Arquivo da tag: REgeneração

Lua Cheia em Virgem – Curando a Natureza Selvagem

Reprodução – Desconheço o autor

Perdão. Cura. Limpeza. Eliminação. Regeneração. Nutrição. Corpo. Organização. Serviço. Ajuda.

A Lua Cheia deste ciclo aconteceu neste domingo, 12 de março, no grau 22°13 do signo de Virgem, às 11h55min no horário de Brasília e às 14h55min no horário de Lisboa. Essa é uma Lua Cheia que vem falar de cura, limpezas físicas, psíquicas e energéticas, regeneração, serviço, perdão. De verificarmos que área da nossa vida precisa de mais organização, ordem, método e controle. Onde podemos ser mais criativos e prestativos.

Lua Cheia em Virgem – Brasília, 12 de março de 2017, 11h55min.

Além da oposição ao Sol, a Lua também se opõe a Quíron, e a Mercúrio, seu dispositor, que está no grau 27° de Peixes. A Lua ainda faz um quincúncio próximo a Urano em Áries, se afasta de um trígono a Plutão em Capricórnio e faz quadratura aplicativa a Saturno em Sagitário. É uma Lua deveras dinâmica e “ocupada”, cheia de afazeres e atribuições, que nos convida a ordenar e organizar o caos da mente criativa, a estruturar a manifestação dos infinitos potenciais da nossa imaginação ilimitada.

Do Buzzfeed – Reprodução

O ciclo presente nos convida a trabalhar os arquétipos e temas Piscianos, como simbolizados pelo trânsito do Sol neste signo. A Lua cheia em Virgem vem fazer o contraponto de que, a despeito da busca pela transcendência representada por Peixes, não podemos esquecer que ainda estamos encarnados nesta vida, no aqui e agora e que ainda temos coisas práticas a fazer; que é no dia a dia, a partir das pequenas coisas que a transformação e os resultados de tal transcendência se mostram. Contudo Mercúrio, regente da Lua Cheia, está também em Peixes e alerta que não podemos nos fixar somente nas racionalizações frias de Virgem, com seu espírito crítico, organizador e discriminante, que tenta a tudo enquadrar, classificar e entender racionalmente. É preciso confiar também no invisível, no não explicável, não mensurável, não palpável. Há coisas que ocorrem na esfera do invisível e do imaterial que são tão reais quanto aquelas outras que podemos ver e tocar. Assim, a proposta é basearmos nossa atuação concreta no mundo na fé e nos valores imateriais, na percepção não sensorial de que “há mais coisas entre o céu e a terra do que supõe nossa vã filosofia”.

Reprodução

A oposição Lua-Mercúrio também nos lembra que muitas das doenças que desenvolvemos, nascem dos conflitos internos, da não aceitação das nossas próprias contradições, da dificuldade de observar nosso ritmo interno e orgânico e respeitá-lo. Fala de como os pensamentos podem ser venenosos. Como diz o iogue indiano,  Sadhguru, se sua mão de repente agredir você, dando-lhe um soco no rosto, batendo e machucando você, definitivamente você está doente! Então, diz ele, se seus pensamentos e emoções estão constantemente cutucando você, sufocando e torturando você, todos os dias, você não está doente também? Então, este estado de pensamentos tóxicos leva às doenças, emocionais e físicas. É preciso pois, ficar atentos aos conflitos mentais, aos pensamentos insidiosos e tóxicos, que nos torturam e deixam doentes, mental, anímica e fisicamente. Cuidar da mente e também do corpo, como diz aquela frase em latim: mens sana in corpore sano.

Reprodução

Essa toxicidade mental e anímica é potencializada pela quadratura que a Lua e Mercúrio fazem a Saturno, que é foco de uma T-Square, o que nos diz que precisamos vigiar a culpa – provavelmente o pior torturador da alma – e seus efeitos sobre a psique, o corpo, o bem-estar e o quanto ela impacta negativamente na nossa serenidade e alegria de viver. Liberarmo-nos da culpa é passo essencial para chegarmos à cura. Jesus, sempre que curava alguém, primeiro perguntava se a pessoa tinha fé. Em seguida ele dizia “teus pecados são perdoados” e concluía: “Vai em paz. Tua fé te salvou”. Quando nos sentimos culpados por alguma coisa, nos tornamos algozes de nós mesmos e então nos sabotamos de várias maneiras, porque não nos sentimos autorizados a usufruir das coisas boas, não nos sentimos merecedores do “Reino de Deus” e suas infinitas benesses e seu infinito amor e misericórdia. A culpa nos faz querer nos esconder “das vistas de Deus”, que é o mesmo que se esconder do Self, do Eu Superior. E então a culpa nos leva a desenvolver inúmeros problemas, de saúde, materiais, e qualquer outro com que a autossabotagem possa nos “premiar”. Ao pronunciar tais palavras, Jesus deixa claro como a serenidade interior é fundamental para o processo de cura; como o auto perdão é crucial para nos liberarmos da doença ou de quaisquer outros processos destrutivos. Porque o perdão nos faz sentir novos, limpos e puros, novamente merecedores do “amor e misericórdia de Deus”. E o mesmo vale para aqueles que não creem, com a diferença de que com o perdão se sentem novamente merecedores do amor/respeito/cuidados daquele outro que acharam que ofenderam de alguma maneira – porque embora não achem que ofenderam a “Deus”, já que não creem, infringiram a ética humana. Com o perdão, sentimo-nos novamente merecedores de participar da comunidade humana, em pé de igualdade, porque já não somos párias excluídos, criaturas abjetas ou vis, indignas do amor do outro e até do nosso próprio amor. Assim, o perdão cura e obviamente que aqui não estamos falando, necessariamente, do conceito cristão de pecado, mas de toda a infração ou delito que a alma sente que cometeu, que a tornou “impura” aos seus próprios olhos e aos olhos daqueles que lhe são importantes. Então, é preciso exercer o perdão, primeiramente para conosco mesmos e mesmo quando achamos que temos que perdoar ao outro, precisamos antes perdoar a nós mesmos, por nos termos colocado vulneráveis a ponto de nos permitirmos ferir pelo outro – muitas vezes, é mais difícil perdoar a si próprio do que ao outro.

Culpa

Culpa, como já falei em outros textos, é muito diferente de remorso. O remorso é o sentimento de quem está consciente que magoou o outro, mas está disposto a reparar o dano. No remorso, nos responsabilizamos pelos nossos feitos e não tentamos nos justificar ou apresentar desculpas esfarrapadas. O remorso é maduro, a culpa é infantil. No remoroso temos vergonha, porque nos damos conta de que erramos; estamos arrependidos, mas comprometidos a mudar, a melhorar. E tal comprometimento elimina a tortura da culpa e da auto-flagelação. Às vezes sentimos os dois sentimentos juntos: culpa e remorso; às vezes sentimos somente o remorso e às vezes, somente a culpa. O problema da culpa é que apesar de nos torturar, ela não leva a mudança nenhuma, é um tipo de masturbação perversa, em que nos autoflagelamos e torturamos, derivando um tipo de gozo narcisístico ao contrário: “olha como eu sou terrível!, olha como sou mau!”, mas de fato nada fazemos para remediar nosso “crime/pecado” ou para mudar nossa atitude. Uma frase de Oscar Wilde retrata bem a dinâmica circular da culpa. Ele diz que “a culpa é o preço que pagamos, de bom grado, por algo que faríamos de qualquer jeito”. E segundo ele, isso nos isenta do julgamento alheio, porque “quando culpamos a nós mesmos, sentimos que ninguém mais tem o direito de fazê-lo”, o que novamente enfatiza como o remorso é diferente da culpa. A Lua Cheia de Virgem nos convida, pois, a abrir mão das culpas compulsivas e narcisistas, a nos abrir  ao auto-perdão, para que possamos nos sentir merecedores da cura, do amor e das infinitas benesses da vida e do universo.

Rachel Levit – Reprodução

A Lua se opõe a Quíron enquanto culmina este ciclo. Quíron é um asteroide que simboliza nossas feridas, velhas e novas, que simboliza o lado obscuro e sem conserto da natureza humana, inadequações e vulnerabilidades. E para alcançarmos as dádivas da cura, precisamos primeira enfrentar essas fragilidades e inadequações, as inseguranças mais profundas, os conceitos evasivos e a falta de comprometimento conosco mesmos, além da destrutividade em potencial que espreita a mente e o coração, minando a autoconfiança, a segurança em si mesmo, a aposta no próprio poder e capacidade. Essa lunação nos deixa, então, em carne viva e é preciso cautela porque a via de escape para muitos será a ajuda indiscriminada ao outro, para fugir da própria dor e do próprio desespero. Para outros, esse escape pode se dar pelas tentativas de controle do entorno, qualquer coisa que faça passar a ansiedade e o desconforto com o corpo e os sentimentos… mas nada disso funciona por muito tempo e só conseguimos superar quando acalmamos a ansiedade e aninhamos em nosso coração as dores não admitidas, os medos não expressos do caos, do amanhã, da nossa própria irracionalidade. Mas Quíron também representa um manancial de imensa sabedoria e compaixão; representa onde precisamos aceitar essas inadequações para chegar à serenidade da cura; significa onde podemos ensinar a outros, movidos pela empatia que nosso próprio sofrimento nos obrigou a desenvolver; e é um símbolo potente de cura e inclusão. Então a Lua pede que reconheçamos todas essas dificuldades e demos um lugar para elas em nosso coração; sugere um período potente de limpeza psíquica e energética.

Reprodução

E sim, a Lua Cheia também traz um tempo propício a nos doarmos e nos dispormos ao serviço ao outro, de coração aberto e humilde. Contudo, essa ajuda precisa ser feita de forma muito respeitosa e delicada; tem que ser genuína e não mera fuga da própria dor, como já dissemos acima. é legítimo que nossa dor nos leve a ajudar o outro, mas isso precisa ser feito conscientemente. A Lua em Virgem tem grande necessidade de se sentir útil e prestativa, de ajudar e resolver os problemas alheios. Mas se tal ajuda não foi pedida e nem aceita claramente, corremos o risco de ser invasivos, desrespeitosos e, de quebra, de ainda coletarmos para nós, problemas que não são nossos e que podem, de fato, nos prejudicar e bloquear o nosso crescimento pessoal em várias esferas, além de potencialmente nos adoecer. Considerando que Vênus está retrógrada em Áries, precisamos nos lembrar que, antes de cuidar do bem estar do outro, precisamos primeiro cuidar do nosso próprio bem estar, precisamos nos certificar de que estamos bem, até porque só podemos cuidar do outro se nós mesmos estivermos inteiros.

Naoto Hitori – Reprodução

E nessa ajuda precisamos olhar para o outro como sendo capaz e tendo o poder de curar-se sozinho, sendo nós apenas uma ferramenta, um meio que propicie que o outro entre em contato com os recursos de que ele já dispõe em si mesmo, mas dos quais estava desconectado por razões diversas. Então, para que a ajuda seja efetiva, é preciso que acreditemos e confiemos que o outro é capaz de se cuidar e de resolver os próprios problemas, que o outro dá conta de conduzir a própria vida, do seu jeito e nós seremos apenas apoio e suporte, quando ele precisar. Não podemos nos arvorar de “salvadores”. Podemos e devemos nos ajudar mutuamente, mas cada um só dá conta de salvar a si mesmo. Portanto, é preciso “empoderar” esse outro que tanto queremos ajudar, olhando para ele e vendo seus melhores potenciais, reconhecendo que ele já tem todos os recursos de que precisa dentro de si. Assim, a relação com o outro fica equilibrada, não se torna uma relação de poder em que eu sou mais forte e melhor e o outro é fraco e depende de mim para ser. Podemos então nos conscientizar dos momentos em que fomos invasivos ao tentar “ajudar” a outros. Podemos nos liberar dos fardos alheios que carregamos desnecessariamente, mas que nos trazem o gozo equivocado de que estamos “ajudando”, mesmo que o outro não tenha pedido essa ajuda. E poderemos então amar com mais leveza e com mais respeito.

Reprodução

A Lua também faz trígono a Plutão, indicando o grande poder que temos à nossa disposição. Poder de eliminação do lixo e do entulho emocional que talvez ainda carreguemos; de calcinar essas culpas e pensamentos torturantes que nos fazem sentir inferiores e não merecedores da abundância do universo; poder de extinguir ou transformar os comportamentos e hábitos doentios, tanto em nível físico, quanto mental e psíquico; poder nos regenerar, de renascer e de nos tornarmos mais fortalecidos e inteiros.

Reprodução

O símbolo Sabiano do grau 23 de Virgem (22°13’) traz uma imagem que desdobra esses temas em outros níveis: “Um domador de Leões corre sem medo para o centro da arena do circo”. Um domador de leões ou de quaisquer outros animais selvagens é alguém que precisa estar em contato profundo com sua própria natureza instintiva, para poder se conectar verdadeiramente com o animal selvagem, seduzindo-o e convencendo-a a confiar nele e a dar o melhor de si, obedecendo-lhe o comando. Mas há domadores e domadores. Há os domadores que domam a partir da violência e do medo; batem e machucam o animal, para quebrantar-lhe o espírito, a ponto de ele não mais confiar na sua própria força e simplesmente desistir de resistir e de se rebelar contra o jugo. É domar pela tortura, pela violência, que, em última instância, não é domar verdadeiramente, é dominar com ferramentas de dor e de medo. Há outros domadores, porém, que trabalham com sutileza e maestria, conhecendo e se acercando da natureza selvagem com respeito, cuidado, sutileza. Busca conhecer o animal que doma, mas principalmente, se deixa conhecer por ele, de modo que o animal entenda que nada há a temer. Mais do que domadores, são “encantadores” da natureza selvagem e instintiva e seu sucesso está diretamente relacionado ao respeito com que se relacionam com o animal, não subestimando-o, mas antes dando-lhe o direito de ser e de preservar seu instinto e espírito altivo e nobre, inerente a toda criatura e espécie. Assim, não se estabelece uma relação de domínio sobre a natureza instintiva, mas antes, é uma relação de colaboração, uma parceria baseada na confiança.

Reprodução

Este símbolo deixa claro onde nascem muitos dos nossos problemas: da relação equivocada que às vezes estabelecemos com nossa natureza instintiva e selvagem, buscando domesticá-la e domá-la pela violência, pelo jugo, pelo menosprezo às suas qualidades naturais e selvagens… Assim fazemos com nosso corpo, com os instintos, por serem desconfortáveis, indomáveis, selvagens… Uma outra representação de Quíron. O símbolo nos diz que não devemos temer os instintos e nossa natureza selvagem, mesmo que nossa razão teime em desconfiar deles e queira lhe impor seu jugo racional. Precisamos, na verdade, ganhar a confiança dessa natureza selvagem, respeitar-lhes a força, o vigor, sua qualidade selvagem; ganhar-lhe a confiança, respeitando-a, seduzindo-a no melhor sentido, construindo uma relação de colaboração, de sincronia, de conciliação, de ajuda mútua, de integração e integridade. Quando conseguirmos olhar para o corpo e seus processos dessa maneira, assim como para nossos instintos e natureza selvagem, já não precisaremos nos sentir à mercê deles e das doenças que ás vezes se manifestam como a puxar o tapete de debaixo dos nossos pés.

Arcano 11 do Tarô – A força

Este símbolo é parecido com o símbolo do grau 23 de Leão, onde aconteceu a Lua cheia e Eclipse Lunar de Leão, em fevereiro. Trazia presente a habilidade de uma amazona cavalgando sem sela, o cavalo sendo símbolo da libido e também da natureza instintiva. Eu associava aquele símbolo, em fevereiro, ao Arcano XI do Tarô, A Força e creio que o simbolo da Lua Cheia de hoje traz um tema parecido. Essa repetição vem nos dizer o quanto é importante prestarmos atenção a essa natureza e fazermos as pazes com ela. é um tema que continua a exigir reflexão e elaboração da nossa parte.

Reprodução – Desconheço o autor

Esta é uma Lua Cheia para nos conscientizarmos profundamente, de como temos lidado com o corpo, esse templo sagrado da alma, da consciência e do espírito; como temos cuidado ou deixado de cuidar dele; como temos cuidado de nossa nutrição física e emocional; de como temos lidado com os pensamentos tóxicos e o quanto temos permitido que conduzam nossas decisões, nosso amor próprio, nossa vida. É tempo de melhorar a relação com o corpo e a mente, mas também com a nossa natureza selvagem, que tem estado há muito tempo sob o jugo do medo e da nossa própria incompreensão. É tempo de abrir mão de mágoas e dores; de perdoar a si e ao outro; porque é do perdão e da liberação das culpas rançosas, da autoaceitação amorosa que vem a cura para o corpo, porque o corpo é curado com consequência da cura da alma.

O que podemos fazer, em termos práticos, para ter acesso a esse potencial de cura profunda?

  • Identificar e eliminar os pensamentos tóxicos e torturantes que minam nossa autoestima e senso de valor e amor próprio;
  • Identificar e se comprometer com a eliminação de maus hábitos cotidianos que minam nossa vitalidade e nossa saúde, sejam esses hábitos alimentares, de sono, de palavras (já percebeu como minamos a nós mesmos com discursos autodepreciadores?), rotinas caóticas, bagunça generalizada na casa que nos faz sentir perdidos no caos internamente;
  • Identificar onde precisamos estabelecer uma melhor organização, um melhor sentido de ordem na nossa vida, de modo a termos mais serenidade e menos preocupações tolas;
  • Identificar que alimentos, hábitos e costumes são mais saudáveis e trazem alegria à nossa alma, à nossa vida; o que repõe nossa vitalidade e energia; que pequenas coisas podemos alterar/adotar na nossa rotina, que nos tragam mais qualidade de vida, que sejam mais respeitosos e amorosos para com nossa saúde, nosso corpo e nossa alma;
  • identificar as situações em que somos invasivos na ajuda ao outro e tentar ser mais suaves e leves, esperando o outro pedir a ajuda, antes de impô-la a ele
  • … Acrescente aqui outras atitudes que você ache que vai melhorar seu dia a dia e trazer mais paz, cura, amor e serenidade para sua vida!

Então, perdoe-se! Libere-se da toxicidade de pensamentos culposos. Elimine os hábitos perniciosos que refletem o desamor e o ódio a você mesmo! Perdoe-se. Ame-se. Cure-se! Celebre sua natureza selvagem e seu corpo sagrado, morada provisória mas sagrada da alma eterna!

Uma ótima Lua Cheia para você!

Reprodução

A Semana Astrológica – Tempo de regeneração

Semana de 06 a 12 de março – Semana de Quarto Crescente, que convida a refinar nossa ação e nossos esforços, para que a colheita seja tão favorável quanto a promessa. É tempo de regeneração e de avanço!

Vênus ficou retrógrada em Áries implicando uma mudança grande e necessidade de revisão das relações e parcerias e na forma como vivenciamos nossa autoestima, nossos valores, como gerenciamos nossos recursos e como expressamos nossos afetos. Os próximos 41 dias trarão vivências, sentimentos e percepções acerca de como vivemos todas essas áreas de vida, permitindo que façamos as mudanças necessárias. Muitos atritos podem começar pela percepção de que há grande divergência de valores entre as pessoas, o que afeta o relacionamento e o sentimento de confiança e de respeito. Outra coisa que pode acontecer é nos deparar com o passado batendo à nossa porta, particularmente situações ocorridas há cerca de oito anos, de 06/03 a 1717/04 de 2009 ou mesmo mais distante, março/abril de 2001! Outras situações podem estar relacionadas a acontecimentos que ocorreram entre dezembro de 2013 e janeiro de 2014, quando Vênus ficou retrógrada em Capricórnio, retrogradando até o grau 13 do signo da Cabra, e agora Vênus entrou em retrogradação no grau 13° de Áries, quadratura exata àquele ponto estacionário de 31 de janeiro de 2014. É possível ressurgirem pessoas do passado, amores antigos ou apenas “crushes” não vividos, mas que nos obrigam a repensar muitas coisas, talvez até rever alguns valores, questionar algumas posturas… A sessão flashback pode nos fazer desencanar de vez das experiências não vividas, ou pode criar imbróglios na situação atual, levando a reflexões profundas. Mas é necessário ter muita prudência antes de se jogar de cabeça no passado – talvez não seja mesmo para reviver nada, apenas para nos fazer questionar nossos valores, fazer contrapontos entre o que foi e o que é… É possível que estejamos mais sensíveis e suscetíveis, portanto, é bom não levarmos tudo tão para o pessoal e nem ficarmos tão melindrados. Ser gentis conosco mesmos e com os outros pode aliviar a sensação de fardo e de incompreensão – vale lembrar que todo mundo tem suas feridas, suas carências e dúvidas acerca de si mesmo. Arianos em geral e particularmente quem tem Vênus em Áries, são mais afetados por esta retrogradação de Vênus.

Reprodução

O Sol recebe a conjunção Superior de Mercúrio já na segunda-feira, sinalizando o ponto alto de mais um ciclo das ideias e conceitos, da comunicação e dos pensamentos. Das 13h50min da segunda-feira às 05h08min da terça Mercúrio e sol estão em conjunção Cazimi, horas de insights novos e ideias ainda não aventadas. É como o porta-voz que chega para a autoridade para receber as instruções e objetivos para os próximos meses. Essa conjunção acontece entre os graus 16 e 17 de Peixes e pode ser muito positiva para quem tem planetas nesses gaus.

Alisha Lee Jeffers – Reprodução

Depois dessa conjunção Mercúrio dispara à frente do Sol, cumprindo a segunda metade do seu ciclo, até a próxima retrogradação que vai de nove de abril a três de maio. Mercúrio e Sol farão nesta semana sextil a Plutão e quincôncio a Júpiter, primeiro Mercúrio, depois o Sol. Ganhamos mais força e potência para correr atrás de nossos sonhos, propósitos e planos e podemos nos comprometer com eles de forma mais determinada. Contudo, mais para o fim da semana é preciso se acautelar com as as inseguranças que porventura nos aflijam e que nos fazem ir na direção oposta: tentar provar algo a todo custo, à revelia de nós mesmos e daquilo que vale a pena. Ter uma noção clara dos nossos limites pode ser bastante útil na hora que nos faltar o senso apropriado de proporção e de esforço que algo requer.

Almagnus – reprodução

Mercúrio ainda faz conjunção a Kíron e quadratura a Saturno, aspectos que o Sol fará somente na semana que vem. Mercúrio emaranhado com esses dois caras “da pesada” sugere que do meio da semana em diante há propensão a pensamentos sombrios, inseguranças, ansiedades, preocupações e pensamentos de menos-valia, que podem ficar ressaltados devido á retrogradação de Vênus, que já salienta esse tema. Mercúrio-Kíron pode nos ajudar a nos sintonizar mais com o sofrimento alheio, porque estamos muito cientes de nossas próprias dificuldades… a mente precisa lidar com as limitações do corpo e aceita-las. Já as inseguranças representadas por Saturno podem, na verdade, funcionar como um providencial choque de realidade para os sonhos maravilhosos e planos mágicos desse Mercúrio caleidoscópico. No sentido mais negativo, podemos ser presas de pessimismo, duvidar de nossas ideias, nos comunicar de forma vacilante, o que compremente o conteúdo da nossa mensagem… Mas, podemos também conter a nuvem de pessimismo e usar o choque de realidade para passar nossos sonhos pelo crivo da utilidade e da factibilidade. As utopias e teorias fantásticas são vistas com mais seriedade e prudência e de repente podemos ordenar melhor nossos pensamentos e discurso e a partir daí, estruturar melhor também os nossos planos.

Vênus e Marte, de Boticelli – Reprodução

Marte sai do campo de guerra Ariano e adentra os prados verdejantes e plácidos de Touro, permitindo-se talvez descansar e usufruir de alguns prazeres, depois das duras e grandes batalhas travadas recentemente. Contudo, nem tudo são flores, porque Vênus, regente de Touro está retrógrada em Áries, como já sabemos. Por um lado, o fato de estarem um no signo do outro ajuda, porque esta relação chamada Recepção Mútua diminui um pouco as debilidades inerentes ao fato de estarem em signos que não são favoráveis a eles, porque é como você ser obrigado a ocupar a casa do seu inimigo meio contra a vontade, mas se o outro também tem que morar numa casa que é sua, a situação fica mais equilibrada e igual, então, ao invés de brigar, talvez façamos alguma aliança, porque um depende do outro para funcionar adequadamente. Mas ainda precisamos lembrar que Vênus retrógrada está com sua ação de conciliadora e agregadora alterada. E lembrando da descrição clássica desse posicionamento, se por um lado, Marte em touro é mais ponderado, mais deliberado e calmo, por outro, às vezes podemos perder o timing das coisas, podemos nos apegar em demasia e podemos até ser preguiçosos, dependendo de outros fatores… Além disso, na hora de expressar nossos desejos e o instinto agressivo, podemos nos sentir bloqueados e passar a “engarrafar” a agressividade, algo que no longo prazo pode nos fazer implodir. Com Marte em Touro há maior cautela na ação; analisamos mais antes de tomar as atitudes; estamos mais conectados com o corpo e com nossos sentidos e estamos empenhados em construir algo durável. É um posicionamento de grande estamina e força. Mas o fato de Vênus estar retrógrada nos alerta que este marte continua explosivo, só não está mais tão direto quanto estava em Áries, o que de certa forma, torna o cenário mais perigoso em certas situações.

The Ultra Linx – Reprodução

A Lua entrou na fase do quarto Crescente no domingo, dia cinco, em Gêmeos. Começa a semana ainda em Gêmeos. Empodera-se m Câncer e entra na fase Corcunda já em Leão, na quarta-feira. Será Cheia no domingo, dia 12, a 22°13’ de Virgem, às 11h54min, culminando o ciclo Pisciano. Na sua caminhada pelo zodíaco ela faz aspectos diversos com todos os demais corpos celestes.

Reprodução – Desconheço o autor

SEGUNDA-FEIRA, 06 de março – A Lua Geminiana está em quadratura a Kíron na virada da segunda e também se opõe a Saturno em Sagitário ao raiar do dia, harmonizando-se com Marte logo depois – Marte, que acabou de fazer sextil a Saturno, horas antes. A Lua fica fora de curso depois da conversa com Marte, às 05h23min e ingressa em Câncer às 09h55min, onde fica muitas horas a portas fechadas digerindo seus conteúdos. A noite pode trazer um sono conturbado e pesado e a manhã começa meio arrastada, cheia de ideias e falatórios, mas com uma ação desprovida de prop´sotio, portanto, é bom maneirar no entusiasmo logo cedo e começar contendo as falas desnecessárias e focando nos planos, pondo agendas em ordem e alinhando processos. Pelo meio da manhã o ímpeto muda e nos sintonizamos com os propósitos que antes eram difíceis de acessar. Sentimentos refinados, colocamos o coração nas nossas ações e nos empenhamos em dar nosso melhor, cuidando, protegendo e nutrindo nossos objetivos e também as pessoas envolvidas neles. O dia está, pois, favorável a nos dedicarmos a coisas caras ao nosso coração, a nos devotar a algo que venha a nutrir nossa alma e nos alimentar de novo entusiasmo. As sensibilidades estão afloradas, mas isso pode ser usado em nosso favor, de modo que podemos ficar mais observadores, mais perspicazes emocionalmente, algo que pode nos ajudar a nos aproximar dos outros com mais verdade e naturalidade, solidarizando-nos e oferecendo apoio e ajuda, se isso se fizer necessário, ou também buscando o suporte de que tanto precisamos – aluns podem preferir se enfiar em suas tocas e se concentrarem nas suas tarefas… contato que não sejam motivados por alguma birra inexplicável, também está tudo bem!

Almagnus – Reprodução

TERÇA-FEIRA, 07 de março – De Câncer a Lua se afina com Netuno em Peixes, mas faz quadratura a Vênus retrógrada em Áries, oposição a Plutão em Capricórnio, quadratura a Júpiter em Libra e a Urano em Áries, formando, é claro, uma Grande Cruz Cardinal incendiária, que dinamiza e põe fogo no dia e na noite, embora o aspecto a Urano só fique exato no dia seguinte. Como ajuda, a Lua faz trígonos ao Sol, a Mercúrio e a Kíron. Mercúrio está em sextil a Plutão. Um dia para lá de dinâmico e movimentado, cheio de atividades febris que não nos dão trégua e que, a despeito das muitas pressões, também trazem à tona o nosso melhor: nossa capacidade de enfrentar nossos medos junto com a necessidade de lidar com os problemas de forma direta. Por mais que nos sintamos frágeis e quebradiços, há coisas demais acontecendo ao redor, de modo que precisamos ser resilientes e, a despeito das nuvens sombrias lá fora, ainda precisamos regar o que é preciosos aqui dentro. Necessidades pessoais e emocionais precisam ser equilibradas com demandas mundanas; afetos precisam ser equilibrados com a necessidade de independência e autonomia; vinculação, balanceada com a liberdade; carências emocionais resolvidas por nós mesmos, porque talvez outros não estejam disponíveis para nos dar colo – ou talvez não queiram. O fato é que o dia demanda muita maturidade, equilíbrio, compostura e sobriedade para não afundarmos nos dramas emocionais ou nas crises eventuais que possam ocorrer. É o caso de ninar o bebezão dentro de nós enquanto respiramos e sorrimos serenamente para o interlocutor à frente, enquanto gostaríamos, talvez de mandá-lo às favas. Mas o dia traz também a capacidade de vermos além dos nossos próprios problemas – mesquinhos ou não – e perceber, de novo e mais uma vez, que todos têm seus dilemas e crises e jogar nossas frustrações no outro não só não vai resolver, obviamente vai piorar tudo. E pode ser que haja situações em que podemos oferecer esse olhar compreensivo e amoroso, que acolhe e ampara. Em outras, talvez tenhamos que ser duros e enfáticos, para não permitir abusos, manipulação ou mesmo intimidação contra nós. O pulo do gato é saber distinguir entre uma situação e outra: o que precisa de cuidado e nutrição e o que demanda atitude drástica, o que merece adubo e o que precisa de poda – e quando entendemos isso, embora as tarefas continuem inúmeras e muito absorventes, elas já não precisam nos oprimir, antes poderão nos dar prazer! Ah! E claro, pode ser que nós é que incorramos nessas atitudes abusivas e precisemos ser colocados no nosso “devido lugar”.

Tae Lee – Reprodução

QUARTA-FEIRA, 08 de março – A Lua Canceriana formaliza a quadratura a Urano na primeira hora do dia, depois também faz trígono a Kíron, quincúncio a Saturno, sesqui-quadratura a Netuno e quadratura a Marte, ficando vazia depois desse contato, às 10h08min. Ingressa em Leão às 13h46min, de onde faz sesqui-quadratura ao Sol, entrando na fase Corcunda. Mercúrio está em sextil exato a Plutão. É Dia Internacional da Mulher e a Lua, super feminina e empoderada em Câncer, trava uma briga feia contra os grilhões de imposições e cerceamentos. A Cruz Cardinal formada ontem permanece armada por várias horas no início do dia de hoje e ainda reverbera, de forma que o dia começa bastante tenso, em ponto de bala ou de caldeira. Masculino e Feminino digladiam em vários níveis, que não precisam chegar às vias de fato, mas podem suscitar conscientização em várias frentes. A Lua está espremida nessa Grande Cruz, além de ainda fazer outros contatos com outros planetas tensos, bastante simbólico para a situação da mulher ao longo das eras, mas principalmente agora, quando ela ainda se sente oprimida pelas diversas cobranças sociais – e dela mesma – de ser a mulher perfeita: mãe maravilhosa, profissional excelente, amante fantástica, amiga presente, ativista consciente, descolada, malhada, jovem, bem-sucedida, transbordando felicidade e realização suprema pelos poros. #SóqueNão. As cobranças podem vir de fora, mas são autorizadas dentro de nós, porque no fundo ainda precisamos resolver muito das culpas, inseguranças e medos ancestrais que carregamos, herdados das nossas mães e avós e toda as outras que vieram antes. A emancipação começa dentro, ao lidarmos com nossas inseguranças e carências, ao lembrarmos que somos humanas, antes mesmo de sermos mulheres. Ao nos recusarmos a atender a todas essas exigências, quando elas não fazem sentido para nós, realmente. Uma coisa é querermos melhorar sempre, é buscarmos crescer e ser melhores pessoas. Outra coisa é essa corrida desenfreada, essa exaustão na busca de padrões que não nos dizem nada e só nos deixam infelizes. Repensar padrões e rebentar com aquilo que não faz dançar o nosso coração. Em termos mais práticos, o dia pede sobriedade porque a maré está cheia, transbordante e podemos nos afogar se não soubermos fluir – dito de outra forma, as caldeiras estão ferventes e podemos sair queimados. Há muita pressão e situações que demandem atitudes imediatas e talvez um tanto drásticas para serem realmente resolvidas. Ser honesto com os próprios sentimentos e expectativas criadas em relação a outros é essencial para lidarmos com as possíveis frustrações do dia, porque não conseguimos tudo o que queremos e precisamos lidar com isso – mas não, o mundo não vai acabar por causa disso também. Podemos nos deparar com situações diversas de dramas, crises, tantruns e infantilidades – nossos ou de outros. Respirar fundo, tentar manter a calma e buscar se distanciar um pouco da situação pode ajudar a distinguir o que é uma crise verdadeira e o que é apenas mimimi, a ver as coisas com mais clareza para saber qual a melhor atitude no momento.

Shiori Matsumoto – Reprodução

QUINTA-FEIRA, 09 de março – o Sol Pisciano está em sextil pleno a Plutão em Capricórnio e Mercúrio em quincúncio exato a Júpiter. O Sol também se aproxima de conjunção a Kíron, enquanto ainda se afasta da conjunção a Netuno. Enquanto isso, a Lua Leonina faz sesqui-quadraturas a Saturno e a Kíron, que estão em quadratura entre si e a Lua vira foco de um Martelo. A soberana Lua ainda faz quincúncio a Netuno e trígono a Vênus Rx em Áries, quincúncio a Plutão e ao Sol, que estão harmonizados e assim ela vira foco de um Yod-Dedo de Deus. Marte ingressa em Touro às 21h34min. O dia traz a oportunidade de renovarmos nosso poder e a maneira como o expressamos, entrando em contato com partes profundas de nós que nos abastecem de nova vitalidade e nova confiança em nossas capacidades. A despeito disso, as emoções e sentimentos estão sob pressão, de maneiras diversas ao longo do dia. Percepções conscientes e influências inconscientes nos deixam desconfortáveis e talvez tirem a espontaneidade e a desenvoltura da criança dentro de nós, de modo que trabalhamos e nos movemos pelo mundo com a sensação de algo desencaixado e fora de lugar, embora não saibamos direito o que pode ser ou como encaixar esse “algo”. Se conseguimos aceitar que o desencaixe também pode ser criativo e que não precisamos estar sempre alinhados para funcionar, talvez possamos transformar o desconforto em estímulo que nos impulsiona a criar, a modificar atitudes, a ficar abertos às mensagens subliminares e.. voilá, quando menos esperamos, identificamos a origem do incômodo: o medo da nossa própria força, o medo de exercê-la em demasia ou de suprimi-la, o medo de não sermos plenamente aceitos e apreciados se nos mostrarmos com nossas idiossincrasias. E podemos aprender que a força e o poder não precisam ser brutos e nem contraditórios. E que há mesmo um poder que nasce da gentileza, uma gentileza que nasce da força e da solidariedade, uma força que nos regenera e nos anima a seguir em frente, a despeito de todos os desafios e dificuldades.

Reprodução – Desconheço o autor

SEXTA-FEIRA, 10 de março – O quincúncio Lua-Sol fica exato na madrugada. A Lua segue adiante e faz sextil a Júpiter, quincúncio a Mercúrio e Kíron, que estão hoje em conjunção partil. Temos um Grande Trígono de Fogo formado por Lua em Leão, Saturno em Sagitário e Urano em Áries por toda a manhã e começo da tarde. A Lua fica vazia às 14h06min depois do trígono a Saturno e ingressa em Virgem somente às 19h08min, fazendo logo um trígono a Marte, conjunção ao Nodo Norte e quadratura a Lilith. Temos alguns desafios interessantes hoje, dentre eles, a integração de partes obscuras de nós mesmos, assim como de sentimentos viscerais e desgovernados… Como essas influências ficam ativas na madrugada, é possível que as vivenciemos através dos sonhos. De manhã, o resultado é que talvez nos sintamos mais confiantes e serenos e aptos a enfrentar as eventuais agulhadas de insegurança que apareçam com menos ansiedade e mais tranquilidade. O resto do dia traz possibilidades de fazer brilhar nossa originalidade e criatividade de forma também segura, unindo ideias e mundos que antes pareciam difíceis de conciliar. Isso pode nos trazer também uma alegria genuína de quem consegue expressar os dons do coração com maestria, aceitando eventuais imperfeições, porque são inerentes à humanidade. E assim o dia pode ficar alegre, criativo e bastante produtivo, se soubermos tirar proveito! A Lua fica vazia depois de Saturno e a criança dentro de nós pode tirar algumas horas para refletir e fazer as pazes com o Pai, o Velho, que não precisa ser carrasco e talvez até nos surpreenda com algumas histórias de outros tempos, outras eras… À noite nos alinhamos e centramos com nossos rituais e nos conectamos mais profundamente com os desejos e com a forma de ir atrás deles, organizadamente.

SÁBADO, 11 de março – O Sol Pisciano faz quincúncio exato a Júpiter em Libra. Vênus retrógrada em Áries recebe quincúncio da Lua Virginiana, que também se opõe a Netuno em Peixes. A sensação de desencaixe do outro dia talvez volte hoje, por motivos diferentes. Há muito entusiasmo consciente, embora haja também dificuldade de controlar esse entusiasmo, em ter moderação ou em expressá-lo de forma regular, de modo que ele vai e vem e nos deixa um tanto ansiosos, talvez confusos, ponderando sobre estratégias de controle dos nossos humores, do júbilo pelos nossos objetivos e das nossas emoções e sentimentos vacilantes e incompreensíveis. Se falhamos em manter nossa motivação em alta, somos presas de auto-criticismo, que talvez piore um pouco as coisas e entramo num círculo vicioso difícil de parar. E o corpo sofre com tudo isso. Antes de mais nada precisamos parar e verificar o que nos escapa, porque estamos nos esforçando tanto para servir ou agradar a outros, quando nós mesmos estamos fora de sincronia… aliás quem causa o quê? Estamos fora de sincronia porque nos esforçamos demais ou nos esforçamos demais porque estamos fora de sincronia? Não importa, mas é preciso fazer algo diferente para sair do círculo vicioso e para isso precisamos parar e observar a nós mesmos e a nossos processos, de forma justa, porém sem julgamentos.

Shiori Matsumoto – Reprodução

DOMINGO, 12 de março – De virgem a Lua faz trígono a Plutão em Capricórnio e oposição ao Sol, culminando o ciclo na Lua Cheia de Virgem, a 22°13 deste signo. A Lua Cheia ocorre em oposição a Kíron e quadratura a Mercúrio e a Saturno, que é foco de uma T-Square Mutável. Mercúrio está em quadratura exata a Saturno. A Lua fica vazia às 21h26, depois da quadratura a Saturno. Uma Lua Cheia de cura e regeneração celebra a culminação do ciclo Pisciano. Mas para alcançarmos as dádivas da cura, precisamos primeira enfrentar nossa fragilidade, nossas inadequações e inseguranças mais profundas, nossos conceitos evasivos e nossa falta de comprometimento conosco mesmos, além da destrutividade em potencial que espreita a mente e o coração, minando a autoconfiança, a segurança em si mesmo, a aposta no próprio poder e capacidade. Essa lunação nos deixa, então, em carne viva e é preciso cautela porque a via de escape para muitos será a ajuda indiscriminada ao outro, para fugir da própria dor e do próprio desespero. Para outros, esse escape pode se dar pelas tentativas de controle do entorno, qualquer coisa que faça passar a ansiedade e o desconforto com o corpo e os sentimentos… mas nada disso funciona por muito tempo e só conseguimos superar quando acalmamos a ansiedade e aninhamos em nosso coração as dores não admitidas, os medos não expressos do caos, do amanhã, da nossa própria irracionalidade. Um mergulho nas motivações inconscientes se faz necessário. Esse é o caminho e ele não se faz num dia só, mas começar e manter o ritmo, eis o que é importante. Mais sobre a Lua Cheia durante a semana.

Uma ótima semana, de luz e esperança para todos!

Alexander Bell on flickr – Reproduão
Alisha Lee Jeffers – Reprodução

Lua Nova em Escorpião – Renascendo das Cinzas

Grand-Arts-Tumblr - Reprodução
Grand-Arts-Tumblr – Reprodução

A Lua Nova deste domingo (30 de outubro, 15h38min no horário de Brasília e 17h38min no horário de Lisboa) convida a uma introspecção profunda e visceral. Uma introspecção que permita a regeneração e o refazimento da alma, que passou por tantos embates nas últimas semanas. É uma Lua Nova super potente, não só porque ocorre em Escorpião, mas também porque acontece às vésperas do Halloween, a noite de Todos os Santos e de todas as almas, modernamente chamado de Dia das Bruxas – não, não é uma invenção americana! É um tempo em que portais são mantidos abertos por um número de horas e muitas revelações podem emergir do inconsciente. Entenda a origem e a importância do Halloweeen.

Esse é um ciclo de morte e eliminação, mas também de cura, regeneração e renascimento; que expõe nossas feridas mais pungentes, não para que soframos mais ainda, mas para que possamos saná-las e curá-las, transmutando a energia densa do sofrimento e da dor, no bálsamo da redenção, da cura e da liberação – liberação de si mesmo e da vida que estava estagnada. É o ciclo da transformação.

Lua Nova em Escorpião - Brasília, 30 de outubro, 14h38min
Lua Nova em Escorpião – Brasília, 30 de outubro, 14h38min

Depois de um ciclo Libriano cheio de percalços e nada harmonioso, um ciclo explosivo na área das relações, o ciclo de Escorpião vem permitir a salutar digestão emocional de todas as mudanças drásticas das últimas semanas – é hora de renascer das cinzas! A Lua se renova a 07°43’ de Escorpião, em conjunção a Mercúrio, sugerindo que muitas revelações importantes continuam a vir à tona, algumas nos surpreendendo grandemente, outras apenas confirmando o que nossa intuição já sabia. A Lua também está em trígono a Netuno, indicando um ciclo de grande sensibilidade e compaixão. Estes são os únicos aspectos que Lua e Sol fazem, mas que estão muito próximos da plenitude. Além disso, no mapa levantado para Brasília, Quíron está bastante proeminente, conjunto ao Ascendente, sugerindo um ciclo de se identificar feridas antigas e de se proceder com o tratamento e a cura.

Innana-Ereshkigal - Escultura Sumeriana - Museu Britânico - Reprodução
Innana-Ereshkigal – Escultura Sumeriana – Museu Britânico – Reprodução

Uma Lua tão introvertida me lembra o mito sumeriano de Innana e Ereshkigal: no mito sumeriano A Descida da Deusa, Inanna, a Rainha dos Céus, tem que descer ao inferno para visitar a irmã Ereshkigal, a Deusa do Mundo Inferior. Innana tem que passar pelos sete portões que levam ao mundo inferior e em cada um deles despoja-se de algo que a identifica como deusa do Mundo Superior: vestes reais, roupas, jóias, cetro, coroa, até ficar completamente nua. Então ao chegar lá a irmã a mata e pendura num gancho de açougue para apodrecer. A linda e exuberante rainha dos céus é largada no submundo, pendurada como um pedaço de carne morta assistindo à própria putrefação. É mais ou menos como nos sentimos atualmente, depois do fechamento do último ciclo cheio de crises e rupturas e depois de todos os embates deste ano: uma sensação de impotência, um luto que precisa ser vivido por tudo o que morreu e deixou de existir, uma confrontação da própria tristeza e humores sombrios.

Innana e o leão, um de seus animais-símbolo - Reprodução
Innana e o leão, um de seus animais-símbolo – Reprodução

Assim como Innana, deusa dos céus luminosos, deusa da beleza e do amor – uma Afrodite arcaica, que bem representa o signo de Libra – nós também precisamos nos desvestir de nosso lado mais luminoso, de tudo aquilo que nos identifica como pessoas civilizadas e sociáveis, belas e virtuosas, para adentrar as profundezas abissais do nosso próprio Mundo Inferior e lá confrontar nosso abismo pessoal, o fracasso, a dor, a impotência, o desespero, a tristeza, o luto, o nada, o vazio. E lá permanecer o tempo necessário para que esse luto assente, para que lhe demos seu lugar de direito – porque se não enfrentamos a dor e o luto na hora certa, eles voltarão mais tarde mais potentes e amedrontadores para nos assombrar.

innana-ereshkigalEreshkigal é a contraparte sombria de Innana e precisamos não só reconhecê-la, mas dar-lhe seu devido valor, seu lugar de direito na vida e na psique. No mito, Innana fica três dias pendurada apodrecendo no Mundo Inferior. Mas ela não era tão tola e ingênua assim… Ela tinha deixado ordens expressas lá em cima, para o caso de algo dar errado, pois sabia que estava adentrando um lugar perigoso e sombrio – ela sabia a fama da sua irmã – seu lado sombrio. Seu avô engendrou, a partir da sujeira que carregava debaixo das próprias unhas, duas pequenas criaturas andróginas que tinham a função de carpideiras, de pranteadores. Escorregando pelo Mundo Inferior sem ser notados, eles se aproximaram de Ereshkigal, que sofria muito pela morte do seu marido e também porque estava grávida e teria um parto difícil pela frente. Como diz Sasportas ao contar este mito, “algo morreu, mas algo está nascendo”. As criaturas carpideiras chegaram junto de Innana e começaram a chorar junto com ela, a ouvir-lhe e dar-lhe razão, a dizer-lhe que “sim, sua dor era horrenda; sua condição era terrível, que ela tinha razão de estar zangada e enlutada”. Ao ser ouvida, aceita e não julgada, Ereshkigal finalmente se acalma e dá a eles aquilo que eles lhe pedem: que Innana volte à vida e seja liberada para voltar ao Mundo Superior. Agradecida, Ereshkigal consente e faz Innana reviver e ela pode, finalmente, voltar ao Mundo Superior. Mas ela não é mais a mesma deusa que empreendeu a terrível descida. Não. Ela retorna completamente transformada, mais madura e ciente dos seus próprios mistérios e escuridão – afinal, a luz é o par da escuridão, assim como Ereshkigal é o outro lado de Innana. Innana é a luz e a beleza e Ereshkigal é a sombra e o terror da vida. Ambas se refletem porque são metades da mesma unidade.

Reprodução - Desconheço o Autor
Reprodução – Desconheço o Autor
Reprodução
Reprodução

Assim como as carpideiras, precisamos também reconhecer que nossa raiva e a tristeza são legítimas, só assim eles poderão ser acalmados. Da mesma maneira, depois de termos descido às profundezas do nosso próprio inferno pessoal, tivemos um período de assimilação e agora estamos prontos a renascer, transformados, renovados, mais sábios e experientes. Como a Fênix ou como a Serpente, estamos prontos a começar uma nova fase – mas isso, somente se já tivermos empreendido o confronto da nossa própria dor e sombra, da nossa destrutividade. Só podemos transformar e transmutar aquilo que aceitamos e algo que precisamos aceitar é a presença de Ereshkigal em nós e na vida. “Só aceitando Ereshkigal-Plutão como parte da vida permite que a mágica da cura funcione” (Howard Sasportas).

Assim, o ciclo que ora se inicia convida a purgar os venenos, as tristezas, o luto, as perdas, os rancores e a nos render à compaixão, para conosco mesmos e também para com o outro. Quíron pode representar uma dor excruciante, mas também a opção pela aceitação e pela cura consequente.

Os dois dispositores da Lua Nova, Marte e Plutão, estão em Capricórnio, tendo feito conjunção há poucos dias. Isso sugere que sejamos bastante pragmáticos na condução desse ciclo. Profundos, sensíveis, compassivos sim, mas também resilientes e realistas.

Reprodução
Reprodução

Confirmando esse tema da necessidade de introspecção, o Símbolo Sabiano do grau 8 (07°00’ – 07°59’) de Escorpião coloca a imagem seguinte: “Um lago tranquilo banhado pela luz da Lua”. De acordo com Lynda Hill, astróloga australiana estudiosa dos Símbolos Sabianos, esse símbolo fala da capacidade ou necessidade de reflexão. O lago reflete a Lua como se fosse um espelho. Ela questiona: “o que há em nossa situação presente que carece de mais reflexão? Há a necessidade de olhar mais profundamente, para dentro de nós mesmos ou do outro? Ou será que as coisas estão sendo avaliadas de um ponto de vista muito superficial, em que as coisas são meramente um reflexo de alguém ou de algo mais? É bom lembrar que águas paradas costumam ser profundas e que muitas coisas podem não ser o que parecem à primeira vista”. Assim, é momento de olhar mais de perto, mais profundamente para todas as nossas questões, dores e crises recentes, para talvez avaliá-las com mais acuracidade e retidão.

Reprodução - Desconheço o autor/a
Reprodução – Desconheço o autor/a

Dane Rudhyar, analisando este mesmo símbolo, traz uma outra visão, que também vale a pena explorar: “poder-se-ia enfatizar a sugestão romântica que tal imagem evoca, mas mesmo em nível do relacionamento amoroso, o que está implícito é a rendição de dois egos pessoais à inspiração dos sentimentos transcendentes que são essencialmente impessoais. O amor se expressa através dos amantes, pois amor real é um poder ou um princípio indiferenciado cósmico, que simplesmente se concentra a si mesmo nas almas de seres humanos que refletem sua luz. O mesmo é verdadeiro quando se trata do amor do místico por Deus. O homem luta arduamente para realizar grandes coisas através de aventuras ousadas, mas uma hora chega em que a única coisa que realmente importa é apresentar uma mente calma sobre a qual uma luz celestial possa ser refletida”. Dessa forma, creio que a interpretação de Rudhyar também se relaciona, indiretamente, com o mito de Innana e Ereshkigal, porque mesmo Innana, Rainha dos Céus, precisou se submeter a esse poder transcendente, a rendição de sua identidade celestial, do seu ego pessoal, a algo que era maior do que ela mesma.

Reprodução
Reprodução

E sim, como disse Rudhyar, podemos evocar aqui o romantismo inferido pela imagem ancestral da Lua refletida num lago. Sendo Escorpião um signo de Água, as águas profundas e paradas – como as águas de um lago – e estando essa Lua em trígono tão próximo a Netuno, não podemos deixar de evocar essa outra dimensão, mais mundana mas não menos importante deste mapa: de fato, essa é uma Lua Nova muito romântica. Não o romantismo piegas e açucarado dos romances best-seller – Marte e Plutão no signo da Cabra jamais permitiriam isso, muito menos Vênus conjunta a Saturno! – mas o romantismo verdadeiro e profundo, daqueles que enxergam o outro verdadeiramente, no mais fundo de sua natureza, cheia de idiossincrasias e defeitos, cheia de imperfeições, como só Escorpião é capaz de enxergar e, ainda assim, aceita, por saber que é da natureza do humano ser imperfeito. Um romantismo que nos faz querer nos comprometer, querer nos transformar e ser melhores, para nós mesmos e para o outro e que, ao invés de julgar, tem compaixão pela falibilidade desse outro, porque sabemos que é a mesma que carregamos em nós. E, como bem disse Rudhyar, o romantismo que deixa implícito a rendição do ego pessoal a algo maior: o Amor, a eterna busca do Escorpião, a busca permanente do humano que caminha pela Terra.

Reprodução
Reprodução

Em termos mais gerais, o ciclo de Escorpião representa um momento, na jornada astrológica, em que precisamos eliminar as peles e couraças velhas e rotas, que não nos servem mais; o momento de confronto com nossa sombra pessoal e com a sombra coletiva; um momento de purgação e depuração dos conteúdos tóxicos da nossa alma; um momento de morte e decomposição, assim como de cura, regeneração e renascimento. Assim, precisamos identificar em que áreas de nossa vida (aquelas áreas representadas pela casa em que temos Escorpião no mapa natal) precisamos morrer, nos decompor, para nos regenerar e renascer. Portanto, aproveite e faça sua própria RE-flexão e eliminação e a subsequente renovação das intenções, ou o lançamento de intenções completamente novas para o novo ciclo, de acordo com a casa em que a Lua Nova cai no seu mapa.

OBS: O ciclo de Escorpião culminará na Lua Cheia de Touro, uma Super Lua que é a mais brilhante e mais próxima da Terra em cem anos. Astrologicamente a Super Lua não tem grandes implicações, exceto que, por estar no ponto mais próximo da Terra, o perigeu, sua influência é sentida mais poderosamente, aumentando a intensidade da lunação. A Lua será Cheia em touro no dia 14 de novembro, às 11h52min no horário de Brasília.

Feliz Lua Nova para você!

new-douglas-smith

Reprodução
Reprodução

Lua Cheia em Escorpião – A Sombra e a Escuridão

full posse
Reprodução

A Lua foi Cheia esta madrugada, às 02h23min no horário de Brasília e às 06h23min no horário de Lisboa. A culminação e apogeu do ciclo que foi iniciado na energia pioneira e individualista de Áries. Há vários temas básicos ressaltados por essa Lua Cheia: a confrontação da sombra pessoal; o combate ao egoísmo e individualismo; eliminação de tudo o que não nos serve mais. Vamos olhar cada um deles em detalhe.

darkersideoftemptation
Darkersideoftemptation – Reprodução

O eixo Touro-Escorpião é fixo e vem falar de desejo, sexo e posse. Tem a ver com poder, o poder material (Touro) e o poder emocional/espiritual (Escorpião). Mas este eixo também fala da vida instintiva, sentida profundamente no corpo para Touro e via sentimentos viscerais para Escorpião. Este par lida com a necessidade de construir algo (Touro) e depois destruir (Escorpião) quando a segurança e a estabilidade viraram  estagnação.  Posse e controle são dois predicados deste eixo, mas se Touro quer possuir (em todos os sentidos da palavra) e acumular coisas, especialmente bens materiais, Escorpião preocupa-se com a posse e controle através dos sentimentos e emoções. Touro é sensorial e sensual, agudamente sintonizado com o corpo e seus sentidos: ver, ouvir, cheirar, degustar, tocar, por isso desejo e sexo são tão naturais para o signo, que se refestela nos prazeres da carne, literal e figurativamente, pois seu foco é o prazer. Já para Escorpião, sexo é uma maneira de se conectar com e possuir o outro da maneira mais íntima e profunda possível e uma forma de conhecer-se a si mesmo e à profundeza abissal da própria alma – o prazer e o gozo são mera consequência disso e potencializados por isso. Especificamente, Escorpião é o signo da transformação, da morte e renascimento, eliminação e regeneração e nos remete à sombra e toxicidade da alma humana.

Lua Cheia em Escorpião - 22 de abril, 02h23min, Brasília-DF.
Lua Cheia em Escorpião – 22 de abril, 02h23min, Brasília-DF.

E por falar em Sombra e em conhecer as profundezas abissais da própria alma, chegamos ao primeiro tema desta Lua Cheia: a Sombra. É interessante notar que Lua e Sol estão praticamente em dueto no mapa da Lua Cheia, ou seja, fazem aspectos apenas entre si, como se totalmente hipnotizados um pelo outro. A Lua faz apenas um trígono super amplo, de quase 10 graus, a Netuno em Peixes e o Sol só se conecta com a Lua.  Isso super enfatiza os temas do eixo Touro-Escorpião e nos diz que não há escapatória, temos que enfrentar seus desafios, mesmo que a integração desses temas seja particularmente difícil. E se não fazemos isso voluntariamente, invocaremos experiências duras e desagradáveis que nos façam entrar em contato isso com isso. Estejamos atentos aos insights, sonhos e sensações que surgirem nos próximos dias – podem nos dizer muito sobre esta sombra.

Gustave Moreau - Reprodução
Gustave Moreau – Reprodução

Essa Lua Cheia me lembra, de maneira bem contundente, o mito da Hidra de Lerna, um dos mais conhecidos mitos associados a Escorpião. A Hidra de Lerna era um monstro que tinha corpo de cachorro e nove cabeças, uma delas imortal. Seu veneno era tão letal que destruía toda a vida ao seu redor. Ela habitava um pântano fedorento e obscuro e aterrorizava a região. Era quase impossível destruir o monstro porque quando se cortava uma cabeça, três outras nasciam no lugar. Hércules batalhou muito com a Hidra e para vencê-la, primeiro ele teve que fazer o monstro sair da caverna escura em que se escondia atirando flechas de fogo, enquanto segurava a respiração para não respirar seu veneno. Mesmo assim, ele estava quase perdendo a batalha quando lembrou-se dos conselhos de seu mestre: “nós nos elevamos ajoelhando-nos, conquistamos nos rendendo e ganhamos, desistindo”. Assim, ele ajoelhou-se e levantou a hidra por uma de suas cabeças, tirando-a da água e elevando-a no ar, em direção ao sol. Afastada da água a hidra perdeu sua força e poder e encolheu de tamanho, permitindo que Hércules cortasse suas cabeças e as cauterizasse, especialmente, a principal delas. No seu lugar surgiu uma joia preciosa que ele enterrou debaixo de uma rocha.

Desconheço o autor - Reprodução
Desconheço o autor – Reprodução

Este mito é emblemático dos temas de Escorpião, que precisa trazer à luz da consciência os conteúdos virulentos e obscuros do inconsciente pessoal e às vezes, familiar e coletivo. Se ele não faz isso, essa energia inconsciente e putrefata o envenena, intoxicando também a tudo o que ele toca. Quando decide enfrentar o monstro, o resultado é a transformação de tais conteúdos na joia preciosa da consciência e do domínio de mais uma parcela de si mesmo. O fato de Hércules se ajoelhar e abaixar diante do monstro indica a cautela e o cuidado que temos que ter ao nos aproximar do Inconsciente e da Sombra, que são extremamente poderosos e se nos aproximamos de forma descuidada e leviana, podemos ser destruídos no processo, portanto, é preciso muita humildade.

Miasma - Austen Mengler - Reprodução
Miasma – Austen Mengler – Reprodução

Essa Lua Cheia salienta fortemente o tema desse mito e algo que chama bastante a atenção é que os dois planetas que regem Escorpião, Marte e Plutão, ficaram ambos retrógrados há menos de uma semana, ambos mudando de direção em menos de 24 horas entre si. Isso nos lança, de forma mais contundente e entranhada no desafio maior de todos: o monstro com o qual temos que lidar não está lá fora, está aqui dentro. Mais do que nunca, não temos nada a ganhar em culpar ou acusar a outros ou ao mundo por nossas dores, problemas e fracassos. Precisamos reconhecer e combater a Hidra venenosa dentro de nós. Com muita humildade, perscrutar nossas sombras, nossa toxicidade, nossa lado mais baixo e instintivo, a ambição e o desejo de poder, o ceticismo e o cinismo, a fixidez e estagnação da vida, nossa própria destrutividade, tanto em relação a nós mesmos quanto àquilo que nos cerca. Se formos bem sucedidos no combate, descobriremos que junto com o lixo e os conteúdos reprimidos que foram jogados no inconsciente, também há tesouros preciosos que podem ser restaurados e enriquecer nossa vida emocional. Mais: ao confrontar tais conteúdos sombrios, empoderamo-nos verdadeiramente, manifestando nossa luz e potencial criativo com mais segurança.

Fausto - Água Forte de Rembrandt - Reprodução
Fausto – Água Forte de Rembrandt – Reprodução

Uma outra estória a que nos remete esta Lua Cheia é a de Fausto, uma lenda alemã recontada magistralmente por Goethe, que tinha, ele mesmo, Escorpião no Ascendente e que é trazida para ilustrar o capítulo sobre Escorpião no Livro A Astrologia do Destino, de Liz Greene (1). “Fausto era um médico comum e obscuro, que tinha anseios de prestigio e sede de poder, riqueza e reconhecimento. Ele faz um pacto de sangue com o demônio Mefistófeles: em troca de seus desejos de poder mundano, Mefistófeles terá sua alma. E de fato, ele conquista e consegue tudo o que ambiciona. O foco de Goethe é o egoísmo de Fausto, que é a porta de entrada para Mefistófeles, o demônio símbolo do espírito da negação, aquele que murcha toda a inocência. Fausto negou a Deus, desprezando-o – uma atitude de cinismo e de negação da vida, um dos males que Escorpião tem que combater dentro de si mesmo, mas que às vezes, nem ele mesmo percebe, pois está inconsciente dessa negatividade destrutiva da vida.  É como uma apatia, um tipo de depressão, uma convicção de que, em ultima análise, nada vai funcionar.

Fausto - Harry Clarke - Reprodução
Fausto – Harry Clark -Reprodução

Mefistófeles poderá levar a alma de Fausto se ele tentar, em qualquer momento, parar a vida e agarrar-se ao momento presente ao invés de permitir a mudança e o fluxo da vida, essa é a barganha, algo que tem a ver com a fixidez de Escorpião, que geralmente tenta possuir algo bonito e prazeroso ao invés de deixar a vida fluir, daí nasce realmente a possessividade e o ciúme associado a este signo. No fim, Fausto quase incorre neste erro fatal, mas seu espírito inquieto o salva e embora ele tenha sujado suas mãos e se corrompido, este é um aspecto necessário de sua busca não apenas por poder, mas pela iluminação e pelo amor. Portanto, ele é perdoado”. Quando se fala de Escorpião aqui, isso não se refere somente aos nativos do signo. Escorpião e todos os signos são arquétipos da experiência humana, ou seja, todos nós vivenciamos isso em alguma instância em nossa alma e um retrato disso é que todos temos Escorpião em algum lugar do nosso mapa natal – mesmo que não haja planetas ali, a energia escorpiônica governa aquela área de vida e é ali que nos defrontamos mais fortemente com nossa sombra mais profunda.   

Desconheço o autor - Reprodução
Boris Vallejo – Reprodução

Os mitos da Hidra e de Fausto nos lembram que a sombra deve ser confrontada pelo espírito humano e é em Escorpião que essa batalha se dá de forma mais fatídica e decisiva. Escorpião, ao olhar e lidar com todos estes materiais sombrias, em si mesmo e no coletivo, redime não só a si, mas traz à tona conteúdos ancestrais que precisam ser purgados e purificados, para que uma transmutação possa ocorrer. E repetindo, com Marte e Plutão retrógrados, o exercício da vez é confrontar esta sombra em nível pessoal e individual, olhar para dentro, para o mais fundo de nós mesmos, com honestidade e coragem e reconhecer que temos um lado demoníaco, a capacidade para o mal. Assumir que, embora tenhamos a escolha de não atuar e nem agir a partir de tais sentimentos, todos nós temos a mesma capacidade para o egoísmo, a mentira, a vilania, a desonestidade, a inveja, o ciúme, o ódio, o desejo de matar e de ferir, o rancor, e todos os mais baixos sentimentos e instintos humanos, inclusive o desejo de poder e a capacidade para corromper e ser corrompidos, uma reflexão extremamente pertinente no momento atual do Brasil em que os políticos personalizam todos estes conteúdos sombrios que não assumimos em nós.

Reprodução
Reprodução

Esta Lua Cheia de Escorpião é o ápice do ciclo iniciado em Áries e, de formas diferentes, Áries e Escorpião são signos que falam de egoísmo e individualismo, provavelmente porque têm em comum o mesmo regente, Marte, o princípio da agressividade e da afirmação do indivíduo. Assim, a meu ver, o primeiro tema se desdobra no segundo: um dos maiores desafios no confronto com nossa sombra é reconhecer e combater nosso grande egoísmo e individualismo, algo que vemos claramente na cultura vigente mas, convenientemente, esquecemos que a cultura é reflexo do inconsciente individual e que agrupado ao inconsciente dos demais indivíduos, forma o inconsciente coletivo. Assim, é fácil reconhecer que a cultura é egoísta, mas eu? Imagina, claro que não! É a cultura individualista e de  violência em que estou inserido que não deixa eu expressar minha compaixão e altruísmo!

Reprodução
Reprodução

Por sinal, este é o tema do Símbolo Sabiano para o grau 03 de Escorpião (02°30’): Vizinhos ajudam num mutirão para construir uma casa numa pequena vila. O símbolo vem reforçar essa necessidade de combatermos o individualismo dentro de nós e em contraponto, desenvolvermos a cooperação como um valor. Vizinhos se juntam num mutirão para construir algo, num verdadeiro espírito de comunidade, ao invés de se manterem isolados, cuidando somente de seus próprios interesses, protegendo-se, paranoicamente, uns dos outros. As tarefas mais difíceis e mais desafiadoras geralmente são melhor executadas em cooperação, afinal, como diz o antigo ditado, “duas cabeças pensam melhor que uma”, imagine então várias cabeças! Ou seja, vários talentos e habilidades somados podem conseguir, em menos tempo e usando menos recursos o que, para um indivíduo sozinho, demandaria muita luta e esforço. A percepção de que precisamos uns dos outros está bastante clara aqui, assim como a necessidade de renovarmos o sentido de comunidade e ajuda mútua, de criarmos uma cultura de cooperação – algo que parece bastante esquecido na vida urbana e super ocupada que levamos.

Reprodução
Reprodução

Este símbolo também nos diz que, confrontar nossa sombra individual, especialmente no que tange ao egoísmo, pode nos levar a um senso de um renovação, da construção de algo novo e sólido, de algo que, por sua própria natureza, tem o propósito de unir as pessoas e fazê-las se perceberem umas às outras novamente, a saírem um pouco do seu isolamento, cinismo e ceticismo quanto à nobreza da alma humana, algo que o Escorpião às vezes esquece por estar tão entranhado na própria escuridão: na alma humana também há luz, uma verdade simbolizada pela flor de lótus nascendo na lama do pântano! A adequada e necessária integração entre Sombra e Luz é que nos fará mais genuinamente humanos e compassivos e mais capacitados a exercer, viver e ser o amor verdadeiro.

Desconheço o autor - Reprodução
Desconheço o autor – Reprodução

Além de confrontar esta Sombra, purgar seus conteúdos tóxicos e integrá-los à consciência, a  Lua Cheia de Escorpião convida a identificar tudo o que morreu em nós e nossa vida para que possamos eliminar e nos livrar desses conteúdos putrefatos – sem equívocos: essa eliminação não é da Sombra, a Sombra não se elimina, apenas se integra! O problema é que Marte, o regente tradicional de Escorpião, está envolvido numa configuração super confusa e que tira a clareza e a lucidez: Marte é foco de uma T-Square mutável que tem por base a oposição Júpiter-Netuno. Ao fazer quadratura a Júpiter, seu dispositor, Marte fica mais inflado e tem mania de grandeza e talvez tente super compensar a sensação de impotência, simbolizada pela retrogradação, com bravatas e quixotadas; já a quadratura a Netuno potencializa a impotência porque traz apatia, insegurança, medo, dúvidas e vontade de desistir, visto que Netuno mina a resistência Marciana de maneira insidiosa. Portanto, é preciso ter cautela para não nos deixarmos abater no confronto com esta sombra: embora tenhamos potencial para a monstruosidade, não seremos monstros, se nos fizermos conscientes. Assim, é necessário olhar nossas fraquezas como adubo rico que transforma a escuridão em beleza – a lótus nascendo do lodo.

Tomaz Alen Kopera - Reprodução
Tomaz Alen Kopera – Reprodução

Também é preciso cuidado para não confundirmos o que deve ser eliminado e o que ainda pode ser reciclado e se temos dificuldade em identificar as partes mortas, podemos simbolizar fazendo limpezas práticas na nossa casa, liberando tudo aquilo que já não usamos mas que está jogado/guardado em algum canto, como símbolo de algo que vivemos e que ficou estagnado na lembrança. Essas coisas geralmente funcionam como bloqueios e entulhos energéticos, porque ali está estagnado o sentimento original ao qual nos apegamos e que nos prende à coisa toda, à história original que nos remete ao pecado maior de Escorpião: o desejo de parar o tempo e fixar o momento, para jamais se desfazer de seu poder e beleza. Aliás, às vezes, temos grande dificuldade de esquecer um relacionamento desfeito porque não queremos nos desapegar no próprio sofrimento, já que ele foi a única coisa que restou – é, parece doido, mas as pessoas fazem isso. Portanto, o outro grande desafio é eliminar e deixar morrer todas essas coisas, eliminar a estagnação e aquilo que realmente não está funcionando, para podermos voltar a fluir com a vida – isso é particularmente aplicável para a área dos relacionamentos, então, se você quer se livrar de relações tóxicas e mal sucedidas, a hora é esta!

Feliz Lua Cheia para você! Esteja pronta/o para lidar com os conteúdos sombrios que surgirão nas próximas duas semanas. Não fuja deles, confronte-os! E que os confrontos nos amadureçam e nos levem à regeneração!

Carrie Ann Baade - Reprodução
Carrie Ann Baade – Reprodução

 

(1) The Astrology of Fate – Liz Greene – Weiser Books