Arquivo da tag: Cura

A Semana Astrológica – A imperfeição nossa de cada dia

Reprodução

Semana de 13 a 19 de março – Semana de enfrentamento de limitações e dificuldades, mas com um grande potencial de cura, que reverbera a partir da Lua Cheia ocorrida no domingo, desdobrando-se por toda a semana. Em termos práticos a Lua Cheia sinaliza uma semana de expansão.

Odilon Redon – Reprodução

O Sol completa sua última semana do ciclo de Peixes e do ciclo astrológico anual – ingressa em Áries no dia 20, segunda-feira da semana que vem – sinalizando um período de finalizações no que tange ao ciclo anual. Por estes dias o Sol entabula conversações difíceis e sofridas, mas que no final das contas, podem ser fortalecedoras do caráter e dos propósitos. O Sol faz conjunção a Quíron e quadratura a Saturno, dinamizando a atual quadratura cíclica entre esses dois “planetas” pesadões e significadores de sombra, dificuldades, inseguranças e inadequações. Já dá para ver que a semana traz desafios, certo? A diferença básica entre Saturno e Quíron é que as inseguranças e inadequações representadas por Saturno são passíveis de serem superadas, com esforço consciente, trabalho, empenho, tempo… Somos tão inseguros naquela área que trabalhamos muito, ao nível da super-compensação, e não só as superamos, como nos tornamos mestre naquela área. Já com Quíron não há “superação” possível, porque Quíron representa aquilo que não pode ser consertado, nem com todo o esforço do mundo… Quíron é necessário para que o ser humano se mantenha humilde, para que perceba que estando nesta terra e nesta realidade de limitações, limitado é. Com Quíron aprendemos que há coisas que não superamos e que temos que aceitar e isso nos irmana aos outros humanos, porque todos temos Quíron em algum lugar. Nesta semana nos damos conta, intensamente, da diferença entres essas inadequações e inseguranças diversas: as solucionáveis e aquelas insuperáveis. E se por um lado isso pode ser doloroso de encarar, por outro, traz a maturidade da aceitação desses limites. Quíron e Saturno sempre me trazem presente a Oração da Serenidade, que já mencionei várias vezes aqui: “concedei-me a serenidade para aceitar as coisas que não posso mudar; coragem para modificar aquelas que posso; e sabedoria para distinguir entre uma e outra”. Basicamente é esse o tom da semana, com o Sol, que representa a consciência e o centro do eu, tendo essas conversas duras e desagradáveis.

Reprodução – Desconheço o autor

Mas Quíron também fala de cura, de empatia, de sabedoria… então a semana é propícia a isso também. O interessante é que O Sol primeiro faz conjunção a Quíron e nos tornamos agudamente conscientes das nossas aflições, úlceras, feridas, das vergonhas e dificuldades… E nos solidarizamos com outros, porque vemos neles, de formas diferentes, o sofrimento que também é nosso. Três dias depois, na sexta-feira, o Sol se depara com o julgamento de Saturno, que pode nos deixar cabisbaixos, com o peso do mundo sobre os ombros, nos sentindo julgados e meio soterrados pelo peso da vida… Mas Saturno, vindo logo depois de Quíron, ajuda a dar esse choque de realidade, que nos obriga a sair da autocomiseração e perceber as limitações que podemos e devemos superar… Assim, Saturno, num primeiro momento parece jogar a pá de terra sobre o cavalo que caiu no poço, até nos darmos conta que aquela terra caindo na nossa cabeça será o meio para nos elevarmos e sairmos do buraco – sim, é possível sair do buraco, desde que olhemos para cima e não fiquemos chafurdando na lama da autopiedade. Além do mais,  nossas imperfeições, somadas às nossas qualidades, é que nos fazem únicos, é o que nos faz o que somos.  Como diz Joseph Campbell,“a única maneira de você descrever verdadeiramente um ser humano é através das suas imperfeições. O ser humano perfeito é desinteressante. As imperfeições da vida é que são apreciáveis (…) As crianças não são adoráveis porque estão caindo a todo instante e porque têm o corpo pequeno e a cabeça muito grande? A perfeição seria algo tedioso demais, seria desumano. O umbilical, a humanidade, aquilo que se faz humano e não sobrenatural e imortal – isso é adorável! É por essa razão que algumas pessoas têm dificuldade em amar a Deus; nele não há imperfeição alguma. Você pode sentir reverência, mas isso não é amor. É o Cristo na cruz que desperta nosso amor”.

Docto Ojiplastico – Reprodução

Mercúrio ingressa em Áries já na segunda-feira, mudando o tom dos pensamentos, comunicações, viagens… De um modo sensível, sonhador e imaginativo, passamos para uma abordagem mais direta, mais ágil e certeira. Mercúrio fará conjunção a Vênus, possibilitando que a mente tenha acesso mais direto às elucubrações íntimas e de cunho afetivo representadas pela retrogradação de Vênus. Como Marte está em Touro, temos a impulsividade da língua medianamente controlada, mas não temos paciência nem tolerância com o que se considera coisas sem sentido e sem cunho prático e aplicável. A mente está mais ágil, mas a ação ainda precisa de mais deliberação. Marte, aliás, está sem aspectos por vários dias, apenas recebendo os contatos da Lua. Isso demanda cautela porque planetas sem aspecto se manifestam de forma extremada, ou seja, ora estamos plácidos e tranquilos, para daqui a pouco entrarmos numa explosão de atividades frenéticas. Marte sem aspecto tende a ficar mais inconsciente e nossas ações são mais instintivas – cautela também com explosões de raiva.

Reprodução – Desconheço o Autor/a

Vênus segue no seu curso de retrogradação, em Áries. Esse é um chamado para prestarmos mais atenção a nós mesmos e nossas necessidades pessoais e individuais. Como lembra Frank Clifford, astrólogo inglês com quem tive algumas aulas, ‘retrogradação’ significa ‘segunda chance’ – daí essa volta ao passado. Então, diz ele, é o caso de revisitarmos áreas da nossa vida para fortalece-las e organizá-las melhor. Clifford nos lembra ainda de fazer algumas perguntas: “onde, na sua vida, você precisa ser mais corajosa/o e independente? Em outras palavras, cuide de você mesmo, antes de cuidar de qualquer outra pessoa. Reconecte-se com o centro de QUEM VOCÊ É (seja auto-centrado). É um bom momento de parar de jogar os joguinhos relacionais e seguir seu próprio caminho, e não ser uma versão falsa de você mesmo porque você acha que vai agradar aos outros. Neste ciclo, há chance de recuar e lidar com todas aquelas situações nos relacionamentos em que você se sentiu vitimizado, usado, negligenciado, ignorado ou desvalorizado. E de reconhecer a SUA parte nisso tudo. Uma forma de afirmar suas qualidades positivas é fazer um diário e listar uma coisa boa, todos os dias, que você sabe que faz muito bem”. Assim é a retrogradação de Vênus em Áries: precisamos reavaliar e focar em nós mesmos: enfatizando as boas qualidades e encarando com honestidade onde também precisamos melhorar. O Sol faz esses contatos tensos, mas Vênus retrógrada nos lembra que, a despeito de todas as imperfeições, precisamos nos amar porque só quando nos amamos realmente podemos melhorar. Como diz a frase do Mandela, “não somos amados porque somos bons, somos bons porque somos amados”! Vênus retrógrada também nos faz rever decisões tomadas acerca das áreas onde temos os signos de touro e Libra, que são regidos por Vênus. Talvez fizemos escolhas e tomamos decisões e agora voltamos atrás e reavaliamos. Está correto. É a segunda chance!

Lua disseminadora – Desconheço o Autor/a – Reprodução

A Semana traz o tom da Lua Cheia, ocorrida no domingo, dia 12, em Virgem. Na segunda e terça a Lua se equilibra em Libra, torna-se Disseminadora em Escorpião, catequética em Sagitário, fechando a semana neste signo. A Lua oficializa o Quarto Minguante somente na segunda-feira, dia 20, a partir de Capricórnio, pouco depois de o Sol ingressar em Áries

Reprodução

SEGUNDA-FEIRA, 13 de março – A Lua, Cheia em Virgem, abriu o dia vazia/fora de curso. Ficou vazia depois da quadratura a Saturno, ainda ontem. Ingressou em Libra às 02h29min e logo se indispõe com Marte em Touro. Fecha a noite em oposição a Vênus retrógrada em Áries, sua dispositora. Mercúrio ingressa em Áries às 18h08min. A despeito de algumas incongruências matinais, a segunda-feira está dinâmica, o que traz ânimo e nos faz ir para a vida estabelecer contatos, travar interações, ver gente e interagir com o mundo social. É um dia de buscar equilíbrio, de ativar as relações e rever posicionamentos. Se temos estado exageradamente centrados no outro, precisamos recuar um pouco e cuidar melhor de nós mesmos e de nossos interesses. Se for o contrário, se andamos ultimamente auto-centrados excessivamente, agora podemos nos mover na direção contrária e olhar e ver os outros perto de nós. Isso porque a Lua está em Libra, o signo da alteridade, das escolhas, da busca de harmonia e equilíbrio. Mas Vênus, que rege essa Lua Libriana, está em Áries, retrógrada, em recepção mútua com Marte em Touro com quem a Lua se indispôs logo cedo. Então, nada é o que parece de cara. É preciso um segundo olhar, uma segunda análise para achar o verdadeiro equilíbrio, a verdadeira harmonia. É um momento de nos posicionarmos mais francamente, mais lucidamente dentro das relações; de acatarmos um certo isolamento com algo saudável e não como dor ou ostracismo; de incluirmos o outro sim, mas não – nunca – às custas do nosso amor próprio; e para isso precisamos estar muito límpidos a respeito dos nossos valores, para fazer as escolhas sem medo, sem dor, mesmo que algumas dessas escolhas sejam um pouco desagradáveis. Precisamos uns dos outros, mas também precisamos respeitar nossos limites pessoais, assim como os limites alheios. Assim, as relações ficam mais respeitosas e equilibradas. Em termos práticos, o dia está bem animado e propício a todo o tipo de interação. A rever acordos, a reestudar negociações anteriores e a ponderar um pouco mais nas parcerias propostas.

Reprodução – Desconheço o autor/a

TERÇA-FEIRA, 14 de março – O Sol hoje está em conjunção exata a Quíron. A Lua Libriana abre o dia em oposição à dona da casa, Vênus, que está retrógrada em Áries. A Lua também se indispõe com Netuno e entra num embate ferrenho com Plutão e depois Urano, enquanto se alia a Júpiter, por conjunção. O dia traz influências que nos fazem sentir meio que em carne viva, sensação de acanhamento ou de dor aguda mesmo. Talvez nada tenha acontecido para suscitar tais sentimentos, talvez sejam apenas lembranças, ou o jeito que acordamos, mas o fato é que nos sentimos meio aguados, desacorssoados, como se nada fizesse muito sentido… Uma vontade de não ligar mais para nada… Nesse estado de espírito podemos ficar defensivos e reativos ao menor sinal externo de desequilíbrio – já que desequilibrados estamos nós – acreditando que é nossa responsabilidade, oferecendo-nos talvez como bode expiatório, talvez até nos expondo a invasões, maus tratos, sem nos dar conta… É possível que seja o oposto também, suscetíveis e reativos como estamos, podemos partir para o ataque como melhor tática de defesa, mesmo sem motivos claros de que estamos sob ameaça. Autoestima lá embaixo, talvez ainda tentemos agradar como forma de ganhar um afago, só para nos deparar com o que entendemos como frieza, pressa, rejeição, “sai pra lá”, o que pode ferir ainda mais nossos brios.

Talvez ainda seja melhor parar um pouco, olhar para dentro – e não para fora – e verificar o que tirou nosso equilíbrio, o que despertou nossas inseguranças de forma tão contundente… Chorar, se for o caso; admitir a dor, se ela se faz presente; não ter vergonha das próprias fraquezas, porque elas apenas nos fazem humanos… E oferecer a si mesmo, aquele amor incondicional que esperamos do outro, continuamente a nos desapontar – relação lateral não é de amor incondicional! Então, pegue-se no colo, dê-se um abraço, beije-se, acaricie-se, acarinhe-se, acalente-se, nine-se, embale-se… Dê a si mesmo todo o amor de que precise e de que está tão carente; dê a si próprio a validação e o apoio que você espera do outro. Olhe para suas fraquezas. Encare-as. Elas são parte de você, assim como os talentos, habilidades e força… E tais fraquezas têm uma razão de ser, têm alguma utilidade, mesmo que isso não seja claro… E, ao abraça-las, podemos aos poucos tentar melhorá-las, pelo amor, com amor. E, ao abrir essas comportas, podemos descobrir que temos um amor maior do que jamais imaginamos e podemos oferece-lo aos outros e – incrível – quando menos esperamos, estaremos sendo amados de volta… E assim se dá a cura, quando nos perdoamos, nos aceitamos e nos amamos, com todas as nossas idiossincrasias… Curamos a nós e curamos ao outro, porque se damos conta de nos aceitar, nosso coração se alarga e se expande, e acolhe também o outro. O dia pede paciência uns com os outros. Estamos todos meio sensíveis e doendo em algum lugar e não é partindo para a briga que vamos provar que somos melhores do que nos sentimos realmente. Podemos nos fazer respeitar, se necessário, mas podemos também nos recolher e deixar tudo passar, observando qual a nossa parte e responsabilidade nas dificuldades que encontramos, comprometendo-nos em mudar o que for possível ser mudado.

Brooke Shaden Photography – Reprodução

QUARTA-FEIRA, 15 de março – O Sol ainda está conjunto a Quíron e vai se afastando lentamente, enquanto se aproxima da quadratura a Saturno. De Libra a Lua faz sextil a Saturno e fica vazia às 07h07min. Ingressa em Escorpião às 12h11min, de onde logo faz oposição ao seu dispositor, Marte, que está em Touro. O dia começa reflexivo e um tanto austero – refletimos sobre como trazer mais equilíbrio às nossas relações, como nos responsabilizar por nosso bem estar, ao invés de esperar isso de outros. Como encontrar a medida certa entre o dar e o receber nos relacionamentos, sem ficar devendo nem cobrando as outras pessoas. À tarde o clima muda radicalmente. A introspecção continua, mas agora por outros motivos: estamos um tanto receosos, defensivos e ciumentos de nossos pensamentos e emoções e recebemos como ameaça qualquer movimento que pareça proximidade demasiada. Há tendência a azia emocional e as relações podem ficar um tanto azedas e sujeitas a farpas, sarcasmo, ironias finas, isso quando não despencar para atritos mais sérios porque a defensividade e o desejo de nos afirmar estão veementes e podem nos fazer reagir de forma exagerada às situações… Sarcasmo é técnica de defesa também, mas além de demarcar território e diminuir o outro, cria feridas e afastamentos, portanto, vale se questionar onde queremos chegar com tudo isso e se de fato estamos sob qualquer ameaça, porque isso também é discutível. Por outro lado, se conseguirmos dosar nossa energia na medida certa, essa influência melhora a execução de tarefas que se mostrem complicadas e que demandam controle, concentração e alto gasto energético.

Reprodução

QUINTA-FEIRA, 16 de março – A Lua, na fase cheia em Escorpião, faz trígono a Netuno em Peixes e quincúncio a Vênus Rx em Áries. Mais tarde a Lua faz sesqui-quadratura ao Sol entrando na fase Disseminadora. Fecha a noite em harmonia a Plutão, aspecto exato amanhã. O Sol já está bem próximo da quadratura a Saturno. Sensibilidade e emoções intensas colorem o dia, assim como uma potente capacidade de intuir o rumo das situações e também o que os outros estão sentindo, que pode ser instrumental para melhorarmos as interações ou mesmo para manipularmos pessoas – depende da integridade da nossa alma e dos nossos intentos. Esse poder emocional pode nos aproximar das outras pessoas e nos permitir penetrar em suas defesas, mas isso deve ser feito de forma respeitosa e nobre, caso contrário, podemos nos tornar invasivos e causar mais dano do que ajuda ou reparação. Não podemos esquecer que inseguranças estão afloradas e muitas feridas estão abertas, portanto, se não temos algo realmente bom para oferecer, se nossas intenções são menos do que honestas, fazemos melhor se ficamos quietos e cuidamos de nossas próprias questões. De toda forma, há grande potencial de cura e de compreendermos ao outro e a nós mesmos um pouco mais profundamente e, bem conduzidas, tais influências podem, de fato, ajudar a aprofundar o entendimento de nossas dinâmicas internas e mesmo das dinâmicas relacionais. A Lua fica disseminadora em Escorpião, sugerindo que a mensagem que precisamos levar adiante precisa ser verdadeira, apaixonada e profunda. Os aprendizados que vivenciamos até aqui são repassados como catalizadores de transformação na vida de outros, com sensibilidade e autenticidade.

Reprodução

SEXTA-FEIRA, 17 de março – O Sol Pisciano está em quadratura exata a Saturno em Sagitário, enquanto ainda se afasta da conjunção a Quíron. A Lua Escorpiana e disseminadora se afina com Plutão, seu regente moderno, enquanto se desentende com Urano e se harmoniza com Quíron e com o Sol, ficando vazia depois do contato ao Sol, às 18h58min. Ingressa em Sagitário à 00h00min do sábado. O dia está pesado, turvo e um tanto sombrio. Nosso anseio seria desaparecer para lugares inóspitos, talvez, ou para lugares onde não tivéssemos que lidar com tantas agruras e dificuldades mundanas, com tantos problemas cotidianos que parecem derrubar nosso entusiasmo e massacrar nossos sonhos e aspirações mais elevadas. É como uma dor fina, indefinível, que tira o fôlego em alguns momentos e que nos lembra de nossa mortalidade e finitude, nossas deficiências ou insuficiências, ou como um peso amarrado a nós, dificultando o caminhar. Circunstâncias ou outras pessoas, particularmente acima de nós – pais, chefias, autoridades – parecem exigir mais do que somos capazes de dar. Até mesmo a energia e vitalidade física podem estar depauperadas, de modo que nos sentimos fracos ou lentos nos nossos afazeres e compromissos. Podemos também nos sentir cobrados ou criticados, de forma implícita, e isso torna tudo um pouco pior…

Reprodução

Mas antes de deduzirmos ‘verdades’ a partir das aparências, vale checar se estamos certos sobre tais deduções, para não vermos fantasmas e perseguição onde não existem e para não aumentarmos o tamanho dos problemas desnecessariamente. É um bom dia para olharmos para nossas falhas sim, não para nos desanimar ou derrubar, mas para melhorarmos. Sobretudo, com o Sol em Peixes, somos convidados a avaliar se nosso senso de identidade é sólido e seguro o bastante, se sabemos quem somos e do que somos feitos, para além de autoimagens pueris e fantasiosas. O dia pede um exame sóbrio de nossas capacidades e, ao identificarmos falhas, agir para corrigi-las, sem grandes dramas, sem chibatas ou autoflagelação desnecessária. Particularmente, é importante perceber que há ótimas oportunidades de nos curarmos a partir do olhar compassivo e empático para as próprias limitações, comprometendo-se a superá-las. A noite traz horas calmas e uma introversão providencial que nos ajuda a digerir todas essas informações, insights e percepções, propiciando também que sincronizemos os propósitos conscientes de crescimento e transcendência com a necessárias transformação dos comportamentos e hábitos que impedem nossa excelência.

John Casey – Reprodução

SÁBADO, 18 de março – A Lua ingressa em Sagitário à 00h00min, cravado. Faz quincúncio a Marte em Touro, trígono a Mercúrio e a Vênus Rx em Áries e fecha a noite em quadratura a Netuno. Mercúrio e Vênus estão em conjunção partil hoje. A noite traz alguns desconfortos durante o sono. O dia, porém, nasce mais animado e otimista, porque estamos imbuídos de uma nova força, nascida das resoluções da noite anterior e do comprometimento que fizemos com a mudança pessoal. Podemos rever alguns valores e analisá-los de forma mais direta e menos sentimental, verificando o que é necessário para nos valorizarmos mais, a despeito das falhas humanas que carregamos. Ainda estamos muito conscientes de tais falhas, mas conseguimos perceber nelas algum sentido, além de nos animarmos a prosseguir pela estrada, usando as pedras que surgirem para pavimentar o caminho, ao invés de permitir que nos bloqueiem a vontade ou os objetivos. A comunicação está ágil, mas animada e sociável, trazendo bom humor às interações e espirituosidade. À noite o clima está um tanto confuso e nebuloso, levando a mal-entendidos nas interações. Cautela com álcool e drogas porque há tendência a exageros e a enfiar o pé na jaca.

Reprodução

DOMINGO, 19 de março – A aventureira Lua Sagitariana faz quadratura a Netuno na primeira hora do dia. Durante o dia se harmoniza com seu regente, Júpiter em Libra e com Urano em Áries e fecha a semana em conjunção não exata a Saturno. A balada de sábado para domingo pede cautela porque a Lua Sagitariana já aponta para excessos e a quadratura a Netuno aumenta a propensão à falta de limites – portanto, moderação é a chave para a boa diversão hoje. Já o dia de domingo está mais auspicioso e feliz, depois do peso que vivenciamos durante a semana, conseguimos ter uma perspectiva mais filosófica de tudo: dos problemas, da nossa caminhada, das possibilidades, da vida. Um otimismo incipiente pode favorecer o clima do domingo, que por sua vez, fica propício a atividades ao ar livre, aventuras no campo, encontros festivos com amigos. Não podemos nunca perder a esperança e a perspectiva de porque estamos aqui, nesta terra, neste tempo e neste lugar! E essa perspectiva, esse sentido, não precisa ser mirabolante ou grandiloquente. Como diz Joseph Campbell: “Dizem que o que todos procuramos é um sentido para a vida. Não penso que seja assim. Penso que o que estamos procurando é uma experiência de estar vivos, de modo que nossas experiências de vida, no plano puramente físico, tenham ressonância no interior de nosso ser e de nossa realidade mais íntimos, de modo que realmente sintamos o enlevo de estar vivos. É disso que se trata, afinal, e é o que essas pistas nos ajudam a procurar, dentro de nós mesmos”. Ele também diz: estamos tão empenhados em realizar determinados feitos, com o propósito de atingir objetivos de um outro valor, linear e longe da vibração da vida, que nos esquecemos de que o valor genuíno, o prodígio de estar vivos é o que realmente conta”. E hoje é um desses dias, em que nos sentimos muito vivos, felizes existir, por ser, por estar, por viver, entendendo que o sentido da vida é a vida em si mesma!

Uma ótima semana para você! Que seja de serenidade, empatia, crescimento e cura!

Reprodução – Desconheço o Autor/a

Lua Cheia em Virgem – Curando a Natureza Selvagem

Reprodução – Desconheço o autor

Perdão. Cura. Limpeza. Eliminação. Regeneração. Nutrição. Corpo. Organização. Serviço. Ajuda.

A Lua Cheia deste ciclo aconteceu neste domingo, 12 de março, no grau 22°13 do signo de Virgem, às 11h55min no horário de Brasília e às 14h55min no horário de Lisboa. Essa é uma Lua Cheia que vem falar de cura, limpezas físicas, psíquicas e energéticas, regeneração, serviço, perdão. De verificarmos que área da nossa vida precisa de mais organização, ordem, método e controle. Onde podemos ser mais criativos e prestativos.

Lua Cheia em Virgem – Brasília, 12 de março de 2017, 11h55min.

Além da oposição ao Sol, a Lua também se opõe a Quíron, e a Mercúrio, seu dispositor, que está no grau 27° de Peixes. A Lua ainda faz um quincúncio próximo a Urano em Áries, se afasta de um trígono a Plutão em Capricórnio e faz quadratura aplicativa a Saturno em Sagitário. É uma Lua deveras dinâmica e “ocupada”, cheia de afazeres e atribuições, que nos convida a ordenar e organizar o caos da mente criativa, a estruturar a manifestação dos infinitos potenciais da nossa imaginação ilimitada.

Do Buzzfeed – Reprodução

O ciclo presente nos convida a trabalhar os arquétipos e temas Piscianos, como simbolizados pelo trânsito do Sol neste signo. A Lua cheia em Virgem vem fazer o contraponto de que, a despeito da busca pela transcendência representada por Peixes, não podemos esquecer que ainda estamos encarnados nesta vida, no aqui e agora e que ainda temos coisas práticas a fazer; que é no dia a dia, a partir das pequenas coisas que a transformação e os resultados de tal transcendência se mostram. Contudo Mercúrio, regente da Lua Cheia, está também em Peixes e alerta que não podemos nos fixar somente nas racionalizações frias de Virgem, com seu espírito crítico, organizador e discriminante, que tenta a tudo enquadrar, classificar e entender racionalmente. É preciso confiar também no invisível, no não explicável, não mensurável, não palpável. Há coisas que ocorrem na esfera do invisível e do imaterial que são tão reais quanto aquelas outras que podemos ver e tocar. Assim, a proposta é basearmos nossa atuação concreta no mundo na fé e nos valores imateriais, na percepção não sensorial de que “há mais coisas entre o céu e a terra do que supõe nossa vã filosofia”.

Reprodução

A oposição Lua-Mercúrio também nos lembra que muitas das doenças que desenvolvemos, nascem dos conflitos internos, da não aceitação das nossas próprias contradições, da dificuldade de observar nosso ritmo interno e orgânico e respeitá-lo. Fala de como os pensamentos podem ser venenosos. Como diz o iogue indiano,  Sadhguru, se sua mão de repente agredir você, dando-lhe um soco no rosto, batendo e machucando você, definitivamente você está doente! Então, diz ele, se seus pensamentos e emoções estão constantemente cutucando você, sufocando e torturando você, todos os dias, você não está doente também? Então, este estado de pensamentos tóxicos leva às doenças, emocionais e físicas. É preciso pois, ficar atentos aos conflitos mentais, aos pensamentos insidiosos e tóxicos, que nos torturam e deixam doentes, mental, anímica e fisicamente. Cuidar da mente e também do corpo, como diz aquela frase em latim: mens sana in corpore sano.

Reprodução

Essa toxicidade mental e anímica é potencializada pela quadratura que a Lua e Mercúrio fazem a Saturno, que é foco de uma T-Square, o que nos diz que precisamos vigiar a culpa – provavelmente o pior torturador da alma – e seus efeitos sobre a psique, o corpo, o bem-estar e o quanto ela impacta negativamente na nossa serenidade e alegria de viver. Liberarmo-nos da culpa é passo essencial para chegarmos à cura. Jesus, sempre que curava alguém, primeiro perguntava se a pessoa tinha fé. Em seguida ele dizia “teus pecados são perdoados” e concluía: “Vai em paz. Tua fé te salvou”. Quando nos sentimos culpados por alguma coisa, nos tornamos algozes de nós mesmos e então nos sabotamos de várias maneiras, porque não nos sentimos autorizados a usufruir das coisas boas, não nos sentimos merecedores do “Reino de Deus” e suas infinitas benesses e seu infinito amor e misericórdia. A culpa nos faz querer nos esconder “das vistas de Deus”, que é o mesmo que se esconder do Self, do Eu Superior. E então a culpa nos leva a desenvolver inúmeros problemas, de saúde, materiais, e qualquer outro com que a autossabotagem possa nos “premiar”. Ao pronunciar tais palavras, Jesus deixa claro como a serenidade interior é fundamental para o processo de cura; como o auto perdão é crucial para nos liberarmos da doença ou de quaisquer outros processos destrutivos. Porque o perdão nos faz sentir novos, limpos e puros, novamente merecedores do “amor e misericórdia de Deus”. E o mesmo vale para aqueles que não creem, com a diferença de que com o perdão se sentem novamente merecedores do amor/respeito/cuidados daquele outro que acharam que ofenderam de alguma maneira – porque embora não achem que ofenderam a “Deus”, já que não creem, infringiram a ética humana. Com o perdão, sentimo-nos novamente merecedores de participar da comunidade humana, em pé de igualdade, porque já não somos párias excluídos, criaturas abjetas ou vis, indignas do amor do outro e até do nosso próprio amor. Assim, o perdão cura e obviamente que aqui não estamos falando, necessariamente, do conceito cristão de pecado, mas de toda a infração ou delito que a alma sente que cometeu, que a tornou “impura” aos seus próprios olhos e aos olhos daqueles que lhe são importantes. Então, é preciso exercer o perdão, primeiramente para conosco mesmos e mesmo quando achamos que temos que perdoar ao outro, precisamos antes perdoar a nós mesmos, por nos termos colocado vulneráveis a ponto de nos permitirmos ferir pelo outro – muitas vezes, é mais difícil perdoar a si próprio do que ao outro.

Culpa

Culpa, como já falei em outros textos, é muito diferente de remorso. O remorso é o sentimento de quem está consciente que magoou o outro, mas está disposto a reparar o dano. No remorso, nos responsabilizamos pelos nossos feitos e não tentamos nos justificar ou apresentar desculpas esfarrapadas. O remorso é maduro, a culpa é infantil. No remoroso temos vergonha, porque nos damos conta de que erramos; estamos arrependidos, mas comprometidos a mudar, a melhorar. E tal comprometimento elimina a tortura da culpa e da auto-flagelação. Às vezes sentimos os dois sentimentos juntos: culpa e remorso; às vezes sentimos somente o remorso e às vezes, somente a culpa. O problema da culpa é que apesar de nos torturar, ela não leva a mudança nenhuma, é um tipo de masturbação perversa, em que nos autoflagelamos e torturamos, derivando um tipo de gozo narcisístico ao contrário: “olha como eu sou terrível!, olha como sou mau!”, mas de fato nada fazemos para remediar nosso “crime/pecado” ou para mudar nossa atitude. Uma frase de Oscar Wilde retrata bem a dinâmica circular da culpa. Ele diz que “a culpa é o preço que pagamos, de bom grado, por algo que faríamos de qualquer jeito”. E segundo ele, isso nos isenta do julgamento alheio, porque “quando culpamos a nós mesmos, sentimos que ninguém mais tem o direito de fazê-lo”, o que novamente enfatiza como o remorso é diferente da culpa. A Lua Cheia de Virgem nos convida, pois, a abrir mão das culpas compulsivas e narcisistas, a nos abrir  ao auto-perdão, para que possamos nos sentir merecedores da cura, do amor e das infinitas benesses da vida e do universo.

Rachel Levit – Reprodução

A Lua se opõe a Quíron enquanto culmina este ciclo. Quíron é um asteroide que simboliza nossas feridas, velhas e novas, que simboliza o lado obscuro e sem conserto da natureza humana, inadequações e vulnerabilidades. E para alcançarmos as dádivas da cura, precisamos primeira enfrentar essas fragilidades e inadequações, as inseguranças mais profundas, os conceitos evasivos e a falta de comprometimento conosco mesmos, além da destrutividade em potencial que espreita a mente e o coração, minando a autoconfiança, a segurança em si mesmo, a aposta no próprio poder e capacidade. Essa lunação nos deixa, então, em carne viva e é preciso cautela porque a via de escape para muitos será a ajuda indiscriminada ao outro, para fugir da própria dor e do próprio desespero. Para outros, esse escape pode se dar pelas tentativas de controle do entorno, qualquer coisa que faça passar a ansiedade e o desconforto com o corpo e os sentimentos… mas nada disso funciona por muito tempo e só conseguimos superar quando acalmamos a ansiedade e aninhamos em nosso coração as dores não admitidas, os medos não expressos do caos, do amanhã, da nossa própria irracionalidade. Mas Quíron também representa um manancial de imensa sabedoria e compaixão; representa onde precisamos aceitar essas inadequações para chegar à serenidade da cura; significa onde podemos ensinar a outros, movidos pela empatia que nosso próprio sofrimento nos obrigou a desenvolver; e é um símbolo potente de cura e inclusão. Então a Lua pede que reconheçamos todas essas dificuldades e demos um lugar para elas em nosso coração; sugere um período potente de limpeza psíquica e energética.

Reprodução

E sim, a Lua Cheia também traz um tempo propício a nos doarmos e nos dispormos ao serviço ao outro, de coração aberto e humilde. Contudo, essa ajuda precisa ser feita de forma muito respeitosa e delicada; tem que ser genuína e não mera fuga da própria dor, como já dissemos acima. é legítimo que nossa dor nos leve a ajudar o outro, mas isso precisa ser feito conscientemente. A Lua em Virgem tem grande necessidade de se sentir útil e prestativa, de ajudar e resolver os problemas alheios. Mas se tal ajuda não foi pedida e nem aceita claramente, corremos o risco de ser invasivos, desrespeitosos e, de quebra, de ainda coletarmos para nós, problemas que não são nossos e que podem, de fato, nos prejudicar e bloquear o nosso crescimento pessoal em várias esferas, além de potencialmente nos adoecer. Considerando que Vênus está retrógrada em Áries, precisamos nos lembrar que, antes de cuidar do bem estar do outro, precisamos primeiro cuidar do nosso próprio bem estar, precisamos nos certificar de que estamos bem, até porque só podemos cuidar do outro se nós mesmos estivermos inteiros.

Naoto Hitori – Reprodução

E nessa ajuda precisamos olhar para o outro como sendo capaz e tendo o poder de curar-se sozinho, sendo nós apenas uma ferramenta, um meio que propicie que o outro entre em contato com os recursos de que ele já dispõe em si mesmo, mas dos quais estava desconectado por razões diversas. Então, para que a ajuda seja efetiva, é preciso que acreditemos e confiemos que o outro é capaz de se cuidar e de resolver os próprios problemas, que o outro dá conta de conduzir a própria vida, do seu jeito e nós seremos apenas apoio e suporte, quando ele precisar. Não podemos nos arvorar de “salvadores”. Podemos e devemos nos ajudar mutuamente, mas cada um só dá conta de salvar a si mesmo. Portanto, é preciso “empoderar” esse outro que tanto queremos ajudar, olhando para ele e vendo seus melhores potenciais, reconhecendo que ele já tem todos os recursos de que precisa dentro de si. Assim, a relação com o outro fica equilibrada, não se torna uma relação de poder em que eu sou mais forte e melhor e o outro é fraco e depende de mim para ser. Podemos então nos conscientizar dos momentos em que fomos invasivos ao tentar “ajudar” a outros. Podemos nos liberar dos fardos alheios que carregamos desnecessariamente, mas que nos trazem o gozo equivocado de que estamos “ajudando”, mesmo que o outro não tenha pedido essa ajuda. E poderemos então amar com mais leveza e com mais respeito.

Reprodução

A Lua também faz trígono a Plutão, indicando o grande poder que temos à nossa disposição. Poder de eliminação do lixo e do entulho emocional que talvez ainda carreguemos; de calcinar essas culpas e pensamentos torturantes que nos fazem sentir inferiores e não merecedores da abundância do universo; poder de extinguir ou transformar os comportamentos e hábitos doentios, tanto em nível físico, quanto mental e psíquico; poder nos regenerar, de renascer e de nos tornarmos mais fortalecidos e inteiros.

Reprodução

O símbolo Sabiano do grau 23 de Virgem (22°13’) traz uma imagem que desdobra esses temas em outros níveis: “Um domador de Leões corre sem medo para o centro da arena do circo”. Um domador de leões ou de quaisquer outros animais selvagens é alguém que precisa estar em contato profundo com sua própria natureza instintiva, para poder se conectar verdadeiramente com o animal selvagem, seduzindo-o e convencendo-a a confiar nele e a dar o melhor de si, obedecendo-lhe o comando. Mas há domadores e domadores. Há os domadores que domam a partir da violência e do medo; batem e machucam o animal, para quebrantar-lhe o espírito, a ponto de ele não mais confiar na sua própria força e simplesmente desistir de resistir e de se rebelar contra o jugo. É domar pela tortura, pela violência, que, em última instância, não é domar verdadeiramente, é dominar com ferramentas de dor e de medo. Há outros domadores, porém, que trabalham com sutileza e maestria, conhecendo e se acercando da natureza selvagem com respeito, cuidado, sutileza. Busca conhecer o animal que doma, mas principalmente, se deixa conhecer por ele, de modo que o animal entenda que nada há a temer. Mais do que domadores, são “encantadores” da natureza selvagem e instintiva e seu sucesso está diretamente relacionado ao respeito com que se relacionam com o animal, não subestimando-o, mas antes dando-lhe o direito de ser e de preservar seu instinto e espírito altivo e nobre, inerente a toda criatura e espécie. Assim, não se estabelece uma relação de domínio sobre a natureza instintiva, mas antes, é uma relação de colaboração, uma parceria baseada na confiança.

Reprodução

Este símbolo deixa claro onde nascem muitos dos nossos problemas: da relação equivocada que às vezes estabelecemos com nossa natureza instintiva e selvagem, buscando domesticá-la e domá-la pela violência, pelo jugo, pelo menosprezo às suas qualidades naturais e selvagens… Assim fazemos com nosso corpo, com os instintos, por serem desconfortáveis, indomáveis, selvagens… Uma outra representação de Quíron. O símbolo nos diz que não devemos temer os instintos e nossa natureza selvagem, mesmo que nossa razão teime em desconfiar deles e queira lhe impor seu jugo racional. Precisamos, na verdade, ganhar a confiança dessa natureza selvagem, respeitar-lhes a força, o vigor, sua qualidade selvagem; ganhar-lhe a confiança, respeitando-a, seduzindo-a no melhor sentido, construindo uma relação de colaboração, de sincronia, de conciliação, de ajuda mútua, de integração e integridade. Quando conseguirmos olhar para o corpo e seus processos dessa maneira, assim como para nossos instintos e natureza selvagem, já não precisaremos nos sentir à mercê deles e das doenças que ás vezes se manifestam como a puxar o tapete de debaixo dos nossos pés.

Arcano 11 do Tarô – A força

Este símbolo é parecido com o símbolo do grau 23 de Leão, onde aconteceu a Lua cheia e Eclipse Lunar de Leão, em fevereiro. Trazia presente a habilidade de uma amazona cavalgando sem sela, o cavalo sendo símbolo da libido e também da natureza instintiva. Eu associava aquele símbolo, em fevereiro, ao Arcano XI do Tarô, A Força e creio que o simbolo da Lua Cheia de hoje traz um tema parecido. Essa repetição vem nos dizer o quanto é importante prestarmos atenção a essa natureza e fazermos as pazes com ela. é um tema que continua a exigir reflexão e elaboração da nossa parte.

Reprodução – Desconheço o autor

Esta é uma Lua Cheia para nos conscientizarmos profundamente, de como temos lidado com o corpo, esse templo sagrado da alma, da consciência e do espírito; como temos cuidado ou deixado de cuidar dele; como temos cuidado de nossa nutrição física e emocional; de como temos lidado com os pensamentos tóxicos e o quanto temos permitido que conduzam nossas decisões, nosso amor próprio, nossa vida. É tempo de melhorar a relação com o corpo e a mente, mas também com a nossa natureza selvagem, que tem estado há muito tempo sob o jugo do medo e da nossa própria incompreensão. É tempo de abrir mão de mágoas e dores; de perdoar a si e ao outro; porque é do perdão e da liberação das culpas rançosas, da autoaceitação amorosa que vem a cura para o corpo, porque o corpo é curado com consequência da cura da alma.

O que podemos fazer, em termos práticos, para ter acesso a esse potencial de cura profunda?

  • Identificar e eliminar os pensamentos tóxicos e torturantes que minam nossa autoestima e senso de valor e amor próprio;
  • Identificar e se comprometer com a eliminação de maus hábitos cotidianos que minam nossa vitalidade e nossa saúde, sejam esses hábitos alimentares, de sono, de palavras (já percebeu como minamos a nós mesmos com discursos autodepreciadores?), rotinas caóticas, bagunça generalizada na casa que nos faz sentir perdidos no caos internamente;
  • Identificar onde precisamos estabelecer uma melhor organização, um melhor sentido de ordem na nossa vida, de modo a termos mais serenidade e menos preocupações tolas;
  • Identificar que alimentos, hábitos e costumes são mais saudáveis e trazem alegria à nossa alma, à nossa vida; o que repõe nossa vitalidade e energia; que pequenas coisas podemos alterar/adotar na nossa rotina, que nos tragam mais qualidade de vida, que sejam mais respeitosos e amorosos para com nossa saúde, nosso corpo e nossa alma;
  • identificar as situações em que somos invasivos na ajuda ao outro e tentar ser mais suaves e leves, esperando o outro pedir a ajuda, antes de impô-la a ele
  • … Acrescente aqui outras atitudes que você ache que vai melhorar seu dia a dia e trazer mais paz, cura, amor e serenidade para sua vida!

Então, perdoe-se! Libere-se da toxicidade de pensamentos culposos. Elimine os hábitos perniciosos que refletem o desamor e o ódio a você mesmo! Perdoe-se. Ame-se. Cure-se! Celebre sua natureza selvagem e seu corpo sagrado, morada provisória mas sagrada da alma eterna!

Uma ótima Lua Cheia para você!

Reprodução

Lua Cheia em Touro – Fecunda e abundante é a vida

MaureenMaceArt - Reprodução
MaureenMaceArt – Reprodução

A Lua é Cheia em Touro nesta segunda, dia 14, às 11h52min no horário de Brasília (Horário Brasileiro de Verão) e às 13h52min no horário de Lisboa. Uma Super Lua, que, de acordo com a Astronomia, é a maior super lua em cem anos! A Lunação ocorre no grau 23 de Touro (22°37’) em oposição ao Sol a 23 de Escorpião. A Lua Cheia representa a culminação do ciclo, o momento em que aquilo que foi semeado na Lua Nova chega à frutificação, o momento da colheita. A qualidade dessa colheita, se ela é boa ou má, depende da semeadura, do esforço e investimento que foi feito ao longo de todo o processo. A Lua Cheia simboliza, portanto, um momento de crise, o começo do fim. O ponto em que decidimos o que fazer com o que colhemos. É um momento em que os instintos e as emoções estão exacerbados e a consciência solar fica em segundo plano. Entretanto, coisas são clarificadas e vêm à tona, para que possamos lidar com elas de forma direta e decisiva.

tumblr_lijb3ld75i1qguhg1o1_1280Este ciclo começou com a Lua Nova de Escorpião, no dia 30 de outubro, uma lunação bastante catártica, de destruição, eliminações e recomeços, de deixar ir, de deixar morrer para renascer das cinzas. Agora em Touro a Lua vem chamar a atenção para a necessidade de equilíbrio entre a destruição e eliminação daquilo que estava morto, viciado, tóxico e a consequente reconstrução do si mesmo, de buscar solidez interior, de preencher o vazio deixado pelas eliminações com algo que seja mais substancial, mais sustentável e saudável, física, orgânica, emocional, espiritual e psiquicamente. É um momento de realização física e material. De preenchimento. De se estabilizar aquilo que estava instável, principalmente a partir do bom senso e da simplicidade. DEpois de todos os tumultos e da intensidade de Escorpião, agora equilibramos com sossego e tranquilidade, ficando os pés bem firmemente na terra.

Desconheço o autor - Reprodução
Desconheço o autor – Reprodução

É um voltar à Mãe Terra em busca de seu suporte e sustentação, de sua nutrição, de seu aconchego e acolhimento. Voltar à simplicidade, ao básico, àquilo que nos ancora e nos faz sentir seguros em nós mesmos. Voltar à natureza. O que é que sobra depois da eliminação? Com o que somos deixados? O que frutifica dessa nova semeadura, desse renascimento? É, pois, momento de avaliar o que nos restou, depois das purgações procedidas por Escorpião, com muito pragmatismo e realismo, e celebrar a prima matéria, essa matéria essencial, a pedra fundamental e, a partir dela, erigir um novo edifício, mais sólido e firme. Depois de nos livrarmos do lixo, do que estava morto, damos lugar para que a vida volte a florescer e frutificar novamente, para que sua abundância se manifeste em todo o seu fulgor e fecundidade e para que possamos, então, nos reconstruir, reconstruir a autoestima e o senso de valor próprio, em contraponto ao valor que damos ao outro, aos valores que compartilhamos com o outro. É hora de buscar estabilidade, segurança, solidez!

Lua Cheia em touro 2016 - Brasília, 14 de novembro de 2016, 11h52min
Lua Cheia em touro 2016 – Brasília, 14 de novembro de 2016, 11h52min

O mapa da Lua Cheia levantado para Brasília traz a Lua fazendo dois únicos aspectos maiores: além da oposição ao Sol, faz sextil a Quíron. O Sol, por sua vez, está em trígono a Quíron e quincunce a Urano. Lua, Sol e Quíron estão interconectados, de maneira bem próxima, sugerindo que temos oportunidade de integrar nossas feridas, nossas fragilidades, aceitando-as e crescendo no processo. Essa é, portanto, uma Lua Cheia de cura, que vem liberar o bálsamo cicatrizante que aplaca a dor de feridas antigas ou recentes; que preenche o vazio deixado pelas eliminações necessárias; que traz o potencial de transformar a dor em empatia, a dureza implacável em sensibilidade.

Klaus Mitteldorf - Vaca Profana - Reprodução
Klaus Mitteldorf – Vaca Profana – Reprodução

Touro também nos convida a celebrar o corpo e suas sensações e o mundo sensorial porque, é a partir do corpo e é no corpo que nos percebemos encarnados; o corpo é a vivência básica da experiência humana e a relação com ele é um simbolismo da nossa relação com o mundo material em geral, através do que vemos, ouvimos, tocamos, cheiramos, degustamos e absorvemos em nós.

Reprodução
Reprodução

Lembrando que o zodíaco conta uma jornada humana arquetípica, a criança nasce em Áries, pela cabeça e, ao chegar em Touro, essa criança descobre que também tem um corpo, que tem necessidades fisiológicas: comer, beber, dormir, evacuar – aqui, Touro representa a absorção do alimento e Escorpião a eliminação dos detritos; descobre que tem mãos para tocar, ouvidos para ouvir e olhos para ver… Esta é a fase da oralidade e a criança comumente põe tudo na boca, para absorver melhor o mundo. É um mundo de prazer sensorial, antes da culpa, antes de descobrirmos a vergonha e a culpa católicas que tentam controlar a relação com o corpo que é nosso. O corpo como templo sagrado do espírito e da alma imortais. Então, vale nos perguntar: o que é o corpo para nós? É fonte de alegria e prazer ou de dor e vergonha? Dessa relação também depende muito da nossa autoestima. Como é que cuidamos desse corpo? Ele é leve de preencher e nos faz sentir confortáveis na nossa própria pele ou é um fardo pesado de carregar?

Rainha de Ouros - Tarô Mitológico - Reprodução
Rainha de Ouros – Tarô Mitológico – Reprodução

Vênus, a regente e dispositora da Lua Cheia, acabou de entrar em Capricórnio, o último signo de Terra, outro signo que tem a ver com o mundo e o poder material, com praticidade e realismo. É uma Vênus austera, cheia de classe e com olhar clínico para as coisas de valor e que mais uma vez enfatiza a necessidade da praticidade e realismo.de segurança e estabilidade. Entretanto, algo chama a atenção: Vênus não faz aspectos maiores com outros planetas, está bastante isolada e solitária. Talvez isso indique o isolamento necessário para digerir todos os processos no recôndito da nossa alma, mas também pode indicar uma dificuldade de nos conectar realmente, de demonstrar nosso afeto de forma genuína e espontânea. Nesta posição, Vênus parece antecipar as dificuldades relacionais que atravessaremos novamente a partir da semana que vem, quando ela se juntar a Plutão e fizer quadratura a Urano… O isolamento Venusiano sugere maior esforço para nos conectarmos ao nosso senso de valor e de derivarmos segurança interior e confiança disso.

Reprodução - Desconheço o autor
Reprodução – Desconheço o autor

Retomando a ênfase que Quíron tem neste mapa, lembramos que ele próprio, sendo um centauro, traz uma ferida no seu corpo animal, no seu lado mais instintivo, na perna ou coxa, aquela parte que nos conecta à Mãe Terra e à realidade terrena e que nos lembra da ferida que cada um tem com a própria percepção da realidade como ela é; a dificuldade de aceitação dos limites dessa realidade, simbolizados pelos limites do corpo físico, com sua falibilidade, suas doenças, necessidades, finitude e mortalidade. Este mapa sugere a possibilidade de integrarmos mais um pouquinho desses limites da condição humana; de aceitarmos esse nosso lado ctônico, instintivo com mais naturalidade, de voltarmos à nossa verdadeira natureza, a natureza essencial.

e05295a39754a374a8f817399c17f5abE também convida a tratar corretamente os instintos, a natureza instintiva, dar-lhe seu lugar de direito porque, quando fazemos isso, quando respeitamos nossa natureza instintiva, não precisamos ficar possuídos por ela, não precisamos ser presas das pulsões instintivas, que é um dos grandes dilemas de Touro, porque então, ela estará integrada, respeitada, honrada adequadamente. E essa natureza instintiva, representada pelo corpo e seus desejos e apetites, não precisará ser motivo de vergonha, culpa, dor, autoflagelação, não-aceitação de si mesmo… Pelo contrário, Nossa autoestima se torna mais robusta, mas palpável, mais concreta, como concreto é o corpo no mundo material.

Reprodução
Reprodução

O Símbolo Sabiano para o grau 23 de Touro vem falar exatamente desse senso de valor, trazendo a imagem de “uma joalheria cheia de pedras preciosas”. Dane Rudhyar nos diz que este símbolo pertence ao primeiro hemiciclo, que trata do processo de individualização, ao primeiro ato, o da diferenciação. Ao analisar este símbolo ele diz que seu tom principal trata da confirmação social da excelência natural – o natural aqui sendo uma referência ao que é instintivo e espontâneo e o social, à cultura. Ele lembra que dois processos precisam ser distinguidos: primeiro, o surgimento das pedras, a partir do calor e pressão vulcânicos extremos; e o processo de lapidação efetuado pelo joalheiro refinado. As duas coisas, tanto as pedras em si mesmas como a arte da joalheira trazem valor e prestígio ao seu dono. “O símbolo aplica-se a qualquer produto em que a habilidade culturalmente adquirida tenha embelezado ou transformado o resultado final de um processo natural longo e exigente. Nesta fase estamos preocupados com o processo social que produz uma CERTIFICAÇÃO DE VALOR PESSOAL”, diz Rudhyar.

Reprodução
Reprodução

Assim, este símbolo vem trazer presente a ideia de valor, de autoestima, de amor próprio, tanto pelas qualidades intrínsecas e naturais que trazemos em nós, quanto por aquelas qualidades, habilidades e competências que fomos desenvolvendo ao longo da vida e que nos tornaram o que somos hoje, que nos distinguem de todas as outras pessoas – que nos tornam “empregáveis” no campo profissional e dignos de amor na afetividade, pelo simples fato de existirmos e sermos como somos, mas também de termos lapidado o diamante bruto que somos nós, melhorando-nos a cada dia. O símbolo fala de nossas qualidades serem reconhecidas socialmente e, portanto, valoradas, confirmando e retroalimentando o senso do valor pessoal – a integração do natural com o cultural. A Lua Cheia ocorrendo neste grau, nos lembra, então, de prestar atenção ao nosso valor, de revitalizar nossa autoestima, de recuperar nosso ânimo e amor próprio, se nós o perdemos lá atrás, ou mesmo de fortalecê-lo, caso ande meio enfraquecido. Este símbolo também remete ao posicionamento atual de Vênus, regente da Lua Cheia, já mencionada, trafegando Capricórnio, o signo da Terra cristalizada e, exatamente por isso, um signo que tem a ver com pedras preciosas e com o senso de valor conquistado a duras penas, forjado no aprendizado e no discipulado, um senso de valor que tem estofo, porque foi posto à prova muitas e muitas vezes, submetido à pressão e calor da lava vulcânica, assim como as pedras preciosas de que já falamos.

Reprodução
Reprodução

Portanto, essa Lua Cheia é de celebração, de agradecimento à vida por termos sobrevivido a toda a demolição e renascido depois das eliminações, mais fortes e robustos. Uma Lua Cheia para celebrarmos a volta à simplicidade das coisas, para sermos práticos e realistas e usarmos de bom senso – principalmente, ficar do nosso próprio lado e nos abastecer de nova autoestima – chega de reclamações e mimimi! É uma Lua para celebrar as coisas boas e simples da vida: uma boa comida, um bom perfume, uma massagem, uma música agradável… Para fazer uma festa sensorial aos sentidos! Celebrar e honrar o corpo no que ele tem de mais natural e mais sagrado, aceitando-o exatamente como é, com todas as suas imperfeições, dando-lhe o seu devido valor. E, é claro que, sendo em Touro, essa Lua é de abundância e fertilidade e favorece os ganhos materiais, como resultado desse senso de valor pessoal que construímos e solidificamos em nós mesmos – é uma Lua ótima para se fazer rituais de prosperidade e para ganhar dinheiro, para focar na segurança e na estabilidade material! É excelente para entrar em conexão com o próprio corpo e com a Mãe Terra, esse corpo maior, esse organismo vivo que nos dá vida e nos sustenta! Fecunda e abundante é a vida – tomemos posse dessa abundância!

Alexander Saidov - Reprodução
Alexander Saidov – Reprodução
Catrin Welz-Stein - Reprodução
Catrin Welz-Stein – Reprodução

Nota: Pessoas que têm planetas entre os graus 17 e 28 dos signos fixos (Touro, Leão, Escorpião e Aquário) são mais afetadas por essa Lua Cheia. O fato de ser uma Super Lua aumenta e intensifica os temas da lunação.

MaureenMaceArt - Reprodução
MaureenMaceArt – Reprodução

Lua Cheia e Eclipse Lunar em Peixes – Do Caos à Criação

Lua cheia em Peixes - Birth Chart Painting - Reprodução
Lua cheia em Peixes – Birth Chart Painting – Reprodução

A Lua foi cheia nesta sexta-feira, dia 16 de setembro, às 16h04min de Brasília e às 20h04min para Lisboa, culminando o ciclo iniciado na Lua Nova de Virgem. Ambas as lunações, da Lua Nova e da Lua Cheia, foram eclipses. O de hoje foi um Eclipse Penumbral Lunar. Num eclipse penumbral ou Apulse a Lua entra somente na penumbra da Terra e não na umbra/sombra, a parte mais escura, ou seja, o alinhamento não é perfeito. Este tipo eclipse acontece quando Sol e Lua estão a mais de 12 graus de distância dos nodos. Para entender a dinâmica e significados de eclipses em geral leia este texto.

Eclipse Lunar - Birth Chart Paiting - Reprodução
Eclipse Lunar – Birth Chart Paiting – Reprodução

Este eclipse fecha a segunda temporada de eclipses do ano e, de certa forma, sinaliza o esmaecimento de um período denso e tenso que já dura muitos meses. De agora em diante a tendência é termos um pouco mais de calmaria do que temos tido ultimamente. É uma lunação e eclipse bastante tenso e melindroso. Lua e Sol se opõe no eixo Virgem-Peixes, a Lua em conjunção a Quíron e todos eles fazendo quadratura a Marte em Sagitário, que fica encurralado e espremido, como foco de uma T-Square Mutável.

Eclipse Lunar em Peixes - 16 de setembro de 2016, Brasília, 16h04min
Eclipse Lunar em Peixes – 16 de setembro de 2016, Brasília, 16h04min

A Lua, conjunta a Quíron já sugere muitos melindres, feridas dolorosas e muita sensibilidade ao sofrimento, pessoal ou coletivo. É um posicionamento que tende a nos deixar em carne viva, sentindo-nos emocionalmente expostos e vulneráveis. Como naquela canção do Roberto:

Acabei com tudo
Escapei com vida
Tive as roupas e os sonhos
Rasgados na minha saída

Mas saí ferido
Sufocando o meu gemido
Fui o alvo perfeito
Muitas vezes no peito atingido

Animal arisco
Domesticado esquece o risco
Me deixei enganar
E até me levar por você

Eu sei quanta tristeza eu tive
Mas mesmo assim se vive
Morrendo aos poucos por amor
Eu sei, o coração perdoa
Mas não esquece à toa
O que eu não me esqueci

Eu andei demais
Não olhei pra trás
Era solta em meus passos
Bicho livre, sem rumo, sem laços

Me senti sozinha
Tropeçando em meu caminho
À procura de abrigo
Uma ajuda, um lugar, um amigo

Animal ferido
Por instinto decidido
Os meus passos desfiz
Tentativa infeliz de esquecer

Eu sei que flores existiram
Mas que não resistiram
A vendavais constantes
Eu sei, as cicatrizes falam
Mas as palavras calam
O que eu não me esqueci

Não vou mudar
Esse caso não tem solução
Sou fera ferida
No corpo na alma e no coração

(aqui eu discordo do autor: insistir em não mudar é o pior que podemos fazer!)

Pois é, essa música vem ilustrar bem os temas de Lua-Quíron; Marte-Quíron e Sol-Quíron: “sou fera ferida, no corpo na alma e no coração!”. Sim, as quadraturas a Marte tornam tudo muito volátil e agora, além de nos sentir expostos, ficamos defensivos e espinhosos, receando qualquer um que se aproxime um pouco mais, como a fera ferida de que fala a canção. Marte nessa posição fica meio encurralado e tende a enrijecer em suas convicções, tornar-se inflamado, fanático e extremista. Quanto mais me atacam ou duvidam da minha fé ou convicção, tanto mais eu me enrijeço nelas. Nesse sentido, temos propensão a conflitos que terminam com mágoas ainda maiores, caso alguém não ceda e perceba que outro está atacando como estratégia de defesa. Mas Quíron também nos fala do potencial de cura, a partir da aceitação de nossas limitações, das nossas misérias e fealdades humanas, e porque sabemos o quanto a dor é crua, desenvolvemos empatia pelos outros. Então, há potencial para choro, mas também para conforto e muito consolo, além de cura.

Júpiter em Loibra - Birth Chart Painting - Reprodução
Júpiter em Loibra – Birth Chart Painting – Reprodução

O regente tradicional da Lua Cheia, Júpiter, acabou de se mudar para Libra, um signo muito mais confortável e condizente com a natureza de Júpiter do que o signo anterior, Virgem. Júpiter ainda se afasta da quadratura fora de signo recebida de Marte, mas de modo geral, está em melhores condições agora, sugerindo que busquemos o significado de toda essa dor e raiva, que encontremos o sentido, mesmo que no momento o caos pareça imperar. Libra também sugere a necessidade de equilíbrio, de encontrarmos a exata medida das coisas, e que demos o benefício da dúvida ao nosso opositor/interlocutor. Sendo um signo de relacionamentos, o regente da Lua em Libra indica este tema também é enfatizado nesta lunação. O dispositor moderno de Peixes, Netuno, está numa situação mais desconfortável: recebendo a quadratura de Saturno, da qual já falamos muito em textos anteriores, indicando que devemos abrir mão das ilusões traiçoeiras e viver a partir da verdade.

Reprodução
Reprodução

A Lua Cheia se dá em conjunção ao Nodo Sul, o que sugere a necessidade de liberação, de soltar e abrir mão daquelas fantasias rançosas de que alguém venha tomar conta de nós ou a da tendência de escorregarmos para comportamentos caóticos e infantis… Considerando-se que Peixes é o último signos do zodíaco, associado a fins e conclusões, a Lua Cheia de fato favorece que deixemos ir tudo aquilo que já não serve mais, que nos livremos do lixo psíquico, emocional e até mesmo do lixo literal e físico que mantemos nos nossos armários e casas.

Série Saros 147 - 02 de julho de 1890, 14h08min.
Série Saros 147 – 02 de julho de 1890, 14h08min.

Esse eclipse faz parte da Série Saros 147, que se iniciou em 2 de julho de 1890, às 14h08min GMT. É interessante notar que no mapa do primeiro eclipse da série, temos novamente uma quadratura Saturno-Netuno, também no eixo mutável, só que dessa vez, Saturno está em Virgem e Netuno em Gêmeos e a quadratura é crescente e não minguante – Saturno trafegando atualmente por Sagitário faz oposição a Netuno deste mapa. Netuno está em conjunção a Plutão. Então, é um ciclo importante começando. Outra “coincidência” é Marte estar retrógrado no fim de Escorpião, uma retrogradação que começou também em Sagitário, muito similar àquela que tivemos recentemente. Mais: Marte está em quadratura a Saturno e oposição a Netuno, formando uma T-Square mutável cujos temas são muito parecidos com os que temos vivenciados nos últimos meses – não, definitivamente, não é coincidência! Outra coisa interessante é o fato de Urano estar transitando o terceiro decanato de Libra, em oposição ao Urano atual, que percorre o terceiro decanato de Áries – quer dizer, realmente, uma Série Saros vai repercutir seus temas em todos os eventos da série. Neste mapa também vemos que a Lua é o ponto médio entre Vênus e a conjunção Plutão-Netuno, apontando que as emoções e sentimentos são intensos, de modo que mudamos de humor e reações rapidamente, vertiginosamente, fazendo tempestades em copos d’água, ficando suscetíveis e voláteis facilmente, o que nos leva a atitudes extremistas e desvairadas – uma influência que reafirma a configuração Lua/Quíron x Sol x Marte. Entretanto, a Lua também é o ponto médio entre Quíron e o Nodo Norte, e isso, por sua vez, sugere que sim, para curar é preciso sentir, mesmo os sentimentos e emoções mais perturbadores e desconcertantes, porque a vida só tem sentido, quando nos permitimos sentir. Analisar é fácil, pensar é óbvio, mas sentir… Sentir, sentir realmente, é só para os muito corajosos! Quando falo de sentir, não me refiro a atuar os sentimentos desvairados e usá-los como desculpas para atitudes tresloucadas com relação aos outros e a si mesmo. Sentir profundamente, sabendo conter as reações instintivas e automáticas da fera ferida, ao invés de se derramar indiscriminadamente no mundo lá fora. Quando nos permitimos sentir plenamente a dor, o luto, a raiva, ou qualquer que seja o sentimento, sem atuá-los, temos maior possibilidade de processá-los e digeri-los mais diligentemente e, consequentemente, de nos liberarmos mais rapidamente também. O grande desafio é, pois, sentir toda essa gama de sensações e emoções caóticas e intensas sem se afogar nelas, sem se destruir ou se deixar esmagar por elas. Mas a cura vem pelo sentir. Intenso, visceral, inescapável. Sentir.

Colors of the Mind series. Visually attractive backdrop made of elements of human face and colorful abstract shapes suitable as element for layouts on mind reason thought emotion and spirituality
Reprodução

Peixes é um signo de grande abertura e sensibilidade, portanto, uma Lua Cheia ocorrendo neste signo também é propícia à conclusão de projetos criativos e artísticos e a canalizarmos toda a enxurrada de sentimentos na arte, seja na pintura, na escrita, na música, na dança ou em qualquer outro veículo criativo. Está triste? Cante essa tristeza! Está zangado? Dance essa raiva! Está confuso? Pinte essa confusão! Está saudoso? Poetize essa saudade/nostalgia! E assim por diante. A ideia é traduzir para alguma linguagem inteligível aquilo que o coração não consegue exprimir em meras palavras. Peixes, aliás, representa o caldeirão de conteúdos do inconsciente coletivo de onde podemos pescar toda a sorte de inspiração; é o líquido amniótico que é altamente condutor de eletricidade e excepcionalmente nutritivo; o caos primordial que dá origem à vida, à própria criação, por isso, se nos sintonizamos com as vibrações mais positivas dessa lunação, podemos expressar o manancial de sentimentos caóticos através da infinita criatividade. A arte, em todas as suas formas, também é um canal de cura, que o digam todos os artistas célebres que expressaram seus dilemas e dores através de muitas pinceladas, através obras primas musicais ou literárias. Nilse da Silveira é outra prova do efeito terapêutico da arte na cura dos males e dores da alma. Ponto de atenção: não vale afogar as mágoas no copo ou no pó – porque aí, ao invés de melhorar, piora tudo! Peixes já é propenso ao escapismo, portanto, é melhor não apelar para isso nas próximas duas semanas!

Animação que mostra as fases de um eclipse lunar - Reprodução do Wikipedia
Animação que mostra as fases de um eclipse lunar – Reprodução do Wikipedia

Assim, a Lua Cheia e o eclipse Lunar em Peixes alertam para o risco dos emocionalismos vazios, para o fanatismo e os conflitos egoicos; para a abertura de velhas feridas; alerta para situações de caos e tsunamis emocionais, mas que podem ser conduzidas criativamente se tivermos um mínimo de maturidade e contenção. Todavia, o eclipse também traz potencial de curarmos muitas das dificuldades que carregamos há tanto tempo, no que tange ao gerenciamento das emoções – não, não precisamos nem devemos ser escravos delas! Sentir não quer dizer ficar à mercê dos sentimentos, mas aprender a honrá-los, respeitá-los, exatamente para não ficar à mercê deles. Portanto, apesar de toda a sensibilidade, fragilidade e dor indefinível que possamos sentir, precisamos nos alinhar com o potencial de cura, soltando e liberando qualquer apego que possamos ter ao sofrimento ou à situação de vítima merecedora da simpatia alheia. Porque a sensibilidade também é um tipo de fortaleza e não precisamos nos vitimar por causa dela.

Eclipse de 16 de setembro: visível na Europa, África, Ásia, Austrália, oeste Oceano Pacífico - Reprodução do site da Nasa
Eclipse de 16 de setembro: visível na Europa, África, Ásia, Austrália, oeste Oceano Pacífico – Reprodução do site da Nasa

Pessoas que têm planetas ou ângulos entre os graus 19 e 30 dos signos mutáveis (Gêmeos, Virgem, Sagitário e Peixes) são mais “afetados” por este eclipse. Para ter uma ideia dos temas que eclipse aciona no seu mapa, verifique o que estava acontecendo no período anterior ou posterior a 16 de setembro de 1997, que foi a última vez que um eclipse caiu próximo desse grau de Peixes, e anterior ou posterior a 6 de setembro de 1998, que foi quando ocorreu o último evento da Série Saros 147. Verificando os eventos e temas acionados naqueles períodos, temos boas pistas de como este eclipse pode se manifestar para nós.

Desejo que essa lunação traga liberação e purificação, que possamos deixar ir tudo que nos atrapalha e fere, tudo de que já não precisamos mais!

Feliz Lua Cheia para você!

Kindra Nicole - Reprodução
Kindra Nicole – Reprodução
Lua cheia em Peixes - Birth Chart Painting - Reprodução
Lua cheia em Peixes – Birth Chart Painting – Reprodução

Quíron e a Dor de Ser Humano

Chiron_instructs_young_Achilles_-_Ancient_Roman_fresco
Quíron instruindo o jovem Aquiles – Antigo Afresco Romano – Reprodução

Quíron é uma figura bastante controversa na Astrologia. Nem todos os astrológos ou correntes o utilizam e muitos outros vão ao ponto de sugerir que isso indicaria mesmo uma dificuldade de tais astrológos de lidarem com os temas sugeridos por este corpo celeste. Quíron viaja atualmente por Peixes e no momento recebe quadratura do Sol em Gêmeos, além de estar inserido no Trígono Aquático com Júpiter e Saturno. Aproveitando este momento delicado, escrevo sobre Quíron, sua astronomia, mitologia e significado no mapa astrológico, bebendo principalmente dos ensinamentos de Melanie Reinhart, atualmente a maior autoridade no assunto (3).

Astronomia

chiron's orbit
A excêntrica órbita de Quíron – Wiki files – Reprodução

Quíron não é um planeta. Foi descoberto em 1° de novembro de 1977, por volta de 10 da manhã, em Pasadena, Califórnia, por Charles T. Kowal. A princípio os astrônomos não sabiam como classificá-lo e já foi definido como asteróide, cometa, planetóide. Até hoje tem uma classificação dupla, como o Cometa 95P e como o Planeta Menor 2060. Ele desafiava descrições e foge a categorizações. Nos anos 90 uma nova classe de corpos celestes foi descoberta, os Centauros, dos quais Quíron é hoje o mais famoso, mas as antigas nomenclaturas permanecem. Quíron Orbita entre Saturno e Urano, mas sua órbita é elíptica e tão excêntrica que às vezes ele se encontra mais perto do Sol do que Saturno, e em outras mais longe do que Urano. Tem uma cauda de cometa que chega a alcançar 300 mil quilômetros de comprimento e que parece “ligar” e “desligar”, ou seja, às vezes pode ser vista, às vezes não. Depois de sua descoberta, ele foi identificado em registros fotográficos datados de até 1895. Estava lá, mas ninguém tinha notado (1). É o fenômeno da sincronicidade operando novamente: quando estamos prontos, finalmente somos capazes de enxergar algo que esteve sempre na nossa frente, mas com o qual não éramos capazes de lidar ainda. Foi assim com Urano, Netuno e Plutão. E mais recentemente com Quíron e os Centauros.

Outsider

É dito que Quíron não pertence realmente ao Sistema Solar, que é um estrangeiro, forasteiro, e que poderia desaparecer a qualquer momento, algo que “coincide” com sua mitologia. No horóscopo, dizemos que onde está Quíron é onde nos sentimos também forasteiros, estranhos, diferentes, onde não nos encaixamos: por exemplo, na casa 4 não nos encaixamos na família de origem; na 11 não nos encaixamos nos grupos e associações; na 6 e 10 não nos encaixamos em ambientes de trabalho considerados tradicionais, e é uma assinatura das profissões de cura…

Mitologia

Mas antes de entrarmos na Astrologia de Quíron, vejamos seu mito e suas implicações.

saturn and philira
Saturno e Filira – Desconheço o Autor Reprodução

O mito de Quíron tem várias versões diferentes. Às vezes ele é retratado como ancestral dos centauros, criaturas que eram metade cavalo e metade humanos. Em algumas versões os centauros descendiam de Centaurus, filho de Apolo e Estilbe, ou de Ixion e Nephele, uma nuvem feita à semelhança de Hera. Os centauros habitavam o Monte Pelion, na Tessália, região da Grécia. Na versão mais conhecida do mito, Quíron era filho de Cronos (Saturno) e da ninfa Filira, filha de Oceano e Tétis. Cronos viu Filira pela primeira vez quando procurava por Zeus, que tinha sido escondido por sua esposa Rhea. Filira tentou fugir de Cronos transformando-se numa égua. Ele perseguiu-a ainda mais e enganou-a transformando-se também num cavalo, conseguindo assim consumar a união, da qual nasceu Quíron, que tinha pernas e corpo de cavalo e torso e cabeça de homem. Quando ele nasceu, Filira ficou tão enojada e desgostosa que implorou aos deuses para ser transformada em algo diferente do que ela era. Os deuses atenderam seu pedido transformando-a na árvore Tília. Quíron foi abandonado e encontrado depois por Apolo, que se tornou seu pai adotivo. Ele cresceu forte e saudável e Apolo ensinou-lhe muitas artes. Era muito inteligente e tornou-se um professor muito sábio e respeitado, a quem todos os heróis gregos, filhos de reis e de deuses eram enviados para com ele estudar. Era musicista, profeta e um médico e curador potente, também grande herbalista e filósofo brilhante. Além disso, era correto, nobre e íntegro. Ele foi o mentor de muitos heróis gregos famosos, como Jasão, Aquiles, Hércules e Asclépio, ou Esculápio, o deus da medicina. Mesmo assim, Quíron trazia consigo o dilema intrínseco da dualidade: não era nem cavalo nem homem. Seus iguais, centauros, eram criaturas extremamente primitivas, devassas, desregradas e grosseiras. Já Quíron tinha uma natureza benigna e pacífica, portanto não se sentia à vontade entre os seus. Como não era humano, também não se sentiam completamente confortável entre os homens. Assim, sentia-se um estranho, um diferente onde quer que fosse, não conseguindo se encaixar em nenhum grupo.

Education-of-Achilles-by-Chiron-1746Um dia, Quíron se feriu numa das flechas que Hércules tinha molhado no veneno letal da Hidra de Lerna. Numa versão do mito ele teria se ferido durante uma briga entre os centauros e Hércules. Em outra ele teria se ferido por acidente. O veneno da Hidra era letal e matava instantaneamente; porém, por ser filho de um Deus, Quíron era imortal. Assim, criou-se um dilema sem solução e o resultado foi uma ferida hedionda que doía de forma excruciante, para a qual não havia cura possível. A ironia das ironias é que Quíron era um grande curador, que não conseguia curar a si mesmo, mas na sua busca por tratamento, sua habilidade em ajudar os outros aumentava – um tema comum na vida de pessoas que trabalham nas profissões de cura e ajuda – daí o título “o Curador Ferido”. Para apaziguar seu sofrimento, Quíron recolheu-se à sua caverna em busca de um mínimo de sossego.

Centaur-With-Cello
Centauro com violoncelo – Odilon Redon – Reprodução

Depois de um longo tempo sofrendo, Quíron foi finalmente liberado de seu pesadelo, sendo trocado por Prometeu, que tinha sido condenado a um destino não menos cruel por roubar o fogo dos deuses. Prometeu tinha sido acorrentado a uma rocha no Tártaro. Todos os dias um grifo, uma imensa ave de rapina – em outras versões, uma águia, o pássaro de Zeus – vinha lhe comer o fígado; à noite o fígado se regenerava e no dia seguinte a ave lá estava novamente, num processo de tortura contínuo e sem fim. Zeus havia decretado que Prometeu só seria libertado se um outro imortal concordasse em tomar seu lugar no Tártaro. Hércules, sentindo-se parcialmente culpado pela ferida de Quíron, implorou a Zeus que o deixasse morrer, trocando-o por Prometeu e Zeus acabou concordando. Assim, tanto Quíron quanto Prometeu puderam finalmente ser liberados de seus tormentos. Prometeu teve que abrir mão de sua imortalidade e usar para sempre uma coroa de salgueiro na cabeça e aliança no dedo, para lembrá-lo de seus feitos e de seu destino.

Quíron, filho de Cronos-Saturno

Marek Zyga
Marek Zyga – Reprodução

A origem de Quíron já nos diz muito a respeito de seu significado no horóscopo. Era filho de um estupro; tendo nascido de seres em mutação, era uma anomalia; tão logo nasceu, foi rejeitado pela mãe, que preferiu ser aprisionada na forma de árvore a tê-lo como filho; provavelmente nunca conheceu o pai; não se sentia pertencente a nenhum grupo.

O fato de ser filho de Cronos-Saturno também nos diz muito. Cronos-Saturno era um titã, a segunda geração de deuses, filho de Urano e Rhéa. Os titãs eram criaturas terrosas, ctônicas, primitivas, ainda cheios de falhas e limites. Assim também era Quíron: mesmo sendo metade deus, não pertencia ao Olimpo, era um Filho da Terra, e como tal, tinha uma natureza ctônica. Como diz Liz Greene, sua sabedoria era a sabedoria da Natureza e da Terra e do próprio corpo (2).Também em Astrologia, Saturno e Quíron partilham algumas similaridades. Ambos representam limites, inseguranças, sensação de inadequação e fracasso na área de vida representada pela casa e signo. A diferença entre eles é que no caso de Saturno, essas inseguranças e limites podem – e devem – ser trabalhados; eles representam áreas que viemos desenvolver e masterizar e com tempo, esforço e trabalho árduo podemos de fato nos tornar mestres e autoridades naquele assunto. Já com Quíron, isso não é possível. Somos constantemente confrontados com mazelas e dificuldades que parecem que só pioram. Quanto mais se tenta melhorar, mas a ferida se inflama e infecciona.

Centaure-lisant
Centauro Lisante – Odilon Redon – Reprodução

Metade besta, metade deus

Mesmo quando saudável, Quíron já vivia um dilema interno permanente: a dualidade inerente à sua espécie. Era metade besta e metade humano. Isso simboliza a dualidade do homem: um espírito ilimitado e imortal, aprisionado num corpo imperfeito e falho, regido por instintos e necessidades que limitam e cerceiam na sua capacidade de realização.

No mito, Quíron se fere na coxa ou no joelho e a simbologia dessa ferida é contundente: a ferida é no nosso lado animal, nosso lado mais instintivo, mais baixo e menos evoluído. Liz Greene diz: “a ferida se encontra no aspecto animal do centauro, e é na perna – a parte do corpo sobre a qual devemos nos sustentar, ou tomar posição, no mundo material. Quíron é apenas  um de uma longa lista de deuses aleijados que foram feridos nos pés, ou, em outras palavras, na sua relação com a realidade física. Toda a sua sabedoria não pode ajudá-lo, porque o veneno da Hidra é o veneno incurável do lado sombrio da vida. ”(2)

A Ferida que não Sara

Hesther-van-Doornum-Holanda__Open ArtGroup
Hesther Van Doornum Holanda – Reprodução

No Mapa Natal Quíron representa a ferida que não tem cura, não importa o que façamos para tratá-la. Quanto mais mexemos, mais dolorosa ela se torna. Representa também, como já disse acima, a área de vida onde sentimos que não nos encaixamos, onde não pertencemos e vagamos procurando “nossa turma” sem nunca conseguir encontrá-la. Pessoas que têm Quíron proeminente no mapa, conjunto a um ângulo, em aspecto com os planetas interiores – o Sol, a Lua, Mercúrio, Vênus ou Marte – são pessoas em que essa ferida é mais evidente e sentida de forma mais intensa, da qual são mais cruamente conscientes e exatamente por causa disso, elas empreendem uma busca,muitas vezes solitária, da cura para si mesmas. Incapazes de se curarem, acabam por enveredar pelas profissões de cura e de ajuda, e é assim que finalmente encontram algum alívio para suas dores, de forma indireta, através de outros com quem partilham dores parecidas. Como diz Melanie Reinhart, a maior pesquisadora em Astrologia sobre Quíron, sobre cuja pesquisa e conhecimento se baseia a maior parte do que aprendi deste assunto, “freqüentemente Quíron simboliza coisas que podemos fazer pelos outros, mas que não podemos fazer por nós mesmos. O paralelo mitológico para isso é claro, já que Quíron não podia curar a si mesmo, apesar de ser capaz de curar a outros. Por exemplo, às vezes, indivíduos com Quíron em aspecto com Mercúrio são capazes de trazer ordem e clareza a qualquer situação, exceto suas próprias vidas ou seus próprios processos mentais.” (3). Em aspecto com Vênus a ferida é nos valores, na capacidade de a pessoa se valorizar e se perceber digna de afeto e amor, uma ferida nos relacionamentos. Com o Sol “há uma ferida no senso de individualidade e propósito. Nosso senso de estar no centro criativo de nosso próprio mundo talvez seja danificado e talvez façamos outra pessoa o centro de nosso universo” (3). Em aspecto com a Lua, Quíron aponta para dificuldades com o corpo, com a nutrição, com os próprios sentimentos e com a figura materna. É muito frequente em casos de nascimentos prematuros, em que a criança foi privada do contato direto com a mãe por questões alheias à vontade desta. Marte em contato com Quíron, aponta para uma ferida na vontade e no senso de auto-defesa, talvez tenhamos sido vítimas de violência doméstica e há uma luta constante para se afirmar na vida; especialmente para os homens, há uma ferida na questão da virilidade. Estas são interpretações rápidas e genéricas de contatos com os planetas pessoais, e uma análise mais apronfundada merece um post específico para o contato entre Quíron e cada um dos planetas.

A dor e a ferida de ser Humano

guayasamin
Oswaldo Guayasamin – Reprodução

Quíron é desconfortável porque nos lembra de nossas fraquezas, de nosso lado aleijado, subdesenvolvido, nosso lado mais falível, nossa condição mais humana. Mas Quíron é sumamente necessário porque nos humaniza e nos lembra de que não importa quanto tenhamos nos aprimorado, sempre haverá algo que não tem conserto, e está certo, porque do contrário, seríamos onipotentes, invencíveis e certamente já não precisaríamos estar andando nesta terra. Quíron nos faz humanos e nos mantém humildes.

Alguns dizem que Quíron faz parte daqueles 5% de caos na tessitura da vida, aquilo que não faz nem tem sentido, não importa o quanto tentemos explicar ou fazer associações filosóficas. E nós humanos, gostamos da sensação de ordem e de sentido, porque nos faz sentir seguros. Até que façamos as pazes com Quíron e seus significados no horóscopo, podemos vagar por aí indefinidamente, defensivos, com a sensação de que a vida nos puxou o tapete por um capricho mordaz e mesquinho; gritamos que a vida é injusta e sangramos nossa energia vital tentando entender “porque” somos daquela forma, porque tal tragédia nos aconteceu. Feridos, caímos no niilismo e no desespero e resolvemos ferir também. Muitos vão vida afora seguindo este padrão venenoso, infligindo a outros o terror que eles mesmos sentem. Outros tentam fugir desse terror do niilismo, da falta de sentido com que a vida se apresenta às vezes de formas diversas. Mas a chaga continua lá, e qualquer raspão acorda toda a sorte de dores e lembranças amargas dos fracassos anteriores. Por isso, mais do que fugir desse terror e fingir que não o sentimos, mais do que tentar tapar o grande buraco da falta de sentido, é melhor trazê-lo para perto e reconhecê-lo, admitindo o potencial de loucura e de caos que a vida traz intrínseca em si. É preciso fazer as pazes com a ferida, aceitar e nos permitir ser meio toscos, meio desajeitados, abraçar nossas imperfeições e admitir que há coisas que simplesmente não fazem sentido, mas que isso TAMBÉM é parte da vida e precisa ser visto, aceito, vivenciado. Quando aceitamos a ferida, ela dói menos. Quanto mais a negamos, mais ela se inflama e cria prurido, por isso, a melhor maneira de lidar com esta chaga, é aceitá-la como parte da vida. Não podemos fazer por nós mesmos, mas podemos fazer por outros.

abraço
Tomaz Alen Kopera – Reprodução

Isso me lembra uma estória citada por Howard Sasportas em seu livro As Doze Casas: um homem tem permissão para visitar o inferno e o céu. No inferno ele vê uma mesa fartamente posta, com comidas deliciosas e suculentas, mas os comensais ao seu redor estão pobres, famintos e esquálidos e parecem desesperados, porque os talheres são demasiado longos, maiores que seus braços, de modo que é impossível comer com eles. Ao chegar ao céu, o homem vê a mesma mesa fartamente posta, mas lá as pessoas estão nutridas, satisfeitas e felizes, porque descobriram que não era possível usar os talheres para alimentar a si mesmas, mas que podiam alimentar umas às outras, assim, ninguém passa fome porque todos se ajudam mutuamente (4). Outra fábula similar é aquela sobre os seres humanos serem anjos de uma asa só, que só conseguem voar ao unir-se a outro. Assim é com Quíron, não podemos fazer por nós, mas podemos fazer por outros, e quem sabe, lá à frente nos beneficiaremos também do que estes outros têm a oferecer.

Tomasz Alen Kopera
Tomaz Alen Kopera – Reprodução

Quíron por signo e casa no Mapa Natal

Silvana Barbedo, astróloga de São Paulo, escreveu de forma aprofundada sobre Quíron e seu significado na Astrologia. Em seu blog você pode ver o significado de Quíron por signo e casa no mapa natal.

 

BIBLIOGRAFIA PESQUISADA 

(1)    TOMPKINS, Sue – Tradução livre e resumida de um parágrafo de The Astrologer’s Handbook

(2)    GREENE, Liz – The Astrology of Fate – Cap. Myth and the Zodiac

(3)    REINHART, Melanie – Chiron and the Healing Journey

(4)    SASPORTAS, Howard – As doze Casas

(5)     GREENE, Liz – the Art of Stealing Fire – Uranus in the Horoscope.