Arquivo da tag: Desilusão

A Semana Astrológica: Crescemos Quando Enfrentamos a Realidade!

Catrin Welz-Stein - Reprodução
Catrin Welz-Stein – Reprodução

Semana de 05 a 11 de setembro – Semana de avançar! Encaremos as realidades e façamos o que tem que ser feito! Se conseguimos transformar a nós, transformamos o mundo! (Aviso, este texto está incompleto!)

Temos pela frente uma semana melindrosa e tensa. Vemos se desdobrar a última quadratura entre Saturno e Netuno, num período entre eclipses e que vai armando também a quadratura Sol-Marte, uma quadratura minguante que finaliza os temas da retrogradação de Marte, ocorrida entre abril e junho. Por tudo isso e mais um pouco, ainda temos alguns dias pesados, que vão requerer de nós muita paciência, jogo de cintura e serenidade para lidar com os desafios e a sensação de cansaço e de exasperação. Mas não há nada de novo sob o céu, já sabemos… Crescemos quando enfrentamos a realidade e este é o grande aprendizado do período!

Claudia Lúcia McKinney - Reprodução
Claudia Lúcia McKinney – Reprodução

Eu analisei essa configuração entre estes dois planetas lentos no ano passado, por ocasião da primeira quadratura exata e se você ainda não viu esta análise, pode ler no texto Saturno-Netuno: o Mundo em Desintegração. O texto analisa basicamente o ciclo dos dois planetas em si e adiciona o trânsito de Júpiter por Virgem. Portanto, o texto tem um tom carregado, de desesperança e desilusão, que aliás, é o tom da quadratura em si. Mas, precisamos lembrar que essa é a última quadratura exata e logo a configuração se desfará, então, já vivenciamos os momentos mais difíceis. Ouso dizer que, a partir de novembro as coisas tendem a ficar mais leves, exatamente porque essa configuração estará se dissipando. O que precisamos é rever as lições simbolizadas por ela, matutar bastante para não cometermos os mesmos erros no futuro.

Reprodução
Reprodução

O Sol faz trígono a Plutão nesta semana, o que nos dá força e capacidade de enfrentar os desafios que precisamos enfrentar, além de nos equipar com a habilidade de perscrutar a nós mesmos profundamente, verificando nossas motivações mais profundas e analisando onde precisamos fazer modificações, e fazendo-as. Esse trânsito também sugere um período em quem nos sentimos com poder suficiente para lidar com as adversidades, porque encontramos dentro de nós força e resistência. Como a quadratura a Marte vai se formando gradativamente, é preciso também cautela, porque podemos nos tornar mais agressivos e exageradamente enérgicos em nossas demandas, de modo que podemos pisar nos calos de outros por aí, o que pode angariar antipatias, para não dizer conflitos abertos. Portanto, olhar para si e as próprias atitudes antes de fazer nossas demandas ao mundo. De toda forma, esse é um aspecto bastante positivo e necessário que nos ajuda a enfrentar essa semana de cabeça erguida! A despeito das sombras pesadas e escuras, alçamos nosso voo!

Catrin Welz-Stein
Catrin Welz-Stein – Reprodução

Mercúrio vai retrocedendo pelo caminho que já havia percorrido e nós vamos os deparando com situações que tinham ficado inacabadas ou pendentes  desde a última retrogradação… É assim mesmo! Nem sempre podemos nos dar ao luxo de escolher quando fazer as coisas e às vezes temos que trocar o pneu com o carro em movimento… Nestes casos, é possível que comecemos coisas ou negociações que ficam enroladas, e vão se arrastando, de modo que elas só se concluem no ciclo seguinte. Por isso que normalmente se recomenda que não se faça negócios importantes ou se inicie coisas vitais, porque as situações tendem a se arrastar e leva-se muito tempo para chegar aos objetivos. Por esses dias Mercúrio se depara com Quíron e Urano novamente: opõe-se a um e faz quincunce ao outro. Quíron vem dizer, pela segunda vez, a Mercúrio, que há coisas que a mente Virginiana não consegue consertar, mesmo com seus métodos mais sofisticados de controle e treinamento mental. Tem horas que o caos assume o comando das coisas e a ordem é subvertida e colocada ao contrário e não há nada que a mente racional possa fazer a respeito, a não ser assistir, de camarote, se tiver sorte! Portanto, em nossos conceitos acurados e pomposos de civilização, precisamos lembrar que por mais que tentemos deixar tudo vistoso e ordeiro, nem sempre conseguimos e isso, não é para nos derrubar, é apenas um meio de nos lembrar de nossa humanidade, de nos perceber humildes. Urano vem adicionar imprevisibilidade nessa receita e dizer que os controles Virginianos às vezes também falham e o trem sai dos trilhos na hora mais improvável. E quanto mais tentarmos controlar, pior estrago faremos! Então, é deixar o trem descarrilar e ver onde ele vai parar e só então, tentar se recompor, se possível, divertindo-se com a coisa toda. Será possível? Diga você!

Adi Dekel on 500px - Reprodução
Adi Dekel on 500px – Reprodução

Vênus se fortalece no contato a Saturno esta semana. Torna-se resiliente de modo que olhamos para as relações com menos expectativas. Mas logo em seguida, ela escorrega de novo e dá ouvidos aos cantos de sereias de Netuno, que pode pôr toda a sobriedade e segurança recém conquistadas por água abaixo. E então já não sabemos a quem dar ouvidos ao anjo ou a demônio das nossas tentações impossíveis! Mas isso é pouco, porque logo adiante ela entra em confronto com Plutão em Capricórnio e é aí que a porca torce o rabo nos relacionamentos! As sutilezas escrupulosas e as delicadezas esmeradas de Libra são desafiadas intensa e cruamente: para quê mentir, fingir que perdoou? Tentar ficar amigos sem rancor? A emoção acabou, que coincidência é o amor, a nossa música nunca mais tocou… Para quê usar de tanta educação, para destilar terceiras intenções…? É, não tá fácil não, mais uma vez é hora de confrontos nas relações. Confronto primeiro conosco mesmos e aquilo que sentimos. Para quê engolir insatisfações e fingir que está tudo bem quando sabemos que não está? Realmente, por mais que queiramos estabilidade e manter as coisas como estão, podemos invocar a ira dos deuses se ignorarmos as sujeirinhas debaixo do tapete em nome dessa estabilidade. Se nos recusamos a virar a mesa porque estamos preocupados com a porcelana chinesa, o outro o fará e trará tudo abaixo. Do contrário, se reconhecermos o que precisa ser visto e mudado, podemos, na verdade, intensificar a cumplicidade e o vínculo da relação. Com honestidade é muito mais fácil… e como diz o ditado, o combinado nunca é caro, certo, Libra?

Cronelis Bos - Leda e o Cisne - Reprodução
Cronelis Bos – Leda e o Cisne – Reprodução

Mas Libra ganha uma ênfase especial e as relações também. Sim, estamos falando da grande boa notícia: a ingressão de Júpiter em Libra! Yesssss! Por que, porque Virgem é tudo de ruim? Claro que não! É só que Virgem não é o lugar mais confortável do mundo para Júpiter, aliás, aqui ele está em detrimento, porque é um signo totalmente alheio `sua natureza. Como se não bastasse, quando trafegou Virgem Júpiter teve embates poderosos com Saturno em Sagitário e Netuno em Peixes, tornando aquela configuração de que falamos lá em cima um verdadeiro lamaçal, sem proporções. Agora em Libra ele está em terreno neutro. Para começar, Libra é regido por Vênus, outro planeta considerado benéfico. Libra é um signo afinado com a ética e a justiça, com o senso de equilíbrio e cooperação e Júpiter, esse bon vivant, também regente da justiça e da lei, fica bastante confortável como hóspede de Vênus. A expansão se dá através das relações, sejam elas afetivas ou sociais e profissionais/de negócios. As relações também são afetadas pela visão filosófica e por uma busca espiritual. Júpiter promete muitas benesses a Libra e, em algumas situações específicas, também aos demais signos cardinais: Áries, Câncer e Capricórnio. Júpiter em Libra a estória de Leda e o Cisne. Leda era uma rainha, casada, mas Zeus se enamorou dela e para seduzi-la, tornou-se num cisne. Ela pôs dois ovos, de um deles nasceram Klitemnestra e Castor, filhos do Rei, marido de Leda. Do outro ovo nasceram Polux e Helena, aquela que causou a guerra de Troia, um dos mitos associados a Libra… Voltamos a este mito em outro post, mas ele traz presente o tema dos triângulos amorosos que tanto complicam a vida de Libra.  Contudo, nem tudo são flores por aqui. Enquanto trafegar Libra Júpiter enfrentará o poder da morte e do renascimento em Plutão e a liberação das amarras sociais representadas pela oposição a Urano… Todos estes, movimentos relativos aos ciclos Júpiter-Urano e Júpiter-Plutão. Vamos assistir de perto e acompanhar com entusiasmo empolgação a esses desdobramentos. Certamente, há dinamismo e mudança no ar e isso também ajuda a melhorar o clima já a partir das próximas semanas. Júpiter ingressa em Libra na sexta-feira, às 09h19min, onde fica até as 10h20 do dia 10 de outubro de 2017.

crescent brooke shaden
Brooke Shaden Photography – Reprodução

A Lua abriu a semana na fase Nova e ficou crescente em Libra ao fazer semi-quadratura ao Sol. Ela se fortalece em Escorpião e formaliza o Primeiro Quarto em Sagitário. Fecha a semana já em Capricórnio. Na sua jornada faz contatos leves ou abrasivos, que vão enriquecendo sua história e vivência… A NOSSA vivência aqui na Terra!

Reprodução
Reprodução

SEGUNDA-FEIRA, 5 de setembro – A Lua entrou o dia vazia em Libra – ficou vazia depois da oposição a Urano, ainda ontem à noite. Ainda em Libra ela faz semi-quadratura ao Sol e entra na fase Crescente ou Semi-crescente. Ingressou em Escorpião às 10h39min, onde não faz maiores contatos, até fechar a noite em orbe de trígono a Netuno. O sol está hoje em conjunção ao Nodo Norte e já muito próximo do trígono a Plutão em Capricórnio. Mercúrio retrógrado logo fará a segunda oposição a Quíron. Saturno faz quadratura a Netuno, aspecto exato no sábado. O dia começa meio arrastado e temos dificuldade de concatenar as ideias, talvez precisando de uma dose extra de cafeína para acordar o corpo e a mente – a alma gostaria de continuar hibernando! Pelo fim da manhã as coisas começam gradualmente a entrar nos eixos e conseguimos aviar a agenda, compromissos e obrigações. O dia está propício lidarmos com problemas e situações inconvenientes, mas que precisam ser encarados com sensibilidade, mas sem romantismos, um clima favorável para olhar o demônio no olho, esteja ele em nós, no outro (que é reflexo de nós também) ou nos problemas à nossa volta. Temos estamina emocional para lidar com essas vicissitudes sem fraquejar ou sem ficar bodejando nossas misérias ao vento. Ganhamos mais se resolvemos as coisas com discrição, até porque assim, poupamos muita energia que seria desperdiçada em explicações, justificativas e falas desnecessárias. A sensação é de que não há nada, por pior que seja, que já não tenhamos visto. E isto, por mais duro que pareça, nos equipa com a capacidade de encarar as coisas como elas são e ainda conseguir ter um mínimo de empatia, por nós mesmos e pelo outro. 

Thegirlwiththelittlecurl - Reprodução
Thegirlwiththelittlecurl – Reprodução

TERÇA-FEIRA, 6 de setembro – A Lua cresce em Escorpião e faz sesqui-quadratura a Quíron, enquanto se depara com Lilith, com quem fica amalgamada, logo depois de fazer trígono a Netuno em Peixes. Mais tarde a Lua faz sextil a Plutão em Capricórnio e ao Sol Virginiano, que está em trígono a Plutão, exato amanhã. Para sermos luz precisamos primeiro confrontar nossa sombra e abraça-la, e aceita-la, e amá-la. Só assim ela deixará de nos assombrar e poderá ser transformada. Isso é algo que Escorpião sabe e entende bem, embora nem sempre tire proveito desta verdade. O dia pede que olhemos nossas fragilidades com compaixão e serenidade e que busquemos transformá-las, aceitando-as e amand0-as, ao invés de odiá-las ou sentirmos vergonha delas. Esse olhar profundo e perscrutador que dirigimos ao outro e ao mundo, precisa primeiro ser dirigido a nós mesmos, para purgarmos e depurarmos as impurezas que identificamos em nós, antes de percebermos aquela do outro. Essa purgação precisa ser temperada de compaixão e misericórdia, porque o objetivo não é cair prostrado diante da imagem negativa e tenebrosa de nós mesmos; antes, é o olhar do aprendiz, que cai e se levanta e começa de novo. Além de nos purificar, essa purgação pode nos redimir, de modo quen podemos recomeçar e renascer, como a Lua surgindo fina e nova no céu. Uma nova vida é possível todos os dias, depende do que fazemos com o tempo que nos é dado, com as escolhas que nos são colocadas. Podemos fazer tudo igual, do jeito amargo, resmungão, indiferente de sempre. E podemos fazer com o coração, com firmeza e verdade, sem ingenuidade, mas também sem amargor, sabendo que a vida está sempre a um passo de nos surpreender, a despeito de todas as desilusões e problemas… Estamos aprendendo! Sempre. Façamos a nossa parte, qualquer que seja ela com amor e alma, com verdade e com o nosso melhor. A vida é. A vida está. Estamos.

Catrin Welz-Stein - Reprodução
Catrin Welz-Stein – Reprodução

QUARTA-FEIRA, 7 de setembro – Atenção, porque estes trânsitos estão na Revolução Solar do Brasil! O Sol torna exato o trígono a Plutão em Capricórnio enquanto Vênus em Libra faz sextil a Saturno em Sagitário e quincunce a Netuno em Peixes. Ao mesmo tempo, de Escorpião a Lua faz trígono a Quíron, sextil a Mercúrio e a Júpiter em Virgem, ficando vazia após a conversa com Júpiter, às 22h44min. Ingressa em Sagitário às 23h20min. Um dia que parece ser uma trégua antes da tormenta. Há trânsitos muito favoráveis para compensar o peso do mundo sobre a nossa cabeça… É como se percebêssemos a terra devastada diante de nós e, em lugar de nos desesperar, nos resignamos e arregaçamos as mangas para reconstruir tudo a partir dos destroços. Mas Mercúrio, o regente do Sol, está retrógrado em Virgem, em oposição a Quíron e isso nos diz que nem tudo é tão direto e reto como gostaríamos. Ainda há muitas nuances e desdobramentos à frente, muita água para rolar debaixo da ponte, de modo que nem tudo é como parece agora. O dia traz uma intensidade que propicia esse olhar fundo para as coisas, a ponto de penetrarmos para além das aparências e mesmo quando a água está turva por demais, sabemos que ali é necessário ter cautela porque ela pode ser traiçoeira e esconder segredos fatais. Assim, munimo-nos de uma resiliência arguta, uma força serena de quem já viu muito e sabe que o jogo não acabou, talvez esteja só começando e enquanto estamos de pé, estamos no páreo! E vamos para o embate, confrontar a Sombra em nós, assim ela não nos amedrontará lá fora!

anigif-pressaoQUINTA-FEIRA, 8 de setembro – A Lua Sagitariana se junta a Saturno na briga contra Netuno em Peixes. Ela busca a ajuda de Vênus em Libra, que vai se aproximando da quadratura a Plutão, que por sua vez, vê o Sol se afastar do trígono. O dia está permeado de influências conflitantes, as emoções oscilam e ficamos predispostos rabugices e a nos sentirmos isolados. O clima também está corrido e impregnado de um tom de urgência, como se estivéssemos correndo contra o tempo para finalizar tarefas, pendências, trabalhando com prazos que nem são claros para nós. Assim, ocupamo-nos com várias atividades, talvez como reação a essa cobrança interna e à insegurança enorme que sentimos e que tentamos ignorar veementemente. Fazemos listas de tarefas e do que fazer e cobramos, duramente, não só a nós mesmos mas a outros também, o que pode nos indispor com muita gente. Sem perceber, patrolamos a vontade alheia e empurramos nossa opinião ou ordens goela abaixo de quem quer que seja – ou talvez sintamos que fazem isso conosco. Tato é algo completamente em falta no dia de hoje, quem tiver para vender ficará rico! Se estamos por demais inconscientes de nossas próprias inquietações e vulnerabilidades, podemos nos achar criticando a outros e cobrando padrões de excelência que são baseados em nossos receios e falta de autoconfiança, mas que não foram explicados àqueles que criticamos ou cobramos e isso pode azedar as interações, simplesmente porque as pessoas falham em perceber de onde estamos vindo com nossas exigências e porque nós não fazemos questão de nos explicar. Se você é chefe e pode ditar ordens sem maiores explicações, ótimo, mas isso ainda vai afetar o clima organizacional, que tender a ficar pesadão; se você é chefe de coisa nenhuma, prepare-se para oposição ou retaliações, porque ninguém está disposto a lidar com o resultado de suas inseguranças se você mesmo não lida com elas. Toda essa valentia e bravata é na verdade um mascaramento da grande vulnerabilidade e do reconhecimento inevitável de nossas limitações e daquelas coisas que estão além do nosso querer ou potência. Perceber isso e aceitar com humildade que não se sabe tudo – apensar de fingir que sabemos – já um grande começo para alcançar aquela paz de espírito e a esperança que tanto buscamos e que nos dará alento para enfrentar essas mesmas dificuldades, quando elas forem aceitas. E antes de vociferarmos ou nos sentirmos vitimizados pelo mundo, vale fazer um check-up das nossas próprias mazelas! Também vale checar comportamentos hipócritas – faça o que eu digo mas não faça o que eu faço desacredita qualquer um! Num tom mais positivo, podemos nos afinar com a grande determinação e nos incendiar de novo entusiasmo na busca de nossos propósitos, com sobriedade e maturidade, temperadas com uma boa dose de sensibilidade e charme. Temos escolha, juro que temos! É questão de respirar antes de reagir cegamente e ver qual a forma mais madura de agir!

Christian Schloe Digital Art - Reprodução
Christian Schloe Digital Art – Reprodução

SEXTA-FEIRA, 9 de setembro – Júpiter ingressa em Libra às 09h19min. A Lua oficializa o Primeiro Quarto, o quarto Crescente ao fazer quadratura ao Sol. A Lua também faz conjunção a Marte e mais tarde, quadratura a Quíron e a Mercúrio e trígono a Urano, aspecto depois do qual fica vazia, às 21h52min.  Mercúrio faz quincunce a Urano. A Lua oficializa o Quarto Crescente e sinaliza um momento em que precisamos fazer ajustes nos nossos projetos: limpar a plantação das ervas daninhas e talvez fazer alguma poda aqui e ali… É momento de fazer escolhas e concentrar a energia, sobretudo livrar-nos da nossa descrença e aridez, mas também das fantasias e quimeras vazias. Nem tanto à terra nem tanto ao mar! Como mediamos o realismo com a fé? Como diferenciamos otimismo de ilusões ocas? Em nível mais pessoal, há muitos conflitos em andamento: os sentimentos e necessidades parecem estar em desacordo com nossa natureza básica e com os projetos que são caros à consciência; o coração discorda da razão; o corpo discorda do espírito, de modo que ficamos meio perdidos e perturbados diante das escolhas a ser feitas e aqui precisamos ficar atentos para não agir levados pelo impulso imaturo e desmesurado, sem pensar antes, sem medir consequências, tendo que voltar e juntar os cacos depois… A quem escutamos, a quem atendemos? Não se trata, eu digo sempre, de escolher entre isso ou aquilo, mas antes, de somar isto E aquilo, achar a integração entre as diversas facetas conflitantes. Esses conflitos todos podem bem se manifestar como diversos compromissos e demandas que precisamos atender, ou diversas situações que gostaríamos de viver/estar mas não podemos por causa das leis da física, de modo que temos que fazer as escolhas ingratas. Essas escolhas também têm a ver com perceber e aceitar esses limites terrenos, a despeito de isso ser pesaroso para nossa alma. Júpiter ingressa em Libra, onde ficará por cerca de 13 meses, inaugurando um tempo de crescer através da atitude equilibrada e objetiva, da justiça, da ética e da busca pela conciliação. Buscamos maior cooperação nas nossas relações de modo geral e percebemos que sem ela, pouco podemos fazer. De que adianta crescer sozinho, prosperar sozinho, se a comunidade em que vivo está à míngua? Novas oportunidades surgem através das relações, particularmente para pessoas que têm planetas em Libra. Sendo um signo Cardinal, Júpiter traz movimento e dinamismo e sentimos que precisamos nos mover e fazer algo para voltar a nos desenvolver!

Reprodução
Reprodução

SÁBADO, 10 de setembro – E… Saturno faz a última quadratura a Netuno hoje! A Lua abre o dia vazia em Sagitário e ingressa em Capricórnio às 10h55min. Vênus segue em quadratura a Plutão e Mercúrio faz oposição plena a Quíron. Hoje sentimos duramente a dor de ver muitos dos nossos sonhos esmagados, muitas de nossas ilusões e sonhos perdidos e nos perguntamos se ainda há pelo que lutar, se vale a pena continuar… Precisamos nos lembrar que a vida é cíclica e tudo é processo, tudo está sendo e mesmo a dor e a desilusão tem seu lugar na ordem das coisas. Não podemos voltar atrás e mudar o que houve, não podemos alterar o passado, já foi, já aconteceu afinal, “a pessoa é caminho sem retrocesso”. Mas podemos nos conscientizar dos erros e equívocos que cometemos e que nos trouxeram a esse ponto de lamento em que nos encontramos, de modo a aprender para não repetir tais equívocos. Também é nossa tarefa tornar conscientes as fantasias e quimeras, dar-lhe um lugar no coração, porque elas ainda podem ser adubo para fomentar sonhos possíveis e passíveis de se realizarem. De qualquer forma, ainda precisamos nos comprometer, a despeito de nossas inseguranças, com a realização de tais sonhos, mesmo que eles demorem a se tornar palpáveis. É preciso acreditar em si mesmo, naquilo que se está fazendo e primar pelo melhor, pela integridade, porque isso nos levará a algum lugar e nos acalentará nos momentos mais difíceis, como este que atravessamos. A Lua propicia que esses enfrentamentos sejam feitos sem grandes dramas, com contenção, sobriedade, pesando prós e contras de todas as vivências e colocando-as no balanço das experiências que adicionam sabedoria. Vimos e vivemos e isso nos faz mais fortes, com sorte, também serenos e humildes, ao invés de amargos e azedos.

Reprodução
Reprodução

DOMINGO, 11 de setembro – Vênus em Libra está em quadratura exata a Plutão em Capricórnio, configuração que tem a adição da Lua, que faz conjunção a Plutão. A Lua também dialoga harmoniosamente com Netuno e com o Sol Virginiano. É domingo, mas nos sentimos orientados para atividades sóbrias e conscienciosas, ou mais tradicionais e reservadas. Talvez prefiramos ficar em casa em lugar de nos aventurar em alguma atividade duvidosa por aí afora… Isso porque temos necessidade de segurança, de coisas sólidas e previsíveis, mais do que diversões “bobas” que não passam de perda de tempo. O problema é que talvez não estejamos completamente conscientes da necessidade por paixão, drama e conflito que irrompe dentro de nós. Há um anseio bastante visceral por aproveitar a vida ao máximo, o que contrasta com a necessidade por segurança; mais do que isso, temos dificuldade em expressar o que sentimos, que por sua vez, discorda de outros desejos passionais e igualmente intensos, o que nos deixa tensos e inquietos, cindidos pelo conflito interior, que pode se refletir nas relações e interações. A arena mais provável desse drama se desenrolar são as relações afetivas, que ficam sujeitas a turbulências e momentos críticos. Porque queremos tudo ao mesmo tempo agora e temos dificuldade de conter esses desejos, podemos nos frustrar se o outro não corresponde ao que queremos ou necessitamos – até porque queremos que tudo seja à nossa maneira e outro quer à maneira dele – e isso pode descambar em comportamentos manipulativos ou jogos de poder em que um tentar provar que manda mais na relação, ou que vence o outro a qualquer custo. A coisa toda pode ser exaustiva e se tornar uma situação de perde-perde, esvaziando o vínculo do respeito e do carinho, ficando os jogos de poder. Mas não precisa ser assim. Se estamos conscientes dessas forças potentes e das contradições em nós, podemos encará-las e lidar com elas com honestidade, da mesma forma que lidamos com o outro, com verdade e justeza. E então, essa tensão toda, essa paixão toda pode se manifestar de maneira positiva, estreitando o vínculo, aproximando pessoas, aprofundando a intimidade, ao invés de esvaziá-la. O vulcão pode entrar em erupção, mas ao invés de expelir conflitos e discórdias, pode derramar a lava da paixão, do desejo e da cumplicidade. A energia está aí, à nossa disposição, explodindo dentro de nós… O que fazemos com ela, é de nossa inteira responsabilidade!

Uma semana serena e tranquila a todos!

Reprodução
Reprodução

Lua Nova e Eclipse Anular do Sol: É o que é e não o que você gostaria que fosse

Eclipse Solar em Virgem: o sol, a Lua Nova e o Nodo Norte em Virgem - Birth Chart Painting - Reprodução
Eclipse Solar em Virgem: o sol, a Lua Nova e o Nodo Norte em Virgem – Birth Chart Painting – Reprodução

A Lua é nova nesta quinta-feira, dia 1° de setembro às 06h03min no horário de Brasília e às 11h03min no horário de Lisboa. Esta lunação é também um Eclipse Anular ou Anelar do Sol, um eclipse que é total, mas devido ao fato de a Lua estar no seu apogeu, ou seja, no ponto mais distante da Terra, não cobre totalmente o círculo do Sol, ficando uma espécie de anel de fogo, magnífico, fascinante e ao mesmo tempo, assustador, ao redor da Lua daí o nome anelar ou anular.

Este é um eclipse bastante tenso, porque ocorre no mesmo dia em que o Sol faz quadratura exata, ou seja, ocorre em quadratura a Saturno em Sagitário e também em oposição a Netuno em Peixes, acionando mais uma vez essa configuração que tem estado ativa nos céus desde 2014. Saturno faz uma quadratura minguante a Netuno, uma quadratura que vai fechando o ciclo iniciado entre os anos de 1989 e 1990. Essa configuração simboliza um momento de grande depressão coletiva, de desalento e desânimo coletivos em relação à economia, à política às questões religiosas e espirituais; há uma sensação de grande desapontamento e desilusão no que tange a esses assuntos e esse aspecto está relacionado à depressão econômica. Também é associado a mortes nos cenários artísticos, musicais e de entretenimento em geral. Para entender melhor os significados dessa configuração, leia este texto.

Lua Nova e Eclipse Solar em Virgem - 1° de setembro de 2016, Brasília, 06h03min
Lua Nova e Eclipse Solar em Virgem – 1° de setembro de 2016, Brasília, 06h03min

Então, Lua e Sol fazem oposição a Netuno, um aspecto também bastante próximo, de pouco mais de um grau e fazem quadratura a Saturno, aspecto de menos de um grau. Como se não bastasse, Marte está envolvido na equação, tendo iniciado um novo ciclo Marte-Saturno na semana passada e ambos, Marte e Saturno são o ponto focal da configuração de Cruz T ou T-Square que nasce da oposição Lua-Sol-Netuno. Esse eclipse vem acionar grandemente os temas da configuração, como eu já disse várias vezes, uma semana antes de a última quadratura exata entre Saturno e Netuno ocorrer. A partir de outubro essa configuração vai se desfazendo e as coisas começam a ficar um pouco mais leves. No mapa do eclipse levantado para Brasília, essa grande configuração cai exatamente nos ângulos: Sol e Lua no Ascendente, Netuno no Descendente e casa 7 e Marte-Saturno caindo no IC, Saturno vindo da casa 3 e Marte já na casa 4. Há um tom básico muito claro a respeito dessa configuração: Caia na real! Os véus caem e agora finalmente podemos ver o que de fato está em jogo, agora enfrentamos nossas ilusões e fantasias tolas e vãs e não há para onde correr, ou enfrentamos e crescemos ou crescemos e enfrentamos. Há uma sensação de dor e lamentação diante de uma realidade que é muito fria e muito dura, mais do que podemos suportar, mas não tem jeito.

Por outro lado, Sol e Lua estão conjuntos ao Nodo Norte, que representa o futuro e a direção que devemos tomar. O Nodo Norte em Virgem nos diz que devemos empreender um esforço consciente para discriminar as informações, para trazer um senso de ordem ao nosso cotidiano, para darmos adeus às ilusões infantis de esperar que um salvador ou uma mãe boazinha venham tomar conta de nós e resolver nossos problemas. Sol e Lua junto ao NN nos apontam a necessidade de desenvolvermos autossuficiência, realismo, discriminação e seleção criteriosa dos fatos. Netuno está conjunto ao Nodo Sul, sugerindo esse desejo, esse anseio de salvação e de continuar vivendo no engodo, porque é mais fácil: prefiro continuar vivendo essa mentira dourada a ter que lidar com essa realidade cinzenta… prefiro não saber, prefiro continuar na névoa… Mas, sinto muito, não vai dar! Não vai dar, não! The game is over! Se insistimos em não ver, seremos patrolados pela vida, por essa realidade que está aí e a cada round a coisa se tornará mais e mais difícil, portanto, a hora de crescer é essa! Nos últimos dois anos viemos lidando com isso: com uma aterrissagem forçada na terra das duras realidades; caindo do mais alto dos céus, no mais duro dos chãos, expulsos do paraíso, sem chances de retorno, sem apelação.

Pawel Kuczynski - Reprodução
Pawel Kuczynski – Reprodução

Mercúrio, regente da Lua Nova e do eclipse, está no fim de Virgem, retrógrado, começando sua descida trimestral ao Mundo Inferior; começando sua recapitulação do processamento de informações dos últimos três meses. Mercúrio retrógrado em Virgem sugere um período em que precisamos rever nossos métodos e nossa técnica, a forma como trabalhamos e como nos comunicamos na esfera do trabalho; a maneira como organizamos nosso cotidiano e como cuidamos do corpo e da saúde; como selecionamos o que é útil e o que não é na nossa vida… Tudo isso passa por uma grande revisão e reavaliação e essa retrogradação dá ênfase ao eclipse – ou seria o eclipse que dá ênfase à retrogradação? É um caso de retroalimentação, na verdade. Porque eclipses sinalizam conclusões e encerramentos na área de vida em que ocorrem, um momento em que podemos tomar atitudes e nos liberar de atavismos e comportamentos ocos e sem sentido e se Mercúrio já está fazendo uma revisão geral sobre tudo isso, então, aproveitamos a chance! É unir a fome com a vontade de comer! Felizmente para nós Mercúrio está enquadrado neste mapa por Júpiter e Vênus, os dois queridinhos chamados de Grande Benéfico (Júpiter) e Pequena Benéfica (Vênus). Essa configuração de enquadramento em que se encontra Mercúrio talvez queira nos dizer que no fim, isso é para um Bem Maior, por mais doloroso e amargo que o remédio seja agora – Mercúrio também faz oposição a Quíron em Peixes – o resultado final é positivo, ou seja, lá na frente talvez percebamos o porquê de tudo isso, e talvez as coisas façam sentido, mesmo que isso não ocorra agora.

Visibilidade do eclipse - não será visível no Brasil, a não ser, parcialmente, em João Pessoa, segundo algumas fontes.
Visibilidade do eclipse – não será visível no Brasil, a não ser, parcialmente, em João Pessoa, segundo algumas fontes. Esta imagem é captada do site da Nasa.

Como já sabemos, eclipses não acontecem de maneira fortuita, saídos do nada. Eles pertencem a famílias, as chamadas Séries Saros e analisar a família à qual o eclipse pertence adiciona mais pistas sobre seus temas e possíveis manifestações. Este eclipse pertence à Série Saros 135 na nomenclatura da Nasa (Série Saros 19 Norte, na nomenclatura da Dra. Bernadette Brady, astróloga estudiosa de eclipses da Inglaterra). O primeiro eclipse desta série ocorreu em 5 de julho de 1331, no Polo Norte. E olha só – é por isso que eu adoro astrologia! – como as coisas se repetem: neste mapa do primeiro eclipse, Netuno está também conjunto ao Nodo Sul, só que desta vez, em Capricórnio! Há também uma T-Square Mutável que tem por base Vênus e Júpiter em oposição, desembocando em Saturno em Virgem (o eclipse desta quinta faz conjunção a este Saturno!). Saturno e Netuno estão em trígono bastante próximo e poucas semanas antes houve também uma conjunção Marte-Saturno, uma vez que Marte está em conjunção ampla, de 9 graus, e separativa a Saturno. Se consideramos Quíron em Peixes, temos formada, na verdade, uma Grande Cruz Mutável, pois Quíron está em oposição a Saturno – lembra que no mapa do eclipse atual Quíron também está proeminente recebendo a oposição de Mercúrio? – quer dizer, os temas são muito parecidos! Embora haja alguma diferença nos cenários e nos figurinos, os atores são os mesmos! A Dra. Bernadette Brady, em seu livro The Eagle and the Lark, diz que esta série de eclipses fala de “realismo, uma volta à realidade. O indivíduo se torna consciente de uma situação antiga e a percebe como ela é, ao invés de como ele/ela achava que era. Esse pode ser um momento construtivo de enfrentar a verdade”. Então, o tema principal desta família de eclipses é o enfrentamento da realidade; o fim de ilusões seguido de novos começos baseados na verdade. Situações antigas têm grande potencial de serem esclarecidas e finalizadas. E o resultado é a liberação e a leveza.

Série Saros 135 - 5 de julho de 1331, 19h45min, horário de Brasília
Série Saros 135 – 5 de julho de 1331, 19h45min, horário de Brasília

Pessoas que têm planetas ou ângulos entre os graus 4 e 14 dos signos mutáveis (Gêmeos, Virgem, Sagitário e Peixes) sentem mais fortemente as energias deste eclipse. Vale a pena desacelerar, fazer exercícios de ancoragem e aterramento, porque em períodos de eclipses tendemos a ficar mais irritadiços, tensos e há propensão às coisas saírem do nosso controle, porque é uma energia que não se controla. No final texto geral sobre eclipses há uma parte sobre os efeitos dos eclipses nas casas do mapa natal – dê uma olhada. Além disso, você pode também verificar o que estava acontecendo na sua vida em 1° de setembro de 1997, que foi a última vez que ocorreu um eclipse no grau 9° de Virgem. Outra data que vale a pena checar é 22 de agosto de 1998, a última vez que ocorreu um eclipse da Série Saros 135, que traz esses mesmos temas de agora. Não necessariamente você precisa lembrar do que ocorreu no dia exato, mas sim no período, semanas antes e depois. Os temas certamente estão interligados.

Martin Stranka - Reprodução
Martin Stranka – Reprodução

A temporada de eclipses é aberta com este Eclipse Solar na quinta-feira e é encerrada com o Eclipse Penumbral da Lua no dia 16 de setembro, a 24° de Peixes. Durante este período de duas semanas, precisamos ser mais cautelosos porque estamos mais suscetíveis. É um tempo estranho, em que parece que transitamos entre mundos, o tempo adquire uma qualidade diferente e o ar fica mais denso. O eclipse solar nos predispõe a agir de forma mais inconsciente e instintiva, visto que é o Sol que é eclipsado e o Sol representa a consciência, enquanto a Lua é a reatividade e a instintividade. Portanto, se pudermos nos poupar de estresses e pressões desnecessários, fazemos muito bem. Precisamos fazer o que nos é requerido: encerrar o que precisa ser encerrado, enfrentar o que deve ser enfrentado. Lidar com as coisas como elas são, sem tentar encobri-las ou dourar a pílula, porque por mais tensos que estes eclipses sejam, eles trazem um momento de crescimento e maturidade no nosso processo evolutivo. “Aceita, que dói menos”, diz aquela frase e é assim que precisamos encarar este momento porque há coisas que são maiores do que nós e resistir e lutar contra elas só irá nos desgastar e convenhamos, é insanidade. Precisamos também ser humildes e lembrar que somos apenas uma gotinha no oceano que logo irá se evaporar e nem rastros deixaremos para trás… Então, percebamos tudo como um grande processo de evolução e aprendizado para nós como seres humanos, mas principalmente, percebamos que o universos é muito maior do que nós e não podemos ter a pretensão de entender o que acontece na faixa de tempo  de uma mera vida humana, quando a vida em si mesma é infinita e trata de ciclos milenares. Encarar nossa pequenez e insignificância nessa escala de coisas também é parte desse enfrentamento. E, por incrível que pareça, torna tudo mais leve. Como deve ser. Basta de adicionarmos peso extra desnecessário. Cuidemos do que os cabe, do que é da nossa alçada. Se nos responsabilizamos por nós e nossas escolhas, por sermos mais íntegros, já estamos a meio caminho andado. O resto, vamos aprendendo no que sobra do caminho! Busquemos a leveza, simplifiquemos a vida. Aceitemos essa realidade, porque só assim seremos capazes de mudá-la!

Veja o significado dos próximos eclipses por casa no Mapa Natal
Veja o significado dos próximos eclipses por casa no Mapa Natal – Clique na imagem para ampliá-la

Feliz Novo Ciclo para você! Que seja leve e que traga as liberações e amadurecimentos necessários!

Jialu-d374z6i - Reprodução
Jialu-d374z6i – Reprodução

A Semana Astrológica Enxergando a Realidade Como Ela é

balsamic buzzSemana de 29 de agosto a 04 de setembro: tempo de eliminar o velho para dar abertura ao novo; tempo de encarar a dura realidade e crescer com ela

Nesta semana o Sol percorre o caminho já trilhado por Mercúrio e Vênus e se defronta com o imbróglio Saturno-Netuno (o Sol faz quadratura a Saturno e oposição a Netuno), além de conflituar também, mais à frente, com Marte em Sagitário. É curioso que o Sol venha fazer aspectos a estes dois planetas exatamente uma semana antes da última quadratura exata entre eles, que se dará no dia 10 de setembro. É como se o Sol estivesse a iluminar poderosamente tudo o que esta configuração simboliza para nós, última chance de apreender seus sentidos e significados e fazer as devidas modificações ou soltar o que precisa ser soltado, especialmente porque o Sol faz quadratura exata a Saturno no mesmo dia em que é eclipsado pela Lua Lua Nova e Eclipse Anular Solar – Entenda melhor os significados gerais dos eclipses. O Astro Rei também se indispõe com Urano por sesqui-quadratura, sugerindo irritações e lapsos de incoerência que vêm e vão, mas que nos tiram o sossego, como algo que fica ali, na sombra do coração, a querer nos alertar, embora não consigamos lembrar em cheio do que se trata. Esse aspecto nos deixa predispostos a agir por impulso, a replicar de forma crítica e inconsciente, à ordem rígida em que estamos inseridos. O Sol também faz conjunção ao Nodo Norte que atualmente trafega Virgem, apontando o tempo dos eclipses. Mas o Sol também faz mais, ele traz a oportunidade de nos conscientizarmos uma vez mais sobre nosso destino e nossos propósitos maiores. Isso é particularmente válido para aquelas pessoas que têm o Nodo Norte em Virgem (e o Sul em Peixes), que estão vivenciando um Retorno Nodal, tendo a chance de se realinharem com seus propósitos e a direção de vida escolhida por sua alma para esta encarnação.

River Bank of Truth
River Bank of Truth

Mercúrio entra em retrogradação em Virgem no dia 30 de agosto. Nesta semana ele retorna e se abraça afetuosamente a Vênus e a Júpiter logo após estacionar e engatar a marcha a ré. Na verdade, ocorre um movimento interessante: Mercúrio fez conjunção a Vênus no dia 16 de julho, a 05° de Leão. Passou por ela bem afobado, na carreira… Agora no dia 29 ele estaciona e Vênus o ultrapassa – quase que lembra a estória da lebre e da tartaruga – Mercúrio ficando estacionário a apenas 20 minutos de distância de Vênus e a cerca de um grau e meio de Júpiter, um fato que eu acredito, seja bastante auspicioso para este ciclo de retrogradação, que se concluirá em trígono exato a Plutão, no dia 22 de setembro. Então, em termos gerais, está aberta a temporada trimestral de revisão de pensamentos, processos mentais, comunicação, conceitos, ideias e pontos de vista e opiniões. Especificamente em Virgem, a retrogradação convida a revisar nossa técnica e a maneira como exercemos o sagrado ofício do nosso trabalho. Leia mais sobre Mercúrio retrógrado em Virgem.

venusVênus, depois de ficar em queda por algumas semanas, ingressa em Libra, signo de sua dignidade. Em Libra Vênus traz presente o mito do seu nascimento, a partir do sêmen de Urano no mar. Urano é da primeira geração dos deuses gregos. Deitou-se com Gaia e nasceram os Titãs. Mas Urano, o Deus Celeste hiper idealista, rejeitou seus filhos, que ofendiam seu olhar reformador por serem excessivamente ctônicos e terrosos, imperfeitos como Gaia, a Mãe Terra. Então ele os prendeu no tártaro. Saturno, um dos seus filhos conspirou com sua mãe e uma noite, quando Urano veio se deitar com Gaia, Saturno o castrou com uma foice. Atirou os genitais ao mar e do sêmen nasceu Afrodite, a deusa do amor e da beleza. Do sangue que caiu na Terra nasceram as Fúrias. A Vênus Libriana é a própria Afrodite nascendo do sêmen Uraniano, da castração de um Deus Celeste que primava por ideais de Perfeição. Assim também é Vênus em Libra: sempre em busca do relacionamento perfeito, da parceria de perfeito equilíbrio. Nessa equação não necessariamente há amor. Há, sim, equidade, parceria, afinidades. Vênus em Libra tem senso estético apurado, sendo extremamente graciosa, refinada, classuda e muito sintonizada com as regras sociais e com aquilo que é aceitável. É apaixonada pela ideia da parceria, de ser um casal, talvez mais do que pela própria pessoa à sua frente, assim, nem sempre ela se relaciona com a pessoal real, mas sim com uma imagem que tem dessa pessoa, especialmente quando Netuno está presente. Seu senso de justiça também é muito acentuado e ela vai esperar que haja reciprocidade em absolutamente tudo, a ponto de às vezes se ter a impressão de que há uma conta corrente do dar-e-receber na relação. De fato, as relações laterias implicam equilíbrio no dar e receber, mas Vênus leva isso bem ao pé da letra e vai ficar esperando o retorno quando faz algo bom. Valoriza muito a paz, a harmonia e por causa disso tende a evitar confrontos, a ponto de parecer que carece de personalidade ou de caráter em algumas situações. É que Libra realmente tem essa capacidade de ver todos os ângulos de uma questão, mas essa tendência de evitar conflitos pode ter como resultado exatamente o oposto: ela acaba por se indispor com todos aqueles que tentou agradar, a todo custo. No fim, quando esses conflitos se tornam inevitáveis, Vênus em Libra pode ser tão ou mais feroz do que o pior dos Arianos: torna-se competitiva e vingativa – não esqueçamos que foi Afrodite quem iniciou a Guerra de Tróia! E aqui, nessa faceta menos nobre, ela encarna Hathor, a Deusa Egípcia da alegria, da maternidade, do feminino e da beleza, mas que virava uma guerreira sanguinária quando entrava em batalha – Vale lembrar também das Fúrias, que nasceram do mesmo evento que deu origem a Afrodite. Vênus em Libra precisa aprender a valorizar-se, independentemente do olhar do outro e precisa aprender a ver o outro como ele realmente é, para além da possibilidade de ser um parceiro afetivo. Esse posicionamento confere também gosto refinado e olhar clínico para coisas de valor, gosto para a arte, a música e também para as leis, além de grande senso de justiça.

Annibale Carracci - Júpiter e Juno
Annibale Carracci – Júpiter e Juno

Marte já ganhou velocidade e vai gradativamente se separando a passos largos de Saturno. Agora ele se prepara para confrontar Quíron, movimento que ocorre em algumas semanas. Enquanto isso, vamos fortalecendo nossa vontade e recuperando nosso senso de potência. Júpiter, por outro lado, chega ao fim de Virgem e se despede do signo de sua debilidade. Certamente ele estará bem mais confortável em Libra, já que Libra é um signo que prima também pela justiça, um tema que está sob a alçada de Júpiter. E se em Virgem a justiça e expansão Jupiterianas acontecem por meio das coisas pequenas e prosaicas, concretas e palpáveis, em Libra isso se dá através de conceitos mais refinados e abstratos, através da civilidade e da capacidade de viver em sociedade e respeitar as regras do convívio social. Em Libra Júpiter também favorece os casamentos, já que este é o signo das uniões oficiais, o que nos lembra da união de Júpiter e Juno, sua parceira oficial com quem ele vivia em pé de guerra, devido às suas infinitas escapadas e traições, ás quais Juno/Hera não perdoava. Júpiter ingressa em Libra no dia 09 de setembro, onde fica até 10 de outubro de 2017.

eclipse milky way
Reprodução

A Lua abre a semana na fase Balsâmica em Câncer. Finaliza o ciclo em Leão e se renova em Virgem, na quinta-feira, numa Lunação que é também Eclipse Total do Sol e que vem nos desafiar a deixar de vez o passado para trás e a olhar para o futuro, para o Norte das nossas aspirações, para o Norte do nosso desenvolvimento.

Brooke Shaden Photography - Reprodução
Brooke Shaden Photography – Reprodução

SEGUNDA-FEIRA, 29 de agosto – Mercúrio estaciona às 10h03min, a 29°01’ de Virgem para entrar em retrogradação, enquadrado por Júpiter e Vênus, os dois Benéficos. Vênus, que tinha recebido a conjunção de Mercúrio em 16 de julho, agora o ultrapassa em direção a Libra e faz uma conjunção meio reversa, em que é Vênus quem vai ao encontro dele. A Lua está Balsâmica em Câncer e se harmoniza com Júpiter, Mercúrio e Vênus em Virgem, ficando vazia depois do contato com Mercúrio, às 03h24min. A Lua ainda se desafina com Marte e ingressa em Leão às 05h12min, de onde faz trígono a Saturno já à noite. Vênus ingressa em Libra às 23h07min, onde ficará até o dia 23 de setembro. O dia traz uma harmonia calma ou uma calma harmônica, mas é uma calma talvez enganosa, porque intuímos que é apenas uma trégua temporária, que nos permite respirar um pouco antes do próximo round – esta semana tem Eclipse Total do Sol! Paramos e olhamos ao redor para identificar onde estamos, para guardar na memória detalhes que funcionem como pontos de referência, um tipo de mapeamento – ou talvez, como João e Maria, saímos deixando pistas na trilha, para conseguir encontrar o caminho de volta. Temos, pois, uma influência favorável para começar a semana de maneira organizada, coesa e estruturada; para fazer nossos back-ups e check-ups e para analisar, pausadamente, o que é que precisa mais da nossa atenção e que tenta atraí-la de forma gritante. O dia traz insights claros e muito lúcidos sobre o que precisamos fazer e onde precisamos ir, qual é o próximo passo, subir ou descer. Revisão de ideias, caminhos, tarefas e métodos estão na lista. É como uma voz que grita: “para tudo!” E nós paramos para ouvi-la, porque vale a pena escutar! Essa é a voz interna, poderosa, nítida e lúcida. A voz da sabedoria, ancestral, arcaica… A voz da Lua Balsâmica olhando para o futuro: o que nos espera? Meditamos e contemplamos no silêncio do nosso coração e decidimos que não vamos esperar que nada aconteça a nós – nós é que iremos acontecer ao que quer que encontremos pelo caminho! Não desperdice essa vibe!

Catrin Welz-Stein - Reprodução
Catrin Welz-Stein – Reprodução

TERÇA-FEIRA, 30 de agosto – De Leão, a Lua Balsâmica se desentende com Netuno em Peixes e com Plutão em Capricórnio, mas se afina com Marte em Sagitário, fechando a noite em trígono a Urano e quincunce a Quíron. Mercúrio está oficialmente retrógrado a partir das 10h03min. Um dia de contradições profundas e desconcertantes. Queremos brilhar e chamar a atenção para nossos feitos, mas algo parece estar fora de lugar, porque não parece legítimo e nos vemos pressionados internamente a ceder o holofote ou a atenção para alguém mais, o que nos deixa ressentidos e inseguros internamente. Mas, longe de isso nos fazer parar, talvez resolvamos encarnar a prima-dona e encenar grandes dramas no melhor estilo “falem mal, mas falem de mim”, até que a ficha caia e percebamos que nos enredamos numa teia intricada e difícil de desemaranhar, o que nos deixa meio tímidos e desengonçados, porque nos sentimos agudamente expostos. Sim, comportamento meio infantil, mas que é iluminado para ser eliminado. Contudo, fazemos melhor se utilizamos todas essas energias e influências para uma autorreflexão, para iluminar nossos próprios processos e proceder com as devidas finalizações e conclusões, ao invés de investir nos dramas desnecessários. Podemos nos sintonizar com uma reserva de autoconfiança e motivação, para concluir pendências de modo satisfatório, que trazem um senso de realização concreta pela coisa em si, como também pela liberação que a conclusão traz. E então concentramos grande energia e vigor nesse intento. Mas precisamos de atenção, porque, se antes era a insegurança, agora é a obsessividade pode nos fazer perder em objetividade e quando vemos, não sabemos mais porque nos lançamos com tanto empenho em todas essas situações – será que estamos ritualizando outras conclusões além daqueles visíveis diante de nós? Se assim for, talvez a ideia até seja válida, mas ainda é preciso ter consciência e clareza de porquê o fazemos. Bom senso é fundamental! O dia pede alguma cautela porque há necessidade de contenção e de se poupar energias para a próxima etapa. É inútil fazer investimentos grandiosos, além do estritamente necessário, porque a terra descansa, é inverno, os dias são propícios ao recolhimento e à limpeza. Lembremos disso antes de nos empenharmos em ideias afoitas que talvez não levem a lugar nenhum. É mais útil eliminar aquilo que não serve mais, abrindo espaço para o novo entrar.

Reprodução
Reprodução

QUARTA-FEIRA, 31 de agosto – A Lua Leonina e Balsâmica formaliza o quincunce a Quíron e o trígono a Urano, ficando vazia logo depois, à 01h20min. Ingressa em Virgem somente às 12h22min e faz apenas uma sesqui-quadratura a Plutão em Capricórnio, aproximando-se aos poucos depois da conjunção ao Sol, que está em sesqui-quadratura plena a Urano. A Lua olha mais profundamente para o futuro e os nossos sonhos podem trazer visões e presságios poderosos nesta noite. Que mudanças precisamos fazer em nós mesmos, nossas atitudes e comportamentos que ainda não ficaram claros até aqui? Que parte dessa criança que nós somos precisa ser deixada para trás? Certamente aquela parte birrenta e irascível, a parte que gosta de se quedar vítima do sofrimento – criado por nós mesmos – e das próprias queixas lamuriosas. Quando é possível, a mudança deve ser providenciada; quando não é, a situação deve ser aceita, com humildade e maturidade, do contrário, nossa vida fica miserável e vai parecer sempre fora do nosso controle. Assim, o dia traz essas visões de futuros possíveis a partir das muitas possibilidades de mudanças, mudanças empreendidas por nós, madura e consistentemente. Entretanto, precisamos estar cientes de nossas contradições internas no que tange ao comprometimento que empenhamos nos nossos objetivos – será que são mesmo esses objetivos que alimentam o nosso coração? – do contrário, quando menos esperamos resolvemos chutar o balde num rasgo de autossabotagem que põe tudo a perder no momento crucial. A manhã fica propícia a essas reflexões e às elucubrações sobre como manifestar os potenciais criativos no próximo ciclo; já a tarde fica mais industriosa e prática, de modo que procedemos com as últimos limpezas e aragem do terreno onde lançaremos a rica semeadura dos nossos sonhos e projetos na Lua Nova de Virgem.

Eclipse Anelar do Sol - Reprodução
Eclipse Anelar do Sol – Reprodução

QUINTA-FEIRA, 1° de setembro – A Lua faz conjunção ao Sol a 09°21’ de Virgem, às 06h03min, num Eclipse Anelar do Sol – que é também total, mas como a Lua está muito distante do Sol, temos um anel ao redor do eclipse. O eclipse ocorre em quadratura de menos de um grau a Saturno – o Sol está em quadratura exata a ele hoje – e oposição muito próxima a Netuno e quadratura mais ampla a Marte. A Lua ainda faz sesqui-quadratura a Urano e trígono a Plutão e estes aspectos também são importantes nesta Lua Nova. Um eclipse que vem jogar ênfase sobre a quadratura pesada e dolorosa de Saturno e Netuno, que perdura nos céus desde 2014 é tudo o que precisávamos para fechar com chave de ouro essa configuração. Um novo ciclo é inaugurado, em que precisamos nos sincronizar com a ordem da natureza, que traz intrínseca em si a semente do caos e da desconstrução das verdades nebulosas, que nem sempre são condizentes com a realidade.

Tiia Reijonen on Behance - Reprodução
Tiia Reijonen on Behance – Reprodução

Este eclipse fala de deixar para trás as ilusões infantis e de encarar a realidade como ela é. De abrir bem os olhos e ver. Ver com os olhos físicos, com os olhos da alma, com os olhos da intuição, com os olhos internos que enxergam mais longe e que só estiveram fechados porque assim nos escolhemos. Abrimos os olhos e vemos a luz excruciante da verdade de dilacera nossa visão. E abrimos os ouvidos. E  ficha cai, finalmente. E cai de forma estridente, a tinir no tímpano dolorosamente. Esse momento de cair na real pode ser muito duro, porque os véus são descerrados e podemos finalmente ver o que antes eram apenas borrões obscuros. Infelizmente, o que vemos não é nada agradável, mas talvez seja tarde demais para voltar atrás, porque o leite já se derramou e não há retorno. Contudo, há aprendizados que, embora sejam duros como sopapos bem dados no meio das nossas fuças, são bastante válidos e talvez agora aprendamos a dura lição. É preciso deixar as ilusões tolas e o passado fossilizado e oco para trás e inaugurar uma vida nova de cara limpa. Por mais difícil que seja a realidade, pode ser um momento construtivo de lidar com a verdade e de crescer. Em termos práticos, a Lua Nova e Eclipse em virgem favorece a eliminação de maus hábitos e comportamentos nocivos que afetam nosso corpo e saúde negativamente – pode ser um ótimo momento para deixar de fumar, por exemplo, ou para eliminar quaisquer outros hábitos que prejudicam a qualidade de vida – e também nosso trabalho e vida cotidiana em geral. É hora de inaugurar hábitos novos e mais saudáveis, de forma que possamos ter uma vida de mais qualidade e muito mais sentido.

Veja o significado dos próximos eclipses por casa no Mapa Natal
Veja o significado dos próximos eclipses por casa no Mapa Natal
Kirrei.com - Reprodução
Kirrei.com – Reprodução

SEXTA-FEIRA, 2 de setembro – O Sol Virginiano faz oposição plena a Netuno em Peixes, enquanto Mercúrio faz sua segunda conjunção a Júpiter. A Lua segue renovada por Virgem e hoje faz oposição a Quíron, quincunce a Urano e conjunção a Mercúrio e a Júpiter, ficando vazia às 19h13min depois deste contato. A Lua ingressa em Libra às 21h56min. Nosso desejo e necessidade por ordem e perfeição são desafiados ao máximo hoje e nos encontramos miseravelmente dispersos, incoerentes e fragmentados em muitas direções. Além do senso de ordem e estrutura, falta-nos a confiança que nos permitiria ir atrás de nossos objetivos de forma destemida e, como não conseguimos ser suficientemente assertivos e seguros, nossa autoestima fica ainda mais vacilante, de modo que se não vigiarmos, entramos num círculo vicioso doentio e de difícil saída, porque sentimo-nos bastante impotentes para modificar traços em nós mesmos e situações ao nosso redor. Podemos ficar nessa espiral destrutiva por horas e dias. Mas, a sensibilidade que nos faz vacilar é a mesma que nos permite manifestar nossos dons criativos e nosso grande altruísmo, de modo que podemos usá-la em benefício de outros, o desafio é exatamente fazer isso de maneira coesa, como um serviço que oferecemos de bom grado, em lugar de nos sentir vítimas das circunstâncias e até de nós mesmos. A consciência aguda de nossas limitações pode, ao invés de nos colocar para baixo, ser o trampolim de onde damos impulso para mergulhar fundo naquilo que podemos realmente transformar e manifestar criativamente. O pano de fundo mental absorve todas as nuances e variáveis, mas consegue rever onde podemos ter errado no passado, de modo que agora podemos usar esses mesmos erros como lições e aprendizados que nos estimulam a fazer melhor e mais conscientemente desta vez. Sobretudo, precisamos ser humildes e nos ater ao que é possível, sem exigir de nós mesmos ideais de perfeição irrealizáveis e, por isso mesmo, frustrantes. Viemos de uma fonte divina e para lá voltaremos, mas, por enquanto, ainda precisamos lidar com esse plano de limitações que devem ser aceitas, mas isso não deve embotar a fé em nós mesmos, porque a principal lição é acreditar em nós próprios, a despeito de todas as nossas dificuldades e falhas. Olhar para dentro e perceber que a despeito de todos os erros e defeitos que percebemos em nós, no centro há o núcleo indestrutível e perfeito e é esse senso de integridade que deve nos guiar.

Reprodução
Reprodução

SÁBADO, 3 de setembro – A Lua está em Libra e faz conjunção com a dona da casa, Vênus. Mais tarde a Lua também se afina com Saturno enquanto se desentende com Netuno. O Sol segue em oposição a Netuno e quadratura a Saturno e Mercúrio vai seguindo seu caminho descendente no Mundo Inferior, incitando-nos a fazer nossas revisões profundas de pensamentos e ações. Um momento de calmaria e análises mais desapegadas de todas as confrontações por quê passamos: talvez consigamos digerir os resultados sem tantos dramas e com alguma sobriedade, sem ficar chorando ou nos lamentado, afinal, agora é bola para a frente, é acordar para o que dá para consertar e eliminar o que não tem conserto. Em termo práticos e pontuais o dia favorece encontros leves que dispensem os assuntos densos, porque nem nós nem o outro temos muita clareza de nossos sentimentos e reações, de modo que estamos suscetíveis a nos sentir ofendidos ou ignorados num assunto que seja mais sensível, portanto, se não temos certeza de que nossa audiência irá respeitar o que temos a dizer, melhor guardar o assunto para outra ocasião ou para ouvidos mais atentos e respeitosos e ficar nas trivialidades leves, mas seguras.

Reprodução
Reprodução

DOMINGO, 4 de setembro – A Lua Libriana conversa animada com Marte em Sagitário, mas arruma uma baita confusão com Plutão e com Urano. Como se não bastante, ela ainda se irrita com Quíron e fica vazia às 21h32min, depois da briga com Urano. O Sol está em conjunção exata ao Nodo Norte em Virgem. O amanhecer traz tensões difíceis de digerir e impossíveis de evitar: precisam ser encaradas e resolvidas na lata! Com o dia começando já neste clima tenso, ficamos estressados e indóceis, porque lutamos por uma harmonia e uma conciliação que parecem distantes, uma distância inversamente proporcional ao esforço com que buscamos essa harmonia. Precisamos usar de honestidade emocional nas nossas crises e dilemas, especialmente naqueles que envolvem os afetos e as relações em geral: será que secretamente não investimos em tais crises para nos sentir vivos e importantes para aqueles das nossas relações? O dia também requer muita cautela porque estamos impulsivos, de modo que podemos agir precipitadamente, piorando as situações com nosso comportamento imprevisível, altamente reativo e talvez um tanto infantil. No fundo, desconfiamos de nossas emoções e sentimentos, que hoje são intensos e voláteis e só nos impulsionam em direção à criação de mais drama e mais conflito. O que precisamos é perceber essa necessidade de nos sentirmos realmente vivos, com toda a intensidade a que achamos que temos direito e para isso, podemos nos engajar em atividades estimulantes e criativas, que nos façam entrar em contato com as emoções tumultuadas e selvagens que convulsionam o coração, de modo que elas sejam canalizadas construtiva e visceralmente, a ponto de transformar a forma como enxergamos a nós mesmos e aos nossos processos emocionais mais profundos. Podemos convidar as mesmas pessoas com quem travávamos os embates acalorados e descobrimos que a briga a favor é tão ou mais estimulante do que a briga contra e de quebra, ainda aprendemos mais uns sobre os outros e isso, ao invés de nos afastar, nos aproxima porque percebemos que o outro está atrás do mesmo que nós: harmonia e crescimento, então, por que não podemos buscar isso juntos? Por todos os motivos descritos acima, em termos práticos o dia requer cautela nas interações devido à propensão a conflitos e também no trânsito, devido à grande impetuosidade e precipitação.

Desejo a você uma semana de bênçãos e crescimento! Que essa realidade tão dura seja administrável e nos faça, de fato crescer! ótima semana!

Andrea Clare

Tiia Reijonen on Behance - Reprodução
Tiia Reijonen on Behance – Reprodução

A Semana Astrológica – Você é grafite ou diamante?

 Halawa heights, Hawaii - Desconheço o autor - Reprodução
Halawa heights, Hawaii – Desconheço o autor – Reprodução

Semana de 22 a 28 de agosto – Semana de alta pressão e extraordinária tensão, mas também de formidáveis oportunidades de sincronizarmos nosso tempo pessoal com o universal. O período é propício a análises, avaliações, encerramentos, descartes e limpezas físicas e energéticas e de visualização do futuro.

Jules Breton - Reprodução
Jules Breton – Reprodução

Movimentos importantes ocorrem nestes dias. O primeiro deles é a ingressão do Sol em Virgem na segunda-feira, inaugurando o período de sermos mais precisos, acurados, de refinarmos nossa técnica e método; de purificarmos nossos propósitos, de modo que reflitam os anseios mais profundos de nossa alma. Tempo também de trabalhar a integridade interior, o senso de inteireza e de autossuficiência. Virgem é o signo do trabalho, do ofício que nos permite não só ganhar a sobrevivência, mas colocar nossos dons a serviço do outro, a serviço do todo. Mas o trabalho, quando não tem esse sentido do sacrifício, ou ofício tornado sagrado, pode se tornar escravidão ou sacrifício involuntário e doloroso. Virgem sabe bem o que é usar o trabalho para fugir de questões cruciais, para fugir de si mesmo e dos próprios dilemas. Parece que Nietzche falava diretamente a essa Virgem negativa quando disse “todos vós, que amais o trabalho desenfreado, o vosso labor é maldição e desejo de esquecerdes quem sois” – Nietzche, em Assim falou Zaratustra.

Jules Breton - Reprodução
Jules Breton – Reprodução

O trabalho enobrece o homem, diz aquele antigo provérbio, mas nobre também é a desculpa do trabalho, quando o usamos para mascarar nossos problemas familiares, emocionais, quando o usamos para nos defender do mundo. E numa semana em que temos toda essa energia Virginiana ativada (Sol, Vênus, Mercúrio, Júpiter), somada à conjunção Marte-Saturno em Sagitário, vale também lembrar Fernando Pessoa: “não é o trabalho, mas o saber trabalhar, que é o segredo do êxito no trabalho. Saber trabalhar quer dizer: não fazer um esforço inútil, persistir no esforço até ao fim e saber reconstruir uma orientação quando se verificou que ela era, ou se tornou, errada”. É isso ou podemos nos encontrar frustrados e doentes em algum momento, por não saber discernir entre o trabalho que liberta e aquele que escraviza, entre a hora de esperar, a hora de desistir e a hora de continuar.

Jules Breton - Reprodução
Jules Breton – Reprodução

Temos atualmente Sol, Vênus, Mercúrio, Júpiter em Virgem; Plutão em Capricórnio; e ainda a Lua trafegando Touro por cerca de três dias – ou seja, uma quantidade massiva de Terra ativada nos céus, incitando-nos a sermos práticos, a buscar e focar na segurança, nas coisas palpáveis, no que podemos ver e tocar. Estabilidade e previsibilidade tornam-se coisas de suma importância e isso pode nos levar ao comportamento de retranca, em que evitamos a mudança por medo de comprometer a estabilidade, pelo mero medo de mudar. Também há pouca energia cardinal e fixa, sendo preponderante a energia mutável, o que pode nos deixar dispersos, ocupados com coisas menores, com detalhes, perdendo a perspectiva maior das coisas. Ou, podemos simplesmente procrastinar e enrolar e nisso perdemos um tempo precioso. Portanto, precisamos ficar vigilantes quanto às nossas justificativas para fazer – ou não fazer – o que fazemos. O tempo é precioso e o elemento Terra sabe disso, mas nesta semana pode se perder nos detalhes – não podemos nos dar a esse luxo, porque a determinação a que podemos recorrer precisa e deve ser usada para coisas maiores, sob pena de nos desgastarmos e perdermos o fio da nossa meada.  Além da forte energia de Terra ativada nos céus, não há nada nos signos de Ar, a não ser quando a Lua trafegar o signo de Gêmeos (quarta a sexta). Se, por um lado isso traz pragmatismo, senso acurado de realismo, pé no chão como já enfatizamos acima, por outro, adiciona peso e talvez pessimismo, principalmente por causa dos aspectos que os planetas Virginianos fazem a Saturno e a Netuno. Portanto, precisamos vigiar as lentes através das quais olhamos para a vida, para que não sejam sombrias demais e nem sejam um caleidoscópio desvairado que perturba o julgamento apropriado das coisas.

conflito internoMarte faz conjunção a Saturno em Sagitário (aspecto partil na quarta-feira) e quadratura a Netuno em Peixes (aspecto exato na sexta), enfatizando o fechamento dessa configuração, que se dará daqui a algumas semanas e precedendo a segunda temporada de eclipses do ano. Marte simboliza nossa vontade, a força realizadora individual, nossas ambições pessoais e o princípio de auto-afirmação, da agressividade no seu sentido mais neutro, da agressividade necessária à sobrevivência. Quando em contato com dois planetas tão contraditórios entre si, representa um tempo em que nós nos percebemos muito contraditórios em nossos desejos, vontade e no nosso modus operandi: “Quero, mas não quero… Será que quero? Talvez não queira… Quero, com toda a força de cada gota do sangue que circula em minhas veias… ah! Mas será que vale a pena, será que consigo?” Esse diálogo interno segue, ora nos enchendo de resiliência, ora minando a autoconfiança e se não estamos perfeitamente cientes dos nossos processos internos, de toda essa oscilação, temos a sensação de que é o mundo que nos bloqueia e obstrui. No meio disso tudo, a consciência precisa discernir e identificar o essencial: há um tempo para tudo. Qual é o meu tempo? Será que ele está alinhado com o tempo da vida e do universo? Como transferir um ideal etéreo, excelso e intangível para o plano do tangível-temporal? Pode ser muito frustrante lidar com as limitações que o real impõe aos nossos anseios pelo sublime… Mas a nossa tarefa é achar meios de conciliá-los.

Reprodução
Reprodução

Marte, ao fazer contato com essa quadratura Saturno-Netuno, e que estão num embate colossal atualmente, representado pela quadratura cíclica minguante Saturno-Netuno, traz para o plano pessoal e individual os efeitos dessa configuração, tornando a sensação de desamparo e desilusão lancinantes em alguns momentos; a sensação do peso do mundo a nos alquebrar e esmagar. Mas também significa que temos o compromisso pessoal e intransferível de tentar mudar aquilo que nos desilude e abate tanto, seja em nós mesmos e no mundo ao nosso redor. Se identificamos que estamos muito infelizes na situação em que nos encontramos, temos que fazer algo para mudar, ao invés de reclamar. Se nos vemos impossibilitados de mudar a situação, mudamos a nós mesmos, à nossa postura e atitude, ou a forma como enxergamos a situação toda. É isso que Urano nos responde ao ser cutucado por Marte através dessa sesqui-quadratura: a verdadeira reforma acontece de dentro para fora e é centrada no indivíduo! Claro, podemos nos fazer de sonsos e simplesmente continuar a reclamar, até que a bomba caia na nossa cabeça – quem sabe assim a gente acorda!

Reprodução
Reprodução

Com essa configuração Marte-Saturno-Netuno ficando exata por toda a semana, sentimos dificuldade de expressar nossa energia e vontade de forma satisfatória, porque parece que sempre há algo a nos bloquear e impedir. Queremos avançar e realizar, mas lidamos com toda a sorte de coisas nos segurando e atrasando. Obviamente isso dá nos nervos e gera muita irritação, intolerância, frustração, impaciência azedando o humor e deixando-nos predispostos a embates e a rebater as menores bobagens com grande agressividade, especialmente porque Marte está, atualmente, Fora de Limites por declinação, ou seja, está mais selvagem e descontrolado do que nunca, demandando ainda mais cabeça fria da nossa parte. Só que essa besta selvagem, ao pular os muros da prisão que o cerceava, descobre lá fora um domador intransigente – o que é mais forte, a besta selvagem ou o domador? Nessa briga, Saturno sempre leva a melhor, é questão de hierarquia e o fato de Marte estar Fora de Limites apenas adiciona mais tensão, portanto, cautela para não sair batendo a cabeça nas paredes por aí! Marte-Saturno é um contato que sugere tamanha frustração, que sentimos o impulso de bater a cabeça na parede. Outra analogia geralmente utilizada para este contato é a sensação de se dirigir com o freio de mão puxado. Marte em contato tenso com Saturno também aponta para o perigo de acidentes, especialmente aqueles causados por falta de atenção e de irritação e frustração. A propensão a discussões e agressividade também fica bastante acentuada, portanto, é preciso cautela em tudo o que fazemos, principalmente no trânsito. Atividades físicas que não envolvam grandes riscos podem funcionar como escape para toda essa energia represada. Pessoas hipertensas ou que têm problemas cardíacos também precisam ficar atentas à sua medicação, porque Marte rege o sangue e Saturno tende a enrijecer e comprimir as artérias.

Lissy Elle Larichia - Reprodução
Lissy Elle Larichia – Reprodução

A adição de Netuno piora um pouco o quadro. Mas Marte-Saturno também traz as qualidades da determinação, da persistência e da resiliência, somadas à disciplina e ao esforço concentrado e estratégico e o que nós precisamos fazer é ficar atentos a nós mesmos para nos afinarmos com a expressão mais elevada dessas influências. Para isso, precisamos olhar para dentro e ver qual é a ferida aberta da vez e, se estivermos afinados, perceberemos que não é o mundo que nos bloqueia, mas a nossa própria insegurança e ambivalência que invoca as obstruções externas; visto de outra forma, talvez estejamos fora de sincronia com o tempo certo das coisas e a vida vem e nos diz: “Calma! É devagar que as coisas vão dando certo. Confie em mim, no meu tempo e jeito é melhor!” Assim, precisamos lidar e sanar essas frustrações, ao invés de culpar os outros por nossos próprios dissabores; sintonizar com nossas maiores ambições e insistir nelas, aguardando o tempo certo de agir; todas as travas e obstáculos servirão para forjar nossa vontade. Os atrasos e barreiras aparentes oferecem oportunidade de nos organizarmos melhor, de trabalharmos com mais disciplina, sem deixar espaço para equívocos – dessa forma, o sucesso será garantido, a despeito dos embaraços e obstruções.

Reprodução
Reprodução

Como que para equilibrar toda essa frustração, temos Júpiter também super ativado nos céus da semana. Prestes a deixar o signo de Virgem (ingressa em Libra no dia nove de setembro), Júpiter recebe as conjunções de Vênus e Mercúrio – três vezes, no caso de Mercúrio, devido à retrogradação. Esses movimentos vêm nos estimular e animar a seguir em frente, a despeito de todas as dificuldades, obstáculos e frustrações e da aridez do ambiente em que nos encontramos. É como o papai acenando de braços abertos lá na frente para a criancinha que está aprendendo a andar e sai trôpega, cai aqui, cai acolá, feliz, ansiosa, amedrontada, mas insistindo, porque afinal, tem um prêmio ali na frente: o papai a me aplaudir e a euforia gerada pelo próprio senso de realização e conquista que esses pequenos passos significam. Então, Júpiter vem equilibrar o pessimismo e a descrença. A oposição a Quíron sugere que temos que lidar com limitações incontornáveis, que desafiam essa fé, mas ainda assim, não precisamos ficar amargos e azedos; antes, nos humanizamos e atribuímos significado a essas limitações, que no fundo, também são parte daquilo que somos, são parte dos aprendizados que viemos vivenciar nesta dimensão e nesta vida que nos foi dada.

Jason Levesque - Reprodução
Jason Levesque – Reprodução

Vênus, que é extremamente reservada e seletiva em Virgem, torna-se mais leve e espontânea nesse contato com Júpiter. Contudo, Vênus também faz quincunce a Urano em Áries e oposição a Quíron em Peixes. Esses contatos sugerem um período em que nos percebemos mais generosos e magnânimos nas nossas relações, mas há um tom agridoce colorindo os afetos: apesar de toda a minha generosidade, eu ainda preciso lidar com as fragilidades e imperfeições do outro diante de mim e isso é doloroso duplamente, porque me lembra da minha limitação na ajuda que ofereço – eu não posso ajudar quem não quer ser ajudado – e me lembra também das minhas próprias limitações e fragilidades. A autoestima fica comprometida porque temos afloradas algumas inseguranças antigas e a dúvida primal que nos faz questionar se somos dignos de ser amados a despeito desse nosso lado torto e sem conserto. Se não conseguimos entrar em contato com nossa própria dor e inadequação, atraímos pessoas que parecem frágeis e quebradiças, que precisam ser resgatadas e nós imediatamente assumimos o encargo de resgatar e curar essa alma ferida, às vezes sem perguntar se ela quer ser resgatada. Já sabemos o desfecho possível desse enredo: tentamos impor ao outro nossos métodos de salvação, com a melhor das intenções; apaixonamo-nos pela possibilidade do resgate e do que isso fará por nós e talvez nos desapontemos quando o outro se recusar a ser resgatado, ou até mesmo, quando o outro se negar a admitir que tem um problema e precisa de ajuda. Podemos magoar e ser magoados dolorosamente, quando só queríamos cuidar. A regra de ouro da ajuda é respeitar a vontade e o limite do outro, confirmar se ele quer nossa atenção e amparo – só assim nossos préstimos poderão ser salutares e curadores, do contrário, só criaremos mágoas, para nós e para os outros. Aceitar nossos limites se faz mais que necessário nesta semana. Muitas vezes, achar alguém que parece mais frágil do que nós nos faz sentir fortes e, se de fato precisamos ser gratos pelos privilégios que temos, há que se vigiar o investimento que se faz na relação de poder que se estabelece entre o aparentemente fraco e o pretensamente forte. Quem ajuda quem? Quem precisa ser resgatado, realmente?

LifeIsTooShort - Reprodução
LifeIsTooShort – Reprodução

A semana começa com a Lua ainda na fase Cheia/Disseminadora em Áries, mas ficando Minguante na quinta-feira em Gêmeos, o que sinaliza um  período de finalizações e revisões do que foi realizado no período e também do quanto nos perdemos nos meandros das muitas ideias e detalhes que povoam nossa mente. A Lua encerra o período ficando Balsâmica em Câncer, no domingo. Na sua jornada cíclica, ela se relaciona com todos os demais corpos celestes, seja de forma sensível, harmoniosa, conciliadora, cooperativa ou de maneira desastrada, zangada, manipuladora, beligerante, incoerente, frustrada… Refletindo a gangorra dos nossos sentimentos e emoções. Nota: Ainda é possível ver o alinhamento planetário após o por do Sol: Vênus, Júpiter, Mercúrio bem próximos e logo acima, mais no alto do céu, Marte e Saturno. Vale a pena olhar o céu da boca da noite por estes dias!

Reprodução
Reprodução

SEGUNDA-FEIRA, 22 de agosto – O Sol ingressa em Virgem hoje, às 13h31min. A Lua Ariana fez conjunção a Urano, quincunces a Vênus, Júpiter e Mercúrio em Virgem. Ficou vazia às 8h50min e ingressa em Touro somente às 18h20min, de onde fará trígono ao Sol já em Virgem. Mercúrio está em conjunção plena a Júpiter hoje. Embora haja grande impulso para a ação e a iniciativa, o dia está mais propício a dar cabo às coisas inacabadas que a energia Ariana deixou por finalizar na sua pressa e impaciência. A Lua fica vazia por todo o dia, sugerindo que peguemos leve com os “que fazer”, porque não há objetividade suficiente para começarmos coisas ou irmos atrás de resoluções e definições, principalmente porque não há nenhum planeta em Ar no dia de hoje. Se insistimos, podemos apenas nos irritar e nos deparar com situações inesperadas que talvez nos façam perder tempo e recursos e percebemos que erramos na decisão e na medida das coisas, de modo que somos obrigados a prender do jeito mais difícil. Com essa tripla conjunção Vênus-Mercúrio-Júpiter em Virgem, fazemos melhor se tiramos o dia para vivenciar o amor pelo conhecimento de alguma forma, que pode expandir as fronteiras da nossa mente e também nossas perspectivas. Podemos também colocar algumas ideias e planos no papel para que possamos elaborá-las melhor, analisando seus aspectos mais positivos e luminosos e também suas inadequações, percebendo que as inadequações das ideias não são necessariamente inadequações nossas, portanto, não precisamos ficar inseguros e defensivos.

Photobox - Reprodução
Photobox – Reprodução

TERÇA-FEIRA, 23 de setembro – A Lua está em Touro e faz sesqui-quadratura a Vênus, sextil a Netuno e quincunces a Marte e Saturno, que estão em conjunção quase exata, em Sagitário. A Lua ainda faz sesqui-quadratura a Mercúrio e Júpiter e depois forma um Grande Trígono de Terra com Vênus e Plutão. Mercúrio já está bem desacelerado e prepara-se para sua retrogradação, que começa na semana que vem. Vênus está próxima da oposição exata a Quíron. O dia se desenrola então, com um vagar e uma preguiça paralisantes, e que, se não percebermos a tempo, podem nos cobrar um preço alto depois. Ao mesmo tempo que temos um grande impulso de realização, o impulso igualmente forte pela inercia de faz presente, de modo que é necessário muito força de vontade para irmos a campo, para entrar em ação. Somado ao excesso de cautela e à hesitação, podemos perder oportunidades, porque não levantamos a tempo ou porque não nos esforçamos o suficiente… E o pior: nosso lapso gera uma grande irritação, culpa e auto-rejeição, de modo que podemos ficar de maus bofes pela falta de gerenciamento do tempo e dos recursos. O fim do dia traz maior possibilidade de mudarmos a vibração e nos afinarmos com o que precisa ser modificado, de modo que nos engajamos com as atividades com maior disposição e determinação. É preciso vigilância, ou viramos pedra de sal!

Reprodução
Reprodução

QUARTA-FEIRA, 24 de agosto – Marte faz a conjunção partil a Saturno, culminado uma tensão que vem se acumulando há várias semanas. Vênus está em oposição, também partil, a Quíron em Peixes. A Lua Taurina faz sextil a Quíron e trígono a Vênus, Júpiter e Mercúrio em Virgem, ficando vazia às 16h38min, depois do contato a Mercúrio. Ingressa em Gêmeos às 20h40min. Toda a Terra ativada vem nos dar suporte e ancoragem no dia de hoje, de modo que conseguimos contenção e firmeza para lidar com os desafios vários que o dia e o período nos trazem: insegurança, medo, fragilidade, somados a grande tensão, pressão elevadíssima e muita frustração – até em termos literais a Terra pode nos ajudar: se sentirmos que estamos prestes a explodir ou implodir sob toda a pressão, uma caminhada de pés descalços pela terra pode deveras nos ajudar! O dia traz a chance de observarmos nossas frustrações bem de perto e de percebermos quais são os gatilhos que acionam nossa ira e cólera. A forte energia corre por nossas veias feito lava incandescente de vulcão, mas tanta cólera pode ser usada e canalizada para fins benéficos, se conseguirmos parar na fração de segundos que precede a grande explosão, mobilizando a mesma energia de forma estratégica e astuta, ao invés de ficar à mercê dela e da nossa raiva infantil e destrutiva.

Almagnus - Reprodução
Almagnus – Reprodução

Como não há nenhuma Ar ativado, não há objetividade, clareza ou distanciamento e levamos tudo para o pessoal, enfurecendo-nos mais facilmente, assim, é essencial respirar, e respirar, e respirar de novo, profunda e pausadamente. A respiração oxigena o sangue e os glóbulos vermelhos e, consequentemente, todo o organismo, procedendo com a limpeza do gás carbônico que envenena o corpo e a mente, além de propiciar esse distanciamento e reflexão mínimos antes da ação. Por falar em carbono, este elemento origina dois minerais muito diferentes, tanto em uso quanto em valor: o grafite e o diamante. A diferença fundamental entre o grafite e o diamante está diretamente ligada à pressão e ao calor a que os minerais foram expostos. O diamante se forma em condições de de altíssima pressão e calor, a partir do magma no interior da Terra: camadas e camadas de magma depositadas umas sobre as outras ao longo de séculos e milênios, que resultam nessa pedra preciosíssima, símbolo de resistência, beleza e luxo. No diamante, os átomos são extremamente condensados, no grafite eles são frouxos, já que foram expostos a muito menos pressão e calor. Assim é Marte quando misturado a Saturno e a Netuno: podemos virar grafite, que tem suas qualidades e usos ou podemos virar diamante, que tem outras qualidades, além de valor mais elevado – tudo depende de quanta pressão nós aguentamos. Então, quando pensarmos em toda a pressão e tensão que estamos experienciando e aguentando, em lugar de reclamar, lembremos que estamos expostos a uma pressão que pode nos tornar diamantes: pedras preciosas, resistentes, de valor inestimável. Tornar a dificuldade em aprendizado, tornar a fragilidade em fortaleza: burilemos o diamante que somos nós! Conseguimos aguentar a pressão sem sucumbir a ela?

Reprodução
Reprodução

QUINTA-FEIRA, 25 de agosto – A Lua Geminiana fica minguante ao fazer quadratura ao Sol Virginiano. Mas, uma vez que o Sol já está em orbe de oposição a Netuno e de quadratura a Marte-Saturno, temos formada uma ampla Grande Cruz Mutável, pois Dona Lua se opõe quadra Netuno e se opõe a Marte-Saturno. A Lua ainda faz quincunce a Plutão e Vênus faz outro quincunce a Urano, enquanto ainda se afasta da oposição a Quíron. Marte está a menos de um grau da quadratura a Netuno. A Lua vem adicionar mais turbulência à tempestade Marte-Saturno, criando um circuito fechado, sem saída, em que ou lidamos ou lidamos com qualquer que seja a crise em que nos percebemos. É um beco sem saída e só nos resta enfrentar aquilo que nos amedronta – a parte boa é que podemos descobrir que nossos medos faziam o bicho parecer maior e mais feio do que de fato é! O dia traz, pois, grande conflito entre nossa natureza interna e as necessidades emocionais, de modo que temos dificuldade em expressar o que realmente queremos, porque nem nós temos clareza disso. Como se não bastasse, sentimo-nos abandonados, negligenciados e isolados, o que resulta num humor depressivo, que oscila vertiginosamente na tentativa de provar a nós mesmos que estamos bem – montanha russa é pouco para descrever tantos altos e baixos.

Reprodução
Reprodução

As interações estão contaminadas de insegurança, equívocos, confusões, irritação, defensividade, senso de menos-valia, verborragias e ansiedade – receita de desastre! Assim, antes de sairmos para o mundo, hoje faz-se mais que essencial termos clareza de quem somos e do queremos, além das possíveis ambiguidades inerentes a isso; termos ciência de nossas dificuldades e inseguranças, para não imputá-las aos outros; acharmos nosso centro; para não ficarmos paralisados nas encruzilhadas e armadilhas mentais que dispersam energia e tempo. Também precisamos checar nossas sensibilidades, para que elas estejam a nosso favor, e não contra nós. É difícil, mas é possível e a respiração adequada ajuda a manter um mínimo de salubridade mental e emocional e nos auxilia, de modo que não espiralamos no caos, especialmente quando nos deparamos com toda a sorte de imprevistos que nos tiram do eixo ainda mais. Manter as coisas em perspectivas também é fundamental: perceber a transitoriedade da vida e das coisas faz com que percebamos o que é essencial e o que é supérfluo. A Lua ficando minguante na quadratura Gêmeos-Virgem oferece a chance de nos livrarmos do excesso de pensamentos, opiniões e conceitos que assoberbam e atrapalham nossa realização; como anda nossa comunicação, nossos estudos e a forma como mudamos nossos conceitos; ajuda na filtragem que separa a borra do líquido precioso; o detrito inútil, da quintessência primordial. Livremo-nos dos excessos mentais, dos detalhes insignificantes e fiquemos com a substância nuclear – o que é isso? Só você pode saber!

Reprodução
Reprodução

SEXTA-FEIRA, 26 de agosto – Marte finaliza sua Via Sacra hoje ao fazer a famigerada quadratura a Netuno, exata hoje, que tanto tem doído e frustrado nossos desejos. A Lua está minguante em Gêmeos e faz quadratura a Vênus, Júpiter e Mercúrio em Virgem e a Quíron em Peixes, formando uma Cruz T bem chatinha e difícil de lidar. A única ajuda vem um tímido sextil a Urano, que realmente não é páreo para tanto caos. A Lua fica vazia às 21h32min, depois da quadratura a Mercúrio. Excessos mentais, verbais e emocionais tornam o dia um turbilhão, um furacão. Temos pouca qualidade cardinal e nada em signos fixos, quase tudo é mutável, então, estamos soltos, largados, sem nada onde nos agarrar, a não ser nossa própria substância e sanidade, que é posta à prova repetidamente. Cabeça, corpo e coração estão em descompasso e isso nos torna super indecisos sobre os rumos a tomar; os afetos também oscilam, trazendo mais discrepâncias; estamos mais que suscetíveis emocionalmente, reagindo desmesuradamente à menor brincadeira, porque nos sentimos incompreendidos e rechaçados. Nesse cenário, o caminho de menor resistência, o mais tentador, é simplesmente não fazer nada e tentar enfiar a cabeça na areia para fugir do mundo, tal é o desânimo e a confusão. Contudo, se por um lado poderia ser aconselhável esperar o turbilhão passar, por outro, nem sempre podemos nos dar a tal luxo e temos que resolver as coisas na hora.

Mihai Christe - reprodução
Mihai Christe – reprodução

Antes de tudo, uma dose enorme de humildade para percebermos que não damos conta de tudo e que nosso desejo de onipotência é apenas fuga da insegurança colossal que nos acomete. Segundo, eleger nossas prioridades, buscar a conciliação nos conflitos internos e externos, até que possamos nos elevar acima do caos aparente e da dor aguda emocional. O tempo todo respirando de forma consciente, contendo a defensividade, mantendo em cheque a reatividade e buscando nos afinar com a sensibilidade que aproxima ao invés de afastar; com a compaixão e solidariedade que nos fazem ver que estamos todos no mesmo barco, então, o outro já não é um inimigo, mas um parceiro; e ainda, com a grande imaginação que, em lugar de devaneios irrealizáveis, pode fornecer as chaves não óbvias que finalmente abrem a porta que esteve o tempo todo ali, mas que não víamos, porque estávamos perdidos demais olhando para nosso próprio umbigo e pequenos problemas. Se nada disso funcionar, ainda vale lembrar: isso também vai passar!

Brooke Shaden Photography - Reprodução
Brooke Shaden Photography – Reprodução

SÁBADO, 27 de agosto – A Lua ingressa em Câncer, seu domicílio, à 00h07min, de onde se afina com o Sol em Virgem. Depois disso a Lua entra numa sensível e amorosa sincronia com Netuno em Peixes, mas cutuca, irritantemente, a Marte e a Saturno em Sagitário. Fecha a noite em oposição não exata a Plutão em Capricórnio. Vênus faz conjunção plena a Júpiter. Aos poucos vamos conseguindo assimilar e processar as crises que experimentamos nos últimos dias, ganhando acesso a um maior entendimento de nós mesmos e de nossas emoções. Hoje elas parecem fazer mais sentido e talvez nos perguntemos porque agimos como agimos. Mas, como diz o ditado, não adianta chorar sobre o leite derramado! O que nos resta agora é limpar o fogão e procurar outro leite ou substituto que o valha! Assim, o dia traz uma vibração sensível e delicada, que expõe a vulnerabilidade emocional, ao mesmo tempo em que nos permite digerir o turbilhão da semana. Mesmo assim, ou, talvez exatamente por isso, há que se ter cautela porque ainda há muita tensão e irritabilidade que se prolonga na atmosfera, deixando-nos predispostos a alguns rompantes que ocorrem repentina e inesperadamente, deixando o clima carregado e turvo. É necessário nos acalmarmos e desacelerarmos a mente e o coração, para que possamos nos sintonizar com a intuição mais acurada, permitindo que a cura interna possa se dar. Resguardo e solitude podem ser profundamente curadores e regeneradores, assim como aquela comidinha que traz conforto e que aquece o coração. Fica a dica!

Reprodução
Reprodução

DOMINGO, 28 de agosto – A Lua Canceriana e Minguante faz oposição a Plutão em Capricórnio e semi-quadratura ao Sol em Virgem, entrando na fase Balsâmica. A Lua faz ainda sesqui-quadraturas a Marte e Saturno e também a Netuno, virando foco de um Martelo de Thor por várias horas. Faz trígono a Quíron e quadratura a Urano, fechando a noite em sextil a Júpiter, Vênus e Mercúrio em Virgem. O dia traz uma atmosfera tensa e dramática e, embora sejam de natureza diferente, traz também novas crises e conflitos, com os quais precisamos lidar. Sentimo-nos ameaçados por nossas próprias emoções contraditórias e, se inconscientes por demais, podemos projetá-las sobre os outros das nossas relações, antecipando abandono, rejeição e ódio, que nada mais são do que reflexo do que sentimos em relação a nós mesmos. Isso nos faz agir de maneira errática, extremista, manipuladora e infantil, de modo que podemos criar exatamente as situações que tentamos evitar. Entretanto, também podemos nos afinar com o espectro mais positivo e criativo de todas essas influências, permitindo que o lado maternal e cuidador, saudável e maduro venha à tona, curando e aliviando dores e sofrimentos, não só os nossos, mas dos outros também. Podemos, ao invés de manipular, usar de honestidade emocional para falar abertamente sobre como nos sentimos, aprofundando vínculos e laços, em lugar de afastar as pessoas. Usar nossa amorosidade e generosidade para construir relações mais transparentes e genuínas, que sejam, de fato nutritivas e viçosas, maduras e sãs e não artificiais ou baseadas em dependências opressoras.

Reprodução
Reprodução

E, ao chegarmos ao final desta semana extraordinariamente desafiadora, perceberemos algo ainda mais extraordinário: sobrevivemos! E nos damos conta de que somos mais fortes e resilientes do que imaginávamos! Portanto, é com isso que precisamos nos sintonizar: com nossa fortaleza e capacidade de lidar com a vida do jeito que ela se apresenta, com seus altos e baixos, seus desafios e oportunidades, sem nos apegarmos excessivamente nem a um nem a outro. E talvez, o principal aprendizado de todos seja esse: TUDO PASSA! “E todos estes que aí estão, atravancando o meu caminho, eles passarão. eu passarinho!” (Mário Quintana)

Linda semana para você! Que seja serena e cheia de c-alma!

Reprodução

Reprodução
Reprodução

A Semana Astrológica: Esbandalhados

Ming Inspirational Art - Reprodução
Ming Inspirational Art – Reprodução

Semana de 30 de maio a 05 de junho

Semana caótica, de grande ansiedade, dispersão e desânimo, mas propícia a limpezas e finalizações.

Depois de um mês afastada, estou de volta! Agradeço a todos pelos pelos bons sentimentos e vibrações elevadas. A vida dá suas voltas e revezes e a gente tem que se ajustar… Aos poucos as coisas vão entrando nos eixos.

areia movediça
Reprodução

Esta semana começa com a Lua Minguante – ficou minguante no domingo, 29, em Peixes – e se renova na Lua Nova de Gêmeos à 00h00min (sim, pontualmente!) do domingo, dia 05. A fase lunar convida a reflexões, avaliações e eliminações daquilo que não serve mais… Mas no geral é uma semana caótica, nebulosa, complicada, que se arrasta como se andássemos em areia movediça – quanto mais tentamos sair, mais afundamos. Esbandalhados ficamos e neste caso, só muita resiliência e centramento para combater tanto desânimo e dispersão! O Sol, que ingressou em Gêmeos no dia 22, defronta-se com vários desafios capciosos, armando uma Grande Cruz Mutável ao se opor a Saturno em Sagitário e quadrar Netuno em Peixes e Júpiter em Virgem. Todos estes desafios também são enfrentados por Vênus, que segue o Sol de perto – tendo ela ingressado em Gêmeos no dia 24 – já preparando-se para a Conjunção Superior Sol-Vênus que acontecerá na segunda, dia 6.

Antonio Mora, artista espanhol - Reprodução
Antonio Mora, artista espanhol – Reprodução

Júpiter acabou de formalizar a quadratura a Saturno, uma quadratura minguante, a última deste ciclo de aproximadamente 20 anos (19,9 anos, precisamente). Uma quadratura que simboliza os tempos de crise econômica, moral, religiosa e política que atravessamos. Na esteira dessa quadratura Sol e Vênus engrossam o angu e formam uma Grande Cruz, pois fazem, ambos, quadratura a Netuno em Peixes, oposição a Saturno em Sagitário e quadratura a Júpiter em Virgem. Esta Grande Cruz fica formada por toda a semana, avançando até meados de junho. Um período que requer muita cautela da nossa parte, pois nada está claro, tudo se confunde e se mistura num caleidoscópio de muitas cores e borrões confusos… Um cenário vai se desenhando à nossa frente, que culminará nos próximos dias: a mediação de sonho e realidade dentro de nós; a integração de limites responsáveis que não nos impeçam de crescer e de expandir nossas ideias e ideais; sonhar com os pés no chão ou manter-nos ancorados enquanto deixamos nossa imaginação voar e alimentar nossa criatividade… No meio disso tudo, podemos incorrer no equívoco de nos ocupar em demasia ou de, egoicamente, espiralar em verborragias vazias que apenas denunciarão a inflação desse mesmo ego descompensado. Entramos em um período frenético de atividades diversas, mas que precisam ser bem administradas para que sejam proveitosas, do contrário, apenas nos causarão desgaste e chateações, deixando-nos ainda mais vazios ao final e pior, sem termos realizado nada de efetivo. É preciso buscar estímulos mentais com sabedoria: estímulos que alimentem e expandam nosso conhecimento e não apenas ocupem espaços e causem preocupações inúteis e tolas.

Clara Lieu - Reprodução
Clara Lieu – Reprodução

Todas essas ideias que surgem agora, nascem do confronto de muitos dissabores e decepções; de termos apostado alto em fichas enferrujadas, ocas, sem lastro… A T-Square Júpiter-Saturno-Netuno está super ativada por esses dias, indicando, mais do que nunca, o momento em que a esperança e as ilusões são fragmentadas irrevogavelmente: o que nos resta agora? Por Deus, onde é que fomos amarrar nosso burro? Essa é a hora da verdade, e de ainda permanecer atentos aos possíveis engôdos que nos espreitam logo ali, que podem ser engendrados e fertilizados exatamente por esses desenganos; de prestarmos atenção às estórias bonitinhas que vão sendo contadas, mas que ainda escondem o ranço de velhas práticas, que já deveriam ter sido, há muito ultrapassadas… Deixar que as ilusões sejam fragmentadas e que sejamos nós também, fragmentados em nossa infantilidade e desejos de que uma mãe salvadora cuide de nós… Desconstruir as ilusões e engôdos é o passo necessário para que a reconstrução aconteça.

Reprodução
Reprodução

É realmente necessário sentar o pé no chão na hora de desenhar essas novas ideias e ideais e nos assegurar de que tenham lastro ou continuaremos a chapinhar neste lamaçal hediondo. Não nos deixar abater pelos cenários sombrios, mas nos imbuir de um otimismo mais pé no chão ou um realismo mais esperançoso no enfrentamento da realidade dura diante de nós e dos desafios que nos aguardam. Em tempo: este cenário astrológico também está mais que favorável para novos engôdos sejam arquitetados diante do nosso nariz, com nossa anuência, sem que nos demos conta, talvez até, aplaudindo de pé. Todo cuidado é pouco! No momento, na dúvida sobre o que fazer, é melhor não fazer nada e aguardar até o caminho esteja mais claro e limpo, porque com todo esse nevoeiro, o risco de cair no precipício é enorme!

Reprodução
Reprodução

Mercúrio, atual regente do Sol e de Vênus, voltou ao movimento direto e gradualmente vai recuperando terreno e retomando sua boa forma. Agora é o momento de decidir o que fazer com todas as lembranças, memórias, papéis e quaisquer outras coisas que tenham emergido dos recantos da nossa mente e gavetas revisados. Mercúrio está em Touro e faz trígono a Plutão, formando um Grande Trígono de Terra, pois ainda se afasta de outro trígono a Júpiter. Felizmente para nós, com Mercúrio em Touro e envolvido nesse Grande Trígono, temos algum enraizamento e ponderação para nos suprir de um pouco de cautela neste cenário de Grande Cruz nebuloso… A energia super móvel, frenética e mutável fica menos desgovernada e errática, permitindo-nos contar um, dois ou três antes de simplesmente agir precipitadamente.

Reprodução
Reprodução

Vênus, planeta que simboliza valores, desejos, relacionamentos, geração de dinheiro e recursos, está envolvida nessa Grande Cruz Mutável já mencionada, indicando que precisamos ter muita prudência na abordagem dessas áreas de vida pelas próximas semanas. As informações estão desconexas, bagunçadas e muito obscuras, portanto, os investimentos de risco devem ser evitados, especialmente aqueles que pareçam oferecer dividendos fabulosos… Vale aquela velha máxima: se parece ser bom demais para ser verdade… Ou ainda, quando a esmola é muita… Na esfera das relações a coisa não está muito diferente. Nossa autoestima está meio combalida pois temos muitas dúvidas acerca de nossas capacidades e valores… Especialmente, nossos critérios estão meio frouxos e nos deixamos levar pelas marés. Há grande propensão a fofocas, maledicências, leviandades e promiscuidade e nosso senso de valor oscila feito gangorra. Assim, talvez seja bom não julgar o livro pela capa e aguardar cenas dos próximos capítulos para se ter uma visão mais geral do cenário, antes de tomar atitudes das quais nos arrependamos depois.

670px-Stop-Being-Passive-Aggressive-Step-9-Version-2
Reprodução

Marte segue retrógrado e já retornou à densidade de Escorpião, obrigando-nos a lidar com nossas frustrações, antigas e velhas; com os rancores e ranços e também com a impotência… paciência e tolerância são as armas e ferramentas para o período porque estamos mais reativos e defensivos e com tal espírito ficamos mais propensos a discussões e conflitos… O ego está frágil e vale nos questionar, antes de entrar na briga, se vale mesmo a pena comprar confusão… Podemos treinar nossa raiva e domesticá-la, para que ela esteja a nosso serviço e não o contrário. Agressividade passiva também não é muito aconselhável – bom mesmo é a honestidade de sentimentos para consigo e com os outros, aprender a dizer não sem morrer ou temer ser morto por causa disso.

Alex Ruiz - Starry Night - Reprodução
Alex Ruiz – Starry Night – Reprodução

A Lua abre a semana na fase Minguante em Peixes. Viaja ligeira por Áries, onde se torna Balsâmica na quarta-feira. Reconforta-se em Touro e se renova em Gêmeos, na Lua Nova no domingo, 5. Faz contatos com todos os demais corpos celestes, fluidos, harmônicos ou tensos, simbolizando as alterações de humores e atividades da vida aqui na Terra.

Reprodução
Reprodução

A SEGUNDA-FEIRA está um tanto atípica. A Lua ficou minguante ontem, em Peixes e por Peixes navega essa Lua que vai desinflando tristonha e nostálgica. A Lua hoje está envolvida na Grande Cruz Mutável, afastando-se ainda da quadratura a Saturno e oposição a Júpiter em Virgem. Dona Lua faz a conjunção melindrosa a Quíron e depois trígono a Marte retrógrado em Escorpião, ficando vazia às 20h11, depois deste contato. Ingressa em Áries às 22h10min. Mercúrio em Touro está em trígono pleno a Plutão em Capricórnio e junto com Júpiter formam um Grande Trígono em Terra, que desemboca em Netuno, formando uma Pipa ampla. Dia nostálgico, modorrento, que demora a engrenar. A atmosfera está meio preguiçosa e lenta, de modo que precisamos argumentar conosco mesmos para nos convencer a pegar no batente, arrebanhando toda a nossa disposição adormecida nos músculos e articulações. Uma boa maneira de acordar nossa energia é estimulando nossa imaginação e criatividade, mover nossa sensibilidade e não a força bruta. Não é dia de se cobrar objetividade absoluta pois daremos com os burros n’água… É melhor e fluir, intuindo e captando as correntes invisíveis e farejando o melhor caminho, o método mais eficaz… A abordagem frontal e rígida só nos deixará frustrados… A Lua míngua em Peixes e sugere que reflitamos sobre as ilusões que ainda guardamos como bens preciosos, como gemas raras, mas que impedem que vejamos com clareza nossas reais possibilidades. Assim, a Lua pede que abandonemos essas fantasias e ilusões que toldam nossa racionalidade e objetividade e, consequentemente, atrapalham nossa atuação efetiva no mundo e na realização de nossos desejos e propósitos. Abandonar ilusões, escapismos, vitimismos, lamúrias e lamentações, para podermos nos apoderar de nossa força e nos responsabilizarmos pelo nosso presente – só assim estaremos aptos a desenhar e de fato construir um futuro mais promissor. Dia propício a reflexões, avaliações e eliminações.

Society6 - Reprodução
Society6 – Reprodução

A Lua Minguante está em Áries na TERÇA-FEIRA, de onde se harmoniza com Vênus e com o Sol em Gêmeos e, bem mais tarde, também com Saturno em Sagitário, enquanto se irrita com Júpiter em Virgem. A Lua também se indispõe com Marte, seu dispositor,  retrógrado em Escorpião. Sol e Vênus estão já perto da quadratura a Netuno. Mercúrio segue seu trígono muito próximo a Plutão. O dia está bastante ativo e mais dinâmico, mas também um tando irritadiço. Queremos e precisamos fazer muitas coisas mas nos deparamos com os velhos obstáculos com os quais temos lidado nas últimas semanas e que hoje ficam ali irritando, como um espinho encravado do qual havíamos esquecido e que de repente se faz perceber dolorosamente. Ressentimento e talvez até um pouco de amargura provenientes da frustração crônica podem azedar um pouco o humor… Mas só se deixarmos, porque há mais influências positivas que podem melhorar nossa disposição de ânimo, se assim o permitirmos. Essencial é lembrar que nada é permanente, nada dura para sempre, nem o bom nem o ruim, nem as alegrias nem os desapontamentos. Assim, podemos cavar dentro de nós em busca de nossa resiliência e recuperar também um pouco do nosso bom humor e graça, do espírito de curiosidade e lembrar que, se estamos abertos e atentos, podemos nos surpreender com pequenas dádivas e milagres que às vezes tomamos por garantido e que, por isso mesmo, deixamos de valorizar. Mesclar a curiosidade infantil saudável com a sabedoria de quem já viu e vivenciou muita coisa pode nos dar a serenidade necessária para aplacar a impaciência, a irritação e até mesmo essa fúria surda que inflama o fígado!

Brooke Shaden Photography - Reprodução
Brooke Shaden Photography – Reprodução

Ainda em Áries, a Lua Minguante faz quadratura a Plutão na QUARTA-FEIRA, fazendo conjunção a Urano mais tarde, aspecto depois do qual fica vazia, às 12h44min. A Lua ainda faz sesqui-quadraturas a Júpiter e a Saturno, quincunce a Marte em Escorpião e semi-quadratura ao Sol, tornando-se Balsâmica. A Lua ingressa em Touro às 23h47min. O Sol está em quadratura plena a Netuno em Peixes e como também faz quadratura a Júpiter e oposição a Saturno, temos uma Grande Cruz Mutável. O dia está pesado, carregado como um céu tempestuoso de nuvens escuras prestes a desabar sobre nossas cabeças. Nossos ombros decaem sob o peso de desapontamentos com que não conseguimos lidar, de cobranças que não damos conta de atender e de expectativas que talvez não realizemos jamais, o que só aumenta nosso desamparo e frustração. Nosso frágeis sonhos de papel jamais chegarão às alturas que vislumbrávamos. É um desgosto profundo, tanto pelas decepções evidentes quanto por outras mais sutis, que nem conseguimos dar nome e nesse espírito talvez deixemos vazar pelos poros nossa frustração, dando socos e pontapés no ar, para fazer o mundo saber de nossa raiva e dissabor… Mas será que adianta? Quem disse que a decepção é só nossa? Olhemos em volta: o mundo está desapontado com essa humanidade que vive a meter os pés pelas mãos, hipnotizada pelo próprio umbigo, na mania de grandeza que nos leva a todos ao caos. Precisamos ter cautela porque as energias hoje estão voláteis e tempestuosos, motivadas para a ação, mas uma ação que nasce do caos e da desconexão de ideias e sentimentos, o que apenas nos leva à precipit-ação, ação precipitada, impensada e fadada ao desastre. Assim, antes de sairmos atirando para todos os lados para exacerbar nossa frustração, vale contar até 10, até 100 para não destruirmos de vez o pouco que nos resta de sustentação. A Lua fica vazia depois de Urano e torna-se Balsâmica nessa energia: maior ênfase no olhar para o futuro. Que possamos aprender com nossos erros e desilusões e olhar para o futuro com este espírito reformador e honesto, que entende que reformar o mundo só é possível quando reformamos a nós mesmos.

Brooke Shaden Photography - Reprodução
Brooke Shaden Photography – Reprodução

A Lua está Balsâmica em Touro, isolada e sem aspectos por muitas horas na QUINTA-FEIRA. Pelo meio do dia ela começa a acenar para Netuno em Peixes, fazendo também um trígono a Júpiter e formando um Grande Trígono de Terra que se estende até parte do dia seguinte. Mas a Lua também se indispõe com a aspereza de Saturno. Vênus está em quadratura quase exata a Netuno e o Sol em oposição quase plena a Saturno. Estamos ensimesmados hoje, de poucas palavras e gestos econômicos – e é bom mesmo porque em tempos de Grande Cruz Mutável, quem fala demais dá bom dia a cavalo! É dia de manter a porta fechada, de ponderar, com vagar e paciência sobre nossas atitudes, passadas e presentes, para podermos modificar aquilo que deu prejuízo ou não saiu a contento. A Lua Taurina oferece porto seguro para as naus perdidas nos mares revoltos e desalentados pelos quais navegamos atualmente. Parar e digerir os borbotões de desejos frustrados, pensamentos caóticos, objetivos dispersos e perspectivas tumultuadas pode nos fazer bem e ás vezes, quando não sabemos o que fazer, é melhor mesmo não fazer nada, ao invés de desperdiçar energia e recursos em empreitadas inseguras e incertas. Devagar e sempre, a pressa pode apenas nos levar a precipitações. Recolhamos nossas velas e aproveitemos o isolamento para ruminar e observar o rumo dos ventos, antes de nos lançar ao mar bravio novamente!

Reprodução - Desconheço o autor
Reprodução – Desconheço o autor

O Sol Geminiano faz oposição exata a Saturno em Sagitário e Vênus faz quadratura plena a Netuno em Peixes na SEXTA-FEIRA. A oposição Vênus-Saturno também fica exata hoje. Para compensar esse clima sombrio, a Lua Taurina faz conjunção a Mercúrio e trígono a Plutão e o Grande Trígono de Terra que inclui Júpiter talvez nos ajude a encarar o peso do dia com pragmatismo e pé no chão. A Lua se opõe a Marte em Escorpião já à noite e fica vazia às 20h04min. O dia está tenso, melindroso, sensível e pesado.Sobra insegurança e incerteza, faltam esperança, otimismo e confiança. Estamos agudamente conscientes de nossas limitações e impedimentos, assim como não temos como fugir dos obstáculos impostos por outros ou pelo próprio ambiente e realidade em que nos encontramos. São cruas e aleijantes as sensações de desamparo e vulnerabilidade e na tentativa de esconder nossa insegurança, ilhamo-nos e isolamo-nos dos outros, amargando uma solidão fria e dura, ressentidos de tal isolamento, percebendo, só muito depois, que engendramos a realidade que mais temíamos. Receando rejeição, fazemo-nos de fortes e autossuficientes, embora por dentro, estejamos ansiando por contato e conforto. Precisamos nos dar conta de que essas vicissitudes são causadas por nós mesmos e por nossa inabilidade de nos comunicar e nos permitir ser alcançados e tocados pelos nossos pares. Nossa tarefa principal é não nos deixar abater ou esmagar por essas limitações, antes, crescer e amadurecer com elas. Também precisamos lidar de forma madura com o conflito entre as obrigações e deveres e as necessidades e desejos, que hoje parecem mais discrepantes do que nunca. Os deveres e comprometimentos nos quais estamos enredados parecem nos puxar para baixo e nos impedir de ser quem somos e de fazer o que queremos, mas isso pode ser também uma perspectiva excessivamente sombria, um recorte de um dia particularmente carregado, mas cujo clima e efeito também não durarão para sempre. É preciso negociar, conosco mesmos, nossas expectativas, desejos e obrigações; negociar com os outros e suas necessidades; negociar com a vida, com aquilo que queremos dela e com aquilo que estamos dispostos a entregar para conseguir tais intentos. Se formos honestos conosco e com os demais, podemos achar maneiras de contornar as dificuldades e encontrar saídas para os dilemas que hoje parecem insolúveis.

Fxnc on flickr - Reprodução
Fxnc on flickr – Reprodução

A Lua ingressa em Gêmeos à 00h02min do SÁBADO. O Sol e Vênus confrontam os exageros instilados por Júpiter. A Lua vem adicionar frenesi à Grande Cruz Mutável ao fazer quadraturas a Netuno e Júpiter e oposição a Saturno. Faz conjunção a Vênus e se renova no limiar do novo dia. O dia está para lá de caótico. Está errático, sujeito a muitas inconstâncias, idas e vindas, altos e baixos, assim como nosso humor disposição. Debulhamo-nos em muitas direções, querendo alcançar o inalcançável só para nos frustrar e perder tempo e o ânimo. Calma! Vejamos a alma do caos e fluamos com ele, que talvez tenha o que nos ensinar… Contemos, a exemplo de Leocádio: “Um, dois, três, quatro, cinco…” E Leocádio explica: “Fui ensinado a não ter pressa, por isso conto. Tanto na ida quanto na volta, não se afobe, vá com calma. Uma hora sempre me perco, não a ponto de errar o caminho, mas de me enganar com os números… Ficar atento é bom, filho, porque você chega livre de aborrecimento, mais cedo e sequinho em casa… Minha mãe é assim…” (trecho do conto Igualzinho Ontem, de Aleksandro da Costa, do blogue Doam-se Palavras). Assim como Leocádio, é melhor não ter pressa e não se afobar, ir com calma, ir com alma, para evitar aborrecimentos, que hoje são tão certos como dois e dois são quatro, se insistirmos em nos apegar a qualquer coisa. Na dúvida, contamos os passos, a respiração, as horas, tudo para conter a afobação e não nos perdermos nos entulhos de nossas emoções e sentimentos desencontrados, babélicos, delirantes… É dia de ficar atentos, de observar, de flanar sem ansiedade, sem se apegar a pensamentos ou eventos aparentes, alegres ou tristes, qual meditante sábio que aprendeu a deixar vir e deixar ir, sem prender, sem apegar-se, sem grudar-se, a sentimentos, pensamentos, desejos, a fatos, a nada… Sem julgar, sem esperar, sem querer, sem desejar… Apenas ser. E na observância neutra da vida, respirar e esperar a hora certa de agir, depois de muito meditar e elucubrar, sabendo que tudo está incerto, e nada está deserto, ao contrário da canção do Roberto. Calma e cautela. Respiração e contenção. Centramento. São as pedidas do dia.

silencio natgeoA Lua é Nova exatamente à 00h00min de DOMINGO, a 14°53’ de Gêmeos, em conjunção muito próxima a Vênus, oposição a Saturno, quadratura a Júpiter e a Netuno e quincunce a Plutão. Ao longo do dia a Lua se afina com Urano em Áries e fica vazia depois, às 13h49min. Ela ainda faz quadratura a Quíron e quincunce a Marte. Esta Lua Nova sinaliza muitos desafios e indica um ciclo que alongará a sensação de caos, desânimo e dispersão que ora nos acomete. Felizmente Mercúrio, regente da Lua Nova, está em Touro, formando um Grande Trígono de Terra com Júpiter e Plutão, oque pode propiciar algum centramento e contenção para toda essa dispersão. O dia fica nervoso, agitado e sujeito a muita atividade mental e verbal, o que pode nos deixar exaustos emocional e mentalmente, caso embarquemos nesse frenesi. Lazer e atividades que nos coloquem em contato com a natureza, em que possamos caminhar e por os pés na terra podem ajudar a canalizar e aterrar toda a energia mental e minimizar a afobação. A tarde está sujeita confrontos dolorosos, trocas verbais ingratas originadas de fragilidades mal administradas, mas que podem ser contornadas ou evitadas, caso nos observemos com atenção, antes de reagir, defensivos, a iniciativas que podem até ser neutras ou bem intencionadas. O contrário também é verdadeiro: se não sabemos o que dizer para suavizar e confortar a dor do outro, é melhor ficarmos quietos, em lugar de correr o risco de piorar a situação… Comunicar, falar o que nos vai na alma é bom, desde que seja para transformar positivamente, que seja para nos aproximar e não apenas para desembocar sobre outros, já alquebrados, nossas ansiedades vorazes. Falar é bom, mas nem sempre é essencial. A companhia às vezes é suficiente e a presença muitas vezes dispensa palavras.

Que sua semana seja leve, centrada e de muita serenidade!

Reprodução
Reprodução

A Semana Astrológica – A Via Dolorosa

I Love you All - Kingabritshgid - Reprodução
I Love you All – Kingabritshg.Deviantart  Reprodução

Semana de 29 de fevereiro a 06 de março

Ao contrário da semana passada, esta traz uma tensão difusa, que vai permeando todas as coisas… É uma semana de pré eclipse e vem cheia de novidades, embora essas novidades sejam causadoras da grande tensão e de um sentimento indistinto e generalizado de vulnerabilidade! O eclipse representa a culminação de toda essa tensão e se dá, no Brasil, ainda no dia oito de março, às 22h54min (à 01h54min do dia nove para Lisboa). Aproveite e entenda melhor o que são eclipses e suas dinâmicas lendo este artigo.

Alexandra Manukian - Reprodução
Alexandra Manukian – Reprodução

Mercúrio ingressa em Peixes no sábado, mas antes, ainda no fim de Aquário, troca farpas mais que geladas com Marte no fim de Escorpião. Por alguns dias eles só fazem contato um com o outro, montando um dueto, um dueto que se forma a partir de um aspecto muito tenso, uma quadratura fixa. A comunicação fica, de fato, complicada. A ação entra em conflito com o planejamento, com as ideias. Propensão a bate-bocas corrosivos, venenosos; conflitos entre irmãos e parentes e possivelmente no trânsito, principalmente porque Marte já está na zona de retrogradação, então a tendência é irritação, inquietação, precipitação e encurtamento de pavios mundo afora. Ficamos muito suscetíveis e irritáveis, vendo ameças onde não existem, identificando-nos excessivamente com nossas crenças e opiniões. Quando em dueto, os planetas em questão só dialogam um com o outro e não se comunicam com nenhum outro planeta no mapa. Neste caso, não há exatamente diálogo, somente conflitos intempestivos. Essa dança antagônica entre os dois continua por vários dias. Marte, aliás, ingressa em Sagitário no mesmo dia, no sábado, 05, signo onde ficará retrógrado a partir de 17 de abril.

Adam Martinakis sculptor
Adam Martinakis, escultor – Reprodução

Como se não bastasse, o Sol Pisciano, que já é ultra sensível, fica em conjunção ampla a Netuno e Quíron e enquadrado pelos dois até o dia 11 de março – o enquadramento é quando o planeta está ladeado por dois outros planetas, de um lado fica um, no caso Netuno; do outro fica Quíron. É uma Via Dolorosa seguida de crucificação. Sacrifício, na esperança da redenção. Entramos em contato com todas as dores do mundo ao mesmo tempo, agora… Mercúrio ingressando em Peixes potencializa esse efeito. E não para por aí. O Sol faz quadratura a Saturno nesta semana e engrossa o caldo da quadratura ciclíca Saturno-Netuno e da T-Square* Júpiter-Quíron-Saturno, que está ativa há algumas semanas, jogando luz sobre seus temas, trazendo-os, de forma bem aguda, à luz da nossa consciência – quer dizer, a semana está realmente pesada, melindrosa porque sentimos um cansaço extremo físico, mental, emocional; percebemos a desesperança e o desânimo violentamente dentro de nós. Nossas inseguranças são evidentes e nos sentimos expostos e vulneráveis, de modo que nos perguntamos qual o sentido de tudo isso… O caos parece nos engolfar. Há um sentimento generalizado de cansaço, desesperança, pessimismo, um sensação de que não vale a pena lutar… Para quê?

Reprodução
Reprodução

Como suporte, o Sol faz um sextil a Plutão em Capricórnio (exato na semana que vem) que, embora tímido, pode ser de grande valia na hora em que estivermos a ponto de espiralar no caos. Precisaremos de muita ancoragem, centramento e enraizamento nesta semana! Em momentos em que estivermos assim, desalentados, será necessário lembrarmo-nos de nossos propósitos, daqueles a quem amamos, daquilo que nos move. Manter a vibração elevada é essencial porque isso nos fará entrar em contato com as manifestações mais positivas deste trânsito – sim, porque elas existem e se manifestam pela compaixão profunda, pelo altruísmo, pela capacidade de se colocar no lugar do outro, pelo potente potencial de cura.  Mas para isso, precisamos nos alinhar com tais qualidades, então, sempre que nos percebermos resvalando no pessimismo e desesperança, respiremos fundo e lembremos que onde há dor,  também há o princípio da cura; lembrarmo-nos que além de todo o sofrimento, guerra, dificuldades, doenças e horrores vários, também há beleza, altruísmo, bondade, compaixão e amor, expressos por milhares de almas boas que tornam este mundo melhor, com pequenas ou grandes ações. E precisamos nos cuidar muito bem, evitando desgastes desnecessários. Num cenário como este, por exemplo, é mais do que desaconselhável afundar no álcool ou em quaisquer outros escapes destrutivos. Podemos recorrer a escapes mais criativos, como a arte, a música, a poesia, seja criando-as ou apenas apreciando-as. O cinema também pode ser uma maneira de simbolizar nossas angústias – filmes tristes oferecem uma saudável catarse quando estamos entalados sem conseguir chorar naturalmente.

robbycavanaughOutra coisa que pode realçar essa sensação de falta de controle e caos generalizado é a conjunção de Quíron ao Nodo Sul em Peixes, um aspecto que demanda cuidado e força interior, para não resvalarmos em vitimismos, complexos de mártir, autoflagelação… Compaixão, pelo outro e por si, faz-se mais que necessário. Mas é interessante notar que em vários dias durante a semana a Lua fica bastante isolada e alienada do resto dos planetas. Num panorama como o que temos, em que o Sol fica enquadrado por Netuno e Quíron, esse isolamento lunar pode indicar períodos de dissociação extrema, em que nos defendemos da dor excruciante dissociando-nos dela, encastelando-nos na segurança da mente e da racionalidade, tornando-nos frios e arredios ao contato humano. Embora isso seja um mecanismo automático de defesa da psique, convém ficarmos alertas quando nos percebermos recorrendo a ele, inadvertidamente, porque, por mais que nos isole da dor, em última instância, estará nos isolando de nós mesmos e de nosso senso de integridade, uma vez que o todo inclui também essa dor, por mais que não queiramos ter nada a ver com ela.

Nesta semana começo uma parceria com a terapeuta de florais Patrícia Vaz Vilela, que irá dar sugestões de florais diversos, que nos ajudem a encarar os possíveis desafios de cada semana. Ao final deste texto, veja as sugestões de Patrícia, assim como seu contato.

Brigitte Niedermair - Reprodução
Brigitte Niedermair – Reprodução

Vênus completa o sextil a Urano em Áries e quincunce a Júpiter em Virgem, formando um Yod** periclitante por quase toda a semana, do qual Júpiter é o foco. Periclitantes ficam as relações por estes dias… Sensação de quero-não-quero, não-sei-se-vou-ou-se-fico, Queremos ficar feito bicho solto no mundo, sem dar satisfações a ninguém, sem nos importar com obrigações morais – que diabo é isso? – compromissos prévios, promessas passadas… Tudo nos arrelia, compromisso nos dá alergia… Tudo bem, ficamos selvagens e queremos barbarizar pela noite, beijando todo mundo à la “eu sou de ninguém”… Mas depois que tudo isso passar, não poderemos chorar o leite derramado, ops, os laços desfeitos… É interessante pesar antes o que, de fato, é importante para nós. Checar também nossas ambiguidades quanto aos compromissos versus o desejo de liberdade e autonomia. Ser honesto é a melhor saída, sempre, consigo e com o outro. Há que se ter maturidade para arcar com as consequências depois… Compras e aquisições estão sujeitas a equívocos e descontentamentos por estes dias e têm grandes chances de serem impulsivas e levarem a arrependimentos posteriores, portanto, é necessário reflexão e cautela nesta área. Sobretudo, refletir se tal compra não é efeito da compulsão que busca preencher o vazio existencial ou, novamente, fugir da dor.

Nathalia Garcia - Reprodução
Nathalia Garcia – Instalação – Reprodução

Júpiter torna exato o quincunce a Urano no domingo, um aspecto que fala de um idealismo excessivo e incongruente com nossa capacidade para manifestá-lo no mundo real. Não há meios ou recursos suficientes para satisfazer tal idealismo e assim nos tornamos céticos, obtusos. Conforme eu já havia dito em novembro, “há também grande exagero na necessidade de liberdade e dificuldade de administrar isso na vida, queremos nos expandir, mas ao mesmo tempo hesitamos em nos comprometer com os esforços necessários para isso; podemos nos tornar revolucionários só em palavras, inflamados e apaixonados pelas ideias, mas incapazes de entrar em ação de fato, potenciais agitadores, pregando filosofias anarquistas, mas permanecendo atados ao status quo, talvez por conveniência. Assim, boas oportunidades de crescimento surgem, mas as deixamos passar porque queremos permanecer livres e desimpedidos, correndo o risco de virarmos uma expressão negativa do Peter Pan, que nunca cresce, nem realiza nada, porque estamos sempre alegando que esses compromissos nos impediriam vôos mais altos. É preciso ficarmos atentos às nossas próprias ambiguidades, às discrepâncias entre a formulação de ideias, o discurso e a prática. Mesmo o mais indômito dos pioneiros e exploradores precisa de um mínimo de ordem e planejamento nas suas empreitadas, sem isso, não chega a lugar nenhum e se contenta em trilhar os caminhos já percorridos, por mera comodidade. Numa expressão mais positiva, a imensa inquietação gerado pelo aspecto pode nos colocar numa busca por fórmulas que unam o desejo de liberdade com reformas reais, mas para isso, é preciso primeiro se lidar com a enorme tensão interna e os inúmeros conflitos interiores.” Júpiter fez quincunce a Urano em 05 de novembro de 2015, repetindo o aspecto em 06 de março (retrógrado) e 13 de agosto de 2016.

Bookpaperscissors - Reprodução
Bookpaperscissors – Reprodução

A Lua abre a semana em Escorpião, na fase Disseminadora. Torna-se Minguante em Sagitário na terça e adquire uma grande sobriedade em Capricórnio na quinta. Fecha a semana já na fase Balsâmica em Aquário. A Lua será nova em Peixes no dia oito, uma lunação que será também em Eclipse Total do Sol, não visível no Brasil, visto que ocorrerá à noite.

Chet Zar - Reprodução
Chet Zar – Reprodução

A Lua está densa e enigmática em Escorpião na SEGUNDA-FEIRA. Nas primeiras horas faz sextil separativo a Júpiter, trígono a Quíron, quadratura a Mercúrio em Aquário e conjunção a Marte já durante a tarde. Fica vazia depois deste contato, às 16h56min e ingressa em Sagitário às 20h56min. O Sol começa a se afastar de Netuno, mas ainda está muito próximo dele. O dia traz um clima soturno, denso, com uma tensão palpável. Estamos circunspectos, defensivos, talvez até meio paranoicos: “se o cachorro me morder eu o mordo de volta”. Contudo, é um dia produtivo e favorável para trabalhar, para nos concentrarmos em quaisquer assuntos difíceis que exijam estamina emocional e precisão cirúrgica. Temos capacidade de lidar com crises, situações-limite, dramas ou qualquer circunstância que exija decisão rápida e presença de espírito. As emoções são intensas, mas também nos fazem encarar o lado sombrio sem medo, dispostos a fazer o que for necessário para ir até o fim naquilo em que estamos envolvidos. Podemos confrontar muitos de nossos medos e inseguranças, lidando com eles de maneira mais madura, purgando e depurando conteúdos tóxicos. Há que se ter cautela, porém. Há um certo extremismo no ar e tendência a agir sem meias medidas, na base do tudo ou nada! Se, em algumas situações essa é a melhor estratégia, em outras, pode ser letal. Assim, é necessário muita sutiliza e sabedoria para identificar qual é qual.

O Louco - Maître de 1537 - Museu de Flandres, França - Reprodução
O Louco – Maître de 1537 – Museu de Flandres, França – Reprodução

A Lua abre a TERÇA-FEIRA já em Sagitário, onde passa longas horas um tanto isolada. Faz quadratura a Netuno pelo meio da tarde e quadratura ao Sol à noite, oficializando o Quarto Minguante. Fecha a noite já bem próxima a Saturno, como foco de uma T-Square* mutável. O dia começa até meio leve, mas com o passar das horas, uma inquietação cresce. Buscamos, a todo custo, evadirmo-nos de nós mesmos para evitar esse confronto, tentando manipular a outros como manipulamos nossas emoções. Flutuamos por aí, feito um bufão despreocupado com o que ocorre ao seu redor, riso frouxo, cacoetes engraçados que nos fazem parecer desconcertados e meio fora de lugar – esse desconcerto pode nos deixar um tanto desastrados, inclusive fisicamente, portanto, cautela nos movimentos pode nos ajudar a evitar atitudes atrapalhadas e desairosas; outra possibilidade é estarmos crédulos demais, ingênuos demais e sermos pegos em algum conto do vigário, alguma estória que apela para nosso bom-mocismo e idealismo cegos. A melhor medida para lidar com tais influências é reconhecer a incerteza e a hesitação, levá-las em consideração antes de fazer qualquer coisa. Assim, disfarces fajutos à parte, podemos olhar nos olhos do outro – e para dentro de nós mesmos – sem receios ou desconfianças. O minguante nos questiona se aquilo que vemos ou ouvimos faz algum sentido ou se apenas queremos acreditar nisso a qualquer custo – idealismo é saudável, ingenuidade, não. Talvez estejamos tentando acreditar a todo custo que a realidade não é como se apresenta, numa busca de dourar a pílula para não vermos o óbvio. Mas isso não nos torna compassivos ou altruístas, nos torna apenas vulneráveis e é dessa vulnerabilidade que tentamos fugir, somente para cair nos braços dela, através dos engôdos de um outro qualquer, como consequência do engôdo primeiro que pregamos em nós mesmos.  Portanto, para evitar esse final chato e complicado, voltemos ao início da cena e meditemos para achar nosso próprio eixo, assim não precisaremos atrair mais dificuldades do que as que já temos. O minguante pede que abramos mão dessas fantasias tolas que nos impedem de prosperar na vida e de ter relações mais autênticas, inclusive conosco mesmo.

Siegfried Zademack - Reprodução
Siegfried Zademack – Reprodução

A Lua está em conjunção a Saturno na QUARTA-FEIRA e ambos são foco de uma T-Square* Mutável, por estarem em quadratura a Júpiter em Virgem de um lado e a Quíron em Peixes de outro. A Lua busca o suporte de Vênus e Mercúrio por meio de sextis e de Urano por trígono. Fica vazia às 23h56min após o sextil a Mercúrio. O dia está pesado e triste. Incertezas oprimem o peito. Nosso bom humor se nubla e tentamos mascarar a dúvida com certezas peremptórias e enfáticas. Instabilidade e vacilação dão o tom do dia. Oscilamos loucamente, ora entusiasmados e eufóricos, ora fechando-nos em copas, defensivos a qualquer  comentário ou olhar mais severo, sombrios e pessimistas sobre a vida e o mundo.

Kenart - Reprodução
Kenart – Reprodução

Colocamo-nos numa redoma super protetora para evitar captar a atmosfera ao nosso redor e até nos protegemos de nossos próprios sentimentos. Fazemo-nos de fortes e duros, para não corrermos o risco de atingir pontos sensíveis em nós ou no outro, mas essa redoma, além de nos proteger, também nos distancia do semelhante e a impressão de frieza e aspereza que emitimos retorna para nós, mais potente, até que nos sentimos solitários e isolados, sem perceber que criamos toda essa dinâmica. É sempre salutar questionar as motivações mais profundas para nossas atitudes e ações, por que fazemos o que fazemos, especialmente quando sentimos que agimos compulsivamente, porque a compulsão aponta para um complexo arraigado, um trauma que deu origem a um mecanismo de defesa aprendido muitas eras antes.  Assim, é importante se perguntar a raiz do pessimismo, do mau humor, da aspereza, da culpa debilitante, do distanciamento e, principalmente, dessa necessidade de nos dissociarmos de nossos pares e dos nossos sentimentos. Um evitamento da dor?  Mais que provável, contudo, evitar olhar para o monstro só o tornará maior e mais poderoso, assim, é mais proveitoso parar e usar toda essa concentração para, com honestidade, olhar a dolorosa origem de toda essa dinâmica e, partindo daí, agir com compaixão e consciência, aproveitando os insights propiciados pela análise e reflexão.

Frank Zumbachs - Reprodução
Frank Zumbachs – Reprodução

A Lua está vazia em Sagitário na madrugada de QUINTA-FEIRA, ficou vazia depois do sextil a Mercúrio. Ingressa em Capricórnio às 07h02min e fica muitas horas quieta, isolada, sem fazer contatos a outros planetas. Pelo fim da tarde principia sextil a Netuno em Peixes. Vênus em Aquário está em quincunce pleno a Júpiter em Virgem e junto com Urano, torna Júpiter foco de um Yod-Dedo de Deus**. Mercúrio segue em quadratura a Marte, cada vez mais próximo da plenitude do aspecto. Talvez o sono seja mais tranquilo e povoado de sonhos cheios de insights e comunicados luminosos do inconsciente nesta madrugada. Em função disso, é possível que estejamos incomumente introspectivos e fechados em nós mesmos por boa parte do dia. Mas este não é o único nem o principal motivo. O clima da quarta se repete. Achamo-nos isolados e alienados dos nossos semelhantes, tendo dificuldade de nos conectar com outros, seja por fala, olhar ou quaisquer outros meios de comunicação, aliás, talvez até evitemos os olhares, para preservar nossa introspecção e solitude, ou talvez nos indispomos com outros que ousem chegar mais perto e ficamos irritados e ásperos, língua ácida e corrosiva.

Robby Cavanaugh - Reprodução
Robby Cavanaugh – Reprodução

Se estamos cientes de que somos nós que buscamos tal solitude, ótimo! O problema é quando criamos essa atmosfera ao nosso redor e depois reclamamos dela. Todo esse clima de frieza, taciturnidade e mutismo nasce da dificuldade que temos de acessar nossos próprios sentimentos, seja por nos sentirmos incompreensivelmente alienados deles, seja por buscarmos isso de propósito, numa evasão do confronto com a dor profunda e gélida. Talvez isso seja uma boa desculpa para afundar no trabalho e entregar-nos a ele com prazer, mas o trabalho terá muito mais sentido se formos simbolizando o desembaraçamento dos enredos emocionais no processo. As relações afetivas estão sujeitas a imprevistos e altos e baixos e estão permeadas de um clima de insatisfação e desassossego, cuja origem talvez evitemos identificar. A verdade é que andamos meio desgostosos e aborrecidos com alguns aspectos dessa relação e possivelmente passemos por uma fase em que preferiríamos não ser parte de um casal. Se ambos estão de acordo, seria salutar “dar um tempo” mútuo, em que cada um busca se reencontrar e se revitalizar individualmente lá fora, para depois voltarem reabastecidos de si mesmos para a relação, que então terá a chance de se renovar.

Bayo - Eduardo Flores - Drowning 2008 mexicano
Drowining by Bayo, também conhecido como Eduardo Flores, artista mexicano, Reprodução

A SEXTA-FEIRA, pelo contrário, está dinâmica, ruidosa e mais dramática. A Lua Capricorniana se funde a Plutão enquanto quadra Urano em Áries. Dona Lua também faz sextil ao Sol e a Quíron em Peixes e trígono a Júpiter em Virgem. O Sol está hoje no Ponto Médio entre Netuno e Quíron.  Angústia, ansiedade, dor. Sentimos agudamente todas essas emoções e sentimentos e talvez busquemos nos separar deles trabalhando arduamente, comprometidamente, tornando-nos, possivelmente, mais frios e insensíveis como defesa. Mas a cisão cede, cedo ou tarde e temos que confrontar nossa infelicidade, tristeza, cansaço, frustração, raiva e impotência, que não são só nossos, mas do mundo todo. A diferença básica é que hoje temos a capacidade de olhar a raiz de todas essas coisas, de todo o descompasso e da distancia abissal entre o sonho e a realidade. Esse choque cruel de realidade é como um sonoro tapa na cara e pode, momentaneamente, nos paralisar. Contudo, tal choque traz no seu bojo a aptidão e envergadura de que precisamos para adotar atitudes de mudança, posturas transformadoras, por menores que sejam. Thomas Hardy diz que “se há um caminho para o melhor, ele nos obriga a olhar diretamente para o pior” e é isso que precisamos fazer hoje: olhar para esse pior, sem medo ou disfarces, tal como é, constatação sem lamentos, porque já lamentamos demais. Hoje precisamos entrar em ação e, de fato, FAZER algo que nos coloque num caminho de mudança e transformação, o que quer que seja este “algo”. O todo, só se muda pelas partes e quando partes suficientes mudam ou se transformam, a mudança se faz para o todo. As partes são os indivíduos, cada um de nós. Perguntemo-nos, pois, pessoalmente: o que eu, pessoa, comum e anônima, posso fazer para mudar esse quadro coletivo de que tanto reclamo, que tanto me faz mal, que tanto me causa angústia em nível individual e como parte desse sistema?

AttheAbyss
Desconheço o Autor – Reprodução

Mercúrio em Aquário está em quadratura plena a Marte em Escorpião no SÁBADO. Poucas horas depois Mercúrio ingressa em Peixes, às 07h24min. A Lua Capricorniana faz sextil a esse mesmo Marte, ficando vazia por menos de uma hora depois deste aspecto. Entra em Aquário às 13h23min, de onde logo faz uma semi-quadratura (45 graus) ao Sol, entrando na fase Balsâmica. Fica isolada por muitas horas depois disso. Marte ingressa em Sagitário às 23h29min – O dia está colorido com uma tensão particularmente rígida. Pensamento e ação estão completamente desalinhados e conflitantes, de modo que ficarmos irritados, inquietos e espinhosos. Os pensamentos são um tanto obtusos e a ação é extremosa, numa direção diferente. Inconscientes dessa disparidade íntima, vemo-la no mundo exterior, deparando-nos com atritos vários, discussões enfáticas e importantes ou confusas e tolas. Entendemos como desafios ou afrontas as considerações ou opiniões alheias, sem nos dar conta de que todos têm direito a pensar como querem, inclusive nós – o direito do outro não invalida o meu e na verdade, ambos devem coexistir. Assim, ou nos tornamos defensivos e suscetíveis ou precisamos lidar com outros que assim estão. Qualquer que seja o caso, é preciso cabeça fria e um mínimo de distanciamento emocional das nossas opiniões e conceitos. Por outro lado, é  possível que nos deparemos com situações em que, na verdade, precisemos defender nossas ideias e convicções contra posições contrárias e não há nada de errado com isso. Entretanto, mesmo que este seja o caso, é necessário maturidade para que não nos identifiquemos demasiadamente com tais convicções e crenças, achando que estamos sendo atacados ou que corremos algum risco, o que provavelmente não é o caso. Se precisamos lutar por nossas crenças, este é o dia certo, contudo, não precisamos sair comprando brigas desnecessárias ou ver discórdia onde não existe ou cavamos um abismo sem fundo para nós mesmos cair. Esse clima pode perdurar ainda por alguns dias, portanto, precisamos ter cautela com nossa suscetibilidade.

Lola Dupré - Reprodução
Lola Dupré – Reprodução

A Lua Balsâmica está bastante isolada no início de Aquário no DOMINGO. Sem aspectos, dissociada de tudo e de todos. Pelo fim da manhã inicia um diálogo tímido a seu regente tradicional, Saturno e mais tarde conversa também com o outro dispositor, Urano, fazendo uma ponte entre eles. Júpiter está em quincunce pleno a Urano hoje e recebe outro quincunce da Lua, sendo, novamente, foco de outro Yod**. A Lua fecha a noite em conjunção a Vênus. Mercúrio aos poucos vai se afastando da quadratura a Marte – O dia está estranho e nos sentimos anestesiados. Será ressaca? Do álcool ou da sensação de desmembramento que vivenciamos ao longo de toda a semana? O fato é que não queremos sentir. Nada. Assim, talvez recorramos a uma sociabilidade estéril, artificial, vazia de calor e de sentido, para criarmos a impressão, mais para nós do que para o outro, de que está tudo bem, de que está tudo sob controle, quando na verdade, não está.

Christian Schloe Digital Art - Reprodução
Christian Schloe Digital Art – Reprodução

Subjacente a essa afabilidade e aparente descontração, há muitas incongruências, inquietações, angústias, receios, inseguranças e o temor de que nossas estruturas frágeis despenquem a qualquer momento, expondo o ridículo de nossa vulnerabilidade. Mas por que ridículo? Porque ser vulnerável é muito desconfortável, porque temos vergonha de admitir nosso senso de impotência frente às nossas mazelas e dificuldades, então rotulamo-las de ridículas, o que não deixa de ser outra defesa. Assim, talvez tentemos olhar para essa vulnerabilidade e impotência como um objeto de pesquisa sob as lentes frias de um microscópio, completamente fora de nós, alheio a nós, como se não nos pertencesse. Pode ser útil ao entendimento, certamente ajuda, mas não resolverá porque somente entender com a mente não resolve nada. É preciso nos permitir sentir. É através do sentimento, da faculdade do sentir que finalmente integramos as partes e nos curamos dos traumas e da dor. A função do Sentir é a cola da integração, que nos permite ficar inteiros, maduros, capazes, saudáveis, autônomos. E como diz o autor anônimo, “curar não significa que o dano nunca existiu. Significa que não mais controla nossas vidas”. Permitamo-nos, pois, sentir, para nos permitir ser também curados!

Que sua semana seja de luz, compaixão e amorosa aceitação de si e do outro. Sempre podemos mudar nossa realidade, mas para isso, é necessário primeiro aceitar tal realidade como ela é. Vibremos luz, compaixão e amor, por nós, pelos outros e pelo planeta! Feliz Semana para você!

 

 

Sugestões de Florais da terapeuta Patrícia Vaz Vilela para esta semana:

“Diante de uma semana tão intensa, nada melhor do que mergulhamos no bálsamo da COMPAIXÃO, composto floral do Sistema Filhas Gaia, que vem nos proporcionar a ‘abertura do coração para o amor incondicional para conosco e para com o próximo. Ajuda-nos a acessar um entendimento profundo sobre os aprendizados inerentes às situações que nos aprisionam através do julgamento e/ou culpa e a generosidade, compaixão e misericórdia necessárias para o encerramento deste ciclo de aprendizados e a retomada de nossa liberdade de Ser e viver em paz.’ – repertório das Essências Florais Filhas de Gaia.” – “Para abandonarmos a atitude de autojulgamento ou julgamento do outro, após experiências que geraram culpa, revolta ou ressentimento”.

“Esta fórmula floral é composta das seguintes essências: Manacá da Serra, Manacá Cheiroso, Açucena, Algodão de Seda, Cana-de-açúcar, Dama do Lago, Maracujá, Primavera, Quaresmeira Rosa, Quaresmeira Roxa e Urtiga do Agreste.” Essas flores estão representadas no mosaico abaixo.

Patrícia Vaz Vilela
Terapeuta Floral – ASTERFLOR/MS 43
Rua Dourtor Arthur Jorge, 2455
Bairro Monte Castelo
Cep 79010-210
(67) 9245-6604
Campo Grande – MS

manacá da serra

  • T-Square – Configuração em que dois planetas (ou mais) estão em oposição (ângulo de 180 graus) um ao outro e ambos fazem quadratura (ângulo de 90 graus) a um terceiro, formando um triângulo retângulo, que parece uma pirâmide. O terceiro planeta vira foco desta configuração. T-Squares têm ação dinâmica que busca ação e resolução e a qualidade (Cardinal, Fixa ou Mutável) em que acontecem é essencial para se entender sua manifestação possível.

Aspectos T-Square

** Yod-Dedo de Deus é uma configuração em que dois planetas se harmonizam por sextil (ângulo de 60 graus) e ambos fazem quincunce (ângulo de 150 graus) a um terceiro, que vira foco da configuração. A configuração tem a forma de um triângulo isósceles. Tem uma qualidade fatalista e imprevisível e gera muita tensão devido ao ajuste requerido pelos aspectos quincunce.

Aspectos Yod

 

Lua Cheia em Gêmeos – A desilusão como aprendizado

Lua estrada
Lua Cheia – Reprodução

A Lua foi Cheia em Gêmeos hoje pela manhã, às 10h26min, hora de Brasília (13h26min hora de Portugal). A Lua Cheia em Gêmeos vem destacar os temas relativos a essa polaridade Gêmeos-Sagitário: conhecimento, aprendizado, viagens, educação, comunicação, mente inferior (lado esquerdo do cérebro), mente superior lado direito), o detalhe versus o macro, análise versus intuição. Gêmeos-Sagitário também traz presente o tema da dualidade, da duplicidade, da ambivalência.

Para termos noção da colheita que conseguimos na Lua Cheia é preciso olhar para o que plantamos na Lua Nova e aqui nos remetemos ao mapa da Lua Nova de Sagitário que ocorreu no dia 22 de novembro. Naquele mapa tínhamos Lua e Sol conjuntos no grau zero de Sagitário, os dois em conjunção ampla a Vênus, e todos eles em quadratura a Netuno, traduzindo uma falta de objetividade e clareza, um escapismo e talvez uma tendência ao auto-engano ou a expectativas irreais. Agora na Lua Cheia esses ideais encontram em Quíron o desvelar dessas ilusões, a percepção clara do que a névoa tinha escondido antes: que alguns daqueles objetivos ou metas eram ilusórios, irreais, não alcançáveis. Especialmente porque se na Lua Nova não havia Ar, não havia essa objetividade, agora a Lua em Gêmeos traz presente o Ar mais primitivo, e é essa objetividade clara que também nos ajuda a ver e perceber o que antes não víamos. Mas isso é motivo de nos desmotivarmos e desesperarmos? Claro que não!

designinspiration smoking portrait
Designinspiration – Smoking portrait – Reprodução

Em Sagitário miramos alto, apontamos para o infinito, buscando elevar nosso espírito acima dos limites humanos. Em Sagitário filosofamos, buscamos significado, voltamo-nos para o futuro e o projetamos, auspicioso e alvissareiro. Em Sagitário somos a águia da montanha que sobrevoa a amplidão e tudo vê com sua visão de longo alcance. A visão é macro, é a visão do todo. Essas foram as sementes plantadas: sementes de expansão, de desenvolvimento, sementes que simbolizavam o ir além do conhecido, extrapolar os limites do cotidiano, além da mente racional e lógica para a mente superior e mais elevada, que aprende e descobre pela intuição, que não é explicável racionalmente.

Agora em Gêmeos descobrimos que precisamos integrar aquilo que antes ignorávamos ou talvez até desprezávamos: os detalhes, o como fazer, a realidade imediata em contraponto às projeções de futuro; em Gêmeos percebemos que a visão macro é importante, é vital, mas não funciona sozinha, pois vai deixar escapar detalhes que também são essenciais e que não são visíveis lá de cima, é preciso estar perto para percebê-los. Agora a mente superior e elevada precisa da mente inferior e lógica para pôr a Grande Visão em funcionamento, para fazê-la inteligível para outros e aplicável no dia a dia. 

Essa integração da visão macro e micro, da informação com o conhecimento mais amplo e abstrato, da razão e da intuição, isso passa necessariamente pela assimilação e aceitação das limitações incontornáveis, como simbolizadas por Quíron. Aliás, todo este ciclo lunar trata do lidar com essas limitações, pede que negociemos dentro de nós os anseios de perfeição com a realidade factível. Isso porque A Lua foi nova em quadratura a Netuno, sugerindo, como já disse expectativas e ideais altos demais; o Quarto Crescente se deu com a Lua em Peixes “ensaduichada” entre Netuno e Quíron – e ali as ilusões já começavam a ficar meio desbotadas, já começávamos a suspeitar de algo fora do lugar – Mercúrio, o regente de Gêmeos já se aproximava da quadratura a Netuno; agora a Lua Cheia traz esse tema a um clímax; e mesmo na Lua Minguante, Lua e Sol ainda estarão em contato com Quíron, mesmo que de forma ampla, a Lua estando em Virgem, simbolizará então a assimilação e o aprendizado final, o que fica de útil depois de tudo o que experimentamos.

gemini full moon
Lua Cheia em Gêmeos – Birth Chart Painting – Reprodução

Lua e Sol estão, pois, em oposição, como é o caso na Lua Cheia e ambos fazem uma quadratura próxima a Quíron, que recebe hoje a quadratura exata de Mercúrio, o regente da Lua Cheia. O que isso nos diz? Primeiro, que agora finalmente acordamos do sonho, dissipamos a névoa, emergimos das águas netunianas e nos percebemos muito diferentes, “estranhos”, e que aquilo que tínhamos imaginado não se encaixa, que talvez sentimos que “nós” não nos encaixamos, por sermos tão diferentes, por termos esses ideais tão “estapafúrdios”, esquisitos, etc. Então, há um desapontamento, uma frustração, um impedimento à realização do ideal e do propósito e à satisfação das necessidades emocionais. E que tal impedimento deve nos levar a uma reavaliação na forma como lidamos com as necessidades e como buscamos tais propósitos. Que antes de nos deixarmos massacrar pela desilusão e pela revelação da verdade não tão dourada como tínhamos imaginado, precisamos na verdade integrar a experiência toda do começo ao fim, e colocá-la a serviço da cura da alma, a serviço de algo maior que nós, a serviço do todo; que a desilusão nos ajude a perceber a limitação e a feiúra da vida, mas que isso nos leve a exercitar a compaixão, o altruísmo, descobrindo o sentido da experiência através de uma abertura psíquica, que ultrapassa racional e intuitivo, que transcende as linguagens dominadas por nós e nosso cérebro.

Djuno-Tomsni-08
Djuno Tomsni – Reprodução

A quadratura Mercúrio-Quíron, exata hoje, nos diz isso, que nem sempre é preciso entender tudo para vivenciar e usufruir a experiência; que há coisas que ultrapassam os limites de nossa consciência racional, e sem se indispor ou se defender contra isso, ganhamos mais ao abraçar a dúvida, a incerteza, o vazio e a falta de respostas objetivas. Então, lembro a frase de Sri Sri Ravi Shankar, que diz: “é bom estar desiludido. Significa que você está fora da ilusão e veio para a realidade”. A desilusão é na verdade um despertar e nisso, temos Urano fazendo seu papel nos trígonos ao Sol e a Mercúrio e no sextil à Lua Cheia de Gêmeos: precisamos despertar pra a verdade, acordar para a realidade do que realmente somos, assim, paramos de criar expectativas falsas, tanto a respeito de nós mesmos quanto dos outros com quem convivemos. O trígono Vênus-Júpiter também nos dá uma força para que não caiamos no tédio e no marasmo decorrentes das decepções e na conseqüente sensação de paralisia. Júpiter-Saturno também enfatizam a necessidade de equilibrar realismo e expectativa. Assim, não é o caso de largarmos tudo, a colheita pela metade, frutos esparramados pelo chão, só porque uma parte do plano não se revelou plenamente satisfatório ou se mostrou não realizável. Pelo contrário, essa experiência deve funcionar como um grande aprendizado, que é uma das funções de Gêmeos, deve ser usada para nos impulsionar para a vida com mais maturidade, com mais lucidez, sem escamas nos olhos, com a clareza luminosa da verdade, continuando a mirar alto, mas sem perder a noção do ambiente imediato em que estamos e suas limitações.

bulshit.net
tirado de Bulshit.net – Reprodução

Corroborando isso tudo, o Símbolo Sabiano do grau 15 (14° – 14°59’) de Gêmeos traz uma imagem prosaica e de muita leveza: “Duas crianças holandesas conversando e estudando juntas a lição”. Lynda Hill explica este símbolo: “O símbolo mostra que se deve ser capaz de relaxar e de se sentir confortável com amigos, além de ser capaz de falar da própria verdade. Há necessidade de clareza e de pessoas afins comunicarem suas idéias espontâneas e criativas umas com as outras. A sensação de isolamento causada por sermos diferentes deve nos impelir a procurar aqueles com quem podemos compartilhar idéias e “estudar” assuntos de interesse comum. Deve haver alguém por perto que possa nos aconselhar ou nos ouvir quando precisarmos nos expressar em nossa forma única e singular para alguém que nos compreenda. O risco implicado no Símbolo é o de excluirmos a outros que são vistos como ‘diferentes’, talvez porque temamos, nós mesmos, a exclusão”.

Integração dos diversos reinos e esferas da experiência humana não é necessariamente fácil, mas é uma das nossas tarefas nesta vida, que nos cobra completude, inteireza. E inteireza não significa perfeição, significa exatamente abraçar a dúvida, a decepção. Integrar claro e escuro, pesado e leve, masculino e feminino, positivo e negativo, ideal e realidade. E termino com a frase lá de cima, porque acho que ela é forte e resume a mensagem desta Lua cheia: “É bom estar desiludido. Significa que você está fora da ilusão e veio para a realidade”

Que seu despertar seja suave e que a realidade lhe seja gentil!

Michal Dziekan
Iustração 2012 by Michal Dziekan – Reprodução