Tag Archive | Lua Nova

A Semana Astrológica – Materializando Intenções

Reprodução

Semana de 24 a 30 de abril

Semana de recomeço, de inaugurar novos sonhos e plantar sementes que frutificarão substância, solidez e estabilidade.

O Sol ingressou em Touro e fica vários dias sem fazer maiores aspectos a outros planetas, sinalizando talvez alguma dificuldade em nos sintonizarmos com nossos propósitos e oscilações no entusiasmo com que nos empenhamos em realizar tais propósitos, ora muito certos e determinados, ao ponto do extremismo, ora duvidosos, sem saber direito para onde estamos indo. É nesse clima que ocorre a Lua Nova em Touro, já na quarta-feira, sinalizando o começo de um novo ciclo e o tempo ideal para cuidarmos da segurança material, do conforto físico e da nossa relação com o mundo sensorial, o mundo da matéria. É tempo de renovar intenções e, mais do que isso, de trabalhar para materializar tais intenções!

Reprodução – Desconheço autor

Mercúrio, retrógrado em Áries, telefona novamente para Saturno em Sagitário, para falarem de assuntos já tratados anteriormente e que agora precisam ser revistos e repensados. Mercúrio se junta novamente a Urano e revisa a necessidade e factibilidade dos planos e ideias incitados pelo desejo de mudança. Quando Mercúrio voltar ao movimento direto, no inicio de maio, realizar esses dois aspectos mais uma vez e é quando essas ideias se mostrarão mais consistentes, a mente estando aberta a apta a integrar as novidades às regras necessárias para manifestá-las no mundo.

Delaware Art – reprodução

Vênus ingressa novamente em Áries e lentamente vai retomando sua velocidade, recuperando inspirações, iluminações e lampejos fugazes captados desde fevereiro último acerca das relações, parcerias, amor próprio e nossa relação com a materialidade da vida. Essa ascensão completa durará muitos meses – até que ela faça a Conjunção Superior ao Sol, em janeiro de 2018. Agora Vênus vai assentando todos os insights tidos e recebidos na retrogradação e começando a implantar as mudanças elaboradas durante essa fase.

Reprodução

Marte segue em Gêmeos, sinalizando semanas de muita agilidade, presença de espírito e prontidão na ação, mas também dispersão de energia, por querer e tentar fazer coisas demais ao mesmo tempo, talvez até distraindo-se com coisas menores pelo caminho, ao invés de focar no que é importante. Esta semana ele faz sesqui-quadratura a Plutão, e isso simboliza uma possível dificuldade de assumir nosso poder e de nos comprometermos com as mudanças que desejamos fazer em nós e nossa vida. Como resultado, talvez nos sabotamos e nos entregamos ao inimigo, ao invés de assumir nossa força e nossos desejos de forma limpa e direta. Só não vale culpar os outros pelos equívocos que nós mesmos cometemos por desleixo e preguiça de irmos mais fundo na nossa busca! Auto-vigilância propicia consciência e ao invés de darmos rasteira em nós mesmos, aprendemos mais um pouco.

Adam Martinakis – Reprodução

Saturno faz quadratura a Quíron, a segunda de uma série de três, sendo a última em novembro deste ano. Dois planetas pesadões, que representam limitações, dissabores, mazelas e inadequações, travando essa “conversa” para lá de difícil, para não dizer briga mesmo, indicam que está é uma semana que traz para a linha de frente a necessidade de lidar com nossas limitações, pessoais e coletivas, cada um com as suas. Este peso é sentido mais agudamente no fim de semana, já que a quadratura fica exata no domingo e pede que tenhamos paciência e compaixão, uns com os outros, assim como conosco mesmos. Talvez sejamos confrontados com decepções, notícias negativas delicadas sobre a saúde física ou moral dos nossos modelos espirituais ou intelectuais. Ou, num âmbito mais pessoal, lidamos com impossibilidades e impedimentos difíceis de sanar, que exigirão serenidade para aceitarmos a nós mesmos e aos outros, em nossas grandes limitações. Leia mais sobre Saturno—Quíron no texto sobre 2017.

Reprodução

A semana começa com a Lua inda Balsâmica, em Áries. A Lua se renova em Touro, na quarta-feira e entra na fase Semi-Crescente já em Gêmeos. Fecha o domingo em Câncer, colorindo o dia de sentimentos densos e profundos. Nas sua trajetória ela conversa com todos os demais astros celestes, serena ou intempestivamente.

Reprodução

SEGUNDA-FEIRA, 24 de abril – Mercúrio retrógrado em Áries está novamente em trígono a Saturno em Sagitário, que também está retrógrado. A Lua, Ariana e Balsâmica, se harmoniza com Marte em Gêmeos e fecha a noite em oposição a Júpiter em Libra. É dia de termos mais clareza a respeito de tarefas que deixamos de cumprir lá atrás e que agora voltam à nossa porta para que possamos terminá-las, lidar com elas adequadamente. Não há tempo ou espaço para culpas ou lamentações, não é esse o objetivo, mas sim, o resolver efetivo da situação. Assim, o dia traz uma influência forte de resolução de problemas, de finalizar coisas pendentes, de terminar tudo o que esteja “pendurado” e criando bloqueios, sejam esses bloqueios concretos ou energéticos. Outra coisa positiva é que toda essa energia de ação e resolução está bem concentrada pela maior parte do dia, de modo que se estivermos atentos, poderemos de fato utilizá-la de maneira focada, diligente, ágil e engenhosa. Não dá para perder tempo pensando “e se…”, porque se piscamos, a chance já foi! À noite já não temos tanto foco assim. A despeito do otimismo e entusiasmo, talvez tentamos abocanhar mais do que conseguimos mastigar, ou seja, há propensão a excessos e o senso de proporção fica prejudicado, levando talvez começarmos mais coisas do que conseguimos terminar ou à pura dispersão e preguiça.

Reprodução

TERÇA-FEIRA, 25 de abril – De Áries a Lua se opõe a Júpiter em Libra, enquanto quadra a Plutão, fazendo conjunção mais tarde com Eris, Urano e Mercúrio. A Lua ainda faz trígono a Saturno e fica vazia depois desse aspecto, às 17h54min. Ingressa em Touro às 22h57min e fica várias horas sem maiores contatos. O regente da Lua Ariana está em Gêmeos, fazendo sesqui-quadraturas a Júpiter e a Plutão. A energia Ariana colore o dia de pressa, impulso e agilidade, feito um furacão que vai varrendo tudo por onde passa. Tem muita energia “fazedoura”, que nos ajuda a resolver coisas, finalizar processos e deixar tudo pronto para o próximo ciclo. Mas essa energia também é muito volátil e, ao invés de propiciar soluções, pode propiciar conflitos, caso estejamos muito desavisados e inconscientes de nós mesmos, especialmente porque também há períodos de rebeldia e possibilidade de imprevistos. Agir no automático não é a melhor pedida para o dia, ou podemos quebrar muitas cabeças por aí, a de outros e até a nossa própria, figurativa ou literalmente. Como é volátil, a energia se modifica constantemente, na direção, no impulso, na força, na desenvoltura e para controla-la e tirar bom proveito dela, é preciso estarmos centrados e termos clareza das nossas prioridades, buscando permanecer lúcidos e focados – do contrário, podemos nos dispersar em muitas direções e não fazer nada de efetivo com tudo isso, e pior: ainda nos indispor com o ambiente e com outros que estejam mais objetivos e seguros de si. Assim, a pedida é já começar o dia elencando as coisas importantes, mas deixando espaço para o imponderável, porque as coisas podem mudar e precisamos ser flexíveis e fluir com os acontecimentos.

Reprodução – Desconheço o Autor

QUARTA-FEIRA, 26 de abril – A Lua faz conjunção ao Sol às 09h16min, a 06°271, inaugurando um novo ciclo lunar. Mais tarde ela entra em cooperação com Netuno em Peixes, mas se desentende com Júpiter em Libra, formando um Yod-Dedo de Deus, já que Júpiter também começa a fazer quincúncio a Netuno. A Lua inaugura um novo ciclo lunar e um período de focar mais na materialidade da vida, em buscar concretizar e solidificar nossos objetivos. É tempo de nos tornarmos mais tangíveis no mundo, dando mais valor a nós mesmos, focando em materializar nossos desejos, em adquirir substancia, estabilidade, segurança. Sol e Lua estão isolados nesta lunação, não fazem contato com outros planetas, algo que dá mais ênfase aos temas de Touro e sugere um ciclo em que a busca pelos objetivos materiais é feita de forma muito obstinada, talvez até obsessiva. Focamos tanto no que queremos e buscamos, que vemos em túnel, alheios a tudo o mais que possa nos distrair. Se por um lado isso é ótimo porque favorece a determinação, por outro, leva a extremismos, teimosia, unilateralismos, em que nos recusamos a levar em conta outras opiniões e visões, mesmo quando nosso equivoco é evidente. Nesses casos, nos recusamos a dar o braço a torcer e a sensatez dá lugar ao capricho infantil e ao endurecimento da mente e do coração. A regente de Touro, Vênus, poderia suavizar essa “dureza”, visto que está em Peixes. Mas nem tanto, porque Vênus está no último grau de Peixes, um grau crítico; está se separando da conjunção a Quíron e da quadratura a Saturno e ainda em movimento muito lento, recuperando-se da retrogradação, em cuja zona ela ainda trafega. Essa posição de Vênus sugere que a determinação, por mais obstinada que seja, vem e vai, oscila, ora estamos totalmente empenhados, até de forma cega e ora não temos mais certeza do que realmente queremos, então, em lugar de suaves, ficamos “frouxos”, relapsos e inseguros. Portanto, esses são dados que precisamos vigiar ao longo das próximas semanas. Pelo resto do dia a oscilação do entusiasmo se faz mais presente e balançamos entre a sensatez e o exagero, entre um pragmatismo econômico e um idealismo inantigivel. Ter um mínimo de desapego com as ideias e impulsos que nos ocorrerem pode ser um bom começo, assim, podemos dar tempo para tais ideias e palpites se assentarem e serem analisadas com mais tranquilidade nos próximos dias.

Reprodução

QUINTA-FEIRA, 27 de abril – A Lua completa a quincúncio a Júpiter, enquanto faz trígono a Plutão e sextil a Quíron e a Vênus, ficando fora de curso depois da conversa com Vênus, às 22h20min. Ingressa em Gêmeos às 22h39min. Marte está em sesqui-quadratura plena a Plutão e Mercúrio vira o dia já em conjunção a Urano. O dia está langoroso, lento e ainda sujeito às oscilações de humor e de entusiasmo que experimentamos ontem. Apesar de sentirmos que há muita força latente, muita estamina, demoramos a engrenar, a sair do casulo e nos jogar nas atividades que nos aguardam. É como se precisássemos ter certeza de que os esforços são realmente válidos, antes de nos movermos e nos comprometermos com eles. Essa hesitação pode nos custar muito: perda de tempo e até de boas oportunidades, portanto, é importante ficarmos atentos e sermos honestos quanto a essa inatividade ou demora na ação: isso é mesmo motivado por um questionamento legítimo ou é apenas a velha e conhecida preguiça? É uma ponderação necessária ou mera procrastinação? Se conseguirmos proceder com o confronto honesto desses lapsos, podemos acessar um grande manancial de força, estamina, desenvoltura e determinação, que nos colocará no caminho certo da realização.

Reprodução

SEXTA-FEIRA, 28 de abril – Mercúrio está em conjunção partil a Urano por algumas horas. Em Gêmeos, a Lua Nova faz conjunção a Marte e mais tarde faz quadratura a Netuno em Peixes e trígono a Júpiter. Vênus ingressa em Áries às 10h14min. Ideias inovadoras, algumas impraticáveis, pululam e borbulham na mente incendiária hoje. Muitas dessas ideias e palpites são, na verdade, reaparições, tendo sido visionadas pela primeira vez lá pelo fim de março. Agora nós as revisitamos, talvez – apenas talvez – com um pouco mais de sobriedade, analisando com mais vagar, nem adotando e nem descartando de vez. Lá pelos dias nove ou dez de maio é que teremos mais clareza sobre quias ideias são aproveitáveis e quais são apenas aspirações ainda avançadas demais para conseguirmos concretizá-las a contento. De modo geral o dia pede quebra na rotina, independência de decisão, movimento e atitude; pede que façamos algo diferente, inusitado, insólito, que tenhamos coragem de abrir mão de mais alguns conceitos que já não condizem com o nosso tempo e com aquilo que somos hoje, com nossos planos e projetos de futuro. Às vezes, não há problema nenhum com esses conceitos em si mesmos, eles apenas não se alinham mais com nossas buscas. Identificamos que mudamos, que hoje queremos coisas diferentes do que queríamos ontem, na semana passada, no ano passado, mas às vezes não percebemos que continuamos a emitir conceitos e a nos comunicar da mesma forma de outrora e isso gera um descompasso, que pode ser corrigido. O dia oferece a possibilidade dessas correções. Em termos práticos, o dia pede bastante centramento, para que não dispersemos energia, a começar pelos excessos verborrágicos, pelas palavras soltas, jogadas a esmo, ao vento e que ao invés de clarificar, podem confundir o interlocutor e até a nós mesmos. A imaginação está bastante aguçada, mas é necessário um mínimo de foco para usarmos isso de forma positiva, do contrário, perdemos as horas a devanear sonhos impossíveis, ficando desapontados depois no confronto com a realidade, a começar com o desperdício do tempo e das oportunidades.

Federica Bordoni – Reprodução

SÁBADO, 29 de abril – A Lua Geminiana faz quincúncio a Plutão em Capricórnio e sextil ao seu dispositor, Mercúrio e a Urano, ambos no fim de Áries. A Lua forma uma T-Square Mutável ao se opor a Saturno e quadrar a Quíron, que é foco da T-Square e ao fazer isso, a Lua ativa a quadratura Saturno-Quíron, que fica exata de novo amanhã. A Lua ainda faz semi-quadratura ao Sol, entrando na fase Semi-Crescente. Fica vazia depois do embate com Saturno, às 18h29min. Ingressa em Câncer às 22h48min, de onde fecha a noite em quadratura à Vênus Ariana. Esse é um dia pesado e caótico, que pode ficar bem complicado, mas com alguma chance de ser produtivo, dependendo de como usemos as influências. Há propensão a queremos correr mundo, a pularmos de galho em galho, fugindo de obrigações, flanando por aí a esmo, queremos novidades, estímulos, movimento, animação e até provocando a outras almas menos inquietas – mas no fundo estamos fugindo é de nós mesmos e de nossas inseguranças, inadequações e aflições. Mas essa criança irrequieta e peralta em que nos tornamos se depara com um pai/professor/chefe que lhe desaprova frontalmente, fazendo-a sentir-se mais inadequada, deslocada, perdendo a espontaneidade, como quando somos descobertos a fazer algum mal-feito e no final, somos relembrados de outras inconveniências, desgostos e desalentos nossos, que nos deixam ainda mais para baixo, descendo a ladeira da inconsistência, melancolia e desânimo. É duro conciliar o desejo por novidade e soltura, com essas obrigações e deveres esperados de nós, especialmente, conciliar o espírito grandiloquente com as limitações terrenas; mas como diz o poeta, disciplina é liberdade e talvez o problema maior é que nos deparamos com a conta – alta – da fuga de compromissos e de confrontos anteriormente adiados: não fizemos na hora devida e agora eles se apresentam mais pesados. A despeito da dureza, do julgamento e do mau humor, o dia oferece chances de amadurecermos um pouco mais e de lidarmos melhor que esse Peter Pan irresponsável que tem dentro de nós, negociando com ele, buscando uma conciliação com o Velho que dá as ordens e cobra seu cumprimento; a Velha Realidade, as limitações do tempo e da condição de humanidade que todos carregamos. Tudo tem seu tempo e lugar debaixo do Sol e os problemas começam quando estamos fora de sintonia com esse tempo e o lugar certo das coisas. Hoje é dia de focar primeiro no dever, de confrontar alguns demônios; depois podemos pensar em lazer, se tivermos serenidade para lembrar que tudo passa, do contrário, podemos ter problemas. É possível que, devido ao tom pesado do dia, acabemos por resvalar em dissociações, em nos alienar dos sentimentos densos e neste caso, podemos encontrar tudo isso nas situações externas, que ainda assim, podem, no mínimo, ensinar muito a respeito de nós mesmo.

Federica Bordoni – Reprodução

DOMINGO, 30 de abril – Saturno em Sagitário está em quadratura plena a Quíron em Peixes. A Lua Canceriana completa a quadratura a Vênus, enquanto se afina com o Sol Taurino e faz trígono a Netuno em Peixes. Dona Lua faz ainda quadratura a Júpiter e fecha a noite em oposição não exata a Plutão. Emoções e sentimentos densos estão no cardápio do dia e se ontem talvez tenhamos conseguido nos dissociar de muito desse peso, hoje não temos alternativa e afundamos nele com toda a força e intensidade das nossas emoções tempestuosas. O clima fica choroso até amanhã e é necessário apelar para nossa resiliência para não afundarmos na melancolia e nos dramas emocionais paralisantes. Em lugar de nos abatermos com esse peso, podemos nos permitir sentir, talvez até chorar, mas não nos identificarmos demasiadamente com ele, porque não somos só isso, não somos só defeito, só imperfeição, só dor ou só frustração. Também temos tantas belas qualidades, sensibilidades que nos permitem sentir a dor, mas também o amor, o prazer, a beleza, o lado sublime da vida. Se aceitamos um, também precisamos integrar ao outro. Às vezes só queremos ver as coisas luminosas e positivas e ignoramos nossa sombra, não queremos lidar com ela e com o lado menos nobre de nós mesmos. Mas o contrário também é verdadeiro em muitos casos: há períodos em que só enxergamos nossas mazelas, as imperfeições e problemas, o desamor e a aflição que nos pressionam, inclusive dentro de nós mesmos. Nessas horas, também precisamos achar um equilíbrio e procurar pela luz dentro de nós, olhar para nossa face mais bela, elevada e majestosa – e todos nós temos isso, nem que seja em potencial – pela nossa nobreza, pela vastidão da generosidade do nosso coração, pela força do amor que nutrimos por outros que nos são importantes, pelos gestos desinteressados de ajuda a outros… Sim, a melaconlia pode ser bela e alimentar a criatividade e a arte, mas não podemos os deixar sucumbir sob seu peso; podemos abraçá-la, acolhê-la, como parte legítima da vida, mas precisamos trazer presente, do outro lado do nosso abraço, a nossa alegria, nosso amor, a nossa faceta mais magnífica, ainda que ela fique apenas de assistente naquele momento… mas ela precisa estar lá, a nos apoiar, de prontidão para não nos deixar sucumbir. Em termos mais práticos o dia está bem sensível e um tanto melindroso, propiciando trocas emocionais profundas, que devem ser, contudo, feitas de forma cuidadosa e respeitosa, para que não tornemos as feridas ainda mais dolorosas do que já são. Há uma boa dose de serenidade que pode ajudar a conter essa emotividade e aceita-la como parte do que somos.

Uma ótima semana para você! que seja de luz e serenidade!

A Semana Astrológica – Perdoar e liberar-se

Reprodução

Semana de 17 a 23 de abril – Semana de encarar realidades, não para lamentar, mas para crescer. Revisões, reciclagens encerramentos de pendências e eliminações também estão no menu. 

Esta semana é marcada pelo quarto Minguante, que ocorre novamente na quadratura Capricórnio-Áries, a exemplo do mês passado (20 de março, grau Zero de Áries). Isso sugere que precisamos aprender algo muito profundo acerca dos temas dessa quadratura, mudar as fórmulas, abrir mão da rigidez, perceber a beleza do novo e o que ele pode nos acrescentar, ao invés de ter medo da novidade.

Também temos várias movimentações ocorrendo nos céus, algumas delas tensas, mas outras bastante positivas. De modo geral, o princípio da realidade, Saturno, está bastante enfatizado, já que ele recebe vários aspectos, de planetas diferentes. Para começar, o Sol faz trígono a este Saturno, já na segunda-feira, sinalizando a oportunidade de integrarmos um senso de responsabilidade e paciência ao intrépido e impulsivo sol Ariano. Alguns dias depois o Sol ingressa em Touro, inaugurando um período de buscar mais estabilidade e de desfrutar sem culpa dos prazeres sensoriais, os prazeres do corpo.

Reprodução

Outro que conversa com Saturno é Marte, mas desta vez a conversa é mais tensa e sugere algumas discrepâncias entre nossos desejos de realização e a realização de fato. Talvez algumas de nossas crenças arraigadas interfiram na nossa prosperidade, na efetivação e manifestação de nossos desejos e até de nossa individuação. Então, é necessário parar e avaliar onde começa essa incongruência e, se necessário, desconstruir essas crenças paralisantes, conciliando planos com realidade, mas sem nos deixar alquebrar por ela. Marte também muda de signo nesta semana. Ingressa em Gêmeos na sexta-feira e logo ganhamos mais versatilidade, desenvoltura e engenhosidade na forma como lutamos para conquistar nossos objetivos. A competitividade é vivenciada na comunicação verbal e nos vemos usando palavras como armas, quando é necessário. A atividade mental também fica mais estimulada, particularmente porque com Mercúrio volta a Áries na quinta-feira, e os dois, Mercúrio e Marte ficam em recepção mútua, algo que pode minimizar os efeitos mais pesados da retrogradação mercurial, mas pode também criar alguns problemas devido à impulsividade, que talvez fique mais aflorada.

Reprodução

Antes de voltar a Áries, porém, Mercúrio faz a Conjunção Inferior ao Sol, ainda em Touro, ficando Cazimi por algumas horas, voltando a Áries ao final do mesmo dia. Ao retroceder a Áries, Mercúrio nos convida a rever se nossa comunicação é assertiva e direta o bastante e, a exemplo da retrogradação de Vênus, sugere que reavaliemos como nos colocamos diante dos outros, se temos nos afirmado corretamente ou se há desequilíbrios, seja porque somos bruscos/diretos/dominadores demais ou porque temos receio de dizer o que realmente pensamos e queremos. O processo mental é mais rápido com Mercúrio em Áries, mas há que se ter cautela, porque podemos tomar decisões erradas, levados por impulsos e poderemos nos arrepender mais tarde, particularmente porque Marte estará em Gêmeos, signo regido por Mercúrio, como já dito acima.

Reprodução

Mas o peso maior da semana fica mesmo por conta da última quadratura de Vênus a Saturno. Vênus já está direta, ainda em Peixes e cumpre a última parte do aprendizado compreendido pela retrogradação, que foi mais densa devido a Saturno e a Quíron. Agora ela começa seu retorno do Mundo Inferior e faz os mesmos aspectos novamente, o que torna tudo menos difícil, porque já enfrentou isso antes, já sabe do que se trata. A dor já não é tão intensa e agora há mais sabedoria. Estamos aptos a olhar para trás e ver as situações com outros olhos, mais descansados, talvez mais serenos. Agora é a hora da liberação: liberação da dor, do ressentimento, das mágoas, do passado e do nosso apego a tudo isso, inclusive às pessoas com quem dividimos tais experiências.

A Lua abre a semana na fase Disseminadora e fica Minguante em Capricórnio. Passeia por Aquário e torna-se Balsâmica em Peixes, fechando o domingo já em Áries. A Lua será nova no dia 26 de abril, às 09h16min de Brasília (13h16min no horário de Lisboa), a 06°27′ de Touro.

Reprodução

SEGUNDA-FEIRA, 17 de abril – O Sol Ariano está em trígono pleno a Saturno em Sagitário e em semi-sextil a seu dispositor, Marte em Touro, que por sua vez, está hoje hoje está em quincúncio pleno a Saturno – que recebe a quadratura de Vênus novamente, exata na sexta-feira. Marte entrou o dia ainda em sextil exato (por minutos) a Vênus. A Lua abre a semana ainda na fase Disseminadora, em Capricórnio, onde fica Minguante amanhã. Hoje ela fez trígono a Mercúrio retrógrado em Touro e faz também sextil a Netuno em Peixes, sesqui-quadratura a Marte e fecha a noite já próxima da quadratura a Júpiter em Libra. A despeito das muitas tarefas e obrigações que temos para o dia e semana e das quais estamos perfeitamente cientes, temos certa dificuldade em “engrenar” o dia porque há uma tendência a postergar assuntos, como se precisássemos estar muito certos a respeito deles, ou como se precisássemos terminar outras coisas antes, que estavam pendentes e inacabadas. Ao mesmo tempo em que não conseguimos acelerar e fazer “diferente”, sentimo-nos cobrados, seja por nós mesmos ou por outros, o que traz uma sensação de insegurança, que nos faz duvidar de nós mesmos e nossas capacidades. Se temos dificuldade em lidar com tais conflitos abertamente, podemos simplesmente resvalar na preguiça, no sono, como forma de fugir do conflito ou talvez como maneira de responder à cobrança: com autossabotagem. O fato é que há uma sensação de peso, de excesso de obrigações, de vida arrastada, o que vai demandar muita energia e tempo até para começar a organizar e estruturar tudo o que temos que fazer e providenciar. E dá-lhe cobrança! E dá-lhe preguiça e desânimo. Mas é fato que há obrigações e não dá para discutir contra elas – o jeito mesmo é arregaçar as mangas o quanto antes e buscar recuperar o tempo “perdido”, porque tempo aqui, é ouro. Subjacente a tudo isso, jaz um grande manancial de força e resiliência, a grande experiência de quem já passou por coisas piores e superou e de quem pode agora usar tal experiência para avaliar qual o melhor caminho, a melhor solução, a melhor tática para lidar não só com nossos próprios conflitos, mas também com as dissonâncias que vemos ao nosso redor. Para acender o nosso fogo e essa força interiores, precisamos re-lembrar de nossos propósitos maiores, que estão acima de quaisquer dúvidas ou inseguranças, receios ou preguiças, e mesmo acima de qualquer desânimo, se assim quisermos, se assim RE-lembrarmos.

Reprodução

TERÇA-FEIRA, 18 de abril – De Capricórnio a Lua faz quadratura a Júpiter em Libra, depois conjunção a Plutão e quadratura a Urano em Áries, formando uma T-Square Cardinal. O Sol segue se afastando do trígono a Saturno enquanto se despede de Áries e se prepara para entrar em Touro. Vênus, ainda muito lenta, segue em direção à última quadratura a Saturno. O dia tem muita inspiração, desejo de mudar o que não está funcionando, percepções de que as crises trazem muitas oportunidades e não apenas desassossego. Mas tudo isso tem efeito positivo apenas se nos responsabilizamos pela nossa própria mudança, se nos comprometemos com aquilo que nós podemos fazer, ainda que seja pouca coisa – já é um passo. A outra opção é olhar para o mundo e lamentar que tudo está de mal a pior, que não entendemos porque tudo está degringolando, porque “os outros” são tão fundamentalistas e violentos, tão rebeldes e iconoclastas, tão irresponsáveis e inconsequentes, tão subversivos e desordeiros, tão… o que quer que seja nossa reclamação acerca do mundo e dos outros. Precisamos abrir nossa mente, nosso coração e consciência e pelo menos cogitar que cada um tem suas razões para estar onde estar, qualquer que seja o lugar de aprendizado que cada um ocupa no momento, luminoso ou sombrio, leve ou pesado. Não cabe a nós julgar ao outro, mas apenas especular o que nós mesmos faríamos se estivéssemos no lugar dele? Será que faríamos escolhas muito melhores? Será que nosso desempenho não seria ainda pior? Apontar o dedo para quem quer seja ainda nos deixa presos à ilusão e ainda perpetua o jogo da vítima, que aponta “culpados”, mas não lida com responsabilidades. Apenas no responsabilizar pela nossa parte e buscar transformá-la, vai resolver alguma coisa. Só transformamos a nós mesmos, e isso já é muito – o resto vem como reverberação do efeito que temos no mundo. Em termos práticos o dia traz muita energia de realização, estamina física e emocional para atacar diversos problemas e crises, se tivermos espírito de cooperação e de solução. Do contrário, podemos piorar os problemas ao ficar simplesmente buscando “culpados”. Todos somos responsáveis. Todos!

Reprodução

QUARTA-FEIRA, 19 de abril – Ainda em Capricórnio, a Lua se harmoniza com Quíron e com Vênus em Peixes e também faz trígono com Marte. Formaliza o quarto Minguante ao fazer quadratura ao Sol em Áries, a segunda Lua Minguante consecutiva a ocorrer nesta quadratura. A Lua fica vazia depois deste contato, às 06h57min e ingressa em Aquário às 07h52, de onde logo quadra Mercúrio. O Sol ingressa em Touro às 18h27min e Plutão estaciona às 08h48min – fica retrógrado amanhã. A Lua fica minguante novamente na quadratura Capricórnio-Áries, indicando uma ênfase extra sobre o tema do velho (Capricórnio) e do novo (Áries), da tradição, da convenção e da cautela do Velho Rei versus o pioneirismo e a audácia do Filho, o jovem, que vem implantar novas formas de governar e de manifestar a vida no mundo. Começamos o período de limpezas, finalizações, encerramentos do ciclo. É hora de avaliar nossas ações, o que realizamos e o que ficou para trás; é hora também de reciclar ou de descartar de vez aquilo que não está funcionando; sobretudo, é necessário uma limpeza profunda nas atitudes sociais, no papel que desempenhamos no mundo lá fora; como vivemos nosso papel mundano, como assumimos – ou não – nossas responsabilidades. Abrir mão da tradição árida, da convenção sem sentido, das regras vazias, do utilitarismo do homem e dar lugar a formas mais livres e menos engessadas de fazer as coisas. O questionamento sobre as convenções sociais fica realmente salientado com esse Minguante ocorrendo novamente no signo da Cabra. Capricónio rege os joelhos, um simbolismo da humildade, que nos lembra que precisamos ceder e nos render, soltar o controle e a rédea curta das situações; render-nos diante da nossa impotência, do desconhecido, desistir de saber tudo, resolver tudo, controlar tudo. Permitirmo-nos errar e aprender com esses erros, feito o bebê que se diverte a cada nova queda na tentativa de aprender a andar, ao invés de chorar, humilhado. Abrir mão do ego e do orgulho, porque é somente o ego que se sente humilhado quando falha ou quando tem que se dobrar – a alma se diverte com o aprendizado, a alma não tem investimentos no orgulho. Então, precisamos nos perguntar qual a faxina que precisamos fazer no nosso ego hoje; a quem ou ao quê precisamos nos dobrar e nos render; o que precisamos deixar ir para abrir espaço para novas esperanças, novas atitudes e possibilidades… A casa onde temos Capricórnio pode nos dar muitas pistas sobre isso. Abrir mão da rigidez e das opiniões formadas e inflexíveis, aliás, é o grande desafio do dia. Há muita teimosia no ar, a ponto de em certas situações agirmos – ou vermos outros agindo – feito mulas empacadas, que não se dão conta do ridículo da situações, de tão apegados que estamos às nossas opiniões e conceitos mentais, que novamente, não passam de ilusão. Desapegar-se dos preconceitos e das ideias estreitas também está mais que favorecido!

O Sol ingressa em Touro, inaugurando um período de buscar mais estabilidade e segurança material, de nos perguntarmos que obra estamos construindo de nós mesmos: está sólida o bastante? Tem sustentação? Qual o valor dessa obra? De onde derivamos nosso senso de valor? É tempo também de desfrutar sem culpa dos prazeres sensoriais, os prazeres do corpo, de relaxarmos e de buscarmos uma vida mais confortável e tranquila, de buscarmos uma vida mais simples e natural.

Reprodução

QUINTA-FEIRA, 20 de abril – Mercúrio faz a Conjunção Inferior ao Sol ainda em Touro e ingressa em Áries às 14h37min. A Lua Aquariana faz trígono a Júpiter e fecha o dia em harmonia com Urano, seu regente moderno. Vênus está muito perto da quadratura plena a Saturno. Plutão entra em retrogradação às 08h48min. O dia traz rasgos de leveza que ajudam a equilibrar o peso que andamos carregando ultimamente. Apesar dos pesares, conseguimos perceber a justa razão para estarmos onde estamos, envolvidos nos dilemas que nos afligem. Talvez até consigamos olhar para nós mesmos, para o outro e toda a situação com alguma benevolência e esperança e nos sintonizar com novas e mais elevadas aspirações e se assim nos predispomos, nos abrimos à cura. A conjunção Mercúrio-Sol começa uma nova fase no que tange a comunicação, as ideias, os conceitos… A mente sincroniza-se com os propósitos mais profundos e maiores da consciência. Mercúrio retorna a Áries, convidando-nos a revisar nossa brusquidão, a fala impulsiva que atropela o outro, a escuta impaciente, os pensamentos atrapalhados e imponderados. Plutão entra em retrogradação também convidando a revisões, acerca do uso – ou abuso – de poder, dos conteúdos secretos revelados nos últimos meses e também dos nossos processos pessoais e coletivos de transformação.

 

Homem e Mulher, esculturas de Tamara Kvesitadze. Localizadas na cidade costeira de Batumi, na Geórgia, as duas figuras representam um menino muçulmano, Ali, e uma princesa georgiana, Nino, separados tragicamente pela invasão da Rússia Soviética. Personagens retiradas de um romance de 1937 do autor Azerbaijão Kurban Said. se quiserem saber mais da escultura, vale a pena pesquisar! – Desconheço o autor da filmagem – Reprodução.

SEXTA-FEIRA – 21 de abril – Marte ingressa em Gêmeos às 07h32min e agora temos Mercúrio e Marte em recepção mútua. Vênus completa a última – de uma série de três – quadratura a Saturno hoje. A Lua se harmoniza com Urano e com Mercúrio, ficando vazia depois deste contato, às 15h24min. Ingressa em Peixes às 16h43min de onde logo se afina com o Sol Taurino, mas faz quadratura a Marte, já em Gêmeos. Amadurecer leva tempo. Desarmar-se e confiar leva tempo. Amar leva tempo. Perdoar leva tempo. Tudo o que é importante e vale a pena costuma levar tempo – salvo raras exceções. Por esses dias isso parece estar mais nítido para nós e, a despeito do peso e do receio, talvez até aceitemos, porque estamos cansados de discutir, de discordar, de ir contra a maré, ou simplesmente começa a fazer sentido.

Num tempo de “amores líquidos”, em que tudo é “consumido” feito Fast-food, inclusive pessoas e relações, realmente se sente deslocada a alma que ama com vagar, que vai se desarmando aos poucos, que vai se abrindo e desabrochando lentamente. Porque tirar a roupa é fácil, já desnudar a alma e o coração para se deixar ver e conhecer pelo outro, isso demanda muito tempo e coragem. É para os valentes, que sabem que podem se machucar muito no processo, mas ainda assim resolvem correr o risco. Mas a vivência e a maturidade nos ensinam e quem tiver um mínimo de sabedoria, saberá que mesmo a pior das mágoas, a mais amarga das dores nos ensinou alguma coisa. Hoje estamos mais cientes desse aprendizado, acerca do outro, mas principalmente, acerca de nós mesmos. Boa parte do dia temos um distanciamento que ajuda a nos abstrair um pouco da dor e desapegar-os do sofrimento. Mas, pelo fim da tarde, a alma se sensibiliza e sente tudo em cheio, como um tsunami que nos engolfa e que mistura memórias do passado com acontecimentos presentes, tornando a noite pesada e melindrosa, na melhor das hipóteses, nostálgica. Contudo, a oportunidade nos é dada de reviver tudo, para perdoar, porque se insistimos em res-sentir, ficamos fadados à repetição atroz do sofrimento desnecessário e sem sentido. Assim, podemos ter compaixão por nós mesmos – diferente de autopiedade – e finalmente deixar ir todas essas mágoas, esse passado de ressentimentos, rejeições e medos e nos comprometer conosco mesmos pela mudança e por um futuro diferente. Como? Procurando terapia, se for o caso; desenvolvendo mais amor e carinho por si mesmo; perdoando ao outro e a nós mesmos. Porque somente liberando as culpas, mágoas e o próprio passado, ficamos disponíveis para viver coisas novas, belas e saudáveis.

Reprodução

SÁBADO, 22 de abril – A Lua Minguante Pisciana faz conjunção a Netuno e quincúncio a Júpiter em Libra. Vênus começa a se afastar da quadratura a Saturno. O dia traz reminiscências doces e saudosistas, algumas talvez mais pesadas e tristes, mas tudo isso colore o sábado de nostalgia e talvez até uma sensação de irrealidade, como se estivéssemos em outra esfera, outra dimensão. Há muita sensibilidade, que pede paciência conosco mesmos e com outros. Uma tendência forte aos devaneios e a perder-se em fantasias, realizáveis ou não, mas nem estamos preocupados com isso, pois queremos mesmo é escapar da rotina insossa e meio árida, no mundo da imaginação, que está particularmente fecunda, favorecendo a artistas e criativos em geral. Podemos traduzir nosso estado de alma, seja ele sublime ou carregado, nos veículos criativos que estiverem à mão. A Lua está minguante, em Peixes, último signo do Zodíaco, que enfatiza o fim do ciclo, sugerindo que realmente finalizemos os processos, que nos lavemos e purifiquemos, seja com água, seja com lágrimas, o importante é deixarmos ir no líquido translúcido as horas agoniadas, os momentos de desamparo, os minutos de desespero e dar boas vindas ao silêncio, curando-nos a nós mesmos e ao mundo ao nosso redor.

Bruno Bruni – 1935 – Reprodução

DOMINGO, 23 de abril – A Lua Pisciana se alinha com Plutão e faz semi-quadratura ao Sol, entrando na fase Balsâmica. Depois faz conjunção a Quíron e a Vênus, brigando em seguida com Saturno e ficando vazia depois da união a Vênus, às 18h36min. A Lua ingressa em Áries às 21h33min e fecha a noite em harmonia ao seu dispositor, Marte, que está em Gêmeos. Novamente um dia delicado, de tom e sabor agridoce, que pede gentileza e delicadeza nos gestos, interações e trocas, visto estarmos todos sensíveis, emotivos e demasiadamente receptivos às influências exteriores e aos humores instáveis. Digerimos e elaboramos as últimas semanas, no que nos ensinaram, no que deixamos para trás, no que nos dispusemos a aprender. Agora talvez vejamos com mais nitidez o mar interno e revoltoso, embora lá fora tudo pareça plácido e sereno. Mais um dia, mais uma chance de soltar os restolhos do ciclo, os resíduos e detritos que porventura tenham ficado de todas as finalizações que procedemos recentemente. Em termos práticos, o dia está favorável à solitude ou a programas calmos e serenos, com companhias nas quais confiemos e que estejam na mesma sintonia, já que atritos podem surgir devido à diferença de vibração e interesses. Atividades em que exerçamos nosso altruísmo e empatia pelos problemas e sofrimento alheios estão favorecidas e trazem a chance de fazermos algo de efetivo e concreto, ao invés de simplesmente ficarmos assolados por emoções densas que não sabemos como canalizar.

Ótimos dias para você! Que sejam de luz e serenidade!

Reprodução

Reprodução

A Semana Astrológica – Parindo um Novo Eu

Bob du Bois – Reprodução

Semana de Lua Nova, que sinaliza novos começos e novos projetos, além de mais um momento importante na transformação das nossas crenças, da ética e da espiritualidade.

A semana traz movimentos importantes e um dos principais é a Lua Nova, ocorrendo a 07°37’ de Áries, já na segunda-feira, indicando o início e um novo ciclo lunar, fase propícia para lançar novas ideias e intenções no mundo – lançar as ideias e intenções, começar mesmo, só lá pelo terceiro dia. É uma Lua Nova que nos convida a nascer de novo, mas nós mesmo é que nos geramos e nos parimos

N. C. Winter – Bein Art Gallery – Reprodução

Outro movimento importantíssimo é a segunda quadratura de Júpiter e Plutão, que ocorre na quinta-feira, dia de Júpiter. Esta segunda quadratura sugere um momento de reavaliar as primeiras mudanças e transformações iniciadas por volta de 24 de dezembro último, quando Júpiter fez o aspecto pela primeira vez. Agora Júpiter está retrógrado e nos convida a repensar e talvez aprofundar essas modificações. Este aspecto sugere um período em que indivíduos e sociedades precisam transformar suas crenças, sua relação com o divino e sua espiritualidade em geral. Em termos mais mundanos, também indica períodos de mudanças importantes e profundas na feitura de leis, assim como nos pede que reavaliemos nossos códigos éticos, nossa relação com o poder, o quanto talvez tenhamos comprometido essa ética, em favor de adquirir/conseguir mais poder, seja esse poder de ordem material ou de ordem mais abstrata. Júpiter está retrógrado até o dia nove de junho e fará a última quadratura a Plutão, deste ciclo, em quatro de agosto, quando então Plutão estará retrógrado.

De Es Schwertberger – Reprodução

Marte trafega Touro e ainda segue em recepção mútua com Vênus até o dia dois de abril. Esta semana Marte faz um aspecto harmônico a Netuno, sugerindo um período em que nossa ação fica mais imaginativa e criativa, em que também nos sensibilizamos mais e conseguimos nos colocar no lugar do outro, pensando que tipo de impacto a nossa ação terá sobre este outro. Como Marte também faz outro aspecto bastante inconsciente a Saturno, talvez tenhamos momentos de insegurança e dúvidas sobre nossas capacidades, as certezas e estabilidade de Touro sendo questionadas em algumas situações… O convite é para olharmos para além dos literalismos, além do mundo sensorial e ousarmos considerar outras hipóteses da esfera do não-palpável. Só porque não vemos, não quer dizer que não exista!

Adi Dekel – Reprodução

Vênus, em marcha à ré, retorna a Peixes, signo de sua exaltação… Está ainda mais introspectiva e na última fase do período de retrogradação em si. A sensibilidade fica particularmente aumentada, mas também nossa percepção sutil de como temos vivenciado nossos afetos e relações. Em Áries, percebemos que não há relação equilibrada se só pensamos no outro; que precisamos estar inteiros e seguros de nós mesmos, saber o que realmente queremos, para podermos viver relações saudáveis; em Peixes voltamos a nos lembrar do amor próprio, o saudável amor a nós mesmos nos deixa fortes e mais aptos a nos doar de maneira segura e honesta ao outro, para além das relações pessoais um-a-um. O mergulho nas próprias motivações afetivas se aprofunda e a semana propicia muitos insights importantes nesta área.

Reprodução

O Mercúrio Ariano tem uma conversa sóbria, mas inspirada com Saturno em Sagitário quarta-feira, antes de migrar para Touro, dois dias depois. É hora de assentar a cabeça e verificar as consequências concretas das revoluções, revelações e iluminações recentes, captadas quando do trânsito de Mercúrio pela T-Square Júpiter-Urano-Plutão. O que fazemos de concreto com tudo isso? O que é possível realmente? Ingressando em Touro Mercúrio sinaliza um período de maior deliberação, a mente fica mais cautelosa e quer “ver para crer”. O trânsito por Touro é mais importante porque Mercúrio fará sua próxima retrogradação neste signo, a partir de nove de abril.

O Sol está relativamente sossegado nesta semana, sem fazer aspectos a outros corpos celestes, apenas recebendo os contatos lunares… Lá pelo meio da semana começa a se opor, de longe, a Júpiter e a quadrar Plutão, aspectos que ocorrerão na semana que vem, o que sugere que a próxima, será mais uma semana de extremos e de algumas crises pipocando mundo afora.

Catrin Welz-Stein – Reprodução

A Lua abre a semana ainda na fase Balsâmica em peixes, mas se renova em Áries na noite de segunda-feira, inaugurando um novo ciclo. Fica mais fecunda em Touro e entra na fase Semi-Crescente em Gêmeos, fechando a semana já em Câncer, seu domicílio.

Reprodução – Desconheço o autor

SEGUNDA-FEIRA, 27 de março – A Lua Balsâmica, em Peixes, fez conjunção a Quíron e depois quadratura a Saturno em Sagitário, ficando vazia depois deste contato, às 07h20min. Ingressa em Áries às 11h11min e logo faz conjunção a Vênus retrógrada. A Lua se renova a 07°37’ de Áries, às 23h57min de hoje (04h57min do dia 28 para Lisboa). Marte está em sextil pleno a Netuno em Peixes e em sesqui-quadratura a Saturno. A segunda começa lentamente, demandando tempo e esforço extra para sairmos da cama e iniciarmos as atividades. Ressentimo-nos dos deveres e compromissos que nos obrigam a abandonar o mundo mágico de sonhos e o adiamento da lida com a realidade… Mas ela, a realidade, está ali, à nossa espera, ao cruzar a soleira da porta do quarto. E a manhã fica assim: meio pesada talvez até um pouco mal-humorada. De qualquer forma, não há muito o quê discutir e logo entramos num acordo com o dia e nos dispomos a fazer o que tem que ser feito – o que não tem remédio, remediado está. Pelo fim da manhã a energia muda de forma radical e nos imbuímos de novo entusiasmo e vigor, arregaçando as mangas e nos atirando às tarefas com mais ímpeto e determinação, uma determinação temperada com a percepção sutil de detalhes que antes teriam fugido aos nossos olhos e faro. Este novo ânimo deixa o dia colorido de nova disposição, uma intuição fina nos dizendo que podemos sim, modificar muitas coisas em nós que antes nos deixavam impotentes. A Lua se renova no fim da noite, quase na virada do próximo dia, tendo como único aspecto a conjunção a Vênus retrógrada – tem uma quadratura super ampla a Saturno em Sagitário. Essa Lua Nova joga ênfase extra sobre os temas de Vênus retrógrada em Áries e nos convida a ousar ser nós mesmos, ser exatamente o que nós somos, sem desculpas e sem receios; a brigar pelos nossos valores, a nos colocar em primeiro lugar, antes de ir atrás de outros. Para amar a um outro completa e genuinamente, precisamos amar visceral e integralmente a nós mesmos, com todas as nossas dificuldades, como nosso lado mais nobre e também com as facetas mais sombrias de nós mesmos. Enquanto não tivermos esse auto-amor forte e maduro, ainda não estaremos aptos a amar a um outro verdadeiramente, porque estaremos incompletos e buscando no outro preenchimento para os buracos emocionais, que só nós mesmos podemos preencher. Leia o artigo sobre a Lua Nova em Áries.

Johnson Tsang – Reprodução

TERÇA-FEIRA, 28 de março – A Lua, renovada em Áries, faz hoje quadratura a Plutão e oposição a Júpiter e fecha a noite em conjunção a Urano. Marte se afasta do sextil a Netuno e vai se aproximando do trígono a Plutão, exato na semana que vem. Dia tempestuoso, sujeito a muitas altercações, pampeiros e pequenas explosões. Temos grande necessidade de independência e ação autônoma, mas estamos também impacientes e impulsivos e encaramos como desafio qualquer olhar meio torno que vemos pela frente. Ocorre que a grande necessidade de independência é exacerbada e entra em conflito com as imposições colocadas sobre nós por figuras de autoridade, mais poderosas que nós. Recusamo-nos a nos dobrar diante de tais imposições, mas ao fazer isso, invocamos sobre nós forças ainda mais potentes. Precisamos ter cautela porque toda essa insubordinação, além de nos deixar em maus lençóis e atrapalhar nossas realizações, ainda pode nos criar problemas de ordem prática, visto que não prestamos atenção a regras e nos indispomos com o jeito tradicional de fazer as coisas, ignorando detalhes importantes, deixando coisas pela metade ou feitas de qualquer jeito. No mínimo, podemos chegar ao fim do dia desgastados e deixando atrás de nós um rastro de desafetos e cacos de situações mal resolvidas pela nossa imaturidade e imprudência. Tanta irritação pode vir também do excesso de energia mal canalizada e mal aplicada, portanto, urge achar a forma adequada de usar e dispender toda essa energia de alta voltagem, assim ela poderá ser produtiva e realizar algo positivo, ao invés de criar atritos e confusões por onde passarmos. Outra coisa que pode ajudar é não levar tudo para o lado pessoal, armar-se de paciência, manter a irritação em cheque, certificar-se de concluir tudo aquilo que começar e, principalmente, como já dito acima, achar algo produtivo para fazer, de preferência, sozinho, porque o dia não está muito favorável para trabalhos em equipe.

Catrin Welz-Stein – Reptodução

QUARTA-FEIRA, 29 de março – Mercúrio em Áries está em trígono pleno a Saturno em Sagitário. A Lua, Ariana e nova, completa a conjunção a Urano e depois também faz conjunção a Mercúrio e trígono a Saturno, ficando fora de curso depois deste aspecto, às 09h08min. Ingressa em Touro às 12h49min e fica várias horas sem fazer aspectos maiores a ninguém. Ao contrário de ontem, o dia hoje traz um belo potencial de canalizarmos a energia marciana da melhor forma possível: temos muitos recursos à nossa disposição, além de uma intuição aguçada e a sincronização perfeita entre mente, corpo e movimento estratégico, de modo que nos sentimos no controle não só das nossas emoções, mas também dos pensamentos e, consequentemente, do ambiente imediato, o que nos ajuda a Avançar nas atividades e talvez até a consertar alguns dos estragos que cometemos no dia anterior. A disciplina e senso de ordem que nos faltava ontem, hoje é um recurso acessível dentro de nós, assim como a perseverança e a autoconfiança de quem sabe o que está fazendo e o faz de forma efetiva e eficaz. Talvez até, olhando em retrospecto, consigamos apreender algumas lições dos erros cometidos anteriormente, algo que chega a nós em algumas horas de reflexão e insights que podem pipocar do meio da manhã até o início da tarde. Insights que depois pensamos em como manifestar de forma prática e concreta, de modo a trazer melhorias a nós mesmos. A tarde está mais calma e nos dedicamos ao trabalho ou às tarefas com pragmatismo, sem pressa e sem correria, apenas apreciando o gosto de estar onde estamos e de fazer o que fazemos. A introspecção favorece a digestão adequada das crises, mas pode nos deixar um tanto alheados da vida ao redor, portanto, nada de visões excessivamente subjetivas das coisas e situações.

Reprodução

QUINTA-FEIRA, 30 de março – Júpiter está em quadratura partil a Plutão, a segunda de uma série de três. Em Touro a Lua faz conjunção a Marte e ativa a quadratura Júpiter-Plutão ao fazer trígono a este e quincúncio àquele. Fica vazia depois do trígono a Plutão, às 20h13min. O dia e a semana trazem situações, pessoais ou sociais/coletivas, que nos ensinam mais algumas lições sobre nossas ambições e a fé que temos de realiza-las. Situações que nos fazem questionar nossa ética pessoal e a ética vivenciada no meio em que nos encontramos. Até que ponto comprometemos nossa ética e nossa verdade para realizar ambições e desejos de poder? Será que temos exercido nosso quinhão de poder de forma adequada, justa, íntegra e honesta? Ou será que apenas nos preocupamos em crescer pessoalmente, ignorando se tal crescimento se sustenta ou se promove melhorias verdadeiras, para além daquelas visíveis e materiais? Como nossas ambições materiais interferem com nosso senso de ética? Será que andam juntas ou será que se contradizem? Além de todas essas reflexões, o dia traz uma influência de deliberação vagarosa acerca de tudo o que fazemos e realizamos, tanto no plano concreto, quanto no plano mais filosófico. É propício para refletirmos sobre o impacto concreto de nossa presença no mundo, naquilo que construímos, que produzimos, que consumimos, que eliminamos. Para termos mais conforto, estabilidade e riqueza, vale passar por cima de tudo e de todos? Vale vender a alma ao diabo? Quantas almas temos para empenhar? Já não podemos fingir inocência ou ingenuidade e dizer que não sabemos onde estamos indo em nossos intentos – seremos cobrados em algum momento, portanto, precisamos nos responsabilizar pelo impacto da busca por conforto, posses, poder, controle. E para isso é preciso integridade – a quantas anda a nossa?

Brooke Shaden Photography – Reprodução

SEXTA-FEIRA, 31 de março – A Lua abre o dia vazia em Touro e ingressa em Gêmeos somente às 13h41min de onde logo se afina com Vênus retrógrada em Áries. A Lua faz sesqui-quadraturas a Plutão de um lado e a Júpiter de outro, virando foco de um Martelo. A Lua Geminiana ainda faz semi-quadratura ao Sol Ariano, entrando na fase Semi-Crescente. Mercúrio ingressa em Touro às 14h31min. Dia arrastado, langoroso, em que tudo parece demorar para acontecer e decolar. Sobra preguiça, falta iniciativa. Mas iniciativa existe, só não é a hora adequada de utilizá-la, e o melhor seria nos afinarmos com o corpo vai pedindo. Ao invés de brigar contra isso, precisamos usar tais influências a nosso favor, utilizando a energia da lentidão para deliberar e refletir sobre questões profundas e para nos aplicar a coisas e situações que porventura ainda estejam pendentes ou por terminar. Atividades e tarefas que demandem paciência, resistência, concentração, pragmatismo. Não adianta se irritar se as coisas saírem diferentes do planejado, rigidez só nos deixará mais indispostos e irritados. À tarde o clima muda e fica mais dinâmico e sociável, temos um impulso para sair do casulo e nos conectar com outras pessoas, aventar e ventilar novas ideias, bater pernas na busca de sincronias mentais e até emocionais. Talvez a primeira hora da tarde traga algum desassossego, ansiedades advindas não se sabe de onde e que demandam um pouco de cuidado com o que fazemos ou dizemos, para sermos impulsivos demais. Pelo meio da tarde a mente tende a se acalmar, mas as emoções ficam na berlinda e ainda há resquícios de inquietude, uma autocobrança que nos pressiona e que pode se manifestar como atividade febril, excessos verbais, falas cortantes e letais – portanto, precisamos vigiar a língua para que nossas inseguranças internas não repercutam negativamente sobre outros. A Lua entra na fase Semi-Crescente, sinalizando o momento ideal de começar os projetos intencionados e idealizados na Lua Nova. Hoje já devemos ver o anel fino da Lua no céu, sinalizando esse momento adequado de dar o primeiro passo – A Lua Nova é o momento de lançar intenções, mas não de começar propriamente as coisas – isso porquê, quando nova, a Lua está totalmente escura e combusta, ofuscada pelo Sol, ou seja estamos muito subjetivos e não temos clareza suficiente para começar as coisas, que lá na frente podem nos trazer algumas surpresas. Portanto, o ideal é começarmos a partir do terceiro dia depois da Lua Nova.

Reprodução

SÁBADO, 1° de abril – De Gêmeos a Lua faz quadratura a Netuno em Peixes, sextil ao Sol Ariano, trígono a Júpiter em Libra e quincúncio a Plutão em Capricórnio. Marte entra em orbe de quincúncio a Júpiter. O dia traz uma grande propensão à instabilidade emocional, do tipo gangorra emocional. Mudamos de humor o tempo todo, ora ficando eufóricos, ora deprimidos e sorumbáticos, confusos e perdidos nas teias das nossas próprias emoções, sentimentos, pensamentos e sensações. Não nos damos conta que sentimos não só o que é nosso, mas também captamos influência externas, tão sensíveis que estamos. Mas podemos utilizar essa sensibilidade para nos engajar em atividades criativas que fortaleçam nossos propósitos e que propiciem um melhor entendimento desses processos interiores. Ao chegar a esse entendimento, temos uma percepção mais clara de seus significados e podemos mesmo usar isso como propulsão para melhorias, crescimento e transformação pessoal, que pode até repercutir positivamente nas nossas relações. Em momentos de maior estresse e ansiedade, não podemos esquecer de respirar profundamente, para recuperar o rumo e o prumo – isso não só nos fará arejar as ideias, mas também trará o necessário centramento psíquico e emocional.

Brooke Shaden Photography – Reprodução

DOMINGO, 2 de abril – A Lua Geminiana se afina com Urano em Áries, mas faz quadratura a Quíron e oposição a Saturno, tornando Quíron foco de uma T-Square Mutável para lá de espinhosa. Fica vazia depois da oposição a Saturno, às 11h45min e ingressa em Câncer às 15h27min, de onde logo conversa, amorosa, com Mercúrio em Touro. Vênus retrógrada regressa a Peixes, às 21h26min. Embora amanheçamos com ótimas ideias e palpites inovadores para movimentar a vida e trazer soluções, a manhã está pesadona e espinhosa, porque tais ideias parecem pueris quando apresentadas a outros. Sentimo-nos criticados, julgados e expostos, feito criança pega fazendo malinação e isso repercute não só no humor, mas na produtividade, que fica comprometida, porque nossas inseguranças nos impedem de ver além das críticas, reais ou imaginárias, de modo que talvez fiquemos paralisados numa espiral de preocupações e pensamentos sombrios e lamurientos, originários da consciência aguda de nossas deficiências e mediocridades, que parecem estar mais afloradas hoje. Há um sentimento de abandono, de rejeição e de frieza, que não favorecem as interações. Sendo domingo, esse clima não beneficia muito as reuniões familiares, que ficam propensas a mal-entendidos e conflitos, do tipo em que se diz a coisa mais dolorosa, na hora mais inadequada, deixando o outro em carne viva – isso se pode se refletir particularmente na relação entre irmãos. Para que tal influência não se manifeste dessa forma nefasta, é preciso estarmos muitos cientes de que o dia está melindroso e do quanto todos estamos suscetíveis e sensíveis. Talvez tenhamos dificuldade de aceitar as limitações alheias porque não lidamos bem com nossas próprias inadequações e vê-las refletidas no comportamento do outro pode ser doloroso por demais. Se pelo menos nos damos conta de efeito espelho, ainda podemos conter nossa crítica, do contrário, aumenta a propensão aos desentendimentos. Pelo meio da tarde talvez encontremos uma via de expressão e entendimento, mas ainda precisamos ter cautela porque as sensibilidades estão mais aumentadas e se não tivermos tato, podemos até piorar as coisas. O ideal é não sermos invasivos e respeitarmos o tempo do outro e também o nosso. À noite, talvez consigamos buscar uma reaproximação e, quem sabe fazer as pazes trocando chamegos e cafunés.

Uma ótima semana para você! Que iniciemos uma nova vida e novos projetos e principalmente, plantemos mais amor, que ousemos amar mais, a nós mesmos e aos outros!

Amanda Cass – Reprodução

Catrin Welz-Stein – Reptodução

Lua Nova em Áries – Semeando Independência e Autonomia

Reprodução

A Lua se renova a 07°37’ de Áries nesta segunda, dia 27 de março, às 23h57min no horário de Brasilia – 04h57min do dia 28 de março para Lisboa. Áries é o primeiro signo do Zodíaco, é o Fogo Cardinal, da iniciativa impetuosa e pioneira, assim, a primeira Lua Nova do Ano Astrológico sinaliza um tempo de novos começos e darmos o pontapé inicial em projetos frescos, inéditos e pioneiros. Sinaliza uma forte energia de lançar sementes e intenções pioneiras, de nos sintonizarmos com a audácia e a coragem mais puras dentro de nós. Áries traz presente a energia do parto, a luta de vida ou morte, da mãe para dar à luz, e da criança para nascer. Por mais confortável que seja o útero, ela tem que sair de lá e abrir um novo caminho, e ousar avançar para a nova etapa do seu processo de desenvolvimento, senão, morrerá. Então, Áries nos convida a nascer de novo, a recomeçar, a sacudir a poeira, as teias de aranha que foram se acumulando durante a hibernação Pisciana e dar o grito estridente do bebê que respira sozinho pela primeira vez. Podemos nos alinhar com a experiência arquetípica dessa primeira vez, dessa primeira respiração e começar. De novo.

“Seres humanos não nascem de uma vez por todas no dia em que suas mães lhes dão à luz… A vida os obriga de novo e de novo a parirem novamente a si mesmos”                                                                  Gabriel García Márquez 

Lua Nova em Áries – Brasília, 27 de março de 2017, 23h57min.

Essa lunação acontece em conjunção a Vênus retrógrada e este é o único aspecto próximo. Há uma quadratura de quase dez graus a Saturno, mas como é separativa (já aconteceu), já não a consideramos. Isso joga uma ênfase grande sobre os temas da retrogradação de Vênus por Áries, particularmente porque Vênus está em recepção mútua com Marte, regente da Lua Nova – a recepção mútua acontece quando dois planetas ocupam signos regidos um pelo outro, exemplo, Vênus trafega Áries que é regido por Marte, que está em Touro que é regido por Vênus. Na recepção mútua os dois planetas estão numa dança cooperativa e neste caso, isso diminui um pouco os efeitos “negativos” do detrimento/queda dos posicionamentos – no caso, Vênus está em detrimento em Áries.

Reprodução

O ciclo de retrogradação de Vênus é o mais especial e raro de todos e tem uma simbologia e psicologia peculiares, como já falei em outros artigos. Em Áries Vênus está em detrimento exatamente porque a natureza deste planeta é gregária, é diplomática, é de construir relações e de negociar, mas em Áries, Vênus prima pela independência, pela autonomia e não irá comprometer estes valores facilmente em função de ser parte de um casal, de estar num relacionamento. Quando retrógrada neste signo, sinaliza exatamente a necessidade de nos voltarmos para nós mesmos, de sermos mais independentes, corajosos e pioneiros nas nossas buscas pessoais; de cuidarmos primeiro de nós, antes de nos voltarmos para outros.

Reprodução

A Lua Nova vem enfatizar isso mais um pouco, como se não tivéssemos escapatória, como se tivéssemos que lidar com isso, queiramos ou não. Essa Lua Nova nos convida a ousar ser nós mesmos, ser exatamente o que nós somos, sem desculpas e sem receios; a brigar pelos nossos valores, a nos colocar em primeiro lugar, antes de ir atrás de outros. Para amar a um outro completa e genuinamente, precisamos amar visceral e integralmente a nós mesmos, com todas as nossas dificuldades, como nosso lado mais nobre e também com as facetas mais sombrias de nós mesmos. Enquanto não tivermos esse auto amor forte e maduro, ainda não estaremos aptos a amar a um outro verdadeiramente, porque estaremos incompletos e buscando no outro preenchimento para os buracos emocionais, que só nós mesmos podemos preencher… Então, é tempo de dizer, verdadeiramente: EU ME AMO!

Reprodução

O destaque para esse tema da independência é amplificado e repetido diversas vezes. Primeiro pela supremacia do elemento Fogo nesta lunação; ao todo temos quatro planetas em fogo, além dos luminares, Sol e Lua, totalizando seis corpos celestes neste elemento – o destaque é o grande stelium em Áries: Vênus, Sol, Lua, Urano e Mercúrio. Isso também sugere a possibilidade de estarmos muito afoitos, impulsivos e, portanto, precisamos ter ponderação antes de correr certos riscos. Para isso, a posição de Marte em Touro, longe de ser problema, vem ser algo positivo, porque traz exatamente essa ponderação, essa deliberação que a afoiteza de Áries precisa ter para não dar cabeçadas à toa. Mais, Marte está em aspecto positivo com Netuno em Peixes, aspecto exato hoje, o que traz grande empatia e sensibilidade e também ajuda a moderar o famoso “egoísmo” Ariano. Marte também faz trígono amplo a Plutão, que ajuda a equilibrar a placidez de Touro, porque adiciona estamina e vigor, fortalecendo a vontade e a determinação. Marte ainda faz uma sesqui-quadratura a Saturno que, ao mesmo tempo que pode significar inseguranças inconscientes, também pode trazer disciplina e a capacidade de usarmos nossa força e talentos de maneira sábia. O aspecto a Saturno alerta que nosso pior inimigo pode ser nós mesmos e que precisamos ficar atentos ao sabotador interno.

Reprodução

Mas um dado que salienta muito o tema da independência, liberdade e autonomia, é o destaque que Urano tem neste mapa. Vênus está em paralelo a ele, com distância de quatro minutos, por declinação. O aspecto paralelo funciona de forma semelhante a uma conjunção, o que torna a Vênus retrógrada Ariana mais destemida, audaz, autônoma, insubmissa e livre. Urano também está destacado de outras formas, porque está no Ponto Médio entre o Sol e a Lua Nova e Marte, seu regente, Marte, sugerindo novamente a necessidade de sermos independentes e livres, mas também sermos inovadores, criativos e progressistas em nossos objetivos e novos propósitos. Negativamente, esse aspecto indica irritação, raivas que irrompem abruptamente, tendência à precipitação e atitudes impulsivas e imaturas, requerendo de nós muito pé no chão e centramento para não deixarmos que tais influências nos tirem do nosso eixo. Especialmente para as mulheres, indica experiências abruptas que podem significar mudanças radicais no comportamento e na vida emocional. E, claro, Se Sol e Lua estão conjuntos a Vênus, Urano também está no Ponto Médio entre Vênus e Marte, só que num orbe bem mais apertado, de apenas 22 minutos. Para Ebertin, Urano = Vênus/Marte (Urano no Ponto Médio de Vênus e Marte), indica “desejo apaixonado expressão excessiva de amor. Um despertar repentino de paixão física, uma força irresistível de desejo e talvez até agressão sexual”. (1). A meu ver, essa posição de Urano, além de sugerir essa paixão intensa, como diz Ebertin, também sugere a necessidade de preservarmos nossa individualidade e autonomia, se for para tal paixão prosperar, do contrário, aquilo que nos unia pode nos separar depois, como é típico das paixões significadas por Urano. Mas em termos mais gerais, como disse antes, creio que enfatiza duas necessidades: primeiro a de independência emocional e segundo, a de arrojo e originalidade.

Reprodução

Mercúrio, por sua vez, também está conjunto a Urano e ainda na configuração de T-Square entre Júpiter-Urano-Plutão, movimentando e mudando pensamentos, opiniões e crenças. Se está conjunto a Urano, obviamente, também está no Ponto Médio entre A Lua Nova/Sol e seu regente Marte, só que muito mais próximo, simbolizando a necessidade de pensar muito antes de lançarmos nossas iniciativas, mas também sugerindo disposição para a ação, a capacidade de planejar, o lutador estratégico e a possibilidade de alinharmos propósitos, necessidades e a nossa ação executiva através do planejamento lúcido e estratégico. Mercúrio nesta posição ajuda, de certa forma, contrabalançar o fato de termos pouco Ar ativado nessa lunação, sendo Júpiter singleton neste elemento. Isso, aliás, dá grande destaque a Júpiter, que também puxa a Locomotiva que é esse mapa. Assim, Júpiter nos diz que precisamos ser otimistas, a despeito dos cenários difíceis. Otimistas cautelosos e ponderados, é claro, uma vez que Júpiter está retrógrado e que a Lua está também em quadratura ao Ponto Médio entre Júpiter e Quíron, ou seja, precisa ser um otimismo que leva em conta as limitações e as impossibilidades, mas não se deixa abater por elas. Marte, aliás, também faz quadratura ao Ponto Médio entre Saturno e Quíron e aqui há o risco de sucumbirmos diante dessas limitações e do peso de fracassos anteriores, de nos paralisarmos pelo medo de vermos reabertas antigas feridas, de modo que Júpiter ganha ainda mais importância. E Vênus, que está tão destacada, também está no Ponto Médio entre Urano e Netuno, sugerindo alta sensibilidade e um tipo muito peculiar e específico de amor, de acordo com Ebertin (1). Visto que Vênus está retrógrada em Áries, eu diria que esse tipo peculiar de amor é o amor a si mesmo, não o narcisismo – que aliás, nem é amor realmente – mas o amor genuíno de quem se entende e se aceita como é, e se defende e respeita, se gosta, se admira, a despeito de todas as imperfeições. Vamos repetir, como mantra: EU ME AMO!

DailyMail – reprodução

O Símbolo Sabiano para o grau 8 de Áries (07°37’) traz uma imagem interessante e feminina: “Um grande chapéu de mulher, com flâmulas, soprado pelo vento leste”. Este símbolo também nos reporta à atual posição de Vênus: é um símbolo que traz uma imagem feminina, mas usando um chapéu, um adereço tipicamente Ariano, visto que é usado para proteger a cabeça, contra o Sol, chuva ou frio, cabeça que é regida por Áries, signo masculino. Este símbolo pertence ao primeiro hemiciclo, que trata do processo de individualização, e também pertence ao que Dane Rudhyar (2) chama de Ato de Diferenciação, no nível da ação. Ele, ao analisar este símbolo nos lembra que “neste nível cultural-emocional, os processos mentais ainda estão subdesenvolvidos” – alô Mercúrio, olha a importância do pequeno aqui! – “assim, eles precisam de proteção contra as forças elementais da vida”. Rudhyar continua: “uma abertura grande demais a essas energias oferece o risco de alguma obsessão. A imagem simbólica sugere um vento muito forte, sobrenatural e, especialmente, forças psíquicas. Tal vento é originário no Leste tradicionalmente visto como o local das influências criativo-transformadoras de espiritualização. As flâmulas do chapéu indicam tanto a reação ao vento como também sua origem. Em outras palavras, o símbolo sugere um estágio de desenvolvimento da consciência no qual os poderes nascentes da mente são protegidos, ao mesmo tempo em que são influenciados pelas energias de origem espiritual. Isso também indica um estágio probatório no processo de individualização. Sob uma orientação protetora uma pessoa ainda muito receptiva (uma mulher) é influenciada por uma força espiritual. Esse símbolo propõe ainda resultados sequenciais que requerem proteção e sensibilidade”. O tom do símbolo é a “proteção e orientação espiritual no desenvolvimento da consciência”. Assim, a Lua Nova ocorrendo neste grau, que tem este símbolo, nos sugere um ciclo e um momento de grandes potenciais de desenvolvimento do processo de individuação e de termos acesso a informações privilegiadas, que podem tanto vir do alto, quando de dentro de nós mesmos, se nos sintonizarmos com nossos mentores e guias espirituais, informações que podem iluminar e propiciar nosso crescimento e maturação.

Reprodução

Concluindo, a Lua Nova inaugura um tempo de lançarmos novas sementes e intenções, não somente para o ciclo lunar, mas para todo o ano e até mesmo para a vida; de desbravarmos novos territórios, de nos colocarmos na vanguarda da nossa própria vida, ao invés de esperarmos passivamente que as coisas se resolvam para nós e, para isso, precisamos ter clareza de propósitos e determinação constante, porque, como diz Sêneca, “nossos planos são abortados porque não temos uma intenção clara. Quando você não sabe para que porto está indo, nenhum vento será o vento certo”. É um convite a nos tornarmos mais independentes e autônomos, a fortalecermos nossa autoestima e o amor próprio, a confiarmos na nossa própria luz e orientação interna, porque só assim teremos segurança e confiança para buscarmos relações mais saudáveis, porque estaremos inteiros em nós mesmos, buscando um outro também inteiro. Inteiro não significa perfeito, mas completo, característica da pessoa que se conhece profundamente e se aceita no que tem de melhor e de pior, porque o inteiro supõe a integração do negativo e positivo, da sombra e da luz. Semeemos pois, essas novas intenções e projetos, com autonomia, independência, audácia, arrojo e inovação! Devemos isso a nós mesmos, a ninguém mais!

Uma ótima Lua Nova de Áries e um ótimo ciclo para você!

Reprodução

(1) Reinhold Ebertin – The Combination of Stellar Influences – AFA

(2) An Astrological Mandala – Dane Rudhyar

A Semana Astrológica – À sombra do vulcão

Reprodução

Semana de 27 de fevereiro a 05 de março – a semana pede cautela e prudência. O eclipse ocorrido no domingo ainda reverbera por bastante tempo e requer mais consciência, discernimento e inteireza de intenções. 

Acabou a primeira temporada de eclipses do ano, mas os dias continuam intensos ainda por bastante tempo, tanto por causa do eclipse – leia o artigo sobre a Lua Nova e Eclipse Solar em Peixes – quanto por causa dessa T-Square Cardinal Júpiter-Urano/Marte-Plutão! Nesta semana Marte faz oposição a Júpiter, que por sua vez faz a segunda oposição a Urano (agora retrógrado!) e a configuração ainda ganha o reforço da Lua que trafega Áries de terça até as primeiras horas da quinta-feira! O tempo fica fervente! Tempos intensos e extremos, de fato e, se por um lado sugerem embates e muitos desafios – especialmente à nossa paciência e tranquilidade – por outro, esse mesmo desassossego nos tira do sério e nos obriga a fazer coisas que vínhamos protelando e enrolando, ou seja, nos obriga a fazer o que tem que ser feito: eliminar as restrições, a preguiça, a acomodação, as desculpas esfarrapadas, o “faço amanhã”, ou quaisquer que sejam as correntes que andamos arrastando por aí feito alma penada condenada aos grilhões da inconsciência… A questão é que não somos almas penadas e não estamos condenados à inconsciência e nem a arrastar correntes, a não ser que queiramos permanecer no limbo da alienação – atenção para a conjunção Sol-Netuno em Peixes ativa durante a semana… Nos últimos anos temos tido muitas e muitas chances de dar muitas viradas… Esta é mais uma! Quem quiser agarrar, pode começar a viver, quem quiser continuar reclamando… Bom, depois não diga que não foi avisado! Diante dos problemas, é preciso ter atitude e resolvê-los – reclamar não é resolver, é estar apaixonado pelo problema e pelo próprio drama e, às vezes, parece que precisamos dar “cabeçadas” por aí para poder aprender a lição e com essa configuração, pode ser que tenhamos que aprender do pior jeito: errando, fazendo uma grande tolice, para finalmente cair a ficha da atitude errada, mas que pode no final das contas, ter um efeito positivo e nos colocar de vez no caminho da mudança – não sem prejuízos, claro! Marte também faz trígono a Saturno, que ajuda a assentar a cabeça depois de todas as revoluções Uranianas, propiciando verificarmos o que restou de tais revoluções… Vamos aplainar o terreno para começar uma nova construção!

O caminho percorrido por Vênus em oito anos, com cinco ciclos de retrogradação, forma a imagem de uma Flor de Lótus – Reprodução

Vênus fica retrógrado nesta semana, estacionando no dia 03 e mudando de direção no dia 04, no grau 13° de Áries. Fica retrógrado até o dia 15 de abril. Com Vênus retrógrado todos os tipos de relacionamentos e parcerias entram em período de revisão profunda, particularmente as relações amorosas. Estamos mais introspectivos e introvertidos e fazemos um balanço geral da nossa autoestima, daquilo que buscamos nas relações, daquilo que temos para oferecer… Os acordos e negociações diplomáticas podem ficar travados e isso pode levar a um recrudescimento dos conflitos, principalmente quando Vênus está em Áries, como agora, que é um signo avesso à diplomacia. Como Vênus tem a ver com valores, também representa nossa capacidade de gerar recursos, inclusive materiais – sim, dinheiro e posses! – e quando está retrógrado é aconselhável se ter cautela nos investimentos mais vultosos e reavaliar nosso gerenciamento financeiro. Não é um período favorável para casamentos ou celebração de parcerias, compra de imóveis ou bens de valor elevado, abertura de empresas, lançamentos de produtos ligados à beleza, estética e à arte em geral, abertura de casas de espetáculos ou empreendimentos culturais. Da mesma forma, cirurgias ou outros procedimentos estéticos importantes são desaconselhados, inclusive cortes de cabelo, ou coloração, que representem uma mudança grande na aparência – Não é que algo trágico vá acontecer, necessariamente, mas os resultados podem sair muito diferentes do esperado, gerando decepções e angústia. Esta retrogradação de Vênus tende a ser mais tensa, já que Áries é um signo de debilidade para este planeta… Escrevi um artigo extenso sobre a psicologia e simbolismo de Vênus retrógrado no mapa natal e em trânsito em 2014, quando Vênus estava retrógrada em Capricórnio. Você pode ler este artigo aqui. Na terça e quarta-feira ainda será possível ver a bela conjunção Lua-Vênus – e também Marte mais acima – no céu depois do por do Sol, conjunção que só voltaremos a ver no entardecer no ano que vem, já que Vênus passa a aparecer como Estrela da Manhã, Phosphorus/Eósforos, depois da retrogradação e só volta à forma de Estrela Vespertina, Héspero, semanas depois da conjunção superior ao Sol, que ocorre em janeiro de 2018.

Jon Jaylo – Reprodução

Mercúrio está em Peixes, sonhador, imaginativo, no mundo da Lua! E mais ainda porque vai fazer conjunção a Netuno! Então, cautela com a comunicação, que pode estar meio nebulosa e propensa a mal-entendidos diversos… A mente tende a divagar e ir parar lá no País das Maravilhas! Ops! Que horas/onde foi que eu caí nesse buraco de coelho??? Pode ficar difícil manter o contato com a realidade em alguns momentos e a tendência é pular de uma coisa a outra de maneira meio caótica – por esses dias só temos Plutão no elemento Terra, muita energia cardinal e mutável nenhuma energia fixa (a não ser quando a Lua passar por Touro e então será singleton). Caos e descontrole ficam nos rondando o tempo todo! Exercícios de aterramento – e até mesmo andar descalços na terra – podem ajudar. Mas podemos tirar muito proveito de tudo isso também. Toda essa sensibilidade de Mercúrio e Sol junto a Netuno expandem e aumentam a criatividade e a inventividade, favorecendo principalmente a artistas e criativos, mas de modo geral, a todos que queiram ter uma abordagem mais fértil e menos ortodoxa da vida.

Ho Jun di – Reprodução

O Sol também está em conjunção a Netuno o que significa que o altruísmo está em alta porque a empatia também está aumentada: sentimos os problemas alheios como se fossem nossos e genuinamente queremos ajudar, ficando até meio deprimidos se não o conseguimos. Todavia, é necessário cautela dobrada com idealismos excessivos (inclusive a respeito de si mesmo, os auto-enganos) não podemos esquecer que as pessoas continuam sendo humanas e sujeitas a falhas! Por outro lado, como já disse semana passada, os planetas de Peixes podem suavizar um pouco os bate-bocas e destemperos provocados pela T-Square Cardinal, já que trazem sensibilidade, empatia, flexibilidade, gentileza e a possibilidade de relevar muita coisa, até pela falta de ânimo que Peixes tem de se engajar em certas disputas, mas também porque tende a pensar no benefício do todo e a ter menos investimento nas questões egoicas – estou falando de Peixes positivo! No aspecto negativo, podemos vender para nós mesmos a imagem da abnegação e do desinteresse nas questões do ego, mas inconscientemente estar completamente investidos em garantir nosso próprio quinhão, seja a que custo for e ainda enganando a nós mesmos quanto às nossas motivações – autoconhecimento vale ouro aqui! A conjunção de Sol e Mercúrio a Netuno também pode trazer desânimo diantes das muitas agruras e da sordidez que vemos no mundo e sentimos um cansaço imenso de ter que lidar com as mesmas questões de novo e de novo… E, ao invés de lidar com os problemas diretamente, podemos nos dispersar em fantasias, devaneios, procrastinando nas atividades, desperdiçando tempo, energia, oportunidades, o que pode abater a autoestima porque o respeito próprio vai por água abaixo, junto com o tempo escoado pelo ralo – particularmente num céu que tem pouca energia fixa. Essa combinação Sol-Mercúrio-Netuno mais a T-Square Lua/Urano/Marte x Júpiter x Plutão também pode se manifestar em situações em que um lado é uma vítima ingênua, poderia se dizer, sacrificial, e o outro é o perpretador da violência implacável e podemos descobrir esses dois lados habitando e conflituando dentro de nós, como assisti-los manifestados no mundo exterior. Conselho prático: com todo esse fogo ativado nos céus, Marte conjunto a Urano e em oposição a Júpiter e ainda essa conjunção Sol-Netuno-Mercúrio, e quase nenhuma Terra, é mais que aconselhável evitar álcool e drogas em geral porque não temos nenhum senso de limites e estamos predispostos a exagerar e a perder a noção completamente – hashtag SemNoção – e no dia seguinte não se sabe se ter amnésia alcóolica é bênção ou maldição – isso se coisas mais graves não acontecerem! Num cenário assim, “acidente” não é acidente, é irresponsabilidade e até crime.

Dreamstime – Reprodução

SEGUNDA-FEIRA, 27 de fevereiro – Marte está em oposição exata a Júpiter, que também está bem perto de fazer a segunda oposição a Urano… É fogo contra fogo! A Lua está renovada em Peixes e se harmoniza com Plutão, faz conjunção a Kíron, quincúncio a Júpiter e quadratura a Saturno, ficando vazia depois, às 20h09min. Esse é um dia de excessos e extravagâncias! Exageramos na ênfase que damos ao que estamos fazendo, talvez colocando energia demais e nos desgastando desnecessariamente – quem sabe até colocando a saúde em risco; talvez metendo os pés pelas mãos e fazendo alguma tolice da qual nos arrependemos depois, apostando todas as fichas em algo sem ponderar adequadamente, correndo riscos mal calculados… O certo é que há muita energia, mas talvez não saibamos bem o que fazer com ela e se esse for o caso, podemos nos pegar nos exaltando em alguma situação em que sentimos que precisamos nos impor, batendo o pé arrogantemente e insistindo que sabemos mais e melhor, que podemos e acontecemos… O balão está inflado, mas é preciso cautela porque quanto mais inflado, mais sensível a agulhas, espinhos e afins, que podem aparecer de lugares insuspeitos… Talvez nossa arrogância mascare alguma insegurança quanto às nossas reais capacidades, mas o certo é que precisamos estar conscientes de nossas ações e daquilo que estamos realizando ou tentando realizar e, principalmente, estarmos cientes das razões para fazê-lo. Também precisamos lembrar que não é todo dia que estamos “com a bola toda” portanto, nada de sair pisando nos calos dos outros só porque podemos fazê-lo! Afinal, o mundo dá voltas – oh! se dá! E nada de querer abraçar o mundo com as pernas, porque logo poderemos descobrir que prometemos mais do que damos conta de entregar! Em vez disso, podemos realizar muita coisa positiva com todo esse vigor e entusiasmo de que dispomos por esses dias, SE soubermos nos ater aos nossos limites humanos e pessoais e buscar transpor tais limites (aqueles passíveis de serem superados) de forma inteligente e perspicaz, sem achar que precisamos patrolar todo mundo no processo. Então, se soubermos tirar proveito, podemos nos afinar com oportunidades de ouro de nos expandir realmente, de progredir em áreas em vínhamos patinando sem sucesso. Mas isso requer pé no chão, respeito aos limites nossos e dos outros, respeito às leis da Física – esse trânsito nos deixa propensos a acidentes idiotas – e atenção cuidadosa em tudo o que formos fazer. É um ótimo dia para nos conscientizar de nossas próprias limitações, nos conscientizar de crenças ultrapassadas e que não fazem mais nenhum sentido para nós, embora continuemos repetindo a ladainha herdada da família, de grupos, de amigos, etc… Ser honestos e identificar, realmente, o que é que nos prende e nos restringe e nos comprometermos com nossa própria liberação e independência – e lembrar que o mundo não foi feito em um único dia! Se conseguimos manter a cabeça no lugar, podemos inclusive ser bafejados pela boa sorte de maneiras completamente inesperadas, caso estejamos sintonizados com a intuição e com o tempo certo das coisas!

Do tumblr – Reprodução

TERÇA-FEIRA, 28 de fevereiro – A Lua está fora de curso em Peixes na primeira hora do dia, mas ingressa em Áries à 01h53min, onde faz conjunção a Vênus. Marte acelera o passo para conversar com Saturno, mas ainda está bastante esquentado, enquanto o Sol já bate na porta de Netuno. A Lua está nova e super impulsiva e o trânsito por Áries salienta mais essa qualidade, de modo que nos próximos dias precisamos segurar as rédeas da pequena selvagem dando cabeçadas dentro de nós. A conjunção da Lua a Vênus talvez suavize um pouco esse lado impulsivo, contudo, ainda há muita imprevisibilidade no ar, já que Urano está muito ativo e essa Vênus prestes a mudar de direção, o que altera sua forma de expressão, além de estarem ambas em quadratura a Plutão. De fato, os instintos estão muito aguçados e demandam esforço hercúleo contê-los porque a via natural seria soltar as rédeas e dar livre curso a tais ímpetos, mas o dia pede que nos preparemos para amanhã, quando teremos desafios maiores pela frente, de modo que hoje, se for possível, seria bom já ir pensando em quais desafios vamos abraçar e quais não valem mesmo o esforço. Contenção é diferente de supressão ou mesmo repressão. A repressão ou supressão dessas energias voláteis pode ser perigosa porque ela pode implodir dentro de nós e causar muitos estragos, inclusive para a saúde. A contenção se dá quando vemos e reconhecemos as tensões, ficamos cientes delas, mas não permitimos que nos controlem, nem as atuamos de maneira errática ou inconsciente, pelo contrário, tomamos decisões maduras e claras a respeito das situações. Podemos fazer alongamentos para relaxar um pouco a tensão física e podemos ainda fazer alguma atividade física que não implique grandes riscos, como uma boa caminhada, que permita transpirar a ansiedade, e canalizar a energia de alta voltagem que circula pelas veias e músculos. Vale a pena olhar para o céu do entardecer para ver a última conjunção Lua-Vênus neste horário. Depois da retrogradação Vênus passará a aparecer com a Estrela Dalva, Estela da Manhã e para vê-la, só madrugando mesmo!

Reprodução

QUARTA-FEIRA, 1° de março – De Áries a Lua faz quadratura a Plutão, conjunção a Urano e a Marte e oposição a Júpiter, incendiando de vez os humores e as cabeças. A Lua ainda faz trígono a Saturno e semi-quadratura ao Sol, entrando na fase Semi-Crescente. A conjunção Sol-Netuno ficando exata na última hora do dia talvez ajude a aplacar muitas disputas e jogar água na fervura. O dia está explosivo: há grande necessidade de ação e movimento e a Lua Ariana conjunta a Marte e a Urano adiciona mais fogo à impulsividade reinante de modo que nos sentimos como um vulcão entrando em erupção e assim também fica o clima geral! Emoções intensas, obstinação, ações impensadas, disputas de ego e humor para lá de abrasivo deixam a todos com a sensação de estar à sombra do vulcão cuspindo fogo e fumaça tóxica. Tóxicas podem ficar as relações com tal clima belicoso, portanto, é necessário prudência nas ações e nas iniciativas tomadas: é preciso ter moderação em tudo o que fizermos hoje e canalizarmos a energia intensa e turbulenta de transformação em realizações criativas, buscando mudar e transformar a nós mesmos e nossos vícios e problemas, ao invés de bater de frente com outros. O Sol conjunto a Netuno nos convida a sonhar e dar vazão à nossa criatividade e toda a energia cardinal ativada propicia que realmente  façamos algo produtivo com essa imaginação e sensibilidade, em lugar de ficar só viajando pelo mundo da Lua. Positivamente, Sol-Netuno também podem trazer um pouco de doçura, pacificidade e compreensão do outro. Por outro lado, como estamos também muito suscetíveis e impressionáveis, podemos nos contaminar e intoxicar com o clima carregado e hostil, sentindo-nos perdidos, paralizados, massacrados, expondo-nos à brutalidade de outros. Talvez também teçamos fantasias de que as coisas melhorem por si só, se apenas ficarmos quietinhos e invisíveis no nosso canto… Mas isso é ilusão! Crescer pressupõe “entender que nada em nossa vida acontece sem a nossa participação efetiva. É deixar a ingenuidade de que o mundo possa melhorar sem que façamos nossa parte” (Ilda Baddauhy) e este é o nosso maior desafio: fazer a nossa parte de maneira criativa, construtiva, utilizando as fortes energias a nosso favor e não contra nós ou contra quem quer que seja!

Reprodução

QUINTA-FEIRA, 2 de março – Júpiter, retrógrado em Libra, faz oposição exata a Urano hoje, que está direto (na primeira vez que ocorreu esse aspecto, Urano estava retrógrado e Júpiter direto), oposição que fica partil por algumas horas, no fim do dia. O Sol em Peixes segue conjunto a Netuno, enquanto a Lua abre o dia vazia em Áries. Ingressa em Touro às 04h43min e logo faz sextil a Mercúrio. Fecha a noite também harmonizada a Netuno, aspecto exato amanhã. Os movimentos liberatórios aventados ou iniciados no fim de dezembro agora sofrem uma revisão importante quando precisamos avaliar se de fato nos liberamos do que nos cerceava ou apenas tomamos medidas paliativas. Estamos empenhados em reformar a vida e o mundo exterior, mas é preciso estar cientes de que primeiro é necessário uma reforma interna, uma reforma individual que inclua mudanças não só das atitude, mas principalmente das crenças, convicções e princípios que norteiam tais atitudes. Positivamente, o dia traz influências que dão ancoragem, bom senso e pragmatismo para lidarmos com isso de forma direta e responsável… Por outro lado, talvez tentemos ganhar tempo e protelar as coisas mais um pouco, por receio de abrir mão das comodidades e apegos que viemos acumulando ao longo do tempo. Mas a transição precisa ser feita e quanto mais adiarmos, mais difícil poderá ser. O que precisamos é refinar nosso timing para saber a hora de agir, porque em algumas situações, se agirmos rápido demais, poderemos nos precipitar e por tudo a perder e, ao mesmo tempo, se deixarmos o tempo passar, poderemos perder ótimas oportunidades de desenvolvimento e melhorias.  Em certos momentos precisaremos agir imediatamente e em outros, será melhor esperar. Como diferenciar e ter esse timing correto? Estando conectados com nosso relógio interno, com a intuição e o centro de nós mesmos. De qualquer forma, se nos colocamos no caminho com perseverança, confiando neste centro e dispostos a abrir nossos horizontes mentais, saberemos o que, quando e como fazer!

Brooke shaden Photography – Reprodução

SEXTA-FEIRA, 3 de março – A Lua Taurina conversa placidamente com Netuno e com o Sol em Peixes e depois mais intensamente, com Plutão em Capricórnio, aspecto depois do qual fica vazia, às 12h22min. Mais tarde Dona Lua se afina com Kíron e os dois estão indispostos com Júpiter, tornando este foco de um Yod-Dedo de Deus. O dia traz a oportunidade de percebermos com mais clareza a natureza dos nossos sentimentos e de expressá-los mais adequada e criativamente, podendo até mesmo ajudar a outros de maneira prática e arrazoada, sem contudo perder o feeling e a capacidade de entender as motivações mais profundas, tanto as nossas quanto as de outros com quem interagimos. Essa criatividade hoje se mostra mais funcional e pé no chão, de modo que podemos encontrar saídas para nossos dilemas com uma boa dose de bom senso, mesclado com muita sensibilidade. Em alguns momentos pode ser que duvidemos do nosso discernimento e da capacidade de realizar as escolhas, mas talvez olhar as dificuldades de outros possa nos ajudar a aceitar nossas próprias contradições e idiossincrasias, sem precisarmos ser tão severos no julgamento. De qualquer maneira, ainda precisamos ter alguma vigilância quanto a certas inseguranças ou dificuldade de pesar apropriadamente o potencial das coisas, o que pode levar a atitudes impensadas e irracionais. A tarde traz um tempo propício a empreender uma regeneração silenciosa e tranquila, caso saibamos usar o tempo e os recursos sabiamente, cessando as ações objetivas e permitindo-se ser e estar, sem a obrigatoriedade do fazer mecânico e indistinto. Quem puder começar o fim de semana mais cedo que o faça porque a tarde de sexta está mais propensa ao descanso e à contemplação do que às iniciativas de natureza determinada e concreta. Anoite de sexta pede programas comedidos e mais caseiros e talvez nos vejamos até indo para a cama mais cedo.

Brooke Shaden Photography – Reprodução

SÁBADO, 4 de março – A Lua está vazia em Touro, tornando o sono mais profundo e repousante. Ingressa em Gêmeos às 07h06min e fica algumas horas sem conversar com os demais corpos celestes – algo difícil para Gêmeos – fazendo apenas oposição a Lilith e quadratura ao eixo nodal. Fecha a noite já em quadratura a Netuno. Vênus estaciona às 06h09min, a 13°07’ de Áries. Depois de uma semana bastante intensa e super agitada, o sono restaurador nos permite revigorar as energias e o ânimo. Acordamos com a corda toda, revitalizados e querendo interagir com o mundo ao redor, buscando estímulos mentais no ambiente… Contudo, a sensação é de estarmos isolados porque não conseguimos conexão efetiva com outros, de modo que isso pode resultar em inquietude, ansiedade e oscilações vertiginosas de humor, podendo nos levar a sentir um humor bastante sombrio apenas minutos depois de estarmos leves animados. Talvez seja o contrário: pode ser que nos deparemos com outras pessoas que querem permanecer na quietude tranquila e meditativa e quando as interrompemos em sua contemplação elas se indispõem contra nós. Os contatos e interações nas relações são sentidos de forma mais aguda e intensa e é possível que nos demos conta de algum padrão que se repete nessas relações e que só agora fica claro para nós. Sombras de nós mesmos que surgem do inconsciente, prontas para serem trazidas à luz, ou, melhor dizendo, prontas para nos levarem numa jornada ao Mundo Inferior do nosso próprio coração e dos nossos afetos mais profundos.

Brooke Shaden Photography – Reprodução

DOMINGO, 5 de março – Vênus entra em retrogradação às 06h09min e ficará retrógrada até 15 de abril, voltando aé o grau 26° de Peixes. A Lua Geminiana tem uma conversa super tensa e confusa com Netuno e com Mercúrio em Peixes e também faz quadratura ao Sol, oficializando a fase do Quarto Crescente. A Lua ainda dialoga animada com Vênus, briga com Plutão e se afina lindamente com Júpiter e Urano. Fecha a noite e a semana em oposição a Saturno em Sagitário. O domingo está super agitado e nos vemos puxados para inúmeras atividades, algumas das quais, apesar do estímulo que propiciam, acabam por nos deixar meio cansados e irritados. Há conflitos internos entre as necessidades e instintos e a consciência e ficamos indecisos sobre qual dos dois seguir e a despeito de toda a atividade mental e do impulso para interagir com o ambiente, uma outra parte de nós deseja calma e sossego e talvez seja mesmo uma boa ideia ficar um pouco quietos, ao invés de pululando por aí, até que tenhamos noção da origem de tais conflitos e possamos achar maneiras de conciliá-los. O Quarto Crescente ocorre no ângulo Gêmeos-Peixes, sugerindo que precisamos filtrar os sonhos e fantasias da Lua Nova e torná-los mais objetivos e claros, não uma névoa difusa de desejos e esperanças confusos, mas uma ideia límpida de quais sonhos podem se tornar planos realizáveis.

Uma ótima semana para você! Que seja de luz e discernimento!

Reprodução

Reprodução

Lua Nova e Eclipse Solar em Peixes – Um tsunami de emoções

Birth Chart Painting – Reprodução

Um novo ciclo lunar começa neste domingo, dia 26 de fevereiro, às 11h59min (14h59min no horário de Lisboa) com a Lua Nova a 08°12’ de Peixes. Esta Lua Nova também é um Eclipse Anular (Total) do Sol e ocorre em conjunção próxima a Netuno, regente moderno do signo de Peixes, mas os três, Lua, Sol e Netuno não fazem aspectos maiores a outros planetas, de modo que formam uma isolada e poderosa tríade que representa emoções e sentimentos tsunâmicos. Tal força e poder é ainda mais contundente quando lembramos que temos cinco corpos celestes em Água, em Peixes e apenas Júpiter no elemento Ar – Júpiter, que aliás é o dispositor tradicional da Lua Nova/Peixes. Além disso, há falta de Terra, já que também só há um planeta neste elemento: Plutão. Então temos um céu em que predominam Água e Fogo, trazendo um realce forte à natureza instintiva, sugerindo uma qualidade selvagem, impetuosa, intensa, visceral e bastante irracional. Essa ênfase em Água aponta para uma imensa sensibilidade, muita abertura psíquica, empatia, compaixão, cura, sentimentos viscerais, mediunidade e emoções à flor da pele. Negativamente, temos um cenário de escapismos, carências, inseguranças, incertezas, suscetibilidades, impressionabilidade, medos irracionais e difíceis de se expressar, irrealidade, sensacionalismo, tempestades emocionais… Tudo intensificado pelo Fogo. Os dois elementos que faltam, Ar e Terra, são os elementos associados com a objetividade, racionalidade, pragmatismo e realismo, de modo que essas qualidades ficam um tanto inacessíveis à consciência por estes dias, demandando de nós muita serenidade para navegar as grandes ondas de turbulências oceânicas do período.

Eclipse Total do Sol Março/2016, visto da Indonésia – Desconheço o autor da imagem

Eclipses normalmente são vistos como nefastos, mas não necessariamente são assim. Depende muito da natureza do eclipse em si, da Série Saros a que pertence e dos aspectos que faz no mapa individual. Na Astrologia Mundana sim, geralmente representam uma intensificação nos assuntos econômicos, políticos e sociais em geral, podendo representar cataclismos naturais, particularmente nas áreas geográficas em que ocorre o seu ápice, onde é visível. Este eclipse será parcialmente visível no Brasil, o que indica que sentiremos seus efeitos, parcialmente. Veja na imagem abaixo o caminho percorrido pelo eclipse. Leia mais sobre a natureza dos eclipses.

Caminho percorrido pelo eclipse. As partes mais escuras representam os locais em que o eclipse será visto na sua totalidade.

Com a Lua se renovando em Peixes numa lunação que também é eclipse, a vida nos convida a finalizar processos relacionados ao ano astrológico que finda com este ciclo. Mas também convida a lançar nossas intenções para uma vida de mais gentileza, de mais desprendimento e suavidade, de acreditar mais nos nossos sonhos, de incluir o elemento mágico e a fantasia na vida, enriquecendo nossa criatividade. Convida a diminuir as barreiras que nos separam do nosso irmão ali do lado, a derrubar os muros e os ismos, os rótulos e classificações, porque no fim, quando tudo termina, eles não servem mesmo para nada, são a verdadeira ilusão de uma dimensão que acreditamos que seja real, mas que está apenas testando se sabemos realmente discernir quem somos, de onde viemos e para onde vamos.

Xo-Billie.Deviantart – Reprodução

Em Peixes somos instados a incluir aquela parte de nós que é caótica e louca, que é irremediavelmente desconectada do mundo chamado “real”, aquele lado sonhador que parece não fazer muito sentido, mas que nos alimenta, inspira e nos empurra pelos dias afora, enquanto cuidamos do cotidiano cinza… A Lua Nova nos convida a uma vida de gentileza e inclusão, porque quando incluímos o que estava excluído, curamos, pelo reconhecimento! Entretanto, o eclipse ocorre em conjunção ao Nodo Sul, um ponto de regressão, de passado, de desgaste e acomodação, então, também há um forte impulso de manifestação das qualidades negativas de Peixes. E como já dito acima, Lua, Sol e Netuno estão fundidos num abraço urobórico onde nada é distinguível ou separável. As qualidades da Lua e Sol em Peixes são potencializadas muitas vezes pela conjunção a Netuno, aquele que diminui as barreiras e dissolve o senso de ego, de eu, de separatividade. Então é preciso cautela com os escapismos, com as ilusões, com os anseios por sermos salvos por outros que não nós mesmos; é preciso vigiar o desejo de não-ser, que pode levar a impulsos destrutivos de auto-dissolvição, seja por álcool, drogas, fanatismos, desejos de se perder no outro, renúncia da própria responsabilidade… Enfim, há o risco de entrarmos numa bolha de fantasias douradas e nos negarmos a ver a realidade diante de nós… E olha que essa lunação tá acontecendo bem no meio do Carnaval aqui no Brasil…

Série Saros 140 – 16 de abril de 1512, 06h22 GMT

A Série Saros 140, à qual pertence este eclipse, que é o evento número 29 de um total de 71, é uma série que traz um tom até bastante positivo. Bernadette Brady, astróloga inglesa especialista em eclipses, diz que “esta é uma família de eclipses que traz consigo um elemento de surpresas agradáveis. Felicidade repentina, um evento afortunado, um golpe de sorte, uma conquista de sorte. Os eventos que ocorrem podem mudar positivamente a vida da pessoa” (1). Ela diz isso porque no mapa natal da Série, que iniciou em 12 de abril de 1512, no Polo Sul, Sol e Lua fazem conjunção em Touro e a regente de Touro, Vênus, chamada a Pequena Benéfica, está em conjunção a Júpiter – o Grande Benéfico – em Peixes, signo de sua exaltação. No Ponto Médio entre a Lua Nova e a conjunção Vênus-Júpiter, está Urano, a 15° de Áries – Urano é o planeta das surpresas e das coisas inesperadas, que neste caso são consideradas agradáveis devido à natureza dos planetas envolvidos, Vênus e Júpiter. Assim, esta é uma família de eclipses que não é particularmente tensa ao tocar mapas individuais com aspectos positivos. Contudo, eclipses ocorrendo em quadratura ou oposição a planetas natais geralmente são tensos e representam desafios na área da casa natal e dos planetas envolvidos, assim como na/s casa/s regida/s pelo/s planeta/s.

Lua Nova e Eclipse Anular do Sol em Peixes – Brasília, 26 de fevereiro de 2017, 11h59min

Assim, se olharmos apenas a Série Saros 140 e a configuração do eclipse em si, poderíamos dizer que este é um eclipse de gentileza e bons augúrios. Entretanto, o mapa do eclipse traz algumas configurações bastante tensas, que não podem ser ignoradas porque envolvem o regente tradicional de Peixes, Júpiter, que trafega atualmente o signo de Libra. Júpiter está em oposição a Urano, o ponto alto de um ciclo que começou em 2010, no grau zero de Áries. Além disso, Júpiter também está em quadratura a Plutão, formando uma configuração de Cruz T ou T-Square Cardinal por boa parte do ano. E não podemos esquecer que Júpiter é o único planeta em Ar, é o líder de uma formação Tigela e ainda está retrógrado! Então, Júpiter tem um destaque muito importante nesse eclipse! O problema é que essa configuração é bastante tensa, tanto pela sua natureza quanto pelos planetas envolvidos. Júpiter em oposição a Urano pode se manifestar de forma muito criativa, trazendo oportunidades de nos liberarmos de coisas que nos limitam e nos seguram, inclusive crenças limitantes, mas, como o impulso de liberação é grande por demais e a própria energia envolvida é intensa e, sendo Urano um planeta imprevisível, pode também se manifestar de forma caótica, crítica e mesmo destrutiva.

Reprodução

A presença de Plutão em Capricórnio na configuração sugere que a energia liberada deve provocar transformações profundas e cruciais, mesmo que a princípio haja uma demolição completa daquilo que é conhecido, das estruturas que sustentam nossa realidade. Como se não bastasse, Marte ativa e atiça esta configuração por aproximadamente duas semanas (de 15 de fevereiro até 03 de março, mais ou menos) e está em conjunção exata a Urano horas depois do eclipse, tornando plena a oposição a Júpiter já no dia seguinte. Marte adiciona mais impulso, energia, fogo e traz tudo para o plano pessoal… Marte é o planeta da vontade e agressividade, e quando se envolve nessa formação, torna-se o gatilho que dispara a situação que já estava armada. A presença de Marte nessa configuração também sugere uma vontade férrea, uma competitividade e desejo de ganhar a qualquer custo, alimentado por uma estamina fenomenal, mas que requer cautela devido à forte impulsividade, intenso egoísmo e imediatismo e muita inquietação e ansiedade, devido ao contato com Urano. Então, podemos dizer que sim, este eclipse tem um forte elemento de surpresa, de acontecimentos inesperados, mas nem todas as surpresas são assim tão agradáveis, sendo algumas delas até bastante ásperas e chocantes. De toda forma, o convite é claro: aproveitar a forte onda de liberação e deixar o tsunami levar o que não precisamos mais. Às vezes, quando não nos damos conta de nosso anseio por liberdade e independência, inconscientemente convocamos a outros para atuá-lo por nós, portanto, se o outro termina um relacionamento, ou se o chefe nos demite ou quaisquer outras situações parecidas, o melhor que fazemos é verificar se nós mesmos já não estávamos insatisfeitos com a situação.

Reprodução

Uma Lua Nova sempre simboliza o fim de um ciclo e o começo de outro. Uma Lua Nova “normal” finaliza um ciclo lunar de aproximadamente 29 dias. Mas uma lunação que também é eclipse finaliza ciclos mais longos, às vezes de até 18 anos! Podemos, pois aproveitar e simbolizar a finalização e encerramento de tudo o que não queremos mais na nossa vida, naquela área de vida em que o eclipse cai no mapa natal, para começar um ciclo mais construtivo e criativo. No caso, é preciso abrir mão dos comportamentos erráticos, irresponsáveis, acomodados, alienados, os anseios de que outros resolvem nossos problemas, as fantasias de que tais problemas se resolvam sem esforço, os desejos regressivos de escapar da realidade… Você entendeu o tom!

Visibilidade do eclipse de 26 de fevereiro de 2017 – Nasa – Reprodução

O Símbolo Sabiano para o grau 9 de Peixes (08°12’) traz uma imagem de dinamismo e competição, que ressalta a qualidade Marciana do mapa do eclipse: “Um jóquei estimula seu cavalo com a intenção de se distanciar de seus rivais”. Dane Rudhyar, autor do livro Uma Mandala Astrológica (2), que analisa os Símbolos Sabianos, nos lembra que este símbolo faz parte do Segundo Hemiciclo, que trata do processo de coletivização. O signo de Peixes é parte do ato relativo à Capitalização. Ele nota que o tom principal deste símbolo é a “intensa mobilização de energia e habilidade na busca pelo sucesso em qualquer performance social afetada pelo espírito competitivo”. Este símbolo, diz ele, indica a necessidade de concentrar todo o seu ser em direção à realização rápida de qualquer que seja o objetivo no qual você esteja empenhado. O que nos leva ao ponto do discernimento: com tais configurações ativas, este símbolo nos estimula a dar tudo de nós na realização dos objetivos, o que sugere estimular ainda mais a este Marte descabeçado… Apostar todas as fichas… E a cautela? Às favas com a cautela? Confesso que deu um nó na minha cabeça…

Reprodução

Contudo, Linda Hill (3) traz uma luz: “A corrida começou e talvez você sinta que está perto do fim, mas não há garantias de vitória. Embora seja hora de extrair toda a energia possível, certifique-se de que você não a gaste rápido demais correndo o risco de chegar a lugar nenhum ou de não realizar algo de valor duradouro”. Temos aqui enfatizados os temas da competitividade, como já está claro, além das ambições desmesuradas, dos desejos agressivos, desejos de melhoramento, exaltação – vale lembrar que o cavalo é um símbolo de Júpiter e da força instintiva, o que nos remete, novamente, à força deste planeta neste ciclo e à necessidade de dominar nossa natureza selvagem e instintiva, para que ela não venha em nosso detrimento, mas funcione a nosso favor. Como pontos negativos Linda Hill aponta para a possibilidade de sermos ambiciosos demais (Marte-Plutão), de galoparmos a toda velocidade prematuramente, de adotarmos medidas implacáveis querendo ganhar a qualquer custo e de nos precipitarmos horrivelmente, pondo tudo a perder… E aí temos uma repetição dos temas de Marte/Urano x Júpiter x Plutão. O fato é que o Símbolo Sabiano ressalta a qualidade Marciana deste mapa: ação, decisão, atitude e… Precipitação, temeridade, agressividade. E por isso mesmo demanda de nós mais cabeça fria e ponderação para definir em que direção nós vamos, onde iremos apostar nossas fichas e investir todas as nossas energias, para nem queimarmos a largada, nem nos perdermos das raias que nos levarão à vitória. De certa forma, o Símbolo Sabiano traz um tom positivo à configuração de Marte/Urano x Júpiter x Plutão SE soubermos tirar proveito dela… Do contrário, podemos meter os pés pelas mãos e ser a causa de nossa própria queda.

Reprodução

Para você ter ideia de como esse eclipse pode se manifestar na sua vida, primeiro verifique a casa do mapa natal onde ele acontece, ou seja a casa em que você tem o signo de Peixes; depois veja se faz aspectos com algum planeta ou ângulo do seu mapa – somente aspectos maiores: conjunção, quadratura, oposição e trígono (o sextil é menos perceptível), orbe de cerca de cinco graus, ou seja, planetas entre os graus 3 e 13 dos signos Mutáveis (Gêmeos, Virgem, Sagitário e Peixes), ou signos de Água para o trígono (Câncer e Escorpião). Vale a pena também fazer uma retrospectiva sobre a sua vida no período de 16 de fevereiro de 1999, que foi a última vez em que houve um eclipse da Série Saros 140 (naquele ano o eclipse ocorreu a 27° de Aquário), e 26 de fevereiro de 1998, que foi a última vez que houve um eclipse total do Sol próximo a esse grau em Peixes (no caso, o eclipse ocorreu a 07°55’). Outro detalhe importante a se notar, é que já tem algum tempo que os eclipses vêm ocorrendo no eixo Virgem-Peixes, portanto, o eixo de casas onde esse par de signos cai no seu mapa natal está sendo ativado desde abril de 2015 e Virgem-Peixes vem se alternando com o eixo Áries-Libra. Este eclipse terá duração total de duas horas e 59 minutos, o que significa que seus efeitos perdurarão por cerca de três anos, perdendo força conforme outros eclipses forem acontecendo, porque o eclipse de mais influência é sempre o mais recente.

Agende uma consulta comigo e veja como este e os demais eclipses do ano afetam o seu mapa natal, que mudanças podem simbolizar e em que área de vida: psicologica.astrologia@gmail.com 

Em termos práticos e mundanos, como já disse acima, eclipses sinalizam tempos intensos em que as emoções ficam mais afloradas e nosso controle está discutível, portanto, demanda cautela e auto-observação para não agirmos ou reagirmos de forma excessivamente instintiva – no eclipse solar a consciência (o Sol) é eclipsada e os instintos ficam mais ressaltados. No mapa levantado para Brasília, Lua e Sol caem na casa 10 do mapa, sugerindo mudanças importantes no governo, com Mercúrio, já em Peixes, conjunto ao MC, indicando que notícias um tanto nebulosas ganharão grande destaque e terão grande influência nas decisões tomadas – quantas decisões escusas serão tomadas enquanto muitos estão entorpecidos pelo frenesi do carnaval?

Giovanni Allievi – Reprodução

Concluindo, o período sugere acontecimentos imprevisíveis, emoções e sentimentos tsunâmicos, que exigem de nós muita maturidade e centramento. É tempo de nos sintonizarmos com nosso eu mais profundo, aquele que está livre das ordens e prioridades mundanas e está focado nas necessidades da alma e na evolução da consciência; a partir daí, renovarmos nossas intenções de vivermos uma vida de mais gentileza e empatia. Ficar atentos porque o ciclo vai demandar sintonia fina para ponderar e ter clareza sobre qual a melhor atitude a tomar: se nossos intentos demandam espera cautelosa ou se devemos apostar tudo e acelerar na busca da vitória, sabendo que a competição será acirrada.

Para acalmar e serenar o coração e canalizar as influências do eclipse de forma mais positiva, recomenda-se exercícios de ancoramento e meditação. Isso pode ser melhorado com os cristais ágata, ágata de fogo, ametista, aragonita, olho de gato, galena, jaspe vermelho, ou outra pedra com que você já esteja acostumada/o e que lhe transmita confiança e segurança. Verifique as influências do eclipse de forma mais detalhada ao fim do artigo geral sobre eclipses, que você encontra neste link: http://mariaeunicesousa.com/2015/09/13/da-natureza-ciclos-e-efeitos-dos-eclipses/, influências que você pode ver de forma resumida na tabela abaixo.

Um feliz eclipse para você e um ótimo ciclo para todos nós!

Birth Chart Painting – Reprodução

(1) Brady, Bernadette – The eagle and the lark – Predictive Astrology  – Weiser Books

(2) Rudhyar, Dane – An Astrological Mandala

(3) Hill, Linda – 360 Degrees of Wisdon

A Semana Astrológica – Em Pé de Guerra

Eclipse Total do Sol Março/2016, visto da Indonésia – Desconheço o autor da imagem

… ou Combatendo o Bom Combate!

Semana de 20 a 26 de fevereiro – Semana de muitas tensões e extrema beligerância, que pede muito sangue frio e tolerância. O Minguante propicia as eliminações, reavaliações e projeções para o próximo ciclo.

Começamos uma semana cheia de novidades, de muita ação, mas também de tensão extrema! Uma semana explosiva, que vai demandar muita cabeça fria, flexibilidade, tolerância, e muito espírito de “paz e amor” se for para não nos envolvermos em confusões – e até violência – desnecessárias.

Birth Chart Painting – Reprodução

O Sol, já em Peixes, vai navegando calmamente em direção a Netuno… Até encontrá-lo, não faz aspectos com mais ninguém, apenas recebe os eventuais aspectos lunares… A Lua Nova e Eclipse Total do Sol, aliás, acontece em conjunção com o Senhor dos Mares, e os três, Lua, Sol e Netuno estão fundidos entre si e sem fazer aspectos a outros planetas. Isso sugeriria um período de gentileza, de sensibilidade, de cura e muita criatividade, no sentido mais positivo… Olhando pelo outro lado, pode haver propensão a escapismos, alienação, teimosia em não se encarar a realidade. Este eclipse faz parte da Série Saros 140, que é uma família de eclipses até positiva, que fala de boas surpresas, de golpes de sorte, de eventos afortunados… Contudo, eclipses sempre trazem em si uma qualidade selvagem e imprevisível, as coisas ficam muito intensificadas e podem sair de controle na área de vida representada pela casa do mapa natal em que eles acontecem – e controle é o que parece mais difícil de se ter por estes dias. E no caso deste eclipse em específico, o problema maior é o fato de seu dispositor tradicional estar engalfinhado numa luta estrepitosa com Urano, Marte e Plutão, aumentando a possibilidade de eventos inesperados, humores ácidos, belicosidade e intolerância, que podem facilmente descambar para a violência, caso os envolvidos se deixem levar pela impulsividade e a intransigência.

Reprodução

Tudo isso porque Marte, o planeta da vontade e da assertividade, vem jogar lenha na fogueira dessa configuração, ou funcionar como estopim de um cenário já bastante hostil. Marte faz primeiro quadratura a Plutão em Capricórnio, depois conjunção a Urano e em seguida oposição a Júpiter, botando todo mundo em pé de guerra. E vale se perguntar: por que EU, individualmente, estou neste clima belicoso? Preciso mesmo entrar “nessa onda” de hostilidade? Com que cabeça estou pensando, com a minha ou com a da massa? – e neste caso, nem há “cabeça” pensante! Auto-observação e atenção permanente no presente são vitais!

Reprodução

Por que tudo isso? Marte em Áries já é um amante dos riscos, um guerreiro sanguinário que desafia o perigo só pelo gosto de fazê-lo, chegando mesmo a ser temerário – é o Deus Ares interessado somente em guerra! A conjunção a Urano aumenta exponencialmente essa qualidade temerária, a impaciência e a intolerância, chegando ao ponto do extremismo, agregando ainda a rebeldia e o radicalismo, algo que é ampliado, amplificado, multiplicado muitas vezes pela oposição a Júpiter, que ainda adiciona, ímpeto e fervor ideológico e religioso e joga mais combustível num incêndio já descontrolado… Por fim, Plutão intensifica, adiciona conflitos de poder e torna tudo questão de vida ou morte – ou pelo menos é assim que as pessoas tendem a sentir quando se trata de aspectos tensos entre Marte e Plutão. Outra coisa que torna tudo isso ainda mais volátil é o fato de termos muito Fogo ativado por toda a semana – imagine então na semana que vem, quando a Lua em Áries fizer conjunção a Marte e a Urano! –  somente Plutão em Terra (Capricórnio) e pouco Ar, com apenas Mercúrio e Júpiter neste elemento e a Lua entre quinta e sábado – Mercúrio, aliás, será crucial para nos ajudar a manter a racionalidade nesses tempos intempestivos de instintos enlouquecidos.

Padrão de Mapa Tigela

Também é interessante de se notar que atualmente temos no céu uma configuração de tigela, com todos os planetas compreendidos em 180 graus do cinturão zodiacal, tigela que tem como líder, Júpiter, o planeta da Boa Sorte, mas também dos exageros e excessos, do fanatismo e irresponsabilidade. Na outra ponta da tigela está Urano. Isso cria ênfase e foco na área dessa “tigela”, que vai de Libra a Áries, e também sugere muita subjetividade, a objetividade da leitura do mundo ficando um pouco comprometida – cada um vê os problemas sociais e coletivos (todos os signos de Libra a Áries) a partir de uma visão afunilada e muito pessoal, faltando, talvez, a perspectiva histórica e mais desapegada das coisas. Portanto, é preciso manter a cabeça fria e no seu devido lugar – e olhe que Marte e Áries regem a cabeça! – e ainda fincar os pés no chão, para não dar cabeçadas por aí, literal ou figurativamente, e para poder utilizar essas influências explosivas de maneira positiva, para nos posicionar de maneira assertiva e firme sobre coisas com as quais talvez não tenhamos conseguido lidar até aqui, talvez por insegurança ou incerteza… Positivamente essa configuração representa um momento de romper definitivamente com aquilo que nos impede de avançar rumo aos nosso objetivos, mas tendo essa percepção de que tais impedimentos começam em nós mesmos e apenas reverberam no exterior. Há muito dinamismo e energia que podem ser utilizados para muitas realizações, SE conseguirmos lidar com isso de forma adulta e ajuizada.

Reprodução

Entretanto, para utilizar essas configurações construtivamente, é preciso muita atenção porque essas influências são extremamente voláteis e de difícil controle, demandando que as emoções estejam sob contenção madura e responsável – esta é uma semana em que temos que ser muito racionais e relevar muitas coisas e muitas pequenas irritações. O clima é de guerra, mas nós podemos escolher SE queremos estar em guerra; podemos escolher também quais guerras valem a pena se lutar. Por outro lado, se, em alguma situação nos percebermos sem alternativas a não ser entrar na briga, é essencial ter clareza das nossas motivações para nos envolvermos no conflito. Contra o quê estamos guerreando? Por que? As batalhas egoicas estão fadadas a serem perdidas de maneira bastante destrutiva e até humilhante, mas há outras que podem trazer ganhos substanciais. Podemos combater o bom combate, mas para isso é preciso ter integridade e firmeza de caráter, para primeiro empreender o confronto consigo mesmo: combater, dentro de nós, o dragão da intolerância, o monstro do egoísmo cru e bruto, combater o ogro da irracionalidade, a deturpação de fatos para justificar nossos interesses mesquinhos, combater o ethos de “os fins justificam os meios” – antes de acusar aos outros de todos esses “pecados”… Então, há a guerra boa e frutífera e é aquela combatida contra nossos próprios demônios interiores e essa é uma oportunidade formidável para empreendermos esse combate!

Vebston Rose – Tumblr – Reprodução

Em termos práticos, essa configuração pode representar conflitos violentos, desde os banais, como brigas de trânsito, àqueles motivados por ideologias e crenças; simboliza também acidentes que ocorrem por impulsividade, precipitação e frustrações mal resolvidas; pode significar incêndios que saem de controle; conflitos sociais em que a consciência individual deixa de existir porque desaparece no meio da massa, é suplantada pelo fervor coletivo, algo que pode ser muito, muito perigoso – cuidado com as aglomerações! Devido ao eclipse e aos planetas envolvidos, Marte pode ser o gatilho para “acidentes” com grande número de vítimas ou mesmo cataclismos naturais. Considerando o cenário político e social atual no Brasil e no mundo, essa configuração Júpiter-Urano-Plutão representa um barril de pólvora e Marte é o estopim que dá início à explosão – e com o Carnaval acontecendo bem no ápice de tudo isso, é preciso escolher os programas carnavalescos com muita sabedoria e de preferência maneirar no álcool e na ingestão de substâncias em geral! Portanto, quem puder evitar se envolver em discussões, disputas e conflitos desnecessários, faz muito bem. Evitar propagar o clima belicoso, as “más notícias” ou inverdades por aí também é aconselhável porque com tanta irracionalidade no ar, tudo é motivo para começar uma briga. Precisamos nos responsabilizar pela atmosfera que criamos ao nosso redor, onde estamos e aonde formos. Não podemos “pagar” de ingênuos e inocentes, se não nos responsabilizamos por nossos pensamentos, palavras, atitudes, omissões e emanações energéticas. Para nos ajudar a manter a cabeça fria neste período, é recomendável muita meditação – que pode ser ativa, para movimentar o corpo – exercícios de ancoragem e enraizamento, respiração, e muita, muita paciência e tolerância em todas as interações.

Reprodução

Vênus já está muito desacelerada, a cerca de apenas três graus do seu ponto estacionário. Assiste à briga cardinal de longe, mas antes de entrar nessa luta, ela recua. Mas isso não quer dizer que, a seu modo, não coloque também lenha nessa fogueira. Isso porque vai travar uma outra luta, de outro cunho, em outra dimensão. Ao ficar retrógrada, Vênus desce ao Mundo Inferior, onde fará a Conjunção Inferior ao Sol, ficando entre o Sol e a Terra. Para os antigos povos meso-américos, Maias e Astecas, que acompanhavam muito de perto o trânsito de Vênus em todas as suas fases, essa era uma época bastante temerária, em que eles se preparavam para as guerras, porque a partir da retrogradação e depois que começar a surgir no Leste como Estrela da manhã, nascendo antes do Sol, Vênus, planeta da conciliação e da diplomacia, assume seu lado de guerreira sanguinária, especialmente estando em Áries – portanto, é mais um dado que inspira cuidados nestes tempos inflamáveis.

Rafael Olbinski – Reprodução

Quando Vênus entra em retrogradação é tempo rever e reavaliar nossos valores, nossos afetos e relações, nossa autoestima, a gestão dos nossos recursos, materiais e imateriais. Neste período, é recomendável que se evite fazer investimentos de grande porte, como abrir novos negócios – especialmente se forem em área relacionada à estética, arte, beleza, etc – a possibilidade de prejuízos é grande. Também não é um período favorável para cirurgias estéticas ou outras intervenções de grande impacto na aparência física, como mudanças radicais no corte ou cor do cabelo – talvez nada de trágico ocorra, mas há propensão a desapontamentos e e frustrações com os resultados, às vezes difíceis de serem revertidos. Vênus ficará retrógrada de 04 de março a 16 de abril.

Reprodução

Mercúrio está bastante ativo nestes dias e, como já disse, será crucial para nos ajudar a manter a cabeça no lugar, até entrar em Peixes. Tem conversas afinadas com seus dois dispositores, Urano e Saturno, além de também se harmonizar com Júpiter. Isso, além de trazer fluidez às comunicações, talvez nos ajude bastante e traga um mínimo de frieza e objetividade nos dias mais voláteis que temos pela frente – afinal, combater fogo com fogo só criará um incêndio de grandes proporções, em compensação, se mantivermos a mente em ordem, o fogo poderá ser controlado. Entretanto, Mercúrio ingressa em Peixes no dia 25, sábado, e já não conseguimos ter tanta clareza e distanciamento, pelo contrário, ficamos um tanto confusos, desconcertados, talvez até vacilando em algum momento capital. Por outro lado, Mercúrio em Peixes talvez agregue um pouco de gentileza e empatia a esse clima agressivo da semana.

Claudia Fernety – Reprodução

A Lua abre a semana na fase Minguante em Sagitário. Torna-se Balsâmica em Capricórnio na quarta-feira, desapega-se dos restos do ciclo em Aquário e finalmente se renova no domingo, dia 26, na Lua Nova e Eclipse Total do Sol em Peixes.

Reprodução

SEGUNDA-FEIRA, 20 de fevereiro – A Lua está minguante em Sagitário e tem uma conversa cerebral com Mercúrio em Aquário e bate um papo ainda mais “cabeça” com Marte em Áries e depois com Urano. A Lua também quadra Kíron, se rejubila com seu regente Júpiter e faz conjunção a Saturno, ficando vazia depois deste aspecto, às 20h39min. Mercúrio está em sextil exato a Urano. Marte está já muito próximo da quadratura a Plutão. Começamos uma semana bastante tensa com influências que nos ajudam a olhar longe e a projetar as inúmeras possibilidades diante de nós. É tempo de ponderar tais possibilidades com muita sabedoria, antecipando possíveis desfechos para não nos surpreendermos com resultados desagradáveis por falta de “assuntar” o próprio coração e intuição. A intuição, aliás, está bem aguçada hoje e quem for esperto tirará alguns minutos para sondar a própria alma e essa intuição que se oferece tão generosamente. Já podemos antever a fúria desse Marte e seus planos belicosos para os próximos dias e podemos respirar fundo e nos encher de coragem e vigor, mas lembrando de botar o pé no chão, porque existe sim, muita audácia, destemor, e até entusiasmo para uma boa briga, mas esse ímpeto está um tanto descontrolado e carece de bom senso e o resultado da briga fica muito imprevisível, de modo que temos sim, muito a perder. Assim, o dia traz a oportunidade de irmos nos desfazendo das crenças opiniosas, dos fervores apaixonados que não nos deixam enxergar um palmo adiante do nariz e das certezas absolutas; especialmente, nos desapegar dos sofrimentos, do medo de perder ou de quaisquer outros medos, que paradoxalmente nos deixam mais suscetíveis – de modo que possamos estar mais leves e menos apegados ao que quer que seja, especialmente, desapegados da expectativa de resultados. De modo mais prático, o dia está dinâmico e animado, com muita energia de realização, mas também de diversão, de maneira que podemos nos entregar a tarefas que exigem concentração e comprometimento com alegria e entusiasmo.

TERÇA-FEIRA, 21 de fevereiro – Mercúrio ainda está em sextil exato a Urano. A Lua está fora de curso em Sagitário nas primeiras horas do dia, ingressando em Capricórnio às 04h08min, de onde conversa harmoniosamente com o Sol Pisciano, que está em conjunção ao Nodo Sul. A Lua fecha a noite em sextil a Netuno e quadratura a Vênus, aspectos não exatos. O dia traz boas chances de trabalharmos de maneira focada, continuando a traçar nossas estratégias de longo prazo, reavaliando e descartando as estratégias antigas que já não estão funcionando mais, assim como as ferramentas, ou projetos e ideias que se revelaram não proveitosos ou que não estejam saindo como imaginávamos. É recomendável que sejamos realistas e práticos quanto a isso, que encaremos tais descartes sem apegos e sem ilusões de que “ainda poderia dar certo se apenas…”. O Sol conjunto ao Nodo Sul alerta para a tendência de nos apegarmos a essas fantasias tolas e perdermos tempo e energia devaneando sobre elas, ao invés de focarmos nas formas práticas e concisas de prestar serviço e ajuda. Positivamente, essa conjunção do Sol ao Nodo Sul ilumina os padrões escapistas, fantasiosos ou vitimistas aos quais talvez ainda estejamos atrelados, propiciando a consciência necessária para nos movermos na direção de maior autossuficiência e responsabilidade por nossos processos. A Lua no signo da Cabra traz bom senso e pé no chão, um bom senso que é temperado pela amorosidade de Peixes. Contudo, com a Lua no frio Capricórnio e Marte emaranhado nesta configuração bélica, ainda precisamos cuidar da propensão ao humor mordaz e sarcástico, o que pode fomentar a atmosfera hostil e melindrosa – o dispositor da Lua, Saturno, segue em quadratura a Kíron – que em nada contribui com nossos intentos maiores. Antes de dar aquela “patada”, respirar e pensar duas vezes, contar até 10, até 100…

Reprodução

QUARTA-FEIRA, 22 de fevereiro – Marte em Áries está em quadratura exata a Plutão em Capricórnio e muito perto da conjunção a Urano e da oposição a Júpiter. A Lua une armas com Plutão e aumenta a tensão na briga com Marte-Urano e Júpiter. Antes ela se afina com Netuno, mas briga com Vênus. A Lua também faz semi-quadratura ao Sol, entrando na fase Balsâmica. Um dos dias mais tensos do período, quem sabe até do ano, começa por uma dificuldade grande em expressar o que estamos sentindo de maneira efetiva e essa confusão interna já aumenta o mau humor, que vai escalando com a impaciência, a irritabilidade e o alto grau de intolerância.  Há fortes interesse egoicos em jogo e o desejo de vencer a qualquer preço, custe o que custar, enquanto o “outro lado” também tem tanto ímpeto de ganhar quanto nós mesmos, dessa forma, temos uma conflagração de muita competitividade que pode chegar a disputas bastante irracionais e conflitos de poder, já que não temos nenhum desprendimento e tudo é visto como uma questão de vida ou morte em que os interesses e a própria vida estão ameaçados. A besta selvagem irrompe dentro de nós, mas as forças oponentes são formidáveis e mesmo os “desavisados” podem ser pegos no meio do “tiroteio”. Se por um lado essas influências, de fato, nos incitam à briga, por outro, é bom termos bastante clareza do porquê e pelo quê estamos brigando e de preferência, se temos que brigar, que seja por interesses maiores do que o nosso umbigo, pelo grupo e não apenas pelos nossos interesses egoístas, porque neste caso, é mais provável que percamos de maneira irrevogável, já que as forças contra as quais lutamos são muito poderosas. De qualquer maneira, é necessário todo o autocontrole de que pudermos dispor, se for para lidarmos com tais influências de forma positiva e construtiva. Autocontrole, cabeça fria, paciência, tolerância e sobretudo, alto grau de integridade para sabermos que o “inimigo” que combatemos lá fora é apenas reflexo das forças sombrias que reinam aqui dentro. Esses trânsitos demandam que canalizemos a força, a raiva e a energia intensa em trabalhos construtivos onde possamos jogar toda essa energia beligerante – trabalho árduo e focado em algo que favoreça ao todo. De maneira mais prática, o dia está carregado de muita tensão e animosidade e convém termos muita cautela em todas as interações, mesmo no trânsito, com estranhos, por exemplo; convém evitarmos também nos colocarmos em situações de risco desnecessário, como ficar altas horas em regiões que não conhecemos ou empreender atividades perigosas que não se domina – grande propensão a acidentes. A Lua fica Balsâmica na conjunção a Plutão e nos convida a abrir mão da sede de domínio sobre o outro, priorizando o domínio sobre nós mesmos e nossas emoções e sentimentos intensos; a perceber nossas fraquezas morais, ao invés de simplesmente imputá-las a outros… destruir as estruturas de poder que escravizam o ser humano, em lugar de humanizá-lo… Somente a partir disso poderemos olhar para o futuro e prospectar um amanhã de mais justiça e ética… Do contrário, o futuro poderá ser bastante sombrio…

Reprodução – Desconheço o autor

QUINTA-FEIRA, 23 de fevereiro – De Capricórnio a Lua completa a quadratura a Júpiter em Libra, ficando vazia logo depois, à 00h25min, ingressando em Aquário somente às 14h18min, ficando isolada por muitas horas. Mercúrio está em sextil ao seu outro dispositor, Saturno e ainda em sextil a Urano e trígono a Júpiter. Marte segue marchando para juntar forças a Urano, contra Júpiter e Plutão. Mercúrio e Saturno hoje funcionam como dois mediadores importantes no clima de guerra atual e sugerem que devemos nos ater à verdade, mas sabendo que existem muitas verdades e nenhuma delas é absoluta. Mercúrio-Saturno também trazem alguma ponderação, bom senso e entram na briga entre Júpiter e Marte-Urano com o providencial “deixa disso, vamos conversar!”. Quando não não há bom senso, qualquer rasgo de equilíbrio e ponderação pode fazer algum milagre e é nisso que precisamos nos segurar e ancorar: buscar equilíbrio e sensatez para não espiralar nesse clima hostil que nos cerca… Ponderar nos nossos excessos, enfrentar nossa voracidade por poder, controle e domínio sobre os outros e sobre o ambiente… Aonde nos levará tudo isso? Certamente que já podemos intuir e olhar ao longe para saber que corremos o risco de ser soterrados sob os escombros da nossa própria arrogância, irracionalidade e insensatez e mais tarde não poderemos alegar que “não sabíamos” onde estávamos nos metendo… Será mesmo que os fins justificam os meios? Será que as perdas e danos serão mesmo compensados pelos ganhos? Haverá ganhos, porventura? Em terra de olho por olho, todos acabam por ficar cegos e cega está a razão quando enveredamos por este caminho. A tarde talvez o mau humor e o azedume arrefeçam um pouco porque conseguimos olhar a tudo com uma certa indiferença, a ponto de coisas que antes nos tiravam do sério agora já não nos interessam tanto. Podemos tirar essas horas de isolamento para acalmar os ânimos vertiginosos dos últimos dias, acalmar a mente e o coração e ter uma perspectiva mais fria e isenta de envolvimentos pessoais e subjetivos.

Zero1122 – Reprodução

SEXTA-FEIRA, 24 de fevereiro – Marte está ombro a ombro com Urano e em oposição, também próxima a Júpiter, enquanto se afasta da quadratura a Plutão. De Aquário a Lua se entende com Vênus em Áries e fecha a noite em harmonia com Marte-Urano, aspectos não exatos. A Lua Aquariana soma forças a Mercúrio – embora não faça aspecto a ele hoje – e vem nos ajudar a ter um pouco mais distanciamento nestes dias em que todos estão de cabeça quente, comprando brigas à toa. Hoje, ter esse distanciamento emocional pode salvar o dia, o humor, as relações e talvez até coisas maiores e mais importantes. Temos alguma clareza para olhar para o futuro e prever alguns desfechos das situações em que nos encontramos, de forma que podemos tomar as atitudes mais adequadas com clareza e objetividade, se conseguirmos manter os instintos e a irracionalidade sob controle, de modo a arrefecer um pouco os ânimos exaltados ao nosso redor. Se estivermos dispostos a nos observar de forma fria e objetiva, podemos entender porque nos incendiamos em certos momentos, o que ativa nossos gatilhos emocionais, a ponto de nos tirar do eixo e de nos tornar tão reativos e desequilibrados. Essa percepção pode nos levar a admitir muitas falhas, esse lado menos nobre e mais feral da nossa natureza, aceitando e iluminando-o, para humanizá-lo, a ponto de não nos amedrontar tanto. A despeito de tudo isso, o clima continua hostil no mundo exterior e segue desafiando nossa serenidade e autocontrole. Atenção total com os gatilhos!

Reprodução

SÁBADO, 25 de fevereiro – A Lua Balsâmica Aquariana se afina com Marte e Urano e depois também com Saturno, ficando fora de curso depois desta conversa, às 15h12min. Ingressa em Peixes às 21h25min e logo faz conjunção a Mercúrio, que ingressa neste signo um pouco antes, às 20h08min. Nesta semana intempestiva de contendas e discórdias inúmeras, tivemos e continuamos a ter a oportunidade de combater a insensatez, os ódios e a agressividade destrutiva dentro de nós – somente assim podemos combatê-los fora de nós, porque só conseguimos combater lá fora o que já vencemos aqui dentro. E hoje, mais uma vez, temos possibilidade de dialogar com esse nosso lado impetuoso, feroz e impulsivo de maneira desapegada, procurando entender suas motivações mais profundas. E, se por um lado podemos ser “animados” por tal ímpeto, por outro, podemos também ter efeito calmante sobre esta pequena besta selvagem, tentando conduzi-la e domá-la minimamente, argumentando com ela e mostrando que há outras maneiras menos selvagens de se buscar e se conquistar o que se quer. Temos uma pequena trégua que nos permite equilibrar a necessidade de autoafirmação que tem estado imperiosa, com a as obrigações e deveres – contra os quais temos nos rebelado recentemente – de maneira menos dramática e menos intensa, com um senso mais acurado de concepção e perspectiva. À noite o clima muda radicalmente e ficamos mais impressionáveis e sensíveis, agudamente mais sensíveis, talvez até tendo pressentimentos indefiníveis, que nos deixam um tanto desassossegados, querendo correr para as montanhas, intuindo o tsunami. Sim, há sensação de tsunami emocional prestes a acontecer e os alarmes, longe de nos deixar em pânico, devem apenas nos ajudar a nos preparar para deixar que as grandes águas levem tudo de que não precisamos mais, que nos banhem e nos purifiquem nossas empresas egoicas, para que elas beneficiem também a outros, para que sejam mais  inclusivas e amorosas; para que percebamos como são efêmeras e irreais as ilusões de poder terreno pelo qual brigamos e nos desgastamos tanto… É inútil, é fútil e já nem entendemos direito porque começamos a tal guerra… Se chegamos a tal ponto, que bom! Estamos prontos a abrir mão do controle e do poder… Se ainda insistimos… Vamos para mais um round de batidas de cabeça, até que uma hora tenhamos a prendido, mesmo a duras penas… Se a cabeça é dura, que aguente as pancadas!

Reprodução – Intervenção: Maria Eunice Sousa

DOMINGO, 26 de fevereiro – Temos a Lua Nova e Eclipse Total do Sol ocorrendo às 11h59min d manhã, a 08°12’ de Peixes – a Lua Nova ocorre em conjunção a Netuno e ao Nodo Sul. Como se não bastasse, Marte está em conjunção partil a Urano e em oposição quase exata a Júpiter. A Lua fecha a noite em sextil a Plutão. A Lua Nova e Eclipse solar ocorrem em conjunção próxima a Netuno e afastando-se de conjunção a Mercúrio (ampla) e estes são os únicos aspectos que Lua e Sol fazem. A Lua Nova Nova convida a lançar ou refazer nossas intenções para o novo ciclo, o ciclo de Peixes, da amorosidade, altruísmo e gentileza. Convida a finalizar processos, já que estamos no ultimo ciclo do ano astrológico, para que possamos iniciar o novo ano desobrigados e leves das pendências inacabadas e de eventuais esqueletos que não tenhamos enterrado devidamente. Por si só, a Lua Nova sugere um tempo de perdão e inclusão, de redenção e cura, da empatia que salva e humaniza, diminuindo as barreiras e os limites humanos. Seria uma Lua Nova gentil e benéfica, não fosse pela configuração em que seu regente tradicional, Júpiter, está emaranhado: como já sabemos, Júpiter está numa dança feroz com Urano e Plutão e justamente hoje, Marte tira o pino da granada que joga tudo pelos ares, ao fazer conjunção partil, exata, a Urano poucas horas depois da Lua Nova/Eclipse e fazer a oposição exata a Júpiter cerca de 24 horas depois da Lua Nova. Tudo isso nos diz que o domingo traz influências muito contraditórias, confusas e indistintas, que podem causar muita ansiedade, comportamentos irracionais, reações imprevisíveis e intensificar soberbamente os ânimos… Cuidado quem for cair na folia no sábado e domingo de Carnaval!! O domingo pede, pois, muita calma, reclusão, retiro, meditação e serenidade. É fundamental manter-se centrado, ficar na sua e não entrar nas ondas de medo e ansiedade que por acaso percebermos. Respirar, confiar, vibrar amor e paz, é o melhor que temos para o dia. O eclipse será visível em boa parte do Brasil, regiões sul, sudeste, parte do Centro-Oeste e parte do Nordeste, o que indica que essas regiões e seus habitantes serão, definitivamente, afetados! Texto sobre o eclipse ao longo da semana!

Uma semana de muita serenidade para você!

%d blogueiros gostam disto: