Arquivo da tag: Saturno-Netuno

A Semana Astrológica Enxergando a Realidade Como Ela é

balsamic buzzSemana de 29 de agosto a 04 de setembro: tempo de eliminar o velho para dar abertura ao novo; tempo de encarar a dura realidade e crescer com ela

Nesta semana o Sol percorre o caminho já trilhado por Mercúrio e Vênus e se defronta com o imbróglio Saturno-Netuno (o Sol faz quadratura a Saturno e oposição a Netuno), além de conflituar também, mais à frente, com Marte em Sagitário. É curioso que o Sol venha fazer aspectos a estes dois planetas exatamente uma semana antes da última quadratura exata entre eles, que se dará no dia 10 de setembro. É como se o Sol estivesse a iluminar poderosamente tudo o que esta configuração simboliza para nós, última chance de apreender seus sentidos e significados e fazer as devidas modificações ou soltar o que precisa ser soltado, especialmente porque o Sol faz quadratura exata a Saturno no mesmo dia em que é eclipsado pela Lua Lua Nova e Eclipse Anular Solar – Entenda melhor os significados gerais dos eclipses. O Astro Rei também se indispõe com Urano por sesqui-quadratura, sugerindo irritações e lapsos de incoerência que vêm e vão, mas que nos tiram o sossego, como algo que fica ali, na sombra do coração, a querer nos alertar, embora não consigamos lembrar em cheio do que se trata. Esse aspecto nos deixa predispostos a agir por impulso, a replicar de forma crítica e inconsciente, à ordem rígida em que estamos inseridos. O Sol também faz conjunção ao Nodo Norte que atualmente trafega Virgem, apontando o tempo dos eclipses. Mas o Sol também faz mais, ele traz a oportunidade de nos conscientizarmos uma vez mais sobre nosso destino e nossos propósitos maiores. Isso é particularmente válido para aquelas pessoas que têm o Nodo Norte em Virgem (e o Sul em Peixes), que estão vivenciando um Retorno Nodal, tendo a chance de se realinharem com seus propósitos e a direção de vida escolhida por sua alma para esta encarnação.

River Bank of Truth
River Bank of Truth

Mercúrio entra em retrogradação em Virgem no dia 30 de agosto. Nesta semana ele retorna e se abraça afetuosamente a Vênus e a Júpiter logo após estacionar e engatar a marcha a ré. Na verdade, ocorre um movimento interessante: Mercúrio fez conjunção a Vênus no dia 16 de julho, a 05° de Leão. Passou por ela bem afobado, na carreira… Agora no dia 29 ele estaciona e Vênus o ultrapassa – quase que lembra a estória da lebre e da tartaruga – Mercúrio ficando estacionário a apenas 20 minutos de distância de Vênus e a cerca de um grau e meio de Júpiter, um fato que eu acredito, seja bastante auspicioso para este ciclo de retrogradação, que se concluirá em trígono exato a Plutão, no dia 22 de setembro. Então, em termos gerais, está aberta a temporada trimestral de revisão de pensamentos, processos mentais, comunicação, conceitos, ideias e pontos de vista e opiniões. Especificamente em Virgem, a retrogradação convida a revisar nossa técnica e a maneira como exercemos o sagrado ofício do nosso trabalho. Leia mais sobre Mercúrio retrógrado em Virgem.

venusVênus, depois de ficar em queda por algumas semanas, ingressa em Libra, signo de sua dignidade. Em Libra Vênus traz presente o mito do seu nascimento, a partir do sêmen de Urano no mar. Urano é da primeira geração dos deuses gregos. Deitou-se com Gaia e nasceram os Titãs. Mas Urano, o Deus Celeste hiper idealista, rejeitou seus filhos, que ofendiam seu olhar reformador por serem excessivamente ctônicos e terrosos, imperfeitos como Gaia, a Mãe Terra. Então ele os prendeu no tártaro. Saturno, um dos seus filhos conspirou com sua mãe e uma noite, quando Urano veio se deitar com Gaia, Saturno o castrou com uma foice. Atirou os genitais ao mar e do sêmen nasceu Afrodite, a deusa do amor e da beleza. Do sangue que caiu na Terra nasceram as Fúrias. A Vênus Libriana é a própria Afrodite nascendo do sêmen Uraniano, da castração de um Deus Celeste que primava por ideais de Perfeição. Assim também é Vênus em Libra: sempre em busca do relacionamento perfeito, da parceria de perfeito equilíbrio. Nessa equação não necessariamente há amor. Há, sim, equidade, parceria, afinidades. Vênus em Libra tem senso estético apurado, sendo extremamente graciosa, refinada, classuda e muito sintonizada com as regras sociais e com aquilo que é aceitável. É apaixonada pela ideia da parceria, de ser um casal, talvez mais do que pela própria pessoa à sua frente, assim, nem sempre ela se relaciona com a pessoal real, mas sim com uma imagem que tem dessa pessoa, especialmente quando Netuno está presente. Seu senso de justiça também é muito acentuado e ela vai esperar que haja reciprocidade em absolutamente tudo, a ponto de às vezes se ter a impressão de que há uma conta corrente do dar-e-receber na relação. De fato, as relações laterias implicam equilíbrio no dar e receber, mas Vênus leva isso bem ao pé da letra e vai ficar esperando o retorno quando faz algo bom. Valoriza muito a paz, a harmonia e por causa disso tende a evitar confrontos, a ponto de parecer que carece de personalidade ou de caráter em algumas situações. É que Libra realmente tem essa capacidade de ver todos os ângulos de uma questão, mas essa tendência de evitar conflitos pode ter como resultado exatamente o oposto: ela acaba por se indispor com todos aqueles que tentou agradar, a todo custo. No fim, quando esses conflitos se tornam inevitáveis, Vênus em Libra pode ser tão ou mais feroz do que o pior dos Arianos: torna-se competitiva e vingativa – não esqueçamos que foi Afrodite quem iniciou a Guerra de Tróia! E aqui, nessa faceta menos nobre, ela encarna Hathor, a Deusa Egípcia da alegria, da maternidade, do feminino e da beleza, mas que virava uma guerreira sanguinária quando entrava em batalha – Vale lembrar também das Fúrias, que nasceram do mesmo evento que deu origem a Afrodite. Vênus em Libra precisa aprender a valorizar-se, independentemente do olhar do outro e precisa aprender a ver o outro como ele realmente é, para além da possibilidade de ser um parceiro afetivo. Esse posicionamento confere também gosto refinado e olhar clínico para coisas de valor, gosto para a arte, a música e também para as leis, além de grande senso de justiça.

Annibale Carracci - Júpiter e Juno
Annibale Carracci – Júpiter e Juno

Marte já ganhou velocidade e vai gradativamente se separando a passos largos de Saturno. Agora ele se prepara para confrontar Quíron, movimento que ocorre em algumas semanas. Enquanto isso, vamos fortalecendo nossa vontade e recuperando nosso senso de potência. Júpiter, por outro lado, chega ao fim de Virgem e se despede do signo de sua debilidade. Certamente ele estará bem mais confortável em Libra, já que Libra é um signo que prima também pela justiça, um tema que está sob a alçada de Júpiter. E se em Virgem a justiça e expansão Jupiterianas acontecem por meio das coisas pequenas e prosaicas, concretas e palpáveis, em Libra isso se dá através de conceitos mais refinados e abstratos, através da civilidade e da capacidade de viver em sociedade e respeitar as regras do convívio social. Em Libra Júpiter também favorece os casamentos, já que este é o signo das uniões oficiais, o que nos lembra da união de Júpiter e Juno, sua parceira oficial com quem ele vivia em pé de guerra, devido às suas infinitas escapadas e traições, ás quais Juno/Hera não perdoava. Júpiter ingressa em Libra no dia 09 de setembro, onde fica até 10 de outubro de 2017.

eclipse milky way
Reprodução

A Lua abre a semana na fase Balsâmica em Câncer. Finaliza o ciclo em Leão e se renova em Virgem, na quinta-feira, numa Lunação que é também Eclipse Total do Sol e que vem nos desafiar a deixar de vez o passado para trás e a olhar para o futuro, para o Norte das nossas aspirações, para o Norte do nosso desenvolvimento.

Brooke Shaden Photography - Reprodução
Brooke Shaden Photography – Reprodução

SEGUNDA-FEIRA, 29 de agosto – Mercúrio estaciona às 10h03min, a 29°01’ de Virgem para entrar em retrogradação, enquadrado por Júpiter e Vênus, os dois Benéficos. Vênus, que tinha recebido a conjunção de Mercúrio em 16 de julho, agora o ultrapassa em direção a Libra e faz uma conjunção meio reversa, em que é Vênus quem vai ao encontro dele. A Lua está Balsâmica em Câncer e se harmoniza com Júpiter, Mercúrio e Vênus em Virgem, ficando vazia depois do contato com Mercúrio, às 03h24min. A Lua ainda se desafina com Marte e ingressa em Leão às 05h12min, de onde faz trígono a Saturno já à noite. Vênus ingressa em Libra às 23h07min, onde ficará até o dia 23 de setembro. O dia traz uma harmonia calma ou uma calma harmônica, mas é uma calma talvez enganosa, porque intuímos que é apenas uma trégua temporária, que nos permite respirar um pouco antes do próximo round – esta semana tem Eclipse Total do Sol! Paramos e olhamos ao redor para identificar onde estamos, para guardar na memória detalhes que funcionem como pontos de referência, um tipo de mapeamento – ou talvez, como João e Maria, saímos deixando pistas na trilha, para conseguir encontrar o caminho de volta. Temos, pois, uma influência favorável para começar a semana de maneira organizada, coesa e estruturada; para fazer nossos back-ups e check-ups e para analisar, pausadamente, o que é que precisa mais da nossa atenção e que tenta atraí-la de forma gritante. O dia traz insights claros e muito lúcidos sobre o que precisamos fazer e onde precisamos ir, qual é o próximo passo, subir ou descer. Revisão de ideias, caminhos, tarefas e métodos estão na lista. É como uma voz que grita: “para tudo!” E nós paramos para ouvi-la, porque vale a pena escutar! Essa é a voz interna, poderosa, nítida e lúcida. A voz da sabedoria, ancestral, arcaica… A voz da Lua Balsâmica olhando para o futuro: o que nos espera? Meditamos e contemplamos no silêncio do nosso coração e decidimos que não vamos esperar que nada aconteça a nós – nós é que iremos acontecer ao que quer que encontremos pelo caminho! Não desperdice essa vibe!

Catrin Welz-Stein - Reprodução
Catrin Welz-Stein – Reprodução

TERÇA-FEIRA, 30 de agosto – De Leão, a Lua Balsâmica se desentende com Netuno em Peixes e com Plutão em Capricórnio, mas se afina com Marte em Sagitário, fechando a noite em trígono a Urano e quincunce a Quíron. Mercúrio está oficialmente retrógrado a partir das 10h03min. Um dia de contradições profundas e desconcertantes. Queremos brilhar e chamar a atenção para nossos feitos, mas algo parece estar fora de lugar, porque não parece legítimo e nos vemos pressionados internamente a ceder o holofote ou a atenção para alguém mais, o que nos deixa ressentidos e inseguros internamente. Mas, longe de isso nos fazer parar, talvez resolvamos encarnar a prima-dona e encenar grandes dramas no melhor estilo “falem mal, mas falem de mim”, até que a ficha caia e percebamos que nos enredamos numa teia intricada e difícil de desemaranhar, o que nos deixa meio tímidos e desengonçados, porque nos sentimos agudamente expostos. Sim, comportamento meio infantil, mas que é iluminado para ser eliminado. Contudo, fazemos melhor se utilizamos todas essas energias e influências para uma autorreflexão, para iluminar nossos próprios processos e proceder com as devidas finalizações e conclusões, ao invés de investir nos dramas desnecessários. Podemos nos sintonizar com uma reserva de autoconfiança e motivação, para concluir pendências de modo satisfatório, que trazem um senso de realização concreta pela coisa em si, como também pela liberação que a conclusão traz. E então concentramos grande energia e vigor nesse intento. Mas precisamos de atenção, porque, se antes era a insegurança, agora é a obsessividade pode nos fazer perder em objetividade e quando vemos, não sabemos mais porque nos lançamos com tanto empenho em todas essas situações – será que estamos ritualizando outras conclusões além daqueles visíveis diante de nós? Se assim for, talvez a ideia até seja válida, mas ainda é preciso ter consciência e clareza de porquê o fazemos. Bom senso é fundamental! O dia pede alguma cautela porque há necessidade de contenção e de se poupar energias para a próxima etapa. É inútil fazer investimentos grandiosos, além do estritamente necessário, porque a terra descansa, é inverno, os dias são propícios ao recolhimento e à limpeza. Lembremos disso antes de nos empenharmos em ideias afoitas que talvez não levem a lugar nenhum. É mais útil eliminar aquilo que não serve mais, abrindo espaço para o novo entrar.

Reprodução
Reprodução

QUARTA-FEIRA, 31 de agosto – A Lua Leonina e Balsâmica formaliza o quincunce a Quíron e o trígono a Urano, ficando vazia logo depois, à 01h20min. Ingressa em Virgem somente às 12h22min e faz apenas uma sesqui-quadratura a Plutão em Capricórnio, aproximando-se aos poucos depois da conjunção ao Sol, que está em sesqui-quadratura plena a Urano. A Lua olha mais profundamente para o futuro e os nossos sonhos podem trazer visões e presságios poderosos nesta noite. Que mudanças precisamos fazer em nós mesmos, nossas atitudes e comportamentos que ainda não ficaram claros até aqui? Que parte dessa criança que nós somos precisa ser deixada para trás? Certamente aquela parte birrenta e irascível, a parte que gosta de se quedar vítima do sofrimento – criado por nós mesmos – e das próprias queixas lamuriosas. Quando é possível, a mudança deve ser providenciada; quando não é, a situação deve ser aceita, com humildade e maturidade, do contrário, nossa vida fica miserável e vai parecer sempre fora do nosso controle. Assim, o dia traz essas visões de futuros possíveis a partir das muitas possibilidades de mudanças, mudanças empreendidas por nós, madura e consistentemente. Entretanto, precisamos estar cientes de nossas contradições internas no que tange ao comprometimento que empenhamos nos nossos objetivos – será que são mesmo esses objetivos que alimentam o nosso coração? – do contrário, quando menos esperamos resolvemos chutar o balde num rasgo de autossabotagem que põe tudo a perder no momento crucial. A manhã fica propícia a essas reflexões e às elucubrações sobre como manifestar os potenciais criativos no próximo ciclo; já a tarde fica mais industriosa e prática, de modo que procedemos com as últimos limpezas e aragem do terreno onde lançaremos a rica semeadura dos nossos sonhos e projetos na Lua Nova de Virgem.

Eclipse Anelar do Sol - Reprodução
Eclipse Anelar do Sol – Reprodução

QUINTA-FEIRA, 1° de setembro – A Lua faz conjunção ao Sol a 09°21’ de Virgem, às 06h03min, num Eclipse Anelar do Sol – que é também total, mas como a Lua está muito distante do Sol, temos um anel ao redor do eclipse. O eclipse ocorre em quadratura de menos de um grau a Saturno – o Sol está em quadratura exata a ele hoje – e oposição muito próxima a Netuno e quadratura mais ampla a Marte. A Lua ainda faz sesqui-quadratura a Urano e trígono a Plutão e estes aspectos também são importantes nesta Lua Nova. Um eclipse que vem jogar ênfase sobre a quadratura pesada e dolorosa de Saturno e Netuno, que perdura nos céus desde 2014 é tudo o que precisávamos para fechar com chave de ouro essa configuração. Um novo ciclo é inaugurado, em que precisamos nos sincronizar com a ordem da natureza, que traz intrínseca em si a semente do caos e da desconstrução das verdades nebulosas, que nem sempre são condizentes com a realidade.

Tiia Reijonen on Behance - Reprodução
Tiia Reijonen on Behance – Reprodução

Este eclipse fala de deixar para trás as ilusões infantis e de encarar a realidade como ela é. De abrir bem os olhos e ver. Ver com os olhos físicos, com os olhos da alma, com os olhos da intuição, com os olhos internos que enxergam mais longe e que só estiveram fechados porque assim nos escolhemos. Abrimos os olhos e vemos a luz excruciante da verdade de dilacera nossa visão. E abrimos os ouvidos. E  ficha cai, finalmente. E cai de forma estridente, a tinir no tímpano dolorosamente. Esse momento de cair na real pode ser muito duro, porque os véus são descerrados e podemos finalmente ver o que antes eram apenas borrões obscuros. Infelizmente, o que vemos não é nada agradável, mas talvez seja tarde demais para voltar atrás, porque o leite já se derramou e não há retorno. Contudo, há aprendizados que, embora sejam duros como sopapos bem dados no meio das nossas fuças, são bastante válidos e talvez agora aprendamos a dura lição. É preciso deixar as ilusões tolas e o passado fossilizado e oco para trás e inaugurar uma vida nova de cara limpa. Por mais difícil que seja a realidade, pode ser um momento construtivo de lidar com a verdade e de crescer. Em termos práticos, a Lua Nova e Eclipse em virgem favorece a eliminação de maus hábitos e comportamentos nocivos que afetam nosso corpo e saúde negativamente – pode ser um ótimo momento para deixar de fumar, por exemplo, ou para eliminar quaisquer outros hábitos que prejudicam a qualidade de vida – e também nosso trabalho e vida cotidiana em geral. É hora de inaugurar hábitos novos e mais saudáveis, de forma que possamos ter uma vida de mais qualidade e muito mais sentido.

Veja o significado dos próximos eclipses por casa no Mapa Natal
Veja o significado dos próximos eclipses por casa no Mapa Natal
Kirrei.com - Reprodução
Kirrei.com – Reprodução

SEXTA-FEIRA, 2 de setembro – O Sol Virginiano faz oposição plena a Netuno em Peixes, enquanto Mercúrio faz sua segunda conjunção a Júpiter. A Lua segue renovada por Virgem e hoje faz oposição a Quíron, quincunce a Urano e conjunção a Mercúrio e a Júpiter, ficando vazia às 19h13min depois deste contato. A Lua ingressa em Libra às 21h56min. Nosso desejo e necessidade por ordem e perfeição são desafiados ao máximo hoje e nos encontramos miseravelmente dispersos, incoerentes e fragmentados em muitas direções. Além do senso de ordem e estrutura, falta-nos a confiança que nos permitiria ir atrás de nossos objetivos de forma destemida e, como não conseguimos ser suficientemente assertivos e seguros, nossa autoestima fica ainda mais vacilante, de modo que se não vigiarmos, entramos num círculo vicioso doentio e de difícil saída, porque sentimo-nos bastante impotentes para modificar traços em nós mesmos e situações ao nosso redor. Podemos ficar nessa espiral destrutiva por horas e dias. Mas, a sensibilidade que nos faz vacilar é a mesma que nos permite manifestar nossos dons criativos e nosso grande altruísmo, de modo que podemos usá-la em benefício de outros, o desafio é exatamente fazer isso de maneira coesa, como um serviço que oferecemos de bom grado, em lugar de nos sentir vítimas das circunstâncias e até de nós mesmos. A consciência aguda de nossas limitações pode, ao invés de nos colocar para baixo, ser o trampolim de onde damos impulso para mergulhar fundo naquilo que podemos realmente transformar e manifestar criativamente. O pano de fundo mental absorve todas as nuances e variáveis, mas consegue rever onde podemos ter errado no passado, de modo que agora podemos usar esses mesmos erros como lições e aprendizados que nos estimulam a fazer melhor e mais conscientemente desta vez. Sobretudo, precisamos ser humildes e nos ater ao que é possível, sem exigir de nós mesmos ideais de perfeição irrealizáveis e, por isso mesmo, frustrantes. Viemos de uma fonte divina e para lá voltaremos, mas, por enquanto, ainda precisamos lidar com esse plano de limitações que devem ser aceitas, mas isso não deve embotar a fé em nós mesmos, porque a principal lição é acreditar em nós próprios, a despeito de todas as nossas dificuldades e falhas. Olhar para dentro e perceber que a despeito de todos os erros e defeitos que percebemos em nós, no centro há o núcleo indestrutível e perfeito e é esse senso de integridade que deve nos guiar.

Reprodução
Reprodução

SÁBADO, 3 de setembro – A Lua está em Libra e faz conjunção com a dona da casa, Vênus. Mais tarde a Lua também se afina com Saturno enquanto se desentende com Netuno. O Sol segue em oposição a Netuno e quadratura a Saturno e Mercúrio vai seguindo seu caminho descendente no Mundo Inferior, incitando-nos a fazer nossas revisões profundas de pensamentos e ações. Um momento de calmaria e análises mais desapegadas de todas as confrontações por quê passamos: talvez consigamos digerir os resultados sem tantos dramas e com alguma sobriedade, sem ficar chorando ou nos lamentado, afinal, agora é bola para a frente, é acordar para o que dá para consertar e eliminar o que não tem conserto. Em termo práticos e pontuais o dia favorece encontros leves que dispensem os assuntos densos, porque nem nós nem o outro temos muita clareza de nossos sentimentos e reações, de modo que estamos suscetíveis a nos sentir ofendidos ou ignorados num assunto que seja mais sensível, portanto, se não temos certeza de que nossa audiência irá respeitar o que temos a dizer, melhor guardar o assunto para outra ocasião ou para ouvidos mais atentos e respeitosos e ficar nas trivialidades leves, mas seguras.

Reprodução
Reprodução

DOMINGO, 4 de setembro – A Lua Libriana conversa animada com Marte em Sagitário, mas arruma uma baita confusão com Plutão e com Urano. Como se não bastante, ela ainda se irrita com Quíron e fica vazia às 21h32min, depois da briga com Urano. O Sol está em conjunção exata ao Nodo Norte em Virgem. O amanhecer traz tensões difíceis de digerir e impossíveis de evitar: precisam ser encaradas e resolvidas na lata! Com o dia começando já neste clima tenso, ficamos estressados e indóceis, porque lutamos por uma harmonia e uma conciliação que parecem distantes, uma distância inversamente proporcional ao esforço com que buscamos essa harmonia. Precisamos usar de honestidade emocional nas nossas crises e dilemas, especialmente naqueles que envolvem os afetos e as relações em geral: será que secretamente não investimos em tais crises para nos sentir vivos e importantes para aqueles das nossas relações? O dia também requer muita cautela porque estamos impulsivos, de modo que podemos agir precipitadamente, piorando as situações com nosso comportamento imprevisível, altamente reativo e talvez um tanto infantil. No fundo, desconfiamos de nossas emoções e sentimentos, que hoje são intensos e voláteis e só nos impulsionam em direção à criação de mais drama e mais conflito. O que precisamos é perceber essa necessidade de nos sentirmos realmente vivos, com toda a intensidade a que achamos que temos direito e para isso, podemos nos engajar em atividades estimulantes e criativas, que nos façam entrar em contato com as emoções tumultuadas e selvagens que convulsionam o coração, de modo que elas sejam canalizadas construtiva e visceralmente, a ponto de transformar a forma como enxergamos a nós mesmos e aos nossos processos emocionais mais profundos. Podemos convidar as mesmas pessoas com quem travávamos os embates acalorados e descobrimos que a briga a favor é tão ou mais estimulante do que a briga contra e de quebra, ainda aprendemos mais uns sobre os outros e isso, ao invés de nos afastar, nos aproxima porque percebemos que o outro está atrás do mesmo que nós: harmonia e crescimento, então, por que não podemos buscar isso juntos? Por todos os motivos descritos acima, em termos práticos o dia requer cautela nas interações devido à propensão a conflitos e também no trânsito, devido à grande impetuosidade e precipitação.

Desejo a você uma semana de bênçãos e crescimento! Que essa realidade tão dura seja administrável e nos faça, de fato crescer! ótima semana!

Andrea Clare

Tiia Reijonen on Behance - Reprodução
Tiia Reijonen on Behance – Reprodução

Lua Cheia em Capricórnio – Pertencer para se individuar

full moon capricornio - three rivers deepO ciclo iniciado em Câncer culminou nesta terça-feira, às 19h56min no horário de Brasília e às 23h56min no horário de Lisboa, com a Lua sendo Cheia a 27°40 de Capricórnio.

Com as lunações ocorrendo no eixo Câncer-Capricórnio necessariamente falamos das questões parentais, a mãe (Câncer) e o pai (Capricórnio). Câncer cuida da família porque ela é a base da sua nutrição enquanto Capricórnio faz isso por causa do senso de dever e por causa da segurança e do status que uma família sólida e bem estruturada confere.

Reprodução
Reprodução

Mas Capricórnio também é o signo que simboliza a realização de nossas ambições, depois de escalarmos aquela alta escada ou montanha de obstáculos com tenacidade e determinação. E se nascemos numa família e lá somos cuidados, nutridos, educados e lá recebemos nossa herança genética , material e psicológica, é em Capricórnio que decidimos o que fazer com tudo isso e vemos onde isso nos levará. Em Capricórnio precisamos amadurecer e nos fortalecer, material e emocionalmente, tornarmo-nos resilientes, autossuficientes, fortes, determinados, em contraponto à suavidade e vulnerabilidade emocionais de Câncer.

Lua Cheia em Capricórnio - Brasília, 19 de julho de 2016, 19h56min
Lua Cheia em Capricórnio – Brasília, 19 de julho de 2016, 19h56min

Olhando o mapa levantado para Brasília vemos que Sol e Lua se separam da quadratura a Urano em Áries, que ainda é foco de uma T-Square Cardinal. A Lua também se separa de sextis a Marte em Escorpião e a Quíron em Peixes, com quem o Sol ainda está em trígono e que também estão em trígono entre si, formando, no final, uma configuração Pipa. De modo geral, esses aspectos sugerem que integremos nossas necessidades e propósitos de pertencer a uma família, honrando nosso passado e memória, vivenciando nossos sentimentos de forma autêntica, reconhecendo nossas vulnerabilidades, ao mesmo tempo em que trabalhamos séria e comprometidamente para pertencer também a uma sociedade, construindo o presente disciplinadamente e planejando o futuro cautelosamente, desenvolvendo, no processo, autossuficiência e maturidade (Sol em Câncer x Lua em Capricórnio). Mas nada disso pode ser feito sem se levar em conta nossos desejos individuais, nosso impulso de liberdade e de independência – ou seja, o pertencimento à família e à sociedade não pode ser desculpa para não nos realizarmos individualmente ou para nos deixarmos engolir por regras e tradições (Urano em Áries). Os aspectos a Marte indicam que a força executiva e vontade pessoal estão alinhadas com os propósitos da consciência (Sol) e com as necessidades da alma (Lua). Quíron nos fala que também estamos cientes das vulnerabilidades, nossas e dos outros, com as quais precisaremos lidar nas próximas duas semanas.

Reprodução
Reprodução

O regente da Lua Cheia, Saturno, está em quadratura a Netuno desde 2014, configuração que se estende até o fim deste ano. Saturno também recebe os trígonos de Mercúrio e Vênus em Leão. Saturno nos lembra que o fato de precisarmos ser pragmáticos, realistas, disciplinados e focados, não quer dizer que tenhamos que abrir mão da nossa visão criativa e da nossa imaginação. Na melhor das hipóteses, Saturno-Netuno indicam o potencial de integrarmos a faculdade do sonhar com a capacidade realizadora dentro de nós, então, mesmo cientes das muitas limitações com que precisamos lidar, ainda trabalhamos para manifestar e concretizar esses sonhos. Um bom exemplo de como essa configuração pode se manifestar positivamente é no balé ou em outras danças e artes em geral. Num espetáculo, vemos apenas a beleza, a leveza e fluidez dos bailarinos, mas por trás de toda aquela beleza e graça, há horas incontáveis de treinos exaustivos, de disciplina e renúncia, de dor e cansaço, que o bailarino abraça com determinação em nome da sua arte, porque na sua imaginação ele tem um sonho, uma imagem do quão bom ele pode ser.

Reprodução
Reprodução

Mercúrio e Vênus ainda sinalizam que podemos ativar nossa rede de contatos a se engajar com nossos ideias, apoiando de longe ou de perto. Entretanto, alguns pontos requerem cautela: além do trígono a Saturno, Mercúrio e Vênus estão ambos em quincunce quase exato a Netuno. Isso nos sugere que precisamos combater as ideias e desejos fantasiosos, ou aqueles sonhos que não são fortes o suficiente para nos fazer levantar da cadeira e entrar em ação – cruzamos os dedos e esperamos que tudo dê certo, sem levantar uma palha para realizar nada! No final, isso não são sonhos, são apenas ilusões que não temos coragem de dar o devido nome e que só nos levarão a desapontamentos; precisamos também nos atentar para possíveis promessas falsas, que tendem a não se concretizar cujos resultados, novamente, podem ser apenas decepção. Essa influência ainda sugere um potencial de caos, movido pela confusão mental, pela intranquilidade e desordem de interesses, de forma que dizemos sim para uma coisa, esquecendo que já estávamos comprometidos com outra – o resultado é uma divisão na energia que nos desgasta e nos faz sentir mal conosco mesmos.

Bird Nightmare - Mick Ryan - Reprodução
Bird Nightmare – Mick Ryan – Reprodução

O Símbolo Sabiano do grau 28 de Capricórnio (27°00’ a 27°59’) traz a imagem de “um grande aviário”. Lynda Hill, astróloga americana especializada nos Símbolos Sabiano comentando sobre este simbolo, diz que se é grande o aviário, podemos supor que há muitos pássaros vivendo ali e que há muita atividade e ruído durante o dia, mas à noite há silêncio e quietude. A situação sugere que é provável de haver muita conversa, tagarelice e movimento ao redor e, se por um lado nada há de prejudicial, por outro, nada também está sendo realizado. Será que é por causa do nível de confusão mental que há? Talvez seja porque as coisas mudam muito rapidamente e há muito barulho e distrações. Muitas ‘vozes’ podem ser ouvidas num ‘Grande Aviário’, mas pode ser difícil discernir uma voz em particular. “Este símbolo aponta para situações em que muitas pessoas, como pássaros empoleirados, falam ao mesmo tempo, tendo muito a dizer. Outra coisa, embora você seja capaz de de vagar um pouco, você na verdade está engaiolado dentro de uma determinada realidade. Este símbolo pode ser a imagem da burocracia, governo e grandes negócios”.

Desconheço o autor - Reprodução
Desconheço o autor – Reprodução

A meu ver, este símbolo nos relaciona tanto a configuração Saturno-Netuno quanto àquela de Mercúrio-Netuno: há possibilidades de vaguearmos por aí, de falarmos e ouvirmos, mas no fundo, não estamos fazendo muita coisa e talvez nos ressintamos da nossa realidade, que é sentida como uma gaiola. Nas próximas duas semanas precisamos ficar atentos para esse movimento de vagar e dispersar, ao invés de nos concentrar na realização prática dos nossos objetivos, como requer a Lua de Capricórnio. Tendo isso em mente, podemos  assumir nosso lugar ao sol e na ordem da vida, nossa posição social, com integridade, sabendo de todo o esforço e empenho que empregamos para chegar aqui.

Reprodução
Reprodução

Por último, conscientizarmo-nos da individualização do ser, do trilhar um caminho próprio forjado a partir do senso de pertencimento ao núcleo familiar e a esta sociedade à qual pertence esse núcleo, um pertencimento que, quando autêntico e saudável não bloqueará nem impedirá a realização individual, mas antes funcionará como sua base. O conflito, afinal, forja o caráter e longe de ser negativo, pode ser, muitas vezes extremamente positivo.

Mesmo com atraso, ouso dizer, feliz Lua Cheia para você! Que você tenha a garra e a determinação caprinas necessárias para a realização de suas ambições e objetivos!

Reprodução
Reprodução

A Semana Astrológica – A Via Dolorosa

I Love you All - Kingabritshgid - Reprodução
I Love you All – Kingabritshg.Deviantart  Reprodução

Semana de 29 de fevereiro a 06 de março

Ao contrário da semana passada, esta traz uma tensão difusa, que vai permeando todas as coisas… É uma semana de pré eclipse e vem cheia de novidades, embora essas novidades sejam causadoras da grande tensão e de um sentimento indistinto e generalizado de vulnerabilidade! O eclipse representa a culminação de toda essa tensão e se dá, no Brasil, ainda no dia oito de março, às 22h54min (à 01h54min do dia nove para Lisboa). Aproveite e entenda melhor o que são eclipses e suas dinâmicas lendo este artigo.

Alexandra Manukian - Reprodução
Alexandra Manukian – Reprodução

Mercúrio ingressa em Peixes no sábado, mas antes, ainda no fim de Aquário, troca farpas mais que geladas com Marte no fim de Escorpião. Por alguns dias eles só fazem contato um com o outro, montando um dueto, um dueto que se forma a partir de um aspecto muito tenso, uma quadratura fixa. A comunicação fica, de fato, complicada. A ação entra em conflito com o planejamento, com as ideias. Propensão a bate-bocas corrosivos, venenosos; conflitos entre irmãos e parentes e possivelmente no trânsito, principalmente porque Marte já está na zona de retrogradação, então a tendência é irritação, inquietação, precipitação e encurtamento de pavios mundo afora. Ficamos muito suscetíveis e irritáveis, vendo ameças onde não existem, identificando-nos excessivamente com nossas crenças e opiniões. Quando em dueto, os planetas em questão só dialogam um com o outro e não se comunicam com nenhum outro planeta no mapa. Neste caso, não há exatamente diálogo, somente conflitos intempestivos. Essa dança antagônica entre os dois continua por vários dias. Marte, aliás, ingressa em Sagitário no mesmo dia, no sábado, 05, signo onde ficará retrógrado a partir de 17 de abril.

Adam Martinakis sculptor
Adam Martinakis, escultor – Reprodução

Como se não bastasse, o Sol Pisciano, que já é ultra sensível, fica em conjunção ampla a Netuno e Quíron e enquadrado pelos dois até o dia 11 de março – o enquadramento é quando o planeta está ladeado por dois outros planetas, de um lado fica um, no caso Netuno; do outro fica Quíron. É uma Via Dolorosa seguida de crucificação. Sacrifício, na esperança da redenção. Entramos em contato com todas as dores do mundo ao mesmo tempo, agora… Mercúrio ingressando em Peixes potencializa esse efeito. E não para por aí. O Sol faz quadratura a Saturno nesta semana e engrossa o caldo da quadratura ciclíca Saturno-Netuno e da T-Square* Júpiter-Quíron-Saturno, que está ativa há algumas semanas, jogando luz sobre seus temas, trazendo-os, de forma bem aguda, à luz da nossa consciência – quer dizer, a semana está realmente pesada, melindrosa porque sentimos um cansaço extremo físico, mental, emocional; percebemos a desesperança e o desânimo violentamente dentro de nós. Nossas inseguranças são evidentes e nos sentimos expostos e vulneráveis, de modo que nos perguntamos qual o sentido de tudo isso… O caos parece nos engolfar. Há um sentimento generalizado de cansaço, desesperança, pessimismo, um sensação de que não vale a pena lutar… Para quê?

Reprodução
Reprodução

Como suporte, o Sol faz um sextil a Plutão em Capricórnio (exato na semana que vem) que, embora tímido, pode ser de grande valia na hora em que estivermos a ponto de espiralar no caos. Precisaremos de muita ancoragem, centramento e enraizamento nesta semana! Em momentos em que estivermos assim, desalentados, será necessário lembrarmo-nos de nossos propósitos, daqueles a quem amamos, daquilo que nos move. Manter a vibração elevada é essencial porque isso nos fará entrar em contato com as manifestações mais positivas deste trânsito – sim, porque elas existem e se manifestam pela compaixão profunda, pelo altruísmo, pela capacidade de se colocar no lugar do outro, pelo potente potencial de cura.  Mas para isso, precisamos nos alinhar com tais qualidades, então, sempre que nos percebermos resvalando no pessimismo e desesperança, respiremos fundo e lembremos que onde há dor,  também há o princípio da cura; lembrarmo-nos que além de todo o sofrimento, guerra, dificuldades, doenças e horrores vários, também há beleza, altruísmo, bondade, compaixão e amor, expressos por milhares de almas boas que tornam este mundo melhor, com pequenas ou grandes ações. E precisamos nos cuidar muito bem, evitando desgastes desnecessários. Num cenário como este, por exemplo, é mais do que desaconselhável afundar no álcool ou em quaisquer outros escapes destrutivos. Podemos recorrer a escapes mais criativos, como a arte, a música, a poesia, seja criando-as ou apenas apreciando-as. O cinema também pode ser uma maneira de simbolizar nossas angústias – filmes tristes oferecem uma saudável catarse quando estamos entalados sem conseguir chorar naturalmente.

robbycavanaughOutra coisa que pode realçar essa sensação de falta de controle e caos generalizado é a conjunção de Quíron ao Nodo Sul em Peixes, um aspecto que demanda cuidado e força interior, para não resvalarmos em vitimismos, complexos de mártir, autoflagelação… Compaixão, pelo outro e por si, faz-se mais que necessário. Mas é interessante notar que em vários dias durante a semana a Lua fica bastante isolada e alienada do resto dos planetas. Num panorama como o que temos, em que o Sol fica enquadrado por Netuno e Quíron, esse isolamento lunar pode indicar períodos de dissociação extrema, em que nos defendemos da dor excruciante dissociando-nos dela, encastelando-nos na segurança da mente e da racionalidade, tornando-nos frios e arredios ao contato humano. Embora isso seja um mecanismo automático de defesa da psique, convém ficarmos alertas quando nos percebermos recorrendo a ele, inadvertidamente, porque, por mais que nos isole da dor, em última instância, estará nos isolando de nós mesmos e de nosso senso de integridade, uma vez que o todo inclui também essa dor, por mais que não queiramos ter nada a ver com ela.

Nesta semana começo uma parceria com a terapeuta de florais Patrícia Vaz Vilela, que irá dar sugestões de florais diversos, que nos ajudem a encarar os possíveis desafios de cada semana. Ao final deste texto, veja as sugestões de Patrícia, assim como seu contato.

Brigitte Niedermair - Reprodução
Brigitte Niedermair – Reprodução

Vênus completa o sextil a Urano em Áries e quincunce a Júpiter em Virgem, formando um Yod** periclitante por quase toda a semana, do qual Júpiter é o foco. Periclitantes ficam as relações por estes dias… Sensação de quero-não-quero, não-sei-se-vou-ou-se-fico, Queremos ficar feito bicho solto no mundo, sem dar satisfações a ninguém, sem nos importar com obrigações morais – que diabo é isso? – compromissos prévios, promessas passadas… Tudo nos arrelia, compromisso nos dá alergia… Tudo bem, ficamos selvagens e queremos barbarizar pela noite, beijando todo mundo à la “eu sou de ninguém”… Mas depois que tudo isso passar, não poderemos chorar o leite derramado, ops, os laços desfeitos… É interessante pesar antes o que, de fato, é importante para nós. Checar também nossas ambiguidades quanto aos compromissos versus o desejo de liberdade e autonomia. Ser honesto é a melhor saída, sempre, consigo e com o outro. Há que se ter maturidade para arcar com as consequências depois… Compras e aquisições estão sujeitas a equívocos e descontentamentos por estes dias e têm grandes chances de serem impulsivas e levarem a arrependimentos posteriores, portanto, é necessário reflexão e cautela nesta área. Sobretudo, refletir se tal compra não é efeito da compulsão que busca preencher o vazio existencial ou, novamente, fugir da dor.

Nathalia Garcia - Reprodução
Nathalia Garcia – Instalação – Reprodução

Júpiter torna exato o quincunce a Urano no domingo, um aspecto que fala de um idealismo excessivo e incongruente com nossa capacidade para manifestá-lo no mundo real. Não há meios ou recursos suficientes para satisfazer tal idealismo e assim nos tornamos céticos, obtusos. Conforme eu já havia dito em novembro, “há também grande exagero na necessidade de liberdade e dificuldade de administrar isso na vida, queremos nos expandir, mas ao mesmo tempo hesitamos em nos comprometer com os esforços necessários para isso; podemos nos tornar revolucionários só em palavras, inflamados e apaixonados pelas ideias, mas incapazes de entrar em ação de fato, potenciais agitadores, pregando filosofias anarquistas, mas permanecendo atados ao status quo, talvez por conveniência. Assim, boas oportunidades de crescimento surgem, mas as deixamos passar porque queremos permanecer livres e desimpedidos, correndo o risco de virarmos uma expressão negativa do Peter Pan, que nunca cresce, nem realiza nada, porque estamos sempre alegando que esses compromissos nos impediriam vôos mais altos. É preciso ficarmos atentos às nossas próprias ambiguidades, às discrepâncias entre a formulação de ideias, o discurso e a prática. Mesmo o mais indômito dos pioneiros e exploradores precisa de um mínimo de ordem e planejamento nas suas empreitadas, sem isso, não chega a lugar nenhum e se contenta em trilhar os caminhos já percorridos, por mera comodidade. Numa expressão mais positiva, a imensa inquietação gerado pelo aspecto pode nos colocar numa busca por fórmulas que unam o desejo de liberdade com reformas reais, mas para isso, é preciso primeiro se lidar com a enorme tensão interna e os inúmeros conflitos interiores.” Júpiter fez quincunce a Urano em 05 de novembro de 2015, repetindo o aspecto em 06 de março (retrógrado) e 13 de agosto de 2016.

Bookpaperscissors - Reprodução
Bookpaperscissors – Reprodução

A Lua abre a semana em Escorpião, na fase Disseminadora. Torna-se Minguante em Sagitário na terça e adquire uma grande sobriedade em Capricórnio na quinta. Fecha a semana já na fase Balsâmica em Aquário. A Lua será nova em Peixes no dia oito, uma lunação que será também em Eclipse Total do Sol, não visível no Brasil, visto que ocorrerá à noite.

Chet Zar - Reprodução
Chet Zar – Reprodução

A Lua está densa e enigmática em Escorpião na SEGUNDA-FEIRA. Nas primeiras horas faz sextil separativo a Júpiter, trígono a Quíron, quadratura a Mercúrio em Aquário e conjunção a Marte já durante a tarde. Fica vazia depois deste contato, às 16h56min e ingressa em Sagitário às 20h56min. O Sol começa a se afastar de Netuno, mas ainda está muito próximo dele. O dia traz um clima soturno, denso, com uma tensão palpável. Estamos circunspectos, defensivos, talvez até meio paranoicos: “se o cachorro me morder eu o mordo de volta”. Contudo, é um dia produtivo e favorável para trabalhar, para nos concentrarmos em quaisquer assuntos difíceis que exijam estamina emocional e precisão cirúrgica. Temos capacidade de lidar com crises, situações-limite, dramas ou qualquer circunstância que exija decisão rápida e presença de espírito. As emoções são intensas, mas também nos fazem encarar o lado sombrio sem medo, dispostos a fazer o que for necessário para ir até o fim naquilo em que estamos envolvidos. Podemos confrontar muitos de nossos medos e inseguranças, lidando com eles de maneira mais madura, purgando e depurando conteúdos tóxicos. Há que se ter cautela, porém. Há um certo extremismo no ar e tendência a agir sem meias medidas, na base do tudo ou nada! Se, em algumas situações essa é a melhor estratégia, em outras, pode ser letal. Assim, é necessário muita sutiliza e sabedoria para identificar qual é qual.

O Louco - Maître de 1537 - Museu de Flandres, França - Reprodução
O Louco – Maître de 1537 – Museu de Flandres, França – Reprodução

A Lua abre a TERÇA-FEIRA já em Sagitário, onde passa longas horas um tanto isolada. Faz quadratura a Netuno pelo meio da tarde e quadratura ao Sol à noite, oficializando o Quarto Minguante. Fecha a noite já bem próxima a Saturno, como foco de uma T-Square* mutável. O dia começa até meio leve, mas com o passar das horas, uma inquietação cresce. Buscamos, a todo custo, evadirmo-nos de nós mesmos para evitar esse confronto, tentando manipular a outros como manipulamos nossas emoções. Flutuamos por aí, feito um bufão despreocupado com o que ocorre ao seu redor, riso frouxo, cacoetes engraçados que nos fazem parecer desconcertados e meio fora de lugar – esse desconcerto pode nos deixar um tanto desastrados, inclusive fisicamente, portanto, cautela nos movimentos pode nos ajudar a evitar atitudes atrapalhadas e desairosas; outra possibilidade é estarmos crédulos demais, ingênuos demais e sermos pegos em algum conto do vigário, alguma estória que apela para nosso bom-mocismo e idealismo cegos. A melhor medida para lidar com tais influências é reconhecer a incerteza e a hesitação, levá-las em consideração antes de fazer qualquer coisa. Assim, disfarces fajutos à parte, podemos olhar nos olhos do outro – e para dentro de nós mesmos – sem receios ou desconfianças. O minguante nos questiona se aquilo que vemos ou ouvimos faz algum sentido ou se apenas queremos acreditar nisso a qualquer custo – idealismo é saudável, ingenuidade, não. Talvez estejamos tentando acreditar a todo custo que a realidade não é como se apresenta, numa busca de dourar a pílula para não vermos o óbvio. Mas isso não nos torna compassivos ou altruístas, nos torna apenas vulneráveis e é dessa vulnerabilidade que tentamos fugir, somente para cair nos braços dela, através dos engôdos de um outro qualquer, como consequência do engôdo primeiro que pregamos em nós mesmos.  Portanto, para evitar esse final chato e complicado, voltemos ao início da cena e meditemos para achar nosso próprio eixo, assim não precisaremos atrair mais dificuldades do que as que já temos. O minguante pede que abramos mão dessas fantasias tolas que nos impedem de prosperar na vida e de ter relações mais autênticas, inclusive conosco mesmo.

Siegfried Zademack - Reprodução
Siegfried Zademack – Reprodução

A Lua está em conjunção a Saturno na QUARTA-FEIRA e ambos são foco de uma T-Square* Mutável, por estarem em quadratura a Júpiter em Virgem de um lado e a Quíron em Peixes de outro. A Lua busca o suporte de Vênus e Mercúrio por meio de sextis e de Urano por trígono. Fica vazia às 23h56min após o sextil a Mercúrio. O dia está pesado e triste. Incertezas oprimem o peito. Nosso bom humor se nubla e tentamos mascarar a dúvida com certezas peremptórias e enfáticas. Instabilidade e vacilação dão o tom do dia. Oscilamos loucamente, ora entusiasmados e eufóricos, ora fechando-nos em copas, defensivos a qualquer  comentário ou olhar mais severo, sombrios e pessimistas sobre a vida e o mundo.

Kenart - Reprodução
Kenart – Reprodução

Colocamo-nos numa redoma super protetora para evitar captar a atmosfera ao nosso redor e até nos protegemos de nossos próprios sentimentos. Fazemo-nos de fortes e duros, para não corrermos o risco de atingir pontos sensíveis em nós ou no outro, mas essa redoma, além de nos proteger, também nos distancia do semelhante e a impressão de frieza e aspereza que emitimos retorna para nós, mais potente, até que nos sentimos solitários e isolados, sem perceber que criamos toda essa dinâmica. É sempre salutar questionar as motivações mais profundas para nossas atitudes e ações, por que fazemos o que fazemos, especialmente quando sentimos que agimos compulsivamente, porque a compulsão aponta para um complexo arraigado, um trauma que deu origem a um mecanismo de defesa aprendido muitas eras antes.  Assim, é importante se perguntar a raiz do pessimismo, do mau humor, da aspereza, da culpa debilitante, do distanciamento e, principalmente, dessa necessidade de nos dissociarmos de nossos pares e dos nossos sentimentos. Um evitamento da dor?  Mais que provável, contudo, evitar olhar para o monstro só o tornará maior e mais poderoso, assim, é mais proveitoso parar e usar toda essa concentração para, com honestidade, olhar a dolorosa origem de toda essa dinâmica e, partindo daí, agir com compaixão e consciência, aproveitando os insights propiciados pela análise e reflexão.

Frank Zumbachs - Reprodução
Frank Zumbachs – Reprodução

A Lua está vazia em Sagitário na madrugada de QUINTA-FEIRA, ficou vazia depois do sextil a Mercúrio. Ingressa em Capricórnio às 07h02min e fica muitas horas quieta, isolada, sem fazer contatos a outros planetas. Pelo fim da tarde principia sextil a Netuno em Peixes. Vênus em Aquário está em quincunce pleno a Júpiter em Virgem e junto com Urano, torna Júpiter foco de um Yod-Dedo de Deus**. Mercúrio segue em quadratura a Marte, cada vez mais próximo da plenitude do aspecto. Talvez o sono seja mais tranquilo e povoado de sonhos cheios de insights e comunicados luminosos do inconsciente nesta madrugada. Em função disso, é possível que estejamos incomumente introspectivos e fechados em nós mesmos por boa parte do dia. Mas este não é o único nem o principal motivo. O clima da quarta se repete. Achamo-nos isolados e alienados dos nossos semelhantes, tendo dificuldade de nos conectar com outros, seja por fala, olhar ou quaisquer outros meios de comunicação, aliás, talvez até evitemos os olhares, para preservar nossa introspecção e solitude, ou talvez nos indispomos com outros que ousem chegar mais perto e ficamos irritados e ásperos, língua ácida e corrosiva.

Robby Cavanaugh - Reprodução
Robby Cavanaugh – Reprodução

Se estamos cientes de que somos nós que buscamos tal solitude, ótimo! O problema é quando criamos essa atmosfera ao nosso redor e depois reclamamos dela. Todo esse clima de frieza, taciturnidade e mutismo nasce da dificuldade que temos de acessar nossos próprios sentimentos, seja por nos sentirmos incompreensivelmente alienados deles, seja por buscarmos isso de propósito, numa evasão do confronto com a dor profunda e gélida. Talvez isso seja uma boa desculpa para afundar no trabalho e entregar-nos a ele com prazer, mas o trabalho terá muito mais sentido se formos simbolizando o desembaraçamento dos enredos emocionais no processo. As relações afetivas estão sujeitas a imprevistos e altos e baixos e estão permeadas de um clima de insatisfação e desassossego, cuja origem talvez evitemos identificar. A verdade é que andamos meio desgostosos e aborrecidos com alguns aspectos dessa relação e possivelmente passemos por uma fase em que preferiríamos não ser parte de um casal. Se ambos estão de acordo, seria salutar “dar um tempo” mútuo, em que cada um busca se reencontrar e se revitalizar individualmente lá fora, para depois voltarem reabastecidos de si mesmos para a relação, que então terá a chance de se renovar.

Bayo - Eduardo Flores - Drowning 2008 mexicano
Drowining by Bayo, também conhecido como Eduardo Flores, artista mexicano, Reprodução

A SEXTA-FEIRA, pelo contrário, está dinâmica, ruidosa e mais dramática. A Lua Capricorniana se funde a Plutão enquanto quadra Urano em Áries. Dona Lua também faz sextil ao Sol e a Quíron em Peixes e trígono a Júpiter em Virgem. O Sol está hoje no Ponto Médio entre Netuno e Quíron.  Angústia, ansiedade, dor. Sentimos agudamente todas essas emoções e sentimentos e talvez busquemos nos separar deles trabalhando arduamente, comprometidamente, tornando-nos, possivelmente, mais frios e insensíveis como defesa. Mas a cisão cede, cedo ou tarde e temos que confrontar nossa infelicidade, tristeza, cansaço, frustração, raiva e impotência, que não são só nossos, mas do mundo todo. A diferença básica é que hoje temos a capacidade de olhar a raiz de todas essas coisas, de todo o descompasso e da distancia abissal entre o sonho e a realidade. Esse choque cruel de realidade é como um sonoro tapa na cara e pode, momentaneamente, nos paralisar. Contudo, tal choque traz no seu bojo a aptidão e envergadura de que precisamos para adotar atitudes de mudança, posturas transformadoras, por menores que sejam. Thomas Hardy diz que “se há um caminho para o melhor, ele nos obriga a olhar diretamente para o pior” e é isso que precisamos fazer hoje: olhar para esse pior, sem medo ou disfarces, tal como é, constatação sem lamentos, porque já lamentamos demais. Hoje precisamos entrar em ação e, de fato, FAZER algo que nos coloque num caminho de mudança e transformação, o que quer que seja este “algo”. O todo, só se muda pelas partes e quando partes suficientes mudam ou se transformam, a mudança se faz para o todo. As partes são os indivíduos, cada um de nós. Perguntemo-nos, pois, pessoalmente: o que eu, pessoa, comum e anônima, posso fazer para mudar esse quadro coletivo de que tanto reclamo, que tanto me faz mal, que tanto me causa angústia em nível individual e como parte desse sistema?

AttheAbyss
Desconheço o Autor – Reprodução

Mercúrio em Aquário está em quadratura plena a Marte em Escorpião no SÁBADO. Poucas horas depois Mercúrio ingressa em Peixes, às 07h24min. A Lua Capricorniana faz sextil a esse mesmo Marte, ficando vazia por menos de uma hora depois deste aspecto. Entra em Aquário às 13h23min, de onde logo faz uma semi-quadratura (45 graus) ao Sol, entrando na fase Balsâmica. Fica isolada por muitas horas depois disso. Marte ingressa em Sagitário às 23h29min – O dia está colorido com uma tensão particularmente rígida. Pensamento e ação estão completamente desalinhados e conflitantes, de modo que ficarmos irritados, inquietos e espinhosos. Os pensamentos são um tanto obtusos e a ação é extremosa, numa direção diferente. Inconscientes dessa disparidade íntima, vemo-la no mundo exterior, deparando-nos com atritos vários, discussões enfáticas e importantes ou confusas e tolas. Entendemos como desafios ou afrontas as considerações ou opiniões alheias, sem nos dar conta de que todos têm direito a pensar como querem, inclusive nós – o direito do outro não invalida o meu e na verdade, ambos devem coexistir. Assim, ou nos tornamos defensivos e suscetíveis ou precisamos lidar com outros que assim estão. Qualquer que seja o caso, é preciso cabeça fria e um mínimo de distanciamento emocional das nossas opiniões e conceitos. Por outro lado, é  possível que nos deparemos com situações em que, na verdade, precisemos defender nossas ideias e convicções contra posições contrárias e não há nada de errado com isso. Entretanto, mesmo que este seja o caso, é necessário maturidade para que não nos identifiquemos demasiadamente com tais convicções e crenças, achando que estamos sendo atacados ou que corremos algum risco, o que provavelmente não é o caso. Se precisamos lutar por nossas crenças, este é o dia certo, contudo, não precisamos sair comprando brigas desnecessárias ou ver discórdia onde não existe ou cavamos um abismo sem fundo para nós mesmos cair. Esse clima pode perdurar ainda por alguns dias, portanto, precisamos ter cautela com nossa suscetibilidade.

Lola Dupré - Reprodução
Lola Dupré – Reprodução

A Lua Balsâmica está bastante isolada no início de Aquário no DOMINGO. Sem aspectos, dissociada de tudo e de todos. Pelo fim da manhã inicia um diálogo tímido a seu regente tradicional, Saturno e mais tarde conversa também com o outro dispositor, Urano, fazendo uma ponte entre eles. Júpiter está em quincunce pleno a Urano hoje e recebe outro quincunce da Lua, sendo, novamente, foco de outro Yod**. A Lua fecha a noite em conjunção a Vênus. Mercúrio aos poucos vai se afastando da quadratura a Marte – O dia está estranho e nos sentimos anestesiados. Será ressaca? Do álcool ou da sensação de desmembramento que vivenciamos ao longo de toda a semana? O fato é que não queremos sentir. Nada. Assim, talvez recorramos a uma sociabilidade estéril, artificial, vazia de calor e de sentido, para criarmos a impressão, mais para nós do que para o outro, de que está tudo bem, de que está tudo sob controle, quando na verdade, não está.

Christian Schloe Digital Art - Reprodução
Christian Schloe Digital Art – Reprodução

Subjacente a essa afabilidade e aparente descontração, há muitas incongruências, inquietações, angústias, receios, inseguranças e o temor de que nossas estruturas frágeis despenquem a qualquer momento, expondo o ridículo de nossa vulnerabilidade. Mas por que ridículo? Porque ser vulnerável é muito desconfortável, porque temos vergonha de admitir nosso senso de impotência frente às nossas mazelas e dificuldades, então rotulamo-las de ridículas, o que não deixa de ser outra defesa. Assim, talvez tentemos olhar para essa vulnerabilidade e impotência como um objeto de pesquisa sob as lentes frias de um microscópio, completamente fora de nós, alheio a nós, como se não nos pertencesse. Pode ser útil ao entendimento, certamente ajuda, mas não resolverá porque somente entender com a mente não resolve nada. É preciso nos permitir sentir. É através do sentimento, da faculdade do sentir que finalmente integramos as partes e nos curamos dos traumas e da dor. A função do Sentir é a cola da integração, que nos permite ficar inteiros, maduros, capazes, saudáveis, autônomos. E como diz o autor anônimo, “curar não significa que o dano nunca existiu. Significa que não mais controla nossas vidas”. Permitamo-nos, pois, sentir, para nos permitir ser também curados!

Que sua semana seja de luz, compaixão e amorosa aceitação de si e do outro. Sempre podemos mudar nossa realidade, mas para isso, é necessário primeiro aceitar tal realidade como ela é. Vibremos luz, compaixão e amor, por nós, pelos outros e pelo planeta! Feliz Semana para você!

 

 

Sugestões de Florais da terapeuta Patrícia Vaz Vilela para esta semana:

“Diante de uma semana tão intensa, nada melhor do que mergulhamos no bálsamo da COMPAIXÃO, composto floral do Sistema Filhas Gaia, que vem nos proporcionar a ‘abertura do coração para o amor incondicional para conosco e para com o próximo. Ajuda-nos a acessar um entendimento profundo sobre os aprendizados inerentes às situações que nos aprisionam através do julgamento e/ou culpa e a generosidade, compaixão e misericórdia necessárias para o encerramento deste ciclo de aprendizados e a retomada de nossa liberdade de Ser e viver em paz.’ – repertório das Essências Florais Filhas de Gaia.” – “Para abandonarmos a atitude de autojulgamento ou julgamento do outro, após experiências que geraram culpa, revolta ou ressentimento”.

“Esta fórmula floral é composta das seguintes essências: Manacá da Serra, Manacá Cheiroso, Açucena, Algodão de Seda, Cana-de-açúcar, Dama do Lago, Maracujá, Primavera, Quaresmeira Rosa, Quaresmeira Roxa e Urtiga do Agreste.” Essas flores estão representadas no mosaico abaixo.

Patrícia Vaz Vilela
Terapeuta Floral – ASTERFLOR/MS 43
Rua Dourtor Arthur Jorge, 2455
Bairro Monte Castelo
Cep 79010-210
(67) 9245-6604
Campo Grande – MS

manacá da serra

  • T-Square – Configuração em que dois planetas (ou mais) estão em oposição (ângulo de 180 graus) um ao outro e ambos fazem quadratura (ângulo de 90 graus) a um terceiro, formando um triângulo retângulo, que parece uma pirâmide. O terceiro planeta vira foco desta configuração. T-Squares têm ação dinâmica que busca ação e resolução e a qualidade (Cardinal, Fixa ou Mutável) em que acontecem é essencial para se entender sua manifestação possível.

Aspectos T-Square

** Yod-Dedo de Deus é uma configuração em que dois planetas se harmonizam por sextil (ângulo de 60 graus) e ambos fazem quincunce (ângulo de 150 graus) a um terceiro, que vira foco da configuração. A configuração tem a forma de um triângulo isósceles. Tem uma qualidade fatalista e imprevisível e gera muita tensão devido ao ajuste requerido pelos aspectos quincunce.

Aspectos Yod

 

2016 – O Ano da Ressaca

depositphotos_2015 terminou, passou janeiro e já passou até o carnaval. Talvez, para muitos já nem faça muito sentido publicar um texto sobre o ano “novo” que já está pra lá de velho… Mas eu havia prometido e promessa é dívida! Comecei este texto ainda em dezembro. Então precisei parar por causa de outra demanda – outro texto astrológico sob encomenda – que tinha uma deadline super apertada. Depois surgiram questões familiares de última hora,  veio a Zika… Enfim, o fato é que só agora consigo tempo e energia para retomar o “textão” sobre 2016 e já que estamos abrindo ciclo de Aquário, aquele que olha para o futuro, nada melhor do que olhar o futuro com algumas pistas dos desafios e oportunidades escondidos nas dobras do tempo! E afinal de contas, como diz o ditado, o ano só começa, no Brasil, depois do carnaval. Então, vamos começar o ano! Eis o texto!

Reprodução

“Como será o amanhã? Responda quem puder. O que irá me acontecer? O meu destino será como Deus quiser”, diz um samba enredo de muitas eras atrás. A Astrologia busca responder a alguns destes questionamentos, não profetizando um destino pré-determinado, mas traçando as perspectivas e apontando as tendências para que possamos nos preparar e tirar o melhor proveito dos panoramas e contingências que se descortinam à nossa frente; para que possamos nos conscientizar, mudar de atitude quando for o caso, para ir ao encontro do que a vida demanda de nós.

Significadores

Então, quais são as tendências para 2016? O que nos espera? Como nos preparar? De modo geral, temos um ano bastante desafiador à frente, que exigirá de nós o máximo de nossa fé e resiliência. E para apontar as perspectivas deste ano, vamos analisar, separadamente, a regência do ano, que neste caso é do Sol; as atuais configurações dos planetas lentos de Júpiter a Plutão; o mapa de Ingressão do Sol em Áries, que é quando o ano astrológico se inicia; e os eclipses. A partir destes dados teremos uma visão mais clara da dinâmica do ano.

Reprodução

2016 – Regido pelo Sol – um novo ciclo que começa

coração floriso desconheço autor
Desconheço o autor – Reprodução

2016 é regido pelo Rei Sol, o Senhor e centro do nosso sistema. Uma vez que o Sol é o grande doador de luz e de calor para o planeta, já podemos dizer, de imediato, que teremos outro ano de muito calor e de temperaturas acima da média. Mas para além dessas obviedades, um ano regido pelo Sol é um ano para seguirmos nosso coração, com coragem, determinação e alegria; para ousarmos ser nós mesmos, com nossas cores mais verdadeiras, assumindo nossa identidade especial, ao invés de querer ser igual a todo mundo, em lugar de querer nos encaixar nas normas e regras que achatam a tudo e a todos. Um ano regido pelo Sol é um ano de vitalidade, visto que o Sol representa isso na Astrologia e isso ajuda sim, a diminuir a desesperança e o marasmo representados por Saturno-Netuno. É um ano de buscar nos expressar mais criativamente, favorecendo nossa singularidade e aquilo que temos de mais invulgar, portanto, o Sol também sugere que sejamos criativos, que busquemos realizar nossos potenciais verdadeiramente, que paremos de reclamar e de pensar “e se” para pensarmos em “quando”, para nos lançarmos em novos caminhos criativos que nos levem a manifestar nossas melhores qualidades. É um ano para focar em si mesmo e nos próprios objetivos pessoais, cuidando, é claro, de não resvalarmos no egoísmo puro e exacerbado.

Alex Grey - Reprodução
Alex Grey – Reprodução

O Sol, sendo o centro do nosso sistema, simboliza o centro da personalidade, o cerne da nossa consciência. Isso significa que 2016 é um ano para trabalharmos em direção a um aumento da consciência, tanto em termos individuais quanto coletivos. É possível que haja um despertar para nosso papel individual no plano maior das coisas; uma percepção maior de nosso papel de pequenas células no grande tecido da vida e do mundo como ele é. E, alcançando esse nível mais elevado de consciência e afinando-nos com as qualidades mais positivas do Sol talvez sejamos capazes de ser mais generosos. Pesquisas na área da Física Quântica têm demonstrado que sim, cada indivíduo influencia o todo e cada ação individual, por menor que seja, repercute no tecido de todo o sistema, portanto, não podemos nunca duvidar do poder da nossa ação consciente, quando ganhamos consciência, o todo se expande. Sendo o centro do sistema, um ano regido pelo Sol também significa o início de um novo ciclo. Como o Sol rege o signo de Leão, este ano favorece especialmente aos Leoninos.

Saturno e Netuno – O Ogro e o Louco

Muitos dos desafios de 2016 são simbolizados por uma quadratura que fica ativa durante praticamente todo o ano, entre Saturno e Netuno, dois planetas cujo ciclo simboliza grandes mudanças sociais e coletivas, especialmente nos âmbitos político, econômico e espiritual. Esta é uma quadratura minguante, a última de um ciclo que começou em 1989/90, portanto, seus temas reverberam dos acontecimentos que tomavam lugar naqueles anos. Você lembra o que estava acontecendo entre 1989 e 1990 em termos sociais e políticos? E na sua vida pessoal? Saturno representa todos os tipos de estruturas: políticas, econômicas, sociais, espirituais; representa o status quo, a tradição, o conservadorismo, os sistemas estabelecidos; representa  a necessidade de segurança, de ordem, de regras; Saturno representa ainda o princípio da realidade com todos os seus limites e barreiras, entre muitas outras coisas. Já Netuno simboliza a dissolução e fragmentação de tudo aquilo que Saturno defende: uma fragmentação literal e figurativa dos sistemas de poder econômico, político, social, espiritual; a desconstrução de tudo o que está posto, de forma insidiosa e quase imperceptível, mas definitiva e irrevogável.

Reprodução
Reprodução

Enquanto Saturno representa a realidade, Netuno representa a ilusão e a fantasia, os escapismos vários que usamos para nos evadir da dureza da realidade, como álcool, drogas, religião, vícios em geral, visões fantasiosas; também representam mudanças significativas nas indústrias do cinema, da arte e da música. Assim, quando colocamos os dois juntos, percebemos que este é um ano de muitas desilusões, de nos defrontarmos com as ilusões que criamos ao longo dos últimos 25 anos, as mentiras nas quais resolvemos acreditar porque eram confortáveis. São dois planetas lentos e pesados e quando em aspecto tenso simbolizam um tempo pesado, de desesperança generalizada e depressão coletiva; o levantar dos véus que turvavam a visão da realidade tal qual ela é. Portanto, 2016 é um ano de se encarar a realidade e, se por um lado isso pode sim significar um ano pesado e sombrio, por outro, traz a promessa de vivermos com maior maturidade e responsabilidade, de pararmos de postergar os grandes problemas da humanidade, como as questões ambientais, para tomarmos providencias reais e efetivas no que tange a estes assuntos – é como diz aquela frase famosa, “o bom de se estar desiludido é que você está fora da ilusão e veio para a realidade” (Sri Sri Ravi Shankar). Este ciclo também está ligado à morte de figuras proeminentes nas indústrias do entretenimento, das artes e da música.

Quer saber em que casas do seu mapa natal esta configuração cai, quais áreas de vida são afetadas e qual a repercussão na sua vida pessoal? Agende uma consulta comigo: psicologica.astrologia@gmail.com

yuumei deviantart
Yuymei – on Deviantart – Reprodução

Outro fator muito importante nesta equação é que Júpiter, que trafega o signo de Virgem de agosto de 2015 a setembro de 2016, estará em oposição ampla a Netuno em Peixes e em quadratura a Saturno em Sagitário por boa parte do ano, formando uma configuração de Cruz Mutável e adensando os temas já mencionados. Os ciclos de Júpiter e Saturno também são muito importantes coletivamente porque falam de mudanças expressivas na economia, períodos de picos ou de declínio econômicos; indicam grandes mudanças nas leis, na administração pública e nos governos em geral. Neste caso, com Júpiter em quadratura a Saturno – e esta também é uma quadratura minguante, de fechamento de ciclo –  seremos confrontados com a expansão irresponsável que temos empreendido nas últimas décadas e a tendência é de retração econômica e de recessão, além de um cenário político bastante conturbado e caótico, devido à influência de Netuno. Sensação geral de grande ressaca, depois de muitos excessos e exageros! Júpiter expande e multiplica tudo o que toca, então podemos prever dois cenários possíveis: negativamente, pode haver um aumento nessa sensação de desilusão e desesperança simbolizados por Saturno-Netuno, porém, por outro lado, Júpiter pode fazer o contraponto e manter acesa a nossa fé e otimismo diante das dificuldades, embora aqui seja necessário cautela para não resvalarmos na tentação de dourar a pílula e fingir que está tudo bem, quando na verdade não está. É preciso ter muita lucidez e pragmatismo para mantermos o equilíbrio emocional, financeiro e mental ao longo de todo o ano, cuidando para nem cairmos no desespero nem na histeria. A partir de setembro Júpiter ingressa em Libra, um signo Cardinal, trazendo maior dinamismo e resoluções, porém, outros desafios representados pelos aspectos que Júpiter fará a Urano e Plutão.

coostuffdirectoryPor falar neles, a quadratura Urano-Plutão que tem estado ativa desde 2010 e que embora não fique mais exata, ainda continua muito próxima em alguns períodos do ano, será ativada pelo trânsito de Júpiter em Libra. Isso sugere que as transformações profundas e radicais ainda estão nas pautas coletiva, social e individual. Esta configuração também simboliza mudanças drásticas em termos globais e sociais, rupturas, crises e necessidade de transformação nos paradigmas vigentes sociais, tecnológicos, políticos e éticos. Mudanças climáticas como consequência da ação humana também estão implicadas aqui.

Paciência, muita paciência

Borzui - Reprodução
Borzui – Reprodução

Marte ficará retrógrado de 17 de abril a 29 de junho, entre os signos de Sagitário e Escorpião, pedindo que tenhamos muita paciência e jogo de cintura neste período, trabalhando a gestão de conflitos e da agressividade. Isso é especialmente válido para os Arianos e Escorpianos, regidos por Marte e também para os Sagitarianos, por onde trafegará este planeta no ciclo retrógrado. Essa retrogradação de Marte é acompanhada pelas retrogradações também de Mercúrio em Touro, de Saturno em Sagitário, de Netuno em Peixes e de Plutão em Capricórnio, portanto, propensão maior a atrasos e entraves no dia a dia – boa parte do céu estará em marcha a ré, tornando este um dos períodos mais críticos do ano! Os outros dois períodos também bastante tensos são as temporadas de eclipses, que ocorrem neste ano nos meses de março e setembro. Falamos dos eclipses mais abaixo.

Ingressão do Sol em Áries

ingressao
Ingressão do Sol em Áries – 20 de março de 2016, 01h30min, Brasília-DF

O Sol ingressa em Áries no dia 20 de março, à 01h30min, no horário de Brasília (04h30min no horário de Lisboa). No mapa levantado para o Distrito Federal, algo que chama a atenção imediatamente é Plutão em conjunção ao Ascendente em Capricórnio, em quadratura a Urano, que está em conjunção exata ao fundo do Céu, a base que sustenta a nação. Isso sugere um ano de transformações profundas, inesperadas, radicais, que deverão sacudir não somente as bases deste país, mas também a forma como nos percebemos, nossa identidade como povo. Terremotos políticos, tsunamis econômicos poderão trazer muita instabilidade, mas também poderão trazer muitas verdades à tona, desenterrando defuntos velhos que estavam escondidos, segredos de estado, maracutaias muito bem escamoteadas a emergirem dos escombros, propiciando uma grande limpeza e purificação da alma coletiva. Uma demolição dos modelos vigentes até então para que uma reconstrução possa ocorrer. Essa configuração também traz a oportunidade de assumirmos nossa responsabilidade individual pela grande sombra do país, de percebermos nossos pequenos pecados pessoais como parte essencial da trama do grande tecido que é a alma da nação, a identidade do país. Realmente, este país precisa se reinventar completamente, empoderando-se em sua criatividade e admitindo sua tendência regressiva na busca por salvadores milagreiros; encarando seus podres sem disfarces, mas também sem complexo de vira-latas – só poderemos nos ver de modo mais realista, que é o que pede um Ascendente em Capricórnio, quando admitirmos nossa sombra e igualmente nossa luz.

Desconheço o autor - Reprodução
Desconheço o autor – Reprodução

O regente deste Ascendente, Saturno, está a 16° de Sagitário, como foco de uma T-Square mutável dupla, ao fazer, quadraturas a Júpiter em Virgem de um lado e a Netuno e Quíron em Peixes de outro – configuração da qual já falamos acima. Mais do que nunca é preciso confrontar a realidade, abrir mão das fantasias infantis de que alguém virá nos salvar e colocar o país nos eixos “finalmente”. Não, ninguém virá nos salvar, nós é que precisamos dar o salto de consciência e maturidade política e social de uma vez por todas. Democracias saudáveis pressupõe responsabilidade, civilidade, cidadania e não líderes populistas e demagogos que se arvoram de salvadores da pátria. Saturno, foco dessa configuração, está na casa 11 do mapa, a casa das instituições sociais e políticas, do serviço civil, assim como dos sonhos coletivos de longo prazo, as ambições e ideais do país. Saturno aqui implica, diretamente, a necessidade de reavaliarmos quais são estes sonhos e ideais, de pararmos de fantasiar e passarmos a planejar nossos sonhos, se queremos vê-los realizados. Sim, transformar sonhos em metas com cronogramas e prazos de execução. Júpiter, um dos braços da T-Square está no portal entre as casas 8 e 9, mas voltando para a casa 8, visto que está retrógrado, implicando que nossa expansão e crescimento passa, necessariamente, por encararmos nossos equívocos legislativos, por revermos nossas leis, muitas delas bonitas mas inefetivas e ineficazes e por reavaliarmos leis que nunca saem do papel e que só servem para causar suspiros de frustração. Netuno, o outro braço da T-Square, está no fim da casa 2, conjunto a Vênus, sugerindo cautela e cuidado na gestão dos bens, commodities e valores em geral do país – isto também vale para o plano individual de quem mora no Brasil. Há grande risco de termos nosso patrimônio vendido a preço de banana de novo, porque “o que é meu é nosso”, mas o problema é que para o outro, o que é dele é só dele mesmo. Risco também de nos endividarmos mais ainda, individual e coletivamente, levados por fantasias e ilusões de que “as coisas vão melhorar”, o que usamos de forma irresponsável para justificar gastos e desmandos, especialmente porque Vênus e Netuno estão ambos em oposição a Júpiter na casa 8, a casa dos empréstimos, a casa do “dinheiro dos outros”, avisando que este NÃO é um ano favorável para se contrair empréstimos, nem em nível individual – a não ser que o mapa pessoal do sujeito diga o contrário – nem em termos de nação, portanto, não é uma boa hora para passar o chapéu e pedir ajuda porque o custo lá na frente pode ser alto demais  – por isso, cuidado, muito cuidado! Quem se vir obrigado a contrair empréstimos ou dívidas, faz bem em ler todas as minúncias e letras pequenas dos contratos assinados. É preciso muita sobriedade, muito pé no chão para se conseguir algum crescimento. Em suma, enquanto não despertarmos para o que somos como país, para nossos problemas reais e para nosso quinhão de responsabilidade pessoal nisso tudo, não transformaremos nada, continuaremos a chapinhar no lamaçal de relamações contra políticos, instituições, governos, partidos, impostos, etc. Em vão.

Christopher Ulrich - Reprodução
Christopher Ulrich – Reprodução

Este mapa tem uma formação de Locomotiva, liderada pela Lua em Leão. O povo é soberano e é a mola e o motor da mudança. É o povo que vai determinar o ritmo da transformação e precisará achar maneiras de inovar, de transformar, de progredir, de implementar o novo, sem destruir aquilo que ainda serve, que ainda é útil, que ainda funciona – aliás, um dos grande problemas dos governos no Brasil é desmantelar os programas do governo anterior, independentemente de terem funcionado ou não. Temos a oportunidade de agregar e conciliar o velho e o novo, visto que a Lua forma um Grande Trígono de Fogo com Saturno em Sagitário (o Velho) e Urano em Áries (O Novo). Mortalidade feminina e especialmente relacionada à reprodução será assunto de destaque neste ano, uma vez que a casa 8 rege a morte e a Lua rege as mulheres, além de reger o povo. É possível que haja aumento nas estatísticas de morte feminina, inclusive por problemas cardíacos – mulheres, cuidem-se!

Saturno ganha mais destaque ainda por estar no Ponto Médio (orbe de 4°44’ graus) entre o Sol (o país e seu presidente) e a Lua (o povo), indicando que todos precisamos ser realistas, povo e governo e que é preciso chegarmos a um consenso a respeito do que é possível e do que não é, com honestidade e lisura. Tanto o povo (Lua) quanto a presidente (o Sol) precisam ser realistas, responsáveis, corretos, disciplinados e maduros quanto aos ideais e sua consequente concretização. É isso ou o povo vai para um lado e o país para outro – caos generalizado.

Pawel Kuczynski - Reprodução
Pawel Kuczynski – Reprodução

O Sol, ponto central deste mapa – afinal é o mapa da  sua ingressão – está na casa 3, a casa das comunicações e telecomunicações, correios, do comércio, dos transportes, das estradas e rodovias, escolas, educação, liberdade de expressão, pronunciamentos oficiais e países vizinhos. Este Sol está um tanto isolado e faz apenas um trígono aplicativo a Marte em Sagitário, na casa 11 enquanto aguarda a conjunção de Mercúrio, que ainda está em Peixes. Isso sugere uma continuidade na dificuldade de comunicação entre a Presidente e seu povo. Ela consegue dialogar com alguns setores do governo, mas de modo geral segue bastante isolada. A imprensa continua tendo papel fundamental na ordem do dia, ditando o que é e o que não  é importante, talvez brilhando mais que a própria presidente. De toda forma, as comunicações e a educação ganham papel de destaque neste ano, assim como a importância da eficiência logística (rodovias, ferrovias, vias marítimas e aéreas) para o crescimento da economia e aqui há dois cenários possíveis: reestruturação da malha logística e do sistema educacional ou surgimento de greves diversas nestes setores mencionados. Contudo, mais uma vez Mercúrio está em Peixes, enquadrado por Quíron e pelo Sol. Mercúrio em Peixes é geralmente confuso na comunicação e tende a confundir alhos com bugalhos, somando-se à presença de Quíron, temos mais um ano em que a imprensa e a mídia deitam e rolam contando e divulgando apenas o que é do seu interesse – em muitas situações, contando mentiras deslavadas, com o intuito primeiro de confundir e enganar a opinião pública. Tsunamis de informações inúteis que desinformam ao invés de informar – um verdadeiro desserviço ao público.

Eclipses

Eclipses de Março

Reprodução
Reprodução

O eixo nodal trafega de trás para frente e atualmente transita a polaridade Virgem (Nodo Norte) e Peixes (Nodo Sul). Assim, os eclipses neste ano caem primordialmente neste eixo de signos, com um eclipse lunar acontecendo ainda em Libra, o eixo anterior. Anualmente temos duas temporadas de eclipses. A primeira temporada neste ano é inaugurada por um Eclipse Total do Sol acontecendo a 18°56’ de Peixes, às 23h54min do dia oito de março (01h56min do dia nove no horário de Lisboa). Os eclipses não são eventos isolados. Eles pertencem a famílias, chamadas Séries Saros, que compreendem mais de 70 eventos, durando muitos séculos, milhares de anos. Estas famílias têm sua dinâmica própria e têm um mapa natal, o mapa do primeiro eclipse da família em questão, a partir do qual interpretamos quais os temas centrais de cada série. Eu escrevi um artigo bastante extenso e exclusivo sobre a dinâmica e a natureza dos eclipses. Você pode ler este artigo aqui. Este eclipse de oito de março pertence à Série Saros 130, uma família que começou em 20 de agosto de 1096 e, de acordo com a Dra. Bernadette Brady, astróloga inglesa estudiosa de eclipses, esta série fala de finalizações, conclusões e separações. Indivíduos com planetas entre os graus 13 e 24 dos signos mutáveis (Gêmeos, Virgem, Sagitário e Peixes) sentirão mais fortemente estas influências. No mapa do eclipse atual, Sol e Lua estão em conjunção próxima a Quíron em Peixes, em oposição a Júpiter em Virgem e quadratura a Saturno, apontando muitas desilusões e verdades duras e difíceis de serem digeridas, mas ao mesmo o potencial de nos curarmos da tendência ao auto-engano. Este eclipse cai em oposição ao Ponto Médio entre o Sol e o Mercúrio natais do mapa da independência do Brasil, na casa 7, implicando possíveis imbróglios diplomáticos ou saias justas delicadas, que exigirão muita cautela na condução de sua elucidação. Caindo em oposição ao Sol natal do mapa do Brasil, tem implicâncias diretas sobre a presidente. O Sol é eclipsado, indicando diminuição de sua potência, vitalidade e visibilidade, em outras palavras, um possível enfraquecimento. Este eclipse não será visível no Brasil, apenas em partes da Austrália e Sudoeste da Ásia.

Tim Lukerman
Tim Lukerman

O Eclipse Total do Sol é seguido de um Eclipse Penumbral da Lua a 03°17’ de Libra, no dia 23 de março, que pertence à Série Saros 142, iniciada em 19 de setembro de 1709. Neste mapa do primeiro eclipse, ocorrido em 1709, a Lua Cheia faz quincunces a uma conjunção Urano-Plutão em Leão, sugerindo grande instabilidade e insegurança causada por inquietude social e mudanças coletivas. Há também uma conjunção Sol-Mercúrio, com Mercúrio fazendo quincunce exato a Netuno em Áries, indicando problemas na comunicação, engôdos e incertezas. No mesmo mapa Vênus e Marte estão em conjunção em Libra, em oposição a Netuno e todos em quadratura a Quíron em Capricórnio: incertezas e instabilidade também na economia. Pessoas com planetas entre os graus zero e 8 dos signos Cardinais (Áries, Câncer, Libra e Capricórnio) sentem mais intensamente as influências deste eclipse lunar, que será visível apenas no Pacífico, em partes da Ásia e no Oeste das Américas.

Eclipses de setembro

ULC by yd84 - Reprodução
ULC by yd84 – Reprodução

A segunda temporada de eclipses do ano começa com o Eclipse Anular do Sol em 1° de setembro, a 09°21’ de Virgem. Este eclipse vem novamente ativar a quadratura Saturno-Netuno, pois ocorre em oposição de pouco mais de um grau a Netuno e os três, Sol, Lua e Netuno em quadratura a Saturno a 10 de Sagitário, com a adição de Marte em conjunção a Saturno, ambos focos da T-Square. Mais enfrentamentos duros da realidade, com desdobramentos políticos, civis, econômicos e também religiosos. A Dra. Brady, falando sobre esta Série de eclipses fala exatamente sobre isso, que “esta série trata de realismo, de botar os pés na terra. O indivíduo se torna consciente de uma situação antiga, percebendo-a como ela de fato é, em oposição ao que ele achava que era previamente.  Pode ser um período construtivo de encarar e lidar com a realidade”. Este é o potencial, se é difícil e amargo este remédio, ele contudo traz a cura: o fim das ilusões. Este eclipse cai mais uma vez no eixo das casas 1/7 do mapa natal do Brasil, com Saturno na casa 10, indicando que nossa imagem no mundo lá fora também pode ficar meio arranhada, o mundo vendo quem realmente somos, tanto para o pior quanto para o melhor. Pessoas com planetas natais entre os graus 04 e 14 dos signos Mutáveis (Gêmeos, Virgem, Sagitário e Peixes) sentem mais intensamente a potência deste eclipse, que será visível em partes da África, especialmente África Central e no Oceano Índico.

Kris Kuksi - Reprodução
Kris Kuksi – Reprodução

No dia 16 de setembro temos o último eclipse do ano, um Eclipse Penumbral da Lua, ocorrendo a 24°20’ de Peixes. Diferentemente dos anteriores, este eclipse não envolve Saturno-Netuno, apesar de ocorrer em Peixes. Mas forma uma T-Square, da qual Marte é novamente o foco, a 23 de Sagitário. Isso indica que questões legais, legislativas e espirituais serão o foco do período – manifestações apaixonadas de fé, fanatismo religioso, com verdadeiros “cruzados” modernos saindo às ruas dispostos a atos violentos para defender sua fé e isso é algo que vale para todo o mundo, não somente para o Brasil – aliás, as implicações dos eclipses são globais e o que vale para o Brasil é apenas a interpretação dos aspectos que faz aos planetas natais do mapa do país. Por falar nisso, o eclipse cai em oposição exata ao Mercúrio natal do Brasil, implicando novamente questões delicadas nas comunicações e na diplomacia. Antagonismos, beligerâncias, vitimismos e até mesmo explosões de violência são passíveis de acontecer. Este eclipse pertence à Série Saros 147, iniciada a dois de julho de 1890. No mapa de início da Série 147, Sol e Lua formam um dueto, quer dizer, só interagem um com outro e não conversam com mais ninguém no mapa, indicando extremismo e tendência a se perceber as coisas sob pontos de vistas unilaterais, o que dificulta a conciliação e as negociações. O eclipse será visível no Leste da África e da Europa, em toda a Ásia e parte da Austrália. Será parcialmente visível na costa do Sudeste e do Nordeste do Brasil.

Quais as repercussões destes eclipses na sua vida pessoal? Quais áreas de vida são afetadas? Que desafios e oportunidades eles trazem para você? Descubra agendando uma consulta comigo: psicologica.astrologia@gmail.com

Reprodução
Reprodução

Então, já me perguntaram, afinal, 2016 está pior ou melhor do 2015? Eu diria nem pior e nem melhor, está diferente. 2014 e 2015 foram anos mais dinâmicos, dinamismo esse simbolizado pela quadratura Urano-Plutão em Áries e Capricórnio, dois signos cardinais, de ação e resolução. Então foram dois anos de muitas crises, mas também de decisões, de ação e de desenvoltura. Já 2016 é um ano de uma quadratura Saturno-Netuno, que traz sensação de confusão, falta de direção, falta de foco e muita letargia e apatia, então, pode ser sentido como mais difícil e mais pesado, porque temos a sensação de que tudo é muito lento e cansativo e temos dificuldade de divisar os resultados, que só ficarão mais claros bem mais à frente. Por outro lado, o fato de a quadratura Urano-Plutão já estar se desfazendo, diminui a pressão e a intensidade das coisas.

Concluindo, 2016 tende a ser um ano pesado, mas que traz muitas oportunidades de amadurecermos como pessoas, como nação e como espécie habitante deste planeta – o planeta certamente se fará ouvir de forma estridente. Ao mesmo tempo em que há este clima de desesperança, confusão e perda de rumo, também há a chance de vivermos de forma mais coerente com nossos recursos, mais alinhados com nossa fé – perseverar na fé é um desafio. Chamados seremos a separar o joio do trigo e a fantasia de sonho e a empreender os esforços necessários para tornar estes últimos realidade. Sem oba-oba, com os pés bem firmes no chão.  É um ano de ganharmos mais consciência, de nos responsabilizarmos por tudo o que emanamos no mundo, pelas nossas atitudes concretas e também pela nossa vibração, que certamente faz toda a diferença. É tempo de agirmos mais criativamente, a partir do coração e do centro da nossa coragem!

Quer saber quais os desafios e oportunidades de 2016 para você, especificamente? Agende uma consulta comigo: psicologica.astrologia@gmail.com

Saatchiart - Reprodução
Saatchiart – Reprodução

Abaixo segue um calendário com os eventos astrológicos mais importantes de 2016:

Datas e ciclos importantes:

Janeiro, 5 a 26 – Mercúrio retrógrado de 01° de Aquário a 14° de Capricórnio

Janeiro – todo o mês – conjunção de Júpiter ao Nodo Norte da Lua em Virgem

Fevereiro, 23 – Júpiter retrógrado em Virgem faz oposição a Quíron em Peixes

Março, 6 – Júpiter Rx em quincunce a Urano

Março, 8 – Eclipse total do Sol a 18° de Peixes

Março, 16 – Júpiter Retrógrado em trígono a Plutão

Março, 20 – Ingressão do sol em Áries – Equinócio do Outono no Hemisfério Sul e da Primavera no Hemisfério Norte – Ano Novo Astrológico

Março, 23 – Eclipse Penumbral da Lua a 03° de Libra

Março, 23 – Júpiter Rx faz quadratura exata a Saturno

Março, 25 – Saturno entra em retrogradação

Abril, 17 – Marte entra em retrogradação a 8° de Sagitário

Abril, 18 – Plutão entra em retrogradação a 17° de Capricórnio

Abril, 28 – Mercúrio entra em retrogradação a 23° de Touro – Haja paciência! Messsssmo!

Maio, 9 – Júpiter retorna ao movimento direto a  13°15 de Virgem

Maio, 22 – Mercúrio retornar ao movimento direto a 14° de Touro

Maio, 26 – Júpiter, direto, faz quadratura exata a Saturno

Junho, 13 – Netuno entra em movimento retrógrado

Junho, 18 – Saturno, retrógrado, faz quadratura exata a Netuno

Junho, 20 – Ingressão do sol em Câncer – Solstício de Inverso no Hemisfério Sul e de Verão no Norte

Junho, 26 – Júpiter, direto, faz trígono exato a Plutão

Junho, 29 – Marte volta ao movimento direto a 23° de Escorpião

Julho, 29 – Urano entra em movimento retrógrado a 24° de Áries

Agosto, 12 – Júpiter, direto, faz oposição a Quíron

Agosto, 13 – Júpiter faz quincunce exato a Urano

Agosto, 13 – Saturno retorna ao movimento direto a 09° de Sagitário – o primeiro decanato de Sagitário está livre de Saturno a partir de outubro

Agosto, 30 – Mercúrio entra em retrogradação a 29° de Virgem

Setembro, 1° – Eclipse Anular do Sol a 09° de Virgem

Setembro, 09 – Júpiter ingressa em Libra, às 08h19min no horário de Brasília

Setembro, 10 – Terceira e última quadratura exata de Saturno a Netuno

Setembro, 16 – Eclipse Penumbral da Lua a 24° de Peixes

Setembro, 22 – Mercúrio volta ao movimento direto a 14° de Virgem – em cima do Sol Natal do Brasil

Setembro, 22 – Ingressão do Sol em Libra – Equinócio da Primavera no Hemisfério Sul e do Outono no Hemisfério Norte

Setembro, 26 – Plutão retornar ao movimento direto a 14° de Capricórnio

Outubro, 23 – Júpiter em Libra faz quincunce a Netuno em Peixes

Novembro, 10 – Saturno faz semi-sextil a Plutão

Novembro, 20 – Netuno retorna ao movimento direto a 14° de Peixes

Novembro, 24 – Júpiter em Libra faz quadratura exata a Plutão

Dezembro, 19 – Mercúrio entra em retrogradação a 15° de Capricórnio

Dezembro, 21 – O Sol ingressa em Capricórnio – Solstício de Verão no Hemisfério Sul e de Inverno no Hemisfério Norte

Dezembro, 25 – Saturno faz trígono exato a Urano

Dezembro, 26 – Júpiter faz oposição a Urano

Dezembro, 29 – Urano retorna ao movimento direto.

A Semana Astrológica: o peso da desesperança

christian schloe moonlight
Christian Schloe Digital Art – Reprodução

Semana de 23 a 29 de novembro

A vida às vezes muda de forma inexorável, à revelia da nossa vontade… Às vezes isso ocorre de forma abrupta – um piscar de olhos e tudo se altera definitivamente. Em outras situações, a mudança vai se instalando sutilmente, vagarosamente, quase que imperceptivelmente e só conseguimos nos dar conta do porte e da grandeza de tal transformação quando olhamos em retrospecto, porque enquanto estamos no momento temos apenas uma vaga noção de que algo se move, embora não saibamos definir o quê. É como estar num navio imenso em alto mar, em que a embarcação parece se mover muito lentamente, embora esteja na verdade viajando a uma velocidade considerável – a velocidade média dos navios de cruzeiro varia entre 50 e 100 Km/h. Como não temos referências de pontos fixos ou de continente, fica mais difícil perceber a real velocidade do veículo.

magrite memory
Magritte – Memory – Reprodução

Vivemos um tempo em que percebemos as mudanças nestas duas formas: há tanto mudanças radicais e completamente abruptas, como há também alguns movimentos mais sutis dos quais só nos damos conta depois que se instalaram de forma definitiva. Estas semanas que vivemos até o fim de dezembro exemplificam de forma especial esses padrões. A começar por esta semana, que está muito pesada, como se carregássemos o peso do mundo inteiro sobre nossos ombros, mas mais pesada ainda é a incerteza do que nos aguarda ali à frente, a desesperança.  Essa é uma semana super importante que vê a primeira quadratura Saturno-Netuno acontecer, a primeira de uma série de três e a significadora desse peso todo que carregamos no coração. Essa primeira quadratura ganha potência porque está praticamente exata no dia da Lua Cheia, que tende a tornar tudo ainda mais dramático e intenso. Saturno ganha os aliados Sol e Mercúrio, que fazem conjunção a ele por estes dias e Netuno fica encurralado em Peixes, com Sol, Mercúrio e Saturno do lado Sagitariano e a Lua do outro, em Gêmeos. Uma Lua Cheia que pode exacerbar ainda mais o fundamentalismo de grupos religiosos, que podem, por sua vez, desencadear o caos em pontos diversos do planeta, como já estamos vendo acontecer em várias partes do mundo. Uma Lua Cheia que vem acentuar, de forma muito dolorosa, o peso da nossa desesperança. 

Pier Toffoletti
Pier Toffoletti – Reprodução

Além da Lua Cheia e da primeira quadratura exata entre Saturno e Netuno, Sol e Mercúrio fazem conjunção a Saturno e depois quadratura a Netuno. Marte em Libra também faz quincunce ao mesmo Netuno, daí o fato de essa quadratura ficar tão potencializada nesta semana. Mercúrio ainda faz sextil a Marte, dando uma voz mais direta a Marte, que fica meio hesitante e cheio de dedos em Libra. Mas essa hesitação Marciana pode depois virar uma metralhadora ressentida, atirando pelos motivos errados, na hora errada, nos alvos errados.

vem cá!
Reprodução

Vênus em Libra, que é toda voltada para a construção de parcerias e que poderia ajudar com suas habilidades diplomáticas, encara nesta semana a necessidade de ser independente e mais direta, necessidade representada pela oposição a Urano em Áries e a quadratura separativa a Plutão, além do quincunce a Quíron – portanto, Vênus não pode se dar ao luxo de ser conciliadora por estes dias. Nos relacionamentos esse dilema pode se constelar de forma clássica, com um dos parceiros querendo compromisso e outro pulando pela janela ainda com as calças/ou saias nas mãos. É realmente muito difícil conciliar esse conflito entre querer estabelecer relações sérias e duradouras e ainda assim manter um senso de individualidade, liberdade e independência. Urano também acorda nosso lado mais libriano e conciliador para o risco, sempre presente, de nos perdermos no outro, de tentarmos agradar em demasia só para sermos parte de um casal – de abrirmos mão de quem somos por medo da solidão e do anonimato romântico. De modo mais geral e social, esses movimentos requerem cautela nos mercados financeiros, que tendem a ficar bastante instáveis e voláteis. Socialmente também há grande instabilidade e inquietação, como uma ameça a nos rondar, como se o chão fosse ruir sob nossos pés a qualquer momento – isso nem tanto por causa de Vênus, mas por causa de todo o contexto.

Tiia REijonen behance
Tiia Reijonen, on Behance – Reprodução

E como se não bastasse tudo isso, ainda temos Quíron voltando ao movimento direto no domingo. Quíron estacionou em 23 de junho a 21°33’ de Peixes e estaciona novamente para retornar ao movimento direto no sábado, dia 28, a 16°56’ de Peixes. Anna Maria Costa Ribeiro diz que um planeta, quando retrógrado, tem uma tendência à dissimulação de seus princípios e necessita de esforço de integração com o mundo externo. Nestes cinco meses em que Quíron ficou retrógrado, talvez tenhamos tentado ignorar ou dissimular algumas de nossas dores mais excruciantes; talvez tenhamos postergado o enfrentamento de algumas feridas e choques psíquicos com os quais não conseguíamos lidar. Escolhemos não ver, simplesmente. Agora que Quíron começa a se mover para a frente, temos a chance, ou melhor, precisamos parar com a dissimulação e lidar com estes assuntos, até porque, só conseguiremos chegar à cura quando não precisarmos mais dissimular coisa nenhuma, sendo este um dos sinais de que se está curado do que quer que seja: a gente não precisa mais fingir, não precisa mais criar desculpas – a gente simplesmente não se importa mais, ou, pelo menos, a gente consegue olhar as coisas que antes nos machucavam sem que aquilo nos incomode tanto e talvez até consigamos compreender o porquê de tais situações nos terem “acontecido”.

A Lua abre a semana na fase Corcunda, em Áries. Consolida seus esforços em Touro e torna-se plena e Cheia em Gêmeos na quarta-feira. Fecha a semana na fase Disseminadora, em Câncer, no domingo.

Dia a dia

tumblr
Do Tumblr – Reprodução

A SEGUNDA-FEIRA começa com a Lua Vazia em Áries, depois da conjunção a Urano, ocorrida ainda no domingo. Além de vazia, ela fica muitas horas sem fazer aspecto nenhum, amanhecendo bem isolada. A Lua entra em Touro às 14h26mine logo faz quincunce ao Sol recém ingresso em Sagitário. Vênus está hoje em oposição plena a Urano e em quincunce, também exato, a Quíron. A Lua também faz sesqui-quadratura a Júpiter e quincunce a Mercúrio, virando foco de um Yod-Dedo de Deus. Como ela faz sextil a Netuno em Peixes e quincunce a Marte (aspectos exato na madrugada de terça), Marte também vira foco de outro Yod. A segunda começa meio irritadiça, estamos feito bicho enjaulado, ou feito fera selvagem com a pata ferida que não deixa ninguém se aproximar para ajudar. As coisas estão desconexas dentro de nós e consequentemente o mundo também parece estar fora de sincronia. Temos dificuldade de nomear o que sentimos e mais ainda de expressar nossas necessidades, então, o dia fica passível de pequenas explosões de irritação e rebeldia. À tarde, quando começamos a achar nosso “chão”, as coisas poderiam se encaixar e entrar nos eixos, mas se antes não identificávamos o que sentíamos, agora não só identificamos, mas o sentimos intensamente, fisicamente até. Precisamos encarar algumas verdades emocionais que estão em dissonância com nossas “boas intenções” conscientes e um dilema se instala, entre sermos práticos ou intuitivos.

fearlessphoto
Fearlessphotography – Reprodução

Precisamos fazer a sintonia fina interna – é isso ou corremos o risco de nos auto-sabotar mais adiante, ou até hoje mesmo, porque o fim do dia fica mais tenso e nos sentimos encurralados e pressionados por forças invisíveis de um lado e por promessas que tenhamos feito anteriormente e que agora percebemos, está difícil de cumprir. Juntando o pragmatismo com o excesso de franqueza, talvez nos vejamos às voltas com situações em que voltamos atrás no que dissemos, no que planejamos ou pretendíamos, ou ainda talvez sejamos pressionados a revelar segredos ou situações iniciadas lá na Lua Nova… De um jeito ou de outro, precisamos lidar com a situação de forma prática e simples, porque não adianta chorar sobre o leite derramado, precisamos mesmo é registrar o aprendizado. Vênus em contatos tensos com Quíron e Urano, exatos hoje, demanda que despertemos para algumas dores, aborrecimentos e dissabores que insistimos em ignorar.

uolidentifique-quando-e-como-as-crises-acontecem-1407529649623_956x500
Reprodução

Precisamos encarar a verdade dos fatos e quanto mais “deselegantes” e sórdidas forem estas verdades, mais honestos precisamos ser. Desapegar-mo-nos dos ideais “bonitinhos” e insossos de relações perfeitamente planejadas e cheias de expectativas. Se tivermos coragem de nos mostrar tal como realmente somos, com nossas verdadeiras cores e em contrapartida, de igualmente  aceitar o outro tal qual é, talvez nos surpreendamos positivamente com relações mais prazerosas e genuinamente felizes, em lugar daqueles passos e falas ensaiados, mas vazios. Lua e Vênus estão em oposição por signo, sugerindo uma cisão no lado feminino, esteja ele na psique de mulheres ou de homens. É preciso encarar também as necessidades dissonantes dos desejos, que geram conflitos atrozes, não só internamente, mas também no mundo exterior, especialmente quando não estamos plenamente conscientes dessas contradições. Ser independente e livre ou ser parte de um casal; buscar a aceitação social ou mandar tudo às favas para focar na própria individualidade; conciliar nosso lado mais selvagem e primitivo com a necessidade social por civilidade… Damos conta de mediar esse conflito sem nos partir ao meio?

1446809396-110734-1446810157-album-normal-1446831415
Reprodução

Esse climão de estrangulamento perdura pela madrugada de TERÇA-FEIRA, perturbando a tranquilidade do sono porque os Yods Mercúrio-Marte-Lua e Lua-Netuno-Marte ficam formados por algumas horas. Ao longo do dia, porém, a Lua realiza aspectos mais favoráveis: faz trígonos a Plutão e a Júpiter, formando um Grande Trígono de Terra, que vira Pipa, devido ao sextil a Quíron, super desacelerado. Entretanto, a Lua faz também quincunce a Vênus e junto com Quíron, torna-a foco de outro Yod. Saturno está a três minutos da quadratura a Netuno. A Lua fica vazia às 23h27min, depois do trígono a Júpiter. Um Grande Trígono que talvez nos ajude a encarar os problemas com pragmatismo e talvez minimizar, nem que seja por um dia, a sensação de desesperança e fadiga que tem tomado conta de nós nos últimos tempos. Apazígua, mas não resolve. Estamos diante de um abismo, ou melhor, de um lamaçal de desilusões, que é nossa condição neste planeta, em termos sociais, políticos, religiosos, ambientais… E olhamos para nós mesmos e nos percebemos completamente incapazes de mudar algo, até em nossas próprias vidas. Entre sonhos, ilusões desfeitas e a realidade nua e crua a nos apontar o dedo acusadora, talvez cedamos e nos desequilibremos momentaneamente, incapazes de lidar com tanto desajuste. Mas aqui mora o potencial de transformação porque Urano, em oposição a essa Vênus foco do Yod aponta que a saída é pela verdadeira revolução individual de cada um, enquanto não mudamos nós, não muda o mundo. Rebelar-nos contra o excesso de placidez e conciliação. Felizmente este Grande Trígono nos dá alguma sustentação de maneira que conseguimos “segurar a onda” e manter os pés no chão e a cabeça no lugar. Conseguimos olhar de forma mais prática e adotar algumas medidas objetivas que nos ajudem de alguma maneira a ser realistas, mas com temperança, com um estoicismo de quem não sabe o que o futuro traz e se prepara o melhor que pode para lidar com as coisas como elas são: sem expectativas. E, se não podemos curar o mundo todo, podemos pelo menos cuidar do nosso entorno e fazer pequenas coisas, mudar pequenas atitudes concretas que melhorem de forma prática situações pontuais.

1016578_579545688762990_1872915549_n
Reprodução

A Lua entra a QUARTA-FEIRA vazia em Touro. Mercúrio faz conjunção a Saturno e quadratura a Netuno, que já estão quase exatos também. A Lua ingressa em Gêmeos somente às 15h16min e é Cheia às 20h44min, a 03°20’ de Gêmeos, em quadratura a Netuno e oposição a Saturno e Mercúrio, além do Sol. A quarta-feira começa muito preguiçosa e em marcha lenta. É difícil concatenar as ideias quando o corpo está “pesadão” e querendo apenas repouso, especialmente porque a mente está incomumente pessimista e sombria hoje. Sentimos o peso da realidade massacrando nossa visão extremamente idealista da vida e do mundo. Ou talvez nos identifiquemos em demasia com o cobrador dos impostos morais e apontemos o dedo para aqueles que julgamos menos íntegros do que nós. Mas será que realmente podemos apontar o dedo para alguém, quem quer que seja?

Cidade_Destruida
Reprodução

Hoje nos deparamos com uma realidade sombria, ainda mais sombria do que tínhamos intuído e embora talvez possamos dizer que tal realidade não é nossa “culpa” direta, não podemos, de forma alguma, nos isentar da responsabilidade moral pelo estado em que o mundo está, porque estamos neste planeta, e de um jeito ou de outro, contribuímos para a forma com que ele se apresenta – nós construímos essa realidade em que nos encontramos, direta ou indiretamente, por ação ou omissão. A Lua Cheia potencializa de forma severa e ampla os temas da quadratura SATURNO-NETUNO, Gêmeos-Sagitário é o eixo da propagação de informações, crenças, conhecimento. Então, se ainda havia alguém neste planeta inconsciente do abismo e do desastre material, ambiental, espiritual que construímos para nós mesmos ao longos dos séculos, agora não poderá mais argumentar desconhecimento, porque os ventos da Lua Cheia Geminiana espalharão essas verdades sombrias aos quatro cantos do mundo  e quem não souber via meios formais, intuirá ou sentirá no âmago do ser que algo está mesmo muito errado – precisamos lidar com as consequências da desintegração física e moral do mundo que criamos. O preço da ignorância será mais alto no futuro, portanto, não há escolha.  Mas se essas influências propagam as verdades das quais não podemos fugir, também trazem o potencial de buscarmos soluções práticas no aqui e agora, que possibilitem  uma cura, ou pelo menos uma maior consciência da interconexão da vida. Mais sobre a Lua Cheia na quarta-feira.

yuumei deviantart
Yuumei, on Deviantart Reprodução

Saturno em Sagitário completa a primeira quadratura plena a Netuno em Peixes na QUINTA-FEIRA, dia portentoso, que torna mais aguda a sensação de desamparo que viemos sentindo há muitas semanas – leia sobre Saturno-Netuno. A Lua está envolvida em duas T-Squares Mutáveis, uma separativa envolvendo Sol, Mercúrio, Saturno e Netuno e a outra envolvendo Júpiter e Quíron, da qual ela, dona Lua, é o foco. Como ajuda ela faz trígono a Marte e Vênus em Libra e sextil a Urano em Áries, mas também faz quincunce a Plutão em Capricórnio. Qual o preço de uma boa vida? Qual o custo de uma vida boa? O que é uma vida boa – sob a perspectiva de quem? Será que precisamos mesmo de toda essa parafernália consumista e tecnológica que se torna obsoleta tão logo é comprada? Como é que viemos parar nesse buraco sem saída em que nos encontramos? Um buraco que é tanto econômico quanto social, moral, religioso e espiritual? Um ponto de interrogação nas nossas crenças, uma dissolvição nas verdades absolutas que acalentamos por tanto tempo, a confrontação da falácia das responsabilidades não assumidas na construção deste mundo pós-moderno. Um dia sujeito a muitas crises, em que precisamos confrontar nossa imoralidade e amoralidade no que tange aos desmandos empreendidos contra o planeta, contra a natureza e em última instância, contra o próprio ser humano. Estamos encalacrados, mental e espiritualmente, sem saída possível que não seja admitir que falhamos miseravelmente na condução deste “mundo novo” com o qual sonhamos tanto e que agora está ruindo sob nossos pés, porque não tem sustentação, porque foi baseado em mentiras, ilusões e engôdos e porque escolhemos postergar o enfrentamento das consequências como se nunca tivéssemos que encará-las. Será que podemos mesmo alegar que fomos enganados e ludibriados pela mídia, governos, políticos, conglomerados multinacionais? Ou fomos nós que escolhemos não ver para onde estávamos indo porque era mais confortável, porque não queríamos sair do conforto do rebanho? Será que é porque às vezes é melhor se sentir conduzido, para não se ter que arcar com responsabilidades? São questionamentos que calam fundo na nossa mente e também na alma e se há uma solução ou cura possível, ela passa primeira pelo enfrentamento dessas verdades duras. Estamos dispostos a olhar para nós mesmos e assumir nossa parcela de responsabilidade?

George Underwood turn turn turn
George Underwood – Reprodução

Ainda em quadratura a Júpiter em Virgem, a Lua, Cheia em Gêmeos, abre a SEXTA-FEIRA. A Lua se harmoniza com Vênus e fica vazia depois deste contato, à 01h36min. Ingressa em Câncer somente às 17h27min. Quíron estaciona a 16°56’ de Peixes. Mercúrio, regente da Lua, está em Sagitário, separando-se da conjunção a Saturno e da quadratura a Netuno e aproximando-se outra T-Square, com Júpiter e Quíron. Um dia em que talvez precisemos calar a mente e entrar em estado meditativo, o que quer que estejamos fazendo, ao invés de nos espalhar em muitas direções. Um dia inteiro de Lua vazia, que sugere reflexão e ponderação. Por mais que tenhamos impulsos de voejar por aí, talvez seja melhor conter a inquietação ou desperdiçaremos tempo e energia porque as conexões hoje estão interrompidas temporariamente. Antes de ir lá fora é preciso encontrar a ancoragem adequada, para que a mente não fique excessivamente inflada de pensamentos fúteis, superficiais e vazios, perdida nas próprias voltas e dobraduras infinitas. Talvez seja mais útil e proveitoso repassar planos, fazer análises mais profundas acerca das pontes que devemos construir e dos acordos que precisam ser negociados. Hoje apenas se alinhava, para que o ponto e a costura definitiva sejam feitos depois. Temos muito tempo e muito estímulo mental, então, podemos nos perguntar: aonde chegamos com tanto conhecimento e tantas habilidades? Como podemos colocar tal conhecimento e habilidades a serviço da melhoria da vida? Que ideias simples mas viáveis podem  nos apontar soluções criativas para as dificuldades que estamos enfrentando? Às vezes, em momentos de descompromisso relaxamos da pressão e as ideias podem fluir melhor e mai criativamente – não desperdicemos essas oportunidades.

karl persson
Karl Persson – Reprodução

No SÁBADO a Lua Canceriana faz quincunces ao Sol, Saturno e Mercúrio em Sagitário. Faz também quadratura a Marte em Libra e a Urano em Áries, além de se opor a Plutão em Capricórnio, formando, os quatro, uma Grande Cruz Cardinal que deixa o sábado bastante tenso. A Lua ainda faz trígonos a Netuno e a Quíron em Peixes, que estaciona para voltar ao movimento direto às 04h43min. O Sol faz conjunção a Saturno, exata amanhã. Alguns dos conflitos que pipocam neste sábado podem nos lembrar de tantos outros ocorridos entre março e julho do ano passado, quando tivemos essa mesma Grande Cruz armada por muitos meses – exceto pela presença de Júpiter, que está hoje em Virgem. O sábado fica carregado com uma atmosfera reativa e inflamável. Contendas e antagonismos envolvendo questões familiares e relacionais, que sofrem com as pressões provenientes do trabalho, da vida pública e dos papéis e expectativas sociais. O indivíduo não quer ceder, pois sente que já negociou em demasia; a família faz drama e talvez recorra a chantagens e alguma manipulação; o parceiro reclama de ficar sempre em último lugar; o patrão cobra mais comprometimento… No fim, ficamos estrangulados neste curto-circuito, fechado e perigoso. É preciso tomar decisões e já; fazer escolhas que permitam que tenhamos mais desenvoltura, que criem tempo e espaço para darmos prioridade ao que de fato é prioridade. Se assim não for, podemos explodir nossa raiva e frustração, nossa agressividade passiva nos lugares errados, inclusive contra nós mesmos. Uma maneira de contornar toda essa reatividade é tentar nos colocar no lugar do outro e ter compaixão por seus dilemas, que certamente são muito parecidos com os nossos – ao invés de percebê-lo como inimigo ou opositor, tentar entender suas motivações e razões, porque ele é um reflexo da dificuldade interna que teimamos em não ver. Por outro lado, toda essa energia cardinal exige canalização e seria um grande desperdício não empregá-la em alguma atividade criativa que exija toda essa capacidade de liderança, de gestão e de execução. É preciso pois entrar em ação, pois a inatividade hoje pode ser letal ou pelo menos, perigosa. Onde podemos empregar toda essa estamina e energia de alta voltagem?

John Roddam Spencer Stanhope_Prerrafaelita
John Roddam Spencer Stanhope – Artista Pre-rafaelita – Reprodução

O DOMINGO chega com essas e outras tensões. A Lua Canceriana faz sextil a Júpiter em Virgem e quadratura a Vênus em Libra, ficando vazia depois deste contato, às 10h47min. A Lua ainda faz sesqui-quadraturas a Saturno e ao Sol em Sagitário, tornando-se Disseminadora a partir deste aspecto com o Sol. O sol está em conjunção plena a Saturno  e em quadratura a Netuno em Peixes. Hoje o peso da cobrança simbolizada por Saturno-Netuno recai sobre nossos ombros de forma mais consciente – parece que despertamos de um sonho nebuloso para uma realidade penosa, inclemente. Talvez a pregação do padre, do pastor, do guru ou mesmo do nosso alter-ego interno seja bastante implacável, o que nos faz balançar e resvalar em culpas ancestrais. Uma sensação terrivelmente incômoda de peso, desesperança, insegurança, incerteza colore o dia de cinza. Nossos “pecados”, sejam eles pessoais, sociais ou coletivos estão escancarados dentro de nós e à nossa frente. Como pudemos nos enganar por tanto tempo?  A consciência de tais “pecados”, dívidas coletivas sejam elas materiais ou energéticas, delitos e transgressões sociais, nos faz sentir como no momento da Queda de Adão, da expulsão do paraíso, porque é assim que nos sentimos hoje: excluídos do amor do pai e sujeitos à sua fúria e olhar reprovador, um Pai que é um Javé legislador e implacável. Mas se nos conscientizamos de nossa queda e de nossa falibilidade, não é para nos prostrarmos na histeria moralista e autoflagelante, na culpa hipócrita que nada retrata, atitudes que também não trarão nenhuma solução prática. Antes, precisamos utilizar essa nova consciência para mudar o que realmente pode ser mudado: nossa atitude pessoal; primar pela integridade que nos dita para Ser o que se é, falar o que se crê, crer no que se prega, viver o que se proclama, até as últimas consequências” (Dom Pedro Casaldáliga). Assim chegamos a um senso sólido e consistente de autoridade interior que prescinde de moralismos e outros ismos fajutos e que está disposta a se comprometer para transformar, de fato, o mundo em que vivemos, a partir da fé, da visão de um mundo mais justo, do conhecimento aplicado – elementos que devem se manifestar em ações concretas e na nossa atitude mais consciente e mais responsável, e que engloba as perspectivas física, mental, sentimental e espiritual. Será que conseguimos?

fulldose
Reprodução

Uma semana de paz, discernimento, consciência e luz para você, onde você estiver!

A Semana Astrológica – De olho no futuro…

Crescent moon rising over the sea
Lua Crescente nascendo no mar Reprodução – Desconheço o autor

Semana de 16 a 22 de novembro 

“O tempo passa e engraxa a gastura dos sapatos, na pressa a gente não nota que a Lua muda de formato…” Por aqui a gente nota sim, e nesta semana a Lua vai mudando seu formato para o Crescente, enchendo até oficializar o Primeiro Quarto, depois a fase Corcunda – nesta fase temos revigorada a vontade e nos empenhamos na obtenção de nossos objetivos, por isso essa fase lunar sugere uma semana dinâmica e produtiva, apesar dos muitos desafios. Mas o tempo passa vertiginosamente mesmo. Espiritualistas ligados à Grande Fraternidade Branca dizem que, quanticamente, o dia atualmente tem apenas 16 horas e não 24, confirmando que nossa impressão sobre o tempo passar mais rápido está correta. Os dias correm, as horas voam e quando vemos estamos cheios de cabelos brancos, vincos na pele e lembranças esmaecidas na memória. Tudo isso é representado/simbolizado também pelo arco que os planetas vão traçando nos céus…

Epimetheus
Epimeteus – Desconheço o Autor Reprodução

Nesta semana Mercúrio entra em Sagitário, signo de seu detrimento – detrimento porque Mercúrio gosta de detalhes, do aqui e agora, mas Sagitário é dado a amplitudes e a visões de futuro. Contudo, Mercúrio é o mais versátil dos planetas, adaptando-se com facilidade aonde quer que chegue, assim, em Sagitário ele torna-se ainda mais falante e tenta converter a todos ao seu modo de ver o mundo e a vida. Um catequizador que busca evangelizar, apaixonado que está por sua própria visão da verdade. Tanto que, se não se toma cuidado, ele se torna um fanático fundamentalista, ou, no mínimo, um chato – tudo depende dos contatos que vai fazendo ao longo do seu percurso. Esse tom evangelizador talvez seja especialmente sentido neste trânsito, uma vez que Mercúrio entra na fase “Epimeteus” a partir da conjunção superior que Mercúrio faz ao Sol, na terça-feira, dia 17, a fase em que colhemos os resultados de toda a introspecção simbolizada pela retrogradação. Se na fase Prometeica (da conjunção inferior em 30/09 até a conjunção superior em 17/11) estamos mais aventureiros e dispostos a correr riscos diversos, ousando na busca de novos paradigmas, a fase seguinte, da conjunção superior à inferior (17/11/2015 – 14/01/2016) é o tempo de aplicar esses novos paradigmas e  colher os resultados. Assim, Mercúrio fica mais reflexivo porque a reflexão é necessário na percepção de resultados. No fim deste ciclo, com Mercúrio já retrógrado (05 – 14/01/2016), o tom é particularmente introspectivo. Por outro lado, a conjunção Mercúrio-Sol indica um período de uma comunicação mais fluida, grande atividade mental e muitas ideias inovadoras surgindo a respeito de curas, medicina, pesquisas, e outras áreas Escorpiônicas. O primeiro contato que ele faz em Sagitário é exatamente com Saturno, sugerindo um enrijecimento de ideias e visões. Mas isso fica para a semana que vem.

dalizodiac_sagittarius
Salvador Dali – Sagitário – Reprodução

Saindo das águas escuras de Escorpião e da esfera da Grande Mãe, representada pelas Moiras e pelo Destino, o Sol também ingressa em Sagitário, o signo do Espírito, do Pai Celestial, no domingo, dia 22. Sagitário simboliza a capacidade humana de se elevar acima do destino ditado pelas Moiras e elevar-se em direção à esfera espiritual, acima da carne e da matéria. A capacidade de simbolizar e atribuir significado e olhar para o futuro e suas inúmeras possibilidades. O trânsito do Sol por Sagitário ganha portento já que Saturno, o de Chumbo, trafega por este signo atualmente. O Signo do Espírito e do Pai Celestial tem que lidar de forma bem realista com o reino da matéria tal qual ele é.

10007411
Reprodução – Desconheço o autor

Vênus, esplendorosa em seus domínios Librianos, faz quadratura a Plutão nesta semana e fica bem próxima da oposição a Urano em Libra e do quincunce a Quíron em Peixes. Momento de reavivar e revitalizar as relações ou eliminá-las de vez. Um chacoalhão nos nossos valores e um confronto sobre a importância que damos às coisas – continuam válidas? Ou será que apenas cumprem a função social das aparências aceitáveis? Pelo quê queremos ser amados e admirados? Só porque somos “aceitáveis”, adequados, esteticamente agradáveis, socialmente apropriados? E a nossa essência verdadeira, não entra na equação? Questionamentos antigos, mas sempre atuais que não podemos deixar de nos fazer nestes tempos de amores e relações líquidas, como diz aquele filósofo famoso. Em termos de finanças e investimentos este trânsito requer cuidados e muita cautela para que não haja perdas irreparáveis nessa área.

151106185725_brazil_dam_640x360_getty_nocredit
Reprodução

Netuno retorna ao movimento direto na quarta-feira, dia 18, sinalizando que muitas coisas que estavam paradas e estagnadas voltam a ser movimentadas, especialmente na área das artes, do cinema, da indústria de combustíveis e drogas em geral, lícitas ou ilícitas. Saturno nesta semana já fica a menos de um grau da primeira quadratura exata a Netuno, que se dá já na semana que vem. Talvez tenhamos maior habilidade de manifestar essa quadratura Saturno-Netuno de forma mais criativa e menos desesperada – sim, porque o tom que vemos no mundo como pano de fundo dessa quadratura é de desesperança e  desânimo, uma sensação de desencanto profundo com o mundo que vemos diante de nós, como se tivéssemos saído do escuro do cinema, do idílio de uma comédia romântica, direto para a realidade enlameada de um pós-tsunami. Desolador. Mas precisamos sobreviver, sem nos endurecer em demasia. Particularmente, estou muito triste e desolada com todos os acontecimentos dos últimos 10 dias. “O mundo está ao contrário e ninguém reparou?”. É mais desolador ainda ver as pessoas se perderem discutindo qual tragédia é mais importante, se ataques terroristas na França, se uma barragem arrebentada em Minas… Não importa. A origem destes problemas é o mesmo: a vontade de poder, seja de grupos fundamentalistas, seja de multinacionais mineradoras. Não se pode medir quais lágrimas são mais dolorosas e quais olhos vertem mais, se mineiros ou franceses. Chora a alma humana, chora a natureza, chora a vida diante deste caos em que chegamos e de onde não podemos voltar, infelizmente – mas não esqueçamos que no caos está o mais rico dos potenciais! Não tenho conclusões sobre isto, só estou profundamente desolada. Mas sei que o mundo não se resume à violência e ao abuso e que a grande maioria das pessoas é boa – essa grande maioria só precisa sair da inércia, porque não basta ser bom por si mesmo e se omitir nas demais questões. Se nos omitimos, o mal ganha soberania – tema longo que estou colocando aqui de forma muito simplista.

almagnus2
Almagnus – Reprodução

A Lua abre a semana na fase Crescente em Capricórnio. Oficializa o Primeiro Quarto em Aquário, flui e infla mais em Peixes e se torna Corcunda em Áries, já no domingo. Vai inflando lentamente captando e distribuindo conteúdos ao longo de sua jornada ao fazer contato com todos os demais corpos celestes.

Dia a dia

Breton-la-cosecha-de-papas
Breton-la-cosecha-de-papas – Reprodução

A SEGUNDA-FEIRA abre a semana com força total, com a Lua em Capricórnio em conjunção a Plutão e quadratura a Urano em Áries, formando uma T-Square Cardinal, já que ela ainda está em quadratura a Vênus em Libra. A Lua ainda faz sextil a Quíron em Peixes e trígono a Júpiter em Virgem e também sextil ao Sol Escorpiano, ficando vazia depois deste contato, às 18h54min. Um dia que pode ser sentido como pesado ou muito produtivo, dependendo da perspectiva que se olhe. É deveras intenso, especialmente do ponto de vista emocional, o que favorece a auto-análise ou mesmo uma conversa séria para além do trivial com algum amigo ou companhia que esteja disposta a cavar fundo conosco esse buraco chamado compreensão da vida. Para os mais práticos o dia sugere energia extra que deve ser usada em trabalhos pesados ou tarefas que requeiram concentração. De qualquer forma, ainda precisamos balancear as disparidades internas, a necessidade de olhar para dentro versus as demandas do mundo lá fora. Talvez fiquemos momentaneamente paralisados, mas é preciso achar o prumo para que a parede tenha o alinhamento certo dentro de nós, ou o edifício poderá ruir mais à frente. A energia extra ajuda a começar bem a semana, com boa produtividade, organização e estímulo. Relembramos também do senso de propósito do nosso trabalho, que ajuda a nos empenhar um pouco mais.

andy prokhGirl-and-Her-Cat-09
Andy Prokh – Girl and Her Cat – Reprodução

A TERÇA-FEIRA encontra a Lua vazia em Capricórnio, ingressando em Aquário às 05h25min. Faz trígno a Marte e depois a Vênus em Libra e ainda sextil a Saturno em Sagitário. Mercúrio está em conjunção Cazimi ao Sol, uma Conjunção Superior que sinaliza a fase Epimeteus, uma fase mais reflexiva de Mercúrio. Netuno estaciona a 07°01’ de Peixes. Como é bom quando as horas de Lua vazia combinam com as horas de sono, domingo, feriado… perfeito! A terça está muito sociável e mentalmente vibrante. A Lua Aquariana, cheia de entusiasmo juvenil, simboliza um dia em que também estamos mais sociáveis e abertos a experimentações. Há uma capacidade de elucidar com clareza aquilo que queremos e de enunciar isso também de forma objetiva e clara. As coisas fluem e tendem a dar certo, embora no plano geral ainda enfrentemos as questões maiores que carecem de resolução. A conjunção Mercúrio-Sol marca uma nova fase no ciclo Mercurial e mental. A partir de agora começamos a observar os resultados gerados pelas novas ideias, experimentações e ousadias empreendidas desde que Mercúrio fez a conjunção inferior, em 30 de setembro. Como percebemos nossa atividade mental nas últimas semanas? Conseguimos implantar alguns dos novos métodos ou paradigmas que descobrimos? Tivemos muitas ideias mas deixamo-las passar em brancas nuvens? Netuno fica estacionário por 48 horas (de 14h30min do dia 17 até 14h30min do dia 19) e ativa nossa imaginação sobremaneira, de formas que podem ser extremamente positivas ou negativas, dependendo dos contatos que ele faz no mapa natal de cada um. De toda forma, é útil observar em nós mesmos movimentos escapistas, anseios inexplicáveis, fantasias urubóricas que vêm do nada ou mesmo rompantes de criatividade, que podem ser muito úteis! O dia traz novos insights e talvez seja bom tomar nota desta vez!

bob guccione
Bob Guccione – Reprodução

Dona Lua, toda sociável em Aquário, pode se ver em alguma situação embaraçosa na QUARTA-FEIRA. Isso porque ela faz sesqui-quadratura a Marte em Libra e quincunce a Júpiter em Virgem. Mas a Lua também se alinha a Urano em Áries, o que lhe fornece algum apoio. Vênus está muito próxima do embate aberto a Plutão e Saturno, regente da Lua, está cada vez mais próximo da quadratura a Netuno, que fica direto às 13h31min. Um dia bastante cerebral em que tentamos nos mover de forma leve, fazendo contatos, procurando novidades e estímulos que nos conduzam a outras experimentações e outras formas de como renovar a vida. Mas ignoramos sentimentos esparsos de alguma insatisfação escondida lá nas profundezas da alma. Dizemos que está tudo bem, mas algo nos incomoda, a confrontação onipresente dos nossos ideais e sonhos acalentados por tanto tempo e que agora se despedaçam diante de nós; a constatação de que não conseguimos realizar tudo o que almejávamos. Contudo, Urano, outro visionário, nos acena no dia de hoje sugerindo que sempre se pode recomeçar, nem que seja do zero – aliás, com Urano geralmente se recomeça do zero! Essa inquietação ainda vai nos acompanhar por algum tempo, até que tenhamos aceitado nossas desilusões e partido para encarar a realidade de cara limpa, sem subterfúgios.

Aja - Apa Soura
Aja – Apa Soura – Reprodução

A Lua Aquariana formaliza o Primeiro Quarto ao fazer quadratura ao Sol na QUINTA-FEIRA. Faz quadratura ainda a Mercúrio e sesqui-quadratura a Vênus, ficando vazia depois do contato com Mercúrio, às 06h20min. Ingressa em Peixes às 10h21min e faz, à noite, quadratura a Saturno e conjunção a Netuno, além de quincunce a Marte em Libra. O Primeiro Quarto ocorrendo em Aquário sugere que sejamos inovadores e inventivos neste ciclo e nos esforços para concretizar nossos planos. Aquário indica ainda a necessidade de uma perspectiva desapegada e impessoal, em contraponto à visão intimista e apaixonada de Escorpião. O dia começa bastante reflexivo e temos mesmo uma abordagem distanciada dos assuntos que se apresentam diante de nós. Mas conforme as horas passam, uma sensibilidade hiper-porosa toma conta de nós e misturamo-nos a outras sensibilidades ao nosso redor. De quem é a dor que estou sentindo, é minha mesmo ou peguei emprestada de você? De onde vem esse desamparo debilitante, que me deixa tão suscetível e com vontade de chorar rios de lágrimas lamacentas? Insegurança, suscetibilidade e sensação de se estar perdido colorem o resto do dia e a noite e nos faz melindrosos a críticas, julgamentos ou até mesmo ao olhar que julgamos indiferente e que esperávamos, fosse mais compreensivo. Sobretudo, sentimos o peso da desolação que esteve sobre nós como uma nuvem escura e que agora se abre e deságua pesadamente para fora de nós. É bom pegar leve consigo e com os outros porque se estamos assim “desmilinguidos”, é provável que os outros estejam também. Cair no vitimismo não vai ajudar em nada, porque este cenário vale para todos e, se por um lado precisamos aceitar que algumas coisas não podem ser mudadas, por outro, podemos e devemos identificar aquelas que são passíveis de transformação e aqui entra nossa compaixão, a forma mais positiva de toda essa sensibilidade – o que podemos fazer para mudar o cenário desolador à nossa frente?

amar
Reprodução

A SEXTA-FEIRA está ultra-sensível, como tem sido nas últimas semanas. A Lua está em Peixes ainda conjunta a Netuno e em quincunce a Vênus em Libra. Faz também sextil a Plutão em Capricórnio, oposição a Júpiter e conjunção a Quíron. Sexta também é dia de Vênus, que está hoje desafiando Plutão por uma quadratura, numa T-Square super dinâmica e tensa, que envolve também a oposição Vênus-Urano. Mercúrio ingressa em Sagitário às 17h44min. “Quando a relação amorosa  se torna eminentemente destrutiva e não há mais espaço para crescimento, perdão e liberdade, é preciso ter coragem de parar e tirar umas férias. É preciso ter coragem para olhar de frente para a situação e assumir que, desse jeito, você está cavando a sua própria cova. Só você pode fazer algo por você. Tenha coragem de ir além do medo da solidão. Você tem pavor de ficar consigo mesmo. Você não se suporta, mas acha que o outro tem obrigação de suportar você. Você não se ama de forma alguma, mas acha que o outro tem obrigação de te amar. Isso não é amor, é carência.”

Rodney wood
Rodney Wood – Reprodução

Essas são palavras de Sri Prem Baba, que vêm bem a calhar para trânsitos difíceis a Vênus, especialmente de Saturno e de Plutão. Vênus está hoje encalacrada nesse imbróglio com Plutão e somos obrigados a olhar esse nosso lado pegajoso e hiper-carente da aprovação e do olhar do outro, talvez porque não consigamos prover, por nós mesmos, o olhar aprovador, porque no fundo, nem mesmo nós nos aceitamos e conseguimos conviver com nossos dilemas asfixiantes. Asfixiar o outro não vai trazer resultados, só vai afastá-los de nós mais rápido. Assim, neste dia de exageros emocionais e sentimentais, vale a pena parar e confrontar o espelho antes de confrontar o outro na relação. As queixas que temos do outro, será que não as temos de nós mesmos? E as queixas que o outro tem em relação a nós, conseguimos ouví-las verdadeiramente? Essa relação está vivendo uma fase Fênix para renascer mais vigorosa e renovada, ou é hora de cavar a cova e enterrá-la de vez ao invés de nos enterrarmos nela?

arrogante
Marcos Borges – Reprodução

De Peixes a Lua faz um trígono ao Sol Escorpiano no SÁBADO. Fica vazia por um curto espaço de tempo e entra em Áries às 13h13min, já se opondo a Marte em Libra e se alinhando a Mercúrio e Saturno em Sagitário. Ao contrário da sexta-feira, o sábado fica super dinâmico e mais animado, talvez animado até demais. A Lua Ariana exige que nos engajemos com atividades físicas que requeiram grande gasto calórico e grande dispêndio de energia, especialmente quando a Lua se opõe a Marte. É isso ou ficamos propensos a bate-bocas acalorados e intempestivos. Podemos virar os “donos da verdade” e querer que nos escutem de qualquer jeito, de forma muito arrogante, levando para o lado pessoal qualquer recusa alheia. Por outro lado, se encontramos o canal certo para essa influência, podemos ter um sábado cheio de vitalidade, em que conseguimos expressar nossos sentimentos, pensamentos e opiniões de forma bastante direta e honesta, ventilando antigas rusgas que precisavam ser postas em pratos limpos. Mas aqui é necessário uma sutileza que talvez a Lua Ariana tenha dificuldade de manifestar, porque a linha entre honestidade e grosseria às vezes pode ser muito tênue e uma conversa que tinha tudo para ser uma clarificação de mal entendidos pode descambar para conflitos abertos. É preciso cautela, muita cautela. A Lua em Áries também tende a ser estabanada e desastrada, especialmente em oposição a Marte, portanto, cautela redobrada!

dez-maneiras-de-controlar-o-ciume---abertura-1407529685051_956x500
Reprodução

O Sol ingressa em Sagitário às 13h26min do DOMINGO. A Lua fecha a semana super belicosa: faz quadratura a Plutão em Capricórnio, opõe-se a Vênus em Libra e une forças a Urano. A Lua fica vazia depois da conjunção a Urano, mas ainda se irrita com Júpiter em Virgem. Domingo conflituoso no plano emocional, especialmente nas relações afetivas. Há uma atmosfera de “ou tudo ou nada”, “ou vai ou racha”. Ciúme, competitividade, rivalidade deixam o dia bastante incendiário e beligerante. O impulso gregário de Vênus está desafiado por Urano-Plutão, indicando que temos grande dificuldade em conciliar nossas disparidades internas; a Lua, normalmente gregária também, está hoje super independente e avessa a conciliações, mais disposta a focar em si mesma – a oposição pode se constelar em oposições reais no mundo exterior e podemos nos ver disputando algo ou alguém ardorosamente, ou, talvez fiquemos roendo as unhas pelos cantos, caso não tenhamos coragem de ir para o confronto. O Sol entra em Sagitário e tenta desanuviar o ambiente com sua perspectiva festiva e alto astral – mas a Lua faz ainda sesqui-quadratura a ele e a Mercúrio – torna-se Corcunda! – indicando que as falas podem ficar ainda mais exaltadas e fora de limites.

crianc3a7a-com-birra1
Reprodução

Antes de nos atirarmos com paixão em tais discussões é bom nos perguntar pelo quê estamos brigando, o quê estamos defendendo e se vale mesmo a pena tal empenho – qual é a donzela em perigo que precisa ser salva? Será que há mesmo uma donzela em perigo ou apenas nosso orgulho e ego que correm o risco de sair meio arranhados? Este é um momento crucial de se achar um equilíbrio verdadeiro nas relações, entre o dar e o receber, entre a liberdade e a vinculação, entre a intimidade e a privacidade. É isso que está em jogo, mas podemos perder o fio da meada e ficar brigando por muitas horas para saber quem manda em quem, quem controla quem, quem traiu quem, etc, etc, etc… Conversa de adulto ou birra de crianças grandes? Temos uma escolha. Sempre temos. Quando achamos que não temos escolha, ainda somos crianças emocionalmente, porque somente crianças não podem escolher.

Linda semana para você!

997058_822686537749734_2541972545055036720_n
Desconheço o autor – Reprodução

2015 – Colocando a casa em ordem

20152014 acaba e deixa uma sensação de alívio e ao mesmo tempo de celebração por termos sobrevivido a um ano tão difícil, tenso  e complicado. Agora nos perguntamos, o que esperar de 2015? Há esperança de um ano melhor? O que o ano nos trará? Não seria melhor perguntar, o que traremos ao ano? O que faremos para que seja um ano diferente e melhor? Quais propostas de transformação e mudança fazemos a nós mesmos? O ano por si só não faz nada, assim como os planetas não fazem nada. Os movimentos planetários, a despeito dos jargões astrológicos, não “fazem” nada conosco aqui na terra. Eles apenas simbolizam ciclos, momentos propícios para certas atividades, desafios e testes ou  oportunidades, que podemos aproveitar ou não. Quanto mais conscientes estamos de nossos processos e necessidades de alma, mais aptos estamos a nos alinhar com estes favorecimentos cósmicos para tirar proveito deles ou para lidar melhor com seus desafios; quanto mais inconscientes e anestesiados, mais predispostos somos a vivenciá-los como um “destino” malévolo ou benéfico que “cai” sobre nossa cabeça do nada. Em qual grupo estamos nós?

Nergal
Nergal – Deus Sumério da Guerra

Um dos dados que marcam a diferença entre 2014 e 2015 é a transição de Saturno do signo de Escorpião pra Sagitário. Isso traz sim um pouco de leveza, embora Saturno implique ainda cobranças em outras áreas. Enquanto Escorpião é introspectivo e secretivo e Saturno ali implica medos na área da intimidade, Sagitário é um signo mais orientado para o social, mais gregário e extrovertido. As lições são outras e a pressão em nível individual talvez seja menor. Isso com certeza “alivia a nossa barra” até certo ponto. Sagitarianos de Sol, Lua ou Ascendente agora passam por um período longo de testes diversos, precisam entregar o dever de casa, e como sempre, se a tarefa foi feita, aplausos, se não foi, puxão de orelha, dos brabos! O trânsito de Saturno é particularmente importante para os nascidos entre dezembro de 1985 e janeiro de 1988, porque estas pessoas estarão vivenciando seu Retorno de Saturno, um ciclo importantíssimo na vida de todo mundo. Um ciclo que fala de maturidade, responsabilidade e estruturação da vida. Também é importante para os nascidos entre janeiro de 1956 e dezembro de 1958, porque estas pessoas vivenciarão o seu SEGUNDO Retorno de Saturno. Porém Saturno ainda tem trabalhos “incabados” e volta a Escorpião de junho a setembro. Mas que outros dados temos para olhar esse ano de perto?

Há várias maneiras de se analisar como será o ano e todas elas são válidas. Escolhi fazer minha análise a partir de alguns dados específicos:

Regência do ano – Marte; Mapa de Ingressão do Sol em Áries – 20 de março; Mapa de Ingressão do Sol em Capricórnio em 2014 para verificar como será o primeiro trimestre de 2015; Aspectos e configurações entre os planetas lentos (a partir de Júpiter); Eclipses; Retrogradações

2015 – Regido por Marte

Gilgamesh-1
Gilgamesh – Reprodução

2015 é regido por Marte, o deus da guerra, do impulso masculino, da ação. Para termos mais clareza das implicações disso, recorramos a alguns dos principais mitos ligados a este deus. Marte é associado ao semideus sumério Gilgamesh, protetor da cidade de Uruk, para a qual ele construiu uma grande e magnífica muralha. Era um grande líder, mas de personalidade tirânica, que impunha o serviço militar aos jovens e violava as virgens. Era profundamente arrogante e prepotente, sua contraparte era a deusa do Amor Ishtar, que se enfureceu com ele por não conseguir seduzi-lo, degringolando uma guerra temerária (1). Outra figura associada a Marte é Nergal, outro deus sumério, deus da guerra, da morte e da pestilência e posterior marido de Erishkigal, senhora dos Infernos e do Mundo Inferior. Também era prepotente, imaturo e arrogante e só foi domado ao ser seduzido por Erishkigal (2).

Guido_Reni_sao Miguel
São Miguel Arcanjo – Guido Reni – Reprodução

Marte é igualmente relacionado ao Arcanjo Miguel, o anjo justiceiro e vingador, que expulsa Lúcifer do Paraíso. De acordo com o Livro do Apocalipse, Miguel significa “o nome de Jesus Cristo em batalha” e outros textos apócrifos também se referem a ele como “Quem é como Deus”.

IMG_0492
O símbolo de Marte – Maria Eunice Sousa

Temos ainda o deus da guerra grego, Ares, destemperado, insolente, esquentando e tirânico, perdia a maior parte de suas batalhas por causa da precipitação e da impaciência, além da arrogância. Ficava cego de ódio e fúria e perdia completamente a cabeça e a razão, protagonizando verdadeiras carnificinas e sendo desprezado pelos gregos, além de ser objeto de riso e escárnio. Por fim (não, claro que não mencionei aqui todos os deuses associados a Marte – isso demanda um outro artigo que fale exclusivamente disso), temos o Marte romano, que era mais civilizado e que o Ares grego. Howard Sasportas diz: “O Marte Romano, além de deus da guerra, era também o deus da agricultura, da primavera e da vegetação (como o orixá Ogum, outra associação de Marte) e por vezes era representado muito contente com suas vacas no pasto” (3). Ao contrário do Ares Grego, Marte era amado e venerado pelo povo romano, seu culto sendo mais importante do que o do próprio Júpiter. A Marte também é atribuída a paternidade de Rômulo e Remo, os fundadores de Roma. Enquanto “Medo e Pavor eram os escudeiros do Ares Grego, o Marte romano tinha acompanhantes bem diferentes: Honos (honra) e Virtus (virtude), ou seja, em lugar de trazer medo e pavor ele levava honra e virtude onde ia. A mesma coisa se aplica a nós quando utilizamos nossos instinto da agressão: se utilizamos bem, temos virtude e honra, se o usamos mal… Daí se depreende que o pano de fundo do ano nos traz essa escolha de como utilizar nossa assertividade e instinto agressivo.

Ares_villa_Hadriana
Marte – Escultura em Tívoli – Reprodução

Regido por Marte, 2015 é, pois, um ano que favorece a guerras, conflitos em geral, arrogância e fúria cega. Sendo um planeta de Fogo e o planeta da virilidade, também favorece as paixões e o sexo, tanto para o melhor quanto para o pior – implicada está aqui a violência sexual. Atividades físicas e esportivas também ganham destaque e novos recordes nessas áreas podem ser quebrados.

fogo
Reprodução

Marte rege Áries, signo de Fogo quente e seco, o que aponta um ano particularmente quente, um ano de Calcinatio, de aprender a lidar com as frustrações, já que Marte é impaciente e esquentado. É ano de se aprender que não se pode ter tudo e de se amadurecer ao lidar com essas frustrações. Se vamos expressar a tirania e arrogância de Gilgamesh, a prepotência e imaturidade de Nergal, o ódio e violência cega do Ares Grego, a coragem sábia e assertiva do venerado Marte Romano, ou a justiça do Arcanjo Miguel, depende de nós. É preciso manter essa natureza selvagem sob vigilância. Pessoas que têm Marte “debilitado” no mapa natal (Marte retrógrado, Marte em Touro, Câncer, Peixes, Libra, em contato com Netuno ou na casa 12, etc) estão mais propensas a perder o controle e destemperar-se, por isso são convidadas a se engajar de forma criativa com esse princípio da agressão através de atividades físicas, artes marciais e até mesmo da dança – Marte era também o deus da dança! Arianos em geral também são convidados a burilar sua pouca paciência e alongar seus pavios tradicionalmente curtos.

The_Last_Samurai_by_xlxnicoxlx
Cena do filme o Último Samurai – Reprodução

O mapa da Ingressão do Sol em Áries.

Como o Sol é a autoridade máxima num mapa Astrológico, e como nosso sistema é Solar, analisamos sempre as ingressões do Sol para fazer prognósticos a respeito de um dado período. Como estamos falando do ano, olhamos a ingressão do Sol em Áries. Em 2015 o Sol entra em Áries no dia 20 de março, às 19h45min no horário de Brasília e às 22h45min para Lisboa, Portugal. Este mapa traz uma Lua que acabou de ser nova, na verdade é um mapa pós-eclipse, um eclipse total do Sol, que ocorre no grau 29° de Peixes, às 06h46min da manhã, um eclipse que será visível na Europa, sugerindo que seus temas serão particularmente pertinentes para aquele continente. A Lua aparece a 7° de Áries, conjunta ao Nodo Sul, o que pode implicar uma tendência a uma maior expressão das qualidades negativas da regência de Marte sobre o ano. O Nodo Sul é um ponto de desgaste e de passado. Em Áries infere comportamentos egoístas e individualistas, além de impaciência e precipitação como tônica da ação, especialmente porque os Nodos estão estacionários, sugerindo uma potencialização de seus significados – alerta vermelho! A Lua está já em orbe de conjunção a Urano e quadratura a Plutão, que por sua vez está em conjunção a Marte, regente do Sol e da Lua e super potente no próprio signo, mas também super esquentado por causa dessa conjunção a Urano e da quadratura a Plutão – Urano e Plutão, aliás, terão acabado de fazer sua última quadratura plena no dia 16 de março, ou seja, o aspecto também está ainda super potente na ingressão do Sol no dia 20, sinalizando que embora os planetas tendam a ir se afastando gradativamente da sua dança cósmica turbulenta, o efeito desta última quadratura ainda perdura por todo o ano de 2015, ou seja, muito do clima de tensão exaustiva de 2014 ainda continua – e você aí achando que o trabalho radical e profundamente transformador tinha acabado…

Sol em Aries 2015
Ingressão do Sol em Áries – Brasília, 20 de março, 19h45min

Esse stelium em Áries (Sol, Lua, Urano, Marte) salienta ainda mais a influência de Marte sobre o ano, o que o faz o Almuten, o Senhor absoluto do Mapa, indicando um ano de grande iniciativa, ação, impaciência, beligerância e calor, muito calor, seja calor de fato produzido pelo Sol, seja o calor emocional das grandes e sôfregas paixões e ambições – isso somado à quadratura Saturno-Netuno mencionada mais abaixo, indica possibilidade de secas em várias regiões do mundo. Tudo o que foi dito acima sobre a regência de Marte fica ainda mais destacado, com tendência às manifestações mais negativas porque Marte também está em conjunção ao asteróide Eris, a deusa da discórdia, dos escândalos e do caos – Alerta Vermelho II! Por estar na casa seis, teremos que lidar com tudo isso numa base cotidiana – todo dia uma Calcinatio!

Esse stelium na casa seis do mapa para Brasília diz que a Saúde estará em grande projeção por todo o ano. Da mesma forma, grande destaque é dado para o serviço público e servidores públicos em geral, que estarão possivelmente revoltados e propensos a greves, principalmente nas áreas de segurança, ou seja, a polícia e forças armadas (7). Isso fica ainda mais melindroso com esses gritos insanos pedindo a volta da ditadura no Brasil! Cuidado com o que você pede, porque você pode conseguir – e terá que viver para arcar com as conseqüências.

Venus_and_Mars
Vênus e Marte – Botticelli – Reprodução

O Ascendente deste mapa é Libra e felizmente seu regente, Vênus, está em Touro, na casa sete, duplamente dignificada – ou seja, apesar de todo destempero, há potencial de equilíbrio e de conseguirmos ter um mínimo de chão e deliberação para gerirmos tanto fogo, ação e calor. E se tem alguém que pode “segurar a onda” desse Marte atoleimado é a Deusa do Amor. Com o eixo Áries-Libra enfatizado, assim como há um destaque para a importância de Marte e de Vênus, este ano é novamente crucial para os relacionamentos e parcerias de todo tipo; já em termos coletivos, é um ano que demandará muita negociação e diplomacia para que guerras e conflitos bélicos não nos levem a uma potencial destruição nuclear – não esqueçamos, Marte está em contato com Urano-Plutão. A dificuldade é que Vênus está numa quadratura ampla com Júpiter em Leão e em quincunce exato a Saturno retrógrado em Sagitário, quer dizer, muita incerteza ronda nossas deliberações e talvez nem sempre consigamos negociar e contornar certas hostilidades e contendas. A auto-estima, o senso de valores e a gestão das finanças e patrimônio ficam também sujeitos a altos e baixos o ano todo, especialmente de 25 de julho a 06 de setembro, período em que Vênus ficará retrógrada entre os signos de Virgem e Leão – este talvez seja o período em que conflitos bélicos podem ficar mais sensíveis, pois a retrogradação de Vênus na antiguidade estava diretamente ligada a guerras, batalhas e revoltas em geral e Vênus pós-retrogradação surge como Eósforos ou Phosphorus, a Estrela Matutina, associada com sua expressão mais agressiva e belicosa (4).

Fim-do-bem-estar-social-na-Europa
Desconheço o autor – Reprodução

Júpiter: benefícios duvidosos

Outro planeta que chama bastante a atenção neste mapa e por todo o ano é Júpiter, que aparece retrógrado em Leão e numa posição bastante periclitante: forma um Grande Trígono em Fogo de orbe super ampla com Saturno em Sagitário e Lua em Áries, mas é foco de um Yod muito desconfortável ao receber um quincunce de Mercúrio em Peixes e fazer outro a Plutão em Capricórnio. Aliás, Júpiter faz contato com quase todo mundo nesta carta e como está na casa 10 para Brasília, será elemento chave para a manifestação de muitas das energias e promessas do ano. Como foco do Yod que tem base um sextil entre Mercúrio e Plutão, Júpiter é porta voz de boas e más notícias. Plutão está conjunto ao Fundo do Céu, indicando que em 2015 seu papel continua a ser fundamental, cavando e desenterrando muitos defuntos e podridão e com a ajuda de Mercúrio e de Júpiter, fazendo isso vir à tona de forma muito pública. O problema é que como Mercúrio está super confuso ensanduichado pelas companhias duvidosas de Netuno e Quíron em Peixes e Júpiter está retrógrado em Leão, não temos garantia nenhuma de que teremos acesso à verdade nua e crua. Saturno retrógrado em Sagitário corrobora que há grande potencial de manipulação midiática e de que a Verdade pode ter muitas facetas, ficando difícil decidir em quem ou no quê acreditar. Manipulação de fatos e verdades não é novidade nem no Brasil, nem no mundo, mas neste ano isso pode ser decisivo no desdobramento de processos diversos que envolvam leis, justiça, política, mídia e comunicação em geral. Esse Yod Plutão-Mercúrio-Júpiter também pode significar descobertas de novas riquezas minerais, subterrâneas ou subaquáticas, mas com exploração de benefícios duvidosos – e aqui o próprio pré-sal está implicado.

brookeshaden
Brooke Shaden Photography – Reprodução

Mercúrio: companhias duvidosas

Por falar em Mercúrio, ele está mesmo numa posição bem proeminente, mas não necessariamente confortável. É o ponto médio entre Netuno e Quíron em Peixes, ou seja, cabe a ele mediar nossas ilusões e sonhos e as limitações humanas intransponíveis. O pensamento racional está comprometido e embotado, sugerindo novamente possível manipulação midiática e espetaculosa, especialmente nos períodos de retrogradação, que vão de 21 de janeiro a 11 de fevereiro; de 19 de maio a 11 de junho e de 17 de setembro a nove de outubro, sem considerar os períodos de sombra de retrogradação.

banksy-arrocho
Banksy – Reprodução

Júpiter e Saturno – Crescimento Responsável ou escassez de recursos

Neste mapa Júpiter está em trígono a Saturno, que é seu tutelado em Sagitário. A dança destes dois demanda observação cuidadosa porque seu ciclo de aproximadamente 20 anos (a conjunção ocorrendo no mesmo elemento por cerca de um século) está diretamente ligado à expansão ou retração econômica, à idéia de expansão e crescimento responsável, com a abundância ou escassez de recursos e riquezas, com mudanças importantes nas leis e nas questões religiosas e de fé. O ciclo está associado ainda com a morte de políticos proeminentes (5). Mas esse trígono bonito entre eles no mapa de ingresso é meio enganação, porque quando Saturno entrar em retrogradação e voltar a Escorpião eles farão uma quadratura exata, que se dará em três de agosto, período em que Vênus já estará retrógrada, ou seja, grana curta e estagnação econômica à vista!  A quadratura que ocorre então é um fechamento do ciclo iniciado na ultima conjunção entre eles, no ano 2000, no signo de Touro (5). Podemos então esperar recessão e arrocho nas contas públicas, assim como revisão de leis e prestação de contas do gerenciamento das riquezas, isso em nível global, o que implica a gestão dos recursos naturais e os desmandos humanos na exploração do planeta. O cerco está se fechando nesta área!

berlin wall
A queda do muro de Berlin – Reprodução

Saturno e Netuno – A Dissolução da Forma

Repetindo a indicação de um ano de retração econômica e exigindo que apertemos os cintos e revisemos a gestão dos recursos (de novo!) tanto em nível individual quanto coletivo, Saturno está retrógrado em Sagitário na casa dois – com Saturno em Sagitário lê-se que um dos problemas está em se esperar demais da boa sorte ou em cultivar crenças errôneas e visões de mundo errôneas. Pior: Saturno está em quadratura a Netuno na casa cinco, uma quadratura minguante que nos remete à ultima conjunção destes dois planetas, que ficou operante do fim de 1988 até meados de 1990 (5). O que estava ocorrendo nessa época? A dissolução da União Soviética, a queda do Muro de Berlin, o arrefecimento da Guerra Fria, além de outras transformações coletivas e culturais mundo afora. No Brasil este período foi marcado pela Era Collor, a instauração definitiva da democracia e a abertura comercial. Com esta quadratura minguante atual estes temas voltam a ser importantes e não é à toa que há tanta beligerância atualmente entre Estados Unidos e Rússia. Indicação forte de inquietação coletiva. De modo geral a quadratura Saturno-Netuno nos fala que o princípio da construção e preservação da estrutura e da forma está em dissonância com a dissolução das mesmas. Nossos ideais podem ser intangíveis e excessivamente românticos, especialmente porque Saturno, o princípio da restrição, da forma e da realidade está em certa dificuldade, no signo da expansão e retrógrado. Portanto, Netuno tende a levar a melhor nessa briga, até porque hierarquicamente é mais poderoso.

o rei está nu
O rei está nu – Reprodução

Netuno dissolve e mina as formas e estruturas concretas, assim como o mar vai erodindo os rochedos na praia e mudando a paisagem gradativamente. Esse aspecto pode implicar na fragilidade de figuras de autoridade e poder, seja fragilidade física, manifestada em doenças ou vulnerabilidade moral e política. Corrupção e infâmia é outro tema, tanto a ocorrência quanto a divulgação de casos de corrupção e de degradação moral na esfera pública. Como está na casa cinco, demanda cuidado nas especulações, que podem levar a verdadeiras derrocadas financeiras. A figura do Pai fica sob grande escrutínio, e com os signos Sagitário e Peixes implicados, as instituições religiosas devem virar manchetes de jornais por escândalos diversos ou por mudanças de posturas importantes na forma de gerenciar seus valores e doutrinas. Como Netuno está na casa cinco, há possibilidade de mortes importantes no meio artístico, musical, teatral e cinematográfico. Tendências a escapismo e a fugir das responsabilidades são indicados, assim como uma grande carga de culpa por parte de instituições. Casos de envenenamento coletivo são passíveis de acontecer e de virar notícia, assim como a revisão das leis sobre drogas em geral, sejam lícitas ou ilícitas. Pessimismo é outra praga que precisará ser combatida. Saturno-Netuno assinala um ano determinante para o uso responsável dos recursos hídricos do planeta.  Realmente, o ano está pedregoso. Mas e o primeiro trimestre?

Sol em Capricórnio – o primeiro trimestre de 2015

Como o ano só começa quando o Sol ingressa em Áries, olhamos também a ingressão do Sol no signo cardinal anterior, no caso Capricórnio, signo de Terra para falar do primeiro trimestre do ano. Este mapa já indica alguns dos temas proeminentes na Ingressão Ariana. Saturno está no último grau de Escorpião, um grau crítico, um portal, indicando seu movimento de ir e vir entre Escorpião e Sagitário. A Lua vazia em Sagitário realça a importância que este signo terá ao longo do ano, com o trânsito de Saturno. Novamente a casa seis do mapa está super realçada, desta vez com um stelium em Capricórnio, outro signo de decisão e atitude. Júpiter está retrógrado indo pra a casa dois, em quadratura a Saturno na cinco, repetindo o tema da retração e demandando cuidados nas especulações em geral. Saturno na casa cinco reafirma um peso sobre o mundo das artes e espetáculos.

Ingressao Capricórnio
Ingressão do Sol em Capricórnio, 21 de dezembro de 2014, 21h03min, Brasília

Em 20 de janeiro o Nodo Sul da Lua faz conjunção a Urano em Áries, enquanto quadra Plutão em Capricórnio, um aspecto que demanda cuidado pois podemos manifestá-lo em rompantes desvairados por mudança a qualquer custo, destruindo no processo até mesmo aquilo que nos dava sustentação básica. Rebeldes sem causa podem ser extremamente destrutivos!

Eclipses

O eixo nodal se movimenta para trás e fica cerca de 18 meses num par de signos. Desde fevereiro de 2014 os nódulos lunares se deslocam através dos signos de Áries (Nodo Sul) e de Libra (Nodo norte), implicando que a orientação de vida no plano coletivo neste período é trabalhar as relações humanas, tanto em parcerias afetivas como de outros tipos, buscando nos mover do individualismo e egocentrismo de Áries para o equilíbrio e diplomacia de Libra. Em 12 de novembro de 2015 os Nodos deixam o eixo Áries-Libra e ingressam no eixo Virgem-Peixes, implicando que nosso foco agora é a esfera do serviço e da compaixão. O Nodo Norte estará então em Virgem e o Nodo Sul em Peixes, simbolizando que a orientação deve ser favorecer a ordem versus o caos, estar enraizado de forma prática no dia a dia, colocar-se a serviço de forma concreta ao invés de perder-se e isolar-se na contemplação espiritual no templo ou na meditação sem engajamento na vida real. Uma ênfase é colocada na vivência do voluntariado.

Voluntariado_I
Reprodução

As temporadas de eclipses de 2015 já sinalizam esta mudança de orientação. A primeira temporada se dá entre março e abril, com um eclipse Total do Sol ocorrendo no dia 20 de março a 29°27’ de Peixes e um eclipse Lunar, também Total, acontecendo em quatro de abril a 14°24” de Libra. O eclipse Solar traz um mapa parecido com o da Ingressão do Sol, mas sugere os temas Piscianos como transcendência, espiritualidade, altruísmo, compaixão, escapismo. Esse eclipse é particularmente importante para o Brasil, porque ocorre em conjunção com Plutão natal e com a cúspide da casa dois, a casa dos recursos e riquezas, sugerindo que os temas dos recursos hídricos e gerenciamento do patrimônio nacional estarão em grande destaque neste período, em que decisões importantes tendem a ser tomadas. Já o eclipse Lunar enfatiza relacionamentos, com Sol e Lua formando uma T-Square com Plutão de foco, o Sol conjunto a Urano em Áries e a Lua conjunta ao Nodo Norte em Libra. Esse eclipse vem reviver os temas relacionais mais uma vez e estimular, de novo, a quadratura Urano-Plutão! Arianos e Librianos são particularmente afetados.

brookeshadenn
Brooke Shaden Photography – Reprodução

A segunda temporada de eclipses traz um eclipse Parcial do Sol no dia 13 de setembro, a 20°10’ de Virgem, em conjunção com o Mercúrio natal do Brasil, demandando que recorramos ao máximo do nosso senso crítico e capacidade de análise. Há também um eclipse Total da Lua no dia 28 de setembro a 04°40’ de Áries, salientando novamente a questão dos relacionamentos. Virginianos e Piscianos sentem este eclipse mais intensamente do que os outros signos.

Para finalizar, Júpiter, de quem já falamos bastante, move-se de Leão para Virgem no dia 11 de agosto, ficando neste signo até nove de setembro de 2016. Júpiter em Virgem está meio mal das pernas, por assim dizer. Virgem é signo do seu detrimento, porque Júpiter é amplidão, imensidão, grandiloqüência e Virgem é o signo das coisas pequenas e discretas. Com Júpiter em Virgem, como dizia Flaubert, “Deus está nos detalhes”. Júpiter em Virgem vem implicar novamente um uso mais racional e econômico das riquezas e recursos. Este posicionamento é bom para o mundo do trabalho e sua ética e favorece a servidores públicos em geral. A expansão se dá através do micro, então há tendências ao aparecimento de avanços na saúde baseados em nanotecnologia. Na direção oposta, pode haver também epidemias por proliferação de microorganismos, especialmente porque Júpiter estará em oposição a Netuno e a Quíron em Peixes.

Resumindo…

Em suma, tanto o mapa da Ingressão Solar em Áries quanto os demais movimentos planetários mostram que a transformação coletiva continua e agora se dá de forma refinada em áreas específicas da experiência humana na Terra. Depois da mudança, é hora de colocar a casa em ordem.  Saturno em Sagitário e Júpiter em Virgem indicam  pouca expansão, que se dá mesmo de forma tímida. É hora, na verdade, de prestar contas dos períodos de expansão desenfreada e irresponsável que nos trouxe ao ponto em que hoje estamos. Teremos aprendido a lição? Com Saturno em Sagitário cabe a nós buscar a verdade das coisas. Uma revisão grandiosa nas nossas crenças e visão de vida é proposta e dela não podemos fugir.  2015 ainda é um ano bastante intenso e sossego e alívio mesmo, só a partir de 2016! Vai dizer que você não tinha intuído isto?

Que todos nós estejamos à altura destes desafios e que possamos renascer transformados, melhores cidadãos, melhores indivíduos, melhores seres humanos! Precisamos lembrar que nada está pronto e que a vida se constrói no passo a passo, no dia a dia, a cada escolha que fazemos, seja ela simples ou complexa. E ao invés de perguntar o que o ano nos trará, decidamos dar ao ano pessoas melhores a cada dia!

Quinz Buchholz
Photobox – Reprodução

Feliz 2015 pra você!

Um roteiro básico dos principais acontecimentos astrológicos por mes:

Janeiro até meados de junho: Saturno em Sagitário em quadratura a Netuno em Peixes;

Janeiro, 14: quadratura do Nodo Sul a Plutão e no dia 19 conjunção a Urano;

Março, 13: Saturno entra em retrogradação em Sagitário;

Março, 16: sétima e última quadratura plena entre Urano e Plutão;

Março, 20: Eclipse Total do Sol a 29° de Peixes, visível na Europa;

Março, 20: inicio do ano astrológico com a ingressão do Sol em Áries, Equinócio de Outono (Sul) e da Primavera (Norte);

Abril, 4: Eclipse Total da Lua a 14° de Libra;

Abril, 8 Júpiter volta ao movimento direto;

Junho, 15: Saturno retorna a Escorpião;

Junho, 21: Equinócio de Inverno (Sul) e Verão (Norte);

Julho, 24: Vênus entra em movimento retrógrado até 6 de setembro;

Agosto, 4: quadratura exata entre Júpiter e Saturno, que continua até meados de setembro;

Agosto, 11: Júpiter entra em Virgem;

Agosto até o fim de outubro: Júpiter em Virgem em oposição a Netuno em Peixes;

Setembro, 13: Eclipse Parcial do Sol a 20° de Virgem;

Setembro, 18: Saturno re-ingressa em Sagitário;

Setembro, 28: Eclipse Total da Lua a 04° de Áries;

Setembro 2015 e por todo o ano de 2016: Saturno quadratura com Netuno.

Fontes consultadas:

(1) KLUGER, Rivkah Scharf – O significado Arquetípico de Gilgamesh – Ed. Paulu

(2) COSTELLO, Darby – Seminário Vênus e Marte, ministrado no Centro de Astrologia Psicológica de Londres em 2010

(3) SASPORTAS, Howard – A Astrologia e a Psicologia da Agressão – em Greene, Liz e Sasportas, Howard – As Dinâmicas do Inconsciente – Pensamento

(4) SULLIVAN, Erin – Retrograde Planets – Weiser

(5) TOMPKINS, Sue – The AStrologer’s handbook – Flare Publications

(6) FALLON, Astrid – Planetary Cycles – Fallon Astro Graphics

(7) BAIGENT, Michael, CAMPION, Nicholas and HARVEY, Charles – Mundane Astrology