A Semana Astrológica – Perdoar e liberar-se

Reprodução

Semana de 17 a 23 de abril – Semana de encarar realidades, não para lamentar, mas para crescer. Revisões, reciclagens encerramentos de pendências e eliminações também estão no menu. 

Esta semana é marcada pelo quarto Minguante, que ocorre novamente na quadratura Capricórnio-Áries, a exemplo do mês passado (20 de março, grau Zero de Áries). Isso sugere que precisamos aprender algo muito profundo acerca dos temas dessa quadratura, mudar as fórmulas, abrir mão da rigidez, perceber a beleza do novo e o que ele pode nos acrescentar, ao invés de ter medo da novidade.

Também temos várias movimentações ocorrendo nos céus, algumas delas tensas, mas outras bastante positivas. De modo geral, o princípio da realidade, Saturno, está bastante enfatizado, já que ele recebe vários aspectos, de planetas diferentes. Para começar, o Sol faz trígono a este Saturno, já na segunda-feira, sinalizando a oportunidade de integrarmos um senso de responsabilidade e paciência ao intrépido e impulsivo sol Ariano. Alguns dias depois o Sol ingressa em Touro, inaugurando um período de buscar mais estabilidade e de desfrutar sem culpa dos prazeres sensoriais, os prazeres do corpo.

Reprodução

Outro que conversa com Saturno é Marte, mas desta vez a conversa é mais tensa e sugere algumas discrepâncias entre nossos desejos de realização e a realização de fato. Talvez algumas de nossas crenças arraigadas interfiram na nossa prosperidade, na efetivação e manifestação de nossos desejos e até de nossa individuação. Então, é necessário parar e avaliar onde começa essa incongruência e, se necessário, desconstruir essas crenças paralisantes, conciliando planos com realidade, mas sem nos deixar alquebrar por ela. Marte também muda de signo nesta semana. Ingressa em Gêmeos na sexta-feira e logo ganhamos mais versatilidade, desenvoltura e engenhosidade na forma como lutamos para conquistar nossos objetivos. A competitividade é vivenciada na comunicação verbal e nos vemos usando palavras como armas, quando é necessário. A atividade mental também fica mais estimulada, particularmente porque com Mercúrio volta a Áries na quinta-feira, e os dois, Mercúrio e Marte ficam em recepção mútua, algo que pode minimizar os efeitos mais pesados da retrogradação mercurial, mas pode também criar alguns problemas devido à impulsividade, que talvez fique mais aflorada.

Reprodução

Antes de voltar a Áries, porém, Mercúrio faz a Conjunção Inferior ao Sol, ainda em Touro, ficando Cazimi por algumas horas, voltando a Áries ao final do mesmo dia. Ao retroceder a Áries, Mercúrio nos convida a rever se nossa comunicação é assertiva e direta o bastante e, a exemplo da retrogradação de Vênus, sugere que reavaliemos como nos colocamos diante dos outros, se temos nos afirmado corretamente ou se há desequilíbrios, seja porque somos bruscos/diretos/dominadores demais ou porque temos receio de dizer o que realmente pensamos e queremos. O processo mental é mais rápido com Mercúrio em Áries, mas há que se ter cautela, porque podemos tomar decisões erradas, levados por impulsos e poderemos nos arrepender mais tarde, particularmente porque Marte estará em Gêmeos, signo regido por Mercúrio, como já dito acima.

Reprodução

Mas o peso maior da semana fica mesmo por conta da última quadratura de Vênus a Saturno. Vênus já está direta, ainda em Peixes e cumpre a última parte do aprendizado compreendido pela retrogradação, que foi mais densa devido a Saturno e a Quíron. Agora ela começa seu retorno do Mundo Inferior e faz os mesmos aspectos novamente, o que torna tudo menos difícil, porque já enfrentou isso antes, já sabe do que se trata. A dor já não é tão intensa e agora há mais sabedoria. Estamos aptos a olhar para trás e ver as situações com outros olhos, mais descansados, talvez mais serenos. Agora é a hora da liberação: liberação da dor, do ressentimento, das mágoas, do passado e do nosso apego a tudo isso, inclusive às pessoas com quem dividimos tais experiências.

A Lua abre a semana na fase Disseminadora e fica Minguante em Capricórnio. Passeia por Aquário e torna-se Balsâmica em Peixes, fechando o domingo já em Áries. A Lua será nova no dia 26 de abril, às 09h16min de Brasília (13h16min no horário de Lisboa), a 06°27′ de Touro.

Reprodução

SEGUNDA-FEIRA, 17 de abril – O Sol Ariano está em trígono pleno a Saturno em Sagitário e em semi-sextil a seu dispositor, Marte em Touro, que por sua vez, está hoje hoje está em quincúncio pleno a Saturno – que recebe a quadratura de Vênus novamente, exata na sexta-feira. Marte entrou o dia ainda em sextil exato (por minutos) a Vênus. A Lua abre a semana ainda na fase Disseminadora, em Capricórnio, onde fica Minguante amanhã. Hoje ela fez trígono a Mercúrio retrógrado em Touro e faz também sextil a Netuno em Peixes, sesqui-quadratura a Marte e fecha a noite já próxima da quadratura a Júpiter em Libra. A despeito das muitas tarefas e obrigações que temos para o dia e semana e das quais estamos perfeitamente cientes, temos certa dificuldade em “engrenar” o dia porque há uma tendência a postergar assuntos, como se precisássemos estar muito certos a respeito deles, ou como se precisássemos terminar outras coisas antes, que estavam pendentes e inacabadas. Ao mesmo tempo em que não conseguimos acelerar e fazer “diferente”, sentimo-nos cobrados, seja por nós mesmos ou por outros, o que traz uma sensação de insegurança, que nos faz duvidar de nós mesmos e nossas capacidades. Se temos dificuldade em lidar com tais conflitos abertamente, podemos simplesmente resvalar na preguiça, no sono, como forma de fugir do conflito ou talvez como maneira de responder à cobrança: com autossabotagem. O fato é que há uma sensação de peso, de excesso de obrigações, de vida arrastada, o que vai demandar muita energia e tempo até para começar a organizar e estruturar tudo o que temos que fazer e providenciar. E dá-lhe cobrança! E dá-lhe preguiça e desânimo. Mas é fato que há obrigações e não dá para discutir contra elas – o jeito mesmo é arregaçar as mangas o quanto antes e buscar recuperar o tempo “perdido”, porque tempo aqui, é ouro. Subjacente a tudo isso, jaz um grande manancial de força e resiliência, a grande experiência de quem já passou por coisas piores e superou e de quem pode agora usar tal experiência para avaliar qual o melhor caminho, a melhor solução, a melhor tática para lidar não só com nossos próprios conflitos, mas também com as dissonâncias que vemos ao nosso redor. Para acender o nosso fogo e essa força interiores, precisamos re-lembrar de nossos propósitos maiores, que estão acima de quaisquer dúvidas ou inseguranças, receios ou preguiças, e mesmo acima de qualquer desânimo, se assim quisermos, se assim RE-lembrarmos.

Reprodução

TERÇA-FEIRA, 18 de abril – De Capricórnio a Lua faz quadratura a Júpiter em Libra, depois conjunção a Plutão e quadratura a Urano em Áries, formando uma T-Square Cardinal. O Sol segue se afastando do trígono a Saturno enquanto se despede de Áries e se prepara para entrar em Touro. Vênus, ainda muito lenta, segue em direção à última quadratura a Saturno. O dia tem muita inspiração, desejo de mudar o que não está funcionando, percepções de que as crises trazem muitas oportunidades e não apenas desassossego. Mas tudo isso tem efeito positivo apenas se nos responsabilizamos pela nossa própria mudança, se nos comprometemos com aquilo que nós podemos fazer, ainda que seja pouca coisa – já é um passo. A outra opção é olhar para o mundo e lamentar que tudo está de mal a pior, que não entendemos porque tudo está degringolando, porque “os outros” são tão fundamentalistas e violentos, tão rebeldes e iconoclastas, tão irresponsáveis e inconsequentes, tão subversivos e desordeiros, tão… o que quer que seja nossa reclamação acerca do mundo e dos outros. Precisamos abrir nossa mente, nosso coração e consciência e pelo menos cogitar que cada um tem suas razões para estar onde estar, qualquer que seja o lugar de aprendizado que cada um ocupa no momento, luminoso ou sombrio, leve ou pesado. Não cabe a nós julgar ao outro, mas apenas especular o que nós mesmos faríamos se estivéssemos no lugar dele? Será que faríamos escolhas muito melhores? Será que nosso desempenho não seria ainda pior? Apontar o dedo para quem quer seja ainda nos deixa presos à ilusão e ainda perpetua o jogo da vítima, que aponta “culpados”, mas não lida com responsabilidades. Apenas no responsabilizar pela nossa parte e buscar transformá-la, vai resolver alguma coisa. Só transformamos a nós mesmos, e isso já é muito – o resto vem como reverberação do efeito que temos no mundo. Em termos práticos o dia traz muita energia de realização, estamina física e emocional para atacar diversos problemas e crises, se tivermos espírito de cooperação e de solução. Do contrário, podemos piorar os problemas ao ficar simplesmente buscando “culpados”. Todos somos responsáveis. Todos!

Reprodução

QUARTA-FEIRA, 19 de abril – Ainda em Capricórnio, a Lua se harmoniza com Quíron e com Vênus em Peixes e também faz trígono com Marte. Formaliza o quarto Minguante ao fazer quadratura ao Sol em Áries, a segunda Lua Minguante consecutiva a ocorrer nesta quadratura. A Lua fica vazia depois deste contato, às 06h57min e ingressa em Aquário às 07h52, de onde logo quadra Mercúrio. O Sol ingressa em Touro às 18h27min e Plutão estaciona às 08h48min – fica retrógrado amanhã. A Lua fica minguante novamente na quadratura Capricórnio-Áries, indicando uma ênfase extra sobre o tema do velho (Capricórnio) e do novo (Áries), da tradição, da convenção e da cautela do Velho Rei versus o pioneirismo e a audácia do Filho, o jovem, que vem implantar novas formas de governar e de manifestar a vida no mundo. Começamos o período de limpezas, finalizações, encerramentos do ciclo. É hora de avaliar nossas ações, o que realizamos e o que ficou para trás; é hora também de reciclar ou de descartar de vez aquilo que não está funcionando; sobretudo, é necessário uma limpeza profunda nas atitudes sociais, no papel que desempenhamos no mundo lá fora; como vivemos nosso papel mundano, como assumimos – ou não – nossas responsabilidades. Abrir mão da tradição árida, da convenção sem sentido, das regras vazias, do utilitarismo do homem e dar lugar a formas mais livres e menos engessadas de fazer as coisas. O questionamento sobre as convenções sociais fica realmente salientado com esse Minguante ocorrendo novamente no signo da Cabra. Capricónio rege os joelhos, um simbolismo da humildade, que nos lembra que precisamos ceder e nos render, soltar o controle e a rédea curta das situações; render-nos diante da nossa impotência, do desconhecido, desistir de saber tudo, resolver tudo, controlar tudo. Permitirmo-nos errar e aprender com esses erros, feito o bebê que se diverte a cada nova queda na tentativa de aprender a andar, ao invés de chorar, humilhado. Abrir mão do ego e do orgulho, porque é somente o ego que se sente humilhado quando falha ou quando tem que se dobrar – a alma se diverte com o aprendizado, a alma não tem investimentos no orgulho. Então, precisamos nos perguntar qual a faxina que precisamos fazer no nosso ego hoje; a quem ou ao quê precisamos nos dobrar e nos render; o que precisamos deixar ir para abrir espaço para novas esperanças, novas atitudes e possibilidades… A casa onde temos Capricórnio pode nos dar muitas pistas sobre isso. Abrir mão da rigidez e das opiniões formadas e inflexíveis, aliás, é o grande desafio do dia. Há muita teimosia no ar, a ponto de em certas situações agirmos – ou vermos outros agindo – feito mulas empacadas, que não se dão conta do ridículo da situações, de tão apegados que estamos às nossas opiniões e conceitos mentais, que novamente, não passam de ilusão. Desapegar-se dos preconceitos e das ideias estreitas também está mais que favorecido!

O Sol ingressa em Touro, inaugurando um período de buscar mais estabilidade e segurança material, de nos perguntarmos que obra estamos construindo de nós mesmos: está sólida o bastante? Tem sustentação? Qual o valor dessa obra? De onde derivamos nosso senso de valor? É tempo também de desfrutar sem culpa dos prazeres sensoriais, os prazeres do corpo, de relaxarmos e de buscarmos uma vida mais confortável e tranquila, de buscarmos uma vida mais simples e natural.

Reprodução

QUINTA-FEIRA, 20 de abril – Mercúrio faz a Conjunção Inferior ao Sol ainda em Touro e ingressa em Áries às 14h37min. A Lua Aquariana faz trígono a Júpiter e fecha o dia em harmonia com Urano, seu regente moderno. Vênus está muito perto da quadratura plena a Saturno. Plutão entra em retrogradação às 08h48min. O dia traz rasgos de leveza que ajudam a equilibrar o peso que andamos carregando ultimamente. Apesar dos pesares, conseguimos perceber a justa razão para estarmos onde estamos, envolvidos nos dilemas que nos afligem. Talvez até consigamos olhar para nós mesmos, para o outro e toda a situação com alguma benevolência e esperança e nos sintonizar com novas e mais elevadas aspirações e se assim nos predispomos, nos abrimos à cura. A conjunção Mercúrio-Sol começa uma nova fase no que tange a comunicação, as ideias, os conceitos… A mente sincroniza-se com os propósitos mais profundos e maiores da consciência. Mercúrio retorna a Áries, convidando-nos a revisar nossa brusquidão, a fala impulsiva que atropela o outro, a escuta impaciente, os pensamentos atrapalhados e imponderados. Plutão entra em retrogradação também convidando a revisões, acerca do uso – ou abuso – de poder, dos conteúdos secretos revelados nos últimos meses e também dos nossos processos pessoais e coletivos de transformação.

 

Homem e Mulher, esculturas de Tamara Kvesitadze. Localizadas na cidade costeira de Batumi, na Geórgia, as duas figuras representam um menino muçulmano, Ali, e uma princesa georgiana, Nino, separados tragicamente pela invasão da Rússia Soviética. Personagens retiradas de um romance de 1937 do autor Azerbaijão Kurban Said. se quiserem saber mais da escultura, vale a pena pesquisar! – Desconheço o autor da filmagem – Reprodução.

SEXTA-FEIRA – 21 de abril – Marte ingressa em Gêmeos às 07h32min e agora temos Mercúrio e Marte em recepção mútua. Vênus completa a última – de uma série de três – quadratura a Saturno hoje. A Lua se harmoniza com Urano e com Mercúrio, ficando vazia depois deste contato, às 15h24min. Ingressa em Peixes às 16h43min de onde logo se afina com o Sol Taurino, mas faz quadratura a Marte, já em Gêmeos. Amadurecer leva tempo. Desarmar-se e confiar leva tempo. Amar leva tempo. Perdoar leva tempo. Tudo o que é importante e vale a pena costuma levar tempo – salvo raras exceções. Por esses dias isso parece estar mais nítido para nós e, a despeito do peso e do receio, talvez até aceitemos, porque estamos cansados de discutir, de discordar, de ir contra a maré, ou simplesmente começa a fazer sentido.

Num tempo de “amores líquidos”, em que tudo é “consumido” feito Fast-food, inclusive pessoas e relações, realmente se sente deslocada a alma que ama com vagar, que vai se desarmando aos poucos, que vai se abrindo e desabrochando lentamente. Porque tirar a roupa é fácil, já desnudar a alma e o coração para se deixar ver e conhecer pelo outro, isso demanda muito tempo e coragem. É para os valentes, que sabem que podem se machucar muito no processo, mas ainda assim resolvem correr o risco. Mas a vivência e a maturidade nos ensinam e quem tiver um mínimo de sabedoria, saberá que mesmo a pior das mágoas, a mais amarga das dores nos ensinou alguma coisa. Hoje estamos mais cientes desse aprendizado, acerca do outro, mas principalmente, acerca de nós mesmos. Boa parte do dia temos um distanciamento que ajuda a nos abstrair um pouco da dor e desapegar-os do sofrimento. Mas, pelo fim da tarde, a alma se sensibiliza e sente tudo em cheio, como um tsunami que nos engolfa e que mistura memórias do passado com acontecimentos presentes, tornando a noite pesada e melindrosa, na melhor das hipóteses, nostálgica. Contudo, a oportunidade nos é dada de reviver tudo, para perdoar, porque se insistimos em res-sentir, ficamos fadados à repetição atroz do sofrimento desnecessário e sem sentido. Assim, podemos ter compaixão por nós mesmos – diferente de autopiedade – e finalmente deixar ir todas essas mágoas, esse passado de ressentimentos, rejeições e medos e nos comprometer conosco mesmos pela mudança e por um futuro diferente. Como? Procurando terapia, se for o caso; desenvolvendo mais amor e carinho por si mesmo; perdoando ao outro e a nós mesmos. Porque somente liberando as culpas, mágoas e o próprio passado, ficamos disponíveis para viver coisas novas, belas e saudáveis.

Reprodução

SÁBADO, 22 de abril – A Lua Minguante Pisciana faz conjunção a Netuno e quincúncio a Júpiter em Libra. Vênus começa a se afastar da quadratura a Saturno. O dia traz reminiscências doces e saudosistas, algumas talvez mais pesadas e tristes, mas tudo isso colore o sábado de nostalgia e talvez até uma sensação de irrealidade, como se estivéssemos em outra esfera, outra dimensão. Há muita sensibilidade, que pede paciência conosco mesmos e com outros. Uma tendência forte aos devaneios e a perder-se em fantasias, realizáveis ou não, mas nem estamos preocupados com isso, pois queremos mesmo é escapar da rotina insossa e meio árida, no mundo da imaginação, que está particularmente fecunda, favorecendo a artistas e criativos em geral. Podemos traduzir nosso estado de alma, seja ele sublime ou carregado, nos veículos criativos que estiverem à mão. A Lua está minguante, em Peixes, último signo do Zodíaco, que enfatiza o fim do ciclo, sugerindo que realmente finalizemos os processos, que nos lavemos e purifiquemos, seja com água, seja com lágrimas, o importante é deixarmos ir no líquido translúcido as horas agoniadas, os momentos de desamparo, os minutos de desespero e dar boas vindas ao silêncio, curando-nos a nós mesmos e ao mundo ao nosso redor.

Bruno Bruni – 1935 – Reprodução

DOMINGO, 23 de abril – A Lua Pisciana se alinha com Plutão e faz semi-quadratura ao Sol, entrando na fase Balsâmica. Depois faz conjunção a Quíron e a Vênus, brigando em seguida com Saturno e ficando vazia depois da união a Vênus, às 18h36min. A Lua ingressa em Áries às 21h33min e fecha a noite em harmonia ao seu dispositor, Marte, que está em Gêmeos. Novamente um dia delicado, de tom e sabor agridoce, que pede gentileza e delicadeza nos gestos, interações e trocas, visto estarmos todos sensíveis, emotivos e demasiadamente receptivos às influências exteriores e aos humores instáveis. Digerimos e elaboramos as últimas semanas, no que nos ensinaram, no que deixamos para trás, no que nos dispusemos a aprender. Agora talvez vejamos com mais nitidez o mar interno e revoltoso, embora lá fora tudo pareça plácido e sereno. Mais um dia, mais uma chance de soltar os restolhos do ciclo, os resíduos e detritos que porventura tenham ficado de todas as finalizações que procedemos recentemente. Em termos práticos, o dia está favorável à solitude ou a programas calmos e serenos, com companhias nas quais confiemos e que estejam na mesma sintonia, já que atritos podem surgir devido à diferença de vibração e interesses. Atividades em que exerçamos nosso altruísmo e empatia pelos problemas e sofrimento alheios estão favorecidas e trazem a chance de fazermos algo de efetivo e concreto, ao invés de simplesmente ficarmos assolados por emoções densas que não sabemos como canalizar.

Ótimos dias para você! Que sejam de luz e serenidade!

Reprodução
Reprodução

4 opiniões sobre “A Semana Astrológica – Perdoar e liberar-se”

  1. Boa noite! Gostaria poder imprimir estes post para poder lê-los e entendê-los melhor e com maior conforto. Porém de um tempo prá cá, não consigo. Há algum jeito ou mudou a configuração? Grata.

    1. Sim, Lídia! Depois das últimas atualizações do WordPress, eu também não consigo mais copiar, tenho que entrar no modo edição para fazer isso. Não sei como fazer essa alteração. Desculpe.vou enviar um e-mail para explicar melhor. grata pela visita! 🙂

Deixe uma resposta