Arquivo da tag: Saturno em Sagitário

A Semana Astrológica – É de batalhas que se vive a vida

Reprodução

Semana de 2 a 8 de outubro – Frutificação ou desafios nas relações, frutificação e desafios na vida!

É semana de Lua Cheia, em Áries, o signo do indivíduo, da saga do herói, da busca por autonomia, do enfrentamento das batalhas da vida, que muitas vezes, são bem solitárias, especialmente a batalha da individuação, que ninguém pode lutar por nós! Mas a Lua Cheia é o contraponto ao signo do Sol, no caso, Libra… Portanto, essa é uma semana de peso para nossas relações, principalmente porque Vênus, regente de Libra está em conjunção a Marte, regente de Áries! Eita!!! As relações pegam fogo – positiva ou negativamente! A culminação do ciclo iniciado em Virgem, no dia 20 de setembro – a necessidade de sermos úteis, de criarmos ordem no meio do caos, agora frutifica e o indivíduo age em cima desses ideais. Portanto, as promessas do ciclo agora se manifestam e dão frutos, e dão frutos a partir das relações, de como somos e como agimos dentro delas!

Reprodução

Além da Lua Cheia, temos outros movimentos interessantes ocorrendo por esses dias: O Sol faz quincôncio a Netuno, indicando períodos de dúvidas a respeito de nossos ideais de civilidade, utopias difíceis de se realizarem e de serem conciliadas com a realidade presente, mas também nos fala que é em tempos mais sombrios que mais precisamos sonhar e esperançar.

Reprodução

Temos novas e velhas informações sendo “descobertas”, saídas da escuridão para a luminosidade, modificando opiniões e conceitos, causando tumulto e espanto; notícias sobre assuntos tabus, temas que apaixonam as pessoas e as fazem se digladiar por essas paixões mentais e talvez obtusas; o conceito de beleza, estética, arte, sendo discutido e debatido apaixonadamente, às vezes, de forma bastante incoerente e com muita intolerância pela opinião de outros. Tudo isso simbolizado por Mercúrio Libra em desarmonia com Netuno e querela feia com Plutão. Mercúrio também faz conjunção ao Sol e fica Cazimi no domingo. Essa conjunção superior de Mercúrio ao Sol sinaliza o início da fase Epimeteu de Mercúrio, a hora de colher resultados das últimas alterações propiciadas pelas reflexões da fase de retrogradação recente, ocorrida entre Virgem e Leão, entre agosto e início de setembro.

Reprodução

E como já dito, os dois regentes da lunação (eixo Áries-Libra – Marte-Vênus) sinalizam um período importante nos relacionamentos: o coração está inflamado e é tempo de avaliações e transformações nos nossos valores fundamentais, estéticos, pessoais, relacionais, assim como transformação na vontade e nas atitudes. Vênus faz trígono a Plutão e pede que transformemos nossos valores e a visão que temos de nós mesmos, a forma de expressar nossos afetos e, consequentemente, que transformemos a maneira de viver as relações, transformações que podem ser feitas harmoniosamente. Vênus também quadra Saturno e aqui já não há harmonia: situações de dor nos obrigam a lidar com nossas inseguranças, sentimentos de rejeição, abandono e solidão e também com nossos mecanismos de defesa, que afastam a outros, justamente aqueles que gostaríamos de atrair. É momento de verificar nossa falsa modéstia, nossa timidez e reserva que nos protegem daquilo pelo que tanto ansiamos. É tempo de confrontar o medo do ridículo, a constrição do conhecido, pelo pulo no escuro, o risco de abrir mão das certezas, de se sentir vulnerável, mas aberto ao crescimento. Vênus ainda fica alguns dias conjunta a Marte, seu amante arquetípico… Ao mesmo tempo que isso sinaliza um período de novas e estimulantes atrações – possivelmente o início de novas relações – tais atrações/relações são contidas, pois a conjunção ocorre em Virgem, um signo discreto e modesto e ainda em quadratura a Saturno – sabemos que nem tudo são flores e perfumes, que há limites que devem ser superados com maturidade para que a relação frutifique. Também há muita propensão a irritações e altercações nas relações, porque estamos divididos entre o impulso por nos render ao outro e nos entregar à relação e o impulso igualmente forte por independência e autonomia e se não temos ciência dessa ambivalência interna podemos criar atritos no relacionamento como forma de nos afirmarmos e nos sentirmos mais livres.  Positivamente, o aspecto a Saturno indica capacidade para o realismo, tendência a entrarmos nas histórias com o pé no chão, sem expectativas ilusórias.

Reprodução

E ainda, dos movimentos e ciclos maiores, temos Urano em semi-quadratura (ângulo de 45 graus) a Netuno, o segundo aspecto (tivemos o semi-sextil, ângulo de 30 graus, em 2010) de um ciclo de 172 anos, que começou em 1993, em Capricórnio. Esta conjunção durou muitos anos, entre 1988 e 1995 – e teve a adição de Saturno entre 92 e 93 – embora só tenha ficado exata em 1993. Esses foram os anos em que o mundo mudou radicalmente: muros e países foram dissolvidos, sonhos foram fragmentados, assim como outras utopias foram sonhadas. A conjunção fala, basicamente da “idealização da mudança intelectual” (1). Agora olhamos para trás e algumas dessas utopias começam a ser questionadas. O que sonhamos lá atrás está se realizando ou se fragmentando? Faz algum sentido ou será que estamos vivendo um momento de desilusão? Será que a clareza e a racionalidade (Urano) começam a desafiar aquelas utopias sonhadas (Urano-Netuno) e agora percebemos que talvez tenhamos nos enganado, simplesmente porque ignoramos o potencial humano para a corrupção dos ideais maiores em favor do imediatismo e do favorecimento pessoal, em favor do amor ao poder? Ou talvez tenhamos ignorado que a vida é cíclica e independe da pequena vontade humana… O certo é que há uma sensação de espanto generalizada, e nos perguntamos como viemos parar aqui, o que deu errado naqueles planos tão belos… Mas sabemos que o que vemos hoje é a manifestação de uma tragédia anunciada, que vem sendo profetizada há muito por pensadores, místicos, cientistas e, mais recentemente, por qualquer pessoa minimamente informada e com algum miolo entre as orelhas. O resultado disso? O tempo dirá…

Eduardo Cambuí Figueiredo Júnior – Reprodução

E esta também é a última semana de Júpiter em Libra,  um trânsito que termina de forma estrepitosa, com Júpiter se opondo a Urano e em quincôncio a Netuno (semana passada), indicando um período em que nossa fé e crenças são colocadas em questionamento profundo, assim como a confiança nas leis e nosso otimismo em geral. Júpiter em Libra tinha promessas de maior equilíbrio, de mais justiça e bem estar social, mas não foi bem isso que vimos… Ocorre que esse trânsito a Urano, que ficou ativo durante quase todo o período de Júpiter em Libra, modifica tudo de maneiras imprevisíveis, então as coisas tendem a sair ao contrário das nossas expectativas… Daí vimos leis estapafúrdias, verdadeiros retrocessos, sendo aprovadas, como a votação de uma lei que aprova o ensino religioso nas escolas – detalhe: ensino religioso específico! Quem vai decidir QUAL religião será ensinada? Cadê a laicidade do estado? Por aí você já vê que nem todo trânsito de Júpiter é necessariamente “benéfico”. Na verdade, ao invés de representar um avanço, isso representa um retrocesso enorme, que ainda não temos condições de mensurar. Muitas dessas mudanças podem ser arbitrárias e ser impostas “goela abaixo” na maioria. Urano, o planeta libertário, pode simbolizar regimes tirânicos que impõem a sua visão como a única possível! Considerando-se que Júpiter também esteve em quincôncio a Quíron, há muitas dúvidas sobre decisões passadas no que tange à esfera espiritual e isso gera tensões e novas decisões que podem ser “capengas” e representar uma falha grave na educação e na condução dos assuntos espirituais no futuro. Júpiter ingressa em Escorpião no dia 10 de outubro.

Reprodução

A Lua abriu a semana na fase Crescente, em Aquário. Entrou na fase Corcunda ainda em Aquário. Infla-se ainda mais em Peixes e por fim, fica plena em Áries, na Lua Cheia de Áries, na quinta-feira. Finda a semana já em Gêmeos, prestes a entrar na fase Disseminadora. Faz aspectos e trava conversas e com todos os demais corpos celestes, conversas que ora são tensas, ora são fluidas, simbolizando as mudanças de humores aqui na Terra.

Reprodução

SEGUNDA-FEIRA, 2 de outubro – A Lua abriu o dia em Aquário e fez sesqui-quadratura ao Sol, entrando na fase Corcunda. Fez ainda sextil a Urano e trígono a Júpiter, ficando vazia depois deste aspecto, às 08h14min. Ingressou em Peixes às 11h27min, de onde se desentende com Mercúrio. Marte começa a se afastar do trígono a Plutão, mas o aspecto ainda se faz sentir por alguns dias. Vênus fará o mesmo aspecto a Plutão amanhã. Depois de uma manhã sem muita objetividade – o que prejudica o andamento da segundona – entramos pela tarde muito sensíveis, meio tristes e melancólicos. Um humor que se altera devido às nuances pesarosas do dia – quantas notícias trágicas, terríveis! – e captamos dores e tristezas que nem são nossos, mas que se misturam aos nossos próprios problemas e nos fazem tentar evadir-nos, sem muito sucesso – afinal, é dia “útil” e precisamos “render”. A noite traz incongruências que adicionam irritação à melancolia, deixando-nos um pouco mais sorumbáticos e macambúzios. Uma sopinha leve, música calma, meditação, ou simplesmente ficar na sua pode ajudar a filtrar e a digerir todas essas emoções e sentimentos incontidos, derramados na atmosfera, embora invisíveis. A oração, seja qual for o seu deus, pode acalmar e permitir uma conexão profunda consigo mesmo e com a divindade, uma percepção da nossa pequenez diante da vastidão do mistério da vida, algo que pode ajudar a serenar a alma. Orar por aqueles que sofrem e que lhe tocaram a alma também pode ajudar a elevar a vibração nesse planeta que anda tão devastado de dor e medo.

Roberto Ferri, artista italiano – Reprodução

TERÇA-FEIRA, 3 de outubro – Vênus está em trígono pleno a Plutão. Em Peixes a Lua faz quincôncio ao Sol Libriano, conjunção a Netuno, oposição a Vênus-Marte e quadratura (não exata) a Saturno, tornando este foco de uma T-Square mutável na virada de terça para quarta. Dias de intensidade emocional, em que os desejos são viscerais e comandam forte impulso de realização – mas a alma pergunta: realizar o quê, nesse caos emocional, individual e coletivo em que estamos? Dias em que experimentamos mais de perto o poder do inconsciente, mostrando-se no impulso por mais vivacidade, mais paixão e entrega à vida e àquilo com que estamos envolvidos – temos preguiça de “pegar leve”, porque ou agarramos as coisas de corpo e alma, ou nem mesmo as notamos. Há impulso também por mais controle e muitos poderão tirar proveito disso, manipulando as aspirações ingênuas e românticas de outros – inclusive da massa, carente de mitos e gurus. Para quem vem de períodos de desânimo, essa nova força é bem vinda e até nos prepara para os próximos embates – daqui a pouco Marte e Vênus confrontarão a Saturno – mas também podemos exagerar na dose ou na aplicação, talvez até como forma de compensação. Pode ser um bom momento para cavarmos dentro de nós em busca de auto sustentação, de transformar os processos internos, para que a realidade externa também se modifique e seja mais condizente com nossas aspirações; de salvar-nos a nós mesmos, em lugar de esperar que outros o façam, o que muitas vezes nos expõe à má fé alheia; de transformar nossos valores e, a partir deles, também transformar nossas atitudes no mundo: queremos mais amor e paz? Sejamos mais amor e paz, ao invés de reverberar a incompreensão, a crítica, a hostilidade, o julgamento leviano; queremos mais entendimento e compaixão? Sejamos isso para o outro, antes de revidar precipitadamente; queremos mais apoio e conciliação? Sejamos apoio, busquemos nós mesmos a conciliação. São horas também de prover por nós mesmos, a segurança, a força, a admiração e o respaldo de que tanto precisamos, sem esperar que circunstâncias ou outros forneçam isso para nós. Estando Vênus e Marte conjuntos, em aspecto a Plutão, temos também a chance de transformar nossas relações, de perceber seus altos e baixos, as dinâmicas de poder e controle, a fluidez – ou bloqueio – no afeto, o medo da entrega, o medo da vulnerabilidade, o medo de perder; as contradições internas entre entregar-se ou afirmar-se para preservar a própria vontade. E, ao olhar para tudo isso, podemos lidar com tais medos sem crises, apreendendo maneiras sutis de provocar as mudanças necessárias. O mundo se transformará quando um número suficiente de indivíduos tiver se transformado – é de dentro para fora, não é de fora para dentro! Daí o nosso compromisso e responsabilidade em visionar com clareza o mundo em que queremos viver e agir a partir dessa visão, até atingirmos massa crítica. A Lua em Peixes, conjunta a Netuno e depois oposta a Vênus-Marte colore o dia de muita sensibilidade e suscetibilidades – também há muitas irritações nascidas das contradições internas, da oscilação entre lutar ou fugir, conquistar ou desistir, obstinar ou ceder. Ideal mesmo é fazer uma salada dessas contradições e perceber que elas juntas, apesar de não facilitarem, agregam mais sabor e cor à vida! Só acessamos nossa verdadeira força, quando encaramos nossa fragilidade!

Amanda Cass – Reprodução

QUARTA-FEIRA, 4 de outubro – O Sol está em quincôncio a Netuno. A Lua Pisciana faz quadratura a Saturno, que é foco de uma T-Square mutável, já que logo receberá as quadraturas de Vênus e Marte. A Lua fica vazia depois deste aspecto, às 04h21min e ainda faz conjunção a Quíron e quincôncio a Júpiter. Ingressa em Áries somente às 17h40min, portanto, temos o dia todo de Lua fora de curso. Oscilações e dúvidas sobre nós mesmos, nossos objetivos e capacidades, intercalados com arroubos de idealismos, utopias de mundos perfeitos e justos… Se apenas nós… Conjecturas que se provam infrutíferas diante dos cenários “reais” diante de nós. Mas, independentemente da nossa dificuldade em conciliar a utopia com a realidade, é necessário insistir em sonhar, em não se prostrar paralisado pelo caos, pelo terror no mundo. Temos um dia inteiro para meditar e contemplar sobre o terror real que vivemos, nascido, muitas vezes, do fundamentalismo, do pensamento tacanho, da imposição da visão de um sobre os demais. E meditando sobre esse terror e suas implicações, percebemos que mais do que nunca é necessário sonhar, esperançar, dar pequenos passos na direção de alguma mudança que, com sorte, crescerá lá na frente. Em termos práticos, é dia para atividades discretas, para cuidar da subjetividade, para deixar as atividades objetivas em repouso ou, pelo menos, para não esperar muito delas e fluir com a maré. A Lua está vazia em Peixes e nós oscilamos com essas marés – se lutamos contra, nos afogamos, se fluímos, podemos descobrir novas baías, novas praias e belas paisagens! À noite recebemos uma descarga nova de energia que nos faz querer sair do casulo e realizar aquelas coisas para as quais não tivemos ânimo durante o dia. Mas vale ficar atentos a impulsividade e precipitações – não vamos salvar o mundo do dragão da maldade numa única noite!

Re
Reprodução

QUINTA-FEIRA, 5 de outubro – Vênus está em conjunção a Marte e o Sol segue em quincôncio a Netuno. Enquanto isso, a Lua Ariana faz oposição a Mercúrio e depois ao Sol, culminado o ciclo iniciado em Virgem na Lua Cheia de Áries, aos 12°42’ deste signo. A Lua ainda faz quadratura a Plutão. É dia de crises, pequenas ou grandes, nos relacionamentos. Crises que podem levar a rupturas ou a um comprometimento mais intenso e verdadeiro. A Lua nos convida a nos afirmar com mais clareza e transparência dentro das nossas relações de todo tipo mas, principalmente, nas relações afetivas. Não é hora de ficar em cima do muro, de botar panos quentes em nada. É hora de se posicionar, de buscar autonomia; de equilibrar nossa necessidade de relacionamentos com uma imprescindível dose de independência, só assim as relações podem se manter saudavelmente. A simbiose, seja emocional ou social, leva à anulação individual, e sem indivíduo, quem está realmente vivendo a relação? Com quem estamos nos relacionando se o outro é apenas um carbono do que sou (ou se eu sou apenas carbono do outro)? A lunação se dá em quadratura a Plutão, que é foco de uma T-Square Cardinal, como já aconteceu tantas vezes desde que Plutão ingressou em Capricórnio em 2008. É necessário achar esse equilíbrio mencionado para que as relações sejam vividas de forma madura e para que sejam úteis à transformação social – é muito fácil ser feliz na bolha simbiótica, isolados do mundo, perdidos no olhar mútuo narcisístico, difícil mesmo é viver as relações enfrentando os desafios mundanos diários que ameaçam aniquilar a ordem e a própria existência humana. Por isso, o amor precisa ser transformador; as relações precisam nos transformar, nos levar a dar o melhor de nós mesmos, não só ao outro que é parceiro, mas à própria existência e à vida como um todo.

Reprodução

SEXTA-FEIRA, 6 de outubro – Mercúrio faz quincôncio a Netuno. A Lua Ariana faz quincôncios a Marte e a Vênus em Virgem, trígono a Saturno, conjunção a Urano e oposição a Júpiter, ficando vazia depois desta disputa, às 19h39min. Ingressa em Touro às 20h56min. O dia está assim, meio desconjuntado e desconjuntados estamos nós também, como alguém que tenta caber a todo custo numa roupa de número muito maior/menor do que o seu, ou, como diria Clarissa Pinkola Estés, como tentar ficar elegante numa roupa mal-feita – ou ainda, tentar ficar no salto que dilacera os pés. Sentimos como se tudo estivesse fora do lugar, nossos desejos e impulso realizador em contraste com as necessidades mais prementes, de modo que ficamos indo e vindo, sem decidir realmente que direção tomar. A mente está enevoada, seguindo palpites errôneos, embora fascinantes, o que nos deixa confusos sobre a qualidade e credibilidade dos pensamentos. Mas aqui, a sabedoria é observar essa mente sem se apegar aos pensamentos, sem lhes imputar valor ou expectativas, apenas observá-los, sem agir imediatamente em cima deles, deixar primeiro que se assentem para provarmos a que vieram… Alguns podem ser válidos e preciosos, outros podem ser completamente vãos. Divertir-se com as inúmeras e ensandecidas elucubrações mentais é o que de mais sábio podemos fazer. Quanto à sensação de desmantelo interna, convém olhar para isso com genuína curiosidade, para ver o que o desmantelo e desconforto vêm nos mostrar sobre nós mesmos e nossos problemas correntes; também não apegar-se a essas sensações, porque elas também vão passar, mas enquanto são vigentes, têm muito a nos ensinar. O ego, se for forte e saudável, terá capacidade para conter a irritação, de modo a não deixar que respingue sobre outros sob forma de criticismos mesquinhos e tóxicos, e perceberá a atitude certa a ser adotada, fortalecendo-se para, mais tarde, romper com o que tiver que se romper e manter o que deve ser mantido.

Reprodução

SÁBADO, 7 de outubro – Urano está em semi-quadratura a Netuno, aspecto exato hoje. De Touro a Lua faz sesqui-quadraturas a Marte e a Vênus em Virgem e também a Saturno em Sagitário, virando foco de um Martelo. A Lua faz ainda sextil a Netuno e quincôncios a Mercúrio e ao Sol e fecha a noite em harmonia com Plutão. Vênus, regente da Lua, está em quadratura a Saturno – exata amanhã. As dúvidas e perguntas que não conseguimos responder são jogadas hoje para o fundo do porão, porque queremos lidar com coisas reais e concretas, com aquilo que podemos tocar e ver e de preferência, que reafirmem nossas parcas certezas – quem quer saber de ideais quando eles estão estraçalhados e só nos causam desapontamentos? Mas o fato de escolhermos ignorar algo não significa que tal coisa deixe de existir – as dúvidas vão continuar lá, no fundo do coração, e irão pipocar mais tarde de formas disfarçadas, na ansiedade, na inquietação que não vai embora, no comer ou beber compulsivo para aplacar sedes ou inseguranças emocionais, na busca desenfreada por um prazer imediato que nos faça sentir que estamos vivos, vivinhos-da-silva, apesar do tédio e da sensação de anestesia – é exatamente para fugir da anestesia que mergulhamos nos sentidos, nos prazeres, para nos provarmos vivos e operantes, apesar dos pesares. E, de fato, é bom nos darmos ao luxo de usufruirmos dos prazeres simples de uma boa comida, um abraço apertado, um cheiro pungente, uma visão de beleza, para encantar nossos sentidos, para apreciar a graça efêmera da vida, desde que, paradoxalmente, não estejamos usando isso como forma de nos amortecer – novamente – contra aquilo de que temos que ter muita ciência e consciência, mais do que nunca. Podemos sim, nos reabastecer na beleza e no prazer, mas como forma de recarregar as baterias e as forças para os próximos embates, não como fuga da vida consciente. Em termos práticos o dia está bom para o descanso e os prazeres simples: uma boa mesa, um cochilo sossegado, um meditar tranquilo nas coisas básicas da vida que nos ajudem a entender nossos medos e inseguranças. As relações estão sujeitas a algumas dificuldades, armadas por sensação de inadequação, inseguranças, receios e dúvidas entre o que queremos e o que realmente precisamos. Não é um período favorável para DR’s e a compreensão e empatia deverá ser o prato principal do fim de semana, se for para contornarmos as crises que possivelmente surjam.

Reprodução

DOMINGO, 8 de outubro – Vênus está em quadratura plena a Saturno e Mercúrio está em conjunção Cazimi ao Sol em Libra, signo regido por Vênus. A Lua está em Touro – também regido por Vênus – e faz trígono a Plutão e a Marte-Vênus em Virgem, formando um Grande Trígono de Terra. A Lua fica vazia depois do trígono a Vênus, às 10h47min. Faz ainda sextil a Quíron e quincôncio a Júpiter, antes de entrar em Gêmeos, às 22h45min. É um domingo que pode ser muito melindroso e crítico ou muito propício ao auto-entendimento, depende de como lidamos com nossos sentimentos e de como reagimos aos acontecimentos ao nosso redor. Primeiro, estamos sujeitos ao auto-criticismo duro, a nos sentirmos inadequados e falhos, deixando a desejar em áreas que para nós são cruciais para termos um sentido de valor, de auto-respeito. Talvez relembramos erros do passado e isso nos deixa para baixo, meio insossos e com receio de olhar as cartas de que dispomos, porque já antevemos que são ruins, mesmo sem ter olhado para elas… Assim, duvidando do nosso próprio valor, duvidamos daqueles que se aproximam e já os descartamos ou mandamos embora, com receio de nós mesmos sermos descartados como inúteis e desnecessários. Assim criamos uma profecia auto-realizada e de fato acabamos por nos isolar e afastar pessoas as quais ansiamos por estar perto, mesmo que não admitamos. Contudo, temos a chance de refletir antes das reações automáticas e ponderar nas coisas com algum bom senso, vendo defeitos e qualidades sob uma lente mais prática e menos exagerada. E, em lugar de nos sentirmos como o pano de chão imprestável, podemos enumerar nossas boas qualidades, de modo a contrabalançar a autoestima minimamente. Temos bastante Terra, que nos ajuda a ser práticos e resilientes diante dos problemas, de modo a vê-los como desafios que podem ser superados com esforço e empenho sincero no auto-melhoramento. E da mesma forma como olhamos para nós e nossas falhas, podemos ter empatia para olhar para outros e suas dificuldades, dando uma palavra de incentivo e estímulo, ao invés de jogar terra sobre alguém que já está afundando. Nas relações é preciso cautela nos diálogos, na forma como nos exprimimos, nas escolhas que fazemos entre expressar ou não o que sentimos; entre revelar nosso afeto, a despeito do terror da rejeição ou guardá-lo para nós mesmos, pelos mesmos receios. É necessário compreensão, empatia e sobretudo, muito amor no coração para acolher o outro e a si mesmo, mesmo quando o outro (ou eu) parece não merecer – tem aquela frase, que nos tempos de internet é difícil saber o autor verdadeiro: “é preciso amar as pessoas quando elas menos merecem, porque talvez seja quando elas mais precisam”. A mente hoje se embebe dos propósitos conscientes de buscar novas parcerias, de ser ponte e mediar conflitos, ao invés de fomentá-los – é tempo de refletir se nossos pensamentos estão alinhados com os propósitos maiores do centro da nossa consciência. Se não estão, vamos alinhá-los!

Desejo a você uma ótima semana, de luz e proteção!

Aqui neste vídeo você vê o Horóscopo de outubro para todos os signos, em parceria com o Horóscopo Virtual:

(1) Astrid Fallon – Planetary Cycles at a Glance – Fallon Astro Graphics – UK

 

A Semana Astrológica

Reprodução

Semana de 11 a 17 de setembro – Tempo de limpezas, purificações e términos; análises, avaliações e reciclagens; tempo de lidar comas próprias limitações e inseguranças, adotando atitudes que possam resolvê-las. Mas é também de buscar novos estímulos nas relações, de voltar a surpreender-se e a apaixonar-se!

Esta semana é de Lua Minguante, com esse Minguante acontecendo no dia em que o Sol quadra Saturno em Sagitário – reforço nas limpezas e finalizações. O Sol quadra Saturno na quarta-feira, sinalizando uma auditoria no nosso desenvolvimento pessoal, um autoexame minucioso sobre a estreiteza ou amplitude dos nossos propósitos e objetivos e também como equilibramos nossos deveres e obrigações sociais versus os deveres e obrigações para conosco mesmos, incluindo nos valorizarmos por aquilo que fazemos bem feito.

Reprodução

Vênus é a grande vedete da semana e essa questão do auto-valor é o tema chave do movimento que ela também faz ao mesmo Saturno – um trígono – que ocorre junto com a conjunção de Vênus ao Nodo Norte em Leão. Vênus, aliás, passa a semana em formação de Pipa, fazendo primeiro um Grande Trígono em Fogo ao se harmonizar com Saturno e Urano, configuração que se torna Pipa porque Vênus também faz sextil a Júpiter, que por sua vez faz sextil a Saturno. Toda essa movimentação do planeta do amor e da beleza propicia tempos de maior harmonia nas relações em geral, especialmente nas amorosas. Em termos amplos, temos uma trégua mínima, porque essa configuração pode trazer algumas perspectivas em relação às últimas crises, uma percepção de onde e como podemos mudar o presente sombrio, para termos um futuro um pouco mais promissor e luminoso. É um período em que conseguimos conciliar nossos desejos de expansão, liberdade e independência com a necessidade da estabilidade das relações duradouras – para conseguirmos essa conciliação maturidade e autoconhecimento são fundamentais. Também há possibilidades de surpresas agradáveis, encontros inesperados, guinadas positivas nas relações.

Reprodução

Se conseguirmos lidar com as pontadas eventuais de inseguranças e as lembranças dolorosas de erros passados, podemos sim ter dias de alegria, prazer e também novidades interessantes no relacionamento. Isso porque Vênus também faz quincôncio a Quíron durante alguns dias e como Júpiter faz o mesmo aspecto a este asteroide, Quíron torna-se foco de um Yod-Dedo de Deus. Faz-se ainda necessário vigiar nosso excesso de entusiasmo e expectativas exageradas em relação a pessoas e situações que talvez não estejam completamente disponíveis, ou que estejam feridas, alquebradas… Também não adianta se meter a ajudar, se o outro não está aberto a isso ou, pior: magoar o outro para aplacar a própria dor – ninguém se cura machucando o outro! No que tange aos investimentos, é um período interessante de novas e estimulantes oportunidades nos negócios em geral.

Reprodução

Mercúrio ingressou em Virgem novamente, mas ainda fica na zona sombria de retrogradação até o dia 19 de setembro e faz oposição a Netuno na virada de 19 para o dia 20. Nesta semana Mercúrio faz conjunção a Marte e sugere maior rapidez mental, análises mais ágeis. Esse aspecto aumenta a necessidade de comunicação, mas também a propensão ao criticismo e à irritação, particularmente na segunda e na terça-feira, quando a Lua passa por Gêmeos fazendo aspecto a essa conjunção e depois a Saturno. São dias bons para se agilizar o que está pendente, para finalizar processos e para a resolução de problemas intrincados em geral.

Alex Ruiz – reprodução

A Lua abre a semana na fase Disseminadora, vazia em Touro. Torna-se Minguante em Gêmeos na quarta-feira e Balsâmica a partir de Leão, no sábado. Fecha a semana ainda em Leão, reforçando a Pipa junto com Vênus, Saturno, Urano e Júpiter. A Lua será nova em Virgem na quarta, 20 de setembro.

Reprodução

SEGUNDA-FEIRA, 11 de setembro – A Lua entrou o dia vazia em Touro – ficou fazia depois da quadratura à dona da casa, Vênus, toda poderosa em Leão. A Lua fez quincôncio a Saturno e depois a Júpiter e ainda se harmoniza com Quíron em Peixes. Ingressa em Gêmeos somente às 16h30min e à noite arruma várias “tretas” com Mercúrio e Marte. Esqueça! Esqueça a ideia de ter um dia super-hiper-produtivo… Segunda-feira com Lua vazia em Touro, é pra pegar leve porque a energia está mais para descanso, ruminações, digestão emocional das vivências recentes. E haja preguiça!!! Mas o relógio continua seu tique-taque e o chefe não perdoa, não é mesmo? Então, concentre-se nas tarefas inacabadas e pendentes; na organização da agenda, da mesa de trabalho… No ajuste dos planos em andamento e sério, se póssivel, tire algum tempo para fazer nada e apenas pensar e refletir sobre seus projetos, onde poderia melhorar, que alterações poderiam embelezar tal projeto ou trazer mais prazer e alegria a todos os envolvidos. O dia está lento e as horas se arrastam. Em vez de reclamar, tire proveito da modorra! Não brigue com o clima, tire proveito dele! Em termos práticos o dia não está mesmo propício para começar nada novo, nem para fazer muitas estrepulias – não temos nem energia física, nem objetividade mental para isso, portanto, é melhor relaxar e fluir com a maré. No fim da tarde o clima muda radicalmente e recebemos vários estímulos: o telefone toca, o e-mail finalmente chega, a reunião sem-fim finalmente acaba, e o clima fica mais dinâmico. À noite há propensão a discussões fúteis, bate-boas e até conflitos mais sérios em que todos falam e ninguém se entende. Vale lembrar que a gente tem dois ouvidos e uma boca – ouvir o outro – DE VERDADE – antes de simplesmente retrucar pode salvar a noite – e as relações!

Jamens Jean – reprodução

TERÇA-FEIRA, 12 de setembro – Vênus em Leão está em trígono a Saturno em Sagitário. A Lua Geminiana quadra Netuno e faz quincôncio a Plutão. O Sol está bem próximo da quadratura a Saturno. Por um lado, estamos satisfeitos com aquilo que temos e com o que somos, principalmente, com as nossas relações e mesmo se houver algum problema, estamos dispostos a lidar com ele com serenidade. Entretanto, uma outra parte de nós está irrequieta, almejando outras alturas, muito além do solo debaixo dos nossos pés. Queremos perfeição, inspiração ilimitada, voar em outros ares… O que ganha em nós? A realidade! É um dia bom para confrontar o que fantasiamos e é absolutamente inalcansável e aquilo que está à nossa disposição, que é realizável, mesmo que seja imperfeito. Nossa maturidade e aceitação das coisas como são é que decidirão qual parte leva a melhor dentro de nós. O que vai ser para você? Fantasias e expectativas que nunca vão se realizar ou a possibilidade imperfeita mas, de todo modo, ao alcance das suas mãos? Às vezes, a realidade é um labirinto muito mais interessante do que as fantasias escapistas que se escoam por entre os dedos.

Reprodução

QUARTA-FEIRA, 13 de setembro – O Sol Virginiano hoje está em quadratura plena a Saturno em Sagitário. Por sua vez, a Lua Geminiana faz quadratura ao Sol (entra na fase Minguante) se opõe a Saturno e também quadra Quíron, formando uma Grande Cruz Mutável pesada. Como ajuda para desanuviar um pouco o clima a Lua se afina com Vênus, harmoniza-se com Júpiter e ainda  com Urano, ficando vazia depois deste aspecto, às 15h36min. A Lua ingressa em Câncer às 19h13min e fecha a noite em harmonia com Mercúrio. O dia traz alguns questionamentos complicados de serem elucidados, porque embora tendamos a imputar a outros o peso de tais questões, no fundo sabemos que a responsabilidade é nossa. O quanto nos empenhamos para nossa realização profissional, o quanto focamos no trabalho e na obrigação de “vencer na vida” e o quanto isso nos tira de nós mesmos? O quanto comprometemos de nossa vida pessoal e interior, de nossas relações, de nossa espiritualidade em função de corresponder às expectativas sociais, materiais ou quaisquer outras que não nascem verdadeiramente do nosso coração? E o quanto isso nos faz sentir mutilados, alienados de nós mesmos, de nossos sentimentos e vida interior? Conseguimos cuidar adequadamente da saúde, do lazer, das relações? Temos alegria? Ou estamos tão automatizados que já nem nos perguntamos tais coisas? Há objetivos mundanos e materiais importantes, é claro, mas muitas vezes a balança está desequilibrada e quando vemos, a vida carece de sentido, está vazia e árida. Esses questionamentos ficam bem agudos nesta semana e mais fortes hoje. O que adiciona ênfase a tais questões é que estamos num momento em percebemos a necessidade de focar mais nas relações significativas da nossa vida – aquelas que nos preenchem e nos ajudam a nos fortalecer como pessoas – de levá-las mais a sério, de solidificá-las também. Então, é tempo de ser honestos quanto a esse equilíbrio ou falta de, ao invés de simplesmente reclamar das chefias, do excesso de trabalho, das cobranças, do peso das responsabilidades. A gente só faz o que funciona, então, se continuamos a fazer o que fazemos, apesar de reclamar, é porque estamos ganhando alguma coisa com isso, mesmo que inconscientemente. De modo geral o dia pode trazer grande sensação de insegurança, consciência aguda as nossas limitações, sentimentos de crítica e julgamento por parte de outros e também vitalidade baixa. Isso vai passar, mas vale prestar atenção aos questionamentos suscitados! O Minguante sugere que abramos mão da informação excessiva e inútil que entope a cabeça e o coração e nos concentremos naquilo que é essencial!

Reprodução – Desconheço o autor

QUINTA-FEIRA, 14 de setembro – O Sol ainda está em quadratura a Saturno na virada da quarta para a quinta. A Lua está em Câncer, sua casa, e troca afagos com Mercúrio e Marte em Virgem e ainda se sensibiliza profundamente com Netuno em Peixes, mas arma uma contenda séria com Plutão em Capricórnio. Vênus está conjunta ao Nodo Norte, Cabeça do Dragão. A exemplo de ontem, o dia hoje também traz um peso que sobrecarrega os ombros e o coração, além de nos fazer duvidar de nossa capacidade de carregá-lo. De qualquer forma, a alma busca ajuda pela manhã e encontra estamina emocional e, ao alinhar-se com a mente e o corpo, consegue também algum centramento e a perspectiva da impermanência e temporalidade de tudo, incluindo nossos dilemas. Até conseguimos sair do nosso umbigo e perceber que outros também travam suas batalhas internas e tentam não sucumbir diante das dificuldades. À noite, porém, a atmosfera volta a ficar carregada e nos sentimos prensados por nossas emoções turbulentas, nossas carências, inseguranças, vulnerabilidades… Queremos colo! E se não achamos, de nada adianta culpar os céus, anjos ou demônios. Ainda temos a nossa própria companhia, que deveria ser a melhor de todas, sempre, portanto, nada ficar emburrados e chorosos! Se estamos cercados de quem amamos, que sejamos inteiros e verdadeiros com essas pessoas; se estamos a sós, sejamos verdadeiros e carinhosos conosco mesmo, nutrindo nossa alma e reafirmando nossa autoestima, assim conseguimos estabilidade emocional. De qualquer forma, há muitas possibilidades de encontros, programados ou fortuitos, que podem nos ajudar a elevar nosso humor, que podem acender nossa alegria e generosidade, desde que ousemos sair da nossa concha e dos nossos probleminhas e olhemos em volta, para além do nosso umbigo infantil.

Catrin Welz-Stein – Reprodução

SEXTA-FEIRA, 15 de setembro – Vênus está em sextil exato com Júpiter e ainda em trígono a Saturno e a Urano, tornando Júpiter foco de uma Pipa. A Lua se separa da oposição a Plutão irrita-se muito com Saturno, caça confusão com Júpiter, se harmoniza com o Sol e com Quíron, mas encrenca de vez com Urano, e fica vazia depois dessa briga, às 18h24min. Ingressa em Leão às 22h09min. O dia está propenso a muitos altos e baixos, a viradas e guinadas inesperadas de acontecimentos e, principalmente a mudanças súbitas de humor e das emoções. Ora estamos super animados, entusiasmo rasgado e desmesurado; ora ficamos hiper-sensíveis e irritados, reclamando de tudo e de todos e quando, finalmente, sentimos que o coração acalma e se alinha com as outras partes, situações abruptas voltam a ocorrer e nos tiram de novo do eixo, deixando-nos de novo irritadiços… além disso, sentimo-nos divididos entre o desejo de proximidade e intimidade e o impulso por soltura… Mas é possível conciliar essas disparidades, desde que primeiro as aceitemos, desde que primeiro olhemos com carinho para nossas contradições e as admitamos serenamente – só então podemos costurar o que foi ao que vai ser, e poderemos então integrar a paixão ardente à necessidade de longevidade e estabilidade; poderemos nos permitir ser inteiros, mesmo que tenhamos muitas facetas diferentes e inteiros, podemos nos expandir, expandir nossa autoestima, nosso senso de valor e atrairemos relações de valor para nossas vidas. E poderemos também, nos responsabilizar por nossa alegria, nosso prazer e nossa própria felicidade, sem esperar que ela nos seja dada por outros – os outros virão apenas compartilhá-la! E serão bem vindos!

Scott Seymour – reprodução

SÁBADO, 16 de setembro – Mercúrio está conjunto a Marte. De Leão a Lua faz sesqui-quadratura a Saturno e depois a Quíron. Desentende-se com Netuno e fecha a noite também irritada com Plutão. Hoje temos à nossa disposição muita energia mental e intelectual, que pode bem ser utilizada para acelerar projetos que demandem agilidade, presença de espírito, rapidez de raciocínio. Mas é possível também que estejamos muito irritados e, ao invés de colocar essa estamina mental em bom uso, acabemos por nos envolver em discussões, debates, conflitos desnecessários nascidos de criticismo, seja nós criticando a outros ou nos sentindo criticados e reagindo defensivamente – e o estopim, que já está curto, pode ser aceso pela palavra impensada. Mas, será que realmente precisamos nos defender? Será que há motivos para a defensividade e a irritação? Vale ficarmos alertas, porque parte de tudo isso pode muito bem nascer da sensação, inconsciente, de inadequação e desencaixe que sentimos em relação aos nossos pares ou às situações em que estamos envolvidos. Se formos honestos o suficiente, conseguiremos analisar as coisas com arguteza e acertar no alvo daquilo que originou a insegurança e que estimulou os conflitos. Dirimidos tais conflitos ou mesmo a irritação, podemos nos concentrar naquilo que precisa ser planejado e executado com presteza e acuracidade e teremos então, um dia realmente produtivo. Cautela no trânsito e nas interações, porque a tendência também a impaciência, intolerância e a incompreensão quanto às falhas alheias.

Catrin Welz-Stein – Reprodução

DOMINGO, 17 de setembro – Vênus em Leão está em trígono exato a Urano em Áries. A Lua Leonina desafina-se com Plutão, mas depois junta-se à festa com Vênus e Urano e as duas ainda convidam o sisudo Saturno. Vênus se chateia no meio da estória por causa de Quíron. O domingo traz uma atmosfera animada, elétrica e queremos sair da rotina completamente, fazer coisas ousadas, inusitadas; trilhar caminhos insólitos, mas nos quais nos sentimos seguros, porque seguimos o impulso do nosso coração, que hoje se alegra, se diverte, se regozija na novidade, nos encontros inesperados, nas possibilidades de novo se descortinando à nossa frente. Nas relações fazemos questão de adicionar elementos não convencionais, que tragam frescor e estímulo onde faltava surpresa e admiração – estas agora são renovadas! O certo é que é um dia para fazer e buscar coisas e experiências incomuns, seja sozinho, a dois ou em bando – aliás, dificilmente estaremos sozinhos, porque simplesmente sentimos a urgência da diversão com almas afins, ou mesmo com almas completamente diversas de nós mesmos. Há muito estímulo, inquietude, empolgação e coisas inesperadas podem acontecer, mas ao invés de isso nos incomodar, adiciona mais vigor e expectativa ao que nos espera ao virar da esquina. Quem puder que aproveite, porque, de fato, o dia está propício à diversão e a sair para o mundo aproveitando as boas vibrações e as companhias inusitadas e vibrantes que encontrarmos pelo caminho. Para os amantes, o dia está ótimo para experimentações, para se surpreenderem mutuamente e reacenderem a chama da paixão na relação que andava meio morna e previsível.

Ótima semana para você!

Lua Cheia em Peixes – Não afunde, flua!

Birth Chart Painting – Lua Cheia em Peixes – Reprodução

Um derramamento profuso de emoções e sentimentos, é o que simboliza a Lua Cheia em Peixes nesta quarta-feira, dia seis de setembro, às 04h03min no horário de Brasília – 08h03min para Lisboa. Por que todo esse aguaceiro? Porque, além de a Lua estar em Peixes, signo das Grandes Águas, que simbolizam o retorno à Unidade, a lunação se dá em conjunção muito próxima a Netuno, de cerca de um grau.

Virgem – Iconografia antiga – Reprodução

O Sol trafega atualmente o signo de Virgem, signo de ordem, controle, seleção, separação, apuro técnico, acuidade, análise. Virgem é regido por Mercúrio e é o mais racional dos signos de Terra. Já Peixes, é o signo do caos, e a Lua Cheia vem equilibrar a energia da ordem com um pouco de desordem. Em Peixes somos convidados a abraçar outras percepções além daqueles pertencentes ao mundo palpável, sólido, real. Em Peixes a imaginação alça voos mais altos e mais profundos, para dimensões que a mente racional não alcança e tem que ser deixada “desligada”, como mera expectadora, se for para aproveitarmos a experiência. Além da grande criatividade e imaginação – que premia as pessoas fortemente Piscianas com os dons artísticos, seja nas belas artes como na música – Peixes também traz presente os valores da compaixão, altruísmo, empatia, serviço, cura. É o último signo do Zodíaco, o ponto em que o ego se dissolve e volta para a Unidade, para o Todo, para que tudo volte ao estado do vir a ser. Assim, as lunações ocorrendo nesse par de signos, representam um período de ordenar e sintetizar nossa criatividade; de esmerar nossa técnica, burilar nossas habilidades, para que com elas, possamos explorar com eficiência a esfera da imaginação e para que possamos produzir algo de valor a partir desse caos aparente. É também o período de manifestar os valores da empatia e da compaixão, através de atitudes práticas diárias, do serviço ao próximo, do sermos úteis e desprendidos – claro, não é que devamos ter tais atitudes somente neste período, mas é quando nos conscientizamos mais claramente destes valores.

Elena Kalis – alice Under Water – Reprodução

E nesta Lua cheia tais valores e sentimentos estão mais extravasados, porque os diques se romperam, as comportas se abriram e as águas irrompem das profundezas da alma e do inconsciente. O principal aspecto que a Lua faz nesta lunação é a conjunção a Netuno, regente moderno de Peixes, o que aumenta e potencializa tudo o que já dissemos sobre este signo. Além disso, o único ponto em Ar é Júpiter, regente tradicional de Peixes. A sensibilidade está exacerbada e nos sentimos muito expostos, como se não tivéssemos pele psíquica, porque as fronteiras estão dissolvidas e guarda, baixa. E a objetividade está embotada, afogada.

Kindra Nicole – Reprodução

Sendo a Lua Cheia um tempo de iluminação das questões mais inconscientes, a conjunção a Netuno e a própria energia Pisciana vêm iluminar nossos anseios e desejos de fusão e redenção, o desejo de nos render e parar de lutar contra o ímpeto de consciência, contra o ímpeto de separação e individuação. Esta ênfase em Netuno – que também acabou de receber a oposição do Sol – e o fato de estar ser a primeira lunação pós eclipse, o apogeu do ciclo iniciado com o eclipse do dia 21, sugerem uma desistência, uma rendição: exaustos que estamos de todas as lutas recentes, desmoronamos e desistimos de “segurar a onda” e simplesmente nos permitimos sucumbir, mesmo que temporariamente, relaxando o controle e então, toda a tensão acumulada deságua, seja na forma de choro, de sono, de exaustão, de ingestão de álcool – esta não é a melhor das opções! E sim, por um lado, é um momento adequado para deixar a tensão desaguar, é um momento apropriado para limpar e purificar o coração e a alma de todos os ranços, cansaços; é um bom momento para abrir mão do controle e confiar no fluxo, mesmo que o rumo pareça completamente incerto e obscuro. Apenas fluir e confiar na correnteza, respirando, respirando e flutuando – como quando se cai num rio, se entrarmos na ansiedade e começarmos a nos debater nessas águas, afundamos feito pedra e nos afogamos! Do contrário, se respirarmos e mantivermos a calma, flutuamos e fluímos com a correnteza.

Lua Cheia em Peixes – Brasília, 6 de setembro, 04h03min

Além da conjunção a Netuno, a Lua Cheia se afasta de um quincôncio a Vênus em Leão – e claro, Vênus está em quincôncio a Netuno também – e se aproxima de sextil a Plutão em Capricórnio. Estando os dois “planetas” femininos envolvidos com Netuno, esse feminino se confunde com a imagem da Grande Mãe, aquela que dá a vida e ao mesmo tempo a devora; a mãe que é, ao mesmo tempo, mãe e amante do filho redentor e o desmembrará para que a redenção aconteça e ele possa ressuscitar – um tema básico de Peixes. Trazendo o mito para o presente, é necessário ficarmos atentos às identificações momentâneas com esse mito e a necessidade de atuar essa Grande Mãe Todo-Poderosa que asfixia o outro no seu abraço de amor mortífero; atenção também para as idealizações excessivas do outro, das relações e até de nós mesmos como parceiros dentro dessas relações. O sextil a Plutão talvez nos ajude a enxergar a verdade, mas é preciso estar de olhos abertos e talvez isso seja muito difícil nas próximas duas semanas, tempo em que essa lunação tem efeito.

Dreamstime – Reprodução

A ajuda pode vir mesmo é de Saturno em Sagitário, a quem a Lua faz uma quadratura aplicativa – ainda vai acontecer. Saturno é foco de uma T-Square Mutável, pois recebe as quadraturas (amplas) da Lua e do Sol. O Sol torna essa quadratura exata no dia 13 e a Lua, algumas horas depois de ser cheia. Saturno é o ponto de alerta e de realidade que pode nos segurar no meio do caos, que pode nos ajudar a manter os pés no chão, a árvore firme e de raízes profundas à qual se amarrar quando o tsunami vem. Podemos sim, abrir mão do controle momentaneamente, como sugerido por Lua-Sol-Netuno; podemos deixar a tensão desaguar, mas apenas para um descanso provisório, apenas para uma trégua, porque logo à frente, precisamos voltar ao nosso posto de observação e ação na realidade. Precisamos nos render e absorver as imagens oníricas e mágicas que surgem do inconsciente, mas depois precisamos fazer algo manifesto com elas; precisamos voltar a nos responsabilizar por nós mesmos e o que acontece à nossa volta. Não dá para ficar navegando a esmo indefinidamente! Por outro lado, esse aspecto a Saturno sugere que se nos deixarmos iludir pelas promessas vazias e fantasiosas de hoje, ali à frente podemos ter que lidar com uma realidade meio amarga e dura, portanto, mais uma vez, melhor ficar atentos às auto ilusões e auto enganos.

Magritte – Reprodução

Mercúrio, regente do Sol, está no grau 28° de Leão – grau do Eclipse total do Sol – e está estacionário-direto, voltando a se movimentar para a frente poucas horas depois da Lua Cheia. Mercúrio ganha ênfase pelo fato de estar estacionário-direto e pode ser de grande ajuda para trazer lucidez e clareza no meio da enxurrada, simbolizando ideias e presença de espírito, a melhor atitude no meio do caos. É mandatório estar centrados para termos essa “presença” de espírito, para sabermos quando falar e quando calar, quando agir e quando esperar.

Brooke Shaden Photography – reprodução

Júpiter, regente tradicional da Lua Cheia, como já dito, é o único ponto em Ar e isso também ressalta sua importância: achar o equilíbrio e a exata medida das coisas, algo que pode ser difícil a princípio, visto que Júpiter está em oposição a Urano, adicionando imprevisibilidade, atitudes erráticas e meio tresloucadas, oscilações no entusiasmo, que ora vai, ora vem. Para lidar com tais oscilações, precisamos nos conectar com a nossa alegria, aquela alegria serena, que não é euforia, mas o contentamento interior que nos ajuda a enfrentar as tempestades. Mais: Júpiter está no Ponto Médio entre Saturno e o Nodo Norte – Cabeça do Dragão – e, segundo Ebertin, isso sugere “apreço à solitude, alegria no isolamento, a experiência de alegria interior através do auto sacrifício pelos outros” – portanto, para que Júpiter possa nos ajudar, precisamos dar uma forcinha a ele, encontrando ilhas de calmaria, momentos de solitude, onde possamos nos conectar com essa alegria interior. De Netuno, regente moderno de Peixes, já falamos acima: está conjunto à Lua, potencializando as manifestações dessa lunação.

Reprodução

O Símbolo Sabiano para o grau 14 de Peixes (13°53’) traz a imagem de “Uma mulher enrolada numa grande estola de pele de raposa”. Dane Rudhyar nos diz que o tom básico deste símbolo é “o uso da inteligência e da sutileza mental como proteção contra as tempestades e provações”. Rudhyar nos lembra que a raposa é um animal inteligente e sutil no simbolismo e na mitologia, representando a “astúcia” e a capacidade de se adaptar a toda e qualquer situação de vida. “A vontade espiritual e a capacidade de enfrentar os testes são necessárias em qualquer situação crucial ou desafiadora que um indivíduo pode encontrar num grupo orientado para o poder. Mas a vontade, tipo espada, muitas vezes, tem que ser protegida, e a inteligência ou perspicácia podem ser a ajuda mais preciosa quando estamos em perigo. É um escudo pessoal (ou seja, “animal” ou instintivo), talvez até uma camuflagem. Ele esconde a vontade central, mas mantém o indivíduo protegido de dificuldades desnecessárias. O que vemos simbolizado aqui é um modo auto-protetor de encontrar as inclemências do clima, real ou psíquico, que abundam quando se leva uma vida consagrada a um Todo mais vasto; pois essa consagração suscita fortes inimizades. Riscos desnecessários são proibidos ao iniciado, pois a segurança da Irmandade pode estar em perigo. A necessidade de PROTEÇÃO é imperativa, e o glamour pode ser um escudo eficaz”. Este símbolo vem se realçar a importância de Mercúrio e Júpiter e, consequentemente, a necessidade de usarmos nossa inteligência e sutileza em tempos difíceis, quando seria mais fácil entrar em pânico e desespero. A vontade precisa ser firme e forte e a vontade vem de Marte, que está em Virgem, ou seja, precisamos nos ater ao que podemos fazer, efetivamente, em termos práticos, sem nos perder nos detalhes irrisórios. E, assim como Virgem, precisamos ser prudentes e nos esquivar de riscos desnecessários e a auto-contenção é fundamental – o que pode ser um risco desnecessário no seu contexto pessoal? Só você pode saber! Mas de modo geral, riscos desnecessários têm a ver com envolver-se em situações duvidosas, deixar-se levar por medos irreais, deixar-se levar por euforias igualmente enganosas, fragilizar-se em demasia em situações/lugares que lhe deixem exposto, ingestão de substâncias alteradoras da consciência – peixes e Netuno exacerbam seus efeitos!

Christian Schloe Digital Art – Reprodução

Em resumo, esta Lua Cheia traz um momento de alívio nas tensões, que nos permite entrar em contato com nossa vulnerabilidade, mas isso se dá com um aumento da sensibilidade e fragilidade psíquicas, portanto, é necessário achar o lugar e a situação seguros que ofereçam a adequada contenção para o desaguar das emoções. É momento de render-se, purificar-se e lavar-se nestas Grandes Águas, mas permanecendo atentos à realidade e ao que ela requer de nós, recorrendo à nossa inteligência, perspicácia e sutileza para navegar esse maremoto!

Desconheço o autor – reprodução

Nota: pessoas com planetas e ângulos entre os graus 8 e 18 dos signos Mutáveis (Gêmeos, Virgem, Sagitário e Peixes) sentem mais intensamente os efeitos desta lunação. De modo geral o dia traz propensão a tristeza, nostalgia, sensibilidade, anseios inexplicáveis, vontade de escapar, compaixão, desânimo e atmosfera de sonhos e irrealidade… Sensações que nublam a mente e a lucidez, portanto convém ter cautela nas ações.

Uma ótima Lua Cheia para você!

Birth Chart Painting – Lua Cheia em Peixes – Reprodução

A Semana Astrológica – Plantando para o futuro

Rob Gonçalves – Reprodução

Semana de 28 de agosto a 03 de setembro – Semana de Lua Crescente, tempo bom para fermentar os negócios e os projetos, de podar os excessos e depois avançar de forma focada.

O Sol ingressou em Virgem e fica vários dias sem fazer muitos contatos, preparando-se para enfrentar Netuno e Saturno daqui a pouco. Mercúrio, ainda retrógrado, regressa ao signo de Leão, onde vai estacionar no dia cinco no grau 28. Ao voltar a Leão, Mercúrio ensaia outro trígono a Urano, mas o aspecto não chega a se concretizar, pois Mercúrio estaciona antes para voltar ao movimento direto.

Reprodução

Vênus está toda poderosa, na sua versão realeza, em Leão. Também fica muitos dias sem fazer aspectos maiores a outros planetas, apenas recebendo os contatos lunares. A ação maior fica mesmo por conta de Marte, no terceiro decanato de Leão, que nesta semana faz quincôncio a Quíron e trígono a Urano e passa a semana em formação de Grande Trígono de Fogo, já que ainda está também em trígono a Saturno em Sagitário. Esse Grande Trígono traz uma renovação de esperanças no futuro, uma percepção de que mesmo que o presente e o passado sejam tortuosos, a vida é impermanência, é surpresa, é inconstância e se, em muitos momentos a ideia da impermanência assusta, em períodos como os que vivemos atualmente, ela vem como um verdadeiro bálsamo, porque sabemos que os tempos sombrios podem até durar, mas não são permanentes.

Contudo, o fim de semana requer cuidados porque Marte e Mercúrio se encontram e trocam informações exatamente no grau do último eclipse total do Sol, no dia 21 de agosto. O fim de semana pode trazer tensões, conflitos e acontecimentos inesperados.

Lua Corcunda na Chapada dos Guimarães – Creuza Medeiros – reprodução

A Lua abre a semana ainda na fase Semi-Crescente, em Escorpião. Entra no Quarto Crescente a partir de Sagitário, na terça-feira. Torna-se Corcunda no sábado, já em Capricórnio e fecha o domingo em aquário. Faz contatos tranquilos ou estressantes com todos os demais corpos celestes, simbolizando, no céu, os “perrengues” ou delícias que vivemos aqui na Terra.

Catrin Welz-Stein- Reprodução

SEGUNDA-FEIRA, 28 de agosto – A Lua abre o dia em Escorpião, e quadratura a seu dispositor tradicional, Marte, atualmente em Leão. Fica vazia depois deste contato, às 06h39min. Faz ainda trígono a Quíron, quincôncio a Urano e ingressa em Sagitário às 16h48min, de onde faz quadratura a Mercúrio, que hoje está em sesqui-quadratura a Plutão. A Lua faz ainda trígono a Vênus em Leão. O dia está favorável a reflexões profundas acerca de assuntos ocultos e dos mistérios da vida. O que quer que façamos hoje, precisamos fazer com paixão e compromtimento, estando profundamente envolvidos e engajados, sem meio-termos, sem “mas” ou “se”… É um bom dia para refletir sobre a natureza das nossas raivas, mágoas e rancores; sobre as frustrações mais doídas e difíceis e fazer um esforço para dissolvê-las e deixá-las ir, porque estão a comprometer muito do nosso desenvolvimento, liberdade e entrega aos novos projetos ou novos relacionamentos. Também vale a pena investigar as origens mais obscuras de tais sentimentos e as razões para nos agarrarmos a eles. É, de fato, um ótimo dia para análises e sessões terapêuticas, porque podemos alcançar profundezas que em outros dias seriam inalcansáveis. Contudo, a ação objetiva está comprometida, portanto, se possível, o ideal é adiar decisões e ações importantes para mais tarde e refletir melhor sobre seus impactos no futuro. Em termos práticos é dia de observar quais eliminações serão necessárias, onde precisaremos podar as ideias e projetos nascidos ou iniciados recentemente, para que frutifiquem em todo o seu potencial.

Reprodução

TERÇA-FEIRA, 29 de agosto – A Lua entrou em Sagitário ontem e fez quadratura ao Sol ainda na madrugada, oficializando o Quarto Crescente. No fim  do dia a Lua também faz quadratura a Netuno e sesqui-quadratura a Urano. É dia de olharmos além, muito além dos fatos e detalhes menores, para podermos acrescentar visão e perspectiva aos nossos projetos e propósitos. Nossa plantação brotou e segue vicejante, mas junto vicejam também as ervas daninhas, que precisam ser eliminadas, para que o plantio cresça forte e livre das pragas. É tempo também de poda, de eliminar os excessos desnecessários e reconhecer que por mais otimistas que sejamos, não damos conta de tudo – é humanamente impossível! Assim, precisamos escolher, precisamos deixar algumas coisas de lado, para conseguirmos focar no que realmente interessa. Se a árvore ou a planta é podada, desbastada dos galhos ou ramas “inúteis”, concentrará sua seiva e crescerá mais rápido e talvez mais forte. Assim também somos nós, muitas vezes precisamos proceder com podas providenciais na vida, no trabalho, nos projetos… Assim cresceremos mais rápido e mais fortes, porque a seiva e a energia estarão concentradas. É dia também de observar onde nossa percepção excessivamente detalhista nos impede de captar a visão maior do futuro; onde só vemos a árvore diante de nós, sem perceber a floresta na qual a árvore está inserida e assim, deixamos de ver o todo do qual tudo é parte. É preciso equilibrar, conseguir perceber o micro e o macro e entender que se integram, em nós e fora de nós.

Reprodução

QUARTA-FEIRA, 30 de agosto – De sagitário a Lua se harmoniza com seu dispositor, Júpiter, que está em Libra. A Lua faz sesqui-quadratura a Vênus, conjunção a Saturno, trígono a Marte e a Urano (não exato), formando um Grande Trígono de Fogo. É dia de nos animarmos um pouco, apesar de todas as dificuldades e más notícias. É dia de ter otimismo e esperança, afinal, tudo passa, nada é permanente. Não estamos falando de um otimismo bobo e ingênuo, mas daquele que olha mais longe, que sabe que a vida é uma Roda da Fortuna, que gira, e gira e gira… Uma hora estamos embaixo e daqui a pouco estamos em cima… E vice-versa. E se nos perguntamos por que insistir em fazer o correto, em ser íntegros e decentes enquanto o mundo desmorona debaixo dos escombros de valores esfacelados, lembremos do provérvio árabe (creio que seja árabe) que diz: “quem planta tamareiras não colhe tâmaras”. Diz a estória que um homem plantava tâmaras quando foi abordado por um jovem que lhe perguntou por que plantava algo que nunca iria colher – isso porque antigamente uma tamareira levava de 80 a 100 anos para dar frutos. E o homem respondeu: “se todos pensassem como você, ninguém jamais comeria tâmaras”. Assim, não importa se o que fazemos agora talvez pareça não dar frutos imediatos; plantamos para a longevidade, as ações de hoje se refletirão no futuro, boas ou más, então, não é melhor que sejam boas as nossas ações? Aquilo que fazemos ou deixamos de fazer, repercutirão lá na frente, positiva ou negativamente. Se fazemos e vivemos com integridade, com correção, mesmo que não colhamos “as tâmaras” plantadas, ainda teremos a satisfação que nossos filhos ou netos o farão. Do contrário, se vivemos de forma inconsequente, irresponsável, sem ligar muito para o resultado de nossas atitudes e ações, talvez não só nós mesmos arcaremos com seu peso (o castigo vem a cavalo, diz o ditado antigo), como ainda deixaremos uma herança maldita para os que vierem depois. Portanto, é dia de pensar no futuro, com responsabilidade, integridade e correção. Agir corretamente, mesmo que não sejamos nós a colher os resultados. E vale sempre lembrar: as “tâmaras” que comemos hoje, foram plantadas por alguém, muito tempo atrás! Da mesma forma, muitos dos benefícios que facilitam nossa vida hoje, foram conquistados por outros indivíduos, outras gerações, que talvez nem tenham chegado a usufruir de seus feitos e nem por isso deixaram de brigar por tais conquistas.

Reprodução

QUINTA-FEIRA, 31 de agosto – Mercúrio retrógrado regressa a Leão e Vênus está em sesqui-quadratura a Saturno. Enquanto isso a Lua Sagitariana completa o trígono a Urano e fica fora de curso depois deste aspecto, à 01h43min. Ingressa em Capricórnio às 05h19min, de onde se desalinha com Vênus, mas se afina com o Sol Virginiano. Nosso brilho e alegria ficam um pouco sombreados hoje, embaçados por alguma insegurança não muito nítida, alguma sensação de algo fora do lugar, que incomoda, embora não consigamos confrontar. Consequentemente, nosso humor fica mais sombrio também, podemos nos fechar um pouco e nossas interações e relações podem sofrer com isso. Bom ficar atentos sobre os sinais inconscientes e involuntários que enviamos aos outros, que podem contradizer nossos desejos e discurso consciente e depois não sabemos porque criamos um conflito… O dia traz também uma atmosfera favorável ao trabalho e à execução de tarefas práticas que exijam presteza, comprometimento, persistência, disciplina e empenho. Não é dia de se voejar por aí sem rumo – é dia de ter foco, responsabilidade. De se levar a sério o que quer que esteja acontecendo conosco e de ter uma abordagem prática e objetiva de tais assuntos. Nada de romantismos ou sentimentalismos. É pé no chão e mão na massa!

Brooke Shaden Photography – Reprodução

SEXTA-FEIRA, 1° de setembro – Marte está em quincôncio a Quíron. De Capricórnio a Lua tem um desentendimento com Marte, mas se afina com Netuno e se funde a Plutão. Fecha a noite em quadratura não exata a Júpiter. A energia de realização está oscilante, vai e vem, vem e vai e isso nos deixa um tanto inquietos e frustrados, porque não conseguimos terminar as tarefas como gostaríamos e pior, isso compromete o resultado final do trabalho e pode nos deixar predispostos a pisar nos calos alheios como consequência de nossa irritação e oscilação. É possível também que estejamos no módulo “rolo compressor” e tentemos apressar a outros ou passar por cima deles de forma consciente e bem direta, sem nem nos desculparmos, coisa que também não vai acabar bem, afinal, cadê a civilidade? Ou ainda, talvez farejemos crítica, ofensa, competitividade onde não existem e isso também contribui para o clima tenso, mas indireto que fica na atmosfera. Mas da mesma forma que as oscilações e irritação nos atrapalham, elas oferecem a oportunidade de as confrontarmos em nós, se estivermos dispostos a empreender a descida até as profundezas da nossa alma. Uma vez lá embaixo, podemos encarar inseguranças, dúvidas, ambiguidades, medos, constrangimentos e embaraços que podem ter se emaranhado nos nossos pés ao longo do caminho e que agora atrapalham nossa livre movimentação, deixando-nos irritadiços e propensos a descontar em outros problemas que são apenas nossos. Assim, ao invés de entrincheirar-se contra tudo e contra todos, vale a pena um olhar honesto sobre as próprias feridas e tratar de sua limpeza e saneamento, talvez não fiquem completamente sanadas, mas podem propiciar um novo entendimento sobre nossas dinâmicas de raiva e defensividade gratuitas. E a raiva, a irritação, se persistirem, podemos utilizá-las como combustível para o trabalho árduo que nos espera!

Reprodução

SÁBADO, 2 de setembro – Marte está em trígono pleno a Urano. A Lua Capricorniana quadra Júpiter e faz sesqui-quadratura ao Sol, entrando na fase Corcunda. A Lua também faz sextil a Quíron e quincôncios a Marte e a Mercúrio, tornando estes dois focos de um Yod – Mercúrio e Marte formam uma parelha perigosa como foco desse Yod, porque estão no grau do Eclipse do Sol do dia 21 e mercúrio ainda está retrógrado, prestes a voltar ao movimento direto. Dona Lua ainda quadra Urano, aspecto depois do qual fica vazia, às 13h31min. Ingressa em Aquário às 17h07min. Marte e Mercúrio estão próximos à conjunção exata a poucos minutos do ponto exato do eclipse do Sol do dia 21. O dia traz uma mistura interessante de entusiasmo, energia dinâmica e empolgação com o futuro, com um certo receio e hesitação sobre se estamos no caminho certo, porque olhamos para trás e temos medo de abandonar algumas estruturas, ou mesmo as trilhas antigas. A mente briga com as emoções e lhes diz que não são válidas; o corpo briga com a mente porque se sente pressionado a fazer coisas para as quais não está disposto ou com as quais não concorda; a subjetividade pode nublar a objetividade e dessa forma nos perdemos em nós mesmos e nossos dilemas. Assim, ficamos meio que presos entre ir ou ficar, entre aceitar ou nos rebelar e o resultado de tais incongruências pode ser algumas atitudes impulsivas, precipitadas que podem não só se revelar infrutíferas, mas nos expor a acidentes, eventos infortunados e desastrados, para os quais talvez não haja muito conserto no futuro. Portanto, por mais que estejamos inspirados e animados, é preciso um pouco de cautela com as contradições, irritações e ambiguidades; cautela, especialmente com comportamentos e ações impulsivas no trânsito, nas relações, nas atividades esportivas e nas ações em geral. O período mais crítico vai das 11 da manhã até as 4 da tarde. A noite traz uma atmosfera um pouco mais leve e sociável e talvez nos ajude a espairecer um pouco da tensão.

Brooke Shaden Photography – Reprodução

DOMINGO, 3 de setembro – Mercúrio faz conjunção a Marte, uma conjunção às avessas, já que Mercúrio está em marcha à ré – ambos estão em trígono a Urano. A Lua Aquariana faz oposição a Vênus e quincôncio ao Sol. Fecha a noite e a semana em trígono não exato a Júpiter. O dia está cheio de um entusiasmo incontido, que pulula dentro de nós e que anseia por ganhar espaços amplos e abertos, longe das clausuras, das regras, das contenções, pequenezas e mediocridades do dia a dia. Mas tal entusiasmo, mesmo que nos chame para as alturas, precisa ser absorvido e vivenciado com alguma cautela, por mais paradoxal que pareça. Isso porque estamos conectados com pontos e impulsos obscuros em nós, que foram momentaneamente eclipsados, permanecendo sensíveis e ocultos, misteriosos para o nosso entendimento diurno e básico. Então, quanto mais insólito e compulsivo o impulso, mais cautela precisamos ter – que gatilhos acionará em nós? Que forças moverá? Serão positivas ou destrutivas? O que nossa intuição nos diz? A intuição hoje será o farol na escuridão. Se conseguirmos nos conectar a ela, verdadeiramente, poderemos acessar as mensagens mais elevadas que a alma e o espírito tentam nos enviar. Podemos sim, nos permitir a exuberância da novidade e da aventura, desde que esta intuição seja a autoridade a dar o aval. Em termos práticos, mesmo que estejamos muito animados e dinâmicos, o dia requer cautela no trânsito, nas interações, nas discussões, nas ações. Atitudes impulsivas não são muito recomendadas.

Desejo a você uma ótima semana, de confiança e esperança. Plantemos tâmaras, mesmo que sejamos nós a colhê-las!

Reprodução

A Semana Astrológica – Costurando Novas Possibilidades

Reprodução

A SEMANA DE 21 A 27 DE AGOSTO – Semana de recomeços, de lançar intenções potentes de uma nova vida!

A semana mais aguardada do ano traz eclipse total do Sol, Saturno voltando ao movimento direto e recebendo sextil de Júpiter! Pois é! Muitas novidades e movimentos importantes!

Reprodução

Na segunda tivemos a Lua Nova e Eclipse Total do Sol a 28° de Leão, a segunda lunação consecutiva neste signo. Na segunda também tivemos o Sol em trígono a Urano, aspecto forte na lunação, sinalizando um olhar para o futuro, uma expectativa de como podemos nos modificar e mudar a vida e os rumos de forma harmoniosa, sem precisar ser na dor. No mesmo dia o Sol esteve em quincôncio a Quíron, falando também de dor, uma dor que até tentamos, não podemos ignorar permanentemente. Exatamente a dor daquilo que não podemos mudar. Mas, muitas vezes, aquilo que causa desconforto e dor, é parte integral do que somos e se finalmente conseguíssemos mudar, talvez já não seríamos os mesmos.

Reprodução

Depois de ter essas conversas com Quíron e Urano e de ser eclipsado, o Sol ingressa em Virgem, inaugurando o tempo de vermos a vida em detalhes minuciosos e preciosos; de organizarmos nossa rotina, nossos métodos; de revalorizarmos nossa relação com o trabalho diário, nosso ofício sagrado; É o tempo de estar a serviço, de ser útil e prestativo; e também é o tempo de cuidar dos ritmos orgânicos, do corpo, da saúde, física e mental; é tempo de purificação e de buscar viver com mais inteireza e integridade!

Reprodução

Já em Virgem, o Sol recebe a conjunção de Mercúrio, Conjunção Inferior, visto que Mercúrio está retrógrado. Sobre esta conjunção, Erin Sullivan diz que “Mercúrio está voltando para casa para checar seu status; sandálias viradas para trás, o deus Hermes faz um esforço valente para se harmonizar com o Deus Apolo, para propor alguma reparação pelo roubo do gado de Apolo” – para entender melhor essa “treta” entre Hermes e Apolo, leia este artigo.  Este é o momento em que Mercúrio, porta-voz do Sol e da consciência, reconecta-se com a vontade solar e uma semente é plantada nessa fase escura (Mercúrio está invisível no céu), complementa Sullivan. “Marca um tempo de descanso e recuperação, reduzindo ação iniciatória (e egoica) e permitindo que o inconsciente trabalhe. Do ponto de vista do Sol, essa é uma conjunção de Mercúrio com a Terra”, portanto, de sondar como manifestar os conceitos de forma palpável. A Conjunção Inferior também marca o fim da fase Epimeteus de Mercúrio e o início da fase Prometeica, de juntar novos recursos. Mercúrio fica Cazimi das 13h59min até as 21h36min do sábado. Mercúrio Cazimi simboliza um momento de genialidade e de grandes insights!

Reprodução

Mercúrio, além de fazer a Conjunção Inferior, também volta aos domínios do Sol, Leão. Continua retrógrado, sinalizando um tempo de revisões e análises, de revermos decisões, ações e atitudes passadas, na área de vida onde temos Virgem/Leão no mapa. No domingo ele fará conjunção a Marte no mesmo grau em que tivemos o eclipse na segunda. Mais: Mercúrio estaciona e volta ao movimento direto no dia cinco, neste mesmo grau. Situações ou eventos simbolizados pelo eclipse e que tenham ficado em standby por causa da retrogradação de Mercúrio, podem agora se manifestar.

Emile Friant – Woman with a Lion – Reprodução

Vênus faz quadratura a Urano e trígono a Quíron na quinta-feira, sugerindo eventos inesperados e chocantes na esfera das relações, eventos que são o estopim para possíveis rupturas. Tais rupturas só ocorrem se estamos muito inconscientes da monotonia da relação e do desejo de renovação e novidade. Essas crises podem trazer revelações importantes e ser uma boa oportunidade para nos curarmos das feridas causadas por eventos passados, já que agora temos mais maturidade para perceber nossa própria contribuição nos eventos e, finalmente, nos liberar da amargura. Vênus ingressa em Leão no sábado, trazendo tempos de alegria e mais prazer para os leoninos. Em Leão Vênus é estilosa, criativa e tem um gosto apurado, olho clínico para as coisas de valor – a não ser que esteja muito mal aspectada. É também orgulhosa e opiniosa. Precisa admirar e se orgulhar da/o parceira/o para poder amar e se entregar. Gosta de drama, porque sem um pouco de cor e drama, a vida fica meio insossa. É leal, corajosa e foca na alegria. Pode ser também possessiva.

Reprodução

Marte faz trígono a Saturno e é a ponte da vez que propicia um diálogo ainda mais fluido entre Saturno e Urano. Ao fazer estes contatos, Marte tempera sua ação com uma boa dose de cautela, foco, disciplina e estratégia, para poder fazer os movimentos necessários, planejadamente, sem riscos desnecessários ou com riscos calculados. Marte ingressa em Virgem no dia cinco de setembro.

Reprodução

Júpiter faz sextil a Saturno (domingo), aspecto que vem sendo ensaiado desde outubro do ano passado, com Júpiter ficando a poucos minutos da exatidão do aspecto, mas sem nunca completá-lo. Essa conversa entre os dois aponta um tempo de costurar novas possibilidades e achar brechas por onde possamos nos elevar acima das dificuldades – quais as saídas possíveis para as limitações e problemas presentes? O aspecto fala da perspectiva de cooperação entre dois princípios também antagônicos – a exemplo de Saturno-Urano. Buscamos nos expandir e crescer, mas sem oba-oba, com realismo, prudência e cautela. Não acreditamos em crescimentos mirabolantes e nem em promessas mágicas. “Estamos muito interessados naquilo que poderia ser, mas tal interesse é bem balanceado com aquilo que já é; não somos nem idealistas, nem excessivamente conservadores” (Robert Hand). Assim, há oportunidades de verificar onde queremos crescer e acessarmos nossas limitações e reais capacidades. Nosso otimismo é temperado de realismo, de modo que, como diria Suassuna, temos um “realismo esperançoso”.  De qualquer forma, Saturno também está em quadratura a Quíron e, falando num contexto de Brasil, esse aspecto não é páreo para todo o desmantelo que estamos vendo. Traz a oportunidade de nos levantarmos e fazermos algo, dentro de nossas possibilidades – mas será que o faremos? Pois é, contradizendo a mim mesma, pessoalmente falando, tá difícil manter um otimismo esperançoso nos dias atuais. Mas ainda estamos vivos e enquanto há vida, há esperança!

É importante notar que tanto Júpiter quanto Saturno estarão diretos quando da ocorrência deste sextil. Sim, Saturno volta ao movimento direto na sexta-feira! Chega de revisar quem é que tá devendo, vamos logo partir para as cobranças! Essa é a última fase retrógrada de Saturno em Sagitário, já que ele entra em Capricórnio em dezembro e não volta mais ao Signo do Arqueiro. Portanto, é hora de arregaçar as mangas e voltar ao trabalho, sem desculpas! O período de dormência e elucubração sobre as tarefas acabou, agora é atacá-las sem mais demora. Veja onde você tem Saturno no seu mapa para saber onde precisa encarar o trabalho final de amadurecimento da visão espiritual, onde precisa definir melhor suas crenças, sua filosofia; onde precisa estruturar a visão e a perspectiva de um futuro mais amplo.

Reprodução

A Lua abriu a semana ainda na fase Balsâmica, já em Leão e se renovou às 15h30min, na lunação que foi também Eclipse total do Sol. Ingressou em Virgem no mesmo dia. Entra na fase Semi-Crescente em Libra, na sexta-feira e fecha a semana em Escorpião. Faz aspectos a todos os demais corpos celestes durante sua caminhada para coletar impressões e disseminar os propósitos do Sol.

Reprodução

SEGUNDA-FEIRA, 21 de agosto – Eclipse Total do Sol – O Sol está hoje em trígono a Urano em Áries. A Lua Balsâmica Leonina abriu o dia conjunta a Marte e em trígono a Saturno. Ao longo do dia faz conjunção ao Nodo Norte, quincôncio a Quíron, trígono a Urano e, finalmente, conjunção ao Sol, na lunação mais potente do ano, porque é um Eclipse Total do Sol. A Lua fica vazia depois da conjunção ao Sol, às 15h31min. Ingressa em Virgem às 17h25min e faz sesqui-quadratura a Plutão à noite. É dia de eclipse e há uma sensação de expectativa no ar, expectativa que se mistura com ansiedade. O dia traz uma energia potente de renovação, mas para nos renovarmos, precisamos primeiro deixar para trás o medo, os erros passados, a preguiça, o “amanhã eu faço”, o postergar da vida… A vida não acontece amanhã, nem daqui a pouco. Ela está acontecendo AGORA e o agora é a única coisa que temos, que podemos mudar, estando plenamente conscientes. A consciência hoje é momentaneamente eclipsada, para que possamos acessar em maior profundidade os anseios verdadeiros da alma, mas só conseguiremos nos conectar com esses anseios verdadeiros, se estivermos devidamente centrados, serenos e ancorados, na nossa luz interior, porque se estivermos voltados para fora somente, para as influências exteriores, corremos o risco de simplesmente nos alinhar com vibrações baixas, de confusão, de medo, de descontrole e podemos espiralar no caos no mundo. A luz externa está apagada, para que a interna possa brilhar mais intensamente. Qual é a sua luz? Qual a potência? Qual seu propósito? A quem ou ao quê ela ilumina? Qual a sua utilidade? Ela está sendo bem utilizada ou está sendo desperdiçada? Uma coisa muito positiva sobre este eclipse, é que ele acontece conjunto ao Nodo Norte da Lua, simbolizando um momento único e uma grande oportunidade de nos alinharmos com nosso destino e propósitos mais nobres. O que quer que aconteça, traz em si, a semente do futuro, da evolução e de uma maior consciência; o que quer que aconteça, acontece para nos levar a dar nosso melhor, a superar nossas limitações e nossos apegos ou amarrações ao passado, à insegurança e à acomodação. Nisso precisamos confiar! Marte traz o poder da vontade de aço, da determinação, então, aproeveite e veja aquela situação muito difícil de mudar, com a qual você vem lutando já há tempos e foque na mudança positiva dessa situação; tome posse da energia marciana e coloque-a a seu favor! Vista a armadura do guerreiro nobre e gentil e lute com seus demônios e com aquilo que precisa combater em si mesmo, para ter uma vida melhor, mais íntegra, mais plena, em qualquer que seja a área que precisa ser trabalhada. O eclipse simboliza o momento em que aquilo que estava latente e que vinha sendo “preparado” já há algum tempo, chega à maturação, ao ponto de eclosão e pode vir à luz, porque agora estamos prontos para ver e para lidar com isso – ou talvez, simplesmente, porque PRECISAMOS lidar com isso! O melhor que podemos fazer é buscar nos centrar para nos alinhar com as vibrações mais elevadas, meditar sobre qual é o nosso destino e propósito maior e permanecer nesse estado de presença plena em nós mesmos. Em termos práticos, para estar mais tranquilo e centrado, durante estes dias, evite álcool ou outras substâncias que alteram a consciência; evite/diminua a cafeína, que é excitante e estimulante e aumenta a ansiedade; medite; ancore-se com exercícios de enraizamento, respiração, visualização; ande descalço na terra; emane vibrações de serenidade, de amor e gentileza para você mesmo, os outros ao seu redor e o planeta; ache seu ponto de equilíbrio e permaneça nele!

Reprodução

TERÇA-FEIRA, 22 de agosto – O Sol ingressa em Virgem às 19h21min. A Lua está renovada, também em Virgem. Fez conjunção a Mercúrio logo cedo e agora à tarde se opõe a Netuno, faz sesqui-quadratura a Urano e, à noite, trígono a Plutão. Marte está em trígono exato a Saturno. Vênus se aproxima do trígono a Quíron e da quadratura a Urano. O dia começou ligeiro, com a manhã (ou o despertador) nos sacudindo da cama e nos alertando para compromissos e tarefas diversos. Uma coisa emenda na outra e isso nos ocupa muito por boa parte do dia, o que é ótimo, desde que estejamos realmente inteiros nas atividades. À tarde nossa industriosidade cede e nos sentimos um tanto desanimados, à mercê de devaneios, sentimentos confusos, uma certa indisposição e até sono. O humor e as sensações oscilam e muito da ansiedade que andamos reprimindo pode agora ressurgir e nos deixar amedrontados, ansiedades indefinidas, receios de julgamentos ou opiniões alheias, suscetibilidade extrema… elemntos que podem atrapalhar não só  aprodutividade mas o clima no ambiente de trabalho e consequentemente, as relações, que ficam permeadas de inseguranças, suspeitas sobre o que outro está pensando/sentindo a nosso respeito. Contornamos isso ao pegar de volta as possíveis projeções que tenhamos jogado sobre outros; recolher para nós os receios e ansiedades sobre opiniões alheias, assim como nosso próprio criticismo e julgamentos. Estudar tais elementos para descobrir suas origens e assim evitar que contaminemos as relações com questões, dúvidas e inseguranças que são nossos. Se conseguirmos lidar com tais inseguranças, podemos nos sintonizar com outras forças, mais positivas e resilientes; com a capacidade de trabalhar com paciência, diligência e disciplina e resolver coisas bastante intrincadas que requeiram cuidado e tempo. O Sol ingressa em Virgem, inaugurando o tempo de vermos a vida em detalhes minuciosos e preciosos; de organizarmos nossa rotina, nossos métodos; de revalorizarmos nossa relação com o trabalho diário, nosso ofício sagrado; É o tempo de estar a serviço, de ser útil e prestativo; e também é o tempo de cuidar dos ritmos orgânicos, do corpo, da saúde, fisica e mental; é tempo de purificação e de buscar viver com mais inteireza e integridade!

Reprodução

QUARTA-FEIRA, 23 de agosto – O dia é de Mercúrio, que está exaltado e regendo Sol e Lua – todo poderoso, mas recluso, porque retrógrado. A Lua Virginiana abre o dia harmonizada com Plutão, mas arruma treta com Saturno logo cedinho, além de fazer, mais tarde, oposição a Quíron e formar, assim, uma ampla T-Square Mutável. A Lua faz ainda sextil a Vênus e fica vazia depois deste aspecto, às 17h04min. Ingressa em Libra às 22h05min. Lua e Vênus ficam, então, em recepção mútua. Estamos cheios de dedos, em cólicas, porque sentimo-nos cobrados e julgados, numa pressão que cria preocupações e ansiedades e que nos faz sentir expostos e inseguros e, em tal estado de espírito, tentamos controlar a tudo e a todos para recuperar um mínimo da sensação de segurança que é tão necessária. Mas isso apenas nos afasta e isola mais dos outros, que se sentem criticados e indignos de confiança e, dessa forma, as relações ficam ainda mais desastradas e complicadas, quando na verdade, queríamos apenas nos assegurar de que tudo saísse como o previsto. É um círculo vicioso, em que eu critico ou julgo e o outro se defende e critica de volta, deixando um clima pesado e ressentido, que perturba a todos. Tudo pode ser evitado, ou pelo menos minimizado, se permanecermos flexíveis e empáticos para com as limitações dos outros – e para com as nossas também – afinal, ninguém é perfeito e por mais que tenhamos a excelência como meta, perfeição é uma coisa diferente e, além de muito chata, paradoxalmente, também muito limitante. Portanto, é dia de nos sintonizarmos com a gentileza e a benevolência, de ter a elegância de perceber e louvar o esforço do outro, mesmo que as coisas não estejam exatamente como esperávamos. Em tempo: vale ficar atentos para não jogarmos o jogo de diminuir o outro para nos sentir melhores, já que talvez estejamos nos sentindo meio por baixo. Melhor conter a irritação e o criticismo e verificar o que ele conta sobre nós mesmos.

Reprodução

QUINTA-FEIRA, 24 de agosto – Saturno estaciona a 21°10’ de Sagitário, às 09h09min (Brasília) para voltar ao movimento direto. Vênus em Câncer está em quadratura Plena a Urano em Áries e em trígono a Quíron Peixes, além de ainda fazer uma sesqui-quadratura a Netuno, também em Peixes. A Lua Libriana, regida por Vênus – ambas estão em recepção mútua – também faz quincôncio a Netuno e fecha a noite já em quadratura a Plutão. O dia está sujeito a chuvas e trovoadas, aguaceiros e tempestades – pelo menos no âmbito das relações afetivas! O foco hoje está nas relações. É dia de confrontos entre a nossa faceta mais tradicional, doce e romântica e o outro lado mais radical, livre e selvagem. Os dois gritam alto para se fazerem ouvir dentro de nós e a quem damos ouvido? O lado que estiver se sentindo ignorado e suprimido pode nos criar problemas hoje e o problema aparece travestido de namorada/o. Se eu sou grudenta/o, deixo de viver minha vida para viver a do outra/o e não percebo minha necessidade de espaço e tempo para mim, talvez a/o outra/o vá embora para que eu possa me dar conta disso; ou vice-versa: se eu tenho dificuldade de me comprometer, talvez o outro me pareça excessivamente possessivo e carente, me obrigando a lidar com esse aspecto de mim mesmo – mas claro, é provável que apenas acusemos o outro de ser carente, grudento ou o oposto, de insensível, frio, não comprometido, etc. O quanto estamos conscientes de nossas contradições? O quanto estamos dispostos a trabalhar para integrar esses desejos tão díspares? Ou será que queremos tanto um relacionamento que abrimos mão de ser nós mesmos e de expressar nossa individualidade? É o dilema que Vênus enfrenta hoje! No fundo, queríamos mesmo não ter que escolher nada e apenas ceder, abrir mão da luta e nos perder no outro… mas isso, além de não resolver, faz com que permaneçamos imaturos emocionalmente e inaptos a viver relações verdadeiramente significativas. Saturno estacionário ajuda a ver essas – e outras – questões com mais acuidade, exatamente porque estão muito agudas. A casa em que Saturno estaciona no mapa natal – e planetas que fazem aspecto ao grau 21° de Sagitário – é a área onde precisamos estar atentos para percepções agudas da realidade, como não a tínhamos percebido antes.

Reprodução

SEXTA-FEIRA, 25 de agosto – De Libra a Lua quadra Plutão e faz semi-quadratura ao Sol, entrando na fase Semi-Crescente. A Lua também faz conjunção a Júpiter, e sextis a Saturno e a Marte – atenção para a linda conjunção no céu noturno! O Sol faz sesqui-quadratura a Plutão. Saturno volta ao movimento direto em Sagitário. É tempo de emergir para a realidade, depois de ficarmos imersos em muitas revisões das estruturas que nos dão segurança – ou deveriam dar. A realidade é brutal, mas precisamos lidar com ela e se não gostamos, precisamos trabalhar para modificá-la – para isso temos a ajuda e os insights de Júpiter e Urano. que nos dizem para acordar para essa realidade, mas precisamos nos mexer, porque não vão fazer nada por nós, sozinhos, não. O que é seguro e válido, permanece, o que é falso e desprovido de sentido, deve ser deixado para trás e substituído, ou talvez nem seja necessária substituição nenhuma, como no caso em que o conceito todo perdeu o sentido – isso tudo deve estar claro para nós, depois de tantos meses de retrogradação. Depois de ousarmos olhar-nos no espelho da verdade e de perceber aspectos menos nobres ainda não assimilados (sempre vai haver algum), podemos trabalhar sobre tal aspecto com afinco e nos regozijar com os resultados, a consciência de não termos fugido à luta conosco mesmos, uma luta conscienciosa, travada com honestidade, disciplina e honra. E podemos então nos rejubilar com a tarefa cumprida, que certamente adiciona valor ao que somos e à forma como nos vemos! Nada como festejar e celebrar depois do dever cumprido, é o recado de Lu/Júpiter + Saturno e Marte!

Reprodução

SÁBADO, 26 de agosto – Vênus ingressa em Leão à 01h30min. A Lua, regida por Vênus, faz quincôncio a Quíron e oposição a Urano, fiando vazia depois deste aspecto, às 02h40min. Ingressa em Escorpião às 05h53min. Mercúrio faz a Conjunção Inferior ao Sol e fica Cazimi das 13h59min até as 21h36min. A madrugada de sábado pode trazer inquietude, ansiedade relacional, conflitos, que reverberam da nossa dificuldade de nos aceitar – e aos outros – com nossas muitas discrepâncias. Tais conflitos podem ser assimilados e digeridos no sono posterior, de modo que pela manhã, estamos mais cientes de nossas contradições, querendo perscrutá-las mais de perto. O dia traz então uma atmosfera densa e propícia para atividades que demandem investigação, concentração, pesquisa. É dia também de tirarmos alguns minutos para relembrarmos dos nossos propósitos, desejos, projetos, para relembrarmos de quem somos nós e do que queremos nos tornar e assim, tendo lembrado de tudo isso, verificar os recursos e mecanismos mentais e intelectuais que vamos precisar para tornar essa tarefa mais compreensivel e executável no mundo. Dia de insights e ideias novas sobre a organização da vida, o ordenamento do cotidiano, a sacralidade do corpo – para quem estiver atento e aberto!

DOMINGO, 27 de agosto – Júpiter está em sextil pleno a Saturno. A Lua Escorpiana faz trígono a Netuno, sesqui-quadratura a Quíron, sextil a Plutão e passa boa parte do dia como Ponto Médio entre Júpiter e Saturno. O dia traz humores estranhos e instáveis, emoções em falso, ora sobem ora despencam vertiginosamente, deixando aos outros e a nós mesmos, confusos. Há tendência a desentendimentos entre mulheres que convivem proximamente, porque as diferenças parecem estar mais realçadas hoje. Contudo, é necessário, exercer a tolerância e a empatia, exatamente quando nos sentimos mais irritadiços e indóceis, porque é fácil viver as relações quando tudo está bem com o outro e conosco mesmos; mas as relações também se fortalecem quando enfrentam desafios, dependendo de como tais desafios são encarados. De modo geral, é dia de olhar com paciência e perseverança para nossas metas e objetivos de desenvolvimento pessoal, especialmente se no momento eles parecem um pouco fora de alcance. Traçar planos sóbrios e realistas de como realizar essas ambições e metas e traçar junto um cronograma de ações, para não ficarmos somente no papel a ser engavetado depois de ter cumprido a missão de acalmar as ansiedade do ego e até da alma. Um plano de ação só funciona se a ação realmente for executada e o dia está perfeito para traçarmos os planos, nos comprometermos com ele e entrarmos em ação tão logo seja possível! Costurar novas possibilidades de ter um pequeno céu na vida diária. Não desperdicemos o momento!

Desejo uma ótima e serena semana para você!

Reprodução

Lua Cheia e Eclipse Lunar em Aquário – Liberte-se do Passado e Olhe para o Futuro!

Birth Chart Painting – Reprodução

A Lua Cheia que ocorre a 15°25’ de Aquário nesta segunda, dia sete de agosto, é também um Eclipse Parcial da Lua, eclipse que precede o Eclipse Total do Sol acontecendo no dia 21 de agosto. O eclipse se dá às 15h11min no horário de Brasília e às 18h11min no horário de Lisboa. A duração total do eclipse é de cinco horas (o penumbral dura cinco horas e o umbral, mais denso, dura 01h55min), e seus efeitos perduram por cinco meses. Este eclipse é o indivíduo 61 – de um total de 82 – da Série Saros 119, iniciada em 14 de outubro do ano de 935 e que termina em 25 de março de 2396. Esta série é antiga, dura um total de 1460 anos e está se encaminhando para o fim, tendo percorrido já três quartos da sua “vida”. Todos os eclipses desta série acontecem no Nodo Sul (1), apontando para precisão de nos conscientizarmos dos padrões emocionais do passado que ainda nos atrapalham na vida presente.

Reprodução

Eclipses são lunações super-potentes, porque ocorrem sempre na Lua Nova ou Lua cheia e intensificam, e muito, as energias e temas da lunação. Sinalizam o fim de um ciclo e o início de outro, trazendo muitos assuntos a um estado crítico que demanda resolução imediata, especialmente no caso dos eclipses lunares, que ocorrem na Lua Cheia, e que trazem a sensação de um momento crítico nas relações e assuntos que andavam se arrastando anteriormente. Para entender melhor o que são eclipses, leia este artigo.

Reprodução

Para “sentirmos” como será este eclipse de amanhã, analisemos primeiro o mapa natal da Série Saros 119, levantado para Brasília – a SS 119 nasceu, na verdade, no Polo Sul, mas levanta-se o mapa para a cidade em que se deseja perceber seu ‘impacto’. A série começa com o eclipse ocorrendo no eixo Áries-Libra, um eixo que fala de relacionamentos, com o Sol estando em queda em Libra e a Lua estando no briguento signo de Áries – aqui fala-se, de imediato, da necessidade de mediar as necessidades pessoais, a individualidade, com as necessidades e os quereres dos outros; busca de equilíbrio e necessidade de ser independente e ter autonomia, mesmo dentro das relações afetivas.

Série Saros Lunar 119 – 14 de outubro de 935, 15h25min (horário de Brasília).

O mapa traz muitas  configurações interessantes, algumas delas similares às que vemos “dançando” nos céus atuais: Saturno está em conjunção a Quíron no signo de Peixes (atualmente temos uma quadratura entre Saturno em Sagitário e Quíron em Peixes, que traz temas semelhantes); Júpiter está em Leão em quadratura a Urano em Touro e estes dois planetas ficam em oposição no eixo Áries-Libra até outubro – também é digno de nota que o eclipse desta segunda cai em oposição ao Júpiter e em trígono ao Mercúrio do mapa natal da série; Marte se afasta de conjunção a Plutão, mas está prestes a ficar retrógrado em Câncer, sua queda, além de estar Fora de Limites; e também há um Grande Trígono em Água, envolvendo Vênus em Escorpião – signo de seu detrimento – Saturno e Quíron em Peixes e Marte/Plutão em Câncer. Por tudo isso, podemos dizer que esta série tem como tema básico os relacionamentos, enfatizando o tema primordial de toda Lua Cheia.

Medusa – Reprodução

O feminino está bem zangado neste mapa, com ambos os seus significadores, Lua e Vênus, sendo regidos por Marte e o próprio Marte estando em Câncer – Lua e Marte estão em recepção mútua. Há uma sensação de raiva reprimida e de dor e sofrimento herdados dos ancestrais. O feminino foi violado, mutilado e está intoxicado de raiva e dor, como Medusa, precisando ser resgatado e liberado. Vênus, em Grande Trígono de Água com Saturno e Quíron em Peixes e ainda com Marte e Plutão, sugere a necessidade de se purgar, depurar essa fúria, esse ódio, além de purgar e curar toda a dor e sensação de limitações e fracassos nas relações; há muito pus a ser extraído e vai doer, mas é necessário fazer esse expurgo, do contrário a ferida só irá piorar e apodrecer; é necessário assumir nossas dores e queixas, reconhecê-las e deixa-las ir, abrir mão delas, em nome de um futuro mais leve; é necessário se transformar a forma de viver as relações, de sair das respostas e soluções fáceis do “preto ou branco”, para se perceber que no espectro das relações humanas cabem milhares e milhares, milhões, de nuances e tonalidades diferentes. Mercúrio está conjunto ao Nodo Norte, em Libra e sugere que tenhamos um mínimo de distanciamento racional de todo o drama aquático, se for para conseguirmos tirar proveito e aprendizados de todas as experiências dolorosas. Todos estes são temas que ficam salientados nas próximas duas semanas, particularmente para indivíduos com ângulos ou planetas entre os graus 10 e 20 dos signos fixos (Touro, Leão, Escorpião e Aquário).

Reprodução

Nos Pontos Médios Plutão faz quadratura ao PM entre a Lua e Saturno e oposição ao PM entre Sol e Saturno – é preciso quebrar as amarras, as limitações e inibições e também abrir mão do controle rígido, seja emocional ou racional; Ebertin (2) diz da “necessidade de depender apenas de si mesmo, de crescer e amadurecer usando a força e fazendo-se sozinho… Sofrimento orgânico e sentimentos de depressão… Separação da mãe ou da esposa”. O Nodo Norte faz quincôncio ao PM entre Marte e Saturno e Marte e Quíron – para crescermos e amadurecermos, teremos que enfrentar nossos medos e pavores, fraquezas e fracassos, vitimismos e desejos de salvação. E ainda: Lilith está conjunta ao PM entre Vênus e Júpiter, os dois benéficos – eu diria que, para podermos aproveitar o melhor da vida, suas alegrias e benesses maiores, precisamos lidar com nossa sombra e infernos pessoais, nossas dubiedades e selvageria. Como diz Jung, “qualquer árvore que queira tocar os céus, precisa ter raízes tão profundas a ponto de alcançar os infernos”. Esse é o recado de Lilith na SS 119.

Em resumo, esta série fala de um Ponto de Mutação muito importante nas relações afetivas, uma transformação que vem do enfrentamento das obscuridades, de conseguir erguer-se do lodo, depois de muito tempo chapinhando nele. Aprendizados!

Dados técnicos e caminho do eclipse de 07 de agosto -fonte: site da Nasa

Agora olhemos para o mapa da lunação de amanhã: a Lua Cheia/Eclipse ocorrem no eixo Leão-Aquário, um eixo que trata da polaridade indivíduo versus grupo, de se sentir especial em contraponto a sentir-se comum e anônimo na multidão; de fazer de si mesmo uma Obra Prima Individual que sirva ao coletivo, sem permitir que esse coletivo nos diga o que devemos ser ou fazer. Aquário é o signo da experimentação, de ousar ser diferente, excêntrico, signo de inovação; é o signo da fraternidade e de se sentir inserido na grande comunidade humana, buscando fazer a diferença. Também é um signo de rebeldia, de surpresas e coisas inesperadas.

A Lua é eclipsada pela Terra, isso significa que recebe a sombra da Terra sobre si. Como a Lua representa as emoções instintivas, sentimentos, necessidades emocionais, compulsões e instintos mais básicos, ao ser eclipsada, temos conteúdos básicos e sombrios emergindo à consciência e ficando mais claros e nítidos à nossa percepção, portanto, o eclipse possibilita muitas “iluminações” sobre nossos impulsos, nossas pulsões e compulsões inconscientes e conseguimos nos enxergar a nós mesmos com mais maturidade, talvez a ponto de nos assombrarmos com aquilo que descobrimos, que estava bem à nossa frente, mas não víamos, por estamos por demais envolvidos e identificados com tais assuntos. Este estado de “assombramento”, entretanto, não deve nos paralisar, mas sim propiciar consciência e mais sabedoria emocional e relacional.

Reprodução

Além de se opor ao Sol, a Lua também se opõe a Marte, que estão conjuntos em Leão e, em Aquário, a Lua nos pede desapego das identificações egoicas, de nos desprendermos das expectativas individuais para focarmos nas necessidades do grupo e no todo; pede-nos uma visão racional, objetiva e lúcida das situações em que estamos envolvidos, lucidez nas crises que porventura nos atingirem – o pior que podemos fazer é entrar em pânico e nos desesperar. Sugere que as brigas sejam travadas de maneira justa e ética e que a honra individual também esteja a serviço do grupo.

Lua Cheia e Eclipse Lunar Parcial em Aquário – Brasília, 07 de agosto de 2017, 15h11min.

Vênus também se destaca neste mapa, sendo parte de um amplo Retângulo Místico, fazendo uma oposição dilatada a Plutão, sextil a Mercúrio e trígono a Netuno, que também estão em oposição e isso sugere que ainda é preciso cautela com as ilusões que criamos nas nossas relações, que precisamos, mais uma vez, transformar nossos apegos, soltar as dores que carregamos por aí como se fossem bichinho de estimação e que nos impedem de ver as novas possibilidades; é necessário viver as relações de maneira libertária e inovadora, sem apegos, sem seguir os modelos falidos das relações emboloradas.

Reprodução

A Lua está no Ponto Médio entre Netuno e Plutão e Plutão está no Ponto Médio entre a Lua e Saturno – uma das repetições de temas da Série Saros 119. Além disso, o Sol faz quincôncios a Netuno (separativo) e a Plutão (aplicativo), virando foco de um amplo Yod. O coração e a consciência (Sol em Leão) precisam lidar com o peso da Sombra, da necessidade de transformar (Plutão) os conteúdos inconscientes (Lua) de maneira compassiva, com sensibilidade, com imaginação (Netuno). A Lua, representando nossa realidade emocional, nos diz que precisamos ser o elo entre a imaginação, a magia, tudo o que é elusivo e incompreensível para nós, e aqueles nossos conteúdos mais densos, a força de transformação e transmutação alquímica, de modo que tal realidade emocional seja purificada e reciclada e se torne mais leve de ser vivenciada. Como PM entre Lua e Saturno, Plutão sugere, mais uma vez, que se observe e quebre a necessidade de controle, que se transforme a usura emocional em generosa partilha que toca profundamente a alma do outro e que nos permite viver mais plenamente.

Reprodução

Saturno, co-regente da Lua Cheia, que no mapa natal da SS 119 está conjunto a Quíron, atualmente faz quadratura a este, além de também se afastar de uma ampla quadratura a Netuno, e traz presente o tema do medo do fracasso, das feridas antigas e ancestrais, difíceis de sanar, que doem e incomodam, mas que também nos ensinam muito sobre nós mesmos e a natureza do humano. Essa ferida tem a ver também com uma crise de fé na compaixão e conectividade humanas, uma crise de fé na nossa capacidade de nos redimirmos de todas essas mazelas. Mas essa crise de fé aponta para a imprescindibilidade de tentarmos e insistirmos, de darmos um voto de confiança à centelha divina em nós e de insistirmos em tornar o sonho visível, concretizável.

Ivan quaroni – Reprodução

O outro co-regente do eclipse, Urano, trafega Áries e tem como único aspecto um trígono que recebe de Saturno, possibilitando o diálogo entre o velho e o novo, diálogo, que é mediado por Quíron, que é “a ponte entre o passado (Saturno) e o futuro (Urano)” (Jude Cowell) (3). Mas Urano também tem estado numa dança louca e caótica com Júpiter e, apesar de o aspecto não estar em orbe neste mapa, logo Júpiter fará oposição a Urano novamente, sinalizando rupturas nos sistemas judiciários, nas instituições religiosas, acadêmicas e na própria instituição “sagrada” do “santo matrimônio”, já que Júpiter está em Libra, signo das relações instituídas e reconhecidas – sim, mudanças de paradigmas no que tange a esses sistemas e às relações. Urano sugere que nos liberemos do passado pesado, dos ranços, das expectativas, do desejo ou tendência de viver relações “certinhas” e controladas, por medo da entrega real e verdadeira; Urano convida a nos desatrelarmos das lembranças de sofrimento, que soltemos recordações e deixemos no passado (Saturno) as histórias passadas e amargosas, usando as dores e sentimentos pesados (Quíron) para pavimentar o chão do caminho que nos levará a esse futuro mais promissor (Urano + Lua Aquário).

Sheppardarts – On Deviantart – Reprodução

Aquário, sendo um signo de Ar, racional e objetivo, me lembra a outra ponta do mito de Medusa, mencionado acima em referência a Vênus em Escorpião: a deusa Atena, a Deusa da Estratégia e do Pensamento Racional. No mito, Medusa, que era uma mulher jovem e belíssima, foi estuprada pelo deus Poseidon dentro do templo de Atena, que ficou profundamente ultrajada com tal ocorrido; outras versões do mito dizem que não houve estupro e que Medusa manteve relações consensuais com Poseidon. Como Atena era a Filha do Pai, tendo nascido já adulta da cabeça de Zeus, ela se vinga apenas de Medusa – e ela também não iria incorrer na ira de Poseidon! – pela profanação de seu tempo. Como punição, ela transforma Medusa num monstro serpentino, cujos cabelos eram serpentes; os dentes eram protuberantes e a língua bifurcada; mas o pior era o olhar petrificante, que tornava em pedra qualquer vivente que tivesse a má sorte de olhar para ela. Liz Greene (4) diz que o olhar que petrifica é o ultraje do feminino violado, seja o ultraje de Medusa, seja o ultraje de Atena. Medusa representa a paixão incontida e descontrolada, que se entrega em qualquer lugar, sem observar as regras conscientes da razão; as paixões viscerais e instintivas; já Atena representa a racionalidade, a capacidade de conter tais pulsões, porque talvez sejam destrutivas e porque precisam ser vividas com um mínimo de regra; e Atena também representa a capacidade de sermos objetivos e lúcidos nas nossas relações, algo que está bastante enfatizado nesta Lua Cheia e Eclipse em Aquário. Medusa e o feminino zangado e violado precisam ser redimidos e ser integrados, junto com Atena, afinal, as duas, Medusa e Atena, são dois extremos da mesma polaridade: a razão (Atena) e a paixão irracional (Medusa), duas figuras que estão presentes em todos nós e que são arquétipos importantes do feminino, sombrio ou luminoso. Na Lua Cheia de Aquário precisamos nos alinhar com Atena para podermos viver nossas relações de modo mais lúcido e inteligente e menos doentio.

Reprodução

Por fim, ainda precisamos olhar a última vez que um eclipse da SS 119 aconteceu, porque isso nos dá pistas dos temas que são ativados no nosso mapa – no eixo de casas em que você tem o grau 15° de Aquário/Leão (veja o artigo geral sobre eclipses, cujo link está no segundo parágrafo deste artigo, para saber os significados dos eclipses por casa). O último eclipse da SS 119 ocorreu em 28 de julho de 1999, a 04°57’ de Aquário – você lembra como estava sua vida nesta época?

E ainda olhamos a última vez em que houve um eclipse no grau 16 (15°00’ a 15°59’) de Aquário, porque ele tocou os mesmos planetas e ângulos e certamente os mesmos temas serão acionados, possivelmente em roupagens diferentes, mas ainda assim, serão os mesmos. Quando foi isso? Isso se deu em sete de agosto de 1998 (08/08/1998). Vale a pena olhar para esse período também, para nos prepararmos para novos aprendizados e liberações nesta área de vida. Tanto os assuntos de 1998 quanto os de 199 podem voltar para serem revistos de alguma forma, portanto, fique atento!

Reprodução

Luas Cheias também sinalizam tempo de colheita e a qualidade da colheita depende daquilo que plantamos e de como cuidamos da plantação ao longo do tempo. Como Aquário é um signo associado a amizades e relações sociais, é possível que tenhamos algumas ‘crises’ ou mudanças e liberações importantes nesta esfera também. Como estão nossas amizades? São fortes, verdadeiras, são equilibradas? Ou são relações de uso e abuso? São relações que mantemos por comodidade, mesmo percebendo que as afinidades já não se mantêm? Se houver questões mal resolvidas e “penduradas” com amigos, tais questões podem vir à tona para serem endereçadas e clareadas de vez!

Reprodução

Em resumo, a Lua Cheia e Eclipse Lunar em Aquário desta segunda nos convida a nos liberar do passado, a deixar para trás as histórias de dor e fracassos; a celebrar essa liberação e nos abrir a amores novos, sejam os de carne e osso, sejam os amores mais abstratos – inclusive um amor renovado por nós mesmos! Convida a abrir mão dos dramas e a apostar na objetividade, celebrando o tiquinho de lucidez que ainda tenhamos neste mundo louco e também, é claro, a celebrar nossas amizades, que, além da família, são os laços que nos sustentam!

E ainda, períodos de eclipses costumam trazer tensões, incertezas, instabilidades. Convém fazer exercícios de aterramento, meditação, yoga, ou o que funcionar para você. É aconselhável evitar decisões drásticas ou agir por impulso, porque as emoções estão mais afloradas e há propensão a maior imprevisibilidade e caos nas situações em geral – nada para nos deixar em pânico! Lembre-se, todo ano temos pelo menos quatro eclipses e temos sobrevivido até aqui, portanto, centramento e serenidade fazem toda a diferença!

Feliz Lua Cheia para você! Aproveite e termine o que tem que terminar, finalize os ciclos, deixe o passado no passado e olhe para o futuro!

 

Reprodução

 

 

 

 

 

Birth Chart Painting – Reprodução

 

 

 

 

 

 

(1) Site da Nasa: https://eclipse.gsfc.nasa.gov/LEsaros/LEsaros119.html

(2) Reinhol Ebertin – The combination of Stellar Influences

(3) Jude cowell -https://judecowellastrology.blogspot.com.br/

(4) Liz Greene – the Astrology of Fate

A Semana Astrológica – Redirecionando a vida

Reprodução

Semana de 19 a 25 de junho – Semana de recomeços e redirecionamentos, sinalizados pela ingressão do Sol em Câncer na quarta-feira – Solstício de Inverno – e pela Lua Nova de Câncer na sexta-feira. 

Esta é uma semana de recomeços, dois quartos do ano se passaram e agora nós temos a oportunidade de redirecionar nossa energia no Solstício de Inverno (de Verão no Hemisfério Norte), ocorrendo já na quarta-feira, com a entrada do Sol no signo de Câncer. A maior parte da semana traz um tom de finalizações, com a Lua minguando balsâmica pelos signos de Áries, Touro e Gêmeos. Na sexta-feira a Lua se renova em Câncer sinalizando o início do ciclo de nutrir melhor o corpo e alma; de voltar às nossas raízes, de honrar nossa origem e passado, honrar nossos ancestrais, retomar contato com os familiares e, claro, honrar nossos sentimentos e nossa sensibilidade.

Brooke Shaden Photography – Reprodução

Mercúrio também sai de sua casa Geminiana e vai ali mergulhar no lago profundo Canceriano, ingressando em Câncer no mesmo dia em que o Sol, logo fazendo conjunção a ele e ficando Cazimi por algumas horas na quarta-feira. Com Mercúrio em Câncer nossos pensamentos voltam-se muito para a família e os entes queridos; pensamos mais sobre o lar, nossa casa, e os pensamentos têm uma conexão direta com os sentimentos, a ponto de em muitas situações misturarmos um pouco as coisas, e os sentimentos podem distorcer a interpretação dos fatos e das informações. A memória é “de elefante” e gostamos de voltar ao passado de vez em quando, além de gostar de História por si mesma. Durante o trânsito por Câncer, tanto o Sol, quanto Mercúrio e Marte enfrentarão os exageros Jupiterianos, as forças ocultas e sinistras de Plutão e as forças revolucionárias de Urano.

Por falar em Marte, que já está em Câncer há alguns dias, nesta semana ele já troca injúrias com Júpiter em Libra – que, em Libra, vai buscar ser justo e negociar. Marte em tensão com Júpiter traz uma propensão aos exageros, aos dramas e ao fervor religioso em tudo quanto pomos a mão ou as intenções. É necessário buscar alguma contenção para não exagerarmos na dose e não criarmos conflitos onde poderia haver harmonia e alegria. Marte também faz contato positivo com Netuno em Peixes, simbolizando que nossa ação no mundo fica ainda mais motivada pela sensibilidade e pela compaixão.

Amaud Paulette – reprodução

Aliás, esse tom fica ressaltado porque Vênus, que atualmente trafega Touro, também faz contatos com esses dois planetas: indispõe-se com Júpiter e harmoniza-se com Netuno. Embora os contatos tensos entre Vênus e Júpiter não sejam grandes problemas no sentido de conflitos, por outro lado, dão propensão à preguiça, desleixo, à busca exagerada de satisfação dos sentidos e então não temos limites e queremos sempre mais, seja o que for que nos dá prazer. O contato com Netuno favorece as artes e a expressão criativa, além de nos aproximar ainda mais daqueles que precisam de nós, devido à empatia, que fica mais estimulada.

Rene Magritte – Reprodução

A Lua abre a semana na fase Minguante em Áries. Torna-se Balsâmica em Touro, estimula-se internamente em Gêmeos e finalmente renova-se a 02°47’ de Câncer às 22h31min da sexta-feira no horário de Brasília e às 02h31min do sábado no horário de Lisboa.

Reprodução

SEGUNDA-FEIRA, 19 de junho – A Lua abriu o dia em Áries, separando-se da quadratura a Plutão em Capricórnio. Durante o dia ela se afina com Saturno em Sagitário e também conversa harmoniosamente com o Mercúrio Geminiano e com o Sol, mediando a oposição que os dois ainda fazem a Saturno. Faz conjunção a Urano e fica vazia depois disso, às 15h44min. Ingressa em Touro às 17h53min. Vênus está hoje em quincôncio a Júpiter. A noite está ultra preguiçosa e favorável a ficar em casa digerindo o fim do ciclo. O dia está cheio de dinamismo e muitas atividades mobilizam nossa atenção e energia. Aliás, precisamos mesmo ter cuidado para fazer tudo direito e não pela metade, nem de qualquer jeito, do contrário, teremos que voltar e sair consertando coisas mal-feitas e ou deixadas por fazer – e isso p ode comprometer os objetivos e atividades do próximo ciclo. Ninguém quer começar o ciclo novo arrastando um cordão de pendências atrás de si, certo? Portanto, para evitar tal imbróglio, melhor fazer certo da primeira vez! Energia nós temos! Só precisamos domar a impaciência e a impulsividade, usando a energia Uraniana para encontrar soluções novas e diferentes para as situações e, como temos o apoio de Saturno, temos a possibilidade de fazer isso organizada e estruturadamente – está em potencial, se usamos ou não, é responsabilidade nossa – e nós que arquemos com os resultados, bons ou ruins! A pressa é inimiga da perfeição, diz o ditado antigo. E hoje, de fato, o desafio maior é a pressa e a precipitação – cuidado, não vá ser multada/o por excesso de velocidade, tentando recuperar o tempo que você acha que perdeu na semana passada – que ficam eivados de momentos de desânimo, preguiça, descompromisso – e isso pode por tudo a perder! A noite está propícia mesmo a fica rem casa, fazendo a digestão lenta dos restolhos do ciclo, finalizando as coisas vagarosamente, sem pressa e sem movimentos descuidados. Tudo é aprendizado e quando percebemos isso, nossas cargas e dificuldades ficam mais leves e simples de carregar. O mote do dia pode ser aquele: “que não se tenha pressa, mas que não se perca tempo” (José Saramago).

TERÇA-FEIRA, 20 de junho – Mercúrio em Gêmeos está hoje em sextil exato a Urano em Áries. A Lua está em Touro, praticamente sem aspectos na madrugada, mas pelo fim da manhã ela se anima ao trocar figurinhas com o inquilino Marte. A Lua se desentende com Júpiter, mas faz conjunção a Vênus e sextil a Netuno. Dona Lua ainda faz semi-quadratura ao Sol e entra na fase Balsâmica. O dia está bom para fazer coisas inusitadas: falar com pessoas que não se vê há tempos ou mesmo com completos desconhecidos. A comunicação flui espontaneamente, mas de forma inesperada – tanto que em algum momento, talvez até a gente se anime a falar com alguém que acha que conhece, por equívoco. É dia também de finalizações, fechamentos. De concluir pendências e soltar o que não serve mais. Também há sensibilidade no ar e muita benevolência, que nos faz olhar com tranquilidade até mesmo quando algo sai diferente do inesperado. Tolerância, algo raro por esses dias, faz com qu nos sintamos mais próximos uns dos outros, a despeito das diferenças. E assim, podemos nos regozijar com os prazeres simples da vida: uma boa companhia, um café ou uma sopa quentinhos, um sofá aconchegante, um cafuné, um ombro amigo… Por hoje, apenas aproveitemos!

QUARTA-FEIRA, 21 de junho – O Sol ingressa em Câncer à 01h25min no horário de Brasília (05h25min no horário de Lisboa), marcando o Solstício de Inverno no Hemisfério Sul e de Verão no Hemisfério Norte. Mercúrio segue o Sol e também ingressa em Câncer às 05h58min e pela manhã faz conjunção ao Sol. A Lua Taurina faz trígono a Plutão e fica fora de curso depois deste contato, às 00h28min. A Lua ainda faz sesqui-quadratura a Júpiter e sextil a Quíron. Ingressa em Gêmeos às 18h45min. Uma mudança importante ocorre na forma como direcionamos nossa energia e onde colocamos nossa atenção no mundo! Temos a oportunidade de parar um pouco e avaliar o que temos feito no ciclo anual – meio ano oficial se passou e um quarto do ano astrológico. É hora de dar mais atenção à nossa vida pessoal e privada, de cuidar dos amados do nosso coração, nutrir melhor nosso corpo e nossa alma, honrar nossos sentimentos, nossos vínculos familiares, nosso passado e nossas origens. Mercúrio fica Cazimi por algumas horas pela manhã e sinaliza um período de estarmos atentos aos nossos pensamentos e ideias. Mercúrio entra na fase Epimeteus e sugere um tempo de fazermos uma retrospectiva pelas próximas semanas, análises ponderadas de tudo o que pensamos, dissemos, comunicamos até aqui, especialmente no que tange às sociedades e aos acontecimentos públicos. O porta-voz do rei está reunido com ele para avaliar o que foi idealizado e o que foi realizado desde o último encontro (20 de abril), quando a última “agenda” foi lançada. E então, como estamos nós com relação a isso? A Lua Taurina e Balsâmica fica vazia por todo o dia, depois de aspecto harmonioso a Plutão, sugerindo muitas horas de reflexão calma e tranquila, sem correrias, sem investimentos maiores no que quer que seja. É hora de aguardar, não é hora de avançar. À noite, a Lua já está em Gêmeos e sentimos necessidade de nos comunicar mais, mas mesmo assim, é bom sermos econômicos na fala, porque a fase Balsâmica é tempo de análises e não de discursos.

Fatima Gultekin – Reprodução

QUINTA-FEIRA, 22 de junho – De Gêmeos a Lua Balsâmica faz sesqui-quadratura a Plutão na madrugada e bem mais tarde, trígono a Júpiter e quadratura a Netuno, fecha a noite fazendo aspecto a Plutão novamente, desta vez, um quincôncio. Amanhecemos falantes, mas algo, um censor interno nos faz morder a lpingua como a nos lembrar que o silêncio também tem valor. Mesmo assim, um desejo de comunicar ao mundo a visão, a expectativa promissora de um novo tempo. Contudo, nos perdemos em nossas contradições e já não temos certezas se tais expectativas são mesmo promissoras ou apenas fantasias e anseios pueris, nascidos do cansaço e das frustrações recentes. De fato, depois de um dia confuso, oscilamos entre otimismo e dpuvida, preferimos calar, por temer revelar algo precioso, ainda não maduro o suficiente, não pronto para nascer. Realmente, os augúrios mais preciosos devem aguardar o tempo certo para vir à luz. Por ora, falemos de amenidades e deixemos a semente do novo repousar, guardada na solidão e na escuridão da alma.

Reprodução

SEXTA-FEIRA, 23 de junho – A Lua completa o quincôncio a Plutão e depois se opõe a Saturno, animando-se depois com Urano em Áries. Fica vazia depois deste aspecto, às 14h47min. Faz ainda quadratura a Quíron. Ingressa em Câncer às 18h07min e se renova na conjunção ao Sol na Lua Nova de Câncer, às 22h31min, no grau 02°47’ deste signo. Se ontem tínhamos dúvidas, hoje temos certeza: da culpa. Sentimo-nos meio pesados, a leveza de ontem parece frivolidade tola e ficamos a remoê-la e a nos corroer, oscilando entre a autoconcenação atroz – de coisas graves às coisas bobas – e a inconsequência. É bom colocar as coisas em perspectiva e lembrar que tudo é aprendizado. O que é algo pesado hoje, amanhã será visto como o que realmente é: lições, experiências, passos para a sabedoria. Se criticamos e julgamos, abrimos o espaço para sermos criticados e julgados e no fim, se temos sorte, acabamos por entender que críticas e julgamentos nascem da arrogância, de nos acharmos melhores e mais sábios, que por sua vez, revela apenas uma insegurança profunda. Feliz daquele que não se apega às aparências efêmeras das coisas e deixa vir e deixa ir, sem criticar, sem julgar ou condenar e sem se apegar a tais juízos de valor. A Lua se renova em Câncer e indica o início de um novo ciclo, no qual vamos prestar mais atenção e honrar mais nosso passado, nossos sentimentos, nossa família. Memórias e recordações dão o ar da graça, para nos dar a dádiva de não repetir erros e nos autorizarmos também a sentir uma saudade feliz, pelas coisas boas que já vivemos e que nos trouxeram até aqui – as más lembranças, como já foi dito, devem servir de aprendizado e não de lástima. Entretanto, cuidar e nutrir a si mesmo e à família não quer dizer estimular dependências e fugir da responsabilidade por si mesmo e pelo próprio desenvolvimento. Interdependência é uma coisa, abrir mão da própria individualidade e ansiar por ser levado nos braços pelo caminho, quando se deveria – e poderia – caminhar com as próprias pernas, é outra bem diferente. Cuidar, nutrir, sentir, amar… Verbos que supõem a ação pessoal e consciente e não cessão de autonomia.

Reprodução

SÁBADO, 24 de junho – Vênus está em trígono perfeito a Plutão, enquanto a Lua em Câncer a faz conjunção a Mercúrio e depois a Marte. A Lua também faz quadratura a Júpiter, trígono a Netuno e oposição a Plutão. Marte fecha a noite em quadratura a Júpiter. Os sentimentos e cuidado que temos para com outros e com nossa família hoje estão mais alinhados com o pensamento e a ação, de modo que ficamos muito motivados a melhorar e a nutrir mais a vida daqueles com quem nos importamos, de formas inequívocas. Se nos sentimos seguros e confortáveis em nosso papel e também do sentimento do outro – além de nos sentirmos seguros em nós mesmos, claro – damos mil passos a mais na nossa generosidade e doação, para demonstrar nosso afeto e amor. Contudo, ainda precisamos ficar atentos para que tal doação e tais demonstrações de afeto não sufoquem  o outro e não sejam também uma forma de prendê-lo a nós, como correntes invisíveis. Quando cuidamos em excesso, quando doamos demais, desequilibramos a balança das relações e comprometemos a salubridade da nossa vida afetiva, estabelecendo vpinculos baseados em dependências e cobranças, ao invpes de trocas equilibradas, saudáveis e honestas. Estando cientes disso, podemos sim, abrir nosso coração e nos permitir uma entrega profunda e verdadeira, que nos aproxime do outro ser humano e consequentemente, de nossa alma mais profunda tambpem.

Reprodução

DOMINGO, 25 de junho – Marte está em quadratura partil a Júpiter na madrugada. Enquanto isso, a Lua Canceriana faz quincôncio a Saturno e quadratura a Urano – fica vazia depois deste embate, às 14h46min. A Lua ainda faz trígono a Quíron e ingressa em Leão às 17h07min. Marte fecha a semana em trígono a Netuno. Há um limite tênue entre a devoção genuina e o sentimento de posse, entre a fé fervorosa e o fanatismo cego, entre o entusiasmo ardoroso e e a imposição das próprias crenças e atitudes sobre outros. Por esses dias e especialmente hoje precisamos ter cautela e observar essas nuances sutis, para não incorrer na chatice de achar que só o nosso jeito de fazer é válido ou no dogmatismo que querer seguidores cegos como ovelhinhas mansas, incapazes de pensar por si mesmas. Apelar para chantagens e dramas, para conseguir a atenção que não conquistamos de forma direta e limpa, também não vai ajudar muito em nossas campanhas para conseguir o que almejamos – pelo contrário, talvez até o afaste de nós. Assim, o dia pede algum distanciamento emocional para não criarmos dramas e tempestades em copos d’água, desnecessariamente. Se percebemos que estamos prontos a entrar em ebulição, talvez valha a pena abrandar o fogo, pois água fervente, queima o café e o amarga. O senso de proporção está um pouco prejudicado hoje e isso atrapalha acha ra temperatura certa das coisas, a dosagem certa do dar, do receber e do tomar e nós, ou damos demais e sufocamos o outro, ou exigimos demais e o sorecarregamos com nossas cobranças. De um jeito ou de outro, as interações podem ficar um pouco carregadas e propensas e pequenas explosões, se nãi tivermos jogo de cintura e um mínimo de leveza e bom humor, inclusive para rirmos de nós mesmos e nossas criancices tolas. Portanto, antes de fazer caras e bocas e criar o climão no ambiente, vale mais olhar para si mesmo e checar as carências e anseios, providenciando aquilo que cabe a nós mesmos providenciarmos, sem jogar expectativas sobre terceiros. Se conseguirmos lidar com empatia com nossa criança interna carente – ou mesmo com a do outro – e lhe dar colo ou o alimento de que ela precisa, à noite somos premiados com o bom humor dessa criança, que nos lembra que também sabe brincar, dançar e se divertir com alegria.

Uma ótima semana para você.