagitário, que também está retrógrado. A Lua, Ariana e Balsâmica, se harmoniza com Marte em Gêmeos e fecha a noite em oposição a Júpiter em Libra. É dia de termos mais clareza a respeito de tarefas que deixamos de cumprir lá atrás e que agora voltam à nossa porta para que possamos terminá-las, lidar com elas adequadamente. Não há tempo ou espaço para culpas ou lamentações, não é esse o objetivo, mas sim, o resolver efetivo da situação. Assim, o dia traz uma influência forte de resolução de problemas, de finalizar coisas pendentes, de terminar tudo o que esteja “pendurado” e criando bloqueios, sejam esses bloqueios concretos ou energéticos. Outra coisa positiva é que toda essa energia de ação e resolução está bem concentrada pela maior parte do dia, de modo que se estivermos atentos, poderemos de fato utilizá-la de maneira focada, diligente, ágil e engenhosa. Não dá para perder tempo pensando “e se…”, porque se piscamos, a chance já foi! À noite já não temos tanto foco assim. A despeito do otimismo e entusiasmo, talvez tentamos abocanhar mais do que conseguimos mastigar, ou seja, há propensão a excessos e o senso de proporção fica prejudicado, levando talvez começarmos mais coisas do que conseguimos terminar ou à pura dispersão e preguiça.

Reprodução

TERÇA-FEIRA, 25 de abril – De Áries a Lua se opõe a Júpiter em Libra, enquanto quadra a Plutão, fazendo conjunção mais tarde com Eris, Urano e Mercúrio. A Lua ainda faz trígono a Saturno e fica vazia depois desse aspecto, às 17h54min. Ingressa em Touro às 22h57min e fica várias horas sem maiores contatos. O regente da Lua Ariana está em Gêmeos, fazendo sesqui-quadraturas a Júpiter e a Plutão. A energia Ariana colore o dia de pressa, impulso e agilidade, feito um furacão que vai varrendo tudo por onde passa. Tem muita energia “fazedoura”, que nos ajuda a resolver coisas, finalizar processos e deixar tudo pronto para o próximo ciclo. Mas essa energia também é muito volátil e, ao invés de propiciar soluções, pode propiciar conflitos, caso estejamos muito desavisados e inconscientes de nós mesmos, especialmente porque também há períodos de rebeldia e possibilidade de imprevistos. Agir no automático não é a melhor pedida para o dia, ou podemos quebrar muitas cabeças por aí, a de outros e até a nossa própria, figurativa ou literalmente. Como é volátil, a energia se modifica constantemente, na direção, no impulso, na força, na desenvoltura e para controla-la e tirar bom proveito dela, é preciso estarmos centrados e termos clareza das nossas prioridades, buscando permanecer lúcidos e focados – do contrário, podemos nos dispersar em muitas direções e não fazer nada de efetivo com tudo isso, e pior: ainda nos indispor com o ambiente e com outros que estejam mais objetivos e seguros de si. Assim, a pedida é já começar o dia elencando as coisas importantes, mas deixando espaço para o imponderável, porque as coisas podem mudar e precisamos ser flexíveis e fluir com os acontecimentos.

Reprodução – Desconheço o Autor

QUARTA-FEIRA, 26 de abril – A Lua faz conjunção ao Sol às 09h16min, a 06°271, inaugurando um novo ciclo lunar. Mais tarde ela entra em cooperação com Netuno em Peixes, mas se desentende com Júpiter em Libra, formando um Yod-Dedo de Deus, já que Júpiter também começa a fazer quincúncio a Netuno. A Lua inaugura um novo ciclo lunar e um período de focar mais na materialidade da vida, em buscar concretizar e solidificar nossos objetivos. É tempo de nos tornarmos mais tangíveis no mundo, dando mais valor a nós mesmos, focando em materializar nossos desejos, em adquirir substancia, estabilidade, segurança. Sol e Lua estão isolados nesta lunação, não fazem contato com outros planetas, algo que dá mais ênfase aos temas de Touro e sugere um ciclo em que a busca pelos objetivos materiais é feita de forma muito obstinada, talvez até obsessiva. Focamos tanto no que queremos e buscamos, que vemos em túnel, alheios a tudo o mais que possa nos distrair. Se por um lado isso é ótimo porque favorece a determinação, por outro, leva a extremismos, teimosia, unilateralismos, em que nos recusamos a levar em conta outras opiniões e visões, mesmo quando nosso equivoco é evidente. Nesses casos, nos recusamos a dar o braço a torcer e a sensatez dá lugar ao capricho infantil e ao endurecimento da mente e do coração. A regente de Touro, Vênus, poderia suavizar essa “dureza”, visto que está em Peixes. Mas nem tanto, porque Vênus está no último grau de Peixes, um grau crítico; está se separando da conjunção a Quíron e da quadratura a Saturno e ainda em movimento muito lento, recuperando-se da retrogradação, em cuja zona ela ainda trafega. Essa posição de Vênus sugere que a determinação, por mais obstinada que seja, vem e vai, oscila, ora estamos totalmente empenhados, até de forma cega e ora não temos mais certeza do que realmente queremos, então, em lugar de suaves, ficamos “frouxos”, relapsos e inseguros. Portanto, esses são dados que precisamos vigiar ao longo das próximas semanas. Pelo resto do dia a oscilação do entusiasmo se faz mais presente e balançamos entre a sensatez e o exagero, entre um pragmatismo econômico e um idealismo inatingível. Ter um mínimo de desapego com as ideias e impulsos que nos ocorrerem pode ser um bom começo, assim, podemos dar tempo para tais ideias e palpites se assentarem e serem analisadas com mais tranquilidade nos próximos dias.

Reprodução

QUINTA-FEIRA, 27 de abril – A Lua completa a quincúncio a Júpiter, enquanto faz trígono a Plutão e sextil a Quíron e a Vênus, ficando fora de curso depois da conversa com Vênus, às 22h20min. Ingressa em Gêmeos às 22h39min. Marte está em sesqui-quadratura plena a Plutão e Mercúrio vira o dia já em conjunção a Urano. O dia está langoroso, lento e ainda sujeito às oscilações de humor e de entusiasmo que experimentamos ontem. Apesar de sentirmos que há muita força latente, muita estamina, demoramos a engrenar, a sair do casulo e nos jogar nas atividades que nos aguardam. É como se precisássemos ter certeza de que os esforços são realmente válidos, antes de nos movermos e nos comprometermos com eles. Essa hesitação pode nos custar muito: perda de tempo e até de boas oportunidades, portanto, é importante ficarmos atentos e sermos honestos quanto a essa inatividade ou demora na ação: isso é mesmo motivado por um questionamento legítimo ou é apenas a velha e conhecida preguiça? É uma ponderação necessária ou mera procrastinação? Se conseguirmos proceder com o confronto honesto desses lapsos, podemos acessar um grande manancial de força, estamina, desenvoltura e determinação, que nos colocará no caminho certo da realização.

Reprodução

SEXTA-FEIRA, 28 de abril – Mercúrio está em conjunção partil a Urano por algumas horas. Em Gêmeos, a Lua Nova faz conjunção a Marte e mais tarde faz quadratura a Netuno em Peixes e trígono a Júpiter. Vênus ingressa em Áries às 10h14min. Ideias inovadoras, algumas impraticáveis, pululam e borbulham na mente incendiária hoje. Muitas dessas ideias e palpites são, na verdade, reaparições, tendo sido visionadas pela primeira vez lá pelo fim de março. Agora nós as revisitamos, talvez – apenas talvez – com um pouco mais de sobriedade, analisando com mais vagar, nem adotando e nem descartando de vez. Lá pelos dias nove ou dez de maio é que teremos mais clareza sobre quias ideias são aproveitáveis e quais são apenas aspirações ainda avançadas demais para conseguirmos concretizá-las a contento. De modo geral o dia pede quebra na rotina, independência de decisão, movimento e atitude; pede que façamos algo diferente, inusitado, insólito, que tenhamos coragem de abrir mão de mais alguns conceitos que já não condizem com o nosso tempo e com aquilo que somos hoje, com nossos planos e projetos de futuro. Às vezes, não há problema nenhum com esses conceitos em si mesmos, eles apenas não se alinham mais com nossas buscas. Identificamos que mudamos, que hoje queremos coisas diferentes do que queríamos ontem, na semana passada, no ano passado, mas às vezes não percebemos que continuamos a emitir conceitos e a nos comunicar da mesma forma de outrora e isso gera um descompasso, que pode ser corrigido. O dia oferece a possibilidade dessas correções. Em termos práticos, o dia pede bastante centramento, para que não dispersemos energia, a começar pelos excessos verborrágicos, pelas palavras soltas, jogadas a esmo, ao vento e que ao invés de clarificar, podem confundir o interlocutor e até a nós mesmos. A imaginação está bastante aguçada, mas é necessário um mínimo de foco para usarmos isso de forma positiva, do contrário, perdemos as horas a devanear sonhos impossíveis, ficando desapontados depois no confronto com a realidade, a começar com o desperdício do tempo e das oportunidades.

Federica Bordoni – Reprodução

SÁBADO, 29 de abril – A Lua Geminiana faz quincúncio a Plutão em Capricórnio e sextil ao seu dispositor, Mercúrio e a Urano, ambos no fim de Áries. A Lua forma uma T-Square Mutável ao se opor a Saturno e quadrar a Quíron, que é foco da T-Square e ao fazer isso, a Lua ativa a quadratura Saturno-Quíron, que fica exata de novo amanhã. A Lua ainda faz semi-quadratura ao Sol, entrando na fase Semi-Crescente. Fica vazia depois do embate com Saturno, às 18h29min. Ingressa em Câncer às 22h48min, de onde fecha a noite em quadratura à Vênus Ariana. Esse é um dia pesado e caótico, que pode ficar bem complicado, mas com alguma chance de ser produtivo, dependendo de como usemos as influências. Há propensão a queremos correr mundo, a pularmos de galho em galho, fugindo de obrigações, flanando por aí a esmo, queremos novidades, estímulos, movimento, animação e até provocando a outras almas menos inquietas – mas no fundo estamos fugindo é de nós mesmos e de nossas inseguranças, inadequações e aflições. Mas essa criança irrequieta e peralta em que nos tornamos se depara com um pai/professor/chefe que lhe desaprova frontalmente, fazendo-a sentir-se mais inadequada, deslocada, perdendo a espontaneidade, como quando somos descobertos a fazer algum mal-feito e no final, somos relembrados de outras inconveniências, desgostos e desalentos nossos, que nos deixam ainda mais para baixo, descendo a ladeira da inconsistência, melancolia e desânimo. É duro conciliar o desejo por novidade e soltura, com essas obrigações e deveres esperados de nós, especialmente, conciliar o espírito grandiloquente com as limitações terrenas; mas como diz o poeta, disciplina é liberdade e talvez o problema maior é que nos deparamos com a conta – alta – da fuga de compromissos e de confrontos anteriormente adiados: não fizemos na hora devida e agora eles se apresentam mais pesados. A despeito da dureza, do julgamento e do mau humor, o dia oferece chances de amadurecermos um pouco mais e de lidarmos melhor que esse Peter Pan irresponsável que tem dentro de nós, negociando com ele, buscando uma conciliação com o Velho que dá as ordens e cobra seu cumprimento; a Velha Realidade, as limitações do tempo e da condição de humanidade que todos carregamos. Tudo tem seu tempo e lugar debaixo do Sol e os problemas começam quando estamos fora de sintonia com esse tempo e o lugar certo das coisas. Hoje é dia de focar primeiro no dever, de confrontar alguns demônios; depois podemos pensar em lazer, se tivermos serenidade para lembrar que tudo passa, do contrário, podemos ter problemas. É possível que, devido ao tom pesado do dia, acabemos por resvalar em dissociações, em nos alienar dos sentimentos densos e neste caso, podemos encontrar tudo isso nas situações externas, que ainda assim, podem, no mínimo, ensinar muito a respeito de nós mesmo.

Federica Bordoni – Reprodução

DOMINGO, 30 de abril – Saturno em Sagitário está em quadratura plena a Quíron em Peixes. A Lua Canceriana completa a quadratura a Vênus, enquanto se afina com o Sol Taurino e faz trígono a Netuno em Peixes. Dona Lua faz ainda quadratura a Júpiter e fecha a noite em oposição não exata a Plutão. Emoções e sentimentos densos estão no cardápio do dia e se ontem talvez tenhamos conseguido nos dissociar de muito desse peso, hoje não temos alternativa e afundamos nele com toda a força e intensidade das nossas emoções tempestuosas. O clima fica choroso até amanhã e é necessário apelar para nossa resiliência para não afundarmos na melancolia e nos dramas emocionais paralisantes. Em lugar de nos abatermos com esse peso, podemos nos permitir sentir, talvez até chorar, mas não nos identificarmos demasiadamente com ele, porque não somos só isso, não somos só defeito, só imperfeição, só dor ou só frustração. Também temos tantas belas qualidades, sensibilidades que nos permitem sentir a dor, mas também o amor, o prazer, a beleza, o lado sublime da vida. Se aceitamos um, também precisamos integrar ao outro. Às vezes só queremos ver as coisas luminosas e positivas e ignoramos nossa sombra, não queremos lidar com ela e com o lado menos nobre de nós mesmos. Mas o contrário também é verdadeiro em muitos casos: há períodos em que só enxergamos nossas mazelas, as imperfeições e problemas, o desamor e a aflição que nos pressionam, inclusive dentro de nós mesmos. Nessas horas, também precisamos achar um equilíbrio e procurar pela luz dentro de nós, olhar para nossa face mais bela, elevada e majestosa – e todos nós temos isso, nem que seja em potencial – pela nossa nobreza, pela vastidão da generosidade do nosso coração, pela força do amor que nutrimos por outros que nos são importantes, pelos gestos desinteressados de ajuda a outros… Sim, a melaconlia pode ser bela e alimentar a criatividade e a arte, mas não podemos os deixar sucumbir sob seu peso; podemos abraçá-la, acolhê-la, como parte legítima da vida, mas precisamos trazer presente, do outro lado do nosso abraço, a nossa alegria, nosso amor, a nossa faceta mais magnífica, ainda que ela fique apenas de assistente naquele momento… mas ela precisa estar lá, a nos apoiar, de prontidão para não nos deixar sucumbir. Em termos mais práticos o dia está bem sensível e um tanto melindroso, propiciando trocas emocionais profundas, que devem ser, contudo, feitas de forma cuidadosa e respeitosa, para que não tornemos as feridas ainda mais dolorosas do que já são. Há uma boa dose de serenidade que pode ajudar a conter essa emotividade e aceita-la como parte do que somos.

Uma ótima semana para você! que seja de luz e serenidade!