Arquivo da tag: rupturas

Lua Nova em Libra – Abra portas e janelas!

Reprodução

A Lua Nova de hoje (19 de outubro de 2017, 17h13min para Brasília e 19h13min para Lisboa) anuncia um novo ciclo de muitas surpresas, notícias e acontecimentos inesperados, guinadas repentinas nas decisões e atitudes, possibilidade de rupturas diversas e necessidade de renovação e de recorrermos à nossa inventividade, mais do que nunca! Isso vale para a vida de um modo geral, mas principalmente para os relacionamentos amorosos e parcerias de negócios.

Desconheço o autor – reprodução

O ciclo de Libra sinaliza um período do ano em que precisamos nos concentrar mais nas nossas relações, de sair um pouco de nós mesmos e focarmos na alteridade; um período de maior busca de equilíbrio nas trocas e nas relações laterais, entre iguais. E Libra é um signo que vê as relações de forma muito civilizada, sem grudes, sem excessos de emocionalismos, sem derramamento exagerado de sentimentos. Não é sobre amor ou sentimentos, é sobre equidade, parceria, lateralidade; sobre como lidar com quem está ao meu lado – nem na minha frente, nem atrás, nem acima, nem abaixo, mas ao lado: um outro igual a mim.

Lua Nova em Libra – Brasília, 19 de outubro de 2017, 16h13min.

No mapa desta lunação, vemos Lua e Sol a 26°35’ de Libra, em oposição exata – apenas a três minutos de distância do aspecto partil – a Urano, que está retrógrado a 26°31’ de Áries. Lua e Sol acabaram de fazer o aspecto exato e, embora muito próximos ainda, já estão se separando dele. Lua e sol também se separam de um sextil a Saturno em Sagitário e ainda fazem sesqui-quadratura a Netuno e quincôncio a Quíron, ambos em Peixes – o único aspecto aplicativo, que ainda vai acontecer é a sesqui-quadratura a Netuno. Estes aspectos separativos nos sugerem que estamos num momento/ciclo de despertar para nossas verdades relacionais e de enxergarmos com mais nitidez e lucidez (Urano) as nossas dinâmicas afetivas (Libra); de nos responsabilizarmos pelas relações que atraímos e criamos (Saturno); e como as experiências difíceis, feridas e mágoas anteriores impactam nas nossas expectativas futuras e no nosso modo de viver as relações (Quíron). É um ciclo que traz uma iluminação, uma clareza maior sobre tais dinâmicas e nos convida a viver tais relações de forma mais independente, algo que já estava sendo gritado na Lua Cheia de Áries, de duas semanas atrás. O aspecto a Netuno, que ainda vai acontecer traz um alerta: lá à frente haverá um confronto entre essa nova consciência, já adquirida, sobre nossas recém conquistadas liberdade e independência e todo o anseio pela simbiose e fusão redentoras (Netuno), um desejo por voltar ao passado de inconsciência, de não ter que decidir ou escolher por nós mesmos, esperando que outros o façam por nós.

Portanto, este é um ciclo de termos muita clareza sobre nossas intenções acerca da nossa vida amorosa e das parcerias. Que tipo de relações queremos viver em nossa vida e estimular no nosso entorno? Esta lunação clama por consciência, por desenvolvermos esta nova consciência, novos modelos e formas de nos relacionarmos; de superarmos os modelos “certinhos” e adequados; de pararmos de procurar a pessoa “certa”, o homem/mulher/parceiro “ideais” para nós e começarmos a nos relacionar com as pessoas de verdade que cruzam nosso caminho, com todas as suas idiossincrasias e esquisitices, uma vez que nós também temos as nossas! Estes modelos relacionais que funcionavam antes, já não estão funcionando mais. Desde que Plutão entrou em Capricórnio em 2008 e Urano em Áries em 2010, estes “modelos” relacionais estão sendo questionados, de forma ampla e irrestrita, questionamentos simbolizados pela oposição de Urano e pela quadratura de Plutão a Libra, desde as datas mencionadas. E cada vez que uma lunação ocorre em aspecto com estes planetas, esses questionamentos e discussões ficam potencializados.

Reprodução

Este ciclo vem nos convidar a plantar novas sementes relacionais. Sementes que rompam com as expectativas esperadas, que ousem ser diferentes e aceitar o diferente, em nós e no outro. Vem nos convidar a lançar intenções que sejam mais fidedignas com aquilo que somos verdadeiramente, com a nossa natureza pessoal e menos focadas nas expectativas sociais de como devemos viver nossa vida amorosa/afetiva. Para quem está num relacionamento duradouro, de qualquer tipo, é hora de abrir as portas e janelas para ventilar a relação, para tirar a umidade e espantar o bolor acumulado; é hora de nos questionarmos, honestamente, o quanto estamos felizes e satisfeitos e encarar a verdade, qualquer que seja ela, sejam os problemas relacionados conosco mesmos ou com o outro; é hora de lembrar-nos de quem somos, individualmente e do quanto temos nutrido nossa individualidade ou o quanto a relação pode ter embotado tal individualidade – provavelmente por acomodação nossa mesmo. Em termos bem práticos, é um momento em que os casais precisam de mais espaço e liberdade, de sair da rotina automática e esperada, de fazer programas diferentes, juntos ou separados; de nutrirem-se como indivíduos, para voltarem para a relação cheios de surpresas, de novidades, de estímulos, de novo ânimo – uma individualidade enriquecida e interessante é essencial para que a relação continue saudável. Quem se recusar a abrir as janelas e portas, poderá ter que lidar com surpresas desagradáveis: o vendaval virá e arrancará portas, janelas, o teto, a casa inteira! É quando nos surpreendemos com a traição do outro, com a ruptura anunciada pelo outro – rupturas, aliás, estão muito favorecidas neste ciclo! Dessa forma, é melhor mesmo abrir as portas e janelas da casa,  da relação, da alma, da vida e convidar o vento a varrer tudo o que está embolorado e estagnado e ventilar o que precisa ser ventilado! Tenhamos coragem, o vento só vai levar o que não tem mais a ver com a nossa verdade!

Vênus, regente da Lua Nova, está bem isolada, sem fazer aspectos a outros planetas. O último aspecto que fez foi exatamente um quincôncio a Urano, quando ainda estava em Virgem. Esse isolamento sugere cautela, porque há inconstância na expressão dos afetos e desejos – ora queremos e somos efusivos, ora não estamos nem aí e nem nos importamos e essa oscilação deixa aos outros e a nós mesmos confusos e denota uma desconexão dos desejos e valores mais profundos. Assim, é essencial, nos momentos de dúvidas, em que não sabemos o que/como escolher, nos voltarmos para dentro e identificar quais são nossos valores básicos e se os mesmos ainda são válidos.

De modo mais geral, este é um ciclo de muita inconstância nos propósitos e nos humores. Há forte tendência a radicalismos, intolerância, notícias chocantes – a respeito das relações, como também a respeito das questões relacionadas à arte e à estética e aos conceitos de justiça e de equilíbrio – lá vem mais polêmica! Mas é também um ciclo de muita inovação, de buscar experimentações que revigorem nossa vida e nos façam renovar a vontade de viver, de nos sentir presentes no mundo, ocupando nosso espaço de direito, nos afirmando, afirmando nossa individualidade sem temor (Marte puxa uma formação de Locomotiva) e vivendo nossos propósitos pessoais e nossas relações de forma mais transparente e mais genuína.

E você, quais são suas intenções para este ciclo? Que tipo de relações deseja criar e viver? Que projetos pode visionar que trarão mais entusiasmo, inovação, estimulo para sua vida? Onde precisa renovar seus gostos estéticos? Onde precisa ter mais ousadia, talvez até chocar um pouco? Onde precisa dar uma “sacudida” para espantar a poeira e o bolor da estagnação e da previsibilidade? Pense nisso e lance suas intenções!

Feliz Lua Nova, feliz Novo Ciclo para você!

Lua Nova e Eclipse Total do Sol em Leão – A soma de todos os medos?

Reprodução

O eclipse que acontece neste dia 21 de agosto está causando muito frisson e rebuliço nas comunidades astrológica e astronômica, por vários motivos. O frisson na comunidade astronômica é devido ao fato de o eclipse ser totalmente visível nos Estados Unidos, sendo o primeiro eclipse total visível em 99 anos naquele país (tanto que já se diz que vai ser o pedido de férias e folga mais popular na história). Já para os astrólogos, o alvoroço se dá, principalmente, porque o eclipse cai em conjunção ao Marte e ao ASC do presidente americano, Donald Trump, um presidente que, todos sabem, é bastante controverso, para dizer pouco. Os sensacionalistas de plantão já prenunciam o fim do mundo (de novo)!

Reprodução

Sabemos que estamos vivendo tempos nervosos e tensos na política e economia mundiais e, desde que o presidente Trump assumiu, o conflito com a Coreia do Norte tem escalado a níveis realmente perigosos, a ponto de a Coreia ameaçar dizendo que uma guerra termonuclear poderia começar a qualquer momento – e ali, sabemos, os dois presidentes são duas crianças grandes competindo para ver quem tem o carrinho maior – “só Jesus na causa!”. E para perceber este clima, nem precisamos de eclipses para que se instale o medo e o pânico. A ocorrência de um eclipse apenas adiciona mais tensão. Ninguém é ingênuo e todos sabemos que os riscos são altos, mas o que podemos fazer? O que o eclipse prenuncia? Embora eclipses muitas vezes tragam augúrios de desastres e cataclismos, além de prenúncios de conflitos, não vale a pena entrarmos em pânico e o pior que podemos fazer é nos permitir ser tomados pelo medo. Vamos ver, então, do que trata este eclipse? (Para entender a dinâmica e significados gerais de eclipses, leia este artigo).

Galeria do Meteorito – http://www.galeriadometeorito.com/2017/08/horarios-do-eclipse-solar-21-agosto-2017-no-brasil.html – Reprodução

Primeiro vamos à visibilidade e aos dados técnicos. O eclipse será visível em todos os Estados Unidos, numa linha que corta o país de Oeste a Leste, na região central do país, na América Central e Norte da América do Sul. O eclipse também será visível parcialmente no Brasil e ao lado você tem uma tabela com as cidades e horários em que será visível (tirado do site Galeria do Meteorito) (1). A Lua Nova ocorre às 15h30 min no horário de Brasília e às 18h30min no horário de Lisboa. Já o eclipse tem seu pico às 15h26min (18h26min para Lisboa).

Fonte: Nasa

Segundo, vamos falar da Série Saros 145, à qual pertence o eclipse do dia 21. Este eclipse é o membro 22, de uma família de 77 eclipses. A série nasceu em 04 de janeiro de 1639, às 04h56min, no Polo Norte e se desloca em direção ao Sul. Todos os eclipses ocorrem no Nodo Norte, sugerindo que esta família trabalha a tomada de consciência, a sintonização com nossos propósitos maiores e com o dharma. O último eclipse da série ocorre no Polo Sul, em 18 de abril do ano 3009, portanto, a série dura 1.370 anos (2).

Série Saros 145 – 04/01/1639 – Polo Norte – Aqui o mapa está levantado para Brasília.

No mapa natal da série 145 vemos Lua e Sol estão a 13 de Capricórnio; Vênus está totalmente sem aspectos e Urano está também virtualmente sem aspectos, fazendo apenas um quincôncio a Plutão; há uma conjunção Júpiter-Netuno em Escorpião oposição a Plutão em Touro e Júpiter está no Ponto Médio exato entre Urano e o Nodo Norte – e Plutão oposto a este ponto; Vênus está no Ponto Médio entre Júpiter e Saturno; Marte quadra o Ponto Médio entre a Lua Nova e Netuno. Além disso, Saturno está em quadratura a Quíron, tal como o trânsito atual entre os dois, com a diferença de que essa quadratura na Série 145 é fixa. Bernadette Brady (3), astróloga pesquisadora de eclipses, fala o seguinte sobre esta série: “Eventos inesperados envolvendo amigos ou grupos coloca uma grande pressão nas relações pessoais. Essas questões relacionais podem avultar-se se o eclipse afetar o mapa individual. O indivíduo será sábio se não tomar decisões precipitadas, uma vez que as informações podem ser distorcidas ou possivelmente falsas. O eclipse também tem uma qualidade de cansaço ou problemas de saúde atrelados a ele”.

Adam Martinakis – reprodução

Então, vemos que Urano tem papel de destaque nessa série, o que faz com que ela seja carregada de imprevisibilidade e uma qualidade bastante caótica, adicionando à sensação de descontrole normalmente associada aos eclipses em geral . As relações também são fortemente impactadas, já que Vênus está sem aspectos e ainda é Ponto Médio entre Júpiter e Saturno, um aspecto que sugere falta de estabilidade e durabilidade nas relações e mudança de sorte no amor. E somando tudo isso ao que Brady diz, vemos que em termos individuais, esta família de eclipses tem grande impacto sobre as relações pessoais, um impacto geralmente negativo, devido à pressão que gera.

Lua Nova e Eclipse Solar em Leão – Brasília, 21 de agosto de 2017, 15h30min

Já o mapa do eclipse atual traz a conjunção Sol-Lua a 28°52’ de Leão, em ampla conjunção a Marte, que está no grau 20. O Sol, que é o regente de Leão, está sendo eclipsado. Isso sugere um momento em que a consciência fica turvada e encoberta pelos sentimentos e emoções (Lua), levando a alguns descontroles e situações caóticas. Como o Sol também representa lideranças, reis e presidentes, esse é também um período delicado para lideranças e autoridades em geral, especialmente se tais indivíduos têm planetas ou ângulos aspectados pelo eclipse – pessoas com ângulos e planetas nos signos fixos (Touro, Leão, Escorpião e Aquário) são mais afetadas. Mas esse momento de escuridão também propicia entrarmos em contato mais íntimo e profundo com a alma, exatamente porque o ego e a consciência estão eclipsados. E, na escuridão profunda da alma, podemos encontrar a luz interior, a luz pulsante e fulgurante do coração (Leão), que poderá iluminar as sombras que nos amedrontam, que poderá iluminar nossos conteúdos misteriosos e obscuros, para integrarmos mais um pouco desse lado inconsciente. Claro, para isso, precisamos estar centrados e inteiros em nós mesmos, para não espiralarmos no caos vibratório coletivo – lembre-se que a consciência está em apagão!

Reprodução

Leão é um signo de liderança, realeza, de coragem e de realização dos nossos potenciais criativos; é um signo de viver os valores do coração, de forma íntegra, honrada, nobre! É também o signo de viver a alegria plena. A Lua Nova sinaliza um tempo de semeaduras, de plantar novos projetos e ações e quando se trata de um eclipse, essa Lua Nova fica mais potente. Kelly Surtees (4), astróloga australiana, aponta que Marte conjunto a essa Lua Nova sinaliza um momento de entrar em ação e começar novos projetos naquela área de vida representada pela casa em que o eclipse cai no mapa natal, começar e avançar, derrubando barreiras antigas, que antes nos bloqueavam. A conjunção a Marte, ela lembra, indica um momento de sermos corajosos, ousados, destemidos. Marte em Leão é nobre e honrado, corajoso e vigoroso e nos incita e enche de uma nova energia para ir atrás de concretizar nossos propósitos mais nobres.

Reprodução

Como já mencionado acima, um dado muito importante é que os eclipses desta série ocorrem em conjunção ao Nodo Norte (o eclipse lunar do dia 07/08 aconteceu conjunto ao Nodo Sul), e com este não é diferente e isso grita alto para deixarmos o passado para trás, para rompermos com o comodismo, com aquilo que nos segura e avançarmos na direção dos nossos propósitos maiores. Outra coisa, o Nodo Norte está no Ponto Médio exato entre a Lua Nova e Marte e, somado ao fato de a Lua estar conjunta a Marte, vemos que é mesmo um momento de avanço. Ebertin (5) fala sobre esse Ponto Médio “cooperação vigorosa e energética com outras pessoas; uma associação de mulheres, uma organização que consiste apenas de membros femininos” – considerando-se que eclipses solares favorecem muito ao feminino, este dado acima potencializa esses auspícios.

Reprodução

Outro dado notável é o Grande Trígono em Fogo (na verdade, três) formado por Marte-Lua-Sol em Leão, em trígono a Urano em Áries e a Saturno em Sagitário. Grande Trígono que vira uma Pipa, já que os planetas em Leão e Saturno estão também em sextil a Júpiter. Essa configuração traz a promessa de um diálogo, de uma colaboração entre o velho e o novo, entre a estabilidade e o progresso; e tais possibilidades são trazidas para o âmbito pessoal, porque temos não só Sol e Lua, mas também Marte, o planeta da ação envolvidos. Esse Grande Trígono traz esperança e acena com a construção de uma ponte que liga o passado ao futuro de forma harmoniosa. Agora, Grandes Trígonos são preguiçosos. Representam potenciais latentes, que precisam de atitude para serem manifestados e como é Júpiter o foco da Pipa, isso requer mais atenção, porque Júpiter é um planeta benéfico, mas um tanto bonachão e também indolente – se bem que a oposição a Urano faz ele se mexer, e muito! O fato é que há muitas possibilidades e oportunidades em aberto, mas elas não serão dadas assim, de graça – será necessário algum esforço para conseguirmos aproveitá-las. em tempo: Grandes Trígonos têm uma energia ambivalente em tempos de tensão. Eles permitem que a energia flua livremente, sem empecilhos e isso é crítico em cenários de conflitos ou desastres – mais um motivo para elevarmos nossa vibração!

Reprodução

E não se engane! Há tensões também! Começando pela T-Square Cardinal formada pela oposição Vênus-Plutão, que desemboca em Júpiter. Em termos mundiais, essa T-Square fala de ameaças à diplomacia, já que Vênus é o planeta da conciliação e dos acordos e aqui está bastante belicosa, atrás do Sol, oposta ao Deus dos Infernos, Plutão e quadrando Júpiter, que aumenta e exagera tudo, seja o bom ou o ruim. No plano individual, essa posição de Vênus ratifica o tema da Série Saros 145, que coloca pressão nas relações pessoais! Vênus também é foco de outra T-Square, que nasce da oposição entre Júpiter e Urano, dois planetas simbolizadores da liberdade e do progresso – Vênus em Câncer é apegada ao passado e aqui ela está encurralada e vai ter que deixar o passado para trás, preservar as boas memórias, mas mover-se para a frente!

O eclipse também ocorre em quadratura exata ao Plutão do mapa natal da Série 145, e Plutão em trânsito atual está em conjunção ampla à Lua Nova da SS 145. Com isso, temos acionado o o tema das transformações profundas na sombra coletiva, especificamente, na esfera da matéria, do dinheiro, dos bancos, assuntos relacionados a Touro e a Leão. Portanto, pode haver impactos importantes na economia mundial, no sistemas bancários e nas plutocracias.

Mercúrio estacionário em 05 de setembro de 2017, a 28°25′ de Leão

Algo que não podemos esquecer é que Mercúrio está retrógrado, assim como Saturno, Urano, Quíron, Netuno e Plutão. Carol Rushman, astróloga americana (6), afirma que quando um eclipse ocorre em períodos de Mercúrio retrógrado,  seus efeitos podem ser “retardados”, atrasados. O fato de os demais planetas estarem retrógrados também salientam a necessidade de tecermos reflexões profundos antes de fazermos as mudanças e alterações que precisamos fazer. É preciso revisitar o passado e nos certificarmos de tudo o que deve ficar lá, para não haver arrependimentos posteriores – a Lua Balsâmica em Câncer nos dias anteriores favorece bastante essa revisita! Mas daí, Mercúrio volta ao movimento direto no dia cinco de setembro! Em que grau? A 28° de Leão, o mesmo grau do eclipse! Ou seja, quando Mercúrio estacionar no dia cinco, ainda veremos muito rebuliço mundo afora e muitas das “promessas” do eclipse que tinham ficado retardadas, podem então se manifestar!

Mapa de dentro: EUA – mapa de fora: coreia do Norte

O eclipse, como já dito, faz conjunção ao Marte e ao ASC natais do presidente dos EUA; mas não somente! Cai também em oposição (felizmente ampla) a Marte no mapa de Kim Jong Un, presidente da Coreia do Norte; em conjunção ao Saturno natal da Coreia do Norte e em oposição à Lua dos EUA – quer dizer, a tensão é considerável – interessante notar que a Lua natal dos EUA está oposta ao Saturno natal da Coreia, e o Sol da Coreia em quadratura ao Marte dos EUA – não poderiam mesmo ser relações fáceis! Mas isso quer dizer guerra? Não dá para afirmar. O risco existe – e você nem precisa da Astrologia para lhe dizer isso! – mas com Urano presente, qualquer coisa pode acontecer! Eclipses também são famosos por simbolizarem fenômenos naturais, nem todos necessariamente desastrosos e, de toda forma, cataclismos fazem parte dos ciclos de criação e destruição da natureza, sempre existiram e provavelmente sempre vão existir! A vibração individual de cada um torna-se importante, perceber nossa responsabilidade pela atmosfera que criamos e ajudamos a proliferar! De que ajuda pode ser alguém que está em pânico? Nenhuma! Novamente: não vamos entrar no medo!

Reprodução

Primeiro, uma coisa que você precisa saber é que um eclipse não afeta a todos da mesma maneira. Ele simboliza mudanças e impacto maior na vida de indivíduos cujos mapas são aspectados por ele, leia-se, quando o eclipse faz aspectos a planetas pessoais, Sol, Lua, Mercúrio, Vênus, Marte e os ângulos, Ascendente, Meio do Céu, Descendente e Fundo do Céu. Essas pessoas são mais afetadas. Como? Depende do tipo de aspecto e da natureza do planeta, além da casa em que o eclipse cai (ao final veja uma descrição breve sobre o significado das casas e planetas) e as casas regidas pelo planeta aspectado. Alguns eclipses podem representar, na verdade, coisas bastante positivas. As outras pessoas cujos mapas não recebem aspectos do eclipse podem ser afetadas de modo mais indireto, dentro dos assuntos da casa em que o eclipse ocorre. E como lidar com o medo e esse estado nefasto de apreensão? Eu conversava sobre isso com uma colega e amiga, com quem costumo trocar ideias astrológicas, Sheba Remy e ela me lembrava de algo crucial: a melhor maneira de lidar com o medo é fitá-lo na cara, olhá-lo no fundo do olho, ou seja, encarar o medo, visualizar o pior dos cenários que o seu medo cria. Como você reagiria se o seu pior medo se realizasse? O que você poderia fazer? Há realmente algo que você poderia fazer? Como seria dali em diante? Olhe para isso, não fuja, não finja que não tem medo; olhe para ele, enfrente-o! O que poderia evitar que isso se realizasse? Está a seu alcance, sob seu controle? Então faça! Não está sob seu controle? Então, relaxe! Se não há nada que você possa fazer, por que ficar em desespero? O que tiver que acontecer, vai acontecer, independentemente da nossa vontade ou do que fizermos; o que fará diferença é nosso centramento interior – ou a falta dele. Olhe o medo no olho e prometa a si mesmo que não vai deixar que ele lhe consuma! Remy me dizia: “é parte da nossa conjuntura social e cultural fazer barganhas, se tivermos medo o bastante, se conspirarmos o suficiente com os pensamentos e vibrações mais baixas, então, talvez consigamos evitar o que está por vir”. O que é um ledo engano, porque o que tiver que ser, será, mas “se estivermos comprometidos energeticamente ou de outras maneiras por termos nos entregado demais ao medo, estaremos limitados na nossa resposta ao inevitável”, complementa ela. Portanto, encare o medo, mas NÃO deixe que lhe consuma, respire fundo e confie na vida! Tudo tem um propósito!

E para confrontar esse medo, comece por rememorar as datas abaixo. Revisite o passado. Primeiro, olhe o que estava acontecendo na sua vida por volta de 22 de agosto de 1998, a última vez que houve um eclipse total do Sol neste grau de Leão… Lembrou? Não é só isso! Relembre também o que se passava na data de 11 de agosto de 1999, que foi a última vez que tivemos um eclipse da Série Saros 145. Os acontecimentos desses períodos dão pistas sobre o que você pode esperar nos próximos dias, sobre os temas e os assuntos que este eclipse movimenta e que serão trabalhados nos próximos meses na sua vida. Você acha mesmo que precisa ter medo?

Veja em que área do seu mapa natal ocorre este eclipse e o do dia 07/08 e veja quais aspectos ele faz e o que isso significa para VOCÊ! Agende uma consulta comigo: psicologica.astrologia@gmail.com 

Os efeitos deste eclipse terão duração de cinco anos e aproximadamente quatro meses. Isso porque o eclipse vai ter uma duração total de 5 horas e 18 minutos, cada hora corresponde a um ano e cada cinco minutos corresponde a um mês. Essa equivalência é dada pela estudiosa de eclipses Christine Arens, astróloga americana (7). Claro, os efeitos mais intensos são percebidos nas semanas próximas ao eclipse e nos seis meses seguintes, até que a próxima temporada de eclipses ocorra. Conforme o tempo passa, esses efeitos vão se desvanecendo.

Victor Nizovtsev – Reprodução

E o que diz o Símbolo Sabiano do grau 29 de Leão (28°52’)? “Uma sereia emerge das ondas do oceano, pronta para renascer na forma humana”. Dane Rudhyar (8), estudioso dos Símbolos Sabianos, nos diz que a nota-chave deste símbolo é “o estágio em que um sentimento intenso – a intuição que se eleva do inconsciente está prestes a assumir a forma como um pensamento consciente”. Ele nos lembra que a sereia simboliza um estágio de consciência ainda não completamente perceptível, parcialmente envolvido pelo oceano, evasivo do inconsciente coletivo, mas já meio formulado pela mente consciente, um estágio familiar a artistas, criativos e pensadores em geral – o que faremos com esta intuição? Rudhyar diz que este símbolo “sugere que o fogo do desejo, pela forma concreta e estável, queima na raiz de todas as técnicas de auto expressão. Uma energia arquetípica inconsciente está chegando à consciência através do criador, como o amor cósmico busca uma manifestação tangível através dos amantes humanos. Todo o universo pré-humano chega ansiosamente ao estágio humano de clara e estável consciência. É este grande impulso evolutivo, este elan vital, que está implícito neste símbolo da encarnação humana que procura a sereia: o anseio pela forma consciente e por solidez”.

Reprodução

O que isso vem nos dizer? Vem salientar esse foco de luz interior que pode advir da total escuridão parcial do ego; vem nos dizer de um momento mágico, em que uma nova consciência está por nascer; um novo impulso criativo e evolutivo que se manifesta, mas, para que tal impulso se manifeste concretamente, precisa deixar a forma antiga da sereia (o passado ingênuo) para trás. Assim, este símbolo vem ressaltar a qualidade do novo que o eclipse traz, a qualidade de uma nova consciência, que também é simbolizada pelo Grande Trígono Sol-Lua-Marte com Saturno e Urano.

Reprodução

Resumindo: eclipses são eventos que simbolizam e que podem trazer no seu bojo eventos grandiosos, entre eles, cataclismos e conflitos, mas principalmente, representam o fim de um ciclo e o início de outro; eclipses solares representam um momento de lançar novas sementes e novos projetos, naquela área de vida representada pela casa em que ocorre no mapa natal. Esta família de eclipses sugere a ocorrência de eventos inesperados que afetam grandemente as relações pessoais, particularmente as afetivas, tema repetido no mapa do eclipse atual. Portanto, este eclipse sugere um momento importante de ruptura com o passado, especialmente na esfera das relações, e de se abrir para novas possibilidades e novas maneiras de agir e de se afirmar no mundo! Contudo, é preciso cautela para termos ciência de que estamos tomando as decisões e atitudes certas – nada de agir com precipitação, no calor do momento! Outra coisa a ser evitada é resvalar no medo, no pânico e no sensacionalismo! Enfrentar os medos e permanecer centrado é uma forma de não espiralar no caos.

Reprodução

Assim, aproveitemos a energia deste eclipse para romper com o passado e seus padrões repetitivos definitivamente, depois de termos refletido e avaliado o que precisa ser deixado para trás – não se preocupe, isso vai ser esfregado na sua cara! Tomemos posse da forte vibração de mudança e novos começos e dessa consciência e intuição incipientes, que começam a se mostrar para nós, mas que só serão manifestadas se as agarrarmos de forma decidida. Lancemos nossas intenções de mudança e transformação de vida! E, respondendo à pergunta do título, podemos até ter uma somatória de medos, que poderá crescer e virar pânico generalizado, mas não precisa ser assim! Não, não tenhamos medo! Antes, vigiemos e oremos e nos sintonizemos com vibrações elevadas, para estarmos prontos para o que quer que seja exigido de nós! Confiemos! O eclipse ocorre conjunto a Marte, o guerreiro, então, acionemos o guerreiro, nobre, corajoso e leal que há em nós. E vamos em frente!

Abaixo segue algumas dicas práticas e simples que podem ajudar a navegar as emoções dos próximos dias. Logo depois tem os significados do eclipse em aspecto aos planetas pessoais (não vou responder sobre os demais planetas) e por fim, sobre as casas.

Shutterstock – Reprodução

O que você pode fazer:

  • Meditação, Yoga, exercícios de ancoragem e enraizamento ou quaisquer outras práticas que lhe tragam serenidade e centramento;
  • Permanecer centrado, com atenção plena no aqui e agora;
  • Exercícios de respiração profunda que propiciem centramento
  • Andar descalça/o na terra também ajuda a descarregar a tensão e aterrar as energias;
  • Florais, como o Rescue, que nem precisa de prescrição;
  • Evitar álcool e substâncias entorpecentes durante estes dias – já estamos meio fora do eixo, essas substância tiram a consciência e o centramento quando mais precisamos deles;
  • Diminuir/evitar a cafeína (presente no café, chá preto, refrigerantes cola e energéticos); a cafeína é um estimulante potente e dependendo da quantidade, pode gerar ou aumentar a ansiedade;
  • Usar cristais de aterramento e proteção: turmalina negra, quartzo fumê, pedra boji, olho de gato, galena, magnetita. E contra o medo: calcita laranja, amazonita, ágata musgo, caraíta, quiastolita (pedra da cruz).
  • E por último, como diz Bernadette Brady, essa família de eclipses também tem efeitos sobre a saúde. O grau 29 (28°52’) de Leão rege o Septo atrioventricular, a parede muscular que divide o coração, portanto, pessoas que têm problemas cardíacos ou histórico de doenças cardíacas na família, são aconselhadas a se cuidarem mais e a ficarem atentas.

Abaixo os significados do eclipse em aspecto com planetas pessoais. Para saber em qual casa e quais planetas recebem aspectos do eclipse, levante seu mapa em www.astro.com; observe em que casa cai o final do signo de Leão, o grau 28; observe se existem planetas entre os graus 23 dos signos fixos (Touro, Leão, Escorpião e Aquário) e 03 dos signos mutáveis (Gêmeos, Virgem, Sagitário e Peixes). Quanto mais próximo o grau, mais forte a influência do eclipse

Sol – Afeta a vitalidade física, os propósitos pessoais, os homens como o pai, o marido, filhos homens, superiores; afeta o senso de eu e de identidade; auto expressão pessoal. Pode representar problemas de saúde, mudanças expressivas na identidade ou na relação com homens importantes na vida da pessoa.

Lua – Afeta a natureza e a realidade interior, os sentimentos e emoções, as respostas emocionais, as questões orgânicas do corpo (e ginecológicas para as mulheres); o inconsciente; as mulheres na sua vida, mãe, esposa, filhas, amigas. Instintos, hábitos, comportamentos, o lar e a residência. Pode representar mudanças importantes na relação com as mulheres ou na residência.

Mercúrio – Comunicação, estudos, conhecimentos, aprendizados, ideias e conceitos, processos intelectuais; irmãos, parentes próximos, vizinhanças, viagens curtas, trânsito, carros e veículos em geral. Pode significar o início de novos projetos de estudo ou ligados à comunicação/viagens.

Vênus – Relações afetivas, afetos, prazeres, senso de auto-estima e valor, dinheiro, ganhos, beleza, estilo, artes, expressão cultural. Pode significar um novo amor/romance.

Marte – Desejo, vontade, ação, realização, energia, sexualidade; também representa homens na sua vida, principalmente de envolvimento afetivo-sexual; pode significar aumento/diminuição significativo da energia e vitalidade; pode representar nova aventura sexual ou novas empreitadas de realização pessoal; requer muito cuidado, porque sendo planeta de ação, a energia pode se tornar bastante errática e perigosa.

Atentar para as casas regidas pelos planetas aspectados no mapa natal.

A tabelinha vai ajudar a relembrar os eclipses do ano e a influência na área de vida – veja o signo do Ascendente!

Veja os significados por casa no mapa natal:

Casa 1 – Casa angular e super importante onde o eclipse se faz notar de forma inquestionável, especialmente se conjunto ao Ascendente. Período de grande ênfase e destaque pessoal. A energia e o entusiasmo ficam acentuados e você se sente fazendo maior impacto no ambiente e no mundo em geral. Pode ser um bom período para fazer mudanças na aparência física. É um ciclo para se destacar e aparecer – se esse destaque é positivo ou negativo vai depender das ações e atividades desenvolvidas até aqui, assim como dos aspectos que o eclipse possa fazer a planetas natais.

Casa 2 – A ênfase aqui recai sobre os valores, sejam eles materiais ou imateriais. Finanças, posses, patrimônio material vêm para a linha de frente e “eventos” podem se precipitar ligados a ações passadas. Pode ser um bom período para reavaliar investimentos e a gestão dos recursos; para aprender uma nova habilidade que se transforme também em recurso e valor; especialmente para refletir sobre nossos valores mais essenciais e como eles influenciam nossas decisões e escolhas.

Casa 3 – O foco recai sobre estudos e aprendizados, que serão, ou não, estimulados e favorecidos, dependendo dos aspectos do eclipse. Comunicação, veículos, viagens curtas, viagens diárias para o trabalho e deslocamentos em geral também são influenciadas por estas energias. Irmãos e parentes próximos podem também se tornar foco da nossa atenção por diferentes motivos.

Casa 4 – Outra casa angular onde o eclipse tem maior ênfase. Assuntos ligados à família de origem, assim como à família formada pelo indivíduo. Mudança na relação com a figura paterna, que pode ter seu poder e autoridade ofuscados de alguma forma. A atenção é para os assuntos domésticos, do lar e da casa física em que se mora, assim como para a faceta mais íntima da vida privada. Reformas e mudanças na residência são possíveis.

Casa 5 – A criatividade e expressão pessoal recebem grande injeção de ânimo, assim como os romances e atividades de lazer e relaxamento. Filhos, como expressão mais óbvia de nossa criatividade também se tornam o centro das atenções, especialmente o filho mais velho; novas atividades criativas ficam favorecidas, como artes, danças, música, etc. Aconselhável ter cuidado com especulações e jogos de azar. E claro, se as manifestações são benéficas ou estressantes, depende das variáveis do eclipse.

Casa 6 – Trabalho diário, emprego, colegas de trabalho, relação com empregados e servidores, saúde, corpo, cotidiano, bichos de estimação… Todos estes assuntos ficam realçados com um eclipse solar nesta casa. É um momento de avaliar com seriedade a forma como cuidamos da saúde e especialmente avaliar o impacto de maus hábitos sobre ela, como fumar, por exemplo. Reorganização do local de trabalho assim como programas de reeducação alimentar ficam beneficiados.

Casa 7 – Outra casa angular. Todas as relações próximas ficam sob os holofotes, sejam parcerias afetivas ou de negócios, assim como amigos mais chegados e também os tais “inimigos declarados”. Propostas de casamento ou de sociedades são possíveis, assim como rupturas, dependendo de como o eclipse “conversa” com o resto do mapa e dos demais movimentos que estejam acontecendo neste mapa.

Casa 8 – Casa dos valores dos outros, da morte (não necessariamente literal) e renascimento, de crises, de impostos, seguros e heranças. E também do sexo como expressão da parceria íntima. Então todos estes assuntos podem demandar nossos cuidados e nosso tempo, trazendo benefícios ou preocupações. O período pode ser particularmente “quente” sob os lençóis e novos amantes podem aparecer à nossa porta.

Casa 9 – As viagens de longa distancia, assim como as buscas espirituais e a mudança de crenças ocupam nossa atenção quando um eclipse cai nesta casa. Cursos superiores e vida acadêmica, assim como publicações também estão enfatizados. Os parentes do cônjuge também são vistos aqui e podem representar problemas ou alegrias. Novos conhecimentos que expandem a consciência podem ser iniciados a partir de novos contatos ou até mesmo por um livro que começamos a ler.

Casa 10 – A última casa angular, de suma importância. A casa da nossa imagem pública, da carreira, da vocação e também da mãe ou da figura materna arquetípica. Podemos ser promovidos ou demitidos sumariamente; podemos ficar literalmente sob os holofotes em situações públicas e que agregam valor à nossa persona pública e status profissional. Publicidade gratuita pode nos favorecer. Eventos ligados à mãe também podem nos afetar.

Casa 11 –  Um eclipse nesta casa pode indicar um período bom para se iniciar novas amizades, participar de grupos e associações que sempre quisemos mas nunca tomamos a atitude. Aqui vemos os amigos e as relações sociais, que obviamente ganham ênfase especial. As esperanças de futuro e projetos de longo prazo também ficam favorecidos, ou sua realização, reavaliação ou desilusão.

Casa 12 – Possivelmente a casa mais difícil de expressão de um eclipse. A casa da introspecção e do inconsciente. Esqueletos tendem a sair do armário e demandar que lidemos com eles; tabus familiares ou raciais tendem a cair no nosso colo de graça, e não podemos mais fingir que não os vimos; é uma casa de serviço, então somos convidados a prestar serviços que implicam sacrifício ou oferenda de nosso tempo e energia em favor de outros. Podemos nos sentir particularmente introspectivos e sentir o desejo de isolamento e reclusão.

Reprodução

Fontes:

(1) Galeria do Meteorito: http://www.galeriadometeorito.com/2017/08/horarios-do-eclipse-solar-21-agosto-2017-no-brasil.html

(2) Série Saros 145, site da Nasa: https://eclipse.gsfc.nasa.gov/SEsaros/SEsaros145.htmlBernadette

(3) Bernadette Brady – The Eagle and the Lark – Predictive Astrology – Weiser books

(4) Kelly Surtees – https://kellysastrology.com/

(5) Reinhold Ebertin – The Combination of Stellar Influences

(6) Carol Rushman – The Art of Predictive Astrology

(7) Christine Arens – Eclipses – Webinar promovido por Kepler College em 05/04/2013

(8) Dane Rudhyar – An Astrological Mandala

Reprodução

A Semana Astrológica – Coração Sangrando

Reprodução

Semana de 03 a 09 de abril

Semana de crescer e investir no que foi semeado na Lua Nova, nos projetos do ciclo e do ano – essa plantação não vai crescer sozinha, sem cuidados! Mas começa também um período de revisões importantes.

Esta é outra semana que começa “fervente”, mas que vai ficando melindrosa e delicada conforme os dias vão se desdobrando. A fervura se dá devido aos contatos feitos pelo Sol Ariano, primeiro na oposição a Júpiter, depois quadratura a Plutão e ainda fecha a semana conjunto a Urano, conjunção exata na semana que vem, já a suscetibilidade vem da quadratura que Vênus retrógrada fará a Saturno e da conjunção a Quíron.

Reprodução

O Sol faz esses aspectos tensos a esses planetas quatro vezes ao ano, de ângulos diferentes. Às vezes se alia a Urano, como agora, em janeiro se aliou a Plutão, em outubro se uniu a Júpiter… tudo isso simbolizando a necessidade constante de nos reinventarmos, de mantermos em cheque nossa insatisfação com nossa vida em geral, mas principalmente conosco mesmos. Também questiona a quantas anda nossa integridade e nosso comprometimento com a verdade. Se não estamos cientes dessas questões, experimentamos tais movimentos/aspectos como tensões provenientes do mundo exterior, que desestruturam e desestabilizam nossas vidas arrumadinhas. Mundanamente, representa as ebulições sociais e coletivas, que repercutem na vida de cada um, individualmente. Portanto, esta é uma semana que traz algumas convulsões e ebulições, individuais e sociais. Como se não bastasse, Marte, regente do Sol, também faz contatos com dois desses planetas: faz quincúncio a Júpiter indicando uma oscilação no nosso entusiasmo, no otimismo e a tendência de nos alternarmos entre um ceticismo inflexível e arroubos pouco práticos. O que nos cabe é achar o caminho do meio e tentar conciliar esses dois extremos: temperar nossa ação e afirmação com uma motivação que nos eleve e que equilibre toda essa busca pela estabilidade. Nem só de bom senso é feita a ação correta. Excesso de bom senso mata a criatividade. Já o aspecto a Plutão sugere um aumento de força, determinação e adiciona longevidade à nossa energia, de modo que o esforço fica mais concentrado e efetivo. O que precisamos mesmo é dosar e equilibrar entusiasmo com bom senso.

Reprodução

O bom senso, aliás, entra em revisão, junto com o que entendemos por estabilidade e segurança. Mercúrio estaciona no sábado para entrar em retrogradação no domingo, a 04°50’ de Touro e só volta ao movimento direto no dia três de maio. Se, com Mercúrio retrógrado, as coisas tendem a ficar mais lentas, sendo essa retrogradação em Touro, tudo paralisa e estaciona… tudo se delibera e pode haver maior hesitação na tomada de decisões. Pode haver também tendência a extremos: rasgos de extrema inflexibilidade alternados com momentos de caos completo – a resistência à mudança fica acentuada, mas pode piorar tudo – o ideal é soltarmos, porque afinal, não controlamos nada mesmo, por mais que queiramos acreditar que sim. Ao ficar retrógrado em Touro Mercúrio propõe uma revisão na forma como pensamos a estabilidade e a segurança material; como nossos conceitos acerca de habilidades, talentos, afetam nosso senso de valor; sugere uma reavaliação na forma como a mente se relaciona com o corpo e todos os seus sentidos. É hora também de revisar aquelas ideias rígidas, inflexíveis sobre como o mundo deve funcionar ou sobre o que é ou não verdade, sobre o que é ou não real… Ver para crer? Convenhamos, é uma forma limitada de pensar a vida, afinal, você não vê seus próprios pensamentos e eles existem, certo? Mercúrio retrogradará até Áries e aqui a conversa é outra: rever e revisar a forma egocêntrica de nos comunicarmos, a grosseria disfarçada de honestidade e atitude, os planejamentos relapsos – ou mesmo falta completa de planejamento – mascarados de agilidade ou criatividade. Em termos práticos, quando Mercúrio está retrógrado há tendência a mudanças de planos sem aviso prévio, a atrasos e imprevistos nas locomoções e sugere-se evitar assinaturas de contratos e acordos, compra/venda de valor expressivo, cirurgias. Por outro lado, é um ótimo período para se revisar escritos, estudos, projetos, planejamentos, e tudo que o que se tenha executado/realizado nos últimos três meses.

Retrogradação – quero incluir uma nota geral sobre o movimento retrógrado. A despeito das previsões tenebrosas acerca da retrogradação, este período representa uma pausa necessária para todos, planetas, pessoas e assuntos envolvidos. Imagine, por exemplo, que você está escrevendo um artigo ou uma tese/monografia ou mesmo um simples e-mail. Antes de dar a tarefa por terminada e enviar/entregar ao destino final, você vai parar e fazer uma revisão das ideias apresentadas no documento, da ortografia, das regras ABNT, e às vezes, até da necessidade em si de estar fazendo tal coisa, certo? Ninguém é maluco de enviar sem fazer essa revisão – ou se é, já deve ter se metido em várias enrascadas como consequência. Outro exemplo simples: todos nós precisamos de férias periódicas e anualmente tiramos um tempo – ou pelo menos deveríamos – para descansar mais efetivamente, para relaxar e mudar de ares. Entramos em standby. Outro exemplo tão simples quanto: o carro, veículos e máquinas em geral precisam de revisões periódicas para fazer regulagens, trocas de peças, ajustes, etc. Então, podemos ver a retrogradação dessa forma: um período em que os assuntos regidos por aquele planeta entram em standby porque precisam ser revisados, checados, reavaliados, regulados. Portanto, não vamos ver a retrogradação como uma catástrofe ou um desastre terrível do qual não podemos fugir. Não. Podemos até experimentar dificuldades, quando insistimos em manter tudo como estava, como se tudo seguisse o curso normal, quando na verdade, estamos em marcha à ré, mas se formos flexíveis e estivermos abertos ao que a vida nos traz, podemos nos deparar com boas oportunidades e entender melhor como nós mesmos funcionamos. Portanto, retrogradação é oportunidade e não desastre. Vamos nos alinhar com a energia e fazer o que a retrogradação daquele planeta propõe. Certo?

The Heartache – Christian Schloe – Reprodução

Vênus continua retrógrada ainda por duas semanas e regressou a Peixes neste domingo, dia dois, de onde fará quadratura a Saturno e conjunção a Quíron – a conjunção a Quíron não ficará exata, mas ainda assim será potente, visto que Vênus estaciona nessa conjunção, de menos de um grau, no dia 14. Portanto, pelas próximas quatro semanas as relações ficam na berlinda triplamente: pelo fato de Vênus continuar retrógrada – e mesmo depois do dia 15 ainda estará na zona de retrogradação – pela quadratura a Saturno e pela conjunção a Quíron, o que significa um mês bem doído em que rancores e rejeições do passado podem voltar para nos assombrar e podem mesmo atrapalhar relações atuais, caso não saibamos separar as “estações” e as feridas e cicatrizes. Vênus-Saturno traz à tona questões de confiança ou quebra de, incertezas e dúvidas sobre se podemos nos abrir e nos entregar realmente nas relações, se seremos desapontados ou rejeitados – e aqui precisamos reconhecer quando nossas expectativas são altas demais. Como diz Adriana Vasconcelos, “felicidade é quando a gente sente que pode se ‘desarmar’ e confiar nas pessoas sem medo de ser ferida” – essa felicidade, nesse momento, parece fora do nosso alcance, porque simplesmente não conseguimos nos desarmar. Positivamente, podemos ter vislumbres das repetições de padrões na vida afetiva e podemos, para variar, nos responsabilizar pelos altos e baixos e estragos que acontecem conosco, ao invés de simplesmente reclamar de “dedo-podre” atribuindo à/ao fulana/o a culpa por dores, coração partido, rejeições, mágoas e o que quer que seja que nos impede de ser/estar felizes conosco mesmos e com nossos pares. Bancar a vítima é muito démodé e não nos levará a nenhum progresso. É mais salubre olhar para si mesmo e para as próprias inseguranças e se perguntar por quê continuamos a nos envolver com o mesmo tipo de pessoa, travestida em corpos/cores/roupagens diferentes. O que há em comum nessa repetição do padrão? O que é que sempre se repete: nossa presença no enredo, o que significa que o problema somos nós, até porque, como já sabemos só conseguimos mudar a nós e não ao outro. Por que insistimos em nos enganchar nos desvalidos da vida? Por que essa vocação para “salvar” alguém, ainda mais quem não quer e não pediu para ser salvo? Por que nos colocamos na situação exata que temíamos, ou seja, de rejeição e abandono? Porque talvez tenhamos aprendido, lá na infância um modelo deturpado de amor, mas esse modelo pode ser desconstruído e em seu lugar podemos elaborar um modelo mais saudável de amor, mas antes é preciso sermos honestos quanto à nossa responsabilidade em tudo isso e não bancar os coitadinhos ingênuos.

John Holcroft – Reprodução

Essa quadratura que Saturno recebe de Vênus é ainda mais melindrosa porque ambos os planetas estarão retrógrados, visto que Saturno também entra em retrogradação nesta semana, na quinta-feira, o que sugere que a revisão dos assuntos implicados é ainda mais necessária. Também é importante o fato de que tal quadratura ficará ativa por praticamente todo o mês de abril, porque Vênus vai estacionar em conjunção a Quíron e em quadratura a Saturno e depois empreenderá o longo caminho de volta, fazendo o mesmo aspecto três vezes – ou seja, o mês de abril está deveras melindroso para os relacionamentos e também para a autoestima e para os investimentos financeiros. Mas é um bom momento para desmanchar, desfazer padrões, romper com modelos antigos de viver as relações, mesmo os mais destrutivos – porque não conseguimos superar nossas carências, os padrões aprendidos na infância ou juventude, a tendência a equalizar relacionamento com sofrimento. O período pode ser bastante doloroso, mas também rico em insights, entendimento sobre nossos processos íntimos, sobre como construímos nossa autoestima – ou falta de – e o impacto que isso tem nas nossas parcerias. Sendo Vênus um planeta feminino, este movimento sugere repensar como o feminino se define e é definido na nossa sociedade e sugere a fragilidade desse feminino, a dureza com que ele se depara no mundo.

Catrin Welz-Stein – Reprodução

A Lua inaugura a semana entrando na fase do Quarto Crescente, já na segunda-feira, empoderada em Câncer. Assume brilho fulgurante em Leão e entra na fase Corcunda em Virgem, na sexta-feira. Fecha a semana já em Libra, acentuando a parada de Mercúrio ao fazer aspecto a ele no domingo. Na sua caminhada celeste ela faz vários aspectos, harmoniosos ou tensos a todos os demais corpos celestes, simbolizando as alterações diárias dos humores, das emoções, dos interesses no mundo. A Lua será Cheia na terça-feira, dia 11, às 03h07min, a 21°32’ de Libra, em conjunção a Júpiter, oposição ao Sol, Urano e Eris e quadratura a Plutão – uma Lua Cheia realmente crítica e explosiva!

Reprodução

SEGUNDA-FEIRA, 03 de abril

A Lua está em Câncer e faz trígono a Netuno em Peixes e mais tarde faz quadratura ao Sol Ariano, entrando na fase do Quarto Crescente. A Lua ainda faz quadratura a Júpiter e se opõe a Plutão (aspecto exato amanhã) e, devido à quadratura ao Sol, forma uma Grande Cruz Cardinal. A única ajuda vem do sextil a Marte em Touro. A segunda-feira começa com a corda toda, trazendo oportunidades disfarçadas de desafios e obstáculos. Queremos cuidar e nutrir nossos projetos, mas receamos fazê-lo de forma direta, porque não queremos despertar curiosidade ou mesmo competição quanto àquilo que estamos planejando e construindo. Mas, a despeito de nossa independência e autonomia, diretividade e honestidade, precisamos também agregar sensibilidade e colocar nossos sentimentos a serviço de tais projetos. Mesmo com toda a nossa coragem e vigor, ainda precisamos nos lembrar de nossas origens, precisamos levar em conta tudo o que nos nutriu até aqui, sejam pessoas ou recursos – sim, precisamos honrar nossos sentimentos e nosso passado, se for para ver nossos projetos prosperarem e frutificaram lá na frente e lembrar de agradecer, sempre. Assim, o dia ganha um tom apaixonado e arrebatado, que nos impele de forma entusiasmada ao trabalho, a fazer os ajustes necessários no que quer que estejamos envolvidos e que requeira regulagem. Como uma máquina impulsionada a todo vapor, ganhamos ímpeto e ânimo, porque já conseguimos vislumbrar os resultados que queremos alcançar. Sabemos que para conseguir tais resultados, teremos que nos empenhar muito agora, mas não nos fazemos de rogados e nos atiramos ás tarefas com gosto e paixão – o único problema é que talvez toda essa paixão e vigor batam de frente com a paixão do outro, que parece estar estar indo na direção contrária, o que pode significar atritos e faíscas. À noite esse clima fica mais fumegante e talvez precisemos lidar com conflitos também dentro de casa, com familiares ou pessoas próximas, que nos cobram uma atenção que talvez tenhamos suprimido porque estávamos ocupados com outras coisas com nossos objetivos individuais. Em lugar de dar desculpas fáceis ou sair pela tangente, é melhor encarar o conflito de vez e ser honestos sobre as próprias prioridades e tudo o que está em jogo. Recorrer a chantagens e à clássica “faço isso por vocês” pode ser um escape fácil, mas traiçoeiro, porque talvez não seja completamente honesto e assim, é possível que nos “entreguemos” num momento de descuido, o que fará o outro se sentir traído e manipulado. Visto que os dias estão melindrosos e as sensibilidades afloradas, o ideal é acalmarmos as emoções tempestuosas e tentarmos chegar a um consenso, ao invés de simplesmente revidar de forma rasteira. Colocar-se no lugar do outro ajuda a sair da nossa perspectiva afunilada, a enxergar o conflito de outro ângulo, facilitando uma conciliação. O ideal é ter clareza da diferença entre o que queremos e o que precisamos – isso faz toda a diferença!

Reprodução – Desconheço o autor

TERÇA-FEIRA, 04 de abril – Marte está em quincúncio exato a Júpiter na virada para quarta-feira. De Câncer a Lua completa a oposição a Plutão em Capricórnio, quadratura a Urano em Áries, trígono a Quíron, quincúncio a Saturno e trígono também a Vênus retrógrada, aspecto depois do qual fica fora de curso, às 17h47min. Ingressa em Leão às 19h14min e fecha a noite em quadratura Mercúrio em Touro. A madrugada está tempestuosa e finda numa manhã tensa e elétrica, em que acordamos cheios de gás, mas também irritadiços, dando choques a torto e a direito, de modo que o dia fica carregado de instabilidade, nervosismo e oscilações de humor, inconstância na liberação da energia e flutuação no entusiasmo. Sentimos uma grande pressão, interna e externa, para “dar conta” de todas as tarefas e, embora tenhamos nosso próprio investimento na dinâmica do dia, também nos ressentimos com tantas cobranças e pressões, o que pode nos deixar meio azedos ou amargos. À tarde o mau humor pode virar melancolia e abatimento, porque nos sentimos mais vulneráveis, sensíveis, como se fôssemos nos desmanchar a qualquer momento. Além de nossas próprias inseguranças, captamos as vibrações de infortúnios alheios, e talvez isso nos faça sentir impotentes. Contudo, também podemos nos sintonizar com vibrações mais elevadas, porque elas também estão disponíveis: ternura, gentileza, bondade, compaixão e mesmo as percepções de dor podem ser utilizadas para colocar as coisas em perspectiva: primeiro, sabemos que nossos problemas, embora importantes para nós, não são os únicos nem os piores do mundo; segundo, ao nos voltarmos para os outros, de bom coração, podemos melhorar a atmosfera para todos, inclusive para nós mesmos. Como diz Jung, “do mesmo modo que aquele que fere o outro fere a si próprio, aquele que cura o outro, cura a si mesmo” e, por que não dizer, aquele que cuida, protege, nutre, afaga, se compadece… Quando estamos afundados e afogados nos nossos próprios problemas, sejam eles pequenos ou grandes, sempre pode ajudar olhar para o outro e ver que estamos todos no mesmo barco, com dores diferentes, mas ainda assim, todos têm suas dores e o melhor que fazemos é nos apoiar mutuamente, ao invés de nos desgastarmos nos dramas excessivos ou crises desnecessárias. E, se for para reagir, reaja com amor!

Catrin Welz-Stein – reprodução

QUARTA-FEIRA, 05 de abril – Saturno estaciona às 02h06min em Sagitário. Marte segue em quincúncio exato a Júpiter ainda na primeira hora do dia. A Lua plenifica a quadratura a Mercúrio e faz quincúncio a Netuno. Mais tarde faz sesqui-quadraturas a Quíron e Vênus em Peixes e a Saturno em Sagitário, virando foco de um Martelo. Fecha a noite em trígono ao Sol. Marte está em trígono quase exato a Plutão, que também recebe a quadratura próxima do Sol. A madrugada traz incongruências entre corpo e mente, que podem se traduzir em inquietude ou pensamentos obsessivos, atrapalhando o sono. Como resultado, a manhã começa um pouco atrapalhada, com imprevistos perturbando o andamento natural das coisas, incertezas inconscientes pinçando nervos expostos das nossas inadequações, que hoje parecem dar pistas de suas origens. Ao mesmo tempo que pode haver momentos desconcertantes conosco mesmos, podemos também ter aqueles momentos mágicos de “A-há! – então é isso!”, que nos clarificam muitas questões inconscientes, levando talvez a uma maior integração desses traços sombrios de nós mesmos. Contudo, ainda há grande reatividade no ar, especialmente à noite, quando o humor volta a ficar carregado e as reações, cortantes. Por isso, precisamos manter em cheque as emoções desencontradas e conflitantes, para que gerem energia de iluminação e não de conflito no mundo exterior, porque ainda que precisemos nos posicionar firmemente sobre algo, ainda podemos fazê-lo de forma amistosa e, de novo, se for para reagir, reaja com amor!

Katie Grinnan – Reprodução

QUINTA-FEIRA, 06 de abril – Marte está em trígono partil a Plutão. A Lua faz trígono ao Sol, sextil a Júpiter, quincúncio a Plutão, quadratura a Marte e trígono a Urano e a Saturno, formando um Grande Trígono de Fogo. Fica vazia depois do trígono a Saturno, às 21h17min. Saturno entra em movimento retrógrado às 02h06min. O Sol está muito próximo da oposição a Júpiter. Estamos um tanto irritados pela manhã e, embora ao longo do dia o humor melhore, estamos cientes de que há questões importantes a serem endereçadas e tratadas, questões que estão aflorando à superfície da consciência e que certamente nos obrigarão a novas mudanças em nossas posturas, códigos morais e atitudes concretas. A despeito de nos darmos conta do desconforto, porém, também estamos dispostos a fazer o que for necessário para confrontar tais questões e a ir fundo nessa auto-investigação. Isso porque, embora haja o desconforto, também há a percepção da possibilidade de melhorias, de conseguirmos superar bloqueios e entraves, se formos honestos o bastante conosco mesmos e se estivermos dispostos a abrir mão da rigidez e dos nossos pré-conceitos. Saturno entra em retrogradação e nos convida a fazer uma revisão do trabalho que empreendemos nos últimos meses – desde agosto/16 – no sentido de nos definirmos como indivíduos e de nos realizarmos concretamente no mundo tangível.

Reprodução

SEXTA-FEIRA, 07 de abril – O Sol está em oposição exata a Júpiter e muito próximo da quadratura a Plutão. A Lua abre o dia vazia em Leão, mas ingressa em Virgem à 01h20min, de onde se harmoniza com Mercúrio em Touro. A Lua também faz sesqui-quadraturas ao Sol (entra na fase Corcunda) e a Plutão, virando foco de um Martelo e ainda segue a fazer outra sesqui-quadratura a Urano e fecha a noite em oposição a Netuno. Vênus está em quadratura a Saturno, aspecto quase exato. Na superfície, estamos hoje entusiasmados e animados, com a confiança e otimismo de que nada pode dar errado, exceto que, sim, muita coisa pode sair errado, especialmente se ignorarmos detalhes importantes e nos inflarmos de nossa própria importância, achando que somente nossos desejos – extremamente imediatistas – são justos e apropriados. Temos, de fato, muita força e recursos em nossas mãos, com os quais podemos transformar muitas coisas, mas se não começarmos por dentro, por nós mesmos, pouco adianta e nada conseguiremos mudar no entorno, muito menos nos outros, especialmente se tentarmos impor nossas visões e nossa vontade a quem quer que seja. É preciso vigiar a tendência aos exageros, à inflação do ego, às bravatas. Também há uma sensação de cisão interna, em que conscientemente temos essa autoconfiança, até desmesurada, mas, subjacente à superfície, há dúvidas e ansiedades que podem se manifestar de duas formas: ou colocam um freio e equilibram os excessos; ou os alimentam porque a insegurança pode nos tornar ainda mais afoitos e aflitos por auto-compensação e por provar que tudo está bem, quando talvez não esteja – mecanismo de camuflagem. De uma forma ou de outra, ficamos tensos e nos expressamos de forma desajeitada, como a esperar o momento que nossa máscara bonachona cairá e revelará nosso lado desgracioso, desastrado e inepto.

Reprodução

SÁBADO, 08 de abril – O Sol está em quadratura plena a Plutão e Vênus em quadratura a Saturno, aspecto também pleno. Por seu turno, a Lua se opõe a Netuno, faz quincúncio ao Sol e trígono a Plutão e a Marte, formando um Grande Trígono de Terra. Fecha a noite em oposição a Quíron. Mercúrio estaciona às 20h15min, para entrar em retrogradação amanhã. Nossa individualidade e objetivos conscientes hoje se deparam com forças potentes que, a princípio, parecem se opor a nós e a nossos quereres. Na verdade, passamos por mais uma prova, que vem testar o quanto conhecemos a nós mesmos e às nossas facetas secretas e sombrias, que hoje podem se revelar um pouco mais através dos conflitos com os poderes que parecem contrários àquilo que somos e buscamos, assim como através de inseguranças que afloram à superfície da consciência. Se nos identificamos apenas o lado mais luminoso e grandiloquente, o entusiasmo e a generosidade dos grandes espíritos, podemos nos enganchar em dificuldades com figuras “tenebrosas” que se interpõem em nosso caminho e nos obrigam a lidar com nossa própria escuridão, desejos de poder e controle, emoções virulentas e abissais, que talvez mascarem o medo profundo de rejeição e abandono. Contudo, para que já está mais acostumado aos confrontos com essas forças, o dia se apresenta como mais uma oportunidade de integrarmos esses traços ditos menos nobres e enriquecermos nossa experiência e maturidade – o regente do sol, que quadra Plutão, é Marte, que faz um aspecto harmonioso ao mesmo Plutão, possibilitando um diálogo promissor e uma ponte entre o Sol e Plutão, de modo que o confronto talvez não precise ser negativo. De qualquer forma, por mais oportunidades que possa trazer, é fato que o dia está pesado, carregado de conteúdos tóxicos, inseguranças, vulnerabilidade, desconfiança, dúvidas e medos. É necessário uma parada básica para olharmos os nossos melindres, as dúvidas e incertezas que são nossos, a despeito de acharmos que nascem das interações com outros – não, as interações com outros apenas trazem à tona algo que já existe em nós. Recomenda-se cautela em todas as interações, especialmente aquelas com pessoas mais próximas e nas relações afetivas, visto que estamos todos muito defensivos, vulneráveis e quebradiços, podendo tanto ofender quanto nos sentir ofendidos inadvertidamente. Por outro lado, a Lua oferece uma boa contenção e sustentação emocional e se conseguimos conter nossos ímpetos mais selvagens e as reações mais primitivas e defensivas, também revigoramos nossa força interior, que nos capacita a olhar para tudo sem medrar, aceitando e transmutando tais poderes sombrios em recursos de conscientização e crescimento. De qualquer forma, tirar um tempo para si, para refletir sobre os afetos – ou desafetos – pode ser uma boa pedida. Talvez seja bastante inteligente refletir bastante nesses dias mais carregados, antes de tomar decisões difíceis ou mesmo antes de enfrentar situações  mais delicadas.

Reprodução

DOMINGO, 09 de abril – A Lua Virginiana se opõe a Quíron e a Vênus em Peixes e também quadra Saturno, ficando fora de curso logo depois, às 05h23min. Ingressa em Libra às 09h35min e logo se desentende com Mercúrio e, de forma diferente, também com Marte. Mercúrio entra em retrogradação às 20h15min. Vênus fecha a semana em conjunção a Quíron e o Sol segue se separando da quadratura a Plutão, enquanto ruma para a conjunção a Urano. O domingo está deveras penoso e complicado. Feridas expostas, exigindo limpeza e purgação, doem excruciantemente e parecem não dar trégua para nosso coração combalido. Mas, embora estejamos ultra suscetíveis e espinhosos, defensivos e sorumbáticos, há grande oportunidade de cura, de perdão, de serenar e sanar tais feridas pela percepção de que não precisamos ser vítimas de nada nem de ninguém, muito menos de nós mesmos. A questão principal aqui tem a ver com confiança, tanto a confiança em nós mesmos e no nosso valor, quanto a confiança na integridade e no amor do outro. E se estamos muito inseguros, a tendência é nos precavermos por mecanismos de controle, tentando controlar o outro ou às circunstâncias, algo que pode tornar tudo mais difícil e até precipitar a crise que estava ameaçando eclodir. É fundamental não resvalar em pensamentos sombrios de menos-valia, nem se colocar para baixo, vigiando pensamentos negativos que só piorarão o humor e tudo o mais. Fazer um balanço maduro da situação, tendo serenidade e empatia para consigo mesmo, assim como para com o outro, que provavelmente está tão sensível e vulnerável quanto nós. Encarar a realidade da situação e por mais difícil e dolorosa que ela seja, não sucumbir diante dela – se há despedidas para acontecer, se há lutos para se sofrer, se algo morreu realmente e não tem recuperação, o luto é necessário, mas ainda pode ser vivenciado com dignidade e não precisamos depauperar nosso amor próprio ainda mais. Com o tempo e a compaixão, tanto nossa quanto de amigos e aqueles que nos querem bem, sempre podemos nos lembrar de quem somos, sempre podemos nos lembrar da nossa luz a brilhar fulgurante, apesar dos momentos difíceis pelos quais estejamos passando. E o amor, o amor sempre estará lá, dentro de nós, só precisamos nos lembra de onde o guardamos.

Uma ótima e serena semana para você! Que traga paz e luz!

Reprodução
The Heartache – Christian Schloe – Reprodução