Arquivo da tag: Gêmeos

A Semana Astrológica – Nosso pior inimigo

Reprodução

Semana de 12 a 18 de junho – Semana de Lua Minguante, que sinaliza tempo de limpeza, encerramentos e avaliações. Há também uma sensação de peso , insegurança e decepção conosco mesmos e nossa ingenuidade. 

Reprodução

Começamos uma semana de Lua Disseminadora e posteriormente, Minguante, que traz também o Sol Geminiano em oposição a Saturno – ai, ai, ai, lá vamos nós de novo para o confronto com o Mestre do Tempo! Mas depois de encarar o Velho, sacudimos a poeira e nos deparamos com o novo e oportunidades de usar os revezes como escada para nossa melhoria. O Sol fecha a semana em quadratura não exata a Quíron, então, esta semana traz alguns desafios à nossa autoconfiança, vitalidade, resiliência e força de vontade. Bater de frente e espernear não vai resolver. Se o Senhor do Tempo diz que é melhor esperar, não ganhamos nada em tentar burlar suas leis. Esperemos e contenhamos nossa frustração – ela tem muito a nos ensinar! E uma lição que precisamos relembrar é que, muitas vezes, nós somos nosso pior inimigo, quando nos deixamos abater pelo negativismo e pela auto-dúvida. O fim de semana está especialmente sensível, porque a Lua ao trafegar por Peixes, potencializa a retrogradação de Netuno e a oposição Sol-Saturno, condição em que fica minguante no sábado. Já o domingo traz propensão a conflitos e embates.

Reprodução a partir do Flickr

Mercúrio vem atrás do Sol, transformando em conceitos todas as experiências vivenciadas por este Sol e por ele mesmo. Nesta semana Mercúrio faz trígono a Júpiter, quadratura a Netuno, quincôncio a Plutão e também se opõe a Saturno, de modo que nossa mente oscila bastante entre o entusiasmo desmesurado e irrealista e as dúvidas subsequentes; posterior aos exageros vem a consciência de que talvez tenhamos metido os pés pelas mãos e agora temos que arcar com as consequências do que dissemos sem pensar. Saturno demanda que definamos mais claramente nossa forma de pensar e nos comunicar, que sejamos mais responsáveis e menos relapsos na comunicação e nos aprendizados, estudos e também ao lidar com leituras, escritos, papeis em geral. Talvez tenhamos alguns dias de muito pessimismo, em que tememos que nada vai dar certo e isso pode nos deixar um tanto deprimidos. Contudo, se conseguirmos controlar essa negatividade, podemos usar esse momento para averiguar com realismo as situações diversas em que nos encontramos, de modo a perceber o que está ou não funcionando, para fazer as devidas correções. Positivamente, são dias favoráveis para pesquisas e atividades mentais que requeiram disciplina, concentração e seriedade.

Reprodução

Vênus anda se refazendo no conforto de Touro. Está ultra sensual e muito conectada com os prazeres e deleites simples da vida, algo que favorece bem o Dia dos Namorados na segunda-feira. Mas pelo meio da semana ela lida com alguma insegurança, bem inconsciente, um tipo de dúvida latente sobre se não seria melhor pegar a estrada numa nova aventura, ao invés de focar tanto na segurança e confortos de uma vida “estável”. Vênus faz sesqui-quadratura a Saturno e fecha a semana em quincôncio bem próximo a Júpiter.

Reprodução

Netuno estaciona a 14°15’ de Peixes na quinta-feira, para entrar em movimento retrógrado na sexta. Erin Sullivan diz que Netuno, quando retrógrado, “nos convida a retornar ao útero, ao estado de incubação e no fim, renascer”. Como sabemos, a retrogradação de qualquer planeta sinaliza um tempo de revisão dos seus assuntos e temas. Netuno rege nossos sonhos e fantasias, os anseios de fusão com o Divino, através do outro ou de experiências transcendentais; os estados de encantamento em que desejamos nos perder e diluir no outro, aniquilando o senso de separatividade. Netuno representa a busca pela experiência da unidade, da comunhão com a vida como um todo, daí sua associação com a espiritualidade e o misticismo. Mas ele também simboliza os engôdos, os anseios enganosos, a diluição do ego através de decisões equivocadas, que pareciam perfeitas no momento em questão; está ligado aos medos irreais, às epidemias, aos estados de caos, dissolução e subversão.

Reprodução

Este ciclo de retrogradação ganha ênfase porque a Lua estará em conjunção exata a Netuno dia em que ele entrar em retrogradação, de modo que seus temas saem da esfera do meramente coletivo, para o pessoal – sentimos essa movimentação de maneira indiscutível, como uma vulnerabilidade mais acentuada, um anseio mais pungente por salvação e redenção. Assim, até 22 de novembro estaremos fazendo uma profunda revisão dos nossos sonhos e fantasias, dessa busca por unidade. É um momento de “cair na real” a respeito de ilusões que viemos alimentando nos últimos meses e perceber por que nos deixamos enganar. Talvez nos sintamos nus e vulneráveis, mas isso é necessário para nos livrarmos do senso de onipotência com que o ego possa ter se identificado na busca desenfreada e cega por tais ilusões, seja de poder, de sucesso, fama, engrandecimento pessoal, apaixonamento e encantamento por um outro ou por qualquer outra ideia ou projeto com o qual tenhamos nos envolvido sem enxergar sua realidade. Qualquer desapontamento não deve ser visto como um fracasso pessoal ou punição dos deuses, mas apenas um desnudar das ilusões, essencial ao nosso processo de crescimento. Os planetas exteriores, de maneiras diferentes, vão tirar de nós tudo aquilo que esteja atrapalhando nosso desenvolvimento, a evolução da alma. No caso de Netuno, isso ocorre de forma sutil, lenta, quase imperceptível e geralmente estamos tão encantados com o processo todo, que só nos damos conta da “esparrela” em que caímos, quando já é tarde demais para voltar atrás. E não adianta chorar e se lamentar, porque no fundo, a alma e o inconsciente, de certa maneira, conspiraram contra o ego, ou seja, inconscientemente, nós mesmos criamos o cenário e o enredo de perdas, fracassos, desilusão pelo qual navegamos presentemente – compactuamos, fomos ao encontro e nos tornamos “cúmplices” daquele/s que nos enganou/enganaram. Por mais doloroso que seja para o ego soltar e se desapegar de tais coisas com as quais estávamos identificados – posses, propriedades, opiniões, imagem, emprego, relacionamentos, etc – eles serão levados para que percebamos que nossa existência não depende disso, que somos muito mais do que tais identificações ilusórias, por mais penoso que seja a experiência toda. Com Netuno retrógrado as ilusões talvez se tornem mais claras, especialmente se Netuno está fazendo contatos a planetas no mapa natal e se o aspecto já ficou exato com Netuno direto. Soltar e se desapegar, ao invés de resistir – é o melhor que podemos fazer.

Reprodução

A Lua abre a semana na fase Cheia em Capricórnio. Torna-se Disseminadora em Aquário na terça-feira e entra na fase Minguante a partir de Peixes, no sábado. Fecha a semana já em Áries, digladiando-se com Marte, Júpiter e Plutão.

Reprodução

SEGUNDA-FEIRA, 12 de junho – A Lua está na fase cheia, em Capricórnio. Hoje faz conjunção a Plutão, quincôncio ao Sol, sesqui-quadratura a Mercúrio, sextil a Quíron e quadratura a Urano, ficando vazia depois da briga com Urano, às 14h47min. Ingressa em Aquário às 19h45min e fecha a noite em quadratura a Vênus em Touro. O dia dos Namorados está um tanto tempestuoso, com uma Lua nada romântica. Pelo contrário, o clima está meio pesado e sisudo e, mais do que isso, com a conjunção a Plutão – aspecto que a Lua faz todo mês e que sinaliza um momento denso de entrar em contato com nossa sombra, desejos de poder, de controle e, em última instância, necessidade de transformação – precisamos lidar com emoções sombrias e intensas que emergem do inconsciente. O dia fica então colorido por fortes contradições: desejos de nos comprometer seriamente, versus o impulso de preservar a autonomia, o movimento e a liberdade pessoal. Talvez não nos sintamos particularmente românticos no dia de hoje, porque nos deparamos com algumas verdades dolorosas a respeito de nós mesmos, nossas necessidades e algumas discrepâncias na relação com o outro; talvez não percebamos, mas é possível que estejamos muito exigentes e coloquemos sobre o outro altas cobranças, ciúmes, tentativas de controle e, claro, tudo isso pode gerar muitas tensões e até azedume nas relações. Por outro lado, se formos capazes de ser honestos e confrontarmos nossas carências infantis, percebendo que elas são exatamente isso, carências infantis, e que o outro não é responsável por resolvê-las, temos chance de crescer mais um pouco e, ao invés de crise, podemos aprofundar essa relação, aumentar a cumplicidade com o outro, respeitando sua individualidade e independência sem nos sentir ameaçados por isso. Vale a pena fazer um exame cuidadoso se há uma crise real em curso, ou se são apenas nossas inseguranças que estão exacerbadas hoje. À noite a Lua está em Aquário e sinaliza que as celebrações românticas sejam inovadoras, diferentes; que se busque surpreender o outro com uma nova faceta de nós mesmos e que também nos deixemos surpreender, pondo de lado preconceitos, rótulos e abrindo-nos à experimentação. Repetir o enredo dos anos anteriores é receita de confusão! Ouse, faça algo diferente, saia da mesmice, fuja dos estereótipos e dos scripts ensaiados! Não existe um único modelo ou formato de amor e de relação, cada pessoa tem um jeito único e especial de amar. Portanto, não almeje ser ou ter uma relação “perfeita” ou igual à do Fulano ou do Beltrano! Respeite a sua natureza e a natureza do outro e assim, a relação também será única e as diferenças, ao invés de serem um problema, enriquecerão as trocas afetivas.

reprodução – desconheço o autor

TERÇA-FEIRA, 13 de junho – Mercúrio está em trígono pleno a Júpiter. De Aquário a Lua faz quadratura à Vênus Taurina, quincôncio a Marte em Câncer e entra na fase Disseminadora ao fazer sesqui-quadratura ao Sol Geminiano. A Lua ainda faz trígono a Júpiter em Libra e, como Mercúrio também está em trígono a Júpiter, temos formado um Grande Trígono em Ar. Saturno vai se aproximando da oposição ao Sol. A despeito do peso que andamos sentindo, o dia traz um pouco de leveza, que nos ajuda a espairecer e a nos motivar um pouco para enfrentar os desafios que já vislumbramos ali à frente. É como se tivéssemos a chance de um descanso, uma pequena trégua em que podemos relaxar, antes de voltar às armas. Os pensamentos ganham asas e temos a coragem de expressá-los mais abertamente; também vamos em busca de novos contatos e relações, aspirando encontrar, talvez, respostas para nossas dúvidas e indagações filosóficas, ou simplesmente oportunidades de ampliar um pouco nossas possibilidades e alternativas. É um bom dia para ler sobre novos assuntos ou autores, comunicar-se, escrever sobre nossos questionamentos, sair um pouco da rotina, inspirar novos ares ou, simplesmente, relaxar um pouco, sem culpas ou cobranças, como uma maneira de aliviar a pressão, mesmo sabendo que logo devemos retomar a caminhada. Assim, aproveitemos porque “o segredo do êxito está em preparar-se para aproveitar a ocasião, quando ela se apresenta”.

Nicoletta Ceccoli – Reprodução

QUARTA-FEIRA, 14 de junho – A Lua, Disseminadora em Aquário, abre o dia ainda em formação de Grande Trígono com Mercúrio e Júpiter, durante a madrugada. Durante o dia faz trígono ao Sol e sextil a Saturno. O Sol está em oposição próxima a Saturno e a Lua hoje media esse embate. Saturno e Urano estão em trígono entre si e Júpiter em quincôncio a Netuno. Muitos dos desafios que aparecem no caminho tornam-se em oportunidades se forem vistos com olhos inovadores e com a dose adequada de criatividade – esta é uma maneira de vermos nossas dificuldades, que hoje já se mostram bastante duras. Mas não devemos deixar que nos soterrem debaixo de seu peso. O dia oferece possibilidades de olharmos nossos problemas e limitações com muita lucidez e distanciamento, sem nos identificarmos demais com eles, de modo a conseguirmos soluções inusitadas e diferentes daquelas já tentadas no passado. E mesmo que nos sintamos “castrados”, sabemos que precisamos, de alguma forma, “castrar” realmente os excessos, para podermos focar naquilo que realmente vale a pena. É necessário filtrarmos nossas aspirações de futuro, priorizando e disseminando aquelas que são de fato, realizáveis, mesmo que tenhamos que esperar um pouco para executá-las. Nesse meio tempo, podemos fortalecer nossa rede de contatos, podemos nos preparar melhor e ganhar consistência quanto à informação e conhecimento necessários à realização dos objetivos!

Alfredo Araujo Santoyo – Reprodução

QUINTA-FEIRA, 15 de junho – O Sol Geminiano está em oposição plena a Saturno em Sagitário. A Lua Aquariana se harmoniza com seu dispositor moderno, Urano e fica fora de curso logo depois, à 01h40min. Ingressa em Peixes às 06h18min, de onde se afina com Vênus em Touro, harmonizando-se também com Marte em Câncer, regido por ela. Netuno estaciona às 07h09min para dar marcha à ré, amanhã. As enganações e ilusões a que nos expomos recentemente nos são atiradas na cara, pois agora enxergamos a realidade mais limpidamente e possivelmente nos damos conta de que andamos ignorando alguns dos nossos limites, por estarmos demasiados fascinados com expectativas que agora se revelam vazias. Além disso, também precisamos lidar com os limites impostos por outros – chefias, autoridades, figuras acima de nós – ou mesmo por nossas circunstâncias, num momento em que nos sentimos particularmente vulneráveis e sensíveis, espremidos entre obrigações, deveres e aquilo que realmente gostaríamos de estar fazendo e vivendo. Entretanto, por mais que nos sintamos pressionados, desmotivados e isolados, não é o caso de entregarmos os pontos e desistirmos da luta. Mais uma vez, trata-se de um teste à firmeza e consistência da nossa vontade e dos nossos propósitos; uma prova sobre se já conseguimos o equilíbrio adequado entre as obrigações sociais e profissionais e o compromisso conosco mesmos e nossa consciência; de sermos leais a nós mesmos, a despeito das negativas e recusas que ouvimos mundo afora. Fisicamente, talvez nos sintamos muito cansados, exaustos, até, com uma desconfortável sensação de sermos mais mais velhos e “gastos” do que realmente somos. Tal sentimento aumenta a impressão de peso, derrota e isolamento. Contudo, não precisamos nos sentir vitimizados ou alienados, ao contrário, podemos aproveitar esse período para trabalhar a nós mesmos e às nossas inseguranças e inadequações que, diferentemente do que pensamos, não estão assim tão visíveis e evidentes para o mundo como estão para nós. E se de fato, são evidentes para nós, aproveitemos a chance de burilarmos e refinarmos esse diamante bruto que somos nós.

Reprodução

SEXTA-FEIRA, 16 de junho – Netuno entra em retrogradação hoje e só volta ao movimento direto em 22 de novembro. A condição estacionário-retrógrado de Netuno é potencializada pela conjunção da Lua, que também faz quincôncio a Júpiter em Libra, sextil a Plutão e quadratura a Mercúrio em Gêmeos, que hoje também está em quincôncio pleno a Plutão. O Sol segue em oposição a Saturno, começando a se afastar. O dia traz o tom da vulnerabilidade. Uma sensibilidade extremada, que nos permite descerrar as cortinas que separam mundos, dimensões e as diferentes “realidades”. Nostalgia, anseios profundos, contradizem a consciência que quer permanecer fincada na racionalidade. Mas ao insistir nisso, perdemos a possibilidade de dialogar em diferentes linguagens e ampliar a percepção, para que possamos ir além daquilo que os olhos físicos podem alcançar. Sentimo-nos presos por um torpor, um cansaço físico que reverbera do langor que começa na alma, como uma pré-embriaguez, em que ainda estamos parcialmente conscientes, mas oscilantes, misturando estações, tentando fugir da realidade com seus tons de cinza escuro, buscando as cores caleidoscópicas das esferas mágicas e sobrenaturais. Mais do que sensíveis, estamos sensitivos e captamos influências extra-sensoriais. Contudo, embora a intuição esteja especialmente aguçada hoje, vale a pena deixá-la assentar antes de tomar atitudes práticas, porque as percepções entre realidade e fantasia estão por demais borradas e misturadas e podemos confundir intuição com desejo ou anseios impossíveis. Se não está propício para lidar com coisas e situações práticas e que demandem lucidez, por outro lado, o dia favorece as atividades artísticas e criativas em geral, exatamente por causa da sensibilidade e imaginação super afloradas e na arte, sim, tudo é possível e podemos, de fato, soltar as rédeas da nossa imaginação, da percepção mágica e extra-sensorial e expressar a beleza e o sublime que se derrama de nossa alma.

Igor Morski – Reprodução

SÁBADO, 17 de junho – De Peixes a Lua faz quadratura a Saturno em Sagitário e depois ao Sol em Gêmeos, entrando na fase Minguante – a Lua vira foco de uma T-Square Mutável, que tem por base a difícil oposição Sol-Saturno. A Lua fica vazia depois da quadratura ao Sol, às 07h33min e ingressa em Áries somente às 13h55min. O dia está melindroso e modorrento. Há um forte conflito entre a razão e o sentimento; entre o sonho e a realidade. Dores e indisposição física nos fazem sentir pesadões, como se o corpo fosse mais uma prisão e não um invólucro sagrado da alma. A indisposição física tem origens mais profundas: nasce da indisposição emocional, por sua vez advinda dos muitos embates recentes com nossas inseguranças, temores, desesperança e vacilações. Nesse estado de prostração, nem queremos sair da cama, imagine então, de casa! Quem puder, faz bem, se de fato tirar algumas horas para refletir mais profundamente sobre tal prostração, sobre as inseguranças e desejos de evasão do mundo. O Minguante nos pede que abramos mão do desejo de que outros cuidem e se responsabilizem por nós ou por nosso bem-estar; deixar ir os escapismos, as fugas da realidade, a busca inconsequente e autodestrutiva por auto-dissolvição; abrir mão dos delírios e vontade de que tudo se resolva magicamente, sem que precisemos nos esforçar pelas melhorias; e aceitar a realidade tal como se apresenta, para poder transformá-la ali na frente. Eliminar os vícios e propor-se a uma limpeza real na alma e no coração, para que possamos deixar o terreno limpo e fertilizado para a plantação de novos sonhos e projetos, passíveis de serem realizados concretamente e não apenas falácias aventadas para ganharmos tempo diante de nós mesmos. Em termos práticos a manhã pede que peguemos leve, porque há tendência a contratempos, imprevistos e desperdícios. À tarde ficamos mais animados porque sentimos nossa energia medianamente revigorada e estamos aptos a realizar as atividades que porventura tenham ficado em standby pela manhã!

Nicoletta Ceccoli – Reprodução

DOMINGO, 18 de junho – O Sol Geminiano está em sextil exato a Urano em Áries. A Lua está em Áries e faz quadratura a Marte em Câncer – ambos estão em recepção mútua, um morando na casa do outro. A Lua ainda faz oposição a Júpiter em Libra e quadratura a Plutão em Capricórnio e temos então formado uma ampla Grande Cruz Cardinal. Depois de alguns dias de modorra, inseguranças, melindres e choradeiras, o domingo traz uma disposição completamente diferente: tem muito dinamismo, atividades, movimentação e também belicosidade no ar. Queremos e tentamos fazer várias coisas ao mesmo tempo e acabamos criando algumas confusões, devido à inabilidade de ouvir o outro e de negociar. Queremos o que queremos e queremos AGORA! Não importa se não depende do outro, porque, feito criança birrenta, estamos surdos e alheios à razão e aos argumentos do bom senso. Meu nome é umbigo e eu esqueço até que o umbigo tá grudado num corpo. O outro problema é que no nosso entusiasmo e impaciência, não percebemos que aquilo que é bom para nós não necessariamente agrada ao outro e vamos em frente, impondo nossa vontade alegremente, como se soubéssemos o que é melhor para todos, criando antipatias, algumas confusões e conflitos de vontades. Se pararmos um pouco e conseguirmos olhar para os lados, perceberemos que podemos conciliar as várias atividades e vontades, desde que cada lado esteja disposto a ceder um pouco, do contrário, azedaremos o domingo, as brincadeiras e a possibilidade de descanso e da boa convivência. Viva e deixe viver pode ser um bom lema para o dia, respeitando a diversidade de opinião e de desejos uns dos outros. Em termos práticos, o dia pede cautela, porque estamos muito impacientes e impulsivos e imprudentes e nesse estamos podemos nos expor a acidentes e conflitos perfeitamente evitáveis e dispensáveis!

Desejo a você uma ótima e serena semana!

Nota: pessoal, fiquei duas semanas sem publicar o texto da Semana Astrológica. Desculpem, mas estava impraticável! Precisei fazer uma reforma em casa, que era para durar duas semanas e virou um mês – e eu morando junto com a reforma! As duas últimas semanas foram as mais difíceis, porque estava acabando e eu fiquei quase que completamente em função da obra, indo a todo momento comprar algo que faltou. Cheguei a ir na loja para comprar 4 parafusos – literalmente! – quem já passou por reforma sabe como é! Você pergunta para o pedreiro a cada vez que vai na loja de material de construção: “falta mais alguma coisa?” – “Não, agora é só isso mesmo!”- Daí, você mal entra em casa e tem que sair de novo (rsrsrsrs). Depois vem a faxina e colocar tudo no lugar – outra parte exaustiva – até hoje tem um canto da sala com montes de coisas empilhadas! No meio de tudo isso, ainda estava fazendo um curso de Florais… Enfim, a reforma ficou ótima. Reformei minha cozinha, que era algo que eu queria fazer há muitos anos e ficava hesitando. Mas a reforma do exterior só ocorre como consequência da reforma e renovação interior! Estou bem feliz com o resultado! Agradecida pela compreensão!

Reprodução
Alfredo Araujo Santoyo – Reprodução

 

Lua Cheia em Sagitário – Além do Arco-íris

Reprodução

O ciclo de Gêmeos culmina na Lua Cheia de Sagitário, que acontece nesta sexta-feira, dia 09 de junho, às 09h10min no horário de Brasília e às 13h10min no horário de Lisboa. A Lua atinge seu apogeu de reflexão da luz do Sol no grau 18°53’ de Sagitário – tecnicamente, grau 19. Essa lunação se dá em quadratura separativa a Netuno em Peixes – que é foco de uma T-Square Mutável, já que recebe as quadraturas de Sol e Lua – conjunção ampla a Saturno e trígono mais amplo ainda – quase dez graus – a Urano em Áries.

É uma Lua que traz um tom agridoce. Explico: uma Lua Cheia em Sagitário sinaliza um tempo de celebração, de revigorar nossa fé, alegria, entusiasmo e confiança na vida e no futuro! O espírito está elevado e a inspiração, mais elevada ainda! É uma lunação marcada pelo bom humor e tem nuances de festa, diversão, aventura! Sagitário é também um signo d expansão seja em termos materiais, quanto intelectuais ou espirituais. Gêmeos-Sagitário formam o eixo do conhecimento, em que um é o conhecimento prático e funcional – a mente – e o outro é o conhecimento do espírito – a intuição.

Reprodução

Além disso, temos Vênus em Touro – majestosa em sua casa luxuosamente simples e confortável – em harmonia com Marte em Câncer, nem tão majestoso assim, já que está num signo desconfortável para ele, mas mesmo assim, muito romântico e protetor! Esse aspecto entre os dois traz, além da possibilidade de harmonia entre os sexos e nos relacionamentos, a capacidade de desfrutarmos dos prazeres e deleites da vida e algum enraizamento, já que Vênus está em Touro. aumenta a capacidade para o prazer, o gozo e alegria!

Arcano XX do Tarô – O Julgamento

Outro ponto que realça a qualidade otimista e exagerada dessa Lua Cheia, é o fato de Júpiter estar estacionário, preparando-se para voltar ao movimento direto em Libra. Isso faz com que os assuntos e temas da lunação de Sagitário sejam catapultados a outras alturas! Os temas da justiça, das leis e dos juízes se tornam muito salientados e sensíveis – tudo parece ocorrer em câmera lenta e todo acontecimento ganha proporções gigantescas – para o melhor ou para o pior! Pessoalmente precisamos cuidar com os exageros. Já em termos coletivos, o Julgamento está em curso e nada escapa aos olhos da justiça – quem se safar da justiça humana, confrontará a divina – em dobro!

Reprodução

Entretanto, além dos aspectos que a Lua faz a Netuno e a Saturno, o Sol Geminiano está em quincôncio pleno a Plutão em Capricórnio – e a Lua faz um semi-sextil a ele. Portanto, essa é uma Lua que precisa conciliar sonhos, ideais, fantasias com a realidade; harmonizar sombra e luz, consciente e inconsciente. Como se exaltar e se regozijar, sem perder a noção, sem nos deixarmos levar pelo exagero, por delírios ou devaneios sem fundamento?

Reprodução

O desafio é como que nos motivamos e nos animamos a buscar nossos sonhos, como miramos no alvo, certificando-nos que estes sonhos são mais do que ilusões ou quimeras; como vivemos a realidade, com toda a sua dureza, sem nos endurecer, sem perder nossa capacidade de esperançar, de acreditar, tanto em nós mesmos como na boa fé do outro ser humano; como, a despeito de todas as decepções e fracassos passados, não perdemos a fé no elemento humano e na sua evolução. Como mantemos a inocência das crianças, depois de termos visto tantas atrocidades e vilanias; como insistimos em nos melhorar, quando ao nosso redor tudo parece se deteriorar; como insistimos em ser bons, em viver na bondade e na generosidade de espírito, se tantas vezes sofremos os efeitos do mal e da mesquinharia – dentro e fora de nós. É a vitória da fé, da confiança, da esperança de que tudo tem um sentido maior, mesmo que nossa pequena compreensão humana não consiga abarcar ou alcançar. Nós geralmente medimos a vida e o mundo dentro da nossa própria perspectiva limitada e esquecemos que a vida, o mundo, o universo, vão muito além de uma mera vida humana e, dentro dessa perspectiva, tudo está certo, tudo está como deveria estar. Nisso precisamos confiar.

Charles Paul Landon – Icarus and Dedalus – reprodução

Essa Lua Cheia me lembra o mito de Ícaro, para que não conhece ou não lembra, vou contar resumidamente esse mito (1). Ícaro era filho de Dédalos, que construiu o labirinto do Minotauro, com a ajuda de seu filho, a pedido do Rei Minos – você pode ler um pouco dessa história o texto sobre o signo de Touro. Quando Minos soube que Teseu matou o Minotauro e conseguiu sair do labirinto, prendeu Dédalos e Ícaro no labirinto, em Creta. Sabendo que Minos controlava tanto o mar quanto a terra, Dédalos, que era um grande e habilidoso artesão, fez para si e para Ícaro asas que juntavam penas de várias aves, fixadas com cera, para que assim, pudessem fugir do labirinto e de Creta. Antes de alçar voo, Dédalus alertou a Ícaro que não voasse alto demais, pois o calor do sol poderia derreter a cera e descolar as asas; também não deveriam voar muito baixo, pois a umidade do mar poderia também desmanchar o artefato. Assim, alçaram voo em direção à liberdade. Porem, Ícaro ficou encantando com o fulgor do Sol e seguiu em sua direção, sentindo-se como um deus. Esqueceu-se dos conselhos de seu pai e voou alto, alto demais, deslumbrado que estava com o Sol. Logo a cera de suas asas começou a derreter e ele caiu e morreu no mar que posteriormente foi nomeado em sua homenagem: Mar Icário. Dédalos, ao não ver mais o filho, preocupou-se e chamou-o muitas vezes, mas já era tarde. Viu apenas as penas flutuando sobre as ondas. Mesmo assim, Dédalos conseguiu chegar à Sicília e lá enterrou o corpo do filho.

Reprodução

Como sabemos, Sagitário é um signo das alturas, das infinitas possibilidades. É o signo do Puer Aeternus, o arquétipo da Criança Divina, modernamente conhecida como Peter Pan. Ícaro é mais uma faceta desse arquétipo. As asas simbolizam a criatividade, a liberdade e a capacidade de voar acima dos nossos limites terrenos, representado pelo labirinto e pela ilha – lembra da expressão asas da liberdade, asas da imaginação? Mas os problemas começam quando nos empolgamos demais e esquecemos que tais limites continuam valendo, que não podemos ser arrogantes e achar que somos deuses, voar alto demais. Esse é um tema básico para quem tem Sagitário forte no mapa: as grandes aspirações, o alçar grandes alturas e depois se ver em queda livre, vertiginosamente, porque esquece-se os limites básicos, as regras do voo – mesmo os pássaros obedecem regras de voo, porque sem elas, o voo é sempre desastroso! E esse é o desafio de Sagitário e de todos nós nas próximas semanas: alçar o voo sem esquecer das regras básicas, sem incorrer na arrogância de achar que viramos deuses e agora podemos tudo, inclusive chegar ao sol, chegar a ser Deus, em carne e osso.

Reprodução

O outro desafio é celebrar, apesar das decepções e desapontamentos. Celebrar – não como no ditado “como se não houvesse amanhã”, ao contrário, exatamente pensando no amanhã, que pode ser melhor, porque vamos nos esforçar para crescer e melhorar; perceber as pequenas vitórias ao longo da caminhada e se regozijar por elas; encarar a realidade, crescer com ela, sem perder o espírito-criança, genuíno e inocente, mas nunca ingênuo!

Reprodução

Como Saturno está forte neste mapa, a Lua Cheia joga luz e realça, mais uma vez seu trânsito por Sagitário. E aqui precisamos ter um cuidado: o de não incorrermos nas cobranças excessivamente duras conosco mesmos ou com outros – Saturno -e o Senex, o outro lado do Puer, o Velho. Também precisamos cuidar para não nos prostrarmos diante de algumas decepções, perdas, dificuldades… Já falei em outros textos que signos Mutáveis – especialmente Gêmeos e Sagitário andam enfrentando a maior barra nos últimos dois anos, devido aos desafios de Saturno e isso representa um momento de crescimento e não de derrota. E vai passar – lembre-se disso!

Reprodução

Por outro lado, como a Lua está aplicando a Saturno, precisamos nos preparar para lidar com cobranças de promessas que andamos fazendo sem pensar e agora precisamos entregar o prometido – nos próximos dias ou meses! Quem quer que tenha se comprometido demais, sem planejar adequadamente, seja em termos financeiros, energéticos, de tarefas ou de tempo, agora terá que fazer malabarismos para cumprir o que prometeu, ou simplesmente deixar de cumprir e arcar com as consequências – mesmo assim, isso ainda é parte do aprendizado e não convém autoflagelar-se.

Reprodução

Pelicanos, perturbados pelo comportamento e resíduos dos humanos, procuram áreas mais seguras para criar seus filhotes”. Este é o Símbolo Sabiano para o grau 19 de Sagitário, que nos remete a questões muito maiores que os pessoais ou locais – remete-nos aos problemas universais que o humano contemporâneo enfrenta, problemas criados por ele mesmo. Não precisamos elucubrar muito a respeito dessa imagem, porque ela fala por si só: questões ambientais e como estamos cavando nossa própria cova, além de enterrarmos junto centenas, talvez milhares de espécies que sofrem as consequências da atuação danosa do ser humano sobre o planeta.

Reprodução

Além de apontar para a questão real do excesso de lixo e descartes produzidos pelos indivíduos e sociedades modernas, consequências do consumo exagerado e vazio, também alude ao lixo cultural, aos excessos produzidos na indústria do entretenimento que, ao invés de alimentar nossa alma e fomentar nossos sonhos, apenas os pulveriza e os barateia, pois tudo se torna comercializável, rentável, mesmo o mais íntimo e precioso dos sonhos. Pelicanos são conhecidos pelo extremo cuidado que têm com suas crias e famílias. Diz-se que em situações radicais eles chegam a alimentar os filhotes com a própria carne e sangue. Não se sabe se isso é lenda ou verdade, mesmo assim, de acordo com Dane Rudhyar (2), remonta à ideia de urgência: “nossa sociedade tecnológica polui não apenas o ambiente global, mas também a mente e as respostas emocionais das novas gerações. A busca por novos modos de vida é vista por muitas pessoas como um imperativo”, diz ele.

Reprodução

Então, este é mais um desafio: como continuamos a crescer e a nos desenvolver como indivíduos, sociedades e, em última instância, como espécie, sem ser uma ameaça às outras espécies e ao próprio planeta e ainda sem comprometer o conhecimento, a formação e o futuro cultural das novas gerações, por causa do lixo imediatista produzido aos borbotões pela indústria da “felicidade fácil e comprável” no shopping center – ou em qualquer outro lugar que acreditemos que podemos comprar satisfação verdadeira.

Reprodução

Diante de tudo isso, eu insisto: temos muito a celebrar e a aspirar! É incontestável que temos dificuldades, mas elas estão aí para nos testar. Elas nos testam a amadurecer e continuar a crescer; elas nos desafiam a dar nosso melhor e não perder a confiança em nós mesmos, no elemento humano, na vida; elas nos desafiam a aspirar às grandes alturas, a sair dos labirintos criados pelo medo, pelos abusos de poder, pela estreiteza de pensamento e de espírito; e, ainda assim, lembrar de nossa mortalidade, para não queimarmos feito mariposas na chama da luz fulgurante e nem derretermos a cera que nos permite voar. Sim, muito temos a celebrar! E a confiar! Fincamos os pés na terra para alçar nosso voo, lembrando que precisamos ter clareza que em algum momento precisaremos pousar.

Para terminar, essa Lua Cheia me lembra aquela canção tradicional, imortalizada na voz de Judy Garland – e que me foi lembrada hoje por uma amiga: “Over the Rainbow” – Além do Arco-íris. A canção é trilha do filme o Mágico de Oz, de 1939. Foi escrita por Harold Arlen and Yip Harburg e aparece no momento em que Dorothy sonha e anseia por escapar da melancolia e das dificuldades que vive em sua realidade, no Kansas. Além do sentido que tem no filme, a canção tinha o intuito de elevar o espírito dos americanos, que ainda lutavam para se recuperar da Grande Depressão de 1929. De fato, Dorothy, conversando com seu cão, Toto, fala que “não se pode chegar a este lugar por trem ou barco, é um lugar muito, muito além… Atrás da Lua, além da chuva… Um lugar onde não há nenhum problema”. Eu diria que este lugar só existe no nosso refúgio particular, na nossa própria alma, quando estamos em paz. E, embora sejam raros tais momentos de paz, eles são possíveis e muitas vezes independem de circunstâncias exteriores. Trago esta canção aqui para elevar nosso espírito e lembrar que além do arco-íris existe um lugar mágico e este lugar não está lá fora. O arco-íris está dentro de nós e o que encontramos além dele, é peculiar e singular para cada um, porque é a nossa Terra do Nunca particular, nosso paraíso pessoal, para onde podemos ir sempre, para nos refazer, para celebrar. Não necessariamente para fugir, mas para buscar uma trégua, um momento de refazimento da luz e da esperança, o revigorar do entusiasmo e da fé!

Abaixo, a letra da canção, em tradução livre:

Além do arco-íris

Em algum lugar, além do arco-íris, bem no alto
Há uma terra sobre a qual eu ouvi uma vez em uma canção de ninar.
Em algum lugar, além do arco-íris, os céus são azuis
E os sonhos que você se atreve a sonhar,
realmente tornam-se realidade

Algum dia eu pedirei a uma estrela
E acordarei onde as nuvens estarão muito atrás de mim
Onde os problemas derretem-se como balas de limão
Muito acima dos topos das chaminés
É onde você me encontrará

Em algum lugar além do arco-íris, pássaros azuis voam
Pássaros voam além do arco-íris
Porque então, por que não posso eu?
Se pequenos pássaros felizes voam
Além do arco-íris
Porque, oh porque não posso eu?

Feliz Lua cheia para você! Que haja motivos para celebrar – e sempre há! Brindemos a isso!

Reprodução

(1) APOLLODORUS – The Library of Greek Mythology

(2) RUDHYAR, Dane – An Astrological Mandala

Lua Nova em Gêmeos – O mosaico da verdade

A Lua se renovou nesta quinta-feira, a 04°46 de Gêmeos, às 16h44min no horário de Brasília e às 20h44min no horário de Lisboa. É uma Lua Nova que ocorre em meio a muita tensão e perigos, devido à oposição Marte-Saturno que fica exata na semana que vem, mas que já incendeia os ânimos e, no caso do Brasil, literalmente.

Lynn Skordal – Reprodução

Em Gêmeos nos deparamos com a necessidade de criar conexões, de fazer associações de ideias; buscamos o movimento e as interações. Sendo signo de Ar, Gêmeos também é um signo relacional – não no sentido afetivo, claro, mas no sentido da necessidade de conexões, de contato. É um signo de comunicação e conhecimento e seu ciclo nos convida a olhar mais de perto como estamos agindo nessa área da nossa vida. É o momento, então, de renovarmos nossa comunicação, nossos contatos, a relação com o nosso ambiente imediato. É hora de lançarmos intenções relativas à busca do conhecimento e da superação das dualidades.

Lua Nova em Gêmeos – Brasília, 25 de maio de 2017, 16h44min

O mapa da Lua Nova, traz Lua e Sol em sesqui-quadratura – um aspecto considerado menor, de 135 graus – a Plutão, sendo este o aspecto mais próximo. Além deste, Sol e Lua ainda vão fazer trígono a Júpiter em Libra e quadratura a Netuno em Peixes, ambos os aspectos de quase dez graus, muito amplos. De modo que a Lua Nova ocorre de forma relativamente isolada, o que aumenta o potencial de dualidade e ambivalência do signo, além da extrema atividade mental e verborrágica. O diálogo mais intenso dos luminares é mesmo com Plutão, o Deus dos Infernos e dos processos de transformação, mas esse é um diálogo bastante indireto, pois a mente racional e consciente parece não querer ter muito a ver com a sombra, com a obscuridade densa representada por Plutão – tenta ignorar, mas mesmo assim não se vê capaz. A busca pelo controle e pelo poder é feita pela via sinuosa, oblíqua, através, principalmente, do medo e das medidas ditatoriais, disfarçadas de zelo pela ordem e pelo bem estar do outro – é o típico “faço isso pelo seu próprio bem”, enquanto cerceamos a liberdade do outro, quando na verdade estamos com medo dele. Mais do que nunca, a direita não sabe o que a esquerda faz e acusam-se mutuamente dos mesmos crimes – estou falando do ditado popular associado a Gêmeos, mas bem que isso pode se aplicar à polarização extrema que se dá no país atualmente!

Lola Dupré – Reprodução

Somos pressionados por Plutão, inconscientemente, a transformar nossos contatos, nossas conexões, nossa comunicação, nossa relação com o conhecimento e com os fatos. Mercúrio, regente da Lua Nova, também faz contatos distantes a alguns planetas: sextil a Netuno, trígono a Plutão, quincôncio a Júpiter. Mas está em sesqui-quadratura exata a Saturno em Sagitário. Aliás, é interessante notar que esse mapa – e a semana – está cheio de sesqui-quadraturas, um aspecto dito inconsciente, mas precipitador de acidentes e eventos. O aspecto Mercúrio-Saturno exige que confrontemos a verdade dos fatos e, se não o fizermos, as inseguranças continuarão a nos afligir. Mas o complicado é que estamos num momento difícil de identificar o que seja a verdade, porque parece que ela se multiplica e se desmembra, se fragmenta em muitos pedaços, formando mosaicos, ao invés de uma única imagem incorruptível.

Reprodução

Às vezes, tudo o que temos são os mosaicos, que demandam distanciamento, para que a imagem inteira possa fazer sentido: se ficamos próximos demais, perdemos a perspectiva e não conseguimos divisar nada claramente; se olhamos de muito perto, só acessamos uma parte do todo, que por mais que seja correta, não conta a história toda e essa é uma das dificuldades de Gêmeos: perder-se nos detalhes, nos fragmentos, falhando em captar a visão inteira, o quadro maior. Portanto, para analisarmos os fatos e termos um vislumbre que seja da verdade, é preciso distanciamento e nenhum envolvimento. Do contrário, talvez sejamos parciais. E nosso julgamento não será útil nem fidedigno para tomar as decisões que precisamos tomar. É como montar um quebra-cabeças: demanda tempo e paciência, especialmente quando não temos a referência da imagem que está sendo montada. E por vezes, perdemos a referência da imagem por concentrar-nos no exterior e esquecer do que está dentro, da nossa sabedoria interna.

Reprodução

Gêmeos também é um signo de dualidade, de ambivalência e com a Lua Nova sem muitos aspectos próximos essa qualidade fica acentuada. Sobram polarizações e dualismos, em que dividimos o mundo em preto ou branco, bom ou mau, quem está comigo e quem está contra mim – essa característica não é muito alentadora, quando lembramos que este cenário de dualismos já está instalado no Brasil há algum tempo. Enquanto isso, muita gente se beneficia e lucra com as polarizações, que no fundo desviam a atenção dos temas mais cruciais e, enquanto pessoas se atacam mutuamente, os responsáveis pelo caos vão se safando da confusão que criaram e criam.

Reprodução

Mas além das questões sociais, políticas e coletivas, internamente, há também essa sensação forte de fragmentação, de estarmos estilhaçados e termos dificuldade em fazer sentido do todo que somos nós e este é um sentimento que pode permear todo o ciclo Geminiano, prejudicando o foco nos objetivos e aumentando a busca incessante por coisas fora de nós, quando deveríamos nos concentrar na imagem interior central. As racionalizações são favorecidas, em detrimento da integração dos sentimentos e emoções – temos apenas Netuno e Quíron em Água e não são planetas pessoais, Quíron, aliás, é asteroide – muito Fogo (Vênus, Urano, Saturno) muito Ar (Lua, sol, Marte, Júpiter) e uma quantidade razoável de Terra (Plutão e Mercúrio, sendo Mercúrio planeta pessoal, tem peso maior). Então é muito Ar e Fogo junto, o que alimenta o espírito e a mente racional, mas ignora os instintos e os sentimentos, que podem irromper abruptamente e minar o controle rígido da mente.

Simona Bramati – Reprodução

Por outro lado, Vênus está em quadratura exata a Plutão, que nos obriga a confrontar nosso lado mais passional e visceral e isso cria mais um dilema, vivido principalmente nas relações, mas com grandes chances de imputarmos esses conteúdos densos e instintivos no outro, já que estamos muito identificados com a racionalização objetiva e limpa. O outro se torna então o controlador e o possessivo, talvez até tirano, e não percebemos que são nossas atitudes que precipitam esse controle do outro e, na verdade, ao incorrer no nosso caos pessoal, nós invocamos tal controle, como o extremo da polaridade.

Reprodução

Contudo, o movimento que rouba o show e carrega essa Lua Nova de tensão é a oposição Marte-Saturno, o pico de um ciclo iniciado em agosto de 2016 – ensaiado já em 17 de abril/2016, quando Marte estacionou para entrar em retrogradação, a 08°54’ de Sagitário, a cerca de sete graus de Saturno, que estava no grau 15. Como eu falava no texto da Semana, na conjunção de 24 de agosto de 2016 ambos os planetas haviam acabado de voltar do movimento retrógrado. Essa conjunção ocorreu em conjunção também a Antares, uma estrela considerada maléfica e precursora de catástrofes. De lá para cá, de fato, muitas catástrofes aconteceram, literal e figurativamente – especialmente nos meios políticos e sociais. A conjunção também aconteceu como foco de uma T-Square mutável, que tinha como base a oposição Mercúrio-Netuno – muita confusão e julgamentos errôneos, levando a ações precipitadas, alimentadas também por medos e inseguranças. Agora a oposição ocorre também numa T-Square, só que dessa vez, Marte-Saturno formam a base da T-Square, da qual Quíron é o foco. Outra coisa importante é que Marte está atualmente Fora de Limites, tornando-se mais primitivo e reativo. Esse cenário é bastante perigoso, tanto nas relações e situações pessoais, quanto nas questões sociais e coletivas que estamos vivenciando, porque mais uma vez dá margem a polarizações e extremismos, em que um se vê cerceado pelo outro, que é visto então como o próprio demônio encarnado. Além disso, classicamente, Marte em tensão a Saturno, aponta para a ofensividade, agressividade, repressão violenta da ação individual, que por sua vez, gera uma contrarreação mais violenta ainda, tudo isso temperado e catapultado por muita irritação, frustração e sensação de impotência e impedimento – dá para se ter uma ideia do resultado, certo?

Reprodução

Essa oposição fica ativa por cerca de dez dias, mas terá repercussões por todo o ciclo, já que estava ativa na Lua Nova. Portanto, há que se ter muita paciência e tolerância para que divergências não enveredem por bate-bocas e não descambem para agressões literais e físicas. A frustração é maior porque Gêmeos, signo trafegado por Marte, tem a ver com movimento e deslocamentos e isso requer de nós muita prudência, especialmente no trânsito e nas comunicações – Marte-Saturno é um aspecto famoso por acidentes causados por frustrações.

Reprodução

Por outro lado, a sensação de impotência pode trazer a chance de exercitarmos a humildade e rever nossos desejos – sempre que Marte é bloqueado por Saturno, somos questionados novamente sobre a validade dos nossos desejos e quereres: realmente queremos aquilo pelo que lutamos? Ou será que estamos numa luta mental egoica, por coisas que nem alimentam nossa alma e nosso coração? O “inimigo” geralmente é o nosso melhor mestre e cabe a nós nos questionar, dentro de nossa própria vida, o que os entraves e bloqueios e o “inimigo” estão tentando nos ensinar. Por que continuar na polarização? Por que não perceber que o “inimigo” é parte de mim? Que os adversários ou opositores são pedaços importantes do grande mosaico que compõe aquilo que sou?

Diagrama de Descartes sobre o dualismo – Reprodução

O Símbolo Sabiano para o grau 5 de Gêmeos (04°46’) traz uma imagem que corrobora essa análise: “Uma revista revolucionária pedindo ação, exibe uma capa sensacional”. Dane Rudhyar, que analisou extensivamente os Símbolos Sabianos, diz que a nota básica deste símbolo é “a tendência explosiva dos sentimentos reprimidos e emoções viscerais”. Ele nos lembra do perigo das polarizações, em que sempre que privilegiamos um lado, em detrimento de outro, mais cedo ou mais tarde invocamos um movimento contrário no extremo oposto, queiramos ou não. E isso enfatiza a qualidade dual da mente, simbolizada por Gêmeos. “Aquilo que está atado rigidamente à forma e à convenção, pode explodir na ausência completa de formas, seja através da revolução ou, psicologicamente, nas psicoses”, diz ele. “Se a ação revolucionária é violenta ou pacífica, amargamente ressentida ou amorosa, o único desejo é ir além das formas estabelecidas”, completa ele – alguma semelhança com o atual estado de coisas?

Reprodução

Linda Hill, astróloga australiana, também especialista em Símbolos Sabianos, ao analisar o mesmo símbolo diz o seguinte: “Às vezes, a fim de ser levadas a sério ou serem notadas, as pessoas precisam fazer ou dizer algo estimulante, radical ou fora do comum, especialmente quando há uma necessidade, ou um desejo, de mudar as coisas. Há provavelmente um forte sentimento de que a ‘ação’ deve ser tomada – lembre-se, no entanto, de que o status quo pode ser muito difícil de despertar, mudar ou alterar. Como esta é uma “Revista Radical” pode levar a movimentos que são perturbadores ou mesmo ameaçando a estabilidade e segurança em alguma medida. Além disso, a ‘ação’ que está sendo solicitada pode levar a resultados aquém dos desejáveis. Os eventos que se desenrolam podem ser muito carregados emocionalmente” – novamente: qualquer semelhança NÃO é mera coincidência! Ela ainda acrescenta que há propensão a reações exageradas e dramáticas, notícias e mensagens chocantes, revolução, necessidade de reforma, teorias de conspiração, comportamentos ultra-egoístas.

Il segno dei Gemelli nella Rotonda dello Zodiaco – Orodé Deoro – Reprodução

Concluindo, este é um ciclo de muita racionalização e dualidades, que vai requerer de nós um distanciamento desapaixonado para conseguirmos ver a imagem maior do quebra-cabeças que precisamos montar e do mosaico que é a nossa alma, no momento bastante perturbada e conturbado pelas convulsões individuais e sociais. Num sentido mais prático, é hora de lançar as intenções referentes aos assuntos da casa onde você tem Gêmeos no seu mapa natal, além de buscar melhorar a comunicação e renovar as ideias e conceitos nessa área! E já que Gêmeos é o signo da palavra, vale escrever e verbalizar – apenas para você mesmo – o que você deseja realizar neste ciclo, quais são seus objetivos e incluir os detalhes práticos que serão necessários para a realização de tais objetivos! As metas serão muito importantes para mantermos o foco e juntar as diversas partes do grande mosaico que somos nós!

Um ótimo e feliz ciclo para você!

Reprodução

A Semana Astrológica – De Títeres e Marionetes

Reprodução

Semana de 22 a 28 de maio – Semana de Lua Nova, que indica um novo ciclo e um momento de renovar nossas intenções. Mas há muita tensão e irritação no ar, pois caminhamos para a oposição Marte-Saturno. Paciência e tolerância são fundamentais!

Nesta semana temos a Lua se renovando em Gêmeos e inaugurando um novo ciclo, cujo foco é a comunicação e as muitas conexões que fazemos na vida. A Lua ocorre em sesqui-quadratura a Plutão, aspecto que o Sol faz nesta semana e que indica que a consciência tem que lidar com forças obscuras que irrompem dos porões do inconsciente, perturbando a visão clara e arrumadinha de nós mesmos e do mundo.

Reprodução

Mercúrio, regente do ciclo, faz sextil a Netuno e quincôncio a Júpiter por estes dias. A mente autoriza que a sensibilidade e a magia enriqueçam nosso discurso ultra-sensato e literal, mas ainda se digladia com as abstrações que não consegue apreender, exatamente por causa dos literalismos e da tendência a rotular tudo na sua visão prática e, às vezes, fechada. Para se expandir, muitas vezes é preciso abrir mão das certezas.

Reprodução

Vênus faz quadratura a Plutão, aspecto exato exatamente no dia da Lua Nova. Isso implica algumas crises e talvez rupturas naquelas relações que já estão instáveis e passando por questionamentos. Queremos preservar nossa individualidade, mas também queremos manter o outro preso a nós? As relações que têm um saudável nível de honestidade emocional entre os parceiros, por outro lado, podem ser beneficiadas pela intensidade da paixão. Ainda assim, há propensão a ciúmes e possessividade dentro dos relacionamentos amorosos nos próximos dias. Caso isso de fato ocorra, vale a pena olhar para si mesmo e verificar de onde vem o medo e a insegurança; onde nasce a desconfiança. Provavelmente não começa nesta relação, mas muito lá atrás e uma auto-investigação pode nos ajudar a desvendar o mistério do monstro verde do ciúme e do controle.

Reprodução

Marte marcha para um confronto com Saturno, tendo a Urano como aliado. Estes aspectos ficam exatos na segunda-feira que vem. A oposição Marte-Saturno é a culminação do ciclo iniciado em 24 de agosto de 2016, em que ambos os planetas haviam acabado de voltar do movimento retrógrado. Essa conjunção ocorreu em conjunção também a Antares, uma estrela considerada maléfica e precursora de catástrofes. De lá para cá, de fato, muitas catástrofes aconteceram, literal e figurativamente – especialmente nos meios políticos e sociais. A conjunção também aconteceu como foco de uma T-Square mutável, que tinha como base a oposição Mercúrio-Netuno – muita confusão e julgamentos errôneos, levando a ações precipitadas, alimentadas também por medos e inseguranças. Agora a oposição ocorre também numa T-Square, só que dessa vez, Marte-Saturno formam a base da T-Square, da qual Quíron é o foco. De modo que essa semana, que precede o aspecto exato – e especialmente o fim de semana – fica permeada de muita irritação, frustrações, conflitos egoicos e espinhosos – particularmente porque Marte está atualmente Fora de Limites, e vai tentar atacar de volta, aumentando a frustração, já que Saturno é muito mais poderoso. Há que se ter muita paciência e tolerância para que os bate-bocas não descambem para agressões literais e físicas. A frustração é maior porque Gêmeos, signo trafegado por Marte, tem a ver com movimento e deslocamentos e isso requer de nós muita prudência, especialmente no trânsito e nas comunicações – marte-Saturno é um aspecto famoso por acidentes causados por frustrações. Por outro lado, a sensação de impotência pode trazer a chance de exercitarmos a humildade e rever nossos desejos – sempre que Marte é bloqueado por Saturno, somos questionados novamente sobre a validade dos nossos desejos e quereres: realmente queremos aquilo pelo que lutamos? Ou será que estamos numa luta mental egoica, por coisas que nem alimentam nossa alma e nosso coração? O “inimigo” geralmente é o nosso melhor mestre e cabe a nós nos questionar, dentro de nossa própria vida, o que os entraves e bloqueios e o “inimigo” estão tentando nos ensinar. Qual é a lição da vez?

Por último, algo que chama a atenção é que Júpiter tem estado numa formação de Balde – alternado com Locomotiva, dependendo dos trânsitos lunares – há alguns meses. Pelos próximos dias, está em destaque especial, já que é foco de um Yod-Dedo de Deus, que tem por base o sextil Mercúrio-Netuno, Júpiter fazendo quincôncio a Netuno e recebendo outro de Mercúrio. Recebe e faz vários aspectos e ao olharmos para o mapa, temos a impressão de um mestre de marionetes, a manipular seus bonecos divertida e talvez, maldosamente.

Reprodução

Se lembramos que Júpiter representa leis e a legislação, o judiciário e os juízes, isso talvez sugira que não sabemos da novela nem a metade, que muita coisa ocorre à revelia do nosso conhecimento e vontade e, possivelmente, muitos escândalos ainda estejam por vir – nós mesmos somos manipulados, qual títeres, que oram riem, ora choram, bobos e ingênuos, com suas vozes dubladas por quem tem outros interesses, muito diversos dos nossos. E somos manipulados a cair nessa polarização tola, que nos divide, quando deveríamos estar unidos pelo mesmo objetivo – mas aí que está: o manipulador nos quer divididos, porque assim é mais fácil de sermos manobrados e temos assim um círculo vicioso sem fim. Júpiter está retrógrado, sua ação alterada e não exatamente direta, o que implica ainda mais cautela. Júpiter fica nessa condição até meados de julho, quando os planetas rápidos mais o Sol ingressarem em Leão. Aguarde os desdobramentos dessa novela, que ainda tem muitas reviravoltas!

Reprodução

A Lua começou a semana na fase Minguante, em Áries. Torna-se Balsâmica ainda em Áries e fecha-se mais em Touro. Renova-se em Gêmeos na quinta-feira e fecha a semana no caldeirão de Câncer.

Reprodução

SEGUNDA-FEIRA, 22 de maio – A Lua está em Áries e hoje faz oposição a Júpiter, conjunção a Vênus e quadratura a Plutão, formando uma T-Square Cardinal, da qual Plutão é o foco. A Lua ainda faz sextil a seu dispositor, Marte, que está em Gêmeos e também semi-quadratura ao Sol, entrando na fase Balsâmica. O Sol começou sua viagem por Gêmeos e seu regente, Mercúrio, está isolado no início de Touro, já fora da zona de retrogradação. O dia está carregado de atividades e talvez algumas delas sejam retrabalho ou correção de coisas que não foram bem finalizadas antes, devido à pressa ou mesmo ao descuido. Qualquer que seja o caso, a semana – até quinta-feira – está mesmo propícia às correções ou descarte daquilo que não tem mais conserto nem utilidade. O dia também traz um tom belicoso, de irritação e exasperação, especialmente na alma feminina, que se vê estressada e sobrecarregada de muitas expectativas e cobranças, algumas externas e muitas internas, que são as mais pesadas e desconfortáveis. Estamos cansados de lidar sempre com os mesmos problemas, revestidos de novas roupagens. Fomos nós que nos enganamos na resolução, achando que já estávamos livres disso? Ou será que é apenas uma nova etapa dos desafios que viemos superar nas nossas muitas vivências? O fato é que precisamos usar tal irritação e exasperação para confrontar esses demônios uma vez mais e seguir adiante com o que precisa ser feito calcinando e purificando a alma de mais uma das muitas camadas de impurezas que carregamos em nós. Em termos práticos o dia está propenso a confrontos e conflitos, mas também favorável a muitas resoluções e a atitudes diretivas, despachos e desenvoltura das coisas que estavam paradas aguardando que lidássemos com elas.

Reprodução

TERÇA-FEIRA, 23 de maio – A Lua Ariana, na fase Balsâmica, faz trígono a Saturno e conjunção a Urano, ficando fora de curso depois deste contato, às 04h01min. Ingressa em Touro às 09h33min e faz conjunção a Mercúrio no fim da noite. O dia começa um tanto desassossegado, depois de uma madrugada em que talvez tenhamos “acordado” diversas vezes, inquietos com o porvir. Pelo meio da manhã as coisas parecem se acalmar um pouco e nós também nos tranquilizamos temporariamente, ruminando sobre afazeres, tarefas, finalizações. É a hora da verdade, do descarte. A quantas andam nossos apegos àquelas coisas velhas? Para que servem? Servirão ainda para o que quer que seja? A Lua míngua em Touro, já na última parte do minguante, a Balsâmica, quando olha e se prepara para o futuro. Mas não há futuro promissor se não nos desapegamos dos fósseis que atravancam o livre caminhar. Assim, o dia está propício à reflexão vagarosa e deliberada sobre esses apegos e a necessidade de soltá-los. É isso ou seremos arrastados para trás por aquilo de que nem precisamos; perderemos o voo da viagem para o novo, porque não conseguimos deixar para trás o excesso de bagagem. Desprendimento, é o desafio do dia e da semana!

Reprodução

QUARTA-FEIRA, 24 de maio – A Lua balsâmica em Touro faz quincôncio a Júpiter, sextil a Netuno e trígono a Plutão e fica fora de curso depois deste aspecto, às 16h10min. Ingressa em Gêmeos somente na quinta-feira. O Sol está bem próximo da sesqui-quadratura a Plutão, que fica exata amanhã, horas antes da Lua Nova. Queremos raízes ou queremos asas? Esse é o dilema básico do dia. Enquanto ansiamos por adquirir maior estabilidade e segurança, outra parte nossa fica cutucando desconfortavelmente, apontando para todas as possíveis aventuras que podemos estar perdendo por estar “enraizados” demais. O ideal é encontrarmos o adequado equilíbrio, de forma a podermos conciliar tais impulsos. Às vezes, é a segurança que nos permite dar voos mais altos, afinal precisamos de uma boa base para ganhar impulso e voar. O dia permite que assimilemos essas contradições e ainda traz a chance de modificarmos e corrigirmos aquilo que está discrepante dos nossos anseios mais verdadeiros. A partir de tal identificação, talvez possamos adotar as atitudes necessárias na direção do que nos trará mais satisfação, não apenas no ciclo iminente, mas nos diversos ciclos vindouros a se descortinar diante de nós. Cada dia podemos modificar um pouco mais, afinal, Roma não foi feita num dia!

Reprodução

QUINTA-FEIRA, 25 de maio – Vênus está em quadratura exata e o Sol em sesqui-quadratura plena a Plutão. A Lua ingressa em Gêmeos às 09h16min e faz conjunção ao Sol às 16h44min, inaugurando um novo ciclo na Lua Nova de Gêmeos, em sesqui-quadratura a Plutão e trígono amplo a Júpiter retrógrado em Libra. Mercúrio também faz sesqui-quadratura a Saturno. Depois do ciclo de retrogradação, que durou 43 dias, Vênus agora depura ainda muitos dos nossos valores que precisam ser transformados. Valores essenciais, valores relacionais, valores materiais. Um confronto conosco mesmos, que pode ser vivenciado através de conflitos com o outro, que espelham e refletem para nós aquilo que não queremos ver. As relações passam com purgações que levam a purificações e transformações. E a Lua Nova ocorre neste cenário. Sendo signo de Ar, Gêmeos também é um signo relacional – não no sentido afetivo, claro, mas no sentido da necessidade de conexões, de contato. Em Gêmeos a criança descobre que tem pernas que permitem que ela explore os arredores, que tem boca não só para comer, mas para falar e se comunicar e começa a dar nome às coisas. E essa é uma Lua Nova quase sem contatos, porque o único aspecto próximo que faz é a sesqui-quadratura – um aspecto menor – a Plutão. A Lua vai fazer trígono a Júpiter e quadratura a Netuno, mas ambos os aspectos têm orbe de quase dez graus. De maneira que nos sentimos pressionados por Plutão, inconscientemente, a transformar nossos contatos, nossas conexões, nossa comunicação, nossa relação com o conhecimento e com os fatos. Mercúrio, regente da Lua Nova, também faz contatos distantes a alguns planetas: sextil a Netuno, trígono a Plutão, quincôncio a Júpiter. Mas está em sesqui-quadratura exata a Saturno em Sagitário. Aliás, é interessante notar que esse mapa – e a semana – está cheio de sesqui-quadraturas, um aspecto dito inconsciente, mas precipitador de acidentes e eventos. O aspecto Mercúrio-Saturno exige que confrontemos a verdade dos fatos e, se não o fizermos, as inseguranças continuarão a nos incomodar. Mas o complicado é que estamos num momento difícil de identificar o que seja a verdade, porque parece que ela se multiplica e se desmembra, se fragmenta em muitos pedaços, formando mosaicos, ao invés de uma única imagem incorruptível. Às vezes, tudo o que temos são os mosaicos, que demandam distanciamento, para que a imagem possa fazer sentido. Se ficamos perto demais, perdemos a perspectiva e não conseguimos divisar nada claramente. Portanto, para analisarmos os fatos, é preciso distanciamento e nenhum envolvimento. Do contrário, talvez sejamos parciais. Mais sobre a Lua Nova, na quinta-feira.

Reprodução

SEXTA-FEIRA, 26 de maio – A Lua faz trígono a Júpiter, quadratura a Netuno, quincôncio a Plutão, sextil a Vênus e conjunção a Marte – ufa! Essa Lua tá ocupada hoje! Espalhados para tudo quanto é lado, é como nos sentimos. Fragmentos de pensamentos, de energia, de alma, nos deixam com a sensação de caos, de estarmos soltos por demais no espaço e no meio dos acontecimentos e o resultado pode ser um esgotamento. Ainda sob os auspícios da Lua Nova, precisamos juntar tais fragmentos e tentar montar um mosaico das emoções e pensamentos, até que algo comece a fazer sentido dentro de nós. O dia traz muitas incertezas que levam a hesitações, algumas graves, pois as decisões seriam cruciais e, ao vacilar, perdemos a chance de fazer alterações importantes e necessárias. O excesso de pensamentos, as emoções desencontradas nos desestabilizam e é aconselhável concentrar-se na respiração em várias meditações curtas ao longo do dia, para conseguirmos achar o fio da meada que nos tire do caos interno. Para compensar a hesitação, mais tarde talvez incorramos no problema oposto e nos precipitemos, quando deveríamos nos acalmar, de modo que o resultado é mais insegurança e a sensação maior de desencontro, confusão, desperdício e equívocos sem volta, trazendo críticas severas, julgamentos e sensação de fracasso. Respiremos, respiremos e respiremos, porque à noite a tendência a conflitos espinhosos aumenta, assim como a possibilidade de discussões em que trocamos ofensas mútuas, levianamente tentando magoar o outro, como defesa para o nosso próprio ego ferido. Há que se questionar internamente qual o valor e a necessidade de tudo isso. O que se ganha e o que se perde? Aonde isso nos levará? Em algumas situações, às vezes é melhor sair como tolo ou perdedor, do que insistir em ter razão, a qualquer custo, porque a perda permanente, talvez não compense a vitória temporária.

Alex Stenvenson Diaz – Reprodução

SÁBADO, 27 de maio – Em Gêmeos, a Lua está em conjunção a Marte e ambos se opõem a Saturno em Sagitário. A Lua também se harmoniza com Urano, ficando vazia logo depois, às 03h19min. Faz ainda quadratura a Quíron em Peixes e ingressa em Câncer às 08h25min. Mercúrio, regente da Lua, está em quincôncio a Júpiter. Dando sequencia à noite de sexta, a madrugada está melindrosa e sujeita a muita irritação e frustrações e, considerando-se que é noite de “balada”, todo cuidado é pouco para não nos envolvermos em bate-bocas complicados, com muitas possibilidades de descambarem até para agressão física. Há propensão a grosserias e ofensas, como forma de suplantar a própria insegurança. Os excessos verborrágicos da noite dão lugar a dramas e mais instabilidades emocionais durante o dia, enquanto tentamos digerir todos os eventos, a irritação e as frustrações que ficam indo e vindo, feito boa de pingue-pongue. O sábado fica mais sensível e delicado, sentimentos profundos emergindo à superfície da consciência, a serem confrontados com aquilo que pensamos de nós mesmos. Talvez um pouco de silêncio e reclusão nos ajudem a colocar as coisas no lugar e assimilar melhor essas vivências.

Cena da peça A toca do Coelho, de David Lindsay Abaire – Reprodução

DOMINGO, 28 de maio – A Lua Canceriana se harmoniza com Netuno em Peixes, enquanto faz quadratura a Júpiter em Libra, sextil a Mercúrio em Touro, oposição a Plutão em Capricórnio e quadratura a Vênus em Áries – temos formada uma ampla Grande Cruz Cardinal. A Lua fecha a noite em quadratura a Urano, exata amanhã. Marte está em oposição a Saturno, aspecto exato também amanhã. O domingo está tempestuoso, e não muito favorável aos encontros e almoços familiares, a não ser que se prime pela honestidade e não pelo senso de obrigação e dever. Se nos guiarmos somente pelos deveres, sentimo-nos irritados e até lesados em nossa liberdade, já que talvez gostaríamos de estar fazendo outra coisa. E já que nos submetemos a tais compromissos, ficamos esperando recompensas pelo nosso bom comportamento e se tal não acontece, fazemos bico e ficamos amuados e emburrados. Assim, sobram farpas, chantagens, cobranças, dramas… Tudo podendo ser evitado se apenas fôssemos honestos e diretos, ao invés de tentar sair pela tangente e pelo caminho mais fácil – quem sabe um dia nós aprendemos… Num tom mais positivo, se estamos dispostos a enfrentar situações desconfortáveis e até inconvenientes, se queremos mesmo esclarecer as obscuridades das nossas relações familiares e amorosas, o tempo está favorável, desde que ajamos com maturidade e autocontrole – aí, sim, podemos ter conversas profundas e verdadeiras, e melhorar nossas interações. Do contrário, será apenas mais um almoço indigesto, que trará muita azia emocional pelos excessos ingeridos a contragosto, para suplantar as frustrações da convivência imposta. Dá para ser diferente e compor enredos mais agradáveis, sensíveis, generosos e verdadeiramente amorosos, sem que a obrigação seja o único motivador dos encontros. Como? Olhe para sua família e suas interações – só você os conhece e pode decifrar os enigmas para uma convivência melhor!

Uma ótima semana para você!

Reprodução
Reprodução

A Semana Astrológica – Mudanças Estruturais

Reprodução

Semana de 15 a 21 de maio – Semana intensa, que traz grandes possibilidades de mudanças estruturais bem orquestradas, mas que também nos obriga a lidar com inseguranças, intercaladas com arroubos de arrogância e excessos de entusiasmo. O Minguante ocorrendo na quadratura Aquário-Touro indica um momento essencial de desapego!

Nota: pessoal, precisei mudar o ponto do wi-fi na minha casa e estou sem internet desde a terça passada. Já marquei várias visitas técnicas e a Net me deixou na mão, alegando “problemas de sistema”. Pedi emprestado a internet da vizinha e é assim que estou postando hoje. Não quero abusar fazendo upload de imagens pesadas, portanto, o post hoje vai sem imagens! Agradeço a compreensão!

Reprodução

Esta semana está intensa, cheia de acontecimentos e eventos, que nos deixam meio sem fôlego: temos movimentações importantes ocorrendo nos céus, movimentos lentos, de ciclos longos, ativados por outros movimentos mais rápidos. Temos Júpiter em quincúncio a Netuno, o segundo de uma série de três – o primeiro aspecto ocorreu em outubro de 2016. Este aspecto demanda bastante atenção, porque nossas avaliações e julgamentos ficam comprometidos por otimismos falsos, sem lastro nenhum. Os idealismos ficam exacerbados e inconstantes, coloridos por sentimentos contraditórios e muita incerteza. Buscamos crescer, mas não temos uma noção clara de como fazer isso, nem das demandas práticas para realizar tal expansão, de modo que podemos nos iludir e nos deixar enganar por auspícios suspeitosos, talvez completamente irreais – quimeras, apenas quimeras. Num tom mais positivo, se conseguimos ser minimamente realistas, há boas possibilidades de expandir nossa criatividade nos campos das artes, da música e mesmo no campo da espiritualidade.

Reprodução

O trígono Saturno-Urano, por outro lado, indica um período em que conseguirmos fazer mudanças importantes, dentro das estruturas já existentes, e ainda permanecer inventivos, originais, preservando nossa liberdade. Esse aspecto também é o segundo de uma série de três – o primeiro aconteceu em dezembro/16 – e fala da capacidade de conseguirmos mediar a necessidade de preservar parte das estruturas que criamos no passado e que ainda nos dão sustentação, com a inevitabilidade da mudança. Como resultado, temos um senso de renovação de tais estruturas, melhoramos a satisfação com nossas realizações, sem comprometer nossa segurança. Mas o aspecto pode ser enganoso se ficarmos esperando que as coisas se resolvam por si só. É um aspecto dito “preguiçoso” e demanda que o usemos de forma consciente, se for para tirar proveito de sua influência positiva. Portanto, nada de ficar esperando que as coisas venham bater na nossa porta! É preciso se mexer!

Reprodução

Marte faz quincúncio a Plutão. Nossa determinação fica sujeita a arroubos de suprema energia que, se mal direcionada, pode manifestar-se como intimidação, ação coercitiva, que obviamente pode nos criar problemas, caso estejamos inconscientes do quanto tentamos impor nossa vontade aos outros, ferozmente. Portanto, é necessário prudência e auto-observação atentiva quanto às nossas ações e impulsos, para que não nos tornemos provocativos e quem sabe até, violentos. Isso é particularmente explosivo, dado que Marte está Fora de Limites desde o domingo, dia 14, uma condição que aumenta sua impulsividade, tornando-o mais primitivo, indisciplinado, indomável. Se bem canalizada, essa influência pode representar exatamente a força e a estamina de que precisávamos para avançar na realização ou finalização de muitos dos projetos nos quais estamos envolvidos. Também é necessário estarmos cientes e enfrentarmos o fato de que alguns de nossos planos talvez sejam abstratos demais e difíceis de ser aplicados no mundo concreto e talvez parte da nossa irritação também venha daí.

Catrin Welz-Stein – Reprodução

Vênus finalmente sai da zona de retrogradação na quinta-feira, fazendo oposição a Júpiter no dia seguinte, trazendo entusiasmo, jovialidade, mas também a tendência a exagerar no fervor, na busca de prazeres e na busca por socializar, talvez descambando para um certo histrionismo. Isso também pode trazer inquietude, ansiedade e impaciência. Enquanto achamos que somos ardentes na nossa demonstração de afeto, o outro pode nos perceber como agressivos, quem sabe até, caçadores e o resultado é que a “caça” pode fugir assustada! Sem contar que Vênus fecha a semana já em quadratura próxima a Plutão! Portanto, quem não quiser que o tiro saia pela culatra, melhor manter todo esse “ardor” em cheque.

Mercúrio deixa a forja Ariana para ingressar novamente nos campos plácidos de Touro e sai da zona de retrogradação já no sábado, dia 20! A despeito da cautela e da ruminação necessária quando Mercúrio está em Touro, certamente isso é uma boa notícia!

Reprodução

Finalmente, o Sol Taurino faz quincúncio a Saturno em Sagitário e sextil a Quíron por estes dias, sugerindo uma circunspecção e tendência a uma certa melancolia, inseguranças que vêm e vão, frustrações difíceis de determinar, o que pode abater um pouco o nosso ânimo, porque há sensação vaga de inferioridade, embora tenhamos dificuldade de admitir até para nós mesmos. Se formos muito desavisados, isso pode causar problemas nas relações, porque nos sentimos inferiorizados, sem perceber que nós mesmos nos inferiorizamos voluntariamente. No sentido oposto, essa influência pode nos colocar em contato com nossas reservas de disciplina e, se conseguimos entender as origens de nossas inseguranças, podemos focar nossos esforços conscientemente para superá-las, ao invés de nos deixar esmagar por elas. No mesmo período o Sol faz sesqui-quadratura a Júpiter, e essas inseguranças podem ser mascaradas por uma falsa confiança, que pode mesmo resvalar em arrogância. Mas um olhar mais atento poderá nos deixar a descoberto, logo, é melhor fazer um check-up interno para não passarmos vexames desnecessários. O Sol termina a semana já no signo de Gêmeos, ingressando neste signo às 17h31min do sábado, inaugurando um período de mais leveza, movimento, racionalizações e aumento nas conexões. Parabéns a todos os Geminianos de Sol, Lua e Ascendente!

A Lua abre a semana na fase Disseminadora, em Capricórnio. Torna-se Minguante em Aquário, na quinta-feira. Dissolve-se em Peixes e termina a semana incinerando os restolhos do ciclo nas fornalhas de Áries. A Lua será Nova a 04°46 de Gêmeos, no dia 25 de maio.

Reprodução

SEGUNDA-FEIRA, 15 de maio – De Capricórnio, a Lua se harmoniza com Netuno, enquanto briga com Júpiter e se une a Plutão, se desentendo ainda com Marte. A semana começa com muito dinamismo e energia forte de trabalho e produtividade! Mas há influências contraditórias que nos fazem divididos entre deveres e prazeres, ou entre o que queremos e o que de fato conseguimos. Não, nem sempre as coisas saem como imaginamos! Mesmo assim, dá para botar a mão na massa sem, fazendo o que é possível. Talvez tenhamos dificuldades em dosar a ênfase que colocamos nas atividades, exagerando nas ordens ou obrigando a nós mesmos a ir além da próxima milha. Por um lado, avançamos, mas por outro, podemos nos exaurir sem necessidade ou nos frustrar quando nos deparamos com o descompromisso alheio. De qualquer forma, há também energia de restauração à nossa disposição, que ajuda a equilibrar os destemperos. Fechamos a noite irritados e há propensão a discussões e desentendimentos domésticos! Atenção com a impaciência e a intolerância!

Reprodução

TERÇA-FEIRA, 16 de maio – Mercúrio ingressa em Touro à 01h07min. De Capricórnio a Lua faz trígono ao Sol e quadratura a Urano, ficando vazia depois deste contato, às 07h23min. Faz ainda sextil a Quíron. Ingressa em Aquário às 14h50min, já quadrando Mercúrio em Touro e fazendo sesqui-quadratura a Marte. O Sol está em quincúncio a Saturno, exato na madrugada de quarta. A manhã está ansiosa e irritadiça porque temos uma sensação de urgência, com milhões de coisas por fazer, mas nos sentimos atravancados por outros ou por situações alheias à nossa vontade. Há tendência a imprevistos, aborrecimentos diversos e abruptos e o melhor é relaxar, porque se estressar só vai piorar tudo e azedar ainda mais o humor. De fato, não há energia suficiente para resolução ou para a tomada de decisões e é aconselhável apenas finalizar o que já está começado. À tarde, apesar de mais desapegados, ainda estamos inquietos e irritadiços e há tendência a altercações e discussões devido a teimosia e inflexibilidade de opinião. Mas brigar com o mundo exterior é infrutífero quando o problema começa no próprio desacordo interno. As tensões e ansiedades precisam ser enfrentadas por aquilo que são: problemas reais ou apenas irritações passageiras, que não valem a perda do humor e da saúde emocional. Assim, vale mais buscar a sincronia interna através de atividades físcias ou relaxantes, meditação ou o bom e velho exercício de traduzir no papel aquilo que desassossega a alma – pode até não resolver, mas pelo menos se clarifica e se acha o caminho para as possíveis soluções.

Reprodução

QUARTA-FEIRA, 17 de maio – Júpiter está em quincúcnio pleno a Netuno. O Sol Taurino faz quincúncio exato a Saturno, que também está em trígono a Urano. Enquanto isso, a Lua Aquariana se harmoniza com Vênus, fazendo ainda trígono a Júpiter e a Marte, formando um Grande Trígono de Ar. Os problemas e frustrações imediatos são apenas a camada superficial de insatisfações mais profundas, que ficam nos incomodando, como agulhadas desconfortáveis, que nos fazem sentir as circunstâncias como muito pesadas e muito aquém de nossos sonhos e aspirações. É como sonhar com Paris e ter que se contentar com breve uma estadia num sítio nas vizinhanças – nada contra o sítio, mas são sonhos muito diferentes entre si. A insatisfação não irá embora enquanto não enfrentarmos sua origem: a discrepância entre aspirações e realidade. Se tais aspirações são importantes e válidas, precisamos nos comprometer com sua realização; do contrário, é melhor entrar em acordo com a realidade diante de nós e aceita-la como ela é, porque brigar com as circunstancias é inútil, se não nos movemos para muda-las! O dia também traz uma forte energia de planejamento e projeções, elucubrações mentais, comunicação e busca de novas conexões que promovam expansão e realizações intelectuais. Contudo, devido às influências dissonantes, podemos recorrer a essa energia mental como escape e nos perder em planos que não têm intenção nenhuma de sair do papel e são idealizados apenas para nos dar a ilusão de que pretendemos fazer alguma coisa, quando já sabemos, de antemão, que talvez sejam engavetados. Entretanto, também podemos usar todas essas influências para nos conscientizar das discordâncias internas e ter clareza sobre tais dilemas, traçando planos realistas de superação das atuais limitações, mantendo os pés no chão, sem permitir que os obstáculos aparentes apaguem nossa motivação!

QUINTA-FEIRA, 18 de maio – Saturno está em trígono exato a Urano na virada das horas entre a quinta e a sexta. A Lua Aquariana completa o trígono a Marte enquanto se afina também com Urano e Saturno, oficializando o quarto Minguante ao fazer quadratura ao Sol e ficando vazia logo depois, às 21h35min. Lua e Sol fazem sesqui-quadratura a Júpiter, tornando-o foco de um Martelo. O Sol também está em sextil a Quíron. A Lua potencializa a ponte de harmonia atualmente ativa entre Saturno e Urano, de maneira que sentimos mais concretamente e mais nitidamente a possibilidade de concretizar nossos planos e projetos de mudanças e inovações. Contudo, ainda temos que lidar com a sensação de estarmos “desconjuntados”, de haver muitas disparidades entre nossos quereres e as circunstãncias ou mesmo nossas possibilidades – daí temos uma sensação de confusão, de desencontro, como pano de fundo de tudo o mais que ocorre; mas também temos bastante disposição para fazer o que estiver ao nosso alcance para mudar esse contexto. A Lua fica minguante na quadratura Aquário-Touro e um recado óbvio que enfatiza a energia de términos representada pelo minguante é a necessidade do desapego. A Lua Aquariana convida a identificar todos os apegos que nos amarram e causam estagnação, seja literal ou energética e a abrirmos mão de todos eles. Como Touro trata da posse material, o principal recado é nesta esfera: olhar para o apego a coisas, à matéria, incluindo o apego distorcido que possamos ter ao nosso próprio corpo e os sentidos. Abrir mão do materialismo, o se deixar dominar pelo desejo de possuir, o que quer que seja. Abrir mão do entulho físico, dos restos que não servem mais e levar uma vida mais minimalista, achando tempo e espaço para as coisas que realmente valem a pena e empregando os recursos com aquilo que traga satisfação verdadeira e segurança genuína e não pseudo-estabilidade. Sol e Lua estão hoje formando um Martelo que pressiona Júpiter, sugerindo uma oscilação na fé que temos em nós mesmos, ou dúvidas filosóficas sobre nossos propósitos ou mesmo necessidades; há ainda dificuldade de auto-controle, o que leva possivelmente a criticismos que alimentam a insegurança, virando um círculo vicioso. Também precisamos ficar atentos quanto á tendência de postergar a resolução de problemas, deixando uma montanha de entulho para o futuro, que poderá bloquear o avanço, quando menos esperarmos. A chave é exatamente voltar aos princípios básicos nos quais acreditamos, nossa ética, os códigos válidos para nós, que guiam nossa conduta e atitudes. E buscar moderação, auto-controle e disciplina. É isso ou nos gastamos em coisas fúteis e imediatistas, que colocarão em risco realizações mais importantes no longo prazo.

SEXTA-FEIRA, 19 de maio – O trígono Saturno-Urano se completa na primeira hora do dia. Vênus está em oposição exata a Júpiter, enquanto Marte está em quincúncio pleno a Plutão. A Lua ingressa em Peixes à 00h52min, de onde se afina com Mercúrio em Touro e fecha a noite em quincúncio a Júpiter e conjunção a Netuno. Novamente um dia de muitas contradições. Temos desejos e impulsos de avançar e de nos fazer notar com veemência, mas talvez tal veemência seja enérgica e vigorosa em demasia, gerando atritos severos com outras pessoas, que se ressentem de nossos métodos muito diretos, porque não dizer, agressivos. A impulsividade de hoje pode comprometer os resultados do amanhã, é bom que fique claro; assim como a ansiedade em obter um resultado pode se manifestar como arrogância e afastar parcerias que poderiam ser frutíferas e bem-sucedidas, não fosse nossa intimidação disfarçada de entusiasmo. E nem adianta bancar a vítima desavisada que caiu de paraquedas, porque as pessoas não são trouxas e percebem a manipulação por trás das palavras suaves e “fofas”. Em vez disso, prieiro precisamos nos lembrar que não estamos sozinhos no mundo e que precisamos nos empenhar para que as melhorias que buscamos favoreçam a todos e não apenas ao nosso umbigo; segundo, podemos ser mais honestos e deixar claro para o outro quais são nossas motivações e porque estamos tão ansiosos e então, em lugar de confrontos, podemos seduzir nosso interlocutor com nossa honestidade e limpidez, ganhando-o também com nosso entusiasmo genuíno e comprometimento em fazer o que for melhor para todos.

SÁBADO, 20 de maio – A Lua Pisciana completa o quincúncio a Júpiter em Libra e a conjunção a Netuno, fazendo depois quadratura a Marte em Gêmeos e sextil a Plutão em Capricórnio. Fecha a noite em quadratura a Saturno em Sagitário. O Sol ingressa em Gêmeos às 17h31min. O sábado traz muitas dúvidas e incertezas, que nos deixam vacilantes sobre a melhor coisa a fazer, o rumo certo a tomar. Na dúvida, tentamos fazer tudo e nos embolamos no meio de campo, não fazendo muita coisa e nos irritando muito no processo, com o desperdício de tempo e recursos – tendência a criar situações caóticas. O resultado é que ficamos mais inseguros e sorumbáticos, amuados e melindrosos, mordendo até a mão que tenta nos acariciar. Vale um olhar honesto para si mesmo, sem chicotes ou castigos, mas com compreensão, aceitação e o auto-perdão, redentor e amoroso. Afinal, quem disse que temos que saber tudo, que acertar sempre e nunca ter inseguranças? Moralismos vazios e cobranças duras não vão resolver, somente piorar, e isso vale tanto para nós mesmos quanto para aqueles que porventura tenham falhado conosco no dia de hoje. Peneirar os aprendizados de tais situações duras ou caóticas é o melhor que podemos fazer, para quem sabe, agir de forma mais madura e centrada na próxima vez que nos depararmos com situações parecidas.

DOMINGO, 21 de maio – De Peixes a Lua faz quadratura a Saturno e fica vazia logo depois, à 00h41min. Ingressa em Áries às 07h11min e logo faz sextil ao Sol Geminiano. Fecha a semana em oposição a Júpiter. O domingo amanhece cheio de energia, ânimo e desejo de aventura. Queremos sair de casa, fazer coisas que comprovem nossa liberdade e que nos ajudem a nos afirmar de maneira positiva. Também estamos mais otimistas e bem-dispostos, de modo que ficar presos dentro de casa pode ser receita para confusão, porque a energia precisa de um canal positivo de liberação! Atividades físicas, esportes, exploração de novos ambientes e possibilidades estão mais que favorecidas! Mesmo que não tenhamos companhia, isso não é problema, porque não temos medo e até nos empolgamos com uma certa dose de risco, nos regozijando um pouco com o desconhecido e com a possibilidade de descobrir novos caminhos e deixar nossa marca individual de alguma forma. Assim, o domingo traz um ânimo também para terminar coisas inacabadas e começar a nova semana com disposição e energia!

Desejo a todos uma ótima semana, de alegria e serenidade!

Reprodução

A Semana Astrológica – Materializando Intenções

Reprodução

Semana de 24 a 30 de abril

Semana de recomeço, de inaugurar novos sonhos e plantar sementes que frutificarão substância, solidez e estabilidade.

O Sol ingressou em Touro e fica vários dias sem fazer maiores aspectos a outros planetas, sinalizando talvez alguma dificuldade em nos sintonizarmos com nossos propósitos e oscilações no entusiasmo com que nos empenhamos em realizar tais propósitos, ora muito certos e determinados, ao ponto do extremismo, ora duvidosos, sem saber direito para onde estamos indo. É nesse clima que ocorre a Lua Nova em Touro, já na quarta-feira, sinalizando o começo de um novo ciclo e o tempo ideal para cuidarmos da segurança material, do conforto físico e da nossa relação com o mundo sensorial, o mundo da matéria. É tempo de renovar intenções e, mais do que isso, de trabalhar para materializar tais intenções!

Reprodução – Desconheço autor

Mercúrio, retrógrado em Áries, telefona novamente para Saturno em Sagitário, para falarem de assuntos já tratados anteriormente e que agora precisam ser revistos e repensados. Mercúrio se junta novamente a Urano e revisa a necessidade e factibilidade dos planos e ideias incitados pelo desejo de mudança. Quando Mercúrio voltar ao movimento direto, no inicio de maio, realizar esses dois aspectos mais uma vez e é quando essas ideias se mostrarão mais consistentes, a mente estando aberta a apta a integrar as novidades às regras necessárias para manifestá-las no mundo.

Delaware Art – reprodução

Vênus ingressa novamente em Áries e lentamente vai retomando sua velocidade, recuperando inspirações, iluminações e lampejos fugazes captados desde fevereiro último acerca das relações, parcerias, amor próprio e nossa relação com a materialidade da vida. Essa ascensão completa durará muitos meses – até que ela faça a Conjunção Superior ao Sol, em janeiro de 2018. Agora Vênus vai assentando todos os insights tidos e recebidos na retrogradação e começando a implantar as mudanças elaboradas durante essa fase.

Reprodução

Marte segue em Gêmeos, sinalizando semanas de muita agilidade, presença de espírito e prontidão na ação, mas também dispersão de energia, por querer e tentar fazer coisas demais ao mesmo tempo, talvez até distraindo-se com coisas menores pelo caminho, ao invés de focar no que é importante. Esta semana ele faz sesqui-quadratura a Plutão, e isso simboliza uma possível dificuldade de assumir nosso poder e de nos comprometermos com as mudanças que desejamos fazer em nós e nossa vida. Como resultado, talvez nos sabotamos e nos entregamos ao inimigo, ao invés de assumir nossa força e nossos desejos de forma limpa e direta. Só não vale culpar os outros pelos equívocos que nós mesmos cometemos por desleixo e preguiça de irmos mais fundo na nossa busca! Auto-vigilância propicia consciência e ao invés de darmos rasteira em nós mesmos, aprendemos mais um pouco.

Adam Martinakis – Reprodução

Saturno faz quadratura a Quíron, a segunda de uma série de três, sendo a última em novembro deste ano. Dois planetas pesadões, que representam limitações, dissabores, mazelas e inadequações, travando essa “conversa” para lá de difícil, para não dizer briga mesmo, indicam que está é uma semana que traz para a linha de frente a necessidade de lidar com nossas limitações, pessoais e coletivas, cada um com as suas. Este peso é sentido mais agudamente no fim de semana, já que a quadratura fica exata no domingo e pede que tenhamos paciência e compaixão, uns com os outros, assim como conosco mesmos. Talvez sejamos confrontados com decepções, notícias negativas delicadas sobre a saúde física ou moral dos nossos modelos espirituais ou intelectuais. Ou, num âmbito mais pessoal, lidamos com impossibilidades e impedimentos difíceis de sanar, que exigirão serenidade para aceitarmos a nós mesmos e aos outros, em nossas grandes limitações. Leia mais sobre Saturno—Quíron no texto sobre 2017.

Reprodução

A semana começa com a Lua inda Balsâmica, em Áries. A Lua se renova em Touro, na quarta-feira e entra na fase Semi-Crescente já em Gêmeos. Fecha o domingo em Câncer, colorindo o dia de sentimentos densos e profundos. Nas sua trajetória ela conversa com todos os demais astros celestes, serena ou intempestivamente.

Reprodução

SEGUNDA-FEIRA, 24 de abril – Mercúrio retrógrado em Áries está novamente em trígono a Saturno em Sagitário, que também está retrógrado. A Lua, Ariana e Balsâmica, se harmoniza com Marte em Gêmeos e fecha a noite em oposição a Júpiter em Libra. É dia de termos mais clareza a respeito de tarefas que deixamos de cumprir lá atrás e que agora voltam à nossa porta para que possamos terminá-las, lidar com elas adequadamente. Não há tempo ou espaço para culpas ou lamentações, não é esse o objetivo, mas sim, o resolver efetivo da situação. Assim, o dia traz uma influência forte de resolução de problemas, de finalizar coisas pendentes, de terminar tudo o que esteja “pendurado” e criando bloqueios, sejam esses bloqueios concretos ou energéticos. Outra coisa positiva é que toda essa energia de ação e resolução está bem concentrada pela maior parte do dia, de modo que se estivermos atentos, poderemos de fato utilizá-la de maneira focada, diligente, ágil e engenhosa. Não dá para perder tempo pensando “e se…”, porque se piscamos, a chance já foi! À noite já não temos tanto foco assim. A despeito do otimismo e entusiasmo, talvez tentamos abocanhar mais do que conseguimos mastigar, ou seja, há propensão a excessos e o senso de proporção fica prejudicado, levando talvez começarmos mais coisas do que conseguimos terminar ou à pura dispersão e preguiça.

Reprodução

TERÇA-FEIRA, 25 de abril – De Áries a Lua se opõe a Júpiter em Libra, enquanto quadra a Plutão, fazendo conjunção mais tarde com Eris, Urano e Mercúrio. A Lua ainda faz trígono a Saturno e fica vazia depois desse aspecto, às 17h54min. Ingressa em Touro às 22h57min e fica várias horas sem maiores contatos. O regente da Lua Ariana está em Gêmeos, fazendo sesqui-quadraturas a Júpiter e a Plutão. A energia Ariana colore o dia de pressa, impulso e agilidade, feito um furacão que vai varrendo tudo por onde passa. Tem muita energia “fazedoura”, que nos ajuda a resolver coisas, finalizar processos e deixar tudo pronto para o próximo ciclo. Mas essa energia também é muito volátil e, ao invés de propiciar soluções, pode propiciar conflitos, caso estejamos muito desavisados e inconscientes de nós mesmos, especialmente porque também há períodos de rebeldia e possibilidade de imprevistos. Agir no automático não é a melhor pedida para o dia, ou podemos quebrar muitas cabeças por aí, a de outros e até a nossa própria, figurativa ou literalmente. Como é volátil, a energia se modifica constantemente, na direção, no impulso, na força, na desenvoltura e para controla-la e tirar bom proveito dela, é preciso estarmos centrados e termos clareza das nossas prioridades, buscando permanecer lúcidos e focados – do contrário, podemos nos dispersar em muitas direções e não fazer nada de efetivo com tudo isso, e pior: ainda nos indispor com o ambiente e com outros que estejam mais objetivos e seguros de si. Assim, a pedida é já começar o dia elencando as coisas importantes, mas deixando espaço para o imponderável, porque as coisas podem mudar e precisamos ser flexíveis e fluir com os acontecimentos.

Reprodução – Desconheço o Autor

QUARTA-FEIRA, 26 de abril – A Lua faz conjunção ao Sol às 09h16min, a 06°271, inaugurando um novo ciclo lunar. Mais tarde ela entra em cooperação com Netuno em Peixes, mas se desentende com Júpiter em Libra, formando um Yod-Dedo de Deus, já que Júpiter também começa a fazer quincúncio a Netuno. A Lua inaugura um novo ciclo lunar e um período de focar mais na materialidade da vida, em buscar concretizar e solidificar nossos objetivos. É tempo de nos tornarmos mais tangíveis no mundo, dando mais valor a nós mesmos, focando em materializar nossos desejos, em adquirir substancia, estabilidade, segurança. Sol e Lua estão isolados nesta lunação, não fazem contato com outros planetas, algo que dá mais ênfase aos temas de Touro e sugere um ciclo em que a busca pelos objetivos materiais é feita de forma muito obstinada, talvez até obsessiva. Focamos tanto no que queremos e buscamos, que vemos em túnel, alheios a tudo o mais que possa nos distrair. Se por um lado isso é ótimo porque favorece a determinação, por outro, leva a extremismos, teimosia, unilateralismos, em que nos recusamos a levar em conta outras opiniões e visões, mesmo quando nosso equivoco é evidente. Nesses casos, nos recusamos a dar o braço a torcer e a sensatez dá lugar ao capricho infantil e ao endurecimento da mente e do coração. A regente de Touro, Vênus, poderia suavizar essa “dureza”, visto que está em Peixes. Mas nem tanto, porque Vênus está no último grau de Peixes, um grau crítico; está se separando da conjunção a Quíron e da quadratura a Saturno e ainda em movimento muito lento, recuperando-se da retrogradação, em cuja zona ela ainda trafega. Essa posição de Vênus sugere que a determinação, por mais obstinada que seja, vem e vai, oscila, ora estamos totalmente empenhados, até de forma cega e ora não temos mais certeza do que realmente queremos, então, em lugar de suaves, ficamos “frouxos”, relapsos e inseguros. Portanto, esses são dados que precisamos vigiar ao longo das próximas semanas. Pelo resto do dia a oscilação do entusiasmo se faz mais presente e balançamos entre a sensatez e o exagero, entre um pragmatismo econômico e um idealismo inatingível. Ter um mínimo de desapego com as ideias e impulsos que nos ocorrerem pode ser um bom começo, assim, podemos dar tempo para tais ideias e palpites se assentarem e serem analisadas com mais tranquilidade nos próximos dias.

Reprodução

QUINTA-FEIRA, 27 de abril – A Lua completa a quincúncio a Júpiter, enquanto faz trígono a Plutão e sextil a Quíron e a Vênus, ficando fora de curso depois da conversa com Vênus, às 22h20min. Ingressa em Gêmeos às 22h39min. Marte está em sesqui-quadratura plena a Plutão e Mercúrio vira o dia já em conjunção a Urano. O dia está langoroso, lento e ainda sujeito às oscilações de humor e de entusiasmo que experimentamos ontem. Apesar de sentirmos que há muita força latente, muita estamina, demoramos a engrenar, a sair do casulo e nos jogar nas atividades que nos aguardam. É como se precisássemos ter certeza de que os esforços são realmente válidos, antes de nos movermos e nos comprometermos com eles. Essa hesitação pode nos custar muito: perda de tempo e até de boas oportunidades, portanto, é importante ficarmos atentos e sermos honestos quanto a essa inatividade ou demora na ação: isso é mesmo motivado por um questionamento legítimo ou é apenas a velha e conhecida preguiça? É uma ponderação necessária ou mera procrastinação? Se conseguirmos proceder com o confronto honesto desses lapsos, podemos acessar um grande manancial de força, estamina, desenvoltura e determinação, que nos colocará no caminho certo da realização.

Reprodução

SEXTA-FEIRA, 28 de abril – Mercúrio está em conjunção partil a Urano por algumas horas. Em Gêmeos, a Lua Nova faz conjunção a Marte e mais tarde faz quadratura a Netuno em Peixes e trígono a Júpiter. Vênus ingressa em Áries às 10h14min. Ideias inovadoras, algumas impraticáveis, pululam e borbulham na mente incendiária hoje. Muitas dessas ideias e palpites são, na verdade, reaparições, tendo sido visionadas pela primeira vez lá pelo fim de março. Agora nós as revisitamos, talvez – apenas talvez – com um pouco mais de sobriedade, analisando com mais vagar, nem adotando e nem descartando de vez. Lá pelos dias nove ou dez de maio é que teremos mais clareza sobre quias ideias são aproveitáveis e quais são apenas aspirações ainda avançadas demais para conseguirmos concretizá-las a contento. De modo geral o dia pede quebra na rotina, independência de decisão, movimento e atitude; pede que façamos algo diferente, inusitado, insólito, que tenhamos coragem de abrir mão de mais alguns conceitos que já não condizem com o nosso tempo e com aquilo que somos hoje, com nossos planos e projetos de futuro. Às vezes, não há problema nenhum com esses conceitos em si mesmos, eles apenas não se alinham mais com nossas buscas. Identificamos que mudamos, que hoje queremos coisas diferentes do que queríamos ontem, na semana passada, no ano passado, mas às vezes não percebemos que continuamos a emitir conceitos e a nos comunicar da mesma forma de outrora e isso gera um descompasso, que pode ser corrigido. O dia oferece a possibilidade dessas correções. Em termos práticos, o dia pede bastante centramento, para que não dispersemos energia, a começar pelos excessos verborrágicos, pelas palavras soltas, jogadas a esmo, ao vento e que ao invés de clarificar, podem confundir o interlocutor e até a nós mesmos. A imaginação está bastante aguçada, mas é necessário um mínimo de foco para usarmos isso de forma positiva, do contrário, perdemos as horas a devanear sonhos impossíveis, ficando desapontados depois no confronto com a realidade, a começar com o desperdício do tempo e das oportunidades.

Federica Bordoni – Reprodução

SÁBADO, 29 de abril – A Lua Geminiana faz quincúncio a Plutão em Capricórnio e sextil ao seu dispositor, Mercúrio e a Urano, ambos no fim de Áries. A Lua forma uma T-Square Mutável ao se opor a Saturno e quadrar a Quíron, que é foco da T-Square e ao fazer isso, a Lua ativa a quadratura Saturno-Quíron, que fica exata de novo amanhã. A Lua ainda faz semi-quadratura ao Sol, entrando na fase Semi-Crescente. Fica vazia depois do embate com Saturno, às 18h29min. Ingressa em Câncer às 22h48min, de onde fecha a noite em quadratura à Vênus Ariana. Esse é um dia pesado e caótico, que pode ficar bem complicado, mas com alguma chance de ser produtivo, dependendo de como usemos as influências. Há propensão a queremos correr mundo, a pularmos de galho em galho, fugindo de obrigações, flanando por aí a esmo, queremos novidades, estímulos, movimento, animação e até provocando a outras almas menos inquietas – mas no fundo estamos fugindo é de nós mesmos e de nossas inseguranças, inadequações e aflições. Mas essa criança irrequieta e peralta em que nos tornamos se depara com um pai/professor/chefe que lhe desaprova frontalmente, fazendo-a sentir-se mais inadequada, deslocada, perdendo a espontaneidade, como quando somos descobertos a fazer algum mal-feito e no final, somos relembrados de outras inconveniências, desgostos e desalentos nossos, que nos deixam ainda mais para baixo, descendo a ladeira da inconsistência, melancolia e desânimo. É duro conciliar o desejo por novidade e soltura, com essas obrigações e deveres esperados de nós, especialmente, conciliar o espírito grandiloquente com as limitações terrenas; mas como diz o poeta, disciplina é liberdade e talvez o problema maior é que nos deparamos com a conta – alta – da fuga de compromissos e de confrontos anteriormente adiados: não fizemos na hora devida e agora eles se apresentam mais pesados. A despeito da dureza, do julgamento e do mau humor, o dia oferece chances de amadurecermos um pouco mais e de lidarmos melhor que esse Peter Pan irresponsável que tem dentro de nós, negociando com ele, buscando uma conciliação com o Velho que dá as ordens e cobra seu cumprimento; a Velha Realidade, as limitações do tempo e da condição de humanidade que todos carregamos. Tudo tem seu tempo e lugar debaixo do Sol e os problemas começam quando estamos fora de sintonia com esse tempo e o lugar certo das coisas. Hoje é dia de focar primeiro no dever, de confrontar alguns demônios; depois podemos pensar em lazer, se tivermos serenidade para lembrar que tudo passa, do contrário, podemos ter problemas. É possível que, devido ao tom pesado do dia, acabemos por resvalar em dissociações, em nos alienar dos sentimentos densos e neste caso, podemos encontrar tudo isso nas situações externas, que ainda assim, podem, no mínimo, ensinar muito a respeito de nós mesmo.

Federica Bordoni – Reprodução

DOMINGO, 30 de abril – Saturno em Sagitário está em quadratura plena a Quíron em Peixes. A Lua Canceriana completa a quadratura a Vênus, enquanto se afina com o Sol Taurino e faz trígono a Netuno em Peixes. Dona Lua faz ainda quadratura a Júpiter e fecha a noite em oposição não exata a Plutão. Emoções e sentimentos densos estão no cardápio do dia e se ontem talvez tenhamos conseguido nos dissociar de muito desse peso, hoje não temos alternativa e afundamos nele com toda a força e intensidade das nossas emoções tempestuosas. O clima fica choroso até amanhã e é necessário apelar para nossa resiliência para não afundarmos na melancolia e nos dramas emocionais paralisantes. Em lugar de nos abatermos com esse peso, podemos nos permitir sentir, talvez até chorar, mas não nos identificarmos demasiadamente com ele, porque não somos só isso, não somos só defeito, só imperfeição, só dor ou só frustração. Também temos tantas belas qualidades, sensibilidades que nos permitem sentir a dor, mas também o amor, o prazer, a beleza, o lado sublime da vida. Se aceitamos um, também precisamos integrar ao outro. Às vezes só queremos ver as coisas luminosas e positivas e ignoramos nossa sombra, não queremos lidar com ela e com o lado menos nobre de nós mesmos. Mas o contrário também é verdadeiro em muitos casos: há períodos em que só enxergamos nossas mazelas, as imperfeições e problemas, o desamor e a aflição que nos pressionam, inclusive dentro de nós mesmos. Nessas horas, também precisamos achar um equilíbrio e procurar pela luz dentro de nós, olhar para nossa face mais bela, elevada e majestosa – e todos nós temos isso, nem que seja em potencial – pela nossa nobreza, pela vastidão da generosidade do nosso coração, pela força do amor que nutrimos por outros que nos são importantes, pelos gestos desinteressados de ajuda a outros… Sim, a melaconlia pode ser bela e alimentar a criatividade e a arte, mas não podemos os deixar sucumbir sob seu peso; podemos abraçá-la, acolhê-la, como parte legítima da vida, mas precisamos trazer presente, do outro lado do nosso abraço, a nossa alegria, nosso amor, a nossa faceta mais magnífica, ainda que ela fique apenas de assistente naquele momento… mas ela precisa estar lá, a nos apoiar, de prontidão para não nos deixar sucumbir. Em termos mais práticos o dia está bem sensível e um tanto melindroso, propiciando trocas emocionais profundas, que devem ser, contudo, feitas de forma cuidadosa e respeitosa, para que não tornemos as feridas ainda mais dolorosas do que já são. Há uma boa dose de serenidade que pode ajudar a conter essa emotividade e aceita-la como parte do que somos.

Uma ótima semana para você! que seja de luz e serenidade!

2017: Um Ano Revolucionário!

O ano de 2016 nos deixou zonzos, sem saber direito qual foi o trem que nos atropelou. Mas esse trem tinha nome: Saturno-Netuno! E todos têm receio de que 2017 seja uma repetição do que vivenciamos em 2016 ou que o abismo se aprofunde – ele já mostrou a que veio! Só em janeiro e fevereiro já vimos coisas inimagináveis acontecendo… E daqui em diante? Não, não vai ser igual a 2016, mas não quer dizer que seja necessariamente muito melhor. Pelo menos tem ação e dinamismo! Vamos analisar juntos?

Para analisar como o ano vai se desdobrar eu utilizo vários fatores, os principais deles sendo o mapa de ingressão do Sol em Áries, que é quando o ano começa para a Astrologia; as configurações e trânsitos dos planetas lentos, a partir de Júpiter; os eclipses e trânsito dos Nódulos Lunares; As retrogradações de planetas pessoais, Mercúrio, Vênus e Marte – Marte não ficará retrógrado neste ano, apenas Mercúrio e Vênus; e por último, também considero a regência do ano, não como um fator determinante de como vai ser o ano, mas apenas como pano de fundo geral de todos os demais eventos astrológicos.

Estrela de 7 pontas que representa a Ordem Caldeica – Reprodução

Começamos com a regência do ano, que dá o pano de fundo energético. Pela sequência que vínhamos seguindo, este ano deveria ser regido por Vênus, de acordo com a ordem caldeica da estrela de 7 pontas. Mas 2016 finaliza um ciclo de 36 anos. Explico. Temos 12 signos, com três decanatos cada, totalizando 36 decanatos – cada decanato, como o nome diz, tem 10 graus, de modo que 10 x 36 = 360 graus do círculo perfeito – cada um deles sendo regido por um planeta pertencente àquela triplicidade – por exemplo, o signo de Áries tem seus três decanatos regidos por Marte, Sol e Júpiter, os três planetas regentes dos signos de Fogo. Não se sabe como se chegou, um dia, a essa regência anual, mas supõe-se que tenha a ver com essa divisão do Zodíaco em decanatos, que corresponderiam às regências anuais, totalizando ciclos longos de 36 anos, que por sua vez, também estariam sob uma regência. Assim, temos ciclos longos de 36 anos, regidos por um determinado planeta, de acordo com sua sequência na ordem caldeica e, dentro deste ciclo longo de 36 anos, teríamos os ciclos anuais. Como disse, 2016 encerra um ciclo longo de 36 anos, regido pelo Sol e 2017 inicia outro ciclo longo, regido por Saturno, o planeta da austeridade. O primeiro e o último anos do ciclo longo de 36 anos devem ser regidos pelo planeta regente deste ciclo maior. Então, ao invés de termos Vênus regendo 2017, temos Saturno, inaugurando este período de 36 anos, um período que tende a ser de contenção, severidade, disciplina e responsabilidade. Temos então que o pano de fundo de 2017 será de austeridade, cobrança, maturidade, limites, retrocessos, conservadorismo, com grande foco nos deveres e obrigações, nas demandas sociais ou familiares, mais do que no prazer, no indivíduo ou nas questões pessoais como era com a regência do Sol. É um tempo de aprendizado e sobriedade – as contas chegam para ser pagas e não adianta reclamar porque o cobrador pode decidir aumentar os juros em função dos lamentos! O tempo de holofotes sobre o indivíduo e o ego (regência do Sol) dá lugar às obrigações e responsabilidades sociais.

Saturno – Maria Eunice Sousa

Então, de um modo geral, é tempo de ser realistas e é o que Saturno, o Senhor do Tempo, requer de nós. Saturno é conservador e exige realismo, disciplina, responsabilidade. É o cobrador daquelas contas que viemos postergando achando que nunca teríamos que pagar. Essa regência sinaliza um ano de austeridade, de se voltar às coisas básicas e se respeitar os limites. É ano de ser realista e encarar os desafios de cara limpa, porque não dá para fugir deles. Ano de gerir os recursos com sobriedade, porque talvez estejam escassos. E, sendo bastante realistas, já sabemos que não é possível mudar o cenário atual da noite para o dia, magicamente, só porque mudamos o ano. Os desafios que enfrentamos hoje continuam e agora temos que recomeçar, a despeito de todas as dificuldades. Mas, recomeçar por onde, quando estamos tão confusos e incertos? Essa incerteza ainda permeia todo o ano e quando há insegurança, a tendência é uma volta ao conservadorismo, porque acredita-se que voltar ao que era vá consertar o que está errado atualmente e isso não necessariamente é verdade, portanto, este é um movimento que requer cautela. No mapa do Brasil, Saturno trafega atualmente a casa das estruturas básicas da sociedade, o governo federal, assim como as classes dominantes. É possível que ainda haja muitos desapontamentos, tumultos e reviravoltas políticas ao longo de 2017, não necessariamente atendendo ao desejo do povo – como também apontam outros fatores nesta análise – e isso pode trazer bastante insatisfação, que por sua vez pode levar a revoltas populares. Mudanças drásticas ocorrem da noite para o dia, a exemplo de 2016, e outros aspectos ainda sugerem que muitas decisões governamentais são ocultadas e que os verdadeiros governantes, aqueles que realmente mandam, podem também estar ocultos. Mas essa regência de Saturno NÃO É A COISA MAIS IMPORTANTE! Muito pelo contrário! Existem outros fatores mais gritantes e graves para se levar em conta. Como diz o título deste artigo, este é um ANO REVOLUCIONÁRIO e definitivamente, um ano Saturnino NÃO É um ano revolucionário, portanto, Urano e Plutão é que dão o tom principal deste ano, e não Saturno!

Trânsitos lentos e configurações 

Júpiter – Maria Eunice Sousa

Dos planetas lentos, o mais ativo neste ano é Júpiter. Em parte porque, obviamente, ele é o mais rápido e fará mais aspectos, mas principalmente por causa da oposição que faz a Urano e da quadratura a Plutão. Júpiter ingressou em Libra em setembro de 2016 e permanece neste signo até 10 de outubro de 2017, quando ingressa em Escorpião. Júpiter é um planeta associado com o conhecimento mais elevado, expansão, crescimento, riqueza, significado, espiritualidade e também leis, não a sua aplicação – isso é com Saturno, que aliás, está em Sagitário, regido por Júpiter – mas a feitura das leis, a busca por justiça. Em Libra, o signo da equidade, do equilíbrio, da harmonia e da conciliação, Júpiter busca crescer e se expandir através da cooperação e da diplomacia, procurando chegar à paz e à justiça para todos os lados envolvidos. Trata-se da busca pelo mútuo desenvolvimento, para mim e para você. Ele poderia ser cordato por demais, exceto pelo fato de ficar, boa parte do ano, em oposição a Urano e quadratura a Plutão, dois planetas que ainda estão em quadratura, embora não façam mais o aspecto exato. Podemos então esperar mudanças abruptas nas leis que têm a ver com riquezas, impostos, crescimento e desenvolvimento social. Não, as configurações não representam somente coisas boas, às vezes, é bem ao contrário, elas simbolizam coisas bastante desagradáveis. Além dessa configuração, que é a mais importante, Júpiter ainda fará quincunce a Quíron (fevereiro e março e depois setembro) e a Netuno (maio a julho), sextil a Saturno (agosto) e trígono a Netuno (a partir de novembro, já em Escorpião). Os aspectos tensos a Netuno e a Quíron nos alertam que nem todas as leis e alterações na legislação serão bonitinhas e agradáveis sendo, muitas delas, bastante ilusórias ou descaradamente desfavoráveis ao povo.

Reprodução

Então, neste ano Júpiter sugere algumas mudanças radicais nas leis, que vêm demolir o senso de segurança e estabilidade social, ou que transformam profundamente a maneira de se governar no mundo ou a relação entre as classes dominantes e as dominadas. Algumas dessas mudanças podem ser benéficas, outras podem ser chocantemente desagradáveis – do tipo “presente de grego”. Mas esses movimentos Jupiterianos indicam principalmente a necessidade de reformarmos nossas crenças, nossa visão de mundo, a forma como encaramos e percebemos a ideia da justiça e a maneira pela qual nos expandimos.

Reprodução

A oposição a Júpiter-Urano é o ápice de um ciclo de cerca de 13,8 anos que começou entre 2010 e 2011, com os dois planetas em Peixes e o ciclo desses dois planetas tem a ver com a relação entre as mudanças intelectuais e as expectativas das sociedades. Assim, essa oposição a Urano simboliza grande potencial de expansão da criatividade e da originalidade, de novos avanços tecnológicos, que ampliam a interação e a socialização entre os indivíduos – fique atento para inovações tecnológicas que transformarão os relacionamentos afetivos! É provável que seja um ano em que mais e mais relacionamentos poderão começar através das redes sociais, à distância. Júpiter em aspecto tenso a Urano também aponta para acidentes graves relacionado às grandes viagens/distâncias, como na navegação ou aviação – aliás, já vimos alguns eventos graves acontecendo de 2016 para cá.

Reprodução

Já o ciclo de Júpiter-Plutão é um ciclo de cerca de 12,5 anos e fala de uma transformação profunda nas expectativas das sociedades e tem enorme influência nas questões de justiça e legislação no coletivo. A presente quadratura é minguante e vai finalizando um ciclo iniciado em dezembro de 2007, a 28° de Sagitário. Um ciclo de transformação na reformulação das leis, mas que fala também de poder imenso e grandes fortunas e é um sinônimo para as plutocracias, sistemas políticos onde o poder é exercido, necessariamente, pelos mais ricos, pela elite econômica, o que leva a grandes desigualdades sociais. Para termos ideia do que estava acontecendo entre outubro e dezembro de 2007, quando os dois planetas estavam em orbe de conjunção, foi neste período que foi descoberto o Pré-Sal, que foi “dado” recentemente ao estrangeiro, assim como será dado, provavelmente, o Aquífero Guarani – Vênus está retro na casa 12 no mapa de ingressão! Agora este ciclo está se fechando e termina de vez em 2020, quando Júpiter se juntar a Saturno e a Plutão em Capricórnio. Nessa quadratura minguante entra em pauta algumas leis importantes: taxação de grandes fortunas ou aumentos de impostos para a classe média.

Veja o que Júpiter-Urano-Plutão estão “aprontando” no seu mapa natal! Agende uma consulta comigo através do e-mail: psicologica.astrologia@gmail.com

Reprodução

No mapa do Brasil essa quadratura se dá entre as casas 8 (Júpiter) e 11 (Plutão) o que sugere mudanças importantes das leis que regem as finanças internacionais e investimentos de países estrangeiros. Esse aspecto pode representar mortes no judiciário, simbólica ou literalmente. Algumas mudanças nas leis podem representar aumento (Júpiter) no número de mortes (Plutão/casa 8) relacionadas às instituições públicas (casa 11) ou mudanças importantes nas leis que regem o serviço público e as instituições públicas, assim como os investimentos nessas instituições. Então, não nos enganemos! Só porque Júpiter é um planeta de boa sorte, não quer dizer que ele às vezes não represente problemas também. Até porque um mesmo aspecto pode representar tanto coisas positivas quanto negativas, dependendo do contexto e dos envolvidos. Mas podemos esperar desmantelos no poder, mais sujeiras vindo à tona acerca do Poder Judiciário, transformações no âmbito da Justiça e justiça sendo feito no âmbito do poder. E podemos dizer também: justiça seja feita, doa a quem doer! E se tem algo que se precisa em abundância nesse país é justiça e até mesmo uma transformação na Justiça e no Poder Judiciário. Contudo, a quadratura Saturno-Quíron alerta que essa justiça pode ser aplicada de forma capenga em muitas situações, podendo mesmo ser omissa! Júpiter ficará retrógrado de 06 de fevereiro a 09 de junho e por isso, a maioria dos aspectos ocorre pelo menos duas vezes – já tendo ocorrido os primeiros eventos em 2016.

Reprodução – Desconheço o Autor

E por falar em Júpiter, lembramos de Sagitário, signo regido por ele e por onde Saturno trafega atualmente, também fazendo uma revisão geral nessa área da justiça e das crenças. Saturno agora trafega o terceiro decanato de Sagitário, regido pelo Sol. É um grande alívio que já não tenhamos a quadratura Saturno-Netuno para lidar, uma configuração que simbolizou toda a depressão coletiva, a apatia, a fragmentação de muitos sonhos, a morte de muita gente no mundo das artes e entretenimento em 2016… Mas temos pela frente Saturno-Quíron, tão dolorosa e difícil quanto. Embora muitos astrólogos não utilizem Quíron em suas leituras, não há dúvidas de sua “influência” astrológica e certamente essa quadratura se fará sentir.

Daunhaus.Deviantart – Reprodução

Essa quadratura a Quíron é um espinho venenoso enfiado na carne, que infecciona e dói excruciantemente! Um aspecto bastante difícil de se lidar, porque estamos falando de dois princípios pesados, significadores de inseguranças, bloqueios, medos, incertezas, feridas, dificuldades… Numa conversa tensa e deveras conflituosa… Extremamente espinhoso. Defensivo. Desagradável. Doloroso. É preciso ter muita coragem e serenidade para olhar as profundezas da própria alma dispostos a enfrentar nossos piores pesadelos e fragilidades de cabeça erguida, com dignidade, para poder usar isso como mola de crescimento. O mais provável é que sintamos de maneira muito crua que todo esse sofrimento é inútil e sem sentido e nos sintamos amargos e cínicos, com uma sensação de futilidade a nos assombrar dia após dia. Olhamos para o nosso abismo pessoal, social e coletivo e ele olha de volta para nós, mais fundo e obscuro do que ousaríamos pensar.

Magritte – Reprodução

Uma reação possível dos mecanismos de defesa é recorrer a verdades prontas, frases feitas, crenças bonitas mas inócuas ou rígidas e excessivamente severas, para nos dar algum senso de segurança ou de sentido. Nosso alter-ego, aquele severo guardião moral que diz o que é certo e errado, aponta o dedo para o nosso lado mais frouxo e desmazelado, aquela parte de nós mais desamparada e vulnerável, que então se encolhe e se amiúda, querendo desaparecer. Desnecessário dizer o quanto isso é difícil e paralisante, além de possibilitar reações instintivas de animal ferido mortalmente que, para se defender vai revidar da pior maneira… É claro que isso é um extremo. Sempre podemos tirar proveito desses momentos de fragilidade para nos conhecer melhor, recorrer a alguma prática terapêutica, a alguém em quem se confia para propiciar um olhar externo e apaziguador de tal sofrimento. Não precisamos resvalar nos extremos! A manifestação desse aspecto é muito provável de se dar nas relações mais próximas, particularmente relações que envolvam figuras paternas ou de poder, como a relação com o próprio pai, chefes, professores, ou outros tipos de autoridades, inclusive religiosas, acadêmicas etc. É preciso compreensão, sensibilidade, compaixão e doçura para consigo mesmo e para com o outro que porventura percebamos estar lidando com esse tipo de dilema.

Salvador Dali – Reprodução

Peixes é o signo que fala da desintegração da forma e do ego. Quíron trafegando este signo nos diz que essa desintegração é dolorosa e que temos que abrir mão do anseio por redenção, porque não há redenção à vista. A quadratura de Saturno nos fala que as figuras de autoridade e poder estão feridas, vulneráveis, fracas. Essa vulnerabilidade tanto pode ser moral e psicológica, quanto física e concreta, ou seja, pode implicar reputações avariadas ou perda da saúde ou ainda morte. Ou nos sentimos órfãos porque tais autoridades são incapazes de continuar a nos dar suporte, ou porque nos desapontamos terrivelmente com elas.

Em termos mundanos, podemos bem associar essa quadratura com todas essas reformas em andamento no Brasil. Novas leis (Saturno em Sagitário) que versam sobre a saúde coletiva, aposentadoria, etc (Quíron em Peixes). E como vimos, a aprovação das tais leis não favorece nem um pouco ao povo e à maioria. É possível também vermos figuras eclesiásticas e religiosas em geral – de todas as religiões – tendo suas fraquezas e vulnerabilidades expostas, sendo julgadas socialmente, seus pés de barro esfacelando-se debaixo do seu peso de ferro e ouro… A mesma coisa se aplica a autoridades acadêmicas e altos postos universitários. A exposição dessa vulnerabilidade pode ser no sentido moral, mas também físico, ou seja, pode implicar questões de saúde ou mesmo de morte nesses meios mencionados. Se Saturno-Netuno simboliza a morte e o desaparecimento de figuras importantes nas artes em geral, Saturno-Quíron sugere a mesma coisa para figuras importantes dos meios acadêmicos, religiosos, filosóficos ou mesmo da saúde, já que Quíron também tem a ver com a cura. A implicação dos meios eclesiásticos e religiosos tem a ver com o trânsito de Saturno por Sagitário.

Reprodução

Saturno faz também aspecto positivo a Urano, um trígono. Esses dois planetas em contato simbolizam a implementação das mudanças intelectuais, aquelas que são pensadas na configuração Júpiter-Urano. Este aspecto indica a possibilidade de conciliarmos o velho e o novo, a tradição com a inovação, tirando o melhor dos dois mundos. Indica que temos recursos para fazer algumas mudanças estruturais e cruciais com uma certa segurança, de forma responsável, planejadamente. É um tempo favorável para as ciências, as áreas de pesquisa e do conhecimento em geral. Novas ideias (Urano) ganham forma (Saturno), harmoniosamente. Assuntos antigos (Saturno) ressurgem com novas roupagens ou abordagens (Urano). Urano estará bastante ativado, o que sugere um ano cheio de surpresas, de eventos inesperados, reviravoltas, rebeldia, revolução e subversão. Sempre que Urano está envolvido diz-se “espere o inesperado”, o que é uma contradição em si mesmo, mas esse dizer é para enfatizar a natureza imprevisível e abrupta deste planeta. Saturno ingressa em Capricórnio em 20 de dezembro.

Veja onde acontece esse aspecto muito positivo de Saturno e Urano no seu mapa natal, agendando uma consulta comigo: psicologica.astrologia@gmail.com

Ingressão do sol em Áries – 20 de março

Ingressão do Sol para Brasília

Um dos meios mais efetivos de vermos como vai ser o ano é analisando o mapa da ingressão do sol em Áries, que se dará em 20 de março, às 07h28min no horário de Brasília e às 10h28min no horário de Lisboa. Esse mapa grita alto, altíssimo! Primeiro, o Sol está na casa 12, a casa das coisas ocultas, junto com Vênus retrógrada e Mercúrio. Isso nos diz que o poder no Brasil continuará a ser exercido de forma obscura. A casa 12 no mapa astrológico classicamente é tida como a casa dos “inimigos não declarados” – sendo o Sol a autoridade máxima e representando o presidente/chefe de estado, teremos então inimigos não declarados no poder? O inimigo comanda o show dos bastidores! Em Astrologia Mundana/Mundial essa casa é a dos movimentos subversivos, dos movimentos e eventos secretos, clandestinos, subterrâneos. E é também a casa das instituições de isolamento: hospitais, mosteiros, prisões. Considerando-se tudo o que temos visto até no que tange às rebeliões no sistema carcerário, podemos dizer que essa tendência de conflitos deve continuar ano adentro.

Ramiro Furquim – Sul 21 – reprodução

O Sol se afasta de uma quadratura a Saturno-Lua e conjunção a Quíron, ambos os aspectos fora de signo. Sugere que ainda amargamos desapontamentos passados, ainda estamos a digerir muito dos recentes acontecimentos desagradáveis. O choque de realidade continua a reverberar. Sem falar que a quadratura Lua-Sol deixa claro que os interesses do governo não coincidem com os da massa – longe disso, conflitam terrivelmente. O próximo aspecto que o Sol fará é a conjunção a Vênus retrógrada. Baigeant, Campion e Harvey (1), no livro Mundane Astrology, dizem que Vênus representa a cola que mantém o povo da nação unido, as coisas prazerosas, artes, harmonia, entretenimento. “Traz a paz, embora, devido à sua natureza passional, também tem associações com a guerra”. Os Maias e os Astecas eram grandes estudiosos do ciclo de Vênus e para eles, Vênus retrógrada, como já disse em outros textos, era associada às guerras, por causa da qualidade subversiva e guerreira que Vênus adquire quando muda de direção. De diplomática e conciliadora, torna-se uma guerreira obstinada a destruir o inimigo. Assim, essa posição de Vênus Rx alerta que os conflitos civis, as revoltas populares devem ficar mais inflamadas neste ano, especialmente porque Vênus está em Áries, um signo de guerra. As pessoas em geral têm grande dificuldade de concordar entre si e o tom animoso sai das redes sociais e pode ganhar as ruas. Vênus também está associada ao arquétipo feminino e aos recursos do país, devido à regência de Touro. Os recursos do país ficam escassos, particularmente porque essa Vênus rege a casa 2 deste mapa. E na casa 12 aponta para as falcatruas e negociatas feitas por trás das costas do povo – adeus, Aquífero Guarani e tantos outros tesouros nacionais!!! E a economia, ao invés de crescer, tende à retração – portanto, o crescimento é deveras duvidoso!

Pixabay.com – Reprodução

Urano está na casa 1 deste mapa, a casa que representa a nação como um todo, sua autoimagem. Urano está em quadratura a Plutão que está conjunto ao MC e ainda recebe a oposição de Júpiter no DC, que também quadra Plutão. É um ano revolucionário, não se sabe se as revoluções são para melhor ou para pior, mas a sombra coletiva desse país vai para os holofotes e muitas coisas secretas com as quais não lidamos até aqui vão para o palco central, de modo que precisamos olhar com os olhos bem abertos e transformar o que tiver que ser transformado.

Shutterstock – Reprodução

Júpiter está retrógrado na casa 7/DC e sugere esse anseio de buscarmos a ajuda de algum parceiro “benfeitor”, mas esse Júpiter está retrógrado, de modo que é provável que não consigamos e ainda sejamos objeto de ridículo. Júpiter também está destacado, visto que puxa essa mapa todo numa formação de Locomotiva – mais uma vez, a despeito de todas as vicissitudes, precisamos ter fé de que estamos mudando para melhor. Não uma fé cega ou alienada, mas uma fé clara, arguta, como mostram os aspectos a Urano e Plutão.

Reprodução

Mercúrio está conjunto ao Ascendente em Áries e é instrumental na fomentação dos conflitos – alô, grande mídia! – visto que está também em oposição ampla a Júpiter e quadratura a Plutão no MC. Mercúrio rege as comunicações de todo o tipo, a educação, as mensagens do governo ao povo, os movimentos intelectuais e pensamento da nação. E este pensamento está nervoso, incendiário, disposto a demolir muitas verdades, crenças e leis inócuas, disposto a botar a boca no trombone, mas também pode estar inflexível e egocentrista. A quadratura a Plutão sugere novamente, que muitos podres virão à tona tanto no que tange aos meios políticos e econômicos (Plutão em Capricórnio), quanto aos meios judiciários e eclesiásticos (Júpiter em Libra), podendo também representar alguns incidentes diplomáticos.

Shutterstock – Reprodução

A Lua está conjunta a Saturno na casa 9, em Sagitário e repete algo parecido já apontado por Mercúrio-Júpiter-Plutão: verdades sombrias acerca dos meios religiosos e da justiça precisam ser encaradas sem escapismos. A Lua representa o povo, as massas, que neste caso estão fanáticas e apaixonadas por ideologias rígidas, moralismos vazios. Talvez essas massas exijam punição e justiça contra os desmandos, mas têm que lidar com realidades decepcionantes, já que a Lua também quadra Quíron. A casa 9 também é a casa das publicações, das instituições acadêmicas e dos sistemas das leis, de maneira que essa posição aponta para leis rígidas que repercutem negativamente nas instituições públicas e sociais (Quíron na 11), na educação, universidades e na produção das ciências. Positivamente, a conjunção Lua-Saturno sugere que o povo está mais realista, mais forte e resiliente, menos propenso a esperar por milagres.

Shutterstock – Reprodução

A Lua também é um planeta feminino e está conjunta a Saturno. Somando isso à posição de Vênus, retrógrada em Áries na casa 12, temos que este não é um ano particularmente favorável para o feminino, para as mulheres, que podem se sentir amordaçadas e cerceadas nas suas conquistas e liberdades e na forma como são tratadas pelas leis e pelos aplicadores das leis. Pode haver um recrudescimento da violência contra a mulher. Contudo, esse feminino coloca uma resistência formidável e está disposto a brigar ferrenhamente por suas bandeiras. E essa retrogradação pode significar uma reformulação, uma reavaliação de como a mulher e o feminino têm sido vestidos nos últimos tempos.

Shutterstock – Reprodução

Marte está em Touro, na casa 1, isolado, sem aspectos. Poderíamos considerar um trígono de quase 10 graus que vai receber da Lua, mas ainda é muito distante. Marte está em recepção mútua com Vênus retrógrada. Em Touro ele está mais calmo e paciente e delibera antes de entrar em ação, o que por um lado, ajuda bastante em momentos de ebulição e conflito. Entretanto, um planeta sem aspectos tende a se manifestar de forma extremista, super-compensando os momentos de pouca atividade com outros de atividade exagerada, inflexível, radical, sugerindo muitos riscos. Marte é o planeta da liberação da energia executiva, da paixão e da violência, e quando sem aspectos, sugere que essa energia é liberada de forma irregular, errática. Pode ser grosseiro, rude, truculento, particularmente em Touro e como também representa o poderio militar, essa posição inspira cuidados. Pode agir de forma a gerar divisões, violência, rebeliões (particularmente no sistema prisional, já que a regente, Vênus, está na casa 12) e tumultos na ordem social.

O único aspecto positivo nesse mapa é o trígono Saturno-Urano, que pode sim, dar alguma sustentação em momentos de caos, mas, de modo geral, esse mapa diz que esse é um ano bastante conturbado para o Brasil – e também para o mundo, de formas diferentes. É bem diferente de 2016, porque 2016 tinha aquela sensação de depressão, de desesperança, de coisas arrastadas… Já 2017 traz energia de ação, é dinâmica, embora seja conflituosa. Este é um ano de revolução –  embora, com Marte em Touro (regente de Áries, Sol, Vênus, Mercúrio e Urano), essa revolução aconteça meio a passo de tartaruga e talvez seja meio preguiçosa… meio na marra, talvez porque fiquemos com medo de perder algumas “comodidades”. Urano em Áries, contudo, sempre sugere que a mais importante revolução de todas, a principal e fundamental, é a revolução individual – é no indivíduo e a partir do indivíduo que a revolução pode realmente acontecer – principalmente porque Urano e Marte estão na casa 1.

Eclipses

O eixo nodal permanece por cerca de 19 noves numa polaridade de signos. Esse eixo ingressou na polaridade Virgem-Peixes em novembro de 2015, onde permanece até maio de 2017, quando ingressa, então, no eixo Leão-Aquário. Nos últimos dois anos tivemos eclipses acontecendo entre as polaridades de Áries-Libra e de Virgem-Peixes – leia e entenda melhor a mecânica dos eclipses. Agora os eclipses se deslocam para Leão-Aquário e mesmo os de fevereiro já ocorrem neste par de signos, porque para haver um eclipse, é preciso que Sol e Lua estejam distantes até 18 graus do eixo nodal.

Tabela de eclipses de 2017: significados e área de influência por signo. Veja o signo do seu ASCENDENTE!

Então, teremos dois eclipses lunares, os dois parciais/penumbrais, o de fevereiro visível em quase todo o Brasil e o de agosto visível na África, Ásia e Oceania – leia sobre o Eclipse Lunar em Leão de fevereiro. Já os eclipses solares serão totais, o de fevereiro sendo visível da região central ao Sul do Brasil e o de agosto sendo visível na América do Norte e parcialmente no Norte do Brasil – leia sobre o Eclipse total do Sol em Peixes de fevereiro. De modo geral, esses quatro eclipses que acontecem em 2017 aumentam a possibilidade de coisas imprevisíveis e inesperadas ocorrerem ao longo do ano, podendo se manifestar como cataclismos naturais, como terremotos e tsunamis, e também como violência social em que o indivíduo se coloca contra os grupos e o povo se volta contra governos e poderes estabelecidos – isto no Brasil e no mundo. Esses eclipses enfatizam o papel e a atuação do indivíduo na comunidade, conclamando as pessoas a serem mais participativas e a se responsabilizarem mais pelas mudanças que querem ver acontecendo na sociedade.

Você sabe onde os eclipses caem no seu mapa e o que eles acionam? E Vênus retrógrada, o que vem significar para você neste momento? Agende uma consulta e descubra: psicologica.astrologia@gmail.com

Pawel Kuczynski – Reprodução

Mercúrio ficará retrógrado quatro vezes, nos signos de Capricórnio/Sagitário (janeiro), Touro/Áries (abril a maio), Virgem/Leão (agosto a setembro) e Sagitário (dezembro). Os períodos de Mercúrio retrógrado, como sabemos, propiciam que façamos revisões importantes sobre nossas formas de pensa e nos comunicar e, considerando-se a posição de Mercúrio neste mapa, os períodos de retrogradação serão cruciais para a avaliação do quanto as revoluções são benéficas ou maléficas para o Brasil.

 

Datas de Mercúrio retrógrado:

19/12/2016 a 08/01/2017 – retrograda de 15° de Capricórnio a 28° de Sagitário

09/04 a 03/05 – retrograda de 4° de Touro a 24° Áries

13/08 a 05/09 – retrograda de 11° de Virgem a 28° de Leão

03/12 a 22/12 – retrograda de 29° a 13° de Sagitário

Arcano XIII – A Morte – Tarô de Nei Naiff

Assim, transformações profundas continuam a ocorrer nas grandes instituições econômicas, nas estruturas governamentais, nos sistemas bancários, no Poder e poderes em geral. O que não for mudado por bem, será transformado à revelia da nossa vontade na grande conjunção de Júpiter-Saturno-Plutão em 2020, um ano de grande turbulência econômica, política e social, em termos globais – nada comparado com o que estamos vendo agora. A Terra vai parar e mundo não será mais o mesmo depois de 2020!

Shutterstock – Reprodução

Em resumo, em 2017 temos a continuidade de um ciclo de mudanças iniciado lá em 2008 e que se estende até 2020, quando outros ciclos importantes começam, mudando drasticamente o cenário geopolítico mundo afora. Apesar de haver um aumento no conservadorismo, 2017 é um ano de muitas reviravoltas políticas, econômicas e sociais, assim como um ano de mudanças significativas e repentinas nas leis e no exercício dos poderes Legislativo, Executivo e Judiciário. Por um lado, ainda temos muitos desapontamentos e desilusões, especialmente com autoridades e figuras públicas dos campos da política, do judiciário e das religiões. Por outro lado, o povo já não fica tão passivo, está mais resiliente e levanta resistência, usando esse desapontamento como combustível para brigar contra desmandos e injustiças e ir atrás de mudanças reais. O perigo é que aqueles que detém o poder vão tentar defendê-lo a todo custo e isso pode gerar revoltas e conflitos violentos, nas ruas e dentro de instituições, tanto no Brasil quanto no mundo.

Embora tudo isso pareça assustador, não devemos ficar assustador e com medo, porque já vivemos isso atualmente e as coisas tendem apenas a se intensificar. O movimento de transformação nos convida a permanecer conscientes e a voluntariamente contribuir e cooperar com essa transformação. E por mais que tudo pareça estar piorando, isso não é verdade. Recorro a um texto de Sathya Sai Baba para nos lembrar disso, que fala sobre esse período de transição que atravessamos:

“Não há mais maldade, o que há é mais luz, e é sobre isso que falo agora. Imagine que você tem um quarto, ou uma despensa, onde guarda suas coisas, iluminado por uma lâmpada de 40W. Se trocar para uma lâmpada de 100W, verá desordem e um tipo de sujeira que você nem imaginava que havia no local.

A sociedade está mais iluminada. Isto é o que está acontecendo. E isto faz com que muitas pessoas que leem estas afirmações as considerem loucura.

Percebem que hoje em dia as mentiras e ilusões são percebidas cada vez mais rapidamente? Bom, também está mais rápido alcançar o entendimento de Deus e compreender a forma como a vida se organiza.

A nova vibração do planeta tem tornado as pessoas nervosas, depressivas e doentes. Isto porque, para poder receber mais luz, as pessoas precisam mudar física e mentalmente. Devem organizar seus quartos de despejo, porque sua consciência cada dia receberá mais luz. E por mais que desejem evitar, precisarão arregaçar as mangas e começar a limpeza, ou terão que viver no meio da sujeira.

Esta mudança provoca dores físicas nos ossos, que os médicos não conseguem resolver, já que não veem uma doença que possa ser diagnosticada. Dirão que é causado pelo estresse. Porém isto não é real. São apenas emoções negativas acumuladas, medos e angústias, todo o pó e sujeira de anos que agora está sendo visto para ser limpo.

Algumas noites as pessoas acordarão e não conseguirão dormir por algum tempo. Não se preocupem. Leiam um livro, meditem, reze. Não imagine que algo errado ocorre. Você apenas está assimilando a nova vibração planetária.

Se não entender este processo, pode ser que as dores se tornem mais intensas e você acabe com um diagnóstico de fibromialgia, um nome que a medicina deu para o tipo de dores que não tem causa visível. Para isto não existe tratamento específico – apenas antidepressivos, que farão com que você perca a oportunidade de mudar sua vida.

Uma vez mais, cada um de nós precisa escolher que tipo de realidade deseja experimentar, porém sabendo que desta vez os dramas serão sentidos com mais intensidade; assim como o amor. Quando aumentamos a intensidade da luz, também aumentamos a intensidade da escuridão, o que explica o aumento de violência irracional nos últimos anos.

Estamos vivendo a melhor época da humanidade desde todos os tempos. Seremos testemunhas e agentes da maior transformação de consciência jamais imaginada.

Informe-se, desperte sua vontade de conhecer estas questões. A ciência sabe que algo está acontecendo, você sabe que algo está acontecendo. Seja um participante ativo. Que estes acontecimentos não o deixem assustado, por não saber do que se trata.” (SATHYA SAI BABA)

Shutterstock – Reprodução

Como fica para os signos (Sol, Lua e Ascendente)?

Os signos cardinais (Áries, Câncer, Libra e Capricórnio) continuam a lidar com as transformações exigidas por Plutão (segundo decanato), são chamados a despertar radicalmente por Urano (terceiro decanato) e ainda precisam buscar equilíbrio no crescimento, conforme aponta o trânsito de Júpiter por Libra (segundo e terceiro decanatos). Assim, os signos cardinais continuam a ser desafiados de forma crítica.

Os signos fixos (Touro, Leão, Escorpião e Aquário estavam passando por uma trégua relativa nos últimos dois anos, desde que Saturno finalmente saiu de Escorpião. Em outubro Júpiter ingressa em Escorpião, onde ficará até oito de novembro de 2018. Júpiter vai agitar e animar um bocado a vida dos signos fixos, mas para Touro, Leão e Aquário é preciso ter alguma cautela, porque Júpiter tende aos exageros. Os signos fixos também serão afetados pela migração do eixo nodal para Leão-Aquário, já que os eclipses passam a acontecer nessa polaridade de signos.

Já os signos mutáveis (Gêmeos, Virgem, Sagitário e Peixes), são dos mais desafiados, visto que lidam com o trânsito de Saturno por Sagitário (terceiro decanato dos signos mutáveis) e de Netuno por Peixes (segundo decanato) e Quíron (terceiro decanato), também por Peixes. Os signos fixos (Touro, Leão, Escorpião e Aquário) tiveram que lidar com algo parecido lá pelos idos de 1999, quando Saturno trafegava Touro e Netuno passeava por Aquário. A diferença é que os signos fixos são signos de controle, e precisam abrir mão de tal controle. Os signos mutáveis, por outro lado, são signos mais fluidos e estão sendo testados e cobrados severamente no seu senso de ordem e de estrutura, no seu senso de funcionamento efetivo no mundo. Precisam fazer o exercício de abrir mão do paraíso da infância (Netuno) e encarar a realidade, se estruturando e amadurecendo mais um pouco (Saturno).

Então, 2017 nos pergunta: quais revoluções precisam acontecer na sua vida?

Descubra isso e muito mais agendando uma consulta: psicologica.astrologia@gmail.com

 

Datas importantes

06 de fevereiro – Júpiter retrógrado em Libra

11 de fevereiro – Eclipse Penumbral da Lua em Leão

26 de fevereiro – Eclipse Anular do Sol em Peixes

03 de março – Júpiter Rx em oposição a Urano

04 de março – Vênus fica retrógrada a 13° de Áries

20 de março – Ingressão do Sol em Áries

30 de março – Júpiter Rx em quadratura a Plutão

06 de abril – Saturno retrógrado em Sagitário

09 de abril – Mercúrio retrógrado em Touro

15 de abril – Vênus direta em Peixes

20 de abril – Plutão retrógrado em Capricórnio

03 de maio – Mercúrio direto em Áries

17 de maio – Júpiter Rx em quincúncio a Netuno

19 de maio – Saturno Rx em trígono a Urano

09 de junho – Júpiter direto em Libra

16 de junho – Netuno retrógrado em Peixes

05 de julho – Júpiter direto em quincúncio a Netuno

03 de agosto – Urano retrógrado em Áries

4 de agosto – Júpiter direto em quadratura a Plutão

11 de agosto – Urano Rx em semi-quadratura a Netuno

13 de agosto – Mercúrio retrógrado em Virgem

25 de agosto – Saturno volta ao movimento direto em Sagitário

27 de de agosto – Júpiter direto em sextil a Saturno

05 de setembro Mercúrio volta ao movimento direto em Leão

27 de setembro – Júpiter em sesqui-quadratura a Netuno

28 de setembro – Júpiter em oposição a Urano

28 de setembro – Plutão volta ao movimento direto em Capricórnio

07 de outubro – Urano Rx em semi-quadratura a Netuno

10 de outubro – Júpiter ingressa em Escorpião

11 de novembro – Saturno em trígono a Urano

22 de novembro – Netuno direto em Peixes

2 de dezembro – Júpiter em Escorpião em trígono a Netuno

3 de dezembro – Mercúrio retrógrado em Sagitário

20 de dezembro – Saturno ingressa em Capricórnio

22 de dezembro – Júpiter em semi-quadratura a Saturno

23 de dezembro – Mercúrio volta ao movimento direto em Sagitário

(1) – Michael Baigent, Nicholas Campio, Charles Harvey – Mundane Astrology – Thorsons UK