Tag Archive | Quebra de padrões

A Semana Astrológica – A dor e a delícia de ser o que somos

Catrin Welz-Stein – Reprodução

Semana de 10 a 16 de abril – Semana de colhermos os resultados, concretos ou intangíveis, dos esforços que dedicamos aos nossos empreendimentos. Resoluções abruptas e radicais também estão no menu do período e ajudam a liberar muito da tensão acumulada nas últimas semanas. 

Semana de Lua Cheia em Libra, mas cujo ponto alto é a regente de Libra, Vênus, voltando ao movimento direto no sábado (fogos de artifício pipocando para todo lado!). Mas ainda vai levar algumas semanas até que Vênus recupere a sua boa forma: ela só sai da zona sombria de retrogradação no dia 18 de maio e fica bem mesmo a partir de seis de junho, quando entra em Touro, seu palácio campestre, signo regido por ela. Vênus estaciona em conjunção a Quíron e já direta, fará quadratura exata novamente a Saturno – quadratura, aliás, que está ativa todas essas semanas, porque muito próxima do ponto partil. Pois é, não mole, não!

tirado de DebraHeylen.blogspot – Reprodução

A Lua cheia, por sinal, traz mais algumas avalanches para sacudir os corações e o mundo em seus conflitos também. Ocorre no eixo-Áries-Libra, eixo dos relacionamentos; dá-se em oposição a Urano, o planeta das rupturas e do despertar abrupto e radical… E ainda tem a quadratura a Plutão, que, intensifica e aprofunda todas as crises. Vênus, regente da Lua Cheia, estará em quadratura de meio grau a Saturno… Portanto, essa Lua Cheia traz a culminação deste ciclo de retrogradação de Vênus e sugere muitas tensões, mas também liberação e resoluções drásticas na área das relações e dos acordos políticos e tentativas de conciliações.

Reprodução

E se a Lua Cheia acontece em oposição a Urano, significa que o Sol vai fazer conjunção a ele nesta semana, sugerindo um momento de recarregarmos as baterias, porque Urano é energia de milhões de volts – só precisamos ter sobriedade e cabeça fria para administrar tanta energia, para que ela não imploda dentro de nós. Sim, há muita energia e uma revitalização dos nossos propósitos, assim como a sensação de estarmos muito despertos para aspectos da vida e até de nós mesmos que havíamos ignorado antes. Contudo, essa energia também traz muita ansiedade, impulso e pode aumentar a irritação, caso queiramos fazer tudo igual e previsível. A semana pede inovação, experimentação e que não tenhamos medo de nos abrir ao novo, por mais amedrontador que possa parecer. Em termos mundanos, essa influência sugere um recrudescimento de opiniões e posições políticas, idealismos exacerbados e exaltados – considerando-se que Vênus e Mercúrio estão retrógrados (planetas associados com negociações e acordos), a conjunção Sol-Urano pode indicar também tensões aumentadas nos conflitos já existentes mundo afora. O Sol também fecha a semana já em trígono a Saturno, que ajuda a dar uma sustentação para toda essa energia extra, propiciando que a utilizemos de forma sábia e até estruturada.

Reprodução

Marte faz um sextil à sua dispositora, Vênus, no domingo. Neste caso, é Marte quem faz o movimento, visto que Vênus ainda estará praticamente estacionária, já movendo-se para a frente, mas é Marte quem vai ao encontro dela. Esse movimento pode apaziguar minimamente os dissabores relacionais do momento e pode trazer algum alento, visto que sugere a possibilidade de conseguirmos uma cooperação entre nossos desejos e a capacidade de realizá-los, ou, visto de outra forma, masculino e feminino estão afinados, sugerindo um diálogo menos duro e chances de conciliação nas crises que ora se apresentam.

Brooke Shaden Photography – Reprodução

Por outro lado, Mercúrio, planeta das comunicações, acabou de ficar retrógrado em Touro. E não, isso não é uma catástrofe! Você pode tocar sua vida normalmente, a Terra continua a girar e nós seguimos com nossas tarefas de sempre. Mas Mercúrio retrógrado traz a oportunidade de reavaliarmos e revisarmos nossa comunicação, nossos processos mentais, estudos, escritos, etc. E sugere um período em que tudo o que identificamos que está datado ou não funcionando mais seja corrigido ou substituído. Abrir a mente e a cabeça, ter flexibilidade, abrir mão da teimosia e dos pensamentos condicionados… Abrir mão das nossas certezas certinhas, das opiniões formadas e estabilizadas, dos manuais que nos dizem como pensar, o que dizer, a coisa certa, sem nunca poder errar. Deixar ir as verdades prontas e engessadas e estar dispostos a nos surpreender. Em lugar de certezas maçantes, escolher a liberdade das incertezas, para variar um pouco… tudo isso fica favorecido por essa retrogradação, assim como voltar atrás sobre nossos próprios passos para rever por onde andamos e se perdemos algum detalhe importante. Falei mais sobre isso no texto da semana passada!

Outra coisa importante é que nesta semana ainda temos quatro retrogradações pesadas: Mercúrio, Vênus, Júpiter e Saturno, dois planetas pessoais e os dois sociais. Os planetas transpessoais estão todos diretos no momento, Plutão entrando em retrogradação no dia 19 de abril. Então, talvez tenhamos a sensação de que o mundo tá pesado demais, as mudanças grandes demais e os mecanismos sociais não conseguem acompanhar ou administrar tais movimentos. Pessoalmente também nos sentimos ainda em fase de reflexão, antes de conseguirmos atinar para quais atitudes são mais adequadas ao momento e às mudanças que ocorrem em nossa própria vida. Mas essa fase é necessária e o melhor que fazemos é tirar proveito dela, revisando, reorganizando, reordenando, reestruturando tudo o que for necessário e tudo o que for possível.

Desconheço o autor – Reprodução

A Semana é marcada pela fase cheia da Lua, ocorrendo em Libra, na madrugada de terça-feira, dia 11, às 03h08min no horário de Brasília e às 07h08min no horário de Lisboa. A Lua adensa os temas relacionais em Escorpião, torna-se Disseminadora em Sagitário e fecha a semana entrando em Capricórnio na noite de domingo. Conversa com todos os demais corpos celestes, harmoniosa ou estressadamente.

Reprodução

SEGUNDA-FEIRA, 10 de abril – a Lua abre a semana em Libra, sem fazer muitos aspectos na madrugada. Durante o dia faz quincúncio a Netuno, conjunção a Júpiter, quadratura a Plutão e oposição não exata ao Sol e a Urano, aspectos que se completam na madrugada de terça. A Lua forma uma T-Square com Júpiter, Sol-Urano e Plutão de foco. Vênus, regente da Lua, esta conjunta a Quíron e em quadratura a Saturno. Começamos o dia buscando harmonia, mas encontrando incongruências e desajustes, que nos obrigam, logo cedo, a buscar conciliação entre nossos ideais de perfeição, os rasgos de sensibilidade e a necessidade de termos uma abordagem mais desapegada dos assuntos, das tarefas e até mesmo da nossa subjetividade. À tarde as coisas esquentam de verdade e somos espremidos pelas muitas escolhas que temos que fazer, que nos colocam em colisão direta com situações sombrias e ingratas que preferiríamos não ter que encarar, mas das quais não temos como escapar. É um bom dia para confrontarmos nossa dependência da opinião alheia, da aprovação do outro e até mesmo daquilo que é “adequado” e esperado de nós. Somos capazes de bancar nossas escolhas, quando elas são boas para nós mas desagradam a outros? Damos conta de lidar com o desconforto que causamos com nossos posicionamentos, talvez inconvenientes, mas necessários? Ou vamos continuar agradando a outros enquanto nos sentimos um capacho? Buscar a harmonia é necessário, mas nâo à custa do nosso amor próprio, não tendo que recuar naquilo que acreditamos, não tendo que pedir desculpas se nossa atitude não está em consonância com o código moralista atual. Esse dilema interno causa um nível de estresse muito alto e demanda de nós muita força interior para darmos conta de “segurar a onda” e defendermos nosso posicionamento, a despeito das divergências e oposições com que nos defrontamos. Ninguém precisa aceitar coisas com as quais não concorda, mas o fato de não concordarmos com algo não quer dizer que o outro esteja necessariamente errado, pode haver divergência de opinião e de visão e podemos perfeitamente concordar em discordar e é assim que as relações maduras se sustentam, baseadas no respeito. Mas é muito importante, é vital, sermos capazes de nos defender e defender nossa posição, com integridade e serenidade. O oposto disso será a diminuição do auto-respeito e o preço sempre é muito mais alto do que qualquer afago recebido por concordarmos em ser “agradáveis” e “adequados” como esperam que sejamos.

Reprodução

TERÇA-FEIRA, 11 de abril – A Lua completa a oposição ao Sol, formalizando a fase da Lua Cheia, na madrugada, às 03h07min. Depois a Lua se opõe a Urano e faz também quincúncio a Marte em Touro e a Quíron-Vênus em Peixes, virando foco de um Yod-Dedo de Deus. A Lua fica vazia depois do sextil a Saturno, às 15h21min. Ingressa em Escorpião às 19h42min e fecha a noite em oposição a Mercúrio retrógrado em Touro. A Lua Cheia culmina o ciclo iniciado em Áries e, de certa forma, também joga no palco central das discussões os temas do ciclo atual de retrogradação de Vênus, que está super desacelerada, preparando-se para estacionar no fim de semana. Essa lunação traz para a linha de frente o quanto temos comprometido nossa autoestima, nossos desejos, nossa vontade e a nós mesmos para ceder a outros. Pede que achemos o equilíbrio entre a necessidade de aceitação e negociação e a necessidade de nos posicionarmos firmemente e defendermos nossos desejos e valores pessoais. Traz grande possibilidades de iluminação sobre os emaranhamentos que atrapalham e bloqueiam nossa vida amorosa e a consequente quebra do padrão destrutivo e de deixarmos o passado ir, de nos soltarmos das enredamentos ilusórios, das redes pescadoras e enganosas que nos mantiveram atados a imagens irreais do outro, da relação e até de nós mesmos. Traz uma tensão enorme, mas também a liberação dessa tensão de maneira que nos ajude a nos soltar do sofrimento desnecessário, dos enredos de dor e de tristeza, de modo a escolhermos enredos mais leves e realistas. De maneira a podermos dizer “não quero perfeição. Quero o real”. É, de fato, um confronto difícil com as ilusões e as imagens que espelhamos para o outro ou que espelharam para nós, mas um confronto que estilhaça os espelhos ilusórios e nos deixa com aquilo que tem verdadeira substância, que poderá nos sustentar.

Seungyea Park – Reprodução

QUARTA-FEIRA, 12 de abril – De Escorpião, a Lua Cheia faz oposição a Mercúrio retrógrado em Touro. Mais tarde a Lua faz sesqui-quadratura a Vênus e Quíron em Peixes e também trígono a Netuno. O Sol Ariano está em conjunção próxima a Urano. Hoje é um dia para entrar mudo e sair calado e manter os olhos bem abertos – principalmente o terceiro olho – e a boca fechada. Sentimos todas as suscetibilidades muito agudamente e temos que lidar até mesmo com aquilo que tínhamos conseguido jogar para um canto obscuro do coração nos últimos dias. A mente não ajuda e volta-se contra nós mesmos, sardônica e crua e nós, se não compreendemos de onde surge o “climão” pesado, derramamos o veneno em doses econômicas, mas letais, movidos por sentimentos inconscientes de insegurança e desamparo, de nos sentirmos expostos e talvez ressentidos com a vida e com o mundo em geral. A amargura, se não vigiarmos, pode nos fazer tomar atitudes extremas das quais podemos nos arrepender depois. Somado à defensividade está o desejo intenso de liberdade e independência e podemos misturar os conteúdos e fazer coisas impensadas, que talvez podem até ser adequadas, mas que têm as motivações equivocadas e podem levar a términos abruptos e amargos, ao invés de finalizações serenas e maduras. Para não incorrermos em tais equívocos, é importante estar cientes de nossas apreensões, ressentimentos, raivas e impulsos latentes e vigiarmos nossas reações , para que não sejam reações de bicho ferido, mas atitudes nascidas da deliberação madura e ponderada.

Reprodução

QUINTA-FEIRA, 13 de abril – A Lua Escorpiana se harmoniza com seu regente moderno, Plutão, em Capricórnio, mas se desentende com o Sol e Urano em Áries e faz oposição ao seu dispositor tradicional, Marte em Touro – Marte está Todo-Poderoso, regendo Sol e Lua por esses dias! A Lua fecha o dia em trígono a Quíron e a Vênus em Peixes. O Sol vira a noite/madrugada de sexta conjunto a Urano. Sentimentos conflitantes colorem o dia, que está denso – quase se poderia cortar a atmosfera com uma faca! Há muita força emocional e a capacidade de lidar com assuntos-tabu, crises e situações-limite em geral. Empenhamo-nos de corpo e alma em tudo o que fazemos e essa entrega ardorosa e arrebatada permite que realizemos muitas coisas que enchem o coração de orgulho e satisfação. Mas há também incoerências e desconexão de partes de nós mesmos, que talvez não queiramos reconhecer para não “complicar” as escolhas que já fizemos e aquilo com nos identificamos: queremos paixão e intensidade, no trabalho, na vida, no amor e as outras partes que querem soltura e descompromisso são empurradas para fora de nós, de modo que podem causar conflitos com outros, que parecem ameaçar e se interpor contra aquilo que somos e que queremos realizar. Tudo isso faz com o dia adquira um clima belicoso e irritadiço, mas é uma belicosidade viciosa, indireta e não muito honesta, o que dificulta a discussão limpa e a resolução do conflito de uma vez por todas. Ao invés disso, a coisa vai se arrastando em modo de agressão passiva, em que suprimimos a raiva na hora, mas deixamos que intoxique o coração, as vísceras e tudo aquilo que tocamos. Melhor ser honesto de uma vez e dizer o que tem que ser dito, de forma clara e límpida, sem cuspir acusações, mas colocando na mesa a forma como nos sentimos – o outro não é responsável por aquilo que sentimos – de modo a podermos chegar a algum consenso minimamente respeitoso, justo e íntegro.

Reprodução

SEXTA-FEIRA, 14 de abril – O Sol Ariano completa e plenifica a conjunção a Urano, enquanto a Lua faz trígono a Quíron e a Vênus em Peixes… A Lua fica fora de curso depois do aspecto a Vênus, à 01h19min. Ingressa em Sagitário às 07h27min, de onde se indispõe com Mercúrio retrogrado em Touro. Vênus estaciona a 26°54’ de Peixes. Temos hoje uma carga extra de energia que demanda acharmos recipientes adequados onde “aterrá-la” ou onde canalizá-la. Se estivermos em sintonia com nosso centro, procuraremos maneiras de nos desobrigar de tarefas entendiantes, previsíveis e rotineiras, em favor de explorarmos possibilidades insólitas de nos expressarmos e de expressarmos nossos talentos e criatividade. Há muito vigor e entusiasmo, uma sensação de expectativa e de que não devemos desperdiçar as oportunidades que nos são dadas e por isso mesmo, precisamos fazer algo diferente, que surpreenda a nós mesmos positivamente, do contrário, poderemos surpreender a outros de forma desagradável, rebelando-nos estrepitosamente contra obrigações e compromissos que nós mesmos assumimos sem pensar. Temos lampejos e estalos que nos permitem vislumbrar os limites que colocamos a nós mesmos e que nos impedem de avançar sobre barreiras que vemos como intransponíveis, mas que são superáveis, caso olhemos de ângulos diferentes e ousemos modificar a forma como enxergamos nossa realidade modorrenta da qual nos ressentimos tanto. Contudo, se insistimos em fazer tudo do jeito de sempre, podemos nos deparar com frustrações e entraves, máquinas quebrando, imprevistos e chateações irritantes, para não dizer, pequenos desastres. Assim, o melhor é nos sintonizarmos com a grande inspiração que nos chega e nos permitirmos ser flexíveis, estar abertos para o inusitado, o surpreendente, o imprevisível, o inesperado e, mesmo que pareça chocante a princípio, deixar-nos surpreender antes de deixar nossos preconceitos levarem a melhor recusar a oportunidade da nova experiência. Do jeito que a vida anda, não podemos desperdiçar essas pequenas horas de inspiração e elevação, portanto, estejamos abertos e permitamo-nos surpreender! Esses posicionamentos do Sol e da Lua no dia em que Vênus estaciona pedem que olhemos para nossos dramas sob ângulos diferentes, talvez seja um pouco difícil a princípio, apaixonados e identificados que estamos com nossas próprias dores, mas é possível e necessário, para termos algum senso de perspectiva e significado, que nos ajudarão a sair do lodo da nossa tristeza e desolação.

Burnetts Board – Reprodução

SÁBADO, 15 de abril – Vênus fica estacionário-direto às 07h18min em conjunção não exata a Quíron – tecnicamente já está direta – no Dia de Saturno, com quem está em quadratura, algo bem adequado aqui, porque Saturno parece estar dizendo quem é que manda no enredo! De Sagitário a Lua faz sesqui-quadratura a Urano e também ao Sol, entrando na fase Disseminadora. A Lua faz quadratura a Netuno, sextil a seu dispositor, Júpiter e sesqui-quadratura a Mercúrio. Depois de 41 dias mergulhados nos intricados dos nossos processos relacionais, refletindo, ponderando, reavaliando, chegamos a muitas conclusões que agora começam a ficar mais claras e que nos levarão a algumas mudanças de atitudes daqui a algumas semanas. Neste período, deixamos para trás as superficialidades, em nome de contatos mais profundos e substanciais… Se insistimos na superficialidade, podemos ter nos deparado com rejeição e incompreensão, que refletem a incompreensão que nós mesmos temos com relação ao processo como um todo. Agora começamos a empreender o caminho de volta à superfície de nós mesmos, mas muita coisa está transformada. Lampejos e revelações que afloram à consciência hoje podem ser preciosos para o entendimento das relações amorosas inclusive a relação que temos conosco mesmo. O que iremos disseminar a partir daqui? Insistiremos nas histórias de dor? Ou buscaremos novos ares e novos enredos, novos caminhos e visões? Precisamos nos separar dessas dores, dar-lhes um lugar no nosso coração e história, mas deixa-las ir como parte fundamental da nossa identificação pessoal. A cicatriz nos lembrará da vivência e daquilo que aprendemos, de que sobrevivemos, mas não precisa ser adorada como troféu para ganhar a simpatia alheia. A simpatia e empatia de que realmente precisamos é a nossa própria. E que seja verdadeira e não um arremedo para despistar nossas inseguranças. De modo mais prático, o dia traz a necessidade de nos pormos a explorar ovos caminhos e nos conscientizarmos da nossa necessidade de autonomia, largueza, soltura e descompromisso… O compromisso hoje é a surpresa e a busca por significados que sejam profundos, mas que também tragam leveza. Compromisso fechados e muito inflexíveis podem trazer frustração e irritação.

tirado de Deviantart – Reprodução

DOMINGO, 16 de abril – Marte está em sextil à sua dispositora Vênus. A Lua Sagitariana na fase Disseminadora faz trígono a Urano e ao Sol em Áries, enquanto se desentende com Marte em Touro e quadra Quíron-Vênus em Peixes, ficando vazia depois da conjunção a Saturno, às 15h28min. A Lua ingressa em Capricórnio às 20h05min. O Sol fecha a semana em trígono próximo a Saturno e Marte em quincúncio, também quase exato, ao mesmo Senhor do Tempo. Sabe aquela frase cliché super batida “não chore porque acabou, sorria porque aconteceu”? O dia tá desse jeito, com influências delicadas por um lado e exuberantes por outro. Uma sensação profunda de angústia, uma paralisação do sentimento, que fica preso a algo incognoscível, indefinível, mas que dói agudamente, a sufocar o fôlego… ao mesmo tempo uma sensação de esperança, uma alegria perspicaz, de quem sabe tudo o que passou, mas não se deixa esmagar por isso. Como estar no fundo do lago, a sufocar-se e emergir abruptamente à superfície, arfando por esse ar tão precioso, mas ainda sob o terror da possibilidade de ter sucumbido… Tudo o que vivenciamos ao longo da vida, da mais sublime e elevada das experiências à mais sombria e torturante das dores, ocorre por algum motivo, mesmo que não saibamos exatamente qual – isso aqui tem muito de uma crença e opinião pessoais e vocês podem não concordar – tudo bem. Não sabemos se um dia entenderemos o porquê, se encontraremos o sentido e o significado, mas podemos intuir e dar uma chance ao vazio, ao desconhecido, à falta de respostas prontas. Encarar a vastidão do universo e da própria alma, abrindo mão de saber tudo, de compreender tudo, de entender os porquês e apenas confiar nessa grande jornada, confiar naquilo que nos conduz vida afora – por caminhos verdejantes e luminosos ou por ruelas frias e escuras – o que quer que seja “isso” que nos conduz, destino, Deus, Eu superior, Divino… Tem algo que nos conduz – eu acredito nisso – e precisamos confiar e respeitar isso, nos dias mais felizes e também nos percalços que nos fazem tropeçar sobre nós mesmos. O dia traz essa sensação agridoce, em que nos damos conta da dor e da delícia de ser o que somos e de viver o que vivemos; em que percebemos as perdas, as dificuldades, mas achamos forças e entusiasmo para continuar, para esperançar, a despeito de tudo, até de nós mesmos e nossa desesperança e falta de fé. Refletimos com resiliência e serenidade sobre tudo isso, imbuídos de uma sabedoria e serenidade raras, que podem sim, nos ajudar a ter uma nova perspectiva das coisas. À noite a energia muda e nos vemos mais pragmáticos, já olhando agendas e nos preparando para a nova jornada e os desafios que nos esperam amanhã.

Uma ótima e serena semana para você!

Reprodução

Burnetts Board – Reprodução

%d blogueiros gostam disto: