Arquivo da tag: Realidade

A Semana Astrológica – Nosso pior inimigo

Reprodução

Semana de 12 a 18 de junho – Semana de Lua Minguante, que sinaliza tempo de limpeza, encerramentos e avaliações. Há também uma sensação de peso , insegurança e decepção conosco mesmos e nossa ingenuidade. 

Reprodução

Começamos uma semana de Lua Disseminadora e posteriormente, Minguante, que traz também o Sol Geminiano em oposição a Saturno – ai, ai, ai, lá vamos nós de novo para o confronto com o Mestre do Tempo! Mas depois de encarar o Velho, sacudimos a poeira e nos deparamos com o novo e oportunidades de usar os revezes como escada para nossa melhoria. O Sol fecha a semana em quadratura não exata a Quíron, então, esta semana traz alguns desafios à nossa autoconfiança, vitalidade, resiliência e força de vontade. Bater de frente e espernear não vai resolver. Se o Senhor do Tempo diz que é melhor esperar, não ganhamos nada em tentar burlar suas leis. Esperemos e contenhamos nossa frustração – ela tem muito a nos ensinar! E uma lição que precisamos relembrar é que, muitas vezes, nós somos nosso pior inimigo, quando nos deixamos abater pelo negativismo e pela auto-dúvida. O fim de semana está especialmente sensível, porque a Lua ao trafegar por Peixes, potencializa a retrogradação de Netuno e a oposição Sol-Saturno, condição em que fica minguante no sábado. Já o domingo traz propensão a conflitos e embates.

Reprodução a partir do Flickr

Mercúrio vem atrás do Sol, transformando em conceitos todas as experiências vivenciadas por este Sol e por ele mesmo. Nesta semana Mercúrio faz trígono a Júpiter, quadratura a Netuno, quincôncio a Plutão e também se opõe a Saturno, de modo que nossa mente oscila bastante entre o entusiasmo desmesurado e irrealista e as dúvidas subsequentes; posterior aos exageros vem a consciência de que talvez tenhamos metido os pés pelas mãos e agora temos que arcar com as consequências do que dissemos sem pensar. Saturno demanda que definamos mais claramente nossa forma de pensar e nos comunicar, que sejamos mais responsáveis e menos relapsos na comunicação e nos aprendizados, estudos e também ao lidar com leituras, escritos, papeis em geral. Talvez tenhamos alguns dias de muito pessimismo, em que tememos que nada vai dar certo e isso pode nos deixar um tanto deprimidos. Contudo, se conseguirmos controlar essa negatividade, podemos usar esse momento para averiguar com realismo as situações diversas em que nos encontramos, de modo a perceber o que está ou não funcionando, para fazer as devidas correções. Positivamente, são dias favoráveis para pesquisas e atividades mentais que requeiram disciplina, concentração e seriedade.

Reprodução

Vênus anda se refazendo no conforto de Touro. Está ultra sensual e muito conectada com os prazeres e deleites simples da vida, algo que favorece bem o Dia dos Namorados na segunda-feira. Mas pelo meio da semana ela lida com alguma insegurança, bem inconsciente, um tipo de dúvida latente sobre se não seria melhor pegar a estrada numa nova aventura, ao invés de focar tanto na segurança e confortos de uma vida “estável”. Vênus faz sesqui-quadratura a Saturno e fecha a semana em quincôncio bem próximo a Júpiter.

Reprodução

Netuno estaciona a 14°15’ de Peixes na quinta-feira, para entrar em movimento retrógrado na sexta. Erin Sullivan diz que Netuno, quando retrógrado, “nos convida a retornar ao útero, ao estado de incubação e no fim, renascer”. Como sabemos, a retrogradação de qualquer planeta sinaliza um tempo de revisão dos seus assuntos e temas. Netuno rege nossos sonhos e fantasias, os anseios de fusão com o Divino, através do outro ou de experiências transcendentais; os estados de encantamento em que desejamos nos perder e diluir no outro, aniquilando o senso de separatividade. Netuno representa a busca pela experiência da unidade, da comunhão com a vida como um todo, daí sua associação com a espiritualidade e o misticismo. Mas ele também simboliza os engôdos, os anseios enganosos, a diluição do ego através de decisões equivocadas, que pareciam perfeitas no momento em questão; está ligado aos medos irreais, às epidemias, aos estados de caos, dissolução e subversão.

Reprodução

Este ciclo de retrogradação ganha ênfase porque a Lua estará em conjunção exata a Netuno dia em que ele entrar em retrogradação, de modo que seus temas saem da esfera do meramente coletivo, para o pessoal – sentimos essa movimentação de maneira indiscutível, como uma vulnerabilidade mais acentuada, um anseio mais pungente por salvação e redenção. Assim, até 22 de novembro estaremos fazendo uma profunda revisão dos nossos sonhos e fantasias, dessa busca por unidade. É um momento de “cair na real” a respeito de ilusões que viemos alimentando nos últimos meses e perceber por que nos deixamos enganar. Talvez nos sintamos nus e vulneráveis, mas isso é necessário para nos livrarmos do senso de onipotência com que o ego possa ter se identificado na busca desenfreada e cega por tais ilusões, seja de poder, de sucesso, fama, engrandecimento pessoal, apaixonamento e encantamento por um outro ou por qualquer outra ideia ou projeto com o qual tenhamos nos envolvido sem enxergar sua realidade. Qualquer desapontamento não deve ser visto como um fracasso pessoal ou punição dos deuses, mas apenas um desnudar das ilusões, essencial ao nosso processo de crescimento. Os planetas exteriores, de maneiras diferentes, vão tirar de nós tudo aquilo que esteja atrapalhando nosso desenvolvimento, a evolução da alma. No caso de Netuno, isso ocorre de forma sutil, lenta, quase imperceptível e geralmente estamos tão encantados com o processo todo, que só nos damos conta da “esparrela” em que caímos, quando já é tarde demais para voltar atrás. E não adianta chorar e se lamentar, porque no fundo, a alma e o inconsciente, de certa maneira, conspiraram contra o ego, ou seja, inconscientemente, nós mesmos criamos o cenário e o enredo de perdas, fracassos, desilusão pelo qual navegamos presentemente – compactuamos, fomos ao encontro e nos tornamos “cúmplices” daquele/s que nos enganou/enganaram. Por mais doloroso que seja para o ego soltar e se desapegar de tais coisas com as quais estávamos identificados – posses, propriedades, opiniões, imagem, emprego, relacionamentos, etc – eles serão levados para que percebamos que nossa existência não depende disso, que somos muito mais do que tais identificações ilusórias, por mais penoso que seja a experiência toda. Com Netuno retrógrado as ilusões talvez se tornem mais claras, especialmente se Netuno está fazendo contatos a planetas no mapa natal e se o aspecto já ficou exato com Netuno direto. Soltar e se desapegar, ao invés de resistir – é o melhor que podemos fazer.

Reprodução

A Lua abre a semana na fase Cheia em Capricórnio. Torna-se Disseminadora em Aquário na terça-feira e entra na fase Minguante a partir de Peixes, no sábado. Fecha a semana já em Áries, digladiando-se com Marte, Júpiter e Plutão.

Reprodução

SEGUNDA-FEIRA, 12 de junho – A Lua está na fase cheia, em Capricórnio. Hoje faz conjunção a Plutão, quincôncio ao Sol, sesqui-quadratura a Mercúrio, sextil a Quíron e quadratura a Urano, ficando vazia depois da briga com Urano, às 14h47min. Ingressa em Aquário às 19h45min e fecha a noite em quadratura a Vênus em Touro. O dia dos Namorados está um tanto tempestuoso, com uma Lua nada romântica. Pelo contrário, o clima está meio pesado e sisudo e, mais do que isso, com a conjunção a Plutão – aspecto que a Lua faz todo mês e que sinaliza um momento denso de entrar em contato com nossa sombra, desejos de poder, de controle e, em última instância, necessidade de transformação – precisamos lidar com emoções sombrias e intensas que emergem do inconsciente. O dia fica então colorido por fortes contradições: desejos de nos comprometer seriamente, versus o impulso de preservar a autonomia, o movimento e a liberdade pessoal. Talvez não nos sintamos particularmente românticos no dia de hoje, porque nos deparamos com algumas verdades dolorosas a respeito de nós mesmos, nossas necessidades e algumas discrepâncias na relação com o outro; talvez não percebamos, mas é possível que estejamos muito exigentes e coloquemos sobre o outro altas cobranças, ciúmes, tentativas de controle e, claro, tudo isso pode gerar muitas tensões e até azedume nas relações. Por outro lado, se formos capazes de ser honestos e confrontarmos nossas carências infantis, percebendo que elas são exatamente isso, carências infantis, e que o outro não é responsável por resolvê-las, temos chance de crescer mais um pouco e, ao invés de crise, podemos aprofundar essa relação, aumentar a cumplicidade com o outro, respeitando sua individualidade e independência sem nos sentir ameaçados por isso. Vale a pena fazer um exame cuidadoso se há uma crise real em curso, ou se são apenas nossas inseguranças que estão exacerbadas hoje. À noite a Lua está em Aquário e sinaliza que as celebrações românticas sejam inovadoras, diferentes; que se busque surpreender o outro com uma nova faceta de nós mesmos e que também nos deixemos surpreender, pondo de lado preconceitos, rótulos e abrindo-nos à experimentação. Repetir o enredo dos anos anteriores é receita de confusão! Ouse, faça algo diferente, saia da mesmice, fuja dos estereótipos e dos scripts ensaiados! Não existe um único modelo ou formato de amor e de relação, cada pessoa tem um jeito único e especial de amar. Portanto, não almeje ser ou ter uma relação “perfeita” ou igual à do Fulano ou do Beltrano! Respeite a sua natureza e a natureza do outro e assim, a relação também será única e as diferenças, ao invés de serem um problema, enriquecerão as trocas afetivas.

reprodução – desconheço o autor

TERÇA-FEIRA, 13 de junho – Mercúrio está em trígono pleno a Júpiter. De Aquário a Lua faz quadratura à Vênus Taurina, quincôncio a Marte em Câncer e entra na fase Disseminadora ao fazer sesqui-quadratura ao Sol Geminiano. A Lua ainda faz trígono a Júpiter em Libra e, como Mercúrio também está em trígono a Júpiter, temos formado um Grande Trígono em Ar. Saturno vai se aproximando da oposição ao Sol. A despeito do peso que andamos sentindo, o dia traz um pouco de leveza, que nos ajuda a espairecer e a nos motivar um pouco para enfrentar os desafios que já vislumbramos ali à frente. É como se tivéssemos a chance de um descanso, uma pequena trégua em que podemos relaxar, antes de voltar às armas. Os pensamentos ganham asas e temos a coragem de expressá-los mais abertamente; também vamos em busca de novos contatos e relações, aspirando encontrar, talvez, respostas para nossas dúvidas e indagações filosóficas, ou simplesmente oportunidades de ampliar um pouco nossas possibilidades e alternativas. É um bom dia para ler sobre novos assuntos ou autores, comunicar-se, escrever sobre nossos questionamentos, sair um pouco da rotina, inspirar novos ares ou, simplesmente, relaxar um pouco, sem culpas ou cobranças, como uma maneira de aliviar a pressão, mesmo sabendo que logo devemos retomar a caminhada. Assim, aproveitemos porque “o segredo do êxito está em preparar-se para aproveitar a ocasião, quando ela se apresenta”.

Nicoletta Ceccoli – Reprodução

QUARTA-FEIRA, 14 de junho – A Lua, Disseminadora em Aquário, abre o dia ainda em formação de Grande Trígono com Mercúrio e Júpiter, durante a madrugada. Durante o dia faz trígono ao Sol e sextil a Saturno. O Sol está em oposição próxima a Saturno e a Lua hoje media esse embate. Saturno e Urano estão em trígono entre si e Júpiter em quincôncio a Netuno. Muitos dos desafios que aparecem no caminho tornam-se em oportunidades se forem vistos com olhos inovadores e com a dose adequada de criatividade – esta é uma maneira de vermos nossas dificuldades, que hoje já se mostram bastante duras. Mas não devemos deixar que nos soterrem debaixo de seu peso. O dia oferece possibilidades de olharmos nossos problemas e limitações com muita lucidez e distanciamento, sem nos identificarmos demais com eles, de modo a conseguirmos soluções inusitadas e diferentes daquelas já tentadas no passado. E mesmo que nos sintamos “castrados”, sabemos que precisamos, de alguma forma, “castrar” realmente os excessos, para podermos focar naquilo que realmente vale a pena. É necessário filtrarmos nossas aspirações de futuro, priorizando e disseminando aquelas que são de fato, realizáveis, mesmo que tenhamos que esperar um pouco para executá-las. Nesse meio tempo, podemos fortalecer nossa rede de contatos, podemos nos preparar melhor e ganhar consistência quanto à informação e conhecimento necessários à realização dos objetivos!

Alfredo Araujo Santoyo – Reprodução

QUINTA-FEIRA, 15 de junho – O Sol Geminiano está em oposição plena a Saturno em Sagitário. A Lua Aquariana se harmoniza com seu dispositor moderno, Urano e fica fora de curso logo depois, à 01h40min. Ingressa em Peixes às 06h18min, de onde se afina com Vênus em Touro, harmonizando-se também com Marte em Câncer, regido por ela. Netuno estaciona às 07h09min para dar marcha à ré, amanhã. As enganações e ilusões a que nos expomos recentemente nos são atiradas na cara, pois agora enxergamos a realidade mais limpidamente e possivelmente nos damos conta de que andamos ignorando alguns dos nossos limites, por estarmos demasiados fascinados com expectativas que agora se revelam vazias. Além disso, também precisamos lidar com os limites impostos por outros – chefias, autoridades, figuras acima de nós – ou mesmo por nossas circunstâncias, num momento em que nos sentimos particularmente vulneráveis e sensíveis, espremidos entre obrigações, deveres e aquilo que realmente gostaríamos de estar fazendo e vivendo. Entretanto, por mais que nos sintamos pressionados, desmotivados e isolados, não é o caso de entregarmos os pontos e desistirmos da luta. Mais uma vez, trata-se de um teste à firmeza e consistência da nossa vontade e dos nossos propósitos; uma prova sobre se já conseguimos o equilíbrio adequado entre as obrigações sociais e profissionais e o compromisso conosco mesmos e nossa consciência; de sermos leais a nós mesmos, a despeito das negativas e recusas que ouvimos mundo afora. Fisicamente, talvez nos sintamos muito cansados, exaustos, até, com uma desconfortável sensação de sermos mais mais velhos e “gastos” do que realmente somos. Tal sentimento aumenta a impressão de peso, derrota e isolamento. Contudo, não precisamos nos sentir vitimizados ou alienados, ao contrário, podemos aproveitar esse período para trabalhar a nós mesmos e às nossas inseguranças e inadequações que, diferentemente do que pensamos, não estão assim tão visíveis e evidentes para o mundo como estão para nós. E se de fato, são evidentes para nós, aproveitemos a chance de burilarmos e refinarmos esse diamante bruto que somos nós.

Reprodução

SEXTA-FEIRA, 16 de junho – Netuno entra em retrogradação hoje e só volta ao movimento direto em 22 de novembro. A condição estacionário-retrógrado de Netuno é potencializada pela conjunção da Lua, que também faz quincôncio a Júpiter em Libra, sextil a Plutão e quadratura a Mercúrio em Gêmeos, que hoje também está em quincôncio pleno a Plutão. O Sol segue em oposição a Saturno, começando a se afastar. O dia traz o tom da vulnerabilidade. Uma sensibilidade extremada, que nos permite descerrar as cortinas que separam mundos, dimensões e as diferentes “realidades”. Nostalgia, anseios profundos, contradizem a consciência que quer permanecer fincada na racionalidade. Mas ao insistir nisso, perdemos a possibilidade de dialogar em diferentes linguagens e ampliar a percepção, para que possamos ir além daquilo que os olhos físicos podem alcançar. Sentimo-nos presos por um torpor, um cansaço físico que reverbera do langor que começa na alma, como uma pré-embriaguez, em que ainda estamos parcialmente conscientes, mas oscilantes, misturando estações, tentando fugir da realidade com seus tons de cinza escuro, buscando as cores caleidoscópicas das esferas mágicas e sobrenaturais. Mais do que sensíveis, estamos sensitivos e captamos influências extra-sensoriais. Contudo, embora a intuição esteja especialmente aguçada hoje, vale a pena deixá-la assentar antes de tomar atitudes práticas, porque as percepções entre realidade e fantasia estão por demais borradas e misturadas e podemos confundir intuição com desejo ou anseios impossíveis. Se não está propício para lidar com coisas e situações práticas e que demandem lucidez, por outro lado, o dia favorece as atividades artísticas e criativas em geral, exatamente por causa da sensibilidade e imaginação super afloradas e na arte, sim, tudo é possível e podemos, de fato, soltar as rédeas da nossa imaginação, da percepção mágica e extra-sensorial e expressar a beleza e o sublime que se derrama de nossa alma.

Igor Morski – Reprodução

SÁBADO, 17 de junho – De Peixes a Lua faz quadratura a Saturno em Sagitário e depois ao Sol em Gêmeos, entrando na fase Minguante – a Lua vira foco de uma T-Square Mutável, que tem por base a difícil oposição Sol-Saturno. A Lua fica vazia depois da quadratura ao Sol, às 07h33min e ingressa em Áries somente às 13h55min. O dia está melindroso e modorrento. Há um forte conflito entre a razão e o sentimento; entre o sonho e a realidade. Dores e indisposição física nos fazem sentir pesadões, como se o corpo fosse mais uma prisão e não um invólucro sagrado da alma. A indisposição física tem origens mais profundas: nasce da indisposição emocional, por sua vez advinda dos muitos embates recentes com nossas inseguranças, temores, desesperança e vacilações. Nesse estado de prostração, nem queremos sair da cama, imagine então, de casa! Quem puder, faz bem, se de fato tirar algumas horas para refletir mais profundamente sobre tal prostração, sobre as inseguranças e desejos de evasão do mundo. O Minguante nos pede que abramos mão do desejo de que outros cuidem e se responsabilizem por nós ou por nosso bem-estar; deixar ir os escapismos, as fugas da realidade, a busca inconsequente e autodestrutiva por auto-dissolvição; abrir mão dos delírios e vontade de que tudo se resolva magicamente, sem que precisemos nos esforçar pelas melhorias; e aceitar a realidade tal como se apresenta, para poder transformá-la ali na frente. Eliminar os vícios e propor-se a uma limpeza real na alma e no coração, para que possamos deixar o terreno limpo e fertilizado para a plantação de novos sonhos e projetos, passíveis de serem realizados concretamente e não apenas falácias aventadas para ganharmos tempo diante de nós mesmos. Em termos práticos a manhã pede que peguemos leve, porque há tendência a contratempos, imprevistos e desperdícios. À tarde ficamos mais animados porque sentimos nossa energia medianamente revigorada e estamos aptos a realizar as atividades que porventura tenham ficado em standby pela manhã!

Nicoletta Ceccoli – Reprodução

DOMINGO, 18 de junho – O Sol Geminiano está em sextil exato a Urano em Áries. A Lua está em Áries e faz quadratura a Marte em Câncer – ambos estão em recepção mútua, um morando na casa do outro. A Lua ainda faz oposição a Júpiter em Libra e quadratura a Plutão em Capricórnio e temos então formado uma ampla Grande Cruz Cardinal. Depois de alguns dias de modorra, inseguranças, melindres e choradeiras, o domingo traz uma disposição completamente diferente: tem muito dinamismo, atividades, movimentação e também belicosidade no ar. Queremos e tentamos fazer várias coisas ao mesmo tempo e acabamos criando algumas confusões, devido à inabilidade de ouvir o outro e de negociar. Queremos o que queremos e queremos AGORA! Não importa se não depende do outro, porque, feito criança birrenta, estamos surdos e alheios à razão e aos argumentos do bom senso. Meu nome é umbigo e eu esqueço até que o umbigo tá grudado num corpo. O outro problema é que no nosso entusiasmo e impaciência, não percebemos que aquilo que é bom para nós não necessariamente agrada ao outro e vamos em frente, impondo nossa vontade alegremente, como se soubéssemos o que é melhor para todos, criando antipatias, algumas confusões e conflitos de vontades. Se pararmos um pouco e conseguirmos olhar para os lados, perceberemos que podemos conciliar as várias atividades e vontades, desde que cada lado esteja disposto a ceder um pouco, do contrário, azedaremos o domingo, as brincadeiras e a possibilidade de descanso e da boa convivência. Viva e deixe viver pode ser um bom lema para o dia, respeitando a diversidade de opinião e de desejos uns dos outros. Em termos práticos, o dia pede cautela, porque estamos muito impacientes e impulsivos e imprudentes e nesse estamos podemos nos expor a acidentes e conflitos perfeitamente evitáveis e dispensáveis!

Desejo a você uma ótima e serena semana!

Nota: pessoal, fiquei duas semanas sem publicar o texto da Semana Astrológica. Desculpem, mas estava impraticável! Precisei fazer uma reforma em casa, que era para durar duas semanas e virou um mês – e eu morando junto com a reforma! As duas últimas semanas foram as mais difíceis, porque estava acabando e eu fiquei quase que completamente em função da obra, indo a todo momento comprar algo que faltou. Cheguei a ir na loja para comprar 4 parafusos – literalmente! – quem já passou por reforma sabe como é! Você pergunta para o pedreiro a cada vez que vai na loja de material de construção: “falta mais alguma coisa?” – “Não, agora é só isso mesmo!”- Daí, você mal entra em casa e tem que sair de novo (rsrsrsrs). Depois vem a faxina e colocar tudo no lugar – outra parte exaustiva – até hoje tem um canto da sala com montes de coisas empilhadas! No meio de tudo isso, ainda estava fazendo um curso de Florais… Enfim, a reforma ficou ótima. Reformei minha cozinha, que era algo que eu queria fazer há muitos anos e ficava hesitando. Mas a reforma do exterior só ocorre como consequência da reforma e renovação interior! Estou bem feliz com o resultado! Agradecida pela compreensão!

Reprodução
Alfredo Araujo Santoyo – Reprodução

 

A Semana Astrológica – A imperfeição nossa de cada dia

Reprodução

Semana de 13 a 19 de março – Semana de enfrentamento de limitações e dificuldades, mas com um grande potencial de cura, que reverbera a partir da Lua Cheia ocorrida no domingo, desdobrando-se por toda a semana. Em termos práticos a Lua Cheia sinaliza uma semana de expansão.

Odilon Redon – Reprodução

O Sol completa sua última semana do ciclo de Peixes e do ciclo astrológico anual – ingressa em Áries no dia 20, segunda-feira da semana que vem – sinalizando um período de finalizações no que tange ao ciclo anual. Por estes dias o Sol entabula conversações difíceis e sofridas, mas que no final das contas, podem ser fortalecedoras do caráter e dos propósitos. O Sol faz conjunção a Quíron e quadratura a Saturno, dinamizando a atual quadratura cíclica entre esses dois “planetas” pesadões e significadores de sombra, dificuldades, inseguranças e inadequações. Já dá para ver que a semana traz desafios, certo? A diferença básica entre Saturno e Quíron é que as inseguranças e inadequações representadas por Saturno são passíveis de serem superadas, com esforço consciente, trabalho, empenho, tempo… Somos tão inseguros naquela área que trabalhamos muito, ao nível da super-compensação, e não só as superamos, como nos tornamos mestre naquela área. Já com Quíron não há “superação” possível, porque Quíron representa aquilo que não pode ser consertado, nem com todo o esforço do mundo… Quíron é necessário para que o ser humano se mantenha humilde, para que perceba que estando nesta terra e nesta realidade de limitações, limitado é. Com Quíron aprendemos que há coisas que não superamos e que temos que aceitar e isso nos irmana aos outros humanos, porque todos temos Quíron em algum lugar. Nesta semana nos damos conta, intensamente, da diferença entres essas inadequações e inseguranças diversas: as solucionáveis e aquelas insuperáveis. E se por um lado isso pode ser doloroso de encarar, por outro, traz a maturidade da aceitação desses limites. Quíron e Saturno sempre me trazem presente a Oração da Serenidade, que já mencionei várias vezes aqui: “concedei-me a serenidade para aceitar as coisas que não posso mudar; coragem para modificar aquelas que posso; e sabedoria para distinguir entre uma e outra”. Basicamente é esse o tom da semana, com o Sol, que representa a consciência e o centro do eu, tendo essas conversas duras e desagradáveis.

Reprodução – Desconheço o autor

Mas Quíron também fala de cura, de empatia, de sabedoria… então a semana é propícia a isso também. O interessante é que O Sol primeiro faz conjunção a Quíron e nos tornamos agudamente conscientes das nossas aflições, úlceras, feridas, das vergonhas e dificuldades… E nos solidarizamos com outros, porque vemos neles, de formas diferentes, o sofrimento que também é nosso. Três dias depois, na sexta-feira, o Sol se depara com o julgamento de Saturno, que pode nos deixar cabisbaixos, com o peso do mundo sobre os ombros, nos sentindo julgados e meio soterrados pelo peso da vida… Mas Saturno, vindo logo depois de Quíron, ajuda a dar esse choque de realidade, que nos obriga a sair da autocomiseração e perceber as limitações que podemos e devemos superar… Assim, Saturno, num primeiro momento parece jogar a pá de terra sobre o cavalo que caiu no poço, até nos darmos conta que aquela terra caindo na nossa cabeça será o meio para nos elevarmos e sairmos do buraco – sim, é possível sair do buraco, desde que olhemos para cima e não fiquemos chafurdando na lama da autopiedade. Além do mais,  nossas imperfeições, somadas às nossas qualidades, é que nos fazem únicos, é o que nos faz o que somos.  Como diz Joseph Campbell,“a única maneira de você descrever verdadeiramente um ser humano é através das suas imperfeições. O ser humano perfeito é desinteressante. As imperfeições da vida é que são apreciáveis (…) As crianças não são adoráveis porque estão caindo a todo instante e porque têm o corpo pequeno e a cabeça muito grande? A perfeição seria algo tedioso demais, seria desumano. O umbilical, a humanidade, aquilo que se faz humano e não sobrenatural e imortal – isso é adorável! É por essa razão que algumas pessoas têm dificuldade em amar a Deus; nele não há imperfeição alguma. Você pode sentir reverência, mas isso não é amor. É o Cristo na cruz que desperta nosso amor”.

Docto Ojiplastico – Reprodução

Mercúrio ingressa em Áries já na segunda-feira, mudando o tom dos pensamentos, comunicações, viagens… De um modo sensível, sonhador e imaginativo, passamos para uma abordagem mais direta, mais ágil e certeira. Mercúrio fará conjunção a Vênus, possibilitando que a mente tenha acesso mais direto às elucubrações íntimas e de cunho afetivo representadas pela retrogradação de Vênus. Como Marte está em Touro, temos a impulsividade da língua medianamente controlada, mas não temos paciência nem tolerância com o que se considera coisas sem sentido e sem cunho prático e aplicável. A mente está mais ágil, mas a ação ainda precisa de mais deliberação. Marte, aliás, está sem aspectos por vários dias, apenas recebendo os contatos da Lua. Isso demanda cautela porque planetas sem aspecto se manifestam de forma extremada, ou seja, ora estamos plácidos e tranquilos, para daqui a pouco entrarmos numa explosão de atividades frenéticas. Marte sem aspecto tende a ficar mais inconsciente e nossas ações são mais instintivas – cautela também com explosões de raiva.

Reprodução – Desconheço o Autor/a

Vênus segue no seu curso de retrogradação, em Áries. Esse é um chamado para prestarmos mais atenção a nós mesmos e nossas necessidades pessoais e individuais. Como lembra Frank Clifford, astrólogo inglês com quem tive algumas aulas, ‘retrogradação’ significa ‘segunda chance’ – daí essa volta ao passado. Então, diz ele, é o caso de revisitarmos áreas da nossa vida para fortalece-las e organizá-las melhor. Clifford nos lembra ainda de fazer algumas perguntas: “onde, na sua vida, você precisa ser mais corajosa/o e independente? Em outras palavras, cuide de você mesmo, antes de cuidar de qualquer outra pessoa. Reconecte-se com o centro de QUEM VOCÊ É (seja auto-centrado). É um bom momento de parar de jogar os joguinhos relacionais e seguir seu próprio caminho, e não ser uma versão falsa de você mesmo porque você acha que vai agradar aos outros. Neste ciclo, há chance de recuar e lidar com todas aquelas situações nos relacionamentos em que você se sentiu vitimizado, usado, negligenciado, ignorado ou desvalorizado. E de reconhecer a SUA parte nisso tudo. Uma forma de afirmar suas qualidades positivas é fazer um diário e listar uma coisa boa, todos os dias, que você sabe que faz muito bem”. Assim é a retrogradação de Vênus em Áries: precisamos reavaliar e focar em nós mesmos: enfatizando as boas qualidades e encarando com honestidade onde também precisamos melhorar. O Sol faz esses contatos tensos, mas Vênus retrógrada nos lembra que, a despeito de todas as imperfeições, precisamos nos amar porque só quando nos amamos realmente podemos melhorar. Como diz a frase do Mandela, “não somos amados porque somos bons, somos bons porque somos amados”! Vênus retrógrada também nos faz rever decisões tomadas acerca das áreas onde temos os signos de touro e Libra, que são regidos por Vênus. Talvez fizemos escolhas e tomamos decisões e agora voltamos atrás e reavaliamos. Está correto. É a segunda chance!

Lua disseminadora – Desconheço o Autor/a – Reprodução

A Semana traz o tom da Lua Cheia, ocorrida no domingo, dia 12, em Virgem. Na segunda e terça a Lua se equilibra em Libra, torna-se Disseminadora em Escorpião, catequética em Sagitário, fechando a semana neste signo. A Lua oficializa o Quarto Minguante somente na segunda-feira, dia 20, a partir de Capricórnio, pouco depois de o Sol ingressar em Áries

Reprodução

SEGUNDA-FEIRA, 13 de março – A Lua, Cheia em Virgem, abriu o dia vazia/fora de curso. Ficou vazia depois da quadratura a Saturno, ainda ontem. Ingressou em Libra às 02h29min e logo se indispõe com Marte em Touro. Fecha a noite em oposição a Vênus retrógrada em Áries, sua dispositora. Mercúrio ingressa em Áries às 18h08min. A despeito de algumas incongruências matinais, a segunda-feira está dinâmica, o que traz ânimo e nos faz ir para a vida estabelecer contatos, travar interações, ver gente e interagir com o mundo social. É um dia de buscar equilíbrio, de ativar as relações e rever posicionamentos. Se temos estado exageradamente centrados no outro, precisamos recuar um pouco e cuidar melhor de nós mesmos e de nossos interesses. Se for o contrário, se andamos ultimamente auto-centrados excessivamente, agora podemos nos mover na direção contrária e olhar e ver os outros perto de nós. Isso porque a Lua está em Libra, o signo da alteridade, das escolhas, da busca de harmonia e equilíbrio. Mas Vênus, que rege essa Lua Libriana, está em Áries, retrógrada, em recepção mútua com Marte em Touro com quem a Lua se indispôs logo cedo. Então, nada é o que parece de cara. É preciso um segundo olhar, uma segunda análise para achar o verdadeiro equilíbrio, a verdadeira harmonia. É um momento de nos posicionarmos mais francamente, mais lucidamente dentro das relações; de acatarmos um certo isolamento com algo saudável e não como dor ou ostracismo; de incluirmos o outro sim, mas não – nunca – às custas do nosso amor próprio; e para isso precisamos estar muito límpidos a respeito dos nossos valores, para fazer as escolhas sem medo, sem dor, mesmo que algumas dessas escolhas sejam um pouco desagradáveis. Precisamos uns dos outros, mas também precisamos respeitar nossos limites pessoais, assim como os limites alheios. Assim, as relações ficam mais respeitosas e equilibradas. Em termos práticos, o dia está bem animado e propício a todo o tipo de interação. A rever acordos, a reestudar negociações anteriores e a ponderar um pouco mais nas parcerias propostas.

Reprodução – Desconheço o autor/a

TERÇA-FEIRA, 14 de março – O Sol hoje está em conjunção exata a Quíron. A Lua Libriana abre o dia em oposição à dona da casa, Vênus, que está retrógrada em Áries. A Lua também se indispõe com Netuno e entra num embate ferrenho com Plutão e depois Urano, enquanto se alia a Júpiter, por conjunção. O dia traz influências que nos fazem sentir meio que em carne viva, sensação de acanhamento ou de dor aguda mesmo. Talvez nada tenha acontecido para suscitar tais sentimentos, talvez sejam apenas lembranças, ou o jeito que acordamos, mas o fato é que nos sentimos meio aguados, desacorssoados, como se nada fizesse muito sentido… Uma vontade de não ligar mais para nada… Nesse estado de espírito podemos ficar defensivos e reativos ao menor sinal externo de desequilíbrio – já que desequilibrados estamos nós – acreditando que é nossa responsabilidade, oferecendo-nos talvez como bode expiatório, talvez até nos expondo a invasões, maus tratos, sem nos dar conta… É possível que seja o oposto também, suscetíveis e reativos como estamos, podemos partir para o ataque como melhor tática de defesa, mesmo sem motivos claros de que estamos sob ameaça. Autoestima lá embaixo, talvez ainda tentemos agradar como forma de ganhar um afago, só para nos deparar com o que entendemos como frieza, pressa, rejeição, “sai pra lá”, o que pode ferir ainda mais nossos brios.

Talvez ainda seja melhor parar um pouco, olhar para dentro – e não para fora – e verificar o que tirou nosso equilíbrio, o que despertou nossas inseguranças de forma tão contundente… Chorar, se for o caso; admitir a dor, se ela se faz presente; não ter vergonha das próprias fraquezas, porque elas apenas nos fazem humanos… E oferecer a si mesmo, aquele amor incondicional que esperamos do outro, continuamente a nos desapontar – relação lateral não é de amor incondicional! Então, pegue-se no colo, dê-se um abraço, beije-se, acaricie-se, acarinhe-se, acalente-se, nine-se, embale-se… Dê a si mesmo todo o amor de que precise e de que está tão carente; dê a si próprio a validação e o apoio que você espera do outro. Olhe para suas fraquezas. Encare-as. Elas são parte de você, assim como os talentos, habilidades e força… E tais fraquezas têm uma razão de ser, têm alguma utilidade, mesmo que isso não seja claro… E, ao abraça-las, podemos aos poucos tentar melhorá-las, pelo amor, com amor. E, ao abrir essas comportas, podemos descobrir que temos um amor maior do que jamais imaginamos e podemos oferece-lo aos outros e – incrível – quando menos esperamos, estaremos sendo amados de volta… E assim se dá a cura, quando nos perdoamos, nos aceitamos e nos amamos, com todas as nossas idiossincrasias… Curamos a nós e curamos ao outro, porque se damos conta de nos aceitar, nosso coração se alarga e se expande, e acolhe também o outro. O dia pede paciência uns com os outros. Estamos todos meio sensíveis e doendo em algum lugar e não é partindo para a briga que vamos provar que somos melhores do que nos sentimos realmente. Podemos nos fazer respeitar, se necessário, mas podemos também nos recolher e deixar tudo passar, observando qual a nossa parte e responsabilidade nas dificuldades que encontramos, comprometendo-nos em mudar o que for possível ser mudado.

Brooke Shaden Photography – Reprodução

QUARTA-FEIRA, 15 de março – O Sol ainda está conjunto a Quíron e vai se afastando lentamente, enquanto se aproxima da quadratura a Saturno. De Libra a Lua faz sextil a Saturno e fica vazia às 07h07min. Ingressa em Escorpião às 12h11min, de onde logo faz oposição ao seu dispositor, Marte, que está em Touro. O dia começa reflexivo e um tanto austero – refletimos sobre como trazer mais equilíbrio às nossas relações, como nos responsabilizar por nosso bem estar, ao invés de esperar isso de outros. Como encontrar a medida certa entre o dar e o receber nos relacionamentos, sem ficar devendo nem cobrando as outras pessoas. À tarde o clima muda radicalmente. A introspecção continua, mas agora por outros motivos: estamos um tanto receosos, defensivos e ciumentos de nossos pensamentos e emoções e recebemos como ameaça qualquer movimento que pareça proximidade demasiada. Há tendência a azia emocional e as relações podem ficar um tanto azedas e sujeitas a farpas, sarcasmo, ironias finas, isso quando não despencar para atritos mais sérios porque a defensividade e o desejo de nos afirmar estão veementes e podem nos fazer reagir de forma exagerada às situações… Sarcasmo é técnica de defesa também, mas além de demarcar território e diminuir o outro, cria feridas e afastamentos, portanto, vale se questionar onde queremos chegar com tudo isso e se de fato estamos sob qualquer ameaça, porque isso também é discutível. Por outro lado, se conseguirmos dosar nossa energia na medida certa, essa influência melhora a execução de tarefas que se mostrem complicadas e que demandam controle, concentração e alto gasto energético.

Reprodução

QUINTA-FEIRA, 16 de março – A Lua, na fase cheia em Escorpião, faz trígono a Netuno em Peixes e quincúncio a Vênus Rx em Áries. Mais tarde a Lua faz sesqui-quadratura ao Sol entrando na fase Disseminadora. Fecha a noite em harmonia a Plutão, aspecto exato amanhã. O Sol já está bem próximo da quadratura a Saturno. Sensibilidade e emoções intensas colorem o dia, assim como uma potente capacidade de intuir o rumo das situações e também o que os outros estão sentindo, que pode ser instrumental para melhorarmos as interações ou mesmo para manipularmos pessoas – depende da integridade da nossa alma e dos nossos intentos. Esse poder emocional pode nos aproximar das outras pessoas e nos permitir penetrar em suas defesas, mas isso deve ser feito de forma respeitosa e nobre, caso contrário, podemos nos tornar invasivos e causar mais dano do que ajuda ou reparação. Não podemos esquecer que inseguranças estão afloradas e muitas feridas estão abertas, portanto, se não temos algo realmente bom para oferecer, se nossas intenções são menos do que honestas, fazemos melhor se ficamos quietos e cuidamos de nossas próprias questões. De toda forma, há grande potencial de cura e de compreendermos ao outro e a nós mesmos um pouco mais profundamente e, bem conduzidas, tais influências podem, de fato, ajudar a aprofundar o entendimento de nossas dinâmicas internas e mesmo das dinâmicas relacionais. A Lua fica disseminadora em Escorpião, sugerindo que a mensagem que precisamos levar adiante precisa ser verdadeira, apaixonada e profunda. Os aprendizados que vivenciamos até aqui são repassados como catalizadores de transformação na vida de outros, com sensibilidade e autenticidade.

Reprodução

SEXTA-FEIRA, 17 de março – O Sol Pisciano está em quadratura exata a Saturno em Sagitário, enquanto ainda se afasta da conjunção a Quíron. A Lua Escorpiana e disseminadora se afina com Plutão, seu regente moderno, enquanto se desentende com Urano e se harmoniza com Quíron e com o Sol, ficando vazia depois do contato ao Sol, às 18h58min. Ingressa em Sagitário à 00h00min do sábado. O dia está pesado, turvo e um tanto sombrio. Nosso anseio seria desaparecer para lugares inóspitos, talvez, ou para lugares onde não tivéssemos que lidar com tantas agruras e dificuldades mundanas, com tantos problemas cotidianos que parecem derrubar nosso entusiasmo e massacrar nossos sonhos e aspirações mais elevadas. É como uma dor fina, indefinível, que tira o fôlego em alguns momentos e que nos lembra de nossa mortalidade e finitude, nossas deficiências ou insuficiências, ou como um peso amarrado a nós, dificultando o caminhar. Circunstâncias ou outras pessoas, particularmente acima de nós – pais, chefias, autoridades – parecem exigir mais do que somos capazes de dar. Até mesmo a energia e vitalidade física podem estar depauperadas, de modo que nos sentimos fracos ou lentos nos nossos afazeres e compromissos. Podemos também nos sentir cobrados ou criticados, de forma implícita, e isso torna tudo um pouco pior…

Reprodução

Mas antes de deduzirmos ‘verdades’ a partir das aparências, vale checar se estamos certos sobre tais deduções, para não vermos fantasmas e perseguição onde não existem e para não aumentarmos o tamanho dos problemas desnecessariamente. É um bom dia para olharmos para nossas falhas sim, não para nos desanimar ou derrubar, mas para melhorarmos. Sobretudo, com o Sol em Peixes, somos convidados a avaliar se nosso senso de identidade é sólido e seguro o bastante, se sabemos quem somos e do que somos feitos, para além de autoimagens pueris e fantasiosas. O dia pede um exame sóbrio de nossas capacidades e, ao identificarmos falhas, agir para corrigi-las, sem grandes dramas, sem chibatas ou autoflagelação desnecessária. Particularmente, é importante perceber que há ótimas oportunidades de nos curarmos a partir do olhar compassivo e empático para as próprias limitações, comprometendo-se a superá-las. A noite traz horas calmas e uma introversão providencial que nos ajuda a digerir todas essas informações, insights e percepções, propiciando também que sincronizemos os propósitos conscientes de crescimento e transcendência com a necessárias transformação dos comportamentos e hábitos que impedem nossa excelência.

John Casey – Reprodução

SÁBADO, 18 de março – A Lua ingressa em Sagitário à 00h00min, cravado. Faz quincúncio a Marte em Touro, trígono a Mercúrio e a Vênus Rx em Áries e fecha a noite em quadratura a Netuno. Mercúrio e Vênus estão em conjunção partil hoje. A noite traz alguns desconfortos durante o sono. O dia, porém, nasce mais animado e otimista, porque estamos imbuídos de uma nova força, nascida das resoluções da noite anterior e do comprometimento que fizemos com a mudança pessoal. Podemos rever alguns valores e analisá-los de forma mais direta e menos sentimental, verificando o que é necessário para nos valorizarmos mais, a despeito das falhas humanas que carregamos. Ainda estamos muito conscientes de tais falhas, mas conseguimos perceber nelas algum sentido, além de nos animarmos a prosseguir pela estrada, usando as pedras que surgirem para pavimentar o caminho, ao invés de permitir que nos bloqueiem a vontade ou os objetivos. A comunicação está ágil, mas animada e sociável, trazendo bom humor às interações e espirituosidade. À noite o clima está um tanto confuso e nebuloso, levando a mal-entendidos nas interações. Cautela com álcool e drogas porque há tendência a exageros e a enfiar o pé na jaca.

Reprodução

DOMINGO, 19 de março – A aventureira Lua Sagitariana faz quadratura a Netuno na primeira hora do dia. Durante o dia se harmoniza com seu regente, Júpiter em Libra e com Urano em Áries e fecha a semana em conjunção não exata a Saturno. A balada de sábado para domingo pede cautela porque a Lua Sagitariana já aponta para excessos e a quadratura a Netuno aumenta a propensão à falta de limites – portanto, moderação é a chave para a boa diversão hoje. Já o dia de domingo está mais auspicioso e feliz, depois do peso que vivenciamos durante a semana, conseguimos ter uma perspectiva mais filosófica de tudo: dos problemas, da nossa caminhada, das possibilidades, da vida. Um otimismo incipiente pode favorecer o clima do domingo, que por sua vez, fica propício a atividades ao ar livre, aventuras no campo, encontros festivos com amigos. Não podemos nunca perder a esperança e a perspectiva de porque estamos aqui, nesta terra, neste tempo e neste lugar! E essa perspectiva, esse sentido, não precisa ser mirabolante ou grandiloquente. Como diz Joseph Campbell: “Dizem que o que todos procuramos é um sentido para a vida. Não penso que seja assim. Penso que o que estamos procurando é uma experiência de estar vivos, de modo que nossas experiências de vida, no plano puramente físico, tenham ressonância no interior de nosso ser e de nossa realidade mais íntimos, de modo que realmente sintamos o enlevo de estar vivos. É disso que se trata, afinal, e é o que essas pistas nos ajudam a procurar, dentro de nós mesmos”. Ele também diz: estamos tão empenhados em realizar determinados feitos, com o propósito de atingir objetivos de um outro valor, linear e longe da vibração da vida, que nos esquecemos de que o valor genuíno, o prodígio de estar vivos é o que realmente conta”. E hoje é um desses dias, em que nos sentimos muito vivos, felizes existir, por ser, por estar, por viver, entendendo que o sentido da vida é a vida em si mesma!

Uma ótima semana para você! Que seja de serenidade, empatia, crescimento e cura!

Reprodução – Desconheço o Autor/a

Lua Cheia em Gêmeos – Aceita que dói menos!

Reprodução
Reprodução

O ano chega ao fim e o fechamos com chave de ouro, com uma Lua Cheia super ativa e cheia de estímulos, bem ao gosto de Gêmeos! A Lua será cheia nesta terça-feira, dia 13 de dezembro, às 22h05min no horário de Brasília e à 00h05min no horário de Lisboa, a 22°25’ do signo de Gêmeos, o primeiro signo de Ar. A Lua Cheia é sempre um momento de colheita e de celebrar essa colheita. Mas essa é uma celebração bastante sóbria e contida, austera e realista, em contradição à energia elusiva da Lua Nova. Mas vamos por partes, ao gosto de Gêmeos!

Reprodução
Reprodução

Gêmeos, detalhista e imediatista, vem fazer o providencial contraponto às grandes visões futuristas de Sagitário, lembrando-nos que, se não nos atentarmos para os detalhes e o aqui e agora na feitura dos projetos, nenhuma visão jamais se realizará. Queremos nos expandir, ir além dos fatos prosaicos do dia a dia, queremos conhecer mais, saber mais, ultrapassar as fronteiras do conhecido, mas para isso precisamos dar um primeiro passo, sair das nossas vizinhanças, começar a ler aquele livro, nos matricular naquele curso, pegar o telefone e ligar para a agência de viagens para comprar a passagem para aquela viagem ao exterior… Sem Gêmeos, Sagitário fica perdido eternamente no futuro que nunca vai virar presente porque nunca se atentará para os detalhes imediatos necessários à sua execução. É uma polaridade que fala da dicotomia do Puer e do Senex que aqui está duplamente enfatizado na figura de Saturno; a Criança e o Velho; a brincadeira e a seriedade; a juventude e a maturidade/velhice; a inconsequência x a responsabilidade. Temas que ficam realçados para nós nestes dias.

Reprodução
Reprodução

O mapa da Lua Cheia levantado para Brasília traz uma mistura proeminente de Ar e Fogo e muita mutabilidade, o que nos sugere muita atividade mental, uma busca enorme por estímulos, propensão à dispersão e uma avidez por estar no centro de tudo o que acontece, avidez por mudança, assim como ansiedade e diversidade de interesses. O Ar é o elemento da mente, das elaborações conceituais, da razão e do logos. Misturado ao Fogo, temos uma imagem de elevação, de inspiração e aspiração às grandes alturas. De ideias e conceitos abstratos muito elaborados e intelectualmente sofisticados. Isso dá a tônica das próximas duas semanas. A água e os sentimentos ficam meio embotados e damos prioridade ao pensamento.

Lua Cheia em Gêmeos - Brasília, 13 de dezembro de 2016, 22h05min
Lua Cheia em Gêmeos – Brasília, 13 de dezembro de 2016, 22h05min

Porém, mais do que isso, se a Lua Nova de Sagitário só fazia contato com Netuno, a Lua Cheia em Gêmeos está ocupadíssima, falando e se conectando com todo mundo, como um dínamo que ativa e movimenta todos os cantos do mapa, exceto Mercúrio-Plutão em Capricórnio, mas ainda assim, ela está ligada a Mercúrio por ser regida por ele. A Lua faz oposição à conjunção Sol-Saturno, faz quadratura a Quíron em Peixes, sextil a Urano em Áries e forma um Grande Trígono em Ar, com Júpiter em Libra e Marte em Aquário, Grande Trígono que dá origem a uma Pipa, da qual o foco é a conjunção Sol-Saturno em Sagitário. Isso indica que temos uma colheita de oportunidades sociais, de interagirmos amplamente tanto local, quanto num sentido mais amplo e global. A superficialidade do Grande Trígono é compensada pela oposição da Lua a Saturno, como foco da Pipa: não há espaço para coisas rasas aqui, os fatos precisam ser analisados, digeridos e aprofundados de maneira a embasar e ampliar um conhecimento mais consistente, interações mais coerentes, corretas e éticas. Saturno sugere ainda que tenhamos cautela nessas interações, que estejamos muito cientes de nossas conexões e que não sejamos levianos no que dizemos e com quem nos relacionamos.

Alfredo Araujo Santoyo - Reprodução
Alfredo Araujo Santoyo – Reprodução

A Lua participa de outras configurações e forma uma T-Square Mutável da qual Quíron é o foco. Talvez tenhamos que lidar com uma colheita que é menos do que perfeita, que nos lembra que algo foi avariado, estragado, irremediavelmente nas nossas aspirações da Lua Nova. Talvez sejamos – e certamente já estamos – confrontados com muitos dissabores e decepções nas nossas expectativas, tanto aquelas lá do início do ciclo, quanto algumas mais antigas, relativas ao ano que se fecha. Mas sempre que falamos de Quíron, falamos também da empatia, falamos de humildade e aceitação do nosso lado mais humano e falível. E falamos também de cura, que só vem depois dessa aceitação humilde. Assim, a Lua Cheia nos aponta para a necessidade da aceitação humilde dessas coisas que estão além do nosso controle pessoal; de reconhecer e assimilar nossas feridas, porque elas apenas nos lembram de nossa humanidade. Falando em bom português: aceita, que dói menos!

Lua Nova em Sagitário - Brasília, 29 de novembro de 2016, 10h18min
Lua Nova em Sagitário – Brasília, 29 de novembro de 2016, 10h18min

É interessante notar que este ciclo, iniciado com a Lua Nova de Sagitário, trazia a influência difusa mas perturbadora de Netuno, como já disse acima, como único aspecto feito pela Lua de então. Eu dizia no texto da Lua Nova dos riscos de nos iludirmos, da propensão à desilusão, além de outras coisas. Agora, a Lua Cheia acontece em oposição a Saturno e quadratura a Quíron, dois “caras” que sempre nos lembram de nossas inseguranças, limites, problemas, mazelas e falibilidade… É como se essa lunação viesse mesmo fechar com chave de ouro este ano tão triste, pesado e sombrio, um ano de grandes perdas, de muitos desmantelos, que foi marcado e colorido pela quadratura Saturno-Netuno, configuração que mesmo já estando distante, ainda tem seus temas relembrados pelas ilusões da Lua Nova (Netuno), desmontadas pelo realismo da Lua Cheia (Saturno). Esse foi um ano de muitos aprendizados e o maior deles foi acordar das ilusões, cair na real, ver sonhos e esperanças desfeitos diante dos nossos olhos. E este tema se repete no último ciclo do ano, com essa ênfase de Netuno na Lua Nova e o destaque de Saturno na Lua Cheia.

Reprodução
Reprodução

Entretanto, esta ênfase em Ar e Fogo e na conjunção Sol-Saturno nos lembra, mais do que nunca que, a despeito de tudo o que vimos, ouvimos e vivemos de pesado e difícil neste ano, a vida continua. E que não podemos ficar soterrados sob os escombros de 2016. Precisamos usar tais escombros na reconstrução do futuro ali adiante, imbuídos de uma esperança realista, como já enfatizei em outros textos, de um otimismo muito pé-no-chão. Afinal, tudo o que passamos, tanto em nível pessoal quanto social e coletivo pode ter sido devastador, mas também nos trouxe maturidade. Falando especificamente do Brasil, estamos todos insatisfeitos, desolados, indignados e revoltados com a forma de se fazer política, com esse mar de lama em que temos visto os poderes da república chafurdando nos últimos meses e anos… Mas eu ainda acho que é melhor estarmos cientes de tudo isso do que vivermos naquela bolha ingênua de antes – pelo menos alguns viviam – quando não sabíamos de tudo o que se passava. Por mais desolador que seja, esse confronto com a verdade era necessário e inevitável. E isso não pode nos fazer perder a esperança de dias melhores, uma melhoria pela qual precisamos nos responsabilizar, em todos os níveis da nossa vivência, desde o nosso comportamento no dia a dia, nossas práticas profissionais e de cidadãos, nossa ética nessas práticas e relações e por aí afora.

Douglas Smith - Reprodução
Douglas Smith – Reprodução

Mercúrio, regente e dispositor da Lua Cheia, está em Capricórnio, conjunto a Plutão, prestes a entrar em retrogradação – dia 19 de dezembro – e atualmente Fora dos Limites do Sol nas declinações. Mercúrio e Plutão são os únicos pontos em Terra, o que lhes dá realce especial. É, este Mercúrio faz pensar! Todas as últimas retrogradações de Mercúrio se deram em contato próximo a Plutão, ou quando ele estava ficando retrógrado ou quando estava voltando ao movimento direto. Particularmente, na retrogradação de janeiro deste ano, Mercúrio voltou ao movimento direto a 14°55’ de Capricórnio em conjunção a Plutão. Agora, Mercúrio fica retrógrado a 15°07’ de Capricórnio, apenas a 12 minutos de distância do mesmo ponto e, mais uma vez, em conjunção a Plutão. Isso sugere que além da regular revisão mental simbolizada pelo movimento retrógrado de Mercúrio, estamos sendo chamados, de novo e de novo, repetidamente, a transformar nossa forma de pensar o mundo, a quebrar paradigmas conceituais, a modificar a maneira como absorvemos informações, a ter, mais do que nunca, senso crítico e honestidade na comunicação e processamento de ideias, fatos, informações. E nessa Lua Cheia estamos assoberbados de ideias e sentimentos difusos, ansiedades e inquietações.  Contudo, precisamos voltar ao básico, conter pré-ocupações e conjecturas irreais e ater-nos ao real. Mercúrio está Fora dos Limites do Sol Sagitariano; está em Capricórnio e conjunto a Plutão, virando a esquina da retrogradação… Uma retrogradação que vai causar rebuliço e trazer à tona revelações que continuam a detonar o poder estabelecido. Mercúrio Fora de Limites está se lixando para regras e controles, em Capricórnio, ele vai buscar deturpar ou questionar exatamente essas regras que se provarem vazias, hipócritas e sem sentido. Apesar da ênfase em Fogo e Ar, o espírito precisa se atentar aos limites da matéria, representada por Saturno e por Mercúrio-Plutão em Capricórnio.

Reprodução
Reprodução

“Três bruguelos num ninho no alto de uma árvore” é o Símbolo Sabiano para o grau 23 de Gêmeos (22°25’). Um símbolo que nos reporta às qualidade do Ar. Dane Rudhyar nos diz que a nota chave deste símbolo é o “crescimento dos processos espiritualmente criativos, numa mente que finalmente está relativamente integrada”. Ele vai em frente e nos lembra que no simbolismo tradicional, as aves geralmente representam o mundo e as forças espirituais ou os aspectos mais elevados da mente humana. Os bruguelos, que são filhotes ainda sem plumas, referem-se a algo incipiente, “o início de um processo no que também poderíamos chamar de ‘câmara superior’ da consciência, onde o poder criador do espírito pode ser recebido e assimilado. Fecundado pelo espírito e apoiado por uma tradição cultural e vitalista profundamente enraizada, o homem pode gradualmente desenvolver uma personalidade integral”. É curioso notar ainda que os filhotes são três, o número da Trindade Divina, que se origina do Um. O Pai, o Filho e o Espírito, que na Doutrina cristã são três expressões diferentes da mesma pessoa, a Unidade.

Brooke Shaden Photography - Reprodução
Brooke Shaden Photography – Reprodução

Colocando a imagem deste símbolo com a análise que fazíamos da Lua Cheia, uma Lua Cheia de Ar-Fogo, a última Lua Cheia do ano e que, portanto, conclui as lunações de 2016, podemos dizer que todos os aprendizados que vivenciamos ao longo deste ano difícil foram etapas importantes na integração da nossa consciência incipiente de humanos em busca de evolução; um processo que está apenas no começo do despertamento, como filhotes que acabaram de nascer e carecem de plumas e de cuidados. Como diz Rudhyar, este é o início de uma integração relativa da consciência. Eu diria que tal integração tem a ver, principalmente, com o confronto dos reinos do espírito e da matéria, das esferas do real e do irreal, como simbolizados por Saturno-Netuno. Assim, longe de nos abater, tal desencanto e despertar para o real devem sim, ser motivo de celebração. Por mais dolorosas que tenham sido as lições, elas fazem parte de um processo de integração, despertamento e humanização – talvez estivéssemos por demais anestesiados no nosso egocentrismo narcisista, consumidores histéricos a olhar somente as próprias “necessidades”, ditadas por um mercado perverso, fabricante inveterado da ilusão da felicidade comprada. Sim, precisávamos de doses cavalares de realidade e cá estamos nós, sorvendo desse elixir amargo, mas necessário. Novamente: quando a gente aceita, encontra forças para lidar com o problema e mudar. Aceita, que dói menos!

Catrin Welz-Stein - Reprodução
Catrin Welz-Stein – Reprodução

Concluindo, a Lua Cheia de Gêmeos fecha a contento a temática mais importante do ano: o confronto do real, o despertar das ilusões, auto-criadas ou não, e a consequente integração desses conteúdos difíceis de assimilar. E lembrando o mote básico de Saturno em Sagitário: “A verdade te libertará, mas primeiro vai te desestabilizar”. O Sol em Sagitário nos fala para olhar o futuro com esperança e fé, mas a presença de Saturno tão enfatizada nessa Lua Cheia nos lembra que essa esperança não pode ser ingênua e tola. Vimos, ouvimos e vivenciamos demais e não podemos esquecer porque tudo isso está entranhado em nós; aliás, não devemos esquecer, para não cometer os mesmos erros lá na frente – eu digo sempre, se é para cometer erros, pelo menos que sejam erros novos! A Terra continua a girar – pelo menos por enquanto – e o mundo segue em frente! Enquanto há vida, há esperança! O Espírito continua a dar vida à matéria e, aos trancos e barrancos, a vida viceja em todo lugar! Celebremos isso!

Um ótima e realista Lua Cheia para você!

Reprodução
Reprodução

A Semana Astrológica Enxergando a Realidade Como Ela é

balsamic buzzSemana de 29 de agosto a 04 de setembro: tempo de eliminar o velho para dar abertura ao novo; tempo de encarar a dura realidade e crescer com ela

Nesta semana o Sol percorre o caminho já trilhado por Mercúrio e Vênus e se defronta com o imbróglio Saturno-Netuno (o Sol faz quadratura a Saturno e oposição a Netuno), além de conflituar também, mais à frente, com Marte em Sagitário. É curioso que o Sol venha fazer aspectos a estes dois planetas exatamente uma semana antes da última quadratura exata entre eles, que se dará no dia 10 de setembro. É como se o Sol estivesse a iluminar poderosamente tudo o que esta configuração simboliza para nós, última chance de apreender seus sentidos e significados e fazer as devidas modificações ou soltar o que precisa ser soltado, especialmente porque o Sol faz quadratura exata a Saturno no mesmo dia em que é eclipsado pela Lua Lua Nova e Eclipse Anular Solar – Entenda melhor os significados gerais dos eclipses. O Astro Rei também se indispõe com Urano por sesqui-quadratura, sugerindo irritações e lapsos de incoerência que vêm e vão, mas que nos tiram o sossego, como algo que fica ali, na sombra do coração, a querer nos alertar, embora não consigamos lembrar em cheio do que se trata. Esse aspecto nos deixa predispostos a agir por impulso, a replicar de forma crítica e inconsciente, à ordem rígida em que estamos inseridos. O Sol também faz conjunção ao Nodo Norte que atualmente trafega Virgem, apontando o tempo dos eclipses. Mas o Sol também faz mais, ele traz a oportunidade de nos conscientizarmos uma vez mais sobre nosso destino e nossos propósitos maiores. Isso é particularmente válido para aquelas pessoas que têm o Nodo Norte em Virgem (e o Sul em Peixes), que estão vivenciando um Retorno Nodal, tendo a chance de se realinharem com seus propósitos e a direção de vida escolhida por sua alma para esta encarnação.

River Bank of Truth
River Bank of Truth

Mercúrio entra em retrogradação em Virgem no dia 30 de agosto. Nesta semana ele retorna e se abraça afetuosamente a Vênus e a Júpiter logo após estacionar e engatar a marcha a ré. Na verdade, ocorre um movimento interessante: Mercúrio fez conjunção a Vênus no dia 16 de julho, a 05° de Leão. Passou por ela bem afobado, na carreira… Agora no dia 29 ele estaciona e Vênus o ultrapassa – quase que lembra a estória da lebre e da tartaruga – Mercúrio ficando estacionário a apenas 20 minutos de distância de Vênus e a cerca de um grau e meio de Júpiter, um fato que eu acredito, seja bastante auspicioso para este ciclo de retrogradação, que se concluirá em trígono exato a Plutão, no dia 22 de setembro. Então, em termos gerais, está aberta a temporada trimestral de revisão de pensamentos, processos mentais, comunicação, conceitos, ideias e pontos de vista e opiniões. Especificamente em Virgem, a retrogradação convida a revisar nossa técnica e a maneira como exercemos o sagrado ofício do nosso trabalho. Leia mais sobre Mercúrio retrógrado em Virgem.

venusVênus, depois de ficar em queda por algumas semanas, ingressa em Libra, signo de sua dignidade. Em Libra Vênus traz presente o mito do seu nascimento, a partir do sêmen de Urano no mar. Urano é da primeira geração dos deuses gregos. Deitou-se com Gaia e nasceram os Titãs. Mas Urano, o Deus Celeste hiper idealista, rejeitou seus filhos, que ofendiam seu olhar reformador por serem excessivamente ctônicos e terrosos, imperfeitos como Gaia, a Mãe Terra. Então ele os prendeu no tártaro. Saturno, um dos seus filhos conspirou com sua mãe e uma noite, quando Urano veio se deitar com Gaia, Saturno o castrou com uma foice. Atirou os genitais ao mar e do sêmen nasceu Afrodite, a deusa do amor e da beleza. Do sangue que caiu na Terra nasceram as Fúrias. A Vênus Libriana é a própria Afrodite nascendo do sêmen Uraniano, da castração de um Deus Celeste que primava por ideais de Perfeição. Assim também é Vênus em Libra: sempre em busca do relacionamento perfeito, da parceria de perfeito equilíbrio. Nessa equação não necessariamente há amor. Há, sim, equidade, parceria, afinidades. Vênus em Libra tem senso estético apurado, sendo extremamente graciosa, refinada, classuda e muito sintonizada com as regras sociais e com aquilo que é aceitável. É apaixonada pela ideia da parceria, de ser um casal, talvez mais do que pela própria pessoa à sua frente, assim, nem sempre ela se relaciona com a pessoal real, mas sim com uma imagem que tem dessa pessoa, especialmente quando Netuno está presente. Seu senso de justiça também é muito acentuado e ela vai esperar que haja reciprocidade em absolutamente tudo, a ponto de às vezes se ter a impressão de que há uma conta corrente do dar-e-receber na relação. De fato, as relações laterias implicam equilíbrio no dar e receber, mas Vênus leva isso bem ao pé da letra e vai ficar esperando o retorno quando faz algo bom. Valoriza muito a paz, a harmonia e por causa disso tende a evitar confrontos, a ponto de parecer que carece de personalidade ou de caráter em algumas situações. É que Libra realmente tem essa capacidade de ver todos os ângulos de uma questão, mas essa tendência de evitar conflitos pode ter como resultado exatamente o oposto: ela acaba por se indispor com todos aqueles que tentou agradar, a todo custo. No fim, quando esses conflitos se tornam inevitáveis, Vênus em Libra pode ser tão ou mais feroz do que o pior dos Arianos: torna-se competitiva e vingativa – não esqueçamos que foi Afrodite quem iniciou a Guerra de Tróia! E aqui, nessa faceta menos nobre, ela encarna Hathor, a Deusa Egípcia da alegria, da maternidade, do feminino e da beleza, mas que virava uma guerreira sanguinária quando entrava em batalha – Vale lembrar também das Fúrias, que nasceram do mesmo evento que deu origem a Afrodite. Vênus em Libra precisa aprender a valorizar-se, independentemente do olhar do outro e precisa aprender a ver o outro como ele realmente é, para além da possibilidade de ser um parceiro afetivo. Esse posicionamento confere também gosto refinado e olhar clínico para coisas de valor, gosto para a arte, a música e também para as leis, além de grande senso de justiça.

Annibale Carracci - Júpiter e Juno
Annibale Carracci – Júpiter e Juno

Marte já ganhou velocidade e vai gradativamente se separando a passos largos de Saturno. Agora ele se prepara para confrontar Quíron, movimento que ocorre em algumas semanas. Enquanto isso, vamos fortalecendo nossa vontade e recuperando nosso senso de potência. Júpiter, por outro lado, chega ao fim de Virgem e se despede do signo de sua debilidade. Certamente ele estará bem mais confortável em Libra, já que Libra é um signo que prima também pela justiça, um tema que está sob a alçada de Júpiter. E se em Virgem a justiça e expansão Jupiterianas acontecem por meio das coisas pequenas e prosaicas, concretas e palpáveis, em Libra isso se dá através de conceitos mais refinados e abstratos, através da civilidade e da capacidade de viver em sociedade e respeitar as regras do convívio social. Em Libra Júpiter também favorece os casamentos, já que este é o signo das uniões oficiais, o que nos lembra da união de Júpiter e Juno, sua parceira oficial com quem ele vivia em pé de guerra, devido às suas infinitas escapadas e traições, ás quais Juno/Hera não perdoava. Júpiter ingressa em Libra no dia 09 de setembro, onde fica até 10 de outubro de 2017.

eclipse milky way
Reprodução

A Lua abre a semana na fase Balsâmica em Câncer. Finaliza o ciclo em Leão e se renova em Virgem, na quinta-feira, numa Lunação que é também Eclipse Total do Sol e que vem nos desafiar a deixar de vez o passado para trás e a olhar para o futuro, para o Norte das nossas aspirações, para o Norte do nosso desenvolvimento.

Brooke Shaden Photography - Reprodução
Brooke Shaden Photography – Reprodução

SEGUNDA-FEIRA, 29 de agosto – Mercúrio estaciona às 10h03min, a 29°01’ de Virgem para entrar em retrogradação, enquadrado por Júpiter e Vênus, os dois Benéficos. Vênus, que tinha recebido a conjunção de Mercúrio em 16 de julho, agora o ultrapassa em direção a Libra e faz uma conjunção meio reversa, em que é Vênus quem vai ao encontro dele. A Lua está Balsâmica em Câncer e se harmoniza com Júpiter, Mercúrio e Vênus em Virgem, ficando vazia depois do contato com Mercúrio, às 03h24min. A Lua ainda se desafina com Marte e ingressa em Leão às 05h12min, de onde faz trígono a Saturno já à noite. Vênus ingressa em Libra às 23h07min, onde ficará até o dia 23 de setembro. O dia traz uma harmonia calma ou uma calma harmônica, mas é uma calma talvez enganosa, porque intuímos que é apenas uma trégua temporária, que nos permite respirar um pouco antes do próximo round – esta semana tem Eclipse Total do Sol! Paramos e olhamos ao redor para identificar onde estamos, para guardar na memória detalhes que funcionem como pontos de referência, um tipo de mapeamento – ou talvez, como João e Maria, saímos deixando pistas na trilha, para conseguir encontrar o caminho de volta. Temos, pois, uma influência favorável para começar a semana de maneira organizada, coesa e estruturada; para fazer nossos back-ups e check-ups e para analisar, pausadamente, o que é que precisa mais da nossa atenção e que tenta atraí-la de forma gritante. O dia traz insights claros e muito lúcidos sobre o que precisamos fazer e onde precisamos ir, qual é o próximo passo, subir ou descer. Revisão de ideias, caminhos, tarefas e métodos estão na lista. É como uma voz que grita: “para tudo!” E nós paramos para ouvi-la, porque vale a pena escutar! Essa é a voz interna, poderosa, nítida e lúcida. A voz da sabedoria, ancestral, arcaica… A voz da Lua Balsâmica olhando para o futuro: o que nos espera? Meditamos e contemplamos no silêncio do nosso coração e decidimos que não vamos esperar que nada aconteça a nós – nós é que iremos acontecer ao que quer que encontremos pelo caminho! Não desperdice essa vibe!

Catrin Welz-Stein - Reprodução
Catrin Welz-Stein – Reprodução

TERÇA-FEIRA, 30 de agosto – De Leão, a Lua Balsâmica se desentende com Netuno em Peixes e com Plutão em Capricórnio, mas se afina com Marte em Sagitário, fechando a noite em trígono a Urano e quincunce a Quíron. Mercúrio está oficialmente retrógrado a partir das 10h03min. Um dia de contradições profundas e desconcertantes. Queremos brilhar e chamar a atenção para nossos feitos, mas algo parece estar fora de lugar, porque não parece legítimo e nos vemos pressionados internamente a ceder o holofote ou a atenção para alguém mais, o que nos deixa ressentidos e inseguros internamente. Mas, longe de isso nos fazer parar, talvez resolvamos encarnar a prima-dona e encenar grandes dramas no melhor estilo “falem mal, mas falem de mim”, até que a ficha caia e percebamos que nos enredamos numa teia intricada e difícil de desemaranhar, o que nos deixa meio tímidos e desengonçados, porque nos sentimos agudamente expostos. Sim, comportamento meio infantil, mas que é iluminado para ser eliminado. Contudo, fazemos melhor se utilizamos todas essas energias e influências para uma autorreflexão, para iluminar nossos próprios processos e proceder com as devidas finalizações e conclusões, ao invés de investir nos dramas desnecessários. Podemos nos sintonizar com uma reserva de autoconfiança e motivação, para concluir pendências de modo satisfatório, que trazem um senso de realização concreta pela coisa em si, como também pela liberação que a conclusão traz. E então concentramos grande energia e vigor nesse intento. Mas precisamos de atenção, porque, se antes era a insegurança, agora é a obsessividade pode nos fazer perder em objetividade e quando vemos, não sabemos mais porque nos lançamos com tanto empenho em todas essas situações – será que estamos ritualizando outras conclusões além daqueles visíveis diante de nós? Se assim for, talvez a ideia até seja válida, mas ainda é preciso ter consciência e clareza de porquê o fazemos. Bom senso é fundamental! O dia pede alguma cautela porque há necessidade de contenção e de se poupar energias para a próxima etapa. É inútil fazer investimentos grandiosos, além do estritamente necessário, porque a terra descansa, é inverno, os dias são propícios ao recolhimento e à limpeza. Lembremos disso antes de nos empenharmos em ideias afoitas que talvez não levem a lugar nenhum. É mais útil eliminar aquilo que não serve mais, abrindo espaço para o novo entrar.

Reprodução
Reprodução

QUARTA-FEIRA, 31 de agosto – A Lua Leonina e Balsâmica formaliza o quincunce a Quíron e o trígono a Urano, ficando vazia logo depois, à 01h20min. Ingressa em Virgem somente às 12h22min e faz apenas uma sesqui-quadratura a Plutão em Capricórnio, aproximando-se aos poucos depois da conjunção ao Sol, que está em sesqui-quadratura plena a Urano. A Lua olha mais profundamente para o futuro e os nossos sonhos podem trazer visões e presságios poderosos nesta noite. Que mudanças precisamos fazer em nós mesmos, nossas atitudes e comportamentos que ainda não ficaram claros até aqui? Que parte dessa criança que nós somos precisa ser deixada para trás? Certamente aquela parte birrenta e irascível, a parte que gosta de se quedar vítima do sofrimento – criado por nós mesmos – e das próprias queixas lamuriosas. Quando é possível, a mudança deve ser providenciada; quando não é, a situação deve ser aceita, com humildade e maturidade, do contrário, nossa vida fica miserável e vai parecer sempre fora do nosso controle. Assim, o dia traz essas visões de futuros possíveis a partir das muitas possibilidades de mudanças, mudanças empreendidas por nós, madura e consistentemente. Entretanto, precisamos estar cientes de nossas contradições internas no que tange ao comprometimento que empenhamos nos nossos objetivos – será que são mesmo esses objetivos que alimentam o nosso coração? – do contrário, quando menos esperamos resolvemos chutar o balde num rasgo de autossabotagem que põe tudo a perder no momento crucial. A manhã fica propícia a essas reflexões e às elucubrações sobre como manifestar os potenciais criativos no próximo ciclo; já a tarde fica mais industriosa e prática, de modo que procedemos com as últimos limpezas e aragem do terreno onde lançaremos a rica semeadura dos nossos sonhos e projetos na Lua Nova de Virgem.

Eclipse Anelar do Sol - Reprodução
Eclipse Anelar do Sol – Reprodução

QUINTA-FEIRA, 1° de setembro – A Lua faz conjunção ao Sol a 09°21’ de Virgem, às 06h03min, num Eclipse Anelar do Sol – que é também total, mas como a Lua está muito distante do Sol, temos um anel ao redor do eclipse. O eclipse ocorre em quadratura de menos de um grau a Saturno – o Sol está em quadratura exata a ele hoje – e oposição muito próxima a Netuno e quadratura mais ampla a Marte. A Lua ainda faz sesqui-quadratura a Urano e trígono a Plutão e estes aspectos também são importantes nesta Lua Nova. Um eclipse que vem jogar ênfase sobre a quadratura pesada e dolorosa de Saturno e Netuno, que perdura nos céus desde 2014 é tudo o que precisávamos para fechar com chave de ouro essa configuração. Um novo ciclo é inaugurado, em que precisamos nos sincronizar com a ordem da natureza, que traz intrínseca em si a semente do caos e da desconstrução das verdades nebulosas, que nem sempre são condizentes com a realidade.

Tiia Reijonen on Behance - Reprodução
Tiia Reijonen on Behance – Reprodução

Este eclipse fala de deixar para trás as ilusões infantis e de encarar a realidade como ela é. De abrir bem os olhos e ver. Ver com os olhos físicos, com os olhos da alma, com os olhos da intuição, com os olhos internos que enxergam mais longe e que só estiveram fechados porque assim nos escolhemos. Abrimos os olhos e vemos a luz excruciante da verdade de dilacera nossa visão. E abrimos os ouvidos. E  ficha cai, finalmente. E cai de forma estridente, a tinir no tímpano dolorosamente. Esse momento de cair na real pode ser muito duro, porque os véus são descerrados e podemos finalmente ver o que antes eram apenas borrões obscuros. Infelizmente, o que vemos não é nada agradável, mas talvez seja tarde demais para voltar atrás, porque o leite já se derramou e não há retorno. Contudo, há aprendizados que, embora sejam duros como sopapos bem dados no meio das nossas fuças, são bastante válidos e talvez agora aprendamos a dura lição. É preciso deixar as ilusões tolas e o passado fossilizado e oco para trás e inaugurar uma vida nova de cara limpa. Por mais difícil que seja a realidade, pode ser um momento construtivo de lidar com a verdade e de crescer. Em termos práticos, a Lua Nova e Eclipse em virgem favorece a eliminação de maus hábitos e comportamentos nocivos que afetam nosso corpo e saúde negativamente – pode ser um ótimo momento para deixar de fumar, por exemplo, ou para eliminar quaisquer outros hábitos que prejudicam a qualidade de vida – e também nosso trabalho e vida cotidiana em geral. É hora de inaugurar hábitos novos e mais saudáveis, de forma que possamos ter uma vida de mais qualidade e muito mais sentido.

Veja o significado dos próximos eclipses por casa no Mapa Natal
Veja o significado dos próximos eclipses por casa no Mapa Natal
Kirrei.com - Reprodução
Kirrei.com – Reprodução

SEXTA-FEIRA, 2 de setembro – O Sol Virginiano faz oposição plena a Netuno em Peixes, enquanto Mercúrio faz sua segunda conjunção a Júpiter. A Lua segue renovada por Virgem e hoje faz oposição a Quíron, quincunce a Urano e conjunção a Mercúrio e a Júpiter, ficando vazia às 19h13min depois deste contato. A Lua ingressa em Libra às 21h56min. Nosso desejo e necessidade por ordem e perfeição são desafiados ao máximo hoje e nos encontramos miseravelmente dispersos, incoerentes e fragmentados em muitas direções. Além do senso de ordem e estrutura, falta-nos a confiança que nos permitiria ir atrás de nossos objetivos de forma destemida e, como não conseguimos ser suficientemente assertivos e seguros, nossa autoestima fica ainda mais vacilante, de modo que se não vigiarmos, entramos num círculo vicioso doentio e de difícil saída, porque sentimo-nos bastante impotentes para modificar traços em nós mesmos e situações ao nosso redor. Podemos ficar nessa espiral destrutiva por horas e dias. Mas, a sensibilidade que nos faz vacilar é a mesma que nos permite manifestar nossos dons criativos e nosso grande altruísmo, de modo que podemos usá-la em benefício de outros, o desafio é exatamente fazer isso de maneira coesa, como um serviço que oferecemos de bom grado, em lugar de nos sentir vítimas das circunstâncias e até de nós mesmos. A consciência aguda de nossas limitações pode, ao invés de nos colocar para baixo, ser o trampolim de onde damos impulso para mergulhar fundo naquilo que podemos realmente transformar e manifestar criativamente. O pano de fundo mental absorve todas as nuances e variáveis, mas consegue rever onde podemos ter errado no passado, de modo que agora podemos usar esses mesmos erros como lições e aprendizados que nos estimulam a fazer melhor e mais conscientemente desta vez. Sobretudo, precisamos ser humildes e nos ater ao que é possível, sem exigir de nós mesmos ideais de perfeição irrealizáveis e, por isso mesmo, frustrantes. Viemos de uma fonte divina e para lá voltaremos, mas, por enquanto, ainda precisamos lidar com esse plano de limitações que devem ser aceitas, mas isso não deve embotar a fé em nós mesmos, porque a principal lição é acreditar em nós próprios, a despeito de todas as nossas dificuldades e falhas. Olhar para dentro e perceber que a despeito de todos os erros e defeitos que percebemos em nós, no centro há o núcleo indestrutível e perfeito e é esse senso de integridade que deve nos guiar.

Reprodução
Reprodução

SÁBADO, 3 de setembro – A Lua está em Libra e faz conjunção com a dona da casa, Vênus. Mais tarde a Lua também se afina com Saturno enquanto se desentende com Netuno. O Sol segue em oposição a Netuno e quadratura a Saturno e Mercúrio vai seguindo seu caminho descendente no Mundo Inferior, incitando-nos a fazer nossas revisões profundas de pensamentos e ações. Um momento de calmaria e análises mais desapegadas de todas as confrontações por quê passamos: talvez consigamos digerir os resultados sem tantos dramas e com alguma sobriedade, sem ficar chorando ou nos lamentado, afinal, agora é bola para a frente, é acordar para o que dá para consertar e eliminar o que não tem conserto. Em termo práticos e pontuais o dia favorece encontros leves que dispensem os assuntos densos, porque nem nós nem o outro temos muita clareza de nossos sentimentos e reações, de modo que estamos suscetíveis a nos sentir ofendidos ou ignorados num assunto que seja mais sensível, portanto, se não temos certeza de que nossa audiência irá respeitar o que temos a dizer, melhor guardar o assunto para outra ocasião ou para ouvidos mais atentos e respeitosos e ficar nas trivialidades leves, mas seguras.

Reprodução
Reprodução

DOMINGO, 4 de setembro – A Lua Libriana conversa animada com Marte em Sagitário, mas arruma uma baita confusão com Plutão e com Urano. Como se não bastante, ela ainda se irrita com Quíron e fica vazia às 21h32min, depois da briga com Urano. O Sol está em conjunção exata ao Nodo Norte em Virgem. O amanhecer traz tensões difíceis de digerir e impossíveis de evitar: precisam ser encaradas e resolvidas na lata! Com o dia começando já neste clima tenso, ficamos estressados e indóceis, porque lutamos por uma harmonia e uma conciliação que parecem distantes, uma distância inversamente proporcional ao esforço com que buscamos essa harmonia. Precisamos usar de honestidade emocional nas nossas crises e dilemas, especialmente naqueles que envolvem os afetos e as relações em geral: será que secretamente não investimos em tais crises para nos sentir vivos e importantes para aqueles das nossas relações? O dia também requer muita cautela porque estamos impulsivos, de modo que podemos agir precipitadamente, piorando as situações com nosso comportamento imprevisível, altamente reativo e talvez um tanto infantil. No fundo, desconfiamos de nossas emoções e sentimentos, que hoje são intensos e voláteis e só nos impulsionam em direção à criação de mais drama e mais conflito. O que precisamos é perceber essa necessidade de nos sentirmos realmente vivos, com toda a intensidade a que achamos que temos direito e para isso, podemos nos engajar em atividades estimulantes e criativas, que nos façam entrar em contato com as emoções tumultuadas e selvagens que convulsionam o coração, de modo que elas sejam canalizadas construtiva e visceralmente, a ponto de transformar a forma como enxergamos a nós mesmos e aos nossos processos emocionais mais profundos. Podemos convidar as mesmas pessoas com quem travávamos os embates acalorados e descobrimos que a briga a favor é tão ou mais estimulante do que a briga contra e de quebra, ainda aprendemos mais uns sobre os outros e isso, ao invés de nos afastar, nos aproxima porque percebemos que o outro está atrás do mesmo que nós: harmonia e crescimento, então, por que não podemos buscar isso juntos? Por todos os motivos descritos acima, em termos práticos o dia requer cautela nas interações devido à propensão a conflitos e também no trânsito, devido à grande impetuosidade e precipitação.

Desejo a você uma semana de bênçãos e crescimento! Que essa realidade tão dura seja administrável e nos faça, de fato crescer! ótima semana!

Andrea Clare

Tiia Reijonen on Behance - Reprodução
Tiia Reijonen on Behance – Reprodução

Lua Cheia em Capricórnio: celebrando a vida, o amor e a compaixão!

Cheia terra
Do Pinterest – Desconheço o Autor – Reprodução

Chegamos ao ápice de mais um ciclo, num mês para lá de especial, visto que teremos DUAS Luas Cheias – a segunda chamada de LUA AZUL, no dia 31 de julho, em Aquário. O fenômeno da Lua Azul não se refere à coloração da Lua, mas à repetição da fase cheia no mesmo mês do calendário oficial, então, como o ciclo de lunação é de 29,5 dias, sempre que uma Lua Cheia ocorre no dia 1° ou dois de um mês, é muito provável que haja outra Lua Cheia ao final do mesmo mês (fevereiro está obviamente excluído do fenômeno). A Lua Azul ocorre em média a cada três anos.

Tailtiu - Irish goddess of midsummer goddes of earth and wheat
Tailtiu – Deusa Irlandesa da Terra e do Trigo – Reprodução

Voltando à Lua Cheia de hoje, ela ocorre às 23h19min no horário de Brasília, e às 03h19min no horário de Lisboa, a 09°55’ de Capricórnio, em conjunção a Plutão, oposição a Sol-Marte em Câncer, sextil quase exato a Netuno em Peixes e, principalmente, forma uma Grande Cruz Cardinal ao fazer quadratura ao eixo nodal da Lua. Uma Lua Cheia deveras poderosa e de grandes implicações! Mas antes de olharmos os aspectos, algo que chama a atenção é que esse mapa traz grande presença do elemento Água, cinco pontos no total (Sol, Marte, Saturno, Netuno e Quíron) e apenas Mercúrio em Ar, em seus domínios Geminianos. Isso aponta para uma Lua Cheia que tende a ser bastante emotiva, até mesmo para Capricórnio, visto que o regente da Lua Cheia, Saturno, está em Escorpião. A fase cheia já é naturalmente dramática, pois indica um momento crítico no ciclo, um pico na experiência da busca dos objetivos do período.

500px com
500px.com – Reprodução

Toda essa água também sugere a necessidade de sermos mais amorosos e compassivos, de exercitarmos maior empatia, de olharmos para além do nosso próprio umbigo e estendermos as mãos para outros que porventura precisem de nós, seja o próximo mais próximo, ou mesmo em escalas comunitárias maiores. Nem que seja orando à distancia pelos que sofrem. O que me remete imediatamente ao aspecto mais próximo que Lua e Sol fazem neste mapa: Netuno. A Lua faz sextil e o Sol faz trígono, os dois a apenas 12 minutos de distância da exatidão do aspecto (minuto aqui é a fração de grau). É preciso trazer à luz da consciência (Sol) e também ao coração e ao sentir (Lua), a percepção da interconexão que nos une a todos na teia da vida, seja energia animal, vegetal, mineral – obviamente se isso está para além da espécie, está mais além ainda de identificações políticas, sociais, raciais ou religiosas. Tudo isso de forma muito prática e pé no chão, como requer o signo da Cabra. Até porque em Capricórnio adquirimos a consciência social, o conhecimento de que fazemos parte de uma comunidade, na qual está inserida também nossa família de origem (Câncer), e, portanto, devemos trabalhar não só pelos nossos objetivos e ambições pessoais, mas também pelo melhoramento dessa sociedade em questão.

Norman Duenas , artista americano
Norman Duenas, artista americano – Reprodução

Mas essa Lua Cheia fala mais, muito mais… Como a maior parte das Luas Cheias nos signos Cardinais dos últimos anos, essa novamente ocorre envolvendo Plutão – e por pouco não envolve Urano também! Lembretes ruidosos da necessidade de transformação profunda em nossas vidas, em todos os níveis: pessoal, familiar, profissional, social… Lembretes que são repetidos infinitamente; necessidade de levarmos vidas mais autênticas e mais condizentes com os limites da realidade em que vivemos. Sim, com Capricórnio sempre somos chamados a encarar a realidade como ela é e se Plutão é o par nessa dança, não há escapatória possível.

makr com
Do site Makr.com, via Pinterest Reprodução

Capricórnio também evoca nossa capacidade indubitável para a auto-suficiência, a despeito de nossas cultivadas dependências e apegos. Responsabilidade, deveres, sobriedade, disciplina, paciência, temperança também são atributos deste signo que ficam mais que realçados quando dá lugar a uma lunação.  Contudo, a Lua Cheia convida também a buscarmos equilíbrio nos assuntos representados pelo eixo em que acontece, neste caso Câncer-Capricórnio. Aqui, uma frase que resume bem este eixo é a citação famosa de Che Guevara (que tinha Plutão em Câncer): “Hay que endurecerse, pero sin perder la ternura jamas”, ou em português claro: “é preciso ser duro, mas sem perder a ternura, jamais”.

Lua Cheia Capri
Lua Cheia em Capricórnio – 1° de julho de 2015, 23h19min, Brasília-DF

A Lua Capricorniana, além de estar conjunta a Plutão, está em oposição a Marte em Câncer. Uma Lua que não tem medo de nada, que faz da coragem seu lema diário; que encara de perigos atrozes às durezas e obrigações do dia a dia. Mas é preciso vigiar para não se endurecer em demasia e para isso o sextil a Netuno vem bem a calhar, adicionando sensibilidade e compaixão, além de uma percepção onipresente dos sofrimentos do mundo lá fora. pinterestttA oposição Sol-Lua também faz aspecto, como já mencionei, com o eixo Nodal, formando uma Grande Cruz Cardinal (este quadrado vermelho que você vê no centro do mapa), mais poderosamente enfatizada porque hoje Marte está em quadratura exata a este eixo, neste mapa, a apenas três minutos de distância da plenitude do aspecto. De imediato essa Grande Cruz vem salientar, de novo, a necessidade de encontrarmos o equilíbrio entre as várias esferas de vida, doméstica, relacional, profissional, comunitária, como também já sugeri acima. Entretanto, mais do que isso, ela vem nos falar de destino. Sempre que o eixo nodal está envolvido, evoca-se uma qualidade fatalista, de inevitabilidade. E eu pergunto: estamos dispostos a abraçar nosso destino (Nodos lunares) – sim, ele existe, gostemos ou não – e fazer o que tem que ser feito, sem reclamações, sem birras ou tantruns (Sol-Marte em Câncer), assumindo nossas obrigações e deveres com honestidade, responsabilidade, realismo e ainda, sem perder a graça (Lua-Plutão em Capricórnio)?

Strudwick-_A_Golden_Thread
As Moiras, Cloto, Lachesis e Átropos, que teciam (Cloto), enrolavam (Lachesis) e cortavam (Átropos) o Fio do Destino – Alegoria de Strudwick 1885 – Reprodução do Wikipedia.

O que é livre arbítrio? O que é o destino? Existe mesmo essa coisa de destino? Eu diria que sim. Pense você: quantas coisas na sua vida aconteceram à revelia da sua vontade “consciente”? Se desconsiderarmos, nesta reflexão, a idéia de reencarnação ou de vida pré-vida, temos que concluir que não escolhemos a família em que nascemos, a cor dos nossos olhos ou pele ou cabelos; a forma do nosso corpo, as condições sociais  ou geográficas em que nascemos e tantos outros “detalhes” que moldaram nosso caráter e nossa experiência terrena… Em Astrologia nós dizemos que isso é Destino. Foi-lhe dado. Ponto. Igual ao seu mapa natal, que lhe foi dado e que representa seus desafios e dons nesta presente vida. É claro que de uma perspectiva espiritual dizemos que tudo isso foi escolhido pela nossa alma em função de nossa evolução, mas essa conjectura é apenas um exercício proposto para refletirmos sobre a dicotomia Destino-Livre arbítrio. Para resumir tal reflexão recorro a Jung, que tem uma das mais brilhantes e certeiras (pelo menos para mim) respostas para este dilema. Ele diz: “Livre arbítrio é capacidade de fazer com alegria aquilo que eu tenho que fazer”. É a isto que a Lua Cheia de hoje nos convida, ou melhor, nos convoca, a fazer com alegria aquilo que temos que fazer, seja isso o que for. Com honestidade, verdade, graça e alegria. E também a perceber que faz parte do nosso “destino”, ter nascido nesta Terra, neste tempo e ser parte dessa grande rede energética de vida. Mesmo que queiramos, não podemos nos desconectar dela.

magical nature tour
Do site magicalnaturetour.com Reprodução

O mapa ainda traz a conjunção Vênus-Júpiter em Leão, exata horas antes da Lua Cheia, lembrando-nos de novo, de como é importante nos sintonizarmos com a alegria e os estados de gratidão, para nos percebermos merecedores das grandes benesses da vida. Que é preciso sonhar grande e que o fato cumprirmos nossas obrigações e comprometimentos não significa, necessariamente, abrir mão de tais sonhos; que é perfeitamente possível conciliar realismo e esperança, otimismo e pé no chão, autoconfiança e sobriedade… Mercúrio, único ponto em Ar, está em sextil muito próximo tanto a Urano em Áries quanto à conjunção Vênus-Júpiter, indicando é possível também ser objetivo, lúcido e otimista, sem deixar de ser compassivo e sensível, como indica o restante do mapa.

compassion
Do site Thebluebirdpatch.com – via Pinterest – Deconheço o autor – Reprodução

Por fim, como sempre, finalizo com o Símbolo Sabiano, que para o grau 09° de Capricórnio traz a seguinte imagem: “Um albatroz comendo da mão de um marinheiro”. Dane Rudhyar em seu livro Uma Mandala Astrológica diz que este grau pertence ao segundo Hemiciclo, que trata do Processo de Coletivização e ainda ao Quarto Ato, o da Capitalização. Ele diz que este símbolo nos fala da superação do medo e suas recompensas. “o homem que irradia perfeita inofensividade pode atrair para si as mais selvagens criaturas e estabelecer com elas uma parceria baseada no respeito e compreensão mútuos. Cada entidade viva tem um papel no ritual da existência no mundo; para além destes papeis específicos, que muito freqüentemente separam uma entidade vida da outra, a comunhão do amor e da compaixão pode aproximar vidas as mais completamente diferentes”, diz Rudhyar. A imagem traz a idéia de nos percebermos, de fato, como parte de uma grande rede energética que inclui todas as formas de vida, com o entendimento implícito de que nenhuma é mais – ou menos – importante do que a outra e que todas estão unidas pela origem em comum: a fonte divina de vida. “Somos apresentados com uma imagem em que o ideal da paz e da felicidade através da cultura, de forma que agora inclui todos os organismos vivos do planeta. O poder de tal cultura inofensividade e compaixão gera CONFIANÇA em todo lugar”, conclui ele.

the guardian
Irmão protege a irmã menor nos escombros do terremoto do Nepal – the Guardian Reprodução

Linda Hill expande o tema dizendo que este símbolo sugere a superação de medos, superstições e pensamentos limitantes. E que uma maneira eficiente de superar nossos medos (Capricórnio) é através da gentileza e da disposição em baixar nossa guarda, permitindo que outros possam se aproximar e interagir conosco, sejam humano ou animal. Erguer barreiras entre nós e os outros, tema comum para Capricórnio, pode levar à alienação, não só emocional, mas também em outros níveis da convivência terrena. É importante, pois, largar as preocupações e medos de lado e dar uma chance à aproximação com outros – dar uma “chance à paz”, como diria a frase clichê. Neste cenário, não se vê o marinheiro tentando agarrar o albatroz, o que nos diz de imediato que a relação é livre de dependências, posse ou controle, temas também importantes para o eixo Câncer-Capricórnio.

themetapicture - Cópia
Durante a explosão de uma fábrica na Chica, um macaco salva um filhote de cachorro carregando-o do lugar – Themetapicture.com – Reprodução

Concluindo, a Lua Cheia nos chama a assumir e abraçar nosso “Destino” com alegria, com tudo o que ele implica, com responsabilidade e honestidade; a superar dependências emocionais e caminhar na direção da independência e auto-suficiência; sobretudo, a Lua nos conclama a abrir-nos à vida, a celebrar o amor e a compaixão de forma irrestrita, implantando em nosso ambiente e em nosso cotidiano a cultura da paz e da unidade. Feliz Lua Cheia para você! Onde você estiver, com quem estiver, abra-se para a vida, o amor e a compaixão!

Nota: Em termos práticos, a Lua Cheia de Capricórnio favorece o trabalho e a materialização dos objetivos, especialmente favorece as questões financeiras e as ambições profissionais e empresariais. Sugere ainda uma ênfase nos assuntos da casa do mapa em que temos Capricórnio.

lifesrecipeforarichsoul com
Lifesrecipeforarichsoul.com – Via Pinterest – Reprodução