Arquivo da tag: Ciclo Saturno-Netuno

2016 – O Ano da Ressaca

depositphotos_2015 terminou, passou janeiro e já passou até o carnaval. Talvez, para muitos já nem faça muito sentido publicar um texto sobre o ano “novo” que já está pra lá de velho… Mas eu havia prometido e promessa é dívida! Comecei este texto ainda em dezembro. Então precisei parar por causa de outra demanda – outro texto astrológico sob encomenda – que tinha uma deadline super apertada. Depois surgiram questões familiares de última hora,  veio a Zika… Enfim, o fato é que só agora consigo tempo e energia para retomar o “textão” sobre 2016 e já que estamos abrindo ciclo de Aquário, aquele que olha para o futuro, nada melhor do que olhar o futuro com algumas pistas dos desafios e oportunidades escondidos nas dobras do tempo! E afinal de contas, como diz o ditado, o ano só começa, no Brasil, depois do carnaval. Então, vamos começar o ano! Eis o texto!

Reprodução

“Como será o amanhã? Responda quem puder. O que irá me acontecer? O meu destino será como Deus quiser”, diz um samba enredo de muitas eras atrás. A Astrologia busca responder a alguns destes questionamentos, não profetizando um destino pré-determinado, mas traçando as perspectivas e apontando as tendências para que possamos nos preparar e tirar o melhor proveito dos panoramas e contingências que se descortinam à nossa frente; para que possamos nos conscientizar, mudar de atitude quando for o caso, para ir ao encontro do que a vida demanda de nós.

Significadores

Então, quais são as tendências para 2016? O que nos espera? Como nos preparar? De modo geral, temos um ano bastante desafiador à frente, que exigirá de nós o máximo de nossa fé e resiliência. E para apontar as perspectivas deste ano, vamos analisar, separadamente, a regência do ano, que neste caso é do Sol; as atuais configurações dos planetas lentos de Júpiter a Plutão; o mapa de Ingressão do Sol em Áries, que é quando o ano astrológico se inicia; e os eclipses. A partir destes dados teremos uma visão mais clara da dinâmica do ano.

Reprodução

2016 – Regido pelo Sol – um novo ciclo que começa

coração floriso desconheço autor
Desconheço o autor – Reprodução

2016 é regido pelo Rei Sol, o Senhor e centro do nosso sistema. Uma vez que o Sol é o grande doador de luz e de calor para o planeta, já podemos dizer, de imediato, que teremos outro ano de muito calor e de temperaturas acima da média. Mas para além dessas obviedades, um ano regido pelo Sol é um ano para seguirmos nosso coração, com coragem, determinação e alegria; para ousarmos ser nós mesmos, com nossas cores mais verdadeiras, assumindo nossa identidade especial, ao invés de querer ser igual a todo mundo, em lugar de querer nos encaixar nas normas e regras que achatam a tudo e a todos. Um ano regido pelo Sol é um ano de vitalidade, visto que o Sol representa isso na Astrologia e isso ajuda sim, a diminuir a desesperança e o marasmo representados por Saturno-Netuno. É um ano de buscar nos expressar mais criativamente, favorecendo nossa singularidade e aquilo que temos de mais invulgar, portanto, o Sol também sugere que sejamos criativos, que busquemos realizar nossos potenciais verdadeiramente, que paremos de reclamar e de pensar “e se” para pensarmos em “quando”, para nos lançarmos em novos caminhos criativos que nos levem a manifestar nossas melhores qualidades. É um ano para focar em si mesmo e nos próprios objetivos pessoais, cuidando, é claro, de não resvalarmos no egoísmo puro e exacerbado.

Alex Grey - Reprodução
Alex Grey – Reprodução

O Sol, sendo o centro do nosso sistema, simboliza o centro da personalidade, o cerne da nossa consciência. Isso significa que 2016 é um ano para trabalharmos em direção a um aumento da consciência, tanto em termos individuais quanto coletivos. É possível que haja um despertar para nosso papel individual no plano maior das coisas; uma percepção maior de nosso papel de pequenas células no grande tecido da vida e do mundo como ele é. E, alcançando esse nível mais elevado de consciência e afinando-nos com as qualidades mais positivas do Sol talvez sejamos capazes de ser mais generosos. Pesquisas na área da Física Quântica têm demonstrado que sim, cada indivíduo influencia o todo e cada ação individual, por menor que seja, repercute no tecido de todo o sistema, portanto, não podemos nunca duvidar do poder da nossa ação consciente, quando ganhamos consciência, o todo se expande. Sendo o centro do sistema, um ano regido pelo Sol também significa o início de um novo ciclo. Como o Sol rege o signo de Leão, este ano favorece especialmente aos Leoninos.

Saturno e Netuno – O Ogro e o Louco

Muitos dos desafios de 2016 são simbolizados por uma quadratura que fica ativa durante praticamente todo o ano, entre Saturno e Netuno, dois planetas cujo ciclo simboliza grandes mudanças sociais e coletivas, especialmente nos âmbitos político, econômico e espiritual. Esta é uma quadratura minguante, a última de um ciclo que começou em 1989/90, portanto, seus temas reverberam dos acontecimentos que tomavam lugar naqueles anos. Você lembra o que estava acontecendo entre 1989 e 1990 em termos sociais e políticos? E na sua vida pessoal? Saturno representa todos os tipos de estruturas: políticas, econômicas, sociais, espirituais; representa o status quo, a tradição, o conservadorismo, os sistemas estabelecidos; representa  a necessidade de segurança, de ordem, de regras; Saturno representa ainda o princípio da realidade com todos os seus limites e barreiras, entre muitas outras coisas. Já Netuno simboliza a dissolução e fragmentação de tudo aquilo que Saturno defende: uma fragmentação literal e figurativa dos sistemas de poder econômico, político, social, espiritual; a desconstrução de tudo o que está posto, de forma insidiosa e quase imperceptível, mas definitiva e irrevogável.

Reprodução
Reprodução

Enquanto Saturno representa a realidade, Netuno representa a ilusão e a fantasia, os escapismos vários que usamos para nos evadir da dureza da realidade, como álcool, drogas, religião, vícios em geral, visões fantasiosas; também representam mudanças significativas nas indústrias do cinema, da arte e da música. Assim, quando colocamos os dois juntos, percebemos que este é um ano de muitas desilusões, de nos defrontarmos com as ilusões que criamos ao longo dos últimos 25 anos, as mentiras nas quais resolvemos acreditar porque eram confortáveis. São dois planetas lentos e pesados e quando em aspecto tenso simbolizam um tempo pesado, de desesperança generalizada e depressão coletiva; o levantar dos véus que turvavam a visão da realidade tal qual ela é. Portanto, 2016 é um ano de se encarar a realidade e, se por um lado isso pode sim significar um ano pesado e sombrio, por outro, traz a promessa de vivermos com maior maturidade e responsabilidade, de pararmos de postergar os grandes problemas da humanidade, como as questões ambientais, para tomarmos providencias reais e efetivas no que tange a estes assuntos – é como diz aquela frase famosa, “o bom de se estar desiludido é que você está fora da ilusão e veio para a realidade” (Sri Sri Ravi Shankar). Este ciclo também está ligado à morte de figuras proeminentes nas indústrias do entretenimento, das artes e da música.

Quer saber em que casas do seu mapa natal esta configuração cai, quais áreas de vida são afetadas e qual a repercussão na sua vida pessoal? Agende uma consulta comigo: psicologica.astrologia@gmail.com

yuumei deviantart
Yuymei – on Deviantart – Reprodução

Outro fator muito importante nesta equação é que Júpiter, que trafega o signo de Virgem de agosto de 2015 a setembro de 2016, estará em oposição ampla a Netuno em Peixes e em quadratura a Saturno em Sagitário por boa parte do ano, formando uma configuração de Cruz Mutável e adensando os temas já mencionados. Os ciclos de Júpiter e Saturno também são muito importantes coletivamente porque falam de mudanças expressivas na economia, períodos de picos ou de declínio econômicos; indicam grandes mudanças nas leis, na administração pública e nos governos em geral. Neste caso, com Júpiter em quadratura a Saturno – e esta também é uma quadratura minguante, de fechamento de ciclo –  seremos confrontados com a expansão irresponsável que temos empreendido nas últimas décadas e a tendência é de retração econômica e de recessão, além de um cenário político bastante conturbado e caótico, devido à influência de Netuno. Sensação geral de grande ressaca, depois de muitos excessos e exageros! Júpiter expande e multiplica tudo o que toca, então podemos prever dois cenários possíveis: negativamente, pode haver um aumento nessa sensação de desilusão e desesperança simbolizados por Saturno-Netuno, porém, por outro lado, Júpiter pode fazer o contraponto e manter acesa a nossa fé e otimismo diante das dificuldades, embora aqui seja necessário cautela para não resvalarmos na tentação de dourar a pílula e fingir que está tudo bem, quando na verdade não está. É preciso ter muita lucidez e pragmatismo para mantermos o equilíbrio emocional, financeiro e mental ao longo de todo o ano, cuidando para nem cairmos no desespero nem na histeria. A partir de setembro Júpiter ingressa em Libra, um signo Cardinal, trazendo maior dinamismo e resoluções, porém, outros desafios representados pelos aspectos que Júpiter fará a Urano e Plutão.

coostuffdirectoryPor falar neles, a quadratura Urano-Plutão que tem estado ativa desde 2010 e que embora não fique mais exata, ainda continua muito próxima em alguns períodos do ano, será ativada pelo trânsito de Júpiter em Libra. Isso sugere que as transformações profundas e radicais ainda estão nas pautas coletiva, social e individual. Esta configuração também simboliza mudanças drásticas em termos globais e sociais, rupturas, crises e necessidade de transformação nos paradigmas vigentes sociais, tecnológicos, políticos e éticos. Mudanças climáticas como consequência da ação humana também estão implicadas aqui.

Paciência, muita paciência

Borzui - Reprodução
Borzui – Reprodução

Marte ficará retrógrado de 17 de abril a 29 de junho, entre os signos de Sagitário e Escorpião, pedindo que tenhamos muita paciência e jogo de cintura neste período, trabalhando a gestão de conflitos e da agressividade. Isso é especialmente válido para os Arianos e Escorpianos, regidos por Marte e também para os Sagitarianos, por onde trafegará este planeta no ciclo retrógrado. Essa retrogradação de Marte é acompanhada pelas retrogradações também de Mercúrio em Touro, de Saturno em Sagitário, de Netuno em Peixes e de Plutão em Capricórnio, portanto, propensão maior a atrasos e entraves no dia a dia – boa parte do céu estará em marcha a ré, tornando este um dos períodos mais críticos do ano! Os outros dois períodos também bastante tensos são as temporadas de eclipses, que ocorrem neste ano nos meses de março e setembro. Falamos dos eclipses mais abaixo.

Ingressão do Sol em Áries

ingressao
Ingressão do Sol em Áries – 20 de março de 2016, 01h30min, Brasília-DF

O Sol ingressa em Áries no dia 20 de março, à 01h30min, no horário de Brasília (04h30min no horário de Lisboa). No mapa levantado para o Distrito Federal, algo que chama a atenção imediatamente é Plutão em conjunção ao Ascendente em Capricórnio, em quadratura a Urano, que está em conjunção exata ao fundo do Céu, a base que sustenta a nação. Isso sugere um ano de transformações profundas, inesperadas, radicais, que deverão sacudir não somente as bases deste país, mas também a forma como nos percebemos, nossa identidade como povo. Terremotos políticos, tsunamis econômicos poderão trazer muita instabilidade, mas também poderão trazer muitas verdades à tona, desenterrando defuntos velhos que estavam escondidos, segredos de estado, maracutaias muito bem escamoteadas a emergirem dos escombros, propiciando uma grande limpeza e purificação da alma coletiva. Uma demolição dos modelos vigentes até então para que uma reconstrução possa ocorrer. Essa configuração também traz a oportunidade de assumirmos nossa responsabilidade individual pela grande sombra do país, de percebermos nossos pequenos pecados pessoais como parte essencial da trama do grande tecido que é a alma da nação, a identidade do país. Realmente, este país precisa se reinventar completamente, empoderando-se em sua criatividade e admitindo sua tendência regressiva na busca por salvadores milagreiros; encarando seus podres sem disfarces, mas também sem complexo de vira-latas – só poderemos nos ver de modo mais realista, que é o que pede um Ascendente em Capricórnio, quando admitirmos nossa sombra e igualmente nossa luz.

Desconheço o autor - Reprodução
Desconheço o autor – Reprodução

O regente deste Ascendente, Saturno, está a 16° de Sagitário, como foco de uma T-Square mutável dupla, ao fazer, quadraturas a Júpiter em Virgem de um lado e a Netuno e Quíron em Peixes de outro – configuração da qual já falamos acima. Mais do que nunca é preciso confrontar a realidade, abrir mão das fantasias infantis de que alguém virá nos salvar e colocar o país nos eixos “finalmente”. Não, ninguém virá nos salvar, nós é que precisamos dar o salto de consciência e maturidade política e social de uma vez por todas. Democracias saudáveis pressupõe responsabilidade, civilidade, cidadania e não líderes populistas e demagogos que se arvoram de salvadores da pátria. Saturno, foco dessa configuração, está na casa 11 do mapa, a casa das instituições sociais e políticas, do serviço civil, assim como dos sonhos coletivos de longo prazo, as ambições e ideais do país. Saturno aqui implica, diretamente, a necessidade de reavaliarmos quais são estes sonhos e ideais, de pararmos de fantasiar e passarmos a planejar nossos sonhos, se queremos vê-los realizados. Sim, transformar sonhos em metas com cronogramas e prazos de execução. Júpiter, um dos braços da T-Square está no portal entre as casas 8 e 9, mas voltando para a casa 8, visto que está retrógrado, implicando que nossa expansão e crescimento passa, necessariamente, por encararmos nossos equívocos legislativos, por revermos nossas leis, muitas delas bonitas mas inefetivas e ineficazes e por reavaliarmos leis que nunca saem do papel e que só servem para causar suspiros de frustração. Netuno, o outro braço da T-Square, está no fim da casa 2, conjunto a Vênus, sugerindo cautela e cuidado na gestão dos bens, commodities e valores em geral do país – isto também vale para o plano individual de quem mora no Brasil. Há grande risco de termos nosso patrimônio vendido a preço de banana de novo, porque “o que é meu é nosso”, mas o problema é que para o outro, o que é dele é só dele mesmo. Risco também de nos endividarmos mais ainda, individual e coletivamente, levados por fantasias e ilusões de que “as coisas vão melhorar”, o que usamos de forma irresponsável para justificar gastos e desmandos, especialmente porque Vênus e Netuno estão ambos em oposição a Júpiter na casa 8, a casa dos empréstimos, a casa do “dinheiro dos outros”, avisando que este NÃO é um ano favorável para se contrair empréstimos, nem em nível individual – a não ser que o mapa pessoal do sujeito diga o contrário – nem em termos de nação, portanto, não é uma boa hora para passar o chapéu e pedir ajuda porque o custo lá na frente pode ser alto demais  – por isso, cuidado, muito cuidado! Quem se vir obrigado a contrair empréstimos ou dívidas, faz bem em ler todas as minúncias e letras pequenas dos contratos assinados. É preciso muita sobriedade, muito pé no chão para se conseguir algum crescimento. Em suma, enquanto não despertarmos para o que somos como país, para nossos problemas reais e para nosso quinhão de responsabilidade pessoal nisso tudo, não transformaremos nada, continuaremos a chapinhar no lamaçal de relamações contra políticos, instituições, governos, partidos, impostos, etc. Em vão.

Christopher Ulrich - Reprodução
Christopher Ulrich – Reprodução

Este mapa tem uma formação de Locomotiva, liderada pela Lua em Leão. O povo é soberano e é a mola e o motor da mudança. É o povo que vai determinar o ritmo da transformação e precisará achar maneiras de inovar, de transformar, de progredir, de implementar o novo, sem destruir aquilo que ainda serve, que ainda é útil, que ainda funciona – aliás, um dos grande problemas dos governos no Brasil é desmantelar os programas do governo anterior, independentemente de terem funcionado ou não. Temos a oportunidade de agregar e conciliar o velho e o novo, visto que a Lua forma um Grande Trígono de Fogo com Saturno em Sagitário (o Velho) e Urano em Áries (O Novo). Mortalidade feminina e especialmente relacionada à reprodução será assunto de destaque neste ano, uma vez que a casa 8 rege a morte e a Lua rege as mulheres, além de reger o povo. É possível que haja aumento nas estatísticas de morte feminina, inclusive por problemas cardíacos – mulheres, cuidem-se!

Saturno ganha mais destaque ainda por estar no Ponto Médio (orbe de 4°44’ graus) entre o Sol (o país e seu presidente) e a Lua (o povo), indicando que todos precisamos ser realistas, povo e governo e que é preciso chegarmos a um consenso a respeito do que é possível e do que não é, com honestidade e lisura. Tanto o povo (Lua) quanto a presidente (o Sol) precisam ser realistas, responsáveis, corretos, disciplinados e maduros quanto aos ideais e sua consequente concretização. É isso ou o povo vai para um lado e o país para outro – caos generalizado.

Pawel Kuczynski - Reprodução
Pawel Kuczynski – Reprodução

O Sol, ponto central deste mapa – afinal é o mapa da  sua ingressão – está na casa 3, a casa das comunicações e telecomunicações, correios, do comércio, dos transportes, das estradas e rodovias, escolas, educação, liberdade de expressão, pronunciamentos oficiais e países vizinhos. Este Sol está um tanto isolado e faz apenas um trígono aplicativo a Marte em Sagitário, na casa 11 enquanto aguarda a conjunção de Mercúrio, que ainda está em Peixes. Isso sugere uma continuidade na dificuldade de comunicação entre a Presidente e seu povo. Ela consegue dialogar com alguns setores do governo, mas de modo geral segue bastante isolada. A imprensa continua tendo papel fundamental na ordem do dia, ditando o que é e o que não  é importante, talvez brilhando mais que a própria presidente. De toda forma, as comunicações e a educação ganham papel de destaque neste ano, assim como a importância da eficiência logística (rodovias, ferrovias, vias marítimas e aéreas) para o crescimento da economia e aqui há dois cenários possíveis: reestruturação da malha logística e do sistema educacional ou surgimento de greves diversas nestes setores mencionados. Contudo, mais uma vez Mercúrio está em Peixes, enquadrado por Quíron e pelo Sol. Mercúrio em Peixes é geralmente confuso na comunicação e tende a confundir alhos com bugalhos, somando-se à presença de Quíron, temos mais um ano em que a imprensa e a mídia deitam e rolam contando e divulgando apenas o que é do seu interesse – em muitas situações, contando mentiras deslavadas, com o intuito primeiro de confundir e enganar a opinião pública. Tsunamis de informações inúteis que desinformam ao invés de informar – um verdadeiro desserviço ao público.

Eclipses

Eclipses de Março

Reprodução
Reprodução

O eixo nodal trafega de trás para frente e atualmente transita a polaridade Virgem (Nodo Norte) e Peixes (Nodo Sul). Assim, os eclipses neste ano caem primordialmente neste eixo de signos, com um eclipse lunar acontecendo ainda em Libra, o eixo anterior. Anualmente temos duas temporadas de eclipses. A primeira temporada neste ano é inaugurada por um Eclipse Total do Sol acontecendo a 18°56’ de Peixes, às 23h54min do dia oito de março (01h56min do dia nove no horário de Lisboa). Os eclipses não são eventos isolados. Eles pertencem a famílias, chamadas Séries Saros, que compreendem mais de 70 eventos, durando muitos séculos, milhares de anos. Estas famílias têm sua dinâmica própria e têm um mapa natal, o mapa do primeiro eclipse da família em questão, a partir do qual interpretamos quais os temas centrais de cada série. Eu escrevi um artigo bastante extenso e exclusivo sobre a dinâmica e a natureza dos eclipses. Você pode ler este artigo aqui. Este eclipse de oito de março pertence à Série Saros 130, uma família que começou em 20 de agosto de 1096 e, de acordo com a Dra. Bernadette Brady, astróloga inglesa estudiosa de eclipses, esta série fala de finalizações, conclusões e separações. Indivíduos com planetas entre os graus 13 e 24 dos signos mutáveis (Gêmeos, Virgem, Sagitário e Peixes) sentirão mais fortemente estas influências. No mapa do eclipse atual, Sol e Lua estão em conjunção próxima a Quíron em Peixes, em oposição a Júpiter em Virgem e quadratura a Saturno, apontando muitas desilusões e verdades duras e difíceis de serem digeridas, mas ao mesmo o potencial de nos curarmos da tendência ao auto-engano. Este eclipse cai em oposição ao Ponto Médio entre o Sol e o Mercúrio natais do mapa da independência do Brasil, na casa 7, implicando possíveis imbróglios diplomáticos ou saias justas delicadas, que exigirão muita cautela na condução de sua elucidação. Caindo em oposição ao Sol natal do mapa do Brasil, tem implicâncias diretas sobre a presidente. O Sol é eclipsado, indicando diminuição de sua potência, vitalidade e visibilidade, em outras palavras, um possível enfraquecimento. Este eclipse não será visível no Brasil, apenas em partes da Austrália e Sudoeste da Ásia.

Tim Lukerman
Tim Lukerman

O Eclipse Total do Sol é seguido de um Eclipse Penumbral da Lua a 03°17’ de Libra, no dia 23 de março, que pertence à Série Saros 142, iniciada em 19 de setembro de 1709. Neste mapa do primeiro eclipse, ocorrido em 1709, a Lua Cheia faz quincunces a uma conjunção Urano-Plutão em Leão, sugerindo grande instabilidade e insegurança causada por inquietude social e mudanças coletivas. Há também uma conjunção Sol-Mercúrio, com Mercúrio fazendo quincunce exato a Netuno em Áries, indicando problemas na comunicação, engôdos e incertezas. No mesmo mapa Vênus e Marte estão em conjunção em Libra, em oposição a Netuno e todos em quadratura a Quíron em Capricórnio: incertezas e instabilidade também na economia. Pessoas com planetas entre os graus zero e 8 dos signos Cardinais (Áries, Câncer, Libra e Capricórnio) sentem mais intensamente as influências deste eclipse lunar, que será visível apenas no Pacífico, em partes da Ásia e no Oeste das Américas.

Eclipses de setembro

ULC by yd84 - Reprodução
ULC by yd84 – Reprodução

A segunda temporada de eclipses do ano começa com o Eclipse Anular do Sol em 1° de setembro, a 09°21’ de Virgem. Este eclipse vem novamente ativar a quadratura Saturno-Netuno, pois ocorre em oposição de pouco mais de um grau a Netuno e os três, Sol, Lua e Netuno em quadratura a Saturno a 10 de Sagitário, com a adição de Marte em conjunção a Saturno, ambos focos da T-Square. Mais enfrentamentos duros da realidade, com desdobramentos políticos, civis, econômicos e também religiosos. A Dra. Brady, falando sobre esta Série de eclipses fala exatamente sobre isso, que “esta série trata de realismo, de botar os pés na terra. O indivíduo se torna consciente de uma situação antiga, percebendo-a como ela de fato é, em oposição ao que ele achava que era previamente.  Pode ser um período construtivo de encarar e lidar com a realidade”. Este é o potencial, se é difícil e amargo este remédio, ele contudo traz a cura: o fim das ilusões. Este eclipse cai mais uma vez no eixo das casas 1/7 do mapa natal do Brasil, com Saturno na casa 10, indicando que nossa imagem no mundo lá fora também pode ficar meio arranhada, o mundo vendo quem realmente somos, tanto para o pior quanto para o melhor. Pessoas com planetas natais entre os graus 04 e 14 dos signos Mutáveis (Gêmeos, Virgem, Sagitário e Peixes) sentem mais intensamente a potência deste eclipse, que será visível em partes da África, especialmente África Central e no Oceano Índico.

Kris Kuksi - Reprodução
Kris Kuksi – Reprodução

No dia 16 de setembro temos o último eclipse do ano, um Eclipse Penumbral da Lua, ocorrendo a 24°20’ de Peixes. Diferentemente dos anteriores, este eclipse não envolve Saturno-Netuno, apesar de ocorrer em Peixes. Mas forma uma T-Square, da qual Marte é novamente o foco, a 23 de Sagitário. Isso indica que questões legais, legislativas e espirituais serão o foco do período – manifestações apaixonadas de fé, fanatismo religioso, com verdadeiros “cruzados” modernos saindo às ruas dispostos a atos violentos para defender sua fé e isso é algo que vale para todo o mundo, não somente para o Brasil – aliás, as implicações dos eclipses são globais e o que vale para o Brasil é apenas a interpretação dos aspectos que faz aos planetas natais do mapa do país. Por falar nisso, o eclipse cai em oposição exata ao Mercúrio natal do Brasil, implicando novamente questões delicadas nas comunicações e na diplomacia. Antagonismos, beligerâncias, vitimismos e até mesmo explosões de violência são passíveis de acontecer. Este eclipse pertence à Série Saros 147, iniciada a dois de julho de 1890. No mapa de início da Série 147, Sol e Lua formam um dueto, quer dizer, só interagem um com outro e não conversam com mais ninguém no mapa, indicando extremismo e tendência a se perceber as coisas sob pontos de vistas unilaterais, o que dificulta a conciliação e as negociações. O eclipse será visível no Leste da África e da Europa, em toda a Ásia e parte da Austrália. Será parcialmente visível na costa do Sudeste e do Nordeste do Brasil.

Quais as repercussões destes eclipses na sua vida pessoal? Quais áreas de vida são afetadas? Que desafios e oportunidades eles trazem para você? Descubra agendando uma consulta comigo: psicologica.astrologia@gmail.com

Reprodução
Reprodução

Então, já me perguntaram, afinal, 2016 está pior ou melhor do 2015? Eu diria nem pior e nem melhor, está diferente. 2014 e 2015 foram anos mais dinâmicos, dinamismo esse simbolizado pela quadratura Urano-Plutão em Áries e Capricórnio, dois signos cardinais, de ação e resolução. Então foram dois anos de muitas crises, mas também de decisões, de ação e de desenvoltura. Já 2016 é um ano de uma quadratura Saturno-Netuno, que traz sensação de confusão, falta de direção, falta de foco e muita letargia e apatia, então, pode ser sentido como mais difícil e mais pesado, porque temos a sensação de que tudo é muito lento e cansativo e temos dificuldade de divisar os resultados, que só ficarão mais claros bem mais à frente. Por outro lado, o fato de a quadratura Urano-Plutão já estar se desfazendo, diminui a pressão e a intensidade das coisas.

Concluindo, 2016 tende a ser um ano pesado, mas que traz muitas oportunidades de amadurecermos como pessoas, como nação e como espécie habitante deste planeta – o planeta certamente se fará ouvir de forma estridente. Ao mesmo tempo em que há este clima de desesperança, confusão e perda de rumo, também há a chance de vivermos de forma mais coerente com nossos recursos, mais alinhados com nossa fé – perseverar na fé é um desafio. Chamados seremos a separar o joio do trigo e a fantasia de sonho e a empreender os esforços necessários para tornar estes últimos realidade. Sem oba-oba, com os pés bem firmes no chão.  É um ano de ganharmos mais consciência, de nos responsabilizarmos por tudo o que emanamos no mundo, pelas nossas atitudes concretas e também pela nossa vibração, que certamente faz toda a diferença. É tempo de agirmos mais criativamente, a partir do coração e do centro da nossa coragem!

Quer saber quais os desafios e oportunidades de 2016 para você, especificamente? Agende uma consulta comigo: psicologica.astrologia@gmail.com

Saatchiart - Reprodução
Saatchiart – Reprodução

Abaixo segue um calendário com os eventos astrológicos mais importantes de 2016:

Datas e ciclos importantes:

Janeiro, 5 a 26 – Mercúrio retrógrado de 01° de Aquário a 14° de Capricórnio

Janeiro – todo o mês – conjunção de Júpiter ao Nodo Norte da Lua em Virgem

Fevereiro, 23 – Júpiter retrógrado em Virgem faz oposição a Quíron em Peixes

Março, 6 – Júpiter Rx em quincunce a Urano

Março, 8 – Eclipse total do Sol a 18° de Peixes

Março, 16 – Júpiter Retrógrado em trígono a Plutão

Março, 20 – Ingressão do sol em Áries – Equinócio do Outono no Hemisfério Sul e da Primavera no Hemisfério Norte – Ano Novo Astrológico

Março, 23 – Eclipse Penumbral da Lua a 03° de Libra

Março, 23 – Júpiter Rx faz quadratura exata a Saturno

Março, 25 – Saturno entra em retrogradação

Abril, 17 – Marte entra em retrogradação a 8° de Sagitário

Abril, 18 – Plutão entra em retrogradação a 17° de Capricórnio

Abril, 28 – Mercúrio entra em retrogradação a 23° de Touro – Haja paciência! Messsssmo!

Maio, 9 – Júpiter retorna ao movimento direto a  13°15 de Virgem

Maio, 22 – Mercúrio retornar ao movimento direto a 14° de Touro

Maio, 26 – Júpiter, direto, faz quadratura exata a Saturno

Junho, 13 – Netuno entra em movimento retrógrado

Junho, 18 – Saturno, retrógrado, faz quadratura exata a Netuno

Junho, 20 – Ingressão do sol em Câncer – Solstício de Inverso no Hemisfério Sul e de Verão no Norte

Junho, 26 – Júpiter, direto, faz trígono exato a Plutão

Junho, 29 – Marte volta ao movimento direto a 23° de Escorpião

Julho, 29 – Urano entra em movimento retrógrado a 24° de Áries

Agosto, 12 – Júpiter, direto, faz oposição a Quíron

Agosto, 13 – Júpiter faz quincunce exato a Urano

Agosto, 13 – Saturno retorna ao movimento direto a 09° de Sagitário – o primeiro decanato de Sagitário está livre de Saturno a partir de outubro

Agosto, 30 – Mercúrio entra em retrogradação a 29° de Virgem

Setembro, 1° – Eclipse Anular do Sol a 09° de Virgem

Setembro, 09 – Júpiter ingressa em Libra, às 08h19min no horário de Brasília

Setembro, 10 – Terceira e última quadratura exata de Saturno a Netuno

Setembro, 16 – Eclipse Penumbral da Lua a 24° de Peixes

Setembro, 22 – Mercúrio volta ao movimento direto a 14° de Virgem – em cima do Sol Natal do Brasil

Setembro, 22 – Ingressão do Sol em Libra – Equinócio da Primavera no Hemisfério Sul e do Outono no Hemisfério Norte

Setembro, 26 – Plutão retornar ao movimento direto a 14° de Capricórnio

Outubro, 23 – Júpiter em Libra faz quincunce a Netuno em Peixes

Novembro, 10 – Saturno faz semi-sextil a Plutão

Novembro, 20 – Netuno retorna ao movimento direto a 14° de Peixes

Novembro, 24 – Júpiter em Libra faz quadratura exata a Plutão

Dezembro, 19 – Mercúrio entra em retrogradação a 15° de Capricórnio

Dezembro, 21 – O Sol ingressa em Capricórnio – Solstício de Verão no Hemisfério Sul e de Inverno no Hemisfério Norte

Dezembro, 25 – Saturno faz trígono exato a Urano

Dezembro, 26 – Júpiter faz oposição a Urano

Dezembro, 29 – Urano retorna ao movimento direto.

Saturno-Netuno – O Mundo em Desintegração

Saturnus_fig274 - Copia (2)Saturno ingressou em Sagitário definitivamente no dia 17 de setembro de 2015, onde permanecerá até 20 de dezembro de 2017, quando ingressa em Capricórnio. Ele já tinha feito uma incursão rápida no signo do Arqueiro de dezembro de 2014 a junho de 2015, mas então regressou a Escorpião para o último round de cobranças naquele signo, de junho a setembro.

Enquanto estiver empreendendo sua jornada por Sagitário, Saturno terá que lidar com dois velhos arqui-inimigos: Netuno, que trafega o último signo de Água e da qualidade Mutável, o último do Zodíaco, Peixes, e também Júpiter, o filho que o tirou do poder, que trafega Virgem até setembro de 2016– aliás, Saturno é o arqui-inimigo e o consequente oposto psicológico de todos os demais planetas, por ser o contra-ponto, aquele que limita o impulso natural do planeta em questão. Neste texto vamos nos concentrar apenas no ciclo Saturno-Netuno. Falaremos de Júpiter-Saturno em outro momento, não sei quando.

Pawel Kuczynski 31
Pawel Kuczynski – Reprodução

Mas por que eles são inimigos? Porque representam princípios opostos. Enquanto Saturno constrói estruturas, Netuno as fragmenta e dissolve; Saturno quer segurança, Netuno traz incerteza; Saturno busca o que é sólido, Netuno deixa fluido, inconsistente, frágil; Saturno é o princípio da realidade, Netuno o da ilusão, fantasia e imaginação; Netuno sonha, Saturno realiza; Saturno define, Netuno é indefinível; Saturno é a forma, Netuno torna tudo disforme; Saturno encara tudo de cara limpa, é sóbrio, resistente, responsável, austero, gosta da ordem  e da hierarquia, já Netuno é inconsequente, indulgente, permissivo, condescendente, caótico, dissoluto, irresponsável, anarquista, ama o caos e busca escapar da realidade através de álcool, drogas, arte, misticismo, fanatismo; Saturno representa o controle, Netuno o descontrole, a subversão, a loucura, a insanidade; Saturno é a matéria concreta, Netuno é a imaginação abstrata; Saturno enrijece, Netuno amolece; Saturno é severo e duro, Netuno é compassivo e sensível; Saturno separa o indivíduo, corta o cordão umbilical e o obriga a amadurecer, Netuno é o desejo de voltar ao útero e à unidade urobórica onde ninguém é separado e todos somos um; Saturno é a estruturação do ego, Netuno é a sua dissolução; Saturno cria fronteiras e limites para nos separar do mundo exterior – não é à toa que rege a pele, a “fronteira” que delimita e separa nosso corpo do resto do mundo – Netuno dissolve todas as fronteiras e separações; Saturno busca poder e status econômico e social e Netuno não se importa com isso, representando, entretanto o poder da arte, da criatividade, do cinema, glamorizando e criando verdadeiros mitos dentro dessas indústrias; Netuno é o ideal de perfeição etérea, de outro mundo, Saturno é a imperfeição da vida encarnada… Poderíamos ficar horas enumerando porque estes dois se contradizem, mas creio que já é suficiente.

John Roddam Spencer Stanhope_Prerrafaelita
John Roddam Spencer Stanhope Artista Prerrafaelita Reprodução

Contudo, os dois têm alguns pontos em comum: ambos representam sacrifícios, no caso de Saturno por causa da renúncia que fazemos de um prazer imediato em nome de algo mais duradouro, sacrificamos algo no agora visando ter uma recompensa melhor no futuro. Já Netuno representa nossos anseios, anseios pelo belo e inefável  e em última instância, por redenção e os sacrifícios representados por Netuno, ao contrário de Saturno, não envolvem renúncias ditadas pela disciplina, mas são, antes, o abrir mão de si mesmo e da vontade pessoal em nome de algo maior, em favor de outra pessoa ou do coletivo ou simplesmente porque o indivíduo sente-se esmagado pelas correntes da vida. Ambos também representam a crucificação, Saturno é a crucificação na matéria, na realidade, Netuno é a crucificação-sacrifício que redime a humanidade. Netuno é o Paraíso, o Jardim do Éden onde tudo é perfeito, Saturno é a Queda e a expulsão deste mesmo paraíso, com a consequente condenação de se ter que ganhar a vida “com o suor do rosto”, enfrentando o medo, “as dores do parto”, os  limites, as doenças, a velhice e no fim, a própria morte.

40210-a-rocha-kannesteinen-foi-esculpida-pela-660x0-1
Shutterstock – Reprodução

Quando, pois, colocamos os dois juntos, na quadratura mutável Sagitário-Peixes, temos sonhos transformados em realidade ou a desilusão amarga diante de fantasias irrealistas; erosão de fronteiras e limites; fragmentação e dissolvição de estruturas religiosas, políticas e econômicas; endurecimento ou desintegração de sistemas religiosos; idealização da figura do pai; regimes autoritários sendo dissolvidos ou sendo glamourizados; estruturas seguras e inquestionáveis dissolvendo-se da noite para o dia; controle no uso de drogas e álcool; medo do desconhecido; medos indefiníveis; desilusão e desencanto com a realidade;  – e assim por diante. Junte os dois princípios e podemos formular outras possibilidades. Uma imagem que ilustra de maneira muito clara a forma como estes dois planetas operam juntos é a imagem das ondas do mar batendo nos rochedos na praia. A rocha é a rocha: dura, inflexível, difícil de mover e de destruir. A princípio você olha e a paisagem é a mesma.  Mas fotografe esta paisagem e olhe para ela décadas mais tarde e perceberá que, com o tempo, o mar erodiu a rocha e mudou a paisagem. Água mole em pedra dura, tanto bate até que fura – é um adágio que retrata a interação de Saturno e Netuno.

"Imaginação é a única arma na guerra contra a realidade" - Alice no País das Maravilhas - tirado do Etsy, via Pinterest - Reprodução
“Imaginação é a única arma na guerra contra a realidade” – Alice no País das Maravilhas – tirado do Etsy, via Pinterest – Reprodução

Se consideramos todas as contradições que estes dois planetas representam, logo entendemos porque seus ciclos são tão desconfortáveis de se lidar, tanto no plano individual quanto em termos coletivos. E, se por um lado Netuno derruba e fragmenta tudo o que Saturno levou anos para construir, por outro, os dois são essenciais à psique e quando em aspecto no mapa natal ou quando em trânsito como agora, representam o potencial formidável de transformar sonhos em realidade, porque Netuno imagina , fantasia e sonha, mas sem Saturno jamais realiza nada, porque carece da capacidade de planejar e de lidar com a matéria concreta, com a realidade e seus prazos e custos. Por sua vez, Saturno tem grande poder de realização e concretização, mas sem Netuno torna-se estéril, excessivamente seco e funcional, sem imaginação, de modo que as coisas que cria podem mesmo ser feias, grosseiras e carecerem de alma e de vida. Não é por acaso que geralmente encontramos estes dois planetas em aspecto nos mapas de artistas e de grandes sonhadores que conseguem colocar em prática seus sonhos e ideais. Porque aqui temos a imaginação aliada à forma.

heather nevay - flesch hook
Heather Nevay – Reprodução

Mas o que significa e quais as implicações da atual quadratura que Saturno faz a Netuno? Antes de falarmos especificamente sobre a configuração atual entre eles, vamos entender melhor a natureza deste ciclo. Isso porque, quando falamos de aspectos, sempre precisamos nos reportar à fase do aspecto  em termos do ciclo que está em vigor entre os dois planetas em questão, quer dizer, precisamo recuperar quando o ciclo foi iniciado, quando estes planetas estiveram em conjunção pela última vez. Isso é ainda mais importante e crucial quando se trata de planetas lentos, cujos ciclos têm grande impacto no coletivo, no curto e no longo, longuíssimo, prazo. Em se falando de ciclos, o mais rápido de todos eles é o da Lua, cujo ciclo em relação ao Sol é chamado de lunação e cujos ápices são a Lua Nova e a Lua Cheia e que simboliza as mudanças diárias na nossa vida.  Embora os ciclos planetários possam ser estudados em relação a todos os planetas e luminares entre si, os ciclos de maior impacto social e coletivo são os ciclos que começam a partir de Júpiter: Júpiter-Saturno, Júpiter-Urano, Júpiter-Netuno, Saturno-Urano, Saturno-Plutão, Urano-Plutão… E assim por diante. Como cada planeta tem seu próprio ritmo e velocidade, cada ciclo de um par de planetas tem um tempo muito próprio, assim como tem também significados muito específicos, que têm a ver, por sua vez, com a interação dos planetas em questão.

Saturno-Netuno
O ciclo de Saturno e Netuno – Ilustração tirada do livro de Astrid Fallon, Planetary Cycles Reprodução (1)

O ciclo Saturno-Netuno é de 35,9 anos, ou seja, a cada 35,9 anos eles fazem uma nova conjunção, a uma órbita de cerca de 80 graus à frente do ponto em que a conjunção anterior ocorreu. Por exemplo, a última vez que Saturno e Netuno ficaram conjuntos foi entre 1989 e 1990, nos graus 10/11 de Capricórnio. A próxima conjunção ocorrerá em 2026, a 0° (grau zero) de Áries, isto é, 80 graus à frente do grau 10 de Capricórnio. Cada ciclo menor como este pertence a um Grande Ciclo de 323 anos e este Grande Ciclo consiste no tempo que os dois planetas levam para se encontrem de novo no mesmo signo referencial – outro exemplo: a conjunção Saturno-Netuno em Capricórnio anterior a 1989 aconteceu em 1666. Cada conjunção dura cerca de dois anos, dependendo da orbe que se usa – se usamos orbes amplas, de 8 a 10 graus, por exemplo, de fato estamos falando de um período de dois anos.

muro-de-berlim-queda
Reprodução

Conforme dissemos, a última vez que Saturno e Netuno estiveram em conjunção foi entre os anos de 1989 e 1990, com as conjunções exatas acontecendo em 03/03/1989, 24/06/1989 e 13/11/1989. Ao longo dos últimos 26 anos, esta conjunção se desdobrou depois em outros aspectos,  sextil, quadratura,  e trígono crescentes, seguidos de oposição, simbolizando a fase cheia do ciclo e novamente trígono, quadratura e sextil, neste caso, minguantes.  Portanto, esta é a quadratura minguante do ciclo, que representa uma espécie de teste/prova final para as coisas iniciadas quando da conjunção. E o que estava acontecendo entre 1989 e 1990? Alguém lembra? Como não lembrar!?

Pawel Kuczynski 3
Pawel Kuczynski – Reprodução

Depois da Segunda Guerra Mundial, estabeleceu-se a chamada Guerra Fria, que, resumindo muito, era basicamente uma disputa econômica, tecnológica e política entre Estados unidos e União Soviética e seus respectivos aliados, sendo que um bloco, o ocidental, tinha regime democrático-capitalista e o outro, liderado pela União Soviética, era de regime  socialista/comunista. No fim dos anos 1980, o Socialismo amarga uma grave crise e devido à conjuntura econômica, política e social, a União Soviética e outros governos comunistas e socialistas do Leste Europeu entram em colapso e a Guerra Fria finalmente chega ao fim. O símbolo maior do fim da Guerra Fria foi a queda do Muro de Berlim, que foi a culminação de um processo que envolveu muitos conflitos nos países do Leste Europeu e que durou todo o ano de 1989, seguido da dissolvição da União Soviética, que fragmentou-se em vários estados independentes. Outros acontecimentos dessa época também muito marcantes foram: a retirada do exército soviético de Cabul, depois de nove anos lutando contra rebeldes afegãos; Reagan deixa a Casa Branca após oito anos de mandato e começa a Era Bush; no Brasil, ocorre a primeira eleição direta para presidente, que elege Fernando Collor de Mello, que decreta o confisco da poupança dos brasileiros logo após sua posse em 1990; Edir Macedo começa a ganhar poder e compra a TV Record; na China a juventude se manifesta e há um banho de sangue nos conflitos da Praça da Paz Celestial – que ironia o nome dessa praça! – evento do qual todos lembram por causa da imagem de um estudante franzino enfrentando, sozinho, tanques de guerra; no Irã, o Aiatolá Khomeini coloca a prêmio a cabeça do escritor Salman Rushdie, por entender que seu livro Os Versos Satânicos ofende o Islã; Tim Berners-Lee inventa a World Wide Web – bendito seja! Já em 1990 ocorre a reunificação das duas Alemanhas, a Guerra do Kweit e a abertura econômica no Brasil, para citar só alguns dos eventos mais importantes (quem tiver curiosidade sobre outros eventos internacionais, dê uma olhada na Linha do Tempo da BBC, cujo link está ao final deste artigo).

download
Reprodução

Durante todo este período temos a conjunção tripla de Saturno, Urano e Netuno em Capricórnio, todos eles em sextil a Plutão, que trafega Escorpião. Saturno, por ser o mais rápido, distancia-se no fim de 1990 e ingressa em Aquário em 1991, enquanto Urano e Netuno permanecem em conjunção até meados de 1997.

v. kazanevisky
V. Kazanevisky – Reprodução

Saturno segue seu caminho e o ciclo vai se desdobrando em sextil (1995), quadratura  (1998/99), trígono (2001/02), oposição (2006/07), trígono novamente (2011) e agora, a última quadratura entre 2015 e 2016, finalizando a série de aspectos maiores em 2019 com o último sextil. Sugiro que o/a leitor/a pesquise o que acontecia durante estes anos, tanto na sua vida pessoal quanto em termos sociais e coletivos, para ter uma noção mais clara do tom do aspecto atual, porque os temas estão interligados. Quem tiver tempo e curiosidade, pode também pesquisar o ciclo anterior a este: 1669, 1675, 1684, e, especialmente, os anos de 1692/93, quando ocorreu, pela última vez, essa mesma quadratura minguante atual, com Saturno em Sagitário e Netuno em Peixes. Vale a pena olharmos o passado e a História, para podermos vislumbrar o que o futuro nos reserva, porque a história se repete, porque o ser humano se repete, enfadonhamente. Só para dar um aperitivo: 1692 foi o ano do processo e julgamento das Bruxas de Salém.

Agende uma consulta e veja como este ciclo se desdobra no seu mapa natal, que planetas e casas eles trafegam e quais as implicações disso na sua vida!

coorlartblog
Coorlartlog – Reprodução

O que percebemos analisando este ciclo em particular, iniciado em Capricórnio, é que houve uma fragmentação de estruturas de poder que antes eram vistas como sólidas e imutáveis. Mas, especialmente, depois de décadas de Guerra Fria e do terror de uma guerra nuclear rondando o mundo, a derrubada e dissolução (Netuno) do Muro de Berlim (Saturno) – olha só que manifestação literal destes dois princípios arquetípicos! –  criou expectativas e infundiu um novo idealismo coletivo no mundo ocidental. Começou-se a sonhar que a paz era possível, que a democracia era realmente a solução para todos; idealizou-se figuras de poder, projetando-se a imagem do “salvador” em determinados governantes ou sistemas; por outro lado, sistemas tradicionais outrora descartados, ressurgiram e ganharam novo status e valor. Tendo ficado estabelecido o fracasso do comunismo e socialismo, o mundo ocidental abraçou de vez o modelo capitalista-industrial, glamorizando a livre iniciativa e neoliberalismo, que ganhou força a partir deste período.

Johnson tsang porcelain sculp
Johnson Tsang – Reprodução

Agora, com a quadratura minguante, como é comum à fase minguante de todo ciclo, precisamos rever tudo o que foi iniciado lá entre 1989 e 1990, especialmente o que não deu certo. Agora somos confrontados com o excesso de idealismo que projetamos sobre as transformações de então, a cegueira que escolheu não ver as consequências da industrialização sem freios; precisamos encarar a falência e dissolução de muitas estruturas que pareciam ser indissolúveis e dentro disto está esse modelo econômico de super exploração da natureza, que não se sustenta e que nos trouxe ao ponto de caos em que estamos hoje. Lá em 2006, quando ocorria a oposição de Saturno a Netuno, a ONU já declarava aquele o Ano Internacional dos Desertos e Desertificação, mas parece que não chamou suficiente atenção, porque de lá para cá a coisa só degringolou! O que vemos são regimes ditatoriais e fascistas chegando ao poder novamente, ameaçando empreender uma nova “caça às bruxas” em termos políticos e religiosos; blocos ultra-conservadores ganhando ascensão e destaque na política de vários países e também nas religiões mais tradicionais; e o jogo do empurra de autoridades no que tange às responsabilidades ambientais, sociais e morais como nunca se viu – o Ocidente reclama da tirania e fundamentalismo do Estado islâmico, mas quem foi que vendeu as armas que eles utilizam em seus ataques terroristas? Acaso EUA, França, Inglaterra e todos os outros podem se isentar desta culpa? Criaram e alimentaram uma serpente de veneno letal que está à solta e fora de controle, pronta a picar seus próprios criadores. E agora, para onde vamos a partir daqui? Continuaremos a ver muros cair, literal ou metaforicamente

1446809396-110734-1446810157-album-normal-1446831415
Reprodução

Saturno faz três quadraturas a Netuno, nas seguintes datas: 26/11/2015, 18/06/2016 e 10/09/2016. Esta primeira fica exata apenas algumas horas depois do pico da Lua Cheia de Gêmeos e por isso mesmo, é super potencializada por essa lunação e já se manifestou de forma bem nefasta, nos atentados orquestrados por grupos religiosos fundamentalistas em várias partes do mundo e, particularmente no Brasil, pela ruptura da barragem da Vale/Samarco no Rio Doce, causando um desastre ambiental sem proporções, indelével para o ambiente e para as populações afetadas. A desintegração (Netuno) dessa barragem (Saturno), cheia de resíduos tóxicos (Netuno-Plutão), é também uma manifestação bastante literal dos princípios deste ciclo. No dia em que a barragem se rompeu, dia 05/11/15, à tarde, a Lua estava em Virgem, em oposição exata – ou muito próxima, dependendo do horário, não consegui descobrir a hora exata do desastre – a Netuno em Peixes e em quadratura a Saturno em Sagitário, formando uma T-Square Mutável, com Saturno de foco. A Lua é o corpo celeste mais rápido do nosso sistema e seus trânsitos não são vistos como particularmente impactantes no longo prazo, mas ela pode ser o gatilho que detona uma situação previamente montada, especialmente no caso de “desastres esperando para acontecer”, como era o caso. Ela vem e estimula, é a faísca que dá início à explosão num ambiente que já era altamente combustível. Os outros planetas rápidos, como Vênus, Marte, Mercúrio e ainda o Sol também podem funcionar como gatilhos ao acionarem e estimularem as configurações lentas, assim como as lunações e eclipses – e aqui temos muita sorte já que não teremos nenhum eclipse estimulando essa quadratura, porque apesar de o eixo nodal estar atualmente trafegando a polaridade Virgem-Peixes, ele está no fim da polaridade, enquanto Saturno e Netuno estão ainda no primeiro decanato de Sagitário-Peixes, signos da Cruz Mutável.

creepy pasta wikia
Reprodução

Estes desastres, que são, na verdade, tragédias anunciadas, materializam o medo e a angústia que já vínhamos sentindo há meses e explicitam nossa profunda desesperança e desencanto diante de uma realidade sombria. Esse “mar de lama e de sangue” escancara nossa desilusão com políticas e políticos nos quais projetamos tantos anseios; cristaliza nosso desapontamento diante da promessa de felicidade fácil e infinita, porém fraudulenta, do modelo consumista que nos é vendido; desnuda o profundo medo do futuro do planeta em termos de recursos naturais, devido aos desmandos e inconsequências cometidos ao longo  de décadas ou séculos; anuncia tempos sombrios de retrocesso e de redenção duvidosa para a humanidade; reflete a decepção com lideranças religiosas de instituições diversas, especialmente das mais tradicionais… E nós sentimos isso na alma, de forma muito crua e visceral. Em nível individual, estamos inseguros, receosos, incertos; sentimos a atmosfera pesada e uma desesperança que anuvia a visão e nubla nossos horizontes de nuvens cinza-chumbo; duvidamos de projetos pessoais, duvidamos de nós mesmos, duvidamos do futuro e não acreditamos mais em nada nem em ninguém. Sentimo-nos como que atolados na lama, nós mesmos, sem conseguir nos mover, porque há momentos em que pareçamos estar numa areia movediça e qualquer movimento só nos fará afundar mais. Sentimo-nos péssimos por não poder dar esperança aos mais jovens de que “tudo vai ficar bem”, porque nós mesmos não o sabemos, ou nos sentimos pior ainda, por mentir deslavadamente insistindo na falácia do tal do protagonismo, palavra da moda que instila fervor proporcional à dificuldade de sua realização em larga escala. Indivíduos com planetas ou ângulos em signos mutáveis – Gêmeos, Virgem, Sagitário e Peixes – sentem esse peso de forma mais aguda e intensa, especialmente quando o Sol, Lua ou ASC estão envolvidos. Indivíduos nascidos na década de 70 são encurralados por essa quadratura, porque vivenciam, ao mesmo tempo, a quadratura Netuno-Netuno, um dos movimentos simbólicos da crise de meia idade – ou seja, são pegos no meio do fogo cruzado, ou melhor dizendo, no meio desse lamaçal!

Agende uma consulta e veja os significados e transformações da quadratura Saturno-Netuno no seu mapa natal e na sua vida!

Cidade_Destruida
Reprodução

O futuro imediato traz sim, muita incerteza: Saturno permanece em quadratura a Netuno por todo o ano de 2016 e em boa parte deste período temos o “caldo engrossado” por Júpiter em Virgem, que se opõe a Netuno e quadra Saturno, significando maior retração econômica, recessão e uma possível proliferação de estados depressivos e de desencanto. Saturno trafega Sagitário, signo de expansão econômica, cultural, religiosa e espiritual, signo regido por Júpiter. Saturno em Sagitário vem cobrar a conta da expansão irresponsável e inconsequente que tomou lugar nos últimos anos e décadas. A crise de 1929, marcada pela quebra de Wall Street e que deflagrou um período longo de recessão econômica no mundo todo, ocorreu num trânsito de Saturno por Sagitário, combinado com uma quadratura de Urano em Áries a Plutão, que trafegava na época o signo de Câncer, não por acaso, oposto a Capricórnio, signo que Plutão trafega atualmente, ou seja, temos a mesma quadratura Urano-Plutão nos céus atuais, que, embora não fique mais exata, ainda permanece em orbe de 3/4 graus por quase todo o anos de 2016. Portanto, os próximos dois anos e os ciclos em questão dão seguimento às transformações e despertamentos iniciados em 2008 e nos convidam a uma reflexão e revisão profundas e viscerais dos nossos sistemas de crenças, das estruturas religiosas, dos sistemas e estruturas de poder, do paradigma cientificista e ultra-racional que explora e subjuga a Natureza indiscriminadamente e dos modelos políticos e econômicos que nos levarão à falência do planeta se não forem modificados – aliás, já atingimos um ponto em que não há retorno, o que precisamos é tentar diminuir o impacto daqui para a frente. Contudo, é melhor este estado de espírito atual, em que finalmente “caiu a ficha” do que o oba-oba consumista em que vínhamos. Como diz Sri Sri Ravi Shankar, “É bom estar desiludido. Significa que você está fora da ilusão e veio para a realidade.” E isso é, essencialmente, trabalho de Saturno-Netuno.

desilusão

 

Neste cenário lúgubre, líderes religiosos que se auto-intitulam redentores e salvadores da pátria, novos messias, líderes fanáticos e fundamentalistas, falsos profetas e ilusionistas, como simbolizados por Netuno em Peixes, junto com seus grupos, seitas e facções ultra-conservadores e intolerantes quanto à fé alheia, tendem a proliferar feito erva daninha, angariando legiões de fiéis que se voltam para eles sedentos por um fio de esperança que seja, por alguma certeza e segurança, num mundo em que as certezas simplesmente deixam de existir.

Claudia Lucia Mckinney 1
Claudia Lúcia McKinney – Reprodução

Netuno representa o estágio da Solutio na Opus Alquímica. Na Solutio o Rei (Saturno) precisa morrer e é uma morte por afogamento (Netuno). O velho ego, enrijecido e podre, precisa ser dissolvido. Assim, o Rei se afoga, sob o olhar atento do alquimista, que assiste a tudo da margem, sem interferir. O alquimista é a consciência, que sabe que o ego e suas couraças precisam morrer, se dissolver, se desintegrar. Como o alquimista, precisamos deixar este Velho Rei morrer e abrir mão de tudo o que ele representa, para que possa ocorrer uma renovação verdadeira, para que se possa renascer mais limpo e purificado. E se por ocasião da conjunção, lá em 1989, Saturno estava mais forte, porque estava em seu próprio signo, Capricórnio, agora acontece o oposto, é Netuno quem está mais poderoso em Peixes e Saturno está mais enfraquecido, visto que trafega um signo alienígena à sua natureza de constrição, o expansivo Sagitário.

tumblr_miaoempI9b1rof4hko1_500
O Rei deve se afogar – Imagem Alquímica – Atalanta Fugiens – Michael Maier – século XVI – Reprodução

A quadratura Saturno-Netuno se dissipa no fim de 2016, porém Saturno faz também quadratura a Quíron e esses dois em conflito não representam muito alento também não. Além disso, em 2017 Saturno ingressa em Capricórnio. E o que tem Capricórnio? Ora, é o Retorno de Saturno de todos os eventos que ocorreram em 1989/1990, assim como para as pessoas nascidas naqueles anos, ou seja, Saturno fará conjunção à conjunção Saturno-Urano-Netuno que acontecia naquele período, enquanto Netuno faz quadratura ao mesmo ponto – quer dizer, a cobrança e o acerto de contas acerca destes modelos falidos e excessivamente idealizados continua.

yuumei deviantartO meu intuito aqui não é deixar o/a leitor/a deprimido/a ou assustado/a. É, antes, provocar uma reflexão. Eu também não tenho pretensão nenhuma de ter respostas prontas e de dizer o que vai ou não acontecer. Obviamente que estes ciclos se desdobram desde que o mundo é mundo e sobrevivemos até aqui, estamos vivos e contando a História – a diferença é que antes, o homem não tinha alcançado o poder bélico e industrial de que dispõe hoje. Voltando ao que eu dizia, não quero deixar ninguém ainda mais sem esperança, muito pelo contrário! Repito: quero provocar uma reflexão a respeito dos nossos modelos e paradigmas enrijecidos e falidos – eles precisam mesmo se desintegrar, se dissolver e ser purificados nas Águas Grandes de Netuno.  Precisamos deixar ir, porque com Netuno, é o melhor que podemos fazer, abrir mão, soltar o que não presta/serve mais para liberar-nos para o novo. Isso tudo não deve nos desanimar e fazer jogar a toalha, mas sim lavar-nos da indecência e dos pecados políticos, econômicos, sociais e ambientais que temos cometido, conscientizarmo-nos de nosso papel individual. Também quero lembrar que neste cenário soturno e nebuloso que temos diante de nós, temos a grande responsabilidade de vigiar e orar, de cuidar de nós mesmos e tentar minimizar ao máximo – perdão pelo trocadilho absurdo – nosso impacto negativo pessoal nesta conjuntura, ou, melhor dizendo, tentar contribuir qualitativamente com atitudes conscientes, de sobriedade no consumo de tudo, desde a água, a todos os recursos naturais, energia, produtos industrializados, etc; tentar melhorar nosso entorno primando pela integridade individual, para que consigamos causar, em algum momento, uma transformação na identidade cultural e coletiva neste planeta; viver de forma íntegra, correta, buscando melhorias não só para si, mas para o todo, para o mundo. Até porque, um dos motivos de chegarmos ao ponto em que chegamos é termos aberto mão de nossa responsabilidade pessoal, esperando que governos e estados tomassem conta de nós, numa fantasia de redenção absurda digna de infantes incapazes – aliás, talvez ainda sejamos infantes dependentes de um salvador que nos salve de nós mesmos! Se estamos revoltados e desalentados por Mariana, devemos nos mexer em nossas comunidades para que o mesmo não aconteça em outras barragens. Quantas centenas de barragens existem pelo Brasil afora? Nem todas são de resíduos tóxicos, mas ainda assim, estarão seguras? Porque não se começa um movimento, por exemplo, de averiguação técnica de todas as barragens no país? Vamos esperar acontecer de novo? Quantas mais são da Vale, que já se provou criminosa? São medidas práticas que precisam ser pensadas e acionadas, só para começar por um problema!

lairie lipton - the forth horse of apol=calipse
Lairie Lipton – O quarto Cavaleiro do Apocalipse Reprodução

Em resumo, só iremos sair desse grande enrosco, dessa encrenca sem precedentes, quando nos conscientizarmos da nossa responsabilidade pessoal, quando nos dermos conta de que não há separação entre realidade e corpo físico, alma, mente e espírito – esse é o modelo da Era da Razão, que está sendo desmontado e desmantelado. Da mesma maneira, não há separação entre eu o outro, somos feitos da mesma matéria e substancia, viemos da mesma origem e para lá voltaremos. Quando nos dermos conta disso, de que eu e o universo somos um só, então teremos uma chance de transcender essa realidade bruta e limitada, teremos, finalmente, aprendido a lição!

Em termos práticos, essa configuração também sugere proliferacao descontrolada de vírus e bactérias, o que leva a epidemias e, às vezes, até mesmo pandemias.

jung
PARA REFLETIR – Jung, em Psicologia do Inconsciente – Foto tirada da Fanpage Despertar Coletivo – Reprodução

 

somosum-1024x516
Reprodução

Quem tiver curiosidade sobre os principais eventos do ano de 1989 na esfera mundial, dê uma olhada nessa Linha do Tempo da BBC: Linha do Tempo 1989

(1) Astrid Fallon – Planetary Cycles at a Glance – Booklet – Fallon AStro Graphics