Arquivo da tag: Lua cheia em Escorpião

A Semana Astrológica – Na sincronia da alma

Reprodução

Semana de 8 a 14 de maio – Semana de culminação do ciclo, representando expansão e crescimento. Mas há influências que podem trazer desencorajamento e demandam vigilância!

Eu aproveito para dar as boas vindas à nova imagem do blogue. Faz tempo que queria mudar algumas coisas, e não encontrava tempo. Ainda não está como eu gostaria, visto que mudei apenas o formato e a apresentação. Mas devagar, chegamos lá!

Nesta semana temos a culminação do ciclo Taurino, na Lua Cheia de Escorpião, ocorrendo na quarta-feira. O período da Lua Cheia sugere um apogeu, um tempo em que as coisas alcançam um clímax e coisas que estavam se avolumando e acumulando energeticamente, finalmente são liberadas, alcançando uma resolução – é ir ou ficar, comprometer-se ou abrir mão. Assim, podemos ter essa nítida sensação nos próximos dias, de algo está mais definido, mais claro e resoluto – mesmo que não gostemos muito de tais definições.

Carol Beckwith e Angela Fisher – Reprodução

O Sol em Touro faz trígono a Plutão neste período, aspecto que estará ativo na Lua Cheia. Com o Sol em aspecto positivo a Plutão, estamos dispostos a enfrentar nossas sombras e a fazer o que for necessário para nos transformar, uma transformação que pode ser programada, ao invés de ser imposta goela abaixo. Olhamos honestamente para nossas falhas e decidimos o que e como fazer para lidar com a situação. Entretanto, o trígono a Plutão implica, necessariamente, a retrogradação deste e isso nos alerta que além de estarmos mais dispostos a perceber a necessidade da mudança – coisa que normalmente preferiria ignorar – também estamos atentos ao que já foi mudado, ao que funcionou ou não, revemos, reavaliamos e, a partir disso, nos reposicionamos.

Reprodução

Mercúrio faz nova conjunção a Urano, finalizando este ciclo de renovação de ideias – ele fez a primeira conjunção, retrogradou, fez outra conjunção e agora faz a terceira e última desta fase –  em busca de novas iluminações. Teremos dias de novidades e surpresas nas comunicações, mídia, redes sociais e também nas interações pessoais em geral. Mercúrio fecha a semana no último grau de Áries, preparando-se para pular a cerca e entrar no curral de Touro.

Reprodução

Marte faz quadratura a Netuno, na quinta-feira, indicando que o entusiasmo fica um tanto comprometido; podemos cair nas armadilhas da preguiça, da insegurança e da dúvida acerca daquilo que queremos, questionando nossa capacidade de obter ou mesmo a validade do nosso desejo. Entretanto, talvez tal encorajamento, mais do que arrefecer, fique sujeito a oscilações extremas, porque Marte também faz aspecto a Júpiter no dia seguinte. Outra coisa que pode sugerir essa instabilidade na liberação da energia é que partir do dia 14 Marte sai dos limites do Sol por declinação Norte. Quando fora dos limites estabelecidos do Sol, um planeta tem sua ação intensificada e, positivamente, podemos ter mais clareza do que queremos quanto à atuação daquele planeta. No caso de Marte, Steven Forrest, astrólogo americano, diz que que ele “adquire maior liberdade que o normal para realizar suas empreitadas marcianas”. No caso de pessoas que têm Marte natal Fora de Limites, isso leva essas pessoas a quebrarem limites e realizarem grandes feitos, embora possam também se manifestar como muito problemáticas, pelos mesmos motivos. Olhando as influências negativas, isso pode nos levar aos desejos cegos, pois podemos ficar incapazes de questionar aquilo que desejamos, se é ou não adequado para nós, se vale ou não lutar por tais desejos. Steven Forrest argumenta ainda que quando Marte está Fora de Limites, é possível que tomemos atitudes das quais nos arrependamos mais tarde, quando ele voltar aos limites do Sol. Isso porque, classicamente, quando Fora de Limites, um planeta é considerado selvagem e sem controle, visto que está fora da jurisdição do Sol, a autoridade máxima do nosso sistema. Marte fica Fora dos Limites do Sol de 14 de maio a 29 de junho. Neste período terá uma distinta qualidade “selvagem” e sua ação fica intensificada.

Um movimento muito importante acontecendo esta semana é a ingressão do eixo nodal na polaridade de Leão e Aquário. Para muitos astrólogos, essa migração já ocorreu, porque eles trabalham com Mean Node, ou seja, uma variação média do movimento dos nodos. O Nodo Norte Médio já ingressou em Leão na semana passada, mas o True Node (Nodo Verdadeiro), que representa o movimento real dos nodos, migra para Leão na terça-feira, dia nove e fica neste signo até seis de novembro de 2018. Isso representa uma mudança importante, principalmente porque a partir daqui os eclipses vão migrando gradativamente para essa polaridade de Leão-Aquário, depois de ter ficado aproximadamente dois anos ocorrendo em Virgem-Peixes. Agora saem um pouco de cena os temas do serviço e da redenção (Virgem-Peixes) e entram em foco a criatividade, expressão individual, atuação em grupos e o ativismo político e social, tanto em nível da consciência individual quanto coletiva. Leão, é regido pelo Sol e isso pode nos ajudar a nos sintonizar melhor com os propósitos solares, de elevação de consciência e de realização individual.

Reprodução

Outra coisa relevante, é que o trânsito do eixo nodal ativa um par de casas no mapa natal de cada pessoa, trazendo à tona assuntos do passado naquela área de vida, pedindo que essas cosas sejam revisitadas. A última vez que o Nodo Norte esteve em Leão foi entre outubro de 1998 a abril de 2000. Se você sabe onde tem os signos de Leão e Aquário, preste atenção porque as coisas serão reviradas nessa área novamente – não necessariamente num sentido negativo. Quem tem o Nodo Norte em Leão, estará vivendo nos próximos 18 meses um Retorno Nodal, que ocorre a cada 18 anos e meio, aproximadamente. É uma ótima oportunidade, uma chance nova de se realinhar com o próprio destino, de relembrar o seu Dharma, a missão que veio realizar nesta vida. Quem tem o Nodo Norte em Aquário – o contrário – tem a chance de relembrar erros do passado, para liberar-se, para se tornar mais sábio e deixar para trás antigos padrões, integrando aquilo que já foi aprendido, com aquilo que se veio aprender.

Reprodução

A Lua abre a semana na fase Corcunda, em Libra. Completa a fase Cheia em Escorpião, aventura-se em Sagitário e fecha a semana já em Capricórnio, na fase disseminadora, no domingo.

Reprodução

SEGUNDA-FEIRA, 8 de maio – A Lua abre o dia em Libra, conjunta a Júpiter. Depois ela faz quadratura a Plutão, oposição a Urano e a Mercúrio e sextil a Saturno, ficando vazia depois deste aspecto, às20h01min. Ainda faz sesqui-quadratura a Netuno. A noite pode ter sido tempestuosa, mas segunda-feira está super movimentada, com muitas coisas acontecendo, colorindo o dia de dinamismo e energia! Mas talvez haja demandas demais, de forma que nos sentimos demasiadamente exigidos e divididos entre nossas necessidades pessoais e as muitas exigências que o dia nos traz. Se não dá para fazer tudo e atender a todos, é preciso negociar, escolher e bancar o desconforto que dizer não ao outro vai suscitar. Em nossa busca por harmonia e equilíbrio, precisamos lembrar que antes de mais nada temos que harmonizar a nós mesmos, antes de encontrar harmonia no mundo exterior – aliás, se nos equilibramos internamente, o caos externo dificilmente nos afetará. Principalmente, é preciso vigiar atitudes e comportamentos impulsivos e compulsivos, dos quais poderemos nos arrepender mais à frente e antes de espiralar e ceder a tais impulsos – que podem ser bastante destrutivos – fazemos se olhamos para o fundo da nossa alma para perscrutar onde nascem tais compulsões, quais ansiedades ou fomes inconscientes estamos tentando aplacar, também inconscientemente. Se fazemos isso honestamente, não temos que ficar à mercê da resposta do outro, nem ficar incomodados se não obtemos tal resposta. Também há propensão para confrontos, especialmente aqueles motivados por questões de poder, em que um lado tenta se impor ou controlar o outro. Em termos mais positivos, o dia está excelente para lidar com situações que demandem energia resolutiva, para enfrentar conflitos e resolvê-los, para nos engajarmos em situações e problemas que demandem alta estamina físcia e emocional.

Reprodução

TERÇA-FEIRA, 9 de maio – O eixo nodal (True Nodes) ingressa na polaridade Leão-Aquário. O Sol Taurino está em trígono pleno a Plutão em Capricórnio e Mercúrio vira a noite em conjunção exata a Urano. A Lua entra o dia vazia em Libra e ingressa em Escorpião às 02h01min, de onde faz quincúncio a Vênus em Áries, fechando o dia em trígono não exato a Netuno. Sentimentos intensos e viscerais colorem o dia e nos fazem estar em contato mais direto com as intenções mais profundas do espírito e da consciência, integrando mais um pouco da sombra, de maneira harmoniosa e afinada. Temos um feeling particularmente acurado, que nos permite perceber as correntes invisíveis e as influências subjacentes a todas as interações, captando intenções, sejam elas honestas ou sombrias e a partir disso, traçamos nosso próprio movimento. Percebemos com mais clareza alterações que precisam ser feitas, seja em nós mesmos, internamente, ou no nosso entorno e tão logo identificamos a necessidade de tais modificações, colocamo-nos em ação, sem hesitação, porque de repente, aquilo que aguentamos por muito tempo, torna-se intolerável, e logo queremos reformar, transformar, melhorar. É um dia deveras potente para busca impulso de mudança e transformação e se formos espertos e inteligentes o bastante, tiraremos proveito de tal energia, colocando a mão na massa jubilosamente. É interessante notar que Mercúrio está cheio de novas e audazes ideias, vindas de Urano, o reformador por excelência; já o Sol Taurino, ultra pragmático e do tipo “mão-na-massa”, também faz um bom contato com Plutão, aquele das transformações profundas. Como se não bastasse, a Lua Escorpiônica traz o engajamento físico com as mudanças, porque então elas se tornam uma necessidade da alma. É dia de fazer boas e reais mudanças!

Reprodução

QUARTA-FEIRA, 10 de maio – Mercúrio está em conjunção plena a Urano. A Lua Escorpiônica faz trígono a Netuno e quincúncio a Marte, que estão em quadratura entre si. A Lua ainda se afina com Plutão, antes de se opor ao Sol, entrando na fase Cheia, a 20°24’ de Escorpião. A Lua fica vazia depois da oposição ao Sol, às 18h44min. É dia de inspiração, de nos sincronizarmos com forças poderosas, de nos reconectar com os anseios mais profundos de nossa alma e com os ditames da nossa consciência mais elevada. De fato, há no ar uma profunda sensação de sincronicidade e embora tenhamos que rever algumas dessas inspirações lá na frente, por serem demasiado sutis e imaginativas, ainda assim, podemos nos beneficiar bastante se estivermos suficientemente abertos às vibrações sussurradas no ar e que reverberam direto no nosso coração. É possível também que muito dessa inspiração nos coloque em colisão direta com aquilo que se espera de nós e isso, por mais emocionante que tais inspirações sejam, pode causar conflitos e trazer alguma sensação de alienação – mas cabe aqui aquela observação de Krishnamurti: “pode ser um sinal de saúde quando não nos encaixamos completamente num mundo que está doente” – na verdade, ele diz isso ao contrário: não é um sinal de saúde estar bem adaptado a uma sociedade profundamente doente. A Lua alcança seu apogeu exatamente neste clima: de imaginação sem limites, de uma sensibilidade profunda e mágica, que pode nos fazer sentir em contato com toda a criação, em sua força poderosa de vida e de unidade. É uma Lua cheia de renovação e regeneração; de nos livrarmos da antiga pele e darmos as boas vindas à mais nova versão de nós mesmos. Mais sobre a Lua cheia na quarta-feira.

Christy Schwathe – Reprodução

QUINTA-FEIRA, 11 de maio – Marte está em quadratura partil a Netuno em Peixes. Mesmo vazia a Lua faz quincúncios a Urano e a Mercúrio e depois sesqui-quadratura a Vênus. A Lua ainda faz trígono a Quíron e ingressa em Sagitário às 14h00min e fecha o dia em trígono a Vênus. O dia hoje está particularmente parado, arrastado e contaminado com uma sensação de irrealidade, que nos faz duvidar até da nossa própria carne e das sensações físicas. Pela manhã, é necessário um grande esforço para levantar e ir para o mundo e de fato, o tempo não está propício para as atividades objetivas, antes são horas reflexivas, adequadas para ruminarmos sobre o rumo da vida, sobre nossas inseguranças, complexos de autossabotagem e tentar olhar para nós mesmos com mais carinho e compaixão. Por que precisamos, volta e meia, ficar patinando sobre nossas próprias inseguranças? Por que damos ouvidos a outros, que muitas vezes nem nos conhecem tão bem assim? Por que a opinião de outros tem que ser mais importante do que a nossa própria? Talvez já esteja na hora de confiar na nossa própria voz interior, na sabedoria maior, que carregamos em nós. Também precisamos lidar com a tendência, às vezes, de nos envolvermos com mais coisas do que damos conta, ou de nos deixarmos vencer pelo tamanho da tarefa, antes mesmo de começa-la – é preciso ter humildade para reconhecer os próprios limites, sem se deixar abater por eles. Ver, perceber, reconhecer e respeitar nossos medos e inseguranças não quer dizer que deixaremos que nos paralisem e lembrar sempre, não conhece a coragem, quem nunca experimentou o medo. O medo é natural e necessário, mas não pode nos impedir de realizar nossos intentos legítimos e maiores. Com Marte em Gêmeos em aspecto a Netuno, muitos desses medos são irreais e talvez tais catástrofes nunca aconteçam realmente. À tarde o clima muda sutilmente e se não conseguimos vencer completamente o marasmo, pelo menos nos animamos um pouco e conseguirmos ver as coisas e a vida sob outras perspectivas, menos pessimistas e derrotistas. E quem sabe até nos armamos de uma nova empolgação e encontramos outras vozes menos sombrias e mais incentivadoras, dentro e fora de nós. A tarde, fica de fato, mais propícia para darmos continuidade aos propósitos conscientes e a continuar a colher os frutos do nosso intenso labor.

Reprodução

SEXTA-FEIRA, 12 de maio – Marte está em trígono exato a Júpiter, enquanto começa a se afastar da quadratura a Netuno. A Lua completa o trígono a Vênus, faz conjunção a Lilith, quadratura a Netuno e oposição a Marte, tornando Netuno foco de uma T-Square mutável. Fecha a noite em sextil a seu dispositor, Júpiter. O dia está levemente mais animado do que ontem, mas ainda precisamos lidar com humores oscilantes, desencorajamento intercalado com arroubos de entusiasmo e fé, que no fim podem ainda comprometer a ação e execução daquilo com que estamos comprometidos. Ainda duvidamos muito de nós mesmos. A dúvida, dizia um amigo meu, muito tempo atrás é o estado de viver duas vidas: DÚ-VIDA, uma vida em duplicidade, em ambiguidade, que é exatamente um dos temas básicos de Gêmeos e por que não, de Sagitário também. Assim, hoje precisamos nos lidar com nossas ambivalências e incertezas e perceber quando dividimos a potência da vida em duas, criando as DÚ-VIDAS. A dúvida é algo natural e saudável, na medida em que nos faz humildes e humanos, e é necessário ser honesto consigo mesmo para confrontá-las. Contudo, a despeito de tudo isso, às vezes a dúvida tira o viço, a ponto de entrarmos em colapso mental, pela incapacidade de chegar a uma conciliação interna – o ego não suporta e colapsa de alguma forma – daí as estafas mentais, os estresses agudos – algumas das causas dessas condições é o estado de impasse, de não se conseguir tomar uma decisão e banca-la diante de nós mesmos. Assim, podemos olhar para a dúvida como uma entidade que vem nos ajudar a fazer um questionamento válido e coerente, mas não podemos deixar que se instale para sempre, impedindo-nos de correr os riscos necessários para progredir na nossa jornada heroica. A incerteza também tem suas qualidades, porque nos coloca em contato com nossa humanidade, com a vulnerabilidade, com o fato de que não temos mesmo obrigação de saber tudo o tempo todo, nem de ter soluções e respostas prontas para tudo. Isso me lembra de outro amigo, a quem nunca conheci pessoalmente, mas que muito me ajudou nos meus dilemas adolescentes: “às vezes, quem duvida e faz perguntas, é muito mais honesto do que eu” que estou cheio de certezas, mas que tenho pavor de ver tais certezas rechaçadas e postas à prova. Esse é o clima básico do dia: o confronto conosco mesmos e nossas próprias dúvidas, infantis, reais, válidas ou não. E ao invés de fugir delas e fingir que sabemos tudo, ganhamos mais se lhes damos as boas vindas, assim elas deixam de ser o bicho-papão e já não precisam nos paralisar indefinidamente.

Reprodução

SÁBADO, 13 de maio – De Sagitário, a Lua se afina lindamente com Urano, enquanto faz conjunção a Saturno e quadratura a Quíron. A Lua fica vazia às 23h16min, depois do trígono a Mercúrio que também está em trígono exato a Saturno hoje. Gradativamente vamos retomando nossas forças e nossa coragem e submetendo nossas inspirações mais luminosas à luz da realidade, para pormos algumas em prática e, quem sabe descartamos outras. O dia está, de fato, mais animado e cheio de uma energia auspiciosa, que nos faz buscar novos ares e abrir a cabeça e o coração para novas possibilidades de mudar nosso cotidiano e rotina. A mente prática e funcional está hoje conectada a dois princípios aparentemente opostos, mas que são imprescindíveis de serem conciliados, se for para construirmos algo, efetivamente, que uma o passado e o futuro, que não signifique implodir tudo o que veio antes, em nome do que virá depois. Assim, este é um ótimo período para repassar nossos planos, nossas ideias recentes, nossos projetos de estudo, a forma como nos comunicamos e perceber onde podemos fazer alterações de maneira harmoniosa, tranquilamente. Inspirações que elevam nosso espírito e de quebra, ainda nos ajudam com questões práticas e terrenas. Aproveitemos essa energia para clarificar nossas ideias e de fato, realizar algo a partir delas!

Reprodução

DOMINGO, 14 de maio – A Lua ingressa em Capricórnio às 02h38min, de onde quadra Vênus em Áries e faz sesqui-quadratura ao Sol, entrando na fase Disseminadora. A Lua também faz quadratura a Júpiter, virando foco de uma ampla T-Square, já que Vênus já está em orbe de oposição a Júpiter. Marte segue se distanciando de Júpiter e Netuno e se aproximando do quincúncio a Plutão, exato na semana que vem. Mercúrio trafega o último grau de Áries e entra em Touro amanhã. Um dia mais soturno, que nem parece muito com domingo. É folga, dia de descanso, mas estamos sintonizados com deveres, obrigações, compromissos sociais. Há muitos e vários apelos para o descanso, o lazer, a alegria, mas nos sentimos um tanto sobrecarregados com os compromissos já assumidos, de modo que talvez nos peguemos de mau humor. Mas ainda assim, se de fato queremos, podemos dar um jeito e criar tempo, espaço, energia, para nos dedicarmos à família e às coisas prazerosas da vida – a questão é se não estamos usando deveres e obrigações para fugir do contato mais próximo com outros, da intimidade e de uma maior profundidade nas nossas relações, muitas vezes permeadas de detalhes práticos e expectativas sociais. O tempo, nesse contexto, pode ser um algoz, já que não fizemos dele um amigo. O final do dia fica mais propício a um pouco de diversão e prazer, portanto, é questão de querer!

Uma ótima semana para você! que seja de paz e luz!

Reprodução

Lua Cheia em Escorpião: O que, na sua vida, está com o prazo de validade vencido?

by coee

“O tempo que antecipa o fim também desata os nós”

A Lua é Cheia em Escorpião nesta quarta, 14 de maio, às 16h16min (Brasília). Uma Lua Cheia que vem coroar e simbolizar a culminação de um período longo de tensão e ebulição, propiciadas pelas movimentações da Grande Cruz Cardinal. Uma liberação catártica que nos permite pôr pra fora o que estava entalado, engasgado e agora finalmente podemos cuspir e vomitar.

A Lua Cheia ocorre a 23°54 de Escorpião, conjunta a Saturno, o Senhor do Carma e do Tempo. Como a Lua Cheia é a oposição da Lua e do Sol, o Sol está a 23°54 de Touro. É importante lembrarmos aqui o simbolismo do signo de Touro. “Touro nasce para ser a “rocha”, o tronco  prático, robusto e constante no qual outros podem confiar. Seu trabalho é construir, preservar e manter; demonstrar fidelidade e permanecer no longo curso. Sendo uma figura de princípios, deve aprender a desenvolver determinação, obstinação e a agarrar-se ao que ele acredita. Um apreciador e um sensualista, ele aproveita bem dos prazeres da vida. Constrói fundações desenhadas para durar e acumula algo de valor material que resistirá a qualquer tempestade” (1). Nasce para lançar raízes, ter sustentação e acumular substância. Esta é a essência básica do Touro. De natureza simples, tende a ver tudo como literal, e aí está um dos primeiros problemas. Em sua pior expressão, “há um apego avarento àquilo que não é seu e uma obsessão fanática com situações emocionais e sexuais, particularmente com pessoas que ele não consegue controlar. Reconhecendo seu poder inato e a dependência de outros em relação a ele, tira vantagens ao manter os outros reféns de sua dependência. Glutão, ganancioso, um monumento à auto-indulgência e um escravo dos sentidos, Touro pode chafurdar na preguiça ou permanecer em condições ultrapassadas e detrimentais” (1).

sensualista

Escorpião é a polaridade oposta de Touro, o complementar, e como tal vem lembrar a Touro que nada dura para sempre, não importa quanto você tente se apegar e quão sólidas sejam as fundações. Com sua crua consciência da morte, sabe e aceita que a vida é cíclica e espiralada: a vida nasce, cresce, reproduz-se e morre – ou se transforma. Transformação é palavra chave aqui e um dos símbolos mais impressionantes do Escorpião é a serpente que periodicamente troca a pele velha e desgastada por outra nova que acomode sua nova força e tamanho. Outro símbolo poderoso é a Fênix, que ao intuir o fim da vida, entra em autocombustão e renasce das próprias cinzas para uma vida nova. Escorpião vem ensinar a Touro a ir além da mera segurança material, mostrando que sempre há mais para ser vivido e experimentado e que a “estabilidade” freqüentemente atrapalha o crescimento e o alcance da próxima etapa de desenvolvimento. Escorpião destrói algo de propósito quando percebe que aquilo está atrapalhando seu crescimento, sejam bens materiais, relacionamentos, empregos, etc. Escorpião desafia a simplicidade de Touro afirmando que a vida é bem mais complexa, ensinando-o a viver a vida de forma mais intensa, profunda e apaixonada. Vem lembrar ainda que por mais que se precise ou se ame algo/alguém, por mais que algo/alguém seja importante, é preciso combater a dependência e desenvolver autocontrole.

prazo troca de pele

Nesta Lua Cheia o Sol em Touro simboliza nossos apegos e possessividade, especialmente o apego a situações e condições ultrapassadas que dão um falso senso de estabilidade e segurança. Simboliza também nosso equívoco em derivar mérito e valor unicamente de nossas posses materiais – apegado demais ao literal e ao palpável, Touro freqüentemente esquece que o valor maior é invisível e intangível, que sua mais importante construção é ele mesmo e não a conta bancária, a carreira de sucesso, as posses materiais. E o Sol em Touro representa ainda nossa possessividade em relação a pessoas que tentamos transformar em nossa propriedade, como se existissem para nosso exclusivo deleite.prazo de validade amor

A Lua Cheia em Escorpião vem propor a destruição de todos estes apegos, tema que está duplamente enfatizado pela conjunção com Saturno.  Lua-Saturno vêm confrontar nosso lado Taurino, desafiando-nos a ir para o próximo nível de desenvolvimento, a ousar destruir os andaimes que impedem que vejamos a construção pronta em sua inteireza; a identificarmos tudo o que está vencido nas prateleiras da alma e do coração, assim como nas prateleiras de armários e guarda-roupas. Por que insistimos tanto em nos apegar a algo que está claramente morto, inválido, ultrapassado, inútil? Porque nos dá uma sensação de segurança? Mas que maluquice a nossa, buscar segurança em algo que não funciona mais! No mínimo, insano! prazo-vencido-525x393

Quando olhamos o mapa como um todo, a liberação do velho e ultrapassado está mais que favorecida. A Lua Cheia é regida duplamente por Marte e Plutão. De Plutão nem precisa dizer muito: o Senhor da Morte, dos Fins e da Destruição, em Capricórnio ele vem destruindo todas as estruturas obsoletas de poder que tenham bases frouxas ou desonestas. Agora, Marte é mais próximo de nós e de nossa consciência individual. Marte está no fim do ciclo de retrogradação em Libra, e como parte da Grande Cruz Cardinal, o regente da Lua Cheia de Escorpião é na verdade o grande mandante da limpeza e faxina geral simbolizada por essa Lua que toma lugar na psique. Com Marte retrógrado muitas coisas inacabadas ou mal resolvidas no passado vieram à tona nos últimos dois meses, exigindo resolução e cauterização definitiva. Como parte da Grande Cruz, mesmo debilitado, ele veio sinalizar o ponto de ebulição a que precisávamos chegar para nos dar conta de qualquer pasmaceira instalada em nossa vida, de quanto nossa “vontade” imperiosa e egoísta às vezes nos leva para o buraco. Aliás, o fato de estar debilitado tem um simbolismo profundo e potente, o de que a vontade individual neste momento precisa se submeter à Vida e simplesmente aceitar o que quer que precise ser transformado interna ou externamente. Se a vontade individual (Marte) não se submeter à Vontade Maior (Júpiter-Urano-Plutão), corremos mesmo o risco de extinção da espécie.

Lua Cheia em Escorpião 2014Se olharmos ainda mais longe, a regente de Marte, Vênus, está em Áries, em recepção mútua com ele. Em Áries Vênus já é bastante desapegada e livre, como se não bastasse, está conjunta a Urano, o Senhor do Desapego por excelência e ativando a Grande Cruz e seus temas. Vênus-Urano são mandatórios: “Libere! Liberte-se! Solte! Nada é realmente seu para possuir! Só fica o essencial, o que realmente vale a pena”. Se algo precisa ser acorrentaod ou atado a nós para permanecer, é porque não é realmente nosso; o que é para ficar, fica espontaneamente. E o pior é que quando precisamos “segurar” algo ou alguém conosco, não percebemos o desgaste imenso de energia que isso causa e que no fim, quem está preso, na verdade, somos nós. Por isso que quando soltamos e liberamos o outro ou o que quer que seja, na verdade liberamos a nós mesmos. Mas o que é o apego? O apego vem da insegurança, da falta de confiança na Vida, da incerteza de se há o bastante para todos, se acharei algo melhor ali à frente. Em última instância, Apego é achar que a vida é mesquinha e limitada aos nossos próprios parâmetros e visão estreita, que o conhecido é tudo o que há para ver, viver e sentir.

JFantasyFirePhoenixunto com Saturno, a Lua forma ainda um Grande Trígono em Água, com Júpiter em Câncer e Quíron em Peixes. Júpiter é um velho inimigo de Saturno e Quíron, porque representam a antítese dele mesmo: limites, falhas, erros, feridas, sombra, pessimismo… Os três juntos em harmonia num Grande Trígono simbolizam que é necessário aceitar a vida em sua grandeza, em seus ciclos de expansão e generosidade, assim como em suas dificuldades, limites e ciclos de morte e debilidade. Lutar contra isso é insanidade. Aceitar torna-nos mais sábios e serenos.

Concluindo, esta é uma Lua Cheia que favorece a liberação e finalização de tudo aquilo cuja validade venceu em nossa vida: apegos, atitudes, hábitos, crenças, modos de ver e viver a vida, formas de existência ultrapassadas, relacionamentos, empregos, imagens e escolhas antigas que não representam mais quem somos ou quem nos tornamos nesta nova fase, nem satisfazem à fome de nossa alma. Se tivermos sorte e estivermos atentos essa liberação é voluntária, e podemos aproveitar estas energias para fazer uma limpeza geral na alma e na vida, uma faxina e expurgo de tudo que morreu, que passou, que já deu o que tinha que dar. Mas se não estivermos plenamente cientes do que precisamos deixar ir e continuamos apegados ao caquético e obsoleto, então o arranque pode ser doloroso, porque a Grande Vassoura Cósmica de Escorpião não perdoa e varrerá para o lixo tudo o que estiver atrapalhando nos tornarmos pessoas melhores e mais inteiras. E o sentimento de perda poderá tornar-se paralisante, atrapalhando uma nova fase que teria tudo para ser promissora, rica e vicejante. Lembro aqui o belíssimo poema de Rumi “As uvas do meu corpo” (2), em que ele usa a feitura do vinho como metáfora das transformações dolorosas e necessárias pelas quais passamos na vida, muitas vezes reclamando, por acreditar que o esmagamento das uvas é o fim absoluto. Mas Rumi lembra que o Vinhateiro tem um Plano e sabe o que faz, e que, para que sejamos vinho, é preciso permitir o esmagamento das uvas que soGrapes_02_pushkin - Cópia (2)mos nós, submetermo-nos à Vontade do Vinhateiro, à vontade da Vida. (veja poema completo na imagem ou abaixo, ao fim do texto)

Como meras uvas estamos fadados a murchar ou, se na melhor das hipóteses, servir de alimento. Mas se nos tornamos vinho, avançamos para um novo nível de existência, uma existência mais elaborada, sofisticada e prolongada. Então, ao invés de se apegar e chorar por uma forma velha de vida, melhor olhar adiante e se animar com a perspectivas de se tornar um vinho novo, rico, perfumado e luxuriante, permitindo que o Vinhateiro nos destrua com seus pés implacáveis, porém sábios. Qual serpente escorpiônica, permitamos pois que nossa pele seja trocada por uma nova que acomode melhor nossa essência ilimitada; qual Fênix mitológica, permitamo-nos entrar em combustão para renascer das cinzas. E, se estivermos ansiosos demais com a perspectiva do fim e da liberação do que quer que seja, lembremos a música de Ney Mato Grosso: “O tempo que antecipa o fim também desata os nós” (3). Permitamos, pois, que os grandes “nós” da nossa vida sejam desatados e liberados, para que libertos possamos fazer novos laços ou simplesmente balançar livres por aí, até nos emaranharmos de novo, em outros ciclos, outras fases, outros erros – porque se for para errar, pelo menos que sejam erros novos! – porém com menos bagagem, mais maduros e serenos.

Desate os nós! Solte! Libere!

LIBERTE-SE!

deixar ir

 

As uvas do meu corpo

As uvas do meu corpo só podem se tornar vinho
Depois que o vinhateiro me pisoteia.
Eu entrego o meu espírito como uvas ao seu esmagamento
Então meu mais íntimo coração pode abrir-se e dançar com alegria.
Embora as uvas continuem chorando sangue e soluçando
“Eu não posso mais suportar a angústia,
nenhuma crueldade a mais”,
O pisoteador entope de algodão os seus ouvidos: 
“Eu não estou trabalhando na ignorância
Você pode negar-me se você quiser, você tem todos os motivos,
mas eu é que sou o Mestre desta Obra.
E quando, através da minha paixão, você alcançar a perfeição,
Você não terá ficado pronto exaltando o meu nome”

Rumi

(1) – CLIFFORD, Frank – How to Get to the Heart of your Chart

(2) Jalal Ad-Din Muhammad RUMI – Poeta e Místico Persa (1207-1273)

(3) NOVAMENTE – Canção de Ney Mato Grosso, composição de Fred Martins e Alexandre Lemos