Arquivo da tag: Vênus em Áries

A Semana Astrológica – Coração Sangrando

Reprodução

Semana de 03 a 09 de abril

Semana de crescer e investir no que foi semeado na Lua Nova, nos projetos do ciclo e do ano – essa plantação não vai crescer sozinha, sem cuidados! Mas começa também um período de revisões importantes.

Esta é outra semana que começa “fervente”, mas que vai ficando melindrosa e delicada conforme os dias vão se desdobrando. A fervura se dá devido aos contatos feitos pelo Sol Ariano, primeiro na oposição a Júpiter, depois quadratura a Plutão e ainda fecha a semana conjunto a Urano, conjunção exata na semana que vem, já a suscetibilidade vem da quadratura que Vênus retrógrada fará a Saturno e da conjunção a Quíron.

Reprodução

O Sol faz esses aspectos tensos a esses planetas quatro vezes ao ano, de ângulos diferentes. Às vezes se alia a Urano, como agora, em janeiro se aliou a Plutão, em outubro se uniu a Júpiter… tudo isso simbolizando a necessidade constante de nos reinventarmos, de mantermos em cheque nossa insatisfação com nossa vida em geral, mas principalmente conosco mesmos. Também questiona a quantas anda nossa integridade e nosso comprometimento com a verdade. Se não estamos cientes dessas questões, experimentamos tais movimentos/aspectos como tensões provenientes do mundo exterior, que desestruturam e desestabilizam nossas vidas arrumadinhas. Mundanamente, representa as ebulições sociais e coletivas, que repercutem na vida de cada um, individualmente. Portanto, esta é uma semana que traz algumas convulsões e ebulições, individuais e sociais. Como se não bastasse, Marte, regente do Sol, também faz contatos com dois desses planetas: faz quincúncio a Júpiter indicando uma oscilação no nosso entusiasmo, no otimismo e a tendência de nos alternarmos entre um ceticismo inflexível e arroubos pouco práticos. O que nos cabe é achar o caminho do meio e tentar conciliar esses dois extremos: temperar nossa ação e afirmação com uma motivação que nos eleve e que equilibre toda essa busca pela estabilidade. Nem só de bom senso é feita a ação correta. Excesso de bom senso mata a criatividade. Já o aspecto a Plutão sugere um aumento de força, determinação e adiciona longevidade à nossa energia, de modo que o esforço fica mais concentrado e efetivo. O que precisamos mesmo é dosar e equilibrar entusiasmo com bom senso.

Reprodução

O bom senso, aliás, entra em revisão, junto com o que entendemos por estabilidade e segurança. Mercúrio estaciona no sábado para entrar em retrogradação no domingo, a 04°50’ de Touro e só volta ao movimento direto no dia três de maio. Se, com Mercúrio retrógrado, as coisas tendem a ficar mais lentas, sendo essa retrogradação em Touro, tudo paralisa e estaciona… tudo se delibera e pode haver maior hesitação na tomada de decisões. Pode haver também tendência a extremos: rasgos de extrema inflexibilidade alternados com momentos de caos completo – a resistência à mudança fica acentuada, mas pode piorar tudo – o ideal é soltarmos, porque afinal, não controlamos nada mesmo, por mais que queiramos acreditar que sim. Ao ficar retrógrado em Touro Mercúrio propõe uma revisão na forma como pensamos a estabilidade e a segurança material; como nossos conceitos acerca de habilidades, talentos, afetam nosso senso de valor; sugere uma reavaliação na forma como a mente se relaciona com o corpo e todos os seus sentidos. É hora também de revisar aquelas ideias rígidas, inflexíveis sobre como o mundo deve funcionar ou sobre o que é ou não verdade, sobre o que é ou não real… Ver para crer? Convenhamos, é uma forma limitada de pensar a vida, afinal, você não vê seus próprios pensamentos e eles existem, certo? Mercúrio retrogradará até Áries e aqui a conversa é outra: rever e revisar a forma egocêntrica de nos comunicarmos, a grosseria disfarçada de honestidade e atitude, os planejamentos relapsos – ou mesmo falta completa de planejamento – mascarados de agilidade ou criatividade. Em termos práticos, quando Mercúrio está retrógrado há tendência a mudanças de planos sem aviso prévio, a atrasos e imprevistos nas locomoções e sugere-se evitar assinaturas de contratos e acordos, compra/venda de valor expressivo, cirurgias. Por outro lado, é um ótimo período para se revisar escritos, estudos, projetos, planejamentos, e tudo que o que se tenha executado/realizado nos últimos três meses.

Retrogradação – quero incluir uma nota geral sobre o movimento retrógrado. A despeito das previsões tenebrosas acerca da retrogradação, este período representa uma pausa necessária para todos, planetas, pessoas e assuntos envolvidos. Imagine, por exemplo, que você está escrevendo um artigo ou uma tese/monografia ou mesmo um simples e-mail. Antes de dar a tarefa por terminada e enviar/entregar ao destino final, você vai parar e fazer uma revisão das ideias apresentadas no documento, da ortografia, das regras ABNT, e às vezes, até da necessidade em si de estar fazendo tal coisa, certo? Ninguém é maluco de enviar sem fazer essa revisão – ou se é, já deve ter se metido em várias enrascadas como consequência. Outro exemplo simples: todos nós precisamos de férias periódicas e anualmente tiramos um tempo – ou pelo menos deveríamos – para descansar mais efetivamente, para relaxar e mudar de ares. Entramos em standby. Outro exemplo tão simples quanto: o carro, veículos e máquinas em geral precisam de revisões periódicas para fazer regulagens, trocas de peças, ajustes, etc. Então, podemos ver a retrogradação dessa forma: um período em que os assuntos regidos por aquele planeta entram em standby porque precisam ser revisados, checados, reavaliados, regulados. Portanto, não vamos ver a retrogradação como uma catástrofe ou um desastre terrível do qual não podemos fugir. Não. Podemos até experimentar dificuldades, quando insistimos em manter tudo como estava, como se tudo seguisse o curso normal, quando na verdade, estamos em marcha à ré, mas se formos flexíveis e estivermos abertos ao que a vida nos traz, podemos nos deparar com boas oportunidades e entender melhor como nós mesmos funcionamos. Portanto, retrogradação é oportunidade e não desastre. Vamos nos alinhar com a energia e fazer o que a retrogradação daquele planeta propõe. Certo?

The Heartache – Christian Schloe – Reprodução

Vênus continua retrógrada ainda por duas semanas e regressou a Peixes neste domingo, dia dois, de onde fará quadratura a Saturno e conjunção a Quíron – a conjunção a Quíron não ficará exata, mas ainda assim será potente, visto que Vênus estaciona nessa conjunção, de menos de um grau, no dia 14. Portanto, pelas próximas quatro semanas as relações ficam na berlinda triplamente: pelo fato de Vênus continuar retrógrada – e mesmo depois do dia 15 ainda estará na zona de retrogradação – pela quadratura a Saturno e pela conjunção a Quíron, o que significa um mês bem doído em que rancores e rejeições do passado podem voltar para nos assombrar e podem mesmo atrapalhar relações atuais, caso não saibamos separar as “estações” e as feridas e cicatrizes. Vênus-Saturno traz à tona questões de confiança ou quebra de, incertezas e dúvidas sobre se podemos nos abrir e nos entregar realmente nas relações, se seremos desapontados ou rejeitados – e aqui precisamos reconhecer quando nossas expectativas são altas demais. Como diz Adriana Vasconcelos, “felicidade é quando a gente sente que pode se ‘desarmar’ e confiar nas pessoas sem medo de ser ferida” – essa felicidade, nesse momento, parece fora do nosso alcance, porque simplesmente não conseguimos nos desarmar. Positivamente, podemos ter vislumbres das repetições de padrões na vida afetiva e podemos, para variar, nos responsabilizar pelos altos e baixos e estragos que acontecem conosco, ao invés de simplesmente reclamar de “dedo-podre” atribuindo à/ao fulana/o a culpa por dores, coração partido, rejeições, mágoas e o que quer que seja que nos impede de ser/estar felizes conosco mesmos e com nossos pares. Bancar a vítima é muito démodé e não nos levará a nenhum progresso. É mais salubre olhar para si mesmo e para as próprias inseguranças e se perguntar por quê continuamos a nos envolver com o mesmo tipo de pessoa, travestida em corpos/cores/roupagens diferentes. O que há em comum nessa repetição do padrão? O que é que sempre se repete: nossa presença no enredo, o que significa que o problema somos nós, até porque, como já sabemos só conseguimos mudar a nós e não ao outro. Por que insistimos em nos enganchar nos desvalidos da vida? Por que essa vocação para “salvar” alguém, ainda mais quem não quer e não pediu para ser salvo? Por que nos colocamos na situação exata que temíamos, ou seja, de rejeição e abandono? Porque talvez tenhamos aprendido, lá na infância um modelo deturpado de amor, mas esse modelo pode ser desconstruído e em seu lugar podemos elaborar um modelo mais saudável de amor, mas antes é preciso sermos honestos quanto à nossa responsabilidade em tudo isso e não bancar os coitadinhos ingênuos.

John Holcroft – Reprodução

Essa quadratura que Saturno recebe de Vênus é ainda mais melindrosa porque ambos os planetas estarão retrógrados, visto que Saturno também entra em retrogradação nesta semana, na quinta-feira, o que sugere que a revisão dos assuntos implicados é ainda mais necessária. Também é importante o fato de que tal quadratura ficará ativa por praticamente todo o mês de abril, porque Vênus vai estacionar em conjunção a Quíron e em quadratura a Saturno e depois empreenderá o longo caminho de volta, fazendo o mesmo aspecto três vezes – ou seja, o mês de abril está deveras melindroso para os relacionamentos e também para a autoestima e para os investimentos financeiros. Mas é um bom momento para desmanchar, desfazer padrões, romper com modelos antigos de viver as relações, mesmo os mais destrutivos – porque não conseguimos superar nossas carências, os padrões aprendidos na infância ou juventude, a tendência a equalizar relacionamento com sofrimento. O período pode ser bastante doloroso, mas também rico em insights, entendimento sobre nossos processos íntimos, sobre como construímos nossa autoestima – ou falta de – e o impacto que isso tem nas nossas parcerias. Sendo Vênus um planeta feminino, este movimento sugere repensar como o feminino se define e é definido na nossa sociedade e sugere a fragilidade desse feminino, a dureza com que ele se depara no mundo.

Catrin Welz-Stein – Reprodução

A Lua inaugura a semana entrando na fase do Quarto Crescente, já na segunda-feira, empoderada em Câncer. Assume brilho fulgurante em Leão e entra na fase Corcunda em Virgem, na sexta-feira. Fecha a semana já em Libra, acentuando a parada de Mercúrio ao fazer aspecto a ele no domingo. Na sua caminhada celeste ela faz vários aspectos, harmoniosos ou tensos a todos os demais corpos celestes, simbolizando as alterações diárias dos humores, das emoções, dos interesses no mundo. A Lua será Cheia na terça-feira, dia 11, às 03h07min, a 21°32’ de Libra, em conjunção a Júpiter, oposição ao Sol, Urano e Eris e quadratura a Plutão – uma Lua Cheia realmente crítica e explosiva!

Reprodução

SEGUNDA-FEIRA, 03 de abril

A Lua está em Câncer e faz trígono a Netuno em Peixes e mais tarde faz quadratura ao Sol Ariano, entrando na fase do Quarto Crescente. A Lua ainda faz quadratura a Júpiter e se opõe a Plutão (aspecto exato amanhã) e, devido à quadratura ao Sol, forma uma Grande Cruz Cardinal. A única ajuda vem do sextil a Marte em Touro. A segunda-feira começa com a corda toda, trazendo oportunidades disfarçadas de desafios e obstáculos. Queremos cuidar e nutrir nossos projetos, mas receamos fazê-lo de forma direta, porque não queremos despertar curiosidade ou mesmo competição quanto àquilo que estamos planejando e construindo. Mas, a despeito de nossa independência e autonomia, diretividade e honestidade, precisamos também agregar sensibilidade e colocar nossos sentimentos a serviço de tais projetos. Mesmo com toda a nossa coragem e vigor, ainda precisamos nos lembrar de nossas origens, precisamos levar em conta tudo o que nos nutriu até aqui, sejam pessoas ou recursos – sim, precisamos honrar nossos sentimentos e nosso passado, se for para ver nossos projetos prosperarem e frutificaram lá na frente e lembrar de agradecer, sempre. Assim, o dia ganha um tom apaixonado e arrebatado, que nos impele de forma entusiasmada ao trabalho, a fazer os ajustes necessários no que quer que estejamos envolvidos e que requeira regulagem. Como uma máquina impulsionada a todo vapor, ganhamos ímpeto e ânimo, porque já conseguimos vislumbrar os resultados que queremos alcançar. Sabemos que para conseguir tais resultados, teremos que nos empenhar muito agora, mas não nos fazemos de rogados e nos atiramos ás tarefas com gosto e paixão – o único problema é que talvez toda essa paixão e vigor batam de frente com a paixão do outro, que parece estar estar indo na direção contrária, o que pode significar atritos e faíscas. À noite esse clima fica mais fumegante e talvez precisemos lidar com conflitos também dentro de casa, com familiares ou pessoas próximas, que nos cobram uma atenção que talvez tenhamos suprimido porque estávamos ocupados com outras coisas com nossos objetivos individuais. Em lugar de dar desculpas fáceis ou sair pela tangente, é melhor encarar o conflito de vez e ser honestos sobre as próprias prioridades e tudo o que está em jogo. Recorrer a chantagens e à clássica “faço isso por vocês” pode ser um escape fácil, mas traiçoeiro, porque talvez não seja completamente honesto e assim, é possível que nos “entreguemos” num momento de descuido, o que fará o outro se sentir traído e manipulado. Visto que os dias estão melindrosos e as sensibilidades afloradas, o ideal é acalmarmos as emoções tempestuosas e tentarmos chegar a um consenso, ao invés de simplesmente revidar de forma rasteira. Colocar-se no lugar do outro ajuda a sair da nossa perspectiva afunilada, a enxergar o conflito de outro ângulo, facilitando uma conciliação. O ideal é ter clareza da diferença entre o que queremos e o que precisamos – isso faz toda a diferença!

Reprodução – Desconheço o autor

TERÇA-FEIRA, 04 de abril – Marte está em quincúncio exato a Júpiter na virada para quarta-feira. De Câncer a Lua completa a oposição a Plutão em Capricórnio, quadratura a Urano em Áries, trígono a Quíron, quincúncio a Saturno e trígono também a Vênus retrógrada, aspecto depois do qual fica fora de curso, às 17h47min. Ingressa em Leão às 19h14min e fecha a noite em quadratura Mercúrio em Touro. A madrugada está tempestuosa e finda numa manhã tensa e elétrica, em que acordamos cheios de gás, mas também irritadiços, dando choques a torto e a direito, de modo que o dia fica carregado de instabilidade, nervosismo e oscilações de humor, inconstância na liberação da energia e flutuação no entusiasmo. Sentimos uma grande pressão, interna e externa, para “dar conta” de todas as tarefas e, embora tenhamos nosso próprio investimento na dinâmica do dia, também nos ressentimos com tantas cobranças e pressões, o que pode nos deixar meio azedos ou amargos. À tarde o mau humor pode virar melancolia e abatimento, porque nos sentimos mais vulneráveis, sensíveis, como se fôssemos nos desmanchar a qualquer momento. Além de nossas próprias inseguranças, captamos as vibrações de infortúnios alheios, e talvez isso nos faça sentir impotentes. Contudo, também podemos nos sintonizar com vibrações mais elevadas, porque elas também estão disponíveis: ternura, gentileza, bondade, compaixão e mesmo as percepções de dor podem ser utilizadas para colocar as coisas em perspectiva: primeiro, sabemos que nossos problemas, embora importantes para nós, não são os únicos nem os piores do mundo; segundo, ao nos voltarmos para os outros, de bom coração, podemos melhorar a atmosfera para todos, inclusive para nós mesmos. Como diz Jung, “do mesmo modo que aquele que fere o outro fere a si próprio, aquele que cura o outro, cura a si mesmo” e, por que não dizer, aquele que cuida, protege, nutre, afaga, se compadece… Quando estamos afundados e afogados nos nossos próprios problemas, sejam eles pequenos ou grandes, sempre pode ajudar olhar para o outro e ver que estamos todos no mesmo barco, com dores diferentes, mas ainda assim, todos têm suas dores e o melhor que fazemos é nos apoiar mutuamente, ao invés de nos desgastarmos nos dramas excessivos ou crises desnecessárias. E, se for para reagir, reaja com amor!

Catrin Welz-Stein – reprodução

QUARTA-FEIRA, 05 de abril – Saturno estaciona às 02h06min em Sagitário. Marte segue em quincúncio exato a Júpiter ainda na primeira hora do dia. A Lua plenifica a quadratura a Mercúrio e faz quincúncio a Netuno. Mais tarde faz sesqui-quadraturas a Quíron e Vênus em Peixes e a Saturno em Sagitário, virando foco de um Martelo. Fecha a noite em trígono ao Sol. Marte está em trígono quase exato a Plutão, que também recebe a quadratura próxima do Sol. A madrugada traz incongruências entre corpo e mente, que podem se traduzir em inquietude ou pensamentos obsessivos, atrapalhando o sono. Como resultado, a manhã começa um pouco atrapalhada, com imprevistos perturbando o andamento natural das coisas, incertezas inconscientes pinçando nervos expostos das nossas inadequações, que hoje parecem dar pistas de suas origens. Ao mesmo tempo que pode haver momentos desconcertantes conosco mesmos, podemos também ter aqueles momentos mágicos de “A-há! – então é isso!”, que nos clarificam muitas questões inconscientes, levando talvez a uma maior integração desses traços sombrios de nós mesmos. Contudo, ainda há grande reatividade no ar, especialmente à noite, quando o humor volta a ficar carregado e as reações, cortantes. Por isso, precisamos manter em cheque as emoções desencontradas e conflitantes, para que gerem energia de iluminação e não de conflito no mundo exterior, porque ainda que precisemos nos posicionar firmemente sobre algo, ainda podemos fazê-lo de forma amistosa e, de novo, se for para reagir, reaja com amor!

Katie Grinnan – Reprodução

QUINTA-FEIRA, 06 de abril – Marte está em trígono partil a Plutão. A Lua faz trígono ao Sol, sextil a Júpiter, quincúncio a Plutão, quadratura a Marte e trígono a Urano e a Saturno, formando um Grande Trígono de Fogo. Fica vazia depois do trígono a Saturno, às 21h17min. Saturno entra em movimento retrógrado às 02h06min. O Sol está muito próximo da oposição a Júpiter. Estamos um tanto irritados pela manhã e, embora ao longo do dia o humor melhore, estamos cientes de que há questões importantes a serem endereçadas e tratadas, questões que estão aflorando à superfície da consciência e que certamente nos obrigarão a novas mudanças em nossas posturas, códigos morais e atitudes concretas. A despeito de nos darmos conta do desconforto, porém, também estamos dispostos a fazer o que for necessário para confrontar tais questões e a ir fundo nessa auto-investigação. Isso porque, embora haja o desconforto, também há a percepção da possibilidade de melhorias, de conseguirmos superar bloqueios e entraves, se formos honestos o bastante conosco mesmos e se estivermos dispostos a abrir mão da rigidez e dos nossos pré-conceitos. Saturno entra em retrogradação e nos convida a fazer uma revisão do trabalho que empreendemos nos últimos meses – desde agosto/16 – no sentido de nos definirmos como indivíduos e de nos realizarmos concretamente no mundo tangível.

Reprodução

SEXTA-FEIRA, 07 de abril – O Sol está em oposição exata a Júpiter e muito próximo da quadratura a Plutão. A Lua abre o dia vazia em Leão, mas ingressa em Virgem à 01h20min, de onde se harmoniza com Mercúrio em Touro. A Lua também faz sesqui-quadraturas ao Sol (entra na fase Corcunda) e a Plutão, virando foco de um Martelo e ainda segue a fazer outra sesqui-quadratura a Urano e fecha a noite em oposição a Netuno. Vênus está em quadratura a Saturno, aspecto quase exato. Na superfície, estamos hoje entusiasmados e animados, com a confiança e otimismo de que nada pode dar errado, exceto que, sim, muita coisa pode sair errado, especialmente se ignorarmos detalhes importantes e nos inflarmos de nossa própria importância, achando que somente nossos desejos – extremamente imediatistas – são justos e apropriados. Temos, de fato, muita força e recursos em nossas mãos, com os quais podemos transformar muitas coisas, mas se não começarmos por dentro, por nós mesmos, pouco adianta e nada conseguiremos mudar no entorno, muito menos nos outros, especialmente se tentarmos impor nossas visões e nossa vontade a quem quer que seja. É preciso vigiar a tendência aos exageros, à inflação do ego, às bravatas. Também há uma sensação de cisão interna, em que conscientemente temos essa autoconfiança, até desmesurada, mas, subjacente à superfície, há dúvidas e ansiedades que podem se manifestar de duas formas: ou colocam um freio e equilibram os excessos; ou os alimentam porque a insegurança pode nos tornar ainda mais afoitos e aflitos por auto-compensação e por provar que tudo está bem, quando talvez não esteja – mecanismo de camuflagem. De uma forma ou de outra, ficamos tensos e nos expressamos de forma desajeitada, como a esperar o momento que nossa máscara bonachona cairá e revelará nosso lado desgracioso, desastrado e inepto.

Reprodução

SÁBADO, 08 de abril – O Sol está em quadratura plena a Plutão e Vênus em quadratura a Saturno, aspecto também pleno. Por seu turno, a Lua se opõe a Netuno, faz quincúncio ao Sol e trígono a Plutão e a Marte, formando um Grande Trígono de Terra. Fecha a noite em oposição a Quíron. Mercúrio estaciona às 20h15min, para entrar em retrogradação amanhã. Nossa individualidade e objetivos conscientes hoje se deparam com forças potentes que, a princípio, parecem se opor a nós e a nossos quereres. Na verdade, passamos por mais uma prova, que vem testar o quanto conhecemos a nós mesmos e às nossas facetas secretas e sombrias, que hoje podem se revelar um pouco mais através dos conflitos com os poderes que parecem contrários àquilo que somos e buscamos, assim como através de inseguranças que afloram à superfície da consciência. Se nos identificamos apenas o lado mais luminoso e grandiloquente, o entusiasmo e a generosidade dos grandes espíritos, podemos nos enganchar em dificuldades com figuras “tenebrosas” que se interpõem em nosso caminho e nos obrigam a lidar com nossa própria escuridão, desejos de poder e controle, emoções virulentas e abissais, que talvez mascarem o medo profundo de rejeição e abandono. Contudo, para que já está mais acostumado aos confrontos com essas forças, o dia se apresenta como mais uma oportunidade de integrarmos esses traços ditos menos nobres e enriquecermos nossa experiência e maturidade – o regente do sol, que quadra Plutão, é Marte, que faz um aspecto harmonioso ao mesmo Plutão, possibilitando um diálogo promissor e uma ponte entre o Sol e Plutão, de modo que o confronto talvez não precise ser negativo. De qualquer forma, por mais oportunidades que possa trazer, é fato que o dia está pesado, carregado de conteúdos tóxicos, inseguranças, vulnerabilidade, desconfiança, dúvidas e medos. É necessário uma parada básica para olharmos os nossos melindres, as dúvidas e incertezas que são nossos, a despeito de acharmos que nascem das interações com outros – não, as interações com outros apenas trazem à tona algo que já existe em nós. Recomenda-se cautela em todas as interações, especialmente aquelas com pessoas mais próximas e nas relações afetivas, visto que estamos todos muito defensivos, vulneráveis e quebradiços, podendo tanto ofender quanto nos sentir ofendidos inadvertidamente. Por outro lado, a Lua oferece uma boa contenção e sustentação emocional e se conseguimos conter nossos ímpetos mais selvagens e as reações mais primitivas e defensivas, também revigoramos nossa força interior, que nos capacita a olhar para tudo sem medrar, aceitando e transmutando tais poderes sombrios em recursos de conscientização e crescimento. De qualquer forma, tirar um tempo para si, para refletir sobre os afetos – ou desafetos – pode ser uma boa pedida. Talvez seja bastante inteligente refletir bastante nesses dias mais carregados, antes de tomar decisões difíceis ou mesmo antes de enfrentar situações  mais delicadas.

Reprodução

DOMINGO, 09 de abril – A Lua Virginiana se opõe a Quíron e a Vênus em Peixes e também quadra Saturno, ficando fora de curso logo depois, às 05h23min. Ingressa em Libra às 09h35min e logo se desentende com Mercúrio e, de forma diferente, também com Marte. Mercúrio entra em retrogradação às 20h15min. Vênus fecha a semana em conjunção a Quíron e o Sol segue se separando da quadratura a Plutão, enquanto ruma para a conjunção a Urano. O domingo está deveras penoso e complicado. Feridas expostas, exigindo limpeza e purgação, doem excruciantemente e parecem não dar trégua para nosso coração combalido. Mas, embora estejamos ultra suscetíveis e espinhosos, defensivos e sorumbáticos, há grande oportunidade de cura, de perdão, de serenar e sanar tais feridas pela percepção de que não precisamos ser vítimas de nada nem de ninguém, muito menos de nós mesmos. A questão principal aqui tem a ver com confiança, tanto a confiança em nós mesmos e no nosso valor, quanto a confiança na integridade e no amor do outro. E se estamos muito inseguros, a tendência é nos precavermos por mecanismos de controle, tentando controlar o outro ou às circunstâncias, algo que pode tornar tudo mais difícil e até precipitar a crise que estava ameaçando eclodir. É fundamental não resvalar em pensamentos sombrios de menos-valia, nem se colocar para baixo, vigiando pensamentos negativos que só piorarão o humor e tudo o mais. Fazer um balanço maduro da situação, tendo serenidade e empatia para consigo mesmo, assim como para com o outro, que provavelmente está tão sensível e vulnerável quanto nós. Encarar a realidade da situação e por mais difícil e dolorosa que ela seja, não sucumbir diante dela – se há despedidas para acontecer, se há lutos para se sofrer, se algo morreu realmente e não tem recuperação, o luto é necessário, mas ainda pode ser vivenciado com dignidade e não precisamos depauperar nosso amor próprio ainda mais. Com o tempo e a compaixão, tanto nossa quanto de amigos e aqueles que nos querem bem, sempre podemos nos lembrar de quem somos, sempre podemos nos lembrar da nossa luz a brilhar fulgurante, apesar dos momentos difíceis pelos quais estejamos passando. E o amor, o amor sempre estará lá, dentro de nós, só precisamos nos lembra de onde o guardamos.

Uma ótima e serena semana para você! Que traga paz e luz!

Reprodução
The Heartache – Christian Schloe – Reprodução

A Semana Astrológica – A imperfeição nossa de cada dia

Reprodução

Semana de 13 a 19 de março – Semana de enfrentamento de limitações e dificuldades, mas com um grande potencial de cura, que reverbera a partir da Lua Cheia ocorrida no domingo, desdobrando-se por toda a semana. Em termos práticos a Lua Cheia sinaliza uma semana de expansão.

Odilon Redon – Reprodução

O Sol completa sua última semana do ciclo de Peixes e do ciclo astrológico anual – ingressa em Áries no dia 20, segunda-feira da semana que vem – sinalizando um período de finalizações no que tange ao ciclo anual. Por estes dias o Sol entabula conversações difíceis e sofridas, mas que no final das contas, podem ser fortalecedoras do caráter e dos propósitos. O Sol faz conjunção a Quíron e quadratura a Saturno, dinamizando a atual quadratura cíclica entre esses dois “planetas” pesadões e significadores de sombra, dificuldades, inseguranças e inadequações. Já dá para ver que a semana traz desafios, certo? A diferença básica entre Saturno e Quíron é que as inseguranças e inadequações representadas por Saturno são passíveis de serem superadas, com esforço consciente, trabalho, empenho, tempo… Somos tão inseguros naquela área que trabalhamos muito, ao nível da super-compensação, e não só as superamos, como nos tornamos mestre naquela área. Já com Quíron não há “superação” possível, porque Quíron representa aquilo que não pode ser consertado, nem com todo o esforço do mundo… Quíron é necessário para que o ser humano se mantenha humilde, para que perceba que estando nesta terra e nesta realidade de limitações, limitado é. Com Quíron aprendemos que há coisas que não superamos e que temos que aceitar e isso nos irmana aos outros humanos, porque todos temos Quíron em algum lugar. Nesta semana nos damos conta, intensamente, da diferença entres essas inadequações e inseguranças diversas: as solucionáveis e aquelas insuperáveis. E se por um lado isso pode ser doloroso de encarar, por outro, traz a maturidade da aceitação desses limites. Quíron e Saturno sempre me trazem presente a Oração da Serenidade, que já mencionei várias vezes aqui: “concedei-me a serenidade para aceitar as coisas que não posso mudar; coragem para modificar aquelas que posso; e sabedoria para distinguir entre uma e outra”. Basicamente é esse o tom da semana, com o Sol, que representa a consciência e o centro do eu, tendo essas conversas duras e desagradáveis.

Reprodução – Desconheço o autor

Mas Quíron também fala de cura, de empatia, de sabedoria… então a semana é propícia a isso também. O interessante é que O Sol primeiro faz conjunção a Quíron e nos tornamos agudamente conscientes das nossas aflições, úlceras, feridas, das vergonhas e dificuldades… E nos solidarizamos com outros, porque vemos neles, de formas diferentes, o sofrimento que também é nosso. Três dias depois, na sexta-feira, o Sol se depara com o julgamento de Saturno, que pode nos deixar cabisbaixos, com o peso do mundo sobre os ombros, nos sentindo julgados e meio soterrados pelo peso da vida… Mas Saturno, vindo logo depois de Quíron, ajuda a dar esse choque de realidade, que nos obriga a sair da autocomiseração e perceber as limitações que podemos e devemos superar… Assim, Saturno, num primeiro momento parece jogar a pá de terra sobre o cavalo que caiu no poço, até nos darmos conta que aquela terra caindo na nossa cabeça será o meio para nos elevarmos e sairmos do buraco – sim, é possível sair do buraco, desde que olhemos para cima e não fiquemos chafurdando na lama da autopiedade. Além do mais,  nossas imperfeições, somadas às nossas qualidades, é que nos fazem únicos, é o que nos faz o que somos.  Como diz Joseph Campbell,“a única maneira de você descrever verdadeiramente um ser humano é através das suas imperfeições. O ser humano perfeito é desinteressante. As imperfeições da vida é que são apreciáveis (…) As crianças não são adoráveis porque estão caindo a todo instante e porque têm o corpo pequeno e a cabeça muito grande? A perfeição seria algo tedioso demais, seria desumano. O umbilical, a humanidade, aquilo que se faz humano e não sobrenatural e imortal – isso é adorável! É por essa razão que algumas pessoas têm dificuldade em amar a Deus; nele não há imperfeição alguma. Você pode sentir reverência, mas isso não é amor. É o Cristo na cruz que desperta nosso amor”.

Docto Ojiplastico – Reprodução

Mercúrio ingressa em Áries já na segunda-feira, mudando o tom dos pensamentos, comunicações, viagens… De um modo sensível, sonhador e imaginativo, passamos para uma abordagem mais direta, mais ágil e certeira. Mercúrio fará conjunção a Vênus, possibilitando que a mente tenha acesso mais direto às elucubrações íntimas e de cunho afetivo representadas pela retrogradação de Vênus. Como Marte está em Touro, temos a impulsividade da língua medianamente controlada, mas não temos paciência nem tolerância com o que se considera coisas sem sentido e sem cunho prático e aplicável. A mente está mais ágil, mas a ação ainda precisa de mais deliberação. Marte, aliás, está sem aspectos por vários dias, apenas recebendo os contatos da Lua. Isso demanda cautela porque planetas sem aspecto se manifestam de forma extremada, ou seja, ora estamos plácidos e tranquilos, para daqui a pouco entrarmos numa explosão de atividades frenéticas. Marte sem aspecto tende a ficar mais inconsciente e nossas ações são mais instintivas – cautela também com explosões de raiva.

Reprodução – Desconheço o Autor/a

Vênus segue no seu curso de retrogradação, em Áries. Esse é um chamado para prestarmos mais atenção a nós mesmos e nossas necessidades pessoais e individuais. Como lembra Frank Clifford, astrólogo inglês com quem tive algumas aulas, ‘retrogradação’ significa ‘segunda chance’ – daí essa volta ao passado. Então, diz ele, é o caso de revisitarmos áreas da nossa vida para fortalece-las e organizá-las melhor. Clifford nos lembra ainda de fazer algumas perguntas: “onde, na sua vida, você precisa ser mais corajosa/o e independente? Em outras palavras, cuide de você mesmo, antes de cuidar de qualquer outra pessoa. Reconecte-se com o centro de QUEM VOCÊ É (seja auto-centrado). É um bom momento de parar de jogar os joguinhos relacionais e seguir seu próprio caminho, e não ser uma versão falsa de você mesmo porque você acha que vai agradar aos outros. Neste ciclo, há chance de recuar e lidar com todas aquelas situações nos relacionamentos em que você se sentiu vitimizado, usado, negligenciado, ignorado ou desvalorizado. E de reconhecer a SUA parte nisso tudo. Uma forma de afirmar suas qualidades positivas é fazer um diário e listar uma coisa boa, todos os dias, que você sabe que faz muito bem”. Assim é a retrogradação de Vênus em Áries: precisamos reavaliar e focar em nós mesmos: enfatizando as boas qualidades e encarando com honestidade onde também precisamos melhorar. O Sol faz esses contatos tensos, mas Vênus retrógrada nos lembra que, a despeito de todas as imperfeições, precisamos nos amar porque só quando nos amamos realmente podemos melhorar. Como diz a frase do Mandela, “não somos amados porque somos bons, somos bons porque somos amados”! Vênus retrógrada também nos faz rever decisões tomadas acerca das áreas onde temos os signos de touro e Libra, que são regidos por Vênus. Talvez fizemos escolhas e tomamos decisões e agora voltamos atrás e reavaliamos. Está correto. É a segunda chance!

Lua disseminadora – Desconheço o Autor/a – Reprodução

A Semana traz o tom da Lua Cheia, ocorrida no domingo, dia 12, em Virgem. Na segunda e terça a Lua se equilibra em Libra, torna-se Disseminadora em Escorpião, catequética em Sagitário, fechando a semana neste signo. A Lua oficializa o Quarto Minguante somente na segunda-feira, dia 20, a partir de Capricórnio, pouco depois de o Sol ingressar em Áries

Reprodução

SEGUNDA-FEIRA, 13 de março – A Lua, Cheia em Virgem, abriu o dia vazia/fora de curso. Ficou vazia depois da quadratura a Saturno, ainda ontem. Ingressou em Libra às 02h29min e logo se indispõe com Marte em Touro. Fecha a noite em oposição a Vênus retrógrada em Áries, sua dispositora. Mercúrio ingressa em Áries às 18h08min. A despeito de algumas incongruências matinais, a segunda-feira está dinâmica, o que traz ânimo e nos faz ir para a vida estabelecer contatos, travar interações, ver gente e interagir com o mundo social. É um dia de buscar equilíbrio, de ativar as relações e rever posicionamentos. Se temos estado exageradamente centrados no outro, precisamos recuar um pouco e cuidar melhor de nós mesmos e de nossos interesses. Se for o contrário, se andamos ultimamente auto-centrados excessivamente, agora podemos nos mover na direção contrária e olhar e ver os outros perto de nós. Isso porque a Lua está em Libra, o signo da alteridade, das escolhas, da busca de harmonia e equilíbrio. Mas Vênus, que rege essa Lua Libriana, está em Áries, retrógrada, em recepção mútua com Marte em Touro com quem a Lua se indispôs logo cedo. Então, nada é o que parece de cara. É preciso um segundo olhar, uma segunda análise para achar o verdadeiro equilíbrio, a verdadeira harmonia. É um momento de nos posicionarmos mais francamente, mais lucidamente dentro das relações; de acatarmos um certo isolamento com algo saudável e não como dor ou ostracismo; de incluirmos o outro sim, mas não – nunca – às custas do nosso amor próprio; e para isso precisamos estar muito límpidos a respeito dos nossos valores, para fazer as escolhas sem medo, sem dor, mesmo que algumas dessas escolhas sejam um pouco desagradáveis. Precisamos uns dos outros, mas também precisamos respeitar nossos limites pessoais, assim como os limites alheios. Assim, as relações ficam mais respeitosas e equilibradas. Em termos práticos, o dia está bem animado e propício a todo o tipo de interação. A rever acordos, a reestudar negociações anteriores e a ponderar um pouco mais nas parcerias propostas.

Reprodução – Desconheço o autor/a

TERÇA-FEIRA, 14 de março – O Sol hoje está em conjunção exata a Quíron. A Lua Libriana abre o dia em oposição à dona da casa, Vênus, que está retrógrada em Áries. A Lua também se indispõe com Netuno e entra num embate ferrenho com Plutão e depois Urano, enquanto se alia a Júpiter, por conjunção. O dia traz influências que nos fazem sentir meio que em carne viva, sensação de acanhamento ou de dor aguda mesmo. Talvez nada tenha acontecido para suscitar tais sentimentos, talvez sejam apenas lembranças, ou o jeito que acordamos, mas o fato é que nos sentimos meio aguados, desacorssoados, como se nada fizesse muito sentido… Uma vontade de não ligar mais para nada… Nesse estado de espírito podemos ficar defensivos e reativos ao menor sinal externo de desequilíbrio – já que desequilibrados estamos nós – acreditando que é nossa responsabilidade, oferecendo-nos talvez como bode expiatório, talvez até nos expondo a invasões, maus tratos, sem nos dar conta… É possível que seja o oposto também, suscetíveis e reativos como estamos, podemos partir para o ataque como melhor tática de defesa, mesmo sem motivos claros de que estamos sob ameaça. Autoestima lá embaixo, talvez ainda tentemos agradar como forma de ganhar um afago, só para nos deparar com o que entendemos como frieza, pressa, rejeição, “sai pra lá”, o que pode ferir ainda mais nossos brios.

Talvez ainda seja melhor parar um pouco, olhar para dentro – e não para fora – e verificar o que tirou nosso equilíbrio, o que despertou nossas inseguranças de forma tão contundente… Chorar, se for o caso; admitir a dor, se ela se faz presente; não ter vergonha das próprias fraquezas, porque elas apenas nos fazem humanos… E oferecer a si mesmo, aquele amor incondicional que esperamos do outro, continuamente a nos desapontar – relação lateral não é de amor incondicional! Então, pegue-se no colo, dê-se um abraço, beije-se, acaricie-se, acarinhe-se, acalente-se, nine-se, embale-se… Dê a si mesmo todo o amor de que precise e de que está tão carente; dê a si próprio a validação e o apoio que você espera do outro. Olhe para suas fraquezas. Encare-as. Elas são parte de você, assim como os talentos, habilidades e força… E tais fraquezas têm uma razão de ser, têm alguma utilidade, mesmo que isso não seja claro… E, ao abraça-las, podemos aos poucos tentar melhorá-las, pelo amor, com amor. E, ao abrir essas comportas, podemos descobrir que temos um amor maior do que jamais imaginamos e podemos oferece-lo aos outros e – incrível – quando menos esperamos, estaremos sendo amados de volta… E assim se dá a cura, quando nos perdoamos, nos aceitamos e nos amamos, com todas as nossas idiossincrasias… Curamos a nós e curamos ao outro, porque se damos conta de nos aceitar, nosso coração se alarga e se expande, e acolhe também o outro. O dia pede paciência uns com os outros. Estamos todos meio sensíveis e doendo em algum lugar e não é partindo para a briga que vamos provar que somos melhores do que nos sentimos realmente. Podemos nos fazer respeitar, se necessário, mas podemos também nos recolher e deixar tudo passar, observando qual a nossa parte e responsabilidade nas dificuldades que encontramos, comprometendo-nos em mudar o que for possível ser mudado.

Brooke Shaden Photography – Reprodução

QUARTA-FEIRA, 15 de março – O Sol ainda está conjunto a Quíron e vai se afastando lentamente, enquanto se aproxima da quadratura a Saturno. De Libra a Lua faz sextil a Saturno e fica vazia às 07h07min. Ingressa em Escorpião às 12h11min, de onde logo faz oposição ao seu dispositor, Marte, que está em Touro. O dia começa reflexivo e um tanto austero – refletimos sobre como trazer mais equilíbrio às nossas relações, como nos responsabilizar por nosso bem estar, ao invés de esperar isso de outros. Como encontrar a medida certa entre o dar e o receber nos relacionamentos, sem ficar devendo nem cobrando as outras pessoas. À tarde o clima muda radicalmente. A introspecção continua, mas agora por outros motivos: estamos um tanto receosos, defensivos e ciumentos de nossos pensamentos e emoções e recebemos como ameaça qualquer movimento que pareça proximidade demasiada. Há tendência a azia emocional e as relações podem ficar um tanto azedas e sujeitas a farpas, sarcasmo, ironias finas, isso quando não despencar para atritos mais sérios porque a defensividade e o desejo de nos afirmar estão veementes e podem nos fazer reagir de forma exagerada às situações… Sarcasmo é técnica de defesa também, mas além de demarcar território e diminuir o outro, cria feridas e afastamentos, portanto, vale se questionar onde queremos chegar com tudo isso e se de fato estamos sob qualquer ameaça, porque isso também é discutível. Por outro lado, se conseguirmos dosar nossa energia na medida certa, essa influência melhora a execução de tarefas que se mostrem complicadas e que demandam controle, concentração e alto gasto energético.

Reprodução

QUINTA-FEIRA, 16 de março – A Lua, na fase cheia em Escorpião, faz trígono a Netuno em Peixes e quincúncio a Vênus Rx em Áries. Mais tarde a Lua faz sesqui-quadratura ao Sol entrando na fase Disseminadora. Fecha a noite em harmonia a Plutão, aspecto exato amanhã. O Sol já está bem próximo da quadratura a Saturno. Sensibilidade e emoções intensas colorem o dia, assim como uma potente capacidade de intuir o rumo das situações e também o que os outros estão sentindo, que pode ser instrumental para melhorarmos as interações ou mesmo para manipularmos pessoas – depende da integridade da nossa alma e dos nossos intentos. Esse poder emocional pode nos aproximar das outras pessoas e nos permitir penetrar em suas defesas, mas isso deve ser feito de forma respeitosa e nobre, caso contrário, podemos nos tornar invasivos e causar mais dano do que ajuda ou reparação. Não podemos esquecer que inseguranças estão afloradas e muitas feridas estão abertas, portanto, se não temos algo realmente bom para oferecer, se nossas intenções são menos do que honestas, fazemos melhor se ficamos quietos e cuidamos de nossas próprias questões. De toda forma, há grande potencial de cura e de compreendermos ao outro e a nós mesmos um pouco mais profundamente e, bem conduzidas, tais influências podem, de fato, ajudar a aprofundar o entendimento de nossas dinâmicas internas e mesmo das dinâmicas relacionais. A Lua fica disseminadora em Escorpião, sugerindo que a mensagem que precisamos levar adiante precisa ser verdadeira, apaixonada e profunda. Os aprendizados que vivenciamos até aqui são repassados como catalizadores de transformação na vida de outros, com sensibilidade e autenticidade.

Reprodução

SEXTA-FEIRA, 17 de março – O Sol Pisciano está em quadratura exata a Saturno em Sagitário, enquanto ainda se afasta da conjunção a Quíron. A Lua Escorpiana e disseminadora se afina com Plutão, seu regente moderno, enquanto se desentende com Urano e se harmoniza com Quíron e com o Sol, ficando vazia depois do contato ao Sol, às 18h58min. Ingressa em Sagitário à 00h00min do sábado. O dia está pesado, turvo e um tanto sombrio. Nosso anseio seria desaparecer para lugares inóspitos, talvez, ou para lugares onde não tivéssemos que lidar com tantas agruras e dificuldades mundanas, com tantos problemas cotidianos que parecem derrubar nosso entusiasmo e massacrar nossos sonhos e aspirações mais elevadas. É como uma dor fina, indefinível, que tira o fôlego em alguns momentos e que nos lembra de nossa mortalidade e finitude, nossas deficiências ou insuficiências, ou como um peso amarrado a nós, dificultando o caminhar. Circunstâncias ou outras pessoas, particularmente acima de nós – pais, chefias, autoridades – parecem exigir mais do que somos capazes de dar. Até mesmo a energia e vitalidade física podem estar depauperadas, de modo que nos sentimos fracos ou lentos nos nossos afazeres e compromissos. Podemos também nos sentir cobrados ou criticados, de forma implícita, e isso torna tudo um pouco pior…

Reprodução

Mas antes de deduzirmos ‘verdades’ a partir das aparências, vale checar se estamos certos sobre tais deduções, para não vermos fantasmas e perseguição onde não existem e para não aumentarmos o tamanho dos problemas desnecessariamente. É um bom dia para olharmos para nossas falhas sim, não para nos desanimar ou derrubar, mas para melhorarmos. Sobretudo, com o Sol em Peixes, somos convidados a avaliar se nosso senso de identidade é sólido e seguro o bastante, se sabemos quem somos e do que somos feitos, para além de autoimagens pueris e fantasiosas. O dia pede um exame sóbrio de nossas capacidades e, ao identificarmos falhas, agir para corrigi-las, sem grandes dramas, sem chibatas ou autoflagelação desnecessária. Particularmente, é importante perceber que há ótimas oportunidades de nos curarmos a partir do olhar compassivo e empático para as próprias limitações, comprometendo-se a superá-las. A noite traz horas calmas e uma introversão providencial que nos ajuda a digerir todas essas informações, insights e percepções, propiciando também que sincronizemos os propósitos conscientes de crescimento e transcendência com a necessárias transformação dos comportamentos e hábitos que impedem nossa excelência.

John Casey – Reprodução

SÁBADO, 18 de março – A Lua ingressa em Sagitário à 00h00min, cravado. Faz quincúncio a Marte em Touro, trígono a Mercúrio e a Vênus Rx em Áries e fecha a noite em quadratura a Netuno. Mercúrio e Vênus estão em conjunção partil hoje. A noite traz alguns desconfortos durante o sono. O dia, porém, nasce mais animado e otimista, porque estamos imbuídos de uma nova força, nascida das resoluções da noite anterior e do comprometimento que fizemos com a mudança pessoal. Podemos rever alguns valores e analisá-los de forma mais direta e menos sentimental, verificando o que é necessário para nos valorizarmos mais, a despeito das falhas humanas que carregamos. Ainda estamos muito conscientes de tais falhas, mas conseguimos perceber nelas algum sentido, além de nos animarmos a prosseguir pela estrada, usando as pedras que surgirem para pavimentar o caminho, ao invés de permitir que nos bloqueiem a vontade ou os objetivos. A comunicação está ágil, mas animada e sociável, trazendo bom humor às interações e espirituosidade. À noite o clima está um tanto confuso e nebuloso, levando a mal-entendidos nas interações. Cautela com álcool e drogas porque há tendência a exageros e a enfiar o pé na jaca.

Reprodução

DOMINGO, 19 de março – A aventureira Lua Sagitariana faz quadratura a Netuno na primeira hora do dia. Durante o dia se harmoniza com seu regente, Júpiter em Libra e com Urano em Áries e fecha a semana em conjunção não exata a Saturno. A balada de sábado para domingo pede cautela porque a Lua Sagitariana já aponta para excessos e a quadratura a Netuno aumenta a propensão à falta de limites – portanto, moderação é a chave para a boa diversão hoje. Já o dia de domingo está mais auspicioso e feliz, depois do peso que vivenciamos durante a semana, conseguimos ter uma perspectiva mais filosófica de tudo: dos problemas, da nossa caminhada, das possibilidades, da vida. Um otimismo incipiente pode favorecer o clima do domingo, que por sua vez, fica propício a atividades ao ar livre, aventuras no campo, encontros festivos com amigos. Não podemos nunca perder a esperança e a perspectiva de porque estamos aqui, nesta terra, neste tempo e neste lugar! E essa perspectiva, esse sentido, não precisa ser mirabolante ou grandiloquente. Como diz Joseph Campbell: “Dizem que o que todos procuramos é um sentido para a vida. Não penso que seja assim. Penso que o que estamos procurando é uma experiência de estar vivos, de modo que nossas experiências de vida, no plano puramente físico, tenham ressonância no interior de nosso ser e de nossa realidade mais íntimos, de modo que realmente sintamos o enlevo de estar vivos. É disso que se trata, afinal, e é o que essas pistas nos ajudam a procurar, dentro de nós mesmos”. Ele também diz: estamos tão empenhados em realizar determinados feitos, com o propósito de atingir objetivos de um outro valor, linear e longe da vibração da vida, que nos esquecemos de que o valor genuíno, o prodígio de estar vivos é o que realmente conta”. E hoje é um desses dias, em que nos sentimos muito vivos, felizes existir, por ser, por estar, por viver, entendendo que o sentido da vida é a vida em si mesma!

Uma ótima semana para você! Que seja de serenidade, empatia, crescimento e cura!

Reprodução – Desconheço o Autor/a

Dia Internacional da Mulher

Dia Internacional da Mulher

LUA em LIBRA x VÊNUS em ÁRIES – No âmbito coletivo

A Lua Cheia trafega Libra e hoje, domingo, fez oposição a Vênus em Áries. Essa configuração presente no céu de hoje parece ter sido escolhida a dedo para ilustrar os atuais dilemas que a mulher vive atualmente. A Lua em Libra nos fala de como a mulher ainda tem que lidar com os estereótipos – muitos deles moldados pela expectativa masculina do que é ser mulher – do que significa ser feminina, sendo associada com imagens de boa mãe e esposa, doçura, gentileza, abnegação, submissão e cessão da própria vontade – um papel visto necessariamente “em relação a” um “outro”.

Todavia, Vênus em Áries está logo ali a desafiar e confrontar tais estereótipos, dizendo que a despeito de tantas “conquistas” (pessoalmente, eu diria que nem todas elas para melhor, uma vez que houve um equívoco em algum momento, em que as mulheres começaram a associar liberdade e independência com uma “atuação” do animus negativo: beber, fumar, sexo casual, etc, etc – não, não quero entrar nessa polêmica, isso é uma visão pessoal minha), o maior equívoco de todos é essa cisão interna que foi projetada no mundo lá fora: de que há a mulher passiva e submissa e a mulher independente e livre; de que a mulher tem que optar entre “isso ou aquilo”, entre ser esposa e mãe mas frustrada profissionalmente, ou profissional bem sucedida, mas frustrada emocionalmente.

Vênus nos obriga a olhar e ver que nem tudo são flores e gentilezas, que há ainda um longo e histórico caminho de violência a ser combatido, violência física, emocional, psicológica, verbal, social e de que a expressão do ser feminino ainda não é exatamente “livre”. Que a mulher pode e deve ser vista como indivíduo separado, ou, que será vista “em relação ao masculino” apenas quando (nas situações em que) o masculino também for visto “em relação ao feminino”. Que antes de sermos macho ou fêmea, masculino ou feminino, somos todos seres humanos, pessoas, com necessidades fisiológgicas, biológicas, emocionais iguais ou muito similares.

Entretanto, a mensagem principal dessa oposição é a de que as mulheres “acordem” (Vênus está ainda conjunta a Urano) para o fato de que, se se identificarem com apenas um dos lados da extremidade, estarão fadadas a viverem meias-vidas e de que o caminho é o da integração. Integrar em si essas diversas expressões de si mesmas, sem se identificar excessivamente com os papéis, mas perceber que os papéis são apenas invólucros da expressão das várias mulheres que ela é e que pode ser. Mais: é essencial perceber que, para além dos estereótipos, é preciso descobrir e se autorizar a viver os próprios desejos, a própria jornada mítica pessoal, o que quer que isso signifique individualmente para cada uma, na sua realidade, na sua história pessoal. Não há nada de errado em não querer casar e ser mãe, ou ao contrário, em querer se dedicar primariamente a essas dimensões da vida, assim como não há nada de errado com um homem que não tem o casamento e a paternidade como projeto de vida prioritário – desde que isso não signifique mera fuga de questões mal resolvidas em ambos os casos. O caminho é viver de forma autêntica, criar seu próprio modelo, ao invés de seguir cegamente os modelos impostos. Viver de acordo com aquilo que faz sentido para si mesma, para seu coração e sua alma.

No âmbito pessoal

Reconhecer as diferentes facetas do feminino, aceitar e abraçar os desejos diversos do próprio coração, do próprio ser (substantivo) e ser (verbo) feminino. Perceber e aceitar sua natureza gentil, suave, gregária, aglutinadora, que quer e precisa de relacionamentos, sejam eles de ordem íntima e sexual ou fraternos e amigáveis. Perceber e aceitar um outro lado, igualmente legítimo e merecedor de atenção, igualmente merecedor de ser honrado e vivenciado: o lado que almeja lutar por objetivos outros além da maternidade e da busca de parceria afetiva; o lado que busca se expressar e contribuir com algo que a defina como indíviduo separado, independente e livre. 

Perceber em si mesma formas diversas de expressão do feminino, muito além de estereótipos e modelos engessados. Permitir-se ser várias em uma só mulher, em uma só pessoa, sem desautorizar nem “atuar” nenhum aspecto, mas integrá-los como parte do todo sagrado que se é.

A Semana Astrológica: com quem você precisa lutar?

spinoutday.com
spinoutday.com – Reprodução

Semana de 2 a 8 de março

Começamos o mês de março, um dos meses mais tensos do ano, em que ocorre a última das sete quadraturas exatas entre Urano e Plutão; mês de eclipse Solar, que acontece algumas horas antes da ingressão do Sol em Áries; mês em que Saturno estaciona em Sagitário para entrar em retrogradação – dia 13. Um mês que promete ser incendiário, sujeito a abalos sísmicos, se não de fato, mas com certeza simbólicos no que tange às questões coletivas e sociais, simbólicos de turbulências, ansiedades e inquietudes em vários planos.

E o mês começa com uma semana de Lua Cheia, de crescimento, colheitas, clímax. Mas também de surpresas com os possíveis resultados dessas colheitas. A Lua Cheia em Virgem ocorre na quinta-feira, dia cinco, num emaranhado complicado envolvendo Quíron, Plutão, Vênus e Urano. Uma lunação que desafia nosso senso de ordem e controle.

Vênus e Marte colocam lenha na fogueira das paixões e das crises, ativando a quadratura Urano-Plutão e novamente trazendo seus efeitos para o plano pessoal e para a área dos relacionamentos. Período de primar pela independência e pelos objetivos individuais, verificando onde nossas relações nos puxam para trás, onde tolhem nossa individualidade. Período que nos convida a reacender a chama da nossa paixão pela vida, a redescobrir o que acende nosso fogo interior, o que nos estimula e motiva. Achemos motivos para nos apaixonar de novo por nossos objetivos pessoais, por nós mesmos, pela vida que se manifesta em nós. Vênus faz conjunção a Urano e quadratura a Plutão e ainda trígono a Júpiter em Leão. Marte percorre o mesmo caminho e aspectos na semana que vem, mas sua proximidade já influencia essa caldeira, que está a todo vapor, especialmente porque ele está conjunto ao Nodo Sul da Lua.

blackwallpaperblack
blackwallpaperblack.com – Reprodução

O Sol também faz movimentos importantes nesta semana. Faz conjunção a Quíron, sextil a Plutão e quincunce a Júpiter, adicionando ênfase ao Yod do qual Júpiter é foco, indicando uma semana em que a vida e as coisas podem ficar bem caóticas e fora de controle. Há, porém, grande potencial de cura e liberação de mágoas e ressentimentos e, de que forma essas energias se manifestarão na nossa vida, é uma questão de quanto estamos conscientes e com o quê estamos mais sintonizados.

ppicpost.mthai.com
ppicpost.mthai.com – Reprodução

Júpiter retrógrado em Leão tem o trígono a Urano em Áries exato nesta semana, aspecto que ele faz três vezes, devido àretrogradação, sendo a primeira em 25 de setembro de 2014, a segunda nesta semana e a última em 22 de junho. Quando Júpiter faz trígono a Urano temos a oportunidade de acessar esferas mais altas da mente e da nossa percepção; somos extremamente intuitivos e inventivos e olhamos para o futuro com audácia e otimismo, não hesitando deixar para trás modos mais pacatos e previsíveis de agir e nos colocar. Porém, no caso de um trígono, podemos não fazer nada com isso e apenas ter alguns dias em que nos sentimos particularmente estimulados. Se não formos atrás de nos colocar onde as coisas de fato acontecem e onde as oportunidades se mostram, nada acontece. É preciso, pois, arriscar, expor-se à vida!

A Lua abre a semana na fase Corcunda, sendo Cheia em Virgem na quinta-feira. Seu movimento é extremamente lento, tanto que só percorre três signos: Leão, Virgem e Libra. Destes signos ela se comunica com todos os demais planetas, além do Sol.

fire-dancer
Reprodução

A SEGUNDA-FEIRA abre a semana animada pelo Grande Trígono em Fogo formado pela Lua Corcunda em Leão, Saturno em Sagitário e Marte em Áries. A Lua ainda se harmoniza com Vênus em Áries, o que favorece a expressão de uma emotividade dramática, porém benéfica e entusiasmada. O Grande Trígono nos faz encarar os desafios com alegria, vigor e disposição para o trabalho. Mas para não perder nem o foco nem o entusiasmo, é preciso combater algumas agulhadas de desânimo e dúvida que vêm e vão nas horas mais descabidas, ou que simplesmente nos levam a nos perder em devaneios e sonhos impossíveis de glórias inalcançáveis. No fim da noite e madrugada terça Lua e Júpiter formarão um magnífico par no céu, espetáculo imperdível se você se encanta com os mistérios das estrelas. Ache um bom mirante e apaixone-se!

vogliourlare.tumblr.com
vogliourlare.tumblr.com – Reprodução

Essa incerteza sobre o talento pessoal que nos faz tecer fantasias megalomaníacas perdura no inicio da TERÇA-FEIRA. A Lua Leonina faz conjunção a Júpiter dividindo com ele a pressão causada pelo Yod que tem como base o elo harmonioso entre Plutão e Quíron. A Lua se afina também com Urano em Áries, que por sua vez recebe o trígono auspicioso de Júpiter. A Lua ainda se indispõe de formas diferentes com Marte e Plutão e fica vazia às 05h50min, após a oposição a Mercúrio, entrando em Virgem somente às 08h58min da manhã de quarta-feira. Dia de influências bastante contraditórias, em que nos deparamos com a vida em sua maior leveza e ao mesmo tempo, seu peso inexorável. Parte de nós quer voar livre, desprender-se de expectativas, quaisquer que sejam elas, mas outra parte se percebe impossibilitada e receia ceder à pressão externa. Receamos não dar conta, mas é necessário olhar para o futuro com esperança. Podemos e devemos nos desobrigar dos aspectos da vida que não são autênticos e que usamos como desculpa para não avançar, porém há responsabilidades das quais não podemos fugir e a responsabilidade pela nossa realidade e pelo mundo que habitamos é uma delas. Todavia, como um cruzado fervoroso, podemos inspirar e nos preencher com ares novos que refaçam nosso vigor e que nos permitam distinguir entre as causas que são necessárias e aquelas que apenas esgotam e exaurem nossas energias, aquelas em que somos usados como massa de manobra. O que não podemos é nos furtar e fugir da luta à nossa frente.

anger
Honelfran.hubpages.com – Reprodução

Vênus está conjunta a Urano e Marte ao Nodo Sul da Lua na QUARTA-FEIRA. A Lua segue vazia em Leão fazendo sesqui-quadraturas a Urano e a Vênus em Áries e a Plutão em Capricórnio. Ingressa em Virgem às 08h58min, preparando-se para ser cheia. De Virgem a Lua se opõe a Netuno em Peixes, os dois encurralando Saturno em Sagitário por quadraturas, formando uma T-Square Mutável. Podemos estar completamente certos e nossas demandas podem ser perfeitamente legítimas, mas se agimos de forma irracional, egoísta e imatura perdemos a razão e nossos argumentos caem por terra porque ninguém nos levará a sério, imputando necessidades reais e urgentes a meros caprichos de crianças mimadas – o que é de fato uma pena. Há momentos em que a melhor estratégia é mesmo chutar o balde e bater a porta às nossas costas de forma estrondosa; há outros em que precisamos ser diplomáticos e engolir em seco; e há outros ainda em que precisamos ser firmes e fazer valer nosso ponto de vista e desejos, porém, ainda assim, é necessário fazê-lo de forma educada e madura, sob pena de não sermos respeitados em nossas decisões. Hoje é um desses dias e é necessário conter a ansiedade, a inquietação generalizada e a vontade de pôr fogo no mundo, utilizando essa energia com sabedoria, do contrário propagaremos incêndios só para perceber que destruímos aquilo que mais almejávamos.

ULC by yd84
ULC by Yd84.deviantart.com

O Sol está em quincunce a Júpiter na QUINTA-FEIRA, que tem ainda a Lua Cheia em Virgem simbolizando o ápice do ciclo, período de colheitas e de recompensas – ou constatação de fracasso. A Lua faz uma série de aspectos complicados, que colorem a fase cheia de melindres e, talvez, desapontamentos. Faz quincunces a Marte, Urano, Vênus e Mercúrio e a partir disso vira foco de um Yod. É cheia às 15h04min de Brasília (18h04min para Lisboa), em oposição a Quíron, que está recebendo a conjunção do Sol. Fica vazia após o trígono a Plutão. Essa Lua Cheia frutifica as promessas da Lua Nova – e que promessas foram estas? Uma Lua Nova cheia de polêmicas a começar por sua própria natureza, se era Aquariana ou Pisciana. Cisão, paradoxos e dissolução do controle marcam essa lunação, que tem como único suporte o trígono de Plutão. Controle é algo a que talvez nos apeguemos com unhas e dentes, acossados que estamos, ameaçados por um caos que parece nos engolir e desestabilizar. E quem falou que temos controle de qualquer coisa? Controle é uma ilusão e isso hoje se faz muito claro, os véus finalmente caem à nossa frente.

Paradoxalmente, na SEXTA-FEIRA A Lua está cheia e ao mesmo tempo vazia em Virgem. Faz apenas um quincunce a Mercúrio e segue o resto do dia incomunicável, sem fazer aspectos a ninguém. Entra em Libra ás 21h52min. O dia está propicio pra reflexões acerca dos paradoxos da vida, da nossa eterna divisão interior entre a vida mundana e a espiritual. A dificuldade imediata de acessar os próprios sentimentos e sensações é um chamado a uma introspecção maior e mais comprometida com a identificação de nódulos emocionais possivelmente causados pelo excesso de controle.

lanciatrendvisions.com
lanciatrendvisions.com – Reprodução

No SÁBADO, a Lua já em Libra faz sextil a Saturno em Sagitário, sesqui-quadratura a Mercúrio em Aquário e à tarde começa a se opor a Marte e Urano em Áries, fazendo conjunção ao Nodo Norte da Lua. Netuno recebe um quincunce da Lua. O Yod Júpiter-Plutão-Quíron se desfaz, levando junto um pouco da irritação indefinida de muitas semanas. Mas não dá para respirar aliviado porque o fim de semana traz irritações outras, bastante definidas e abertas, com a Lua formando uma T-Square Cardinal. O sábado se mostra um dia energético, dinâmico, mas também irritadiço e propenso a bate-bocas. É difícil conciliar nossa vontade com a dos outros, a sensação é que de repente o mundo está contra nós e essa oposição é forte e muito clara. Se vamos ceder e nos sentir anulados é uma possibilidade; outra, bem melhor é tentar mediar os conflitos achando um ponto de equilíbrio que se reflita em escolhas mais maduras e autênticas.

A T-Square Cardinal formada pela Lua em oposição a Marte-Urano e os três em quadratura a Plutão pega fogo Na madrugada de DOMINGO. barbie dollDurante o dia a Lua se afina com Júpiter em Leão, mas se opõe também a Vênus em Áries, ficando vazia logo depois, às 12h59min. Domingo tenso, que vai adensando a apreensão e o clima turbulento das semanas à nossa frente. A área de desgaste é a nossa vontade pessoal e a forma como a negociamos com o resto do mundo: somos sempre unilaterais, demandando que tudo seja do nosso jeito, agindo de forma grosseira e sem consideração com os outros? Ou nos fazemos de capacho cedendo sempre para agradar e ser aceitos? Nossa gentileza é real ou apenas um verniz que esconde nossa crueza de intenções? Conflitos de poder e embates com figuras de autoridade dão o tom do domingo e se não queremos entrar em jogos destrutivos de poder, é recomendável ter ciência do que realmente queremos e do quanto estamos dispostos a comprometer para conseguir, porque o custo é alto e o caminho é sem volta. No plano prático gastar um tanto dessa energia explosiva é uma boa idéia, já que ela pode se manifestar em discussões e brigas com possibilidade de desfechos violentos. Há uma cisão particular na alma feminina que reverbera por todo o domingo: sentimo-nos divididas entre o papel da parceira conciliatória e gentil e a guerreira independente que vai atrás dos próprios objetivos. É uma cisão interna que, se não olhada com honestidade, poderá ser vivenciada como ciúmes, inveja e uma propensão a enxergar as outras mulheres como rivais que querem tomar o que é seu. Com quem é mesmo que precisamos lutar? Escolhamos nossa luta, mas tenhamos ciência de que o oponente é um só: nós mesmos!

guerreiro
Reprodução de Google Imagens

Linda semana para você!

A Semana Astrológica: ignição e ação.

luasolSemana de 16 a 22 de fevereiro

Nesta semana temos alguns eventos especiais acontecendo. Vênus e Marte, que vêm nadando juntinhos em Peixes há vários dias ingressam ambos em Áries, um na quinta e o outro na sexta-feira, com diferença de algumas horas. E logo que se mudam para Áries sua conjunção fica plena, um casamento incendiário, extremamente fogoso. Marte está com a corda toda em Áries, já que está em casa, super potente; mas para Vênus esta situação não é tão confortável, visto que é signo de seu detrimento, exatamente por ser regido por Marte e por estar oposto a Libra, o seu signo de domicilio. Mas é só por isso? O que ocorre é que Vênus é gregária, social, gosta de aglutinar pessoas e de ser agradável, de construir pontes e costurar acordos, mas Áries está se lixando para todas estas coisas, então, ao invés de ser delicada, sutil, elegante, Vênus torna-se direta, competitiva, abrasiva, uma guerreira ao invés de pacificadora, daí diz-se que está em detrimento.

Guillemot Alexandre Charles, Mars and Venus Surprised by Vulcan detail 1827.
Guillemot Alexandre Charles – Mars e Vênus Surpreendidos por Vulcano – detail – 1827.

Outro acontecimento importante e mais do que interessante é a Lua Nova na quarta-feira, dia 18, que ocorre de novo em Aquário! Sim, temos duas luas novas seguidas acontecendo no signo de Aquário, a primeira no grau zero (20 de janeiro) e a segunda no último minuto: a 29°59’, algo não tão comum de acontecer. Tão logo é nova a Lua já pula para Peixes, seguida logo depois pelo Sol e temos um novo stelium Pisciano, já que eles fazem conjunção com Netuno e depois com Quíron.

achados-e-perdidos-1Mercúrio segue percorrendo pela terceira vez os caminhos do primeiro e segundo decanatos de Aquário e, neste período, fiquemos atentos! Podemos encontrar neste caminho coisas que julgávamos perdidas para sempre! vale a pena procurar a seção de achados e perdidos da mente e das oportunidades! Mercúrio se afina com seu regente, Saturno, em Sagitário, indicando um período bom para planejamentos que precisam de foco e pé no chão.

Júpiter continua como foco de um Yod, fazendo quincunces a Plutão em Capricórnio e Quíron em Peixes. Haja fé para fazer frente a tantos desafios colossais! Nesta semana Júpiter se aproxima mais do trígono a Urano em Áries, trígono que fica pleno somente em três de março.

A Lua começou a semana na fase Balsâmica. É Nova na quarta-feira e torna-se Crescente no domingo. Viaja nesta semana pelos signos de Capricórnio, Aquário, peixes, Áries e Touro, fazendo aspectos diversos com todos os demais planetas e com o Sol.

Uma semana para incendiar nossa paixão e ímpeto pela vida, para dar ignição de vez a esse ano que promete transformação radical e profunda. Recuperar nossa gana e lembrar: “perder o entusiasmo é ganhar rugas na alma” (Samuel Ullman). 

a girls right
agirlsrighttodream.tumblr – Reprodução

SEGUNDA-FEIRA atípica a da desta semana, visto que é carnaval e que tudo segue um ritmo muito próprio. A Lua em Capricórnio separa-se da conjunção a Plutão e da quadratura a Urano, harmonizando-se depois com Vênus e Marte. Dia de seguir tenazmente nas coisas práticas da vida, embora seja carnaval, há coisas que não esperam e carecem de ser resolvidas. Economia de gestos, sentimentos e emoções é suavizada por uma expressão afável de quem sabe que mesmo os tempos mais duros se beneficiam da carícia – aliás, estes é que mais precisam dela.

A TERÇA-FEIRA de carnaval tem a Lua em Aquário, percorrendo os últimos graus antes de ser nova. Essa Lua se une a Mercúrio e os dois conversam desapegadamente com seu regente Saturno. Mais tarde a Lua se afina com seu outro regente, Urano e chega bem perto da oposição a Júpiter em Leão. As visões da Lua Balsâmica ganham tons progressistas, mas centrados. Dia de unir o útil ao agradável. Para quem é folião, uma influência de leveza e desapego permite usufruir o ultimo dia de folia sem grandes culpas, apenas aproveitando a companhia de amigos e afins. Para quem não cai na dança, o dia sinaliza uma socialização ou atividades que tragam novas idéias, que venham nos imbuir de um espírito de esperança e expectativa no futuro que principia na aurora.

lua crescente imgfgrave
Imgfgrave – Reprodução

A Lua é Nova a 29°59’ de Aquário às 21h46min da QUARTA-FEIRA. Um novo ciclo se inicia repetindo, em linhas gerais, os temas do ciclo anterior: a visão futurista e progressista preconizados pelo signo do Aguadeiro. Lua e Sol estão relativamente isolados, se desconsideramos o sextil fora de signo que fazer com Saturno. Mais um ciclo pra enfatizar nossa responsabilidade que pelo mundo que criamos e por manifestar transformação e melhoria na realidade em que vivemos. A Lua Nova está no ponto médio da quadratura Urano-Plutão, o que coloca grande pressão sobre esta Lua, que abre o ciclo em que a ultima quadratura plena entre estes dois colossos ocorre, no dia 16 de março. Esse ponto médio já sinaliza que o período promete muito rebuliço nos planos individual, social e coletivo.  Dois minutos depois de a Lua ser nova ela já mergulha em Peixes, seguida pelo Sol que ingressa em Peixes às 21h50min.

lolmann & binebski   Flickr - Photo Sharing
Lolmann & Binebski Flickr Photo Sharing – Reprodução

Marte ingressa em Áries na QUINTA-FEIRA, às 21h12min. Um guerreiro sai das águas do mar e assume sua armadura e armamentos de forma aberta e direta. Em Áries Marte está em seu próprio elemento, volta para casa onde manda e desmanda – às vezes desmanda até demais, visto que fica esquentado, pavio curto, destemperado, mas pelo menos a energia é direta, expressa sem desculpas ou rodeios.  O trígono com Saturno em Sagitário ajuda esse Marte a ter um mínimo de estratégia e paciência. A Lua faz conjunção a Netuno e a Quíron, sextil a Plutão e quincunce a Júpiter. Dia de muitas incongruências em que quedamos sensíveis e aguados, com a sensação irritante e impertinente de coisa fora do lugar, de estarmos longe de casa, perdidos num mundo que não é o nosso. Saudades de casa, saudades de si mesmo em outras épocas, mais felizes – na nossa fantasia as coisas ás vezes são melhores do que de fato foram – menos duras e exigentes. Para onde fugir? A Lua está nova e ficamos extremamente subjetivos e impulsivos, sendo levados facilmente por nossas emoções, que hoje estão confusas, complexas, intrincadas. Melhor não comprar as coisas pela aparência, porque hoje nossos sentidos estão borrados. Compaixão por si e pelos outros é um bom norteador.

xena
Reprodução

SEXTA-FEIRA é dia de Vênus, que sai da exaltação das águas Piscianas para cair na fogueira de Áries e se tornar uma guerreira de Fogo, ingressando neste signo às 18h06min. A Lua também cai nesse fogo logo depois, às 21h13min e temos então um stelium poderoso em Áries, o que modifica completamente o humor, as reações e a expressão dentro dos relacionamentos. Lua, Vênus e Marte fazem sesqui-quadratura a Júpiter. Essa conjunção tripla no grau zero de Áries faz um contraponto interessante aos planetas em Peixes. Os sonhos idílicos nascidos nas águas uterinas precisam ser trazidos à vida, precisam ser posto em ação para de fato frutificarem – ou chega de mimimi e vamos à luta! A noite de sexta fica, pois, acalorada, estimulante e cheia de atitude – talvez até atitude demais, com propensão a bate-bocas, especialmente nas relações afetivas. Instintivos e reativos, egos inflados e lustrosos, temos dificuldade de perceber que o mundo vai alem do nosso próprio umbigo e é preciso vigiar porque todos estão muito individualistas, impacientes e com o estopim curto, podendo tomar atitudes impensadas e precipitadas que levam a arrependimentos posteriores.

rebellesociety
Rebellesociety – Reprodução

Essa energia Ariana dá o tom do fim de semana, com a Lua fazendo trígono a Saturno, conjunção a Urano e quadrando Plutão no SÁBADO. A Lua faz trígono também com Júpiter, já no sábado à noite, aspcto depois do qual fica vazia. Dia de grande impulso e ímpeto, em que temos necessidade de ação para extravasar tanto fogo. Tentamos recuperar o tempo que julgamos perdido e nesse frenesi não percebemos que pisamos nos calos dos outros, no estilo rolo compressor. Diretos, incisivos e cabeçudos queremos pôr fogo no mundo, queremos fazer muitas coisas, começamos várias, mas não temos paciência nem cuidado de dar continuidade a nada. Tal qual um furacão formado por massas de ar quente, saímos quebrando vidraças, distribuindo pancadas a torto e a direito, desestabilizando a tudo ao nosso redor, numa cegueira de quem só se importa consigo mesmo e as próprias necessidades. Tanta energia exige canal prático de expressão para não se tornar destrutiva:  atividades físicas vigorosas, porém em ambiente seguro e controlado são favorecidos. A conjunção Urano, porém, requer cuidados pois ficamos propensos a acidentes se não estamos completamente centrados nas tarefas que desempenhamos.

marta de andrés
Marta de Andrés – Reprodução

O DOMINGO traz a conjunção de Vênus e Marte em Áries, um casamento de Fogo. A Lua vazia, também em Áries, depois do trígono a Júpiter. A Lua entra em Touro somente às 21h29min, portanto temos todo o dia de Lua fora de curso. Perfeito e apropriado quando a Lua fica fora de curso no fim de semana, porque então podemos nos dedicar ao ócio sem culpa nem desculpas. Embora este ócio, no caso, não signifique ficar de pernas para o ar deixando criar teia de aranha por entre os dedos. A Lua está vazia, mas em Áries e hoje fica crescente. A pedida é dedicar-se a um ócio “ativo” por assim dizer, atividades de lazer que tragam prazer e que nos permitam de fato relaxar e sair da mesmice e do marasmo, de forma despreocupada e descomplicada.

Ótima semana para você! Que seja cheia de graças, de luz e de bênçãos!

music
Photobox – Reprodução