Arquivo da tag: Renascimento

Lua Nova em Escorpião – Renascendo das Cinzas

Grand-Arts-Tumblr - Reprodução
Grand-Arts-Tumblr – Reprodução

A Lua Nova deste domingo (30 de outubro, 15h38min no horário de Brasília e 17h38min no horário de Lisboa) convida a uma introspecção profunda e visceral. Uma introspecção que permita a regeneração e o refazimento da alma, que passou por tantos embates nas últimas semanas. É uma Lua Nova super potente, não só porque ocorre em Escorpião, mas também porque acontece às vésperas do Halloween, a noite de Todos os Santos e de todas as almas, modernamente chamado de Dia das Bruxas – não, não é uma invenção americana! É um tempo em que portais são mantidos abertos por um número de horas e muitas revelações podem emergir do inconsciente. Entenda a origem e a importância do Halloweeen.

Esse é um ciclo de morte e eliminação, mas também de cura, regeneração e renascimento; que expõe nossas feridas mais pungentes, não para que soframos mais ainda, mas para que possamos saná-las e curá-las, transmutando a energia densa do sofrimento e da dor, no bálsamo da redenção, da cura e da liberação – liberação de si mesmo e da vida que estava estagnada. É o ciclo da transformação.

Lua Nova em Escorpião - Brasília, 30 de outubro, 14h38min
Lua Nova em Escorpião – Brasília, 30 de outubro, 14h38min

Depois de um ciclo Libriano cheio de percalços e nada harmonioso, um ciclo explosivo na área das relações, o ciclo de Escorpião vem permitir a salutar digestão emocional de todas as mudanças drásticas das últimas semanas – é hora de renascer das cinzas! A Lua se renova a 07°43’ de Escorpião, em conjunção a Mercúrio, sugerindo que muitas revelações importantes continuam a vir à tona, algumas nos surpreendendo grandemente, outras apenas confirmando o que nossa intuição já sabia. A Lua também está em trígono a Netuno, indicando um ciclo de grande sensibilidade e compaixão. Estes são os únicos aspectos que Lua e Sol fazem, mas que estão muito próximos da plenitude. Além disso, no mapa levantado para Brasília, Quíron está bastante proeminente, conjunto ao Ascendente, sugerindo um ciclo de se identificar feridas antigas e de se proceder com o tratamento e a cura.

Innana-Ereshkigal - Escultura Sumeriana - Museu Britânico - Reprodução
Innana-Ereshkigal – Escultura Sumeriana – Museu Britânico – Reprodução

Uma Lua tão introvertida me lembra o mito sumeriano de Innana e Ereshkigal: no mito sumeriano A Descida da Deusa, Inanna, a Rainha dos Céus, tem que descer ao inferno para visitar a irmã Ereshkigal, a Deusa do Mundo Inferior. Innana tem que passar pelos sete portões que levam ao mundo inferior e em cada um deles despoja-se de algo que a identifica como deusa do Mundo Superior: vestes reais, roupas, jóias, cetro, coroa, até ficar completamente nua. Então ao chegar lá a irmã a mata e pendura num gancho de açougue para apodrecer. A linda e exuberante rainha dos céus é largada no submundo, pendurada como um pedaço de carne morta assistindo à própria putrefação. É mais ou menos como nos sentimos atualmente, depois do fechamento do último ciclo cheio de crises e rupturas e depois de todos os embates deste ano: uma sensação de impotência, um luto que precisa ser vivido por tudo o que morreu e deixou de existir, uma confrontação da própria tristeza e humores sombrios.

Innana e o leão, um de seus animais-símbolo - Reprodução
Innana e o leão, um de seus animais-símbolo – Reprodução

Assim como Innana, deusa dos céus luminosos, deusa da beleza e do amor – uma Afrodite arcaica, que bem representa o signo de Libra – nós também precisamos nos desvestir de nosso lado mais luminoso, de tudo aquilo que nos identifica como pessoas civilizadas e sociáveis, belas e virtuosas, para adentrar as profundezas abissais do nosso próprio Mundo Inferior e lá confrontar nosso abismo pessoal, o fracasso, a dor, a impotência, o desespero, a tristeza, o luto, o nada, o vazio. E lá permanecer o tempo necessário para que esse luto assente, para que lhe demos seu lugar de direito – porque se não enfrentamos a dor e o luto na hora certa, eles voltarão mais tarde mais potentes e amedrontadores para nos assombrar.

innana-ereshkigalEreshkigal é a contraparte sombria de Innana e precisamos não só reconhecê-la, mas dar-lhe seu devido valor, seu lugar de direito na vida e na psique. No mito, Innana fica três dias pendurada apodrecendo no Mundo Inferior. Mas ela não era tão tola e ingênua assim… Ela tinha deixado ordens expressas lá em cima, para o caso de algo dar errado, pois sabia que estava adentrando um lugar perigoso e sombrio – ela sabia a fama da sua irmã – seu lado sombrio. Seu avô engendrou, a partir da sujeira que carregava debaixo das próprias unhas, duas pequenas criaturas andróginas que tinham a função de carpideiras, de pranteadores. Escorregando pelo Mundo Inferior sem ser notados, eles se aproximaram de Ereshkigal, que sofria muito pela morte do seu marido e também porque estava grávida e teria um parto difícil pela frente. Como diz Sasportas ao contar este mito, “algo morreu, mas algo está nascendo”. As criaturas carpideiras chegaram junto de Innana e começaram a chorar junto com ela, a ouvir-lhe e dar-lhe razão, a dizer-lhe que “sim, sua dor era horrenda; sua condição era terrível, que ela tinha razão de estar zangada e enlutada”. Ao ser ouvida, aceita e não julgada, Ereshkigal finalmente se acalma e dá a eles aquilo que eles lhe pedem: que Innana volte à vida e seja liberada para voltar ao Mundo Superior. Agradecida, Ereshkigal consente e faz Innana reviver e ela pode, finalmente, voltar ao Mundo Superior. Mas ela não é mais a mesma deusa que empreendeu a terrível descida. Não. Ela retorna completamente transformada, mais madura e ciente dos seus próprios mistérios e escuridão – afinal, a luz é o par da escuridão, assim como Ereshkigal é o outro lado de Innana. Innana é a luz e a beleza e Ereshkigal é a sombra e o terror da vida. Ambas se refletem porque são metades da mesma unidade.

Reprodução - Desconheço o Autor
Reprodução – Desconheço o Autor
Reprodução
Reprodução

Assim como as carpideiras, precisamos também reconhecer que nossa raiva e a tristeza são legítimas, só assim eles poderão ser acalmados. Da mesma maneira, depois de termos descido às profundezas do nosso próprio inferno pessoal, tivemos um período de assimilação e agora estamos prontos a renascer, transformados, renovados, mais sábios e experientes. Como a Fênix ou como a Serpente, estamos prontos a começar uma nova fase – mas isso, somente se já tivermos empreendido o confronto da nossa própria dor e sombra, da nossa destrutividade. Só podemos transformar e transmutar aquilo que aceitamos e algo que precisamos aceitar é a presença de Ereshkigal em nós e na vida. “Só aceitando Ereshkigal-Plutão como parte da vida permite que a mágica da cura funcione” (Howard Sasportas).

Assim, o ciclo que ora se inicia convida a purgar os venenos, as tristezas, o luto, as perdas, os rancores e a nos render à compaixão, para conosco mesmos e também para com o outro. Quíron pode representar uma dor excruciante, mas também a opção pela aceitação e pela cura consequente.

Os dois dispositores da Lua Nova, Marte e Plutão, estão em Capricórnio, tendo feito conjunção há poucos dias. Isso sugere que sejamos bastante pragmáticos na condução desse ciclo. Profundos, sensíveis, compassivos sim, mas também resilientes e realistas.

Reprodução
Reprodução

Confirmando esse tema da necessidade de introspecção, o Símbolo Sabiano do grau 8 (07°00’ – 07°59’) de Escorpião coloca a imagem seguinte: “Um lago tranquilo banhado pela luz da Lua”. De acordo com Lynda Hill, astróloga australiana estudiosa dos Símbolos Sabianos, esse símbolo fala da capacidade ou necessidade de reflexão. O lago reflete a Lua como se fosse um espelho. Ela questiona: “o que há em nossa situação presente que carece de mais reflexão? Há a necessidade de olhar mais profundamente, para dentro de nós mesmos ou do outro? Ou será que as coisas estão sendo avaliadas de um ponto de vista muito superficial, em que as coisas são meramente um reflexo de alguém ou de algo mais? É bom lembrar que águas paradas costumam ser profundas e que muitas coisas podem não ser o que parecem à primeira vista”. Assim, é momento de olhar mais de perto, mais profundamente para todas as nossas questões, dores e crises recentes, para talvez avaliá-las com mais acuracidade e retidão.

Reprodução - Desconheço o autor/a
Reprodução – Desconheço o autor/a

Dane Rudhyar, analisando este mesmo símbolo, traz uma outra visão, que também vale a pena explorar: “poder-se-ia enfatizar a sugestão romântica que tal imagem evoca, mas mesmo em nível do relacionamento amoroso, o que está implícito é a rendição de dois egos pessoais à inspiração dos sentimentos transcendentes que são essencialmente impessoais. O amor se expressa através dos amantes, pois amor real é um poder ou um princípio indiferenciado cósmico, que simplesmente se concentra a si mesmo nas almas de seres humanos que refletem sua luz. O mesmo é verdadeiro quando se trata do amor do místico por Deus. O homem luta arduamente para realizar grandes coisas através de aventuras ousadas, mas uma hora chega em que a única coisa que realmente importa é apresentar uma mente calma sobre a qual uma luz celestial possa ser refletida”. Dessa forma, creio que a interpretação de Rudhyar também se relaciona, indiretamente, com o mito de Innana e Ereshkigal, porque mesmo Innana, Rainha dos Céus, precisou se submeter a esse poder transcendente, a rendição de sua identidade celestial, do seu ego pessoal, a algo que era maior do que ela mesma.

Reprodução
Reprodução

E sim, como disse Rudhyar, podemos evocar aqui o romantismo inferido pela imagem ancestral da Lua refletida num lago. Sendo Escorpião um signo de Água, as águas profundas e paradas – como as águas de um lago – e estando essa Lua em trígono tão próximo a Netuno, não podemos deixar de evocar essa outra dimensão, mais mundana mas não menos importante deste mapa: de fato, essa é uma Lua Nova muito romântica. Não o romantismo piegas e açucarado dos romances best-seller – Marte e Plutão no signo da Cabra jamais permitiriam isso, muito menos Vênus conjunta a Saturno! – mas o romantismo verdadeiro e profundo, daqueles que enxergam o outro verdadeiramente, no mais fundo de sua natureza, cheia de idiossincrasias e defeitos, cheia de imperfeições, como só Escorpião é capaz de enxergar e, ainda assim, aceita, por saber que é da natureza do humano ser imperfeito. Um romantismo que nos faz querer nos comprometer, querer nos transformar e ser melhores, para nós mesmos e para o outro e que, ao invés de julgar, tem compaixão pela falibilidade desse outro, porque sabemos que é a mesma que carregamos em nós. E, como bem disse Rudhyar, o romantismo que deixa implícito a rendição do ego pessoal a algo maior: o Amor, a eterna busca do Escorpião, a busca permanente do humano que caminha pela Terra.

Reprodução
Reprodução

Em termos mais gerais, o ciclo de Escorpião representa um momento, na jornada astrológica, em que precisamos eliminar as peles e couraças velhas e rotas, que não nos servem mais; o momento de confronto com nossa sombra pessoal e com a sombra coletiva; um momento de purgação e depuração dos conteúdos tóxicos da nossa alma; um momento de morte e decomposição, assim como de cura, regeneração e renascimento. Assim, precisamos identificar em que áreas de nossa vida (aquelas áreas representadas pela casa em que temos Escorpião no mapa natal) precisamos morrer, nos decompor, para nos regenerar e renascer. Portanto, aproveite e faça sua própria RE-flexão e eliminação e a subsequente renovação das intenções, ou o lançamento de intenções completamente novas para o novo ciclo, de acordo com a casa em que a Lua Nova cai no seu mapa.

OBS: O ciclo de Escorpião culminará na Lua Cheia de Touro, uma Super Lua que é a mais brilhante e mais próxima da Terra em cem anos. Astrologicamente a Super Lua não tem grandes implicações, exceto que, por estar no ponto mais próximo da Terra, o perigeu, sua influência é sentida mais poderosamente, aumentando a intensidade da lunação. A Lua será Cheia em touro no dia 14 de novembro, às 11h52min no horário de Brasília.

Feliz Lua Nova para você!

new-douglas-smith

Reprodução
Reprodução

Lua Nova em Áries – Morrer para Renascer

Frank Mara - Reprodução
Frank Mara – Reprodução

A Lua foi nova hoje, 07 de abril, às 08h23min no horário de Brasília e às 11h23min no horário de Lisboa. A Lua Nova de Áries marca o começo definitivo deste ano astrológico, que foi iniciado com a ingressão do Sol em Áries, mas ainda no ciclo de Peixes. Portanto, se estávamos precisando de energia, impulso ou mesmo um “empurrão” para acordar e renascer, o momento é agora! Esta é a nossa deixa para sair da coxia, passar pelo doloroso canal do parto e entrar no palco central da vida, berrando e esperneando. Ruidosamente, desabridamente, começar de vez este ano que até agora parece ter apenas se arrastado!

1865 Hand-Colored Medical Print Baby Fetus Birth Canal Uterus Vagina Ovaries in Prints
Reprodução

Áries é o signo da iniciação, que traz presente o arquétipo do parto, o momento primeiro da nossa entrada na encarnação, nesta experiência humana, terrena e material. Flávio Gikovate diz que o parto é uma “evolução para pior”, porque no útero já estávamos naquele estado de felicidade urobórica, em perfeita unidade com a mãe-vida-Deus, no êxtase e beatitude da unidade com o Todo. E então a gente é expulso desse Paraíso! “Vá nascer!”, “Cabô moleza!”. À semelhança do mito da criação, somos expulsos do Paraíso e jogados neste Vale de Lágrimas. “Com o suor da fronte comerás o pão, até que voltes à terra, porque dela te tiraram; pois és pó e ao pó voltarás”. E Adão foi povoar o mundo junto com Eva, lutando permanentemente contra o impulso de morte e contra o desejo de retornar ao Paraíso, que no fundo são a mesma coisa. E lá vamos nós, nascer na vida, no Vale de Lágrimas!

Reprodução
Reprodução

Áries nasce das Águas Ulteriores de Peixes que, exatamente por serem as Derradeiras, voltam a ser as Águas Primordiais, de onde surge toda a Vida. Para renascermos em Áries, precisamos morrer em Peixes e assim a Roda da Vida segue seu ciclo, a exemplo da grande serpente Uroboros, eternamente engolindo a própria cauda, na autofagia que leva ao renascimento e ao novo ciclo. Assim, Áries encerra em si esse grande paradoxo: ele surge da Fonte Divina da vida, surge da Unidade, para se diferenciar e individualizar na experiência terrena, individualização que começa pela luta de vida e morte do parto e que se consubstancia no corte do cordão umbilical, a cisão que que corresponde ao click da chave sendo girada no portão do paraíso que acabou de ser cerrado às nossas costas. Agora estamos por nossa conta e risco! Temos a grande missão de ser, de nos individuar. Conseguiremos? A vida dirá!

Reprodução
Reprodução

Este dilema do nascer-morrer-renascer surge, agudo e potente, nesta Lua Nova de hoje. Ser expulsos do Paraíso para uma realidade que é qualquer coisa, menos paradisíaca e ainda assim, recuperar essa memória primordial da perfeição dos mundos, para tentar criar um paraíso na terra, forjado a cutelo, à força do nosso braço, trabalho e suor, abrindo picadas na selva bravia do mundo manifesto, mero reflexo da selva ainda mais selvagem e inescrutável que é a  nossa alma densa.

Lua Nova em Áries - Brasília, 07 de abril de 2016, 08h23min
Lua Nova em Áries – Brasília, 07 de abril de 2016, 08h23min

A Lua Nova ocorre a 18°04’ de Áries, em conjunção aplicativa a Urano e em quadratura separativa a Plutão em Capricórnio. Sol e Lua ainda fazem um trígono separativo a Saturno, o Senhor da Separação por excelência. Urano é o Grande Despertador Cósmico, aquele raio que cai abruptamente, estrepitosamente diante de nós, aluminado tudo em volta, às vezes ao ponto de nos cegar temporariamente, tal a potência e fulgor dessa luz. Essa luz tem o poder iluminar a mente e a realidade, de modo que a percebemos de uma maneira inteiramente nova, como jamais a tínhamos enxergado, mesmo que ela tenha estado diante de nosso nariz por muito tempo. Assim, essa luz traz uma “revelação”. Mas para captarmos e assimilarmos tal “revelação” precisamos estar abertos a ela. Quem tem olhos para ver que veja, quem tem ouvidos para ouvir, que ouça. Urano também sugere que o corte do cordão umbilical é ainda mais rápido, a tesoura de aço inoxidável é também inexorável: a separação, o despertar da névoa e das brumas em que estivemos envoltos precisa ocorrer para já, para ontem! A quadratura a Plutão indica que já morremos muitas vezes antes, que enfrentamos muitos de nossos medos e demônios, já sabemos que eles irão conosco aonde formos porque são parte de nós e agora, de posse da força gerada por este enfrentamento, precisamos renascer, reviver, reinventar-nos completamente. Despertar para a nova realidade, sem anseios regressivos de uma salvação trazida por outrem, mas dispostos a sermos, nós mesmos, os únicos protagonistas da saga heroica que é a nossa história, mesmo que essa seja uma história anônima e comum, longe de holofotes e pós mágicos de celebritismos instantâneos – isso porque, em última instância, essa saga mítica que é nossa, esse mito pessoal, interessa somente a nós mesmos e não deve ser produção em série para ser vendida a troco da validação do olhar alheio. Despertar para nosso mito pessoal e vivê-lo verdadeiramente, com audácia, coragem, vigor e autenticidade, é o chamado dessa Lua Nova!

Reprodução
Reprodução

Contudo, as brumas que deixamos para trás teimam em nos seguir e alcançar. O regente da Lua Nova, Marte, está irremediavelmente engolfado nessas brumas. Marte está em Sagitário, numa conjunção ampla a Saturno, ambos em quadratura a Netuno de um lado e a Júpiter de outro. Temos aqui o planeta da vontade e da individualidade envolvido com companhias complicadas. Dois destes planetas negam, de formas diferentes, os intentos de Marte. Netuno nega pela dissolvição da vontade e das certezas, portanto, precisamos lidar com nosso próprio desânimo e letargia, nossa própria insegurança e falta de rumo representados por Netuno. Muito esforço é requerido para termos uma noção clara das nossas reais possibilidades, já que envolvido com Júpiter-Netuno, este Marte Sagitariano torna-se mais inflado (já é meio inflado em Sagitário) e pode ser apenas um balão de gás, vazio de substância real. Neste contexto, Saturno torna-se um grande amigo, a âncora da realidade no mar bravio dos excessos Jupiterianos e da ilusão Netuniana. Saturno nega porque representa limites e restringe o anseio desse Marte desabrido de “abraçar o mundo com as pernas”, dizendo-lhe que ele poderá até conseguir realizar tais intentos, mas somente à custa de muito trabalho e esforço, de renúncia, estoicismo, disciplina, perseverança. A situação fica um pouco mais complicada: Marte está a exatos nove dias de estacionar para entrar em movimento retrógrado e já trafega o grau em que estacionará. Hesitação. Vacilação. “Estou perdido. Vou, fico ou retorno? A névoa me impede de ver a direção certa. Perdi algo lá atrás, mas não sei direito o que foi, preciso voltar e recuperar… Acho que foi minha vontade que perdi, a conexão com o que realmente sou e quero, o desejo de ser e de me diferenciar. Mas não tenho certeza, porque também perdi todas as certezas. No caminho do regresso, ao encontrar o que foi perdido, saberei do que se trata”. Sem certezas. Assim vamos nós.

Reprodução
Reprodução

A situação de Marte indica que há muita ambivalência no nosso renascimento, que já não temos muita certeza se queremos, de fato, renascer – seria tão fácil desistir e nos deixar arrastar pela correnteza, tão mais simples e menos dispendioso… Para quê tanto esforço? Marte hesita. Hesitamos nós. Para lá ou para cá? Marte, como dispositor e regente da Lua Nova sugere o desejo regressivo de voltar ao Paraíso Perdido, como se o bebê hesitasse em tomar o canal do parto e se delongasse no útero, adiando a cisão, adiando o nascimento; ou como nosso despertar de manhã cedo, em que dizemos “só mais cinco minutinhos e eu levanto”. Mas sabemos aonde a hesitação do bebê nos leva: à morte! De fato, precisamos lidar conscientemente com este impulso de morte, o desejo de desistir, de parar a luta, o desejo de não ser, que está presente neste ciclo, indireto, mas insidioso. Conscientemente marchamos na infantaria, peito aberto, aparentemente dispostos à luta e a fazer o que for necessário para nos mantermos vivos. Mas lá na frente, quando já divisamos o inimigo diante de nós, tememos e trememos e, ao invés de lutar, ansiamos por simplesmente nos render, porque temos dúvidas se tal luta valerá o esforço, se valerá a pena todo o sacrifício, se temos qualquer chance de ganhar. Será? Contudo, Marte envolvido com Netuno e Júpiter também pode representar prodígios e benesses, se soubermos tirar proveito do posicionamento e ficarmos atentos às suas armadilhas: Marte-Netuno-Júpiter, que são os aspectos mais próximos aqui, indicam grande sensibilidade, imaginação rica e ilimitada e uma vontade que se move pela compaixão e pela fé mais do que pelo desejo egoísta de realização individual. Então, é claro que este Marte também traz potenciais de poesia e rica sensibilidade.

Ambivalencia1
Reprodução

Nota rápida: é interessante que, falando particularmente da situação do Brasil, quando olhamos o mapa levantado para Brasília, vemos que A Lua Nova cai na cúspide da Casa 12, apontando, de novo, para esse paradoxo Peixes-Áries, dissolver-se ou diferenciar-se; morrer ou renascer; render nossa vontade, render-nos nos braços de um “salvador”, ou assumir nossa responsabilidade pelo que queremos realizar. O que isso diz sobre o momento do Brasil? Deduza você!

Desconheço o autor - Reprodução
Desconheço o autor – Reprodução

Há outras dificuldades inerentes a este ciclo, simbolizados pela falta de Ar neste mapa. Tudo aqui é Fogo e Terra. Há apenas Netuno e Quíron em Água e nada em Ar. Mercúrio, o planeta da mente e do raciocínio, está em Touro e praticamente sem aspectos, a não ser por uma sesqui-quadratura muito ampla a Saturno. Uma mente literal e obtusa, que só vê o que quer ver. Rigidez e fixação de ideias e pontos de vista. De modo geral, há dificuldade em planejar, em projetar adequadamente a  ação e em nos distanciar para ter uma visão ampla daquilo que tentamos construir. É como imaginar e idealizar algo (Fogo) e SEM se dar ao trabalho de planejar ou ponderar sobre sua viabilidade, já nos lançarmos à sua execução e concretização. Todo mundo que já tentou realizar algo desta maneira teve que parar no meio da história porque faltou material, tempo, dinheiro ou qualquer outro recurso ou porque simplesmente surgiram toda a sorte de problemas não cogitados. Falta de planejamento e elucubração. Falta de Ar.  Mercúrio sem aspectos demanda cautela para não nos tornarmos obsessivos e obtusos em nossas ideias, sem dar ouvidos a ninguém. Este é um dos grandes riscos do ciclo: falta de planejamento adequado naquilo em que nos lançamos e desejamos realizar. E sem planejamento, ficamos presos entre uma visão grandiosa (Fogo) e as muitas limitações para realizar tal visão (Terra). A Terra, que simboliza a capacidade de realização e concretização, pode tornar-se apenas símbolo de limites e de imperfeição. E voltamos ao dilema da expulsão do Paraíso.

É engraçado que eu não tinha analisado o Símbolo Sabiano previamente, antes de construir minha linha de raciocínio para este artigo. Às vezes eu faço isso de propósito, para me deixar surpreender ou para me desafiar a encontrar maneiras de “costurar” o Símbolo dentro da minha argumentação. Ele confirma ou contradiz a minha análise? Este símbolo é uma grata surpresa: “Um tapete mágico paira sobre a realidade depressiva do cotidiano numa área industrial”.

Reprodução
Reprodução

Um tapete mágico é algo que permeia nossas fantasias e que sugere a ideia de escapar para terras também mágicas, onde tudo é possível. Este tapete, símbolo da capacidade de escapar pela magia e imaginação, paira sobre uma área industrial depressiva, símbolo da competição humana e do desenvolvimento industrial com suas consequências nefastas de depredação e obsolescência da vida como um todo, ou da “vida baseada na produção e consumo material, com a resultante poluição”* . O tapete representa a capacidade de nos distanciarmos e observarmos as situações de fora, refletindo sobre elas mais impessoalmente, sem nos deixar contaminar por elas, sem nos envolver demasiadamente – talvez este símbolo enfatize com isso a necessidade de analisarmos as coisas de fora e nos reporta à falta de Ar desta Lua Nova, já analisada acima.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Reprodução

O tapete pairando sobre esta realidade sombria de uma área devastada pela ação humana, em nome do “progresso”, remete-nos novamente, para o tema do nascimento e enfrentamento da realidade em que nos encontramos (Sol-Lua em Áries-Saturno + Lua-Plutão) versus os apelos regressivos e escapistas representados pela situação “grudenta” e capciosa de Marte-Júpiter-Netuno… Obviamente esta é uma leitura negativa deste Símbolo. Entretanto, o Símbolo, como tudo na Astrologia e na vida, também tem uma interpretação auspiciosa: o tapete vem simbolizar que, não importa quão depressiva e feia esteja a situação, ainda podemos nos elevar acima de tal realidade e transcendê-la.

Reprodução
Reprodução

Faço questão de trazer na íntegra o texto de Lynda Hill* sobre este símbolo: “’Um Tapete Mágico’ talvez seja o que é necessário agora. Ao nos elevar acima das ‘realidades depressivas’ ao nosso redor, podemos ter uma melhor perspectiva sobre as questões mais difíceis da nossa vida. O ‘Tapete Mágico’ é, na verdade, um veículo para a imaginação e usar a imaginação pode elevar nosso entendimento, consciência e existência às místicas, às vezes fantásticas esferas. Há uma mensagem clara de que você tem a habilidade de se elevar acima de ou mesmo transcender, preocupações e contendas. As coisas serão reveladas a você se você permitir que as verdades espirituais e criativas aflorem à sua consciência. é preciso cautela para não subestimar o poder em potencial nas coisas mais prosaicas e mundanas, porque pode haver sinas ‘mágicos’ nelas. Talvez você esteja sendo escapista ou sonhando com o impossível. Você está tentando usar o ‘Tapete Mágico’ para ver uma Verdade Maior? Quais novas ideias você pode materializar na sua vida para se elevar acima de onde você está agora? Palavras-chave: Visões e perspectivas elevadas. Achar um veículo para a transcendência. Elevar-se acima dos problemas. Meditação. Pensamento lateral e criativo. RISCOS: incapacidade de lidar com a realidade. Escapismo. Anseio por se perder. Perder-se completamente em fantasias irreais. Drogas e álcool para escapar da realidade. Poluição. Sentir-se estagnado”. Sim, o símbolo é mágico e magicamente confirma os temas da Lua Nova.

Reprodução
Reprodução

Como vemos, a Lua Nova aponta em duas direções básicas: escapar, desistir e morrer, abrir mão da vontade e dissolver-se no caos por não conseguir enfrentar a dureza e a imperfeição da realidade; ou renascer corajosamente e abrir-se à revelação que será instrumental para o nosso despertamento pessoal. E há, ainda, uma terceira via: enfrentar a visão sombria dessa realidade fumacenta e elevar-se acima dela, não para escapar, mas para transformá-la. Nascer nessa realidade para transformá-la e buscar a transcendência. Usar os insights e revelações gerados pela rica imaginação e pelos flashes Uranianos para criar uma outra realidade, de maior consciência e verdade. Como respondemos a este desafio? Renascemos ou nos deixamos perecer?

Chechetta - Reprodução
Chechetta – Reprodução

*Lynda Hill é uma astróloga australiana que se dedica ao estudo dos Símbolos Sabianos e escreveu um livro sobre sua interpretação: Sabian Symbols – 360 degrees of Wisdom

 

Frank Mara - Reprodução
Frank Mara – Reprodução

As 12 Noites Sagradas – ESCORPIÃO e a Sombra Humana

scorpio simboloChegamos à decima primeira das 12 Noites Sagradas, a Noite de Escorpião. (Se você não sabe o que são As 12 Noites Sagradas, clique aqui)

Edna Andrade fala sobre esta noite:

Nasce de novo o sol, atravessamos um novo dia e cai a noite e uma nova estrela brilha no céu irradiando da Constelação de Escorpião através da qual emanam as forças espirituais dos Exusiai, os Seres da Forma, também chamados de Potestades ou Poderes. Agora atingimos o âmbito da segunda hierarquia. Eles também foram seres de um estado evolutivo anterior tão avançados em seu processo que podem acolher os planos divinos e torná-los manifestos, de forma que haja uma concordância entre a esfera macrocósmica da consciência do Cosmos e o nosso sistema Solar, que é uma expressão microcósmica onde a nossa existência humana está inserida, onde acontece a nossa biografia, humana.”

angel7
Reprodução

Estamos no âmbito das forças sexuais, que são as forças que oscilam tanto para o egoísmo mais absoluto, aquilo que pode ser caracterizado como o mal, porque ao oferecer a possibilidade da maior satisfação imediata podem subjugar o humano ao nível do animalesco. Mas que também trazem uma das maiores possibilidades para a superação do egoísmo e transcendência de forças. Aqui temos a imagem de uma luta, na nossa vida interior, entre a morte e ressurreição. E esta é uma luta muito individual, onde em liberdade oscilamos entre as sombras que obscurecem o nosso ser, os esconderijos onde vive o Escorpião venenoso, e as forças de expansão do Ser, representadas pela águia que se eleva às alturas e de lá contempla o Todo.

exusiai
Reprodução

O Escorpião é então o signo das forças duplas, tanto destrutivas, retrógradas, que mudam constantemente de aparência e invadem a nossa alma trazendo caos à nossa vida, como é também portador de forças construtivas que têm a ver com transmutação constante e contínua superação, para que a substância divina, o Espírito, possa em nós ser plasmado de novo e sempre! No apocalipse esta característica de forças duplas é apresentada como a espada de dois gumes.

Nesta décima primeira Noite Santa, recebemos através do portal de Escorpião os impulsos espirituais dos Exusiai, ou Potestades, para aceitar por um lado as nossas fraquezas, e por outro lado receber os impulsos espirituais para a superação e transformação dessas forças.

Nesta noite procure ficar em paz consigo mesmo. Da região de Escorpião, os Exusiai, Espíritos da Forma, lhe trazem a capacidade de renascer das crises e de todos os processos de perda, impotência, dor e desespero. (1)

dalizodiac_scorpio
Escorpião – Salvador Dali

Escorpião é signo FIXO, de ÁGUA. É Feminino, Passivo, Negativo. Como se pode pensar na água, sempre fluida, como fixa? De imediato podemos pensar no gelo, como diz Martin Freeman: “Tecnicamente, a única maneira de a água ficar fixa é quando é gelo. Certamente o iceberg, como o Escorpião, revela pouco de si mesmo, a parte maior estando submersa e traiçoeira” (citado por Sue Tompkins) (2). De fato, pouco se vê do Escorpião. Ele tem grande capacidade de penetrar profundamente a alma alheia, descobrindo os segredos e as motivações mais íntimas das pessoas, mas, para desespero e frustração delas, a recíproca não é verdadeira, permanecendo ele para sempre inescrutável, como uma fortaleza fortemente vigiada. Sim, claro, se ele chegar a confiar em você poderá até se abrir um pouco, mas revelará somente aquilo que lhe aprouver, quando e SE lhe aprouver. É o signo dos SEGREDOS e dos MISTÉRIOS. Mistérios são coisas que o fascinam e ele está sempre tentando entender a dinâmica da vida através de investigações metafísicas, mágicas e profundas ou mesmo estudando as filosofias ocultas e iniciáticas.

Escorpião é também associado com as águas paradas, escuras e profundas, cuja calmaria esconde abismos que podem engolir o melhor dos mergulhadores. Essas profundezas são metáforas para a alma abissal do Escorpião, cheia de perigos e volatilidade.

SONY DSC
Escorpião – Vitrais do portão Sul da Catedral de Chartres – Wikimedia Commons

Signo da MORTE, RENASCIMENTO e da TRANSFORMAÇÃO, ele vive muitas vidas numa mesma existência, trocando de pele como as serpentes, quando a forma de vida já não o sustenta ou não representa sua busca interior por viver tudo ao extremo. Tem necessidade de mudança, provocando crises quando percebe que uma situação está impedindo seu crescimento. Por mais possessivo que seja, uma vez determinado a eliminar algo da sua vida, é apenas questão de tempo. As serpentes, repteis diversos, a aranha, além do próprio escorpião são seus “animais”, assim como a águia, por causa de seu olhar agudo e de longo alcance. A Fênix, o pássaro mítico de fogo, é outro de seus símbolos. A Fênix sentia quando se aproximava seu fim, então ela se recolhia e entrava em auto combustão, queimando até as cinzas, para depois ressurgir para uma vida nova.

fenix-11
A Fênix Mitológica – Desconhoeço o Autor Reprodução

No corpo rege os órgãos sexuais e excretores, simbolizando tanto sua associação com o SEXO quanto com a necessidade de ELIMINAÇÃO e expurgo dos detritos inúteis. RECICLAGEM também é algo pertinente a este signo, que é capaz de achar verdadeiros tesouros no lixo ignorado por outros.

IMG_0492
Marte – Maria Eunice Sousa

Regido duplamente por Marte e por Plutão, é um signo de grande CORAGEM e destemor, enfrentando seus medos e inimigos com grande audácia, sem o menor receio de olhar o diabo no olho. Mas, para além das confrontações literais, a maior força de Escorpião é a coragem e a FORÇA EMOCIONAL e psicológica. AUTOCONTROLE e auto-disciplina são palavras-chave porque ele tem que ser Senhor de si mesmo e jamais se permitirá depender de nada ou de ninguém – mesmo quando envereda pelo abuso de drogas e outras substâncias, é mais pela destrutividade intrínseca do que propriamente pela adicção ou dependência. É INSTINTIVO, VISCERAL, penetrante, intenso. Prospera e cresce com as CRISES, funcionando como grande CATALISADOR DE MUDANÇAS aonde quer que vá – aliás, esse é um dos motivos da sua grande má fama: as pessoas são obrigadas a olhar para si mesmas e suas necessidade de mudar na presença do Escorpião e essa é uma tarefa que nem todo mundo quer empreender.

IMG_0488
Plutão – Maria Eunice Sousa

Sua vida é colorida de PAIXÃO e INTENSIDADE, em cores vivas e quentes como o sangue que corre nas veias. Essa passionalidade é o que o faz viver intensamente e NO LIMITE, testando a si mesmo e à vida, expondo-se a perigos EXTREMOS, às vezes até mesmo por pura diversão, só para ver até onde ele agüenta. Nada com ele é morno. Ou é frio glacial ou é fogo calcinante. TUDO OU NADA, não tem meio termo. Ou ama ou odeia e com igual intensidade. É extremamente sagaz e perspicaz, captando as coisas no ar, seu faro e antenas sempre ligados e sondando o ambiente e os arredores. Nada é leve ou superficial com ele, tudo necessariamente tem que ser PROFUNDO e crítico, como se ele estivesse sempre prestes a morrer, como se cada minuto fosse o ultimo de sua vida. Isso porque ele tem uma consciência AGUDA da morte e dos ciclos da vida, uma consciência que é tanto inata, quanto resultado da exposição precoce à crueza da vida e da natureza humana. Por isso, nada o surpreende, nem nele mesmo, nem nos outros, menos ainda no mundo. Não há nada que ele já não tenha visto, sonhado, ou intuído. Essa aguda consciência da morte é o que o faz SENTIR tudo muito intensamente e também o que lhe dá um instinto de sobrevivência invencível, a toda prova. A INTUIÇÃO super aguçada e a capacidade de captar o que os outros sentem lhe conferem uma grande COMPAIXÃO pelos outros.

SONY DSC
Escorpião – De um Livro Medieval de Astrologia – Wikimedia Commons

Escorpião é, talvez, o signo mais LEAL do Zodíaco. Ele é capaz de morrer por você, mas você só erra com ele uma vez. Não há segunda chance, não há perdão! Esse negócio de perdão é para os fracos, diria ele. E claro que vai tentar se vingar na primeira oportunidade, mas de forma planejada e estratégica, porque de tolo ele não tem nada. Na melhor das hipóteses, no caso do escorpião mais “tímido”, ele vai fazer igual àquele provérbio japonês: se você sentar na beira do rio e esperar o tempo suficiente, você verá o corpo do seu inimigo descer rio abaixo. É, ele é IMPLACÁVEL e INTRANSIGENTE, IRRACIONAL, INFLEXÍVEL. Com seu faro super apurado, ele suspeita de tudo e tem grande dificuldade de CONFIAR nas pessoas, podendo mesmo se tornar PARANOICO em certas situações. E ele não confia porque conhece bem demais a natureza humana e suas vilanias e baixezas. Para ele não é questão de “se” alguém vai traí-lo, é uma questão apenas de oportunidade, de “quando” isso acontecerá.

Deutsche Fotothek Astrologie & Sternzeichen & Kalender scorpio
Escorpião – Deutsche Fotothek Astrologie & Sternzeichen & Kalender

Daí uma das razões do ciúme e da possessividade. O ciúme também vem da necessidade de controle e de possuir o outro, imiscuindo-se em sua vida da forma mais profunda e inequívoca possível. Essa vontade de controle e de poder não se aplica somente aos relacionamentos, é uma constante na vida. Escorpião, afinal é o signo do PODER! Poder que vem, muitas vezes, da negação de si mesmo e da própria vontade – porque a dele é de aço! É também capaz de grande CRUELDADE, CINISMO e SARCASMO e nem espere pedido de desculpas, porque se ele fez, está feito, não tem retorno, não tem arrependimentos. Pode ser profundamente egoísta e quando negativo torna-se um vampiro sádico que se alimenta do viço daqueles com quem convive. Porque se ele é capaz de gestos grandiosos e compassivos, também pode ser terrivelmente mesquinho, de propósito, porque tem capacidade de ler onde a estocada vai doer mais, onde reside o ponto mais fraco do seu oponente e exatamente aí, dar o golpe final. Seu grande poder de veneno pode tanto curar quanto destruir e ele está ciente disso, mas a forma como age, é mais forte que ele mesmo, é a sua natureza.

escorpio
Escorpião, o inseto – Reprodução

Isso nos lembra aquela fábula do sapo e o escorpião e que nos dá uma boa idéia de como este signo funciona: Um sapo e um escorpião se encontraram às margens de um rio profundo. Ambos precisavam atravessá-lo, mas só o sapo sabia nadar. O escorpião se aproximou dele, e pediu carona nas costas para atravessar o rio. O sapo relutou dizendo: “Não sou doido, se o carregar nas costas, você vai me dar uma picada e eu ficaria paralisado e morreria”. O escorpião ponderou: “Eu é que seria doido se fizesse isso porque também morreria porque não sei nadar”. O sapo, pensou e admitiu que o escorpião tinha razão, era lógico o que ele estava afirmando. Então deixou que ele subisse nas suas costas e começaram a travessia do rio. No meio dessa travessia o escorpião picou o sapo. Este, surpreso, ainda não paralisado, mas já sentindo o efeito da picada, perguntou indignado: “Por que você fez isso se sabe que também vai morrer?”. O escorpião respondeu “Fiz isso porque é da minha natureza”.

Scorpio-bonatti
Escorpião – Guido Bonatti – Wikimedia Commons

Assim é o escorpião, é a sua natureza. Ele pode sabotar tanto a você quanto a ele mesmo porque o instinto destrutivo é forte, assim como a capacidade para subterfúgios, manipulação e corrupção. A diferença é que quando escorpião se torna corrupto, ele o faz sem desculpas, de caso pensado. Não é alguém que se deixa seduzir e finge que foi “corrompido”. Não. Ele se corrompe de forma decidida, seja porque gosta de flertar com o perigo, seja pela vontade de poder, ou porque decidiu que seria assim.

Scorpius_constelacion
Ilustração da Constelação de Escorpão na Uranometria de Johann Bayer – Wikimedia Commons

Sua capacidade de entrega ao que faz é tão intensa que o torna obsessivo, só sossegando quando chega à raiz das coisas, ao núcleo do problema ou da situação que ele está tentando esmiuçar, portanto, nem tente esconder algo de Escorpião, porque é questão de tempo até que ele desvende o mistério. Aliás, às vezes ele nem precisa se esforçar muito, porque as coisas que lhe interessam saber tendem a “cair no colo” dele, de alguma forma misteriosa. Ele é venenoso e tão letal quanto o ferrão do inseto que lhe emprestou o nome. Por isso, não brinque com ele se não tiver igual poder de fogo, ou melhor, de veneno!

Para entender tentar melhor sua psicologia, vamos explorar alguns de seus mitos e figuras emblemáticas.

HerculesHidraGustaveMoreau
Hércule e a Hidra – Gustave Moreau – Reprodução

O mito mais conhecido relacionado a Escorpião é o oitavo dos 12 trabalhos de Hércules, aquele em que ele precisa matar a Hidra de Lerna, um monstro que tinha corpo de cachorro e nove cabeças, uma delas imortal. Seu veneno era tão letal que destruía toda a vida ao seu redor. Ela habitava um pântano fedorento e obscuro e aterrorizava a região. Era quase impossível destruir o monstro porque quando se cortava uma cabeça, três outras nasciam no lugar. Primeiro ele teve que fazer o monstro sair da caverna escura em que se escondia atirando flechas de fogo, enquanto segurava a respiração para não respirar seu veneno. Mesmo assim, ele estava quase perdendo a batalha quando lembrou-se dos conselhos de seu mestre: “nós nos elevamos ajoelhando-nos, conquistamos nos rendendo e ganhamos, desistindo”. Assim, ele ajoelhou-se e levantou a hidra por uma de suas cabeças, tirando-a da água e elevando-a no ar, em direção ao sol. Afastada da água a hidra perdeu sua força e poder e encolheu de tamanho, permitindo que Hércules cortasse suas cabeças e as cauterizasse e cortasse, especialmente, a principal delas. No seu lugar surgiu uma jóia preciosa que ele enterrou debaixo de uma rocha. Da mesma forma, Escorpião precisa trazer à luz da consciência os conteúdos virulentos e obscuros do inconsciente pessoal e às vezes, familiar e coletivo. Se ele não faz isso, essa energia inconsciente e putrefata o envenena, intoxicando também a tudo o que ele toca. quando decide enfrentar o monstro, o resultado é a jóia preciosa da consciência e do domínio de mais uma parcela de si mesmo. (3)

medusa
Medusa – Caravaggio – Reprodução

Outro não menos importante é o mito de Medusa (novamente, os parágrafos em itálico são uma tradução livre e resumida do capítulo de Escorpião do Livro A Astrologia do Destino, de Liz Greene) (4). Havia três Górgonas chamadas Esteno, Euriale e Medusa, elas eram três belas irmãs. Uma noite Medusa se deitou com Poseidon no templo de Atena, que ficou ultrajada pela audácia de profanarem seu templo, transformando Medusa num monstro alado, de olhos petrificantes, dentes pontiagudos, língua saliente, garras agudas e serpentes no lugar de cabelos. Em outra versão do mito diz-se que na verdade Poseidon a violentou e que o olhar petrificante dela era na verdade o ultraje e o horror da experiência.Liz Greene diz que independente da versão “estamos de volta ao tema escorpiônico do estupro e da sexualidade ofendida. Eu diria também, a deusa resolve punir apenas o feminino, que representa, novamente, os  instintos. Se a feiura de Medusa foi resultado de uma Atena ultrajada ou do espírito feminino ultrajado, eles são, de muitas formas, a mesma coisa, pois Atena, a deusa virgem que é a sabedoria de Zeus é uma imagem do julgamento contra o comportamento não civilizado. A face de Medusa é um retrato do ódio e raiva femininos e seu efeito sobre qualquer um que ocorra de olhar para ela é paralisia”.

perseu
Desconheço o Autor – Reprodução

A Perseu coube matar Medusa, do contrário sua própria mãe seria obrigada a casar-se com o Rei Polydectes. Aqui, diz Greene, “temos o motivo da redenção de uma figura feminina conquistando outra, sombria. Mas as duas, em essência, são a Mãe, a Mãe Sombria. E a mãe pessoal só poderá ser redimida se a arquetípica for confrontada”. Ela continua dizendo que é comum que no caso de um homem, a herança da raiva e amargura inconsciente da mãe macule sua própria alma interior, a imagem da sua anima, assim, ele carrega o ódio por ela. Portanto, é importante redimir não só a própria mãe, mas também a anima.

Scorpion zodiac sign, Jantar Mantar, Jaipur, India. 18th century CE.
Escorpião, Jantar Mantar, Jaipur, India. Século XVIII DC – Wikimedia Commons

Para conseguir aniquilar Medusa Perseus recebeu conselhos e presentes de vários deuses: Atena lhe deu um escudo super polido e lhe advertiu para nunca olhar diretamente para ela. O escudo-espelho nos remete à ideia da capacidade de reflexão e de pensamento simbólico. Hermes lhe deu uma foice especial pra  cortar-lhe a cabeça, uma par de sandálias aladas e uma sacola mágica para guardar a cabeça depois. Hades lhe deu um capacete de invisibilidade. Para conseguir tudo isso e descobrir o caminho para Medusa, ele teve que visitar as três Velhas Graiai, que dividiam entre si um único olho e um único dente. Outra versão das Moiras, ou seja, ele está nas mãos do Destino, e a tarefa é Deo Concedente, como diriam os alquimistas, ou seja, é da vontade do Deus. Seguindo estes conselhos e usando os objetos mágicos Perseus então matou Medusa. 

pegaus
Pegasus – Desconheço o Autor – Reprodução

Do corpo dela saiu Pegasus, que era o fruto da união de Medusa e Poseidon, mas por causa de seu ódio ela não tinha conseguido dar à luz. Assim Perseus libera não só a ele, mas a ela também. Pegasus  era um cavalo alado, simbolizando uma criatura da terra que tem o poder de ascender às alturas celestiais. A cabeça de Medusa, Perseus guardou na sacola mágica pra usar depois contra seus inimigos.

Greene diz que tanto Medusa quando a Hidra simbolizam a mesma coisa, a destrutividade com a qual Escorpião tem que lidar. Ela só pode ser decapitada pelo poder da reflexão pois se se olhar diretamente para ela, ou para a própria sombra e escuridão, fica-se petrificado, que é quando se chega aos estados psicóticos. “A luta com o dragão ou com o monstro é outro motivo universal nos mitos e é particularmente relevante para Escorpião, que deve confrontar em talvez maior profundidade essa face reptiliana da vida instintiva com seu poder destrutivo e terrificante”, afirma Greene.

rembrandt
Fausto – Rembrandt – Reprodução

No capítulo sobre Escorpião Liz Greene lembra ainda a estória de Fausto, um mito recontado magistralmente por Goethe, que tinha, ele mesmo, Escorpião no Ascendente. Fausto era um médico comum e obscuro, que tinha anseios de prestigio e sede de poder, riqueza e reconhecimento. Fausto faz um pacto de sangue com Mefistófeles: em troca de seus desejos de poder mundano, Mefistófeles terá sua alma. E ele segue conquistando e conseguindo tudo o que ambicionava. Mas o tempo vai passando. Goethe foca no egoísmo de Fausto, que é a porta de entrada para Mefistófeles, o espírito da negação, aquele que murcha toda a inocência. Ocorre que Fausto negou a Deus, desprezando-o. Essa atitude do cinismo e da negação da vida é um dos males que Escorpião tem que combater dentro de si mesmo. Às vezes, nem ele mesmo percebe ou está consciente dessa negatividade destrutiva da vida.  “É como uma apatia, um tipo de depressão, uma convicção de que, em ultima análise, nada vai funcionar; e geralmente se origina do desespero da infância e da sensibilidade peculiar ao lado sombrio da psique que Escorpião possui desde muito jovem”. A barganha de Fausto com Mefistófeles é a de que ele poderá levar sua alma se ele tentar, em qualquer momento, parar a vida e agarrar-se ao momento presente ao invés de permitir a mudança e o fluxo da vida. Isso tem a ver com a fixidez de Escorpião, que geralmente tenta possuir algo bonito e prazeroso ao invés de deixar a vida fluir. Daí nasce realmente a possessividade e o ciúme de Escorpião.

Dr-Faustus
Dr. Fausto encenado no Teatro Shakeaspeare em Londres – Reprodução

Greene continua: “no fim do poema Fausto quase pronuncia as palavras fatais, mas seu espírito inquieto o salva e embora ele tenha sujado suas mãos e se corrompido, este é um aspecto necessário de sua busca não apenas por poder, mas pela iluminação e pelo amor. Portanto, ele é perdoado”. Ela diz que este negócio entre Fausto e Mefistófeles é um retrato vívido do conflito intrínseco a Escorpião, que, a despeito de sua suscetibilidade ao orgulho e ao egoísmo, seu cinismo e sede de poder, ainda assim, ele não para de aspirar à experiência do Amor, que é a sua redenção.  

Giovanni_Maria_Falconetto,_Mantua,_Palazzo_d'Arco,_Sala_dello_Zodiaco,_Sign_of_Scorpio
Signo de Escorpião – Giovanni Maria Falconetto, Mantua, Palazzo d’Arco, Sala do Zodiaco – Wikimedia Commons

A sombra deve ser confrontada pelo espírito humano e é em Escorpião que essa batalha se dá de forma mais fatídica e decisiva. Escorpião, ao olhar e lidar com todos estes materiais sombrias, em si mesmo e no coletivo, redime não só a si e à sua anima, mas traz à tona conteúdos ancestrais que precisam ser purgados e purificados, para que uma transmutação possa ocorrer. Em algumas situações, talvez ele se corrompa no processo, mas o pecado maior de todos é o cinismo e o ódio à vida, assim como o ódio a si mesmo. Ele tem que aprender a viver com essas imagens monstruosas, não só dentro de si, mas aonde quer que vá. A contradição maior é que suas sublimes aspirações de amor, que podem levar a esse ódio da vida, e sua poderosa sensualidade são complicados de se conciliar. Mas se originam do mesmo núcleo misterioso, metade sexualidade e metade espiritualidade; é uma combinação de eroticismo espiritualizado ou espiritualidade erotizada, mas que não é fácil de ser vivenciada e que normalmente Escorpião reprime uma para vivenciar a outra.

008-escorpiao
Escorpião – Johfra Bosschart – Reprodução

A Casa oito, a casa natural de Escorpião é a casa do sexo no horóscopo, assim como é a casa da morte e das investigações metafísicas. Parece contraditório, mas não é. Porque no sexo, quando há entrega total, o que se busca é eliminar a separatividade através da fusão completa e voltar à unidade com Deus, eliminar a sensação da solidão e do vazio; e no orgasmo, já diziam os franceses, ocorre uma “pequena morte”, porque por frações de segundos, o ego deixa de existir e alça alturas só possíveis no êxtase, seja sexual ou religioso. Se Escorpião for capaz de olhar para si mesmo – ele analisa a todo mundo, menos a si próprio, sendo este um dos seus piores pecados – com honestidade sem se perder no cinismo e no desespero, ele pode achar caminhos dignos e luminosos de conciliar sua busca pelo sublime, pelo amor e sua sensualidade poderosa e transformadora.

Stamp_of_Ukraine_s889scorpio
Selo da Ucrânia – Escorpião

 Figuras e motivos arquetípicos

O Alquimista; O Curador Potente; O Cirurgião ; O Psiquiatra; O Assassino; O Mago Negro; O Sobrevivente; O Lobo solitário; Metamorfoses dramáticas; O Reciclador; O Vampiro; O Investigador; O Sabotador

luna
Ilustração Medieval – Reprodução

A sombra de Escorpião é algo complicado de se falar, sendo ele um signo já bastante sombrio. Mas obviamente tem a ver com Touro, seu oposto complementar. Como diz Frank Clifford, “o maior de todos os mistérios é ele mesmo. Ele evita a auto-análise, recusando-se patologicamente a questionar suas motivações subjacentes. Ao contrário, ele permanece na zona de conforto, livre dos riscos e da imaginação, focando somente no físico e no sexual, adquirindo posses e acumulando riquezas. Com medo da sua própria co-dependência e dos impulsos que espreitam abaixo da superfície. O Escorpião vampiresco é desdenhoso das fraquezas alheias e usa intimidação para controlar e manipular os outros”.

SONY DSC
Escorpião – Escultura no Portão Norte da Catedral de Chartres – Chartres, França – Wikimedia Commons

Sobre a sombra de Escorpião Liz Greene (6) lembra que uma das coisas que ele não consegue ver é o quanto suas intensas reações emocionais são governadas pelas suas opiniões – não, nem tudo é tão instintivo assim! Da mesma forma que os signos de Ar são muito inconscientes dos próprios processos emocionais, assim também os signos de Água são muito inconscientes dos seus processos mentais e racionais. Desta forma, Greene afirma que “um dos seus maiores pontos cegos é o fanatismo em suas opiniões sobre pessoas e sobre a própria vida. E este fanatismo pode, no lugar errado e na hora errada, incitá-lo a algumas atitudes bem desagradáveis baseadas julgamentos tendenciosos ou distorcidos”. Ela menciona, por exemplo, que mulheres de Escorpião, depois de terem tido experiências amorosas ruins tendem a cristalização de opiniões, a rotulações e generalizações do tipo “todos os homens são iguais/infiéis” ou “nenhum homem é digno de confiança”, no que ela chama de Síndrome de Otelo. O ciúme e possessividade de Escorpião vão muito, muito além do ciúme do ser humano comum: chega à paranoia ou ao ciúme patológico que envenena e destrói relações e, em última instância, impede mesmo que o indivíduo desenvolva as parcerias frutíferas pelas quais tanto anseia. Sua enorme negatividade sobre a vida e as pessoas, essa negatividade que colore tudo de negro e descortina apenas cenários áridos e sombrios é uma das partes principais de sua sombra.

Scorpio_-_Horoscope_from_'The_book_of_birth_of_Iskandar-_Wellcome_L0040139
Escorpião – detalhe do Livro de Nascimentos de Iskandar – Coleção Asiática – Wikimedia

O problema, diz Greene, é que Escorpião nunca dá o benefício da dúvida a ninguém. Ele simplesmente decide que você errou, ou o traiu, ou “aprontou” para cima dele e o veredicto é dado. E jamais lhe dará oportunidade de se retratar, muito menos confiará de novo. Nem por um segundo cogita que pode estar errado em suas suspeitas e conjecturas, porque ele viu tanto da podridão humana que não consegue mais confiar em ninguém. Mas é preciso aprender a confiar, mesmo que em algum momento se seja magoado novamente. A vingança, dependendo da situação, pode ser até algo saudável, diz Greene, melhor do que bancar a alma boa que perdoa tudo, enquanto ferve de ódio por dentro e recorre a manobras indiretas de se vingar sem parecer que se vingou – algo com que Bert Hellinger concorda, uma vez que recomenda que se dê “o troco” em nome do equilíbrio nas relações laterais, numa conta que em que se deve devolver as coisas boas em dobro e devolver as coisas ruins pela metade. Mas no caso de Escorpião, ele quer se vingar sempre, e da forma mais dolorosa e terrível possível. Assim não dá para se viver, para se amar ninguém… Assim não dá para ser feliz! Então, Escorpião precisa aprender que amar e viver dói; que a gente tropeça e se machuca aqui e acolá; que as pessoas se ferem mutuamente e na maior parte das vezes isso não é intencional; e nem por isso se tem que sair destruindo a tudo e a todos por uma vingança que só irá nos deixar mais vazios e amargos. Então, Escorpião, vamos dar o benefício da dúvida de vez em quando? Por mais que seus instintos estejam certos na maior parte das vezes, em outras tantas ele pode ficar ofuscado pela sua paranoia. Lembre-se disso!

scorp
Reprodução

Meditação de Escorpião

Esta meditação é tirada do oráculo do Osho: fique sentada(o), braços apoiados nas pernas com as palmas das mãos viradas para baixo, feche os olhos, respire calmamente algumas vezes e pense na intenção deste exercício. A intenção é DEIXANDO IR (aquilo que você precisa se libertar – pensamentos, pessoas, objetos, situações).

E agora veja, sinta ou faça de conta que tem aprisionada em suas mãos a imagem daquilo a que está apegado. Respire uma vez e solte, desprenda, desapegue-se disso, vendo ou fazendo de conta que vê esta imagem se diluir, se desfazer, desaparecer nas profundas águas do Universo. Olhe então para as palmas das suas mãos e imagine uma miríade de pontos de luz com milhões de novas possibilidades para você e sua vida. Então, sentido-se completamente livre, respire e abra os olhos. Se quiser, escreva ou faça alguma arte – ou apenas medite e guaarde para você, como faria Escorpião.

Música para Escorpião

 

Fontes consultadas

(1) Edna Andrade, em Festas Cristãs 

(2) Sue Tompkins – the Astrologer’s Handbook

(3) Howard Sasportas – As 12 Casas

(4) Liz Greene – A Astrologia do Destino

(5) Frank Clifford – Getting to the Heart of your Chart

(6) Liz Greene – Astrology for Lovers

Escorpião – Confrontando a Escuridão da Alma

scorpio simboloOitavo signo do Zodíaco, Escorpião é signo FIXO, de ÁGUA. É Feminino, Passivo, Negativo. Como se pode pensar na água, sempre fluida, como fixa? De imediato podemos pensar no gelo, como diz Martin Freeman: “Tecnicamente, a única maneira de a água ficar fixa é quando é gelo. Certamente o iceberg, como o Escorpião, revela pouco de si mesmo, a parte maior estando submersa e traiçoeira” (citado por Sue Tompkins) (1).

De fato, pouco se vê do Escorpião. Ele tem grande capacidade de penetrar profundamente a alma alheia, descobrindo os segredos e as motivações mais íntimas das pessoas, mas, para desespero e frustração delas, a recíproca não é verdadeira, permanecendo ele para sempre inescrutável, como uma fortaleza fortemente vigiada. Sim, claro, se ele chegar a confiar em você poderá até se abrir um pouco, mas revelará somente aquilo que lhe aprouver, quando e SE lhe aprouver. É o signo dos SEGREDOS e dos MISTÉRIOS. Mistérios são coisas que o fascinam e ele está sempre tentando entender a dinâmica da vida através de investigações metafísicas, mágicas e profundas ou mesmo estudando as filosofias ocultas e iniciáticas.

Escorpião é também associado com as águas paradas, escuras e profundas, cuja calmaria esconde abismos que podem engolir o melhor dos mergulhadores. Essas profundezas são metáforas para a alma abissal do Escorpião, cheia de perigos e volatilidade.

SONY DSC
Escorpião – Vitrais do portão Sul da Catedral de Chartres – Wikimedia Commons

Signo da MORTE, RENASCIMENTO e da TRANSFORMAÇÃO, ele vive muitas vidas numa mesma existência, trocando de pele como as serpentes, quando a forma de vida já não o sustenta ou não representa sua busca interior por viver tudo ao extremo. Tem necessidade de mudança, provocando crises quando percebe que uma situação está impedindo seu crescimento. Por mais possessivo que seja, uma vez determinado a eliminar algo da sua vida, é apenas questão de tempo. As serpentes, répteis diversos, a aranha, além do próprio escorpião são seus “animais”, assim como a águia, por causa de seu olhar agudo e de longo alcance. A Fênix, o pássaro mítico de fogo, é outro de seus símbolos. A Fênix sentia quando se aproximava seu fim, então ela se recolhia e entrava em auto combustão, queimando até as cinzas, para depois ressurgir para uma vida nova.

fenix-11
A Fênix Mitológica – Desconheço o Autor Reprodução

No corpo rege os órgãos sexuais e excretores, simbolizando tanto sua associação com o SEXO quanto com a necessidade de ELIMINAÇÃO e expurgo dos detritos inúteis. RECICLAGEM também é algo pertinente a este signo, que é capaz de achar verdadeiros tesouros no lixo expurgado ou ignorado por outros.

Regido duplamente por Marte e por Plutão, é um signo de grande CORAGEM e destemor, enfrentando seus medos e inimigos com grande audácia, sem o menor receio de olhar o diabo no olho. Mas, para além das confrontações literais, a maior força de Escorpião é a coragem e a FORÇA EMOCIONAL e psicológica. AUTOCONTROLE e auto-disciplina são palavras-chave porque ele tem que ser Senhor de si mesmo e jamais se permitirá depender de nada ou de ninguém – mesmo quando envereda pelo abuso de drogas e outras substâncias, é mais pela destrutividade intrínseca do que propriamente pela adicção ou dependência. É INSTINTIVO, VISCERAL, penetrante, intenso. Prospera e cresce com as CRISES, funcionando como grande CATALISADOR DE MUDANÇAS aonde quer que vá – aliás, esse é um dos motivos da sua grande má fama: as pessoas são obrigadas a olhar para si mesmas e suas necessidade de mudar na presença do Escorpião e essa é uma tarefa que nem todo mundo quer empreender.

IMG_0492
Marte – Maria Eunice Sousa

Sua vida é colorida de PAIXÃO e INTENSIDADE, em cores vivas e quentes como o sangue que corre nas veias. Essa passionalidade é o que o faz viver intensamente e NO LIMITE, testando a si mesmo e à vida, expondo-se a perigos EXTREMOS, às vezes até mesmo por pura diversão, só para ver até onde ele aguenta. Nada com ele é morno. Ou é frio glacial ou é fogo calcinante. TUDO OU NADA, não tem meio termo. Ou ama ou odeia e com igual intensidade. É extremamente sagaz e perspicaz, captando as coisas no ar, seu faro e antenas sempre ligados e sondando o ambiente e os arredores. Nada é leve ou superficial com ele, tudo necessariamente tem que ser PROFUNDO e crítico, como se ele estivesse sempre prestes a morrer, como se cada minuto fosse o ultimo de sua vida. Isso porque ele tem uma consciência AGUDA da morte e dos ciclos da vida, uma consciência que é tanto inata, quanto resultado da exposição precoce à crueza da vida e da natureza humana. Por isso, nada o surpreende, nem nele mesmo, nem nos outros, menos ainda no mundo. Não há nada que ele já não tenha visto, sonhado, ou intuído. Essa aguda consciência da morte é o que o faz SENTIR tudo muito intensamente e também o que lhe dá um instinto de sobrevivência invencível, a toda prova. A INTUIÇÃO super aguçada e a capacidade de captar o que os outros sentem lhe conferem uma grande COMPAIXÃO pelos outros.

IMG_0488
Plutão – Maria Eunice Sousa

Escorpião é, talvez, o signo mais LEAL do Zodíaco. Ele é capaz de morrer por você, mas você só erra com ele uma vez. Não há segunda chance, não há perdão! Esse negócio de perdão é para os fracos, diria ele. E claro que vai tentar se vingar na primeira oportunidade, mas de forma planejada e estratégica, porque de tolo ele não tem nada. Na melhor das hipóteses, no caso do escorpião mais “tímido”, ele vai fazer igual àquele provérbio japonês: se você sentar na beira do rio e esperar o tempo suficiente, você verá o corpo do seu inimigo descer rio abaixo. É, ele é IMPLACÁVEL e INTRANSIGENTE, IRRACIONAL, INFLEXÍVEL. Com seu faro super apurado, ele suspeita de tudo e tem grande dificuldade de CONFIAR nas pessoas, podendo mesmo se tornar PARANOICO em certas situações. E ele não confia porque conhece bem demais a natureza humana e suas vilanias e baixezas. Para ele não é questão de “se” alguém vai traí-lo, é uma questão apenas de oportunidade, de “quando” isso acontecerá.

Scorpio2
Escorpião – De um Livro Medieval de Astrologia Wikimedia Commons

Daí uma das razões do ciúme e da possessividade. O ciúme também vem da necessidade de controle e de possuir o outro, imiscuindo-se em sua vida da forma mais profunda e inequívoca possível. Essa vontade de controle e de poder não se aplica somente aos relacionamentos, é uma constante na vida. Escorpião, afinal é o signo do PODER! Poder que vem, muitas vezes, da negação de si mesmo e da própria vontade – porque a dele é de aço! É também capaz de grande CRUELDADE, CINISMO e SARCASMO e nem espere pedido de desculpas, porque se ele fez, está feito, não tem retorno, não tem arrependimentos. Pode ser profundamente egoísta e quando negativo torna-se um vampiro sádico que se alimenta do viço daqueles com quem convive. Porque se ele é capaz de gestos grandiosos e compassivos, também pode ser terrivelmente mesquinho, de propósito, porque tem capacidade de ler onde a estocada vai doer mais, onde reside o ponto mais fraco do seu oponente e exatamente aí, dar o golpe final. Seu grande poder de veneno pode tanto curar quanto destruir e ele está ciente disso, mas a forma como age, é mais forte que ele mesmo, é a sua natureza.

escorpio
Escorpião, o inseto – Reprodução

Isso nos lembra aquela fábula do sapo e o escorpião e que nos dá uma boa ideia de como este signo funciona: Um sapo e um escorpião se encontraram às margens de um rio profundo. Ambos precisavam atravessá-lo, mas só o sapo sabia nadar. O escorpião se aproximou dele, e pediu carona nas costas para atravessar o rio. O sapo relutou dizendo: “Não sou doido, se o carregar nas costas, você vai me dar uma picada e eu ficaria paralisado e morreria”. O escorpião ponderou: “Eu é que seria doido se fizesse isso porque também morreria porque não sei nadar”. O sapo, pensou e admitiu que o escorpião tinha razão, era lógico o que ele estava afirmando. Então deixou que ele subisse nas suas costas e começaram a travessia do rio. No meio dessa travessia o escorpião picou o sapo. Este, surpreso, ainda não paralisado, mas já sentindo o efeito da picada, perguntou indignado: “Por que você fez isso se sabe que também vai morrer?”. O escorpião respondeu “Fiz isso porque é da minha natureza”.

Scorpio-bonatti
Escorpião – Guido Bonatti – Wikimedia Commons

Assim é o escorpião, é a sua natureza. Ele pode sabotar tanto a você quanto a ele mesmo porque o instinto destrutivo é forte, assim como a capacidade para subterfúgios, manipulação e corrupção. A diferença é que quando escorpião se torna corrupto, ele o faz sem desculpas, de caso pensado. Não é alguém que se deixa seduzir e finge que foi “corrompido”. Não. Ele se corrompe de forma decidida, seja porque gosta de flertar com o perigo, seja pela vontade de poder, ou porque decidiu que seria assim.

Scorpius_constelacion
Ilustração da Constelação de Escorpão na Uranometria de Johann Bayer – Wikimedia Commons

Sua capacidade de entrega ao que faz é tão intensa que o torna obsessivo, só sossegando quando chega à raiz das coisas, ao núcleo do problema ou da situação que ele está tentando esmiuçar, portanto, nem tente esconder algo de Escorpião, porque é questão de tempo até que ele desvende o mistério. Aliás, às vezes ele nem precisa se esforçar muito, porque as coisas que lhe interessam saber tendem a “cair no colo” dele, de alguma forma misteriosa. Ele é venenoso e tão letal quanto o ferrão do inseto que lhe emprestou o nome. Por isso, não brinque com ele se não tiver igual poder de fogo, ou melhor, de veneno!

dalizodiac_scorpio
Escorpião – Salvador Dali

Edna Andrade, no site de Antroposofia, fala sobre Escorpião: “Estamos no âmbito das forças sexuais, que são as forças que oscilam tanto para o egoísmo mais absoluto, aquilo que pode ser caracterizado como o mal, porque ao oferecer a possibilidade da maior satisfação imediata podem subjugar o humano ao nível do animalesco. Mas que também trazem uma das maiores possibilidades para a superação do egoísmo e transcendência de forças. Aqui temos a imagem de uma luta, na nossa vida interior, entre a morte e ressurreição. E esta é uma luta muito individual, onde em liberdade oscilamos entre as sombras que obscurecem o nosso ser, os esconderijos onde vive o Escorpião venenoso, e as forças de expansão do Ser, representadas pela águia que se eleva às alturas e de lá contempla o Todo. O Escorpião é então o signo das forças duplas, tanto destrutivas, retrógradas, que mudam constantemente de aparência e invadem a nossa alma trazendo caos à nossa vida, como é também portador de forças construtivas que têm a ver com transmutação constante e contínua superação, para que a substância divina, o Espírito, possa em nós ser plasmado de novo e sempre! No apocalipse esta característica de forças duplas é apresentada como a espada de dois gumes.” (2)

Para entender melhor sua psicologia, vamos explorar alguns de seus mitos e figuras emblemáticas.

HerculesHidraGustaveMoreau
Hércule e a Hidra – Gustave Moreau Reprodução

O mito mais conhecido relacionado a Escorpião é o oitavo dos 12 trabalhos de Hércules, aquele em que ele precisa matar a Hidra de Lerna, um monstro que tinha corpo de cachorro e nove cabeças, uma delas imortal. Seu veneno era tão letal que destruía toda a vida ao seu redor. Ela habitava um pântano fedorento e obscuro e aterrorizava a região. Era quase impossível destruir o monstro porque quando se cortava uma cabeça, três outras nasciam no lugar. Primeiro ele teve que fazer o monstro sair da caverna escura em que se escondia atirando flechas de fogo, enquanto segurava a respiração para não respirar seu veneno. Mesmo assim, ele estava quase perdendo a batalha quando lembrou-se dos conselhos de seu mestre: “nós nos elevamos ajoelhando-nos, conquistamos nos rendendo e ganhamos, desistindo”. Assim, ele ajoelhou-se e levantou a hidra por uma de suas cabeças, tirando-a da água e elevando-a no ar, em direção ao sol. Afastada da água a hidra perdeu sua força e poder e encolheu de tamanho, permitindo que Hércules cortasse suas cabeças e as cauterizasse e cortasse, especialmente, a principal delas. No seu lugar surgiu uma joia preciosa que ele enterrou debaixo de uma rocha. Da mesma forma, Escorpião precisa trazer à luz da consciência os conteúdos virulentos e obscuros do inconsciente pessoal e às vezes, familiar e coletivo. Se ele não faz isso, essa energia inconsciente e putrefata o envenena, intoxicando também a tudo o que ele toca. Quando decide enfrentar o monstro, o resultado é a joia preciosa da consciência e do domínio de mais uma parcela de si mesmo. (3)

medusa
Medusa – Caravaggio – Reprodução

Outro não menos importante é o mito de Medusa (os parágrafos em itálico são um resumo do capítulo de Escorpião do Livro A Astrologia do Destino). Havia três Górgonas chamadas Esteno, Euríale e Medusa, elas eram três belas irmãs. Uma noite Medusa se deitou com Poseidon no templo de Atena, que ficou ultrajada pela audácia de profanarem seu templo, transformando Medusa num monstro alado, de olhos petrificantes, dentes pontiagudos, língua saliente, garras agudas e serpentes no lugar de cabelos. Em outra versão do mito diz-se que na verdade Poseidon a violentou e que o olhar petrificante dela era na verdade o ultraje e o horror da experiência. Liz Greene diz que independente da versão “estamos de volta ao tema escorpiônico do estupro e da sexualidade ofendida. Eu diria também, a deusa resolve punir apenas o feminino, que representa, novamente, os  instintos. Se a feiura de Medusa foi resultado de uma Atena ultrajada ou do espírito feminino ultrajado, eles são, de muitas formas, a mesma coisa, pois Atena, a deusa virgem que é a sabedoria de Zeus é uma imagem do julgamento contra o comportamento não civilizado. A face de Medusa é um retrato da do ódio e raiva feminina e seu efeito sobre qualquer um que ocorra de olhar para ela é paralisia”.

perseu
Desconheço o Autor – Reprodução

A Perseu coube matar Medusa, do contrário sua própria mãe seria obrigada a casar-se com o Rei Polydectes. Aqui, diz Greene, “temos o motivo da redenção de uma figura feminina conquistando outra, sombria. Mas as duas, em essência, são a Mãe, a Mãe Sombria. E a mãe pessoal só poderá ser redimida se a arquetípica for confrontada”. Ela continua dizendo que é comum que no caso de um homem, a herança da raiva e amargura inconsciente da mãe macule sua própria alma interior, a imagem da sua ânima, assim, ele carrega o ódio por ela. Portanto, é importante redimir não só a própria mãe, mas também a ânima.

Para conseguir aniquilar Medusa Perseus recebeu conselhos e presentes de vários deuses: Atena lhe deu um escudo super polido e lhe advertiu para nunca olhar diretamente para ela. O escudo-espelho nos remete à ideia da capacidade de reflexão e de pensamento simbólico. Hermes lhe deu uma foice especial pra  cortar-lhe a cabeça, uma par de sandálias aladas e uma sacola mágica para guardar a cabeça depois. Hades lhe deu um capcete de invisibilidade. Para conseguir tudo isso e descobrir o caminho para Medusa, ele teve que visitar as três Velhas Graiai, que dividiam entre si um único olho e um único dente. Outra versão das Moiras, ou seja, ele está nas mãos do Destino, e a tarefa é Deo Concedente, como diriam os alquimistas, ou seja, é da vontade do Deus. Seguindo estes conselhos e usando os objetos mágicos Perseus então matou Medusa. Do corpo dela saiu Pegasus, que era o fruto da união de Medusa e Poseidon, mas por causa de seu ódio ela não tinha conseguido dar à luz. Assim Perseus libera não só a ele, mas a ela também. Pegasus  era um cavalo alado, simbolizando uma criatura da terra que tem o poder de ascender às alturas celestiais. A cabeça de Medusa, Perseus guardou na sacola mágica pra usar depois contra seus inimigos.

pegaus
Pegasus – Desconheço o Autor-Reprodução

Greene diz que tanto Medusa quando a Hidra simbolizam a mesma coisa, a destrutividade com a qual Escorpião tem que lidar. Ela só pode ser decapitada pelo poder da reflexão pois se se olhar diretamente para ela, ou para a própria sombra e escuridão, fica-se petrificado, que é quando se chega aos estados psicóticos. “A luta com o dragão ou com o monstro é outro motivo universal nos mitos e é particularmente relevante para Escorpião, que deve confrontar em talvez maior profundidade essa face reptiliana da vida instintiva com seu poder destrutivo e terrificante”, afirma Greene.

rembrandt
Fausto – Rembrandt – Reprodução

No capítulo sobre Escorpião Liz Greene lembra ainda a estória de Fausto, um mito recontado magistralmente por Goethe, que tinha, ele mesmo, Escorpião no Ascendente. Fausto era um médico comum e obscuro, que tinha anseios de prestigio e sede de poder, riqueza e reconhecimento. Fausto faz um pacto de sangue com Mefistófeles: em troca de seus desejos de poder mundano, Mefistófeles terá sua alma. E ele segue conquistando e conseguindo tudo o que ambicionava. Mas o tempo vai passando. Goethe foca no egoísmo de Fausto, que é a porta de entrada para Mefistófeles, o espírito da negação, aquele que murcha toda a inocência. Ocorre que Fausto negou a Deus, desprezando-o. Essa atitude do cinismo e da negação da vida é um dos males que Escorpião tem que combater dentro de si mesmo. Às vezes, nem ele mesmo percebe ou está consciente dessa negatividade destrutiva da vida.  “É como uma apatia, um tipo de depressão, uma convicção de que, em ultima análise, nada vai funcionar; e geralmente se origina do desespero da infância e da sensibilidade peculiar ao lado sombrio da psique que Escorpião possui desde muito jovem”. A barganha de Fausto com Mefistófeles é a de que ele poderá levar sua alma se ele tentar, em qualquer momento, parar a vida e agarrar-se ao momento presente ao invés de permitir a mudança e o fluxo da vida. Isso tem a ver com a fixidez de Escorpião, que geralmente tenta possuir algo bonito e prazeroso ao invés de deixar a vida fluir. Daí nasce realmente a possessividade e o ciúme de Escorpião.

Dr-Faustus
Dr. Fausto encenado no Teatro Shakeaspere em Londres – Reprodução

Greene continua: “no fim do poema Fausto quase pronuncia as palavras fatais, mas seu espírito inquieto o salva e embora ele tenha sujado suas mãos e se corrompido, este é um aspecto necessário de sua busca não apenas por poder, mas pela iluminação e pelo amor. Portanto, ele é perdoado”. Ela diz que este negócio entre Fausto e Mefistófeles é um retrato vívido do conflito intrínseco a Escorpião, que, a despeito de sua suscetibilidade ao orgulho e ao egoísmo, seu cinismo e sede de poder, ainda assim, ele não para de aspirar à experiência do Amor, que é a sua redenção.  

A sombra deve ser confrontada pelo espírito humano e é em Escorpião que essa batalha se dá de forma mais fatídica e decisiva. Escorpião, ao olhar e lidar com todos estes materiais sombrias, em si mesmo e no coletivo, redime não só a si e à sua anima, mas traz à tona conteúdos ancestrais que precisam ser purgados e purificados, para que uma transmutação possa ocorrer. Em algumas situações, talvez ele se corrompa no processo, mas o pecado maior de todos é o cinismo e o ódio à vida, assim como o ódio a si mesmo. Ele tem que aprender a viver com essas imagens monstruosas, não só dentro de si, mas aonde quer que vá. A contradição maior é que suas sublimes aspirações de amor, que podem levar a esse ódio da vida, e sua poderosa sensualidade são complicados de se conciliar. Mas se originam do mesmo núcleo misterioso, metade sexualidade e metade espiritualidade; é uma combinação de eroticismo espiritualizado ou espiritualidade erotizada, mas que não é fácil de ser vivenciada e que normalmente Escorpião reprime uma para vivenciar a outra. A Casa oito, a casa natural de Escorpião é a casa do sexo no horóscopo, assim como é a casa da morte e das investigações metafísicas. Parece contraditório, mas não é. Porque no sexo, quando há entrega total, o que se busca é eliminar a separatividade através da fusão completa e voltar à unidade com Deus, eliminar a sensação da solidão e do vazio; e no orgasmo, já diziam os franceses, ocorre uma “pequena morte”, porque por frações de segundos, o ego deixa de existir e alça alturas só possíveis no êxtase, seja sexual ou religioso. Se Escorpião for capaz de olhar para si mesmo – ele analisa a todo mundo, menos a si próprio, sendo este um dos seus piores pecados – com honestidade sem se perder no cinismo e no desespero, ele pode achar caminhos dignos e luminosos de conciliar sua busca pelo sublime, pelo amor e sua sensualidade poderosa e transformadora.

008-escorpiao
Escorpião – Johfra Bosschart Reprodução

 Figuras e motivos arquetípicos

O Alquimista; O Curador Potente; O Cirurgião ; O Psiquiatra; O Assassino; O Mago Negro; O Sobrevivente; O Lobo solitário; Metamorfoses dramáticas; O Reciclador; O Vampiro; O Investigador; O Sabotador

A sombra de Escorpião é algo complicado de se falar, sendo ele um signo já bastante sombrio. Mas obviamente tem a ver com Touro, seu oposto complementar. Como diz Frank Clifford, “o maior de todos os mistérios é ele mesmo. Ele evita a auto-análise, recusando-se patologicamente a questionar suas motivações subjacentes. Ao contrário, ele permanece na zona de conforto, livre dos riscos e da imaginação, focando somente no físico e no sexual, adquirindo posses e acumulando riquezas. Com medo da sua própria co-dependência e dos impulsos que espreitam abaixo da superfície. O Escorpião vampiresco é desdenhoso das fraquezas alheias e usa intimidação para controlar e manipular os outros”

luna
Ilustração Medieval – Reprodução

Meditação para Escorpião

Esta meditação é tirada do oráculo do Osho: fique sentada(o), braços apoiados nas pernas com as palmas das mãos viradas para baixo, feche os olhos, respire calmamente algumas vezes e pense na intenção deste exercício. A intenção é DEIXANDO IR (aquilo que você precisa se libertar – pensamentos, pessoas, objetos, situações).

E agora veja, sinta ou faça de conta que tem aprisionada em suas mãos a imagem daquilo a que está apegado. Respire uma vez e solte, desprenda, desapegue-se disso, vendo ou fazendo de conta que vê esta imagem se diluir, se desfazer, desaparecer nas profundas águas do Universo. Olhe então para as palmas das suas mãos e imagine uma miríade de pontos de luz com milhões de novas possibilidades para você e sua vida. Então, sentido-se completamente livre, respire e abra os olhos. Se quiser, escreva ou faça alguma arte – ou apenas medite e guaarde para você, como faria Escorpião.

Música para Escorpião

Fontes consultadas

(1) Sue Tompkins – the Astrologer’s Handbook

(2) http://www.antroposofy.com.br/wordpress/as-doze-noites-santas-6a-noite-santa-constelacao-de-libra/

(3) Howard Sasportas – AS 12 Casas

(4) Liz Greene – A Astrologia do Destino

(5) Frank Clifford – Getting to the Heart of your Chart

Lua Nova e Eclipse solar em Peixes: nascendo para uma nova vida!

eclipse solar peixes - birth chart
Birth Chart Painting – Eclipse Solar em Peixes – Reprodução

A Lua Nova que acontece nesta sexta-feira, (20 de março, 6h36min para Brasília e 9h36min para Lisboa) a 29°27’ de Peixes, é também um eclipse solar e uma Super Lua – Super Lua que não será perceptível, visto que quando nova a Lua está escura e invisível. Este é o único eclipse total do Sol este ano e nesta temporada teremos apenas mais um eclipse, o da Lua no dia quatro de abril, a 14°24’ de Libra. Um ciclo que se inicia com algumas contradições e que é sucedido pela ingressão do Sol em Áries inaugurando o Ano Novo Astrológico, um novo ciclo anual, e marcando o Equinócio do Outono (Equinócio da Primavera no Hemisfério Norte), ou seja uma mudança na orientação da consciência solar e uma potencialização destes novos começos – é bom tomar cuidado com as intenções e com o que se deja, porque podemos conseguir! Realmente, esta sexta-feira está super ocupada e cheia de acontecimentos importantes! Definitivamente, não é só “mais um dia”.

Mas o que são eclipses? São lunações super potentes, que tendem a precipitar e trazer à fruição os assuntos que já estavam latentes, somente esperando para acontecer, de acordo com a área em que cai no mapa natal, seja do indivíduo ou da nação – eclipses são extensivamente utilizados em Astrologia Mundial. E o que é um eclipse solar? Num eclipse solar a Lua interpõe-se entre a Terra e o Sol, bloqueando e “ocultando” a luz solar sobre a Terra. Os eclipses solares podem ser de quatro tipos: parcial, anular, híbrido e total e obviamente o eclipse total é o mais potente de todos. De acordo com Christine Arens, Astróloga Americana e grande estudiosa de eclipses (1) no caso de eclipses solares, que duram apenas minutos, ao contrário de eclipses lunares que podem durar horas, o número de minutos simboliza o número de meses em que este eclipse terá influência. Neste caso específico, o eclipse durará 2’47” ou seja, dois minutos e 47 segundos, então, este eclipse terá efeito por quase três meses. Já o Lunar do dia quatro terá efeito mais duradouro. Os eclipses podem ter efeitos diversos, mas ao contrário do que reza o folclore, suas manifestações podem sim, ser positivas, dependendo da família a que pertencem, como também dos planetas que tocam e dos aspectos que fazem no mapa natal.

eclipse-solar
Eclipose solar – Desconheço o autor – Reprodução

Visto que o Sol representa a consciência, o centro regulador da personalidade, num eclipse solar temos diminuída a objetividade e a consciência solar e aumentadas a subjetividade e a sensibilidade lunares – por isso mesmo os eclipses solares favorecem mais às mulheres, enquanto os homens têm sua ação consciente e decisão ofuscadas – no eclipse lunar ocorre o contrário. Levando-se em conta que o eclipse ocorre no último grau de Peixes, um grau crítico, temos aumentada ainda mais a sensibilidade, uma vez que Peixes é todo sentimentalidade e impressionabilidade. Esta Lua Nova é uma Super Lua, que é quando a Lua se encontra no seu perigeu, o ponto mais próximo da Terra, isto é, sua influência se faz sentir ainda mais fortemente. Então, este é um eclipse em que nos guiamos mais pelo instinto e pelos sentimentos, tendo pouca objetividade e consciência do que estamos fazendo; mas tem uma qualidade paradoxal porque ao mesmo tempo que é uma Lua Nova, o início de um novo ciclo, ele ocorre no último grau, do último signo, que fala de fechamentos, encerramentos e finalizações. Situações inacabadas podem bater à nossa porta, inesperadamente, para que possamos finalmente concluí-las e fechá-las, assim como pessoas com quem tínhamos assuntos mal resolvidos podem aparecer para encerrar os tais assuntos. O fim do fim, mas que também cede lugar ao começo de um novo começo. É redundante, eu sei, mas esta lunação está super redundante em seus temas.

Lua nova e eclipse em peixes
Lua Nova e Eclipse Solar em Peixes – Brasília, 20 de março de 2015, 6h36min.

Sim, este é um dia contraditório, de um ciclo também cheio de paradoxos. Temos no mesmo dia um stelium de cinco planetas nas Águas de Peixes, o signo que finaliza a jornada zodiacal: Netuno, Mercúrio, Quíron, Lua e Sol. Sentimentos densos e sensibilidades exageradas. Menos de uma hora depois de ser nova a Lua ingressa em Áries, seguida pelo Sol às 19h45min. E a energia muda radicalmente, drasticamente. No mapa do eclipse para Brasília esse tema é repetido, visto que os planetas em Peixes estão na casa 12, a casa do inconsciente e a casa pré-natal, associada à gravidez. O Ascendente é Áries, remetendo novamente a esse paradoxo Peixes-Áries, fim-início, útero-parto. Como disse no post da Semana, é como os últimos dias de uma gravidez.

corpo3 kate lacour
Kate Lacour – Reprodução

Estamos imersos nas águas amnióticas no útero da Grande Mãe, um com ela, em estado de graça e espera, aguardando nossa hora. De repente, essa hora chega e somos desafiados a uma luta de vida ou morte, que é o momento do parto. É como se, a um só tempo, vivêssemos o último e o primeiro dia de nossas vidas e de certa forma é isso mesmo que propõe essa Lua Nova e este eclipse: que fechemos capítulos, histórias, livros inteiros, fases, etapas, ciclos para nos renovarmos e olharmos para a vida como se tivéssemos acabado de nascer, novinhos em folha, mas cientes de que este pode ser o último dia. Morremos para uma forma e renascemos para outra, porque este é um começo que envolve muitos fins, o básico do básico: para que algo novo surja, é preciso deixar morrer o velho. E já que este ano que se inicia é regido por Marte, o deus da guerra, podemos esperar tudo, menos moleza. Seremos muito desafiados em nossas decisões, ação, paciência e equilíbrio – já escrevi sobre o Ano Novo Astrológico neste artigo de dezembro de 2014.

IMG_0492
Marte, regente do ano de 2015

Mas eclipses não podem ser vistos de forma isolada. Eles pertencem a famílias que duram séculos, às vezes milênios e cada eclipse carrega a energia do eclipse que originou a família. De acordo com a Dra. Bernadette Brady (Saros Séries 17 Sul) e com a Nasa (Saros Séries 120), este eclipse específico pertence a uma família que teve início em 27 de maio de 933 no Pólo sul e terminará em 28 de junho de 2.177. A Dra. Brady comenta a energia primária desta família: “Júpiter ocupa o Ponto Médio entre a Lua Nova e Urano, como também o Ponto Médio entre Vênus e Plutão. As questões nesta família de eclipses se referem a sucesso súbito em projetos de grupo ou em assuntos associados a relacionamentos pessoais. Felicidade no amor, reflexão sobre assuntos amorosos, boas noticias a respeito de relacionamentos ou expressão criativa em grupos” (2).

surreal-art-by-jacek-yerka-____Open ArtGroup_
Acek Yerka – Reprodução

Por tudo isso, a despeito da semana extremamente tensa e das configurações que ainda estão em formação, pelo menos deste eclipse podemos esperar boas notícias, porque fala de acontecimentos auspiciosos, de bons augúrios. É claro que depende também das interações que o eclipse faz no mapa natal de cada um (lista das casas ao final do texto), mas pelo menos a princípio, esta família, à qual pertence também o eclipse do dia quatro de abril, não é tão carregada como foram os eclipses do ano passado e como serão os eclipses do mês de setembro. Uma boa maneira de ter pistas sobre o desdobramento de um eclipse na vida pessoal é rememorar a ultima vez que esta mesma família foi ativada no seu mapa, no mesmo signo e casa. E isso foi em março de 1997. Você lembra o que estava acontecendo na sua vida nessa época? Os assuntos e temas são os mesmos, talvez com outra roupagem e outra manifestação. Relacionamentos amorosos e sucesso ligado a grupos estão favorecidos.

Serie Saros 17 sul
Mapa de Início da Série Saros 17 Sul, de acordo com Bernadette Brady, astróloga inglesa. 27 de maio de 933, 4h46min GMT – Pólo Sul

Interessante que Júpiter esteja tão proeminente no mapa inicial desta família de eclipses, porque no mapa do eclipse de hoje Júpiter está também destacado, como alça de uma configuração balde, que é o elemento chave de expressão de todas as energias do mapa. De Júpiter e da expressão pessoal depende que consigamos realizar as promessas contidas neste ciclo, como tem sido nas últimas lunações. Onde Júpiter estiver no seu mapa, esta também será uma área em destaque pelas próximas semanas, até porque Júpiter é um dos regentes de Peixes e já está desacelerando para voltar ao movimento direto em nove de abril.

Mount-Rushmore_1403416i
Esculturas do Monte Rushmore – REprodução

O Símbolo Sabiano do grau 29 de Peixes diz assim: “Uma majestosa formação de rocha, assemelhando-se a um rosto, é idealizada por um menino que a toma por seu ideal de grandeza, e, à medida que ele cresce, começa a se parecer com ela”. Busco novamente a ajuda de Lynda Hill para decifrar essa imagem e ela diz: “Este símbolo mostra a capacidade de visionar ou decidir o que você quer ser e, à medida que cresce e se desenvolve, você se torna essa visão. Talvez percebamos que nos tornamos essa imagem que imaginamos e que nos dá um senso de orgulho, considerando que se tenha uma imagem positiva” (3). Este símbolo nos fala de nossos ideais, daquilo que visionamos nos tornar ou realizar. Semelhante à criança que nasce, cheia de potenciais, que são mostrados pelo mapa natal, que registra o momento de sua respiração primeira independente da mãe. Crescemos e nos tornamos a melhor versão proposta por este desenho celestial, se conseguimos nos achar na vida. Para mim esse símbolo remete novamente à idéia do útero, da criança que é potencial de vida, assim como Peixes, sendo o último signo do zodíaco, é aquele que prepara o caminho e o terreno para que Áries nasça e o ciclo recomece. Este símbolo fala também de uma culminação, de se chegar ao final de uma jornada, de “projeções, de se desejar um senso de imortalidade, de se definir o próprio destino e de manifestação consciente” (3). Por que as pessoas têm filhos, não é para se imortalizarem naquela criança que carregará sua herança genética, seu nome, sua história, seu legado? Assim, com a ingressão do Sol em Áries inaugurando o Ano Novo Astrológico, a jornada finalizada em Peixes é reiniciada, agora com outros temas, com mais vivência e a experiência acumulada em centenas de milhares ou milhões de ciclos já experimentados por este planeta e por esta humanidade.

10347775_10204203292301141_2486340628844984254_n
A Grande Mãe – Reprodução

O grau 29 de todo signo, especialmente de Peixes, como já foi dito, é um grau crítico. Porque é um portal, um limiar entre mundos e energias completamente diversos. É a soleira da porta de saída de um espaço e de entrada em outro. É o canal do parto, onde não podemos permanecer sob pena de morrermos com todos os potenciais e promessas de uma nova vida. Só há um lugar para ir: avante, em frente, como o bebê empurrando a vida com sua cabeça determinada; como os chifres do carneiro, cheios de impulso e vigor, cheios de vida!

1865 Hand-Colored Medical Print Baby Fetus Birth Canal Uterus Vagina Ovaries in Prints
Bebê no canal uterino – desenho feito à mão de 1865 – Reprodução

Nesta Lua Nova, Eclipse Solar e posterior Ano Novo, somos paridos novamente na vida, com novas chances de recomeçar e fazer algo pioneiro e completamente pessoal e individual. Mais do que isso, somos convidados, na verdade, exigidos a parir nós também novas oportunidades e novos caminhos e, uma vez que fechamos muitas histórias e porteiras lá atrás, precisamos agora nos lançar em outras  trilhas e outras aventuras, cheios de um vigor renovado, juvenil, inocente e impulsivo – talvez seja exatamente a oportunidade, o momento que você estava esperando? Que possamos, pois, parir, dar à luz a um novo eu, renovado e revigorado, pronto para os grandes desafios que nos aguardam. Que possamos parir a vida que tanto almejamos e queremos viver e experimentar. Que possamos ter a coragem de atravessar esse canal de parto doloroso para encontrar a luz do outro lado, e dar nosso grito de vida a plenos pulmões: “Cheguei Estou vivo! Renascido!”, tendo coragem de olhar para a vida com olhos novos e deslumbrados, de quem acabou de chegar e se maravilha e se encanta com tudo, agradecido e entusiasmado! E, lembremo-nos: este é o primeiro e o último dia de nossas vidas! Então, façamos ou reiteremos nossas intenções, do que queremos mudar ou realizar na vida, e aproveitemos a energia iniciática de Áries e do ano Novo Astrológico para nos comprometermos com elas! O Equinócio e este eclipse nos alertam: Cuidado com o que pede, você pode conseguir!

Feliz Eclipse solar, Feliz Lua Nova, Feliz novo ciclo, Feliz ano Novo Astrológico para você! 

ram
Carneiro, o símbolo de Áries – Reprodução

O eclipse nas casas do mapa natal

É importante frisar que os efeitos do eclipse também dependem de aspectos que porventura faça com planetas e ângulos natais e pessoas que têm planetas ou ângulos entre os graus 25 e 30 dos signos Mutáveis (Gêmeos, Virgem, Sagitário e Peixes) e de 0 a 3 dos signos Cardinais (Áries, Câncer, Libra e Capricórnio) são mais afetadas por esta lunação super potente; assim como é vital lembrar que o eclipse precipitará a ação de trânsitos e progressões. Uma vez que este eclipse fala de finalizações e ao mesmo tempo inícios, isso se dará na área e nos assuntos da casa em que cair. Assim, o guia abaixo é básico e para uma análise acurada da influência do eclipse o mapa natal todo deve ser analisado. Caso você não conheça seu mapa e não saiba a divisão das casas, clique aqui para calculá-lo. A casa em que cai o eclipse é a casa onde está o último grau de PEIXES. A análise é baseada no livro de Carol Rushman (4)

Casa 1 – Casa angular e super importante onde o eclipse se faz notar de forma inquestionável, especialmente se conjunto ao Ascendente. Período de grande ênfase e destaque pessoal. A energia e o entusiasmo ficam acentuados e você se sente fazendo maior impacto no ambiente e no mundo em geral. Pode ser um bom período para fazer mudanças na aparência física. É um ciclo para se destacar e aparecer – se esse destaque é positivo ou negativo vai depender das ações e atividades desenvolvidas até aqui, assim como dos aspectos que o eclipse possa fazer a planetas natais.

Casa 2 – A ênfase aqui recai sobre os valores, sejam eles materiais ou imateriais. Finanças, posses, patrimônio material vêm para a linha de frente e “eventos” podem se precipitar ligados a ações passadas. Pode ser um bom período para reavaliar investimentos e a gestão dos recursos; para aprender uma nova habilidade que se torne também em recurso e valor; especialmente para refletir sobre nossos valores mais essenciais e como eles influenciam nossas decisões e escolhas.

Casa 3 – O foco recai sobre estudos e aprendizados, que serão muito estimulados e favorecidos, dependendo dos aspectos do eclipse. Comunicação, veículos, viagens curtas, viagens diárias para o trabalho e deslocamentos em geral também são influenciadas por estas energias. Irmãos e parentes próximos podem também se tornar foco da nossa atenção por diferentes motivos.

Casa 4 – Outra casa angular onde o eclipse tem maior ênfase. Assuntos ligados à família de origem, assim como à família formada pelo indivíduo. Mudança na relação com a figura paterna, que pode ter seu poder e autoridade ofuscados de alguma forma. A atenção é para os assuntos domésticos do lar e da casa física em que se mora, assim como para a faceta mais íntima da vida privada. Reformas e mudanças na residência são possíveis.

Casa 5 – A criatividade e expressão pessoal recebem grande injeção de ânimo, assim como os romances e atividades de lazer e relaxamento. Filhos, como expressão maior de nossa criatividade também se tornam o centro das atenções, especialmente o filho mais velho; novas atividades criativas ficam favorecidas, como artes, danças, música, etc. Aconselhável ter cuidado com especulações e jogos de azar.

Casa 6 – Trabalho diário, emprego, colegas de trabalho, relação com empregados e servidores, saúde, corpo, cotidiano, bichos de estimação… Todos estes assuntos ficam realçados com um eclipse solar nesta casa. É um momento de avaliar com seriedade a forma como cuidamos da saúde e especialmente avaliar o impacto de maus hábitos sobre ela, como fumar, por exemplo. Reorganizações do local de trabalho assim como programas de reeducação alimentar ficam beneficiados.

Casa 7 – Outra casa angular. Todas as relações próximas ficam sob os holofotes, sejam parcerias afetivas ou de negócios, assim como amigos mais chegados e também os tais “inimigos declarados”. Propostas de casamento ou de sociedades são possíveis, assim como rupturas, dependendo de como o eclipse “conversa” com o resto do mapa e dos demais movimentos que estejam acontecendo neste mapa.

Casa 8 – Casa dos valores dos outros, da morte (não necessariamente literal) e renascimento, de crises, de impostos, seguros e heranças. E também do sexo como expressão da parceria íntima. Então todos estes assuntos podem demandar nossos cuidados e nosso tempo, trazendo benefícios ou preocupações. O período pode ser particularmente “quente” sob os lençóis e novos amantes podem aparecer à nossa porta.

Casa 9 – As viagens de longa distancia, assim como as buscas espirituais e a mudança de crenças ocupam nossa atenção quando um eclipse cai nesta casa. Cursos superiores e vida acadêmica, assim como publicações também estão enfatizados. Os parentes do cônjuge também são vistos aqui e podem representar problemas ou alegrias. Novos conhecimentos que expandem a consciência podem ser iniciados a partir de novos contatos ou até mesmo por um livro que começamos a ler.

Casa 10 – A ultima casa angular, de suma importância. A casa da nossa imagem pública, da carreira, da vocação e também da mãe. Podemos ser promovidos ou demitidos sumariamente; podemos ficar literalmente sob os holofotes em situações públicas e que agregam valor à nossa persona pública e status profissional. Publicidade gratuita pode nos favorecer. Eventos ligados à mãe também podem nos afetar.

Casa 11 – Período bom para iniciar novas amizades, participar de grupos e associações que sempre quisemos mas nunca tomamos a atitude. Aqui vemos os amigos e as relações sociais, que obviamente ganham ênfase especial. As esperanças de futuro e projetos de longo prazo também ficam favorecidos, ou sua realização ou reavaliação e desilusão.

Casa 12 – Possivelmente a casa mais difícil de expressão de um eclipse. A casa da introspecção e do inconsciente. Esqueletos tendem a sair do armário e demandar que lidemos com eles; tabus familiares ou raciais tendem a cair no nosso colo de graça, e não podemos mais fingir que não os vimos; é uma casa de serviço, então somos convidados a prestar serviços que implicam sacrifício ou oferenda de nosso tempo e energia em favor de outros. Podemos nos sentir particularmente introspectivos e sentir o desejo de isolamento e reclusão.

2015_Stereographic_Magnitude
Gráfico da visibilidade do eclipse por região Reprodução

Fontes:

(1) ARENS, Christine – Webinar sobre eclipses promovido por Kepler College em abril de 2014

(2) BRADY, Bernadette – The Eagle and the Lark – Predictive Astrology – Samuel Weiser

(3) HILL, Lynda – Sabyan Symbols Oracle – Solar Fire Software.

(4) RUSHMAN, Carol – The Arte of Predictive Astrology – Liewellen Worldwide.

As 12 Noites Sagradas – ESCORPIÃO

scorpio simboloChegamos à decima primeira das 12 Noites Sagradas, a Noite de Escorpião. Meu humor está péssimo, estou intratável e bem escorpiônica – tive um dia super difícil e tenso (Se você não sabe o que são As 12 Noites Sagradas, clique aqui)

Edna Andrade fala sobre esta noite:

Nasce de novo o sol, atravessamos um novo dia e cai a noite e uma nova estrela brilha no céu irradiando da Constelação de Escorpião através da qual emanam as forças espirituais dos Exusiai, os Seres da Forma, também chamados de Potestades ou Poderes. Agora atingimos o âmbito da segunda hierarquia. Eles também foram seres de um estado evolutivo anterior tão avançados em seu processo que podem acolher os planos divinos e torná-los manifestos, de forma que haja uma concordância entre a esfera macrocósmica da consciência do Cosmos e o nosso sistema Solar, que é uma expressão microcósmica onde a nossa existência humana está inserida, onde acontece a nossa biografia, humana.”

Estamos no âmbito das forças sexuais, que são as forças que oscilam tanto para o egoísmo mais absoluto, aquilo que pode ser caracterizado como o mal, porque ao oferecer a possibilidade da maior satisfação imediata podem subjugar o humano ao nível do animalesco. Mas que também trazem uma das maiores possibilidades para a superação do egoísmo e transcendência de forças. Aqui temos a imagem de uma luta, na nossa vida interior, entre a morte e ressurreição. E esta é uma luta muito individual, onde em liberdade oscilamos entre as sombras que obscurecem o nosso ser, os esconderijos onde vive o Escorpião venenoso, e as forças de expansão do Ser, representadas pela águia que se eleva às alturas e de lá contempla o Todo.

Scorpio2
Escorpião – De um Livro Medieval de Astrologia – Wikimedia Commons

O Escorpião é então o signo das forças duplas, tanto destrutivas, retrógadas, que mudam constantemente de aparência e invadem a nossa alma trazendo caos à nossa vida, como é também portador de forças construtivas que têm a ver com transmutação constante e contínua superação, para que a substância divina, o Espírito, possa em nós ser plasmado de novo e sempre! No apocalipse esta característica de forças duplas é apresentada como a espada de dois gumes.

Nesta décima primeira Noite Santa, recebemos através do portal de Escorpião os impulsos espirituais dos Exusiai, ou Potestades, para aceitar por um lado as nossas fraquezas, e por outro lado receber os impulsos espirituais para a superação e transformação dessas forças.

Nesta noite procure ficar em paz consigo mesmo. Da região de Escorpião, os Exusiai, Espíritos da Forma, lhe trazem a capacidade de renascer das crises e de todos os processos de perda, impotência, dor e desespero. (1)

dalizodiac_scorpio
Escorpião – Salvador Dali

Escorpião é signo FIXO, de ÁGUA. É Feminino, Passivo, Negativo. Como se pode pensar na água, sempre fluida, como fixa? De imediato podemos pensar no gelo, como diz Martin Freeman: “Tecnicamente, a única maneira de a água ficar fixa é quando é gelo. Certamente o iceberg, como o Escorpião, revela pouco de si mesmo, a parte maior estando submersa e traiçoeira” (citado por Sue Tompkins) (2).

De fato, pouco se vê do Escorpião. Ele tem grande capacidade de penetrar profundamente a alma alheia, descobrindo os segredos e as motivações mais íntimas das pessoas, mas, para desespero e frustração delas, a recíproca não é verdadeira, permanecendo ele para sempre inescrutável, como uma fortaleza fortemente vigiada. Sim, claro, se ele chegar a confiar em você poderá até se abrir um pouco, mas revelará somente aquilo que lhe aprouver, quando e SE lhe aprouver. É o signo dos SEGREDOS e dos MISTÉRIOS. Mistérios são coisas que o fascinam e ele está sempre tentando entender a dinâmica da vida através de investigações metafísicas, mágicas e profundas ou mesmo estudando as filosofias ocultas e iniciáticas.

Escorpião é também associado com as águas paradas, escuras e profundas, cuja calmaria esconde abismos que podem engolir o melhor dos mergulhadores. Essas profundezas são metáforas para a alma abissal do Escorpião, cheia de perigos e volatilidade.

SONY DSC
Escorpião – Vitrais do portão Sul da Catedral de Chartres – Wikimedia Commons

Signo da MORTE, RENASCIMENTO e da TRANSFORMAÇÃO, ele vive muitas vidas numa mesma existência, trocando de pele como as serpentes, quando a forma de vida já não o sustenta ou não representa sua busca interior por viver tudo ao extremo. Tem necessidade de mudança, provocando crises quando percebe que uma situação está impedindo seu crescimento. Por mais possessivo que seja, uma vez determinado a eliminar algo da sua vida, é apenas questão de tempo. As serpentes, repteis diversos, a aranha, além do próprio escorpião são seus “animais”, assim como a águia, por causa de seu olhar agudo e de longo alcance. A Fênix, o pássaro mítico de fogo, é outro de seus símbolos. A Fênix sentia quando se aproximava seu fim, então ela se recolhia e entrava em auto combustão, queimando até as cinzas, para depois ressurgir para uma vida nova.

fenix-11
A Fênix Mitológica – Desconhoeço o Autor Reprodução

No corpo rege os órgãos sexuais e excretores, simbolizando tanto sua associação com o SEXO quanto com a necessidade de ELIMINAÇÃO e expurgo dos detritos inúteis. RECICLAGEM também é algo pertinente a este signo, que é capaz de achar verdadeiros tesouros no lixo ignorado por outros.

Regido duplamente por Marte e por Plutão, é um signo de grande CORAGEM e destemor, enfrentando seus medos e inimigos com grande audácia, sem o menor receio de olhar o diabo no olho. Mas, para além das confrontações literais, a maior força de Escorpião é a coragem e a FORÇA EMOCIONAL e psicológica. AUTOCONTROLE e auto-disciplina são palavras-chave porque ele tem que ser Senhor de si mesmo e jamais se permitirá depender de nada ou de ninguém – mesmo quando envereda pelo abuso de drogas e outras substâncias, é mais pela destrutividade intrínseca do que propriamente pela adicção ou dependência. É INSTINTIVO, VISCERAL, penetrante, intenso. Prospera e cresce com as CRISES, funcionando como grande CATALISADOR DE MUDANÇAS aonde quer que vá – aliás, esse é um dos motivos da sua grande má fama: as pessoas são obrigadas a olhar para si mesmas e suas necessidade de mudar na presença do Escorpião e essa é uma tarefa que nem todo mundo quer empreender.

IMG_0492
Marte – Maria Eunice Sousa

Sua vida é colorida de PAIXÃO e INTENSIDADE, em cores vivas e quentes como o sangue que corre nas veias. Essa passionalidade é o que o faz viver intensamente e NO LIMITE, testando a si mesmo e à vida, expondo-se a perigos EXTREMOS, às vezes até mesmo por pura diversão, só para ver até onde ele agüenta. Nada com ele é morno. Ou é frio glacial ou é fogo calcinante. TUDO OU NADA, não tem meio termo. Ou ama ou odeia e com igual intensidade. É extremamente sagaz e perspicaz, captando as coisas no ar, seu faro e antenas sempre ligados e sondando o ambiente e os arredores. Nada é leve ou superficial com ele, tudo necessariamente tem que ser PROFUNDO e crítico, como se ele estivesse sempre prestes a morrer, como se cada minuto fosse o ultimo de sua vida. Isso porque ele tem uma consciência AGUDA da morte e dos ciclos da vida, uma consciência que é tanto inata, quanto resultado da exposição precoce à crueza da vida e da natureza humana. Por isso, nada o surpreende, nem nele mesmo, nem nos outros, menos ainda no mundo. Não há nada que ele já não tenha visto, sonhado, ou intuído. Essa aguda consciência da morte é o que o faz SENTIR tudo muito intensamente e também o que lhe dá um instinto de sobrevivência invencível, a toda prova. A INTUIÇÃO super aguçada e a capacidade de captar o que os outros sentem lhe conferem uma grande COMPAIXÃO pelos outros.

IMG_0488
Plutão – Maria Eunice Sousa

Escorpião é, talvez, o signo mais LEAL do Zodíaco. Ele é capaz de morrer por você, mas você só erra com ele uma vez. Não há segunda chance, não há perdão! Esse negócio de perdão é para os fracos, diria ele. E claro que vai tentar se vingar na primeira oportunidade, mas de forma planejada e estratégica, porque de tolo ele não tem nada. Na melhor das hipóteses, no caso do escorpião mais “tímido”, ele vai fazer igual àquele provérbio japonês: se você sentar na beira do rio e esperar o tempo suficiente, você verá o corpo do seu inimigo descer rio abaixo. É, ele é IMPLACÁVEL e INTRANSIGENTE, IRRACIONAL, INFLEXÍVEL. Com seu faro super apurado, ele suspeita de tudo e tem grande dificuldade de CONFIAR nas pessoas, podendo mesmo se tornar PARANÓICO em certas situações. E ele não confia porque conhece bem demais a natureza humana e suas vilanias e baixezas. Para ele não é questão de “se” alguém vai traí-lo, é uma questão apenas de oportunidade, de “quando” isso acontecerá.

Daí uma das razões do ciúme e da possessividade. O ciúme também vem da necessidade de controle e de possuir o outro, imiscuindo-se em sua vida da forma mais profunda e inequívoca possível. Essa vontade de controle e de poder não se aplica somente aos relacionamentos, é uma constante na vida. Escorpião, afinal é o signo do PODER! Poder que vem, muitas vezes, da negação de si mesmo e da própria vontade – porque a dele é de aço! É também capaz de grande CRUELDADE, CINISMO e SARCASMO e nem espere pedido de desculpas, porque se ele fez, está feito, não tem retorno, não tem arrependimentos. Pode ser profundamente egoísta e quando negativo torna-se um vampiro sádico que se alimenta do viço daqueles com quem convive. Porque se ele é capaz de gestos grandiosos e compassivos, também pode ser terrivelmente mesquinho, de propósito, porque tem capacidade de ler onde a estocada vai doer mais, onde reside o ponto mais fraco do seu oponente e exatamente aí, dar o golpe final. Seu grande poder de veneno pode tanto curar quanto destruir e ele está ciente disso, mas a forma como age, é mais forte que ele mesmo, é a sua natureza.

escorpio
Escorpião, o inseto – Reprodução

Isso nos lembra aquela fábula do sapo e o escorpião e que nos dá uma boa idéia de como este signo funciona: Um sapo e um escorpião se encontraram às margens de um rio profundo. Ambos precisavam atravessá-lo, mas só o sapo sabia nadar. O escorpião se aproximou dele, e pediu carona nas costas para atravessar o rio. O sapo relutou dizendo: “Não sou doido, se o carregar nas costas, você vai me dar uma picada e eu ficaria paralisado e morreria”. O escorpião ponderou: “Eu é que seria doido se fizesse isso porque também morreria porque não sei nadar”. O sapo, pensou e admitiu que o escorpião tinha razão, era lógico o que ele estava afirmando. Então deixou que ele subisse nas suas costas e começaram a travessia do rio. No meio dessa travessia o escorpião picou o sapo. Este, surpreso, ainda não paralisado, mas já sentindo o efeito da picada, perguntou indignado: “Por que você fez isso se sabe que também vai morrer?”. O escorpião respondeu “Fiz isso porque é da minha natureza”.

Scorpio-bonatti
Escorpião – Guido Bonatti – Wikimedia Commons

Assim é o escorpião, é a sua natureza. Ele pode sabotar tanto a você quanto a ele mesmo porque o instinto destrutivo é forte, assim como a capacidade para subterfúgios, manipulação e corrupção. A diferença é que quando escorpião se torna corrupto, ele o faz sem desculpas, de caso pensado. Não é alguém que se deixa seduzir e finge que foi “corrompido”. Não. Ele se corrompe de forma decidida, seja porque gosta de flertar com o perigo, seja pela vontade de poder, ou porque decidiu que seria assim.

Scorpius_constelacion
Ilustração da Constelação de Escorpão na Uranometria de Johann Bayer – Wikimedia Commons

Sua capacidade de entrega ao que faz é tão intensa que o torna obsessivo, só sossegando quando chega à raiz das coisas, ao núcleo do problema ou da situação que ele está tentando esmiuçar, portanto, nem tente esconder algo de Escorpião, porque é questão de tempo até que ele desvende o mistério. Aliás, às vezes ele nem precisa se esforçar muito, porque as coisas que lhe interessam saber tendem a “cair no colo” dele, de alguma forma misteriosa. Ele é venenoso e tão letal quanto o ferrão do inseto que lhe emprestou o nome. Por isso, não brinque com ele se não tiver igual poder de fogo, ou melhor, de veneno!

Para entender tentar melhor sua psicologia, vamos explorar alguns de seus mitos e figuras emblemáticas.

HerculesHidraGustaveMoreau
Hércule e a Hidra – Gustave Moreau – Reprodução

O mito mais conhecido relacionado a Escorpião é o oitavo dos 12 trabalhos de Hércules, aquele em que ele precisa matar a Hidra de Lerna, um monstro que tinha corpo de cachorro e nove cabeças, uma delas imortal. Seu veneno era tão letal que destruía toda a vida ao seu redor. Ela habitava um pântano fedorento e obscuro e aterrorizava a região. Era quase impossível destruir o monstro porque quando se cortava uma cabeça, três outras nasciam no lugar. Primeiro ele teve que fazer o monstro sair da caverna escura em que se escondia atirando flechas de fogo, enquanto segurava a respiração para não respirar seu veneno. Mesmo assim, ele estava quase perdendo a batalha quando lembrou-se dos conselhos de seu mestre: “nós nos elevamos ajoelhando-nos, conquistamos nos rendendo e ganhamos, desistindo”. Assim, ele ajoelhou-se e levantou a hidra por uma de suas cabeças, tirando-a da água e elevando-a no ar, em direção ao sol. Afastada da água a hidra perdeu sua força e poder e encolheu de tamanho, permitindo que Hércules cortasse suas cabeças e as cauterizasse e cortasse, especialmente, a principal delas. No seu lugar surgiu uma jóia preciosa que ele enterrou debaixo de uma rocha. Da mesma forma, Escorpião precisa trazer à luz da consciência os conteúdos virulentos e obscuros do inconsciente pessoal e às vezes, familiar e coletivo. Se ele não faz isso, essa energia inconsciente e putrefata o envenena, intoxicando também a tudo o que ele toca. quando decide enfrentar o monstro, o resultado é a jóia preciosa da consciência e do domínio de mais uma parcela de si mesmo. (3)

medusa
Medusa – Caravaggio – Reprodução

Outro não menos importante é o mito de Medusa (novamente, os parágrafos em itálico são um resumo do capítulo de Escorpião do Livro A Astrologia do Destino). Havia três Górgonas chamadas Esteno, Euríale e Medusa, elas eram três belas irmãs. Uma noite Medusa se deitou com Poseidon no templo de Atena, que ficou ultrajada pela audácia de profanarem seu templo, transformando Medusa num monstro alado, de olhos petrificantes, dentes pontiagudos, língua saliente, garras agudas e serpentes no lugar de cabelos. Em outra versão do mito diz-se que na verdade Poseidon a violentou e que o olhar petrificante dela era na verdade o ultraje e o horror da experiência. Liz Greene diz que independente da versão “estamos de volta ao tema escorpiônico do estupro e da sexualidade ofendida. Eu diria também, a deusa resolve punir apenas o feminino, que representa, novamente, os  instintos. Se a feiúra de Medusa foi resultado de uma Atena ultrajada ou do espírito feminino ultrajado, eles são, de muitas formas, a mesma coisa, pois Atena, a deusa virgem que é a sabedoria de Zeus é uma imagem do julgamento contra o comportamento não civilizado. A face de Medusa é um retrato da do ódio e raiva feminina e seu efeito sobre qualquer um que ocorra de olhar para ela é paralisia”.

perseu
Desconheço o Autor – Reprodução

A Perseu coube matar Medusa, do contrário sua própria mãe seria obrigada a casar-se com o Rei Polydectes. Aqui, diz Greene, “temos o motivo da redenção de uma figura feminina conquistando outra, sombria. Mas as duas, em essência, são a Mãe, a Mãe Sombria. E a mãe pessoal só poderá ser redimida se a arquetípica for confrontada”. Ela continua dizendo que é comum que no caso de um homem, a herança da raiva e amargura inconsciente da mãe macule sua própria alma interior, a imagem da sua ânima, assim, ele carrega o ódio por ela. Portanto, é importante redimir não só a própria mãe, mas também a ânima.

Para conseguir aniquilar Medusa Perseus recebeu conselhos e presentes de vários deuses: Atena lhe deu um escudo super polido e lhe advertiu para nunca olhar diretamente para ela. O escudo-espelho nos remete à idéia da capacidade de reflexão e de pensamento simbólico. Hermes lhe deu uma foice especial pra  cortar-lhe a cabeça, uma par de sandálias aladas e uma sacola mágica para guardar a cabeça depois. Hades lhe deu um capcete de invisibilidade. Para conseguir tudo isso e descobrir o caminho para Medusa, ele teve que visitar as três Velhas Graiai, que dividiam entre si um único olho e um único dente. Outra versão das Moiras, ou seja, ele está nas mãos do Destino, e a tarefa é Deo Concedente, como diriam os alquimistas, ou seja, é da vontade do Deus. Seguindo estes conselhos e usando os objetos mágicos Perseus então matou Medusa. Do corpo dela saiu Pegasus, que era o fruto da união de Medusa e Poseidon, mas por causa de seu ódio ela não tinha conseguido dar à luz. Assim Perseus libera não só a ele, mas a ela também. Pegasus  era um cavalo alado, simbolizando uma criatura da terra que tem o poder de ascender às alturas celestiais. A cabeça de Medusa, Perseus guardou na sacola mágica pra usar depois contra seus inimigos.

pegaus
Pegasus – Desconheço o Autor – Reprodução

Greene diz que tanto Medusa quando a Hidra simbolizam a mesma coisa, a destrutividade com a qual Escorpião tem que lidar. Ela só pode ser decapitada pelo poder da reflexão pois se se olhar diretamente para ela, ou para a própria sombra e escuridão, fica-se petrificado, que é quando se chega aos estados psicóticos. “A luta com o dragão ou com o monstro é outro motivo universal nos mitos e é particularmente relevante para Escorpião, que deve confrontar em talvez maior profundidade essa face reptiliana da vida instintiva com seu poder destrutivo e terrificante”, afirma Greene.

rembrandt
Fausto – Rembrandt – Reprodução

No capítulo sobre Escorpião Liz Greene lembra ainda a estória de Fausto, um mito recontado magistralmente por Goethe, que tinha, ele mesmo, Escorpião no Ascendente. Fausto era um médico comum e obscuro, que tinha anseios de prestigio e sede de poder, riqueza e reconhecimento. Fausto faz um pacto de sangue com Mefistófeles: em troca de seus desejos de poder mundano, Mefistófeles terá sua alma. E ele segue conquistando e conseguindo tudo o que ambicionava. Mas o tempo vai passando. Goethe foca no egoísmo de Fausto, que é a porta de entrada para Mefistófeles, o espírito da negação, aquele que murcha toda a inocência. Ocorre que Fausto negou a Deus, desprezando-o. Essa atitude do cinismo e da negação da vida é um dos males que Escorpião tem que combater dentro de si mesmo. Às vezes, nem ele mesmo percebe ou está consciente dessa negatividade destrutiva da vida.  “É como uma apatia, um tipo de depressão, uma convicção de que, em ultima análise, nada vai funcionar; e geralmente se origina do desespero da infância e da sensibilidade peculiar ao lado sombrio da psique que Escorpião possui desde muito jovem”. A barganha de Fausto com Mefistófeles é a de que ele poderá levar sua alma se ele tentar, em qualquer momento, parar a vida e agarrar-se ao momento presente ao invés de permitir a mudança e o fluxo da vida. Isso tem a ver com a fixidez de Escorpião, que geralmente tenta possuir algo bonito e prazeroso ao invés de deixar a vida fluir. Daí nasce realmente a possessividade e o ciúme de Escorpião.

Dr-Faustus
Dr. Fausto encenado no Teatro Shakeaspere em Londres – Reprodução

Greene continua: “no fim do poema Fausto quase pronuncia as palavras fatais, mas seu espírito inquieto o salva e embora ele tenha sujado suas mãos e se corrompido, este é um aspecto necessário de sua busca não apenas por poder, mas pela iluminação e pelo amor. Portanto, ele é perdoado”. Ela diz que este negócio entre Fausto e Mefistófeles é um retrato vívido do conflito intrínseco a Escorpião, que, a despeito de sua suscetibilidade ao orgulho e ao egoísmo, seu cinismo e sede de poder, ainda assim, ele não para de aspirar à experiência do Amor, que é a sua redenção.  

A sombra deve ser confrontada pelo espírito humano e é em Escorpião que essa batalha se dá de forma mais fatídica e decisiva. Escorpião, ao olhar e lidar com todos estes materiais sombrias, em si mesmo e no coletivo, redime não só a si e à sua anima, mas traz à tona conteúdos ancestrais que precisam ser purgados e purificados, para que uma transmutação possa ocorrer. Em algumas situações, talvez ele se corrompa no processo, mas o pecado maior de todos é o cinismo e o ódio à vida, assim como o ódio a si mesmo. Ele tem que aprender a viver com essas imagens monstruosas, não só dentro de si, mas aonde quer que vá. A contradição maior é que suas sublimes aspirações de amor, que podem levar a esse ódio da vida, e sua poderosa sensualidade são complicados de se conciliar. Mas se originam do mesmo núcleo misterioso, metade sexualidade e metade espiritualidade; é uma combinação de eroticismo espiritualizado ou espiritualidade erotizada, mas que não é fácil de ser vivenciada e que normalmente Escorpião reprime uma para vivenciar a outra. A Casa oito, a casa natural de Escorpião é a casa do sexo no horóscopo, assim como é a casa da morte e das investigações metafísicas. Parece contraditório, mas não é. Porque no sexo, quando há entrega total, o que se busca é eliminar a separatividade através da fusão completa e voltar à unidade com Deus, eliminar a sensação da solidão e do vazio; e no orgasmo, já diziam os franceses, ocorre uma “pequena morte”, porque por frações de segundos, o ego deixa de existir e alça alturas só possíveis no êxtase, seja sexual ou religioso. Se Escorpião for capaz de olhar para si mesmo – ele analisa a todo mundo, menos a si próprio, sendo este um dos seus piores pecados – com honestidade sem se perder no cinismo e no desespero, ele pode achar caminhos dignos e luminosos de conciliar sua busca pelo sublime, pelo amor e sua sensualidade poderosa e transformadora.

008-escorpiao
Escorpião – Johfra Bosschart – Reprodução

 Figuras e motivos arquetípicos

O alquimista; O curador potente; O cirurgião ; O assassino; O Mago Negro; O sobrevivente; O Lobo solitário; Metamorfoses dramáticas; O Reciclador

A sombra de Escorpião é algo complicado de se falar, sendo ele um signo já bastante sombrio. Mas obviamente tem a ver com Touro, seu oposto complementar. Como diz Frank Clifford, “o maior de todos os mistérios é ele mesmo. Ele evita a auto-análise, recusando-se patologicamente a questionar suas motivações subjacentes. Ao contrário, ele permanece na zona de conforto, livre dos riscos e da imaginação, focando somente no físico e no sexual, adquirindo posses e acumulando riquezas. Com medo da sua própria co-dependência e dos impulsos que espreitam abaixo da superfície. O Escorpião vampiresco é desdenhoso das fraquezas alheias e usa intimidação para controlar e manipular os outros”

luna
Ilustração Medieval – Reprodução

Meditação de Escorpião

Esta meditação é tirada do oráculo do Osho: fique sentada(o), braços apoiados nas pernas com as palmas das mãos viradas para baixo, feche os olhos, respire calmamente algumas vezes e pense na intenção deste exercício. A intenção é DEIXANDO IR (aquilo que você precisa se libertar – pensamentos, pessoas, objetos, situações).

E agora veja, sinta ou faça de conta que tem aprisionada em suas mãos a imagem daquilo a que está apegado. Respire uma vez e solte, desprenda, desapegue-se disso, vendo ou fazendo de conta que vê esta imagem se diluir, se desfazer, desaparecer nas profundas águas do Universo. Olhe então para as palmas das suas mãos e imagine uma miríade de pontos de luz com milhões de novas possibilidades para você e sua vida. Então, sentido-se completamente livre, respire e abra os olhos. Se quiser, escreva ou faça alguma arte – ou apenas medite e guaarde para você, como faria Escorpião.

Música para Escorpião

Fontes consultadas

(1) http://www.antroposofy.com.br/wordpress/as-doze-noites-santas-6a-noite-santa-constelacao-de-libra/

(2) Sue Tompkins – the Astrologer’s Handbook

(3) Howard Sasportas – AS 12 Casas

(4) Liz Greene – A Astrologia do Destino

(5) Frank Clifford – Getting to the Heart of your Chart