Arquivo da tag: Netuno

Lua Cheia em Gêmeos – Pare! Espere! Nem tudo é o que parece!

Reprodução

O ciclo iniciado na Lua Nova de Escorpião no dia 18 de novembro atinge seu pináculo na Lua Cheia em Gêmeos, neste domingo, três de dezembro às 13h47min no horário de Brasília e às 15h47min no horário de Lisboa. Então, um ciclo que começa muito reservado e misterioso, atinge seu pico de forma desbragada, espalhado para tudo quanto é lado, numa Lua Cheia agitada e cheia de acontecimentos! Como assim? Vamos por partes!

Reprodução

Primeiramente, o eixo Gêmeos-Sagitário é o eixo da informação e do conhecimento – Gêmeos coleta informações e Sagitário as distribui. Nesse sentido, é um eixo mental, sendo Gêmeos e a casa 3 correspondentes à mente inferior, funcional e prática e Sagitário e a casa 9 associadas à mente superior, mais abstrata, que busca a elevação. Assim, Gêmeos lida com os fatos e Sagitário busca entender o sentido mais elevado de tais fatos, emitindo um julgamento moral, buscando a verdade e o significado dos fatos. Gêmeos é o conhecimento, Sagitário, a sabedoria. Em termos específicos, Gêmeos é um signo de Ar, da mente e Sagitário é um signo de Fogo, do espírito. São signos que buscam a leveza, com Sagitário sendo famoso pelo otimismo e entusiasmo e Gêmeos tendo como uma de suas características, a grande oscilação de humor. Uma Lua Cheia ocorrendo nesse eixo vem chamar a atenção para esses assuntos: informações, fatos, conhecimento, significado, verdade.

Reprodução

A Lua Cheia ocorre a 11°40′ de Gêmeos, em quadratura quase exata – a apenas 10 minutos de distância – a Netuno, o Mestre das Ilusões. Num ciclo em que o confronto com a verdade, por mais sombria e aflitiva que seja, é um dos temas principais, junto com a necessidade de eliminar o que morreu, essa Lua Cheia vem nos desconcertar, confundir e iludir – olha, juro que até eu fiquei confusa sobre como interpretar isso! Além disso, no mapa levantado para Brasília temos o Ascendente em Peixes, o que enfatiza a qualidade da fantasia, e ainda Quíron conjunto ao Ascendente. Então, temos uma sensibilidade exacerbada, sonhos mirabolantes, visões incríveis, ideais muito elevados; mas os fatos e a realidade estão distorcidos, seja porque as informações que recebemos são enganosas ou porque nós mesmos as distorcemos; fazemos uma grande salada misturando realidade, fantasias, fatos sucedidos, acontecimentos imaginados e informações inverossímeis. Nesse contexto, como saber o que é verdade e o que é engano, engodo? Será que o que vemos é verdade ou uma miragem?

Pawel Kuczynski – Artista Polonês – Reprodução

Como se não bastasse essa quadratura a Netuno, Mercúrio, regente da Lua Cheia, está estacionário-retrógrado, no signo de seu detrimento – só volta ao movimento direto no dia 22 de dezembro! E também está na peculiar condição Fora dos Limites do Sol – extremista! Como já sabemos, períodos de Mercúrio retrógrado são períodos de revisão, de voltar atrás sobre nossos passos, no caminho já percorrido, para nos certificar de que estamos fazendo a coisa certa, para revisar as atitudes, pensamentos, convicções e decisões dos últimos meses. Portanto, tudo pára, tudo fica em standby, em espera, até que procedamos com essa REavaliação. Decisões e atitudes tomadas agora podem ser equivocadas e talvez, no futuro, tenhamos que voltar atrás e alterá-las – se é que isso será possível. Mercúrio implica não somente a Lua, sendo regente dela, mas vem questionar também os temas do Sol, já que este ciclo de retrogradação ocorre em Sagitário, signo pelo qual trafega o Sol atualmente. Mercúrio retrógrado em Sagitário sinaliza um tempo de revisar nossas crenças, nossas verdades, nossa relação com o divino, nossa espiritualidade, nossa ideia de justiça, nossos códigos morais, nossa expansão recente e nossos planos de crescimento futuro – e como os fatos influenciam em tudo isso? Mercúrio entra em retrogradação conjunto a Saturno, o Grande Capataz, o Auditor da Realidade, e em trígono a Urano, o Despertador, o que indica maior peso e severidade nas revisões que precisam ser feitas. Não, não é brincadeira, não! Pelo contrário, é a hora de o palhaço sair do picadeiro, ir para o vestiário e tirar sua pesada maquiagem, suas roupas espalhafatosas e encarar o espelho de cara limpa. Mas será que conseguimos mesmo tirar TODA a maquiagem e nos enxergar como realmente somos? E enxergar as armadilhas que nossa mente ilusória e o ego criam?

Lua Cheia em Gêmeos – Brasília, 03 de dezembro de 2017, 13h47min

A Lua Cheia também faz quincôncio ao regente do Sol Sagitariano, Júpiter, que por sinal também está em trígono – exato no dia da Lua Cheia – a Netuno. Marte, além de ainda estar em oposição a Urano, faz sesqui-quadratura a Netuno, aspecto também exato no mesmo dia. Como a Lua também está em sesqui-quadratura a Marte e em quadratura a Netuno, temos formado um Martelo, do qual Marte é o foco. Então, considerando que Netuno está ativado por todos os lados, Mercúrio está estacionário retrógrado e Marte está nessa situação periclitante, temos um cenário muito confuso, de informações contraditórias e talvez inverossímeis, excessos de “achismos”, carência de pareceres fidedignos que podem levar a julgamentos errôneos, que por sua vez, podem motivar ou propiciar ações precipitadas, impulsivas e inconsequentes, portanto, PARE! ESPERE! Não faça nada agora! Antes de qualquer coisa, pare, recue um pouco e respire fundo, uma, duas, três vezes pelo menos. Quando estamos caminhando no meio da neblina densa, num terreno desconhecido, o próximo passo pode nos fazer despencar no precipício, portanto, é necessário proceder com cuidado. Perceba as incertezas e aceite-as, não tente negá-las. De preferência dê tempo para as ideias se assentarem e serem assimiladas e aguarde as cenas dos próximos capítulos – você pode se surpreender com o desdobramento das situações!

Antonio Mora – Reprodução

Não é a melhor hora para a ação, é hora de análises cuidadosas e pacientes! Por que? Porque esta é uma Lua Cheia propensa a ações tresloucadas, confusas, caóticas, impulsivas, das quais podemos nos arrepender muito depois, simplesmente porque não estamos vendo o quadro completo, não temos acesso a todas as informações necessárias para tomar decisões com clareza e lucidez e se agirmos no calor do momento, ou com leviandade ou ainda motivados por informações recebidas de última hora, descobriremos mais tarde que a história tem muitas versões e camadas, e que os fatos são muito diferentes do que pareciam a princípio. Ou, podemos estar tão identificados com certas “verdades”, que nos recusamos a ver que não passam de miragens e fanatismos.

Reprodução

Em termos mundanos, há propensão a muitas notícias sensacionalistas, a reputações manchadas por “fatos” plantados ou mal investigados, a informações distorcidas de propósito para atender a interesses escusos, como também informações errôneas que são passadas adiante por preguiça de se checar a veracidade e as fontes. Vale ter muita cautela nos próximos dias nas redes sociais, porque nem tudo é o que parece à primeira vista e um mesmo escândalo pode ter muitos altos e baixos e reviravoltas antes que se conclua o que realmente aconteceu e, mesmo assim, não há segurança de que a verdade chegue a ser conhecida algum dia.

Reprodução

O Símbolo Sabiano para o grau 12° (11°40’) de Gêmeos traz uma imagem, que a princípio pode parecer contraditória com o que foi dito acima: “Uma garota negra luta pela sua independência na cidade”. Dane Rudhyar (1) nos diz, analisando este símbolo, que seu tom principal é a necessidade de nos liberarmos dos fantasmas do passado. Não importa as mudanças que fazemos na vida, ainda precisamos lidar com as memórias, os “fantasmas” da vida que vivemos antes e até mesmo os fantasmas culturais, as memórias do coletivo, nossa ancestralidade, no que ela tem de melhor e de pior. Linda Hill, outra estudiosa dos Símbolos Sabianos, coloca o símbolo de forma mais específica: “Uma garota negra e escrava exige seus diretos à sua senhora” (2).

Reprodução

Rudhyar lembra que no símbolo anterior de Gêmeos, para o grau 11, a imagem é: “a abertura de novas terras oferece aos pioneiros novas oportunidades de experiências”. E ele segue analisando o símbolo do grau 12 como sequência do anterior, que é o correto: “Todo novo começo está rodeado de fantasmas (ou carma pessoal e social). A luta racial pela igualdade de oportunidades deve prosseguir, mesmo que essa igualdade seja oficialmente garantida pela Lei. A luta é interna e assume muitas formas. Os puritanos trouxeram ao teoricamente ‘Novo Mundo’ os medos, o fanatismo e a agressividade de sua existência europeia, e estes geralmente se tornaram mais virulentos sob as condições encontradas no Novo Mundo. Mas nenhum campo de atividade é sempre ‘virgem’. Tem seus habitantes, e eles se apegam às suas posses ou privilégios. Quem quer ser verdadeiramente um indivíduo deve ser libertado do passado. Aqui, nesta segunda etapa, temos o tipo de símbolo de contraste usual. As novas terras são abertas, mas estão cheias de vidas, e a mente do pioneiro está cheia de fantasmas, preconcepções e preconceitos ou expectativas. O que é necessário é uma LIQUIDAÇÃO total do passado; mentes virgens para campos virgens”.

Johnson Tsang – Reprodução

O símbolo nos sugere, portanto, que nos conscientizemos das prisões mentais, preconceitos, visões e ilusões que ainda nos limitam e das quais é necessário nos libertarmos. Não é possível um recomeço, um novo início, enquanto não deixamos para trás os ranços, os preconceitos, os fantasmas. E aqui encontramos, finalmente, a ligação com a Lua Nova ocorrida em Escorpião e que falava da necessidade de eliminações: a eliminação mais importante que precisa ser feita neste ciclo atual é a dos preconceitos, dos fanatismos, da mentalidade medíocre, tacanha e intolerante. Mas, às vezes, estamos tão identificados com nossas “nobres opiniões”, que não nos damos conta de quão mortas, obsoletas e cruéis elas podem ser.

É interessante termos uma Lua Cheia ocorrendo no grau que traz este símbolo, precedida por período em que pipocaram notícias sobre negros vendidos como escravos na Líbia, como se não bastasse a chaga que continua sendo o racismo, tanto no Brasil, como mundo afora! Lembrando como o símbolo é colocado por Linda Hill, sobre uma menina negra escrava, o fato de esta garota ter “uma senhora” – que dá a ideia de ela ser posse de alguém – já seria absurdo o bastante, mas mais absurdo ainda é pensar que tal coisa continue a acontecer nos dias de hoje. Primeiro, de forma “escondida”, como nos incontáveis casos de pessoas trabalhando em regime de escravidão no Brasil e no mundo, seja em fazendas, seja nas indústrias têxteis ou outras indústrias e também no caso do tráfico de pessoas para exploração sexual. Isso, infelizmente, não é novidade, mas era feito às escondidas, o que sugere que ainda havia  um temor da lei e da justiça. Mas nos últimos anos, além disso, temos de volta essa prática do aprisionamento e venda de negros, de forma escancarada, como algo “comum”, à vista do mundo, sem disfarces e pior, sem medo de punição! Embora a prática já aconteça há anos, agora chega aos meios de comunicação de forma mais massiva.

Steven Kenny – Reprodução

Eu não tenho a pretensão de me aprofundar sobre as motivações e causas psicológicas, filosóficas, morais, sociológicas, econômicas, políticas ou quaisquer outras para a escravidão, seja de negros, mulheres, brancos – não vamos esquecer que na Grécia, o berço da civilização ocidental, a prática da escravidão era comum e considerada natural e necessária, assim como na maioria das civilizações do mundo antigo e se aplicava não somente a negros, mas a outros indivíduos que se tornasses prisioneiros de guerra, ou que não conseguissem pagar suas dívidas, entre outras causas. Contudo, essas notícias brutais sobre um retorno da pratica do escravismo na África, no Brasil ou em qualquer parte do mundo nos alerta para não nos iludirmos e não sermos tolos a respeito do aparente “progresso” da humanidade. Ao mesmo tempo em que evoluímos muito em termos tecnológicos e científicos, e que temos acesso ao conhecimento como nunca antes na história, por outro lado, não estamos livres de repetir erros do passado, especialmente se formos arrogantes e julgarmos as gerações anteriores como “primitivas”.

Reprodução

A Terra e a humanidade vivenciam muitos ciclos e nós vivemos num ciclo em que nunca se teve tanto conhecimento sobre as atrocidades cometidas por humanos contra humanos e contra a natureza e aqui há duas contradições: pode-se pensar que no ponto de “civilidade” e entendimento intelectual a que chegamos estaríamos livres de tais comportamentos vis e cruéis – o idealismo Sagitariano esquece da sombra humana. Contudo, sabemos que muitas das injustiças atuais são consequência direta das políticas econômicas das sociedades ditas mais “desenvolvidas” e, como acontece neste caso específico, como consequência direta das guerras que se desenrolam há anos, décadas, no Oriente Médio e na própria África, fomentadas pelos mesmos países “civilizados” e de “primeiro mundo”, que só buscam enriquecer cada vez mais e que hipocritamente se dizem chocados com as notícias sobre a venda e leilões de negros na Líbia. Por outro lado, argumenta-se que não é que haja um aumento de tais atrocidades. O que há é um aumento de sua divulgação, exatamente devido ao acesso à informação em tempo real que temos hoje. Então, não é que estejamos “piores”. É que hoje temos mais consciência do nosso “pior” e isso, certamente, é bom, porque embora ainda haja um número imenso de indivíduos que se beneficiam de tais práticas, há um número igualmente grande de pessoas que as refutam e se indignam contra elas – não, já não é tão “natural”.

Lynne Hope – Reprodução

Portanto, este símbolo, em sua interpretação metafórica nos alerta para ficarmos atentos quanto às identificações com o passado, com opiniões, preconceitos, ou mesmo convicções que podem ter sido válidas antes, mas que hoje já não fazem sentido e podem até comprometer a “nova vida” que queremos criar. Entretanto, infelizmente, este símbolo também ainda tem uma interpretação literal, especialmente diante de tais notícias como as mencionadas acima. Quando toda a experiência que a humanidade acumulou ao longo dos séculos deveria nos levar a aprender com nossos erros, estamos, na verdade, repetindo-os – embora haja também indivíduos mais conscientes. Então, mais do que nunca é preciso nos conscientizarmos das ilusões que criamos acerca de nós mesmos, do quanto nos percebemos como “moralmente corretos e justos”, quando, na verdade, talvez ainda carreguemos e cultivemos muitos preconceitos, intolerâncias, fanatismos, discriminação, mesmo inadvertidamente, e esse tipo de crença, de que há pessoas, raças/credos/nacionalidades/sexo/gênero/classes melhores ou piores do que outros contribuem, de forma direta, prática, abstrata e energética para que atrocidades como essas continuem a acontecer no mundo. O resultado? A violência que continua a grassar contra negros, mulheres, índios, LGBTs,pobres, estrangeiros, migrantes e imigrantes e minorias em geral. Então, vale nos questionarmos sobre as cortinas de fumaça que criamos para nós mesmos e para os outros da nossa convivência, o manto de “civilidade e sofisticação” que disfarça e encobre o ser ainda primitivo, que ainda se crê superior, melhor, mais evoluído e que ajuda a perpetuar a exploração cruel, direta ou indireta de outros seres.

Dreamstime.com – Reprodução

Netuno está aí e sugere que podemos escolher continuar na feliz ilusão da nossa grande “evolução espiritual”, ou podemos escolher tirar a máscara ou a pesada maquiagem do palhaço feliz e histriônico e enfrentarmos nossa realidade humana, buscando nos redimir a partir, não só da conscientização social, não só pela luta coletiva para que tais injustiças e atrocidades sejam combatidas energicamente – e aqui falo de todo tipo de discriminação e violência contra negros, mulheres e todas as minorias – mas também a partir da consciência e mudança individual, através do trabalho espiritual interior, individual e solitário, porque o monstro maior, coletivo, é formado e alimentado pela soma das sombras individuais que não foram reconhecidas e integradas. Assim, o trabalho é social e coletivo, mas é também individual. Do contrário, continuamos na hipocrisia de esbravejar indignadamente contra as injustiças nos palanques do mundo, enquanto nossa prática pessoal continua espúria, desonesta, injusta e imoral.

Em termos práticos: 1 – como dito acima, recomenda-se cautela nos próximos dias acerca da emissão, recepção e processamento de informações e dados, da coleta e julgamento de fatos e das decisões que se precisar tomar, devido à qualidade nebulosa, enganosa, confusa, ambígua, indefinida, atarantada e caótica dessa Lua Cheia. Em caso de dúvida, o melhor é esperar até que haja mais clareza. 2 – Considerando-se que Sagitário está relacionado às grandes viagens e às longas distâncias, e Mercúrio aos deslocamentos em geral, há maior propensão a atrasos e imprevistos nas viagens durante este período. 3 – Como Netuno dissolve as barreiras e limites, também é aconselhável evitar o consumo de álcool e outras substâncias alteradoras da consciência. 4 – Num tom mais positivo, se a imaginação está rica e fértil, a fantasia super estimulada, pode não ser bom para se lidar com a realidade, mas pode ser ótimo para expressar a criatividade através dos vários veículos artísticos que estiverem à disposição, particularmente, a escrita e a música! 5 – De modo geral, é um bom período para revisão das nossas ideias, opiniões e conceitos, especialmente antes de partirmos para qualquer tipo de discussão ou conversa com o outro. Há excesso de ideias e elas também estão confusas, portanto, pode ser uma boa pedida silenciar e meditar bastante antes de recorrer às palavras.

Indivíduos que tenham planetas ou ângulos entre os graus 6 e 17 dos signos mutáveis (Gêmeos, Virgem, Sagitário e Peixes) podem sentir mais fortemente essa lunação e precisam ser mais prudentes nos próximos dias.

Uma ótima Lua Cheia para você!

Sobre as notícias da venda de escravos na Líbia:

https://brasil.elpais.com/brasil/2017/11/22/internacional/1511352092_226137.html

https://noticias.uol.com.br/internacional/ultimas-noticias/2017/11/25/africanos-sao-torturados-e-vendidos-na-libia-o.htm

http://www1.folha.uol.com.br/colunas/nelsondesa/2017/11/1936679-em-video-na-cnn-leilao-vende-jovens-negros-na-libia-por-r-1300.shtml

https://g1.globo.com/mundo/noticia/onu-deve-discutir-medidas-mais-duras-leiloes-de-escravos-na-libia.ghtml

E no Brasil também tem, a céu aberto:

https://blogdosakamoto.blogosfera.uol.com.br/2017/12/02/nao-e-so-na-libia-brasil-tambem-vende-escravos-a-ceu-aberto/

 

(1) Dane Rudhyar – an Astrological Mandala

(2) Linda Hill – 360 degrees of Wisdom

Reprodução

 

A Semana Astrológica – É de batalhas que se vive a vida

Reprodução

Semana de 2 a 8 de outubro – Frutificação ou desafios nas relações, frutificação e desafios na vida!

É semana de Lua Cheia, em Áries, o signo do indivíduo, da saga do herói, da busca por autonomia, do enfrentamento das batalhas da vida, que muitas vezes, são bem solitárias, especialmente a batalha da individuação, que ninguém pode lutar por nós! Mas a Lua Cheia é o contraponto ao signo do Sol, no caso, Libra… Portanto, essa é uma semana de peso para nossas relações, principalmente porque Vênus, regente de Libra está em conjunção a Marte, regente de Áries! Eita!!! As relações pegam fogo – positiva ou negativamente! A culminação do ciclo iniciado em Virgem, no dia 20 de setembro – a necessidade de sermos úteis, de criarmos ordem no meio do caos, agora frutifica e o indivíduo age em cima desses ideais. Portanto, as promessas do ciclo agora se manifestam e dão frutos, e dão frutos a partir das relações, de como somos e como agimos dentro delas!

Reprodução

Além da Lua Cheia, temos outros movimentos interessantes ocorrendo por esses dias: O Sol faz quincôncio a Netuno, indicando períodos de dúvidas a respeito de nossos ideais de civilidade, utopias difíceis de se realizarem e de serem conciliadas com a realidade presente, mas também nos fala que é em tempos mais sombrios que mais precisamos sonhar e esperançar.

Reprodução

Temos novas e velhas informações sendo “descobertas”, saídas da escuridão para a luminosidade, modificando opiniões e conceitos, causando tumulto e espanto; notícias sobre assuntos tabus, temas que apaixonam as pessoas e as fazem se digladiar por essas paixões mentais e talvez obtusas; o conceito de beleza, estética, arte, sendo discutido e debatido apaixonadamente, às vezes, de forma bastante incoerente e com muita intolerância pela opinião de outros. Tudo isso simbolizado por Mercúrio Libra em desarmonia com Netuno e querela feia com Plutão. Mercúrio também faz conjunção ao Sol e fica Cazimi no domingo. Essa conjunção superior de Mercúrio ao Sol sinaliza o início da fase Epimeteu de Mercúrio, a hora de colher resultados das últimas alterações propiciadas pelas reflexões da fase de retrogradação recente, ocorrida entre Virgem e Leão, entre agosto e início de setembro.

Reprodução

E como já dito, os dois regentes da lunação (eixo Áries-Libra – Marte-Vênus) sinalizam um período importante nos relacionamentos: o coração está inflamado e é tempo de avaliações e transformações nos nossos valores fundamentais, estéticos, pessoais, relacionais, assim como transformação na vontade e nas atitudes. Vênus faz trígono a Plutão e pede que transformemos nossos valores e a visão que temos de nós mesmos, a forma de expressar nossos afetos e, consequentemente, que transformemos a maneira de viver as relações, transformações que podem ser feitas harmoniosamente. Vênus também quadra Saturno e aqui já não há harmonia: situações de dor nos obrigam a lidar com nossas inseguranças, sentimentos de rejeição, abandono e solidão e também com nossos mecanismos de defesa, que afastam a outros, justamente aqueles que gostaríamos de atrair. É momento de verificar nossa falsa modéstia, nossa timidez e reserva que nos protegem daquilo pelo que tanto ansiamos. É tempo de confrontar o medo do ridículo, a constrição do conhecido, pelo pulo no escuro, o risco de abrir mão das certezas, de se sentir vulnerável, mas aberto ao crescimento. Vênus ainda fica alguns dias conjunta a Marte, seu amante arquetípico… Ao mesmo tempo que isso sinaliza um período de novas e estimulantes atrações – possivelmente o início de novas relações – tais atrações/relações são contidas, pois a conjunção ocorre em Virgem, um signo discreto e modesto e ainda em quadratura a Saturno – sabemos que nem tudo são flores e perfumes, que há limites que devem ser superados com maturidade para que a relação frutifique. Também há muita propensão a irritações e altercações nas relações, porque estamos divididos entre o impulso por nos render ao outro e nos entregar à relação e o impulso igualmente forte por independência e autonomia e se não temos ciência dessa ambivalência interna podemos criar atritos no relacionamento como forma de nos afirmarmos e nos sentirmos mais livres.  Positivamente, o aspecto a Saturno indica capacidade para o realismo, tendência a entrarmos nas histórias com o pé no chão, sem expectativas ilusórias.

Reprodução

E ainda, dos movimentos e ciclos maiores, temos Urano em semi-quadratura (ângulo de 45 graus) a Netuno, o segundo aspecto (tivemos o semi-sextil, ângulo de 30 graus, em 2010) de um ciclo de 172 anos, que começou em 1993, em Capricórnio. Esta conjunção durou muitos anos, entre 1988 e 1995 – e teve a adição de Saturno entre 92 e 93 – embora só tenha ficado exata em 1993. Esses foram os anos em que o mundo mudou radicalmente: muros e países foram dissolvidos, sonhos foram fragmentados, assim como outras utopias foram sonhadas. A conjunção fala, basicamente da “idealização da mudança intelectual” (1). Agora olhamos para trás e algumas dessas utopias começam a ser questionadas. O que sonhamos lá atrás está se realizando ou se fragmentando? Faz algum sentido ou será que estamos vivendo um momento de desilusão? Será que a clareza e a racionalidade (Urano) começam a desafiar aquelas utopias sonhadas (Urano-Netuno) e agora percebemos que talvez tenhamos nos enganado, simplesmente porque ignoramos o potencial humano para a corrupção dos ideais maiores em favor do imediatismo e do favorecimento pessoal, em favor do amor ao poder? Ou talvez tenhamos ignorado que a vida é cíclica e independe da pequena vontade humana… O certo é que há uma sensação de espanto generalizada, e nos perguntamos como viemos parar aqui, o que deu errado naqueles planos tão belos… Mas sabemos que o que vemos hoje é a manifestação de uma tragédia anunciada, que vem sendo profetizada há muito por pensadores, místicos, cientistas e, mais recentemente, por qualquer pessoa minimamente informada e com algum miolo entre as orelhas. O resultado disso? O tempo dirá…

Eduardo Cambuí Figueiredo Júnior – Reprodução

E esta também é a última semana de Júpiter em Libra,  um trânsito que termina de forma estrepitosa, com Júpiter se opondo a Urano e em quincôncio a Netuno (semana passada), indicando um período em que nossa fé e crenças são colocadas em questionamento profundo, assim como a confiança nas leis e nosso otimismo em geral. Júpiter em Libra tinha promessas de maior equilíbrio, de mais justiça e bem estar social, mas não foi bem isso que vimos… Ocorre que esse trânsito a Urano, que ficou ativo durante quase todo o período de Júpiter em Libra, modifica tudo de maneiras imprevisíveis, então as coisas tendem a sair ao contrário das nossas expectativas… Daí vimos leis estapafúrdias, verdadeiros retrocessos, sendo aprovadas, como a votação de uma lei que aprova o ensino religioso nas escolas – detalhe: ensino religioso específico! Quem vai decidir QUAL religião será ensinada? Cadê a laicidade do estado? Por aí você já vê que nem todo trânsito de Júpiter é necessariamente “benéfico”. Na verdade, ao invés de representar um avanço, isso representa um retrocesso enorme, que ainda não temos condições de mensurar. Muitas dessas mudanças podem ser arbitrárias e ser impostas “goela abaixo” na maioria. Urano, o planeta libertário, pode simbolizar regimes tirânicos que impõem a sua visão como a única possível! Considerando-se que Júpiter também esteve em quincôncio a Quíron, há muitas dúvidas sobre decisões passadas no que tange à esfera espiritual e isso gera tensões e novas decisões que podem ser “capengas” e representar uma falha grave na educação e na condução dos assuntos espirituais no futuro. Júpiter ingressa em Escorpião no dia 10 de outubro.

Reprodução

A Lua abriu a semana na fase Crescente, em Aquário. Entrou na fase Corcunda ainda em Aquário. Infla-se ainda mais em Peixes e por fim, fica plena em Áries, na Lua Cheia de Áries, na quinta-feira. Finda a semana já em Gêmeos, prestes a entrar na fase Disseminadora. Faz aspectos e trava conversas e com todos os demais corpos celestes, conversas que ora são tensas, ora são fluidas, simbolizando as mudanças de humores aqui na Terra.

Reprodução

SEGUNDA-FEIRA, 2 de outubro – A Lua abriu o dia em Aquário e fez sesqui-quadratura ao Sol, entrando na fase Corcunda. Fez ainda sextil a Urano e trígono a Júpiter, ficando vazia depois deste aspecto, às 08h14min. Ingressou em Peixes às 11h27min, de onde se desentende com Mercúrio. Marte começa a se afastar do trígono a Plutão, mas o aspecto ainda se faz sentir por alguns dias. Vênus fará o mesmo aspecto a Plutão amanhã. Depois de uma manhã sem muita objetividade – o que prejudica o andamento da segundona – entramos pela tarde muito sensíveis, meio tristes e melancólicos. Um humor que se altera devido às nuances pesarosas do dia – quantas notícias trágicas, terríveis! – e captamos dores e tristezas que nem são nossos, mas que se misturam aos nossos próprios problemas e nos fazem tentar evadir-nos, sem muito sucesso – afinal, é dia “útil” e precisamos “render”. A noite traz incongruências que adicionam irritação à melancolia, deixando-nos um pouco mais sorumbáticos e macambúzios. Uma sopinha leve, música calma, meditação, ou simplesmente ficar na sua pode ajudar a filtrar e a digerir todas essas emoções e sentimentos incontidos, derramados na atmosfera, embora invisíveis. A oração, seja qual for o seu deus, pode acalmar e permitir uma conexão profunda consigo mesmo e com a divindade, uma percepção da nossa pequenez diante da vastidão do mistério da vida, algo que pode ajudar a serenar a alma. Orar por aqueles que sofrem e que lhe tocaram a alma também pode ajudar a elevar a vibração nesse planeta que anda tão devastado de dor e medo.

Roberto Ferri, artista italiano – Reprodução

TERÇA-FEIRA, 3 de outubro – Vênus está em trígono pleno a Plutão. Em Peixes a Lua faz quincôncio ao Sol Libriano, conjunção a Netuno, oposição a Vênus-Marte e quadratura (não exata) a Saturno, tornando este foco de uma T-Square mutável na virada de terça para quarta. Dias de intensidade emocional, em que os desejos são viscerais e comandam forte impulso de realização – mas a alma pergunta: realizar o quê, nesse caos emocional, individual e coletivo em que estamos? Dias em que experimentamos mais de perto o poder do inconsciente, mostrando-se no impulso por mais vivacidade, mais paixão e entrega à vida e àquilo com que estamos envolvidos – temos preguiça de “pegar leve”, porque ou agarramos as coisas de corpo e alma, ou nem mesmo as notamos. Há impulso também por mais controle e muitos poderão tirar proveito disso, manipulando as aspirações ingênuas e românticas de outros – inclusive da massa, carente de mitos e gurus. Para quem vem de períodos de desânimo, essa nova força é bem vinda e até nos prepara para os próximos embates – daqui a pouco Marte e Vênus confrontarão a Saturno – mas também podemos exagerar na dose ou na aplicação, talvez até como forma de compensação. Pode ser um bom momento para cavarmos dentro de nós em busca de auto sustentação, de transformar os processos internos, para que a realidade externa também se modifique e seja mais condizente com nossas aspirações; de salvar-nos a nós mesmos, em lugar de esperar que outros o façam, o que muitas vezes nos expõe à má fé alheia; de transformar nossos valores e, a partir deles, também transformar nossas atitudes no mundo: queremos mais amor e paz? Sejamos mais amor e paz, ao invés de reverberar a incompreensão, a crítica, a hostilidade, o julgamento leviano; queremos mais entendimento e compaixão? Sejamos isso para o outro, antes de revidar precipitadamente; queremos mais apoio e conciliação? Sejamos apoio, busquemos nós mesmos a conciliação. São horas também de prover por nós mesmos, a segurança, a força, a admiração e o respaldo de que tanto precisamos, sem esperar que circunstâncias ou outros forneçam isso para nós. Estando Vênus e Marte conjuntos, em aspecto a Plutão, temos também a chance de transformar nossas relações, de perceber seus altos e baixos, as dinâmicas de poder e controle, a fluidez – ou bloqueio – no afeto, o medo da entrega, o medo da vulnerabilidade, o medo de perder; as contradições internas entre entregar-se ou afirmar-se para preservar a própria vontade. E, ao olhar para tudo isso, podemos lidar com tais medos sem crises, apreendendo maneiras sutis de provocar as mudanças necessárias. O mundo se transformará quando um número suficiente de indivíduos tiver se transformado – é de dentro para fora, não é de fora para dentro! Daí o nosso compromisso e responsabilidade em visionar com clareza o mundo em que queremos viver e agir a partir dessa visão, até atingirmos massa crítica. A Lua em Peixes, conjunta a Netuno e depois oposta a Vênus-Marte colore o dia de muita sensibilidade e suscetibilidades – também há muitas irritações nascidas das contradições internas, da oscilação entre lutar ou fugir, conquistar ou desistir, obstinar ou ceder. Ideal mesmo é fazer uma salada dessas contradições e perceber que elas juntas, apesar de não facilitarem, agregam mais sabor e cor à vida! Só acessamos nossa verdadeira força, quando encaramos nossa fragilidade!

Amanda Cass – Reprodução

QUARTA-FEIRA, 4 de outubro – O Sol está em quincôncio a Netuno. A Lua Pisciana faz quadratura a Saturno, que é foco de uma T-Square mutável, já que logo receberá as quadraturas de Vênus e Marte. A Lua fica vazia depois deste aspecto, às 04h21min e ainda faz conjunção a Quíron e quincôncio a Júpiter. Ingressa em Áries somente às 17h40min, portanto, temos o dia todo de Lua fora de curso. Oscilações e dúvidas sobre nós mesmos, nossos objetivos e capacidades, intercalados com arroubos de idealismos, utopias de mundos perfeitos e justos… Se apenas nós… Conjecturas que se provam infrutíferas diante dos cenários “reais” diante de nós. Mas, independentemente da nossa dificuldade em conciliar a utopia com a realidade, é necessário insistir em sonhar, em não se prostrar paralisado pelo caos, pelo terror no mundo. Temos um dia inteiro para meditar e contemplar sobre o terror real que vivemos, nascido, muitas vezes, do fundamentalismo, do pensamento tacanho, da imposição da visão de um sobre os demais. E meditando sobre esse terror e suas implicações, percebemos que mais do que nunca é necessário sonhar, esperançar, dar pequenos passos na direção de alguma mudança que, com sorte, crescerá lá na frente. Em termos práticos, é dia para atividades discretas, para cuidar da subjetividade, para deixar as atividades objetivas em repouso ou, pelo menos, para não esperar muito delas e fluir com a maré. A Lua está vazia em Peixes e nós oscilamos com essas marés – se lutamos contra, nos afogamos, se fluímos, podemos descobrir novas baías, novas praias e belas paisagens! À noite recebemos uma descarga nova de energia que nos faz querer sair do casulo e realizar aquelas coisas para as quais não tivemos ânimo durante o dia. Mas vale ficar atentos a impulsividade e precipitações – não vamos salvar o mundo do dragão da maldade numa única noite!

Re
Reprodução

QUINTA-FEIRA, 5 de outubro – Vênus está em conjunção a Marte e o Sol segue em quincôncio a Netuno. Enquanto isso, a Lua Ariana faz oposição a Mercúrio e depois ao Sol, culminado o ciclo iniciado em Virgem na Lua Cheia de Áries, aos 12°42’ deste signo. A Lua ainda faz quadratura a Plutão. É dia de crises, pequenas ou grandes, nos relacionamentos. Crises que podem levar a rupturas ou a um comprometimento mais intenso e verdadeiro. A Lua nos convida a nos afirmar com mais clareza e transparência dentro das nossas relações de todo tipo mas, principalmente, nas relações afetivas. Não é hora de ficar em cima do muro, de botar panos quentes em nada. É hora de se posicionar, de buscar autonomia; de equilibrar nossa necessidade de relacionamentos com uma imprescindível dose de independência, só assim as relações podem se manter saudavelmente. A simbiose, seja emocional ou social, leva à anulação individual, e sem indivíduo, quem está realmente vivendo a relação? Com quem estamos nos relacionando se o outro é apenas um carbono do que sou (ou se eu sou apenas carbono do outro)? A lunação se dá em quadratura a Plutão, que é foco de uma T-Square Cardinal, como já aconteceu tantas vezes desde que Plutão ingressou em Capricórnio em 2008. É necessário achar esse equilíbrio mencionado para que as relações sejam vividas de forma madura e para que sejam úteis à transformação social – é muito fácil ser feliz na bolha simbiótica, isolados do mundo, perdidos no olhar mútuo narcisístico, difícil mesmo é viver as relações enfrentando os desafios mundanos diários que ameaçam aniquilar a ordem e a própria existência humana. Por isso, o amor precisa ser transformador; as relações precisam nos transformar, nos levar a dar o melhor de nós mesmos, não só ao outro que é parceiro, mas à própria existência e à vida como um todo.

Reprodução

SEXTA-FEIRA, 6 de outubro – Mercúrio faz quincôncio a Netuno. A Lua Ariana faz quincôncios a Marte e a Vênus em Virgem, trígono a Saturno, conjunção a Urano e oposição a Júpiter, ficando vazia depois desta disputa, às 19h39min. Ingressa em Touro às 20h56min. O dia está assim, meio desconjuntado e desconjuntados estamos nós também, como alguém que tenta caber a todo custo numa roupa de número muito maior/menor do que o seu, ou, como diria Clarissa Pinkola Estés, como tentar ficar elegante numa roupa mal-feita – ou ainda, tentar ficar no salto que dilacera os pés. Sentimos como se tudo estivesse fora do lugar, nossos desejos e impulso realizador em contraste com as necessidades mais prementes, de modo que ficamos indo e vindo, sem decidir realmente que direção tomar. A mente está enevoada, seguindo palpites errôneos, embora fascinantes, o que nos deixa confusos sobre a qualidade e credibilidade dos pensamentos. Mas aqui, a sabedoria é observar essa mente sem se apegar aos pensamentos, sem lhes imputar valor ou expectativas, apenas observá-los, sem agir imediatamente em cima deles, deixar primeiro que se assentem para provarmos a que vieram… Alguns podem ser válidos e preciosos, outros podem ser completamente vãos. Divertir-se com as inúmeras e ensandecidas elucubrações mentais é o que de mais sábio podemos fazer. Quanto à sensação de desmantelo interna, convém olhar para isso com genuína curiosidade, para ver o que o desmantelo e desconforto vêm nos mostrar sobre nós mesmos e nossos problemas correntes; também não apegar-se a essas sensações, porque elas também vão passar, mas enquanto são vigentes, têm muito a nos ensinar. O ego, se for forte e saudável, terá capacidade para conter a irritação, de modo a não deixar que respingue sobre outros sob forma de criticismos mesquinhos e tóxicos, e perceberá a atitude certa a ser adotada, fortalecendo-se para, mais tarde, romper com o que tiver que se romper e manter o que deve ser mantido.

Reprodução

SÁBADO, 7 de outubro – Urano está em semi-quadratura a Netuno, aspecto exato hoje. De Touro a Lua faz sesqui-quadraturas a Marte e a Vênus em Virgem e também a Saturno em Sagitário, virando foco de um Martelo. A Lua faz ainda sextil a Netuno e quincôncios a Mercúrio e ao Sol e fecha a noite em harmonia com Plutão. Vênus, regente da Lua, está em quadratura a Saturno – exata amanhã. As dúvidas e perguntas que não conseguimos responder são jogadas hoje para o fundo do porão, porque queremos lidar com coisas reais e concretas, com aquilo que podemos tocar e ver e de preferência, que reafirmem nossas parcas certezas – quem quer saber de ideais quando eles estão estraçalhados e só nos causam desapontamentos? Mas o fato de escolhermos ignorar algo não significa que tal coisa deixe de existir – as dúvidas vão continuar lá, no fundo do coração, e irão pipocar mais tarde de formas disfarçadas, na ansiedade, na inquietação que não vai embora, no comer ou beber compulsivo para aplacar sedes ou inseguranças emocionais, na busca desenfreada por um prazer imediato que nos faça sentir que estamos vivos, vivinhos-da-silva, apesar do tédio e da sensação de anestesia – é exatamente para fugir da anestesia que mergulhamos nos sentidos, nos prazeres, para nos provarmos vivos e operantes, apesar dos pesares. E, de fato, é bom nos darmos ao luxo de usufruirmos dos prazeres simples de uma boa comida, um abraço apertado, um cheiro pungente, uma visão de beleza, para encantar nossos sentidos, para apreciar a graça efêmera da vida, desde que, paradoxalmente, não estejamos usando isso como forma de nos amortecer – novamente – contra aquilo de que temos que ter muita ciência e consciência, mais do que nunca. Podemos sim, nos reabastecer na beleza e no prazer, mas como forma de recarregar as baterias e as forças para os próximos embates, não como fuga da vida consciente. Em termos práticos o dia está bom para o descanso e os prazeres simples: uma boa mesa, um cochilo sossegado, um meditar tranquilo nas coisas básicas da vida que nos ajudem a entender nossos medos e inseguranças. As relações estão sujeitas a algumas dificuldades, armadas por sensação de inadequação, inseguranças, receios e dúvidas entre o que queremos e o que realmente precisamos. Não é um período favorável para DR’s e a compreensão e empatia deverá ser o prato principal do fim de semana, se for para contornarmos as crises que possivelmente surjam.

Reprodução

DOMINGO, 8 de outubro – Vênus está em quadratura plena a Saturno e Mercúrio está em conjunção Cazimi ao Sol em Libra, signo regido por Vênus. A Lua está em Touro – também regido por Vênus – e faz trígono a Plutão e a Marte-Vênus em Virgem, formando um Grande Trígono de Terra. A Lua fica vazia depois do trígono a Vênus, às 10h47min. Faz ainda sextil a Quíron e quincôncio a Júpiter, antes de entrar em Gêmeos, às 22h45min. É um domingo que pode ser muito melindroso e crítico ou muito propício ao auto-entendimento, depende de como lidamos com nossos sentimentos e de como reagimos aos acontecimentos ao nosso redor. Primeiro, estamos sujeitos ao auto-criticismo duro, a nos sentirmos inadequados e falhos, deixando a desejar em áreas que para nós são cruciais para termos um sentido de valor, de auto-respeito. Talvez relembramos erros do passado e isso nos deixa para baixo, meio insossos e com receio de olhar as cartas de que dispomos, porque já antevemos que são ruins, mesmo sem ter olhado para elas… Assim, duvidando do nosso próprio valor, duvidamos daqueles que se aproximam e já os descartamos ou mandamos embora, com receio de nós mesmos sermos descartados como inúteis e desnecessários. Assim criamos uma profecia auto-realizada e de fato acabamos por nos isolar e afastar pessoas as quais ansiamos por estar perto, mesmo que não admitamos. Contudo, temos a chance de refletir antes das reações automáticas e ponderar nas coisas com algum bom senso, vendo defeitos e qualidades sob uma lente mais prática e menos exagerada. E, em lugar de nos sentirmos como o pano de chão imprestável, podemos enumerar nossas boas qualidades, de modo a contrabalançar a autoestima minimamente. Temos bastante Terra, que nos ajuda a ser práticos e resilientes diante dos problemas, de modo a vê-los como desafios que podem ser superados com esforço e empenho sincero no auto-melhoramento. E da mesma forma como olhamos para nós e nossas falhas, podemos ter empatia para olhar para outros e suas dificuldades, dando uma palavra de incentivo e estímulo, ao invés de jogar terra sobre alguém que já está afundando. Nas relações é preciso cautela nos diálogos, na forma como nos exprimimos, nas escolhas que fazemos entre expressar ou não o que sentimos; entre revelar nosso afeto, a despeito do terror da rejeição ou guardá-lo para nós mesmos, pelos mesmos receios. É necessário compreensão, empatia e sobretudo, muito amor no coração para acolher o outro e a si mesmo, mesmo quando o outro (ou eu) parece não merecer – tem aquela frase, que nos tempos de internet é difícil saber o autor verdadeiro: “é preciso amar as pessoas quando elas menos merecem, porque talvez seja quando elas mais precisam”. A mente hoje se embebe dos propósitos conscientes de buscar novas parcerias, de ser ponte e mediar conflitos, ao invés de fomentá-los – é tempo de refletir se nossos pensamentos estão alinhados com os propósitos maiores do centro da nossa consciência. Se não estão, vamos alinhá-los!

Desejo a você uma ótima semana, de luz e proteção!

Aqui neste vídeo você vê o Horóscopo de outubro para todos os signos, em parceria com o Horóscopo Virtual:

(1) Astrid Fallon – Planetary Cycles at a Glance – Fallon Astro Graphics – UK

 

Lua Cheia em Peixes – Não afunde, flua!

Birth Chart Painting – Lua Cheia em Peixes – Reprodução

Um derramamento profuso de emoções e sentimentos, é o que simboliza a Lua Cheia em Peixes nesta quarta-feira, dia seis de setembro, às 04h03min no horário de Brasília – 08h03min para Lisboa. Por que todo esse aguaceiro? Porque, além de a Lua estar em Peixes, signo das Grandes Águas, que simbolizam o retorno à Unidade, a lunação se dá em conjunção muito próxima a Netuno, de cerca de um grau.

Virgem – Iconografia antiga – Reprodução

O Sol trafega atualmente o signo de Virgem, signo de ordem, controle, seleção, separação, apuro técnico, acuidade, análise. Virgem é regido por Mercúrio e é o mais racional dos signos de Terra. Já Peixes, é o signo do caos, e a Lua Cheia vem equilibrar a energia da ordem com um pouco de desordem. Em Peixes somos convidados a abraçar outras percepções além daqueles pertencentes ao mundo palpável, sólido, real. Em Peixes a imaginação alça voos mais altos e mais profundos, para dimensões que a mente racional não alcança e tem que ser deixada “desligada”, como mera expectadora, se for para aproveitarmos a experiência. Além da grande criatividade e imaginação – que premia as pessoas fortemente Piscianas com os dons artísticos, seja nas belas artes como na música – Peixes também traz presente os valores da compaixão, altruísmo, empatia, serviço, cura. É o último signo do Zodíaco, o ponto em que o ego se dissolve e volta para a Unidade, para o Todo, para que tudo volte ao estado do vir a ser. Assim, as lunações ocorrendo nesse par de signos, representam um período de ordenar e sintetizar nossa criatividade; de esmerar nossa técnica, burilar nossas habilidades, para que com elas, possamos explorar com eficiência a esfera da imaginação e para que possamos produzir algo de valor a partir desse caos aparente. É também o período de manifestar os valores da empatia e da compaixão, através de atitudes práticas diárias, do serviço ao próximo, do sermos úteis e desprendidos – claro, não é que devamos ter tais atitudes somente neste período, mas é quando nos conscientizamos mais claramente destes valores.

Elena Kalis – alice Under Water – Reprodução

E nesta Lua cheia tais valores e sentimentos estão mais extravasados, porque os diques se romperam, as comportas se abriram e as águas irrompem das profundezas da alma e do inconsciente. O principal aspecto que a Lua faz nesta lunação é a conjunção a Netuno, regente moderno de Peixes, o que aumenta e potencializa tudo o que já dissemos sobre este signo. Além disso, o único ponto em Ar é Júpiter, regente tradicional de Peixes. A sensibilidade está exacerbada e nos sentimos muito expostos, como se não tivéssemos pele psíquica, porque as fronteiras estão dissolvidas e guarda, baixa. E a objetividade está embotada, afogada.

Kindra Nicole – Reprodução

Sendo a Lua Cheia um tempo de iluminação das questões mais inconscientes, a conjunção a Netuno e a própria energia Pisciana vêm iluminar nossos anseios e desejos de fusão e redenção, o desejo de nos render e parar de lutar contra o ímpeto de consciência, contra o ímpeto de separação e individuação. Esta ênfase em Netuno – que também acabou de receber a oposição do Sol – e o fato de estar ser a primeira lunação pós eclipse, o apogeu do ciclo iniciado com o eclipse do dia 21, sugerem uma desistência, uma rendição: exaustos que estamos de todas as lutas recentes, desmoronamos e desistimos de “segurar a onda” e simplesmente nos permitimos sucumbir, mesmo que temporariamente, relaxando o controle e então, toda a tensão acumulada deságua, seja na forma de choro, de sono, de exaustão, de ingestão de álcool – esta não é a melhor das opções! E sim, por um lado, é um momento adequado para deixar a tensão desaguar, é um momento apropriado para limpar e purificar o coração e a alma de todos os ranços, cansaços; é um bom momento para abrir mão do controle e confiar no fluxo, mesmo que o rumo pareça completamente incerto e obscuro. Apenas fluir e confiar na correnteza, respirando, respirando e flutuando – como quando se cai num rio, se entrarmos na ansiedade e começarmos a nos debater nessas águas, afundamos feito pedra e nos afogamos! Do contrário, se respirarmos e mantivermos a calma, flutuamos e fluímos com a correnteza.

Lua Cheia em Peixes – Brasília, 6 de setembro, 04h03min

Além da conjunção a Netuno, a Lua Cheia se afasta de um quincôncio a Vênus em Leão – e claro, Vênus está em quincôncio a Netuno também – e se aproxima de sextil a Plutão em Capricórnio. Estando os dois “planetas” femininos envolvidos com Netuno, esse feminino se confunde com a imagem da Grande Mãe, aquela que dá a vida e ao mesmo tempo a devora; a mãe que é, ao mesmo tempo, mãe e amante do filho redentor e o desmembrará para que a redenção aconteça e ele possa ressuscitar – um tema básico de Peixes. Trazendo o mito para o presente, é necessário ficarmos atentos às identificações momentâneas com esse mito e a necessidade de atuar essa Grande Mãe Todo-Poderosa que asfixia o outro no seu abraço de amor mortífero; atenção também para as idealizações excessivas do outro, das relações e até de nós mesmos como parceiros dentro dessas relações. O sextil a Plutão talvez nos ajude a enxergar a verdade, mas é preciso estar de olhos abertos e talvez isso seja muito difícil nas próximas duas semanas, tempo em que essa lunação tem efeito.

Dreamstime – Reprodução

A ajuda pode vir mesmo é de Saturno em Sagitário, a quem a Lua faz uma quadratura aplicativa – ainda vai acontecer. Saturno é foco de uma T-Square Mutável, pois recebe as quadraturas (amplas) da Lua e do Sol. O Sol torna essa quadratura exata no dia 13 e a Lua, algumas horas depois de ser cheia. Saturno é o ponto de alerta e de realidade que pode nos segurar no meio do caos, que pode nos ajudar a manter os pés no chão, a árvore firme e de raízes profundas à qual se amarrar quando o tsunami vem. Podemos sim, abrir mão do controle momentaneamente, como sugerido por Lua-Sol-Netuno; podemos deixar a tensão desaguar, mas apenas para um descanso provisório, apenas para uma trégua, porque logo à frente, precisamos voltar ao nosso posto de observação e ação na realidade. Precisamos nos render e absorver as imagens oníricas e mágicas que surgem do inconsciente, mas depois precisamos fazer algo manifesto com elas; precisamos voltar a nos responsabilizar por nós mesmos e o que acontece à nossa volta. Não dá para ficar navegando a esmo indefinidamente! Por outro lado, esse aspecto a Saturno sugere que se nos deixarmos iludir pelas promessas vazias e fantasiosas de hoje, ali à frente podemos ter que lidar com uma realidade meio amarga e dura, portanto, mais uma vez, melhor ficar atentos às auto ilusões e auto enganos.

Magritte – Reprodução

Mercúrio, regente do Sol, está no grau 28° de Leão – grau do Eclipse total do Sol – e está estacionário-direto, voltando a se movimentar para a frente poucas horas depois da Lua Cheia. Mercúrio ganha ênfase pelo fato de estar estacionário-direto e pode ser de grande ajuda para trazer lucidez e clareza no meio da enxurrada, simbolizando ideias e presença de espírito, a melhor atitude no meio do caos. É mandatório estar centrados para termos essa “presença” de espírito, para sabermos quando falar e quando calar, quando agir e quando esperar.

Brooke Shaden Photography – reprodução

Júpiter, regente tradicional da Lua Cheia, como já dito, é o único ponto em Ar e isso também ressalta sua importância: achar o equilíbrio e a exata medida das coisas, algo que pode ser difícil a princípio, visto que Júpiter está em oposição a Urano, adicionando imprevisibilidade, atitudes erráticas e meio tresloucadas, oscilações no entusiasmo, que ora vai, ora vem. Para lidar com tais oscilações, precisamos nos conectar com a nossa alegria, aquela alegria serena, que não é euforia, mas o contentamento interior que nos ajuda a enfrentar as tempestades. Mais: Júpiter está no Ponto Médio entre Saturno e o Nodo Norte – Cabeça do Dragão – e, segundo Ebertin, isso sugere “apreço à solitude, alegria no isolamento, a experiência de alegria interior através do auto sacrifício pelos outros” – portanto, para que Júpiter possa nos ajudar, precisamos dar uma forcinha a ele, encontrando ilhas de calmaria, momentos de solitude, onde possamos nos conectar com essa alegria interior. De Netuno, regente moderno de Peixes, já falamos acima: está conjunto à Lua, potencializando as manifestações dessa lunação.

Reprodução

O Símbolo Sabiano para o grau 14 de Peixes (13°53’) traz a imagem de “Uma mulher enrolada numa grande estola de pele de raposa”. Dane Rudhyar nos diz que o tom básico deste símbolo é “o uso da inteligência e da sutileza mental como proteção contra as tempestades e provações”. Rudhyar nos lembra que a raposa é um animal inteligente e sutil no simbolismo e na mitologia, representando a “astúcia” e a capacidade de se adaptar a toda e qualquer situação de vida. “A vontade espiritual e a capacidade de enfrentar os testes são necessárias em qualquer situação crucial ou desafiadora que um indivíduo pode encontrar num grupo orientado para o poder. Mas a vontade, tipo espada, muitas vezes, tem que ser protegida, e a inteligência ou perspicácia podem ser a ajuda mais preciosa quando estamos em perigo. É um escudo pessoal (ou seja, “animal” ou instintivo), talvez até uma camuflagem. Ele esconde a vontade central, mas mantém o indivíduo protegido de dificuldades desnecessárias. O que vemos simbolizado aqui é um modo auto-protetor de encontrar as inclemências do clima, real ou psíquico, que abundam quando se leva uma vida consagrada a um Todo mais vasto; pois essa consagração suscita fortes inimizades. Riscos desnecessários são proibidos ao iniciado, pois a segurança da Irmandade pode estar em perigo. A necessidade de PROTEÇÃO é imperativa, e o glamour pode ser um escudo eficaz”. Este símbolo vem se realçar a importância de Mercúrio e Júpiter e, consequentemente, a necessidade de usarmos nossa inteligência e sutileza em tempos difíceis, quando seria mais fácil entrar em pânico e desespero. A vontade precisa ser firme e forte e a vontade vem de Marte, que está em Virgem, ou seja, precisamos nos ater ao que podemos fazer, efetivamente, em termos práticos, sem nos perder nos detalhes irrisórios. E, assim como Virgem, precisamos ser prudentes e nos esquivar de riscos desnecessários e a auto-contenção é fundamental – o que pode ser um risco desnecessário no seu contexto pessoal? Só você pode saber! Mas de modo geral, riscos desnecessários têm a ver com envolver-se em situações duvidosas, deixar-se levar por medos irreais, deixar-se levar por euforias igualmente enganosas, fragilizar-se em demasia em situações/lugares que lhe deixem exposto, ingestão de substâncias alteradoras da consciência – peixes e Netuno exacerbam seus efeitos!

Christian Schloe Digital Art – Reprodução

Em resumo, esta Lua Cheia traz um momento de alívio nas tensões, que nos permite entrar em contato com nossa vulnerabilidade, mas isso se dá com um aumento da sensibilidade e fragilidade psíquicas, portanto, é necessário achar o lugar e a situação seguros que ofereçam a adequada contenção para o desaguar das emoções. É momento de render-se, purificar-se e lavar-se nestas Grandes Águas, mas permanecendo atentos à realidade e ao que ela requer de nós, recorrendo à nossa inteligência, perspicácia e sutileza para navegar esse maremoto!

Desconheço o autor – reprodução

Nota: pessoas com planetas e ângulos entre os graus 8 e 18 dos signos Mutáveis (Gêmeos, Virgem, Sagitário e Peixes) sentem mais intensamente os efeitos desta lunação. De modo geral o dia traz propensão a tristeza, nostalgia, sensibilidade, anseios inexplicáveis, vontade de escapar, compaixão, desânimo e atmosfera de sonhos e irrealidade… Sensações que nublam a mente e a lucidez, portanto convém ter cautela nas ações.

Uma ótima Lua Cheia para você!

Birth Chart Painting – Lua Cheia em Peixes – Reprodução

Lua Cheia e Eclipse Lunar em Aquário – Liberte-se do Passado e Olhe para o Futuro!

Birth Chart Painting – Reprodução

A Lua Cheia que ocorre a 15°25’ de Aquário nesta segunda, dia sete de agosto, é também um Eclipse Parcial da Lua, eclipse que precede o Eclipse Total do Sol acontecendo no dia 21 de agosto. O eclipse se dá às 15h11min no horário de Brasília e às 18h11min no horário de Lisboa. A duração total do eclipse é de cinco horas (o penumbral dura cinco horas e o umbral, mais denso, dura 01h55min), e seus efeitos perduram por cinco meses. Este eclipse é o indivíduo 61 – de um total de 82 – da Série Saros 119, iniciada em 14 de outubro do ano de 935 e que termina em 25 de março de 2396. Esta série é antiga, dura um total de 1460 anos e está se encaminhando para o fim, tendo percorrido já três quartos da sua “vida”. Todos os eclipses desta série acontecem no Nodo Sul (1), apontando para precisão de nos conscientizarmos dos padrões emocionais do passado que ainda nos atrapalham na vida presente.

Reprodução

Eclipses são lunações super-potentes, porque ocorrem sempre na Lua Nova ou Lua cheia e intensificam, e muito, as energias e temas da lunação. Sinalizam o fim de um ciclo e o início de outro, trazendo muitos assuntos a um estado crítico que demanda resolução imediata, especialmente no caso dos eclipses lunares, que ocorrem na Lua Cheia, e que trazem a sensação de um momento crítico nas relações e assuntos que andavam se arrastando anteriormente. Para entender melhor o que são eclipses, leia este artigo.

Reprodução

Para “sentirmos” como será este eclipse de amanhã, analisemos primeiro o mapa natal da Série Saros 119, levantado para Brasília – a SS 119 nasceu, na verdade, no Polo Sul, mas levanta-se o mapa para a cidade em que se deseja perceber seu ‘impacto’. A série começa com o eclipse ocorrendo no eixo Áries-Libra, um eixo que fala de relacionamentos, com o Sol estando em queda em Libra e a Lua estando no briguento signo de Áries – aqui fala-se, de imediato, da necessidade de mediar as necessidades pessoais, a individualidade, com as necessidades e os quereres dos outros; busca de equilíbrio e necessidade de ser independente e ter autonomia, mesmo dentro das relações afetivas.

Série Saros Lunar 119 – 14 de outubro de 935, 15h25min (horário de Brasília).

O mapa traz muitas  configurações interessantes, algumas delas similares às que vemos “dançando” nos céus atuais: Saturno está em conjunção a Quíron no signo de Peixes (atualmente temos uma quadratura entre Saturno em Sagitário e Quíron em Peixes, que traz temas semelhantes); Júpiter está em Leão em quadratura a Urano em Touro e estes dois planetas ficam em oposição no eixo Áries-Libra até outubro – também é digno de nota que o eclipse desta segunda cai em oposição ao Júpiter e em trígono ao Mercúrio do mapa natal da série; Marte se afasta de conjunção a Plutão, mas está prestes a ficar retrógrado em Câncer, sua queda, além de estar Fora de Limites; e também há um Grande Trígono em Água, envolvendo Vênus em Escorpião – signo de seu detrimento – Saturno e Quíron em Peixes e Marte/Plutão em Câncer. Por tudo isso, podemos dizer que esta série tem como tema básico os relacionamentos, enfatizando o tema primordial de toda Lua Cheia.

Medusa – Reprodução

O feminino está bem zangado neste mapa, com ambos os seus significadores, Lua e Vênus, sendo regidos por Marte e o próprio Marte estando em Câncer – Lua e Marte estão em recepção mútua. Há uma sensação de raiva reprimida e de dor e sofrimento herdados dos ancestrais. O feminino foi violado, mutilado e está intoxicado de raiva e dor, como Medusa, precisando ser resgatado e liberado. Vênus, em Grande Trígono de Água com Saturno e Quíron em Peixes e ainda com Marte e Plutão, sugere a necessidade de se purgar, depurar essa fúria, esse ódio, além de purgar e curar toda a dor e sensação de limitações e fracassos nas relações; há muito pus a ser extraído e vai doer, mas é necessário fazer esse expurgo, do contrário a ferida só irá piorar e apodrecer; é necessário assumir nossas dores e queixas, reconhecê-las e deixa-las ir, abrir mão delas, em nome de um futuro mais leve; é necessário se transformar a forma de viver as relações, de sair das respostas e soluções fáceis do “preto ou branco”, para se perceber que no espectro das relações humanas cabem milhares e milhares, milhões, de nuances e tonalidades diferentes. Mercúrio está conjunto ao Nodo Norte, em Libra e sugere que tenhamos um mínimo de distanciamento racional de todo o drama aquático, se for para conseguirmos tirar proveito e aprendizados de todas as experiências dolorosas. Todos estes são temas que ficam salientados nas próximas duas semanas, particularmente para indivíduos com ângulos ou planetas entre os graus 10 e 20 dos signos fixos (Touro, Leão, Escorpião e Aquário).

Reprodução

Nos Pontos Médios Plutão faz quadratura ao PM entre a Lua e Saturno e oposição ao PM entre Sol e Saturno – é preciso quebrar as amarras, as limitações e inibições e também abrir mão do controle rígido, seja emocional ou racional; Ebertin (2) diz da “necessidade de depender apenas de si mesmo, de crescer e amadurecer usando a força e fazendo-se sozinho… Sofrimento orgânico e sentimentos de depressão… Separação da mãe ou da esposa”. O Nodo Norte faz quincôncio ao PM entre Marte e Saturno e Marte e Quíron – para crescermos e amadurecermos, teremos que enfrentar nossos medos e pavores, fraquezas e fracassos, vitimismos e desejos de salvação. E ainda: Lilith está conjunta ao PM entre Vênus e Júpiter, os dois benéficos – eu diria que, para podermos aproveitar o melhor da vida, suas alegrias e benesses maiores, precisamos lidar com nossa sombra e infernos pessoais, nossas dubiedades e selvageria. Como diz Jung, “qualquer árvore que queira tocar os céus, precisa ter raízes tão profundas a ponto de alcançar os infernos”. Esse é o recado de Lilith na SS 119.

Em resumo, esta série fala de um Ponto de Mutação muito importante nas relações afetivas, uma transformação que vem do enfrentamento das obscuridades, de conseguir erguer-se do lodo, depois de muito tempo chapinhando nele. Aprendizados!

Dados técnicos e caminho do eclipse de 07 de agosto -fonte: site da Nasa

Agora olhemos para o mapa da lunação de amanhã: a Lua Cheia/Eclipse ocorrem no eixo Leão-Aquário, um eixo que trata da polaridade indivíduo versus grupo, de se sentir especial em contraponto a sentir-se comum e anônimo na multidão; de fazer de si mesmo uma Obra Prima Individual que sirva ao coletivo, sem permitir que esse coletivo nos diga o que devemos ser ou fazer. Aquário é o signo da experimentação, de ousar ser diferente, excêntrico, signo de inovação; é o signo da fraternidade e de se sentir inserido na grande comunidade humana, buscando fazer a diferença. Também é um signo de rebeldia, de surpresas e coisas inesperadas.

A Lua é eclipsada pela Terra, isso significa que recebe a sombra da Terra sobre si. Como a Lua representa as emoções instintivas, sentimentos, necessidades emocionais, compulsões e instintos mais básicos, ao ser eclipsada, temos conteúdos básicos e sombrios emergindo à consciência e ficando mais claros e nítidos à nossa percepção, portanto, o eclipse possibilita muitas “iluminações” sobre nossos impulsos, nossas pulsões e compulsões inconscientes e conseguimos nos enxergar a nós mesmos com mais maturidade, talvez a ponto de nos assombrarmos com aquilo que descobrimos, que estava bem à nossa frente, mas não víamos, por estamos por demais envolvidos e identificados com tais assuntos. Este estado de “assombramento”, entretanto, não deve nos paralisar, mas sim propiciar consciência e mais sabedoria emocional e relacional.

Reprodução

Além de se opor ao Sol, a Lua também se opõe a Marte, que estão conjuntos em Leão e, em Aquário, a Lua nos pede desapego das identificações egoicas, de nos desprendermos das expectativas individuais para focarmos nas necessidades do grupo e no todo; pede-nos uma visão racional, objetiva e lúcida das situações em que estamos envolvidos, lucidez nas crises que porventura nos atingirem – o pior que podemos fazer é entrar em pânico e nos desesperar. Sugere que as brigas sejam travadas de maneira justa e ética e que a honra individual também esteja a serviço do grupo.

Lua Cheia e Eclipse Lunar Parcial em Aquário – Brasília, 07 de agosto de 2017, 15h11min.

Vênus também se destaca neste mapa, sendo parte de um amplo Retângulo Místico, fazendo uma oposição dilatada a Plutão, sextil a Mercúrio e trígono a Netuno, que também estão em oposição e isso sugere que ainda é preciso cautela com as ilusões que criamos nas nossas relações, que precisamos, mais uma vez, transformar nossos apegos, soltar as dores que carregamos por aí como se fossem bichinho de estimação e que nos impedem de ver as novas possibilidades; é necessário viver as relações de maneira libertária e inovadora, sem apegos, sem seguir os modelos falidos das relações emboloradas.

Reprodução

A Lua está no Ponto Médio entre Netuno e Plutão e Plutão está no Ponto Médio entre a Lua e Saturno – uma das repetições de temas da Série Saros 119. Além disso, o Sol faz quincôncios a Netuno (separativo) e a Plutão (aplicativo), virando foco de um amplo Yod. O coração e a consciência (Sol em Leão) precisam lidar com o peso da Sombra, da necessidade de transformar (Plutão) os conteúdos inconscientes (Lua) de maneira compassiva, com sensibilidade, com imaginação (Netuno). A Lua, representando nossa realidade emocional, nos diz que precisamos ser o elo entre a imaginação, a magia, tudo o que é elusivo e incompreensível para nós, e aqueles nossos conteúdos mais densos, a força de transformação e transmutação alquímica, de modo que tal realidade emocional seja purificada e reciclada e se torne mais leve de ser vivenciada. Como PM entre Lua e Saturno, Plutão sugere, mais uma vez, que se observe e quebre a necessidade de controle, que se transforme a usura emocional em generosa partilha que toca profundamente a alma do outro e que nos permite viver mais plenamente.

Reprodução

Saturno, co-regente da Lua Cheia, que no mapa natal da SS 119 está conjunto a Quíron, atualmente faz quadratura a este, além de também se afastar de uma ampla quadratura a Netuno, e traz presente o tema do medo do fracasso, das feridas antigas e ancestrais, difíceis de sanar, que doem e incomodam, mas que também nos ensinam muito sobre nós mesmos e a natureza do humano. Essa ferida tem a ver também com uma crise de fé na compaixão e conectividade humanas, uma crise de fé na nossa capacidade de nos redimirmos de todas essas mazelas. Mas essa crise de fé aponta para a imprescindibilidade de tentarmos e insistirmos, de darmos um voto de confiança à centelha divina em nós e de insistirmos em tornar o sonho visível, concretizável.

Ivan quaroni – Reprodução

O outro co-regente do eclipse, Urano, trafega Áries e tem como único aspecto um trígono que recebe de Saturno, possibilitando o diálogo entre o velho e o novo, diálogo, que é mediado por Quíron, que é “a ponte entre o passado (Saturno) e o futuro (Urano)” (Jude Cowell) (3). Mas Urano também tem estado numa dança louca e caótica com Júpiter e, apesar de o aspecto não estar em orbe neste mapa, logo Júpiter fará oposição a Urano novamente, sinalizando rupturas nos sistemas judiciários, nas instituições religiosas, acadêmicas e na própria instituição “sagrada” do “santo matrimônio”, já que Júpiter está em Libra, signo das relações instituídas e reconhecidas – sim, mudanças de paradigmas no que tange a esses sistemas e às relações. Urano sugere que nos liberemos do passado pesado, dos ranços, das expectativas, do desejo ou tendência de viver relações “certinhas” e controladas, por medo da entrega real e verdadeira; Urano convida a nos desatrelarmos das lembranças de sofrimento, que soltemos recordações e deixemos no passado (Saturno) as histórias passadas e amargosas, usando as dores e sentimentos pesados (Quíron) para pavimentar o chão do caminho que nos levará a esse futuro mais promissor (Urano + Lua Aquário).

Sheppardarts – On Deviantart – Reprodução

Aquário, sendo um signo de Ar, racional e objetivo, me lembra a outra ponta do mito de Medusa, mencionado acima em referência a Vênus em Escorpião: a deusa Atena, a Deusa da Estratégia e do Pensamento Racional. No mito, Medusa, que era uma mulher jovem e belíssima, foi estuprada pelo deus Poseidon dentro do templo de Atena, que ficou profundamente ultrajada com tal ocorrido; outras versões do mito dizem que não houve estupro e que Medusa manteve relações consensuais com Poseidon. Como Atena era a Filha do Pai, tendo nascido já adulta da cabeça de Zeus, ela se vinga apenas de Medusa – e ela também não iria incorrer na ira de Poseidon! – pela profanação de seu tempo. Como punição, ela transforma Medusa num monstro serpentino, cujos cabelos eram serpentes; os dentes eram protuberantes e a língua bifurcada; mas o pior era o olhar petrificante, que tornava em pedra qualquer vivente que tivesse a má sorte de olhar para ela. Liz Greene (4) diz que o olhar que petrifica é o ultraje do feminino violado, seja o ultraje de Medusa, seja o ultraje de Atena. Medusa representa a paixão incontida e descontrolada, que se entrega em qualquer lugar, sem observar as regras conscientes da razão; as paixões viscerais e instintivas; já Atena representa a racionalidade, a capacidade de conter tais pulsões, porque talvez sejam destrutivas e porque precisam ser vividas com um mínimo de regra; e Atena também representa a capacidade de sermos objetivos e lúcidos nas nossas relações, algo que está bastante enfatizado nesta Lua Cheia e Eclipse em Aquário. Medusa e o feminino zangado e violado precisam ser redimidos e ser integrados, junto com Atena, afinal, as duas, Medusa e Atena, são dois extremos da mesma polaridade: a razão (Atena) e a paixão irracional (Medusa), duas figuras que estão presentes em todos nós e que são arquétipos importantes do feminino, sombrio ou luminoso. Na Lua Cheia de Aquário precisamos nos alinhar com Atena para podermos viver nossas relações de modo mais lúcido e inteligente e menos doentio.

Reprodução

Por fim, ainda precisamos olhar a última vez que um eclipse da SS 119 aconteceu, porque isso nos dá pistas dos temas que são ativados no nosso mapa – no eixo de casas em que você tem o grau 15° de Aquário/Leão (veja o artigo geral sobre eclipses, cujo link está no segundo parágrafo deste artigo, para saber os significados dos eclipses por casa). O último eclipse da SS 119 ocorreu em 28 de julho de 1999, a 04°57’ de Aquário – você lembra como estava sua vida nesta época?

E ainda olhamos a última vez em que houve um eclipse no grau 16 (15°00’ a 15°59’) de Aquário, porque ele tocou os mesmos planetas e ângulos e certamente os mesmos temas serão acionados, possivelmente em roupagens diferentes, mas ainda assim, serão os mesmos. Quando foi isso? Isso se deu em sete de agosto de 1998 (08/08/1998). Vale a pena olhar para esse período também, para nos prepararmos para novos aprendizados e liberações nesta área de vida. Tanto os assuntos de 1998 quanto os de 199 podem voltar para serem revistos de alguma forma, portanto, fique atento!

Reprodução

Luas Cheias também sinalizam tempo de colheita e a qualidade da colheita depende daquilo que plantamos e de como cuidamos da plantação ao longo do tempo. Como Aquário é um signo associado a amizades e relações sociais, é possível que tenhamos algumas ‘crises’ ou mudanças e liberações importantes nesta esfera também. Como estão nossas amizades? São fortes, verdadeiras, são equilibradas? Ou são relações de uso e abuso? São relações que mantemos por comodidade, mesmo percebendo que as afinidades já não se mantêm? Se houver questões mal resolvidas e “penduradas” com amigos, tais questões podem vir à tona para serem endereçadas e clareadas de vez!

Reprodução

Em resumo, a Lua Cheia e Eclipse Lunar em Aquário desta segunda nos convida a nos liberar do passado, a deixar para trás as histórias de dor e fracassos; a celebrar essa liberação e nos abrir a amores novos, sejam os de carne e osso, sejam os amores mais abstratos – inclusive um amor renovado por nós mesmos! Convida a abrir mão dos dramas e a apostar na objetividade, celebrando o tiquinho de lucidez que ainda tenhamos neste mundo louco e também, é claro, a celebrar nossas amizades, que, além da família, são os laços que nos sustentam!

E ainda, períodos de eclipses costumam trazer tensões, incertezas, instabilidades. Convém fazer exercícios de aterramento, meditação, yoga, ou o que funcionar para você. É aconselhável evitar decisões drásticas ou agir por impulso, porque as emoções estão mais afloradas e há propensão a maior imprevisibilidade e caos nas situações em geral – nada para nos deixar em pânico! Lembre-se, todo ano temos pelo menos quatro eclipses e temos sobrevivido até aqui, portanto, centramento e serenidade fazem toda a diferença!

Feliz Lua Cheia para você! Aproveite e termine o que tem que terminar, finalize os ciclos, deixe o passado no passado e olhe para o futuro!

 

Reprodução

 

 

 

 

 

Birth Chart Painting – Reprodução

 

 

 

 

 

 

(1) Site da Nasa: https://eclipse.gsfc.nasa.gov/LEsaros/LEsaros119.html

(2) Reinhol Ebertin – The combination of Stellar Influences

(3) Jude cowell -https://judecowellastrology.blogspot.com.br/

(4) Liz Greene – the Astrology of Fate

A Semana Astrológica – Nosso pior inimigo

Reprodução

Semana de 12 a 18 de junho – Semana de Lua Minguante, que sinaliza tempo de limpeza, encerramentos e avaliações. Há também uma sensação de peso , insegurança e decepção conosco mesmos e nossa ingenuidade. 

Reprodução

Começamos uma semana de Lua Disseminadora e posteriormente, Minguante, que traz também o Sol Geminiano em oposição a Saturno – ai, ai, ai, lá vamos nós de novo para o confronto com o Mestre do Tempo! Mas depois de encarar o Velho, sacudimos a poeira e nos deparamos com o novo e oportunidades de usar os revezes como escada para nossa melhoria. O Sol fecha a semana em quadratura não exata a Quíron, então, esta semana traz alguns desafios à nossa autoconfiança, vitalidade, resiliência e força de vontade. Bater de frente e espernear não vai resolver. Se o Senhor do Tempo diz que é melhor esperar, não ganhamos nada em tentar burlar suas leis. Esperemos e contenhamos nossa frustração – ela tem muito a nos ensinar! E uma lição que precisamos relembrar é que, muitas vezes, nós somos nosso pior inimigo, quando nos deixamos abater pelo negativismo e pela auto-dúvida. O fim de semana está especialmente sensível, porque a Lua ao trafegar por Peixes, potencializa a retrogradação de Netuno e a oposição Sol-Saturno, condição em que fica minguante no sábado. Já o domingo traz propensão a conflitos e embates.

Reprodução a partir do Flickr

Mercúrio vem atrás do Sol, transformando em conceitos todas as experiências vivenciadas por este Sol e por ele mesmo. Nesta semana Mercúrio faz trígono a Júpiter, quadratura a Netuno, quincôncio a Plutão e também se opõe a Saturno, de modo que nossa mente oscila bastante entre o entusiasmo desmesurado e irrealista e as dúvidas subsequentes; posterior aos exageros vem a consciência de que talvez tenhamos metido os pés pelas mãos e agora temos que arcar com as consequências do que dissemos sem pensar. Saturno demanda que definamos mais claramente nossa forma de pensar e nos comunicar, que sejamos mais responsáveis e menos relapsos na comunicação e nos aprendizados, estudos e também ao lidar com leituras, escritos, papeis em geral. Talvez tenhamos alguns dias de muito pessimismo, em que tememos que nada vai dar certo e isso pode nos deixar um tanto deprimidos. Contudo, se conseguirmos controlar essa negatividade, podemos usar esse momento para averiguar com realismo as situações diversas em que nos encontramos, de modo a perceber o que está ou não funcionando, para fazer as devidas correções. Positivamente, são dias favoráveis para pesquisas e atividades mentais que requeiram disciplina, concentração e seriedade.

Reprodução

Vênus anda se refazendo no conforto de Touro. Está ultra sensual e muito conectada com os prazeres e deleites simples da vida, algo que favorece bem o Dia dos Namorados na segunda-feira. Mas pelo meio da semana ela lida com alguma insegurança, bem inconsciente, um tipo de dúvida latente sobre se não seria melhor pegar a estrada numa nova aventura, ao invés de focar tanto na segurança e confortos de uma vida “estável”. Vênus faz sesqui-quadratura a Saturno e fecha a semana em quincôncio bem próximo a Júpiter.

Reprodução

Netuno estaciona a 14°15’ de Peixes na quinta-feira, para entrar em movimento retrógrado na sexta. Erin Sullivan diz que Netuno, quando retrógrado, “nos convida a retornar ao útero, ao estado de incubação e no fim, renascer”. Como sabemos, a retrogradação de qualquer planeta sinaliza um tempo de revisão dos seus assuntos e temas. Netuno rege nossos sonhos e fantasias, os anseios de fusão com o Divino, através do outro ou de experiências transcendentais; os estados de encantamento em que desejamos nos perder e diluir no outro, aniquilando o senso de separatividade. Netuno representa a busca pela experiência da unidade, da comunhão com a vida como um todo, daí sua associação com a espiritualidade e o misticismo. Mas ele também simboliza os engôdos, os anseios enganosos, a diluição do ego através de decisões equivocadas, que pareciam perfeitas no momento em questão; está ligado aos medos irreais, às epidemias, aos estados de caos, dissolução e subversão.

Reprodução

Este ciclo de retrogradação ganha ênfase porque a Lua estará em conjunção exata a Netuno dia em que ele entrar em retrogradação, de modo que seus temas saem da esfera do meramente coletivo, para o pessoal – sentimos essa movimentação de maneira indiscutível, como uma vulnerabilidade mais acentuada, um anseio mais pungente por salvação e redenção. Assim, até 22 de novembro estaremos fazendo uma profunda revisão dos nossos sonhos e fantasias, dessa busca por unidade. É um momento de “cair na real” a respeito de ilusões que viemos alimentando nos últimos meses e perceber por que nos deixamos enganar. Talvez nos sintamos nus e vulneráveis, mas isso é necessário para nos livrarmos do senso de onipotência com que o ego possa ter se identificado na busca desenfreada e cega por tais ilusões, seja de poder, de sucesso, fama, engrandecimento pessoal, apaixonamento e encantamento por um outro ou por qualquer outra ideia ou projeto com o qual tenhamos nos envolvido sem enxergar sua realidade. Qualquer desapontamento não deve ser visto como um fracasso pessoal ou punição dos deuses, mas apenas um desnudar das ilusões, essencial ao nosso processo de crescimento. Os planetas exteriores, de maneiras diferentes, vão tirar de nós tudo aquilo que esteja atrapalhando nosso desenvolvimento, a evolução da alma. No caso de Netuno, isso ocorre de forma sutil, lenta, quase imperceptível e geralmente estamos tão encantados com o processo todo, que só nos damos conta da “esparrela” em que caímos, quando já é tarde demais para voltar atrás. E não adianta chorar e se lamentar, porque no fundo, a alma e o inconsciente, de certa maneira, conspiraram contra o ego, ou seja, inconscientemente, nós mesmos criamos o cenário e o enredo de perdas, fracassos, desilusão pelo qual navegamos presentemente – compactuamos, fomos ao encontro e nos tornamos “cúmplices” daquele/s que nos enganou/enganaram. Por mais doloroso que seja para o ego soltar e se desapegar de tais coisas com as quais estávamos identificados – posses, propriedades, opiniões, imagem, emprego, relacionamentos, etc – eles serão levados para que percebamos que nossa existência não depende disso, que somos muito mais do que tais identificações ilusórias, por mais penoso que seja a experiência toda. Com Netuno retrógrado as ilusões talvez se tornem mais claras, especialmente se Netuno está fazendo contatos a planetas no mapa natal e se o aspecto já ficou exato com Netuno direto. Soltar e se desapegar, ao invés de resistir – é o melhor que podemos fazer.

Reprodução

A Lua abre a semana na fase Cheia em Capricórnio. Torna-se Disseminadora em Aquário na terça-feira e entra na fase Minguante a partir de Peixes, no sábado. Fecha a semana já em Áries, digladiando-se com Marte, Júpiter e Plutão.

Reprodução

SEGUNDA-FEIRA, 12 de junho – A Lua está na fase cheia, em Capricórnio. Hoje faz conjunção a Plutão, quincôncio ao Sol, sesqui-quadratura a Mercúrio, sextil a Quíron e quadratura a Urano, ficando vazia depois da briga com Urano, às 14h47min. Ingressa em Aquário às 19h45min e fecha a noite em quadratura a Vênus em Touro. O dia dos Namorados está um tanto tempestuoso, com uma Lua nada romântica. Pelo contrário, o clima está meio pesado e sisudo e, mais do que isso, com a conjunção a Plutão – aspecto que a Lua faz todo mês e que sinaliza um momento denso de entrar em contato com nossa sombra, desejos de poder, de controle e, em última instância, necessidade de transformação – precisamos lidar com emoções sombrias e intensas que emergem do inconsciente. O dia fica então colorido por fortes contradições: desejos de nos comprometer seriamente, versus o impulso de preservar a autonomia, o movimento e a liberdade pessoal. Talvez não nos sintamos particularmente românticos no dia de hoje, porque nos deparamos com algumas verdades dolorosas a respeito de nós mesmos, nossas necessidades e algumas discrepâncias na relação com o outro; talvez não percebamos, mas é possível que estejamos muito exigentes e coloquemos sobre o outro altas cobranças, ciúmes, tentativas de controle e, claro, tudo isso pode gerar muitas tensões e até azedume nas relações. Por outro lado, se formos capazes de ser honestos e confrontarmos nossas carências infantis, percebendo que elas são exatamente isso, carências infantis, e que o outro não é responsável por resolvê-las, temos chance de crescer mais um pouco e, ao invés de crise, podemos aprofundar essa relação, aumentar a cumplicidade com o outro, respeitando sua individualidade e independência sem nos sentir ameaçados por isso. Vale a pena fazer um exame cuidadoso se há uma crise real em curso, ou se são apenas nossas inseguranças que estão exacerbadas hoje. À noite a Lua está em Aquário e sinaliza que as celebrações românticas sejam inovadoras, diferentes; que se busque surpreender o outro com uma nova faceta de nós mesmos e que também nos deixemos surpreender, pondo de lado preconceitos, rótulos e abrindo-nos à experimentação. Repetir o enredo dos anos anteriores é receita de confusão! Ouse, faça algo diferente, saia da mesmice, fuja dos estereótipos e dos scripts ensaiados! Não existe um único modelo ou formato de amor e de relação, cada pessoa tem um jeito único e especial de amar. Portanto, não almeje ser ou ter uma relação “perfeita” ou igual à do Fulano ou do Beltrano! Respeite a sua natureza e a natureza do outro e assim, a relação também será única e as diferenças, ao invés de serem um problema, enriquecerão as trocas afetivas.

reprodução – desconheço o autor

TERÇA-FEIRA, 13 de junho – Mercúrio está em trígono pleno a Júpiter. De Aquário a Lua faz quadratura à Vênus Taurina, quincôncio a Marte em Câncer e entra na fase Disseminadora ao fazer sesqui-quadratura ao Sol Geminiano. A Lua ainda faz trígono a Júpiter em Libra e, como Mercúrio também está em trígono a Júpiter, temos formado um Grande Trígono em Ar. Saturno vai se aproximando da oposição ao Sol. A despeito do peso que andamos sentindo, o dia traz um pouco de leveza, que nos ajuda a espairecer e a nos motivar um pouco para enfrentar os desafios que já vislumbramos ali à frente. É como se tivéssemos a chance de um descanso, uma pequena trégua em que podemos relaxar, antes de voltar às armas. Os pensamentos ganham asas e temos a coragem de expressá-los mais abertamente; também vamos em busca de novos contatos e relações, aspirando encontrar, talvez, respostas para nossas dúvidas e indagações filosóficas, ou simplesmente oportunidades de ampliar um pouco nossas possibilidades e alternativas. É um bom dia para ler sobre novos assuntos ou autores, comunicar-se, escrever sobre nossos questionamentos, sair um pouco da rotina, inspirar novos ares ou, simplesmente, relaxar um pouco, sem culpas ou cobranças, como uma maneira de aliviar a pressão, mesmo sabendo que logo devemos retomar a caminhada. Assim, aproveitemos porque “o segredo do êxito está em preparar-se para aproveitar a ocasião, quando ela se apresenta”.

Nicoletta Ceccoli – Reprodução

QUARTA-FEIRA, 14 de junho – A Lua, Disseminadora em Aquário, abre o dia ainda em formação de Grande Trígono com Mercúrio e Júpiter, durante a madrugada. Durante o dia faz trígono ao Sol e sextil a Saturno. O Sol está em oposição próxima a Saturno e a Lua hoje media esse embate. Saturno e Urano estão em trígono entre si e Júpiter em quincôncio a Netuno. Muitos dos desafios que aparecem no caminho tornam-se em oportunidades se forem vistos com olhos inovadores e com a dose adequada de criatividade – esta é uma maneira de vermos nossas dificuldades, que hoje já se mostram bastante duras. Mas não devemos deixar que nos soterrem debaixo de seu peso. O dia oferece possibilidades de olharmos nossos problemas e limitações com muita lucidez e distanciamento, sem nos identificarmos demais com eles, de modo a conseguirmos soluções inusitadas e diferentes daquelas já tentadas no passado. E mesmo que nos sintamos “castrados”, sabemos que precisamos, de alguma forma, “castrar” realmente os excessos, para podermos focar naquilo que realmente vale a pena. É necessário filtrarmos nossas aspirações de futuro, priorizando e disseminando aquelas que são de fato, realizáveis, mesmo que tenhamos que esperar um pouco para executá-las. Nesse meio tempo, podemos fortalecer nossa rede de contatos, podemos nos preparar melhor e ganhar consistência quanto à informação e conhecimento necessários à realização dos objetivos!

Alfredo Araujo Santoyo – Reprodução

QUINTA-FEIRA, 15 de junho – O Sol Geminiano está em oposição plena a Saturno em Sagitário. A Lua Aquariana se harmoniza com seu dispositor moderno, Urano e fica fora de curso logo depois, à 01h40min. Ingressa em Peixes às 06h18min, de onde se afina com Vênus em Touro, harmonizando-se também com Marte em Câncer, regido por ela. Netuno estaciona às 07h09min para dar marcha à ré, amanhã. As enganações e ilusões a que nos expomos recentemente nos são atiradas na cara, pois agora enxergamos a realidade mais limpidamente e possivelmente nos damos conta de que andamos ignorando alguns dos nossos limites, por estarmos demasiados fascinados com expectativas que agora se revelam vazias. Além disso, também precisamos lidar com os limites impostos por outros – chefias, autoridades, figuras acima de nós – ou mesmo por nossas circunstâncias, num momento em que nos sentimos particularmente vulneráveis e sensíveis, espremidos entre obrigações, deveres e aquilo que realmente gostaríamos de estar fazendo e vivendo. Entretanto, por mais que nos sintamos pressionados, desmotivados e isolados, não é o caso de entregarmos os pontos e desistirmos da luta. Mais uma vez, trata-se de um teste à firmeza e consistência da nossa vontade e dos nossos propósitos; uma prova sobre se já conseguimos o equilíbrio adequado entre as obrigações sociais e profissionais e o compromisso conosco mesmos e nossa consciência; de sermos leais a nós mesmos, a despeito das negativas e recusas que ouvimos mundo afora. Fisicamente, talvez nos sintamos muito cansados, exaustos, até, com uma desconfortável sensação de sermos mais mais velhos e “gastos” do que realmente somos. Tal sentimento aumenta a impressão de peso, derrota e isolamento. Contudo, não precisamos nos sentir vitimizados ou alienados, ao contrário, podemos aproveitar esse período para trabalhar a nós mesmos e às nossas inseguranças e inadequações que, diferentemente do que pensamos, não estão assim tão visíveis e evidentes para o mundo como estão para nós. E se de fato, são evidentes para nós, aproveitemos a chance de burilarmos e refinarmos esse diamante bruto que somos nós.

Reprodução

SEXTA-FEIRA, 16 de junho – Netuno entra em retrogradação hoje e só volta ao movimento direto em 22 de novembro. A condição estacionário-retrógrado de Netuno é potencializada pela conjunção da Lua, que também faz quincôncio a Júpiter em Libra, sextil a Plutão e quadratura a Mercúrio em Gêmeos, que hoje também está em quincôncio pleno a Plutão. O Sol segue em oposição a Saturno, começando a se afastar. O dia traz o tom da vulnerabilidade. Uma sensibilidade extremada, que nos permite descerrar as cortinas que separam mundos, dimensões e as diferentes “realidades”. Nostalgia, anseios profundos, contradizem a consciência que quer permanecer fincada na racionalidade. Mas ao insistir nisso, perdemos a possibilidade de dialogar em diferentes linguagens e ampliar a percepção, para que possamos ir além daquilo que os olhos físicos podem alcançar. Sentimo-nos presos por um torpor, um cansaço físico que reverbera do langor que começa na alma, como uma pré-embriaguez, em que ainda estamos parcialmente conscientes, mas oscilantes, misturando estações, tentando fugir da realidade com seus tons de cinza escuro, buscando as cores caleidoscópicas das esferas mágicas e sobrenaturais. Mais do que sensíveis, estamos sensitivos e captamos influências extra-sensoriais. Contudo, embora a intuição esteja especialmente aguçada hoje, vale a pena deixá-la assentar antes de tomar atitudes práticas, porque as percepções entre realidade e fantasia estão por demais borradas e misturadas e podemos confundir intuição com desejo ou anseios impossíveis. Se não está propício para lidar com coisas e situações práticas e que demandem lucidez, por outro lado, o dia favorece as atividades artísticas e criativas em geral, exatamente por causa da sensibilidade e imaginação super afloradas e na arte, sim, tudo é possível e podemos, de fato, soltar as rédeas da nossa imaginação, da percepção mágica e extra-sensorial e expressar a beleza e o sublime que se derrama de nossa alma.

Igor Morski – Reprodução

SÁBADO, 17 de junho – De Peixes a Lua faz quadratura a Saturno em Sagitário e depois ao Sol em Gêmeos, entrando na fase Minguante – a Lua vira foco de uma T-Square Mutável, que tem por base a difícil oposição Sol-Saturno. A Lua fica vazia depois da quadratura ao Sol, às 07h33min e ingressa em Áries somente às 13h55min. O dia está melindroso e modorrento. Há um forte conflito entre a razão e o sentimento; entre o sonho e a realidade. Dores e indisposição física nos fazem sentir pesadões, como se o corpo fosse mais uma prisão e não um invólucro sagrado da alma. A indisposição física tem origens mais profundas: nasce da indisposição emocional, por sua vez advinda dos muitos embates recentes com nossas inseguranças, temores, desesperança e vacilações. Nesse estado de prostração, nem queremos sair da cama, imagine então, de casa! Quem puder, faz bem, se de fato tirar algumas horas para refletir mais profundamente sobre tal prostração, sobre as inseguranças e desejos de evasão do mundo. O Minguante nos pede que abramos mão do desejo de que outros cuidem e se responsabilizem por nós ou por nosso bem-estar; deixar ir os escapismos, as fugas da realidade, a busca inconsequente e autodestrutiva por auto-dissolvição; abrir mão dos delírios e vontade de que tudo se resolva magicamente, sem que precisemos nos esforçar pelas melhorias; e aceitar a realidade tal como se apresenta, para poder transformá-la ali na frente. Eliminar os vícios e propor-se a uma limpeza real na alma e no coração, para que possamos deixar o terreno limpo e fertilizado para a plantação de novos sonhos e projetos, passíveis de serem realizados concretamente e não apenas falácias aventadas para ganharmos tempo diante de nós mesmos. Em termos práticos a manhã pede que peguemos leve, porque há tendência a contratempos, imprevistos e desperdícios. À tarde ficamos mais animados porque sentimos nossa energia medianamente revigorada e estamos aptos a realizar as atividades que porventura tenham ficado em standby pela manhã!

Nicoletta Ceccoli – Reprodução

DOMINGO, 18 de junho – O Sol Geminiano está em sextil exato a Urano em Áries. A Lua está em Áries e faz quadratura a Marte em Câncer – ambos estão em recepção mútua, um morando na casa do outro. A Lua ainda faz oposição a Júpiter em Libra e quadratura a Plutão em Capricórnio e temos então formado uma ampla Grande Cruz Cardinal. Depois de alguns dias de modorra, inseguranças, melindres e choradeiras, o domingo traz uma disposição completamente diferente: tem muito dinamismo, atividades, movimentação e também belicosidade no ar. Queremos e tentamos fazer várias coisas ao mesmo tempo e acabamos criando algumas confusões, devido à inabilidade de ouvir o outro e de negociar. Queremos o que queremos e queremos AGORA! Não importa se não depende do outro, porque, feito criança birrenta, estamos surdos e alheios à razão e aos argumentos do bom senso. Meu nome é umbigo e eu esqueço até que o umbigo tá grudado num corpo. O outro problema é que no nosso entusiasmo e impaciência, não percebemos que aquilo que é bom para nós não necessariamente agrada ao outro e vamos em frente, impondo nossa vontade alegremente, como se soubéssemos o que é melhor para todos, criando antipatias, algumas confusões e conflitos de vontades. Se pararmos um pouco e conseguirmos olhar para os lados, perceberemos que podemos conciliar as várias atividades e vontades, desde que cada lado esteja disposto a ceder um pouco, do contrário, azedaremos o domingo, as brincadeiras e a possibilidade de descanso e da boa convivência. Viva e deixe viver pode ser um bom lema para o dia, respeitando a diversidade de opinião e de desejos uns dos outros. Em termos práticos, o dia pede cautela, porque estamos muito impacientes e impulsivos e imprudentes e nesse estamos podemos nos expor a acidentes e conflitos perfeitamente evitáveis e dispensáveis!

Desejo a você uma ótima e serena semana!

Nota: pessoal, fiquei duas semanas sem publicar o texto da Semana Astrológica. Desculpem, mas estava impraticável! Precisei fazer uma reforma em casa, que era para durar duas semanas e virou um mês – e eu morando junto com a reforma! As duas últimas semanas foram as mais difíceis, porque estava acabando e eu fiquei quase que completamente em função da obra, indo a todo momento comprar algo que faltou. Cheguei a ir na loja para comprar 4 parafusos – literalmente! – quem já passou por reforma sabe como é! Você pergunta para o pedreiro a cada vez que vai na loja de material de construção: “falta mais alguma coisa?” – “Não, agora é só isso mesmo!”- Daí, você mal entra em casa e tem que sair de novo (rsrsrsrs). Depois vem a faxina e colocar tudo no lugar – outra parte exaustiva – até hoje tem um canto da sala com montes de coisas empilhadas! No meio de tudo isso, ainda estava fazendo um curso de Florais… Enfim, a reforma ficou ótima. Reformei minha cozinha, que era algo que eu queria fazer há muitos anos e ficava hesitando. Mas a reforma do exterior só ocorre como consequência da reforma e renovação interior! Estou bem feliz com o resultado! Agradecida pela compreensão!

Reprodução
Alfredo Araujo Santoyo – Reprodução

 

Lua Cheia em Escorpião – A maldição – ou a bênção – do Eterno Retorno

Reprodução

O ciclo de Touro chega ao seu ápice na Lua Cheia de amanhã, dia 10 de maio, que ocorre às 18h42min – 22h42min para Lisboa – , a 20°24’ de Escorpião. Esta é uma Lua Cheia de términos, visto que Escorpião fala de encerramentos de ciclos, para começarmos outros, o que nos dá um vislumbre da eternidade se descortinando diante de nós. É o tempo de trocar de pele, de eliminar energias antigas, limpar o coração de todas as toxinas, abrir-se à compaixão. Enquanto Touro constrói estabilidade, Escorpião a destrói, para que não caia na estagnação. Escorpião destrói tudo aquilo que ameaça impedi-lo de se desenvolver, de avançar para a próxima fase, mesmo que isso não seja necessariamente, um avanço positivo, mesmo que não seja um movimento de crescimento. Entre ficar estagnado ou piorar um pouco, é provável que opte pela segunda opção, se isso implicar movimento, liberação de alguma forma. Mas Escorpião, apesar de não se apegar a coisas e não se deixar possuir por elas, relaciona-se com a posse emocional e aqui há grande dificuldade de abrir mão, de soltar e liberar, mas uma vez que isso ocorra, é definitivo, para sempre. Pode demorar muito tempo até se atingir esse ponto, mas uma vez cruzado esse limiar, não há retorno!

Reprodução

Como sabemos, a Lua Cheia é um momento crítico, em que a energia atinge seu apogeu e todas as coisas que estavam se avolumando e se arrastando, atingem um ápice e são finalmente liberadas, boas ou ruins. Tensões que foram se acumulando atingem um ponto crítico e explodem e as coisas se resolvem, por bem ou por mal. Como Escorpião é o signo das emoções e sentimentos intenso e profundos, quando a Lua Cheia ocorre neste signo, esse ponto crítico fica intensificado.

Kali, a deusa que cria e destrói a vida – reprodução

A Lua Cheia de Escorpião anuncia um período de destruir tudo aquilo que nos prende e nos impede de dar o próximo passo: apegos a coisas, pessoas, regras; expectativas, medos, inseguranças; situações e coisas que representam segurança e estabilidade, mas das quais reclamamos e nos ressentimos, porque sabemos que tal segurança é fajuta, que usamos isso como desculpa para não fazer o que precisamos fazer, para não agir de acordo com nossa consciência – em resumo, aquilo com que o ego se identifica, mas que não é sua verdadeira essência. Há momentos e situações em que ir contra a maré e destruir algo torna-se muito positivo e pode ser o ato mais criativo e libertador que podemos cometer. Então destruição nem sempre é algo negativo – depende do quê, como e quando. O que é que você precisa destruir hoje?

Lua Cheia em Escorpião, Brasília, 10 de maio de 2017, 18h42min

No mapa desta lunação, a Lua está em sextil muito próximo a Plutão em Capricórnio e, claro, o Sol faz trígono a ele. Plutão é o deus da transformação, da morte, do renascimento, do Mundo Inferior e é o regente moderno de Escorpião. Ao receber aspectos harmoniosos dos dois luminares, sinaliza que estamos abertos, neste ciclo, a enfrentar algumas verdades, a lidar com elas, a nos desapegar e proceder com as mudanças necessárias. Conseguimos olhar para a nossa sombra sem nos chocar tanto com ela e conseguimos perceber o que precisa ser destruído, demolido, pulverizado. E mesmo que doa, destruímos, porque percebemos que de tal destruição, algo novo surgirá, possivelmente, quiçá, mais verdadeiro. A Lua também faz trígonos amplos a Netuno e a Quíron em Peixes – sete graus de orbe – e este trígono, na verdade, cai exatamente no Ponto Médio entre Netuno e Quíron. Além de potencializar a grande sensibilidade dos sentimentos Escorpiônicos, faz aflorar uma grande compaixão por nós mesmos e por aqueles todos com quem estamos envolvidos e, ao invés de raiva, ódio e vingança, queremos apenas nos livrar e liberar dos conteúdos densos, permitindo que sejam purgados e curados. O trígono ao Ponto Médio entre Netuno e Quíron possibilita a mediação, a integração das nossas aspirações e sonhos mais elevados e até os mais fantasiosos, com a percepção do que podemos e não podemos. Uma conciliação torna-se possível, talvez sem amargor e sem ranger de dentes – uma aceitação, quem sabe até resignação, mas ainda assim, algo que vem com sabedoria e serenidade e não precisa ficar apodrecendo dentro de nós e nos intoxicando de amargura. Vemos, reconhecemos e soltamos. E assim, liberamo-nos.

Reprodução

O regente tradicional da Lua, Marte, está em Gêmeos, em quadratura de menos de um grau a Netuno e em trígono a Júpiter, também bastante próximo. Por um lado, isso nos fala do risco de sonharmos alto demais, de sermos ingênuos e embarcarmos na nau das ilusões criadas por nós mesmos e depois nos desapontarmos tristemente – a mente e os nossos desejos podem nos enganar e iludir. Por outro, assinala uma imaginação poderosa, uma qualidade mágica e ainda a enorme capacidade para a abnegação, além do entusiasmo quase inocente das crianças. Felizmente, tal atitude pueril é compensada pela sagacidade da Lua em Escorpião e pela conjunção Mercúrio-Urano, de modo que talvez se consiga sintonizar mais fortemente com os aspectos mais positivos dessa quadratura Marte-Netuno. Se formos mais longe e considerarmos essa conjunção Mercúrio-Urano em Áries – já que Mercúrio rege Marte – veremos que essa lunação também traz uma energia de rebeldia, de subversão, de ser capaz de desagradar para ser fiel e leal a si mesmo e aos ditames da própria consciência. Mercúrio estando conjunto a Urano no dia da Lua cheia, é outro intensificador da energia, trazendo iluminações, mas também transtornos, imprevistos, desordem, caos. Então há um aumento da instabilidade, uma intensificação da “crise” representada pela Lua Cheia e isso pode se manifestar de várias maneiras, tanto em nível pessoal, quanto em termos coletivos. Na verdade, a Lua Cheia potencializa a conjunção Mercúrio-Urano e vice-versa.

Ouroboros, a serpente mítica que engole a própria cauda, representando a eternidade e os ciclos de morte e renascimento – Ficheiros do Google –
Reprodução

Mas a Lua Cheia de Escorpião também traz presente a ideia do eterno retorno, um conceito filosófico que nasce com o estoicismo e que propõe que a vida é uma constante repetição de si mesma e que o mundo se extingue para voltar a criar-se, um conceito que é bem ilustrado pela figura da Uroboros, a serpente mítica que engole a própria cauda, se extingue e voltar a renascer. É um símbolo da eternidade. Nietzsche discute o mesmo conceito em sua obra e nos provoca se rangeríamos os dentes e amaldiçoaríamos o demônio que sussurrasse tal ideia da recorrência no nosso ouvido, ou se ficaríamos felizes e o bendiríamos, diante da ideia da eterna repetição? O eterno retorno nos fala dos ciclos repetitivos da vida, algo que Escorpião entende bem. Mas será que a repetição é sempre igual? Será que seguimos em movimento circular, repetitivo, quase instintivo? Não seria esse movimento espiral, alterando algo sutilmente, a cada novo girar da moenda? E estamos sujeitos a tal repetição, feito cordeiros sem vontade, ou na verdade, contribuímos e ansiamos por ela? Será a repetição uma maldição ou uma bênção? Não pretendo esgotar esse assunto aqui, até porque não o domino, a ideia é apenas provocar, porque são temas pertinentes a Escorpião e a essa Lua Cheia e porque sempre vale nos perguntar por que somos tão repetitivos, mesmo quando buscamos ser originais. A Lua Cheia, pois, convida a quebrar – ou pelo menos tentar – a repetição, a destruir a roda que nos prende a essa moenda, a esse moinho, que sempre nos joga na cara aquilo que achamos que já havíamos superado.

Reprodução

O Símbolo Sabiano para o grau 21 de Escorpião diz o seguinte: “obedecendo à sua consciência, um soldado resiste às ordens que recebe”. Aqui há um conflito claro entre obedecer e atender às expectativas sociais, às regras e leis e seguir a própria consciência, arcando com as consequências por tal desobediência. Quando o meio social e suas regras tornam-se poderosos por demais, diz Rudhyar, “o indivíduo não precisa se sentir atado espiritualmente, nem mesmo aprisionado. Ele ainda pode demonstrar sua liberdade interior e provar-se um ‘indivíduo’” e não apenas um seguidor cego de ordens absurdas e alheias ao seu coração. Essa é uma verdade de Escorpião, que geralmente está disposto a pagar o preço por suas escolhas impopulares, por não seguir a manada, nem fazer questão de ser aceito e aprovado. Aqui há o conflito entre os códigos morais exteriores e os nossos valores pessoais – às vezes é preciso transgredir, quebrar as regras, mesmo que arquemos com consequências duras. Linda Hill, outra estudiosa dos Símbolos Sabianos, nos lembra que “há uma escolha difícil entre nossa lealdade a um relacionamento, a um trabalho, um país, etc. e nossas crenças internas, nossa verdade interior e nossas ambições pessoais. Liberdade verdadeira só pode ser encontrada dentro, quando se confronta essas situações com um senso de integridade e um completo entendimento das consequências possíveis”. Nem tudo o que é legal, é necessariamente correto e temos visto bastante disso recentemente. E por mais que muitas vezes nossas escolhas nos coloquem em colisão com forças maiores do que nós, sejam essas forças mundanas ou de outra esfera, ainda precisamos ser capazes de ser leais a nós mesmos, o que quer que isso signifique. E longe de nos sentir desajustados, talvez isso reflita um desvio salutar da norma, porque, como diz Krishnamurti “não é um sinal de saúde estar bem adaptado a uma sociedade profundamente doente”. Então, a Lua Cheia sugere destruir o que nos prende e nos ata, quebrar as regras distorcidas, as normas que não promovem a vida, mas apenas fazem cumprir ordens sem sentido e que vão contra aquilo que acreditamos, aquilo que nossa consciência diz. E há um preço a pagar. Sempre há. Mas, como diz um outro pensador, Kipling, “nunca é alto demais o preço a pagar pelo privilégio de se pertencer a si mesmo”, e de escolher a própria integridade interior, mesmo que isso também seja parte do eterno retorno e da ilusão da novidade. E é por isso que Escorpião briga e paga o preço!

Reprodução

Para além de tudo isso, essa Lua Cheia também nos faz sentir profundamente conectados com a rede da vida, em toda a sua poderosa manifestação e percebemos que, mesmo em situações de conflito e de morte aparente, a vida segue seu ciclo, ela é mudança constante, ela pulsa, viceja, modifica-se, muda de corpo, de invólucro, mas continua a pulsar, em nós, no outro, no mundo à nossa volta. Talvez sejamos apenas efêmeros demais para perceber as mudanças reais, porque, o que é uma vida humana diante da eternidade? Essa percepção pode nos revigorar e nos dar uma nova perspectiva sobre as coisas, os erros, as “perdas”, aquilo de que precisamos abrir mão, nos desfazer, para viajarmos mais leves, menos enferrujados, menos pesarosos e defensivos, menos apegados ao controle dos resultados. E aquilo que deixamos para trás, as cascas e peles antigas, vão virar adubo, irão se transformar, no eterno ciclo do vir a ser.

Numa nota mais pontual, o Ascendente do mapa levantado para Brasília é Sagitário, que é regido por Júpiter, que está retrógrado em Libra, na casa 11, em quadratura a Plutão e quincúncio quase exato a Netuno. Júpiter segue como carro chefe da locomotiva, como tem estado há vários meses. Isso tudo repete um pouco o tema do entusiasmo pueril, visto que Júpiter está retrógrado e em tensão a Netuno. Parte de nós simplesmente não quer ver, não quer enxergar a verdade, os dissabores, as tristezas e desalentos e prefere continuar a se enganar. Olhando para a situação do Brasil, Júpiter faz quadratura a Plutão retrógrado e talvez alguns movimentos na esfera social e das instituições públicas levem a mais perdas, concretas, materiais e também no senso de autoestima do povo. Netuno está na 4 – somos feitos de bobo dentro de casa, pelos nossos, como tem ocorrido há séculos! Mais do mesmo! Se se considera o mapa do Brasil que tem Aquário Ascendente, a Lua Cheia ativa o MC; se se considera o mapa que tem Peixes como Ascendente, o Ascendente desta lunação para Brasília, também vai ativar o MC do mapa natal. De um jeito ou de outro, essa lunação mexe bastante com figuras de autoridade e com a imagem do Brasil, com o rumo do país.

OBS: A Lua fica Cheia numa condição chamada “Wobble”. Nunca estudei isso a fundo, mas como já me perguntaram, isso é um termo astronômico, que representa uma oscilação, uma instabilidade, quando parece que a Lua “dança” da esquerda para a direita, parecendo “bambolear”. Esses períodos de Lua Wobble, de acordo com alguns estudiosos,estão relacionados com catástrofes, começos e fins de guerras, conflitos e situações fora de controle. Mas antes de se desesperar, saiba que a Lua entra nessa condição cerca de três ou quatro vezes por ano, então, não é nada tão raro assim!

Travis Bedel – Reprodução

Uma ótima Lua cheia para você! quebre as regras distorcidas, destrua aquilo que não gera mais vida, que perdeu o viço e apodreceu e já não alimenta, nem entusiasma! Ou se renova, ou será destruído!

Ouroboros, a serpente mítica que engole a própria cauda, representando a eternidade e os ciclos de morte e renascimento – Ficheiros do Google –
Reprodução

 

A Semana Astrológica – A imperfeição nossa de cada dia

Reprodução

Semana de 13 a 19 de março – Semana de enfrentamento de limitações e dificuldades, mas com um grande potencial de cura, que reverbera a partir da Lua Cheia ocorrida no domingo, desdobrando-se por toda a semana. Em termos práticos a Lua Cheia sinaliza uma semana de expansão.

Odilon Redon – Reprodução

O Sol completa sua última semana do ciclo de Peixes e do ciclo astrológico anual – ingressa em Áries no dia 20, segunda-feira da semana que vem – sinalizando um período de finalizações no que tange ao ciclo anual. Por estes dias o Sol entabula conversações difíceis e sofridas, mas que no final das contas, podem ser fortalecedoras do caráter e dos propósitos. O Sol faz conjunção a Quíron e quadratura a Saturno, dinamizando a atual quadratura cíclica entre esses dois “planetas” pesadões e significadores de sombra, dificuldades, inseguranças e inadequações. Já dá para ver que a semana traz desafios, certo? A diferença básica entre Saturno e Quíron é que as inseguranças e inadequações representadas por Saturno são passíveis de serem superadas, com esforço consciente, trabalho, empenho, tempo… Somos tão inseguros naquela área que trabalhamos muito, ao nível da super-compensação, e não só as superamos, como nos tornamos mestre naquela área. Já com Quíron não há “superação” possível, porque Quíron representa aquilo que não pode ser consertado, nem com todo o esforço do mundo… Quíron é necessário para que o ser humano se mantenha humilde, para que perceba que estando nesta terra e nesta realidade de limitações, limitado é. Com Quíron aprendemos que há coisas que não superamos e que temos que aceitar e isso nos irmana aos outros humanos, porque todos temos Quíron em algum lugar. Nesta semana nos damos conta, intensamente, da diferença entres essas inadequações e inseguranças diversas: as solucionáveis e aquelas insuperáveis. E se por um lado isso pode ser doloroso de encarar, por outro, traz a maturidade da aceitação desses limites. Quíron e Saturno sempre me trazem presente a Oração da Serenidade, que já mencionei várias vezes aqui: “concedei-me a serenidade para aceitar as coisas que não posso mudar; coragem para modificar aquelas que posso; e sabedoria para distinguir entre uma e outra”. Basicamente é esse o tom da semana, com o Sol, que representa a consciência e o centro do eu, tendo essas conversas duras e desagradáveis.

Reprodução – Desconheço o autor

Mas Quíron também fala de cura, de empatia, de sabedoria… então a semana é propícia a isso também. O interessante é que O Sol primeiro faz conjunção a Quíron e nos tornamos agudamente conscientes das nossas aflições, úlceras, feridas, das vergonhas e dificuldades… E nos solidarizamos com outros, porque vemos neles, de formas diferentes, o sofrimento que também é nosso. Três dias depois, na sexta-feira, o Sol se depara com o julgamento de Saturno, que pode nos deixar cabisbaixos, com o peso do mundo sobre os ombros, nos sentindo julgados e meio soterrados pelo peso da vida… Mas Saturno, vindo logo depois de Quíron, ajuda a dar esse choque de realidade, que nos obriga a sair da autocomiseração e perceber as limitações que podemos e devemos superar… Assim, Saturno, num primeiro momento parece jogar a pá de terra sobre o cavalo que caiu no poço, até nos darmos conta que aquela terra caindo na nossa cabeça será o meio para nos elevarmos e sairmos do buraco – sim, é possível sair do buraco, desde que olhemos para cima e não fiquemos chafurdando na lama da autopiedade. Além do mais,  nossas imperfeições, somadas às nossas qualidades, é que nos fazem únicos, é o que nos faz o que somos.  Como diz Joseph Campbell,“a única maneira de você descrever verdadeiramente um ser humano é através das suas imperfeições. O ser humano perfeito é desinteressante. As imperfeições da vida é que são apreciáveis (…) As crianças não são adoráveis porque estão caindo a todo instante e porque têm o corpo pequeno e a cabeça muito grande? A perfeição seria algo tedioso demais, seria desumano. O umbilical, a humanidade, aquilo que se faz humano e não sobrenatural e imortal – isso é adorável! É por essa razão que algumas pessoas têm dificuldade em amar a Deus; nele não há imperfeição alguma. Você pode sentir reverência, mas isso não é amor. É o Cristo na cruz que desperta nosso amor”.

Docto Ojiplastico – Reprodução

Mercúrio ingressa em Áries já na segunda-feira, mudando o tom dos pensamentos, comunicações, viagens… De um modo sensível, sonhador e imaginativo, passamos para uma abordagem mais direta, mais ágil e certeira. Mercúrio fará conjunção a Vênus, possibilitando que a mente tenha acesso mais direto às elucubrações íntimas e de cunho afetivo representadas pela retrogradação de Vênus. Como Marte está em Touro, temos a impulsividade da língua medianamente controlada, mas não temos paciência nem tolerância com o que se considera coisas sem sentido e sem cunho prático e aplicável. A mente está mais ágil, mas a ação ainda precisa de mais deliberação. Marte, aliás, está sem aspectos por vários dias, apenas recebendo os contatos da Lua. Isso demanda cautela porque planetas sem aspecto se manifestam de forma extremada, ou seja, ora estamos plácidos e tranquilos, para daqui a pouco entrarmos numa explosão de atividades frenéticas. Marte sem aspecto tende a ficar mais inconsciente e nossas ações são mais instintivas – cautela também com explosões de raiva.

Reprodução – Desconheço o Autor/a

Vênus segue no seu curso de retrogradação, em Áries. Esse é um chamado para prestarmos mais atenção a nós mesmos e nossas necessidades pessoais e individuais. Como lembra Frank Clifford, astrólogo inglês com quem tive algumas aulas, ‘retrogradação’ significa ‘segunda chance’ – daí essa volta ao passado. Então, diz ele, é o caso de revisitarmos áreas da nossa vida para fortalece-las e organizá-las melhor. Clifford nos lembra ainda de fazer algumas perguntas: “onde, na sua vida, você precisa ser mais corajosa/o e independente? Em outras palavras, cuide de você mesmo, antes de cuidar de qualquer outra pessoa. Reconecte-se com o centro de QUEM VOCÊ É (seja auto-centrado). É um bom momento de parar de jogar os joguinhos relacionais e seguir seu próprio caminho, e não ser uma versão falsa de você mesmo porque você acha que vai agradar aos outros. Neste ciclo, há chance de recuar e lidar com todas aquelas situações nos relacionamentos em que você se sentiu vitimizado, usado, negligenciado, ignorado ou desvalorizado. E de reconhecer a SUA parte nisso tudo. Uma forma de afirmar suas qualidades positivas é fazer um diário e listar uma coisa boa, todos os dias, que você sabe que faz muito bem”. Assim é a retrogradação de Vênus em Áries: precisamos reavaliar e focar em nós mesmos: enfatizando as boas qualidades e encarando com honestidade onde também precisamos melhorar. O Sol faz esses contatos tensos, mas Vênus retrógrada nos lembra que, a despeito de todas as imperfeições, precisamos nos amar porque só quando nos amamos realmente podemos melhorar. Como diz a frase do Mandela, “não somos amados porque somos bons, somos bons porque somos amados”! Vênus retrógrada também nos faz rever decisões tomadas acerca das áreas onde temos os signos de touro e Libra, que são regidos por Vênus. Talvez fizemos escolhas e tomamos decisões e agora voltamos atrás e reavaliamos. Está correto. É a segunda chance!

Lua disseminadora – Desconheço o Autor/a – Reprodução

A Semana traz o tom da Lua Cheia, ocorrida no domingo, dia 12, em Virgem. Na segunda e terça a Lua se equilibra em Libra, torna-se Disseminadora em Escorpião, catequética em Sagitário, fechando a semana neste signo. A Lua oficializa o Quarto Minguante somente na segunda-feira, dia 20, a partir de Capricórnio, pouco depois de o Sol ingressar em Áries

Reprodução

SEGUNDA-FEIRA, 13 de março – A Lua, Cheia em Virgem, abriu o dia vazia/fora de curso. Ficou vazia depois da quadratura a Saturno, ainda ontem. Ingressou em Libra às 02h29min e logo se indispõe com Marte em Touro. Fecha a noite em oposição a Vênus retrógrada em Áries, sua dispositora. Mercúrio ingressa em Áries às 18h08min. A despeito de algumas incongruências matinais, a segunda-feira está dinâmica, o que traz ânimo e nos faz ir para a vida estabelecer contatos, travar interações, ver gente e interagir com o mundo social. É um dia de buscar equilíbrio, de ativar as relações e rever posicionamentos. Se temos estado exageradamente centrados no outro, precisamos recuar um pouco e cuidar melhor de nós mesmos e de nossos interesses. Se for o contrário, se andamos ultimamente auto-centrados excessivamente, agora podemos nos mover na direção contrária e olhar e ver os outros perto de nós. Isso porque a Lua está em Libra, o signo da alteridade, das escolhas, da busca de harmonia e equilíbrio. Mas Vênus, que rege essa Lua Libriana, está em Áries, retrógrada, em recepção mútua com Marte em Touro com quem a Lua se indispôs logo cedo. Então, nada é o que parece de cara. É preciso um segundo olhar, uma segunda análise para achar o verdadeiro equilíbrio, a verdadeira harmonia. É um momento de nos posicionarmos mais francamente, mais lucidamente dentro das relações; de acatarmos um certo isolamento com algo saudável e não como dor ou ostracismo; de incluirmos o outro sim, mas não – nunca – às custas do nosso amor próprio; e para isso precisamos estar muito límpidos a respeito dos nossos valores, para fazer as escolhas sem medo, sem dor, mesmo que algumas dessas escolhas sejam um pouco desagradáveis. Precisamos uns dos outros, mas também precisamos respeitar nossos limites pessoais, assim como os limites alheios. Assim, as relações ficam mais respeitosas e equilibradas. Em termos práticos, o dia está bem animado e propício a todo o tipo de interação. A rever acordos, a reestudar negociações anteriores e a ponderar um pouco mais nas parcerias propostas.

Reprodução – Desconheço o autor/a

TERÇA-FEIRA, 14 de março – O Sol hoje está em conjunção exata a Quíron. A Lua Libriana abre o dia em oposição à dona da casa, Vênus, que está retrógrada em Áries. A Lua também se indispõe com Netuno e entra num embate ferrenho com Plutão e depois Urano, enquanto se alia a Júpiter, por conjunção. O dia traz influências que nos fazem sentir meio que em carne viva, sensação de acanhamento ou de dor aguda mesmo. Talvez nada tenha acontecido para suscitar tais sentimentos, talvez sejam apenas lembranças, ou o jeito que acordamos, mas o fato é que nos sentimos meio aguados, desacorssoados, como se nada fizesse muito sentido… Uma vontade de não ligar mais para nada… Nesse estado de espírito podemos ficar defensivos e reativos ao menor sinal externo de desequilíbrio – já que desequilibrados estamos nós – acreditando que é nossa responsabilidade, oferecendo-nos talvez como bode expiatório, talvez até nos expondo a invasões, maus tratos, sem nos dar conta… É possível que seja o oposto também, suscetíveis e reativos como estamos, podemos partir para o ataque como melhor tática de defesa, mesmo sem motivos claros de que estamos sob ameaça. Autoestima lá embaixo, talvez ainda tentemos agradar como forma de ganhar um afago, só para nos deparar com o que entendemos como frieza, pressa, rejeição, “sai pra lá”, o que pode ferir ainda mais nossos brios.

Talvez ainda seja melhor parar um pouco, olhar para dentro – e não para fora – e verificar o que tirou nosso equilíbrio, o que despertou nossas inseguranças de forma tão contundente… Chorar, se for o caso; admitir a dor, se ela se faz presente; não ter vergonha das próprias fraquezas, porque elas apenas nos fazem humanos… E oferecer a si mesmo, aquele amor incondicional que esperamos do outro, continuamente a nos desapontar – relação lateral não é de amor incondicional! Então, pegue-se no colo, dê-se um abraço, beije-se, acaricie-se, acarinhe-se, acalente-se, nine-se, embale-se… Dê a si mesmo todo o amor de que precise e de que está tão carente; dê a si próprio a validação e o apoio que você espera do outro. Olhe para suas fraquezas. Encare-as. Elas são parte de você, assim como os talentos, habilidades e força… E tais fraquezas têm uma razão de ser, têm alguma utilidade, mesmo que isso não seja claro… E, ao abraça-las, podemos aos poucos tentar melhorá-las, pelo amor, com amor. E, ao abrir essas comportas, podemos descobrir que temos um amor maior do que jamais imaginamos e podemos oferece-lo aos outros e – incrível – quando menos esperamos, estaremos sendo amados de volta… E assim se dá a cura, quando nos perdoamos, nos aceitamos e nos amamos, com todas as nossas idiossincrasias… Curamos a nós e curamos ao outro, porque se damos conta de nos aceitar, nosso coração se alarga e se expande, e acolhe também o outro. O dia pede paciência uns com os outros. Estamos todos meio sensíveis e doendo em algum lugar e não é partindo para a briga que vamos provar que somos melhores do que nos sentimos realmente. Podemos nos fazer respeitar, se necessário, mas podemos também nos recolher e deixar tudo passar, observando qual a nossa parte e responsabilidade nas dificuldades que encontramos, comprometendo-nos em mudar o que for possível ser mudado.

Brooke Shaden Photography – Reprodução

QUARTA-FEIRA, 15 de março – O Sol ainda está conjunto a Quíron e vai se afastando lentamente, enquanto se aproxima da quadratura a Saturno. De Libra a Lua faz sextil a Saturno e fica vazia às 07h07min. Ingressa em Escorpião às 12h11min, de onde logo faz oposição ao seu dispositor, Marte, que está em Touro. O dia começa reflexivo e um tanto austero – refletimos sobre como trazer mais equilíbrio às nossas relações, como nos responsabilizar por nosso bem estar, ao invés de esperar isso de outros. Como encontrar a medida certa entre o dar e o receber nos relacionamentos, sem ficar devendo nem cobrando as outras pessoas. À tarde o clima muda radicalmente. A introspecção continua, mas agora por outros motivos: estamos um tanto receosos, defensivos e ciumentos de nossos pensamentos e emoções e recebemos como ameaça qualquer movimento que pareça proximidade demasiada. Há tendência a azia emocional e as relações podem ficar um tanto azedas e sujeitas a farpas, sarcasmo, ironias finas, isso quando não despencar para atritos mais sérios porque a defensividade e o desejo de nos afirmar estão veementes e podem nos fazer reagir de forma exagerada às situações… Sarcasmo é técnica de defesa também, mas além de demarcar território e diminuir o outro, cria feridas e afastamentos, portanto, vale se questionar onde queremos chegar com tudo isso e se de fato estamos sob qualquer ameaça, porque isso também é discutível. Por outro lado, se conseguirmos dosar nossa energia na medida certa, essa influência melhora a execução de tarefas que se mostrem complicadas e que demandam controle, concentração e alto gasto energético.

Reprodução

QUINTA-FEIRA, 16 de março – A Lua, na fase cheia em Escorpião, faz trígono a Netuno em Peixes e quincúncio a Vênus Rx em Áries. Mais tarde a Lua faz sesqui-quadratura ao Sol entrando na fase Disseminadora. Fecha a noite em harmonia a Plutão, aspecto exato amanhã. O Sol já está bem próximo da quadratura a Saturno. Sensibilidade e emoções intensas colorem o dia, assim como uma potente capacidade de intuir o rumo das situações e também o que os outros estão sentindo, que pode ser instrumental para melhorarmos as interações ou mesmo para manipularmos pessoas – depende da integridade da nossa alma e dos nossos intentos. Esse poder emocional pode nos aproximar das outras pessoas e nos permitir penetrar em suas defesas, mas isso deve ser feito de forma respeitosa e nobre, caso contrário, podemos nos tornar invasivos e causar mais dano do que ajuda ou reparação. Não podemos esquecer que inseguranças estão afloradas e muitas feridas estão abertas, portanto, se não temos algo realmente bom para oferecer, se nossas intenções são menos do que honestas, fazemos melhor se ficamos quietos e cuidamos de nossas próprias questões. De toda forma, há grande potencial de cura e de compreendermos ao outro e a nós mesmos um pouco mais profundamente e, bem conduzidas, tais influências podem, de fato, ajudar a aprofundar o entendimento de nossas dinâmicas internas e mesmo das dinâmicas relacionais. A Lua fica disseminadora em Escorpião, sugerindo que a mensagem que precisamos levar adiante precisa ser verdadeira, apaixonada e profunda. Os aprendizados que vivenciamos até aqui são repassados como catalizadores de transformação na vida de outros, com sensibilidade e autenticidade.

Reprodução

SEXTA-FEIRA, 17 de março – O Sol Pisciano está em quadratura exata a Saturno em Sagitário, enquanto ainda se afasta da conjunção a Quíron. A Lua Escorpiana e disseminadora se afina com Plutão, seu regente moderno, enquanto se desentende com Urano e se harmoniza com Quíron e com o Sol, ficando vazia depois do contato ao Sol, às 18h58min. Ingressa em Sagitário à 00h00min do sábado. O dia está pesado, turvo e um tanto sombrio. Nosso anseio seria desaparecer para lugares inóspitos, talvez, ou para lugares onde não tivéssemos que lidar com tantas agruras e dificuldades mundanas, com tantos problemas cotidianos que parecem derrubar nosso entusiasmo e massacrar nossos sonhos e aspirações mais elevadas. É como uma dor fina, indefinível, que tira o fôlego em alguns momentos e que nos lembra de nossa mortalidade e finitude, nossas deficiências ou insuficiências, ou como um peso amarrado a nós, dificultando o caminhar. Circunstâncias ou outras pessoas, particularmente acima de nós – pais, chefias, autoridades – parecem exigir mais do que somos capazes de dar. Até mesmo a energia e vitalidade física podem estar depauperadas, de modo que nos sentimos fracos ou lentos nos nossos afazeres e compromissos. Podemos também nos sentir cobrados ou criticados, de forma implícita, e isso torna tudo um pouco pior…

Reprodução

Mas antes de deduzirmos ‘verdades’ a partir das aparências, vale checar se estamos certos sobre tais deduções, para não vermos fantasmas e perseguição onde não existem e para não aumentarmos o tamanho dos problemas desnecessariamente. É um bom dia para olharmos para nossas falhas sim, não para nos desanimar ou derrubar, mas para melhorarmos. Sobretudo, com o Sol em Peixes, somos convidados a avaliar se nosso senso de identidade é sólido e seguro o bastante, se sabemos quem somos e do que somos feitos, para além de autoimagens pueris e fantasiosas. O dia pede um exame sóbrio de nossas capacidades e, ao identificarmos falhas, agir para corrigi-las, sem grandes dramas, sem chibatas ou autoflagelação desnecessária. Particularmente, é importante perceber que há ótimas oportunidades de nos curarmos a partir do olhar compassivo e empático para as próprias limitações, comprometendo-se a superá-las. A noite traz horas calmas e uma introversão providencial que nos ajuda a digerir todas essas informações, insights e percepções, propiciando também que sincronizemos os propósitos conscientes de crescimento e transcendência com a necessárias transformação dos comportamentos e hábitos que impedem nossa excelência.

John Casey – Reprodução

SÁBADO, 18 de março – A Lua ingressa em Sagitário à 00h00min, cravado. Faz quincúncio a Marte em Touro, trígono a Mercúrio e a Vênus Rx em Áries e fecha a noite em quadratura a Netuno. Mercúrio e Vênus estão em conjunção partil hoje. A noite traz alguns desconfortos durante o sono. O dia, porém, nasce mais animado e otimista, porque estamos imbuídos de uma nova força, nascida das resoluções da noite anterior e do comprometimento que fizemos com a mudança pessoal. Podemos rever alguns valores e analisá-los de forma mais direta e menos sentimental, verificando o que é necessário para nos valorizarmos mais, a despeito das falhas humanas que carregamos. Ainda estamos muito conscientes de tais falhas, mas conseguimos perceber nelas algum sentido, além de nos animarmos a prosseguir pela estrada, usando as pedras que surgirem para pavimentar o caminho, ao invés de permitir que nos bloqueiem a vontade ou os objetivos. A comunicação está ágil, mas animada e sociável, trazendo bom humor às interações e espirituosidade. À noite o clima está um tanto confuso e nebuloso, levando a mal-entendidos nas interações. Cautela com álcool e drogas porque há tendência a exageros e a enfiar o pé na jaca.

Reprodução

DOMINGO, 19 de março – A aventureira Lua Sagitariana faz quadratura a Netuno na primeira hora do dia. Durante o dia se harmoniza com seu regente, Júpiter em Libra e com Urano em Áries e fecha a semana em conjunção não exata a Saturno. A balada de sábado para domingo pede cautela porque a Lua Sagitariana já aponta para excessos e a quadratura a Netuno aumenta a propensão à falta de limites – portanto, moderação é a chave para a boa diversão hoje. Já o dia de domingo está mais auspicioso e feliz, depois do peso que vivenciamos durante a semana, conseguimos ter uma perspectiva mais filosófica de tudo: dos problemas, da nossa caminhada, das possibilidades, da vida. Um otimismo incipiente pode favorecer o clima do domingo, que por sua vez, fica propício a atividades ao ar livre, aventuras no campo, encontros festivos com amigos. Não podemos nunca perder a esperança e a perspectiva de porque estamos aqui, nesta terra, neste tempo e neste lugar! E essa perspectiva, esse sentido, não precisa ser mirabolante ou grandiloquente. Como diz Joseph Campbell: “Dizem que o que todos procuramos é um sentido para a vida. Não penso que seja assim. Penso que o que estamos procurando é uma experiência de estar vivos, de modo que nossas experiências de vida, no plano puramente físico, tenham ressonância no interior de nosso ser e de nossa realidade mais íntimos, de modo que realmente sintamos o enlevo de estar vivos. É disso que se trata, afinal, e é o que essas pistas nos ajudam a procurar, dentro de nós mesmos”. Ele também diz: estamos tão empenhados em realizar determinados feitos, com o propósito de atingir objetivos de um outro valor, linear e longe da vibração da vida, que nos esquecemos de que o valor genuíno, o prodígio de estar vivos é o que realmente conta”. E hoje é um desses dias, em que nos sentimos muito vivos, felizes existir, por ser, por estar, por viver, entendendo que o sentido da vida é a vida em si mesma!

Uma ótima semana para você! Que seja de serenidade, empatia, crescimento e cura!

Reprodução – Desconheço o Autor/a