Arquivo da tag: Vênus-Saturno

A Semana Astrológica – Amar dá trabalho

Ziegfeld – Reprodução

SEMANA de 24 a 30 de julho – Recomeços, novas ideias e projetos, que são colocados em ação com muita garra e determinação. Re-ignição do nosso Fogo Sagrado. 

O Sol ingressou em Leão, trazendo mais calor, generosidade e magnanimidade aos corações, além, é claro da necessidade de lustrar as jubas para brilharmos sob os holofotes do palco da vida!

Reprodução

Nesta semana o Sol faz conjunção a Marte e nosso propósitos ficam mais nítidos, a determinação e garra para realizá-los, mas aguçadas. Sol e Marte em Leão se aliam pelos mesmos propósitos – Como numa alcateia de leões, presidida por dois machos poderosos, responsáveis por proteger toda a família e assegurar o território – juntos são mais fortes! Mais do que nunca Marte está serviço do Sol, seu Rei! Esse par realmente colore os dias de entusiasmo, fé, nobreza, coragem e… drama, muito drama! Tudo é um caso de vida ou morte e nos empenhamos de corpo, alma e coração em tudo o que fazemos e empreendemos! Mas é preciso ter bom senso, para não cairmos na armadilha do orgulho e da arrogância, além, é claro, do autoritarismo. E lembrar também que cada um sabe o que é melhor para si e nós não precisamos perder tempo e sair “lecionando” pérolas sobre como o outro deve viver sua vida. Outro ponto importante é que Marte faz sesqui-quadratura a Saturno – junto com o Sol – colocando à prova todo o nosso entusiasmo, que pode passar por alguns testes, sem que nem nos demos conta. O quanto confiamos em nós mesmos, nossa força e nossa vontade para realizar nossos projetos? Vale ficar atentos para não abrirmos a guarda para movimentos de autossabotagem. Tirando isso, é aproveitar a vibração de otimismo e determinação!

Brooke Shaden Photography – Reprodução

Mercúrio em Leão faz trígono a Urano já na segunda e ingressa em Virgem na terça, signo regido por ele e onde ficará retrógrado a partir de 12 de agosto. Aliás, Mercúrio entra na zona sombria da retrogradação também na segunda, 24. Iniciando este ciclo de retrogradação, Mercúrio estaciona no dia 11/08 em oposição a Netuno em Peixes, pedindo bastante cuidado na comunicação, nas análises e negociações, além de assinatura de documentos durante o período. Nas próximas semanas estaremos nos preparando e já verificando o que será revisado nesta retrogradação.

Debra Heylen – Reprodução

Vênus faz oposição exata a Saturno na segunda-feira, um aspecto que nos lembra que relacionamentos, se for para darem certo, darão muito trabalho – não, não confunda com o “trabalho” que as relações doentias e de dependência dão. Relações sérias e felizes dão trabalho porque demandam maturidade, comprometimento, negociação. Exigem esforço, se for para durarem. Vênus em Gêmeos não gosta muito do compromisso, porque prefere estar livre, caso algo “melhor” apareça. A oposição a Saturno é um chamado à reflexão sobre se essa liberdade é assim tão “livre”, já que muitas vezes reclamamos de solidão; se nunca nos comprometemos, continuamos soltos, mas também não construímos nada de sólido. E às vezes, permanecer “livre” é, na verdade, uma fuga de si mesmo, fuga do confronto com as próprias inseguranças, um jeito de evitar o medo da rejeição e do abandono… Quer dizer, pode ser apenas um discurso vazio, usado para camuflar medo do abandono. E evitar, podemos evitar a vida toda, mas, seremos plenos? Depois do confronto com Saturno, Vênus conversa muito desprendidamente com Urano, mas cai no lodo de desolação de Quíron e aqui nossos medos vêm mais à tona, mesmo que tentemos camuflá-los, eles estarão muito nítidos para nós. Esses aspectos ficam exatos no fim de semana, e sugerem dias delicados nas relações, que ficam sujeitas a desencontros, incompreensão e exposição de feridas antigas. Contudo, como sempre, quando estamos dispostos a enfrentar o problema, ao invés de fugir dele, acionamos nosso potencial de curar a nós mesmos e às nossas relações. Vênus permanece em Gêmeos até 31 de julho, quando entra em Câncer.

Reprodução

Vênus estimula e dá ênfase ao semi-sextil que Quíron faz a Urano no fim de semana (um, de uma série de muitos) e eu me lembro que os dois têm algumas coisas em comum. Cada um tem seus significados e simbologias próprias, mas, de formas diferentes, ambos têm a ver com o arquétipo do outsider, o forasteiro, o esquisito, e especialmente Quíron, com a dificuldade em pertencer, portanto, uma reflexão é pertinente sobre a relação entre os dois. No que tange a isso, a esse tema do outsider, a diferença entre Urano e Quíron é que Urano representa aquelas excentricidades e esquisitices das quais temos orgulho e que até ostentamos como emblema, porque nos distinguem e nos tornam “diferentes” de um modo que nos parece positivo, porque não queremos ser iguais a “todo mundo”. É “cool”! É legal!

Reprodução

Quíron representa as esquisitices dolorosas, das quais nos envergonhamos e que, se pudéssemos, esconderíamos, mas elas ficam ali, sempre muito presentes. Quíron também pode representar um problema maior: a possibilidade de nos tornarmos “bode expiatório” em situações delicadas, especialmente quando está em aspecto próximo a planetas pessoais ou aos ângulos. Ambas as formas de “excentricidades” precisam ser integradas, igualmente. As “esquisitices” das quais nos orgulhamos, se não temos cuidado, podem nos alienar de outros, pois nos isolamos e nos diferenciamos em excesso a partir delas, afastando pessoas que poderiam ser significativas na nossa vida. No fundo, ostentamos tais esquisitices para lidar – mais uma vez – com alguma insegurança, do tipo, “não faço mesmo questão de pertencer a esse grupo careta”, quando talvez tenhamos nos sentido criticados e rejeitados por tal grupo lá atrás. Já no caso de Quíron, essas características que julgamos vergonhosas ou dolorosas também precisam ser integradas e aceitas, porque, além de também nos alienar de relações realmente significativas, se não integradas, nunca seremos inteiros, e conviveremos com a sensação permanente de buraco na alma, buraco que representa, exatamente, as qualidades que negamos e rejeitamos.

A órbita excêntrica de Quíron, mostrada no diagrama.

É interessante porque Quíron, que na verdade é um asteroide, tem um ciclo de 51 anos, enquanto Urano tem um ciclo de 84 anos. Ambos também são parecidos nisso, suas órbitas são excêntricas; Urano tem a atmosfera mais fria de todos os planetas e gira em um eixo tão inclinado, paralelo ao plano do sistema solar, que parece uma bola rolando numa superfície, é o único planeta que gira assim; Já Quíron, de quem se diz que não pertence realmente ao sistema solar e que pode desaparecer em algum momento, tem uma órbita excêntrica, atingindo o periélio numa área interior à de Saturno e afélio no limite interior à de Úrano, daí se diz que ele media os conteúdos e limites humanos conscientes (Saturno) com os conteúdos coletivos e inconscientes e a necessidade de mudar (Urano). Então, eles têm coisas em comum e devido ao fato de a órbita de Quíron ser tão excêntrica, os contatos entre eles podem levar anos. Este semi-sextil é o último aspecto de um ciclo que se iniciou entre 1898 e 1900, entre Escorpião e Sagitário. Entre 1952 e 1991 os dois ficaram numa dança de oposição, que ficou exata muitas e muitas vezes (entre as polaridades Câncer-Capricórnio, Leão-Aquário, Virgem-Peixes, Áries-Libra e Touro-Escorpião), marcando várias gerações, por quatro décadas, com uma assinatura peculiar: a visão da “sociedade perfeita” (Urano) é maculada pelo sofrimento e pela amargura da limitação humana (Quíron); a revolução conseguida à custa do sofrimento; os limites da natureza versus a visão do futuro. Este ciclo de Quíron-Urano finda somente em 2043, quando os dois fazem nova conjunção, em Leão. Até lá, esse semi-sextil se repetirá ainda algumas vezes, mas ainda assim, vale a reflexão sobre ele.

Johnny Depp como Edward Mãos de Tesoura, filme de Tim Burton, um filme, aliás, extremamente Quirôniano! Reprodução

As duas Luas Novas que ocorrem em Leão (23/07 e 21/08) trazem fortemente este tema, porque ambas ocorrem em aspectos com estes dois planetas – Quíron, na verdade, é um asteroide. E Vênus – que faz aspecto aos dois, ao mesmo tempo – nesta semana nos convida a refletir como isso repercute nas relações amorosas. Lidar com tudo isso não é fácil, não é fácil, não! Nunca é! Mas pode ser bonito e compensador! Teremos coragem? E você, como lida com suas “esquisitices”?

All Posters – Reprodução

A semana traz o colorido e a força da Lua Nova, que ocorreu em leão, no domingo, 23. A Lua entra na fase Semi-Crescente em Virgem, na quarta-feira. Ganha mais impulso relacional em Libra e oficializa o Quarto Crescente em Escorpião, no domingo. Na sua jornada de coleta de informações e impressões para o Sol, ela faz aspectos com todos os demais corpos celestes, ora harmônica, ora agressivamente. Estes movimentos simbolizam as alterações cotidianas na vida instintiva e nos humores na Terra. A Lua será Cheia no dia sete de agosto, a 15° de Aquário, lunação que será também um Eclipse Parcial da Lua.

Daria Werbowy, para Vogue Itália – Reprodução

SEGUNDA-FEIRA, 24 de julho – A Lua está nova, ainda em Leão e na madrugada fez quncôncio a Netuno e sextil a Júpiter. Durante o dia também encrenca com Plutão e se harmoniza com Saturno e Vênus, de formas diferentes, mediando o diálogo entre eles, que está bastante tenso, já que Vênus torna exata, hoje, a oposição a Saturno. A Lua finda o dia conjunta ao Nodo Norte e a Mercúrio, já formando um Grande Trígono de Fogo com Saturno e Urano. Mercúrio também está em trígono a Urano, exato hoje. O dia está tenso para as relações, particularmente as amorosas, que parecem dar mais trabalho do que valem a pena. É como se nos dessemos conta de que a relação demanda um esforço demasiado, sacrifícios demais e parece que só nós nos empenhamos e o outro apenas cobra, critica, julga, expecta… A ponto de nos sentirmos sozinhos dentro da relação – “solidão a dois, de dia, faz calor, depois faz frio”. E nos questionamos até que ponto estamos dispostos a ir, ou por que foi mesmo que começamos isso tudo… Realmente, relacionar-se dá muito trabalho, especialmente se estamos comprometidos em crescer, em ser melhores pessoas e melhores parceiros, em construir e viver relações mais felizes e saudáveis. Não é para os fracos e imaturos. Demanda trabalho, esforço contínuo e sim, haverá dias muito difíceis. Mas, nos dias difíceis é preciso lembrar o que nos uniu, o que me encantou nessa pessoa, em primeiro lugar; vale checar se a admiração continua, se as afinidades permanecem, se os projetos em comum ainda são válidos, a despeito dos problemas cotidianos. É o caso, também, de confrontar as projeções, as fantasias que tínhamos acerca do outro – e de nós mesmos enquanto parceiros – e da própria relação e perceber que a realidade pode ser um pouco diferente. E então, temos maturidade para lidar com essa realidade, minha, do outro e da relação? Ou será que agora, que o “brinquedo” já não está reluzente de tão “novo” perdemos o tesão, qual criança que perde o interesse tão logo se acostuma? Será que o príncipe virou um chato? Será que a princesa é uma megera? Amar é fácil, difícil mesmo é se relacionar, por isso a manutenção do amor dá trabalho. Ah! Sim! amar dá muito trabalho! Mas hoje, a despeito dessas tensões, conseguimos ser otimistas e nos animar a trabalhar essa relação, a estender a mão ao outro e dar o voto de confiança de que ele vá melhorar – ou dar crédito à nossa própria confiança, de que NÓS também vamos melhorar. Podemos ser honestos quanto aos problemas e desafios e, ao mesmo tempo, visionar as saídas possíveis, se estivermos dispostos ao esforço, ao trabalho – diga-se de passagem, bastante árduo – que consiste em criar uma relação de verdade, real, bonita, com erros e acertos. De modo geral o dia nos convida a lidar com sentimentos de menos-valia, criticismos, falas infelizes, julgamentos, cobranças, solidão e sensação de isolamento… Tudo para nos desafiar a a assumir o compromisso de cuidar melhor de nós mesmos e da nossa autoestima, para sermos capazes de nos defender e de ser justos, assumindo os buracos que precisam ser consertados, mas lembrando das áreas que estão funcionando bem, para não nos desmotivarmos inteiramente. Motivação, aliás, temos bastante para lidar com tudo isso, porque acreditamos que podemos mudar! E vamos em frente!

Reprodução

TERÇA-FEIRA, 25 de julho – De Leão a Lua faz trígono a Urano e, como ainda se afasta do trígono a Saturno, temos um Grande Trígono de fogo na madrugada. A Lua ainda faz quincôncio a Quíron e conjunção a Mercúrio, ficando vazia depois deste aspecto, às 06h22min. Ingressa em Virgem às 07h33min. Durante o dia faz sesqui-quadratura a Plutão e fecha a noite em orbe de oposição a Netuno. Mercúrio ingressa em Virgem às 20h41min. A noite pode ser povoada de sonhos mágicos que mensagens importantes para a vigília! Já o dia começa bem industrioso, com uma forte energia de organização e trabalho, que pode nos ajudar muito a recuperar o tempo perdido, especialmente se nos demoramos a mais no lazer recentemente. Há bastante clareza quanto às nossa prioridades e isso pode fazer o dia render mais ainda, porque traz foco e produtividade. Mercúrio ingressa em Virgem, indicando um período em que a mente tem sua capacidade analítica aumentada. Análises, estudos, pesquisas, revisões de métodos e de materiais… tudo isso fica favorecido enquanto Mercúrio estiver em Virgem (de 25 de julho a 31 de agosto e de nove a 29 de setembro), particularmente no período de retrogradação (11 de agosto a 5 de setembro).

Brooke Shaden Photography – Reprodução

QUARTA-FEIRA, 26 de julho – O Sol está em conjunção a Marte, seu guerreiro e embaixador, aspecto perfeito hoje! Mais do que nunca, Marte está atualmente a serviço do Rei, trafegando Leão. A Lua Virginiana faz sesqui-quadratura a Urano, se opõe a Netuno, faz trígono a Plutão e à noite quadra Saturno e Vênus – aspecto exato na quinta – e, vira a noite formando uma Grande Cruz Mutável pra lá de melindrosa, já que envolve Saturno e Quíron! Os dois significadores do feminino e também de relacionamentos emaranhados com esses caras espinhosos… Noite complicada! Entusiasmo, ânimo, coragem, ambição e muita energia são o pano de fundo do dia. Esse entusiasmo faz com que encaremos a maior parte das atividades com alegria e vigor, e mesmo, prazer! Contudo, há tendência a uma certa arrogância e é preciso ficarmos atentos para dosarmos o entusiasmo e não o impormos a outros. Nesse contexto, a Lua virginiana vem equilibrar e trazer alguma modéstia e “pé no chão” ao cenário. Mas há também incongruências, porque se o espírito está resoluto e decidido, o corpo e os sentimentos estão divididos, em “dú-vida – duas vidas”.  Sim, a industriosidade de ontem hoje está permeada de dúvidas e macula a determinação do propósito: qual o melhor método? Qual a hora mais adequada? Deveríamos mesmo estar fazendo isso? Nada pior que a auto-duvida para confundir aquilo que já havíamos decidido! Mas a dúvida às vezes pode ser amiga, se soubermos lidar com ela – ela nos obriga a checar as questões práticas, por exemplo, por exemplo – do contrário, podemos realmente nos perder nos emaranhados detalhistas da coisa “certa” a fazer, do politicamente correto, do recipiente certo, da cor exata… e quando vemos, não fizemos nada, porque estávamos discutindo detalhes! O dia pede que finquemos o pé no chão para discernirmos entre os detalhes que são cruciais e aqueles que são insignificantes, porque se misturarmos os dois, pomos em risco a realização do projeto. Já a noite traz dilemas mais densos e complicados, que envolvem nossas relações mais próximas. O ser masculino – Sol-Marte – está forte e poderoso; já o ser feminino sente-se desvalorizado, seja pelo masculino, seja pelo outro feminino, que é visto como concorrente, rival, inimigo – já vemos que essa é uma receita de confusão! Chafurdando na areia movediça das próprias inseguranças, vemos como ameaça qualquer vislumbre de algo diferente, que não conhecemos nem compreendemos e rotulamos de nomes menos nobres, uma depreciação que é, na verdade, como uma defesa do brio combalido. Mal sabemos que “a outra” – ou outro, não importa – está tão aflita quanto nós e, se tivéssemos a chance de chorar juntas, veríamos que partilhamos das mesmas pragas: autoestima baixa, medo de rejeição, medo de abandono, insegurança. No fundo, essa “outra” pessoa é parte de mim, é uma outra face da minha humanidade e vê-la como rival é apenas cair na armadilha que separa humanos que vivem os mesmos dilemas. Portanto, vale olhar para todos os “outros” das nossas relações como pedacinhos soltos de nós mesmos, para desenvolver nossa compaixão e senso de humanidade – e quando fazemos isso, até rimos muito do ridículo que é certas competições… De modo mais direto, a noite está melindrosa, porque os humores estão suscetíveis e as inseguranças, afloradas. Portanto, vale pegar leve antes de levar para o pessoal a brincadeira “sem noção” do outro; vale pensar duas vezes antes de fazer a brincadeira “sem noção”, que pode ofender ou pegar o outro num momento delicado. Nada como primar pela educação, a gentileza, a nobreza de caráter, levando em conta o credo cristão: não faça a outro o que não gostaria que fizessem a você! Gentileza e generosidade de espírito são essenciais para navegar essa noite melindrosa!

Reprodução

QUINTA-FEIRA, 27 de julho – A Lua está em virgem e entra a madrugada envolvida numa Grande Cruz Mutável ao se afastar da quadratura a Saturno, fazer quadratura a Vênus e oposição a Quíron. A madrugada fica bem complicada, particularmente para as relações afetivas. A Lua fica fora de curso depois da quadratura a Vênus, às 03h33min. Ingressa em Libra às 12h37min. À noite a Lua se harmoniza com Marte e com o Sol. Se a madrugada esteve sujeita a desencontros e confusões amorosas, a amanhã traz um sabor desconcertante, de ideias confusas e sentimentos contraditórios. Ficamos inseguros se é melhor abrir o livro e o verbo e escancarar as coisas ou manter-nos discretos e contidos, para não chamar a atenção sobre nossa “desgraça” e infortúnio. A manhã traz essa sensação de divisão até nas coisas menores: prendemo-nos demais aos detalhes e isso nos faz perder o foco e a visão maior, de modo que a produtividade fica comprometida. De qualquer forma, não há energia suficiente para realizar mundos e fundos e o ideal é ater-se ao básico e à rotina. A tarde realça dúvidas de outo tipo, mas acentua a necessidade de ação, de resolução. A noite permite um alinhamento da vontade e dos propósitos com os sentimentos e necessidades de conforto e segurança, de modo que há maior clareza sobre os caminhos e atitudes a se tomar.

Reprodução

SEXTA-FEIRA, 28 de julho – A Lua Libriana faz quincôncio a Netuno,  conjunção a Júpiter – preste atenção no céu noturno, a conjunção estará belíssima! – e quadratura a Plutão. Vênus está muito próxima à quadratura a Quíron e ao sextil a Urano. O dia começa confuso, possivelmente com alguma indisposição indefinida, que pode ser física ou mesmo emocional. Conforme as horas passam, a indisposição fica mais distinta. Por um lado estamos animados e entusiasmados com nossos projetos, mas por outro, há tensões que precisam ser endereçadas e das quais não podemos fugir, por mais que queiramos. Muito do nosso otimismo é gasto em lidar com algumas cobranças e pressões externas, e muita energia também é dispendida em averiguar nossas motivações mais obscuras para fazer o que fazemos e para nos envolver nos imbróglios e e crises que criamos ao nosso redor, ou no mínimo, que atraem a nossa atenção. A noite está mais sujeita a erupções e explosões do humor e a tentativas de manipulação e jogos de poder nas relações. Quem sabe ir lá fora apreciar a noite e as estrelas possam nos ajudar a espairecer e colocar as coisas em melhor perspectiva. Ao olhar a escuridão da noite – se você conseguir fugir da iluminação artificial – podemos simbolizar a escuridão da nossa própria alma, aquelas regiões do nosso coração e do inconsciente a que normalmente não temos acesso, mas das quais podemos ter vislumbres iluminadores quando nos aproximamos com a devida reverência, honestidade e cuidado. O céu noturno também oferece o belo espetáculo da conjunção Lua-Júpiter – e Júpiter também está em quadratura a Plutão, exata em 05/08. Podemos nos sintonizar com esse poder de expansão e de auto-melhoria, trazendo para mais perto de nós essa possibilidade de iluminar, com benevolência, aspectos sombrios de nós mesmos, com vistas a reconhecê-los e transformá-los. Ao olhar o céu noturno e vermos a Lua e Júpiter, podemos dirigir uma oração, um rezo ao deus agradecendo por ser quem somos e estar onde estamos (esse é um agradecimento frequente para mim), porque só assim podemos experienciar tudo o que vivemos nas nossas vidas, no que ela tem de mais belo – como este céu iluminado – e no que ela tem de mais complexo, como os paradoxos da nossa condição humana! E que Júpiter nos abençoe com a sua benevolência!

Reprodução

SÁBADO, 29 de julho – Vênus quadra Quíron e faz sextil a Urano, ambos os aspectos exatos hoje. Quíron faz semi-sextil a Urano, exato também na virada de hoje para amanhã. A Lua Libriana se afina com Saturno, enquanto também ativa Quíron-Urano, ao fazer quincôncio àquele e se opor a este. A Lua fica vazia depois da oposição a Urano, às 18h32min. Ingressa em Escorpião às 21h23min. A madrugada está permeada de algumas angústias e aflições que podem atrapalhar relações íntimas; ou podem se manifestar como sonhos estranhos, que podem nos fazer relembrar algumas dores e rejeições antigas. O fato é que a atmosfera está meio carregada e isso é sentido na vigília, pois estamos inseguros e suscetíveis e, autoestima meio capenga e, por mais que haja também resiliência e afirmação de autonomia, ainda temos que lidar com a desconfortável sensação de desamparo e a dificuldade de expressar o que sentimos de forma segura e tranquila, de modo que ou nos reservamos e isolamos ou ficamos defensivos nas tentativas de interação, para nos preservar de dores e sofrimentos, que podem reverberar de experiências passadas ainda não completamente curadas. As lembranças vêm e vão e nessas idas e vindas podem causar amargor ou propiciar maior entendimento dos nossos processos relacionais, caso estejamos dispostos a sair da posição de vítima inocente – coisa que, obviamente, ninguém é. Tais lembranças podem ser iluminadas por um olhar mais arguto e maduro, com mais desprendimento e maturidade e podemos escolher deixá-las ir, dar outros significados para as vivências difíceis e aprender com elas; liberar o outro das nossas queixas e mágoas e com isso, liberar-nos do peso da cobrança e do fardo sofrido que estivemos acalentando e carregando por tanto tempo. Sim, a ferida reaberta pede para ser revista, pede por assepsia e purificação, pede por uma medicina nova: compreensão e perdão, de si para com o outro e para consigo mesmo. É isso ou então continuaremos na lenga-lenga do “ninguém-me-ama-ninguém-me-quer”, quando na verdade, nem nós talvez queríamos a nós mesmos. Precisamos ser capazes de olhar para nós mesmos com respeito, compaixão, aceitação e amor, só assim seremos capazes de oferecer isso ao outro e de reconhecer quando isso também nos for dado.

Reprodução

DOMINGO, 30 de julho – Quíron está em semi-sextil pleno a Urano. De Escorpião a Lua se harmoniza com Mercúrio em Virgem, quadra Marte e oficializa o Quarto Minguante ao fazer quadratura ao Sol. Faz sesqui-quadraturas a Quíron e a Vênus e vira foco de um Martelo. Fecha a semana em trígono a Netuno em Peixes. O domingo traz uma profundidade que nos convida a interações nada banais, nada leves. Pelo contrário, as trocas hoje precisam de engajamento apaixonado, evitar as superfícies seguras e embrenharmo-nos nas trocas mais densas e significativas. Pelo meio da manhã o clima pode ficar mais tenso e, se não tivermos escolhido bem as companhias, as trocas podem descambar para intrigas e disputas por território ou por domínio de assuntos e mesmo do outro. O que nos leva ao questionamento sobre o quê nos faz sentir ameaçados, o que isso diz sobre nós e nossa história e como podemos lidar com isso para que não atrapalhe as relações – porque às vezes a sensação de ameaça pode ser infundada e queimar pontes que estávamos construindo. A Lua entra no quarto Crescente, a Partir de Escorpião e nos convida a assumir nossa ambição e nosso poder, a não ter medo de apropriar-nos dos nossos talentos e reais habilidades e colocá-los a serviço da busca pela liderança; o Crescente também convida a conter um pouco nosso orgulho, vaidade, desejo de “aparecer”, se for para nossos projetos frutificarem realmente – muitas coisas, para serem bem sucedidas, precisam ser ocultados de olhos curiosos, até para escapar na vulgaridade e da banalidade das coisas que “todo mundo viu, todo mundo sabe”. Assim, por mais que nosso ego e vaidade clamem por divulgar sobre aquele projeto “mara” no qual estamos envolvidos, enquanto a coisa não estiver de fato sólida e sacramentada, é melhor deixar que germine no escuro, longe d olhos críticos e inclementes, de torcidas contrárias – chame de paranoia de Escorpião, que seja! – e, no mínimo, salve o projeto, os desejos e intenções da dispersão desnecessária de energia. Resguardemo-nos! Quem tem confiança não precisa do aplauso do outro, por coisas que ainda nem foram de fato realizadas! Isso pode nos poupar energia e dores de cabeça!

Uma ótima semana para você!

Reprodução
Barbed Wire Art – Reprodução

A Semana Astrológica – Do que você tem medo?

Semana estendida de 30 de junho a 09 de julho

Não consegui publicar a semana corrente na data certa, então, aproveito e já publico o período estendido até a semana que vem – estou em viagem, no interior do Maranhão, com acesso limitado à internet – por isso também o post sai com imagens limitadas.

Este período está bastante catártico, com crises atuais ressuscitando dores e mágoas antigas e que podem tanto nos endurecer e amargar um pouco mais, ou nos libertar dos ranços e bolores emocionais para uma vida mais doce e serena. Nossos medos também ficam aflorados e nos fazem questionar o que é realmente essencial para nós.  Estou falando dos trânsitos correntes do Sol, Marte e Mercúrio por Câncer, todos em confronto com Plutão em Capricórnio crises que atingem seu apogeu na Lua Cheia de Capricórnio que ocorre no dia 09 de julho, domingo da semana que vem.

Marte, já neste fim de semana, enfrenta o poder de Plutão e como Plutão é a oitava mais elevada de Marte, é sempre formidável um embate entre os dois, representando momentos de grave tensão, propensão à violência, tanto nas relações pessoais, quanto nas interações impessoais e sociais. Há conflitos de poder, tentativas de controle e as consequentes insurreições, que tendem a derrocar em agressividade explícita e física, caso não se consiga contornar as beligerâncias. Se não estamos cientes de nossa própria agressividade não expressa e preferimos nos identificar com a ovelha mansa e dócil, podemos cair direto nas garras de lobos famintos, que ficarão felizes em nos dar uma lição de sobrevivência e de até onde está disposto a ir quando isto está em jogo. Marte-Plutão sempre nos questionam como temos usado nosso poder, se o usamos sabiamente, sem desculpas, ou se o delegamos a outros, por medo de suas implicações, por medo de nos rendermos a ele; também nos incita a olhar se não abusamos desse mesmo poder, intimidando, agredindo, violando a outros ou a seus recursos, por não entendermos que devamos respeitar os limites alheios. Tudo isso, dependendo do quanto temos trabalhado nossa sombra e essas questões dentro de nós. Marte também faz quincôncio a Saturno, sugerindo inseguranças recalcitrantes que voltam a nos afligir e que vão demandar autocompaixão e tolerância conosco mesmos.

Antes de Marte, Mercúrio fez o mesmo percurso, digladiando nos mesmo desafios, fazendo primeiro quadratura a Júpiter e depois oposição a Plutão, de modo que de quinta a domingo desta semana, as coisas ficam deveras tensas e carregadas. Estouros podem ocorrer e os canos que jaziam entupidos de muitos detritos antigos, sangram agora, alagando os arredores com nossa raiva antes represada, que agora jorra aos borbotões, espantando a muitos, inclusive a nós mesmos. Tais inundações da raiva não ocorreriam, se mantivéssemos nossos canos limpos de tais resíduos. Como fazer isso? É um exercício permanente, diário, de se vigiar, de gerenciar a própria raiva, irritação e frustrações, de saber colocar e respeitar os próprios limites, de saber dizer não quando se quer e se precisa dizer não, de saber ser honesto consigo e com o outro, ao invés de engolir os impropérios e mariná-los para depois. Não, não é o caso de explodir todos os dias e proferir os impropérios, mas pelos menos de reconhecer quando se sente invadido, quando não se está satisfeito e pontuar isso, de forma firme e adequada – assim, não será necessário explodir ou implodir mais à frente, quando o copo encher ou quando os canos entupirem. A nosso favor temos o fato de Marte já ter voltado aos limites do Sol, estando menos selvagem e descontrolado. Mercúrio, por outro lado ainda está nessa condição até dia 01/07, requerendo cautela, porque as línguas ficam mais do que ferinas, potencialmente letais.

Na semana que vem o Sol fará os mesmos movimentos. Faz quadratura a Júpiter (05/07) e depois oposição a Plutão (09/07) e é a vez de a consciência ser inundada pelos conteúdos sombrios do inconsciente, nossas dependências infantis, desejos de onipotência e controle através de artimanhas sutis, mas muito efetivas. Precisamos mesmo recorrer a tais artimanhas? É mais um momento de confronto com nosso senso de (im)potência. No mundo exterior isso se manifesta como conflitos intensos de  busca de domínio sobre terceiros, já que talvez não conseguimos dominar nossas próprias inseguranças internas. O desejo de controle geralmente nasce da insegurança profunda, do medo de ser controlado e de ficar à mercê do que quer que seja: pessoas, situações, eventos, então, predomina a máxima: antes ele do que eu, e para não me sentir dominado e controlado, eu controlo e domino. Estes são dias ótimos para perscrutarmos nossa alma e verificarmos quando controlamos e quando nos sentimos controlados e como agimos ou reagimos diante disso. O Sol também fará trígono a Netuno, o que provavelmente nos ajuda a lidar com todos esses dilemas com mais serenidade e auto compreensão – se não temos compaixão por nós mesmos, quem terá?

Depois de ter feito a Conjunção Superior ao Sol e de lidar com todos esses desafios, Mercúrio deixa as águas de Câncer e ingressa em Leão e começa a se afastar do Sol, preparando-se para seu próximo ciclo de retrogradação, que começa em 12 de agosto, em Virgem. Em Leão Mercúrio se comunica de forma magnânima, mas também dramática! Há um grande interesse nas artes em geral e o auto interesse também é acentuado. Caso não esteja aflito, há o entusiasmo e a alegria de um coração jovem, coisa que é reconhecida pelas crianças, com quem costuma de relacionar bem. Mercúrio fica em Leão de 5 a 25 de julho, quando então ingressa em Virgem.

Quem também muda de cenário é Vênus, que sai dos campos bucólicos de Touro e torna-se mais urbana e sofisticada em Gêmeos. Nesta semana que termina Vênus fez quincôncio a Saturno, movimento que pode ter significado alguns estremecimentos nas relações em geral, motivados por inseguranças ou incompatibilidades de valores e interesses. Talvez o posterior sextil a Quíron nos ajude a ter mais compreensão das dificuldades alheias, assim como das nossas próprias, o que pode nos ajudar a encontrar algum caminho de conciliação. Vênus entra em Gêmeos no dia quatro de julho, onde fica até o dia 31, quando ingressa em Câncer.

Quíron estaciona na sexta, dia 30, para entrar em retrogradação no sábado. Esse movimento de Quíron nos convida a reavaliarmos como temos lidado com o tema das feridas incuráveis na nossa vida, da bisca ou oferta de ajuda e a cura proveniente de tal atitude. Quíron fica retrógrado de 1° de julho até 06 de dezembro e como Saturno volta ao movimento direto em agosto, os dois ainda se batem uma vez mais na quadratura atualmente em curso. Este é um aspecto bastante difícil e quem sente de forma mais contundente e pesada são os signos mutáveis, particularmente Gêmeos e Sagitário, mas também Virgem e Peixes. Nos próximos meses estaremos refletindo sobre nossas fragilidades sem conserto, nossa tendência ao vitimismo ou à amargura, nossa abnegação e a busca do bálsamo da cura, através da ajuda ao outro.

E, finalmente, nos próximos dias também vemos ocorrer o terceiro e último quincôncio de Júpiter a Netuno, precisamente na virada de terça (dia 04) para quarta. Expectativas exageradas, seguidas de experiências de desencanto são sugeridas por este aspecto, particularmente no que tange a figuras eclesiásticas e religiosas em geral, como também em relação a juízes e e a leis. Engodos podem se dar, sob o disfarce da benevolência aos oprimidos e desvalidos; há dificuldade em ater-se aos limites, sejam os pessoais ou sociais; há propensão aos exageros no otimismo, nos planos de crescimento, na busca por melhoria. Se conseguimos controlar tais rasgos doudivanas, podemos tirar proveito de um aumento da criatividade, mas é preciso ter muito pé no chão para não nos deixarmos levar por planos mirabolantes que talvez deem em nada! Cautela, mais uma vez, como promessas feitas ou ouvidas – elas podem nos levar à nau dos insensatos, que está fada a naufragar. Esse último quincôncio entre Júpiter e Netuno ocorre com a Lua vazia, em Escorpião, sugerindo que é ainda mais difícil ter clareza de nossas expectativas fantasiosas, e que não devemos mesmo nos apegar a elas, pois nada está determinado ou preciso e os resultados tendem a nos surpreender, a sair muito diferentes da nossa esperança – provavelmente de forma negativa.

A Lua fecha esta semana em Escorpião, na fase Crescente. Fica Corcunda ainda em Escorpião na terça-feira, dia quatro. Engorda e arredonda-se mais um pouco em Sagitário e, plenamente prenhe, dá à luz em Capricórnio, no apogeu do ciclo, no domingo, dia nove de julho. Nesta jornada cheia de altos e baixos, a Lua conversa, sussurra, briga e interage de formas diversas com todos os demais planetas, sinalizando as mudanças de humores aqui na Terra.

SEXTA-FEIRA, 30 de junho – Vazia em Virgem, a Lua faz oposição a Quíron. Ingressa em Libra às 03h02min, de onde entra na fase Crescente, às 20h52min. Quíron estaciona às 03h10min. Dia de focar no equilíbrio, na harmonia e na civilidade, sem deixar de ser assertivos quando se fizer necessário. A Lua fica Crescente em Libra, em quadratura ao Sol em Câncer e sinaliza que para avançarmos na direção da maturidade, é preciso deixar muita coisa para trás. Para se formar uma nova família, ser parte de um casal (Libra), é preciso deixar para trás a família de origem e o passado (Câncer) para poder olhar para o futuro e fundar o novo núcleo. Libra também convida a viver as relações de forma equilibrada, como é o caso das relações laterais. Já não nos relacionamos nas bases da hierarquia e da dependência das relações parentais, mas de igual para igual, em que as pessoas envolvidas da relação têm obrigações e direitos iguais dentro do arranjo, precisam dar e receber igualmente, para que a parceria se sustente e tenha futuro.

SÁBADO, 1° de julho – Quíron entra em movimento retrógrado na madrugada. A Lua Libriana, já na fase Crescente, faz conjunção a Júpiter, quincôncio a Netuno em Peixes, quadratura a Plutão em Capricórnio e a Marte e Mercúrio em Câncer, formando uma poderosa T-Square, da qual ela mesma é o foco, junto com Júpiter. A Lua faz ainda sextil a Saturno. A princípio o dia começa com otimismo e nos sentimos magnânimos, expansivos e generosos, querendo a companhia de outras pessoas para socializar e interagir. Mas conforme as horas passam, a propensão à indecisão aumenta grandemente, porque sentimentos, pensamentos, atitudes e necessidades estão todos em contradição e assim nos sentimos extremamente irritadiços e intolerantes, com o estopim curto, devido à frustração conosco mesmos, por não conseguirmos nos alinhar internamente. As explosões trazem o alívio catártico, mas por outro lado, deixam-nos sentindo vexados e constrangidos por não conseguirmos conter nosso mau humor e insatisfação. Antes de mais nada precisamos reconhecer essas contradições interiores e admitir que precisamos fazer algumas escolhas chatas, abrindo mão de algo que gostaríamos, em favor de algo mais importante, do qual precisamos – precisar sempre é mais forte que querer! Delegar a escolha e a decisão para outros é o pior que podemos fazer hoje, porque o resultado final pode ser desastroso, tanto porque não nos agradará, quando porque poderá piorar os atritos já existentes. Sejamos honestos e banquemos nossas decisões, porque somente nós podemos ser responsáveis se elas se revelarem acertadas ou equivocadas. Entregar nosso poder ao outro, pode não só diminuir nosso respeito próprio, como nos colocar em situações arriscadas de vulnerabilidade diante de pessoas que talvez não devêssemos confiar tanto assim. Para ter a paz e o equilíbrio que tanto buscamos, precisamos abrir mão da imagem de imparcialidade que gostamos de cultivar. É preciso tomar partido, é preciso escolher, é preciso assumir os próprios desejos e necessidades, é preciso assumir o próprio poder. A não ser que queiramos ser apenas uma sombra de nós mesmos!

DOMINGO, 2 de julho – Marte está em oposição exata a Plutão e Mercúrio está em quincôncio pleno a Saturno! Por seu turno, a Lua faz quincôncio à sua senhoria, Vênus em Touro, e também a Quíron, virando foco de um Yod-Dedo de Deus, já que Vênus está em sextil a Quíron. A Lua Libriana ainda se opõe a Urano em Áries, ficando vazia depois desta briga, às 09h18min. Ingressa em Escorpião às 13h em ponto, onde se retrai para se recuperar de todos esses embates. O domingo está cáustico, violento, propenso a chuvas, trovoadas, tempestades e furacões, acionados por energias que foram represadas e reprimidas e que agora borbulham, fazendo ferver o sangue, levando as pessoas a agirem no calor do momento e na impulsividade. Marte é o instinto de sobrevivência individual, é o impulso da agressividade que, em si mesmo, é neutro e pode e deve ser usado de forma positiva, ajudando-nos a ser assertivos e a brigar por nossos objetivos. Mas Marte em Câncer não direciona bem essa agressividade – já tentaram mover uma faca na água? E a agressividade tende a ser expressa de forma indireta, isso quando não fica fervendo por dentro, engarrafada. Plutão é o instinto de sobrevivência da espécie, o poder e o controle, o princípio da destruição de tudo que vai contra a essência da psique, a demolição de tudo o que é falso, errado, fajuto, disfarçado, para que o conteúdo possa ser transformado. Assim, um confronto entre Marte e Plutão, neste eixo Câncer-Capricórnio, obrigando o individuo a lidar com suas queixas pueris, com aquilo do que vem fugindo, esgueirando-se pelas esquinas de si mesmo. Mas chega uma hora que não esquinas suficientes para nos escondermos de nós mesmos, nossa raiva, nossa birra, expectativas frustradas, fugas da própria sede de poder. É encarar a sombra que se projeta da outra rua e preparar-nos para o confronto necessário. Se insistimos em fugir, vamos encontrar o bicho-papão em formas menos prosaicas e mais violentas e sujas. O palco principal dessas tempestades são as relações afetivas e a família, principalmente, mas podem ocorrer também em outros cenários. Portanto, fiquemos de sobreaviso e vigiemos nossa própria reatividade, nossa raiva encalacrada – e todos nós temos algum resquício dela dentro de nós – porque ela pode explodir hoje, atiçada por alguma coisa boba, alguma ameaça – talvez até infundada – ao nosso ego e à sobrevivência! Até onde somos capazes de ir quando estamos acuados, verdadeiramente? E o que tem o poder de nos acuar? O que nos faz borrar as calças? Será que nos conhecemos tão bem? O problema é que muitas vezes, confundimos as coisas e nos sentimos tão inseguros que nos sentimos acuados por coisas menores e então explodimos na hora errada, com as pessoas erradas. Para evitar que tais energias se expressem através de nós de forma destrutiva, o ideal é nos confrontarmos de uma vez, encontrarmos formas de extravasar nossa raiva, nossa frustração, de maneira construtiva e positiva, assim, não precisaremos despejá-la sobre aqueles que nada têm a ver com nossas dificuldades.

SEGUNDA-FEIRA, 3 de julho – De Escorpião a Lua faz trígono ao Sol e a Netuno, formando um Grande Trígono em Água por todo o dia, que à noite vira uma Pipa, com Plutão de foco. Vênus está em sextil a Quíron, aspecto exato, enquanto Marte começa a se afastar da oposição a Plutão. Lua e Marte estão em recepção mútua. O dia traz um manancial imenso de sensibilidade e emotividade, que nos puxa para as profundezas de nós mesmos e de nossos sentimentos mais viscerais e misteriosos. Tal profundidade propicia a elaboração e depuração das explosões e conflitos recentes, favorecendo também que nos conheçamos um pouco mais. No mundo exterior, também nos sentimos mais conectados com os outros e mesmo inclinados a ser um pouquinho – só um pouquinho – mais tolerantes em relação àquilo que parece desajustado e fora de ordem – Netuno propicia essa compreensão, essa inclusão do todo, mesmo daquilo que parece trôpego e estranho e então, julgamos menos. Em termos práticos, o dia pede mais introspecção, um voltar-se para si mesmo. As investigações densas, sejam internas ou externas, também ficam favorecidas pela energia penetrante de Escorpião e as situações têm mais chances de serem transformadas positivamente.

TERÇA-FEIRA, 4 de julho – Mercúrio está em quadratura exata a Urano. De Escorpião a Lua se harmoniza, de formas diferentes, com seus dois dispositores, Marte e Plutão – aliás, Lua e Marte estão em recepção mútua. A Lua faz ainda quincôncio a Urano e trígono a seu regido Mercúrio e a Quíron em Peixes, formando outro Grande Trígono em Água. Fica vazia depois da conversa com Mercúrio, às 21h36min. A Lua ainda faz sesqui-quadratura ao Sol, entrando na fase Corcunda. Vênus ingressa em Gêmeos às 20h12min e Júpiter vira a noite em quincôncio exato a Netuno. A despeito de termos hoje pensamentos e sentimentos alinhados e de conseguirmos ser suficientemente assertivos e motivados a lutar por nossos interesses, há dentro de nós um alvoroço, um desejo intenso de mudanças e novidade, que nos empurra na direção de coisas e situações extravagantes, que nos permitam sair do lugar comum, do previsível. A intensidade emocional fica maior e mais pujante e nos vemos agindo impulsivamente, na busca por emoção e estímulo. É essencial perceber que os estímulos não estão necessariamente lá fora. Antes, precisamos analisar as alterações que devem ser feitas nos nossos pensamentos, visões, planos, formas de pensar e, consequentemente, no nosso cotidiano, onde tudo isso tem efeito e é vivenciado. Felizmente, temos suficiente sustentação emocional e estamina interior para perceber todas essas nuances e adotar as atitudes cabíveis, se realmente quisermos. Do contrário, se insistirmos em modificar apenas o ambiente imediato, achando que o problema reside aí, podemos nos deparar com situações conturbadas que perturbam nossa rotina de forma irritante e contraproducente. De todo modo, é sempre bom permanecer flexíveis e abertos aos imprevistos, porque hoje eles são o recheio do dia – e têm muito a nos ensinar!

QUARTA-FEIRA, 5 de julho – Júpiter está em quincôncio pleno a Netuno nas primeiras horas da madrugada de terça para quarta – o aspecto partil dura cinco horas e meia. O Sol estimula e potencializa este atrito, pois está em aspecto a esses dois planetas, fazendo quadratura a Júpiter e trígono a Netuno. A Lua entra o dia vazia em Escorpião e ingressa em Sagitário à 01h08min, de onde logo se opõe à Vênus Geminiana. Mercúrio hoje faz trígono a Quíron e ingressa em Leão às 20h20min. Achar o equilíbrio necessário entre nossos anseios e a realidade é um dos desafios do período; outro desafio é perceber quando podemos e devemos ajudar e quando devemos respeitar os limites nossos e do outro – nem sempre podemos fazer tudo, por mais que queiramos! O dia pede cautela com as expectativas não racionais acerca do futuro e de figuras que admiramos e em quem projetamos nossas esperanças. Talvez estejamos excessivamente otimistas e idealistas, de modo que não enxergamos direito até onde podemos ir, podendo nos exceder nos nossos cuidados ou cobranças e expectativas em relação a outros. Para isso, precisaremos exercer uma grande dose de autodisciplina e autocontrole, para não perdermos as estribeiras e o prumo do que que quer que estejamos realizando. Há o risco de nos sentirmos super-poderosos e tentar dar o passo maior que a perna, para perceber o erro apenas quando é tarde demais. Portanto, usemos o otimismo para nos animar e motivar, mas mantenhamos em cheque a disciplina e o bom senso!

QUINTA-FEIRA, 6 de julho – O Sol está em trígono a Netuno e quadratura a Júpiter, ambos os aspectos exatos hoje! Por sua vez, a Lua Sagitariana faz quadratura a Netuno, sextil a Júpiter e quincôncio ao Sol e potencializa este corrente aspecto entre Sol-Júpiter-Netuno, ao conversar com todos eles. A Lua faz também conjunção a Lilith, quincôncio a seu regido, Marte e conjunção a Saturno. Embora isso não seja uma configuração astrológica formal, temos hoje uma imagem bem interessante formada nos céus, mostrando um trapézio que tem o sextil por base e o trígono no topo – ou vice-versa; as quadraturas são as laterais e os quincôncios se cruzam ao meio, destes dois aspectos criando tensão e o trígono e o sextil conciliando. O que tudo isso quer dizer? É dia de nos conscientizarmos de nossos idealismos ingênuos, de nossas crendices tolas e otimismos vazios, que não vão nos levar a nada, a não ser a decepções. Falta-nos terra para exercer nossa compaixão adequadamente, realisticamente, assim como nos falta terra e bom senso para olhar para o futuro com fé, mas também com pragmatismo. O dia fica como uma faca de dois gumes: podemos nos perder num oba-oba de esperanças vãs e auspícios infundados; ou podemos agarrar a oportunidade de nos observar mais de perto e perceber por que precisamos tanto “acreditar” em certas “verdades” fantasiosas, por que nos deixamos seduzir pelas palavras doces que escondem intenções amargas. Assim, essa oportunidade pode ser também de nos abrirmos para novas visões, para o entusiasmo bem fundamentado e sem os vícios do imediatismo e das soluções fáceis, apelativas e mágicas que são tão comuns ao nosso tempo. Saturno hoje vem sem a âncora que nos faz assentar devidamente o coração, a intuição, a alma, e nos faz ponderar com vagar, sabedoria e quem sabe até, com graça, sobre nossas reais possibilidades, julgando-as com a justa medida, nem pessimista nem otimista, apenas vendo-as pelo que realmente são: possibilidades, que podem ser concretizadas, dependendo do nosso esforço, empenho e comprometimento e não apenas de truques fantásticos para iludir aqueles que não querem pagar o preço da conquista real e verdadeira. Todos esses aspectos também estimulam a criatividade e os dons artísticos, favorecendo a todas as atividades nessa área. Também ficam potencializados nosso altruísmo e empatia, mas aqui há que se ter cautela para se ter certeza de que o outro realmente quer – e precisa – da nossa ajuda, do contrário, podemos ser invasivos e desrespeitosos ou simplesmente ser vítimas da má fé alheia.

SEXTA-FEIRA, 7 de julho – Vênus está em sesqui-quadratura a Plutão. De Sagitário, a Lua se harmoniza com Urano e fica vazia logo depois, às 10h14min. Faz ainda quadratura a Quíron e ingressa em Capricórnio às 13h45min, de onde faz quincôncio a Vênus em Gêmeos e a Mercúrio em Leão, que estão em sextil pleno hoje – assim, a Lua vira foco de um Yod. A manhã tem um tom agridoce, de busca de liberdade e uma aguda consciência das nossas restrições e impedimentos. Mas isso não deve nos baquear, mas sim ser motivo de reflexão que nos serena e acalma, por nos entendermos humanos, de alma infinita num invólucro limitado – se não entendemos e aceitamos isso, o tom pode ser de amargor e ressentimento, contra a própria vida ou, para os muito inconscientes, contra os incautos que porventura cruzarem seu caminho hoje. A tarde traz dilemas diferentes, mas que ressoam e aprofundam os conflitos da manhã: há apelos lá fora, que nos instigam a brincar, nos soltar, divertir, como se não houvesse amanhã, como se não houvesse problemas ou mesmo a pilha de trabalho à nossa frente. Mas o velho ranzinza dentro de nós se recusa a atender aos convites da leveza – ou talvez seja o “velhos ranzinza” fora de nós, na pessoa do chefe ou quem quer que seja – e prefere pregar contra eles, ressentidamente, julgando imorais àqueles que não seguem a cartilha da dureza e da contenção. Tudo bem se queremos nos negar certos prazeres para provar algo a nós mesmos – problema nosso! – mas, querer interferir nas escolhas de outros ou ser seu exemplo, é outra história, bem diferente! Assim, a tarde e anoite pedem contenção, autossuficiência, trabalho, disciplina, mas não precisamos levar tudo a ferro e fogo, ou podemos nos tornar doentes! Também deixemos que cada um faça o que for adequado para si, afinal não precisamos carregar o peso – mais esse! – de ser os juízes do mundo!

SÁBADO, 8 de julho – A Lua Capricorniana, Corcunda, faz sextil a Netuno e quadratura a Júpiter e prepara-se para ser Cheia, nos primeiros minutos da madrugada de domingo. Temos a sensação de expectativa, de algo grande, prestes a acontecer – ou explodir! – e isso nos deixa um tanto inquietos e, para nos precaver, recorremos ao bom e velho controle, mecanismo de defesa por excelência! E assim, nos armamos de argumentos para nos defender das pequenas alegrias ao nosso redor e quando vemos, deixamos de aproveitar boas oportunidades de convivência e de festejar com outros, pelo medo de relaxarmos em demasia e pela preocupação com “obrigações e deveres”, com a ordem com o que é “adequado”. Talvez tenhamos mesmo que escolher com qual “culpa” ficamos: a culpa de “gazear” obrigações e perambular por aí; ou a culpa de não nos permitir gozar os prazeres que nos cabem e que se nos apresentam – por amor a algo que julgamos mais importante: trabalho, carreira, deveres, etc. De qualquer forma, podemos nos render às alegrias simples e buscar o equilíbrio entre a estrita disciplina e as pequenas indulgências que tornam um dia mais prazeroso e agradável. O fim da tarde e à noite trazem desconfortos e contradições entre as emoções – que vão escalando e se intensificando proporcionalmente à tentativa que fazemos de controlá-las – e os desejos e intenções do ego. Essas discordâncias ficam mais evidentes nas relações entre o masculino e o feminino, que são as forças em desacordo e se acumulam, atingindo o ápice na madrugada, possivelmente com algumas crises e conflitos que demandam resolução imediata! Mas por mais imediatas que sejam as soluções, seus efeitos são duradouros e as decisões não devem ser tomadas de forma impulsiva ou precipitada, por mais instigados que nos sintamos. A tentação de detonar o estopim e implodir tudo é grande, mas é preciso pensar, sentir e agir com calma, com alma, com brandura, com amor, qualquer que seja a decisão difícil que se tenha que tomar!

DOMINGO, 9 de julho – De Capricórnio, Lua atinge o apogeu do ciclo à 00h07min da madrugada de domingo (04h007min no horário de Lisboa), ao opor-se ao Sol Canceriano. A Lua Cheia se dá numa configuração bastante tensa, conjunta a Plutão – que recebe também a oposição do Sol – e em oposição a Marte e quadratura a Júpiter. À noite a Lua ainda faz quadratura a Urano em Áries e fica vazia às 22h14min. Também faz sextil a Quíron em Peixes. Marte está em quincôncio exato a Saturno. O ciclo de Câncer vem nos lembrar que somos seres dependentes uns dos outros, já que nascemos completamente vulneráveis e indefesos, totalmente dependentes de uma mãe – e de um pai e família – para o sucesso da grande empreitada que e nossa vida. Assim, o arquétipo da mãe está fortemente presente neste signo, assim como a presença da família e a ideia de um passado e uma ancestralidade. Câncer também é a nutrição, física e emocional e os laços que construímos ao longo da nossa jornada vida afora. Contudo, muitas vezes delongamos a dependência dos pais – e dos pais postiços, vistos na figura de parceiros, chefes, amigos, e até filhos – por mais tempo do que o necessário e do que deveríamos, desenvolvendo dependências e comportamentos que atrapalham nosso pleno desenvolvimento como adultos autônomos no mundo exterior e também na nossa subjetividade. Para nos darmos conta de tais anomalias, vivenciamos a Lua Cheia em Capricórnio, que nos lembra que, a despeito das interdependências necessárias à nutrição emocional de todos nós, não devemos delegar a outros aquilo que é atribuição nossa no processo de nossa sobrevivência e ocupação de nosso lugar no mundo, o mundo de Saturno, que não afaga nem alisa, mas que nos obriga a ser adultos e responsáveis.

Se Câncer é o signo da Mãe, que protege, cuida e mantém infantil, Capricórnio é a esfera do Pai, que nos obriga a amadurecer, a encarar o mundo com suas obrigações e responsabilidades, individuais e sociais e a fazer de nós alguém mais, além do “filhinho da mamãe”. Essa Lua Cheia torna esse confronto mais do que agudo, porque traz presente a necessidade de nos libertarmos dos emaranhamentos familiares e até ancestrais, que nos conduzem nesses enredos de relacionamentos destrutivos, cheios de cobranças, culpas, lealdades negativas e manipulações. É tempo de crescer, de assumir nosso próprio poder, e não relegá-lo a outros, pode receio de perdermos seu amor e proteção. Já passamos da fase de equiparar o amor da mamãe com sobrevivência e agora, se nos indispusermos com alguém, se perdermos o afeto do outro, mesmo que soframos, não corremos mais o risco do aniquilamento e é esse medo que precisamos enfrentar se queremos nos livrar das dependências mórbidas que nos paralisam e nos impedem de sermos nós mesmos e assumirmos nossos próprios desejos sem medo de ferir os brios de quem quer que seja. Esta é uma lunação bastante desafiadora, que nos obriga a lidar com nossas carências e inseguranças de cara limpa, sem disfarces, sem desculpas. Tanto mais que é a lunação que precede a próxima temporada de eclipses e que nos pede crescimento e enfrentamento da realidade.

Uma ótima semana para você, onde você estiver! 

Reprodução

A Semana Astrológica – A dor e a delícia de ser o que somos

Catrin Welz-Stein – Reprodução

Semana de 10 a 16 de abril – Semana de colhermos os resultados, concretos ou intangíveis, dos esforços que dedicamos aos nossos empreendimentos. Resoluções abruptas e radicais também estão no menu do período e ajudam a liberar muito da tensão acumulada nas últimas semanas. 

Semana de Lua Cheia em Libra, mas cujo ponto alto é a regente de Libra, Vênus, voltando ao movimento direto no sábado (fogos de artifício pipocando para todo lado!). Mas ainda vai levar algumas semanas até que Vênus recupere a sua boa forma: ela só sai da zona sombria de retrogradação no dia 18 de maio e fica bem mesmo a partir de seis de junho, quando entra em Touro, seu palácio campestre, signo regido por ela. Vênus estaciona em conjunção a Quíron e já direta, fará quadratura exata novamente a Saturno – quadratura, aliás, que está ativa todas essas semanas, porque muito próxima do ponto partil. Pois é, não mole, não!

tirado de DebraHeylen.blogspot – Reprodução

A Lua cheia, por sinal, traz mais algumas avalanches para sacudir os corações e o mundo em seus conflitos também. Ocorre no eixo-Áries-Libra, eixo dos relacionamentos; dá-se em oposição a Urano, o planeta das rupturas e do despertar abrupto e radical… E ainda tem a quadratura a Plutão, que, intensifica e aprofunda todas as crises. Vênus, regente da Lua Cheia, estará em quadratura de meio grau a Saturno… Portanto, essa Lua Cheia traz a culminação deste ciclo de retrogradação de Vênus e sugere muitas tensões, mas também liberação e resoluções drásticas na área das relações e dos acordos políticos e tentativas de conciliações.

Reprodução

E se a Lua Cheia acontece em oposição a Urano, significa que o Sol vai fazer conjunção a ele nesta semana, sugerindo um momento de recarregarmos as baterias, porque Urano é energia de milhões de volts – só precisamos ter sobriedade e cabeça fria para administrar tanta energia, para que ela não imploda dentro de nós. Sim, há muita energia e uma revitalização dos nossos propósitos, assim como a sensação de estarmos muito despertos para aspectos da vida e até de nós mesmos que havíamos ignorado antes. Contudo, essa energia também traz muita ansiedade, impulso e pode aumentar a irritação, caso queiramos fazer tudo igual e previsível. A semana pede inovação, experimentação e que não tenhamos medo de nos abrir ao novo, por mais amedrontador que possa parecer. Em termos mundanos, essa influência sugere um recrudescimento de opiniões e posições políticas, idealismos exacerbados e exaltados – considerando-se que Vênus e Mercúrio estão retrógrados (planetas associados com negociações e acordos), a conjunção Sol-Urano pode indicar também tensões aumentadas nos conflitos já existentes mundo afora. O Sol também fecha a semana já em trígono a Saturno, que ajuda a dar uma sustentação para toda essa energia extra, propiciando que a utilizemos de forma sábia e até estruturada.

Reprodução

Marte faz um sextil à sua dispositora, Vênus, no domingo. Neste caso, é Marte quem faz o movimento, visto que Vênus ainda estará praticamente estacionária, já movendo-se para a frente, mas é Marte quem vai ao encontro dela. Esse movimento pode apaziguar minimamente os dissabores relacionais do momento e pode trazer algum alento, visto que sugere a possibilidade de conseguirmos uma cooperação entre nossos desejos e a capacidade de realizá-los, ou, visto de outra forma, masculino e feminino estão afinados, sugerindo um diálogo menos duro e chances de conciliação nas crises que ora se apresentam.

Brooke Shaden Photography – Reprodução

Por outro lado, Mercúrio, planeta das comunicações, acabou de ficar retrógrado em Touro. E não, isso não é uma catástrofe! Você pode tocar sua vida normalmente, a Terra continua a girar e nós seguimos com nossas tarefas de sempre. Mas Mercúrio retrógrado traz a oportunidade de reavaliarmos e revisarmos nossa comunicação, nossos processos mentais, estudos, escritos, etc. E sugere um período em que tudo o que identificamos que está datado ou não funcionando mais seja corrigido ou substituído. Abrir a mente e a cabeça, ter flexibilidade, abrir mão da teimosia e dos pensamentos condicionados… Abrir mão das nossas certezas certinhas, das opiniões formadas e estabilizadas, dos manuais que nos dizem como pensar, o que dizer, a coisa certa, sem nunca poder errar. Deixar ir as verdades prontas e engessadas e estar dispostos a nos surpreender. Em lugar de certezas maçantes, escolher a liberdade das incertezas, para variar um pouco… tudo isso fica favorecido por essa retrogradação, assim como voltar atrás sobre nossos próprios passos para rever por onde andamos e se perdemos algum detalhe importante. Falei mais sobre isso no texto da semana passada!

Outra coisa importante é que nesta semana ainda temos quatro retrogradações pesadas: Mercúrio, Vênus, Júpiter e Saturno, dois planetas pessoais e os dois sociais. Os planetas transpessoais estão todos diretos no momento, Plutão entrando em retrogradação no dia 19 de abril. Então, talvez tenhamos a sensação de que o mundo tá pesado demais, as mudanças grandes demais e os mecanismos sociais não conseguem acompanhar ou administrar tais movimentos. Pessoalmente também nos sentimos ainda em fase de reflexão, antes de conseguirmos atinar para quais atitudes são mais adequadas ao momento e às mudanças que ocorrem em nossa própria vida. Mas essa fase é necessária e o melhor que fazemos é tirar proveito dela, revisando, reorganizando, reordenando, reestruturando tudo o que for necessário e tudo o que for possível.

Desconheço o autor – Reprodução

A Semana é marcada pela fase cheia da Lua, ocorrendo em Libra, na madrugada de terça-feira, dia 11, às 03h08min no horário de Brasília e às 07h08min no horário de Lisboa. A Lua adensa os temas relacionais em Escorpião, torna-se Disseminadora em Sagitário e fecha a semana entrando em Capricórnio na noite de domingo. Conversa com todos os demais corpos celestes, harmoniosa ou estressadamente.

Reprodução

SEGUNDA-FEIRA, 10 de abril – a Lua abre a semana em Libra, sem fazer muitos aspectos na madrugada. Durante o dia faz quincúncio a Netuno, conjunção a Júpiter, quadratura a Plutão e oposição não exata ao Sol e a Urano, aspectos que se completam na madrugada de terça. A Lua forma uma T-Square com Júpiter, Sol-Urano e Plutão de foco. Vênus, regente da Lua, esta conjunta a Quíron e em quadratura a Saturno. Começamos o dia buscando harmonia, mas encontrando incongruências e desajustes, que nos obrigam, logo cedo, a buscar conciliação entre nossos ideais de perfeição, os rasgos de sensibilidade e a necessidade de termos uma abordagem mais desapegada dos assuntos, das tarefas e até mesmo da nossa subjetividade. À tarde as coisas esquentam de verdade e somos espremidos pelas muitas escolhas que temos que fazer, que nos colocam em colisão direta com situações sombrias e ingratas que preferiríamos não ter que encarar, mas das quais não temos como escapar. É um bom dia para confrontarmos nossa dependência da opinião alheia, da aprovação do outro e até mesmo daquilo que é “adequado” e esperado de nós. Somos capazes de bancar nossas escolhas, quando elas são boas para nós mas desagradam a outros? Damos conta de lidar com o desconforto que causamos com nossos posicionamentos, talvez inconvenientes, mas necessários? Ou vamos continuar agradando a outros enquanto nos sentimos um capacho? Buscar a harmonia é necessário, mas nâo à custa do nosso amor próprio, não tendo que recuar naquilo que acreditamos, não tendo que pedir desculpas se nossa atitude não está em consonância com o código moralista atual. Esse dilema interno causa um nível de estresse muito alto e demanda de nós muita força interior para darmos conta de “segurar a onda” e defendermos nosso posicionamento, a despeito das divergências e oposições com que nos defrontamos. Ninguém precisa aceitar coisas com as quais não concorda, mas o fato de não concordarmos com algo não quer dizer que o outro esteja necessariamente errado, pode haver divergência de opinião e de visão e podemos perfeitamente concordar em discordar e é assim que as relações maduras se sustentam, baseadas no respeito. Mas é muito importante, é vital, sermos capazes de nos defender e defender nossa posição, com integridade e serenidade. O oposto disso será a diminuição do auto-respeito e o preço sempre é muito mais alto do que qualquer afago recebido por concordarmos em ser “agradáveis” e “adequados” como esperam que sejamos.

Reprodução

TERÇA-FEIRA, 11 de abril – A Lua completa a oposição ao Sol, formalizando a fase da Lua Cheia, na madrugada, às 03h07min. Depois a Lua se opõe a Urano e faz também quincúncio a Marte em Touro e a Quíron-Vênus em Peixes, virando foco de um Yod-Dedo de Deus. A Lua fica vazia depois do sextil a Saturno, às 15h21min. Ingressa em Escorpião às 19h42min e fecha a noite em oposição a Mercúrio retrógrado em Touro. A Lua Cheia culmina o ciclo iniciado em Áries e, de certa forma, também joga no palco central das discussões os temas do ciclo atual de retrogradação de Vênus, que está super desacelerada, preparando-se para estacionar no fim de semana. Essa lunação traz para a linha de frente o quanto temos comprometido nossa autoestima, nossos desejos, nossa vontade e a nós mesmos para ceder a outros. Pede que achemos o equilíbrio entre a necessidade de aceitação e negociação e a necessidade de nos posicionarmos firmemente e defendermos nossos desejos e valores pessoais. Traz grande possibilidades de iluminação sobre os emaranhamentos que atrapalham e bloqueiam nossa vida amorosa e a consequente quebra do padrão destrutivo e de deixarmos o passado ir, de nos soltarmos das enredamentos ilusórios, das redes pescadoras e enganosas que nos mantiveram atados a imagens irreais do outro, da relação e até de nós mesmos. Traz uma tensão enorme, mas também a liberação dessa tensão de maneira que nos ajude a nos soltar do sofrimento desnecessário, dos enredos de dor e de tristeza, de modo a escolhermos enredos mais leves e realistas. De maneira a podermos dizer “não quero perfeição. Quero o real”. É, de fato, um confronto difícil com as ilusões e as imagens que espelhamos para o outro ou que espelharam para nós, mas um confronto que estilhaça os espelhos ilusórios e nos deixa com aquilo que tem verdadeira substância, que poderá nos sustentar.

Seungyea Park – Reprodução

QUARTA-FEIRA, 12 de abril – De Escorpião, a Lua Cheia faz oposição a Mercúrio retrógrado em Touro. Mais tarde a Lua faz sesqui-quadratura a Vênus e Quíron em Peixes e também trígono a Netuno. O Sol Ariano está em conjunção próxima a Urano. Hoje é um dia para entrar mudo e sair calado e manter os olhos bem abertos – principalmente o terceiro olho – e a boca fechada. Sentimos todas as suscetibilidades muito agudamente e temos que lidar até mesmo com aquilo que tínhamos conseguido jogar para um canto obscuro do coração nos últimos dias. A mente não ajuda e volta-se contra nós mesmos, sardônica e crua e nós, se não compreendemos de onde surge o “climão” pesado, derramamos o veneno em doses econômicas, mas letais, movidos por sentimentos inconscientes de insegurança e desamparo, de nos sentirmos expostos e talvez ressentidos com a vida e com o mundo em geral. A amargura, se não vigiarmos, pode nos fazer tomar atitudes extremas das quais podemos nos arrepender depois. Somado à defensividade está o desejo intenso de liberdade e independência e podemos misturar os conteúdos e fazer coisas impensadas, que talvez podem até ser adequadas, mas que têm as motivações equivocadas e podem levar a términos abruptos e amargos, ao invés de finalizações serenas e maduras. Para não incorrermos em tais equívocos, é importante estar cientes de nossas apreensões, ressentimentos, raivas e impulsos latentes e vigiarmos nossas reações , para que não sejam reações de bicho ferido, mas atitudes nascidas da deliberação madura e ponderada.

Reprodução

QUINTA-FEIRA, 13 de abril – A Lua Escorpiana se harmoniza com seu regente moderno, Plutão, em Capricórnio, mas se desentende com o Sol e Urano em Áries e faz oposição ao seu dispositor tradicional, Marte em Touro – Marte está Todo-Poderoso, regendo Sol e Lua por esses dias! A Lua fecha o dia em trígono a Quíron e a Vênus em Peixes. O Sol vira a noite/madrugada de sexta conjunto a Urano. Sentimentos conflitantes colorem o dia, que está denso – quase se poderia cortar a atmosfera com uma faca! Há muita força emocional e a capacidade de lidar com assuntos-tabu, crises e situações-limite em geral. Empenhamo-nos de corpo e alma em tudo o que fazemos e essa entrega ardorosa e arrebatada permite que realizemos muitas coisas que enchem o coração de orgulho e satisfação. Mas há também incoerências e desconexão de partes de nós mesmos, que talvez não queiramos reconhecer para não “complicar” as escolhas que já fizemos e aquilo com nos identificamos: queremos paixão e intensidade, no trabalho, na vida, no amor e as outras partes que querem soltura e descompromisso são empurradas para fora de nós, de modo que podem causar conflitos com outros, que parecem ameaçar e se interpor contra aquilo que somos e que queremos realizar. Tudo isso faz com o dia adquira um clima belicoso e irritadiço, mas é uma belicosidade viciosa, indireta e não muito honesta, o que dificulta a discussão limpa e a resolução do conflito de uma vez por todas. Ao invés disso, a coisa vai se arrastando em modo de agressão passiva, em que suprimimos a raiva na hora, mas deixamos que intoxique o coração, as vísceras e tudo aquilo que tocamos. Melhor ser honesto de uma vez e dizer o que tem que ser dito, de forma clara e límpida, sem cuspir acusações, mas colocando na mesa a forma como nos sentimos – o outro não é responsável por aquilo que sentimos – de modo a podermos chegar a algum consenso minimamente respeitoso, justo e íntegro.

Reprodução

SEXTA-FEIRA, 14 de abril – O Sol Ariano completa e plenifica a conjunção a Urano, enquanto a Lua faz trígono a Quíron e a Vênus em Peixes… A Lua fica fora de curso depois do aspecto a Vênus, à 01h19min. Ingressa em Sagitário às 07h27min, de onde se indispõe com Mercúrio retrogrado em Touro. Vênus estaciona a 26°54’ de Peixes. Temos hoje uma carga extra de energia que demanda acharmos recipientes adequados onde “aterrá-la” ou onde canalizá-la. Se estivermos em sintonia com nosso centro, procuraremos maneiras de nos desobrigar de tarefas entendiantes, previsíveis e rotineiras, em favor de explorarmos possibilidades insólitas de nos expressarmos e de expressarmos nossos talentos e criatividade. Há muito vigor e entusiasmo, uma sensação de expectativa e de que não devemos desperdiçar as oportunidades que nos são dadas e por isso mesmo, precisamos fazer algo diferente, que surpreenda a nós mesmos positivamente, do contrário, poderemos surpreender a outros de forma desagradável, rebelando-nos estrepitosamente contra obrigações e compromissos que nós mesmos assumimos sem pensar. Temos lampejos e estalos que nos permitem vislumbrar os limites que colocamos a nós mesmos e que nos impedem de avançar sobre barreiras que vemos como intransponíveis, mas que são superáveis, caso olhemos de ângulos diferentes e ousemos modificar a forma como enxergamos nossa realidade modorrenta da qual nos ressentimos tanto. Contudo, se insistimos em fazer tudo do jeito de sempre, podemos nos deparar com frustrações e entraves, máquinas quebrando, imprevistos e chateações irritantes, para não dizer, pequenos desastres. Assim, o melhor é nos sintonizarmos com a grande inspiração que nos chega e nos permitirmos ser flexíveis, estar abertos para o inusitado, o surpreendente, o imprevisível, o inesperado e, mesmo que pareça chocante a princípio, deixar-nos surpreender antes de deixar nossos preconceitos levarem a melhor recusar a oportunidade da nova experiência. Do jeito que a vida anda, não podemos desperdiçar essas pequenas horas de inspiração e elevação, portanto, estejamos abertos e permitamo-nos surpreender! Esses posicionamentos do Sol e da Lua no dia em que Vênus estaciona pedem que olhemos para nossos dramas sob ângulos diferentes, talvez seja um pouco difícil a princípio, apaixonados e identificados que estamos com nossas próprias dores, mas é possível e necessário, para termos algum senso de perspectiva e significado, que nos ajudarão a sair do lodo da nossa tristeza e desolação.

Burnetts Board – Reprodução

SÁBADO, 15 de abril – Vênus fica estacionário-direto às 07h18min em conjunção não exata a Quíron – tecnicamente já está direta – no Dia de Saturno, com quem está em quadratura, algo bem adequado aqui, porque Saturno parece estar dizendo quem é que manda no enredo! De Sagitário a Lua faz sesqui-quadratura a Urano e também ao Sol, entrando na fase Disseminadora. A Lua faz quadratura a Netuno, sextil a seu dispositor, Júpiter e sesqui-quadratura a Mercúrio. Depois de 41 dias mergulhados nos intricados dos nossos processos relacionais, refletindo, ponderando, reavaliando, chegamos a muitas conclusões que agora começam a ficar mais claras e que nos levarão a algumas mudanças de atitudes daqui a algumas semanas. Neste período, deixamos para trás as superficialidades, em nome de contatos mais profundos e substanciais… Se insistimos na superficialidade, podemos ter nos deparado com rejeição e incompreensão, que refletem a incompreensão que nós mesmos temos com relação ao processo como um todo. Agora começamos a empreender o caminho de volta à superfície de nós mesmos, mas muita coisa está transformada. Lampejos e revelações que afloram à consciência hoje podem ser preciosos para o entendimento das relações amorosas inclusive a relação que temos conosco mesmo. O que iremos disseminar a partir daqui? Insistiremos nas histórias de dor? Ou buscaremos novos ares e novos enredos, novos caminhos e visões? Precisamos nos separar dessas dores, dar-lhes um lugar no nosso coração e história, mas deixa-las ir como parte fundamental da nossa identificação pessoal. A cicatriz nos lembrará da vivência e daquilo que aprendemos, de que sobrevivemos, mas não precisa ser adorada como troféu para ganhar a simpatia alheia. A simpatia e empatia de que realmente precisamos é a nossa própria. E que seja verdadeira e não um arremedo para despistar nossas inseguranças. De modo mais prático, o dia traz a necessidade de nos pormos a explorar ovos caminhos e nos conscientizarmos da nossa necessidade de autonomia, largueza, soltura e descompromisso… O compromisso hoje é a surpresa e a busca por significados que sejam profundos, mas que também tragam leveza. Compromisso fechados e muito inflexíveis podem trazer frustração e irritação.

tirado de Deviantart – Reprodução

DOMINGO, 16 de abril – Marte está em sextil à sua dispositora Vênus. A Lua Sagitariana na fase Disseminadora faz trígono a Urano e ao Sol em Áries, enquanto se desentende com Marte em Touro e quadra Quíron-Vênus em Peixes, ficando vazia depois da conjunção a Saturno, às 15h28min. A Lua ingressa em Capricórnio às 20h05min. O Sol fecha a semana em trígono próximo a Saturno e Marte em quincúncio, também quase exato, ao mesmo Senhor do Tempo. Sabe aquela frase cliché super batida “não chore porque acabou, sorria porque aconteceu”? O dia tá desse jeito, com influências delicadas por um lado e exuberantes por outro. Uma sensação profunda de angústia, uma paralisação do sentimento, que fica preso a algo incognoscível, indefinível, mas que dói agudamente, a sufocar o fôlego… ao mesmo tempo uma sensação de esperança, uma alegria perspicaz, de quem sabe tudo o que passou, mas não se deixa esmagar por isso. Como estar no fundo do lago, a sufocar-se e emergir abruptamente à superfície, arfando por esse ar tão precioso, mas ainda sob o terror da possibilidade de ter sucumbido… Tudo o que vivenciamos ao longo da vida, da mais sublime e elevada das experiências à mais sombria e torturante das dores, ocorre por algum motivo, mesmo que não saibamos exatamente qual – isso aqui tem muito de uma crença e opinião pessoais e vocês podem não concordar – tudo bem. Não sabemos se um dia entenderemos o porquê, se encontraremos o sentido e o significado, mas podemos intuir e dar uma chance ao vazio, ao desconhecido, à falta de respostas prontas. Encarar a vastidão do universo e da própria alma, abrindo mão de saber tudo, de compreender tudo, de entender os porquês e apenas confiar nessa grande jornada, confiar naquilo que nos conduz vida afora – por caminhos verdejantes e luminosos ou por ruelas frias e escuras – o que quer que seja “isso” que nos conduz, destino, Deus, Eu superior, Divino… Tem algo que nos conduz – eu acredito nisso – e precisamos confiar e respeitar isso, nos dias mais felizes e também nos percalços que nos fazem tropeçar sobre nós mesmos. O dia traz essa sensação agridoce, em que nos damos conta da dor e da delícia de ser o que somos e de viver o que vivemos; em que percebemos as perdas, as dificuldades, mas achamos forças e entusiasmo para continuar, para esperançar, a despeito de tudo, até de nós mesmos e nossa desesperança e falta de fé. Refletimos com resiliência e serenidade sobre tudo isso, imbuídos de uma sabedoria e serenidade raras, que podem sim, nos ajudar a ter uma nova perspectiva das coisas. À noite a energia muda e nos vemos mais pragmáticos, já olhando agendas e nos preparando para a nova jornada e os desafios que nos esperam amanhã.

Uma ótima e serena semana para você!

Reprodução
Burnetts Board – Reprodução

A Semana Astrológica – Coração Sangrando

Reprodução

Semana de 03 a 09 de abril

Semana de crescer e investir no que foi semeado na Lua Nova, nos projetos do ciclo e do ano – essa plantação não vai crescer sozinha, sem cuidados! Mas começa também um período de revisões importantes.

Esta é outra semana que começa “fervente”, mas que vai ficando melindrosa e delicada conforme os dias vão se desdobrando. A fervura se dá devido aos contatos feitos pelo Sol Ariano, primeiro na oposição a Júpiter, depois quadratura a Plutão e ainda fecha a semana conjunto a Urano, conjunção exata na semana que vem, já a suscetibilidade vem da quadratura que Vênus retrógrada fará a Saturno e da conjunção a Quíron.

Reprodução

O Sol faz esses aspectos tensos a esses planetas quatro vezes ao ano, de ângulos diferentes. Às vezes se alia a Urano, como agora, em janeiro se aliou a Plutão, em outubro se uniu a Júpiter… tudo isso simbolizando a necessidade constante de nos reinventarmos, de mantermos em cheque nossa insatisfação com nossa vida em geral, mas principalmente conosco mesmos. Também questiona a quantas anda nossa integridade e nosso comprometimento com a verdade. Se não estamos cientes dessas questões, experimentamos tais movimentos/aspectos como tensões provenientes do mundo exterior, que desestruturam e desestabilizam nossas vidas arrumadinhas. Mundanamente, representa as ebulições sociais e coletivas, que repercutem na vida de cada um, individualmente. Portanto, esta é uma semana que traz algumas convulsões e ebulições, individuais e sociais. Como se não bastasse, Marte, regente do Sol, também faz contatos com dois desses planetas: faz quincúncio a Júpiter indicando uma oscilação no nosso entusiasmo, no otimismo e a tendência de nos alternarmos entre um ceticismo inflexível e arroubos pouco práticos. O que nos cabe é achar o caminho do meio e tentar conciliar esses dois extremos: temperar nossa ação e afirmação com uma motivação que nos eleve e que equilibre toda essa busca pela estabilidade. Nem só de bom senso é feita a ação correta. Excesso de bom senso mata a criatividade. Já o aspecto a Plutão sugere um aumento de força, determinação e adiciona longevidade à nossa energia, de modo que o esforço fica mais concentrado e efetivo. O que precisamos mesmo é dosar e equilibrar entusiasmo com bom senso.

Reprodução

O bom senso, aliás, entra em revisão, junto com o que entendemos por estabilidade e segurança. Mercúrio estaciona no sábado para entrar em retrogradação no domingo, a 04°50’ de Touro e só volta ao movimento direto no dia três de maio. Se, com Mercúrio retrógrado, as coisas tendem a ficar mais lentas, sendo essa retrogradação em Touro, tudo paralisa e estaciona… tudo se delibera e pode haver maior hesitação na tomada de decisões. Pode haver também tendência a extremos: rasgos de extrema inflexibilidade alternados com momentos de caos completo – a resistência à mudança fica acentuada, mas pode piorar tudo – o ideal é soltarmos, porque afinal, não controlamos nada mesmo, por mais que queiramos acreditar que sim. Ao ficar retrógrado em Touro Mercúrio propõe uma revisão na forma como pensamos a estabilidade e a segurança material; como nossos conceitos acerca de habilidades, talentos, afetam nosso senso de valor; sugere uma reavaliação na forma como a mente se relaciona com o corpo e todos os seus sentidos. É hora também de revisar aquelas ideias rígidas, inflexíveis sobre como o mundo deve funcionar ou sobre o que é ou não verdade, sobre o que é ou não real… Ver para crer? Convenhamos, é uma forma limitada de pensar a vida, afinal, você não vê seus próprios pensamentos e eles existem, certo? Mercúrio retrogradará até Áries e aqui a conversa é outra: rever e revisar a forma egocêntrica de nos comunicarmos, a grosseria disfarçada de honestidade e atitude, os planejamentos relapsos – ou mesmo falta completa de planejamento – mascarados de agilidade ou criatividade. Em termos práticos, quando Mercúrio está retrógrado há tendência a mudanças de planos sem aviso prévio, a atrasos e imprevistos nas locomoções e sugere-se evitar assinaturas de contratos e acordos, compra/venda de valor expressivo, cirurgias. Por outro lado, é um ótimo período para se revisar escritos, estudos, projetos, planejamentos, e tudo que o que se tenha executado/realizado nos últimos três meses.

Retrogradação – quero incluir uma nota geral sobre o movimento retrógrado. A despeito das previsões tenebrosas acerca da retrogradação, este período representa uma pausa necessária para todos, planetas, pessoas e assuntos envolvidos. Imagine, por exemplo, que você está escrevendo um artigo ou uma tese/monografia ou mesmo um simples e-mail. Antes de dar a tarefa por terminada e enviar/entregar ao destino final, você vai parar e fazer uma revisão das ideias apresentadas no documento, da ortografia, das regras ABNT, e às vezes, até da necessidade em si de estar fazendo tal coisa, certo? Ninguém é maluco de enviar sem fazer essa revisão – ou se é, já deve ter se metido em várias enrascadas como consequência. Outro exemplo simples: todos nós precisamos de férias periódicas e anualmente tiramos um tempo – ou pelo menos deveríamos – para descansar mais efetivamente, para relaxar e mudar de ares. Entramos em standby. Outro exemplo tão simples quanto: o carro, veículos e máquinas em geral precisam de revisões periódicas para fazer regulagens, trocas de peças, ajustes, etc. Então, podemos ver a retrogradação dessa forma: um período em que os assuntos regidos por aquele planeta entram em standby porque precisam ser revisados, checados, reavaliados, regulados. Portanto, não vamos ver a retrogradação como uma catástrofe ou um desastre terrível do qual não podemos fugir. Não. Podemos até experimentar dificuldades, quando insistimos em manter tudo como estava, como se tudo seguisse o curso normal, quando na verdade, estamos em marcha à ré, mas se formos flexíveis e estivermos abertos ao que a vida nos traz, podemos nos deparar com boas oportunidades e entender melhor como nós mesmos funcionamos. Portanto, retrogradação é oportunidade e não desastre. Vamos nos alinhar com a energia e fazer o que a retrogradação daquele planeta propõe. Certo?

The Heartache – Christian Schloe – Reprodução

Vênus continua retrógrada ainda por duas semanas e regressou a Peixes neste domingo, dia dois, de onde fará quadratura a Saturno e conjunção a Quíron – a conjunção a Quíron não ficará exata, mas ainda assim será potente, visto que Vênus estaciona nessa conjunção, de menos de um grau, no dia 14. Portanto, pelas próximas quatro semanas as relações ficam na berlinda triplamente: pelo fato de Vênus continuar retrógrada – e mesmo depois do dia 15 ainda estará na zona de retrogradação – pela quadratura a Saturno e pela conjunção a Quíron, o que significa um mês bem doído em que rancores e rejeições do passado podem voltar para nos assombrar e podem mesmo atrapalhar relações atuais, caso não saibamos separar as “estações” e as feridas e cicatrizes. Vênus-Saturno traz à tona questões de confiança ou quebra de, incertezas e dúvidas sobre se podemos nos abrir e nos entregar realmente nas relações, se seremos desapontados ou rejeitados – e aqui precisamos reconhecer quando nossas expectativas são altas demais. Como diz Adriana Vasconcelos, “felicidade é quando a gente sente que pode se ‘desarmar’ e confiar nas pessoas sem medo de ser ferida” – essa felicidade, nesse momento, parece fora do nosso alcance, porque simplesmente não conseguimos nos desarmar. Positivamente, podemos ter vislumbres das repetições de padrões na vida afetiva e podemos, para variar, nos responsabilizar pelos altos e baixos e estragos que acontecem conosco, ao invés de simplesmente reclamar de “dedo-podre” atribuindo à/ao fulana/o a culpa por dores, coração partido, rejeições, mágoas e o que quer que seja que nos impede de ser/estar felizes conosco mesmos e com nossos pares. Bancar a vítima é muito démodé e não nos levará a nenhum progresso. É mais salubre olhar para si mesmo e para as próprias inseguranças e se perguntar por quê continuamos a nos envolver com o mesmo tipo de pessoa, travestida em corpos/cores/roupagens diferentes. O que há em comum nessa repetição do padrão? O que é que sempre se repete: nossa presença no enredo, o que significa que o problema somos nós, até porque, como já sabemos só conseguimos mudar a nós e não ao outro. Por que insistimos em nos enganchar nos desvalidos da vida? Por que essa vocação para “salvar” alguém, ainda mais quem não quer e não pediu para ser salvo? Por que nos colocamos na situação exata que temíamos, ou seja, de rejeição e abandono? Porque talvez tenhamos aprendido, lá na infância um modelo deturpado de amor, mas esse modelo pode ser desconstruído e em seu lugar podemos elaborar um modelo mais saudável de amor, mas antes é preciso sermos honestos quanto à nossa responsabilidade em tudo isso e não bancar os coitadinhos ingênuos.

John Holcroft – Reprodução

Essa quadratura que Saturno recebe de Vênus é ainda mais melindrosa porque ambos os planetas estarão retrógrados, visto que Saturno também entra em retrogradação nesta semana, na quinta-feira, o que sugere que a revisão dos assuntos implicados é ainda mais necessária. Também é importante o fato de que tal quadratura ficará ativa por praticamente todo o mês de abril, porque Vênus vai estacionar em conjunção a Quíron e em quadratura a Saturno e depois empreenderá o longo caminho de volta, fazendo o mesmo aspecto três vezes – ou seja, o mês de abril está deveras melindroso para os relacionamentos e também para a autoestima e para os investimentos financeiros. Mas é um bom momento para desmanchar, desfazer padrões, romper com modelos antigos de viver as relações, mesmo os mais destrutivos – porque não conseguimos superar nossas carências, os padrões aprendidos na infância ou juventude, a tendência a equalizar relacionamento com sofrimento. O período pode ser bastante doloroso, mas também rico em insights, entendimento sobre nossos processos íntimos, sobre como construímos nossa autoestima – ou falta de – e o impacto que isso tem nas nossas parcerias. Sendo Vênus um planeta feminino, este movimento sugere repensar como o feminino se define e é definido na nossa sociedade e sugere a fragilidade desse feminino, a dureza com que ele se depara no mundo.

Catrin Welz-Stein – Reprodução

A Lua inaugura a semana entrando na fase do Quarto Crescente, já na segunda-feira, empoderada em Câncer. Assume brilho fulgurante em Leão e entra na fase Corcunda em Virgem, na sexta-feira. Fecha a semana já em Libra, acentuando a parada de Mercúrio ao fazer aspecto a ele no domingo. Na sua caminhada celeste ela faz vários aspectos, harmoniosos ou tensos a todos os demais corpos celestes, simbolizando as alterações diárias dos humores, das emoções, dos interesses no mundo. A Lua será Cheia na terça-feira, dia 11, às 03h07min, a 21°32’ de Libra, em conjunção a Júpiter, oposição ao Sol, Urano e Eris e quadratura a Plutão – uma Lua Cheia realmente crítica e explosiva!

Reprodução

SEGUNDA-FEIRA, 03 de abril

A Lua está em Câncer e faz trígono a Netuno em Peixes e mais tarde faz quadratura ao Sol Ariano, entrando na fase do Quarto Crescente. A Lua ainda faz quadratura a Júpiter e se opõe a Plutão (aspecto exato amanhã) e, devido à quadratura ao Sol, forma uma Grande Cruz Cardinal. A única ajuda vem do sextil a Marte em Touro. A segunda-feira começa com a corda toda, trazendo oportunidades disfarçadas de desafios e obstáculos. Queremos cuidar e nutrir nossos projetos, mas receamos fazê-lo de forma direta, porque não queremos despertar curiosidade ou mesmo competição quanto àquilo que estamos planejando e construindo. Mas, a despeito de nossa independência e autonomia, diretividade e honestidade, precisamos também agregar sensibilidade e colocar nossos sentimentos a serviço de tais projetos. Mesmo com toda a nossa coragem e vigor, ainda precisamos nos lembrar de nossas origens, precisamos levar em conta tudo o que nos nutriu até aqui, sejam pessoas ou recursos – sim, precisamos honrar nossos sentimentos e nosso passado, se for para ver nossos projetos prosperarem e frutificaram lá na frente e lembrar de agradecer, sempre. Assim, o dia ganha um tom apaixonado e arrebatado, que nos impele de forma entusiasmada ao trabalho, a fazer os ajustes necessários no que quer que estejamos envolvidos e que requeira regulagem. Como uma máquina impulsionada a todo vapor, ganhamos ímpeto e ânimo, porque já conseguimos vislumbrar os resultados que queremos alcançar. Sabemos que para conseguir tais resultados, teremos que nos empenhar muito agora, mas não nos fazemos de rogados e nos atiramos ás tarefas com gosto e paixão – o único problema é que talvez toda essa paixão e vigor batam de frente com a paixão do outro, que parece estar estar indo na direção contrária, o que pode significar atritos e faíscas. À noite esse clima fica mais fumegante e talvez precisemos lidar com conflitos também dentro de casa, com familiares ou pessoas próximas, que nos cobram uma atenção que talvez tenhamos suprimido porque estávamos ocupados com outras coisas com nossos objetivos individuais. Em lugar de dar desculpas fáceis ou sair pela tangente, é melhor encarar o conflito de vez e ser honestos sobre as próprias prioridades e tudo o que está em jogo. Recorrer a chantagens e à clássica “faço isso por vocês” pode ser um escape fácil, mas traiçoeiro, porque talvez não seja completamente honesto e assim, é possível que nos “entreguemos” num momento de descuido, o que fará o outro se sentir traído e manipulado. Visto que os dias estão melindrosos e as sensibilidades afloradas, o ideal é acalmarmos as emoções tempestuosas e tentarmos chegar a um consenso, ao invés de simplesmente revidar de forma rasteira. Colocar-se no lugar do outro ajuda a sair da nossa perspectiva afunilada, a enxergar o conflito de outro ângulo, facilitando uma conciliação. O ideal é ter clareza da diferença entre o que queremos e o que precisamos – isso faz toda a diferença!

Reprodução – Desconheço o autor

TERÇA-FEIRA, 04 de abril – Marte está em quincúncio exato a Júpiter na virada para quarta-feira. De Câncer a Lua completa a oposição a Plutão em Capricórnio, quadratura a Urano em Áries, trígono a Quíron, quincúncio a Saturno e trígono também a Vênus retrógrada, aspecto depois do qual fica fora de curso, às 17h47min. Ingressa em Leão às 19h14min e fecha a noite em quadratura Mercúrio em Touro. A madrugada está tempestuosa e finda numa manhã tensa e elétrica, em que acordamos cheios de gás, mas também irritadiços, dando choques a torto e a direito, de modo que o dia fica carregado de instabilidade, nervosismo e oscilações de humor, inconstância na liberação da energia e flutuação no entusiasmo. Sentimos uma grande pressão, interna e externa, para “dar conta” de todas as tarefas e, embora tenhamos nosso próprio investimento na dinâmica do dia, também nos ressentimos com tantas cobranças e pressões, o que pode nos deixar meio azedos ou amargos. À tarde o mau humor pode virar melancolia e abatimento, porque nos sentimos mais vulneráveis, sensíveis, como se fôssemos nos desmanchar a qualquer momento. Além de nossas próprias inseguranças, captamos as vibrações de infortúnios alheios, e talvez isso nos faça sentir impotentes. Contudo, também podemos nos sintonizar com vibrações mais elevadas, porque elas também estão disponíveis: ternura, gentileza, bondade, compaixão e mesmo as percepções de dor podem ser utilizadas para colocar as coisas em perspectiva: primeiro, sabemos que nossos problemas, embora importantes para nós, não são os únicos nem os piores do mundo; segundo, ao nos voltarmos para os outros, de bom coração, podemos melhorar a atmosfera para todos, inclusive para nós mesmos. Como diz Jung, “do mesmo modo que aquele que fere o outro fere a si próprio, aquele que cura o outro, cura a si mesmo” e, por que não dizer, aquele que cuida, protege, nutre, afaga, se compadece… Quando estamos afundados e afogados nos nossos próprios problemas, sejam eles pequenos ou grandes, sempre pode ajudar olhar para o outro e ver que estamos todos no mesmo barco, com dores diferentes, mas ainda assim, todos têm suas dores e o melhor que fazemos é nos apoiar mutuamente, ao invés de nos desgastarmos nos dramas excessivos ou crises desnecessárias. E, se for para reagir, reaja com amor!

Catrin Welz-Stein – reprodução

QUARTA-FEIRA, 05 de abril – Saturno estaciona às 02h06min em Sagitário. Marte segue em quincúncio exato a Júpiter ainda na primeira hora do dia. A Lua plenifica a quadratura a Mercúrio e faz quincúncio a Netuno. Mais tarde faz sesqui-quadraturas a Quíron e Vênus em Peixes e a Saturno em Sagitário, virando foco de um Martelo. Fecha a noite em trígono ao Sol. Marte está em trígono quase exato a Plutão, que também recebe a quadratura próxima do Sol. A madrugada traz incongruências entre corpo e mente, que podem se traduzir em inquietude ou pensamentos obsessivos, atrapalhando o sono. Como resultado, a manhã começa um pouco atrapalhada, com imprevistos perturbando o andamento natural das coisas, incertezas inconscientes pinçando nervos expostos das nossas inadequações, que hoje parecem dar pistas de suas origens. Ao mesmo tempo que pode haver momentos desconcertantes conosco mesmos, podemos também ter aqueles momentos mágicos de “A-há! – então é isso!”, que nos clarificam muitas questões inconscientes, levando talvez a uma maior integração desses traços sombrios de nós mesmos. Contudo, ainda há grande reatividade no ar, especialmente à noite, quando o humor volta a ficar carregado e as reações, cortantes. Por isso, precisamos manter em cheque as emoções desencontradas e conflitantes, para que gerem energia de iluminação e não de conflito no mundo exterior, porque ainda que precisemos nos posicionar firmemente sobre algo, ainda podemos fazê-lo de forma amistosa e, de novo, se for para reagir, reaja com amor!

Katie Grinnan – Reprodução

QUINTA-FEIRA, 06 de abril – Marte está em trígono partil a Plutão. A Lua faz trígono ao Sol, sextil a Júpiter, quincúncio a Plutão, quadratura a Marte e trígono a Urano e a Saturno, formando um Grande Trígono de Fogo. Fica vazia depois do trígono a Saturno, às 21h17min. Saturno entra em movimento retrógrado às 02h06min. O Sol está muito próximo da oposição a Júpiter. Estamos um tanto irritados pela manhã e, embora ao longo do dia o humor melhore, estamos cientes de que há questões importantes a serem endereçadas e tratadas, questões que estão aflorando à superfície da consciência e que certamente nos obrigarão a novas mudanças em nossas posturas, códigos morais e atitudes concretas. A despeito de nos darmos conta do desconforto, porém, também estamos dispostos a fazer o que for necessário para confrontar tais questões e a ir fundo nessa auto-investigação. Isso porque, embora haja o desconforto, também há a percepção da possibilidade de melhorias, de conseguirmos superar bloqueios e entraves, se formos honestos o bastante conosco mesmos e se estivermos dispostos a abrir mão da rigidez e dos nossos pré-conceitos. Saturno entra em retrogradação e nos convida a fazer uma revisão do trabalho que empreendemos nos últimos meses – desde agosto/16 – no sentido de nos definirmos como indivíduos e de nos realizarmos concretamente no mundo tangível.

Reprodução

SEXTA-FEIRA, 07 de abril – O Sol está em oposição exata a Júpiter e muito próximo da quadratura a Plutão. A Lua abre o dia vazia em Leão, mas ingressa em Virgem à 01h20min, de onde se harmoniza com Mercúrio em Touro. A Lua também faz sesqui-quadraturas ao Sol (entra na fase Corcunda) e a Plutão, virando foco de um Martelo e ainda segue a fazer outra sesqui-quadratura a Urano e fecha a noite em oposição a Netuno. Vênus está em quadratura a Saturno, aspecto quase exato. Na superfície, estamos hoje entusiasmados e animados, com a confiança e otimismo de que nada pode dar errado, exceto que, sim, muita coisa pode sair errado, especialmente se ignorarmos detalhes importantes e nos inflarmos de nossa própria importância, achando que somente nossos desejos – extremamente imediatistas – são justos e apropriados. Temos, de fato, muita força e recursos em nossas mãos, com os quais podemos transformar muitas coisas, mas se não começarmos por dentro, por nós mesmos, pouco adianta e nada conseguiremos mudar no entorno, muito menos nos outros, especialmente se tentarmos impor nossas visões e nossa vontade a quem quer que seja. É preciso vigiar a tendência aos exageros, à inflação do ego, às bravatas. Também há uma sensação de cisão interna, em que conscientemente temos essa autoconfiança, até desmesurada, mas, subjacente à superfície, há dúvidas e ansiedades que podem se manifestar de duas formas: ou colocam um freio e equilibram os excessos; ou os alimentam porque a insegurança pode nos tornar ainda mais afoitos e aflitos por auto-compensação e por provar que tudo está bem, quando talvez não esteja – mecanismo de camuflagem. De uma forma ou de outra, ficamos tensos e nos expressamos de forma desajeitada, como a esperar o momento que nossa máscara bonachona cairá e revelará nosso lado desgracioso, desastrado e inepto.

Reprodução

SÁBADO, 08 de abril – O Sol está em quadratura plena a Plutão e Vênus em quadratura a Saturno, aspecto também pleno. Por seu turno, a Lua se opõe a Netuno, faz quincúncio ao Sol e trígono a Plutão e a Marte, formando um Grande Trígono de Terra. Fecha a noite em oposição a Quíron. Mercúrio estaciona às 20h15min, para entrar em retrogradação amanhã. Nossa individualidade e objetivos conscientes hoje se deparam com forças potentes que, a princípio, parecem se opor a nós e a nossos quereres. Na verdade, passamos por mais uma prova, que vem testar o quanto conhecemos a nós mesmos e às nossas facetas secretas e sombrias, que hoje podem se revelar um pouco mais através dos conflitos com os poderes que parecem contrários àquilo que somos e buscamos, assim como através de inseguranças que afloram à superfície da consciência. Se nos identificamos apenas o lado mais luminoso e grandiloquente, o entusiasmo e a generosidade dos grandes espíritos, podemos nos enganchar em dificuldades com figuras “tenebrosas” que se interpõem em nosso caminho e nos obrigam a lidar com nossa própria escuridão, desejos de poder e controle, emoções virulentas e abissais, que talvez mascarem o medo profundo de rejeição e abandono. Contudo, para que já está mais acostumado aos confrontos com essas forças, o dia se apresenta como mais uma oportunidade de integrarmos esses traços ditos menos nobres e enriquecermos nossa experiência e maturidade – o regente do sol, que quadra Plutão, é Marte, que faz um aspecto harmonioso ao mesmo Plutão, possibilitando um diálogo promissor e uma ponte entre o Sol e Plutão, de modo que o confronto talvez não precise ser negativo. De qualquer forma, por mais oportunidades que possa trazer, é fato que o dia está pesado, carregado de conteúdos tóxicos, inseguranças, vulnerabilidade, desconfiança, dúvidas e medos. É necessário uma parada básica para olharmos os nossos melindres, as dúvidas e incertezas que são nossos, a despeito de acharmos que nascem das interações com outros – não, as interações com outros apenas trazem à tona algo que já existe em nós. Recomenda-se cautela em todas as interações, especialmente aquelas com pessoas mais próximas e nas relações afetivas, visto que estamos todos muito defensivos, vulneráveis e quebradiços, podendo tanto ofender quanto nos sentir ofendidos inadvertidamente. Por outro lado, a Lua oferece uma boa contenção e sustentação emocional e se conseguimos conter nossos ímpetos mais selvagens e as reações mais primitivas e defensivas, também revigoramos nossa força interior, que nos capacita a olhar para tudo sem medrar, aceitando e transmutando tais poderes sombrios em recursos de conscientização e crescimento. De qualquer forma, tirar um tempo para si, para refletir sobre os afetos – ou desafetos – pode ser uma boa pedida. Talvez seja bastante inteligente refletir bastante nesses dias mais carregados, antes de tomar decisões difíceis ou mesmo antes de enfrentar situações  mais delicadas.

Reprodução

DOMINGO, 09 de abril – A Lua Virginiana se opõe a Quíron e a Vênus em Peixes e também quadra Saturno, ficando fora de curso logo depois, às 05h23min. Ingressa em Libra às 09h35min e logo se desentende com Mercúrio e, de forma diferente, também com Marte. Mercúrio entra em retrogradação às 20h15min. Vênus fecha a semana em conjunção a Quíron e o Sol segue se separando da quadratura a Plutão, enquanto ruma para a conjunção a Urano. O domingo está deveras penoso e complicado. Feridas expostas, exigindo limpeza e purgação, doem excruciantemente e parecem não dar trégua para nosso coração combalido. Mas, embora estejamos ultra suscetíveis e espinhosos, defensivos e sorumbáticos, há grande oportunidade de cura, de perdão, de serenar e sanar tais feridas pela percepção de que não precisamos ser vítimas de nada nem de ninguém, muito menos de nós mesmos. A questão principal aqui tem a ver com confiança, tanto a confiança em nós mesmos e no nosso valor, quanto a confiança na integridade e no amor do outro. E se estamos muito inseguros, a tendência é nos precavermos por mecanismos de controle, tentando controlar o outro ou às circunstâncias, algo que pode tornar tudo mais difícil e até precipitar a crise que estava ameaçando eclodir. É fundamental não resvalar em pensamentos sombrios de menos-valia, nem se colocar para baixo, vigiando pensamentos negativos que só piorarão o humor e tudo o mais. Fazer um balanço maduro da situação, tendo serenidade e empatia para consigo mesmo, assim como para com o outro, que provavelmente está tão sensível e vulnerável quanto nós. Encarar a realidade da situação e por mais difícil e dolorosa que ela seja, não sucumbir diante dela – se há despedidas para acontecer, se há lutos para se sofrer, se algo morreu realmente e não tem recuperação, o luto é necessário, mas ainda pode ser vivenciado com dignidade e não precisamos depauperar nosso amor próprio ainda mais. Com o tempo e a compaixão, tanto nossa quanto de amigos e aqueles que nos querem bem, sempre podemos nos lembrar de quem somos, sempre podemos nos lembrar da nossa luz a brilhar fulgurante, apesar dos momentos difíceis pelos quais estejamos passando. E o amor, o amor sempre estará lá, dentro de nós, só precisamos nos lembra de onde o guardamos.

Uma ótima e serena semana para você! Que traga paz e luz!

Reprodução
The Heartache – Christian Schloe – Reprodução

A Semana Astrológica – A imperfeição nossa de cada dia

Reprodução

Semana de 13 a 19 de março – Semana de enfrentamento de limitações e dificuldades, mas com um grande potencial de cura, que reverbera a partir da Lua Cheia ocorrida no domingo, desdobrando-se por toda a semana. Em termos práticos a Lua Cheia sinaliza uma semana de expansão.

Odilon Redon – Reprodução

O Sol completa sua última semana do ciclo de Peixes e do ciclo astrológico anual – ingressa em Áries no dia 20, segunda-feira da semana que vem – sinalizando um período de finalizações no que tange ao ciclo anual. Por estes dias o Sol entabula conversações difíceis e sofridas, mas que no final das contas, podem ser fortalecedoras do caráter e dos propósitos. O Sol faz conjunção a Quíron e quadratura a Saturno, dinamizando a atual quadratura cíclica entre esses dois “planetas” pesadões e significadores de sombra, dificuldades, inseguranças e inadequações. Já dá para ver que a semana traz desafios, certo? A diferença básica entre Saturno e Quíron é que as inseguranças e inadequações representadas por Saturno são passíveis de serem superadas, com esforço consciente, trabalho, empenho, tempo… Somos tão inseguros naquela área que trabalhamos muito, ao nível da super-compensação, e não só as superamos, como nos tornamos mestre naquela área. Já com Quíron não há “superação” possível, porque Quíron representa aquilo que não pode ser consertado, nem com todo o esforço do mundo… Quíron é necessário para que o ser humano se mantenha humilde, para que perceba que estando nesta terra e nesta realidade de limitações, limitado é. Com Quíron aprendemos que há coisas que não superamos e que temos que aceitar e isso nos irmana aos outros humanos, porque todos temos Quíron em algum lugar. Nesta semana nos damos conta, intensamente, da diferença entres essas inadequações e inseguranças diversas: as solucionáveis e aquelas insuperáveis. E se por um lado isso pode ser doloroso de encarar, por outro, traz a maturidade da aceitação desses limites. Quíron e Saturno sempre me trazem presente a Oração da Serenidade, que já mencionei várias vezes aqui: “concedei-me a serenidade para aceitar as coisas que não posso mudar; coragem para modificar aquelas que posso; e sabedoria para distinguir entre uma e outra”. Basicamente é esse o tom da semana, com o Sol, que representa a consciência e o centro do eu, tendo essas conversas duras e desagradáveis.

Reprodução – Desconheço o autor

Mas Quíron também fala de cura, de empatia, de sabedoria… então a semana é propícia a isso também. O interessante é que O Sol primeiro faz conjunção a Quíron e nos tornamos agudamente conscientes das nossas aflições, úlceras, feridas, das vergonhas e dificuldades… E nos solidarizamos com outros, porque vemos neles, de formas diferentes, o sofrimento que também é nosso. Três dias depois, na sexta-feira, o Sol se depara com o julgamento de Saturno, que pode nos deixar cabisbaixos, com o peso do mundo sobre os ombros, nos sentindo julgados e meio soterrados pelo peso da vida… Mas Saturno, vindo logo depois de Quíron, ajuda a dar esse choque de realidade, que nos obriga a sair da autocomiseração e perceber as limitações que podemos e devemos superar… Assim, Saturno, num primeiro momento parece jogar a pá de terra sobre o cavalo que caiu no poço, até nos darmos conta que aquela terra caindo na nossa cabeça será o meio para nos elevarmos e sairmos do buraco – sim, é possível sair do buraco, desde que olhemos para cima e não fiquemos chafurdando na lama da autopiedade. Além do mais,  nossas imperfeições, somadas às nossas qualidades, é que nos fazem únicos, é o que nos faz o que somos.  Como diz Joseph Campbell,“a única maneira de você descrever verdadeiramente um ser humano é através das suas imperfeições. O ser humano perfeito é desinteressante. As imperfeições da vida é que são apreciáveis (…) As crianças não são adoráveis porque estão caindo a todo instante e porque têm o corpo pequeno e a cabeça muito grande? A perfeição seria algo tedioso demais, seria desumano. O umbilical, a humanidade, aquilo que se faz humano e não sobrenatural e imortal – isso é adorável! É por essa razão que algumas pessoas têm dificuldade em amar a Deus; nele não há imperfeição alguma. Você pode sentir reverência, mas isso não é amor. É o Cristo na cruz que desperta nosso amor”.

Docto Ojiplastico – Reprodução

Mercúrio ingressa em Áries já na segunda-feira, mudando o tom dos pensamentos, comunicações, viagens… De um modo sensível, sonhador e imaginativo, passamos para uma abordagem mais direta, mais ágil e certeira. Mercúrio fará conjunção a Vênus, possibilitando que a mente tenha acesso mais direto às elucubrações íntimas e de cunho afetivo representadas pela retrogradação de Vênus. Como Marte está em Touro, temos a impulsividade da língua medianamente controlada, mas não temos paciência nem tolerância com o que se considera coisas sem sentido e sem cunho prático e aplicável. A mente está mais ágil, mas a ação ainda precisa de mais deliberação. Marte, aliás, está sem aspectos por vários dias, apenas recebendo os contatos da Lua. Isso demanda cautela porque planetas sem aspecto se manifestam de forma extremada, ou seja, ora estamos plácidos e tranquilos, para daqui a pouco entrarmos numa explosão de atividades frenéticas. Marte sem aspecto tende a ficar mais inconsciente e nossas ações são mais instintivas – cautela também com explosões de raiva.

Reprodução – Desconheço o Autor/a

Vênus segue no seu curso de retrogradação, em Áries. Esse é um chamado para prestarmos mais atenção a nós mesmos e nossas necessidades pessoais e individuais. Como lembra Frank Clifford, astrólogo inglês com quem tive algumas aulas, ‘retrogradação’ significa ‘segunda chance’ – daí essa volta ao passado. Então, diz ele, é o caso de revisitarmos áreas da nossa vida para fortalece-las e organizá-las melhor. Clifford nos lembra ainda de fazer algumas perguntas: “onde, na sua vida, você precisa ser mais corajosa/o e independente? Em outras palavras, cuide de você mesmo, antes de cuidar de qualquer outra pessoa. Reconecte-se com o centro de QUEM VOCÊ É (seja auto-centrado). É um bom momento de parar de jogar os joguinhos relacionais e seguir seu próprio caminho, e não ser uma versão falsa de você mesmo porque você acha que vai agradar aos outros. Neste ciclo, há chance de recuar e lidar com todas aquelas situações nos relacionamentos em que você se sentiu vitimizado, usado, negligenciado, ignorado ou desvalorizado. E de reconhecer a SUA parte nisso tudo. Uma forma de afirmar suas qualidades positivas é fazer um diário e listar uma coisa boa, todos os dias, que você sabe que faz muito bem”. Assim é a retrogradação de Vênus em Áries: precisamos reavaliar e focar em nós mesmos: enfatizando as boas qualidades e encarando com honestidade onde também precisamos melhorar. O Sol faz esses contatos tensos, mas Vênus retrógrada nos lembra que, a despeito de todas as imperfeições, precisamos nos amar porque só quando nos amamos realmente podemos melhorar. Como diz a frase do Mandela, “não somos amados porque somos bons, somos bons porque somos amados”! Vênus retrógrada também nos faz rever decisões tomadas acerca das áreas onde temos os signos de touro e Libra, que são regidos por Vênus. Talvez fizemos escolhas e tomamos decisões e agora voltamos atrás e reavaliamos. Está correto. É a segunda chance!

Lua disseminadora – Desconheço o Autor/a – Reprodução

A Semana traz o tom da Lua Cheia, ocorrida no domingo, dia 12, em Virgem. Na segunda e terça a Lua se equilibra em Libra, torna-se Disseminadora em Escorpião, catequética em Sagitário, fechando a semana neste signo. A Lua oficializa o Quarto Minguante somente na segunda-feira, dia 20, a partir de Capricórnio, pouco depois de o Sol ingressar em Áries

Reprodução

SEGUNDA-FEIRA, 13 de março – A Lua, Cheia em Virgem, abriu o dia vazia/fora de curso. Ficou vazia depois da quadratura a Saturno, ainda ontem. Ingressou em Libra às 02h29min e logo se indispõe com Marte em Touro. Fecha a noite em oposição a Vênus retrógrada em Áries, sua dispositora. Mercúrio ingressa em Áries às 18h08min. A despeito de algumas incongruências matinais, a segunda-feira está dinâmica, o que traz ânimo e nos faz ir para a vida estabelecer contatos, travar interações, ver gente e interagir com o mundo social. É um dia de buscar equilíbrio, de ativar as relações e rever posicionamentos. Se temos estado exageradamente centrados no outro, precisamos recuar um pouco e cuidar melhor de nós mesmos e de nossos interesses. Se for o contrário, se andamos ultimamente auto-centrados excessivamente, agora podemos nos mover na direção contrária e olhar e ver os outros perto de nós. Isso porque a Lua está em Libra, o signo da alteridade, das escolhas, da busca de harmonia e equilíbrio. Mas Vênus, que rege essa Lua Libriana, está em Áries, retrógrada, em recepção mútua com Marte em Touro com quem a Lua se indispôs logo cedo. Então, nada é o que parece de cara. É preciso um segundo olhar, uma segunda análise para achar o verdadeiro equilíbrio, a verdadeira harmonia. É um momento de nos posicionarmos mais francamente, mais lucidamente dentro das relações; de acatarmos um certo isolamento com algo saudável e não como dor ou ostracismo; de incluirmos o outro sim, mas não – nunca – às custas do nosso amor próprio; e para isso precisamos estar muito límpidos a respeito dos nossos valores, para fazer as escolhas sem medo, sem dor, mesmo que algumas dessas escolhas sejam um pouco desagradáveis. Precisamos uns dos outros, mas também precisamos respeitar nossos limites pessoais, assim como os limites alheios. Assim, as relações ficam mais respeitosas e equilibradas. Em termos práticos, o dia está bem animado e propício a todo o tipo de interação. A rever acordos, a reestudar negociações anteriores e a ponderar um pouco mais nas parcerias propostas.

Reprodução – Desconheço o autor/a

TERÇA-FEIRA, 14 de março – O Sol hoje está em conjunção exata a Quíron. A Lua Libriana abre o dia em oposição à dona da casa, Vênus, que está retrógrada em Áries. A Lua também se indispõe com Netuno e entra num embate ferrenho com Plutão e depois Urano, enquanto se alia a Júpiter, por conjunção. O dia traz influências que nos fazem sentir meio que em carne viva, sensação de acanhamento ou de dor aguda mesmo. Talvez nada tenha acontecido para suscitar tais sentimentos, talvez sejam apenas lembranças, ou o jeito que acordamos, mas o fato é que nos sentimos meio aguados, desacorssoados, como se nada fizesse muito sentido… Uma vontade de não ligar mais para nada… Nesse estado de espírito podemos ficar defensivos e reativos ao menor sinal externo de desequilíbrio – já que desequilibrados estamos nós – acreditando que é nossa responsabilidade, oferecendo-nos talvez como bode expiatório, talvez até nos expondo a invasões, maus tratos, sem nos dar conta… É possível que seja o oposto também, suscetíveis e reativos como estamos, podemos partir para o ataque como melhor tática de defesa, mesmo sem motivos claros de que estamos sob ameaça. Autoestima lá embaixo, talvez ainda tentemos agradar como forma de ganhar um afago, só para nos deparar com o que entendemos como frieza, pressa, rejeição, “sai pra lá”, o que pode ferir ainda mais nossos brios.

Talvez ainda seja melhor parar um pouco, olhar para dentro – e não para fora – e verificar o que tirou nosso equilíbrio, o que despertou nossas inseguranças de forma tão contundente… Chorar, se for o caso; admitir a dor, se ela se faz presente; não ter vergonha das próprias fraquezas, porque elas apenas nos fazem humanos… E oferecer a si mesmo, aquele amor incondicional que esperamos do outro, continuamente a nos desapontar – relação lateral não é de amor incondicional! Então, pegue-se no colo, dê-se um abraço, beije-se, acaricie-se, acarinhe-se, acalente-se, nine-se, embale-se… Dê a si mesmo todo o amor de que precise e de que está tão carente; dê a si próprio a validação e o apoio que você espera do outro. Olhe para suas fraquezas. Encare-as. Elas são parte de você, assim como os talentos, habilidades e força… E tais fraquezas têm uma razão de ser, têm alguma utilidade, mesmo que isso não seja claro… E, ao abraça-las, podemos aos poucos tentar melhorá-las, pelo amor, com amor. E, ao abrir essas comportas, podemos descobrir que temos um amor maior do que jamais imaginamos e podemos oferece-lo aos outros e – incrível – quando menos esperamos, estaremos sendo amados de volta… E assim se dá a cura, quando nos perdoamos, nos aceitamos e nos amamos, com todas as nossas idiossincrasias… Curamos a nós e curamos ao outro, porque se damos conta de nos aceitar, nosso coração se alarga e se expande, e acolhe também o outro. O dia pede paciência uns com os outros. Estamos todos meio sensíveis e doendo em algum lugar e não é partindo para a briga que vamos provar que somos melhores do que nos sentimos realmente. Podemos nos fazer respeitar, se necessário, mas podemos também nos recolher e deixar tudo passar, observando qual a nossa parte e responsabilidade nas dificuldades que encontramos, comprometendo-nos em mudar o que for possível ser mudado.

Brooke Shaden Photography – Reprodução

QUARTA-FEIRA, 15 de março – O Sol ainda está conjunto a Quíron e vai se afastando lentamente, enquanto se aproxima da quadratura a Saturno. De Libra a Lua faz sextil a Saturno e fica vazia às 07h07min. Ingressa em Escorpião às 12h11min, de onde logo faz oposição ao seu dispositor, Marte, que está em Touro. O dia começa reflexivo e um tanto austero – refletimos sobre como trazer mais equilíbrio às nossas relações, como nos responsabilizar por nosso bem estar, ao invés de esperar isso de outros. Como encontrar a medida certa entre o dar e o receber nos relacionamentos, sem ficar devendo nem cobrando as outras pessoas. À tarde o clima muda radicalmente. A introspecção continua, mas agora por outros motivos: estamos um tanto receosos, defensivos e ciumentos de nossos pensamentos e emoções e recebemos como ameaça qualquer movimento que pareça proximidade demasiada. Há tendência a azia emocional e as relações podem ficar um tanto azedas e sujeitas a farpas, sarcasmo, ironias finas, isso quando não despencar para atritos mais sérios porque a defensividade e o desejo de nos afirmar estão veementes e podem nos fazer reagir de forma exagerada às situações… Sarcasmo é técnica de defesa também, mas além de demarcar território e diminuir o outro, cria feridas e afastamentos, portanto, vale se questionar onde queremos chegar com tudo isso e se de fato estamos sob qualquer ameaça, porque isso também é discutível. Por outro lado, se conseguirmos dosar nossa energia na medida certa, essa influência melhora a execução de tarefas que se mostrem complicadas e que demandam controle, concentração e alto gasto energético.

Reprodução

QUINTA-FEIRA, 16 de março – A Lua, na fase cheia em Escorpião, faz trígono a Netuno em Peixes e quincúncio a Vênus Rx em Áries. Mais tarde a Lua faz sesqui-quadratura ao Sol entrando na fase Disseminadora. Fecha a noite em harmonia a Plutão, aspecto exato amanhã. O Sol já está bem próximo da quadratura a Saturno. Sensibilidade e emoções intensas colorem o dia, assim como uma potente capacidade de intuir o rumo das situações e também o que os outros estão sentindo, que pode ser instrumental para melhorarmos as interações ou mesmo para manipularmos pessoas – depende da integridade da nossa alma e dos nossos intentos. Esse poder emocional pode nos aproximar das outras pessoas e nos permitir penetrar em suas defesas, mas isso deve ser feito de forma respeitosa e nobre, caso contrário, podemos nos tornar invasivos e causar mais dano do que ajuda ou reparação. Não podemos esquecer que inseguranças estão afloradas e muitas feridas estão abertas, portanto, se não temos algo realmente bom para oferecer, se nossas intenções são menos do que honestas, fazemos melhor se ficamos quietos e cuidamos de nossas próprias questões. De toda forma, há grande potencial de cura e de compreendermos ao outro e a nós mesmos um pouco mais profundamente e, bem conduzidas, tais influências podem, de fato, ajudar a aprofundar o entendimento de nossas dinâmicas internas e mesmo das dinâmicas relacionais. A Lua fica disseminadora em Escorpião, sugerindo que a mensagem que precisamos levar adiante precisa ser verdadeira, apaixonada e profunda. Os aprendizados que vivenciamos até aqui são repassados como catalizadores de transformação na vida de outros, com sensibilidade e autenticidade.

Reprodução

SEXTA-FEIRA, 17 de março – O Sol Pisciano está em quadratura exata a Saturno em Sagitário, enquanto ainda se afasta da conjunção a Quíron. A Lua Escorpiana e disseminadora se afina com Plutão, seu regente moderno, enquanto se desentende com Urano e se harmoniza com Quíron e com o Sol, ficando vazia depois do contato ao Sol, às 18h58min. Ingressa em Sagitário à 00h00min do sábado. O dia está pesado, turvo e um tanto sombrio. Nosso anseio seria desaparecer para lugares inóspitos, talvez, ou para lugares onde não tivéssemos que lidar com tantas agruras e dificuldades mundanas, com tantos problemas cotidianos que parecem derrubar nosso entusiasmo e massacrar nossos sonhos e aspirações mais elevadas. É como uma dor fina, indefinível, que tira o fôlego em alguns momentos e que nos lembra de nossa mortalidade e finitude, nossas deficiências ou insuficiências, ou como um peso amarrado a nós, dificultando o caminhar. Circunstâncias ou outras pessoas, particularmente acima de nós – pais, chefias, autoridades – parecem exigir mais do que somos capazes de dar. Até mesmo a energia e vitalidade física podem estar depauperadas, de modo que nos sentimos fracos ou lentos nos nossos afazeres e compromissos. Podemos também nos sentir cobrados ou criticados, de forma implícita, e isso torna tudo um pouco pior…

Reprodução

Mas antes de deduzirmos ‘verdades’ a partir das aparências, vale checar se estamos certos sobre tais deduções, para não vermos fantasmas e perseguição onde não existem e para não aumentarmos o tamanho dos problemas desnecessariamente. É um bom dia para olharmos para nossas falhas sim, não para nos desanimar ou derrubar, mas para melhorarmos. Sobretudo, com o Sol em Peixes, somos convidados a avaliar se nosso senso de identidade é sólido e seguro o bastante, se sabemos quem somos e do que somos feitos, para além de autoimagens pueris e fantasiosas. O dia pede um exame sóbrio de nossas capacidades e, ao identificarmos falhas, agir para corrigi-las, sem grandes dramas, sem chibatas ou autoflagelação desnecessária. Particularmente, é importante perceber que há ótimas oportunidades de nos curarmos a partir do olhar compassivo e empático para as próprias limitações, comprometendo-se a superá-las. A noite traz horas calmas e uma introversão providencial que nos ajuda a digerir todas essas informações, insights e percepções, propiciando também que sincronizemos os propósitos conscientes de crescimento e transcendência com a necessárias transformação dos comportamentos e hábitos que impedem nossa excelência.

John Casey – Reprodução

SÁBADO, 18 de março – A Lua ingressa em Sagitário à 00h00min, cravado. Faz quincúncio a Marte em Touro, trígono a Mercúrio e a Vênus Rx em Áries e fecha a noite em quadratura a Netuno. Mercúrio e Vênus estão em conjunção partil hoje. A noite traz alguns desconfortos durante o sono. O dia, porém, nasce mais animado e otimista, porque estamos imbuídos de uma nova força, nascida das resoluções da noite anterior e do comprometimento que fizemos com a mudança pessoal. Podemos rever alguns valores e analisá-los de forma mais direta e menos sentimental, verificando o que é necessário para nos valorizarmos mais, a despeito das falhas humanas que carregamos. Ainda estamos muito conscientes de tais falhas, mas conseguimos perceber nelas algum sentido, além de nos animarmos a prosseguir pela estrada, usando as pedras que surgirem para pavimentar o caminho, ao invés de permitir que nos bloqueiem a vontade ou os objetivos. A comunicação está ágil, mas animada e sociável, trazendo bom humor às interações e espirituosidade. À noite o clima está um tanto confuso e nebuloso, levando a mal-entendidos nas interações. Cautela com álcool e drogas porque há tendência a exageros e a enfiar o pé na jaca.

Reprodução

DOMINGO, 19 de março – A aventureira Lua Sagitariana faz quadratura a Netuno na primeira hora do dia. Durante o dia se harmoniza com seu regente, Júpiter em Libra e com Urano em Áries e fecha a semana em conjunção não exata a Saturno. A balada de sábado para domingo pede cautela porque a Lua Sagitariana já aponta para excessos e a quadratura a Netuno aumenta a propensão à falta de limites – portanto, moderação é a chave para a boa diversão hoje. Já o dia de domingo está mais auspicioso e feliz, depois do peso que vivenciamos durante a semana, conseguimos ter uma perspectiva mais filosófica de tudo: dos problemas, da nossa caminhada, das possibilidades, da vida. Um otimismo incipiente pode favorecer o clima do domingo, que por sua vez, fica propício a atividades ao ar livre, aventuras no campo, encontros festivos com amigos. Não podemos nunca perder a esperança e a perspectiva de porque estamos aqui, nesta terra, neste tempo e neste lugar! E essa perspectiva, esse sentido, não precisa ser mirabolante ou grandiloquente. Como diz Joseph Campbell: “Dizem que o que todos procuramos é um sentido para a vida. Não penso que seja assim. Penso que o que estamos procurando é uma experiência de estar vivos, de modo que nossas experiências de vida, no plano puramente físico, tenham ressonância no interior de nosso ser e de nossa realidade mais íntimos, de modo que realmente sintamos o enlevo de estar vivos. É disso que se trata, afinal, e é o que essas pistas nos ajudam a procurar, dentro de nós mesmos”. Ele também diz: estamos tão empenhados em realizar determinados feitos, com o propósito de atingir objetivos de um outro valor, linear e longe da vibração da vida, que nos esquecemos de que o valor genuíno, o prodígio de estar vivos é o que realmente conta”. E hoje é um desses dias, em que nos sentimos muito vivos, felizes existir, por ser, por estar, por viver, entendendo que o sentido da vida é a vida em si mesma!

Uma ótima semana para você! Que seja de serenidade, empatia, crescimento e cura!

Reprodução – Desconheço o Autor/a

A Semana Astrológica – A beleza está nos olhos de quem vê

Reinamaker-Tumblr - reprodução
Reinamaker-Tumblr – reprodução

Semana de 23 a 29 de janeiro – Semana de se proceder com as finalizações e análises, de planejar o futuro, para se renovar e inovar!

A semana que passou foi bem pesada, com terremotos, rebeliões em presídios, “acidente” aéreo matando magistrado, incêndios florestais no Chile ainda não controlados, posse do Trump com discurso um previsível inflamando manifestações no mundo todo… Enfim! Muito peso para uma semana só! Muito disso simbolizado pela quadratura Marte-Saturno que ficou exata na quinta-feira, ambos, tanto Marte quanto Saturno, regidos atualmente por Júpiter (Júpiter é o regente tradicional de Peixes), que está em oposição a Urano e em quadratura a Plutão. Essa oposição Júpiter-Urano fica ativa por quase todo o ano de 2017, até Júpiter mudar para Escorpião… Irei analisar isso por aqui depois.

Reprodução
Reprodução

E esta semana, como fica? O começo da semana ainda favorece as finalizações e fechamentos de processos e pendências. Limpezas, arquivamentos, eliminações. Mas na sexta-feira a Lua se renova em Aquário, simbolizando um novo ciclo, de se viver com mais ênfase os valores Aquarianos da liberdade, fraternidade e igualdade; de olharmos para o futuro, de nos preocuparmos e fazermos algo de efetivo quanto aos problemas sociais; de darmos mais atenção à amizade e às amizades na nossa vida, à nossa inserção na comunidade, assim como a projetar nosso futuro, sem medo de errar, sem medo de mudar e sem medo de ambicionar nos tornar realmente melhores! É interessante notar que o Sol ingressou em Aquário e não faz aspectos maiores por algumas semanas, apenas fazendo semi-quadraturas a Saturno e a Quíron e recebendo os eventuais aspectos lunares – ou seja, fica isolado por muitos e muitos dias, aumentando a sua fixidez, extremismo, radicalismo e possivelmente dando ênfase mais ao lado excêntrico de Aquário e ao seu espírito ultra reformador. A Lua Nova acontece nesse contexto, sem aspectos maiores ao resto do mapa.

Benedict Cumberbatch como Sherlock Holmes, na série "Sherlock", produção da BBC - Reprodução
Benedict Cumberbatch como Sherlock Holmes, na série “Sherlock”, produção da BBC – Reprodução

Mercúrio finalmente sai da zona sombria de retrogradação nesta semana e volta à sua boa forma, já acelerado na sua caminhada em volta do Sol. Por estes dias faz sextil a Netuno indicando uma injeção de imaginação e criatividade à mente Capricorniana, que de outra forma, seria sóbria e e prática em demasia. Mercúrio também faz conjunção a Plutão, sugerindo maior estamina mental, grande sagacidade e capacidade investigativa. A mente é instigada pelo mistério, pelos segredos das grandes corporações e organizações de poder. É um bom momento para lidarmos com assuntos e tarefas que demandem foco, perspicácia e comprometimento.

Eugene Emmanuel Amaury Pineux Duval - La Naissance de Venus - detalhe - Reprodução
Eugene Emmanuel Amaury Pineux Duval – La Naissance de Venus – detalhe – Reprodução

Vênus (e também Júpiter) já está em marcha lenta, desacelerando para entrar em retrogradação daqui a pouco, em março, no signo de Áries. Ainda em Peixes, ela faz conjunção a Quíron, quincúncio a Júpiter e quadratura a Saturno, tudo nesta semana. Precisamos ser capazes de nos permitir expandir nossa compaixão, mesmo sabendo que corremos o risco de nos ferir. Vênus-Quíron nos faz muito conscientes das feridas que podem ocorrer nas relações, mas, da mesma forma, nos apresenta com o imenso potencial da cura, da aceitação de nós mesmos e do outro, de vermos beleza no diferente. Essa enorme sensibilidade nos aproxima e nos faz sentir que, não importa quantos equívocos as pessoas cometam, não importa quão “desajeitadas e insensíveis” elas pareçam quando nos magoam, lá no mais profundo do seu ser, talvez elas só estejam tentando ser felizes e se proteger ao mesmo tempo, de uma maneira meio tosca e equivocada, assim como nós muitas vezes fazemos… Vênus-Quíron também nos fala que talvez haja uma ferida no arquétipo do feminino, na forma como vemos e compreendemos a beleza no mundo e como nós mesmos nos valorizamos e como lidamos com esse arquétipo feminino em nós, sejamos nós homens ou mulheres. E, se pode significar uma imensa dificuldade em nos aceitarmos tal qual somos, fora dos padrões estéticos vigentes e ditos aceitáveis e até “esperados”, também pode propiciar crescimento, após entendermos que o fato de não nos encaixarmos nos tais padrões não faz de nós menos belos ou menos merecedores de amar e ser amados. Quem dita o que nós achamos bonito ou amável? A sociedade, o outro? De onde nascem nossos valores? Será que temos que nos guiar por padrões desenhados por uma indústria que só pensa em vender? O que é bonito para você? Assim, essa configuração propicia essa abertura do coração, essa compreensão amorosa e a consequente inclusão das fragilidades que carregamos, a percepção de que beleza é um conceito muito relativo e por mais que os padrões estéticos tenham o seu lugar no mundo, eles têm muito a ver com as questões culturais e não podem decidir sobre como nos sentimos internamente a respeito de nós mesmos, do nosso corpo, nossos talentos e do nosso valor como pessoas. Bonito mesmo é ser humano de verdade, ser bom, ter compaixão, estar ciente das próprias falhas, mas estar também comprometido em se melhorar… É ver além da aparência, enxergar a alma.

Desconheço o autor - Reprodução
Do filme Eternal Sunshine of the spotless mind – Reprodução

Contudo, como também “há uma pedra no caminho”, representada por Saturno, os efeitos mais densos dessa conjunção Vênus-Quíron ficam mais realçados e nos vemos lidando com muitas inseguranças e sensação de inadequação e, ao nos tornarmos hiper defensivos, paradoxalmente, estamos mais suscetíveis de sermos magoados, porque então, vemos a tudo como ofensa, rejeição, indiferença, mesmo que o outro só esteja mesmo ocupado e envolto com seus próprios problemas. As relações atingem, então, um momento crítico em seu desenvolvimento, desafios que têm a ver com o que quer que estava acontecendo lá no final de outubro de 2016. Não, não é momento para mais sofrimento e desengano. É momento para mais crescimento, para autoaceitação, para maturarmos mais um pouco nosso coração sensível e crédulo. Devemos ficar mais cínicos e rechaçar qualquer possibilidade de aproximação? Exatamente o contrário: devemos abrir mais os olhos, desafiarmo-nos a enxergar as pessoas como elas realmente são e não como queremos que sejam e, ainda assim, amá-las, com todas as suas dificuldades e defeitos, mesmo sabendo que elas carregam as armas que podem nos ferir, armas que nós mesmos lhes demos, ao permitir que se aproximassem de nós e partilhassem da nossa intimidade. É preciso sabedoria para identificar quando há uma necessidade legítima e saudável de nos protegermos (quando, por exemplo, tentamos salvar àqueles que não querem ser salvos ou nos atraímos por quem só deseja tirar proveito de nós) e quando estamos apenas sendo excessivamente defensivos e melindrosos, vendo ameaças  onde há apenas a mesma insegurança que carregamos.

Arturas Slapsys - reprodução
Arturas Slapsys – reprodução

Marte ingressa em Áries, onde fará conjunção a Urano e “esquentará” ainda mais esse embate Júpiter-Urano. Em Áries Marte está em casa, domiciliado e dignificado, rei do pedaço… Isso deveria ser bom, certo? Até certo ponto, porque Marte em Áries, dependendo do contexto, pode ser um problema, por ser muito impulsivo, cabeça quente, briguento, precipitado, imaturo… Howard Sasportas o comparava ao Ares grego, pela qualidade destemperada e altamente volátil, propensa à violência, que o deus Ares tinha e que pode se manifestar mais facilmente quando Marte está em Áries. Quando ele se juntar a Urano, a partir do final de fevereiro até início de março, as coisas podem ficar mesmo bastante explosivas, partiuclarmente no cenário geopolítico. Mas não vamos botar o carro adiante dos bois… Júpiter já está bastante desacelerado, para entrar em retrogradação daqui a duas semanas.

Christian Schloe - Reprodução
Christian Schloe – Reprodução

A Lua abre a semana na fase Minguante, em Sagitário, onde fica Balsâmica, já na segunda. Torna-se ainda mais sisuda e impermeável em Capricórnio e finalmente se renova em Aquário, na sexta-feira. Finda a semana sensível e compassiva em Peixes, no domingo. Ao longo dos dias conversa com todos os demais corpos celestes, às vezes alegre, às vezes furiosamente.

Reprodução
Reprodução

SEGUNDA-FEIRA, 23 de janeiro – Mercúrio está em sextil a Netuno, que também recebe a quadratura da Lua Sagitariana. A Lua ainda faz semi-quadratura ao Sol em Aquário, entrando na fase Balsâmica. Fecha a noite em quadratura não exata a Vênus –  O dia traz contradições conhecidas, mas nem por isso mais fáceis de se lidar. Estamos numa grande vibração de criatividade, bom humor e otimismo, que nos entusiasma e anima para começar a semana dispostos a fazer as coisas dar certo, a encarar as dificuldades como desafios que tornam o caminho mais interessante e divertido. Entretanto, em alguns momentos talvez percamos a noção da realidade e dos limites com os quais temos que lidar e, no nosso otimismo ingênuo talvez nos deixemos levar por algum sonho de grandeza que pode nos decepcionar. É essencial nos inspirarmos e darmos asas à nossa imaginação, que hoje está bem realçada, mas no nosso afã de expansão e superação, também precisamos lembrar que há pontos cegos, aqueles detalhes que não queremos ver, seja dentro ou fora de nós. É importante também, dar o benefício da dúvida antes de julgar as situações como maravilhosamente positivas ou terrivelmente negativas. E manter os pés no chão! Um pouco de ponderação trará mais segurança e equilíbrio ao nosso voo, um equilíbrio que é fundamental, visto que estamos olhando para o futuro, buscando enxergar, com os olhos espirituais, como ele se desdobrará no próximo ciclo. No momento, os fatos podem ser enganosos e obscuros e talvez seja melhor se guiar pela intuição.

Reprodução
Reprodução

TERÇA-FEIRA, 24 de janeiro – De Sagitário, a Lua faz quadratura a Vênus e a Quíron, que estão em conjunção em Peixes. Dona Lua faz ainda sextil ao seu dispositor, Júpiter, trígono a Urano e conjunção a Saturno. Por fim, faz quadratura a Marte e fica vazia depois desse embate, às 15h34min. Ingressa em Capricórnio às 20h44min. Mercúrio se aproxima de Plutão e o Sol está sem aspectos em Aquário. A madrugada talvez traga sonhos de grandes inundações, nas quais fluímos ou nos sentimos ameaçados – os sonhos sempre vêm nos alertar sobre os conteúdos inconscientes que estão sendo trabalhados naquele momento específico na nossa vida e o sentimento geral do sonho nos dá pistas sobre como esse processamento se dá. Acordamos numa névoa densa, que ao se dissipar nos deixa diante de desafios práticos e concretos, com os quais temos que lidar de imediato, sem postergar. Assim, estamos imbuídos de um entusiasmo bastante pragmático, olhamos para o futuro com esperança, mas também com realismo. À tarde esse entusiasmo pragmático talvez entre em conflito com outras partes de nós – ou com pessoas fora de nós – que nos parecem excessivamente ingênuas e sonhadoras e que, a nosso ver, tentam dar o passo maior do que a perna ou abocanhar mais do que dão conta de mastigar, o que fatalmente leva a azia, indigestão e mal estar emocional. Essa azia emocional gera irritação e indisposição e, se não nos contemos, quando vemos, estamos vomitando falta de tato sobre os outros, de forma meramente reativa. Se há problemas reais em curso, eles devem ser ventilados e clarificados com quem de fato se relacionam, mas é preciso atenção para não resvalarmos nas disputas fúteis e vazias, a respeito de coisas insignificantes, que faríamos melhor se simplesmente dexássemos de lado. Para evitar isso, precisamos colocar toda essa energia que pulula dentro de nós em algo que possamos transformar, que nos dê a possibilidade de “fazer” algo, que nos faça sentir minimamente ativos, potentes e que nos ajude a colocar as emoções voláteis sob controle – de preferência atividades que não ofereçam riscos desnecessários, porque essas influências também falam de propensão a acidentes causados por precipitação – e que nos ajude a acalmar o potro selvagem dentro de nós. A noite traz a sobriedade de que tanto precisávamos para acalmar as emoções desenvontradas.

Desconheço o autor - Reprodução
Desconheço o autor – Reprodução

QUARTA-FEIRA, 25 de janeiro – Vênus está em conjunção partil a Quíron e se aproxima do quincúncio a Júpiter e da quadratura a Saturno. A Lua faz sextil a Netuno e conjunção a Mercúrio. O dia traz uma sensibilidade bastante acentuada, que nos põe em contato com partes agridoces de nós mesmos: anseios, temores, esperanças, expectativas, feridas… E, pela frestras da pele e da alma, absorvemos também os anseios pungentes e dores que se propagam ao nosso redor, assim como vaza de dentro de nós um compadecimento generalizado, talvez até indefinido, por outros que, assim como nós, se sintam muito diferentes, estranhos e desencaixados na sua forma de amar, de se doar e de se relacionar. É possível que a autoestima esteja um pouco combalida hoje, porque nossos “defeitos” talvez estejam mais salientados do que as qualidades ou talvez vejamos como defeito ou deficiência, uma característica que é apenas diferente da maioria, mas que nos faz sentir deslocados. E a beleza, e o encanto daquilo que foge da norma, não tem lugar? Quíron tem a ver com as histórias que contamos a nós mesmos e neste caso, precisamos nos perguntar quais histórias e estórias estamos repetindo a respeito das feridas femininas que fomos acumulando ao longo da vida… E o poder, e o aprendizado que essas feridas nos trouxeram? Isso não conta? Será que seríamos as mesmas pessoas se não tivéssemos passado por tudo o que passamos? Vale questionar e abrir mão das lembranças ruins e substitui-las por gratidão pelas coisas benéficas que elas nos trouxeram, a despeito de quisquer dores que tenham significado. A Lua Capricorniana talvez não ajude, exatamente porque precisa se encaixar e ser aceita, porque está faminta por aprovação e assim, é possível que nos refugiemos no trabalho com todo o vigor e até aparentemos uma frieza que não sentimos, mas que representamos tão bem que até nós mesmos acreditamos – uma máscara eficiente de estoicismo e firmeza. Por outro lado, é provável que esse estoicismo e firmeza sejam exatamente o que precisamos, para não nos perdermos em melindres e para canalizarmos adequadamente a sensibilidade que está à nossa disposição hoje. Sim, no final das contas, a resiliência de Capricórnio vem nos socorrer e dar chão, justo quando achávamos que íamos afundar nos flagelos da nossa sensibilidade descontrolada. Então, podemos sim, nos permitir ver e identificar, sentir e experienciar essas dúvidas e sensação de desencaixe, mas sem ficar chapinhando no lodo, canalizando isso com realismo, para realizações que nos permitam fazer algo de concreto para sanar nossas feridas e a de outros, nem que seja uma palavra amiga, um olhar de reafirmação, um gesto de conforto ao próximo, literalmente, àquele que está mais próximo de nós.

Maria Eunice
Maria Eunice

QUINTA-FEIRA, 26 de janeiro – Vênus faz quincúncio exato a Júpiter em Libra, signo regido por ela. Vênus também está em quadratura a Saturno. A Lua em Capricórnio faz conjunção a Plutão, quadratura a Urano em Áries e a Júpiter, virando foco de uma T-Square Cardinal. A Lua trava conversa harmoniosa com Vênus e Quíron.  O dia está denso, com um tom severo que nos faz emergir de alguns sonhos pueris para uma realidade seca e árida, de confrontos e cobranças duras. Situações diversas, conflitos internos ou externos nos obrigam a olhar para algumas expectativas infantis que provavelmente ainda carregamos a respeito de pessoas, relações e do próprio mundo, e pelas quais precisamos nos responsabilizar. Nossa fome é grande demais, estamos emocionalmente famintos e exigentes e talvez não percebamos o peso que nossas expectativas representam para o outro, que simplesmente não dá conta de carregá-las; ou talvez nos encontremos na situação inversa, tendo que lidar com as exigências e cobranças que pesam demais em nossos ombros. O fato é que é dia de levar um tranco! Qualquer que seja nossa posição, é preciso agir de forma madura, responsável, identificando nossos conteúdos e separando-os dos conteúdos alheios. Pegar de volta nossa parcela de culpabilidade no estado em que as coisas estão e, em cima disso, tomar as atitudes cabíveis. Se nos deparamos com rejeição e frustração de nossos desejos, precisamos refletir sobre como nós mesmos nos colocamos em tal situação de fragilidade e exposição. Assim, o melhor que fazemos é ser objetivos e aqui Capricórnio, novamente, vem nos ajudar! A Lua em Capricórnio sabe que não existe almoço grátis e não só aceita essa verdade, como resolve tirar proveito dela abrindo um restaurante e quem sabe, apenas quem sabe, uma vez ou outra o coração se abra e se resolva alimentar àquele outro coração faminto, e se descubra que indiretamente estamos alimentando a nós mesmos, ao não nos dobrarmos ao cinismo e ao impulso de permancer na retranca da vida. Vênus em Peixes em quadratura a Saturno vem nos lembrar que temos que nos responsabilizar pelas expectativas que criamos as positivas ou as negativas… Se, feito criança ingênua criamos castelos inverossímeis e depois eles são despedaçados pela luz do dia, ou, se ao contrário, vacinados pelas prévias rejeições ficamos na retranca prometendo a nós mesmos nunca mais nos abrir, afastando aqueles que poderiam suavizar a vida, numa situação ou na outra, criamos a realidade com a qual lidamos e enquanto não encararmos esse fato, estaremos fadados a repetir esse enredo triste. Assim, Saturno vem temperar as fantasias da Vênus Pisciana com algum realismo, de modo que não sejam mais fantasias inverossímeis, mas sonhos realizáveis. Essa é uma influência que se aplica a várias áreas: relacionamentos, finanças, investimentos, estética, criatividade… é possível que haja crises nas relações, causadas pela insegurança e defensividade dos parceiros… Antes de tomar decisões drásticas, talvez valha a pena tirar um tempo para si e refletir e só então snetarem as duas pessoas para a conversa honesta, lembrando que ambos podem estar fragilizados e carentes, portanto, cautela com acusações e julgamentos.

Reprodução
Reprodução

SEXTA-FEIRA, 27 de janeiro – É dia de Vênus e hoje ela está insegura, em quadratura plena a Saturno em Sagitário. Saturno rege Capricórnio, por onde trafega a Lua, que se harmoniza com Marte e fica vazia às 05h19min. Ingressa em Aquário às 06h37min e se renova na conjunção ao Sol às 22h07min, sem fazer aspectos maiores a nenhum planeta. Sol e Lua estão incomunicáveis nesta lunação de hoje, o que agrega ênfase especial aos arquétipos e significados de Aquário. Assim, o ciclo é voltado, de forma extremada, às inovações, à busca e luta pelo progresso – às vezes, a qualquer curto – a olharmos para o futuro, talvez esquecendo lições do passado. O ciclo traz o potencial de voarmos pelos dias no extremo do desapego, do distanciamento, tendo dificuldade de nos conectarmos com os sentimentos e com outras perspectivas das coisas, particularmente aquelas que diferem das nossas. Talvez haja uma certa sensação de alienação, um encastelamento nos ideais humanitários que nos impedem de nos relacionar com o humano próximo de nós e por isso, é preciso ficarmos atentos. A parte boa é que os dois dispositores da Lua e do Sol, Saturno e Urano, estão em harmonia atualmente, possibilitando que construamos uma ponte entre o passado e o futuro, entre o desejo e necessidade de mudar, sem desonrar aquilo que nos trouxe aqui. Essa conversa atual entre Saturno e Urano fala da possibilidade de conciliarmos o tradicionalista e o revolucionário dentro de nós e tirar o melhor da união deles dois. É tempo de renovar intenções, propósitos e planos de futuro!

Reprodução
Reprodução

SÁBADO, 28 de janeiro – Marte chega em casa, seu campo de batalha particular. Ingressa em Áries às 03h39min. A Lua, renovada em Aquário, fica toda a madrugada sem aspectos e pela manhã começa a acenar para Júpiter, com quem faz trígono. A Lua faz sextil ao seu regente moderno, Urano e fecha a noite conversando também com o regente tradicional, Saturno. Mercúrio está bem próximo da conjunção a Plutão e hoje sai da zona de retrogradação. O dia está animado e cheio de energia, trazendo também uma sensação de expectativa, de algo novo pairando no ar… Intuição aguçadíssima, perspicácia acentuada, novas ideias, novos planos, novos rumos… Toda essa expectativa nos enche de entusiasmo e impulso, tonando este um ótimo dia para traçar planos que tenham a ver com nossas esperanças de futuro, com aquilo que desejamos reformar em nós, no nosso cotidiano, na nossa alma e na área de vida correspondente à casa em que a Lua está trafegando no mapa natal (veja onde você tem Aquário). Para isso, podemos fazer um brainstorm, um exercício simples em que anotamos todas, absolutamente TODAS as ideias que nos ocorrerem a respeito daquilo que queremos realizar ou mudar. Neste momento não há ideia absurda, todas são bem vindas, por mais malucas que pareçam… Podemos fazer isso por um período de tempo, alguns minutos, meia hora… E aqui não nos preocupamos com limites, com o que seja factível, nada disso… apenas autorizamos a emergência das ideias e lhes damos as boas vindas… Depois vamos para o segundo passo, que é analisar cada uma dessas ideias do ponto de vista prático para ver quais são viáveis e realizáveis no curto, médio e longo prazo… Avaliamos o fator tempo, recursos, possibilidades e, a partir disso, já teremos algumas ideias claras de para onde ir e o que fazer para realizar nossos sonhos e visões, sejam esses planos para o ano, para alguns anos ou mesmo, apenas para o ciclo vigente! E Boa sorte! De modo mais prático, o dia está favorável para encontrar amigos, para socializar e fazer coisas diferentes da nossa rotina básica. É bom estarmos abertos ao improviso e permanecermos desapegados quanto á forma como as coisas devem fluir.

Reprodução
Reprodução

DOMINGO, 29 de janeiro – Mercúrio está em conjunção exata a Plutão. A Lua faz trígono a Júpiter e sextil a Saturno, aspecto depois do qual fica vazia, às 03h53min. Ingressa em Peixes às 14h11min e fecha a noite em conjunção a Netuno. O Sol segue sem se comunicar com ninguém. Um novo ciclo do Poder das Ideias começa hoje e temos a chance de olhar com uma lupa para nossos conceitos e preconceitos, com o objetivo de transformá-los e nos tornarmos mais conscientes do que é necessários fazermos para pôr nossas ideias em prática, sendo éticos e íntegros na forma como nos comunicamos com o mundo, tendo clareza sobre o que precisamos abrir e revelar e o que é aconselhável manter apenas para nós mesmos. A manhã de domingo está aberta a ponderações, análises das nossas atitudes passadas e presentes que podem estar atrapalhando ou ajudando na execução dos objetivos e no nosso desenvolvimento como pessoa. É um bom momento para reafirmarmos as atitudes positivas e para nos liberarmos daquelas que atrapalham e nos afastam do caminho que queremos tomar. A tarde fica mais sensível e pede introspecção, limpezas energéticas ou programas que alimentem a alma de beleza e esperança. Meditação, oração, arte, música, dança, contemplação… São todas atividades recomendadas. Já o álcool, é melhor ficar de fora da equação!

Uma ótima semana para você!

Antonio Siqueira - Reprodução
Antonio Siqueira – Reprodução