Arquivo da tag: Valor

Lua Nova em Touro – Vibrando prosperidade

Reprodução

Chegamos à época do ano de nos sintonizarmos com a vibração da prosperidade e de focarmos na busca por realizar nossos objetivos materiais – não que isso não possa ser feito em outras épocas, ou até mesmo o ano inteiro, mas a energia de Touro faz com que nos demos conta do mundo material de maneira mais direta, potente, palpável. Sim, aqui estamos lidando com o mundo tangível, no mais tangível que se consegue ser, porque envolve todos os sentidos do corpo: ver, ouvir, cheirar, degustar e, claro, tocar!

Reprodução

O Zodíaco representa uma jornada arquetípica: primeiro temos o bebê, que da luta de vida ou morte representada pelo canal do parto, nasce em Áries, se esgoelando e berrando alto, para se fazer ouvir, para se fazer notar, como dizendo: eu cheguei! Quando esse bebê chega em Touro ele começa a perceber as sensações físicas mais nitidamente: ele descobre que além de matar sua fome, o leite da mamãe é saboroso, que ele gosta do seu cheiro, do toque da sua mão, gosta de ser tocado por ela; gosta do que vê na profundidade do seu olhar enquanto ela o amamenta; descobre o próprio corpo e começa a chupar os dedinhos e tudo o que pega vai para a boca – é a famosa fase oral. Nós nos descobrimos encarnados nesta vida através do corpo, que pode ser fonte de prazer, dor, vergonha, raiva… É no corpo que nos cristalizamos, esse corpo perecível, preenchido pela alma imortal, mas que sem ele, a alma não poderia estar vivendo essa experiência. Aqui estamos na esfera sagrada de Touro: a materialidade, sentida através das sensações.

Pois a Lua Nova desta quarta-feira, ocorreu exatamente em Touro, no grau 06°27’, às 09h16min no horário de Brasília – 13h16min no horário de Lisboa – e vem nos convidar a refletir sobre esses temas, mas não apenas refletir, porque com Touro nada é meramente intelectual, nada é só um conceito abstrato. Não. Refletir de forma ativa, concretizando, vivenciando, colocando a mão na massa – quaisquer que sejam nossos objetivos materiais no momento, de curto ou longo prazo! Lançar intenções com o firme propósito de concretizá-las.

Arcano III do Tarô Mitológico

Touro é o signo de exaltação da Lua, exatamente porque oferece a ela, o conforto, a segurança, a nutrição que ela tanto busca, seja essa nutrição e conforto físicos ou emocionais. A Lua aqui é a própria Imperatriz, Arcano 3 do Tarô: fértil, poderosa, empoderada. Ela tem e manifesta o poder da Mãe Terra, na sua mais extensa fecundidade. A Imperatriz, além de nos lembrar da fecundidade da Terra e da sua abundância, também nos lembra do prazer, da sensualidade e do mundo sensorial, da sexualidade que integra belamente as diferentes motivações do sexo, como poder de criação e como fonte de prazer. É uma mulher forte, poderosa, no seu próprio direito, ciente desse poder, de si mesma, de sua feminilidade e fecundidade. E seus dons estão disponíveis – mas, e nós, estamos abertos a recebê-los? A prosperidade é dada, mas nem sempre nos sentimentos merecedores, nem sempre nos sintonizamos com ela, por motivos vários: culpas, crenças, heranças e maldições familiares, ideologias… Assim, abundante é a vida, mas como usufruímos dessa abundância? A Lua Nova de Touro nos faz pensar sobre isso: no conforto e na abundância que merecemos e que construímos para nossa vida – ou que invejamos na vida dos outros! Abaixo analisamos as configurações ativas na Lua Nova, mas já adianto que Vênus está em quadratura a Saturno e conjunção a Quíron, simbolizando que a autoestima está um tanto combalida e que talvez tenhamos dificuldade em nos sentir merecedores das benesses do Universo, ou que teremos que nos esforçar mais para conquistar tais benesses.

No mapa desta lunação, Lua e sol estão isolados, evidenciando mais os temas de Touro. Temos para o ciclo que começa uma energia forte de obstinação, de pragmatismo, de bom senso, que vez por outra pode virar teimosia: focamos tanto no que queremos e buscamos, que vemos em túnel, alheios a tudo o mais que possa nos distrair. Se por um lado isso é ótimo porque favorece a determinação, por outro, leva a extremismos, teimosia, unilateralismos, em que nos recusamos a levar em conta outras opiniões e visões, mesmo quando nosso equivoco é evidente. Nesses casos, nos recusamos a dar o braço a torcer e a sensatez dá lugar ao capricho infantil e ao endurecimento da mente e do coração. Contudo, há muitos planetas em signos mutáveis, e isso talvez se equilibre razoavelmente. Os elementos também estão relativamente balanceados. Mas, uma vez que Lua e Sol não fazem aspectos a outros astros, precisamos olhar com atenção dobrada para Vênus, regente da Lua Nova. E Vênus, já sabemos, apesar de exaltada em Peixes, está se recuperando da sua recente retrogradação e dos aspectos a Saturno e a Quíron, também frescos na memória. Vênus está no último grau, do último signo do zodíaco, fora de curso, prestes a pular para Áries, mas ainda se demorando na incorporeidade de Peixes. Essa posição de Vênus sugere que a determinação, por mais obstinada que seja, possivelmente oscile, vem e vai, ora estamos totalmente empenhados, até de forma cega e ora não temos mais certeza do que realmente queremos, então, em lugar de suaves, ficamos “frouxos”, relapsos e inseguros.

Reprodução

O último grau de Peixes também nos diz que essa é uma Vênus desapegada, que está mais focada nas coisas “do outro mundo” e a materialidade talvez não lhe interesse tanto. Esse posicionamento de Vênus vem nos dizer que embora seja adequado focar nos projetos de estabilidade e segurança material, precisamos ter clareza de que eles não são um fim em si mesmo, de que não podemos nos definir a partir das aquisições e conquistas materiais – elas são consequências do trabalho interior que viemos empreendendo, mas não servem para nos definir. O conforto, o prazer, o dinheiro, a riqueza, tudo isso são meios que nos propiciam conforto e a possibilidade de focar na evolução espiritual de forma mais tranquila – é bem complicado você pensar em evolução espiritual de barriga vazia, morrendo de frio ou de sede, sem necessidades básicas atendidas ou com a vida ameaçada – aqui a questão premente é a sobrevivência e com isso não se discute. Quando já temos resolvidas essas questões básicas, podemos olhar para mais longe, para além. Portanto, Touro precisa lembrar de não se identificar com aquilo que possui, ou como diz a frase: “não há problema em possuir coisas, o problema é deixar que as coisas possuam você” (desconheço o autor). Vênus vem nos lembrar, mais do que nunca, que por mais empenhados que estejamos na realização material, isso não é o fim, o objetivo final e se assim o for, ou não conseguiremos realizar tais objetivos, ou, ainda que os realizemos, eles não nos trarão a satisfação e o gozo almejados. Positivamente, a Vênus Pisciana indica que a rusticidade simples de Touro é refinada muitas vezes pela doçura, suavidade e gentileza de Peixes. E ainda, algo está se modificando, algo está se transmutando e não sabemos como a próxima etapa se dará!

Reprodução

Júpiter está destacado, porque carrega o mapa como cabeça da locomotiva, a despeito de estar retrógrado, podemos ter otimismo, desde que não seja exagerado, que seja razoável e bem fundamentado, como requer Libra. Outra coisa importante é que Netuno está no Ponto Médio entre a Lua Nova e Plutão que, segundo Ebertin traz “hipersensibilidade, talentos psicométricos, sentimentalidade, depressão, falta de vontade”. O Sol e a Lua também estão no Ponto Médio entre Quíron e o Ascendente, o que traz uma consciência aguda do nosso lado manco, um desejo de perfeição malogrado, um sofrimento pelas limitações físicas e até a possibilidade de doença. Então, esses pontos médios aumentam a sensibilidade e a ênfase a Peixes e a Quíron e requerem coragem e serenidade para aceitarmos as imperfeições da corporeidade. Especialmente porque nesta semana, exatamente no domingo, Saturno faz sua segunda quadratura exata a Quíron, tornando mais potente essa consciência de nossas imperfeições – o fato de esse aspecto ficar exato durante o ciclo de Touro pode nos ajuda a ser práticos a respeito de tudo isso; touro é sensato e lida com as coisas de forma simples: elas são o que são, e pronto! E há certo momentos que isso ajuda, e muito!

Reprodução

Eu não costumo, salvo algumas exceções, trazer presente as questões políticas, primeiro porque não domino Mundial, segundo porque eu já faço textão, se for para falar de Mundial/política/sociedade, teria que fazer um texto à parte. Mas me chamou a atenção, considerando-se o momento político/social que estamos vivendo, o fato de esse mapa ter no Ascendente o signo de Gêmeos, o signo da conjunção Lua-Júpiter do Brasil, e o Asc cair em conjunção ampla a esses dois astros natais do Brasil. Outra coisa, Gêmeos é o signo do Fundo do céu no mapa do Brasil e isso vem ativar questões antigas, relativas ao nacionalismo e coisas do passado, ao senso de pertencimento a pátria. Marte também está isolado na casa 12 deste mapa, faz apenas uma sesqui-quadratura a Plutão na casa 8 e isso inspira cuidados, porque Marte na 12 geralmente fala da agressividade inconsciente, dos movimentos subversivos que crescem ocultamente e explodem violentamente – o aspecto a Plutão na 8 não ajuda muito. Mas Marte também ativa a conjunção Lua-Júpiter – precisamos cuidar para tudo não acabar em pizza de novo ou num ridículo festival de memes! Talvez isso não aconteça porque a Lua Nova cai em conjunção ao Saturno natal, na casa 3, e em oposição ao Marte natal em Escorpião na 9 – então, talvez tire esse Saturno do mutismo, vem acionar a frustração inerente à oposição Marte-Saturno, que depois de acordada, pode virar trampolim, mola de impulso para questionamentos das nossas convicções, crenças e leis. O eixo 3 – 9 tem a ver com conhecimento, comunicações e também com a formulação das leis – e olha só o que está acontecendo atualmente, as leis que estão tramitando e sendo votadas… E a Lua Nova ainda forma um Grande Trígono com Urano-Netuno em Capricórnio e com o Sol em Virgem – talvez consigamos superar nossa preguiça, nossa acomodação e tentar fazer algo efetivo para impedir que essas leis espúrias passem e sejam aprovadas – afinal de contas, masi do que nunca estão mexendo no nosso bolso, no nosso senso de valore e valores e isso é intolerável para Touro.  É interessante notar que temos nesse cenário, os indígenas também se mobilizando pela demarcação de suas terras – que coisa mais Taurina, não? A posse da terra, que lhes foi roubada desde que aqui o branco pisou! De qualquer maneira, a posição de Vênus, dispositora da Lua Nova, nos diz que muitas coisas estão prestes a mudar, radicalmente, como radical é a diferença entre Peixes e Áries. E Touro, sendo muito focado na estabilidade e na segurança, pode não gostar dessa incerteza, o que nos sugere um ciclo em que lidamos sim, com muitas incertezas e instabilidades

Reprodução

Concluindo, A Lua Nova de Touro indica o período do ano de lidarmos de forma mais direta com o mundo material, com nossos objetivos e metas financeiras e de nos afinarmos com a vibração da prosperidade e da fertilidade da vida! É um tempo propício para lançar novas sementes – inclusive literalmente – e intenções de construir algo concreto, algo que venha a repercutir positivamente no nosso senso de valor, de autoestima e que também nos coloque em contato mais profundo com o nosso corpo, com o conforto e o prazer que a vida pode proporcionar! E você, já sabe que sementes vai plantar? Que obra vai construir? Quais metas quer conquistar?

Um ótimo ciclo para você! Que seja produtivo e realmente próspero!

Reprodução

Lua Cheia em Touro – Fecunda e abundante é a vida

MaureenMaceArt - Reprodução
MaureenMaceArt – Reprodução

A Lua é Cheia em Touro nesta segunda, dia 14, às 11h52min no horário de Brasília (Horário Brasileiro de Verão) e às 13h52min no horário de Lisboa. Uma Super Lua, que, de acordo com a Astronomia, é a maior super lua em cem anos! A Lunação ocorre no grau 23 de Touro (22°37’) em oposição ao Sol a 23 de Escorpião. A Lua Cheia representa a culminação do ciclo, o momento em que aquilo que foi semeado na Lua Nova chega à frutificação, o momento da colheita. A qualidade dessa colheita, se ela é boa ou má, depende da semeadura, do esforço e investimento que foi feito ao longo de todo o processo. A Lua Cheia simboliza, portanto, um momento de crise, o começo do fim. O ponto em que decidimos o que fazer com o que colhemos. É um momento em que os instintos e as emoções estão exacerbados e a consciência solar fica em segundo plano. Entretanto, coisas são clarificadas e vêm à tona, para que possamos lidar com elas de forma direta e decisiva.

tumblr_lijb3ld75i1qguhg1o1_1280Este ciclo começou com a Lua Nova de Escorpião, no dia 30 de outubro, uma lunação bastante catártica, de destruição, eliminações e recomeços, de deixar ir, de deixar morrer para renascer das cinzas. Agora em Touro a Lua vem chamar a atenção para a necessidade de equilíbrio entre a destruição e eliminação daquilo que estava morto, viciado, tóxico e a consequente reconstrução do si mesmo, de buscar solidez interior, de preencher o vazio deixado pelas eliminações com algo que seja mais substancial, mais sustentável e saudável, física, orgânica, emocional, espiritual e psiquicamente. É um momento de realização física e material. De preenchimento. De se estabilizar aquilo que estava instável, principalmente a partir do bom senso e da simplicidade. DEpois de todos os tumultos e da intensidade de Escorpião, agora equilibramos com sossego e tranquilidade, ficando os pés bem firmemente na terra.

Desconheço o autor - Reprodução
Desconheço o autor – Reprodução

É um voltar à Mãe Terra em busca de seu suporte e sustentação, de sua nutrição, de seu aconchego e acolhimento. Voltar à simplicidade, ao básico, àquilo que nos ancora e nos faz sentir seguros em nós mesmos. Voltar à natureza. O que é que sobra depois da eliminação? Com o que somos deixados? O que frutifica dessa nova semeadura, desse renascimento? É, pois, momento de avaliar o que nos restou, depois das purgações procedidas por Escorpião, com muito pragmatismo e realismo, e celebrar a prima matéria, essa matéria essencial, a pedra fundamental e, a partir dela, erigir um novo edifício, mais sólido e firme. Depois de nos livrarmos do lixo, do que estava morto, damos lugar para que a vida volte a florescer e frutificar novamente, para que sua abundância se manifeste em todo o seu fulgor e fecundidade e para que possamos, então, nos reconstruir, reconstruir a autoestima e o senso de valor próprio, em contraponto ao valor que damos ao outro, aos valores que compartilhamos com o outro. É hora de buscar estabilidade, segurança, solidez!

Lua Cheia em touro 2016 - Brasília, 14 de novembro de 2016, 11h52min
Lua Cheia em touro 2016 – Brasília, 14 de novembro de 2016, 11h52min

O mapa da Lua Cheia levantado para Brasília traz a Lua fazendo dois únicos aspectos maiores: além da oposição ao Sol, faz sextil a Quíron. O Sol, por sua vez, está em trígono a Quíron e quincunce a Urano. Lua, Sol e Quíron estão interconectados, de maneira bem próxima, sugerindo que temos oportunidade de integrar nossas feridas, nossas fragilidades, aceitando-as e crescendo no processo. Essa é, portanto, uma Lua Cheia de cura, que vem liberar o bálsamo cicatrizante que aplaca a dor de feridas antigas ou recentes; que preenche o vazio deixado pelas eliminações necessárias; que traz o potencial de transformar a dor em empatia, a dureza implacável em sensibilidade.

Klaus Mitteldorf - Vaca Profana - Reprodução
Klaus Mitteldorf – Vaca Profana – Reprodução

Touro também nos convida a celebrar o corpo e suas sensações e o mundo sensorial porque, é a partir do corpo e é no corpo que nos percebemos encarnados; o corpo é a vivência básica da experiência humana e a relação com ele é um simbolismo da nossa relação com o mundo material em geral, através do que vemos, ouvimos, tocamos, cheiramos, degustamos e absorvemos em nós.

Reprodução
Reprodução

Lembrando que o zodíaco conta uma jornada humana arquetípica, a criança nasce em Áries, pela cabeça e, ao chegar em Touro, essa criança descobre que também tem um corpo, que tem necessidades fisiológicas: comer, beber, dormir, evacuar – aqui, Touro representa a absorção do alimento e Escorpião a eliminação dos detritos; descobre que tem mãos para tocar, ouvidos para ouvir e olhos para ver… Esta é a fase da oralidade e a criança comumente põe tudo na boca, para absorver melhor o mundo. É um mundo de prazer sensorial, antes da culpa, antes de descobrirmos a vergonha e a culpa católicas que tentam controlar a relação com o corpo que é nosso. O corpo como templo sagrado do espírito e da alma imortais. Então, vale nos perguntar: o que é o corpo para nós? É fonte de alegria e prazer ou de dor e vergonha? Dessa relação também depende muito da nossa autoestima. Como é que cuidamos desse corpo? Ele é leve de preencher e nos faz sentir confortáveis na nossa própria pele ou é um fardo pesado de carregar?

Rainha de Ouros - Tarô Mitológico - Reprodução
Rainha de Ouros – Tarô Mitológico – Reprodução

Vênus, a regente e dispositora da Lua Cheia, acabou de entrar em Capricórnio, o último signo de Terra, outro signo que tem a ver com o mundo e o poder material, com praticidade e realismo. É uma Vênus austera, cheia de classe e com olhar clínico para as coisas de valor e que mais uma vez enfatiza a necessidade da praticidade e realismo.de segurança e estabilidade. Entretanto, algo chama a atenção: Vênus não faz aspectos maiores com outros planetas, está bastante isolada e solitária. Talvez isso indique o isolamento necessário para digerir todos os processos no recôndito da nossa alma, mas também pode indicar uma dificuldade de nos conectar realmente, de demonstrar nosso afeto de forma genuína e espontânea. Nesta posição, Vênus parece antecipar as dificuldades relacionais que atravessaremos novamente a partir da semana que vem, quando ela se juntar a Plutão e fizer quadratura a Urano… O isolamento Venusiano sugere maior esforço para nos conectarmos ao nosso senso de valor e de derivarmos segurança interior e confiança disso.

Reprodução - Desconheço o autor
Reprodução – Desconheço o autor

Retomando a ênfase que Quíron tem neste mapa, lembramos que ele próprio, sendo um centauro, traz uma ferida no seu corpo animal, no seu lado mais instintivo, na perna ou coxa, aquela parte que nos conecta à Mãe Terra e à realidade terrena e que nos lembra da ferida que cada um tem com a própria percepção da realidade como ela é; a dificuldade de aceitação dos limites dessa realidade, simbolizados pelos limites do corpo físico, com sua falibilidade, suas doenças, necessidades, finitude e mortalidade. Este mapa sugere a possibilidade de integrarmos mais um pouquinho desses limites da condição humana; de aceitarmos esse nosso lado ctônico, instintivo com mais naturalidade, de voltarmos à nossa verdadeira natureza, a natureza essencial.

e05295a39754a374a8f817399c17f5abE também convida a tratar corretamente os instintos, a natureza instintiva, dar-lhe seu lugar de direito porque, quando fazemos isso, quando respeitamos nossa natureza instintiva, não precisamos ficar possuídos por ela, não precisamos ser presas das pulsões instintivas, que é um dos grandes dilemas de Touro, porque então, ela estará integrada, respeitada, honrada adequadamente. E essa natureza instintiva, representada pelo corpo e seus desejos e apetites, não precisará ser motivo de vergonha, culpa, dor, autoflagelação, não-aceitação de si mesmo… Pelo contrário, Nossa autoestima se torna mais robusta, mas palpável, mais concreta, como concreto é o corpo no mundo material.

Reprodução
Reprodução

O Símbolo Sabiano para o grau 23 de Touro vem falar exatamente desse senso de valor, trazendo a imagem de “uma joalheria cheia de pedras preciosas”. Dane Rudhyar nos diz que este símbolo pertence ao primeiro hemiciclo, que trata do processo de individualização, ao primeiro ato, o da diferenciação. Ao analisar este símbolo ele diz que seu tom principal trata da confirmação social da excelência natural – o natural aqui sendo uma referência ao que é instintivo e espontâneo e o social, à cultura. Ele lembra que dois processos precisam ser distinguidos: primeiro, o surgimento das pedras, a partir do calor e pressão vulcânicos extremos; e o processo de lapidação efetuado pelo joalheiro refinado. As duas coisas, tanto as pedras em si mesmas como a arte da joalheira trazem valor e prestígio ao seu dono. “O símbolo aplica-se a qualquer produto em que a habilidade culturalmente adquirida tenha embelezado ou transformado o resultado final de um processo natural longo e exigente. Nesta fase estamos preocupados com o processo social que produz uma CERTIFICAÇÃO DE VALOR PESSOAL”, diz Rudhyar.

Reprodução
Reprodução

Assim, este símbolo vem trazer presente a ideia de valor, de autoestima, de amor próprio, tanto pelas qualidades intrínsecas e naturais que trazemos em nós, quanto por aquelas qualidades, habilidades e competências que fomos desenvolvendo ao longo da vida e que nos tornaram o que somos hoje, que nos distinguem de todas as outras pessoas – que nos tornam “empregáveis” no campo profissional e dignos de amor na afetividade, pelo simples fato de existirmos e sermos como somos, mas também de termos lapidado o diamante bruto que somos nós, melhorando-nos a cada dia. O símbolo fala de nossas qualidades serem reconhecidas socialmente e, portanto, valoradas, confirmando e retroalimentando o senso do valor pessoal – a integração do natural com o cultural. A Lua Cheia ocorrendo neste grau, nos lembra, então, de prestar atenção ao nosso valor, de revitalizar nossa autoestima, de recuperar nosso ânimo e amor próprio, se nós o perdemos lá atrás, ou mesmo de fortalecê-lo, caso ande meio enfraquecido. Este símbolo também remete ao posicionamento atual de Vênus, regente da Lua Cheia, já mencionada, trafegando Capricórnio, o signo da Terra cristalizada e, exatamente por isso, um signo que tem a ver com pedras preciosas e com o senso de valor conquistado a duras penas, forjado no aprendizado e no discipulado, um senso de valor que tem estofo, porque foi posto à prova muitas e muitas vezes, submetido à pressão e calor da lava vulcânica, assim como as pedras preciosas de que já falamos.

Reprodução
Reprodução

Portanto, essa Lua Cheia é de celebração, de agradecimento à vida por termos sobrevivido a toda a demolição e renascido depois das eliminações, mais fortes e robustos. Uma Lua Cheia para celebrarmos a volta à simplicidade das coisas, para sermos práticos e realistas e usarmos de bom senso – principalmente, ficar do nosso próprio lado e nos abastecer de nova autoestima – chega de reclamações e mimimi! É uma Lua para celebrar as coisas boas e simples da vida: uma boa comida, um bom perfume, uma massagem, uma música agradável… Para fazer uma festa sensorial aos sentidos! Celebrar e honrar o corpo no que ele tem de mais natural e mais sagrado, aceitando-o exatamente como é, com todas as suas imperfeições, dando-lhe o seu devido valor. E, é claro que, sendo em Touro, essa Lua é de abundância e fertilidade e favorece os ganhos materiais, como resultado desse senso de valor pessoal que construímos e solidificamos em nós mesmos – é uma Lua ótima para se fazer rituais de prosperidade e para ganhar dinheiro, para focar na segurança e na estabilidade material! É excelente para entrar em conexão com o próprio corpo e com a Mãe Terra, esse corpo maior, esse organismo vivo que nos dá vida e nos sustenta! Fecunda e abundante é a vida – tomemos posse dessa abundância!

Alexander Saidov - Reprodução
Alexander Saidov – Reprodução
Catrin Welz-Stein - Reprodução
Catrin Welz-Stein – Reprodução

Nota: Pessoas que têm planetas entre os graus 17 e 28 dos signos fixos (Touro, Leão, Escorpião e Aquário) são mais afetadas por essa Lua Cheia. O fato de ser uma Super Lua aumenta e intensifica os temas da lunação.

MaureenMaceArt - Reprodução
MaureenMaceArt – Reprodução