Arquivo da tag: Realização

Lua Cheia em Capricórnio – Pertencer para se individuar

full moon capricornio - three rivers deepO ciclo iniciado em Câncer culminou nesta terça-feira, às 19h56min no horário de Brasília e às 23h56min no horário de Lisboa, com a Lua sendo Cheia a 27°40 de Capricórnio.

Com as lunações ocorrendo no eixo Câncer-Capricórnio necessariamente falamos das questões parentais, a mãe (Câncer) e o pai (Capricórnio). Câncer cuida da família porque ela é a base da sua nutrição enquanto Capricórnio faz isso por causa do senso de dever e por causa da segurança e do status que uma família sólida e bem estruturada confere.

Reprodução
Reprodução

Mas Capricórnio também é o signo que simboliza a realização de nossas ambições, depois de escalarmos aquela alta escada ou montanha de obstáculos com tenacidade e determinação. E se nascemos numa família e lá somos cuidados, nutridos, educados e lá recebemos nossa herança genética , material e psicológica, é em Capricórnio que decidimos o que fazer com tudo isso e vemos onde isso nos levará. Em Capricórnio precisamos amadurecer e nos fortalecer, material e emocionalmente, tornarmo-nos resilientes, autossuficientes, fortes, determinados, em contraponto à suavidade e vulnerabilidade emocionais de Câncer.

Lua Cheia em Capricórnio - Brasília, 19 de julho de 2016, 19h56min
Lua Cheia em Capricórnio – Brasília, 19 de julho de 2016, 19h56min

Olhando o mapa levantado para Brasília vemos que Sol e Lua se separam da quadratura a Urano em Áries, que ainda é foco de uma T-Square Cardinal. A Lua também se separa de sextis a Marte em Escorpião e a Quíron em Peixes, com quem o Sol ainda está em trígono e que também estão em trígono entre si, formando, no final, uma configuração Pipa. De modo geral, esses aspectos sugerem que integremos nossas necessidades e propósitos de pertencer a uma família, honrando nosso passado e memória, vivenciando nossos sentimentos de forma autêntica, reconhecendo nossas vulnerabilidades, ao mesmo tempo em que trabalhamos séria e comprometidamente para pertencer também a uma sociedade, construindo o presente disciplinadamente e planejando o futuro cautelosamente, desenvolvendo, no processo, autossuficiência e maturidade (Sol em Câncer x Lua em Capricórnio). Mas nada disso pode ser feito sem se levar em conta nossos desejos individuais, nosso impulso de liberdade e de independência – ou seja, o pertencimento à família e à sociedade não pode ser desculpa para não nos realizarmos individualmente ou para nos deixarmos engolir por regras e tradições (Urano em Áries). Os aspectos a Marte indicam que a força executiva e vontade pessoal estão alinhadas com os propósitos da consciência (Sol) e com as necessidades da alma (Lua). Quíron nos fala que também estamos cientes das vulnerabilidades, nossas e dos outros, com as quais precisaremos lidar nas próximas duas semanas.

Reprodução
Reprodução

O regente da Lua Cheia, Saturno, está em quadratura a Netuno desde 2014, configuração que se estende até o fim deste ano. Saturno também recebe os trígonos de Mercúrio e Vênus em Leão. Saturno nos lembra que o fato de precisarmos ser pragmáticos, realistas, disciplinados e focados, não quer dizer que tenhamos que abrir mão da nossa visão criativa e da nossa imaginação. Na melhor das hipóteses, Saturno-Netuno indicam o potencial de integrarmos a faculdade do sonhar com a capacidade realizadora dentro de nós, então, mesmo cientes das muitas limitações com que precisamos lidar, ainda trabalhamos para manifestar e concretizar esses sonhos. Um bom exemplo de como essa configuração pode se manifestar positivamente é no balé ou em outras danças e artes em geral. Num espetáculo, vemos apenas a beleza, a leveza e fluidez dos bailarinos, mas por trás de toda aquela beleza e graça, há horas incontáveis de treinos exaustivos, de disciplina e renúncia, de dor e cansaço, que o bailarino abraça com determinação em nome da sua arte, porque na sua imaginação ele tem um sonho, uma imagem do quão bom ele pode ser.

Reprodução
Reprodução

Mercúrio e Vênus ainda sinalizam que podemos ativar nossa rede de contatos a se engajar com nossos ideias, apoiando de longe ou de perto. Entretanto, alguns pontos requerem cautela: além do trígono a Saturno, Mercúrio e Vênus estão ambos em quincunce quase exato a Netuno. Isso nos sugere que precisamos combater as ideias e desejos fantasiosos, ou aqueles sonhos que não são fortes o suficiente para nos fazer levantar da cadeira e entrar em ação – cruzamos os dedos e esperamos que tudo dê certo, sem levantar uma palha para realizar nada! No final, isso não são sonhos, são apenas ilusões que não temos coragem de dar o devido nome e que só nos levarão a desapontamentos; precisamos também nos atentar para possíveis promessas falsas, que tendem a não se concretizar cujos resultados, novamente, podem ser apenas decepção. Essa influência ainda sugere um potencial de caos, movido pela confusão mental, pela intranquilidade e desordem de interesses, de forma que dizemos sim para uma coisa, esquecendo que já estávamos comprometidos com outra – o resultado é uma divisão na energia que nos desgasta e nos faz sentir mal conosco mesmos.

Bird Nightmare - Mick Ryan - Reprodução
Bird Nightmare – Mick Ryan – Reprodução

O Símbolo Sabiano do grau 28 de Capricórnio (27°00’ a 27°59’) traz a imagem de “um grande aviário”. Lynda Hill, astróloga americana especializada nos Símbolos Sabiano comentando sobre este simbolo, diz que se é grande o aviário, podemos supor que há muitos pássaros vivendo ali e que há muita atividade e ruído durante o dia, mas à noite há silêncio e quietude. A situação sugere que é provável de haver muita conversa, tagarelice e movimento ao redor e, se por um lado nada há de prejudicial, por outro, nada também está sendo realizado. Será que é por causa do nível de confusão mental que há? Talvez seja porque as coisas mudam muito rapidamente e há muito barulho e distrações. Muitas ‘vozes’ podem ser ouvidas num ‘Grande Aviário’, mas pode ser difícil discernir uma voz em particular. “Este símbolo aponta para situações em que muitas pessoas, como pássaros empoleirados, falam ao mesmo tempo, tendo muito a dizer. Outra coisa, embora você seja capaz de de vagar um pouco, você na verdade está engaiolado dentro de uma determinada realidade. Este símbolo pode ser a imagem da burocracia, governo e grandes negócios”.

Desconheço o autor - Reprodução
Desconheço o autor – Reprodução

A meu ver, este símbolo nos relaciona tanto a configuração Saturno-Netuno quanto àquela de Mercúrio-Netuno: há possibilidades de vaguearmos por aí, de falarmos e ouvirmos, mas no fundo, não estamos fazendo muita coisa e talvez nos ressintamos da nossa realidade, que é sentida como uma gaiola. Nas próximas duas semanas precisamos ficar atentos para esse movimento de vagar e dispersar, ao invés de nos concentrar na realização prática dos nossos objetivos, como requer a Lua de Capricórnio. Tendo isso em mente, podemos  assumir nosso lugar ao sol e na ordem da vida, nossa posição social, com integridade, sabendo de todo o esforço e empenho que empregamos para chegar aqui.

Reprodução
Reprodução

Por último, conscientizarmo-nos da individualização do ser, do trilhar um caminho próprio forjado a partir do senso de pertencimento ao núcleo familiar e a esta sociedade à qual pertence esse núcleo, um pertencimento que, quando autêntico e saudável não bloqueará nem impedirá a realização individual, mas antes funcionará como sua base. O conflito, afinal, forja o caráter e longe de ser negativo, pode ser, muitas vezes extremamente positivo.

Mesmo com atraso, ouso dizer, feliz Lua Cheia para você! Que você tenha a garra e a determinação caprinas necessárias para a realização de suas ambições e objetivos!

Reprodução
Reprodução

A Semana Astrológica: sobre os pés de quem você se sustenta?

Fernando Tavares - Reprodução
Fernando Tavares – Reprodução

Semana de 18 a 24 de julho – Frutificação, iluminação, crises e concretização de objetivos.

Esta semana vemos a culminação do ciclo que começou em Câncer e que prima pela expressão dos sentimentos. É semana de Lua Cheia, em Capricórnio, ocorrendo na terça-feira à noite. Uma Lua Cheia quem nos questionar sobre nossa resiliência e maturidade; que vem pedir que balanceemos as demandas profissionais e as exigências da vida familiar e privada… Mas que também não deixemos de focar em nós mesmos como indivíduos, afinal de contas, precisamos estar no topo das nossas próprias prioridades! Sobretudo, ela nos chamar a nos sustentar sobre nossos próprios pés e não esperar que outros nos deem o que devemos prover por nós mesmos.

Reprodução
Reprodução

O Sol ingressa em Leão na sexta-feira, inaugurando o ciclo do “auto-interesse” sem culpas ou desculpas. Como já temos Mercúrio e Vênus em Leão, os Leoninos ficam realmente sendo o centro das atenções pelas próximas semanas! Mas, de modo geral e não só para os Leoninos, é hora de nos conectar com o poder de nossa própria individualidade e buscar nos destacar no mundo. Brilhar pra valer! Focar em nossa visão criativa, iluminando, no processo, os potenciais criativos daqueles que nos cercam, sem temer a concorrência ou o brilho do outro. É o período do ano de descobrir qual o desejo maior do nosso coração e buscar realizar esse desejo, com coragem, honra, lealdade e alegria. E quando fazemos isso verdadeiramente, inspiramos os outros a também seguirem seu caminho único e individual. Negativamente, precisamos nos dar conta do orgulho e arrogância  – quem sabe até esnobismo – que nos fazem achar que somos melhores que outros; da profunda insegurança que pode nos fazer buscar o aplauso e a aprovação de uma audiência compulsivamente; e ainda a tendência a usar os outros e lhes roubar ideias, ou “pegar emprestado”, sem dar os devidos créditos – sim, Leão pode ser o maior de todos os plagiadores e o faz tão bem que ele mesmo chega a acreditar que as ideias são suas quando na verdade foram copiadas/roubadas. O Sol em Leão também sinaliza um período de dar atenção à criança interna, aquela que todos temos e que anseia por vir à tona para nos dizer o que nossa alma realmente quer! E é tempo de brincar, e rir, e ser espontâneos e ser, apenas nós mesmos!

Reprodução
Reprodução

Mercúrio em Leão faz trígono a Saturno nesta semana, sinalizando que a mente torna-se mais conservadora e austera, voltada para a tradição e a sobriedade. Uma influência boa para planejamentos de longo prazo e para burilar algumas ideias cuja factibilidade não tínhamos certeza. Contudo, Mercúrio também faz quincunces a Netuno e a Plutão, sinalizando uma semana propensa a notícias confusas e de origem ou motivação obscuras na mídia; problemas na comunicação,  defeitos técnicos em máquinas e computadores em geral – para você ter uma ideia, vou contar o que houve comigo hoje, chega a ser surreal: desde ontem a internet de casa estava oscilando muito e super lenta. Hoje pela ficou brincando de esconde-esconde a manhã toda, até que morreu de vez. Liguei para o atendimento da operadora e haja esperar. Expliquei do que se tratava e a atendente abriu o chamado; pediu para desligar tudo e religar depois de alguns minutos; fez todos os testes e procedimentos possíveis e nada funcionava. Agendou então a visita técnica para o dia seguinte, no caso, amanhã.  Ok, paciência! Já coloquei um anúncio lá página de que não iria conseguir publicar A Semana hoje… Depois de um tempo olhei pela janela e vi um carro da operadora estacionado na frente do prédio. Desci para ver se localizava  o funcionário e qual não foi minha surpresa quando encontro uns cinco homens no térreo mexendo na caixa de fiação/comunicação. Explicaram que estavam fazendo manutenção técnica, por isso estava tudo desconectado, já que estavam substituindo a antiga fiação por nova – dali a uma hora mais ou menos ficaria pronto… Detalhe, a central de atendimento não sabia disso. Um tempo depois a internet voltou e ficou algumas horas funcionando normalmente; eu já ia cancelar a visita técnica quando caiu de novo. Vou lá embaixo e os homens estão mexendo novamente… Testes, testes… Então, lembrei de Mercúrio nessa conexão dúbia com Netuno e que simboliza esse tipo de confusão. Então, é preciso ter paciência e verificar as várias possibilidades do que pode estar acontecendo. Em termos mais pessoais, essas influências podem significar oscilações mentais, dispersão e devaneios que tornam os dias improdutivos, caso não fiquemos atentos. Precisamos incluir na nossa agenda diária aqueles momentos de vaguear à toa, seja física ou mentalmente, para lidar com a inquietude e a dispersão sem que elas se tornem um problema. Damos ao deus aquilo que ele pede de bom grado e então ele não precisará tomar de nós… Mercúrio fica em Leão até o dia 30 de julho, quando entra em Virgem, onde ficará por 42 dias, devido à retrogradação, uma das mais longas dos últimos tempos – de 30 de agosto a 21 de setembro.

Reprodução
Reprodução

Vênus segue o mesmo caminho trilhado por Mercúrio e conversa harmoniosamente com Saturno, mas se desentende com Netuno e Plutão. Isso sugere que primeiro queremos estabilidade e tranquilidade nas relações, mas depois ficamos em dúvida porque a pessoa diante de nós não é exatamente aquilo que sonhávamos em nossos sonhos dourados… Há propensão também a criarmos expectativas altas demais quanto às pessoas, quanto às relações ou quanto aos rendimentos dos investimentos que queremos fazer, portanto, é melhor nos precavermos e prestarmos atenção a nós mesmos para identificarmos quando fazemos isso – isso evitará muitos dissabores e decepções ali na frente! Vênus fica como foco de um Yod-Dedo de Deus por um dia (sexta-feira), fazendo quincunce separativo a Netuno e aplicativo a Plutão, um dia que pode ser crítico para os relacionamentos e investimentos materiais e que vai requerer maior cautela nessas áreas – evitar ações precipitadas ajuda bastante!

full moon capricornio - three rivers deep
Three Rivers Deep – Reprodção

A Lua abre a semana na fase Corcunda, já super grávida no Céu. É Cheia na terça-feira, às 19h56min no horário de Brasília e às 23h56min no horário de Lisboa, a 27°401 de Capricórnio. Segue cheia de ideais humanitários por Aquário e torna-se Disseminadora em Peixes no sábado. Fecha a semana já em Áries, tornando o domingo um dia dinâmico e particularmente ativo. Conversa com todos os demais corpos celestes na sua jornada relacional.

Mike Campau - reprodução
Mike Campau – reprodução

SEGUNDA-FEIRA, 18 de julho – A Lua está em Capricórnio, Corcunda e prestes a ser cheia. Hoje ela faz quincunce a Vênus e Mercúrio em Leão, além de conversar reservadamente com Netuno em Peixes e unir-se mais tarde a Plutão. Segundona começa e lá vamos nós nos arrastando para mais uma semana, um dia de trabalho… Certo? ERRADO! Hoje é dia de trabalhar, MUITO! Focada e resolutamente, a despeito das agulhadas de dúvidas que algumas brincadeiras ou mesmo alguma preguiça retardada da domingueira possam nos trazer – na verdade, é hora de recuperar o tempo que porventura tenhamos perdido e nos concentrar com afinco em nossos objetivos! Ao invés de lamentar a montanha de trabalho e a renúncia do brincar, podemos tornar o próprio trabalho a grande brincadeira! Quem disse que não pode ser divertido? Quem disse que tem que ser sisudo e austero? Ao contrário, o trabalho, mesmo aquele que não é a nossa grande paixão, pode se transformar em algo a que nos entregamos de corpo e alma, pelo qual damos o nosso melhor, com o qual nos comprometemos decididamente. Não pelo chefe, não pelo cliente e não somente pelo dinheiro que paga as contas e a sobrevivência, não apenas pelos objetivos de ordem material, mas por aquilo que ganhamos com ele num sentido mais amplo, por aquilo que nos tornamos quando damos nosso melhor: pessoas melhores que ultrapassam suas dificuldades, vencem desafios e vencem a si mesmas ao vencer suas fraquezas, defeitos, preguiça e hesitação. Como diz John Ruskin, “a maior recompensa do trabalho, não é o que ganhamos com ele, mas aquilo em que ele nos transforma”.

Reprodução
Reprodução

E a criatividade, por que tem que ser antagônica com o trabalho, mesmo naquelas atividades mais previsíveis e rotineiras? A criatividade não quer dizer, sempre ou necessariamente, pintar e bordar, mas antes, é colocar nosso jeito único, nossa alma, naquilo que estamos fazendo, o que quer que seja isso. E por que não citar Freud? “Não posso imaginar que uma vida sem trabalho seja capaz de trazer qualquer espécie de conforto. A imaginação criadora e o trabalho para mim andam de mãos dadas; não retiro prazer de nenhuma outra coisa.” Assim, se nos faltava encorajamento para arregaçar as mangas e abraçar a segundona com galhardia, agora não falta mais! É dia de transformar nossa visão e nosso sentimento em relação ao nosso trabalho, para que ele nos traga mais satisfação e alegria, mesmo que ainda não seja aquilo que realmente gostaríamos de fazer. Enquanto não encontramos isso, damos o nosso melhor no que fazemos hoje – o que isso faz de nós? Indivíduos íntegros e conscientes de terem dado e feito seu melhor! !

Reprodução
Reprodução

TERÇA-FEIRA, 19 de julho – Mercúrio está hoje em trígono a Saturno em Sagitário, quincunce a Netuno e sesqui-quadratura a Quíron e seria a vedete do dia, não fosse pela Lua ficando Cheia à noite, em trígono a Júpiter e quadratura a Urano. A Lua fica vazia depois da oposição ao Sol, às 19h56min. O dia está inspirado de uma inspiração pragmática e realista, de um idealismo que podemos por em prática. Além disso, nosso pensar está sério e concentrado em assuntos também sóbrios e importantes. De modo geral, a influência é favorável para nos aplicarmos a tarefas que exijam concentração, foco e primor, as quais executamos até o fim. Mas há algumas influências que podem perturbar toda essa ordem, se não incluirmos poesia, imaginação e criatividade em todos esses planos: então, ao invés de um trabalho bem elaborado e refinado, poderemos ter algo inconcluso, caótico, de resultados duvidosos. Pode ser um dia bom também para organizarmos nosso ambiente de trabalho, nossos planejamentos e objetivos de longo prazo, desde que mantenhamos o foco, pois contraditoriamente, também há propensão a divagar em fantasias e devaneios irrealizáveis que dispersam a mente. Em termos práticos, há propensão a problemas na comunicação, falhas nas conexões de internet e problemas com tecnologia em geral. A Lua Cheia, já à noite, traz a culminação de um ciclo focado na nutrição da vida, na estruturação dos vínculos emocionais e amorosos, nutrição que nos ajuda a subir a escada das nossas ambições. Agora precisamos adicionar a responsabilidade por nós mesmos e nossas necessidades emocionais, ao invés de esperar que outros venham supri-las. A Lua Cheia ocorre em quadratura separativa a Urano, o que significa que traz em seu bojo, a possibilidade de integrarmos e conciliarmos demandas familiares, profissionais, ao mesmo tempo em que ousamos focar em nossa busca pessoal por maior liberdade e autonomia. Os dilemas que vinham se fazendo notar nas últimas semanas de maneira indireta, agora se clarificam com o estrondo de fogos de artifício mentais: Eureka! É isso! Tanto podemos ouvir a ficha caindo dentro de nós, quanto podemos ter um momento de epifania e perceber o que podemos fazer, quais são as saídas possíveis para integrar essas forças e dar-lhes a devida expressão! Fique atento às iluminações do dia de hoje! E não se iluda: elas podem vir disfarçadas de crises e conflitos!

Reprodução
Reprodução

QUARTA-FEIRA, 20 de julho – Vênus em Leão está em trígono pleno a Saturno em Sagitário hoje, mas também muito próxima do quincunce a Netuno. A Lua ingressa em Aquário à 00h11min, de onde se opõe a Vênus no fim do dia. A Lua também faz sextil a Saturno. A criatividade fica mais consistente, assim como a expressão dos nossos valores e desejos hoje. Conscientemente encaramos as relações com mais realismo e nos conscientizamos de que estabilidade também é um valor para nós. Contudo, ainda precisamos lidar com anseios não expressos e não clarificados, que talvez contradigam esses valores conscientes; ainda corremos o risco de criar expectativas irreais a respeito das outras pessoas com quem nos relacionamos e precisamos vigiar isso, para que não minem a construção e estruturação das relações que viemos cultivando nos últimos meses. Somado a isso, o fim do dia acentua algumas dessas contradições e questiona alguns dos valores que achávamos que já tínhamos clarificado. De modo prático, o dia favorece contatos sóbrios e socializações que não requeiram muita intimidade, especialmente física – nada de grude, por favor! Os investimentos também precisam ser conservadores e baseados na lógica e naquilo que já foi testado e que se provou confiável.

Reprodução
Reprodução

QUINTA-FEIRA, 21 de julho – A Lua Aquariana faz oposição ao Mercúrio Leonino e depois se indispõe com Júpiter em Virgem, mas se harmoniza com Urano em Áries. Fecha a noite fazendo quadratura a Marte em Escorpião e fica vazia depois deste movimento, às 22h57min. Vênus faz quincunce exato a Netuno. O dia está bastante incongruente e até desconcertante. Mente, corpo, espírito e alma estão desalinhados, brigando entre si e isso nos deixa indispostos, física e emocionalmente, irritados conosco mesmos e de maus bofes com o mundo. Há também uma insatisfação indefinível, uma sensação de desalento diante do real, que perde feio quando comparado às expectativas que criamos no passado acerca de nossos talentos e habilidades e que agora pesam um pouco na nossa autoestima ou acerca de situações e pessoas. Consequentemente, isso pode provocar desajustes também nas relações. Talvez demoremos a entender a raiz do problema e até que consigamos isso, podemos azedar nosso dia e o dos outros, portanto, vale ficar atentos a respeito das nossas próprias idiossincrasias, para que elas não criem mais problemas do que aqueles que já temos, os que são reais e não imaginários ou nascidos do nosso enfado de não conseguirmos lidar com nossas próprias inseguranças. Atenção também para não nos confundirmos com a névoa que penetra os desejos e nos faz querer o que não podemos ter, o inatingível, pessoas indisponíveis, o que muitas vezes é uma ótima maneira de não nos envolvermos de verdade com uma pessoa real, livre e disponível para nós.

Tirado de webnell.com - Reprodução
Tirado de webnell.com – Reprodução

SEXTA-FEIRA, 22 de julho – De Aquário a Lua faz quincunce ao Sol Canceriano e entra em Peixes às 05h36min. O Sol volta para casa e ingressa em Leão às 06h31min, iluminando e abrilhantando um pouco mais a vida dos Leoninos-Reis. A Lua faz quadratura a Saturno e conjunção a Netuno (exata no sábado). Vênus é foco de um Yod e Mercúrio está em quincunce pleno a Plutão. O Sol inaugura o período do ano em que nos autorizamos a brilhar, a ser mais criativos e centrar em nós mesmos. O dia está sensível e imaginativo, mas também sujeito a algumas inseguranças e dispersão. Precisamos nos sintonizar com nossos valores básicos, nosso caráter nuclear para não nos perdermos na incerta gerada pelo olhar ou julgamentos alheios ou mesmo pela nossa insegurança interior. Contudo, mesmos os valores básicos estão sob pressão e talvez careçam de clareza hoje ou talvez estejam meio sobrecarregados e coloridos por auto-imagens negativas, portanto, se nos pegarmos em crises de valores ou vacilantes e inseguros, seria melhor não tomar decisões drásticas por hoje e nem levar tão a sério essa voz interior excessivamente severa e julgadora. As oscilações mentais ou emocionais podem ser contornadas se encontrarmos algo que engaje nossa paixão, nossa sensibilidade e de preferência, que não tenha prazos curtos a nos pressionar. Podemos ter momentos de grande concentração e outros de muita dispersão assim, para evitar a improdutividade, podemos, nós mesmos, tirar pequenos intervalos que nos permitam ziguezaguear ativamente, estabelecendo um limite para tanto e, ao fazer isso, energizamos a mente e o trabalho/atividades não se tornam enfadonhos.

Reprodução
Reprodução

SÁBADO, 23 de julho – a Lua faz conjunção a Netuno nas primeiras horas do dia, enquanto se despede da quadratura a Saturno. A Lua passa o dia super ocupada e faz quincunces a Vênus e a Mercúrio em Leão, faz sextil a Plutão, oposição a Júpiter, conjunção a Quíron e sesqui-quadratura ao Sol, aspecto que a faz entrar na fase Disseminadora. O dia continua trazendo uma influencia forte de oscilação de humores, sentimentos, desejos, interesses. A sensibilidade continua aflorada, mais do que nunca e isso nos faz entrar em contato com coisas que não são nossas, inclusive as dúvidas e dilemas dos outros. Podemos nos conectar com a compaixão e a empatia e colocar aos outros em primeiro lugar, pensando no bem do todo… Mas então, uma voz lá no fundo pode sussurrar, em ressentimento, que estamos abrindo mão do nosso tempo em demasia e os nossos próprios interesses ficam em segundo plano; podemos nos vitimizar e anular em função de outros, sem ter clareza de que esperamos, no mínimo, o aplauso e o reconhecimento em retorno e quando isso não vem, ficamos frustrados e mal humorados. E então, sem perceber, podemos nos tornar críticos e destrutivos, atacando àqueles mesmos que nos propusemos ajudar, numa dinâmica perversa que os faz afundar – junto conosco – ao invés de trazê-los à superfície… O resultado é o caos emocional e também concreto. Tudo isso se estivermos inconscientes de nossas motivações mais profundas. Do contrário, se reconhecemos todas essas vozes internas e fazemos escolhas conscientes, podemos fazer os sacrifícios (seja de tempo, coisas, energia, etc) conscientemente, em nome do todo sim, mas sem a necessidade da autossabotagem ou da dinâmica da culpa.

Reprodução
Reprodução

DOMINGO, 24 de julho – A Lua Pisciana está conjunta a Quíron e depois faz trígono a Marte em Escorpião, ficando fora de curso depois, às 04h07min. Ingressa em Áries às 09h33min, de onde faz um inspirado trígono ao Sol. Vênus está em quincunce exato a Plutão. O sono é mais profundo e reparador na noite de sábado para domingo – para os mais caseiros. Para os baladeiros, convém pegar leve nos drinques e substâncias em geral porque nosso senso de controle e limites está meio roto e capenga e podemos afundar no escapismo fácil dos tragos a mais, que apenas adiarão o confronto com nossos dilemas. O dia, por outro lado, fica mais dinâmico e ativo e pede atividades ao ar livre e que primem pela liberdade de ação e de movimento e que permitam gastar a energia de alta voltagem que temos hoje. Cronogramas rígidos ou fechados não são recomendados porque ou apenas criarão irritações ou terão que ser revistos por inteiro, pois há muita impaciência, pressa e impulso e tendência a imprevistos de última hora. Esportes, aventuras, trilhas campestres, visitas ao parque e passeios ao ar livre em geral estão todos favorecidos! Tudo muito adequado a um domingo energético e dinâmico! Vamos aproveitar!

Que sua semana seja de luz, realização e beleza!!

Lua Cheia em Leão – Buscando realizações verdadeiras

Isabel Bryna Reprodução
Isabel Bryna Reprodução

A Lua Cheia deste sábado (Brasília, 23 de janeiro, 23h45min e Lisboa, 24 de janeiro, 01h45min) ocorre no eixo Leão-Aquário, o eixo do indivíduo versus o grupo, do sentir-se especial, versus ser comum e anônimo. Com o Sol em Aquário voltamos nossas atenções para as causas sociais, para as massas e para o bem coletivo, buscando materializar os ideais de justiça social, igualdade, liberdade e fraternidade entre os homens. Nesse contexto tão visionário e idealista, o indivíduo deixa de ser importante, porque o foco é o grupo, é o todo. Mas um dos erros de Aquário e que é parte da sua Sombra é exatamente este: esquecer que a humanidade é feita de seres humanos, pessoas únicas em suas características individuais. Assim, Aquário, talvez o signo mais sociável de todos,  muitas vezes tem dificuldade em se relacionar de um para um, numa base mais próxima e intimista. Para fazer o contraponto a esses ideais abstratos e tão distanciados temos a Lua Cheia ocorrendo no signo oposto, Leão, para nos lembrar da importância do indivíduo em meio ao grupo. Esta Lua Cheia vem trabalhar de forma bem aguda, as sombras de Leão e de Aquário.

The silhouette of a lion as he awaits the morning’s wakeup call.:
Nicole Dangoor – Reprodução

Essas questões da individualidade e do reconhecimento pelos nossos feitos pessoais são particularmente relevantes nesta Lua Cheia, uma Lua Cheia extremamente conflituosa. A Lua está a 03°29’ de Leão, em oposição ao Sol a 03°29’ de Aquário, ambos em quadratura ampla e aplicativa (aplicativo quer dizer ainda vai acontecer) a Marte em Escorpião, o aspecto maior mais próximo que a Lua faz – o outro é um trígono a Saturno de quase 10 graus – formando uma ampla T-Square fixa. O contato a Marte indica que esta é uma Lua Cheia extremamente volátil e de muita irritação e tensão – sentimos e automaticamente reagimos. Pressentimos uma ameaça no ar e prontamente nos defendemos, o problema é que talvez fiquemos defensivos até mesmo com aqueles a quem amamos. Tal defensividade e sensação de ameaça nasce internamente, é claro, devido a uma discordância entre as diversas necessidades: a necessidade de nos afirmarmos está em conflito com a necessidade de segurança e ainda com nossos objetivos conscientes. Neste caso, a Lua tem como necessidade básica chamar a atenção, sentir-se especial, mas este Marte é misterioso e reservado, quer passar despercebido para poder preservar suas intenções de olhares indiscretos, sem mencionar o Sol que diz que aqui todo mundo é comum e igual.

full Lionesses-on-Kopie-at-dusk-with-full-moon-rising-Seronera-Serengeti-Tanzania wild encounters
Paul & Paveena Mckenzie – Reprodução

Falando no Sol, ele é o único ponto em Ar neste mapa, estando os outros três elementos equilibrados. Como único ponto em Ar, o Sol pode adquirir uma qualidade mais extremista, visto que Aquário já é um signo de extremos. Assim, boa parte do tempo podemos ser intuitivos ou emocionais, mas de repente, sem perceber, a objetividade fria toma conta de nós e nos enrijecemos nela, ignorando todo o resto. Leão, o signo onde está a Lua, é o signo do coração, daquilo que nos faz pular de alegria feito criança que ganha um brinquedo novo.

lua cheia leão
Lua Cheia em Leão – Brasília, 23 de janeiro de 2016 23h45min

Esta oposição Leão-Aquário, nos diz repetidamente que há um conflito básico em nossa natureza: o coração (Lua em Leão) quer algo que está em divergência com a consciência objetiva (Sol em Aquário) e se não entramos em consenso conosco mesmos, não conseguimos executar ou realizar esses desejos (Marte em Escorpião).  Se não conseguimos solucionar a equação e integrar essas divergências, o resultado é frustração e sensação de derrota, que nos deixa abespinhados, belicosos, feito bicho selvagem com um espinho na pata que não consegue identificar o que causa a dor. Se estamos muito inconscientes, toda essa beligerância é jogada sobre outros e acusamos o mundo de ser responsável por nossa infelicidade e desgosto. Ou nos tornamos competitivos, compulsiva e infantilmente.

rebloggy.com tumblr
Desconheço o autor – Encontrado em rebloggy.tumblr – Reprodução

Sentir, precisar, querer, desejar… O que atendemos e o que ignoramos? Não há o que ignorar. Essas necessidades precisam ser integradas conscientemente e quando conseguimos isso, a tensão se torna combustível que alimenta nossa vontade, determinação e disposição executiva na realização de nossos intentos. Contudo, isso é algo que não vem facilmente: há uma sensação de frustração com esta quadratura, como se estas intenções não tivessem ainda sido realizadas, ou tivéssemos nos confrontando com dificuldades internas, dúvidas e hesitações geradas pelo conflito entre as diferentes necessidades e desejos, como já disse acima. Mas vamos ser um problema para nós mesmos? Ou vamos resolver essas dificuldades diretamente?

reblog-if-you-hate-when-people-show-off_1130
Reprodução

Olhemos estes temas, mais profundamente, para além do óbvio. A Lua Leonina deseja ser o centro das atenções, deseja brilhar e receber o devido reconhecimento pela sua singularidade e distinção. Mas a oposição ao Sol em Aquário sinaliza que há uma culpa e que ela não consegue brilhar devidamente, porque a resposta do grupo é de que “isso não é certo”, ela é comum como todo mundo  e deve se colocar no seu lugar. A quadratura a Marte confirma que essa atenção e aprovação não vêm facilmente e que talvez tenhamos mesmo que brigar por ela. Assim, essa Lua Cheia ativa dentro de nós esse conflito clássico da vida familiar e em grupo: como nos sentimos especiais, como expressamos nossa individualidade e potenciais singulares, sem negar isso aos outros. Isso porque a competitividade intrínseca parece nos dizer que não há bastante aplauso para todos, que temos que tomar de outros ou ficaremos sem. E também ativa em nós conflitos ancestrais da natureza humana, aqueles vivenciados na infância, quando estávamos ensaiando na arte de nos afirmar.  Parece que a aprovação e aplauso pelos quais tanto ansiamos não estavam disponíveis, ou pelo menos não sem uma boa luta e continuamos a brigar por eles vida afora, mascarando nossa enorme insegurança com competitividade, sem perceber que isso vira uma motivação inconsciente para nossos feitos, algo compulsivo, que temos que obter a qualquer custo. Então, ao invés de realizar nossos feitos por nós mesmos, nós o fazemos para comprar atenção e adoração de fora, do grupo. O problema é que, se conseguimos, a sensação de sucesso dura pouco e logo nos lançamos a outra busca por mais atenção, porque estamos viciados nisso, é uma compulsão, um buraco sem fundo. Por outro lado, se não conseguimos, fica um gosto amargo na boca, como se nada tivesse valido a pena, não importa o quanto tenhamos feito.

love-meQuer dizer, isso é viver uma vida para fora, para o olhar do outro e não para nós mesmos, pautando esse senso de realização unicamente da aprovação alheia, o que faz de nós um arremedo de indivíduo, um caso patético de narcisismo crônico que, ironicamente, mais afasta do que aproxima as pessoas, porque no processo talvez nos tornemos arrogantes e até tirânicos com aqueles com quem convivemos, demandando atenção como um rei déspota demanda tributos de seus súditos. E pior, em nosso grande orgulho, somos incapazes de reconhecer a importância que o outro tem para nós e do quanto dependemos de seu reconhecimento. No fim, isso indica que nossa pequena criança ficou congelada em sua expressão mais positiva e mostra apenas seu lado mais sombrio: insegura, profundamente carente de afeto e atenção, sentimentos devidamente mascarados pelos muitos feitos conseguidos, mas não genuinamente celebrados e sentidos.

caça
Historyofhunting.com – Reprodução

O Símbolo Sabiano do grau 04 de Leão – 03°00’ a 03°59’ – conta uma estória parecida a partir da seguinte imagem: “Um homem vestido formalmente, está de pé ao lado de troféus que ele trouxe de uma expedição de caça”. Os troféus de caça são símbolos de competitividade, de algo que foi conseguido com grande empenho, luta e até mesmo correndo riscos e perigos. Originalmente, a caça era algo essencial à sobrevivência, matava-se para comer – a caça, aliás, é algo fundamental à sobrevivência de predadores em geral, como o Leão. Um tema que imediatamente repete as proposições da T-Square Sol-Lua-Marte. Mas aqui a caça não implica necessidade de sobrevivência per si, não se caça para comer; um caçador que exibe  troféus está preocupado apenas em mostrar seus feitos, em mostrar como ele é bom com uma arma e como domina a natureza, matando-a. Está formalmente vestido, quer dizer, tudo é parte de um ritual encenado, um teatro montado para o olhar de uma platéia, nascido da necessidade de impressionar os outros. E se por um lado não há nada de mais legítimo em se obter o reconhecimento por uma realização bem sucedida, por outro, como já discutimos acima, vale questionar a motivação original de tal realização, se é algo que de fato nos alimenta individualmente e espiritualmente, ou se é apenas uma forma de angariar uma atenção que acreditamos que não temos.

Sabiansymbols.typepad.com Reprodução

Lynda Hill, analisando este símbolo em seu livro 360 graus de sabedoria, questiona que tipo de “troféus” estamos buscando, alertando que algumas pessoas talvez apreciem, de fato, aquilo que estamos mostrando, mas outros talvez estejam completamente desinteressados e nem um pouco impressionados com o que vêem. Talvez outros ainda fiquem com ciúmes ou inveja e isso, secretamente, alimenta nossa vaidade. Estes troféus podem ser qualquer coisa: aquisições materiais, diplomas, viagens, aventuras, qualquer coisa que nos leve a nos sentir “especiais”. E ela diz que é essencial o questionamento: “realizamos algo, verdadeiramente? Se sim, é claro que devemos ser reconhecidos e congratulados por tal feito; OU isso são apenas ‘coisas’ que reivindicamos para nós mesmos sem considerar de onde vieram ou sem nos importar com o que teve que ser feito para realizá-las?”. Em outras palavras, por que fazemos o que fazemos? Fazemos por nós mesmos, porque nos preenche de alegria e traz satisfação e plenitude ou apenas para impressionar e despertar inveja no olhar do outro, que nos dirá, consequentemente que somos “especiais” e melhores do que ele?  Se é assim, temos o círculo completo e voltamos ao objetivo do começo, que era mascarar nossa insegurança e carência. 

A Força
Arcano 11, A Força – Tarô de Nei Naiff

Por fim, este símbolo me lembra ainda o Arcano 11 do Tarô, A Força. Este arcano mostra uma mulher segurando um leão com as mãos e não está claro se ela abre ou fecha a boca do leão. Sabemos que uma mulher, e mesmo um homem, salvo em circunstâncias extremas, não seria capaz de dominar um leão pela força física ou bruta, assim, inferimos que está em curso um outro tipo de domínio. O domínio suave e sutil da sensibilidade do coração sobre as paixões desenfreadas. A capacidade de dominar nossos instintos, nossa natureza animal e bruta, com a força da consciência e com o coração amoroso. Dominar as paixões descontroladas, a criança mimada  e egoísta. Dominar, não matar. Hoje o humano aniquila a natureza lá fora, sem perceber que aniquila, por conseguinte, sua própria natureza interna, desconectando-se dela. A Força vem nos mostrar a necessidade de acharmos o ponto de equilíbrio entre a força animal e instintiva e a força corajosa de um coração gentil. Quando entendermos isso, não precisaremos mais de troféus, não precisaremos matar a natureza, mas estaremos convivendo com ela em harmonia; não dependeremos do olhar invejoso do outro para nos sentir apreciados, realizados e especiais porque nossa criança interna estará saudável, segura e feliz! A fera dominada por um coração gentil. Conseguiremos isso algum dia?

Watercolor - Fashion Illustration Print - Desconheço o autor - Reprodução
Watercolor – Fashion Illustration Print – Desconheço o autor – Reprodução

A Lua Cheia em Leão, em si mesmo, convida a celebrar nossa criança interior, a força do coração e a paixão saudável que alimenta nossa busca por realizações legítimas. A coragem de ser nós mesmos, celebrando o que temos de mais especial e único. Brincar e celebrar a alegria de ser quem somos, como somos e a força mais poderosa de todas, a força do coração, o amor. E tenhamos sempre presente: “felicidade é aquilo que preenche a alma e não o olhar do outro” (Andreia Meneguete).

Reprodução

OBS: Vale mencionar um fato muito triste e curioso: a Lua estava exatamente neste grau de Leão, no dia 1° de julho de 2015, quando um caçador americano matou o leão Cecil, na África, causando comoção e indignação global. Nessas horas a gente se assusta em ver como um símbolo se manifesta, às vezes, de forma muito literal.